UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CLARA ALVES RODRIGUES PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM SITE COMERCIAL TURÍSTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CLARA ALVES RODRIGUES PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM SITE COMERCIAL TURÍSTICO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CLARA ALVES RODRIGUES PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM SITE COMERCIAL TURÍSTICO FLORIANÓPOLIS 2007

2 CLARA ALVES RODRIGUES PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM SITE COMERCIAL TURÍSTICO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Turismo Gestão Hoteleira da Universidade do Sul de Santa Catarina, como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Turismo. Orientador: Prof. Msc.Victor Henrique Moreira Ferreira FLORIANÓPOLIS 2007

3 Dedico este trabalho de conclusão de curso a todos que contribuíram de alguma maneira para a sua realização e a minha família que é a minha base em todos os momentos da minha vida.

4 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por me inserir em uma família tão especial, ao meu pai por seus apoios, conversas e incentivos, a minha mãe por ser um exemplo de mulher, amor, dedicação, força e vitória, aos meus avós por todo seu carinho e atenção, aos meus irmãos por sua douçura de criança, aos meu tios e primos, ao meu padrasto por seu afeto, ao meu namorado por fazer parte de momentos significantes em minha vida, aos meus amigos que transmitem boas energias e aos professores por seus ensinamentos, em especial ao Mestre Victor Ferreira por suas palavras sábias que motivaram sempre a seguir em frente.

5 RESUMO O presente trabalho de conclusão de curso tem como finalidade criar um site comercial turístico - e-commerce. Inserir na região do litoral catarinense um serviço inovador que sirva como um guia de experiências para uma demanda turística mais exigente, consciente daquilo que procura. Tem a finalidade de desenvolver o turismo, de forma mais organizada, atráves da personalização de serviços. Contando com a parceria de estabelecimentos que visem a satisfação de seus clientes e a qualificação de seus funcionários. Mostrar que o e- commerce é uma ferramenta prática, que poderá agregar valor ao turismo da região e expandir seu mercado a nível mundial, através de sua capacidade de distribuição imediata, contribuindo para a redução da sazonalidade e oferecendo oportunidades para que os recém formados na área e trabalhadores do setor turístico consigam remuneração digna da sua profissão. Por fim, serão mostrados alguns detalhes quanto ao funcionamento e organização da Eleve seus sentidos para alcançar seus objetivos. Palavras chave: Turismo. E-commerce. Marketing.

6 ABSTRACT The following paper aims at creating a commercial tourist website e-commerce. This site called Eleve seus sentidos (lift your feelings) aims at presenting an innovative service to the coastal region of Santa Catarina as means of providing an experience guide to a group of customers who demand high quality service and know exactly what they are looking for. The project aims at developing the tourism acitivity in the region in a more organized manner, through personalized and specialized services. This would take place by co-ordinatinatng with service providers which thrive for excellence in customer satisfaction and in the training of its internal employees. E-commerce is a very practical tool, which can bring together value for money in the tourist acitivities in the region and also allows the expansion of its reach to an international level through its capacity of ready and immediate distribution, contributing to a reduction in seasonal demand and also by offering opportunities to recent university graduates and tourism workers to receive fair wages in the industry. Finally, the paper will show how Eleve seus sentidos works in further details in order to achieve its objectives. Key word: Tourism. E-commerce. Marketing

7 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivos Geral Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA METOLOGIA APLICADA REVISÃO BIBLIOGRAFICA CONSIDERAÇÕES SOBRE O TURIMO E HOTELARIA Aspectos Turísticos e Hoteleiros Brasileiros Destaques do Turismo e Hotelaria em Santa Catarina O Turismo e a Hotelaria em Florianópolis MARKETING CONCEITOS Breve evolução histórica do Marketing Marketing Turístico e Hoteleiro A importância do Marketing nos dias atuais INTERNET: CONSIDERAÇÕES INICIAIS Relações comercias na Internet (E-COMMERCE) Modalidade de E-COMMERCE (B to B e B to C) PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM SITE COMERCIAL TURISTICO 58 HOTELEIRO. 3.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS INICIATIVAS EXISTENTES PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO LOGÍSTICA EXPERIÊNCIAS PLANO DE MARKETING CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO ORÇAMENTO VIABILIDADE CONSIDERAÇÕES FINAIS 84

8 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS ANEXOS ANEXO A Proposta Visant ANEXO B Relatório de documentos para abertura da empresa ANEXO C Estatísticas do E-commerce ANEXO D Proposta para linha ANEXO E Layout do site

9 17 Segundo a Organização Mundial de Turismo (2007), o Turismo compreende "as atividades que as pessoas realizam durante suas viagens e permanência em lugares distintos dos que vivem, por um período de tempo inferior a um ano consecutivo, com fins de lazer, negócios e outros." (WIKPÉDIA, 2007) Viajar faz parte da necessidade da Sociedade pós moderna, seja para sair de férias em busca de descanso, seja para buscar novos conhecimentos e experiências, ou desempenhar atividades profissionais em viagens de negócios. O ato de viajar se tornou mais viável com a evolução e aperfeiçoamento dos meios de transportes. O Turismo propriamente nasceu no século XIX como deslocamento cuja finalidade principal é o ócio, descanso, cultura, saúde, estudo, negócios ou relações familiares. Estes deslocamentos se distinguem por sua finalidade dos outros tipos de viagens motivados por guerras, movimentos migratórios, conquista, comércio, etc. (EMBRATUR, 2006) Thomas Cook, em 1841, organizou uma viagem de um dia partindo de Lancaster para Loughborug, reunindo 570 pessoas que iam participar de um congresso antiálcool e cobrou pelos seus serviços. Este simples fato criou o Turismo e o primeiro profissional de serviços de viagem (SENAC, 1998). A conseqüência desta iniciativa é o crescimento da indústria de alojamento e alimentação. O desenvolvimento da aviação comercial deu nova dimensão ao Turismo. Surgem os vôos charters (fretados) e as transportadoras aéreas passaram a exercer um papel fundamental no desenvolvimento turístico (ABIH, 2007). Com o desenvolvimento dos serviços de transportes, alojamento, alimentação e recreação passaram-se a reivindicar a profissionalização de quem presta estes serviços. Assim, surgiram escolas de hotelaria e turismo para qualificar os profissionais do mercado e atrair novos clientes. A indústria de viagens e turismo emprega uma em cada nove pessoas da população ativa à escala mundial e gera interesse em praticamente todos os países mais ricos do mundo, preocupados em aproveitar os benefícios econômicos e sociais a favor de sua população. O crescimento da indústria do turismo depende ainda do poder público eliminar as barreiras administrativas e adotar medidas favoráveis ao seu desenvolvimento sustentado. (ETUR, 2007). O crescimento do turismo vem se tornando cada vez mais importante, é a maior indústria do nosso tempo e a que cresce mais depressa no mundo, impulsionando o desenvolvimento econômico de muitas cidades, gerando milhares de empregos. O turismo que

10 18 antes era uma atividade elitista, hoje é cada vez mais abrangente em níveis sociais. As pessoas buscam cada vez mais se afastar das tensões da vida moderna, excessiva concentração populacional e desgaste da vida profissional e social intensa em ambientes agitados, aguçam suas curiosidades pelo desconhecido, e buscam entretenimento e emoções (FERREIRA, 2003). Essa fuga passa a ser fundamental para o desenvolvimento do turismo, que abre suas portas em diversos segmentos, aumentando seus atrativos, oferecendo novos serviços, visando não só atender, mas superar as expectativas de seus clientes. A oferta turística global deverá adequar-se permanentemente as realidades e exigências da procura turística que se encontra em constante mutação, caso contrário serão esmagados Aspectos Turísticos e Hoteleiros Brasileiros No período colonial, os viajantes se instalavam em casas grandes, localizadas nas fazendas, nos engenhos, nos casarões das cidades, conventos e, principalmente, na beira das estradas em ranchos erguidos pelos proprietários construídos ao lado de estabelecimentos rústicos dos quais os proprietários forneciam alimentos e bebidas no mesmo local (DUARTE, 1996). No século XVIII começaram a surgir na cidade do Rio de Janeiro as estalagens/hospedarias ou casa de pasto, que disponibilizavam alojamento aos viajantes, hóspedes dos futuros hotéis. No início a casa de pasto subsidiava refeições a preço fixo, com o passar do tempo surgiram necessidades de abrigo, os proprietários ampliam seus negócios e passam a oferecer quartos de dormir. Após este período, as casas de pasto são transformadas em pioneiros hotéis implantados nas grandes capitais (FERREIRA, 2003). O marco na Hotelaria brasileira foi a inauguração, na cidade de São Paulo, do Hotel Terminus, com mais de 200 quartos. Posteriormente em 1923 o moderno Hotel Esplanada com 250 apartamentos, sendo ponto de encontro da elite paulistana (DUARTE, 1996). O desenvolvimento da hotelaria em São Paulo decorreu ao engajamento com o Turismo de negócios, para a hotelaria carioca não foi diferente. O Rio de Janeiro a capital do Brasil na época, passou a ganhar fama em nível internacional devido às inúmeras belezas naturais. Seu marco na hotelaria foi o famoso Copacabana Palace, cuja construção contribuiu

11 19 de forma decisiva para colocar a cidade em evidência como pólo turístico de lazer (FERREIRA, 2003). No ano de 1922, inaugura o nomeado, e, até hoje, um dos mais reconhecidos do Brasil, Hotel Glória, com 700 apartamentos. Na década de 1940, graças ao incentivo dos governos estaduais, ocorre um momento de desenvolvimento na hotelaria brasileira, quando são construídos hotéis-cassinos (ABIH, 2007). Parque Balneário, em Santos; Grande Hotel de Poços de Caldas; Grande Hotel Araxá e o Grande Hotel São Pedro, em Águas de São Pedro. Todos marcaram época pelas suntuosas edificações e pela animação. De todos, somente o Grande Hotel São Pedro foi restaurado e ocupa lugar importante nos mercados de turismo de lazer e convenções. Este hotel abriga a maior escola de hotelaria da América Latina (DUARTE, 1996, p.18). Em 1946, com a proibição dos jogos de azar, os cassinos foram fechados e, conseqüentemente a maioria dos hotéis vinculados acabaram fechando suas portas. Em 1966, é criada a EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo, que juntamente com a FUNGETUR Fundo Geral do Turismo atuam através de incentivos fiscais na implantação de novos hotéis, proporcionando uma nova fase da hotelaria brasileira, principalmente os hotéis mais luxuosos (FERREIRA, 2003). É importante ressaltar que nos últimos anos, redes internacionais de hotéis vêm promovendo uma política mais sistemática para ampliar sua participação, competitividade e aumento da qualidade no mercado brasileiro. (FERREIRA, 2003) Sua evolução e sua perspectivas de crescimento acompanham uma tendência largamente verificada em todos os ramos de negócios e setores a qualificação e especialização dos serviços prestados. Por tudo isso, a hotelaria tem merecido destaque no cenário turístico. (DUARTE, 1996, p.15). Em razão de sua enorme dimensão geográfica, o Brasil possui uma grande variedade de climas, que permite uma exploração turística muito variada. Assim as atividades turísticas encontradas no Norte e Nordeste são bem diferentes daquilo que encontramos no Sul e Sudeste, pois cada região mantém suas características e costumes. No Brasil a atividade turística organizada ainda é muito recente, tendo que sofrer muitas melhorias para se adequar ao mercado internacional. Mas se pode dizer que o turismo no Brasil já construiu seus alicerces, movimentando diversos setores da economia nacional, entre eles estão, as agências de turismo, transportadoras turísticas, alojamento, alimentação, transporte, aluguel de automóveis, atividades recreativas e outros. Sabe-se que a atividade

12 20 turística tem o fator multiplicador fazendo com que vários segmentos se estabeleçam e conseqüentemente contribuam com o aumento do mercado de trabalho. Segundo Castelli apud Ferreira (2003) A Conferência das Nações Unidas realizada, em 1963 determinou que cabe as organizações nacionais estimular e coordenar as atividades nacionais referentes ao turismo. Recomendou que fossem dados aos organismos de turismo as competências e meios necessários para que pudessem agir eficazmente em prol do desenvolvimento e promoção do turismo nacional e internacional. Compreende-se por Organismo Oficial do Turismo instituição suprema em matéria de turismo, que tem como missão: formular, orientar e executar a política turística geral do país. Atualmente, a maioria dos países possuem organizações oficiais do turismo, sendo que elas se fundamentam em três concepções: Organizações estatais: Argentina, França, Espanha, Itália, Brasil, etc. Organizações mistas: Dinamarca, Suiça, Suécia, etc. Organizações privadas: Áustria, Alemanha, etc. No caso do Brasil, contamos hoje com o Ministério do Turismo, e subordinado a ele, está o Instituto Brasileiro de Turismo EMBRATUR, e órgãos estaduais e municipais que geralmente são vinculados a outros setores. Em nível estadual e municipal não há nenhuma regra que determine os organismos oficiais do turismo, por exemplo para os estados, existem Secretarias de Turismo, Secretarias, Companhias Mistas, Companhias Mistas vinculadas à Secretaria de Indústria e Comércio. E a exemplo dos municípios os organismos responsáveis estão geralmente vinculados a outras secretarias, como Secretária Municipal de Educação, Cultura, Desporto e Turismo. Fato esse que acarretam problemas para o setor, pois para as secretarias vinculadas sempre existem prioridades, e o que será que vem primeiro? Educação, cultura, ou turismo? Essas prioridades fazem com que a atividade turística fique sempre num plano inferior. (FERREIRA, 2003) Outro fator complicador é o que diz respeito à descontinuidade politica em nosso país, a cada quatro anos ocorrem eleições e mudanças nos órgãos governamentais o que impede que se determinem metas a médio e longo prazo para a atividade turística. Além disso, devemos ressaltar outros aspectos importantes que implicam muito no desenvolvimento do turismo sustentável (equilíbrio entre o social, econômico e cultural).

13 21 a) A falta de interesse do poder público. Os cargos de chefia estão nas mãos de pessoas que na maioria dos casos não possuem formação acadêmica na área do turismo. b) A falta de criação de infra-estrutura (rodovias, saneamento básico, comunicação, eletricidade, etc). c) A falta de mão-de-obra qualificada, ainda não existe em nosso país profissional em nível superior, na área turística e hoteleira, capazes de suprir a demanda do mercado de trabalho e atender as constantes mutações da procura. d) A falta de visão e imediatismo do poder privado. e) E por fim, a falta de consciência da população. Nosso país possui ecossistemas únicos tais como a Amazónia, o Pantanal, o Cerrado e a Caatinga, oito mil quilómetros de litoral, serras e inúmeros parques, não existe ainda uma política nacional de turismo clara, muito menos um incentivo para se criar infraestrutura adequada para atender a demanda. Para que o crescimento não seja desordenado, afetando o meio ambiente, se faz necessárias leis, regulamentos, normas e a consequente fiscalização do turismo, visando o equilíbrio ambiental e os interesses económicos (FERREIRA, 2003). O Brasil é um país que tem muito que amadurecer no setor turístico, cabe o poder público e a iniciativa privada e aos profissionais de turismo cuidar desse nosso potencial para que a atividade turística seja feita de forma sustentável, e que realmente o turismo no Brasil possa melhorar a qualidade de vida da população e que se possa passar para os mais leigos uma consciência ambientalista para salvar o nosso planeta. O turismo só será aceito pelo povo se todos forem beneficiados e não uma parte da população, principalmente os grandes empresários. (FERREIRA, 2003) Existe ainda um longo caminho a ser percorrido para o turismo atingir o patamar almejado pelos profissionais do setor, no que se refere às receitas e, principalmente, à eficiência na prestação de serviços. No tópico a seguir serão apresentados os principais momentos do turismo e a hotelaria em Santa Catarina.

14 Destaques do Turismo e hotelaria em Santa Catarina O Estado de Santa Catarina é considerado modelo de crescimento em equilíbrio, privilegiado por suas belezas naturais, de qualidade de vida, que reúne todas as quatro estações do ano, bem definidas; convivendo e crescendo em perfeita harmonia, dando exemplo de como a diversidade étnica pode contribuir para o desenvolvimento humano do Estado e em âmbito nacional (SANTUR, 2006). Santa Catarina possui infra-estrutura, com nomeadas redes hoteleiras, nas grandes e médias cidades e um crescimento considerável de hospedagem nos menores centros. Em todas as regiões cultiva-se a arte do bem-servir. Dos grandes hotéis aos pequenos estabelecimentos de administração familiar, encontra-se boa comida, hospitalidade e bons serviços (SANTUR, 2006). De acordo com o organismo oficial de turismo de Santa Catarina, SANTUR, o Estado está divido em oito regiões turísticas, sendo elas, a região do litoral norte, litoral centro, litoral sul, vale europeu, região das serras, região do meio oeste, região caminho dos príncipes e região oeste do estado. A maior parte da concentração de empreendimentos hoteleiros, está concentrada no litoral, por ser a região mais atrativa do Estado, com exuberantes praias, que na temporada de verão atrai diversos turistas de toda a parte do Brasil. O litoral catarinense foi o pioneiro na fundação de empreendimentos hoteleiros, ou seja, Balneário Camboriú, através da iniciativa privada, inaugurou o Hotel Fischer, em 1957 (ABIH, 2007). O planalto serrano destaca-se pelo turismo rural, muito procurado no período de inverno (maio a agosto). Já no oeste do Estado, o forte são as estâncias hidrominerais, presentes também na Grande Florianópolis e no sul do Estado. O Vale Europeu, de cultura germânica e italiana, também conhecido como o Vale do Itajaí oferece o tradicional atrativo que são as "festas de outubro", entre elas, Oktoberfest (Blumenau), Marejada (Itajaí) e Fenarreco (Brusque). Estas festas levam para a região um fluxo considerável de turistas, que vem de várias regiões do país e até do exterior, deixando os meios de hospedagem com uma expressiva taxa de ocupação. A região "caminho dos príncipes" inclui, Joinville, Jaraguá do Sul, São Bento do Sul entre outras, a qual destaca-se por ser importante pólo econômico do Estado, produzindo, principalmente, eletromotores como: Weg, Tigre, Malhas Malwee. Esta região atrai também por seus famosos eventos, como: Festa das Flores e Festival de Dança de Joinville. Os hotéis

15 23 de Joinville trabalham em geral com turismo de negócios durante a semana e em finais de semana sempre é possível encontrar promoções que atraem bastante aos turistas. Não menos importante, o Balneário Camboriú é também um pólo de concentração de turistas na temporada de verão. Na capital de Santa Catarina, o hotel pioneiro foi construído em 1978, chamado Hotel Canasvieiras, com 11 unidade habitacionais. Com o grande potencial turístico do Estado de Santa Catarina, grandes cadeias hoteleiras nacionais e internacionais estão com as atenções voltadas para o Estado. Há três anos o segmento contava com a marca de cinco estabelecimentos de rede, segundo ABIH Associação Brasileira da Industria de Hotéis seccional de Santa Catarina: No final de 2000, de cinco estabelecimentos de rede, subiu para vinte e um. A participação é tímida se comparada ao total de 1,5 mil empreendimentos, entre hotéis, resorts, pousadas, hotéis fazenda, albergues, nos quais predominam os estabelecimentos de médios porte, com administração familiar (FERREIRA, 2003). O turismo da melhor idade tem se destacado e ocupado um espaço cada vez maior em Santa Catarina; quem tem condições econômicas não quer ficar em casa. Na Europa esta atividade já acontece e, no Brasil tem se detectado o crescimento na taxa de ocupação. Há cinco anos a participação da terceira idade era quase inexistente e, hoje representam uma parcela significativa no trade turístico e conseqüentemente nos empreendimentos hoteleiros (FERREIRA, 2003). O crescimento geral do turismo catarinense, todos os tipos de hospedagem terão um bom desempenho nos próximos cinco anos. Do ponto de vista da composição do segmento, é previsível que a participação no mercado turístico de Santa Catarina será, até 2011: - de 80 a 90% pela hotelaria independente e redes hoteleiras; - e de 10 a 20% pelos meios informais de hospedagem. Os meios informais de hospedagem (aluguel de casas, casas de amigos, etc) continuarão sendo utilizados, e em medida crescente: este tipo de hospedagem, de fato, crescerá em todo o Estado (DE MASI E STEFANO, 2007). O menor estado do Sul do Brasil, situado entre os estados do Paraná e do Rio Grande do Sul, é um dos mais ricos e promissores estados brasileiros, notável exportador de

16 24 pescados, grande fabricante de cristais, malhas, vinhos, produtos industriais de qualidade, artesanatos, produtos siderúrgicos e também parte integrante do roteiro turístico nacional. Suas características naturais bastante diversificadas atraem diferentes tipos de turistas, tanto turistas internos quanto externos, vindos principalmente do Uruguai, Paraguai e Argentina. Neste pequeno estado de ,9 Km 2, o turismo cresce a cada temporada, seja ela no verão, quando os turistas procuram o litoral catarinense, no inverno, quando visitam os vales e as serras, serras estas que se cobrem de neve durante a estação mais fria do ano, ou ainda, a temporada que dura o ano inteiro em que a procura é grande pelas estâncias termais (FERREIRA, 2003). Santa Catarina é dividida em oito regiões, todas com características naturais, étnicas e históricas diferentes, com povos e tradições diversas e que atraem um número cada vez maior de turistas para o estado que impulsionam a sua economia. O litoral catarinense ocupa 500 Km, com mais de 500 praias que perfazem este litoral de relevo recortado por lagoas, enseadas, dunas, baías, manguezais, lagunas e pequenas ilhas. E ainda, no litoral de Santa Catarina concentra-se uma importante área de biodiversidade marinha do Brasil. A influência açoriana é bastante evidente nos traços e na cultura da população desta região, vivenciados nos tempos atuais, no dia-a-dia, nas festas religiosas que ocorrem, por serem tradicionais, anualmente, como a Festa do Divino, a Procissão do Senhor Morto e a Procissão de Nosso Senhor dos Passos, na farra-do-boi, no boi de mamão, na ratoeira, no Pãopor-Deus, nas histórias e causos que falam do desconhecido, de assombração e feitiçarias, na cultura que também é forte no artesanato, com a confecção das rendas de bilro, nas tarrafas feitas pelos pescadores e os trabalhos dos oleiros, além do artesanato. Outra demonstração de apego às tradições está na culinária com comida típica feita especialmente com frutos do mar que pode ser apreciada em vários restaurantes desta região (FERREIRA, 2003). As principais cidades desta região são: Florianópolis (capital do estado), Laguna, Balneário Camboriú, São Francisco do Sul e Itajaí. Quem busca o litoral, geralmente no verão, são pessoas que procuram diversão, praias, são os chamados turistas de massa. E é também no período de férias e festas que a região é mais visitada. A região nordeste do Estado de Santa Catarina tem como principal característica natural as densas florestas da Serra do Mar e as águas da Baía de Babitonga.

17 25 As principais cidades da região nordeste são: Jaraguá do Sul e Joinville, sendo que esta é a maior cidade do Estado de Santa Catarina. O turismo desta região destaca-se frente ao ecoturismo, praticado em todas as épocas do ano. Outra região catarinense bastante procurada devido às belezas naturais é o Vale do Itajaí, onde sua paisagem composta de rios, morros, matas e cachoeiras é um atrativo bastante rico para os ecoturistas. Dentre as principais cidades desta região, destacam-se: Blumenau, Gaspar, Pomerode, Indaial, Brusque e Rio do Sul. Os principais turistas que procuram a região do Vale do Itajaí são pessoas que buscam esportes de aventura, ecoturistas e pessoas que objetivam conhecimento de novas culturas. O planalto norte é uma região com características naturais bastante parecidas com as citadas acima. Cachoeiras, rios, serra e matas fazem parte das belezas naturais da região. A exploração das terras desconhecidas do planalto norte catarinense teve um aumento através da construção da estrada Dona Francisca que se transformou numa via de ligação entre o litoral catarinense e o planalto de Curitiba. (FERREIRA, 2003). As cidades mais importantes do planalto norte são: Rio Negrinho, São Bento do Sul, Corupá, Canoinhas, Mafra e Porto União. O turismo ecológico e de aventura é procurado o ano inteiro e, aos poucos, a implantação de novos hotéis fazenda, em algumas cidades, influencia a busca pelo turismo rural. Na região do planalto serrano, a região mais fria de Santa Catarina, localizam-se belezas naturais tipicamente procuradas por ecoturistas e pelo turismo rural, com predomínio da vegetação da mata atlântica, morros, cânions, cachoeiras e a serra do Rio do Rastro com suas curvas sinuosas que deixam todas as pessoas, que por ali passam, encantadas. A miscigenação na cultura da região do planalto serrano é marcante em todas as partes. (FERREIRA, 2003). O planalto serrano tem como sua alta temporada a estação do inverno, quando, em algumas cidades, o clima chega a menos de zero grau e até mesmo a nevar. E assim, atraindo inúmeros visitantes que buscam a neve sem precisar sair do país, sendo que, de acordo com Monteiro (1998, p.35) hotéis-fazenda espalham-se pela região, recuperando a vida simples do interior, o trato dos animais e as tradições que vieram do Sul.

18 26 As principais cidades do planalto serrano são: Lages, São Joaquim, Bom Jardim da Serra e Urubuci. A riqueza na biodiversidade das estâncias hidrotermais e dos cânions fazem do sul catarinense outra região com diversidade de belezas naturais. As cidades de maior importância na região são: Criciúma, Gravatal, Tubarão, Araranguá e Urussanga. Turistas que buscam integração com novas culturas, como apreciar os dialetos e as canções tradicionais, ecoturistas e viajantes que buscam as estações hidrotermais são os que mais procuram a região chamada de os Caminhos do Sul. Quem visita a região meio-oeste do Estado de Santa Catarina se encanta com as suas verdes colinas e morros. Os principais municípios são: Videira, São Joaquim, Caçador, Treze Tílias, Curitibanos, Fraiburgo e Campos Novos. Por ser bastante certa a mistura de raças e povos nesta região, os turistas que buscam conhecer novas culturas e tradições, sem precisar sair do Brasil, encontram isso no meio oeste do estado em questão. Já na região oeste do Estado de Santa Catarina, as colinas merecem destaque. Esta região também é conhecida como o celeiro de Santa Catarina, pois boa parte da produção de grãos, aves e suínos brasileiros tem origem na região oeste. Suas principais cidades são: Chapecó, Xanxerê, Concórdia e São Miguel do Oeste. Além das belezas naturais e da acentuada miscigenação das mais variadas culturas étnicas, o estado de Santa Catarina também é marcante pelo circuito de festas que ocorrem anualmente, durante o mês de outubro, que são as conhecidas Festas de Outubro. Afinal, segundo Monteiro (1998, p. 37), o povo de Santa Catarina, multifacetado étnica e culturalmente, possui uma característica em comum: o gosto pelas festas. São dez festas que animam turistas vindos de todo o Brasil neste período. O roteiro destas festas começa com a Oktoberfest, a maior e mais famosa de todas, reunindo anualmente mais de 500 mil pessoas. A Oktoberfest, ou simplesmente Oktober, é uma das festas mais populares de todo o Brasil, foi inspirada na Oktoberfest de Munique, na Alemanha. Acontece todos os anos na cidade de Blumenau e é a segunda maior festa do chope do mundo, perdendo apenas para a tradicional Oktoberfest de Munique. Esta é uma festa regada a muita cerveja, mas que também é culturalmente rica, na qual o folclore, a memória e a tradição do povo alemão da cidade de Blumenau são ressaltados e revelados através da música, da dança, da gastronomia típica e dos trajes característicos ostentados

19 27 orgulhosamente por inúmeras pessoas, na maioria descendentes de alemães (FERREIRA, 2003). A Fenarreco acontece na cidade de Brusque e leva milhares de turistas para apreciar o prato típico alemão que deu nome à festa, o marreco, preparado das mais diversas maneiras, sendo que o mais conhecido é o marreco com repolho roxo, ou Ente mit Rotkohl. Junto com o prato alemão é serviço chope gelado. Marejada. Única festa açoriana que ocorre no município de Itajaí. Seu nome teve origem na palavra usada por pescadores para designar o movimento do vaivém das marés. A festa tem atrações culturais tipicamente portuguesas, comidas típicas à base de frutos do mar e exposições de indústrias do setor pesqueiro. Em Joinville acontece a Fenachopp, Festa Nacional do Chope, que reúne as culturas alemã, norueguesa e suíça. É distribuído chope de graça diariamente pelo carro de chope, Choppwagen, e há o Concurso Nacional de Tomadores de Choppendúzia. A Tirolerfest, Festa Tirolesa, acontece na cidade de Treze Tílias. Nesta festa, a cultura e as tradições austríacas são evidenciadas por meio dos cantos e da danças herdados pelos camponeses do Tirol, além de bandas vindas da Áustria especialmente para o evento. Schützenfest, ou Festa dos Atiradores, também é uma festa alemã regada a chope e comidas típicas, que ocorre na cidade de Jaraguá do Sul. Suas principais atrações são as competições esportivas de tiro-rei e tiro-rainha, em que os melhores atiradores são intitulados rei e rainha do tiro, além de desfiles e bailes animados por bandas alemãs da região. Do município de Timbó vem a Festa do Imigrante. Alemães e italianos são os donos da festa, que tem como principal característica a fartura de comida e bebida. Em Rio do Sul, acontece a Kegelfest, Festa Nacional do Bolão. Sua principal atração é o jogo de bolão, além do concurso de tomadores de chope no pino e a eleição da rainha e da princesa da festa. Em São Bento do Sul tem a Musikfest, ou Festa das Nações. Os grupos folclóricos, corais, cameratas e orquestras típicas e clássicas são o ponto forte da festa. Menor que a Oktoberfest de Blumenau é a Oktoberfest de Itapiranga, com clima mais rural, pois a cidade possui apenas 15 mil habitantes. Também com muito chope e concursos de tiro ao alvo e de chope em litro, os bailes animam os visitantes. Uma festa para quem busca um misto de diversão com tranqüilidade. E para atender a toda a demanda de atrações, sejam elas as festas, as belezas naturais ou a busca de conhecimento de novas culturas e tradições, o Estado de Santa Catarina dispõe de uma boa infra-estrutura em relação a vários estados brasileiros.

20 28 O portão de entrada mais utilizado no Estado é o rodoviário através da BR101 e BR116. O transporte rodoviário é usado, na maioria, por visitantes catarinenses, paranaenses e gaúchos, bem como por turistas vindos de países que fazem fronteira com Santa Catarina e com países vizinhos, como argentinos, paraguaios e uruguaios (SANTUR, 2006). O transporte marítimo também é utilizado para a entrada de turistas no Estado, através dos portos de Itajaí, São Francisco do Sul e Imbituba, que possuem boa infra-estrutura portuária para recebê-los. Além dos transportes rodoviários e marítimos, o transporte aéreo catarinense é bastante utilizado, sendo que na capital do Estado, Florianópolis, é que se concentra o melhor aeroporto de Santa Catarina, o Aeroporto Internacional Hercílio Luz. O potencial turístico catarinense é grande e tende a crescer a cada temporada. Os fatores geográficos e naturais, como serras, planícies, matas, rios, lagos, praias, etc, assim como o clima com estações bem definidas atraem um número crescente de pessoas que querem conhecer o Estado. Os fatores étnicos e culturais, bem como as tradições cultivadas pela miscigenação das raças e povos que habitam solos catarinenses incentivam a vinda de turistas que buscam novas culturas sem precisar sair do país de origem. (FERREIRA, 2003). Segundo De Masi e Stefano (2007) Santa Catarina correrá o risco, nos próximos anos, de destruir seu maior ativo: a qualidade do seu território (sobretudo no litoral). Isto será decorrente: - da fraqueza do sistema de saneamento frente à pressão humana durante o verão; - do crescimento urbano sem planejamento e sem limites; - do desmatamento. O fluxo turístico de Santa Catarina dependerá do que for realizado nos próximos anos. Sem fortes mudanças, permanecerão os mesmos grupos sociais, divididos em dois grupos: veraneio e o resto do ano. Haverá um aumento gradativo do turismo em Santa Catarina sendo que, a partir de 2010, a expansão será mais significativa devido a um incremento natural da importância do turismo como negócio e como responsabilidade social. O crescimento da demanda não levará somente vantagens, as consequências serão devidas às estratégias locais. Balneário Camboriú por exemplo, será prejudicado pela exploração imobiliária descontrolada e pela poluição. Atrairá, cada vez menos, turistas de alto padrão e se massificará, chegando a atingir níveis desastrosos de ocupação urbana (DE MASI E STEFANO, 2007). Nos próximos cinco anos, o desempenho dos segmentos turísticos será diferenciado, mas em medida bastante limitada. Esta tendência será devida à interdependência no desempenho dos diferentes segmentos que compõem o setor do turismo. Se a hotelaria

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

Introdução ao Marketing. História do Conceito

Introdução ao Marketing. História do Conceito História do Conceito O termo marketing, de acordo com Cobra (1988, p. 34) é uma expressão anglo-saxônica derivada da palavra mercari, do latim, que significa comércio, ou ato de mercar, comercializar ou

Leia mais

Festas de Outubro em Santa Catarina!!

Festas de Outubro em Santa Catarina!! ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS E HEPATITES VIRAIS Festas de

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

9º Lugar. População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB :

9º Lugar. População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB : População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB : per capita R$ 7.701,00 9º Lugar Principais distâncias: Goiânia: 154 km Brasília:

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

UMA. Publicação RIC EDITORA A MAIOR EDITORA DE SANTA CATARINA VERÃO 2014/2015 REVISTA 4ª EDIÇÃO

UMA. Publicação RIC EDITORA A MAIOR EDITORA DE SANTA CATARINA VERÃO 2014/2015 REVISTA 4ª EDIÇÃO UMA Publicação RIC EDITORA A MAIOR EDITORA DE SANTA CATARINA VERÃO 2014/2015 REVISTA 4ª EDIÇÃO DIVULGAÇÃO DE SANTA CATARINA Apresentação DA REVISTA SHOW ME é um produto inovador no mercado de Santa Catarina.

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

OPÇÕES DE TURISMO DURANTE A FEIRA EM JOINVILLE

OPÇÕES DE TURISMO DURANTE A FEIRA EM JOINVILLE OPÇÕES DE TURISMO DURANTE A FEIRA EM JOINVILLE Roteiro Turístico por Joinville Saída do Hotel e iniciando pelo Museu da Imigração, Rua das Palmeiras, Panorâmico nas Praças do Imigrantes, da Barca, Prefeitura

Leia mais

TURISMO EM SANTA CATARINA: AS BASES FÍSICAS E CULTURAIS

TURISMO EM SANTA CATARINA: AS BASES FÍSICAS E CULTURAIS TURISMO EM SANTA CATARINA: AS BASES FÍSICAS E CULTURAIS Eunice Assini da Silva 1. INTRODUÇÃO O estado de Santa Catarina objeto deste estudo, é o menor estado do Sul do Brasil. Com uma área de aproximadamente

Leia mais

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Contratantes: O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Tópicos da apresentação: Turismo Sustentável sob a Ótica da PSLN. Tópicos: I Informações gerais sobre a PSLN; II Diagnóstico

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

ROTEIROS TURÍSTICOS EM JOINVILLE

ROTEIROS TURÍSTICOS EM JOINVILLE O seu passeio personalizado ROTEIROS TURÍSTICOS EM JOINVILLE OPÇÃO 01 CULTURAL. -Museu da Imigração, Rua das Palmeiras, Panorâmico nas Praças do Imigrantes, da Barca, Prefeitura Municipal. Parque Zoobotanico,

Leia mais

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográfi cos GAROPABA

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográfi cos GAROPABA A Evolução da Mídia Exterior Dados Demográfi cos GAROPABA GAROPABA Considerada um paraíso à beira-mar, Garopaba possui praias de mar manso e também outras reconhecidas internacionalmente pela prática do

Leia mais

SANTA CATARINA EM CENA 2003

SANTA CATARINA EM CENA 2003 SANTA CATARINA EM CENA 2003 Com média de 19 pontos de audiência e 63% de share e grande repercussão junto ao público, o projeto Santa Catarina em Cena, levou para os lares catarinenses, no ano de 2002,

Leia mais

Portal Cidades Paulistas. Associe sua marca ao guia de cidades dirigido para quem quer conhecer, curtir e fazer negócios com São Paulo

Portal Cidades Paulistas. Associe sua marca ao guia de cidades dirigido para quem quer conhecer, curtir e fazer negócios com São Paulo Portal Cidades Paulistas Associe sua marca ao guia de cidades dirigido para quem quer conhecer, curtir e fazer negócios com São Paulo XIV FIPTUR Festival Internacional de Publicidade do Turismo e Ecologia

Leia mais

PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO INVERNO NA SERRA

PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO INVERNO NA SERRA PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO INVERNO NA SERRA INTRODUÇÃO A Serra Catarinense apresenta características únicas dentro do território brasileiro. Enquanto a grande parte do país vive um inverno bastante

Leia mais

TURISMO NÁUTICO GERADOR DE RIQUEZA MARTINHO FORTUNATO

TURISMO NÁUTICO GERADOR DE RIQUEZA MARTINHO FORTUNATO TURISMO NÁUTICO GERADOR DE RIQUEZA MARTINHO FORTUNATO Setembro de 2009 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. PENT (Plano Estratégico Nacional do Turismo) 3. TURISMO NÁUTICO NA EUROPA E NO MUNDO 4. O SECTOR EM PORTUGAL

Leia mais

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG)

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) SÉRGIO HENRIQUE DE CAMPOS ESPORTE 1 e ANA RUTE DO VALE 2 sergio_h13@hotmail.com, ana.vale@unifal-md.edu.br 1 Bolsista de iniciação científica

Leia mais

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT MISSÃO SEBRAE Missão: Ser uma organização de desenvolvimento, ética e séria, gerando alternativas de soluções para nossos clientes tornarem-se competitivos alinhados à sustentabilidade da vida. ÁREA DE

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 10,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO: %

DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 10,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO: % SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS 1 de 6 - mobilidade humana e OBJECTIVO: Identifica sistemas de administração territorial e respectivos funcionamentos integrados. O Turismo Guião de Exploração Indicadores sobre o turismo em Portugal 27

Leia mais

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO O Governo do Estado de Santa Catarina apresenta o Programa Catarinense de Inovação (PCI). O PCI promoverá ações que permitam ao Estado

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%)

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%) 3.9 Oferta Turística Para análise da oferta turística em Sergipe, o PDITS Costa dos Coqueirais apresenta a evolução da oferta turística no estado no período 1980-2000. Indica ainda o número atual de quartos

Leia mais

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE 1 O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE GUILHERME ALVES DE SANTANA, MICHELLY ELAINE DE OLIVEIRA CONCEIÇÃO & EVERTON MEDEIROS BEZERRA Introdução Devido

Leia mais

Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare

Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO CORPORATIVA E A FIDELIZAÇÃO DE SEUS PÚBLICOS ESTRATÉGICOS Vitor Roberto Krüger Gestão da Comunicação Empresarial e Relações

Leia mais

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira Lisboa, 5 de Julho 2012 Bruno Freitas Diretor Regional de Turismo da Madeira O Destino Madeira A Região Autónoma da Madeira (RAM) ocupa, desde

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS Eliminação de Barreiras à livre Prestação de Serviços Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Esquema 1. PORTUGAL- UMA ESPECIALIZAÇÃO COM

Leia mais

ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO TURISMO

ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO TURISMO ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO TURISMO Solange Marques Domingos da Silva 1, Pérsio D Oliveira Sandir 2 RESUMO: A necessidade emergente de práticas de lazer mais saudável, a tranqüilidade e o relaxamento

Leia mais

Centro Cultural e de Exposições de Maceió

Centro Cultural e de Exposições de Maceió Centro Cultural e de Exposições de Maceió Descrição Administrar, explorar comercialmente e desenvolver eventos culturais, de lazer e de negócios no Centro Cultural e de Exposições de Maceió, localizado

Leia mais

TRANSPORTE AEROVIÁRIO. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados!

TRANSPORTE AEROVIÁRIO. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados! TRANSPORTE AEROVIÁRIO Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados! Dentre os diferentes segmentos de transportes no Brasil, o que recebe menor atenção por parte das autoridades e, conseqüentemente,

Leia mais

turístico: a oferta e a demanda turísticas

turístico: a oferta e a demanda turísticas 2 Mercado turístico: a oferta e a demanda turísticas Meta da aula Apresentar os conceitos e o funcionamento do mercado turístico, especialmente a oferta e a demanda turística. Objetivos Esperamos que,

Leia mais

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO Turno: MATUTINO Currículo nº 9 Currículo nº 10 Reconhecido pelo Decreto Estadual n. o 5.497, de 21.03.02, D.O.E. de 22.03.02. Para completar o currículo pleno do curso superior

Leia mais

Estado de Santa Catarina

Estado de Santa Catarina Estado de Santa Catarina Santa Catarina é o vigésimo estado brasileiro com maior extensão territorial e o décimo primeiro mais populoso. Seus índices sociais estão entre os melhores do Brasil e do Continente

Leia mais

Estado de Santa Catarina

Estado de Santa Catarina Estado de Santa Catarina Santa Catarina é o vigésimo estado brasileiro com maior extensão territorial e o décimo primeiro mais populoso. Seus índices sociais estão entre os melhores do Brasil e do Continente

Leia mais

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS Tema 1: A América no mundo 1. Um continente diversificado A América possui grande extensão latitudinal e, por isso, nela encontramos diversas paisagens. 2. Fatores

Leia mais

A força do turismo ECONOMIA. por Ana Lygia Monteferrario Leite Pezco Pesquisa & Consultoria e Frederico Araujo Turolla FGV-EESP e ESPM

A força do turismo ECONOMIA. por Ana Lygia Monteferrario Leite Pezco Pesquisa & Consultoria e Frederico Araujo Turolla FGV-EESP e ESPM ECONOMIA A força do turismo O Brasil é descrito como país privilegiado pela existência de exuberantes recursos naturais, pelo clima agradável e pela cultura receptiva. Por si só, essas características

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2014 O SETOR HOTELEIRO BRASILEIRO APÓS A COPA Caio Sergio Calfat Jacob - ex-presidente da LARES (Latin American Real Estate Society)

Leia mais

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: "PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO

Leia mais

FÓRUM DE DESENVOLVIMENTO CÁCERES E REGIÃO POTENCIAIS TURÍSTICOS DA REGIÃO

FÓRUM DE DESENVOLVIMENTO CÁCERES E REGIÃO POTENCIAIS TURÍSTICOS DA REGIÃO FÓRUM DE DESENVOLVIMENTO CÁCERES E REGIÃO POTENCIAIS TURÍSTICOS DA REGIÃO Rosangela Cabral Rosa Lazarin Coord. Comitê Gestor Destino Indutor & Presidente do COMTUR Cáceres MT Servidora da Unemat VIDEO

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material.

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. O surgimento das Charqueadas e sua importância econômica Ogadofoiabasedaeconomiagaúchaduranteumlongoperíododahistória do Rio

Leia mais

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 QUALIDADE E EXCELÊNCIA DISNEY, UM EXEMPLO PARA HOTÉIS DE TODO O MUNDO Fábio Ricardo Barros da Silva Acadêmico do Curso de Turismo e Hotelaria

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO MTUR/DEAOT/CGQT Campinas, 20 de março de 2010 ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO POLÍTICAS DE INCENTIVO AO TURISMO NORMATIZAÇÃO DE CAMPINGS COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS REGISTRO

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial

AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial ALUNO(A): MATRÍCULA: NÚCLEO REGIONAL: DATA: / / QUESTÃO 1: Que escola de pensamento reúne aspectos

Leia mais

TRANSFORMANDO OPORTUNIDADES EM RESULTADOS:

TRANSFORMANDO OPORTUNIDADES EM RESULTADOS: TRANSFORMANDO OPORTUNIDADES EM RESULTADOS: O Médio Vale do Itajaí é uma das regiões mais desenvolvidas de SC. Um fator primordial para esse potencial econômico é a sua tradição industrial, que faz com

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Turismo de Negócios, Congressos e Eventos 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Visão, Acordos, Compromissos, Estratégias e Ações Porto Alegre,

Leia mais

Professor: Tiago Tripodi

Professor: Tiago Tripodi Professor: Tiago Tripodi Quando temos uma situação em que acontece o processo de troca, envolvendo desejo e necessidade de se obter um bem ou serviço, neste momento se realiza uma ação de marketing As

Leia mais

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - CCT CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS - CESA MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS TURÍSTICOS MPGNT ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

A cidade mais alema do Brasil

A cidade mais alema do Brasil O Projeto de Iniciação Turística Escolar - Pomerode foi desenvolvido e é executado pela turismóloga Priscila Romig, formada em 2004 pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB). Projeto patrocinado

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU 2014/2015 1- JUSTIFICATIVA O setor de eventos vem passando por uma grande reformulação. Dos eventos corporativos, hoje mais bem estruturados e com foco específico,

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Módulo 12 Segmentando mercados

Módulo 12 Segmentando mercados Módulo 12 Segmentando mercados Há alguns anos que os profissionais de marketing perceberam que não se pode atender todo o mercado com um único composto de produto. Nem todos os consumidores querem um carro

Leia mais

DESCRITIVO DE PASSEIOS

DESCRITIVO DE PASSEIOS DESCRITIVO DE PASSEIOS BEACH PARK Localizada 25 km de Fortaleza, está a praia de Porto das Dunas, onde fica o Complexo Turístico do Beach park, composto do maior parque aquático da América Latina, com

Leia mais

Carta de São Paulo 1º FEIRATUR Feira Nacional de Turismo Rural

Carta de São Paulo 1º FEIRATUR Feira Nacional de Turismo Rural Carta de São Paulo 1º FEIRATUR Feira Nacional de Turismo Rural No período compreendido entre os dias 16 e 19 do mês de setembro de 2004, realizou-se a Primeira Feira Nacional do Turismo Rural - 1º FEIRATUR,

Leia mais

www.idestur.org.br - info@idestur.org.br

www.idestur.org.br - info@idestur.org.br ROTEIROS PAULISTAS DE TURISMO EQUESTRE O Turismo Eqüestre que tem nos eqüídeos o principal atrativo ou, pelo menos, uma das principais motivações, já é reconhecido em diferentes países como um importante

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO DE VERÃO Balneário Camboriú Florianópolis - Imbituba

PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO DE VERÃO Balneário Camboriú Florianópolis - Imbituba PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO DE VERÃO Balneário Camboriú Florianópolis - Imbituba SUMÁRIO PESQUISA FECOMÉRCIO DE TURISMO DE VERÃO...3 Perfil do turista e avaliação do destino...4 Impacto econômico na

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela Planejamento Estratégico de Estrela 2015 2035 O planejamento não é uma tentativa de predizer o que vai acontecer. O planejamento é um instrumento para raciocinar agora, sobre que trabalhos e ações serão

Leia mais

Secretaria de Turismo da Bahia

Secretaria de Turismo da Bahia Secretaria de Turismo da Bahia Secretaria de Turismo do Estado da Bahia SETUR Sustentabilidade do Turismo na Zona Costeira UPB - 24 de março de 2009 Sustentabilidade do Turismo na Zona Costeira Para compreender

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE.

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. Autor: ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA E SÁ FILHO Introdução O Turismo de Eventos está em plena ascensão

Leia mais

A MUDANÇA DO PERFIL HOTELEIRO DE CURITIBA ANÁLISE DO PERÍODO 1920 A 2003

A MUDANÇA DO PERFIL HOTELEIRO DE CURITIBA ANÁLISE DO PERÍODO 1920 A 2003 A MUDANÇA DO PERFIL HOTELEIRO DE CURITIBA ANÁLISE DO PERÍODO 1920 A 2003 Erika Gisele Lotz. Universidade Tuiuti do Paraná e Faculdades Spei Curitiba R. General Aristides Athaide Jr. 414 apto. 308 Curitiba

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

Relatório de Categorização MTur - Ministério do Turismo Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa do turismo brasileiro

Relatório de Categorização MTur - Ministério do Turismo Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa do turismo brasileiro Relatório de Categorização MTur - Ministério do Turismo Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa do turismo brasileiro Parâmetros da consulta: SUL / Santa Catarina Resumo da Seleção

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa?

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa? Porque é que o Turismo é essencial para a Economia Portuguesa? 14 milhões de hóspedes Vindos do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Brasil, EUA Num leque de países que alarga ano após ano. 9,2 % do

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

Visite a Rota da Amizade. e viva. grandes experiências

Visite a Rota da Amizade. e viva. grandes experiências Visite a Rota da Amizade e viva grandes experiências A região da Rota da Amizade tem um grande potencial turístico e pequenas cidades que encantam os visitantes. Com a criação deste roteiro, Santa Catarina

Leia mais

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas O PERFIL DA CACHAÇA CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SETOR No mercado de cachaça, existem dois tipos da bebida: a caninha industrial e a cachaça artesanal de alambique. A primeira possui teor alcoólico de 38%

Leia mais

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográficos NAVEGANTES

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográficos NAVEGANTES A Evolução da Mídia Exterior Dados Demográficos NAVEGANTES JOINVILLE Jaraguá do Sul é a terceira economia de Santa Catarina e sede de algumas das maiores empresas do Brasil nos setores eletromecânico e

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM

Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM Data da divulgação do estudo 17/09/2015 CONTEXTO A consultoria Oxford Economics,

Leia mais

Ações com profissionais de turismo (Blogueiros e Agentes de Viagem) Fam Tours Press Trips Notícias

Ações com profissionais de turismo (Blogueiros e Agentes de Viagem) Fam Tours Press Trips Notícias Embarque na Viagem Seu portal de Turismo, Lazer, Entretenimento e Gastronomia. Media Kit Redes Sociais Palestras Viagens de inspeção Publicidade Difenciada Ações com profissionais de turismo (Blogueiros

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

L B O C A L I Z A R ÇÃO A S I L

L B O C A L I Z A R ÇÃO A S I L L O C A L I Z A Ç Ã O BRASIL L O C A L I Z A Ç Ã O B R A S I L B R A S I L NOVA REALIDADE 6º PIB DO MUNDO 5ª MAIOR ECONOMIA EM 2015 OLIMPÍADAS E COPA DO MUNDO U M P A Í S EM DESTAQUE SANTA CATARINA L O

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Histórico Quilombo era o local de refúgio dos escravos evadidos dos engenhos, os quilombolas, em sua maioria,

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Fam Tours Press Trips. Cliente Oculto

Fam Tours Press Trips. Cliente Oculto Embarque na Viagem Seu portal de Turismo, Lazer, Entretenimento e Gastronomia. Media Kit 2013 Notícias Fam Tours Press Trips Redes Sociais Publicidade Difenciada Projetos Especiais Perfil Cliente Oculto

Leia mais

Turismo de (bons) negócios. 26 KPMG Business Magazine

Turismo de (bons) negócios. 26 KPMG Business Magazine Turismo de (bons) negócios 26 KPMG Business Magazine Segmento ganha impulso com eventos internacionais e aumento da demanda interna Eventos mobilizaram mais de R$ 20,6 bilhões em 2011 A contagem regressiva

Leia mais

São Paulo. O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios. tsando@visitesaopaulo.com

São Paulo. O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios. tsando@visitesaopaulo.com São Paulo O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios São Paulo Convention & Visitors Bureau Fundação 25 de Janeiro Entidade estadual, mantida pela iniciativa privada. Captação e apoio

Leia mais