Relatório Final de Avaliação do Projecto RITMO Rede para a Inovação e Modernização do 3º Sector (Acordo de cooperação transnacional TCA ID.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Final de Avaliação do Projecto RITMO Rede para a Inovação e Modernização do 3º Sector (Acordo de cooperação transnacional TCA ID."

Transcrição

1 Relatório Final de Avalição do Projecto RITMO (Acordo de cooperação transnacional - TCA ID.CODE:592) Alberto Baptista Artur Cristovão Vila Real Dezembro 2004 Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro C

2 Relatório Final de Avaliação do Projecto RITMO Rede para a Inovação e Modernização do 3º Sector (Acordo de cooperação transnacional TCA ID.CODE:592) Alberto Baptista Artur Cristóvão UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Departamento de Economia e Sociologia Vila Real Dezembro de 2004

3 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO OBJECTIVOS E ACTIVIDADES DO PROJECTO Objectivos Actividades Orçamento CONSTRUÇÃO DA PARCERIA TRANSNACIONAL E DISPOSITIVOS DE COOPERAÇÃO Promotores da cooperação transnacional e parceiros envolvidos Processo de constituição da parceria Dificuldades na constituição do projecto Dispositivos de cooperação Participação dos diferentes parceiros Expectativas face à cooperação RESULTADOS DA PARCERIA: PRODUTOS, MODELOS E INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO Actividades desenvolvidas e avaliação das expectativas face ao esperado Produtos resultantes da transnacionalidade Novos instrumentos e modelos de intervenção desenvolvidos na parceria Aquisição de conhecimento e troca de experiências EFEITOS DO PROJECTO Valor acrescentado da cooperação Principais produtos para difusão e transferibilidade Resultados pós-projecto BALANÇO GLOBAL, FACTORES FAVORÁVEIS E LIMITANTES DA COOPERAÇÃO Concretização do plano de trabalho Benefícios e factores favoráveis Dificuldades ao desenvolvimento da parceria Capitalização dos benefícios CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Conclusões Recomendações ANEXOS Anexo 1 - Preliminary Evaluation Form Anexo 2 - Assessement of the transnational meeting Anexo 3 - Inquérito para a avaliação final do projecto RITMO

4 LISTA DE QUADROS Quadro 1. Actividades previstas do projecto RITMO... 6 Quadro 2. Orçamento atribuído por promotor e actividades do projecto... 7 Quadro 3. Local e data das reuniões transnacionais do projecto RITMO Quadro 4. Actividades previstas e realizadas e avaliação face ao esperado Quadro 5. Produtos da cooperação e fase de desenvolvimento Quadro 6. Produtos transferíveis, formas e alvos da disseminação LISTA DE ABREVIATURAS PAP UTAD CNCA RITMO IEBA PD Província de Ascoli Piceno Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Coordinamento Nazionale Comunità di Accoglienza Rede para a Inovação e Modernização do 3º Sector Centro de Iniciativas Empresariais Beira-Aguieira Parceria de Desenvolvimento 2

5 1. INTRODUÇÃO O relatório agora apresentado tem por objectivo imediato responder a um dos requisitos do Acordo de cooperação transnacional (TCA ID. CODE: 592), referente ao projecto denominado RITMO (Rede para a Inovação e Modernização do 3º Sector) que previa no ponto quatro das actividades transversais a realização de um relatório final de avaliação, a elaborar pelo parceiro UTAD. Os promotores da PD transnacional são três: Coordinamento Nazionale Comunità di Accoglienza (CNCA); Centro de Iniciativas Empresariais Beira-Aguieira (IEBA); Provincia de Ascoli Piceno (PAP). Ao longo do texto sempre que nos referimos ao projecto, estamos a falar do projecto transnacional RITMO. O projecto RITMO visa a valorização do 3º Sector ao nível económico e da sua sustentabilidade. Para isso estabeleceram-se contactos entre os vários parceiros tendo em vista trocar saberes entre os interlocutores com experiência nesta área. Procurou-se conhecer, comparar e adaptar modelos experimentais em contextos e países diferentes. Desenvolveu-se em conjunto novos instrumentos e modelos de intervenção, capazes de contribuir para a elaboração de uma estratégia comunitária de reforço da economia social. Para alcançar tais desideratos, as quatro principais actividades previstas desenvolver ao longo do projecto constam no Quadro 1, e são sinteticamente: 1) Diagnóstico; 2) Modelos de intervenção; 3) Estratégia; e 4) Actividades transversais. A avaliação realizada centrou-se na comparação das realizações, resultados e efeitos observados com os objectivos iniciais do projecto, procurando explicar os resultados alcançados através da análise do processo de implementação das actividades do projecto. A avaliação foi desenvolvida em torno de quatro questões principais: Como se processou a cooperação entre os vários parceiros? Quais os resultados da parceria ao nível da construção de novos conhecimentos, instrumentos de intervenção e produtos? Qual foi o grau de concretização das actividades planeadas? 3

6 Qual o valor acrescentado resultante da parceria? A equipa de avaliação acompanhou de perto o desenvolvimento da parceria através da sua participação em 4 das 5 reuniões transnacionais, o que foi, em certa medida, um factor facilitador do processo de avaliação. Em contrapartida, há que reconhecer que o facto das PD s italianas serem responsáveis pela realização de mais de 2/3 das actividades e sendo a avaliação do projecto entregue a um parceiro português, esta situação não permitiu à equipa de avaliação acompanhar com a mesma profundidade e proximidade o desenvolvimento do trabalho da equipa italiana. Tal representou uma desvantagem, que se procurou colmatar com a participação no colóquio final dos parceiros italianos (15 Outubro de 2004) e através da recolha de informação por questionário, como se refere de seguida. A metodologia seguida para a elaboração do relatório final de avaliação baseou-se nas seguintes fontes de informação: Análise da documentação produzida no âmbito do projecto; Pesquisa bibliográfica sobre o 3º Sector; Participação activa em quatro reuniões transnacionais e acompanhamento da evolução dos trabalhos; Elaboração de dois relatórios, onde se faz o balanço das actividades desenvolvidas na 2ª e 3ª reuniões transnacionais (ver Guião de Entrevista em Anexos 1 e 2 e os relatórios respectivos no sítio Participação na conferência final (15 de Outubro 2004) em Roma, onde foram apresentados os diversos contributos italianos realizados no âmbito da parceria nacional; Leitura e análise dos documentos produzidos no âmbito do projecto, designadamente dos trabalhos escritos e apresentados no colóquio internacional em realizado em Roma; Realização de inquérito final de avaliação a seis membros da PD transnacional (ver modelo de inquérito no Anexo 3). 4

7 Como resultado do processo de avaliação foi elaborado um inquérito para a avaliação final do projecto, que poderá futuramente ser usado para a avaliação das PD transnacionais (Anexo 3). O relatório, para além da introdução, encontra-se estruturado em mais seis secções. Na segunda secção apresentamos os objectivos e o programa da cooperação transnacional. Segue-se uma descrição da construção e funcionamento da parceria transnacional, em especial dos dispositivos usados na cooperação. A quarta secção apresenta os resultados da parceria, designadmente os produtos, os instrumentos e os modelos desenvolvidos. A quinta secção procura avaliar os efeitos alcançados com a parceria, seja na sua contribuição para a elaboração de políticas, seja dos produtos que podem ser transferíveis. Em seguida, na sexta secção, faz-se um balanço global do projecto, evidenciando, em especial, os seus aspectos positivos e negativos. Por último, na sétima secção, apresentam-se as conclusões e sugerem-se algumas propostas para melhoria de acções futuras. 2. OBJECTIVOS E ACTIVIDADES DO PROJECTO Nesta secção começamos por identificar os objectivos gerais e específicos do projecto RITMO e, em seguida, apresentamos o programa de activididades definido pela PD transnacional Objectivos O objectivo geral do projecto é a valorização do 3º Sector ao nível económico e da sua sustentabilidade, através da elaboração de uma estratégia de intervenção a nível comunitário, que seja transferível. Este objectivo geral é decomposto em três objectivos específicos: Alargar contactos e promover a troca de saberes entre os interlocutores com experiência nesta área; Conhecer, comparar e adaptar modelos experimentais derivados de contextos e países diferentes; 5

8 Desenvolver em conjunto novos instrumentos e modelos de intervenção, capazes de contribuir na elaboração de uma estratégia comunitária para o reforço da economia social Actividades O projecto RITMO previa a realização de quatro actividades principais: 1) Diagnóstico; 2) Modelos de intervenção; 3) Estratégia; e 4) Actividades transversais. As actividades 1 e 3 foram coordenadas pelos promotores italianos, respectivamente CNCA e PAP, e a Actividade 2 pelo promotor português, o IEBA. A coordenação da actividade 4 era partilhada pelos três promotores da parceria, estando o trabalho de avaliação atribuído a uma equipa da UTAD. Quadro 1. Actividades previstas do projecto RITMO Actividades previstas Actividades previstas Actividade 1. Diagnóstico Actividade 3 Estratégia Experiências e exemplos de boas práticas (P. Bibliografia sobre (P. Itália): Itália) - Responsabilidade social/balanço social - Desenvolvimento local, objectivos do DL, - Balanço de competências - Estado da arte do DL - Qualidade - Metodologias e instrumentos para o DL Documentação/instrumentos sobre (Pt) - Estratégias de DL - Pré-diagnóstico organizacional Documentação/instrumentos sobre (Pt) - Dispositivo de BC organizacional - Desenvolvimento local - Qualidade - Manual de estratégias C3 para o 3º sector Actividade 2 Modelos de intervenção Experiência e exemplos existentes, boas práticas já identificadas sobre (P. Itália) - Estratégia nas 6 organizações C3 Actividade 4 Transversais - Newsletter - Learning organization - Sítio na web - Intervenções para organizações do 3º sector - Divulgação/transferibilidade - Modelos de intervenção - Avaliação Documentação/instrumentos sobre (Pt): - Modelos de intervenção C3-6 estudos de caso - Manuais de auto-aprendizagem Estamos perante um quadro com inúmeras actividades, que se revelará algo ambicioso, atendendo aos condicionalismos que se colocam a trabalhos deste tipo. 6

9 2.3. Orçamento O orçamento das actividades transnacionais é apresentado no Quadro 2 e eleva-se a euros, distribuídos da seguinte forma entre os três promotores: 51% PD IT /S/MLD/055 (CNCA); 37% PD IT/G/Mar/009 (PAP); e 12% PD Portuguesa (IEBA). Os valores referidos evidenciam uma repartição muito desigual entre os orçamentos atribuídos a cada um dos promotores. Isto pode colocar, certamente, algumas limitações ao nível da mobilidade dos parceiros e das actividades a realizar. Enquanto a parceria italiana visitou Portugal quatro vezes, a parceria portuguesa reuniu em Itália apenas duas vezes, sendo a representação na segunda visita (5º Reunião Transnacional) limitada a apenas cinco pessoas, ficando tal a dever-se a limitações orçamentais. Quadro 2. Orçamento atribuído por promotor e actividades do projecto Actividades CNCA PAP IEBA Total 1. Diagnóstico Modelos Estratégias Transversais Total % do total 51% 37% 12% 100% A repartição financeira bastante desequilibrada entre os parceiros transnacionais tende, obviamente, a beneficiar, em experiências e aquisição de conhecimento, aqueles com montantes mais elevados, que podem assim visitar mais vezes e com maior número de pessoas o outro país parceiro. Neste caso, o benefício maior ficou do lado dos parceiros italianos. 3. CONSTRUÇÃO DA PARCERIA TRANSNACIONAL E DISPOSITIVOS DE COOPERAÇÃO A parceria transnacional foi desenvolvida por três promotores: um português (IEBA) e dois italianos (CNCA e PAP). Cada promotor tinha associado vários parceiros nacionais, como se pode ver no ponto seguinte. 7

10 3.1. Promotores da cooperação transnacional e parceiros envolvidos De acordo com o documento do projecto RITMO, a parceria apresenta três promotores, tendo cada um deles associado um conjunto variável de parceiros nacionais, como se apresenta de seguida. Promotor: CNCA (Coordinamento Nazionale Comunità di Accoglienza): PS: IT- S - MDL 055 Parceiros nacionais: IMPRESA A RETE IRS (Istituto per la Ricerca Sociale) Cittadinanazattiva DROM (Consorzio Nazionale della Cooperazione Sociale) APERION CENASCA (Centro Nazionale Associazionismo Sociale Cooperazione Autogestione) COFIMP (Consorzio per la Formazione e lo Sviluppo delle PMI) CNA - Impresa sensibile (Confederazione Nazionale dell'artigianato) ERiFo (Ente per la Ricerca e la Formazione) Promotor: IEBA (Centro de Iniciativas Empresariais Beira Aguieira) - PS: PT Parceiros nacionais: AEP (Associação Empresarial de Portugal) ADICES (Associação de Desenvolvimento de Iniciativas Culturais, Sociais e Económicas) IPN (Instituto Pedro Nunes) UTAD (Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro) Promotor: Amministrazione Provinciale di Ascoli Piceno - PS: IT-G-MAR-009 8

11 Parceiros nacionais: Comune di Ascoli Piceno Comune di Porto Sant Elpidio Comune di Offida Comune di Montegranaro Comune di Petritoli Azienda Sanitaria Locale USL 13 Azienda Sanitaria Locale USL 12 Azienda Sanitaria Locale USL 11 Coordinamento Nazionale Comunità di Accoglienza Lega Regionale Cooperative e Mutue delle Marche Oltre Consorzio di cooperative sociali arl Il Picchio Società Cooperativa arl Consorzio di cooperative Sociali Confcooperative di Ascoli Piceno Associazione Volontariato Marche Comitato Territoriale di Ascoli Piceno Associazione Volontariato Marche Comitato Territoriale di Fermo Unione Sindacale Territoriale CISL di Ascoli Piceno Italia Lavoro SpA Camera del Lavoro Territoriale di Ascoli Piceno CGIL As PD s italianas são constituídas por um elevado número de entidades com motivações e interesses diversos, o que não facilita o processo de identificação de objectivos e interesses comuns. Como adiante sublinharemos, nem todos os parceiros tiveram um nível de participação idêntico. No caso desta última PD italiana, houve, por razões de política regional, a inclusão de um elevado número de parceiros, que acabaram por não ter participação significativa nas fases de execução do projecto Processo de constituição da parceria Como se sabe, após a aprovação das candidatura Equal (projecto nacional), cada promotor deve, de acordo com as exigências do programa, procurar parceiros em pelo 9

12 menos um outro país da União Europeia. No caso em apreço o processo de constituição da parceria transnacional fez-se de acordo com as fases seguintes: Pesquisa na Internet, na base de dados europeia do Equal, realizado pelo promotor português IEBA; Identificação de parceiros potenciais italianos com projectos em temática idênticas; Estabelecidos os primeiros contactos via , segui-se uma manifestação de interesse dos parceiros italinaos (CNCA), que contactaram via telefone o promotor português. De acordo com o promotor português que estabeleu a parceria, a escolha dos parceiros italianos surgiu quase como inevitável, atendendo a três razões: elevado peso da economia social em Itália; parceiros com muita experiência; elevado número de projectos de organizações italianas na base de dados Equal. A escolha específica dos parceiros italianos pelo promotor português ficou a dever-se ao facto de aqueles desenvolverem projectos em temáticas idênticas e ao interesse da parceria portuguesa em conhecer o CNCA. Para além disso estabeleu-se, desde os primeiros contactos, via e depois telefone, uma certa empatia que ajudou a consolidar a parceria. A constituição de partenariados transnacionais é, com o se sabe, um dos requisitos obrigação do Programa Equal, processo que coloca dificuldades várias, como mostramos em seguida Dificuldades na constituição do projecto Como em qualquer processo de constituição de um grupo de trabalho com alguma coesão, são necessários interesses e objectivos comuns e oportunidades para os membros do grupo se conhecerem e aprofundarem relações profissionais e pessoais. Ora, este processo requer tempo, oportunidades de trabalho e de convívio. Algumas das dificuldades mais evidentes derivam da definição de objectivos comuns e da fixação de um plano de trabalho conjunto. Como refere o parceiro português, construir uma agenda e um programa de trabalho comum que faça sentido para ambos os projectos, para além das habituais troca de experiências, revelou-se o mais difícil. 10

13 Como se sabe, quando se formam as parcerias já os projectos nacionais estão aprovados e definidos. Tal significa que existem já áreas de actuação específicas de cada PD. A experiência revela que a estratégia seguida por cada PD procura concentrar os maiores esforços no projecto nacional e em rentabilizar os seus resultados, alargando-os à componente transnacional. Ora, este procedimento condiciona e dificulta a concepção e execução de projectos com objectivos comuns. Mesmo com as facilidades permitidas pela novas tecnologias da informação e comunicação (TIC), a distância física entre as pessoas é, numa fase inicial, um factor que dificulta a constituição da parceria e o desenvolvimento do plano de trabalho. A confiança e o inter-conhecimento entre os parceiros são factores necessários ao desenvolvimento de qualquer trabalho, ora estas condições requerem tempo e espaços de conhecimento. Não admira, por isso, que as duas primeiras reuniões sejam sobretudo importantes para aumentar o conhecimento pessoal e institucional entre os parceiros e se ficar a conhecer, minimamente, os projectos nacionais. A diversidade de contextos sócio-económicos e culturais foi outras das dificuldades identificadas no estabelecimento das parcerias. O 3º Sector, em Itália, apresenta algumas diferenças relativamente a Portugal, seja ao nível dos conceitos seja dos estatutos das organizações. Como bem refere M. Grazia Mastrangelo do CNCA, na Newsletter do RITMO nº 3: Uma cooperação transnacional verdadeiramente eficaz e produtiva representa um objectivo que não é fácil de realizar. De facto, é necessário tempo, energias, compromisso, confiança e muita vontade. Por fim, é necessária uma abertura de espírito e querer aprender uns com os outros Dispositivos de cooperação Para se realizar a cooperação transnacional previam-se as seguintes formas de cooperação: Cinco reuniões internacionais, com visitas ao terreno; Sítio na web; Newsletter ; 11

14 Trabalho à distância através da internet; Dois Seminários finais de divulgação dos resultados do projecto, um em Itália e outro em Portugal. Até final de Novembro de 2004 realizaram-se seis reuniões transnacionais, duas das quais em Itália e quatro em Portugal. Quadro 3. Local e data das reuniões transnacionais do projecto RITMO Reuniões Local Data 1 ª Coimbra (IPN) 29 a 30 Novembro de ª Porto (AEP) 21 a 22 de Fevereiro de ª Província Ascoli-Piceno 27 a 29 Junho ª Mortágua (IEBA) 27 a 29 Novembro ª Roma (CNCA) 14 a 15 Outubro ª Porto (AEP) 29 de Novembro 2004 No conjunto de dispositivos de cooperação assumem especial destaque no trabalho desenvolvido as seis reuniões transnacionais do projecto e o trabalho realizado à distância através da internet. As reuniões foram essenciais para o desenvolvimento da parceria, por três razões maiores: 1) na elaboração do projecto RITMO; 2) na melhoria do inter-conhecimento pessoal e da confiança entre os parceiros, condições essenciais no desenvolvimento do trabalho e, em particular, do realizado à distância; 3) na calendarização das actividades a realizar, o que foi determinante para a execução. Aquando da realização da 4º reunião transnacional, para além das actividades mais estritas relacionadas com o projecto, promoveu-se um conjunto de contactos institucionais e visitas formais entre os representantes da província de Ascoli-Pisceno a Câmara de Mortágua e Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro. O sítio web do projecto revelou-se um instrumento fundamental para a difusão dos resultados do projecto, mais do que propriamente para o desenvolvimento do trabalho. As Newsletters tiveram alguma importância na difusão da informação entre os parceiros. 12

15 3.5. Participação dos diferentes parceiros As reuniões transnacionais tiveram a participação, para alem dos três coordenadores (IEBA, CNCA e PAP), da grande maioria dos parceiros transnacionais e nacionais. Há que reconhecer que não é fácil mobilizar um número elevado de parceiros, quer para as reuniões transnacionais, quer para a realização das tarefas que lhes foram atribuídas. Como se mostra atrás, há duas PD s italianas, lideradas por dois promotores (CNCA e PAP) e cada um destes apresenta um elevado número de parceiros, respectivamente 9 e 18. Atendendo à assiduidade dos parceiros italiano nas reuniões transnacionais, ao grau de envolvimento na parceria, bem como aos textos produzidos ao longo do trabalho, podemos agrupá-los em dois tipos: um grupo com elevado envolvimento e participação, onde se inclui o CNCA (entidade promotora), a Impresa a RETE, CNA-Impresa Sensible, IRS, Cittadinazattiva, CENASCA, COFIMP, DROM e a Provincia di Ascoli Piceno (PAP); e, um segundo, com menor participação, onde se enquadram os parceiros ligados ao promotor PAP. Esta última organização acabou por ter uma participação elevada, através da entidade promotora, e uma muito baixa participação por parte dos seus parceiros. Comparativamente, a parceria portuguesa era constituída por um grupo restrito de cinco parceiros. Esta parceria funcionou relativamente bem, como se demonstra através de dois indicadores: assiduidade e realização das tarefas atribuídas. Assistiu-se, por parte dos parceiros portugueses, a uma elevada assiduidade, quer nas reuniões nacionais, quer nas reuniões transnacionais. Em relação ao outro indicador - a efectiva realização das actividades atribuídas o grosso destas estavam atribuídas ao IEBA e AEP, que funcionaram como o núcleo duro do projecto. Estas duas organizações e, especificamente, os técnicos que trabalharam no projecto, formaram uma equipa bastante coesa, o que ficou a dever-se, em grande medida, ao bom relacionamente entre as pessoas envolvidas e ao facto destas organizações já terem trabalhado em conjunto noutros projectos. A elevada participação dos parceiros portugueses ficou a dever-se ao empenho 13

16 dos vários parceiros e à boa capacidade de liderança demonstrada pelo parceiro cooordenador do projecto, o IEBA Expectativas face à cooperação Depois de passarmos em revista a constituição da parceria, vejamos quais as expectativas dos parceiros em relação à cooperação transnacional. Para isso foi solicitado aos participantes na segunda reunião transnacional, realizada a 20 e 21 de Fevereiro de 2003, no Porto, que respondessem a um breve questionário (Anexo 1). A análise das respostas permite-nos concluir que as expectativas são vastas e diversificadas e, até, algo ambiciosas. As respostas estão relacionadas com cinco dimensões: 1) realidade sócioeconómica e institucional; 2) quadro conceptual; 3) modelos e metodologias; 4) novos produtos; e 5) trabalho em parceria e projectos futuros. Vejamos a listagem dos principais aspectos mencionados, por dimensão: 1) Realidade sócio-económica e institucional Enriquecimento cultural e humano. Conhecimento de uma outra realidade económica e social. Conhecimento de abordagens e experiências de desenvolvimento local e participação dos cidadãos no quadro italiano. Análise comparativa das questões que se colocam ao 3º Sector dos dois países. Troca de conhecimentos e experiências sobre o papel e organização do 3º Sector. Identificação de problemas comuns. Desenvolvimento de novas ideias para a criação, na Europa, de uma sociedade mais justa, democrática e sem discriminações. 2) Quadro conceptual Conhecimento e debate de definições de 3º Sector em cada país. Aprofundamento do conhecimento em matéria de responsabilidade social e balanço social. 14

17 3) Modelos e metodologias Desenvolvimento de uma metodologia de trabalho conjunto e criação de uma parceria concreta. Conhecimento do nível de desenvolvimento, no terreno, dos termos de referência qualidade social, responsabilidade social e balanço de competências organizacionais. Conhecimento dos resultados da aplicação do Modelo C3 nas organizações do 3º Sector envolvidas. Conhecimento dos modelos, metodologias e instrumentos de desenvolvimento local usados em países diferentes. Melhoria e integração de modelos e linhas de desenvolvimento local. Uso, noutro contexto nacional, de modelos e boas práticas. 4) Novos produtos Planeamento de modelos de desenvolvimento para o 3º Sector. Melhoria da relação entre o 3º Sector e a economia local. Articulação entre gestão das organizações, trabalhadores e equidade social. Desenvolvimento de produtos comuns que possam ser transferíveis. Desenvolvimento, em conjunto, de modelos e abordagens. 5) Trabalho em parceria e projectos futuros Realização de bom trabalho de equipa. Criação de uma parceria transnacional sustentável, com base na qual se possam realizar outros projectos. Em suma, a parceria transnacional surge como uma imposição do Equal, mas acaba por ser aceite pelos parceiros, que fixam expectativas elevadas para a cooperação. A constituição da parceria transnacional não é fácil, há dificuldades no estabelecimento de um projecto e produtos comuns. As reuniões transnacionais são essenciais para a construção e execução de um projecto comum. 15

18 4. RESULTADOS DA PARCERIA: PRODUTOS, MODELOS E INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO Nesta secção apresentamos os resultados da cooperação transnacional, começando por um balanço entre as actividades previstas e as realizadas, passando em seguida para a identificação dos produtos e instrumentos elaborados no quadro do projecto Actividades desenvolvidas e avaliação das expectativas face ao esperado O projecto RITMO previa a execução de quatro actividades principais, como se viu no Quadro 1, actividades que foram realizadas na sua globalidade. No inquérito de avaliação final foi pedido aos parceiros para fazerem uma apreciação das actividades realizadas face às suas expectativas De uma forma geral, as actividades realizadas corresponderam ao esperado, como se observa no Quadro 4. Houve pelo menos duas actividades que ficaram por concretizar, uma pela PD italiana e outra pela PD portuguesa. Foi o caso das intervenções para as organizações do 3º Sector da Actividade 2, e o Manual de Estratégias C3 para o 3º Sector, da Actividade 3. A primeira não se realizou por ausência de entidade italiana interessada em o executar, o que resulta, segundo um dos inquiridos, de não haver uma verdadeira compreensão de cada projecto nacional e de as entidades parceiras terem áreas de actuação muito específicas. A segunda não se fez sobretudo por limitações de tempo. A aplicação do Modelo C3 nas organizações exigiu mais tempo e energia do que inicialmente se pensava, pelo que na parte final escasseou o tempo para a realização de algumas actividades e produtos. Dois parceiros italianos referem ainda que as actividades no âmbito do Modelo de intervenção C3 ultrapassaram as suas expectativas. 16

19 Quadro 4. Actividades previstas e realizadas e avaliação face ao esperado Actividade 1. Diagnóstico Actividades Previstas Experiências e exemplos de boas práticas (P. Itália) Em Execução Actividades Realizadas Concluídas Não realizada Avaliação face ao esperado - Responsabilidade social/balanço social = - Balanço de competências = - Qualidade = Documentação/instrumentos sobre (Pt) - Pré-diagnóstico organizacional = - Dispositivo de BC organizacional = - Qualidade = Actividade 2 Modelos de intervenção Experiência e exemplos existentes, boas práticas já identificadas sobre: (P. Itália) - Learning organization = - Intervenções para organizações do 3º Sector - - Modelos de intervenção Documentação/instrumentos existentes sobre (Pt) = - Modelos de intervenção C estudos de caso + - Manuais de auto-aprendizagem = Actividade 3 Estratégia Bibliografia sobre (P. Itália): - Desenvolvimento local, objectivos do DL = - Estado da arte do DL = - Metodologias e instrumentos para o DL = - Estratégias de DL = Documentação/instrumentos sobre (Pt) - Desenvolvimento local = - Manual de Estratégias C3 - Estratégia nas 6 Organizações C3 - Actividade 4 Transversais - Newsletter = - Sítio Web = - Divulgação = - Avaliação = (+) ( =) (- ) - - As actividades foram várias, mas nem todas as actividades resultaram em produtos, que são em menor número, como veremos em seguida. 17

20 4.2. Produtos resultantes da transnacionalidade Os vários produtos resultantes da cooperação transnacional são assinalados no Quadro 5. A leitura do quadro mostra que se previa a realização de um conjunto de nove pacotes de produtos. O conjunto de vários produtos, assinalados atrás no Quadro 2, irá assumir a forma de quatro produtos principais: a) o Manual de Boas Práticas, a publicar em papel e em CD; b) três Newsletters ; c) sítio Web; d) e o Relatório Final de Avaliação do Projecto RITMO. O manual de boas práticas para a gestão e desenvolvimento do 3º Sector, irá reunir uma síntese de todos os documentos produzidos pelos vários parceiros ao longo do projecto, e será certamente o produto mais substancial da parceria, englobando as seguintes temáticas: - Responsabilidade social; - Balanço social; - Balanço das competências organizacionais; - Qualidade; - Learning Organization ; - Mercados do 3º Sector; - Origens do financiamento para o 3º Sector; - Modelo de intervenção C3 nas organizações; - Desenvolvimento local. As três Newsletters editadas podem ser consultadas no sítio Web do projecto (www.c3.com.pt/ritmo) e estão disponíveis em quatro línguas. Os produtos do projecto, devido à escassez de tempo na parte final, não apresentam o grau de elaboração que seria desejável. A PD portuguesa debateu-se com uma forte escassez de tempo, o que impediu alargar a fase de discussão dos produtos e a elaboração do manual de estratégias para o 3º Sector. A aplicação do modelo nas seis organizações foi um processo moroso, pois a sua implementação depende de um conjunto variável de factores, muitos dos quais dependentes de terceiros. Os produtos da componente transnacional acabaram por se ressentir dos atrasos na execução do projecto 18

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES II Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Comunidades de Aprendizagem Modo de Funcionamento Metodologia

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso O desafio de informar melhor Juntos, uma comunicação de sucesso Janeiro 2006 1.Introdução Dar a conhecer à população (e sensibilizar os potenciais beneficiários) o papel que os financiamentos comunitários

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

AS REDES TEMÁTICAS EQUAL

AS REDES TEMÁTICAS EQUAL AS REDES TEMÁTICAS EQUAL Janeiro 2006 ÍNDICE Pàg. 1. As Redes Temáticas (RTs) como instrumento de mainstreaming 3 2. Aprender com a experiência da 1ª Fase o que deve mudar nas RTs 3 3. Objectivos e resultados

Leia mais

Perfil de Competências Transversais e de Formação do Empreendedor

Perfil de Competências Transversais e de Formação do Empreendedor CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Perfil de Competências Transversais e de Formação do Empreendedor Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), co-financiado

Leia mais

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem?

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem? Rui Trindade Universidade do Porto Portugal trindade@fpce.up.pt I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA UNDIME/MG Belo Horizonte 11 de Abril de 2012 O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TECNICA PARA FORMADOR/A EM COMUNICAÇÃO E VISIBILIDADE DAS ORGANIZAÇÕES UE-PAANE

Leia mais

EBI de Angra do Heroísmo

EBI de Angra do Heroísmo EBI de Angra do Heroísmo ENQUADRAMENTO GERAL Estratégia intervenção Ministério Educação promover o empreendedorismo no ambiente escolar Consonância com linhas orientadoras da Comissão Europeia Projectos

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

AS AUDITORIAS INTERNAS

AS AUDITORIAS INTERNAS AS AUDITORIAS INTERNAS Objectivos Gerais Reconhecer o papel das auditorias internas Objectivos Específicos Reconhecer os diferentes tipos de Auditorias Identificar os intervenientes Auditor e Auditado

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Apoios para PME na colaboração com entidades do SCT Lurdes Pinho (Secretária Técnica Sistemas de Incentivos ON.2) 1 Enquadramento 2 Estrutura ON.2 Eixo Prioritário FEDER % PO I -

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA (Unidade-Disciplina-Trabalho) DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS PROJECTO DE APOIO À GESTÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA (PAGEF) TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O RECRUTAMENTO

Leia mais

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS Plano de Actividades e Orçamento Exercício de 2012 Plano de Actividades e Orçamento para o exercício de 2012 Preâmbulo: O Plano de Actividades do ano de 2012 foi concebido com a prudência que resulta da

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

Plano de Marketing Operacional

Plano de Marketing Operacional Plano de Marketing Operacional CONTEÚDO 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação... iii 2. Plano de comunicação... viii 3. Controlo e revisão... xvi ii 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação A

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Intervenção do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

PROJECTO GEPETO BALANÇO DE ETAPA

PROJECTO GEPETO BALANÇO DE ETAPA PROJECTO GEPETO BALANÇO DE ETAPA Coordenação Técnica. Outubro de 2013 BALANÇO DE ETAPA EM METADE DO PROJECTO GEPETO Outubro de 2013 1. RECAPITULAÇÃO DOS OBJECTIVOS 2. ROTEIRO 3. PRINCIPAIS ACTIVIDADES

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

Introdução aos três subtemas da Trienal

Introdução aos três subtemas da Trienal Introdução aos três subtemas da Trienal 2/9 Introdução aos três subtemas da Trienal A Trienal 2012 : rumo a sistemas de ensino e de formação em prol do desenvolvimento sustentável em África A Trienal de

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais

3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais 3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais 29 de setembro de 2014 Auditório da BMAG Apoio Patrocinadores Globais APDSI Internet, Negócio e Redes Sociais

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Kit de Auto-Diagnóstico de Necessidades, Auto-Formação e Auto-Avaliação da Formação em Gestão

Kit de Auto-Diagnóstico de Necessidades, Auto-Formação e Auto-Avaliação da Formação em Gestão CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Kit de Auto-Diagnóstico de Necessidades, Auto-Formação e Auto-Avaliação da Formação em Gestão Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento

Leia mais

Mobilidade - Estágios e Intercâmbios Guia Específico 2003-2004

Mobilidade - Estágios e Intercâmbios Guia Específico 2003-2004 Programa Leonardo da Vinci - Portugal 1 PARTE I CONTEXTO A medida Mobilidade do programa Leonardo da Vinci 1 prevê a concessão de apoio à mobilidade transnacional das pessoas em formação profissional,

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA FORMADOR EM CONTABILIDADE, GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Luísa Solla, ILTEC/ESE Setúbal e Fabíola Santos, ILTEC luisa.solla@sapo.pt fabiola.santos@iltec.pt

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Relatório de Actividades 2008

Relatório de Actividades 2008 Relatório de Actividades 2008 Elaborado por: Grupo Dinamizador da Comissão Social de Freguesia de Stº Antº dos Cavaleiros, 2009 Nota Introdutória O presente documento tem como principal objectivo a avaliação

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002 Plano de Comunicação para o QCA III Relatório de Execução de 2002 Após o período de lançamento do QCA III o ano de 2002 foi de consolidação dos projectos iniciados e de apresentação dos primeiros resultados.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO ORGANIZACIONAL DE ESTRATÉGIAS FORMATIVAS DE CONSULTORIA FORMATIVA RELATÓRIO FINAL

AVALIAÇÃO DO IMPACTO ORGANIZACIONAL DE ESTRATÉGIAS FORMATIVAS DE CONSULTORIA FORMATIVA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO IMPACTO ORGANIZACIONAL DE ESTRATÉGIAS FORMATIVAS DE CONSULTORIA FORMATIVA JULHO DE 2004 FICHA TÉCNICA Avaliação do Impacto Organizacional de Estratégias Formativas de Consultoria Formativa

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

PREVIUM CONSULTORIA, LDA.

PREVIUM CONSULTORIA, LDA. PREVIUM CONSULTORIA, LDA. sediada em Mortágua (dist.viseu), constituída a 12/Outubro/2001, dedica-se a serviços de consultoria à gestão de empresas, especialmente nas áreas económica e financeira" possui

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA

CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA Realizaram-se na passada semana dois acontecimentos que reputo de importância ímpar para a promoção do Empreendedorismo em Portugal O Dia Europeu do Empreendedor e o Encontro

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS. O Papel das Instituições de Ensino Superior na Dinâmica da Criação de Empresas, por meio de Redes De Inovação

4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS. O Papel das Instituições de Ensino Superior na Dinâmica da Criação de Empresas, por meio de Redes De Inovação 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS O Papel das Instituições de Ensino Superior na Dinâmica da Criação de Empresas, por meio de Redes De Inovação Maria José Madeira Silva 1, Jorge Simões 2, Gastão Sousa

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Câmara Municipal de Lisboa Direcção Municipal de Recursos Humanos DFSHS/Divisão de Formação. Responsabilidade Social na Câmara Municipal de Lisboa

Câmara Municipal de Lisboa Direcção Municipal de Recursos Humanos DFSHS/Divisão de Formação. Responsabilidade Social na Câmara Municipal de Lisboa Câmara Municipal de Lisboa Direcção Municipal de Recursos Humanos DFSHS/Divisão de Formação Responsabilidade Social na Câmara Municipal de Lisboa Semana da Responsabilidade Social, Lisboa 03 a 07 Maio

Leia mais

FNGIS Fórum Não Governamental para a Inclusão Social. Rua Soeiro Pereira Gomes - Ed América, Entr.7 3º Apartamento 311

FNGIS Fórum Não Governamental para a Inclusão Social. Rua Soeiro Pereira Gomes - Ed América, Entr.7 3º Apartamento 311 O Fórum Não Governamental para a Inclusão Social foi constituído em 2006, tendo como ideia base contribuir activamente para a construção, implementação e avaliação do Plano Nacional de Acção para a Inclusão

Leia mais

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Enquadramento 02 Justificação 02 de implementação 02 Destinatários 02 Sessões formativas 03 Módulos 03 1 e instrumentos

Leia mais

Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março. O Estágio como ponte para o emprego

Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março. O Estágio como ponte para o emprego Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março O Estágio como ponte para o emprego Emília Rodrigues Araújo Boa tarde a todos Quero, em primeiro lugar, saudar esta iniciativa

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO EM INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO EM INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO REGULAMENTO DE ESTÁGIO EM INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO LICENCIATURA EM SERVIÇO SOCIAL 2015 1 PREÂMBULO A Licenciatura em Serviço Social da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (adiante designada por

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

Prática de Intervenção Integrada para a Qualificação de Activos pouco qualificados

Prática de Intervenção Integrada para a Qualificação de Activos pouco qualificados Acção III - 2001/EQUAL/A3/AD/139 Guia da Prática de Intervenção Integrada para a Qualificação de Activos pouco qualificados 1 INDICE PARTE I - INTRODUÇÃO 1. OBJECTIVOS DO GUIA...3 2. NECESSIDADES A QUE

Leia mais

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa . INÁCIO, Maria Joana SALEMA, Maria Helena Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa RESUMO Aprender a aprender constitui-se como uma das competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida,

Leia mais

O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA

O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA O plano de Comunicação Interna è a tradução operacional da estratégia. É um instrumento de gestão cujo objectivo é traduzir a política de comunicação interna da empresa num

Leia mais

A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011

A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011 A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011 O presente documento tem por objectivo dar um contributo

Leia mais

Relatório Final da Acção de Formação

Relatório Final da Acção de Formação Acção de Formação: Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências Contexto: utilização da Web 2.0 aplicada à didáctica do ensino das Ciências Relatório Final da Acção de Formação Centro

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

Relatório de Avaliação. Curso: Liderança para Chefias Intermédias e Jovens Quadros

Relatório de Avaliação. Curso: Liderança para Chefias Intermédias e Jovens Quadros Relatório de Avaliação Curso: Liderança para Chefias Intermédias e Jovens Quadros Praia, 01 de Novembro de 2010 Índice 1. ENQUADRAMENTO 2. OBJECTIVOS DO DOCUMENTO PARTE I - ENQUADRAMENTO DO CURSO E METODOLOGIA

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

Ano Lectivo 2007/2008. Junho de 2009

Ano Lectivo 2007/2008. Junho de 2009 RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA Ano Lectivo 2007/2008 Junho de 2009 ÍNDICE Objectivos do Relatório Fases de Elaboração do Relatório Universo do Relatório

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

Plano de atividades de 2012

Plano de atividades de 2012 Plano de atividades de 2012 Introdução A Confederação Portuguesa do Voluntariado (CPV) congrega, à data de votação do presente Plano de actividades, 18 associações, federações e confederações, de diferentes

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE A REDE on-line (PROJECTO DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE 2006) SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO; II. OBJECTIVOS DA REDE on-line

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais