RONALDO OLIVEIRA NUNES. Gerenciamento de risco no transporte rodoviário de cargas: uma análise sobre os sistemas de rastreamento via satélite

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RONALDO OLIVEIRA NUNES. Gerenciamento de risco no transporte rodoviário de cargas: uma análise sobre os sistemas de rastreamento via satélite"

Transcrição

1 FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE RONALDO OLIVEIRA NUNES Gerenciamento de risco no transporte rodoviário de cargas: uma análise sobre os sistemas de rastreamento via satélite São Paulo 2009

2 FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE RONALDO OLIVEIRA NUNES Gerenciamento de risco no transporte rodoviário de cargas: uma análise sobre os sistemas de rastreamento via satélite Monografia apresentada no curso de Tecnologia em Logística com ênfase em transporte na FATEC ZL como requerido parcial para obter o Título de Tecnólogo em Logística com ênfase em Transporte Orientador: Prof. Dr. Carlos Alberto Di Lorenzo São Paulo 2009

3 Autorizo a reprodução e divulgação total ou parcial deste trabalho, por qualquer meio convencional ou eletrônico, para fins de estudo e pesquisa, desde que citada a fonte. Nunes, Ronaldo Oliveira. Gerenciamento de risco no transporte rodoviário de cargas: uma análise sobre os sistemas de rastreamento via satélite /Ronaldo Oliveira Nunes São Paulo, SP: [s.n], Orientador: Carlos Alberto Di Lorenzo Monografia (Graduação) Faculdade de Tecnologia da Zona Leste. Bibliografia: f. 1. Introdução. 2. Logística Empresarial. 3. Transporte rodoviário. 4. Gerenciamento de Risco. 5. Sistemas de Rastreamento via Satélite. 6. Estudo de caso. 7. Conclusão. 8. Referências Bibliográficas

4 NUNES, R. O. Gerenciamento de risco no transporte rodoviário de cargas: uma análise sobre os sistemas de rastreamento via satélite. Monografia apresentada à Faculdade de Tecnologia da Zona Leste para obtenção do título de Tecnólogo em Logística. Aprovado em: Banca Examinadora Prof. Dr. Julgamento: Instituição: Assinatura: Prof. Dr. Julgamento: Instituição: Assinatura: Prof. Dr. Julgamento: Instituição: Assinatura:

5 A Deus, minha mãe, meu pai e meus irmãos que sempre me apoiaram e me deram suporte para ser o que sou hoje...

6 AGRADECIMENTOS A minha namorada que foi fiel e companheira em todas as horas difíceis. A minha família, minha fonte de inspiração e motivação. Aos amigos, pela força e pela vibração em relação a esta jornada. Ao Prof. Dr. Orientador pela colaboração na elaboração deste trabalho. Aos professores e colegas de Curso, pois juntos trilhamos uma etapa importante de nossas vidas. Aos companheiros de trabalho, os quais entenderam a importância de tudo isso para mim.

7 A persistência é o caminho do êxito. Charles Chaplin

8 RESUMO NUNES, Ronaldo Oliveira. Gerenciamento de risco no transporte rodoviário de cargas: uma análise sobre os sistemas de rastreamento via satélite Trabalho de Conclusão de Curso Faculdade de Tecnologia da Zona Leste FATEC ZL. São Paulo, Análise sobre a utilização de sistemas de rastreamento via satélite em veículos de transporte rodoviário. Para a coleta de dados utiliza-se metodologia de pesquisa bibliográfica para revisão de literatura pertencente ao tema. Mostrando dados históricos sobre a disseminação do transporte rodoviário no Brasil e seu crescimento e utilização desproporcionais em relação aos outros modos de transporte. Buscando mostrar as vantagens na utilização dos sistemas de rastreamento na prevenção de roubos e furtos de veículos e até mesmo na recuperação dos mesmos, além de mostrar outras vantagens como a roteirização, maior controle da frota e possibilidade de se obter históricos de ocorrências em todas as viagens realizadas. Palavras-chave: Gerenciamento de risco, transporte rodoviário, rastreamento, satélite.

9 ABSTRACT NUNES, Ronaldo Oliveira. Risk management in the roadway transport: an analysis about satellite tracking systems Paper of Course Conclusion Faculdade de Tecnologia da Zona Leste FATEC ZL. São Paulo, Analysis of the use of satellite tracking systems in roadway transportation vehicles. For data collection is used the methodology of literature search relevant to the subject. Showing historical data of the dissemination of the roadway transport in Brazil and it s growing and it s disproportional use over others transportation ways. Seeking to show the advantages from the use of tracking systems in the prevention of vehicles steal and thefts and even in their recuperation, over there of showing other advantages like itinerary, bigger control of the fleet and the possibility of having incident historical in all the trips made. Key-words: Risk management, roadway transport, tracking, satellite.

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Modelo de Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos...19 Figura 2 Rede Logística...20 Figura 3 Modelo Geral da Cadeia de Suprimentos...21 Figura 4 Modelo de Cadeia de Valor...22 Figura 5 Constelação dos Satélites GPS e a Distribuição destes em cada um dos planos Orbitais...38 Figura 6 Distribuição dos Satélites na Constelação Final...39 Figura 7 Funcionamento do Sistema de rastreamento via GPS...40

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Evolução do Transporte rodoviário no Brasil...25 Tabela 2 Investimentos nos três sub - setores de transporte entre 1956 e 1963 (%)...26

12 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL Logística e transporte no processo de globalização Cadeia de Suprimentos TRANSPORTE RODOVIÁRIO O período pós-guerra Transporte rodoviário de carga Agentes do transporte rodoviário de carga Panorama do transporte de carga no Brasil Roubo de cargas nas rodovias GERENCIAMENTO DE RISCO Identificação e diagnóstico do problema Geração de soluções alternativas Avaliação das alternativas Escolha Implementação da decisão Avaliação da decisão SISTEMAS DE RASTREAMENTO VIA SATÉLITE Localização por direcionamento Triangulação de antenas Sistema GPS Segmento espacial Segmento de controle Segmento de usuários Descrição dos receptores GPS GPS Diferencial Características de utilização de sistemas de rastreamento ESTUDO DE CASO Pontos fortes da empresa Pontos a melhorar Tecnologias desenvolvidas pela empresa Considerações sobre a empresa CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 51

13 1. INTRODUÇÃO Considerando o grande número de empresas de transporte no Brasil, podese dizer que a quantidade de empresas que utilizam um sistema de gerenciamento de risco, para gerenciamento de operações de transporte pode ser considerado baixo, muitas vezes os benefícios oferecidos por esta tecnologia ainda são desconhecidos. O setor rodoviário é responsável pela maior parte do transporte de cargas no Brasil. Diante disto, as empresas cada vez mais procuram transportar com eficiência e promover melhoria contínua, diminuindo cada vez mais o uso de veículos de baixa tecnologia, veículos muito antigos e administração precária. A chegada dos operadores logísticos trouxeram mudanças para o setor de transporte rodoviário, criou-se a necessidade das empresas adotarem conceitos e padrões de agilidade e qualidade neste mercado cada vez mais competitivo. O controle da tecnologia e informação passa a representar uma grande vantagem competitiva para as empresas de transporte rodoviário, um exemplo de tecnologia que pode ser utilizada pelas empresas é o sistema de rastreamento via satélite que possibilita o controle em tempo real dos veículos. O objetivo desta pesquisa é analisar as vantagens da utilização de sistemas de rastreamento pelas empresas de transporte rodoviário de cargas. Apontar a importância do transporte rodoviário no Brasil, e demonstrar a importância do gerenciamento de risco na redução dos roubos e furtos de cargas e ainda na redução dos custos de apólices de seguros. Com o crescimento da demanda pelo transporte rodoviário de cargas e o crescente aumento da quantidade de roubos de caminhões e cargas, surgem algumas barreiras e medidas precisam ser tomadas para a redução de custos e também para manter a empresa competitiva no mercado. Os sistemas de rastreamento via satélite são realmente eficazes? Trazem vantagens para as empresas? Para a realização deste trabalho, será utilizada metodologia de estudo de caso na empresa Duty Sistemas de Logística e Gerenciamento de Risco e ainda 12

14 será utilizado a metodologia de pesquisa bibliográfica para revisão da literatura pertinente ao tema. 13

15 2. LOGÍSTICA EMPRESARIAL A importância da Logística no atual cenário econômico mundial tem crescido muito, na medida em que as empresas estão tomando consciência de seu valor, principalmente após a 2ª Guerra Mundial, onde houve um grande progresso da tecnologia e descoberta de novos materiais. As empresas também têm tomado consciência para a importância dos custos logísticos, desde o estágio inicial de matéria prima, até a entrega do produto acabado ao consumidor final. O termo Logística vem do francês Logistique e tem como uma de suas definições: A parte da arte da Guerra que trata do planejamento e realização de: projeto e desenvolvimento, obtenção, armazenamento, transporte, distribuição, reparação, manutenção e evacuação de material para fins operativos ou administrativos. (FERREIRA, 1986, p. 1045) A Logística também pode ser definida como a satisfação do cliente ao menor custo total (FERREIRA, 1986). Nas épocas mais antigas da história, as mercadorias não eram feitas perto dos lugares onde eram consumidas, sendo acessíveis em apenas em determinadas épocas do ano (BALLOU, 2004). O movimento das mercadorias limitava-se ao que as pessoas conseguiam fazer por suas próprias forças, pois sistemas de armazenamento e transporte eram inexistentes. O limitado sistema de transporte-armazenamento normalmente obrigava as pessoas a viver perto das fontes de produção e as limitava ao consumo de uma escassa gama de mercadorias.(ballou, 2004, p.25). Sistemas logístico eficazes dão possibilidade ao comércio mundial, algumas regiões podem especializar-se em materiais com melhores condições de produção, podendo assim enviar a produção excedente à outras áreas produtoras e consumidoras. A Logística empresarial é um campo relativamente novo do estudo da gestão das áreas das finanças, marketing e produção (BALLOU, 2004). Com a globalização, foi possível notar que os produtores e os consumidores encontravam-se geograficamente dispersos. As matérias primas não estão necessariamente próximas às empresas que as utilizam em seus processos 14

16 produtivos, pode-se dizer que a Logística é fundamental para as empresas eliminarem lacunas de tempo e espaço que impedem ou dificultam o fluxo de produtos. Os consumidores cada vez mais, estão exigindo os produtos no lugar certo e na hora exata e embora seja um público que espera o preço justo, está cada vez mais suscetível ao nível de serviço e não mais com base apenas no preço na hora de determinar o produto adquirido. A Logística é importante porque é capaz de auxiliar empresas e organizações na agregação e criação de valor ao cliente. Ela pode ser a chave para uma estratégia empresarial de sucesso, provendo uma multiplicidade de maneiras para diferenciar a empresa da concorrência através de um serviço superior ou ainda por meios de interessantes reduções de custo operacional. (ARBACHE et al, 2004, p.17). As empresas têm percebido que organizar e coordenar os recursos de maneira a satisfazer seus clientes é o ponto chave na gestão estratégica de negócios. Sendo assim a Logística passa a ser reconhecida como um diferencial competitivo frente à acirrada concorrência, sendo uma ferramenta estratégica, sua utilização adequada permite reduzir as dificuldades existentes entre a localização e a disponibilidade dos produtos para os clientes. O produto ao sair da fábrica, já tem um valor intrínseco a ele agregado, mas esse valor ainda está incompleto ao consumidor final.(novaes, 2004, p. 32). Além de possibilitar otimização dos processos existentes na organização, reduzindo custos operacionais, a logística empresarial gera oferta de um produto de valor superior ao cliente. Este caso pode ser exemplificado em um estádio de futebol, onde o ambulante estipula um preço muito acima do mercado para seu produto, neste caso não há escapatória para o consumidor, naquele momento o produto vendido fora do estádio não agrega valor, pois não há possibilidade de deixar o estádio para buscar um preço menor. Neste caso fica evidente um sistema logístico que coloca valor de lugar ao produto. Um outro valor, o de tempo é introduzido ao produto desde que este seja entregue ao consumidor no prazo acordado, ou no momento em que seu consumo é necessário ou desejado, enfatizando a importância da logística nas empresas (NOVAES, 2004). 15

17 A Logística Empresarial trata de todas as atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria prima até o ponto de consumo final (BALLOU, 1993, p. 24). Esta definição abrange a noção de que o fluxo de mercadorias deve ser acompanhado desde o ponto de origem até o ponto de consumo do cliente final, visando satisfazer as exigências dos consumidores. 2.1 Logística e transporte no processo de globalização A intensa aceleração da globalização dos mercados, trouxeram as necessidades das organizações de ampliar seus mercados e sua produção. A manutenção da liderança tecnológica exigia geração de caixa cada vez maior para investimento em tecnologia de ponta (VIDIGAL; GANDRA; DUPAS, 2007, p.7). As tecnologias da informação proporcionam uma facilidade na produção, automatizando muitas atividades feitas manualmente, reduzindo o tempo gasto e permitindo que outras atividades fossem desenvolvidas neste tempo que sobra. A tecnologia da informação permitiu que as organizações globalizassem seu mercado e sua produção de modo a operar com maiores escalas aos menores custos possíveis (VIDIGAL; GANDRA; DUPAS, 2007). A moderna logística procura incorporar: (a) prazos previamente acertados e cumpridos integralmente ao longo de toda a cadeia de suprimentos; (b) integração efetiva e sistêmica entre todos os setores da empresa; (c) parcerias com fornecedores e clientes; (d) busca da otimização global, envolvendo a racionalização dos processos e a redução de custos em toda a cadeia de suprimentos; e (e) satisfação plena do cliente, mantendo nível de serviço preestabelecido e adequado (NOVAES, 2004). Pode-se notar que a empresa não pode mais concentrar a mensuração e gestão dos custos considerando cada empresa de forma isolada. A logística globalizada precisa operar de forma progressiva as funções que agregam valor adicional considerável aos produtos e clientes. Alguns fatores como 16

18 Pesquisa & Desenvolvimento (P&D) e Design podem ser considerados como maximizantes de valor adicionado (VIDIGAL; GANDRA; DUPAS, 2007). A inovação tecnológica pode ser considerada a mudança mais significativa nos processos industriais, porém algumas características destes processos não alteraram de forma significativa. Primeiramente prevaleceu a integração vertical das cadeias produtivas, com linhas de montagem e grandes volumes de estoques estratégicos e operacionais como parte dos processos produtivos (VIDIGAL; GANDRA; DUPAS, 2007, p. 15). A credibilidade das marcas também vem se mantendo, assim é possível o domínio do ciclo produtivo. A partir dos anos 1980, as características de produção foram modificadas, como a integração das cadeias produtivas, com terceirização de serviços e produção de componentes. Pode-se considerar que a maior mudança no cenário industrial, implantação da técnica Just in Time (JIT). Para Ballou (2004): A programação Just in Time é uma filosofia operacional que representa alternativa ao uso de estoques para que se possa cumprir a meta de disponibilizar os produtos certos, no lugar certo e no tempo certo. É uma maneira de gerenciar o canal de suprimentos de materiais popularizada à partir da experiência dos japoneses que a desenvolveram com base nas circunstâncias logísticas e econômicas diferenciadas que imperaram em seu país nos últimos 40 anos. Esta técnica minimizou o nível de estoques nos galpões das empresas, pois cada etapa do ciclo produtivo só solicita novas encomendas à partir da necessidade das mesmas. 2.2 Cadeia de Suprimentos O Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ou Supply Chain Management (GCS; SCM) é um termo surgido recentemente que capta a essência da logística integrada, destaca as integrações logísticas que ocorrem entre as funções de marketing e produção no âmbito de uma empresa (BALLOU, 2004). 17

19 A gestão da cadeia de suprimentos apresenta-se no atual ambiente de negócios, como uma ferramenta que permite ligar o mercado, a rede de distribuição, o processo de produção e a atividade de compra de tal modo que os consumidores tenham um alto nível de serviço ao menor custo total, simplificando assim o complexo processo de negócios e ganhando eficiência (BOWERSOX e CLOSS, 2001). Apesar da existência de um abundante corpo de literatura sobre a gestão da cadeia de suprimentos, não se encontra muita consistência no uso ou significado exato atribuído ao termo (DUBOIS et al., 2004). O conceito é utilizado em diversos campos do conhecimento, que até hoje permanecem, maiormente desconexos (HARLAND, 1996). Estratégia de compra integrada, integração de fornecedores, relações comprador-fornecedor, sincronização da cadeia de suprimento, alianças estratégicas de fornecimento, cadeia de valor, cadeia de clientes, cadeia de valor agregado, cadeia produtiva, rede de suprimento (TAN, 2001). Essas são algumas das definições utilizadas em literatura para denominar o conceito de cadeia de suprimentos. Pode-se dizer que o conceito do GCS ultrapassa até mesmo o conceito da logística empresarial, pois muitas vezes pode proporcionar oportunidades para a melhoria dos custos e serviços aos consumidores com coordenação de integrantes do canal em pontos onde algumas atividades da cadeia de suprimentos que podem não estar sobre o controle direto dos profissionais de logística. A cadeia de suprimentos abrange todas as atividades relacionadas com o fluxo e transformação de mercadorias desde o estágio final de matéria prima até o usuário final, incluindo os fluxos de informação (BALLOU, 2004, p. 28). Pode-se concluir que o GCS é a integração das atividades através de relacionamentos aperfeiçoados e pode trazer uma vantagem competitiva sustentável, podendo até ser considerada como uma evolução do conceito de logística, apesar de os dois conceitos possuírem missões idênticas. A figura 1.1 mostra o modelo de gerenciamento da cadeia de suprimentos, visto como uma fonte de informações. 18

20 Figura 1 Modelo de Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Fonte: BALLOU, 2004 Para que possa ser implementada a gestão da cadeia de suprimentos é necessária a existência de uma filosofia compartilhada por todas as empresas constituintes, compreendendo um conjunto de valores, crenças e ferramentas que permitam o reconhecimento das implicações sistêmicas e estratégicas das atividades envolvidas na administração dos fluxos compreendidos (COUGHLAN et al., 2002). A competição nos mercados globais, produtos com ciclos de vida reduzidos e o aumento das expectativas dos clientes forçaram as empresas a investir na cadeia de suprimentos (LEVI; KAMINSKY; LEVI 2000). Pode-se dizer que juntamente com esses fatores, a evolução da tecnologia de comunicação e transporte contribuíram para a evolução contínua do GCS e de suas técnicas. Em uma típica cadeia de suprimentos ou rede logística, as matérias primas são adquiridas, os itens produzidos em uma ou mais fábricas, transportados para depósitos para armazenamento temporário e, então, 19

21 despachados para varejistas e clientes. (LEVI; KAMINSKY; LEVI, 2000, p. 27). A cadeia de suprimentos é constituída por fornecedores, centros de produção, depósitos e varejistas, e também por matéria prima, estoques de produtos em processo e produtos acabados. Figura 2 Rede Logística Fonte: LEVI; KAMINSKY; LEVI 2000 Para Bowersox e Closs (2002 p. 21): A gestão da cadeia de suprimentos, também conhecida como cadeia de valor, compreende empresas que colaboram para alavancar o posicionamento estratégico e melhorar a eficiência nas operações, para cada empresa envolvida, o relacionamento da cadeia de suprimentos reflete uma escolha estratégica. 20

22 Uma estratégia da cadeia de suprimentos é um arranjo baseado nas dependências da empresa que já é reconhecida na gestão de relacionamento, todas as operações dentro desta cadeia exigem processos que atravessam diversas áreas na organização e conectam parceiros e clientes para níveis além dos organizacionais. A logística ao contrário da gestão da cadeia de suprimentos, é o trabalho exigido para mover e posicionar o inventário na cadeia de suprimentos (BOWERSOX; CLOSS, 2002). A logística integrada pode servir para relacionar e sincronizar a cadeia de suprimentos, pois é através da logística que é gerado valor através do tempo, do posicionamento de inventário, do transporte, do armazenamento e diversas atividades. O conceito geral de uma cadeia de suprimentos é comumente ilustrado através de um diagrama linear que inter-relaciona as firmas participantes de uma unidade competitiva ordenada (BOWERSOX; CLOSS, 2002). Figura 3 Modelo Geral da Cadeia de Suprimentos Fonte: BOWERSOX; CLOSS,

23 Uma vez que a empresa interage com o meio que a cerca, deve orientar-se para a busca da interação com o mesmo, é preciso desenvolver uma cadeia de suprimentos que agregue valor em toda a sua extensão, sempre com o objetivo de promover o máximo de satisfação ao cliente final. A SCM também pode ser considerada uma visão expandida, atualizada e, sobretudo, holística da administração tradicional de materiais, abrangendo a gestão de toda a cadeia produtiva de forma estratégica e integrada. A SCM pressupõe, fundamentalmente, que as empresas devem definir suas estratégias competitivas e funcionais por meio de posicionamentos (como fornecedores e como clientes) nas cadeias produtivas em que se inserem (Pires, 1998). A cadeia de suprimentos (muitas vezes chamada de cadeia de valor ou cadeia de produção) pode ser definida como o conjunto de atividades executadas para produzir e entregar um produto ou serviço à consumidores finais (MIRANDA, 2002). O conjunto de atividades citado pode incluir desde a extração de matérias primas, processamento, transporte, distribuição e entrega aos consumidores. Figura 4 Modelo de Cadeia de Valor Fonte: MIRANDA, 2002 Através da figura podemos interpretar que todos os participantes executam as atividades que antecedem e complementam as atividades executadas pela empresa, quanto mais estreito o elo entre os integrantes da cadeia, maior as chances das habilidades individuais serem aplicadas em benefício próprio. As 22

24 cadeias de suprimento são integradas por vários participantes entrando e conduzindo acordos mutuamente benéficos de longo prazo. Tais acordos são conhecidos por vários nomes: parcerias, alianças estratégicas, terceirizações e contratos logísticos (MIRANDA, 2002). 23

25 3. TRANSPORTE RODOVIÁRIO Um sistema de transporte eficiente e de baixo custo contribui para aumentar a competitividade da empresa no mercado e reduzir custos dos produtos comercializados. Dentro da economia de escala, o sistema de transporte interfere na confiabilidade do recebimento de matéria prima e na entrega de produtos acabados ao consumidor final. (BALLOU, 2004). Algumas características devem ser levadas em consideração no momento de escolher o modo de transporte, são elas: (1) preço do serviço de transporte, (2) rapidez e variabilidade, (3) versatilidade, (4) riscos de perdas e danos (MONTEIRO, 2002). O inicio do século XX trouxe a difusão dos veículos automotores, surgiu então a necessidade de implantação de uma nova infra-estrutura, pois na época haviam poucas estradas, e as que existiam eram apenas caminhos abertos, com poucas condições de tráfego. Em 1917 o Brasil possuía cerca de automóveis, sendo divididos em sua maioria entre Rio e São Paulo, o uso era limitado à áreas urbanas, pois seria penoso trafegar em estradas feitas para o transito de carroças (DAVID, 1996). São Paulo foi o estado pioneiro na construção de estradas de concreto, durante o governo de Washington Luis, foi iniciada a construção da rede rodoviária paulista (COIMBRA, 1974). Ainda assim pode-se dizer que o Brasil só teve inovações relevantes no período pós-guerra. Através da tabela a seguir podemos ver sinteticamente a evolução do transporte rodoviário como um todo no Brasil: 24

26 Tabela 1 Evolução do Transporte rodoviário no Brasil Final dos anos Década de 50 Final dos anos 60 Década de 70 Após a segunda metade da década de 90 Registro de uma empresa de transporte rodovário de cargas (de que se tem notícia) Companhia de União dos Transportes; Registro dos primeiros caminhões utilizados no transporte rodoviário; Primeira Guerra Mundial interrompe o transporte de produtos manufaturados para o Brasil; estimula a criação de novas industrias; inicia-se uma série de ações em favor da rodovia e o setor de transporte cresce e fica mais atuante; Final da guerra. A navegação volta a ocupar seu lugar de destaque entre os meios de transporte do país; Cresce o tráfego de automóveis no país. A Ford Motor Company decide criar a Ford brasileira; Implanta-se o transporte aéreo; instala-se a General Motors do Brasil; Crise na ferrovia e o monopólio ameaçado; cresce o número de veículos automotores fabricados no Brasil; o automóvel e o caminhão são vistos como uma necessidade ao progresso; veículos automotores trafegam pelas ruas e estrada brasileiras; O governo Vargas incentiva o processo industrial e a economia entra em processo de recuperação à partir de 1933; Criação do Departamento Nacional de estradas de Rodagem (DNER), que em 1944 apresenta o plano rodoviário nacional; A frota nacional é composta por veículos automotores, dos quais um terço eram caminhões, surgem os pioneiros do transporte rodoviário; Segunda Guerra Mundial interrompe as trocas comerciais entre as nações; o transporte rodoviário chega à beira do colapso; em função das dificuldades da importação do transporte; Aumento considerável das rodovias que chegam a KM; o transporte rodoviário de cargas inicia sua expansão; Novo modelo de industrialização no governo do presidente Juscelino Kubitschek; industria automobilística assume papel preponderante no processo de industrialização; construção de Brasília; implantação da indústria automobilística viabiliza a criação do sistema de Transporte Rodoviário de Carga em substituição ao transporte ferroviário; À exceção de Belém e Manaus, todas as capitais estavam interligadas por estradas federais; A estrada virou questão de soberania nacional, sendo que em 1980, o Brasil tinha 47 mil KM de estradas federais pavimentadas; Com a privatização das ferrovias e a modernização dos portos, efetivamente começou a se esboçar o fenômeno da competição ao amplo predomínio exercido pelo transporte rodoviário. Fonte: MACOHIN,

27 3.1 O período pós-guerra Até a primeira metade da década de 40, a idéia de ligação entre diversas regiões do país por meio de rodovias era considerada inviável, nessa época havia um receio de que as estradas viessem a concorrer com as ferrovias (DAVID, 1996). Na década de 50 o governo de Juscelino Kubistchek ( ) pregava a filosofia de 50 anos em 5 no Brasil, com isso houve a implantação da industria automobilística no país, que difundiu o comercio de veículos automotores. Após o surto de desenvolvimento rodoviário, houve um desequilíbrio na matriz de transportes a favor do modal rodoviário, este passando a responder por cerca de 66% da demanda de transporte. Os investimentos foram muito maiores que os do modal ferroviário e hidroviário, tornando a matriz de transportes desequilibrada (COIMBRA, 1974). Tabela 2 Investimentos nos três sub-setores de transporte entre 1956 e 1963 (%) SUB SETOR HIDROVIÁRIO 20,5 13,6 8,8 9,7 17,5 16,3 19,1 17,7 FERROVIÁRIO 22,4 20,2 26,1 32,4 23,4 20,2 22,4 25,4 RODOVIÁRIO 57,1 66,2 65,1 58,3 59,1 63,5 58,5 56,9 Fonte: COIMBRA, Transporte rodoviário de carga Considera-se transporte rodoviário de cargas aquele que se realiza em estradas de rodagem com utilização de veículos como caminhões e carretas (DAVID, 1996). O transporte rodoviário de cargas apresenta características especificas em virtude do uso do caminhão; apresenta a vantagem de deslocamento porta-aporta, vantagem de menor preço inicial, flexibilidade e possibilidade de escolha de rotas diferentes (MELLO, 1995). Podem ser também consideradas vantagens do transporte rodoviário: (1) serviço porta a porta, não é preciso carregamento ou 26

28 descarga entre origem e destino; (2) freqüência e disponibilidade dos serviços, (3) velocidade e conveniência no transporte porta a porta (BALLOU, 1999). O transporte rodoviário de cargas deve ser usado em distâncias menores, entre 200 e 300 KM (FARIA, 2001). Os custos variáveis deste modo de transporte tendem a ser altos pois através de impostos, pedágios e taxas, os usuários custeiam a construção e manutenção de estadas. O transporte rodoviário de cargas apresenta pontos positivos consideráveis e outros negativos que defasam seu uso. Em países com dimensões continentais, o transporte rodoviário é considerado um modal de muita flexibilidade, possibilitando integração de diferentes regiões do país. Este modo possibilita uma disponibilidade maior para o embarcador, pois possibilita pronta disponibilidade. Os pontos negativos deste modo de transporte podem ser: (1) custo de fretamento elevado; (2) capacidade de tração de carga reduzida; (3) veículos utilizados possuem alto grau de poluição; (4) a malha rodoviária deve estar em constante manutenção e construção (FREITAS, 2004). Existem dois sub-sistemas dentro do ambiente industrial que estão ligados diretamente com o transporte, o Marketing, que se preocupa diretamente com os desejos do consumidor e a Logística que defini como esses interesses serão atendidos (ALVARENGA; NOVAES, 1994). O transporte de cargas surge com a necessidade do consumidor em obter algum produto, a atuação do transporte em termos de modal, prazos e estoque é definida pela Logística Agentes do transporte rodoviário de carga As transações de transporte geralmente são influenciadas por cinco agentes: embarcador; destinatário; transportadora; governo e público (ALANO, 2003). O embarcador e o destinatário têm como objetivo movimentar mercadorias da origem ao destino ao menor custo. A contratação do transporte poderá ficar sob responsabilidade tanto de um como de outro ou comum acordo entre os dois. 27

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global 1 Sistema de Posicionamento Global é um sistema de posicionamento por satélite que permite posicionar um corpo que se encontre à superfície

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Localização e Inteligência Móvel. Com a iguard todos os caminhos levam sua empresa onde ela precisa chegar.

Localização e Inteligência Móvel. Com a iguard todos os caminhos levam sua empresa onde ela precisa chegar. Localização e Inteligência Móvel Com a iguard todos os caminhos levam sua empresa onde ela precisa chegar. 1 2 Localização e Inteligência Móvel Todos os dias sua empresa enfrenta grandes desafios para

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL

PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL Solução Tecnologia Monitoramento Instalação SOLUÇÃO A solução de rastreamento Unepxmil foi desenvolvida para atender as principais necessidades

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL, entendendo a necessidade do mercado em serviços relacionados a segurança e proteção do patrimônio, reúne as melhores tecnologias em soluções de segurança e geolocalização.

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população!

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população! Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 17 Sistema de Informação de Usuários Michel Costa da Silva (*) No Brasil, o crescimento demográfico das grandes capitais, o apoio governamental

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Sistema GNSS. (Global Navigation Satellite System)

Sistema GNSS. (Global Navigation Satellite System) Sistema GNSS (Global Navigation Satellite System) POSICIONAR UM OBJETO NADA MAIS É DO QUE LHE ATRIBUIR COORDENADAS O Sol, os planetas e as estrelas foram excelentes fontes de orientação, por muito tempo.

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

EMPRESA ESTRUTURA FROTAS MALHA LOGÍSTICA FRANQUIAS SERVIÇOS DIFERENCIAL CONTATO

EMPRESA ESTRUTURA FROTAS MALHA LOGÍSTICA FRANQUIAS SERVIÇOS DIFERENCIAL CONTATO EMPRESA ESTRUTURA FROTAS MALHA LOGÍSTICA FRANQUIAS SERVIÇOS DIFERENCIAL CONTATO Sob o pioneirismo do GRUPO JAD, atuante no mercado logístico há mais de 20 anos, a JADLOG visa disponibilizar um atendimento

Leia mais

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 19, inciso I, da Lei nº 9.503, de 23 de setembro

Leia mais

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo;

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo; Conceitos Comunicação; Formas de escritas; Bacharel Rosélio Marcos Santana Processo de contagem primitivo; roseliomarcos@yahoo.com.br Inicio do primitivo processamento de dados do homem. ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

G.P.S. SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL

G.P.S. SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL G.P.S. SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL HISTÓRIA 23/08/1499 - navegador italiano Américo Vespúcio acreditava estar navegando pelas costas das Índias (Cristóvão Colombo). Almanaque livro que lista as posições

Leia mais

GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR

GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR O GT GPRS é um equipamento wireless que executa a função de recepção e transmissão de dados e voz. Está conectado à rede de telefonia celular GSM/GPRS, para bloqueio

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

RFID. Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID

RFID. Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID RFID Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID RFID A Identificação por Rádiofrequência permite a uma organização capturar, mover e gerenciar informações de e para cada ponto de atividade dentro do negócio

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.9 Especificações do Sistema de Monitoramento da Frota PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 OBJETIVOS... 2 2 ESPECIFICAÇÃO BÁSICA... 2 2.1 Aquisição de Dados Monitorados do Veículo...

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

RBMC-IP. Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo dos Sistemas GNSS em Tempo Real. Diretoria de Geociências DGC Coordenação de Geodésia - CGED

RBMC-IP. Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo dos Sistemas GNSS em Tempo Real. Diretoria de Geociências DGC Coordenação de Geodésia - CGED RBMC-IP Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo dos Sistemas GNSS em Tempo Real Diretoria de Geociências DGC Coordenação de Geodésia - CGED 06 de Maio de 2009 Sumário Sistema GPS Técnica de Posicionamento

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com Estoque é capital investido, com liquidez duvidosa e altos custos de manutenção. Por isso, quanto menor for o investimento em estoque, melhor. Para as empresas, o ideal seria efetuar as aquisições de estoques

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

SINCRONISMO USANDO GPS

SINCRONISMO USANDO GPS SINCRONISMO USANDO GPS Mario Piai Júnior Diretor Técnico da empresa TESC Sistemas de Controle Ltda mpiai@tesc.com.br Várias aplicações exigem que eventos, que acontecem fisicamente distantes entre si,

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSPORTE. Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos. Serviço em Rede. Operação Controlada Regularidade Confiabilidade

POLÍTICA DE TRANSPORTE. Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos. Serviço em Rede. Operação Controlada Regularidade Confiabilidade POLÍTICA DE TRANSPORTE QUALIFICAR O Serviço de Transporte por Ônibus Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos Serviço em Rede Flexibilidade de Trajetos Racionalidade de Caminhos Operação Controlada Regularidade

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Satélites Satélite é o elemento comum de interligação das estações terrenas, atuando como estação repetidora. Devido a sua altitude,

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

GNSS: CONCEITOS, MODELAGEM E PERSPECTIVAS FUTURAS DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITE

GNSS: CONCEITOS, MODELAGEM E PERSPECTIVAS FUTURAS DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITE GNSS: CONCEITOS, MODELAGEM E PERSPECTIVAS FUTURAS DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITE Prof. Dra. Daniele Barroca Marra Alves Departamento de Cartografia SUMÁRIO Posicionamento Sistemas de Posicionamento GPS,

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Posicionamento por Satélite. Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Prof. Esp. Fernando Nicolau Mendonça

Posicionamento por Satélite. Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Prof. Esp. Fernando Nicolau Mendonça Posicionamento por Satélite Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Prof. Esp. Fernando Nicolau Mendonça O Sistema GPS - Características Básicas O sistema GPS é composto por três segmentos:

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

GESTÃO DA INOVAÇÃO - UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE RASTREAMENTO POR SATÉLITE PARA MELHOR EFICIÊNCIA DA GESTÃO LOGÍSTICA - ESTUDO DE CASO

GESTÃO DA INOVAÇÃO - UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE RASTREAMENTO POR SATÉLITE PARA MELHOR EFICIÊNCIA DA GESTÃO LOGÍSTICA - ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& GESTÃO DA INOVAÇÃO - UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA DE

Leia mais

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 www.brazilpanels.com.br www.abcomm.com.br www.ecommerceschool.com.br Apoio: INTRODUÇÃO A Logística foi escolhida para ser o tema do primeiro estudo

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS Características Design inovador Controle de acesso Permite criar usuários com senhas podendo-se definir no sistema quais as funcionalidades cada

Leia mais

HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC

HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC CFLCL jragone@catleo.com.br Companhia Força e Luz Cataguazes-

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 31 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Professor do curso ESAMI

Leia mais

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto Razões para Automatizar Alto custo de mão de obra Investimentos em máquinas que possam automatizar a produção com um custo

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Resumo da solução Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Você deseja uma solução de computação unificada para a sua empresa de médio ou pequeno porte ou para o padrão avançado do seu

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA.

ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. EDITAL CONCORRÊNCIA 01/2015 ANEXO III ESPECIFICAÇÃO REQUERIDA DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA. Este Anexo apresenta as especificações requeridas para o Sistema de Bilhetagem Eletrônica SBE a ser implantado

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE. SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014.

RIO GRANDE DO NORTE. SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014. RIO GRANDE DO NORTE SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014. Monitoramento de veículos na Revenda Francisco Correia E-mail: zonanortegas@ig.com.br O Mercado de GLP em Natal/RN O Mercado de GLP em Natal/RN

Leia mais

VOCÊ está satisfeito com a

VOCÊ está satisfeito com a O Que é Logística? Logística e Distribuição A importância da Logística nas empresas 1 Logistica e Distribuição 2 Logistica e Distribuição Necessidade... Todos os dias milhões de produtos são fabricados

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

SpinCom Telecom & Informática

SpinCom Telecom & Informática Rastreador GPS/GSM modelo Com as fortes demandas por segurança e gestão de frota, a SpinCom, acaba de lançar o rastreador GPS/GSM modelo. O rastreador é indicado para aplicações de rastreamento de automóveis,

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais