A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NO FINAL DO SÉCULO XIX

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NO FINAL DO SÉCULO XIX"

Transcrição

1 Título: A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NO FINAL DO SÉCULO XIX Área Temática: História da Educação Autora: GESILAINE MUCIO FERREIRA (*) Instituição: Universidade Estadual de Maringá - Pós-Graduação em Educação - Mestrado em Fundamentos da Educação Abordaremos algumas questões levantadas nos estudos preliminares referentes à nossa dissertação de mestrado, cujo objetivo é compreender as razões que conduziram os autores que abordavam a educação brasileira a partir da segunda metade do século XIX, a abraçarem a bandeira da educação para todos, ou seja, a educação pública, gratuita e obrigatória, como uma das formas de se resolver os problemas brasileiros. Este tema foi motivado por uma comparação entre os resultados do nosso segundo projeto de Iniciação Científica, De Smith a Stuart Mill. As Origens da Educação Universal, e as discussões sobre a educação brasileira do século XIX, realizadas na disciplina História da Educação III, do curso de Pedagogia. No projeto de Iniciação Científica referido, desenvolvemos a idéia de que pensadores liberais do século XIX como Stuart Mill ( ) e Tocqueville ( ), defendiam a educação universal como uma forma de amenizar os problemas sociais, decorrentes das contradições da sociedade burguesa que se tornavam visíveis no momento e, por conseguinte, restabelecer a ordem e o equilíbrio social. Todavia, as leituras de partes de obras de autores que estavam discutindo a educação brasileira, principalmente alguns da segunda metade do século XIX, como Agassiz ( ) e Tavares Bastos ( ), fizeramnos ver que estes autores também defendiam a bandeira da educação para todos como uma das formas de se resolver os problemas de desenvolvimento capitalista que o Brasil enfrentava na época. Esta comparação, que nos fez detectar semelhanças e diferenças entre a proposta educacional européia e a brasileira, levou-nos a formular a questão deste projeto. Na segunda metade do século XIX, predominava na Europa o trabalho livre e a produção industrial, enquanto no Brasil, o trabalho escravo e a produção agrícola. Lá a pequena e

2 média propriedade, aqui os grandes latifúndios. Na Europa consolidavam-se os regimes republicano-democráticos, no Brasil, tinha-se ainda a monarquia. No continente europeu a educação para todos era, entre outras coisas, uma resposta às crises de superprodução e aos conflitos de classe entre burguesia e proletariado, aqui havia poucos trabalhadores livres. Assim, se havia tantas diferenças entre o contexto europeu e o brasileiro no século XIX, como se explica a semelhança, ou seja, que a proposta de educação para todos também tenha se enraizado no Brasil? Partindo do pressuposto de que a educação não se explica por ela mesma, mas pelas transformações materiais que ocorrem na sociedade, e comparando pensadores liberais europeus com autores do mesmo período que discutiam as condições sociais, econômicas, políticas e, sobretudo, educacionais do Brasil, formulamos nossa hipótese. A bandeira da educação para todos também se enraíza no Brasil, apesar das diferenças de contexto histórico em relação à Europa, porque, a medida que o capitalismo se internacionaliza no século XIX devido ao processo de industrialização, as necessidades humanas também vão se tornando internacionais, ou universais. Realizamos até o momento novas leituras e reflexões sobre as obras Princípios de Economia Política e Ensaio sobre a Liberdade, de Stuart Mill, A Democracia na América, de Tocqueville, e sobre alguns capítulos de Viagem ao Brasil, de Luis Agassiz, e de A Província, de Tavares Bastos. Estamos realizando também leituras sobre autores do período e contemporâneos que abordavam a Europa (Hobsbawm, Laski) e o Brasil (Millet, Couty, Almeida, Carone) no século XIX em seus diversos aspectos (educacionais, políticos, sociais, econômicos etc.) e de relatórios de congressos da época como o Congresso Agrícola do Recife (1878). Estas primeiras investigações nos fizeram perceber que a semelhança entre a proposta educacional européia e a brasileira não se dava apenas na defesa da educação para todos, mas também aparecia em algumas medidas pensadas para promover o desenvolvimento desta proposta. Por exemplo, a proposta da liberdade de ensino era defendida pelo inglês Stuart Mill, pelo brasileiro Tavares Bastos e pelos congressistas do Recife. Todos eles afirmavam que o Estado deveria apenas tornar a educação

3 obrigatória, deixando-a ser ministrada livremente. Este, deveria preocupar-se apenas com a educação daqueles indivíduos cujos pais ou responsáveis não pudessem oferecê-la por falta de recursos. Defendendo a educação universal, Stuart Mill, em Ensaio sobre a Liberdade, atribuía ao Estado o dever de obrigar todas as crianças a serem educadas e não de interferir diretamente na educação, apontando o conteúdo a ser ensinado e o modo de ensiná-lo. Impondo a obrigatoriedade escolar, o Estado responsabilizaria os pais de prover a educação de seus filhos, dandolhes liberdade para escolher a instituição escolar e o tipo de ensino. Propunha que o governo somente interferisse na educação das crianças que não pudessem pagá-la. Uma vez que fosse admitido o dever de obrigar à educação universal, acabariam as dificuldades a respeito do que o Estado deva ensinar, e de como deva ser esse ensino, o que hoje converte a questão num mero campo de batalha para as seitas e partidos, fazendo que o tempo que deveria ter-se gasto em educar se desperdice em questionar sobre educação. Se o governo se resolvesse a exigir uma educação para todas as crianças, livrar-se-ia do incômodo de a ela prover. Aos pais podia facultar o fazerem educar seus filhos onde e como quisessem, e contentar-se ele com ajudar as crianças pobres a pagar a escola, e ocorrer a todas as despesas escolares daquelas que não têm ninguém que por elas pague. As objecções que com razão se alegam contra a educação pelo Estado não se aplicam à obrigação da educação por ele imposta, mas sim no facto de tomar sobre si a direcção da educação, o que é uma coisa totalmente diversa. (Mill, 1964, p ) Para Tavares Bastos, no primeiro capítulo de A Província, intitulado Instrução Pública, uma das formas de melhorar o ensino brasileiro seria o governo conceder a liberdade de ensino, considerando arbitrária a atitude de fechar escolas, restringir a criação delas, e impor limites ao exercício da profissão de professor, negando, por exemplo, títulos aos professores. No entanto, deixava claro que caberia ao governo, onde o povo não pudesse criar boas instituições educacionais, tomar providências. Ressaltava que o Estado

4 também não poderia se responsabilizar pela educação dos indivíduos se estes não colaborassem, ou seja, se os pais não obrigassem os filhos a freqüentar escolas que se situassem próximas às suas casas. Nesse sentido, defendia a obrigatoriedade do ensino, afirmando que Tão legítimo, como é o pátrio poder, o qual não envolve certamente o direito desumano de roubar ao filho o alimento do espírito, - o ensino obrigatório é às vezes o único meio de mover pais e tutores remissos ao cumprimento de um dever sagrado (1). Este discurso de Tavares Bastos é de Em 1878 ainda encontramos a defesa da liberdade de ensino, feita por representantes do governo, como o Ministro do Império Leôncio de Carvalho. Segundo ele, a liberdade de ensino era a base sólida sobre a qual devemos assentar o edifício da educação nacional. Para ele, se os indivíduos se julgassem capazes de ensinar, de criar escolas, deveriam ter liberdade para isto, pois a concorrência faria com que os estabelecimentos de ensino e os professores se qualificassem. Ela também faria os professores públicos, para não verem suas escolas desertas e sua reputação comprometida, em meio à competição dos professores particulares, estudarem mais e preocuparem-se em realizar bem o seu papel (2). Interessante ressaltar que a questão da obrigatoriedade do ensino já estava presente no discurso dos Ministros do Império desde No relatório de 1840, o Ministro Francisco Ramiro de Assis Coelho afirmava que a causa que mais retardava o progresso da instrução elementar era o fato do governo conceder liberdade aos pais de mandarem os filhos às escolas quando bem entendessem, o que resultava em perdas para a criança, pois, por não freqüentar regularmente as aulas, ela não conseguia acompanhar o conteúdo. A escola também se prejudicava pois ficava sujeita a uma desorganização interna de sua economia. Se o serviço militar obrigatório era visto com um benefício à sociedade, perguntava: porque a obrigatoriedade do ensino não o seria, se impediria que os indivíduos crescessem na ignorância e se tornassem flagelos da sociedade? (3). Outra questão presente tanto no discurso educacional europeu como no brasileiro era que não bastava apenas um aperfeiçoamento intelectual. Era necessário que a educação também promovesse o desenvolvimento das

5 capacidades morais, para que os indivíduos conhecessem seus direitos e deveres na sociedade civil. Stuart Mill, preocupado com o desemprego, com os conflitos de classes, não defendia apenas a instrução, mas uma educação moral, que possibilitasse ao indivíduo ter bom senso, discernir as atitudes benéficas à sociedade ou não. Por exemplo, acreditava que o estado de miséria em que se encontrava a classe trabalhadora era resultado da superpopulação. Este estado só se reverteria com um controle populacional, o que não era feito pela camada mais pobre da sociedade devido ao seu despreparo intelectual e a sua própria condição de miséria, que não lhe impunha o medo de piores condições e nem esperanças de um futuro melhor. Assim, para alterar os hábitos da população seria necessário que ela fosse educada com base na disseminação do bom senso, de valores morais, que possibilitassem aos indivíduos formar um juízo prático sobre as circunstâncias que os rodeiam. A difusão do bom senso faria com que as pessoas entendessem as conseqüências negativas do excesso de filhos e realizassem o autocontrole, o que, em seu ponto de vista, reduziria a concorrência por emprego, haveria possibilidade de aumentar os salários e melhoraria as condições de vida dos trabalhadores. Além disto, Stuart Mill ressaltava que oferecer apenas uma educação intelectual à classe trabalhadora seria estimular os conflitos de classes, pois isto a colocaria mais à par de seus direitos e a levaria a lutar mais ainda pelos mesmos. Uma educação intelectual juntamente com a formação moral evitaria este problema. Desse aperfeiçoamento intelectual pode-se esperar confiantemente colher vários efeitos. O primeiro é o seguinte: os trabalhadores aceitarão ainda menos do que hoje ser guiados e governados - e dirigidos para o caminho que devem trilhar - pela simples autoridade e prestígio dos superiores. (...) Parece-me impossível esperar outra coisa a não ser que esse aprimoramento da inteligência, da educação, e do amor à independência, entre as classes trabalhadoras, virá acompanhado do correspondente crescimento do bom senso que se manifesta em hábitos de conduta previdente, e que,

6 portanto, a taxa de aumento populacional descrecerá relação ao capital e ao emprego.(mill, 1996, v. II, p ) gradualmente em Tocqueville, em A Democracia na América, também defendia a idéia de que juntamente com a formação intelectual os indivíduos deveriam receber uma formação moral. Isto porque, segundo ele, a sociedade estava se organizando sobre os parâmetros da democracia e, embora esta representasse um estado de menor desigualdade, trazia problemas, como o individualismo, caracterizado por ele como um sentimento que: de início, só faz secar a fonte das virtudes públicas; mas, depois, de algum tempo, ataca e destrói todas as outras e vai, afinal, absorver-se no egoísmo (4). Para ele, esse individualismo era produto da independência que os homens conquistaram no estado democrático. Esta independência fazia com que os homens pensassem só em si, acreditando na auto-suficiência e tornando impensável a possibilidade de necessitar do auxílio alheio. Este sentimento de independência promovia o isolamento entre os indivíduos, abrindo espaço, segundo este autor, para o alojamento do egoísmo, tornando os homens fortes, e, ao mesmo tempo, frágeis, sem defesa contra o despotismo, elemento prejudicial à ordem social. Assim, dizia que os indivíduos deveriam receber, juntamente com a instrução que esclarecesse o espírito, uma educação que regulasse os costumes, para que eles aprendessem a respeitar os direitos e a liberdade alheia, e soubessem viver democraticamente. Quando se falava na Europa em difundir uma educação que não priorizasse apenas o desenvolvimento intelectual, mas que promovesse também o aperfeiçoamento moral e social do indivíduo, visava-se o controle do conflito de classe, amenizar o problema do desemprego. No Brasil não se tinha ainda conflitos entre o capital e o trabalho, o problema do desemprego não era questão na época, mas também encontramos a defesa de uma educação que fosse além do aperfeiçoamento intelectual. Manoel Balthazar Pereira Diegues Junior ressaltava no Congresso Agrícola do Recife que a educação poderia resolver a metade dos problemas do país, porém, era necessário mudar o curso do ensino brasileiro, isto é, paralelamente à educação intelectual, a escola deveria promover uma

7 educação social, proporcionando o desenvolvimento intelectual e a formação moral dos indivíduos. O mesmo defendia Almeida, em História da Instrução Pública no Brasil. ( ), quando dizia, nesta obra publicada em 1889, que a instrução deve ser precedida e acompanhada de uma boa educação. Sem educação prévia e contínua, a instrução é mais perigosa que útil para os indivíduos, família e sociedade (5). Caracterizava esta boa educação como o aperfeiçoamento pessoal, moral, o cultivo do sentimento de dignidade, do amor à pátria, que formaria homens e mulheres capazes de desempenhar seus papéis na vida particular e pública sem prejudicar a ordem. Considerando o contexto da época e a grande preocupação brasileira com a forma da transição do trabalho escravo para o trabalho livre, levantamos algumas questões que poderiam nortear o desenvolvimento de nossas hipóteses. No Congresso Agrícola do Recife e em algumas obras da época, encontramos uma discussão a respeito de como incorporar o homem livre e o escravo recém liberto à produção. Abordava-se que os homens livres que existiam no país eram ociosos, vadios, preocupados apenas em ganhar a vida através de cargos públicos, enquanto os escravos após obterem a liberdade, em geral, resistiam ao trabalho agrícola, enfrentando, diante disto, dificuldades em obter mão-de-obra. Frente a esta situação, colocava-se a necessidade não só do conhecimento das Ciências Naturais, do aperfeiçoamento intelectual e prático para o aprimoramento da produção. Também se pensava numa educação social, moral, que disciplinasse tanto os homens livres como os escravos, incutindo nos mesmos a importância do trabalho. Importância que, segundo Diegues Junior, se fosse visualizada pelos indivíduos, o país prosperaria. Mas si, pela educação, virem no trabalho, não um aviltamento, mas um título de nobreza, não cuidarão das cogitações que occupam os ociosos, e teremos, nessa concurrencia do trabalho livre e intelligente, uma fonte perenne de recursos e uma solida garantia de progresso. (Diegues Júnior in: Congresso Agrícola do Recife, p.263)

8 Notamos, portanto, que eram praticamente os mesmos encaminhamentos educacionais para regiões com características e problemas diferentes, pois, enquanto na Europa buscava-se a manutenção da ordem social afetada pela crise industrial, no Brasil procurava-se encontrar meios para fazer com que o país entrasse na órbita do capitalismo industrial, da modernização. Com este objetivo de fazer com que o Brasil atingisse o nível de desenvolvimento dos países industrializados, autores da época também propunham mudanças de ordem econômico-social, como a substituição do trabalho escravo para o trabalho livre, a divisão dos grandes latifúndios em pequenas propriedades, a divisão do trabalho (separação do agrícola e fabril) e a industrialização do país. Quanto à substituição do trabalho escravo para o trabalho livre, como dissemos anteriormente, tinha-se a preocupação de como fazer esta substituição, e não somente a crítica a escravidão. Encontramos participantes do Congresso Agrícola do Recife, como José Antão de Souza Magalhães e Francisco Maria Duprat, dizendo que, no país, não havia falta de braços, e sim homens livres despreparados para o trabalho, vadiando pelo país, sendo necessário criar leis contra o ócio e educar estes indivíduos para o trabalho. Também encontramos membros do Congresso e autores da época afirmando que havia falta de braços no país. Millet, em Os quebra-quilos e a crise da lavoura cafeeira, não negava a necessidade de se acabar com a escravidão, contudo, ressaltava que abolí-la de imediato seria conduzir o país ao empobrecimento geral, por acreditar que não existia mão-de-obra suficiente para ocupar o lugar do escravo. Segundo ele, de um lado, os homens livres consideravam o ócio como seu privilégio, e, de outro, os alforriados criados durante o regime escravo também não tinham os hábitos do cidadão e do trabalho livre, assim, a abolição do trabalho escravo resultaria em perdas para o setor produtivo, pois quem iria produzir? Em A escravidão no Brasil e em O Brasil em 1884, Louis Couty demonstrou partilhar destas idéias. Segundo ele, países como a França, a Inglaterra e até mesmo os Estados Unidos puderam realizar, antes do Brasil, a substituição do trabalho escravo pelo livre, porque o negro não representava a

9 parte produtiva mais importante para estes países, o que não colocaria em risco a produção e a riqueza destas nações. Contudo, essa não era a situação do Brasil, pois do trabalho escravo dependia grande parte da produção do país, e suprimir bruscamente a escravidão significaria suprimir ou reduzir todas as produções importantes, e fazer secar todas as fontes da renda nacional e individual (6), ou seja, seria condenar o país a miséria. Este pensador reconhecia que o mundo era regido por lutas econômicas e que o Brasil precisava realizar mudanças para sobreviver nestas lutas. Mesmo consciente da dificuldade de se abolir a escravidão no momento, apontava-a como um dos fatores responsáveis pelo atraso do país. Considerando a necessidade de se produzir mais para competir no mercado mundial, afirmava que tal necessidade não poderia ser suprida pelo trabalho escravo, porque, segundo ele, o trabalho escravo era mais caro e inferior ao trabalho livre. Caro porque um senhor gastava muito mais para sustentar um escravo do que um empregador para manter um assalariado. Este último recebia o seu salário e se responsabilizava pelo seu sustento, vestimenta, saúde e tudo o que fosse necessário à sua sobrevivência, enquanto o proprietário de escravos arcava com toda a responsabilidade de manutenção do mesmo. Inferior, porque acreditava que o escravo produzia menos, com qualidade abaixo da produção do trabalhador livre. Acrescentava que o trabalhador livre, podendo ser despedido a qualquer momento se não correspondesse as expectativas do patrão, tinha interesse em produzir mais e com melhor qualidade para garantir seu emprego e sua sobrevivência. Já o escravo não tinha esta preocupação, pois, se não cumprisse suas obrigações, sofria castigos físicos, mas o seu sustento ainda estava garantido. Diante disto, Couty salientava que o Brasil não dispunha de braços ativos, isto é, de pessoas que desenvolvessem e aumentassem a produção, pessoas que contribuíssem para o aumento da riqueza do país. E como conseguir estes braços ativos? Não bastava promover a abolição, pois demonstrava que os escravos libertos resistiam ao trabalho agrícola e não se convertiam em forças produtivas úteis ao país, preferindo atividades como as de açougueiros, padeiros, carpinteiros, ambulantes. Afirmava, então, que a solução para o problema da mão-de-obra seria a realização do povoamento do país, através da imigração de braços livres da Europa. No entanto, ressaltava

10 que o país não deveria promover a imigração, isto é, ir buscar trabalhadores estrangeiros, pois isto só geraria gastos. Ele precisaria facilitá-la e estimulá-la através da criação de leis e condições de vida que favorecesse a vinda e a permanência do imigrante no país, de modo que ele prosperasse e acabasse estimulando a vinda de mais estrangeiros. Dizia isto por considerar que as condições de vida em que se encontrava o estrangeiro no Brasil, faziam com que ao término do contrato ele regressasse ao país de origem. Para ele, os imigrantes não tinham os mesmos direitos que os cidadãos brasileiros. Eram destinados à terras virgens, com grandes extensões e precisavam realizar todo o trabalho difícil de desmatamento, limpeza e preparação da terra, para depois cultivá-la. Assim, no momento em que eles iriam começar a produzir nestas terras e dar lucro ao país, acabava o seu contrato e, sem estímulos, eles retornavam ao seu país. De acordo com este autor, se o imigrante, ao chegar ao Brasil, encontrasse leis que o amparasse, concedendo-lhe os mesmos direitos dos cidadãos brasileiros, fosse destinado a terras já cultivadas onde pudesse iniciar o trabalho de melhorar e aumentar a produção, pudesse adquirir propriedades e auferir lucros para si, certamente escreveria aos seus compatriotas incentivando a vinda dos mesmos. Ligada à grande questão da substituição do trabalho escravo pelo trabalho livre tinha-se a preocupação com a divisão do trabalho. O Barão de Muribeca, em uma de suas falas durante o Congresso Agrícola do Recife, ressaltava que o problema da lavoura não consistia na falta de braços, e sim na ausência da divisão do trabalho. Segundo ele, a divisão do trabalho era essencial para sanar os problemas da lavoura, e a tendência seria que um único proprietário não conseguisse mais plantar, colher, fabricar e transportar os produtos por conta própria. Henrique A. Millet também defendia a divisão do trabalho no decorrer do Congresso, dizendo que, Desde o momento em que não existir mais escravos, com as dificuldades que há no nosso paiz para a obtenção de braços livres a tempo e a hora, há de se estabelecer fatalmente a divisão do trabalho do plantio e colheita da cana e do fabrico do assucar (7). E ainda, afirmava que a realização de todas as etapas da produção exigia do indivíduo muito esforço e o trabalho se tornava pesado, condição na qual estava submetido o escravo, mas pela qual o trabalhador livre sentia repugnância e

11 apresentava resistência, principalmente o colono estrangeiro (imigrante) que estava adaptado a uma outra forma de trabalho. Quanto a transformação dos grandes latifúndios em pequenas propriedades, alguns autores da época defendiam a idéia de que isto era necessário, sendo possível e útil ao país. Possível porque, segundo José Victor de Sá Barreto, membro do Congresso Agrícola do Recife, poder-se-ia dividir as terras devolutas em pequenos lotes em condições que permitissem o cultivo dos mesmos, enquanto Couty propunha a divisão das grandes propriedades que estavam sem proprietários efetivos e quase abandonadas por falta de escravos e devido as hipotecas bancárias. Diante das lutas comerciais e das exigências do século XIX, Couty afirmava que o Brasil não podia negar a necessidade da transformação da propriedade. Além do mais, dizia que a nação necessitava de braços que deviam vir do estrangeiro. A seu ver, a grande propriedade inibia a vinda de imigrantes, tanto pela dificuldade de adquiri-la, como de cultivá-la. A pequena propriedade seria a solução para as dívidas dos grandes proprietários, pois a existência de pequenos lotes facilitaria aquisição dos mesmos pelos colonos estrangeiros, oferecendo-lhes margens de lucros que não poderiam obter com os grandes latifúndios; isto se pudessem obtê-los. Com a divisão da grande propriedade e a venda dos pequenos lotes, os antigos proprietários poderiam conseguir recursos para pagar suas dívidas, promover melhorias em suas terras e em suas instalações e construir casas para receberem novos imigrantes. No que refere se a questão industrial, sabemos que desde a vinda de D. João já havia a preocupação com o desenvolvimento industrial do país. Em 1820 foi fundada a Sociedade Auxiliadora da Indústria. Por volta de 1840, já existiam algumas fábricas de tecidos, no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Minas Gerais. Contudo, segundo Edgar Carone, em O Pensamento Industrial no Brasil, o termo indústria no sentido de fabricação em série, só se afirmou no Brasil a partir de Neste momento ganhou força o discurso pela modernização do país, tendo em vista a luta econômica que se acirrou na segunda metade do século XIX.

12 Isto fica evidente em uma das falas de Henrique A. Millet, durante o Congresso Agrícola do Recife, quando ele ressaltava que antes bastava economia e juízo para conseguir exportar o açúcar brasileiro e obter lucros, mas no momento em que estão vivendo (1878), devido aos progressos industriais alcançado por outros países (Europa e Estados Unidos), apenas os fazendeiros que possuíam propriedades bem equipadas é que lucravam. Além disto, alguns textos do final do século XIX, organizados por Edgar Carone em O Pensamento Industrial no Brasil, retratavam o discurso industrial e a grande preocupação, a partir de 1881, com a indústria nacional. Nestes textos percebemos a crítica ao livre-cambismo e a idéia de que era preciso reorganizar a estrutura político-econômica do país, exigindo do governo proteção à indústria nacional. A crítica ao livre-cambismo baseava-se na afirmação de que a adoção desta política econômica era do interesse das nações industrializadas, pois permitia que os brasileiros se mantivessem como consumidores de seus produtos. A opinião livre cambista do Brazil não se estriba somente na defectividade do estudo e na miragem seductora da theoria: há outro ponto de apoio e mais perigoso porque mais altamente se acha. É a vaidade, é a captação feita pelos applausos perfidos da opinião dos paizes industriaes interessados em manter-nos na sua dependência como consumidores tributarios de suas officinas. Sem esses mercados consumidores como poderiam elles dar sahida aos productos industriaes que sustentarão sua população operária? (8). Em alguns destes textos, defendia-se também a idéia de que o livrecambismo não existia na realidade e jamais existiu em sua plenitude, pois a existência de um ministério para a agricultura, a industria e o comércio, o estabelecimento de tarifas e regras que regulavam a produção e as diversas intervenções do governo revelavam elementos do sistema protecionista em meio ao livre-cambismo. Além disto, encontramos a afirmação de que todos os países industrializados da época desenvolveram suas indústrias sob a proteção do governo e que só após o seu pleno desenvolvimento que

13 adotaram o livre comércio. Mas, logo que se sentiram ameaçados economicamente restabeleceram algumas taxas protecionistas. Através destes argumentos, alguns industriais ou indivíduos com interesses na indústria brasileira tentavam demonstrar que o protecionismo não era algo prejudicial como se transmitia nas academias da época e que a defesa do livre cambismo pelo país constituía-se na proteção à indústria estrangeira. Esta proteção, segundo eles, realizava-se principalmente por meio do sistema tarifário, por ele permitir a entrada de produtos estrangeiros no país com baixos custos, sendo que a introdução de mercadorias brasileiras no exterior só era feita através do pagamento de altas taxas de exportação. Contudo, afirmavam que a proteção à indústria nacional não significava a exclusão da indústria estrangeira, mas o estabelecimento de condições que permitissem a indústria brasileira competir em condições de igualdade com as indústria dos demais países. Considerando que uma das grandes preocupações do Brasil no final do século XIX era atingir o patamar de desenvolvimento das nações européias, podemos observar, no exposto acima, propostas para se conseguir alcançar este objetivo. Verificamos que não se tratavam apenas de propostas de mudanças em nível educacional, como a tentativa de se implantar no país o ensino universal, público, gratuito e obrigatório, mas também transformações de ordem material, ou seja, propunha-se uma nova forma de organizar o trabalho, a produção, a propriedade. Estas propostas tinham como modelo as relações sociais e produtivas concernentes ao capital em seu estágio mais avançado, isto é, o capital europeu. Propunha-se estabelecer no Brasil a mesma forma de organização de vida material e intelectual da Europa. Defendia-se o trabalho livre, a divisão do trabalho, a pequena propriedade, elementos que sustentavam o capital europeu no período, por acreditar que os mesmos conduziriam a nação ao progresso. Mas o que levou o país a se preocupar constantemente com estas questões, como verificamos em quase todos os discursos da época? Segundo Marx e Engels, em A Ideologia Alemã, a partir da introdução da grande indústria a concorrência tornou-se universal, já que as forças produtivas e o aumento excessivo da produção ocasionou a ampliação do mercado. Criaram-se novas necessidades, entre elas a necessidade de

14 produtos estrangeiros, consumo que antes era satisfeito pela produção local. As indústrias nacionais foram pouco a pouco destruídas. No âmbito industrial as nações foram perdendo sua identidade e particularidades, assumindo as relações e interesses universais ditados pelo capital em seu estágio mais avançado, no caso o capital europeu. Mesmos os países, como o Brasil, atrasados industrialmente em relação à Europa e aos Estados Unidos, foram envolvidos por este caráter internacionalizante do capital, pois, por assumirem a forma burguesa de produção, eram arrastados pela concorrência desenfreada (9). Isto nos fez elaborar a hipótese de que o Brasil, ao ser envolvido pela força da concorrência criada pelo mercado mundial, tenderia a construir e a adotar os mesmos ideais e interesses burgueses europeus se quisesse sobreviver à grande concorrência desencadeada no século XIX e manter-se na marcha do capital. Estaríamos nos defrontando, portanto, com o processo de internacionalização do capital e de universalização das necessidades humanas. E quanto à educação? Segundo o pressuposto de que a forma em que os homens organizam a sua vida material determina o seu modo de ser e de pensar, e por conseguinte, a sua vida política, social, educacional, subtendemos que a transformação das relações de produção e de trabalho do Brasil exige uma nova mentalidade. Como fazer o homem habituado aos grandes latifúndios, ao trabalho escravo, adaptar-se a uma forma vida sustentada pela pequena propriedade, pelo trabalho livre? A concorrência mundial exigia melhorias na produção, em termos de maquinaria como de pessoas capacitadas. O Brasil dispunha de trabalhadores qualificados? O trabalho livre e a divisão do trabalho também exigiam disciplina que não era conseguida por meio do chicote, mas pela ameaça de ser cancelado o contrato de trabalho. Como revelavam os autores da época, o cidadão brasileiro, considerado um homem livre, não estava adaptado ao trabalho. Quem trabalhava era o escravo. Não seria, portanto, necessária a educação universal, para educar os indivíduos para esta nova forma de vida? Ao investigarmos a hipótese de que a educação para todos também ganha força no Brasil no final do século XIX, apesar das diferenças em relação à Europa, percebemos que ao mesmo tempo em que se colocava a necessidade da educação para satisfazer às exigências do capital internacional, apontava-se sua importância para atender às características

15 peculiares do Brasil. Por exemplo, a partir do final deste século XIX, começaram a chegar muitos imigrantes no país. Com isso, criou-se a necessidade da educação nacional, de transmitir aos estrangeiros as noções de cidadania, de moral, ou seja, os direitos e deveres dos indivíduos em território brasileiro, o sentimento de patriotismo, para que eles não prejudicassem a ordem nacional. E não só aos estrangeiros, mas também aos escravos libertos, acostumados a uma forma de vida diferente a da sociedade civil. Tais reflexões nos conduzem a continuar nossa pesquisa no sentido de estarmos investigando a educação para todos como uma necessidade universal criada pela internacionalização do capital, sem desconsiderar que esta necessidade universal também veio atender a interesses locais, ou seja, levando em conta as contradições do capital que se acirraram, ou melhor, tornaram-se visíveis, principalmente a partir do século XIX. Notas (*) Profª. Orientadora Dra. Silvina Rosa. (1) Tavares Bastos, 1975, p.150. (2) Carvalho, L. apud. Almeida, 1989, p (3) Coelho, F. R. A. apud. Almeida, 1989, p.81. (4) Tocqueville, 1987, p.386. (5) Almeida, 1989, p.304. (6) Couty, 1988, p.51. (7) Millet, H. in: Congresso Agrícola do Recife, p.130. (8) Santos, Antônio F. et al. O Trabalho Nacional e seus Adversários. Rio, Luzinger, 1881, p apud Almeida, 1989, p. 22. (9) Marx/ Engels, 1989, p Referências bibliográficas AGASSIS, Luís. Impressões Gerais. In: Viagem ao Brasil. São Paulo, Companhia Editora Nacional, ALMEIDA. José R. Pires de. História da Instrução Pública no Brasil. ( ). História e Legislação. São Paulo, EDUC/ Brasília; INEP/MEC, BASTOS, Tavares. Instrução Pública. In: A Província. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1975.

16 BOBBIO, Norberto et alli. Dicionário de Política. 4* ed. Brasília, UNB,1992. BOSI, Alfredo. Escravidão entre dois Liberalismo. CARONE, Edgard. O Pensamento Industrial no Brasil. ( ). Rio de Janeiro/ São Paulo, DIFEL, CARREIRO, Carlos H. P. História do Pensamento Econômico. Rio de Janeiro,Ed.Rio,1975. CONGRESSO AGRÍCOLA DO RECIFE. Recife CEPA/ PE, COMTE, Auguste. Catecismo Positivista. São Paulo, Abril Cultural, COUTY, Louis. A escravidão no Brasil. R. J., Fundação Casa de Rui Barbosa, O Brasil em Esboços Sociológicos. Rio de Janeiro, Fundação Casa de Rui Barbosa; Brasília, Senado Federal, DOBB, Maurice. A Evolução do Capitalismo. Rio de Janeiro, Zahar Editores, ENGELS, F. Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico. S. P., Global Editora, HOBSBAWM, Eric J. A Era das Revoluções: Europa Rio de Janeiro, Paz e Terra, A Era Do Capital Rio de Janeiro, Paz e Terra, LASKI, Harold. O Liberalismo Europeu. São Paulo, Ed. Mestre Jou, s/d. MALTHUS, Thomas R. Ensaios sobre a População. São Paulo, Abril Cultural, Princípios de Economia Política. São Paulo, Abril Cultural, MARX, K. O Capital. São Paulo, Abril Cultural,!983. MARX, K./ ENGELS,F. Manifesto do Partido Comunista. In: Obras Escolhidas. Ed. Alfa-omega, São Paulo, s/d.. A Ideologia Alemã. São Paulo. Martins Fontes, MILLET, Henrique Augusto. Os Quebra-quilos e a crise da lavoura cafeeira. 2ª ed. São Paulo/ Brasília, Global/ INL, MILL, Stuart. Ensaio sobre a Liberdade. Lisboa, Ed. Arcádia, Princípios de Economia Política. São Paulo, Nova cultural, NAGLE, JORGE. Educação e Sociedade na Primeira República. São Paulo, EPU; Rio de Janeiro, Fundação Nacional de Material Escolar, 1976.

17 QUEIROZ, Eça de. A Emigração como Força Civilizadora. Lisboa, Ed. Perspectivas e realidades SAY, Jean-Baptiste. Tratado de Economia Política. São Paulo, Nova Cultural, TOCQUEVILLE, A. A Democracia na América. Belo Horizonte, Editora Itatiaia, São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo, Correspondência. México. Ed. Fundo de Cultura Econômica, O Antigo Regime e a Revolução. Brasília, UNB, 1982.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Prova de Conhecimentos Específicos

Prova de Conhecimentos Específicos HISTÓRIA Prova de Conhecimentos Específicos 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Ao analisar a Corte de Luis XIV na França, o pensador alemão Norbert Elias afirmou: Numa sociedade em que cada manifestação pessoal

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012 ESTAMOS CONDENADOS A SER DESIGUAIS? No mundo em que vivemos, percebemos que os indivíduos são diferentes

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO II

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO II EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO II David Ricardo Profa. Enimar No século XVIIII tem início a fase científica da Economia. As Escolas Fisiocrata e Clássica foram as primeiras Escolas do Pensamento Econômico

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015 Roteiro de Estudos 3 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia Professor: Eduardo 3ª série O que devo saber: Crescimento populacional no Brasil e no mundo. Sociedade e economia. Povos em movimento e migrações

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

ESTADO, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO: O PÚBLICO E O PRIVADO NA CONSTITUIÇÃO DE 1891

ESTADO, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO: O PÚBLICO E O PRIVADO NA CONSTITUIÇÃO DE 1891 ESTADO, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO: O PÚBLICO E O PRIVADO NA CONSTITUIÇÃO DE 1891 João Carlos da Silva 1 Introdução Aos discutirmos a questão do público e do privado no campo educacional não estaremos inaugurando

Leia mais

Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo

Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo Reveja esta aula em: http://www.joseferreira.com.br/blogs/sociologia/ Professor: Danilo Borges - Sociologia Aula de hoje... Aprofundamento do problema do trabalho

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

EUA NO SÉC. XIX 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE:

EUA NO SÉC. XIX 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE: 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE: 1) Combate às políticas de recolonização do continente americano; 2) Aproximação com a América Latina; defesa do não-intervencionismo europeu na América como expressão

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

O IDEÁRIO EDUCACIONAL REPUBLICANO E A IMPLANTAÇÃO DOS GRUPOS ESCOLARES NO BRASIL: UMA LEITURA

O IDEÁRIO EDUCACIONAL REPUBLICANO E A IMPLANTAÇÃO DOS GRUPOS ESCOLARES NO BRASIL: UMA LEITURA O IDEÁRIO EDUCACIONAL REPUBLICANO E A IMPLANTAÇÃO DOS GRUPOS ESCOLARES NO BRASIL: UMA LEITURA Vivia de Melo Silva viviafag@yahoo.com.br Mestranda do PPGE/CE/UFPB Palavras-chave: Ideário Nacional, Grupos

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST TÍTULO: Elementos para um debate histórico e conceitual da cooperação no contexto das relações de produção capitalistas e a concepção do MST. NOME DO AUTOR: Michelly Ferreira Monteiro Elias. CONDIÇÃO:

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades Unidade As desigualdades sociais instalaram se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

Cap. 12- Independência dos EUA

Cap. 12- Independência dos EUA Cap. 12- Independência dos EUA 1. Situação das 13 Colônias até meados do séc. XVIII A. As colônias inglesas da América do Norte (especialmente as do centro e norte) desfrutavam da negligência salutar.

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA Fixação 1) Em perfeita sintonia com o espírito restaurador do Congresso de Viena, a criação da Santa Aliança tinha por objetivo: a)

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Sociologia: ciência da sociedade

Sociologia: ciência da sociedade Sociologia: ciência da sociedade O QUE É SOCIOLOGIA? Sociologia: Autoconsciência crítica da realidade social. Ciência que estuda os fenômenos sociais. A Sociologia procura emancipar o entendimento humano

Leia mais

CAPITALISMO E EDUCAÇÃO NO CAMPO: O DESAFIO DA CONSTRUÇÃO DE UMA ESCOLA DO CAMPO

CAPITALISMO E EDUCAÇÃO NO CAMPO: O DESAFIO DA CONSTRUÇÃO DE UMA ESCOLA DO CAMPO CAPITALISMO E EDUCAÇÃO NO CAMPO: O DESAFIO DA CONSTRUÇÃO DE UMA ESCOLA DO CAMPO Vania Cristina Pauluk de Jesus Rejane Aurora Mion Neste texto, o qual trata de resultados parciais de pesquisa no Mestrado

Leia mais

O nascimento da sociologia. Prof. Railton Souza

O nascimento da sociologia. Prof. Railton Souza O nascimento da sociologia Prof. Railton Souza Áreas do Saber MITO RELIGIÃO ARTES FILOSOFIA CIÊNCIA SENSO COMUM CIÊNCIAS NATURAIS OU POSITIVAS ASTRONOMIA FÍSICA QUÍMICA BIOLOGIA MATEMÁTICA (FERRAMENTA

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial.

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial. Aula 11 Revolução Industrial e Socialismo Nesta aula, iremos tratar da Revolução Industrial e de suas conseqüências para o mundo contemporâneo. Entre as conseqüências, destaque para o desenvolvimento de

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

Sociologia - Resumo Romero - 2014

Sociologia - Resumo Romero - 2014 Sociologia - Resumo Romero - 2014 [imaginação Sociológica] Ao utilizar este termo Giddens refere-se a uma certa sensibilidade que deve cercar a análise sociológica. As sociedades industriais modernas só

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná. Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG

O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná. Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG 1 O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG O presente trabalho apresenta resultados preliminares de uma

Leia mais

O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA

O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA Neiva Gallina Mazzuco/UNIOESTE 1 Guaraciaba Aparecida Tullio/UEM 2 Defende-se, no presente artigo, que as propostas de educação

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

Independência do Brasil

Independência do Brasil A UA UL LA MÓDULO 3 Independência do Brasil Nesta aula No dia 7 de setembro, comemoramos a Independência do Brasil. Por isso, é feriado nacional. Todos nós sabemos que os feriados significam algo mais

Leia mais

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO Irene Domenes Zapparoli - UEL/ PUC/SP/ehps zapparoli@onda.com.br INTRODUÇÃO Jorge Nagle com o livro Educação e Sociedade na Primeira República consagrou-se

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca São Paulo, 10 de dezembro de 1961.

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Perosa Junior, Edson José Como mudar

Leia mais

Revista Eletrônica Inter-Legere: Número quatro, dois anos

Revista Eletrônica Inter-Legere: Número quatro, dois anos 135 GILERLÂNDIA PINHEIRO DE ALMEIDA NUNES 78 Mestranda do PPGCS/UFRN. Resenha do livro: MARX, Karl. O 18 Brumário de Luís Bonaparte. Disponível em: http://ateus.net/ebooks/geral/marx_o_18_brumario_de_luis_bonaparte.pdf.

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades As desigualdades sociais instalaram-se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda hoje são

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

PROFESSOR: JORGE AUGUSTO MATÉRIA: HISTÓRIA 6º ANO

PROFESSOR: JORGE AUGUSTO MATÉRIA: HISTÓRIA 6º ANO PROFESSOR: JORGE AUGUSTO MATÉRIA: HISTÓRIA 6º ANO ASSUNTO: GRÉCIA ANTIGA VIDEOAULA: 15 POLÍTICA Politicamente, Esparta era baseada na oligarquia. Diarquia: formada por dois reis, com autoridade religiosa

Leia mais

O Antigo Regime europeu: regra e exceção

O Antigo Regime europeu: regra e exceção PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XVII E XVII O Antigo Regime europeu: regra e exceção Meta: Conhecer e compreender o Antigo Regime europeu a nível político e social ANTIGO REGIME Regime político,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS 1) IDENTIFICAÇÃO: Disciplina: Formação Territorial do Brasil Carga Horária: 60 h UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE DISCIPLINA Curso:

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa 1 A Revolução Francesa representou uma ruptura da ordem política (o Antigo Regime) e sua proposta social desencadeou a) a concentração do poder nas mãos

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 15 outubro de 2013 ) No caso específico da disciplina de História e Geografia de Portugal, do 6ºano de escolaridade, a avaliação

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Habilidades: Compreender o processo de independência Norte Americana dentro do contexto das ideias iluministas. Yankee Doodle 1 Causas Altos impostos cobrados

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 47 Discurso em mesa-redonda com membros

Leia mais

PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE

PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE Autor(a): Ivalda Barbosa do Nascimento Mandú Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email:

Leia mais

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL CÊGA, Anderson Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG - Garça andersoncega@yahoo.com.br TAVARES, Guilherme Associação Cultural e Educacional

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2º Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

Os Desafios da Erradicação do Trabalho Infantil

Os Desafios da Erradicação do Trabalho Infantil Os Desafios da Erradicação do Trabalho Infantil A origem do trabalho infantil remonta ao princípio do trabalho humano. Contudo, salienta Adalberto Martins,... que na antiguidade, o trabalho do menor se

Leia mais

O Mundo industrializado no século XIX

O Mundo industrializado no século XIX O Mundo industrializado no século XIX Novas fontes de energia; novos inventos técnicos: Por volta de 1870, deram-se, em alguns países, mudanças importantes na indústria. Na 2ª Revolução Industrial as indústrias

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Ms: Edson Fasano Sociedade Capitalista: Revoluções Inglesas. A Organização da Aula 1º Bloco: A Inglaterra do século XVI; 2º Bloco: - A Revolução Puritana e Gloriosa; 3º Bloco:

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História ENEM 2014 - Caderno Rosa Resolução da Prova de História 5. Alternativa (E) Uma das características basilares do contato entre jesuítas e os povos nativos na América, entre os séculos XVI e XVIII, foi o

Leia mais

Século XVIII e XIX / Europa

Século XVIII e XIX / Europa 1 I REVOLUÇÃO AGRÍCOLA Século XVIII e XIX / Europa! O crescimento populacional e a queda da fertilidade dos solos utilizados após anos de sucessivas culturas no continente europeu, causaram, entre outros

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL É muito comum ler em notas de jornais, revistas, internet sobre as classes sociais, geralmente são classificadas da seguinte maneira: classe A, B, C, D, E. No mês de julho de 2008,

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

Entrevista com Bernard Charlot

Entrevista com Bernard Charlot Entrevista Entrevista com Bernard Charlot A crise da educação pública brasileira é um dos temas dessa entrevista concedida pelo professor Bernard Charlot, 65 anos, em Juiz de Fora. Doutor em Educação

Leia mais

ESCRAVIDÃO MODERNA. Aluna do 8º termo do curso de Direito das Faculdade Integradas Antonio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente/SP.

ESCRAVIDÃO MODERNA. Aluna do 8º termo do curso de Direito das Faculdade Integradas Antonio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente/SP. ESCRAVIDÃO MODERNA Marina Paula Zampieri BRAIANI 1 Mayara Maria Colaço TROMBETA 2 Rafaela Trevisan AVANÇO 3 Institución: Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de Toledo de Presidente Prudente. Dirección:

Leia mais

Metade da humanidade não come...

Metade da humanidade não come... Metade da humanidade não come... ...e a outra metade não dorme com medo da que não come. Josué de Castro DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM Art. 1º Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

Geografia. Ficha 1 Geografia Simulado 2 os anos Silvia ago/09. Nome: Nº: Turma:

Geografia. Ficha 1 Geografia Simulado 2 os anos Silvia ago/09. Nome: Nº: Turma: Geografia Ficha 1 Geografia Simulado 2 os anos Silvia ago/09 Nome: Nº: Turma: Caros alunos, as questões a seguir foram selecionadas de provas aplicadas em anos anteriores e servirão para auxiliá-los na

Leia mais

Estados Unidos da América. Aula I Da colonização ao século XIX

Estados Unidos da América. Aula I Da colonização ao século XIX Estados Unidos da América Aula I Da colonização ao século XIX As Teorias: Corrente asiática Estreito de Bering (beríngia). Malaio Polinésia Corrente australiana Ocupação do Continente Americano: Principais

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

Educação popular, democracia e qualidade de ensino

Educação popular, democracia e qualidade de ensino Educação popular, democracia e qualidade de ensino Maria Ornélia Marques 1 Como se poderia traduzir, hoje, o direito de todas as crianças e jovens não somente de terem acesso à escola de oito anos, mas

Leia mais

CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA

CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA Núcleo de Educação Popular 13 de Maio - São Paulo, SP. CRÍTICA SEMANAL DA ECONOMIA www.criticadaeconomia.com.br EDIÇÃO Nº 1224/1225 Ano 29; 1ª 2ª Semanas Fevereiro 2015. País rico é país com pobreza Enquanto

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais