UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE ÔNIBUS POR GPS por Felipe Narcizo Machado Itajaí (SC), dezembro de 2012

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE ÔNIBUS POR GPS Área de Geoprocessamento de dados por Felipe Narcizo Machado Relatório apresentado à Banca Examinadora do Trabalho Técnico-científico de Conclusão do Curso de Ciência da Computação para análise e aprovação. Orientador: Carlos Henrique Bughi, M.Sc. Itajaí (SC), dezembro de 2012

3 RESUMO MACHADO, Felipe Narcizo. Sistema de gerenciamento e monitoramento de ônibus por GPS. Itajaí, f. Trabalho Técnico-científico de Conclusão de Curso (Graduação em Ciência da Computação) Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, Com o objetivo de prover o deslocamento de pessoas de um ponto a outro, o transporte publico auxilia a diminuir a quantidade de veículos nas ruas e, como consequência, diminuir a poluição, o congestionamento e a ocupação dos estacionamentos. Porém, no Brasil existe a preferência pela utilização do transporte privado individual devido a fatores culturais e técnicos, como nível de qualidade ruim do transporte público, falta de informações ou dificuldade no acesso as mesmas. Considerando os fatores técnicos, para colaborar com a mudança deste quadro que se afigura no transporte público brasileiro e incentivar o uso do mesmo, foi desenvolvido um sistema inteligente para transporte que, através da utilização de dados de monitoramento da frota de ônibus, gerados por aparelhos com GPS, disponibiliza para as agências de transporte informações em tempo real de sua frota com o intuito de auxiliar nas tomadas de decisões e melhorar a utilização da malha viária. E, para incentivar o usuário a utilizar o transporte público, o sistema desenvolvido fornece informações sobre as rotas disponíveis a partir de um local de origem e um local de destino, possibilita visualizar qual o ponto de parada de ônibus com serviço disponível naquela data mais próximo de um local escolhido pelo usuário e possibilita visualizar todos os pontos de parada de ônibus existentes. Palavras-chave: Sistemas Inteligentes para Transporte. Monitoramento da Frota de Ônibus. Transporte Público.

4 ABSTRACT In order to promoting the people's movement from a point to another, the public transportation helps to reduce the quantity of vehicles on the streets, and, consequently, to reduce pollution, the traffic jam and the parking occupation problems. However, there are in Brazil a preference for the individual private over public transportation due the low quality, the lack of information and other factors. Aiming to help with this issues and to encourage the use of brazilian public transportation services, was developed an intelligent transport system which, through monitoring data of the bus fleet by GPS devices, it provides the transport agencies real-time information of yours fleet to assist in decision making about the better use of routes. Also, to encourage passengers to use the public transportion, the system provides information about bus routes from a location to another, the closest bus stop to a location chosen by the user and view all existing bus stop with service on the current date. Keywords: Intelligent Transport System. Bus Tracking System. Public Tranportation.

5 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Gráfico de utilização de veículos em cidades com mais de 60 mil habitantes.... Erro! Indicador não definido. Figura 2. Gráfico de incidência do transporte público nas cidades brasileiras.erro! Indicador não definido. Figura 3. Ciclo da perda de competitividade do transporte público urbano (TPU)... Erro! Indicador não definido. Figura 4. Variação dos preços dos principais insumos das tarifas de ônibus de 1996 até Erro! Indicador não definido. Figura 5. Arquitetura do padrão GTFS-realtime.... Erro! Indicador não definido. Figura 6. Arquitetura do projeto UbiBus.... Erro! Indicador não definido. Figura 7. Tela de Cadastro de pontos de parada do TDF.... Erro! Indicador não definido. Figura 8. Tela de cadastro de rotas do TDF.... Erro! Indicador não definido. Figura 9. Tela de cadastro de tarifas do TDF.... Erro! Indicador não definido. Figura 10. Tela de configuração de tarifa do TDF.... Erro! Indicador não definido. Figura 11. Diagrama de casos de uso da aplicação para agências.erro! Indicador não definido. Figura 12. Exemplo do layout das telas de listagem.... Erro! Indicador não definido. Figura 13. Exemplo de layout do formulário da aplicação.... Erro! Indicador não definido. Figura 14. Formulário de cadastro de ponto de parada de ônibus.erro! Indicador não definido. Figura 15. Formulário de cadastro de viagens.... Erro! Indicador não definido. Figura 16. Exemplo de trajeto da viagem no mapa.... Erro! Indicador não definido. Figura 17. Diagrama de classes do ws-agencia.... Erro! Indicador não definido. Figura 18. Métodos contidos no WS-Agencia.... Erro! Indicador não definido. Figura 19. Método executar login do WS-Agencia.... Erro! Indicador não definido. Figura 20. Método executelist do WS-Agencia.... Erro! Indicador não definido. Figura 21. Método executelistvehicle do WS-Agencia.... Erro! Indicador não definido. Figura 22. Método executesave do WS-Agencia.... Erro! Indicador não definido. Figura 23. Método executesavevehicle do WS-Agencia.... Erro! Indicador não definido. Figura 24. Método executedelete do WS-Agencia.... Erro! Indicador não definido. Figura 25. Método executedeletevehicle do WS-Agencia.... Erro! Indicador não definido. Figura 26. Método executecount do WS-Agencia.... Erro! Indicador não definido. Figura 27. Método executevehiclecount do WS-Agencia.... Erro! Indicador não definido. Figura 30. Métodos disponíveis no ws-realtime.... Erro! Indicador não definido. Figura 31. Classes do webservice ws-passageiro.... Erro! Indicador não definido. Figura 32. Métodos disponíveis no ws-passageiro.... Erro! Indicador não definido. Figura 33. Tela inicial do protótipo de aplicativo para o passageiro.erro! Indicador não

6 definido. Figura 34. Visualização de todos os pontos na aplicação do passageiro.erro! Indicador não definido. Figura 35. Detalhes do ponto de parada na aplicação para passageiros.erro! Indicador não definido. Figura 36. Função de buscar ponto mais próximo.... Erro! Indicador não definido. Figura 37. Tela da ação como chegar da aplicação para o passageiro.erro! Indicador não definido. Figura 38. Tabelas do banco de dados do sistema

7 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Tabela demonstrativa de emissão de poluentes em cidades com mais de 60 mil habitantes Tabela 2. Tabela comparativa entre os projetos similares Tabela 3. Descrição da tabela posição

8 LISTA DE QUADROS Quadro 1. Detalhamento do arquivo agency.txt do padrão GTFS Quadro 2. Detalhamento do arquivo stops.txt do padrão GTFS Quadro 3. Detalhamento do arquivo routes.txt do padrão GTFS Quadro 4. Detalhamento do arquivo trips.txt do padrão GTFS Quadro 5. Detalhamento do arquivo stop_times.txt do padrão GTFS Quadro 6. Detalhamento do arquivo calendar.txt do padrão GTFS Quadro 7. Detalhamento do arquivo calendar_dates.txt do padrão GTFS Quadro 8. Detalhamento do arquivo fare_attributes.txt do padrão GTFS Quadro 9. Detalhamento do arquivo fare_rules.txt do padrão GTFS Quadro 10. Detalhamento do arquivo shapes.txt do padrão GTFS Quadro 11. Descrição dos campos do FeedMessage de acordo com o GTFS - realtime Quadro 12. Descrição dos campos do FeedHeader de acordo com o GTFS - realtime Quadro 13. Descrição dos campos do FeedEntity de acordo com o GTFS - realtime Quadro 14. Descrição dos campos do TripUpdate de acordo com o GTFS - realtime Quadro 15. Descrição dos campos do StopTimeEvent de acordo com o padrão GTFS - realtime Quadro 16. Descrição do StopTimeUpdate de acordo com o padrão GTFS - realtime Quadro 17. Descrição do VehiclePosition de acordo com o padrão GTFS - realtime Quadro 18. Descrição dos campos do Alert de acordo com o padrão GTFS-realtime Quadro 19. Descrição dos campos do TimeRange, de acordo com o padrão GTFS - realtime Quadro 20. Descrição dos campos do Position de acordo com o padrão GTFS-realtime Quadro 21. Descrição dos campos do TripDescriptor de acordo com o padrão GTFS-realtime Quadro 22. Descrição dos campos do tipo VehicleDescriptor de acordo com o padrão GTFSrealtime Quadro 23. Descrição dos campos do tipo EntitySelector de acordo com o padrão GTFSrealtime Quadro 24. Descrição dos campos do Translation de acordo com o padrão GTFS-relatime. 108

9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS API APTS ATMS ATIS AVCS GPS GTFS INPC IPCA ITS PDA SIG SIG-T SOAP TPU TTC UDDI UNIVALI W3C WSDL XML Aplication Programming Interface Advanced Public Transportation Systems Advanced Travel Management Systems Advanced Traveller Information Systems Advanced Vehicle Control Systems Global Position System General Transit Feed Specification Índice Nacional de Preços ao Consumidor Índice de Preços ao Consumidor Amplo Intelligent Transport System Personal Digital Assistant Sistema de Informação Geográfica Sistema de Informação Geográfica para Transporte Simple Object Access Protocol Transporte Público Urbano Trabalho Técnico-científico de Conclusão de Curso Universal Description Discovery and Integration Universidade do Vale do Itajaí World Wide Web Consortium Web Services Description Language extensible Markup Language

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROBLEMATIZAÇÃO Formulação do Problema Solução Proposta OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos Metodologia Estrutura do trabalho... Erro! Indicador não definido. 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Mobilidade urbana Considerações sobre mobilidade urbana Transporte Público Considerações sobre transporte público SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA TRANSPORTE Sistemas Inteligentes de Transporte SIG-T Considerações sobre sistema de informações para transporte Padrões de Interoperabilidade GTFS e GTFS-realtime Webservice XML WSDL SOAP GTFS GTFS realtime Considerações sobre padrões de interoperabilidade Projetos Similares UbiBus TransitDataFeeder Análise Comparativa Considerações sobre projetos similares Desenvolvimento... 48

11 3.1 Descrição das aplicações Arquitetura geral do sistema Tecnologias utilizadas Aplicação para as agências de transporte... Erro! Indicador não definido Requisitos Funcionais Requisitos Não Funcionais Regras de Negócio Diagrama de casos de uso Descrição da aplicação Testes Evoluções Futuras Adversidades e soluções Aplicação do servidor WS-Agencia Requisitos funcionais Requisitos não funcionais Regras de Negócio Diagrama de classes Métodos disponíveis no WS-Agencia Testes e validação WS-realtime Requisitos funcionais Requisitos não funcionais Regras de negócio Diagrama de classes Método disponível no WS-Realtime Adversidades e soluções Testes WS-passageiro Requisitos Funcionais Requisitos não funcionais Diagrama de Classes Métodos disponíveis no ws-passageiro Testes Protótipo de aplicação para o passageiro Testes... 77

12 4 Conclusões Trabalhos futuros... 79

13 12 1 INTRODUÇÃO Mobilidade urbana é definida como a capacidade de deslocamento de pessoas e bens, dentro de um espaço urbano para a realização das tarefas do cotidiano (trabalho, educação, saúde, cultura, recreação e lazer), dentro de um espaço de tempo considerado ideal, de modo confortável e seguro (VARGAS, 2010). Um sistema de transporte público eficiente ajuda a melhorar consideravelmente a mobilidade urbana, pois, reduz o tráfego de veículos, a ocupação do espaço urbano e a poluição. O seu fornecimento é, geralmente, de responsabilidade do município, podendo este conceder licenças a empresas terceiras. (ROCHA, 2006). Por ser considerada uma opção mais econômica, o ônibus é o meio de transporte público mais utilizado no Brasil. Sendo vantajosa sua utilização em rotas curtas, de até 75 km, e considerada desvantajosa a utilização em rotas maiores e de maior uso, pois, torna-se necessário a utilização de um maior número de veículos para suprir a demanda (IPEA 2011). Segundo IPEA (2011), nos grandes centros urbanos é predominante o uso do transporte individual motorizado, acarretando uma série de consequências negativas para as cidades, com destaque para os problemas ambientais, perca de tempo devido aos grandes congestionamentos e os acidentes de trânsitos. Esta predominância ocorre devido às deficiências do transporte público brasileiro. Os sistemas inteligentes de transportes são ferramentas que visam aumentar a segurança, eficiência e a mobilidade, utilizando tecnologias de processamento de informação e comunicação, sensoriamento e navegação. De uma maneira geral, estes sistemas devem prover uma ligação inteligente entre os passageiros, veículos e infraestrutura. Segundo Pilon (2009) em países como Estados Unidos e Japão a utilização destes sistemas no transporte público tem aumentado a demanda de utilização do transporte público 6,7% ao ano. Porém no Brasil, de acordo com Resende (2009) o uso dos sistemas inteligentes no transporte público que permitam a disponibilização de informações do sistema de transporte público como itinerários, rotas, localização dos veículos através de rastreamento por GPS é pouco difundida nos municípios brasileiros. Com base nestas informações, percebeu-se a necessidade de desenvolver um sistema inteligente que auxiliasse as empresas que gerenciam o sistema de transporte público a disponibilizar informações sobre as rotas disponíveis, itinerários e pontos de parada de ônibus

14 13 ao passageiro. Para demonstrar os esforços realizados pela pesquisa bibliográfica, fundamentação teórica, análise de ferramentas similares, elaboração do projetoe o desenvolvimento do sistema, dividiu-se este trabalho em desenvolvimento da aplicação para agências de transporte, desenvolvimento da aplicação do servidor e os seus devidos webservices e desenvolvimento da aplicação para o passageiro. 1.1 PROBLEMATIZAÇÃO Formulação do Problema Para o IPEA (2011) o principal motivo para a baixa qualidade da mobilidade urbana no Brasil é o uso preferencial do transporte individual motorizado que acarreta um maior fluxo de veículos nas vias urbanas aumentando a intensidade de congestionamentos, o número de acidentes de trânsito e a emissão de CO² que causa danos ambientais. A preferência da utilização do transporte privado individual se dá por várias circunstâncias. De acordo com IPEA (2011) a dificuldade no acesso a informações e má qualidade dos veículos estão entre os principais motivos. Porém, no inicio do ano de 2012 foi sancionado a lei que no artigo 14, paragrafo III, esclarece que é direito do usuário do transporte público ser informado sobre itinerários, horários e tarifas dos serviços nos pontos de embarque e desembarque Solução Proposta Desenvolver um sistema inteligente de transporte capaz de disponibilizar informações sobre itinerários, horários e tarifas dos serviços para o usuário final e para outras aplicações através de um Webservice, possibilitando assim que as agências apresentem estas informações em aplicações desktop, aplicações para aparelhos móveis e em terminais instalados nos pontos de parada de ônibus.

15 OBJETIVOS Objetivo Geral O objetivo geral deste Trabalho Técnico-científico de Conclusão de curso é desenvolver um sistema inteligente para transporte, utilizando os padrões GTFS e GTFSrealtime capaz de auxiliar a agências de transporte público de ônibus a gerenciar e disponibilizar suas informações ao público. Além de possibilitar, através de um webservice, que outras aplicações consumam as informações das agências Objetivos Específicos Pesquisar situação brasileira da mobilidade urbana; Pesquisar os padrões GTFS e GTFS-realtime Analisar projetos similares; Elaborar a especificação e modelagem do sistema proposto; Desenvolver o sistema; Testar e validar o sistema; Documentar o trabalho desenvolvido através do relatório final. 1.3 Metodologia A metodologia utilizada neste trabalho técnico-científico de conclusão de curso é separada em seis etapas fundamentais: (1) Estudo e levantamento bibliográfico, (2) Leitura e fundamentação teórica, (3) Modelagem e elaboração do projeto, (4) Desenvolvimento, (5) Testes e validação e (6) Documentação. Na Etapa (1), Estudo e levantamento bibliográfico, realizou-se a pesquisa de materiais que fundamentassem o estudo deste projeto, em livros, artigos, periódicos e sites da internet. Na Etapa (2), Leitura e fundamentação teórica, elaborou-se um projeto utilizando os materiais pesquisados na etapa anterior. Nesta etapa foram definidos o tema e o problema a ser resolvido, além de obtido o conhecimento necessário sobre os padrões a serem utilizados para propor a solução do problema descrito. Na Etapa (3), Modelagem e elaboração do projeto, foram levantados os requisitos

16 15 funcionais, não funcionais, regras de negócio e a modelagem do banco de dados embasados na etapa anterior. Foram definidos também quais as ferramentas, frameworks e APIs que serão utilizadas para o desenvolvimento deste projeto. A Etapa (4), Desenvolvimento, foi divida em três partes distintas, (i) Desenvolvimento da aplicação para agências de transporte e do ws-agência, (ii) Desenvolvimento da aplicação para passageiros e do ws-passageiro e (iii) Desenvolvimento do ws-realtime. Na Etapa (5) Testes e validação, foram realizados testes em duas fases distintas: na primeira fase testou-se a aplicação durante o desenvolvimento (testes unitários e de caixa branca) e após o desenvolvimento concluído, iniciou-se a fase de testes seguindo o conceito de caixa preta. Para a validação das informações, foi necessária a criação de uma aplicação que gerasse os dados de monitoramento de veículos e utilizar o transporte público da cidade de Itajaí. Na Etapa (6), Documentação, foram produzidos os documentos contendo registros referentes à pesquisa cientifica, contemplando desde a contextualização da proposta, aquisição do conhecimento necessário, desenvolvimento e testes e validação Estrutura do trabalho Este trabalho técnico-científico de conclusão de curso está estruturado em 4 capítulos: (i) Introdução, (ii) Fundamentação teórica, (iii) Projeto e (iv) Conclusões. No Capítulo 1, Introdução, é apresentado uma visão geral do trabalho, permitindo analisar a contextualização e objetivo do trabalho. No Capítulo 2, Fundamentação teórica, foi desenvolvida e apresentada uma revisão bibliográfica sobre os assuntos relacionados a este trabalho: (i) Mobilidade Urbana, (ii) Transporte Público, (iii) Sistemas de informação para Transporte, e (iv) Padrões de interoperabilidade de sistemas para transporte e sistemas similares. O Capítulo 3, Desenvolvimento, apresenta a descrição do sistema desenvolvido neste trabalho, contendo suas especificações de estrutura, requisitos funcionais, não funcionais, regras de negócio, as telas do sistema e a descrição destas.

17 16 E o Capítulo 4, Conclusões, contendo os resultados obtidos com os testes do sistema e do material pesquisado.

18 17 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Mobilidade urbana Mobilidade urbana é a capacidade das pessoas de se deslocarem de um lugar para outro, dentro do espaço urbano, para a realização das tarefas do cotidiano (trabalho, educação, saúde, cultura, recreação e lazer), dentro de um espaço de tempo considerado ideal, de modo confortável e seguro (VARGAS, 2010). Para executar tais deslocamentos, as pessoas podem utilizar vários tipos de meios de transporte ou simplesmente caminhar, A escolha do meio de transporte dependerá de algumas variáveis, como, por exemplo, da distância do trajeto, qual o tempo necessário para chegar ao local desejado, quais são as vias de acesso disponíveis, quais meios de transporte estão acessíveis, e qual o custo deste deslocamento (VARGAS, 2010). Este conceito de mobilidade urbana não deve ser confundido com o direito de ir e vir recomendado pela Constituição, pois ter mobilidade é ter a garantia de chegar até o local desejado dentro do tempo ideal, salvo em algumas exceções, como, por exemplo, ocorrer um acidente no percurso. Mobilidade é também ter alternativas de meio de transporte, além do transporte privativo, como ônibus, metrô, trem sem se preocupar com o tempo que irá levar para chegar ao local e com a segurança (BADDINI, 2011). Hoje em dia não se pode pensar em desenvolvimento econômico e social sem transporte. As pessoas precisam se deslocar para estudar, trabalhar, fazer compras, viajar e possuem cada vez mais a necessidade de estar em movimento. Verifica-se que as regiões mais desenvolvidas do Brasil possuem também os maiores indicadores de transportes, pois a evolução traz consigo a necessidade de mais infraestrutura, em especial, ligada a mobilidade urbana (IPEA, 2011). Sempre que pensar em mobilidade urbana é necessário considerar e discutir as questões de ordem tecnológica que envolve os meios de transportes, a infraestrutura, o controle do trânsito, a gestão urbana que trabalha com a definição de localização de atividades, com a qualidade do espaço construído, com a fiscalização e controle do funcionamento das atividades urbanas e de seus cidadãos e com o comportamento dos indivíduos (VARGAS, 2010).

19 18 Diferentemente da década anterior, onde existia um foco voltado somente na circulação de veículos na malha viária, a mobilidade urbana além de ter como foco principal as pessoas, também se vincula à organização territorial e à sustentabilidade das cidades. Sendo assim, ela está diretamente associada à integração do planejamento do transporte com o planejamento do solo, na melhoria do transporte público de passageiros, no estímulo ao uso de meios de transporte não motorizados e no uso racional de automóvel (TCU, 2010). Segundo Casanova (2011), além de ser um fator essencial para todas as atividades urbanas e influenciar de forma direta nas atividades econômicas e nos indivíduos, a mobilidade urbana tem um papel importante no desenvolvimento econômico e na qualidade de vida de uma cidade já que promove a inclusão social, o equilíbrio no uso do espaço urbano e em todos os serviços públicos. Para Guedes (2010), a situação atual da mobilidade urbana brasileira se deve a um crescimento desordenado e sem planejamento das cidades, que não acompanharam uma política de estrutura adequada, além de um grande número de veículos individuais motorizados que são fabricados e acessíveis ao consumo, adicionando uma política socioeconômica que promove a ida de pessoas ao trabalho em grandes centros urbanos em busca de melhores condições de vida. Nos dias atuais o sistema de mobilidade urbana dos grandes centros urbanos brasileiros se caracteriza pelo grande uso do transporte individual motorizado. Como mostra a Figura 1, nas cidades com mais de 60 mil habitantes é predominante o uso dos carros com 27% do uso, seguido dos ônibus com 21% (IPEA, 2011).

20 19 Figura 1. Gráfico de utilização de veículos em cidades com mais de 60 mil habitantes. Fonte: IPEA (2011). O uso intenso de transporte individual motorizado acarreta uma série de consequências negativas para as cidades, com destaques para os problemas ambientais causados pela emissão de CO² (dióxido de carbono), as perdas de tempo com os grandes congestionamentos urbanos e os acidentes de trânsito. Este aumento no uso do transporte individual motorizado ocorre devido à elevação do poder aquisitivo das pessoas quanto das deficiências do transporte público brasileiro, além do apoio crescente do governo com isenções de impostos e facilidades financeiras para a aquisição destes (IPEA, 2011). Uma das principais consequências desse acréscimo da frota do transporte individual motorizado é o aumento dos congestionamentos urbanos que acaba gerando um maior tempo de deslocamento da população (IPEA, 2011). Dows (2004 apud RESENDE, 2009) afirma que os congestionamentos causam dois grandes problemas econômicos: perda de tempo e dinheiro. Pois, ao provocarem o atraso na entrega de mercadorias, diminuem consideravelmente a produtividade do país e aumento no custo do transporte. Além disso, torna-se maior o tempo médio de viagem de muitos cidadãos. Resende (2009) também reforça as perdas sociais, como:

21 20 Custos adicionais devido ao aumento na depreciação dos veículos; Impacto negativo do congestionamento na economia local; Valor do tempo perdido no congestionamento, calculado pela diferença entre velocidade da viagem sem congestionamento e a média da velocidade em situação normal; Custo dos acidentes causados pelos congestionamentos. Além dos congestionamentos, o impacto ambiental causado pelo aumento do uso do transporte particular individual é muito grave, principalmente nas grandes cidades. Esses impactos ambientais causam muitos prejuízos à saúde da população em geral, na Tabela 1 é possível verificar que, em cidades com mais de 60 mil habitantes, o transporte privado emite 15 vezes mais poluentes locais e quase o dobro de CO² do que o transporte público (ANTP, 2008 apud IPEA, 2011). Emissões (milhões de tonelada/ano) Tipo de Transporte Poluentes locais CO² Total Público 0,1 9,5 9,6 Privado 1,5 16,3 17,8 Total 1,6 25,8 27,4 Tabela 1. Tabela demonstrativa de emissão de poluentes em cidades com mais de 60 mil habitantes. Fonte: Adaptada de IPEA (2011) O que se vê hoje, enfim, é uma situação caótica e complexa, agravada pelo fato de que grandes cidades, além dos seus fluxos cotidianos, apresentam um fluxo adicional constante, proveniente da sua condição de cidade de turismo, de negócios, cultura e lazer. E, na situação atual, a mobilidade urbana pode interferir negativamente na manutenção destas condições (VARGAS, 2008). Acredita-se que os próximos três anos serão decisivos para a melhoria, ou não, da mobilidade urbana no Brasil. Com dois megaeventos esportivos próximos a Copa do Mundo 2014 e as Olimpíadas 2016 ações por melhorias se tornam mais urgentes, pois esses tipos de eventos atraem espectadores do mundo inteiro e aumenta ainda mais o número de pessoas na zona urbana (MTU, 2012).

22 21 Para tentar reverter esta situação apresentada, no dia 14 de janeiro de 2012 foi sancionada a lei de três de janeiro de 2012, sobre Mobilidade Urbana que, basicamente, elege o uso do transporte coletivo como principal alternativa para os problemas de mobilidade urbana e a redução de poluentes (MTU, 2012). A lei demanda que os municípios com mais de 20 mil habitantes elaborem planos de mobilidade urbana em até três anos e os municípios que não cumprirem esta determinação podem ter os repasses federais destinados a mobilidade urbana suspenso. Dentre os diversos itens que trata a lei, uma em especial merece atenção por estar diretamente ligado ao assunto abordado nesse trabalho técnico-científico, o artigo 14, parágrafo III, esclarece que é direito do usuário do transporte público ser informado sobre itinerários, horários e tarifas dos serviços nos pontos de embarque e desembarque (BRASIL, 2012) Considerações sobre mobilidade urbana A má qualidade da mobilidade urbana brasileira afeta diretamente as atividades econômicas e a qualidade de vida da população, pois, segundo Casanova (2011) a mobilidade urbana promove a inclusão social e o equilíbrio no uso do espaço urbano. Vendo a necessidade de melhorar a qualidade foi criada a lei que obriga os municípios com mais de 20 mil habitantes a elaborar planos de melhoria na mobilidade urbana dentro de três anos, tendo prioridade a melhoria do transporte público que, conforme Guedes (2010) é um dos principais fatores da qualidade da mobilidade urbana. Vale ressaltar também que a lei determina como direito do cidadão ser informado sobre os itinerários, horários e tarifas dos serviços nos pontos de embarque e desembarque. 2.2 Transporte Público Os meios de transportes públicos têm como principal finalidade prover o deslocamento de pessoas de um ponto a outro dentro de um município, diminuindo o volume de meios de transportes privados nos centros urbanos e a poluição causada ao meio ambiente. Além disso, um transporte público eficiente ajuda a melhorar consideravelmente a qualidade

23 22 de vida da população, pois reduz o congestionamento dentro das cidades e a ocupação dos estacionamentos (ROCHA, 2009). O ônibus é o meio de transporte público mais utilizado no Brasil, operando em aproximadamente 85% dos municípios. Os sistemas de transportes alternativos como vans e moto-táxis, que proliferaram nos últimos 15 anos no Brasil, também apresentam altos níveis de ocorrência, sendo que, mais da metade dos municípios brasileiros apresentam ocorrência destas modalidades. Já os trens e metrôs, demostram baixa ocorrência entre as cidades, se restringindo apenas a algumas capitais. É possível verificar na Figura 2 que na maioria das cidades brasileiras o transporte público mais comum é o ônibus seguido da van e moto-táxi (IPEA, 2011). Figura 2. Gráfico de incidência do transporte público nas cidades brasileiras.fonte: IPEA (2011) A utilização do ônibus como meio de transporte público, é considerada vantajosa apenas em rotas de curta distância, definida pela ANTT (2011) como rotas de até 75km, pois, em rotas maiores e de maior uso, se vê necessário, devido a sua baixa capacidade de passageiros, utilizar uma quantia maior de veículos para suprir a demanda (IPEA, 2011).

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população!

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população! Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 17 Sistema de Informação de Usuários Michel Costa da Silva (*) No Brasil, o crescimento demográfico das grandes capitais, o apoio governamental

Leia mais

TÍTULO: IBUS: INTELIGÊNCIA EM MOBILIDADE URBANA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

TÍTULO: IBUS: INTELIGÊNCIA EM MOBILIDADE URBANA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA TÍTULO: IBUS: INTELIGÊNCIA EM MOBILIDADE URBANA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO AUTOR(ES):

Leia mais

www.simplesgps.com.br Simples como tem que ser Revisão 1.05 Página 1

www.simplesgps.com.br Simples como tem que ser Revisão 1.05 Página 1 www.simplesgps.com.br Simples como tem que ser Revisão 1.05 Página 1 Sumário Simples como tem que ser... 3 Acesso... 4 Mapas... 5 Rastreamento... 7 Panorâmica... 7 Cercas... 8 Criando cercas eletrônicas...

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

TRANSDATA SMART RASTREAMENTO E GESTÃO FROTA

TRANSDATA SMART RASTREAMENTO E GESTÃO FROTA BRASIL ARGENTINA +55 19 3515.1100 www.transdatasmart.com.br SEDE CAMPINAS-SP RUA ANA CUSTÓDIO DA SILVA, 120 JD. NOVA MERCEDES CEP: 13052.502 FILIAIS BRASÍLIA RECIFE CURITIBA comercial@transdatasmart.com.br

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Protocolos de Aplicação Mecanismos de comunicação

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

Sistemas Inteligentes de Transporte (Intelligent Transportation Systems) é um conjunto de tecnologias de telecomunicações e de informática para

Sistemas Inteligentes de Transporte (Intelligent Transportation Systems) é um conjunto de tecnologias de telecomunicações e de informática para Sistemas Inteligentes de Transporte (Intelligent Transportation Systems) é um conjunto de tecnologias de telecomunicações e de informática para aplicação nos veículos e nos sistemas de transportes. Hoje

Leia mais

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações Universidade de São Paulo Escola Politécnica Programa de Educação Continuada em Engenharia PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto O Produto Internet e suas Aplicações Tecnologias de Informação

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

EXPERIÊNCIAS OPERACIONAIS PÓS-IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE DE TRÁFEGO EM ÁREA DE FORTALEZA - CTAFOR

EXPERIÊNCIAS OPERACIONAIS PÓS-IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE DE TRÁFEGO EM ÁREA DE FORTALEZA - CTAFOR EXPERIÊNCIAS OPERACIONAIS PÓS-IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE DE TRÁFEGO EM ÁREA DE FORTALEZA - CTAFOR Marcus Vinicius Teixeira de Oliveira Marcos José Timbó Lima Gomes Hamifrancy Brito Meneses Waldemiro

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Vias Inteligentes. Mobilidade Urbana por meio de

Vias Inteligentes. Mobilidade Urbana por meio de Jaguaraci Batista Silva 16 anos de atuação (Borland, Toyota, Fujitsu, FIAT, Iberdrola, Petrobrás, CNPQ, Unifesp, ITA, UFBA) Mestre em ciência da computação, especialista em sistemas distribuídos, engenharia

Leia mais

Universidade Católica de Pelotas. Centro Politécnico. Analise e Desenvolvimento de Sistema LET S RUNNING. Por. Guilherme Carvalho Gehling

Universidade Católica de Pelotas. Centro Politécnico. Analise e Desenvolvimento de Sistema LET S RUNNING. Por. Guilherme Carvalho Gehling Universidade Católica de Pelotas Centro Politécnico Analise e Desenvolvimento de Sistema LET S RUNNING Por Guilherme Carvalho Gehling Documento de conclusão da disciplina de Trabalho de Curso II Orientador.

Leia mais

MANUAL RASTREAMENTO 2013

MANUAL RASTREAMENTO 2013 MANUAL RASTREAMENTO 2013 Visão Geral O menu geral é o principal módulo do sistema. Através do visão geral é possível acessar as seguintes rotinas do sistema: Sumário, localização, trajetos, últimos registros.

Leia mais

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras Diretoria de Engenharia - DE Cidades candidatas e seus aeroportos Aeroportos da INFRAERO primeira e última imagem que o turista estrangeiro

Leia mais

PORTARIA DETRO/PRES. N O 889 DE 23 DE JULHO DE 2008* (*publicada em 12 de agosto de 2008)

PORTARIA DETRO/PRES. N O 889 DE 23 DE JULHO DE 2008* (*publicada em 12 de agosto de 2008) PORTARIA DETRO/PRES. N O 889 DE 23 DE JULHO DE 2008* (*publicada em 12 de agosto de 2008) DISPÕE SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE MONITORAMENTO POR GPS DOS VEÍCULOS UTILIZADOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

Leia mais

Documento de Visão. Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01

Documento de Visão. Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01 Documento de Visão Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01 Junho de 2011 Histórico de revisão: DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTORES 19/02/2011 1.0 Versão inicial. João Ricardo, Diogo Henrique. 24/02/2011 2.0 Modificação

Leia mais

Serviços Web: Arquitetura

Serviços Web: Arquitetura Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA. Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios

RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA. Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios Soluções ICS A ICS desenvolve soluções que utilizam hardware com tecnologia de ponta. Os softwares

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS Características Design inovador Controle de acesso Permite criar usuários com senhas podendo-se definir no sistema quais as funcionalidades cada

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.6 Especificações do Sistema de Bilhetagem Eletrônica PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 2 CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA... 2 2.1 Processos

Leia mais

Localização e Inteligência Móvel. Com a iguard todos os caminhos levam sua empresa onde ela precisa chegar.

Localização e Inteligência Móvel. Com a iguard todos os caminhos levam sua empresa onde ela precisa chegar. Localização e Inteligência Móvel Com a iguard todos os caminhos levam sua empresa onde ela precisa chegar. 1 2 Localização e Inteligência Móvel Todos os dias sua empresa enfrenta grandes desafios para

Leia mais

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

QUEM SOMOS NOSSO NEGÓCIO

QUEM SOMOS NOSSO NEGÓCIO QUEM SOMOS Somos uma empresa brasileira dedicada a construir e prover soluções que empregam tecnologias inovadoras, combinadas com a identificação por rádio frequência (RFID), análise de imagens (imagens

Leia mais

REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS

REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS Resumo O transporte público atualmente vem passando por diversas mudanças e uma delas é a qualidade nos

Leia mais

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL, entendendo a necessidade do mercado em serviços relacionados a segurança e proteção do patrimônio, reúne as melhores tecnologias em soluções de segurança e geolocalização.

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA TRÁFEGO URBANO

PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA TRÁFEGO URBANO PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA TRÁFEGO URBANO Ricardo Schmidt Carlos Barros Montez Werner Kraus Junior Keli Cristina Manini Michel Pires de Araújo Departamento de Automação e

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 13. Mobilidade urbana e sistemas inteligentes de transporte (its)

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 13. Mobilidade urbana e sistemas inteligentes de transporte (its) Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 13 Mobilidade urbana e sistemas inteligentes de transporte (its) Eliomar Aparecido Bertollo (*) Tema: O ITS como agente catalisador para as soluções

Leia mais

Powered By: IMPORTANTE:

Powered By: IMPORTANTE: Powered By: IMPORTANTE: Este manual contém informações seguras de operação. Por favor, leia e siga as instruções desse manual. Falhas podem resultar em ferimentos pessoais, morte, e/ou danos no Delphi

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR I DETALHAMENTO DAS ATIVIDADES REALIZADAS DURANTE O ESTÁGIO CURRICULAR NA OPENCORE TECNOLOGIA EM SOFTWARE

ESTÁGIO CURRICULAR I DETALHAMENTO DAS ATIVIDADES REALIZADAS DURANTE O ESTÁGIO CURRICULAR NA OPENCORE TECNOLOGIA EM SOFTWARE BRUNO PEREIRA DAMASCENO ESTÁGIO CURRICULAR I DETALHAMENTO DAS ATIVIDADES REALIZADAS DURANTE O ESTÁGIO CURRICULAR NA OPENCORE TECNOLOGIA EM SOFTWARE EMPRESA: OPENCORE TECNOLOGIA EM SOFTWARE SETOR: DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Solução sustentável de compartilhamento de veículos para o mundo escolar

Solução sustentável de compartilhamento de veículos para o mundo escolar Interbros Tecnologia e Soluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Conj. 21 /179 Itaim Bibi - São Paulo- SP - 04532-060 Fone: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Por favor, considere

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Sistema de informações a usuários do Transporte Coletivo.

Sistema de informações a usuários do Transporte Coletivo. Sistema de informações a usuários do Transporte Coletivo. Autores: Celso Bersi; Economista - Diretor de Transporte Urbano 1) Empresa de Desenvolvimento Urbano e Social de Sorocaba - URBES Rua Pedro de

Leia mais

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho SOBRE A SOFTLOG A SoftLog Tecnologia é uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para empresas e instituições de diversos modais de transporte. Dentre os diversos tipos de soluções

Leia mais

Transporte público no Rio de Janeiro: encontrando soluções para uma mobilidade sustentável.

Transporte público no Rio de Janeiro: encontrando soluções para uma mobilidade sustentável. Transporte público no Rio de Janeiro: encontrando soluções para uma mobilidade sustentável. Richele Cabral 1 ; Eunice Horácio S. B. Teixeira 1 ; Milena S. Borges 1 ; Miguel Ângelo A. F. de Paula 1 ; Pedro

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI 2008-06 a 10 de outubro. Olinda - Pernambuco - Brasil

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI 2008-06 a 10 de outubro. Olinda - Pernambuco - Brasil XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Fernando César Luiz CPFL Energia fernandocesar@cpfl.com.br PALAVRAS-CHAVE Integração

Leia mais

Monitoramento de Frotas On-line para Transporte Urbano (c) WPLEX Software Ltda.

Monitoramento de Frotas On-line para Transporte Urbano (c) WPLEX Software Ltda. Monitoramento de Frotas On-line para Transporte Urbano (c) WPLEX Software Ltda. Modernização tecnológica da empresa de ônibus Não há dúvida que existe a necessidade de se buscar constantemente a melhoria

Leia mais

MANUAL DO NOVO PORTAL GRUPO NEW VISION RASTREAMENTO E CONTROLE DE VEICULOS E FROTAS.

MANUAL DO NOVO PORTAL GRUPO NEW VISION RASTREAMENTO E CONTROLE DE VEICULOS E FROTAS. MANUAL DO NOVO PORTAL GRUPO NEW VISION RASTREAMENTO E CONTROLE DE VEICULOS E FROTAS. TELA DE LOGIN DO PORTAL LOGÍSTICA RASTREAMENTO Digite o endereço www.gruponewvision.com.br/rastreamento em seu navegador

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade

Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade Ilan Chamovitz Datasus Departamento de Informática e Informação do SUS Ministério da Saúde - Brasil

Leia mais

PROTEKTO ACTFAST. Soluções para Segurança Pública. Porque todos os segundos contam

PROTEKTO ACTFAST. Soluções para Segurança Pública. Porque todos os segundos contam PROTEKTO Porque todos os segundos contam Soluções para Segurança Pública A resposta às ocorrências no âmbito da segurança pública, têm de ser imediatas, eficientes e eficazes. Cada resposta operacional,

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Gerenciamento baseado na Web Prof. João Henrique Kleinschmidt Gerenciamento baseado na Web Web browser Acesso ubíquo Interface Web vs Gerenciamento baseado

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

MÓDULOS DE REGISTRO DE PARA ÓRGÃOS PÚBLICOS

MÓDULOS DE REGISTRO DE PARA ÓRGÃOS PÚBLICOS MÓDULOS DE REGISTRO DE ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS INTEGRADOS PARA ÓRGÃOS PÚBLICOS Gabriel Vieira Orientador: Prof. Jacques Robert Heckmann Roteiro de apresentação 1. Introdução e objetivos 2. Fundamentação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA AGNALDO CITADIN JHONY BRESSAN DA SILVA

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA AGNALDO CITADIN JHONY BRESSAN DA SILVA UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA AGNALDO CITADIN JHONY BRESSAN DA SILVA DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS PARA USUÁRIOS DE SERVIÇOS DE TÁXI UTILIZANDO A PLATAFORMA ANDROID

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

Intelligent Transportation Systems

Intelligent Transportation Systems Intelligent Transportation Systems Mauricio Consulo Diretor America Latina Clever Devices - Overview Sede em Nova Iorque, EUA. Provedora de sistemas de informações digitais, Sistemas de Inteligentes de

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Mobilidade Urbana. João Fortini Albano. Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs

Mobilidade Urbana. João Fortini Albano. Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Mobilidade Urbana João Fortini Albano Eng. Civil, Prof. Dr. Lastran/Ufrgs Aspectos conceituais Questões de mobilidade urbana Encaminhando soluções Aspectos conceituais Mobilidade urbana? É uma atividade

Leia mais

Solução sustentável de compartilhamento de veículos para o mundo universitário

Solução sustentável de compartilhamento de veículos para o mundo universitário Interbros Tecnologia e Soluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Conj. 21 /179 Itaim Bibi - São Paulo- SP - 04532-060 Fone: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Por favor, considere

Leia mais

TNT Radar Manual do Usuário Versão 2.1 Fevereiro 2015.

TNT Radar Manual do Usuário Versão 2.1 Fevereiro 2015. TNT Radar Manual do Usuário Versão 2.1 Fevereiro 2015. Sumário 1 - Objetivo deste manual.... 3 2 - Bem vindo ao TNT Radar.... 4 3 - Perguntas e respostas sobre a ferramenta TNT Radar.... 5 4 - Acesso a

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

Programação Inteligente para Transporte Urbano

Programação Inteligente para Transporte Urbano Programação Inteligente para Transporte Urbano Programação horária Também chamada de programação de linha, consiste em obter como resultado final, tabelas horárias de viagens para uma linha (ou linhas)

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS AUTOR(ES):

Leia mais

PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis

PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis Gabriel Galvão da Gama 1 ; Reginaldo Rubens da Silva 2 ; Angelo Augusto Frozza 3 RESUMO Este artigo descreve um projeto

Leia mais

DISPONIBILIZAÇÃO DE SERVIÇOS BASEADOS EM LOCALIZAÇÃO VIA WEB SERVICES

DISPONIBILIZAÇÃO DE SERVIÇOS BASEADOS EM LOCALIZAÇÃO VIA WEB SERVICES DISPONIBILIZAÇÃO DE SERVIÇOS BASEADOS EM LOCALIZAÇÃO VIA WEB SERVICES GRACE KELLY DE CASTRO SILVA, PATRÍCIA MARIA PEREIRA e GEOVANE CAYRES MAGALHÃES (ORIENTADOR) CPqD Centro de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

Aula 03 - Redes e Conectividade. Prof. Hugo V. L. Souza

Aula 03 - Redes e Conectividade. Prof. Hugo V. L. Souza Aula 03 - Redes e Conectividade Prof. Hugo V. L. Souza Agenda Introdução as Redes de Computadores Fundamentos das redes de alta velocidades e a internet Redes locais e privadas - LANs Redes locais sem

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

DQuest. Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless

DQuest. Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless DQuest Localização Localização, controle e gerenciamento de frotas Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless

Leia mais

GESTÃO E RASTREAMENTO GPS EM TEMPO REAL

GESTÃO E RASTREAMENTO GPS EM TEMPO REAL GESTÃO E RASTREAMENTO GPS EM TEMPO REAL Princípio de funcionamento dos localizadores BÁSICO, PREMIUM II e PORTÁTIL fornecidos pela FOXVision: o Posicionamento por GPS; o Não requer instalação de Software

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011 Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Geral 2011 Dezembro/2012 Relatório Geral 2011 1 Sumário executivo... 3 2 Mobilidade... 28 2.1 Valores para Brasil (municípios acima de 60 mil habitantes)...

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Sistema de Entrega para Suporte Varejista Utilizando a Metaheurística GRASP

Sistema de Entrega para Suporte Varejista Utilizando a Metaheurística GRASP Sistema de Entrega para Suporte Varejista Utilizando a Metaheurística GRASP Gil Romeu A. Pereira 1, Ivairton M. Santos 1 1 Universidade Federal de Mato Grosso(UFMT) Campus Universitário do Araguaia Instituto

Leia mais

ShoeSystem 1.0 Sistema para loja de calçados

ShoeSystem 1.0 Sistema para loja de calçados Artigo apresentado ao UNIS, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 ShoeSystem 1.0 Sistema para loja de calçados André Luis dos Reis Revair,

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

ÂMBITO DA APLICAÇÃO DOS LOCALIZADOR

ÂMBITO DA APLICAÇÃO DOS LOCALIZADOR ÂMBITO DA APLICAÇÃO DOS LOCALIZADORES GPS BÁSICO E PORTÁTIL DA MERTEL , empresa Angolana de engenharia e prestação de serviços cujo objeto social abrange o rastreamento de veículos e gestão de frotas através

Leia mais

A Gisgeo. Web SIG Sistemas de Informação Geográfica via web. Geo Marketing e Geo Turismo. Localização de pessoas. Gestão de frota automóvel

A Gisgeo. Web SIG Sistemas de Informação Geográfica via web. Geo Marketing e Geo Turismo. Localização de pessoas. Gestão de frota automóvel A Gisgeo Web SIG Sistemas de Informação Geográfica via web Geo Marketing e Geo Turismo Localização de pessoas Gestão de frota automóvel App de localização para smartphones Sistemas de navegação GPS A Gisgeo

Leia mais

Especificações Técnicas e Funcionais

Especificações Técnicas e Funcionais Introdução Especificações Técnicas e Funcionais A presente Especificação, elaborada pela São Paulo Transporte S.A. SPTrans, tem como objetivo estabelecer os requisitos técnicos, operacionais e funcionais

Leia mais

Com relação às áreas de conhecimento de projetos conforme o. PMBoK, julgue os itens subseqüentes.

Com relação às áreas de conhecimento de projetos conforme o. PMBoK, julgue os itens subseqüentes. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO

CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO Projeção de crescimento populacional Demanda de energia mundial Impacto ao meio ambiente projeções indicam que os empregos vão CONTINUAR no centro EMPREGOS concentrados no CENTRO

Leia mais

Sistema SpeedTAXI. Diminuir o tempo de despacho dos veículos realizando o processo de forma automática.

Sistema SpeedTAXI. Diminuir o tempo de despacho dos veículos realizando o processo de forma automática. OBJETIVO: Diminuir o tempo de despacho dos veículos realizando o processo de forma automática. REQUISITOS: Utilização da plataforma de comunicação MOTOTRBO (rádio digital Motorola DGM4100 com GPS); Instalação

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais