i dos pais O jovem adulto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "i dos pais O jovem adulto"

Transcrição

1 i dos pais O jovem adulto O desenvolvimento humano é um processo de mudanças emocionais, comportamentais, cognitivas, físicas e psíquicas. Através do processo, cada ser humano desenvolve atitudes e comportamentos que marcam cada escolha, cada relação e a sua própria consciência de si.

2 Durante esta fase do desenvolvimento ocorrem mudanças qualitativas a nível psicológico e entre os pares, que podem realinhar" a organização psíquica e da personalidade. Pode-se falar de uma fase de jovem adulto situada entre os 18 e os 25 anos aproximadamente, reconhecida como uma etapa marcada pela capacidade dos jovens para atingirem as suas realizações mais desejadas, bem como de experimentarem grandes riscos. É uma época de profundas mudanças internas e externas que, muitas vezes, estimulam os jovens para darem o grande salto da adolescência para a idade adulta. É comum pensar-se que na idade adulta se concluem as transformações psicológicas e afectivas provenientes da adolescência. No entanto essa transição não se processa de um momento para o outro, e esse processo diluído no tempo pode por vezes ser mais ou menos acelerado, consoantes condições externas aos indivíduos ou mesmo internas. Existem portanto diferenças individuais, culturais e socioeconómicas que podem influenciar esta transição fazendo com que a experiência seja diferente para cada um de nós, como por exemplo: uma oportunidade educacional (ex. ir para a faculdade) pode dilatar esta transição, e por outro lado, uma necessidade económica (ex. ter que entrar no mundo laboral) pode encurtá-la. Durante esta fase do desenvolvimento ocorrem mudanças qualitativas a nível psicológico e entre os pares, que podem realinhar" a organização psíquica e da

3 personalidade. É errado considerar este período como definitivo, uma vez que se trata de uma fase de mudanças extremas e existe a possibilidade de alguns jovens adultos experimentarem ainda crises do desenvolvimento. A transição da adolescência para a idade adulta pode ser vivida por alguns jovens como uma época de grande dificuldade. Desenvolvimento Físico Por volta dos 18 anos, pode-se dizer que os jovens já atingiram as principais transformações corporais e uma grande maioria poderá ter atingido o seu peso adulto total. Nalguns casos, os jovens adultos, poderão ter já estabilizado aspectos da sua identidade psicológica e social, o que permitirá estabelecer preferências relativamente ao seu aspecto físico, características inerentes ao corpo (tatuagens, piercings, estrutura corporal, etc.) e estilo pessoal tais como as formas de se vestir. Neste sentido, o corpo, que antes ainda era um palco de experimentação e um veiculo de comunicação de estados mentais e de crenças sociais e morais, adquire uma maior continuidade e integração com a identidade pessoal, estando sujeito progressivamente a menores experimentações. Desenvolvimento Cognitivo A maioria dos jovens adultos caminha em direcção a comportamentos e responsabilidades mais próprias da idade adulta: seja aprender uma profissão, trabalhar ou simplesmente seguir o ensino superior. Pode-se dizer que os jovens adultos adquiriram a capacidade de percepção dos conceitos abstractos, são conscientes das consequências dos seus actos e dos seus próprios limites. Podem sentir a necessidade de assegurar a sua autonomia construindo e testando as suas capacidades para tomar decisões, desenvolver novas capacidades, preferências e interesses.

4 Uma das características desta fase de vida é o início do mundo laboral através do qual o jovem adulto adquire a possibilidade de reforçar o sentimento de autonomia podendo ser finalmente traduzido na maior distensão da necessidade de proximidade e maior independência face à família de origem. Através do mundo laboral, o jovem adulto adquire também a capacidade de se experimentar como sujeito activo, sendo esta uma parte fundamental para definir a nascença da identidade adulta. Na experiência laboral, o jovem adulto é confrontado, para além das capacidades cognitivas, com as suas capacidades afectivas e relacionais entre os colegas de trabalho, clientes, chefes, etc. Desenvolvimento Emocional Uma outra etapa fundamental da evolução para a idade adulta, é a necessidade dos jovens adultos para estabelecer relações mais niveladas com as suas figuras parentais ou de referência (ex. professores, tutores, treinadores) e podendo desenvolver maior empatia nas relações com as pessoas à sua volta, sentidas como mais iguais. Isto implica muitas vezes por um lado, um incremento de responsabilidade que foi deseja, e a necessidade desse reconhecimento por parte dos adultos, mas ao mesmo tempo a capacidade para efectuar um luto pelas múltiplas possibilidades de si, sonhadas na fase da adolescência em que a experimentação de si (identidade) e do mundo sem compromisso era mais aceitável. Nesta fase, experimenta-se também a possibilidade de estabelecer relações de intimidade com os outros de uma forma recíproca: para além da presença de relações sexuais e sentimentais entre pares, os jovens adultos poderão sentir uma necessidade de assumir as responsabilidades sobre uma relação mais estável.

5 Desenvolvimento Sexual A sexualidade é um processo que se desenvolve ao longo da vida: bebés, crianças, jovens e adultos são seres sexuais; pelo que a sexualidade deve ter igual importância quer no desenvolvimento físico quer no desenvolvimento cognitivo e emocional. Os adultos têm a responsabilidade de ajudar os mais novos a compreender e aceitar a sua sexualidade em constante evolução e estabelecer as bases necessárias para que esta seja o mais saudável possível. Nesta fase do desenvolvimento, os jovens adultos poderão ter iniciado as suas relações emocionais e sexuais com um parceiro, tendo a capacidade de compreender a sua própria orientação sexual. Nalguns casos, os jovens adultos poderão ter a necessidade de continuar a experimentar até se identificarem plenamente. Pode resumir-se, que na nossa cultura, o ritual de passagem para a idade adulta, está sujeita à aquisição de uma autonomia funcional e emocional face à família de origem (e.g. sair de casa), ao ingresso no mundo laboral como expressão da responsabilidade sobre a sua conduta e da capacidade para cuidar de si, e a constituição de uma relação estável com um parceiro como expressão da integração psicológica nas relações intimas da sexualidade e das necessidades de vinculação afectiva a um(a) parceiro(a). Por estes motivos, o termo jovem adulto dá conta da dificuldade implícita própria desta transição, uma vez que poderá ainda haver indícios de sentimentos de pertença à adolescência e por outro, o sentimento de ser adulto. Cada fase do desenvolvimento está marcada por características gerais, no entanto, cada pessoa é um mundo de experiências individuais e subjectivas, pelo que este

6 desenvolvimento estará também circunscrito pelas próprias experiências de vida; assim, atingir cada fase do desenvolvimento não será igual para todos, sendo que alguns podem chegar mais depressa do que outros, aqui ou ali, neste ou naquele aspecto. É importante compreender as dificuldades que se apresentam em cada nível do desenvolvimento e que fazem parte do nosso trajecto. No entanto, é também verídico que existem momentos de maior inquietação em torno dos momentos do desenvolvimento que requerem de maior atenção, como é o caso das idades de transição e, por vezes, quando nos sentimos a parar ou a derrapar face às exigências de cada idade, pode ser necessário pedir ajuda profissional. A equipa i dos pais

A identidade como fator distintivo entre os seres humanos

A identidade como fator distintivo entre os seres humanos A identidade como fator distintivo entre os seres humanos Homem Unidade Diversidade Espécie humana Património genético único; tempo, sociedade e cultura diferentes Eu sou único Eu sou eu, diferente de

Leia mais

GABINETE DE APOIO PSICOLÓGICO Educação

GABINETE DE APOIO PSICOLÓGICO Educação Sessão de esclarecimento On-line Informação ao Encarregado de GABINETE DE APOIO PSICOLÓGICO Educação 1 ORIENTAÇÃO VOCACIONAL Gabinete de Apoio Psicológico Agrupamento de Escolas de Almeida 2 ORIENTAÇÃO

Leia mais

2007 Professor Pedro Correia

2007 Professor Pedro Correia Projecto de Vela Adaptada Vela para todos 2007 Professor Pedro Correia Projecto de Vela Adaptada Vela para todos Desde 2004 que existe uma cooperação entre a DREER e o Clube Naval do Funchal na inclusão

Leia mais

Fonte: http://office.microsoft.com/pt-br/clipart

Fonte: http://office.microsoft.com/pt-br/clipart 11. Estágio personalismo (3 a 6 anos) A predominância funcional é AFETIVA (relações afetivas) e o conflito é de natureza endógena (centrípeta). Período de formação da personalidade, marcado por conflitos

Leia mais

Acompanhamento Psicoterapêutico

Acompanhamento Psicoterapêutico Acompanhamento Psicoterapêutico O Acompanhamento Psicológico/Psicoterapêutico possui características específicas de acordo com a população e faixa etária a que se destina. Corresponde a um encontro com

Leia mais

OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DA EDUCAÇÃO AFECTIVO- SEXUAL

OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DA EDUCAÇÃO AFECTIVO- SEXUAL OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DA EDUCAÇÃO AFECTIVO- SEXUAL Numa perspectiva global pretende-se que no 2º ciclo os alunos Adquiram e aumentem conhecimentos: Sobre o conceito de sexualidade e as suas diferentes

Leia mais

A pré-adolescência. i dos Pais. Pré-Adolescência

A pré-adolescência. i dos Pais. Pré-Adolescência i dos Pais A pré-adolescência Pré-Adolescência A fase de transição entre a infânicia e adolescência é uma fase de grande mudanças desenvolvimentais, ocorrendo mudanças repentinas ao nível físico, psicológico

Leia mais

SEXUALIDADE - definição

SEXUALIDADE - definição A sexualidade SEXUALIDADE - definição É uma energia que nos motiva a procurar o amor, contacto, ternura, intimidade; que se integra no modo como nos sentimos, movemos, tocamos, e somos tocados; é ser-se

Leia mais

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica do Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro 2ª aula Diferenciação

Leia mais

STRESS DE TRABALHO EM CONTEXTO. Maria

STRESS DE TRABALHO EM CONTEXTO. Maria STRESS Maria José Chambel A Psicologia da Saúde Ocupacional tem mostrado que o bem-estar em contexto de trabalho tem 2 facetas: o lado negativo do bem-estar a doença, a tensão e o stress dos empregados.

Leia mais

Introdução à obra de Wallon

Introdução à obra de Wallon Henri Wallon Introdução à obra de Wallon A atividade da criança: conjunto de gestos com significados filogenéticos de sobrevivência. Entre o indivíduo e o meio há uma unidade indivisível. A sociedade é

Leia mais

Sexualidade na infância. Suas etapas e definições

Sexualidade na infância. Suas etapas e definições Sexualidade na infância Suas etapas e definições Os estudos na área da sexualidade humana desenvolvidos por Sigmund Freud, evidenciam a necessidade de compreensão das diversas fases da construção da sexualidade

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GAVIÃO. Ano letivo Turma: Docente Responsável pelo projeto:

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GAVIÃO. Ano letivo Turma: Docente Responsável pelo projeto: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GAVIÃO Escola Ano letivo 2013-2014 Turma: Docente Responsável pelo projeto: SEXUALIDADE (...) É um aspeto central do ser humano, que acompanha toda a vida e que envolve o sexo,

Leia mais

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves

Ana Gonçalves. Curso: TSHT- Técnico de Segurança e Higiene no trabalho. CP: Cidadania e Profissionalidade. Formadora: Ana Gonçalves Descrição: Direitos e deveres adquiridos em cada fase da vida - criança, adulto e na velhice Objectivo: Cidadão/ Estado Critérios de Evidência; Reconhecer as responsabilidades inerentes à liberdade pessoal

Leia mais

A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos

A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos Características básicas A qualidade da relação Negociação da relações interpessoais Questões de base COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL

Leia mais

A Dimensão Interna da Saúde Mental dos Cuidadores

A Dimensão Interna da Saúde Mental dos Cuidadores João Albuquerque Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro 26-Abr-2013 - Assumar A Saúde Profissional Área de estudo com desenvolvimento exponencial ao longo do século XX: -Trabalho

Leia mais

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Valor da Sexualidade na Adolescência

UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO. Valor da Sexualidade na Adolescência UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO Valor da Sexualidade na Adolescência energia que nos motiva a procurar amor, contacto, ternura e intimidade; que se integra no modo como nos sentimos,

Leia mais

Reflexões... A família e a adolescência no contexto da contemporaneidade

Reflexões... A família e a adolescência no contexto da contemporaneidade Reflexões... A família e a adolescência no contexto da contemporaneidade 1. Como podemos definir família no mundo pós-moderno? 2. Como a família deve interagir com as instâncias sociais, entre elas a escola?

Leia mais

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português

Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português Learning Outcomes Matrix, English Version Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português Compilado por: LMETB Título do módulo Perfil pessoal Matriz dos resultados da aprendizagem Nível introdutório

Leia mais

UM COTIDIANO DE EXPERIÊNCIAS NO JAPÃO.

UM COTIDIANO DE EXPERIÊNCIAS NO JAPÃO. UM COTIDIANO DE EXPERIÊNCIAS NO JAPÃO. Relato de Experiências de atividades desenvolvidas pelo Programa de Intercâmbio entre Governos Locais Japão-Brasil, 2013. Por ETHNA THAISE UNBEHAUN. Psicóloga Este

Leia mais

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (Nível I)

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (Nível I) Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (Nível I) www.coachingdesportivo.pt LISBOA 23-25 Março 2017 PORTO 6-8 Abril 2017 Apresentação O Coaching Desportivo perfila-se, cada vez mais, como uma atividade

Leia mais

Coimbra Dr. José Peixoto Dra.Alzira Ferrão Silveira

Coimbra Dr. José Peixoto Dra.Alzira Ferrão Silveira Coimbra 2012 Dr. José Peixoto Dra.Alzira Ferrão Silveira Sumário: 1- Objectivos 2- Abordagem 3-Suporte Familiar Constituição TRIPÉ(Médico, Família, Jovem) Informação /Mudanças Vigilância longitudinal Resiliência

Leia mais

Dinâmica interna de Grupos

Dinâmica interna de Grupos Dinâmica interna de Grupos Cap. 6 - A dinâmica interna dos grupos, do livro: BEAL, G., BOHLEN, J., RAUDABAUGH, J. N. Liderança e dinâmica de grupo. Rio de Janeiro: Zahar, 1990. pag 59 a 90 Manifestações

Leia mais

Adolescência. Matéria: D.B.D.H. II Profa.: Janine Lopes 2º e 3º Períodos de Ed. Física

Adolescência. Matéria: D.B.D.H. II Profa.: Janine Lopes 2º e 3º Períodos de Ed. Física Adolescência Matéria: D.B.D.H. II Profa.: Janine Lopes 2º e 3º Períodos de Ed. Física Adolescência, do latim adolescere (crescer). É uma fase da vida que pode ser definida em sua dimensão histórica, política,

Leia mais

Relacionamento Interpessoal na Auditoria: Você está preparado? Elisabeth Sversut

Relacionamento Interpessoal na Auditoria: Você está preparado? Elisabeth Sversut Relacionamento Interpessoal na Auditoria: Você está preparado? Elisabeth Sversut Você está preparado? Pense bem... Curso superior, pós-graduação, dois idiomas... Um Auditor Como qualquer outro profissional,

Leia mais

CONFLITO. Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses.

CONFLITO. Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses. CONFLITO Conceito de Conflito Processo onde as partes envolvidas percebe que a outra parte frustrou ou irá frustrar os seus interesses. Fator inevitável seja na dinâmica pessoal ou organizacional. Existem

Leia mais

Conceito De Liberdade Pessoal Tânia Fernandes

Conceito De Liberdade Pessoal Tânia Fernandes Conceito De Liberdade Pessoal Tânia Fernandes 24-11-2010 Tânia Fernandes Página 1 Índice Índice Conceito De Liberdade Pessoal... 1 Índice... 2 Conceito De Liberdade Pessoal... 3 Segue alguns artigos do

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: Cidadania e Mundo Atual ANO: 7º TURMA: A ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 1: Empregabilidade: comunicação e relações pessoais AULAS PREVISTAS:

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS n.º 1 de GONDOMAR

AGRUPAMENTO de ESCOLAS n.º 1 de GONDOMAR AGRUPAMENTO de ESCOLAS n.º 1 de GONDOMAR PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 PSICOLOGIA B 12.º ANO COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS Desenvolve a consciência, o respeito e a valorização da

Leia mais

Projecto de Actividades na Comunidade

Projecto de Actividades na Comunidade Projecto de Actividades na Comunidade Centro de Actividades Ocupacionais de Machico 1. Projecto de Prestação de Actividades na Comunidade O Centro de Actividades Ocupacionais de Machico, procura desenvolver

Leia mais

Disciplinar na Adolescência: Onde está o manual de instruções?

Disciplinar na Adolescência: Onde está o manual de instruções? Disciplinar na Adolescência: Onde está o manual de instruções? Disciplinar na Adolescência: Onde está o manual de instruções? Na adolescência (autonomia, responsabilidade, relação pais filhos, regras e

Leia mais

DTeorias e fases do. esenvolvimento. profissional docente

DTeorias e fases do. esenvolvimento. profissional docente MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-Graduação em Educação- Mestrado Av. Frei Paulino, 30 Abadia - 38025 - (34) 3318-5803

Leia mais

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO MOTIVAR PARA O SUCESSO PRESSUPÕE INTERESSE, INVESTIMENTO, DISPONIBILIDADE, VONTADE, COMPETÊNCIA E ENVOLVIMENTO DE TODOS OS INTERVENIENTES NO PROCESSO EDUCATIVO!

Leia mais

O que nós entendemos por PEDAGOGIA

O que nós entendemos por PEDAGOGIA O que nós entendemos por PEDAGOGIA paidos=crian =criança; a; agoigen=conduzir, levar Pedagogia: Levar as crianças as (à( escola) Pedagogia: Conjunto de meios, técnicas, t de recursos que auxiliam o professor

Leia mais

OBRA SOCIAL PAULO VI. Vou ter um irmão. - Orientações para os pais

OBRA SOCIAL PAULO VI. Vou ter um irmão. - Orientações para os pais OBRA SOCIAL PAULO VI Vou ter um irmão - Orientações para os pais Introdução O nascimento de um irmão é um acontecimento de vida muito stressante para a criança pequena e as suas reacções a este acontecimento

Leia mais

Proporcionar aos participantes a aquisição de aptidões específicas nos domínios da expressão/comunicação e das capacidades relacionais

Proporcionar aos participantes a aquisição de aptidões específicas nos domínios da expressão/comunicação e das capacidades relacionais Assertividade Formato do curso: Presencial Localidade: Lisboa Data: 07 Nov. 2016 a 08 Nov. 2016 Preço: 625 Horário: Laboral - 09h00-17h00 Nível: Intermédio Duração: 14 horas No final desta ação, os participantes

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Profa. Me. Michele Costa

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Profa. Me. Michele Costa ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Profa. Me. Michele Costa CONVERSAREMOS SOBRE JOGOS E BRINQUEDOS: Veremos como sua utilização contribui para o desenvolvimento da criança.

Leia mais

UNIDADE 1 ENTRADA NA VIDA (a especificidade do ser humano)

UNIDADE 1 ENTRADA NA VIDA (a especificidade do ser humano) ANO : 12º PSICOLOGIA B Curso Científico-Humanístico p.1/4 COMPETÊNCIAS A UNIDADE 1 ENTRADA NA VIDA (a humano) TEMA 1: ANTES DE MIM A genética, o cérebro e a cultura (12 aulas de 90`) ADN, genes e cromossomas.

Leia mais

Anexo I. Questionário. O meu nome é Maria Carolina Simões Neves e sou aluna do 4ºano do curso de Enfermagem na Universidade Fernando Pessoa.

Anexo I. Questionário. O meu nome é Maria Carolina Simões Neves e sou aluna do 4ºano do curso de Enfermagem na Universidade Fernando Pessoa. Anexo I Questionário O meu nome é Maria Carolina Simões Neves e sou aluna do 4ºano do curso de Enfermagem na Universidade Fernando Pessoa. Solicito-lhe que responda a algumas questões e se prenuncie sobre

Leia mais

Socialização. Estrutura social Família : avô, avó, pai, mãe, filho, filha

Socialização. Estrutura social Família : avô, avó, pai, mãe, filho, filha Socialização Processo de aprendizagem de papéis. Todos os grupos são constituídos por um conjunto de posições sociais estruturadas; todos esperam determinados comportamentos uns dos outros. Estrutura social

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: PSICOLOGIA Campus: MACAÉ Missão O Curso de Psicologia da Estácio de Sá tem como missão formar profissionais Psicólogos generalistas que no desempenho de suas atividades

Leia mais

características Padrão global de grandiosidade, necessidade de admiração e falta deempatia.

características Padrão global de grandiosidade, necessidade de admiração e falta deempatia. TRANSTORNO DE PERSONALIDADE NARCISISTA INFAPA/2008 características Padrão global de grandiosidade, necessidade de admiração e falta deempatia. características Os indivíduos com o transtorno têm um sentimento

Leia mais

Jogo patológico e família. Proposta de um modelo sistémico integrador. Diana Cunha & Ana Paula Relvas

Jogo patológico e família. Proposta de um modelo sistémico integrador. Diana Cunha & Ana Paula Relvas Jogo patológico e família. Proposta de um modelo sistémico integrador Diana Cunha & Ana Paula Relvas Enquadramento (I) Modelo teórico (em avaliação empírica) Base: revisão da literatura 2 Passos de pesquisa

Leia mais

3.4 A criança que não vai à escola (Recusa escolar e Gazeta às aulas)

3.4 A criança que não vai à escola (Recusa escolar e Gazeta às aulas) Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.4 A criança que não vai à escola (Recusa escolar e Gazeta às aulas) Introdução É relativamente frequente que, pontualmente, a criança se recuse

Leia mais

efr ENTIDADES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS

efr ENTIDADES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS Promovemos a sustentabilidade do seu negócio Júlio Faceira Guedes XZ Consultores, SA O MODELO DE GESTÃO efr ENTIDADES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS Porto, 08 de Maio de 2012 O modelo de gestão efr 1. O que

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estudos e Pesquisas Sociais Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Data 26/08/2016 Introdução Adolescência Transição

Leia mais

Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências. Tema da Comunicação:

Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências. Tema da Comunicação: Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências Tema da Comunicação: O envolvimento das organizações e dos enfermeiros no desenvolvimento e reconhecimento

Leia mais

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 Tema: Mundo dos games Mês: Maio Habilidade Socioemocional: Cooperação e empatia, desafios e lógica Período: 09 a 13 de Maio Duração: até 1h30 Público: Descrição da atividade

Leia mais

O que fazer no momento do conflito? Drª Vanessa Fagionatto Vicentin

O que fazer no momento do conflito? Drª Vanessa Fagionatto Vicentin O que fazer no momento do conflito? Drª Vanessa Fagionatto Vicentin Conflitos ocorrem onde existe vida mental ou social. Em situações em que as pessoas interagem (especialmente quando estas interações

Leia mais

05/05/2014 LIDERANÇA ESTILOS DE LIDERANÇA DIFERENCIAR CHEFE DE LÍDER

05/05/2014 LIDERANÇA ESTILOS DE LIDERANÇA DIFERENCIAR CHEFE DE LÍDER LIDERANÇA DIFERENCIAR CHEFE DE LÍDER 1 LIDERANÇA Você já sentiu que não recebeu o reconhecimento merecido quando atingiu uma meta imposta por seu chefe ou realizou uma tarefa com sucesso? E, no entanto,

Leia mais

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Aluna: Iara Escandiel Colussi Data: 12/06/2015 Introdução Este projeto apresenta algumas situações de dificuldade

Leia mais

Administração. Competência Interpessoal. Professor Rafael Ravazolo.

Administração. Competência Interpessoal. Professor Rafael Ravazolo. Administração Professor Rafael Ravazolo www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Aula XX COMPETÊNCIA INTERPESSOAL Qualquer organização que queira obter êxito não admite mais profissionais individualistas.

Leia mais

i dos pais Dos 6 aos 9 Meses

i dos pais Dos 6 aos 9 Meses i dos pais Dos 6 aos 9 Meses Desde o início, e durante a vida de cada pessoa, ocorre um constante intercâmbio entre a criança e o mundo relacional envolvente. Esse é o seu mundo pessoal (onde a sua parte

Leia mais

Veja a seguir, o que é Coaching, para quem é Coaching e quem pode trabalhar com Coaching formal ou informal:

Veja a seguir, o que é Coaching, para quem é Coaching e quem pode trabalhar com Coaching formal ou informal: FORMAÇÃO Laboratório prático e teórico de poder pessoal, liderança, auto desenvolvimento e desenvolvimento de equipes, foco em resultados acelerados e processos assertivos. A Instituição High Level Coaching

Leia mais

Questionário de Atitudes Face à Escola (QAFE) Estudo psicométrico com crianças e jovens do Ensino Básico Português

Questionário de Atitudes Face à Escola (QAFE) Estudo psicométrico com crianças e jovens do Ensino Básico Português 25-27 Julho 2011 Faculdade de Psicologia Universidade de Lisboa Portugal Questionário de Atitudes Face à Escola (QAFE) Estudo psicométrico com crianças e jovens do Ensino Básico Português Nicole Rebelo,

Leia mais

ADOLESCÊNCIA Dos 11 aos 20 anos

ADOLESCÊNCIA Dos 11 aos 20 anos ADOLESCÊNCIA Dos 11 aos 20 anos Adolescência Fase de grande transição nos aspectos do desenvolvimento humano. Fim da infância epreparaçãopara a idadeadulta Divisão de alguns autores: PRÉ-ADOLESCÊNCIA:

Leia mais

O SUCESSO DAS EMPRESAS FAMILIARES

O SUCESSO DAS EMPRESAS FAMILIARES Publicação não identificada O SUCESSO DAS EMPRESAS FAMILIARES Tendo em conta que as empresas familiares, de um modo geral atravessam 4 fases distintas de vida, podemos aceitar que os principais critérios

Leia mais

FUNDAMENTOS DA TERAPIA DO ESQUEMA

FUNDAMENTOS DA TERAPIA DO ESQUEMA FUNDAMENTOS DA TERAPIA DO ESQUEMA Denise Rodrigues Mestre em Psicologia Professora, supervisora e coordenadora do Serviço de Psicologia Aplicada da Universidade Estácio de Sá E-mail: deniserodriguespsi@hotmail.com

Leia mais

Educar em creche que cidadão aos 3 anos de idade?

Educar em creche que cidadão aos 3 anos de idade? Educar em creche que cidadão aos 3 anos de idade? Gabriela Portugal Departamento de Educação, Universidade de Aveiro gabriela.portugal@ua.pt Sumário 1. Importância de orientações pedagógicas para a creche

Leia mais

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância Colégio Valsassina Modelo pedagógico do jardim de infância Educação emocional Aprendizagem pela experimentação Educação para a ciência Fatores múltiplos da inteligência Plano anual de expressão plástica

Leia mais

do canguru, mamífero que nasce e permanece na bolsa materna até atingir uma condição física e psíquica que permita que ande e se alimente por conta

do canguru, mamífero que nasce e permanece na bolsa materna até atingir uma condição física e psíquica que permita que ande e se alimente por conta Apresentação No livro anterior, Filhos sadios, pais felizes, descrevemos os fatos característicos da evolução psicossocial da grande maioria das crianças desde o nascimento até os dez anos de idade e sua

Leia mais

Técnicas de Animação Pedagógica. gica

Técnicas de Animação Pedagógica. gica Técnicas de Animação Pedagógica gica Educação SéniorS 1 A intervenção educativa com idosos deve incluir-se no quadro da educação de adultos. Idoso Adulto Segregação Categoria abrangente Áreas de Intervenção

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL DE FRANCÊS Componente de Formação Complementar Curso Vocacional de Informática e Multimédia Ano letivo 2015/2016 Competências Transversais Promoção da educação para a cidadania A língua

Leia mais

Liderança. A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida em qualquer ambiente de relacionamentos.

Liderança. A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida em qualquer ambiente de relacionamentos. CHEFIA E LIDERANÇA Liderança A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida em qualquer ambiente de relacionamentos. Liderança Liderar significa possuir a capacidade e o discernimento para

Leia mais

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S Ética e Moral EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S 2009/2010 Valores No mundo contemporâneo o Homem já não segue valores modelos mas cria os seus próprios valores em função

Leia mais

Checklist (por referência à CIF)

Checklist (por referência à CIF) Checklist (por referência à CIF) I Perfil de Funcionalidade Funções do Corpo Nota: Assinale com uma cruz (X), à frente de cada categoria, o valor que considera mais adequado à situação de acordo com os

Leia mais

PROSPECÇÃO DE NEGÓCIOS E TECNOLOGIA. Prof. Araken Patusca Linhares

PROSPECÇÃO DE NEGÓCIOS E TECNOLOGIA. Prof. Araken Patusca Linhares PROSPECÇÃO DE NEGÓCIOS E TECNOLOGIA Prof. Araken Patusca Linhares UNIDADE I Surgimento do Empreendedorismo Postura e comportamento do Empreendedor A importância do Empreendedor na sociedade Motivação do

Leia mais

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (Nível I)

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (Nível I) Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (Nível I) www.coachingdesportivo.pt PORTO 23-25 Set.16 LISBOA 30 Set.-2 Out.16 Apresentação O Coaching Desportivo perfila-se, cada vez mais, como uma atividade

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

3.3 A criança com dificuldades em aprender

3.3 A criança com dificuldades em aprender Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.3 A criança com dificuldades em aprender Introdução A aprendizagem escolar é uma área importante da vida da criança e os pais naturalmente preocupam-se

Leia mais

Competências e Habilidades

Competências e Habilidades Competências e Habilidades Aula 11 Gestão da Carreira Autoconhecimento Personalidade Motivações Valores Habilidades Interesses Análise do Ambiente Definição de objetivos Ações / Estratégias 2 1 Gerenciamento

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

Capítulo 9 Metas e planos de ação

Capítulo 9 Metas e planos de ação Capítulo 9 Metas e planos de ação Objetivos de aprendizagem 1. Definir um objetivo de como você quer viver 2. Estabelecer metas para alcançar esse objetivo 3. Criar planos de ação para alcançar suas metas

Leia mais

Rota. do Processo Evolutivo Workshop #SERCOACH 7 NÍVEIS DO PROCESSO EVOLUTIVO

Rota. do Processo Evolutivo Workshop #SERCOACH 7 NÍVEIS DO PROCESSO EVOLUTIVO Rota do Processo Evolutivo Workshop #SERCOACH 7 NÍVEIS DO PROCESSO EVOLUTIVO A Rota dos 7 Níveis do Processo Evolutivo O Caminho dos 7 Níveis do Processo Evolutivo é um modelo para o ser humano evoluir

Leia mais

TÍTULO: CONCEPÇÃO DE PRÉ-ADOLESCÊNCIA EM HENRI WALLON CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA

TÍTULO: CONCEPÇÃO DE PRÉ-ADOLESCÊNCIA EM HENRI WALLON CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CONCEPÇÃO DE PRÉ-ADOLESCÊNCIA EM HENRI WALLON CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS

Leia mais

Enfrentamento da Dor. Avaliação de Situação 10/05/2013. Enfrentamento da Dor Crônica. Processo de Avaliação Cognitiva. Profa. Dra. Andréa G.

Enfrentamento da Dor. Avaliação de Situação 10/05/2013. Enfrentamento da Dor Crônica. Processo de Avaliação Cognitiva. Profa. Dra. Andréa G. Enfrentamento da Dor Crônica Enfrentamento da Dor Profa. Dra. Andréa G. Portnoi BIO PSICO SOCIAL Sensação Incapacitação Diagnóstico Medicamentos Procedimentos Tratamentos Emoção Cognição Comportamento

Leia mais

- REPRODUÇÃO AUTORIZADA - Eu sou seu cliente sabia? Instrutora: Jane Costa de Paula Oliveira

- REPRODUÇÃO AUTORIZADA - Eu sou seu cliente sabia? Instrutora: Jane Costa de Paula Oliveira - REPRODUÇÃO AUTORIZADA - Eu sou seu cliente sabia? Instrutora: Jane Costa de Paula Oliveira CLIENTE INTERNO Instrutoria: Jane Costa de Paula Oliveira FOCO NO CLIENTE O que é CLIENTE? O QUE É CLIENTE INTERNO?

Leia mais

Módulo 1 Gestão de stresse

Módulo 1 Gestão de stresse Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.ardh-gi.com Módulo 1 Gestão de stresse 1 Esta apresentação não substitui a leitura dos manuais do

Leia mais

O Direito de Adoptar?

O Direito de Adoptar? Direito da Igualdade Social 2010 2011 O Direito de Adoptar? A adopção por casais homossexuais Andreia Engenheiro Nº 2068 1. Família Tem influência de factores: - Religiosos; - Económicos; - Socio-culturais.

Leia mais

Trabalho realizado por: Magda Susana Oliveira Luísa Maria da Silva Aurora da Silva Coelho Ana Margarida Pereira

Trabalho realizado por: Magda Susana Oliveira Luísa Maria da Silva Aurora da Silva Coelho Ana Margarida Pereira Trabalho realizado por: Magda Susana Oliveira Luísa Maria da Silva Aurora da Silva Coelho Ana Margarida Pereira O que é a sexualidade? O que é a sexualidade, essa realidade que tanto nos motiva e condiciona,

Leia mais

A COMPREENSÃO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO

A COMPREENSÃO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO A COMPREENSÃO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO ANDRADE, Josemberg Moura de, Universidade Federal da Paraíba, Professor orientador, josemberg.andrade@gmail.com;

Leia mais

Curso de Mediação e Conciliação- Resolução 125/2010 CNJ

Curso de Mediação e Conciliação- Resolução 125/2010 CNJ Curso de Mediação e Conciliação- Resolução 125/2010 CNJ ÉTICA NA MEDIAÇÃO SIGNIFICADO DAS PALAVRAS ÉTICA E MORAL A palavra ética vem do Grego ethos que significa modo de ser ou caráter. Já a palavra moral

Leia mais

Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil. Centro Sergio Vieira de Mello

Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil. Centro Sergio Vieira de Mello Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil Centro Sergio Vieira de Mello Unidade 4 Parte 3 Respeito pela Diversidade Valores Organizacionais Essenciais da ONU Integridade Profissionalismo Respeito pela

Leia mais

ENQUADRAMENTO CLIENTES

ENQUADRAMENTO CLIENTES ENQUADRAMENTO A promoção da integração na sociedade do cidadão com deficiência mental assim como a defesa dos seus direitos, são valores considerados como fundamentais pela APPACDM, no respeito pelos princípios

Leia mais

CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA ANO LECTIVO 2007/2008

CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA ANO LECTIVO 2007/2008 CASCD DE FARO CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA ANO LECTIVO 2007/2008 PROJECTO PEDAGÓGICO ATL Tarde Os bons filhos têm sonhos ou disciplina, os filhos brilhantes têm sonhos e disciplina.

Leia mais

Helping the helpers [distúrbios da sexualidade]

Helping the helpers [distúrbios da sexualidade] Helping the helpers [distúrbios da sexualidade] Sexualidade Normal e Sexualidade Patológica Ana Torres Sexualidade Normal Definição Rígida de Sexualidade Normal é difícil Sexualidade é um realidade global

Leia mais

II CONSELHO DISTRITAL AL-2011/2012 NOVA FRIBURGO/RJ-29/10/2011. GOV. CL JOSÉ EDUARDO CÔGO/DM MARISSOL Leonismo como agente de transformação.

II CONSELHO DISTRITAL AL-2011/2012 NOVA FRIBURGO/RJ-29/10/2011. GOV. CL JOSÉ EDUARDO CÔGO/DM MARISSOL Leonismo como agente de transformação. II CONSELHO DISTRITAL AL-2011/2012 NOVA FRIBURGO/RJ-29/10/2011 GOV. CL JOSÉ EDUARDO CÔGO/DM MARISSOL Leonismo como agente de transformação. É um programa da Fundação de Lions Clubes Internacional (LCIF),

Leia mais

CONSULTORIA ESPORTIVA

CONSULTORIA ESPORTIVA CONSULTORIA ESPORTIVA O que é a 4FitClub Consultoria Esportiva Trata-se de um programa de exercícios físicos, reeducação alimentar e orientação psicológica destinado a homens e mulheres que buscam um estilo

Leia mais

Planejamento de Carreira

Planejamento de Carreira Planejamento de Carreira Aulas 17 e 18 Plano de carreira Análise do ambiente Oportunidades Ameaças Objetivos Alvos concretos Estratégias Ações e prazos para atingir objetivos Follow-up Análise de potencial

Leia mais

CARTA DE COMPORTAMENTOS

CARTA DE COMPORTAMENTOS STOP BULLYING! Uma abordagem baseada nos direitos humanos para combater o bullying e a discriminação CARTA DE COMPORTAMENTOS Projeto Co- Projeto Stop Bullying: Uma abordagem baseada nos direitos humanos

Leia mais

Principais Temas. Gosto 26/09/2015. Principais temas abordados por jovens vestibulandos na escolha profissional

Principais Temas. Gosto 26/09/2015. Principais temas abordados por jovens vestibulandos na escolha profissional Principais temas abordados por jovens vestibulandos na escolha profissional Pontifícia Universidade Católica de Goiás Prof.ª Ms. Otília Loth Principais Temas É imprescindível considerar variáveis psicológicas,

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

ESTRATÉGIAS DA QUALIDADE

ESTRATÉGIAS DA QUALIDADE ESTRATÉGIAS DA QUALIDADE De acordo com nossa visão empreendedora, qual o cenário em que nos encontramos com relação a: Tecnologia disponível, Educação e informação, Política, Sociedade, Economia. ESTRATÉGIAS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO HUMANO

DESENVOLVIMENTO HUMANO DESENVOLVIMENTO HUMANO Sumário 1.1. O que é Desenvolvimento Humano... 3 1.2. Fatores que influenciam o desenvolvimento humano... 3 1.3. Princípios gerais do desenvolvimento humano... 5 1.4. Aspectos do

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL Carmen Leite Ribeiro Bueno* A Avaliação Profissional tem como objetivo geral auxiliar o indivíduo em seu desenvolvimento pessoal e profissional, utilizando sistematicamente

Leia mais