i dos pais O jovem adulto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "i dos pais O jovem adulto"

Transcrição

1 i dos pais O jovem adulto O desenvolvimento humano é um processo de mudanças emocionais, comportamentais, cognitivas, físicas e psíquicas. Através do processo, cada ser humano desenvolve atitudes e comportamentos que marcam cada escolha, cada relação e a sua própria consciência de si.

2 Durante esta fase do desenvolvimento ocorrem mudanças qualitativas a nível psicológico e entre os pares, que podem realinhar" a organização psíquica e da personalidade. Pode-se falar de uma fase de jovem adulto situada entre os 18 e os 25 anos aproximadamente, reconhecida como uma etapa marcada pela capacidade dos jovens para atingirem as suas realizações mais desejadas, bem como de experimentarem grandes riscos. É uma época de profundas mudanças internas e externas que, muitas vezes, estimulam os jovens para darem o grande salto da adolescência para a idade adulta. É comum pensar-se que na idade adulta se concluem as transformações psicológicas e afectivas provenientes da adolescência. No entanto essa transição não se processa de um momento para o outro, e esse processo diluído no tempo pode por vezes ser mais ou menos acelerado, consoantes condições externas aos indivíduos ou mesmo internas. Existem portanto diferenças individuais, culturais e socioeconómicas que podem influenciar esta transição fazendo com que a experiência seja diferente para cada um de nós, como por exemplo: uma oportunidade educacional (ex. ir para a faculdade) pode dilatar esta transição, e por outro lado, uma necessidade económica (ex. ter que entrar no mundo laboral) pode encurtá-la. Durante esta fase do desenvolvimento ocorrem mudanças qualitativas a nível psicológico e entre os pares, que podem realinhar" a organização psíquica e da

3 personalidade. É errado considerar este período como definitivo, uma vez que se trata de uma fase de mudanças extremas e existe a possibilidade de alguns jovens adultos experimentarem ainda crises do desenvolvimento. A transição da adolescência para a idade adulta pode ser vivida por alguns jovens como uma época de grande dificuldade. Desenvolvimento Físico Por volta dos 18 anos, pode-se dizer que os jovens já atingiram as principais transformações corporais e uma grande maioria poderá ter atingido o seu peso adulto total. Nalguns casos, os jovens adultos, poderão ter já estabilizado aspectos da sua identidade psicológica e social, o que permitirá estabelecer preferências relativamente ao seu aspecto físico, características inerentes ao corpo (tatuagens, piercings, estrutura corporal, etc.) e estilo pessoal tais como as formas de se vestir. Neste sentido, o corpo, que antes ainda era um palco de experimentação e um veiculo de comunicação de estados mentais e de crenças sociais e morais, adquire uma maior continuidade e integração com a identidade pessoal, estando sujeito progressivamente a menores experimentações. Desenvolvimento Cognitivo A maioria dos jovens adultos caminha em direcção a comportamentos e responsabilidades mais próprias da idade adulta: seja aprender uma profissão, trabalhar ou simplesmente seguir o ensino superior. Pode-se dizer que os jovens adultos adquiriram a capacidade de percepção dos conceitos abstractos, são conscientes das consequências dos seus actos e dos seus próprios limites. Podem sentir a necessidade de assegurar a sua autonomia construindo e testando as suas capacidades para tomar decisões, desenvolver novas capacidades, preferências e interesses.

4 Uma das características desta fase de vida é o início do mundo laboral através do qual o jovem adulto adquire a possibilidade de reforçar o sentimento de autonomia podendo ser finalmente traduzido na maior distensão da necessidade de proximidade e maior independência face à família de origem. Através do mundo laboral, o jovem adulto adquire também a capacidade de se experimentar como sujeito activo, sendo esta uma parte fundamental para definir a nascença da identidade adulta. Na experiência laboral, o jovem adulto é confrontado, para além das capacidades cognitivas, com as suas capacidades afectivas e relacionais entre os colegas de trabalho, clientes, chefes, etc. Desenvolvimento Emocional Uma outra etapa fundamental da evolução para a idade adulta, é a necessidade dos jovens adultos para estabelecer relações mais niveladas com as suas figuras parentais ou de referência (ex. professores, tutores, treinadores) e podendo desenvolver maior empatia nas relações com as pessoas à sua volta, sentidas como mais iguais. Isto implica muitas vezes por um lado, um incremento de responsabilidade que foi deseja, e a necessidade desse reconhecimento por parte dos adultos, mas ao mesmo tempo a capacidade para efectuar um luto pelas múltiplas possibilidades de si, sonhadas na fase da adolescência em que a experimentação de si (identidade) e do mundo sem compromisso era mais aceitável. Nesta fase, experimenta-se também a possibilidade de estabelecer relações de intimidade com os outros de uma forma recíproca: para além da presença de relações sexuais e sentimentais entre pares, os jovens adultos poderão sentir uma necessidade de assumir as responsabilidades sobre uma relação mais estável.

5 Desenvolvimento Sexual A sexualidade é um processo que se desenvolve ao longo da vida: bebés, crianças, jovens e adultos são seres sexuais; pelo que a sexualidade deve ter igual importância quer no desenvolvimento físico quer no desenvolvimento cognitivo e emocional. Os adultos têm a responsabilidade de ajudar os mais novos a compreender e aceitar a sua sexualidade em constante evolução e estabelecer as bases necessárias para que esta seja o mais saudável possível. Nesta fase do desenvolvimento, os jovens adultos poderão ter iniciado as suas relações emocionais e sexuais com um parceiro, tendo a capacidade de compreender a sua própria orientação sexual. Nalguns casos, os jovens adultos poderão ter a necessidade de continuar a experimentar até se identificarem plenamente. Pode resumir-se, que na nossa cultura, o ritual de passagem para a idade adulta, está sujeita à aquisição de uma autonomia funcional e emocional face à família de origem (e.g. sair de casa), ao ingresso no mundo laboral como expressão da responsabilidade sobre a sua conduta e da capacidade para cuidar de si, e a constituição de uma relação estável com um parceiro como expressão da integração psicológica nas relações intimas da sexualidade e das necessidades de vinculação afectiva a um(a) parceiro(a). Por estes motivos, o termo jovem adulto dá conta da dificuldade implícita própria desta transição, uma vez que poderá ainda haver indícios de sentimentos de pertença à adolescência e por outro, o sentimento de ser adulto. Cada fase do desenvolvimento está marcada por características gerais, no entanto, cada pessoa é um mundo de experiências individuais e subjectivas, pelo que este

6 desenvolvimento estará também circunscrito pelas próprias experiências de vida; assim, atingir cada fase do desenvolvimento não será igual para todos, sendo que alguns podem chegar mais depressa do que outros, aqui ou ali, neste ou naquele aspecto. É importante compreender as dificuldades que se apresentam em cada nível do desenvolvimento e que fazem parte do nosso trajecto. No entanto, é também verídico que existem momentos de maior inquietação em torno dos momentos do desenvolvimento que requerem de maior atenção, como é o caso das idades de transição e, por vezes, quando nos sentimos a parar ou a derrapar face às exigências de cada idade, pode ser necessário pedir ajuda profissional. A equipa i dos pais

Reflexões... A família e a adolescência no contexto da contemporaneidade

Reflexões... A família e a adolescência no contexto da contemporaneidade Reflexões... A família e a adolescência no contexto da contemporaneidade 1. Como podemos definir família no mundo pós-moderno? 2. Como a família deve interagir com as instâncias sociais, entre elas a escola?

Leia mais

Formas de organizar os conteúdos CONTEÚDOS ESCOLARES

Formas de organizar os conteúdos CONTEÚDOS ESCOLARES Formas de organizar os conteúdos CONTEÚDOS ESCOLARES Multidisciplinaridade: é a organização de conteúdos mais tradicional. Os conteúdos escolares são apresentados por matérias independentes umas das outras.

Leia mais

Fundamentos de Gestão

Fundamentos de Gestão Fundamentos de Gestão Marketing LCI FEUP/FLUP 2009/10 Rui Padrão Conceito de Marketing MARKET ING 1 Conceito de Marketing O marketing é o conjunto dos métodos e dos meios de que uma organização dispõe

Leia mais

VISÃO DE MUNDO E CTS

VISÃO DE MUNDO E CTS VISÃO DE MUNDO E CTS Visão de mundo A visão de mundo caracteriza-se como um conjunto pré-estabelecido de suposições que dá suporte para a formação da visão da realidade (CORBEN, 1991,1996) e constitui

Leia mais

Programa de Matemática 1.º ano

Programa de Matemática 1.º ano Programa de Matemática 1.º ano Introdução A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

WHOQOL-100 Versão em português ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA

WHOQOL-100 Versão em português ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA WHOQOL-100 Versão em português ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA Coordenação do Grupo WHOQOL no Brasil Dr. Marcelo Pio de Almeida Fleck Departamento de Psiquiatria e Medicina

Leia mais

Disciplinar na Adolescência: Onde está o manual de instruções?

Disciplinar na Adolescência: Onde está o manual de instruções? Disciplinar na Adolescência: Onde está o manual de instruções? Disciplinar na Adolescência: Onde está o manual de instruções? Na adolescência (autonomia, responsabilidade, relação pais filhos, regras e

Leia mais

Liderança. Cap Liderança, do livro: PISANI, E. M.; PEREIRA, S.; RIZZON, L. A. Temas de Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 1994.

Liderança. Cap Liderança, do livro: PISANI, E. M.; PEREIRA, S.; RIZZON, L. A. Temas de Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 1994. Liderança Cap. 10 - Liderança, do livro: PISANI, E. M.; PEREIRA, S.; RIZZON, L. A. Temas de Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 1994. pag 143 a 156 Um dos fatos mais impressionantes e universais sobre

Leia mais

Fonte: http://office.microsoft.com/pt-br/clipart

Fonte: http://office.microsoft.com/pt-br/clipart 11. Estágio personalismo (3 a 6 anos) A predominância funcional é AFETIVA (relações afetivas) e o conflito é de natureza endógena (centrípeta). Período de formação da personalidade, marcado por conflitos

Leia mais

Origem do empreendimento. Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros

Origem do empreendimento. Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Origem do empreendimento Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Como surge um empreendimento A ideia de um empreendimento surge da: Observação; Percepção; E análise; Das atividades, tendências e desenvolvimento,

Leia mais

Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga

Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga Anaí Machado Resende- Psicóloga Elizene dos Reis Oliveira - Psicóloga Marnia Santos Muniz- Psicóloga Forma como construímos a nossa imagem a partir de conceitos que temos de nós mesmos, e de como os outros

Leia mais

Programa de Estudo do Meio / Ciências da Natureza 2º ano

Programa de Estudo do Meio / Ciências da Natureza 2º ano Programa de Estudo do Meio / Ciências da Natureza 2º ano Introdução: Todas as crianças possuem um conjunto de experiências e saberes que foram acumulando ao longo da sua vida, no contacto com o meio que

Leia mais

- REPRODUÇÃO AUTORIZADA - Eu sou seu cliente sabia? Instrutora: Jane Costa de Paula Oliveira

- REPRODUÇÃO AUTORIZADA - Eu sou seu cliente sabia? Instrutora: Jane Costa de Paula Oliveira - REPRODUÇÃO AUTORIZADA - Eu sou seu cliente sabia? Instrutora: Jane Costa de Paula Oliveira CLIENTE INTERNO Instrutoria: Jane Costa de Paula Oliveira FOCO NO CLIENTE O que é CLIENTE? O QUE É CLIENTE INTERNO?

Leia mais

Gestão de Responsabilidade Social II

Gestão de Responsabilidade Social II FACULDADES DE CAMPINAS Administração Gestão de Responsabilidade Social II Trabalho Sustentável Prof. Luciel H. de Oliveira luciel@uol.com.br Avançar para o trabalho sustentável Cap.5 Emprego X Trabalho

Leia mais

Competências e Habilidades

Competências e Habilidades Competências e Habilidades Aula 11 Gestão da Carreira Autoconhecimento Personalidade Motivações Valores Habilidades Interesses Análise do Ambiente Definição de objetivos Ações / Estratégias 2 1 Gerenciamento

Leia mais

1.1 Ser mãe, ser pai: O papel dos pais no desenvolvimento e educação dos filhos

1.1 Ser mãe, ser pai: O papel dos pais no desenvolvimento e educação dos filhos Páginas para pais O papel dos adultos na relação com a criança e com o adolescente 1.1 Ser mãe, ser pai: O papel dos pais no desenvolvimento e educação dos filhos Introdução Uma criança sem família não

Leia mais

10/12/2014. Aprendizagem e Desenvolvimento Social da Criança. Ambiente e Desenvolvimento. O Espaço da Sala de Educação Infantil

10/12/2014. Aprendizagem e Desenvolvimento Social da Criança. Ambiente e Desenvolvimento. O Espaço da Sala de Educação Infantil Aprendizagem e Desenvolvimento Social da Criança O Ambiente Físico como Meio de Desenvolvimento Infantil Tema 7 Profa. Nancy Capretz Ambiente e Desenvolvimento Psicologia: organismo versus ambiente. Bem-estar,

Leia mais

CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA ANO LECTIVO 2007/2008

CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA ANO LECTIVO 2007/2008 CASCD DE FARO CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA ANO LECTIVO 2007/2008 PROJECTO PEDAGÓGICO ATL Tarde Os bons filhos têm sonhos ou disciplina, os filhos brilhantes têm sonhos e disciplina.

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. O aluno com deficiência intelectual

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. O aluno com deficiência intelectual ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO O aluno com deficiência intelectual Deliese Salcher Gasparetto Introdução A deficiência intelectual é conhecida por problemas causados no cérebro e que causam baixa

Leia mais

GESTÃO CONFLITOS NAS EQUIPAS ACOLHIMENTO:

GESTÃO CONFLITOS NAS EQUIPAS ACOLHIMENTO: 1 GESTÃO CONFLITOS NAS EQUIPAS ACOLHIMENTO: UMA INEVITABILIDADE OU UMA OPORTUNIDADE? NUNO REIS VI JORNADAS TÉCNICAS REFLEXOS INFÂNCIA E JUVENTUDE (02 MARÇO 2016) SANTA CASA MISERICÓRDIA CALDAS RAINHA 2

Leia mais

Variação social ou diastrática

Variação social ou diastrática L.E. Semana 3 Sábado Variação social ou diastrática Variação linguística a partir da posição social ocupada pelo falante A idade do falante é um importante elemento na produção do discurso oral e escrito.

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL Carmen Leite Ribeiro Bueno* A Avaliação Profissional tem como objetivo geral auxiliar o indivíduo em seu desenvolvimento pessoal e profissional, utilizando sistematicamente

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia 1 PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06 Prof.: Franklin M. Correia NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Atividades de Gerenciamento Planejamento de Projetos Programação de Projeto O QUE TEMOS PARA HOJE!!

Leia mais

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada O aprendizado e a progressão da criança dependerão do processo por ela desenvolvido,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto

PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto Como pode a escola católica promover o desenvolvimento da inteligência espiritual? O A educação deve

Leia mais

Jardim de Infância Professor António José Ganhão

Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância da Lezíria Jardim de Infância do Centro Escolar de Samora Correia Jardim de Infância do Centro Escolar de Porto Alto Jardim de Infância

Leia mais

O profissional que sua empresa procura está na Avanti RH.

O profissional que sua empresa procura está na Avanti RH. O profissional que sua empresa procura está na Avanti RH. Apresentação Experiência e juventude se unem na Avanti Humanas, afinal, somos uma empresa dedicada à atração, recrutamento, seleção e desenvolvimento

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016 Competências Transversais Promoção da educação para a cidadania A língua

Leia mais

Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Cristiane Bertolino

Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Cristiane Bertolino Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior Cristiane Bertolino Problema de pesquisa A partir da década de 1990 Visão renovada da empreendedorismo Promover o desenvolvimento

Leia mais

Fundamentos da Direção

Fundamentos da Direção Aula 7 Direção Fundamentos da Direção Inerente a qualquer organização está a necessidade de gerir esforços individuais em função de objetivos organizacionais. A direção é a função da administração responsável

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES REALIDADE Realidade psíquica elaborada pelo indivíduo a partir dos conteúdos armazenados na mente As vezes, usamos nossa

Leia mais

DANÇA E PSICOMOTRICIDADE

DANÇA E PSICOMOTRICIDADE DANÇA E PSICOMOTRICIDADE Sabrina Toledo Instituto de Medicina Social (IMS/UERJ) sabrinaptoledo@gmail.com Resumo O curso livre Dança e Psicomotricidade para adultos desenvolvido na Escola Angel Vianna desde

Leia mais

Educação de Alunos Superdotados: Desafios e Tendências Atuais

Educação de Alunos Superdotados: Desafios e Tendências Atuais Educação de Alunos Superdotados: Desafios e Tendências Atuais Denise de Souza Fleith Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal Audiência Pública, 24 junho 2008 Desafios na Educação de Alunos

Leia mais

Intervenção pedagógica: deficiência intelectual. Profa. Dra Andréa R. Rosin Pinola

Intervenção pedagógica: deficiência intelectual. Profa. Dra Andréa R. Rosin Pinola Intervenção pedagógica: deficiência intelectual Profa. Dra Andréa R. Rosin Pinola Roteiro Aspectos da avaliação A intervenção: Habilidades acadêmicas Habilidades sociais Habilidades Práticas Avaliação

Leia mais

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con SESSÃO DE TREINO 1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de concentração nela envolvidos. Pode ser

Leia mais

Coimbra Dr. José Peixoto Dra.Alzira Ferrão Silveira

Coimbra Dr. José Peixoto Dra.Alzira Ferrão Silveira Coimbra 2012 Dr. José Peixoto Dra.Alzira Ferrão Silveira Sumário: 1- Objectivos 2- Abordagem 3-Suporte Familiar Constituição TRIPÉ(Médico, Família, Jovem) Informação /Mudanças Vigilância longitudinal Resiliência

Leia mais

Gestão de Pessoas e Avaliação por competências

Gestão de Pessoas e Avaliação por competências Gestão de Pessoas e Avaliação por competências quer a empresa que não existe! Funcionário quer o profissional que não existe! Empresa A visão evolutiva da área de Gestão de Pessoas... 1930 Surgem departamentos

Leia mais

DAR E RECEBER NAS EMPRESAS: OU PORQUE É QUE VALE A PENA INVESTIR NAS PESSOAS

DAR E RECEBER NAS EMPRESAS: OU PORQUE É QUE VALE A PENA INVESTIR NAS PESSOAS DAR E RECEBER NAS EMPRESAS: OU PORQUE É QUE VALE A PENA INVESTIR NAS PESSOAS Helena Martins :: Instituto Poltécnico do Porto e Tecnin, 2013 ROTEIRO Para que servem as empresas O que são as empresas Empresas

Leia mais

Meditação Laica Educacional uma experiência de transformação. Professor Marcelo Galvan Escola Municipal Presidente Antônio Carlos 9ª CRE

Meditação Laica Educacional uma experiência de transformação. Professor Marcelo Galvan Escola Municipal Presidente Antônio Carlos 9ª CRE Meditação Laica Educacional uma experiência de transformação Professor Marcelo Galvan Escola Municipal Presidente Antônio Carlos 9ª CRE RESUMO O presente trabalho apresenta os resultados da aplicação da

Leia mais

MISSÃO DA MIND LAB. Reforçar diversas habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas.

MISSÃO DA MIND LAB. Reforçar diversas habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas. MIND LAB MISSÃO DA MIND LAB Reforçar diversas habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas. Ajudar os alunos se transformarem em indivíduos íntegros e realizados. SOBRE A MIND LAB Fundada em 1994.

Leia mais

3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente

3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente Introdução Os sentimentos de tristeza, desapontamento, desvalorização e culpa, surgem pontualmente

Leia mais

O QUE É CARREIRA? Joel Dutra

O QUE É CARREIRA? Joel Dutra GESTÃO DE CARREIRA O QUE É CARREIRA? A CARREIRA NÃO DEVE SER ENTENDIDA COMO UM CAMINHO RÍGIDO A SER SEGUIDO, MAS COMO UMA SEQÜÊNCIA DE POSIÇÕES E DE TRABALHOS REALIZADOS PELAS PESSOAS. ESSA SEQÜÊNCIA ARTICULADA

Leia mais

MAS QUE SOCIEDADE É ESTA?

MAS QUE SOCIEDADE É ESTA? O Professor Gestor Vivemos em um mundo de transformações, um mundo acelerado, com características diferentes da sociedade ou época em que uma grande maioria, dos professores atuais foi formada. Em consequência

Leia mais

Tópicos Especiais em Educação

Tópicos Especiais em Educação Tópicos Especiais em Educação Física II Unidade I -Cognição - Prof. Esp. Jorge Duarte Cognição Um dos objetivos do sistema de ensino é promover o desenvolvimento cognitivo da criança. Esse desenvolvimento

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

Acção Espaço Tempo Personagem Narrador

Acção Espaço Tempo Personagem Narrador Acção Espaço Tempo Personagem Narrador A acção é constituída por sequências narrativas (acontecimentos) provocadas ou experimentadas pelas personagens, que se situam num espaço e decorrem num tempo, mais

Leia mais

Escola Secundária de Camarate. Curso Profissional de Animador Sociocultural Departamento: Expressões Planificação/11ºAno

Escola Secundária de Camarate. Curso Profissional de Animador Sociocultural Departamento: Expressões Planificação/11ºAno 40 Tempos Disciplina: Animação Sociocultural Ano Lectivo: 2014/2015 Módulo 6 Deontologia e Animação Sociocultural 1.1 Deontologia: noção, conceitos, fundamentos; 1.2 Valores: conceito e tipos de valores.

Leia mais

A Ouvidoria na Saúde. Maria Inês Fornazaro Julho / 2013

A Ouvidoria na Saúde. Maria Inês Fornazaro Julho / 2013 A Ouvidoria na Saúde Maria Inês Fornazaro Julho / 2013 Cenário Social Nas últimas décadas a sociedade brasileira passou por inúmeras mudanças que determinaram o redimensionamento de políticas públicas,

Leia mais

As redes como instrumentos de alavancagem do posicionamento competitivo dos destinos turísticos. Maria João Carneiro Carlos Costa Zélia Breda

As redes como instrumentos de alavancagem do posicionamento competitivo dos destinos turísticos. Maria João Carneiro Carlos Costa Zélia Breda As redes como instrumentos de alavancagem do posicionamento competitivo dos destinos turísticos Maria João Carneiro Carlos Costa Zélia Breda Relevância geral das redes Conceito e tipologia de redes e parcerias

Leia mais

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo PROGRAMA DE PROVAS DOS ESCALÕES JOVENS VERSÃO FINAL (Infantis, Iniciados e juvenis) SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas 60m 150m 4x 60m 80m 250m 4x 80m 100m 200m 300m 4x 100m Barreiras

Leia mais

Escrito por Administrator Qua, 11 de Junho de :12 - Última atualização Qui, 12 de Junho de :41

Escrito por Administrator Qua, 11 de Junho de :12 - Última atualização Qui, 12 de Junho de :41 Escorpião com Áries Este é um relacionamento de cautela. Escorpião necessita de estabilidade emocional unido ao desafio da conquista. Áries tem interesse e muita curiosidade em desvendar os mistérios de

Leia mais

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL A VIDA ASSOCIATIVA É UM INSTRUMENTO DE EXERCÍCIO DA SOCIABILIDADE. POR MEIO DELA CONQUISTA SE NOVOS AMIGOS, EXPANDE SE CONHECIMENTOS,

Leia mais

Preciso saber se estou indo bem!

Preciso saber se estou indo bem! Preciso saber se estou indo bem! Autor: Richard L. Williams Alunos: Lubiana, Maiara, Pedro e Skalit Turma: 1º Administração Venda Nova do Imigrante, Maio de 2012. Qual o principal assunto do livro O livro

Leia mais

A importância da liderança como diferencial competitivo. Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015

A importância da liderança como diferencial competitivo. Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015 A importância da liderança como diferencial competitivo Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015 Ellebe Treinamento em Gestão Organizacional A Ellebe atua em empresas públicas e privadas nas áreas

Leia mais

ORIENTAÇÃO SEXUAL NO BRASIL HOJE

ORIENTAÇÃO SEXUAL NO BRASIL HOJE ORIENTAÇÃO SEXUAL NO BRASIL HOJE Cecilia Simonetti Marco/1994 ORIENTACÃO SEXUAL NO BRASIL HOJE Cecilia Simonetti ECOS Minha participação nesta mesa é como representante da ECOS - Estudos e Comunicação

Leia mais

Fundamentos e Práticas de Braille II

Fundamentos e Práticas de Braille II Fundamentos e Práticas de Braille II Aula 13 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE SANTO ANDRÉ. Ana Paula S. Valera TRAJETÓRIAS DO ENVELHECIMENTO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE SANTO ANDRÉ. Ana Paula S. Valera TRAJETÓRIAS DO ENVELHECIMENTO CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE SANTO ANDRÉ Ana Paula S. Valera TRAJETÓRIAS DO ENVELHECIMENTO Santo André 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE SANTO ANDRÉ Ana Paula S. Valera RA 2135001778 TRAJETÓRIAS

Leia mais

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília/DF, jun. 2015

Leia mais

Profª Esp. Simone Mourão Abud. Abordagem: ato ou efeito de abordar Abordar: aproximar-se de; tratar de; chegar; encostar (Ferreira, 1983)

Profª Esp. Simone Mourão Abud. Abordagem: ato ou efeito de abordar Abordar: aproximar-se de; tratar de; chegar; encostar (Ferreira, 1983) Abordagem Familiar Instrumentos de Abordagem Familiar: GENOGRAMA E ECOMAPA Profª Esp. Simone Mourão Abud Abordagem: ato ou efeito de abordar Abordar: aproximar-se de; tratar de; chegar; encostar (Ferreira,

Leia mais

Conceitos Básicos de Consultoria Empresarial

Conceitos Básicos de Consultoria Empresarial Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade - Conceitos Básicos de Consultoria Empresarial MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Daniel Parizi Revisão Textual: Profa.

Leia mais

Formem duplas e pergunte a sua dupla.

Formem duplas e pergunte a sua dupla. Formem duplas e pergunte a sua dupla. Qual seu tipo de música predileta. Qual seu hobbie. Conte uma coisa que ninguém ou quase ninguém sabe a seu respeito. Já falamos sobre... - esocial - Jovens Aprendizes

Leia mais

Planificação Anual Departamento CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

Planificação Anual Departamento CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Modelo Dep-01 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Departamento CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Ano 5º Ano letivo 2013 / 2014 Disciplina EMRC Turmas A, B, C, D, E, F, G, H, I, J Professores:

Leia mais

IMMANUEL KANT ( )

IMMANUEL KANT ( ) CONTEXTO HISTÓRICO Segunda metade do século XVIII época de transformações econômicas, sociais, políticas e cultural-ideológicas. A Revolução Industrial e a consolidação do Capitalismo. A Revolução Científica,

Leia mais

Qualidade de vida com Esporte na Unisul

Qualidade de vida com Esporte na Unisul Qualidade de vida com Esporte na Unisul A percepção do indivíduo sobre a sua posição na vida, no contexto da cultura e dos sistemas de valores nos quais ele vive, e em relação a seus objetivos, expectativas,

Leia mais

Newsletter Setembro 2013

Newsletter Setembro 2013 Caminho Mindful Depois das Férias Para muitos Setembro é o mês de regresso ao trabalho e a uma rotina diária onde experiencia uma maior atividade externa e um aumento do ritmo de vida. Nestas condições

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO EDUCAÇÃO FÍSICA

DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO EDUCAÇÃO FÍSICA CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO EDUCAÇÃO FÍSICA OBJETIVO GERAL Favorecer o desenvolvimento corporal e mental harmônicos, consolidar hábitos

Leia mais

A Eutanásia em Portugal

A Eutanásia em Portugal [Escrever texto] [Escrever texto] [Escrever texto] 16-9-2010 A Eutanásia em Portugal [Escrever texto] Página 1 Índice Introdução... 3 A Eutanásia na nossa sociedade... 4 Primeiro estudo feito em Portugal

Leia mais

Evolução e etologia. Transparências apresentadas no curso de Psicobiologia. Prof. Mauro Lantzman

Evolução e etologia. Transparências apresentadas no curso de Psicobiologia. Prof. Mauro Lantzman Evolução e etologia Transparências apresentadas no curso de Psicobiologia Prof. Mauro Lantzman A perigosa idéia de Darwin Darwin demonstrou de maneira conclusiva que, ao contrario da tradição antiga, as

Leia mais

A Orientação Educacional no novo milênio

A Orientação Educacional no novo milênio 15 1 A Orientação Educacional no novo milênio O presente estudo consiste na descrição e análise da experiência do Curso de Especialização em Orientação Educacional e Supervisão Escolar, realizado na Faculdade

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL. Profa. Fátima Soares

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL. Profa. Fátima Soares PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Profa. Fátima Soares Definições: A psicologia é a ciência que estuda o comportamento e os processos mentais do ser humano e todos os animais. Psicologia como ciência A psicologia

Leia mais

análise de sistemas de informação

análise de sistemas de informação análise de sistemas de informação sistemas de informação e organização sistemas de informação e organização tópicos organização, gestão, participação, sistemas, processos de negócio, cultura, estrutura,

Leia mais

COLÉGIO EST. ANTONIO MAXIMILIANO CERETTA ENSINO FUND., MÉDIO E PROFISSIONAL

COLÉGIO EST. ANTONIO MAXIMILIANO CERETTA ENSINO FUND., MÉDIO E PROFISSIONAL COLÉGIO EST. ANTONIO MAXIMILIANO CERETTA ENSINO FUND., MÉDIO E PROFISSIONAL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR 2013 1º SEMESTRE PROFESSORA: ROSANI MARLENE KOELZER SCHUMACHER CURSO: SEGURANÇA NO TRABALHO DISCIPLINA:

Leia mais

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22

Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 Introdução à Estatística Estatística Descritiva 22 As tabelas de frequências e os gráficos constituem processos de redução de dados, no entanto, é possível resumir de uma forma mais drástica esses dados

Leia mais

Recomendações para Politicas Públicas de Compras Sustentáveis. Ana Paula Duarte LNEG

Recomendações para Politicas Públicas de Compras Sustentáveis. Ana Paula Duarte LNEG Recomendações para Politicas Públicas de Compras Sustentáveis Ana Paula Duarte LNEG Recomendações para Políticas Públicas de Compras Sustentáveis No âmbito do projeto Building SPP foi previsto a elaboração

Leia mais

Escrito por Administrator Qui, 12 de Junho de :30 - Última atualização Qui, 12 de Junho de :40

Escrito por Administrator Qui, 12 de Junho de :30 - Última atualização Qui, 12 de Junho de :40 Aquário com Áries Temos aqui dois signos que prezam por sua liberdade de ação e a forma muito particular de encarar os desafios do cotidiano. Aquário poderá fornecer o contato com o espírito participativo

Leia mais

Projetos Socioeducacionais: O Caso do Projeto Travessia

Projetos Socioeducacionais: O Caso do Projeto Travessia O Uso da Lógica Fuzzy na Avaliação dos Impactos de Projetos Socioeducacionais: O Caso do Projeto Travessia Autores: Vilma Guimarães Antonio Morim - Fabio Krykhtine Guilherme Weber Eduardo Sá Fortes A FERRAMENTA

Leia mais

Identidade e trabalho do coordenador pedagógico no cotidiano escolar

Identidade e trabalho do coordenador pedagógico no cotidiano escolar 9 Considerações finais A partir da análise dos dados coletados nessa pesquisa algumas considerações finais se fazem pertinentes em relação às questões iniciais levantadas nesta pesquisa. 9.1 Identidade

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

Telecentre Leader s Forum Brazil Digital Inclusion and sustainability, Brazil (Grant N )

Telecentre Leader s Forum Brazil Digital Inclusion and sustainability, Brazil (Grant N ) Telecentre Leader s Forum Brazil Digital Inclusion and sustainability, Brazil 2009 (Grant N 105193 010) Resumo A realização do primeiro Seminário Telecentros Brasil Inclusão Digital e Sustentabilidade

Leia mais

Democratização da Gestão e Qualidade Social da Educação

Democratização da Gestão e Qualidade Social da Educação CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA Democratização da Gestão e Qualidade Social da Educação Dr. Luiz F. Dourado -UFG Brasília, 16.04.08 Democratização gestão e qualidade social da educação = Coneb

Leia mais

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO:

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID- Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: Ensino Fundamental I- TURMA: 3º

Leia mais

Ética e Relações Interpessoais. Professora Nancy Assad

Ética e Relações Interpessoais. Professora Nancy Assad Ética e Relações Interpessoais Professora Nancy Assad O que é ética? Etimologia: Ética: ethos (grego): costumes, modo de ser, caráter. Ética é reflexão sobre a própria conduta para saber como agir; Ética

Leia mais

O que fazer no momento do conflito? Drª Vanessa Fagionatto Vicentin

O que fazer no momento do conflito? Drª Vanessa Fagionatto Vicentin O que fazer no momento do conflito? Drª Vanessa Fagionatto Vicentin Conflitos ocorrem onde existe vida mental ou social. Em situações em que as pessoas interagem (especialmente quando estas interações

Leia mais

Geografia e Turismo Profa. Ligia Tavares

Geografia e Turismo Profa. Ligia Tavares Paisagem e Lugar Geografia e Turismo Profa. Ligia Tavares A qualidade de vida começa no lugar O sentimento de amor pelo lugar onde se reside é o primeiro passo para atitudes que preservem a qualidade de

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula MBA em Gerenciamento de Projetos Teoria Geral do Planejamento Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula SOBRAL - CE 2014 O que é Planejamento É um processo contínuo e dinâmico que consiste em um

Leia mais

DROGAS E EDUCAÇÃO UMA RELAÇÃO PARA A VIDA

DROGAS E EDUCAÇÃO UMA RELAÇÃO PARA A VIDA DROGAS E EDUCAÇÃO UMA RELAÇÃO PARA A VIDA Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Universidade Federal de Campina Grande robsonsfr@hotmail.com) Ailanti de Melo Costa Lima (Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

Competências socioemocionais e mundo do trabalho. Daniela Arai Avaliação e Desenvolvimento Instituto Ayrton Senna

Competências socioemocionais e mundo do trabalho. Daniela Arai Avaliação e Desenvolvimento Instituto Ayrton Senna Competências socioemocionais e mundo do trabalho Daniela Arai Avaliação e Desenvolvimento Instituto Ayrton Senna 0 As competências e o trabalho Fonte: Relatório McKinsey Educação para o trabalho: desenhando

Leia mais

A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E POLÍTICAS DE FORMAÇÃO

A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E POLÍTICAS DE FORMAÇÃO A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E POLÍTICAS DE FORMAÇÃO Profa. Dra. Denise Maria de Carvalho Lopes UFRN Centro de Educação PPGEd/Curso de Pedagogia Fortaleza, abril de 2014. Docência na Educação Infantil

Leia mais

EMPREENDEDORISMO CONCEITOS... 21/03/2014 EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? IMPORTANTE!!!!!

EMPREENDEDORISMO CONCEITOS... 21/03/2014 EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? IMPORTANTE!!!!! EMPREENDEDORISMO CONCEITOS... Profa. MsC. Célia Regina Beiro da Silveira celiabeiro@expresso.com.br EMPREENDEDOR? EMPREENDEDOR? É aquele que destrói a ordem econômica existente pela introdução de novos

Leia mais

ABC das Festas Infantis Planejamento de A a Z

ABC das Festas Infantis Planejamento de A a Z Você vai descobrir... Problemas que a maioria dos profissionais de festa enfrentam. Porque muitas pessoas que começam a trabalhar nesse mercado falham com cerca de 2 anos de atuação. A solução! Como implementar

Leia mais

Empreendedorismo e Plano de Negócios. Profa. Bruna Panzarini

Empreendedorismo e Plano de Negócios. Profa. Bruna Panzarini Empreendedorismo e Plano de Negócios. Profa. Bruna Panzarini Introdução Estatísticas do SEBRAE indicam que 60% das 500 mil pequenas e micro-empresas que são abertas todos os anos no Brasil fecham as portas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL DEPARTAMENTO: PLANIFICAÇÃO ANUAL - ANO LETIVO: DISCIPLINA: Matemática A (12.º ano) Matemática e Ciências Experimentais 2015/2016 UNIDADE Tema 1 - Probabilidades e Combinatória

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo A avaliação, como parte integrante do processo de ensino/ aprendizagem, deverá ter em conta: Os programas e as metas curriculares em vigor para o 1º ciclo;

Leia mais

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Conceito Política de Comunicação é o conjunto sistematizado de princípios, valores,

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO: GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: UM DESAFIO SOCIAL

PROJETO DE INTERVENÇÃO: GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: UM DESAFIO SOCIAL PROJETO DE INTERVENÇÃO: GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: UM DESAFIO SOCIAL Santa Inês-Ba 2014/2015 Ana Cristina S. Cavalcanti - Supervisora Cremilda Silva Santos Jucilene Santos de Souza Leandro dos Santos Rodrigues

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais.

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman Centro Universitário Estácio da Bahia Conteúdo O contexto histórico

Leia mais

SÍNDROME DE DOWN: A HORA DA NOTÍCIA. Isaías Emilio da Silva

SÍNDROME DE DOWN: A HORA DA NOTÍCIA. Isaías Emilio da Silva SÍNDROME DE DOWN: A HORA DA NOTÍCIA Isaías Emilio da Silva UM MOMENTO QUE NUNCA SERÁ ESQUECIDO Por Ana Beduschi Nahas, enfermeira e mãe de um rapaz com síndrome de Down Menino ou menina?" É a primeira

Leia mais

sabe o que é a DPOC?

sabe o que é a DPOC? sabe o que é a DPOC? Doença quer dizer mal estar Pulmonar quer dizer que se localiza nos pulmões Obstrutiva quer dizer brônquios parcialmente danificados Crónica quer dizer que é para sempre DPOC o que

Leia mais