RELATO DE EXPERIÊNCIA: A UTILIZAÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SEGUNDO ANO DO CURSO DE LETRAS DA FACULDADE DE JOSÉ BONIFÁCIO-SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATO DE EXPERIÊNCIA: A UTILIZAÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SEGUNDO ANO DO CURSO DE LETRAS DA FACULDADE DE JOSÉ BONIFÁCIO-SP"

Transcrição

1 163 RELATO DE EXPERIÊNCIA: A UTILIZAÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SEGUNDO ANO DO CURSO DE LETRAS DA FACULDADE DE JOSÉ BONIFÁCIO-SP GITAHY, Raquel Rosan Christino 1 JOSÉ, Jaqueline de Souza 2 Resumo: Este trabalho tem a finalidade de relatar uma experiência com utilização de estratégias de Educação à distância para um grupo de 28 (vinte e oito) alunos do segundo ano do curso de Letras, na disciplina Informática aplicada ao ensino, da Faculdade de José Bonifácio- SP. A ferramenta utilizada para este fim foi Forumeiros.com - Hospedagem e criação de fóruns gratuitos, baseados em phpbb,que está alocado no ambiente virtual Os resultados da pesquisa evidenciaram que : a) 49% dos alunos se mostraram participantes e sujeitos de seu próprio processo de aprendizagem e 51% dos alunos foram incapazes por um motivo ou outro de serem gestores do seu processo de aprendizagem. Há uma cultura do pronto e acabado. Não há o hábito de buscar respostas e solucionar problemas, ler a tela do computador, tutoriais e textos; b) o medo da ferramenta computacional apresentouse como um fator considerável. Conhecer as ferramentas e técnicas essenciais para manipular um computador e navegar na rede são requisitos necessários para colocar a máquina a seu serviço. ; c) muitas vezes o aluno direcionava a sua resposta somente para o professor, portanto, a tarefa estava cumprida e a nota estava garantida. Deste modo, a atividade resumia-se a perguntas e respostas ou um trabalho instrucional numa dinâmica um-a-um. O objetivo do fórum como uma rede colaborativa de aprendizagem exige uma outra postura dos participantes, ou seja, a interação todos-todos, dinâmica esta que viabiliza e da sentido ao trabalho virtual. A interação entre os participantes e o professor foi um foco de discussão nas avaliações finais de cada tema. Palavras-Chaves: Educação à distância - Tecnologias de informação e comunicação - informática na educação telemáticas - Paradigma emergente. Abstract: This work has the purpose to tell an experience with use of strategies of longdistance Education for a group of 28 (twenty and eight) pupils of as the year of the course of Letters, in disciplines Computer science applied to education, of the College of Jose Bonifácio- SP. The tool used for this end was Forumeiros.com - Lodging and gratuitous creation of fóruns, based in phpbb, that it is placed in the virtual environment The results of the research had evidenced that: ) 49% of the pupils if had shown participants and citizens of its proper process of learning and 51% of the pupils had been incapable for a reason or other to be managers of its process of learning. It has a culture of soon and finished. It does not have the habit to search answers and to solve problems, to read the screen of the computer, tutorial and texts; b) the fear of the computational tool was presented as a considerable factor. To know the tools and techniques essential to manipulate a computer and to sail in the net

2 164 they are requisite necessary to place the machine its service. ; c) many times the pupil only directed its reply for the professor, therefore, the task was fulfilled and the note was guaranteed. In this way, the activity summarized it questions and answers or a instrucional work in a dynamics um-a-um. The objective of fórum as a colaborativa net of learning demands one another position of the participants, that is, the interaction allall, dynamic this that it makes possible and of the direction to the virtual work. The interaction between the participants and the professor was a focus of quarrel in the final evaluations of each subject. Keywords: Long-distance education - Technologies of information and communication - computer science in the education telemáticas - emergent Paradigm. 1º Momento: Uso de estratégias de EAD e da ferramenta Fórum como complemento as aulas presenciais A Educação à distância (EAD) como uma modalidade de educação não é algo novo. Quem não se lembra, por exemplo, dos cursos por correspondência postal ou o Telecurso? O que é inovador na Educação à distância é a utilização de tecnologias digitais, que possibilitam a eliminação das distâncias geográficas, econômicas, sociais e culturais, permitindo integrar múltiplas mídias, linguagens e recursos associados com a interatividade, produção individual e coletiva (MORAN, 2000). Com seus referenciais fundamentados nos quatro pilares da Educação do Século XXI publicados pela UNESCO, que são: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a viver juntos e aprender a ser (DELORS, 1996), a EAD é concebida com a intenção de provocar o aluno a pesquisar, a criar e recriar, ser responsável por sua aprendizagem, tanto na gestão de horário como no seu ritmo de trabalho. O professor detentor do saber torna-se um orientador, isto é, mediando, encaminhando e intervindo, de modo que, situações de aprendizagem aconteçam (MORAN,2000). Cabe aqui a contribuição de Freire (1996), o qual afirma "Ninguém educa ninguém, ninguém se educa a si mesmo, os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo." Dessa forma, professores e alunos entram em cena para concretizar uma parceria de ensinoaprendizagem. Behrens (2006, p.87) realizou uma pesquisa sobre a prática pedagógica entre professores universitários, defendendo um Paradigma emergente. Este paradigma envolve uma aliança de abordagens pedagógicas, ou seja, entre os pressupostos da visão holística, da abordagem progressistas e do ensino com pesquisa, instrumentalizada

3 165 pela tecnologia inovadora. Para melhor compreensão o autor defende, observe a tabela abaixo: Tabela 1 Abordagens Pedagógicas e Paradigma Emergente Abordagens pedagógicas Aprendizagem baseada na pesquisa para a produção do conhecimento, superando a reprodução, a cópia e a imitação referenciadas pelo pensamento newtoniano-cartesiano. Paoli (1988); Ensino pesquisa como um princípio educativo e não apenas como Demo (1991) com princípio cienífico Cunha pesquisa Contempla a visão do educador que propõe uma (1996) metodologia que possibilite ao aluno se apropriar, construir, (Behrens reconstruir e produzir conhecimento. (1999) Não é um método e sim uma postura pedagógica. apud O aluno passa a ser participante e sujeito de seu próprio (Behrens), processo de aprender. 2006, O professor torna-se dinâmico articulador, mediador, p.88,89,90, crítico, criativo, provocando uma prática pedagógica que 91) Segundo instiga o posicionamento, a autonomia, a tomada de decisão e Behrens, a construção do conhecimento, atuando como parceiro Paradigma experiente no processo educativo. emergente, envolve uma aliança de Pressuposto básico: a busca da transformação social. Engloba uma proposta de parceria entre professores e alunos num processo dialógico amoroso. abordagens Os professores progressistas, como intelectuais Freire pedagógicas: transformadores, promovem processos de mudanças (1993); entre os manifestando-se contra as injustiças sociais, antiéticas, Giroux pressupostos da Abordagem A prática pedagógica deve ser problematizadora, levando políticas e econômicas. (1997); visão holística, apud da abordagem progressista históricos de classe e de gênero. em consideração o contexto dos ambientes culturais, raciais e (Behrens, progressista do 2006, ensino com A proposição de uma ação pedagógica progressista vai p.88,89,90, pesquisa, além da produção do conhecimento para buscar a formação de 91) instrumenta- cidadãos, homens e mulheres, éticos, humanos e solidários. lizada pela tecnologia inovadora. Considerar as relações sociais em sala de aula, os valores e as atitudes que virão desencadear como construtores e sujeitos de sua própria história. A Visão holística Cardoso (1995); Moraes (1997); Gutiérrez (1997); apud Behrens(200 6, p.91, 92, 93, 94). A proposição da visão holística contempla processos de construção de uma sociedade a partir da formação de homens e mulheres, que se pautam nos princípios ético da dignidade humana, da paz, da justiça, do respeito da solidariedade e da defesa do meio ambiente. O processo educativo numa visão holística implica em aprender a aprender, a aprender a ser, aprender a conviver e aprender a fazer. A visão holística apresenta o sentido de rede, de teia, de conexão, de sistemas integrados, propondo que homens e mulheres sejam vistos como seres indivisos, buscando a unicidade na aliança da razão e emoção e de corpo e alma. Paradigma emergente como prática pedagógica + Tecnologia inovadora como um auxiliar na aprendizagem = pratica pedagógica relevante e significativa. Fonte: (Behrens, 2006, p.88, 89, 90, 91,93 e 94.). Nota: Dados trabalhados pelas autoras.

4 166 De acordo com o pressuposto acima, o fórum on-line como ferramenta pedagógica foi escolhida para acessorar e complementar as aulas presenciais da disciplina já citada. Tratando-se de uma ferramenta assincrônica de discussão e debates, em forma de um editor de texto, respeita o limite e o tempo de cada aluno. Apesar da participação não ser simultânea ou concomitante, a interatividade acontece entre os membros de um grupo, já que questões, temas e participações são abordados de forma livre, isto é, as mensagens postadas podem conceber várias dimensões de compreensão e subjetividade. Portanto, espera-se que os participantes de um fórum concordem ou discordem, opinem e acrescentem, fazendo da ferramenta uma construção do conhecimento coletivo. O fórum neste caso foi utilizado como uma ferramenta de aprendizagem colaborativa. Assim, na perspectiva de uma prática pedagógica relevante aplicou-se para um para um grupo de 28 (vinte e oito) alunos do 2º ano do curso de Letras, uma experiência com a utilização de estratégias de EAD Educação à distância. Utilizandose o fórum como uma ferramenta de muitas possibilidades de ensino-aprendizagem e interação individual e coletiva. 2º Momento: Curso de Letras e a disciplina informática aplicada ao ensino. Consta no Plano de ensino do ano de 2008, na disciplina de Informática aplicada ao ensino do curso de Letras da Faculdade de José Bonifácio, como objetivo geral do curso licenciar docentes para atuar nas séries finais do Ensino Fundamental e no Ensino Médio, área de Letras, conteúdos de Língua Portuguesa, Inglesa e respectivas literaturas. Consta em seus objetivos específicos a formação de docentes dotados das competências e habilidades (grifo da autora) necessárias ao exercício da profissão, nos termos da legislação em vigor, incluindo: 1. Gerais da formação de professores: Relacionadas aos conteúdos da Educação Básica (área de linguagens, códigos e suas tecnologias);relacionadas aos conteúdos aprofundados da área de Letras; relacionadas aos conteúdos da Educação Básica (área de linguagens, códigos e suas tecnologias).

5 167 Quanto aos objetivos específicos da disciplina Informática aplicada ao ensino, consta as seguintes informações: conscientizar sobre a importância da informática na educação; fornecer ferramentas de informática e tecnologias educacionais para o ensino (grifo das autoras); promover o desenvolvimento de novas habilidades para a educação, habilitando o aluno através de técnicas práticas a utilizar o computador como uma ferramenta de apoio ao desenvolvimento de seu trabalho (grifo dos autores); preparando o futuro professor para o exercício de suas atividades profissionais; refletir sobre o lugar da educação na Era Digital (grifo das autoras); relacionar as principais diferenças entre o computador e os diversos recursos tecnológicos existentes e utilizados no ambiente educacional; apresentar as classificações dos softwares com suas devidas finalidades educacionais; avaliação dos softwares para finalidades educacionais e reflexão crítica sobre os mesmos; utilização da Internet, observando: sua importância na área educacional, fases que compreendem um projeto educacional e sugestões de atividades pedagógicas via Internet (grifo das autoras). Trata-se de um curso presencial, com regime acadêmico anual, turno noturno, que recebe alunos de diversas cidades vizinhas da região e a disciplina Informática aplicada ao ensino possui carga horária de 60 h. A importância da disciplina informática no referido curso de letras fica evidente se relacionarmos os objetivos do curso e da disciplina no Plano de Ensino. Prioriza-se na formação do futuro professor, a sua participação ativa, crítica e autônoma no processo de ensino aprendizagem e na busca pelo conhecimento. A disciplina tem como finalidade maior dar subsídios para que o futuro profissional da educação tenha competências, ou seja, saiba mobilizar as ferramentas computacionais para uma prática pedagógica produtiva. Buscando novamente por Perrenoud (1996, p.208), temos: Conhecer um processador de texto, alguns softwares didáticos e um pouco de informática é uma condição necessária para integrar o computador a uma prática em sala de aula, mas se a formação continua não trabalhar visando a essa integração, que é o objetivoobstáculo maior, o recurso continuará virtual e, se não for mobilizado, vai-se tornar inútil.

6 168 A disciplina informática aplicada ao ensino, além dos ingredientes necessários para manipular as ferramentas computacionais oferece ao aluno aportes para integrar a técnica, a teoria e a prática. Desse modo, o próprio plano de ensino abre portas para um ensino inovador, reflexivo e de acordo com os paradigmas emergentes, tornando-se assim um forte aliado e incentivador da experiência realizada na Faculdade de José Bonifácio. 3º Momento: Ambiente virtual: Forumeiros.com Forumeiros.com é um serviço free que permite a criação e hospedagem de fóruns de discussão, chats e blogs. Para cadastrar-se no ambiente como administrador, basta acessar e concordar com o contrato on-line que recebe o nome de Condições gerais de utilização do serviço, seguir os passos seguintes que aparecem na tela automaticamente após o aceite. Para construção do ambiente não é necessário conhecimento técnico em construção de sites. A interface do fórum é em português e autoexplicativo. Portanto, o necessário é seguir a receita que aparece na tela. Escolhe-se o tema, em seguida preenche-se um formulário e define-se o login e a senha. Figura 1 - O referido fórum é uma ferramenta construída em PHP - acrônimo de Hipertext Preprocesor. Essa é uma linguagem de programação do lado do servidor gratuito e

7 169 independente de plataforma, rápido, com uma grande livraria de funções e muita documentação. O PHP apresenta compatibilidade com as bases de dados mais comuns, como MySQL, msql, Oracle, Informix, e ODBC. Inclui funções para o envio de correio eletrônico, upload de arquivos, cria dinamicamente no servidor imagens no formato GIF, inclusive animadas e uma lista interminável de utilidades adicionais. Observe a figura abaixo Figura 2 - Esquema do funcionamento das páginas PHP. Fonte: A escolha pelo ambiente deu-se pelos seguintes fatores: 1. Ambiente Grátis. 2. Auto-explicativo. 3. De aparência agradável. 4. Fácil de usar e customizar. 5. Privacidade.

8 170 4º Momento: Relato da Experiência Utilizamos quatro horas aulas presenciais para expor o projeto aos alunos. Nesse momento foi colocada a proposta de trabalho, os objetivos, o ambiente on line, cadastros, disponibilizado tutorial de como utilizar o ambiente em caso de dúvidas e um Netiqueta conforme imagens a seguir: Tutorial Netiqueta Figura 3 Tutorial e Netiqueta Fonte: Os Autores Documentos completos disponíveis em Todo o processo de familiarização com o ambiente e projeto desenvolveu-se no Laboratório de informática da própria faculdade que disponibiliza para os alunos 30 computadores em rede. Trabalhamos no ambiente virtual três temas durante o ano letivo. Proposto como atividade extraclasse, a atividade seria desenvolvida em horário diverso da aula presencial. Como já foi dito, o fórum teria o papel de complementar e implementar às aulas presenciais. A princípio, resistências e questionamentos foram colocados em pauta. Na discussão, uma aluna expôs seu pensamento sobre ferramentas on line: Fórum? Estamos regredindo aos velhos questionários? Houve ruídos favoráveis à pergunta em questão. A ideia de perguntas e respostas revela o modelo instrucional com o qual

9 171 nossos alunos relacionam vêem o Ensino à distância e mostrou-nos que a novidade seria na verdade um desafio. temas: Discussões e demonstrações encerradas seguimos o seguinte cronograma e TABELA 2: Temas para o fórum Publicados no ambiente on line. TEMA INTERFACE QUE OS ALUNOS ENCONTRARAM MÉTODO A dificuldade de acesso ao mundo digital torna o cidadão um excluído social? Antes de responderem reflitam sobre este tema com o auxílio dos três textos abaixo citados. Cliquem no link de cada título para direcioná-los aos textos sugeridos. Por favor leiam os textos antes de Pesquisa 1)EXCLU responderem, ok? direcionada SÃO 1. A INCLUSÃO DIGITAL NO BRASIL - e livre. DIGITAL Texto de 2ª bimestre 2. PAÍS DE EXCLUÍDOS DIGITAIS /maio/pais-de-excluidos-digitais/. 3. AS FACES DA EXCLUSÃO DIGITAL E O ESFORÇO DA INCLUSÃO - 2)VÍRUS 3º bimestre Olá pessoal, Para este bimestre faremos estudo de casos. Deixarei disponível links para que possam ler e se informar sobre o assunto discutido. Estes links são para serem utilizados, mas se quiserem consultar em outras fontes, estejam a vontade ( só não esqueçam de citar a fonte). ESTUDO DE CASO Nº01:: "Marcos contava, inconformado sobre uma invasão em seu computador: Marcos: "- Não é possível que seja um vírus, Camila, em casa não tem rede de computadores, como na escola ou em uma empresa". CAMILA: "- Mas não é somente em rede locais de computadores que os vírus atacam". MARCOS: "- Mas Alessandro, meu professor, me disse, que os vírus chegam pela rede, e em casa, eu só tenho a internet." 1. Analisando a conversa de Marcos e Camila: Quem está certo Marcos ou Camila? Quais as posssíveis soluções para o plobrema de Marcos? ESTUDO DE CASO Nº02:: "Tathiane, enquanto trabalhava em um computador no laboratório de informática, viu que seu antivírus indentificará um vírus. Assustada, desligou o computador e não contou a ninguém, com medo de ser responsabilizada pelo vírus ter infectado o micro. Foi correta a atitude de thatiane? Escolha uma das alternativas abaixo e a transcreva no fórum. 1-Sim, pois desligar o computador é a primeira atitude que se deve tomar quando encontrar um programa malicioso no computador. 2-Não. A primeira atitude seria manter a calma e informar a todos sobre o vírus. Vírus aparecem a qualquer momento e isso não significa que Patrícia seja responsável por contraí-lo, logo em seguida atualizar e executar o antivírus 3.Sim. Se Thatiane contasse a alguém poderia ser expulsa do laboratório. 4.Em partes. Não precisava contar a ninguém. Só executar um antivírus. Pesquisa direcionada (10 aulas em vídeo disp. em queline.com. br),pesquisa livre e texto de apoio.

10 172 3)CONVE RGÊNCIA DIGITAL 4º bimestre ESTUDO DE CASO Nº03:: Camila trabalha na monitoria da faculdade, mas está muito chateada. O problema é o seguinte: Ela chegou ao laboratório de informática e encontrou papel de bala, embalagem de salgadinhos e biscoitos,uma garrafa de refrigerante vazia sobre a bancada,computadores ligados e cadeiras esparramadas. Então tomou uma decisão: Preciso colocar algumas normas no laboratório de informática. Buscou possíveis soluções com seu professor Alessandro. - "Camila, sugiro que torne a seguinte providência: adote uma política de segurança. É a forma adequada para conscientizar os usuários de como utilizar o laboratório de informática. Bom, vamos fazer junto com a Camila uma política de segurança para o laboratório de informática e para o nosso computador pessoal? Primeiro explique o que seria uma política de segurança? Segundo, Dê sugestões para a lista de regras da futura política de segurança do laboratório de informática e de seu computador pessoal. ESTUDO DE CASO Nº04:: Marly e Bruna, caminham pelo corredor da faculdade discutindo sobre vírus de computador: - Sabe, Bruninha, tenho uma dificuldade para entender o que é vírus de computador, me disseram que tem até vacina! Hiiii! Marly, nem me fale! Eu também não entendo como que um computador pode contrair um vírus e ainda ser vacinado! Que tal ajudar-mos as meninas? Vamos lá: Expliquem o que é um vírus de computador. O que fazer para retirá-lo da máquina. Quais as precauções que devemos tomar para não sofrermos ataques de vírus. Link para as aulas: FONTE: AS QUESTÕES Nº 01 E 02 FORAM RETIRADAS DO CD "PROGRAMA ALUNO MONITOR - MICROSOFT EDUCAÇÃO. QUESTÕES N 03 E 04, ELABORADAS PELA PROFESSORA JAQUELINE. OS LINKS PARA ESTUDOS FAZEM PARTE DO MATERIAL DE ESTUDO DO CD "PROGRAMA ALUNO MONITOR - MICROSOFT EDUCAÇÃO. OLÁ PESSOAL, VAMOS ÀS TAREFAS! DIVIDI A COMANDA EM TRÊS MENSAGENS PARA FICAR MAIS ORGANIZADO, OK?PORTANTO PARA RESOLVER AS QUESTÕES LEIAM AS TRÊS MENSAGENS. IMPORTANTE: ESPERO QUE SEJAM CRIATIVOS, PESQUISADORES E BUSQUEM O CONHECIMENTO. NÃO ESPEREM POR TUDO PRONTO E MASTIGADINHO. TENHAM CORAGEM DE RESOLVER AS QUESTÕES. POR FAVOR, não fiquem "colando" as questões dos colegas. Penso que já passamos desta fase e estamos aqui para crescermos. Ler a questão do colega, responder, opinar aprender com ele é uma coisa.. JÁ DIZIA PAULO FREIRE "que ninguém educa ninguém, mas ninguém, tampouco, se educa sozinho: o ser humano se educa em comunhão, no contexto de viver sua vida neste mundo (Pedagogia do Oprimido). Assistam aos dois vídeos que estou disponibilizando: Pesquisem sobre: 01) Convergência digital. Explique e exemplifique Pesquisa direcionada (Disponível 02 videos sobre o assunto), pesquisa livre e texto de apoio

11 173 02) Quais os benefícios e os malefícios que a convergência digital podem causar? A partir do que pesquisaram e dos vídeos que assistiram, respondam 03) Vocês identificaram alguma critica no teor dos vídeos? Qual seria? 04) Citem um momento de um dos vídeos em que a pergunta 01,02 e 03 se relacionam. OBSERVAÇÃO: Não se esqueçam da fonte de pesquisa ok? não é a fonte. Na verdade, é um site de busca da internet, o Google Search. O que vocês podem fazer é: Indicar o site de busca e o site que está publicado o assunto o que vocês pesquisaram. Exemplo: Site de busca - Fonte: as autoras No primeiro tema abordamos a Exclusão digital, com textos direcionados para leitura e liberdade para pesquisa. A escolha do tema não foi por acaso, pois objetivava mostrar as duas facetas da exclusão digital, ou seja, duas vertentes distintas que levam para o mesmo caminho: o excluído digital. Segundo Ferrari (2003), [...]Pois a inclusão não é um mero provimento da infraestrutura de acesso mas todo um trabalho de orientação que apenas começa quando as máquinas passam a estar disponíveis. Essa orientação deve preparar e motivar os usuários para o uso das potencialidades das tecnologias de comunicação pertinentes ao contexto da Internet. Os textos disponibilizados no ambiente on line nortearam o debate, mostrando que o excluído da sociedade digital não é somente aquele que não possue o equipamento e o meio de acesso, mas também aquele que não sabe utilizar as potencialidades do equipamento e da rede de comunicação, neste caso específico, a Internet. Se verificarmos a pesquisa sobre o uso das tecnologias da informação e da comunicação no Brasil/2007 realizada pelo CGI - Comitê Gestor da Internet no Brasil em 2007, perceberemos que nos últimos três anos o acesso a rede e ao equipamentos aumentou, porém, por outro lado, há um grande número de pessoas que não comungam da mesma situação. Temos disparidades econômicas e regionais, que acentuam a exclusão digital em determinadas áreas do país. Segundo a pesquisa da CGI/2007: A proporção de domicílios com computador continua menor nas regiões Norte (13%) e Nordeste (11%), onde se concentram os maiores problemas sociais e a menor renda do país, enquanto nas

12 174 demais regiões do país ela é quase três vezes maior: 26% na Centro- Oeste, 31%, na Sul e 30% na Sudeste. Continuando a análise, 24% dos domicílios brasileiros já possuem o computador, mas nem todos têm acesso à internet. Desse total, só 17% estão conectados a rede. Esta situação também é permeada pelas disparidades econômicas e regionais, denunciando um novo perigo social, ou seja, a divisão do mundo atual em inforricos e infopobres (RAMONET,1997, apud IMBERNÓN,2000, p.48). Figura 4 Gráfico publicado pelo CGI Comitê Gestor no Brasil pág. 79. Figura 5 - Gráfico publicado pelo CGI - Comitê Gestor da Internet no Brasil página 78.

13 175 O estudo acima constatou que, somado as barreiras econômicas, o principal motivo que leva o brasileiro a não usar a internet é a falta de habilidade com o equipamento e com a rede, isto é, o prenúncio de uma nova classe de analfabetos, ou seja, os analfabetos-ricos e os analfabetos-pobres. (IMBERNÓN, 2000). Estes dados nos encaminham para a questão da formação. Entender e dominar o computador, integrar o indivíduo aos novos códigos computacionais de linguagem e conectá-lo ao mundo se faz dimensão indispensável para promover mudança social, política e cidadania. Conforme a perspectiva acima, iniciamos o primeiro tema. Um começo bastante tímido, do total de 28 alunos, somente 13 deles participaram. Para fechamento desta primeira etapa, fizemos uma avaliação coletiva dialogada de forma que os problemas e acertos fossem diagnosticados. Para facilitar a compreensão, separamos por itens as falas e problemas enfrentados pelos alunos: a) Esqueci o login e a senha: 9 alunos. b) Achei difícil a Interface gráfica: 6 alunos. c) Não sabia que fazia parte do processo de avaliação bimestral: 10 d) Gostei muito da atividade proposta: 12 e) Não tive tempo: 03 alunos. f) Disponibilidade do professor por ou fórum: 16 g) Quantos alunos solicitaram ajuda para o professor: 05 h) Quantos alunos participaram das aulas de apresentação: 26 i) Quantos buscaram auxílio no tutorial do fórum: 05 j) Quantos leram o texto de apoio sobre o tema do fórum: 18 k) Quantos leram o Netiquetas disponível para orientação? 08

14 176 OBSERVAÇÃO Computadores e internet foram liberados para os alunos utilizarem fora de horário de aula. Colocado os pontos nos is traçamos o percurso para desenvolver o segundo tema, o qual tratou de vírus e programas maliciosos desenvolvidos para computador. Este segundo momento foi bem mais difícil que o primeiro, pois os caminhos para assistir as vídeos aulas e participar do fórum eram distintos. As vídeo-aulas estavam alocadas no seguinte ambiente (www.profjaqueline.com.br material de apoio). O propósito do trabalho em dois ambientes contou com a função de contextualizar rede e hipertexto. Saber este que se pode chamar de alfabetização digital, a compreensão dos saberes técnicos aliados à exploração do meio virtual em suas múltiplas faces, textos e contextos. Uma rede rizomática que nos leva a navegar pela descontinuidade, explorar e entender o comportamento do hipertexto em seus inúmeros nós. Segundo Lévy (1998a.p.40): O hipertexto ou a multimídia interativa adequam-se particularmente aos usos educativos. É bem conhecido o papel fundamental do envolvimento pessoal do aluno no processo de aprendizagem. Quanto mais ativamente uma pessoa participar da aquisição de um conhecimento, mais ela irá integrar e reter aquilo que aprender, Ora a multimídia interativa, graças à sua dimensão reticular ou não linear, favorece uma atitude exploratória, ou mesmo lúdica, face ao material a ser assimilado. É, portanto, um instrumento bem adaptado a uma pedagogia ativa. Desse modo, para solucionar o problema proposto, o aluno se deslocaria de sua zona de conforto para buscar as informações necessárias. No primeiro tema, assim como no segundo, todos tiveram a opção de livre pesquisa caso não gostassem ou quisessem complementar o material de apoio sugerido. O que diferencia o segundo do primeiro é que o percurso em qualquer escolha seria mais longo e tortuoso, ou seja, buscar a informação demandaria busca, pesquisa e autonomia para organizar um caminho de idas e voltas dinâmico e em constante movimento. Retornando a Lévy (1998b. p.41): O hipertexto é dinâmico [...] Com um ou dois cliques obedecendo por assim dizer ao dedo e ao olho, ele mostra ao leitor uma de suas faces, depois outra, um certo detalhe ampliado, uma estrutura complexa esquematizada. Ele se dobra e desdobra à vontade, muda de forma, se multiplica se corta e se cola outra vez de outra forma. Não é apenas

15 177 uma rede de microtextos, mas sim um grande metatexto de geometria variável, com gavetas, com dobras. Nesta perspectiva, foi determinada a segunda atividade do fórum. Mais um passo para a compreensão do ser e estar no mundo. A técnica a serviço do homem, como auxílio em suas múltiplas funções. Os ambientes citados estão representados na figura a seguir: Link: para as aulas 10 aulas Microsoft/Aluno monitor link - material de apoio Modelo da aula interativa. (Microsoft- Aluno monitor) Figura 6 Link material de apoio.

16 178 Conforme o exposto acima, mais o acréscimo de duas horas aulas presenciais, suporte de um tutorial e o texto A coerência no hipertexto de Marcuschi (2005), iniciou-se o segundo tema do fórum proposto como atividade extraclasse e como um dos instrumentos de avaliação bimestral. A participação neste segundo tema não foi nada tímido. Os 28 alunos participaram do fórum, assistindo aos vídeos e respondendo às questões em pauta. Fizemos como anteriormente: avaliação dialogada, com levantamento das dificuldades e acertos do grupo. Desta vez, o resultado foi relevante: a) Esqueci o login e a senha: três alunos. (Solicitado por e enviado). b) Achei difícil a Interface gráfica: 12 alunos (discutou-se sobre todos os links disponíveis). c) Não sabia que fazia parte do processo de avaliação bimestral: 0 alunos d) Gostei muito da atividade proposta: 25 alunos e) Não tive tempo: 0 alunos. f) Disponibilidade do professor por ou fórum: 28 g) Quantos alunos solicitaram ajuda para o professor: 10 (Senha, baixar tutorial data de entrega). h) Quantos alunos participaram das aulas de apresentação: 25 i) Quantos buscaram auxílio no tutorial do fórum: 12 j) Quantos leram o texto de apoio sobre o tema do fórum: 28 k) Quantos leram o Netiquetas disponível para orientação? 28. Partir para o terceiro tema foi bem menos complicado, pois os participantes já estavam familiarizados com o processo e ambiente. O tema Convergência digital contou com 03 vídeos de apoio, pesquisa livre e o seguinte texto de apoio: Educação e sociedade da informação Pereira (2005) Segundo o autor (2005. p.18)

17 179 [...] a palavra digital quando referenciada no mundo computacional, tem sentido amplo, seja ela escrita, falada ou visual. Desse modo, quando falamos em convergência digital, estamos tratando de uma grande rede convergida, isto é, o computador comunicando-se com o telefone celular, DVD, televisão, maquinas fotográficas, câmeras e rádio. Figura 7 Exemplo de um ambiente de dispositivos convergentes Fonte: A utilização destes meios flexibilizam a informação e a comunicação. Esta flexibilização atinge de diversas maneiras os indivíduos que fazem parte dela, pois é sabido que vivemos mudanças graduais, mas que nem todos os indivíduos estão incluídos no processo, ou seja, possuir um computador, um telefone ou outro recurso digital não significa nada se não formos capacitados para a utilização destas ferramentas, que conduzem a um turbilhão de informações. Dessa forma, apropriar-se do que oferece a convergência digital é de suma importância, pois é necessário aprender a processar estas informações e torná-las em conhecimentos útil e significativo para nossas vidas.

18 180 Figura 8 Resposta de um participante do fórum. Fonte: Fórum Prof jaqueline Na avaliação final deste tema, tivemos os seguintes resultados: a) Esqueci o login e a senha: 0 b) Achei difícil a Interface gráfica: 05 c) Não sabia que fazia parte do processo de avaliação bimestral: 0 alunos d) Gostei muito da atividade proposta: 25 alunos e) Não tive tempo: 0 alunos. f) Disponibilidade do professor por ou fórum: 28 g) Quantos alunos solicitaram ajuda para o professor: 06 h) Quantos leram o texto de apoio sobre o tema do fórum: 28 i) Quantos alunos participaram das aulas de apresentação: 27

19 181 CONSIDERAÇÕES FINAIS: Na verdade, este relatório na forma intencional que se apresenta, contou com várias funções: retomada reflexiva sobre a ação desenvolvida, organização das ideias por meio da palavra escrita, exposição da experiência, do objetivo, dos temas e habilidades e competências a serem desenvolvidas com a situação de aprendizagem compatível com a abordagem pedagógica e o plano de ensino do curso. Deste ato reflexivo, ou seja, um momento de avaliação sobre uma atividade proposta e concebida, percebemos os aspectos positivos e negativo, os momentos significativos, as arestas que poderíamos ter cortado e acertado. Neste momento observamos: 1. Não podemos esquecer que a atividade proposta aos alunos apresentava estratégias da EAD. Portanto, cabe lembrar que o curso de Letras tem o formato presencial. 2. Desse modo, mesmo com as aulas pré-definidas para o desenvolvimento da atividade extraclasse, o aluno permaneceu em constante contato com o professor por meio de s e aulas presenciais que aconteciam uma vez por semana durante todo o ano letivo de Isto significa que, mesmo em aulas com propósitos diferentes, se surgissem dúvidas sobre o fórum os alunos tinham a oportunidade de colocarem suas dificuldades para o professor. Portanto, o encontro com o professor acontecia diariamente, facilitando o entrosamento com a atividade proposta. Outro facilitador encontrava-se na presença diária dos alunos em sala de aula. O curso de letras recebe alunos de diversas cidades vizinhas, todavia tratando-se de um curso presencial os alunos inevitavelmente se encontram todos os dias na sala de aula e a troca de informações acontece com muita facilidade. 3. A atividade foi intencional, isto é, planejada e imposta aos alunos. A clareza deste procedimento aparece quando ligamos a atividade a um instrumento de avaliação bimestral, tornando-se assim obrigatória. 4. Percebemos que, no primeiro momento, 49% dos alunos se mostraram participantes e sujeitos de seu próprio processo de aprendizagem e 51% dos alunos

20 182 foram incapazes por um motivo ou outro de serem gestores do seu processo de aprendizagem. Há uma cultura do pronto e acabado. Não há o hábito de buscar respostas e solucionar problemas, ler a tela do computador, tutoriais e textos. Estes aspectos foram trabalhados arduamente no decorrer dos outros temas. 5. O medo da ferramenta computacional apresentou-se como um fator considerável. Conhecer as ferramentas e técnicas essenciais para manipular um computador e navegar na rede são requisitos necessários para colocar a máquina a seu serviço. Só trabalhamos bem com algo que conhecemos e entendemos. Desse modo, o suporte para esta dificuldade acompanhou todo o projeto. 6. Muitas vezes o aluno direcionava a sua resposta somente para o professor, portanto, a tarefa estava cumprida e a nota estava garantida. Deste modo, a atividade resumia-se a perguntas e respostas ou um trabalho instrucional numa dinâmica um-aum. O objetivo do fórum como uma rede colaborativa de aprendizagem exige uma outra postura dos participantes, ou seja, a interação todos-todos, dinâmica esta que viabiliza e da sentido ao trabalho virtual. A interação entre os participantes e o professor foi um foco de discussão nas avaliações finais de cada tema. Após estas reflexões, que nos possibilitou um olhar mais aguçado sobre o desenvolvimento e resultados da atividade proposta chegamos as seguintes conclusões: 1. O trabalho em um ambiente virtual tem que ser acompanhado pelo professor. O aluno dá prioridade para aquilo que lhe é cobrado. Isto é justo. Propor qualquer atividade para alunos, seja presencial ou virtual, que não haja nenhuma devolutiva, torna o trabalho aborrecido, desprovido de objetivo e solitário. Toda proposta de trabalho caminha em via de mão dupla. Portanto, não teremos alunos críticos, autônomos, criativos e motivados se o professor não desempenhar, de fato, seu papel de orientador/mediador/facilitador. 2. Cada individuo tem seu tempo e maneira de aprender. É preciso estar atento a esta demanda. A objetividade e a clareza do que está sendo exposto, uma atividade ou um novo trabalho é o primeiro passo para que o aluno se interesse e se sinta motivado para a aprendizagem. Desse modo, a credibilidade oferecida ao aluno, a disponibilidade

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO COMPUTADOR EM ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DESENVOLVIDAS NO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DA ACEG FAHU: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

UTILIZAÇÃO DO COMPUTADOR EM ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DESENVOLVIDAS NO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DA ACEG FAHU: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO. O presente texto discute as Tecnologias da Informação e Comunicação na educação.

AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO. O presente texto discute as Tecnologias da Informação e Comunicação na educação. AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO Maria Auxiliadora Marques Vasconcelos 1 Deize, Fabíola, Francielle, Jucely, Luciana, Priscila, Rosângela, Suzana 2 RESUMO O presente texto discute

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Sumário Apresentação O papel do Aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Dúvidas 3 5 6 9 10 11 14

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SOB A ÓTICA CONSTRUTIVISTA: UMA ANÁLISE DO CURSO DE TURISMO DA CATÓLICA VIRTUAL. Brasília DF, 05/2014

A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SOB A ÓTICA CONSTRUTIVISTA: UMA ANÁLISE DO CURSO DE TURISMO DA CATÓLICA VIRTUAL. Brasília DF, 05/2014 1 A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SOB A ÓTICA CONSTRUTIVISTA: UMA ANÁLISE DO CURSO DE TURISMO DA CATÓLICA VIRTUAL Brasília DF, 05/2014 Camila Aparecida de Carvalho Universidade Católica de

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013)

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Questionamentos que devem ser enfrentados 1. Como você descreveria esse ambiente

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O USO DO BLOG NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Alline Olivia Flores Gonzalez Além (UEMS) alli_flores@hotmail.com A leitura do mundo precede a leitura da palavra, daí que a posterior leitura desta não possa

Leia mais

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO GUIA DO ALUNO Prezado(a) Aluno(a), O Guia do Aluno é um instrumento normativo que descreve os padrões de qualidade dos processos acadêmicos e administrativos necessários ao desenvolvimento dos cursos de

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB Introdução Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho Universidade Federal

Leia mais

FORMAÇÃO DE ORIENTADORES DE APRENDIZAGEM VIA WEB. Osasco, maio de 2009

FORMAÇÃO DE ORIENTADORES DE APRENDIZAGEM VIA WEB. Osasco, maio de 2009 1 FORMAÇÃO DE ORIENTADORES DE APRENDIZAGEM VIA WEB Osasco, maio de 2009 Márcia Risso Gaino Fundação Bradesco - mgaino@fundacaobradesco.org.br Acácio Lopes da Silva Fundação Bradesco alopes@fundacaobradesco.org.br

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

GUIA DO ALUNO EAD EAD DO GUIA ALUNO

GUIA DO ALUNO EAD EAD DO GUIA ALUNO GUIA DO ALUNO EAD GUIA DO ALUNO EAD Guia do Aluno Seja bem-vindo(a) às disciplinas EAD! Agora que você já está matriculado na disciplina online, chegou o momento de ficar por dentro de informações muito

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD!

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! MANUAL DO ALUNO MANUAL DO ALUNO Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! 1. APRESENTAÇÃO Preparado pela equipe da Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância (CEAD) da Universidade

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

CURSO ONLINE DE ESPANHOL PARA A EJA

CURSO ONLINE DE ESPANHOL PARA A EJA CURSO ONLINE DE ESPANHOL PARA A EJA Porto Alegre - RS - Maio 2012 Jozelina Silva da Silva UFRGS/ UAB SESI jozelinasilvadasilva@gmail.com Categoria: C Setor Educacional: 1 Classificação das Áreas de Pesquisa

Leia mais

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR)

ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) ÁREA DO PROFESSOR (TUTOR) 2- FÓRUM O fórum serve para avaliar os alunos através da participação na discussão sobre um ou mais assuntos, inserção de textos ou arquivos. Os fóruns de discussão compõem uma

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES - TELECENTROS.BR REDE NACIONAL DE FORMAÇÃO PARA INCLUSÃO DIGITAL

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES - TELECENTROS.BR REDE NACIONAL DE FORMAÇÃO PARA INCLUSÃO DIGITAL PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES - TELECENTROS.BR REDE NACIONAL DE FORMAÇÃO PARA INCLUSÃO DIGITAL PROGRAMANDO O FUTURO - POLO REGIONAL CENTRO-OESTE DA REDE NACIONAL DE FORMAÇÃO

Leia mais

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO PRESENCIAL: estudos preliminares e proposta de uma metodologia de implantação no CEFET-Bambuí Christiane dos Santos

Leia mais

A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR

A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR Gisele Mugnol Santos (PUCPR) Jayme Ferreira Bueno (PUCPR) RESUMO Este pôster expõe os principais tópicos de uma pesquisa

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES - TELECENTROS.BR

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES - TELECENTROS.BR PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES - TELECENTROS.BR REDE NACIONAL DE FORMAÇÃO PARA INCLUSÃO DIGITAL PROGRAMANDO O FUTURO - POLO REGIONAL CENTRO-OESTE DA REDE NACIONAL DE FORMAÇÃO

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem...

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem... 1 2 Sumário Bem Vindo... 4 A Disciplina de Dependência Interativa... 5 A Organização da Disciplina... 7 O Processo de Ensino e Aprendizagem... 10 Sua Semana no Curso... 11 O apoio local ao Ensino Semipresencial...

Leia mais

FAQ Estude Sem Dúvidas

FAQ Estude Sem Dúvidas FAQ Estude Sem Dúvidas Núcleo de Educação a Distância Faculdade Flamingo São Paulo Atualizado em: Outubro/2015 2 Estude sem dúvidas FAQ para os alunos de Pedagogia Presencial Caros alunos e alunas do curso

Leia mais

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD 1 Curso Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD Unidade I Material Instrucional - Texto 1. Introdução Qualquer que seja

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO Desenvolvido por: Patricia Mariotto Mozzaquatro SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO....03 2 O AMBIENTE MOODLE......03 2.1 Quais as caixas de utilidade que posso adicionar?...04 2.1.1 Caixa

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

PLATAFORMA WIGGIO E ENSINO DE LÍNGUAS: UMA PROPOSTA DE INTERAÇÃO NO AMBIENTE VIRTUAL. LOPES, Limerce Ferreira

PLATAFORMA WIGGIO E ENSINO DE LÍNGUAS: UMA PROPOSTA DE INTERAÇÃO NO AMBIENTE VIRTUAL. LOPES, Limerce Ferreira 1 Resumo PLATAFORMA WIGGIO E ENSINO DE LÍNGUAS: UMA PROPOSTA DE INTERAÇÃO NO AMBIENTE VIRTUAL LOPES, Limerce Ferreira Mestre em Letras e Linguística, Instituto Federal de Goiás/Câmpus Goiânia, limercelopes@hotmail.com

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Nos últimos anos, a educação a distância via telemática ganhou uma nova dimensão,

Leia mais

APRESENTAÇÃO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM EPIC

APRESENTAÇÃO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM EPIC APRESENTAÇÃO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM EPIC 01 AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA O AVA é o ambiente na internet no qual o aluno acessa todo o conteúdo pedagógico do curso. É o local de armazenamento

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com 1 USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com Sandra Regina Braz Ayres CEFAPRO/Sinop ayressinop@gmail.com RESUMO A proposição

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

Título: Guia do Aluno EAD Autor: Adriana V. Bassut Edição: Novembro 2009. Guia do Aluno EAD

Título: Guia do Aluno EAD Autor: Adriana V. Bassut Edição: Novembro 2009. Guia do Aluno EAD Título: Guia do Aluno EAD Autor: Adriana V. Bassut Edição: Novembro 2009 Guia do Aluno EAD Sumário SUMÁRIO...2 INTRODUÇÃO...3 METODOLOGIA...3 AULAS VIRTUAIS...4 INSCRIÇÃO...4 APROVAÇÃO...5 PRESENÇA...5

Leia mais

CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO TUTORIAL PARA TUTORES PLATAFORMA MOODLE OURO PRETO 2014 1 SUMÁRIO 1. PRIMEIRO ACESSO À PLATAFORMA... 03 2. PLATAFORMA DO CURSO... 07 2.1 Barra de Navegação...

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA 9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA Autor(es) MICHELE CRISTIANI BARION FREITAS Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO 1. Introdução A partir de ferramentas

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ NO SERPRO RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ NO SERPRO RELATO DE EXPERIÊNCIA PROGRAMA JOVEM APRENDIZ NO SERPRO RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 Belo Horizonte MG Abril 2012 Categoria: C Setor Educacional: 2 Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: H / Micro: O Natureza:

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

Manual do Moodle para alunos. Manual do Moodle para alunos. 29/Junho/2009. (Versão 1.0) Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1

Manual do Moodle para alunos. Manual do Moodle para alunos. 29/Junho/2009. (Versão 1.0) Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1 Manual do Moodle para alunos (Versão 1.0) 29/Junho/2009 Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1 O que é?... 3 Acesso... 4 Atualizando suas informações... 4 Enviando Mensagens... 5 Acessando os seus cursos...

Leia mais

Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimento

Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimento Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimento Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida O uso da tecnologia de informação e comunicação TIC - na escola carrega em si mesmo as contradições da sociedade

Leia mais

FLUÊNCIA TECNOLÓGICA DOS TUTORES NO MOODLE: POTENCIAL PARA O MONITORAMENTO DAS ATIVIDADES DE ESTUDO 1

FLUÊNCIA TECNOLÓGICA DOS TUTORES NO MOODLE: POTENCIAL PARA O MONITORAMENTO DAS ATIVIDADES DE ESTUDO 1 1 FLUÊNCIA TECNOLÓGICA DOS TUTORES NO MOODLE: POTENCIAL PARA O MONITORAMENTO DAS ATIVIDADES DE ESTUDO 1 Santa Maria RS - Abril 2012 Elena Maria Mallmann - UFSM elena.ufsm@gmail.com Daniele da Rocha Schneider

Leia mais

Formação de professores para docência online

Formação de professores para docência online Formação de professores para docência online uma pesquisa interinstitucional Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

Diretor Executivo Walter Teixeira dos Santos Jr. Diretor Acadêmico Júlio César Alvim. Coordenadora do NEaD Luciana Ulhoa

Diretor Executivo Walter Teixeira dos Santos Jr. Diretor Acadêmico Júlio César Alvim. Coordenadora do NEaD Luciana Ulhoa FACULDADE ÚNICA Diretor Executivo Walter Teixeira dos Santos Jr Diretor Acadêmico Júlio César Alvim Coordenadora do NEaD Luciana Ulhoa FACULDADE ÚNICA Caro aluno, Seja bem-vindo às Disciplinas Semipresenciais

Leia mais

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E DA INFORMAÇÃO: novos desafios para o educador Maceió AL, maio/2009 Luis Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas lpmercado@oi.com.br Categoria: B- Conteúdos e

Leia mais

Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Manual do Aluno

Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Manual do Aluno Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido Manual do Aluno Março 2009 Mensagem de boas-vindas! Caro cursista! Seja bem-vindo ao curso de Formação de Tutores.

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia do Ensino na Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo)

Leia mais

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem)

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) ead.clinicajulioperes.com.br Sumário navegável Como acesso o ambiente?... Como assisto aos vídeos?... Como preencher meu perfil?...

Leia mais

O software Visual Class e as novas possibilidades para o professor: relato de um experimento 1

O software Visual Class e as novas possibilidades para o professor: relato de um experimento 1 O software Visual Class e as novas possibilidades para o professor: relato de um experimento 1 Sandra H. Rodrigues 2 Fundação Joaquim Nabuco, Recife-PE Escola Superior de Marketing, Recife - PE Faculdade

Leia mais

LETRAMENTO DIGITAL: DIVERSAS FONTES DE CONSULTA, PRODUÇÕES E OS PRIMEIROS DADOS CONSTRUÍDOS PARA UMA REVISÃO DE LITERATURA 1

LETRAMENTO DIGITAL: DIVERSAS FONTES DE CONSULTA, PRODUÇÕES E OS PRIMEIROS DADOS CONSTRUÍDOS PARA UMA REVISÃO DE LITERATURA 1 LETRAMENTO DIGITAL: DIVERSAS FONTES DE CONSULTA, PRODUÇÕES E OS PRIMEIROS DADOS CONSTRUÍDOS PARA UMA REVISÃO DE LITERATURA Mariana Henrichs RIBEIRO (Universidade Federal de Juiz de Fora MG) Orientadora:

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Iolene Mesquita Lobato Universidade Federal de Goiás Comunicação Formação e profissionalização docente O presente trabalho

Leia mais

A MODALIDADE SEMIPRESENCIAL NA PERCECPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR

A MODALIDADE SEMIPRESENCIAL NA PERCECPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR Revista Digital Simonsen 174 Como citar: SERPA, Joyce. A modalidade semipresencial na percecpção dos alunos do ensino superior. In: Revista Digital Simonsen. Rio de Janeiro, n.3, Nov. 2015. Disponível

Leia mais

MANUAL PASSO-A-PASSO DISCIPLINAS ONLINE

MANUAL PASSO-A-PASSO DISCIPLINAS ONLINE MANUAL PASSO-A-PASSO OPERAÇÕES BÁSICAS DISCIPLINAS ONLINE BARBACENA 2015 1º Semestre Sumário Acessando o Ambiente Virtual de Aprendizagem - AVA... 4 Utilizando o Portal Acadêmico... 6 Avaliação de Desempenho...

Leia mais

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba 1 Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba Sílvia Helena Santos Vasconcellos 1 Resumo O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

MANUAL DO ALUNO Modalidade Semipresencial

MANUAL DO ALUNO Modalidade Semipresencial Faculdade CNEC Unaí MANUAL DO ALUNO Modalidade Semipresencial 2015 "Um fotógrafo não faz uma fotografia apenas com sua câmera, mas com os livros que leu, os filmes a que assistiu, as viagens que fez, as

Leia mais

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa², Idalci Cruvinel dos Reis³ ¹Pesquisa realizada por acadêmica

Leia mais

O AMBIENTE MOODLE COMO APOIO A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

O AMBIENTE MOODLE COMO APOIO A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 O AMBIENTE MOODLE COMO APOIO A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Aline Albuquerque Torres Maria Luzia Rocha da Silva UFAL aline.atorres@gmail.com mlrs1981@gmail.com RESUMO Este artigo discute a mediação do ambiente

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Modalidade Semipresencial

MANUAL DO ALUNO. Modalidade Semipresencial MANUAL DO ALUNO Modalidade Semipresencial 2015 "Um fotógrafo não faz uma fotografia apenas com sua câmera, mas com os livros que leu, os filmes a que assistiu, as viagens que fez, as músicas que ouviu

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS POR MEIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS POR MEIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS PEDAGÓGICAS POR MEIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO FUNDAMENTAL ¹Patrícia da Silva Olímpio Resumo O presente trabalho surgiu da necessidade de conhecer e compreender algumas práticas pedagógicas

Leia mais

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO Carlos Eduardo Rocha dos Santos Universidade Bandeirante Anhanguera carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

Guia Prático. Sistema EAD PRO-CREA

Guia Prático. Sistema EAD PRO-CREA Guia Prático Sistema EAD PRO-CREA Educação a Distância (EAD) Conheça a seguir algumas dicas de Netiqueta para uma convivência sociável e boas maneiras na web. Sugerimos fazer um teste para saber como você

Leia mais

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS Carlos Eduardo Rocha dos Santos, UNIBAN, carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line 1 2 A HIPOCAMPUS é uma empresa de consultoria em comunicação e ensino digital com foco nos profissionais de saúde. Estamos prontos a auxiliar empresas dos diferentes segmentos da área de saúde a estabelecer

Leia mais

A APRENDIZAGEM COLABORATIVA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ON-LINE

A APRENDIZAGEM COLABORATIVA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ON-LINE A APRENDIZAGEM COLABORATIVA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ON-LINE 171-TC-C3 Data de envio: 03/05/2005 Cristiane Luiza Köb Leite Pontifícia Universidade Católica do Paraná cristianekob@hotmail.com Marileni Ortencio

Leia mais

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet 57 Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet Hoje em dia ter a Internet como aliada é um recurso indispensável para qualquer educador ou responsável por treinamento corporativo que atue em qualquer

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres Escola de Enfermagem Ensino de Enfermagem em Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Heloisa Helena Ciqueto Peres Maria Madalena Januário Leite Claudia Prado hhcperes@usp.br marimada@usp.br claupra@usp.br

Leia mais

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO GUIA BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DA REDE COLABORATIVA Construçãoo de Saberes no Ensino Médio ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO CMRJ - 2010 2 LISTA DE FIGURAS Figura 01: Exemplo de

Leia mais

Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar

Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar Introdução Silvio Henrique FISCARELLI 1 I Adriana da Silva TURQUETTI 2 Saur (1995), no Primeiro Congresso Nacional de Informática Pública realizado

Leia mais

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA INTRODUÇÃO Silvane Santos Souza(UNEB/Lusófona) No contexto atual em que a educação encontra-se inserida, surgem muitas inquietações

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AS NOVAS TECNOLOGIAS E O PAPEL DO TUTOR NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AS NOVAS TECNOLOGIAS E O PAPEL DO TUTOR NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AS NOVAS TECNOLOGIAS E O PAPEL DO TUTOR NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Campo Grande MS abril de 2011 Ari Gonçalves Silva Universidade Anhanguera Uniderp laquicho13@yahoo.com.br

Leia mais

UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Sérgio M. Baú Júnior* e Marco A. Barbosa* *Departamento de Informática

Leia mais

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana O IDIE - Instituto para o Desenvolvimento e Inovação Educativa, especializado em

Leia mais

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA Maio de 2008 Marina Caprio Faculdade Interativa COC marinacaprio@coc.com.br Karen Bortoloti Faculdade Interativa COC bortoloti@coc.com.br Categoria

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

GUIA PARA ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

GUIA PARA ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM GUIA PARA ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Apresentação São inegáveis as contribuições que as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) apresentam para as inúmeras ações educativas, em seus

Leia mais

Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I)

Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I) Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I) Prof. Júlio Wilson Ribeiro, Dr. (DC/UFC) Prof. Gilson Pereira do Carmo Filho, MSc. (DC/UFC) Prof. Hermínio

Leia mais

MÚLTIPLOS PAPÉIS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E PRÁTICAS DE LETRAMENTO DIGITAL

MÚLTIPLOS PAPÉIS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E PRÁTICAS DE LETRAMENTO DIGITAL MÚLTIPLOS PAPÉIS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E PRÁTICAS DE LETRAMENTO DIGITAL Recife, 05/2009 Resumo Ivanda Maria Martins Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco (DEINFO-EAD/UFRPE) martins.ivanda@gmail.com

Leia mais