NOVAS TENDÊNCIAS NA AGRICULTURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOVAS TENDÊNCIAS NA AGRICULTURA"

Transcrição

1 Produtores de oliveiras e figueiras Produtores de hortícolas em hidroponia (NFT e NGS) Centro de jardinagem Criação e manutenção de espaços verdes Elaboração/acompanhamento de projectos agrícolas

2 OBJECTIVO DA APRESENTAÇÃO COMPONENTES - Hidroponia - Hidroponia NGS e NFT - Cuidados a ter - Pontos fortes e Pontos fracos RESUMO

3 HIDROPONIA Hidroponia consiste em cultivar as plantas sem solo, onde é fornecida uma solução nutritiva misturada com água e todos os nutrientes essenciais ao desenvolvimento da planta. A técnica pode ser empregada de várias formas, sendo as principais: exposição das raízes a uma lâmina de solução sobre uma bancada (NFT) ou uso de substrato inerte para a sustentação da planta (NGS), onde esta irá receber a solução nutritiva.

4 HIDROPONIA

5 Morangos hidroponia NGS (New Growing System) Maria Inês - Abrantes Várias formas de colocação 3 Tipos de Mangas Maria Inês - Abrantes

6 Morangos hidroponia NGS Maria Inês - Abrantes Maria Extratoplanícies Inês - Abrantes T. Novas

7 Morangos hidroponia NGS Hidrofrutos- Pombal Hidrofrutos- Pombal

8 Folhosas hidroponia NGS Plântula T. Novas Plântula T. Novas

9 NOVAS TENDÊNCIAS NA AGRICULTURA Folhosas Hidroponia NFT (Nutrient Film Technique)

10 Folhosas Hidroponia NFT

11 Folhosas Hidroponia NFT Berçarios e bancadas de acabamento

12 Folhosas Hidroponia NFT Nutrimondego - Coimbra

13 Folhosas Hidroponia NFT Plântula T. Novas

14 NOVAS TENDÊNCIAS NA AGRICULTURA Plântula T. Novas

15 NOVAS TENDÊNCIAS NA AGRICULTURA Folhosas Hidroponia NFT Plântula T. Novas

16 NOVAS TENDÊNCIAS NA AGRICULTURA Plântula T. Novas

17 NOVAS TENDÊNCIAS NA AGRICULTURA Plântula T. Novas Plântula T. Novas

18 NOVAS TENDÊNCIAS NA AGRICULTURA

19 NOVAS TENDÊNCIAS NA AGRICULTURA Estufa Cuidados a ter: Orientação Isolamento Área disponível Altura à caleira Aberturas zenitais Aberturas laterais Tecto duplo Tela no chão

20 NOVAS TENDÊNCIAS NA AGRICULTURA Central de rega Fig. 2 Fig. 1 Fig. 3

21 NOVAS TENDÊNCIAS NA AGRICULTURA Cuidados a ter: Análise química da água Análise da qualidade da água destinada à rega Existência de vários sectores de rega Dimensão dos tanques de retorno da solução Existência de Modem

22 PONTOS FORTES: Este sistema está adaptado a situações de forçagem (estufas). a) Alta densidade de plantação b) O reaproveitamento de águas residuais e nutrientes em excesso, diminui o desperdício e consequentemente os custos

23 c) A diminuição do consumo de água relativamente ao sistema tradicional em cerca de 70% d) A diminuição do consumo de fertilizantes relativamente ao sistema tradicional em cerca de 50% e) A diminuição da quantidade de operações culturais, com consequente diminuição de utilização de máquinas e equipamentos

24 f) Permitem a anulação da rotação cultural e a replantação pode ser imediata g) É um modo de cultivo adaptado à 4ª Gama (Folhosas) - Apresentação do produto - Higiene do sistema e do produto final (não entra em contacto com o solo) - Sabor - Poder de conservação em prateleira h) É um método de cultura com benefícios ergonómicos, com redução de custos na colheita

25 PONTOS FRACOS: a) Investimento inicial elevado b) Dedicação constante c) Necessidade de aquisição de conhecimentos

26 RESUMO Com estes sistemas obtêm-se: 1. Aumento de produtividade em relação ao sistema tradicional 2. A reutilização da água e fertilizantes diminui significativamente o impacto ambiental da produção

27 NOVAS TENDÊNCIAS NA AGRICULTURA CONTACTOS: Carlos Costa

Universidade do Algarve, Campus de Gambelas, Faro

Universidade do Algarve, Campus de Gambelas, Faro Cultura em substratos orgânicos de Gerberas Rosa, A., Costa, M., Monteiro, I., Reis, M., Silva, R., Caço, J. 3 e Osório, J. Direcção Regional de Agricultura do Algarve, Patacão, 800-904 Faro Universidade

Leia mais

CURSO SOBRE PRODUÇÃO DE MORANGO Cultivo em Semi-Hidroponia. Eng.-Agr. Luciano Ilha Eng.-Agr. Cristina Gadea EMATER/RS-ASCAR

CURSO SOBRE PRODUÇÃO DE MORANGO Cultivo em Semi-Hidroponia. Eng.-Agr. Luciano Ilha Eng.-Agr. Cristina Gadea EMATER/RS-ASCAR CURSO SOBRE PRODUÇÃO DE MORANGO Cultivo em Semi-Hidroponia Eng.-Agr. Luciano Ilha Eng.-Agr. Cristina Gadea EMATER/RS-ASCAR VI Seminário Brasileiro sobre Pequenas Frutas Vacaria/RS - 2011 Cultivo em semi-hidroponia:

Leia mais

Fertirrigação em hortaliças Eng. Agr. Carine Cocco Acad.: Djeimi Janisch

Fertirrigação em hortaliças Eng. Agr. Carine Cocco Acad.: Djeimi Janisch UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DEPARTAMENTO D FITOTECNIA CAPACITAÇÃO EM FERTIRRIGAÇÃO Fertirrigação em hortaliças Eng. Agr. Carine Cocco Acad.: Djeimi Janisch Fertirrigação

Leia mais

Hubel de Parceiro a Produtor Caso Prático de produção de Morango em Hidroponia. Margarida Mota 22 de Novembro 2012

Hubel de Parceiro a Produtor Caso Prático de produção de Morango em Hidroponia. Margarida Mota 22 de Novembro 2012 Hubel de Parceiro a Produtor Caso Prático de produção de Morango em Hidroponia Margarida Mota 22 de Novembro 2012 Apresentação Geral Hubel Verde Prestação e venda de serviços, produtos de engenharia e

Leia mais

ARBORICULTURA II. Manutenção do Solo 1ªParte

ARBORICULTURA II. Manutenção do Solo 1ªParte ARBORICULTURA II Manutenção do Solo 1ªParte 2004-2005 As técnicas de manutenção do solo Mobilização Solo sem vegetação Sem mobilização Herbicida total Orgânico Mulching Inerte Solo coberto Cobertura vegetal

Leia mais

MANUAL DO MODELO VEGETAL MICRO-TOM

MANUAL DO MODELO VEGETAL MICRO-TOM MANUAL DO MODELO VEGETAL MICRO-TOM CAPÍTULO 1: ESPECIFICAÇÕES DA CASA DE VEGETAÇÃO Lílian E. Pino & Lázaro E. P. Peres 1. CASA-DE-VEGETAÇÃO PARA CULTIVO DE MICRO-TOM A casa-de-vegetação é dividida em câmara

Leia mais

PNEUS CONCEBIDOS PARA OS DESAFIOS AGRÍCOLAS ATUAIS

PNEUS CONCEBIDOS PARA OS DESAFIOS AGRÍCOLAS ATUAIS P N E U S PA R A P U LV E R I Z A D O R E S A NOSSA CAPACIDADE DE CARGA. A SUA PERFORMANCE. PNEUS CONCEBIDOS PARA OS DESAFIOS AGRÍCOLAS ATUAIS Hoje em dia, os pulverizadores estão a evoluir a um ritmo

Leia mais

Plantas Aromáticas e Medicinais. Joaquim Morgado

Plantas Aromáticas e Medicinais. Joaquim Morgado Plantas Aromáticas e Medicinais Joaquim Morgado AIRV Viseu, 30 de Junho de 2011 www.ervital.pt bio@ervital.pt Empresa criada em 1997, tendo como actividade económica principal a produção, transformação

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais

Um exemplo, sem ser exemplar

Um exemplo, sem ser exemplar Um exemplo, sem ser exemplar Porquê vasos? Solução para um problema: Solo inadequado Como resolvemos fazer: Vasos de 50 litros, com 12 drenos (furos com broca 9) Substrato de granulometria fina, com: 70%

Leia mais

PLANTADOR DE BATATAS SEMI-MONTADO 4 CARREIRAS SK-4

PLANTADOR DE BATATAS SEMI-MONTADO 4 CARREIRAS SK-4 PLANTADOR DE BATATAS SEMIMONTADO 4 CARREIRAS SK4 Plantador de batatas semimontado, destinado à plantação de tubérculos e sementes de batata em corredores de 70,75, 90 cm, e em simultâneo faz a desinfeção

Leia mais

Formação e manejo de pastagem

Formação e manejo de pastagem Formação e manejo de pastagem Formação de pastagens Pastagens: áreas cobertas por vegetação nativa ou plantas introduzidas e adaptadas, que são utilizadas para o pastoreio dos animais Pastagem artificial

Leia mais

Seca. Vamos poupar água?

Seca. Vamos poupar água? Qualidade Vida C Â M A R A M U N I C I P A L Seca Vamos poupar água? Seca Vamos poupar água? A água é um recurso natural limitado e essencial à vida. A sua distribuição no planeta, e no nosso país, não

Leia mais

O Mercado de Folhosas: Números e Tendências. Steven Udsen

O Mercado de Folhosas: Números e Tendências. Steven Udsen O Mercado de Folhosas: Números e Tendências Steven Udsen Quem Somos Sociedade civil sem fins lucrativos, fundada em 1970, que representa, assiste, orienta e une empresas relacionadas à comercialização

Leia mais

Escola Secundária de Ponte de Lima Projecto de Estufa de Hidroponia

Escola Secundária de Ponte de Lima Projecto de Estufa de Hidroponia Introdução Centrado na problemática Ser criativo para, através de Projectos sustentáveis, melhorar, de forma directa ou indirecta, a qualidade de vida de comunidades locais carenciadas nasceu o nosso Projecto;

Leia mais

Lavagem copos standard - pequena

Lavagem copos standard - pequena A gama de máquinas de lavar Electrolux é produzida para os clientes com elevada procura em termos de eficiência, economia e ergonomia nas operações de lavagem. A gama de produtos engloba máquinas de lavar

Leia mais

Cultivo Protegido. Floricultura e Plantas Ornamentais. Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues

Cultivo Protegido. Floricultura e Plantas Ornamentais. Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues Cultivo Protegido Floricultura e Plantas Ornamentais Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues Cultivo Protegido Local de produção e cultivo de mudas, flores e plantas ornamentais envasadas! Escolha do

Leia mais

Colheita e armazenamento

Colheita e armazenamento 1 de 5 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Arroz Irrigado Nome Cultura do arroz irrigado Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Informações resumidas Resenha sobre a cultura

Leia mais

André Miguel Gestor de projecto

André Miguel Gestor de projecto André Miguel Gestor de projecto andre.miguel@cm-cascais.pt A Agricultura Urbana (AU) é a agricultura praticada no interior (agricultura intra-urbana) ou na periferia (agricultura periurbana) de uma localidade

Leia mais

Conceituar e discutir os benefícios e os prejuízos da utilização de transgênicos na

Conceituar e discutir os benefícios e os prejuízos da utilização de transgênicos na Transgênicos Objetivo da Aula agricultura. Conceituar e discutir os benefícios e os prejuízos da utilização de transgênicos na Organismos transgênicos ou Organismos Geneticamente Modificados (OGM) são

Leia mais

Eco new farmers. Módulo 1 - Introdução á agricultura biológica. Sessão 2 Princípios da agricultura biológica

Eco new farmers. Módulo 1 - Introdução á agricultura biológica. Sessão 2 Princípios da agricultura biológica Eco new farmers Módulo 1 - Introdução á agricultura biológica Sessão 2 Princípios da agricultura biológica Módulo 1 Introdução à agricultura biológica Sessão 2 Princípios da agricultura biológica www.econewfarmers.eu

Leia mais

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA. Valmir Netto Wegner EMATER/RS 06/2007

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA. Valmir Netto Wegner EMATER/RS 06/2007 IRRIGAÇÃO LOCALIZADA Valmir Netto Wegner EMATER/RS 06/2007 IRRIGAÇÃO LOCALIZADA Métodos de irrigação onde a água é aplicada ao solo diretamente sobre a região radicular, em pequena intensidade, porém com

Leia mais

Cenários da evolução futura da agricultura em Portugal

Cenários da evolução futura da agricultura em Portugal Congresso Estratégias para as novas agriculturas Cenários da evolução futura da agricultura em Portugal Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) Lisboa, 5 de

Leia mais

v e n u s Tal como todas as estufas que comercializamos, a gama Venus tem uma estrutura robusta de alumínio anodizado e está disponível em cinco medid

v e n u s Tal como todas as estufas que comercializamos, a gama Venus tem uma estrutura robusta de alumínio anodizado e está disponível em cinco medid As estufas que fornecemos foram desenvolvidas pelos dois maiores distribuidores da Europa; Contando mais de 5 anos de experiência, são reconhecidos em todo o mercado alemão e escadinavo. Todas as estruturas

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Olericultura Orgânica Código da Disciplina: AGR383. Semestre de oferta da disciplina: I e II

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Olericultura Orgânica Código da Disciplina: AGR383. Semestre de oferta da disciplina: I e II PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Olericultura Orgânica Código da Disciplina: AGR383 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: I e II Faculdade responsável: Agronomia Matriz 120 Programa em vigência

Leia mais

Plantas MEDICINAIS. para cultivar EM CASA NO TERRAÇO, NA VARANDA OU NA JANELA. Serge Schall

Plantas MEDICINAIS. para cultivar EM CASA NO TERRAÇO, NA VARANDA OU NA JANELA. Serge Schall Plantas MEDICINAIS para cultivar EM CASA NO TERRAÇO, NA VARANDA OU NA JANELA Serge Schall Introdução Desde os primórdios da humanidade que o homem tenta tudo para cuidar de si, para adiar o inevitável.

Leia mais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais

Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Fisiologia pós-colheita: conceitos iniciais Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Apresentação Perdas pós-colheita Noções

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Olericultura Geral Código da Disciplina: AGR 355. Semestre de oferta da disciplina: I e II

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Olericultura Geral Código da Disciplina: AGR 355. Semestre de oferta da disciplina: I e II PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Olericultura Geral Código da Disciplina: AGR 355 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: I e II Faculdade responsável: Agronomia Programa em vigência a partir

Leia mais

Espaços Verdes: A importância dos Jardins

Espaços Verdes: A importância dos Jardins Espaços Verdes: A importância dos Jardins Jardins do Futuro Telhados verdes / Xerojardins / Jardim produtivo LIPOR Luís Alves Setembro 2010 ???????? O que está a encorajar a jardinagem a tornar-se uma

Leia mais

Cultivo de banana em Modo de Produção Biológico na Região Autónoma da Madeira. Alcino da Silva e José Guerreiro

Cultivo de banana em Modo de Produção Biológico na Região Autónoma da Madeira. Alcino da Silva e José Guerreiro Cultivo de banana em Modo de Produção Biológico na Região Autónoma da Madeira Alcino da Silva e José Guerreiro Primeras PrimerasJornadas de de transferencia transferenciade de I+D+i I+D+i para para una

Leia mais

SISTEMA DE IRRIGAÇÃO EFICIENTE POR PIVÔ CENTRAL

SISTEMA DE IRRIGAÇÃO EFICIENTE POR PIVÔ CENTRAL SISTEMA DE IRRIGAÇÃO EFICIENTE POR PIVÔ CENTRAL Definição da Problemática Necessidade de produzir mais alimentos X Restrição para ampliar a área plantada Como Resolver o Impasse? Investimento em pesquisa

Leia mais

v ETAR Compacta, Sistema ECODEPUR FITODEPUR

v ETAR Compacta, Sistema ECODEPUR FITODEPUR v1.3-260312 0 ETAR Compacta, Sistema ECODEPUR FITODEPUR APRESENTAÇÃO As Estações de Tratamento de Águas Residuais (E.T.A.R. Compacta), sistema ECODEPUR FITODEPUR são unidades, compactas e modulares, destinadas

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS. José Amarildo da Fonseca

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS. José Amarildo da Fonseca PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS José Amarildo da Fonseca jafonsec@esalq.usp.br Objetivos Quantidade Custo Qualidade Prazo Histórico Histórico Histórico Produção de Mudas Florestais Objetivo (demanda) Tipos

Leia mais

PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA

PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA PROFESSOR: MARCELO TAVARES DE CASTRO ALUNO: FABIOLA DOS REIS LIMA CURSO:

Leia mais

Manual Groasis Waterboxx para legumes

Manual Groasis Waterboxx para legumes Manual Groasis Waterboxx para legumes 1. Use uma estufa de acordo com o desenho como se mostra na figura abaixo, com a possibilidade de ventilar os lados e com uma tela/sombra dupla de cor branca no topo

Leia mais

Sistema de fertirrega e nutrição para culturas de morangueiro em substrato

Sistema de fertirrega e nutrição para culturas de morangueiro em substrato Sistema de fertirrega e nutrição para culturas de morangueiro em substrato Por: Eng.º João Caço Hubel Verde Grupo Hubel hv@hubel.pt A cultura em substrato engloba um conjunto amplo de técnicas de cultivo

Leia mais

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BIULCHI, P.A. 2 ; VASCONCELOS, R.F. 3 1 Estudante de Agronomia do CEFET Uberaba MG, bolsista FAPEMIG, e-mail:

Leia mais

Departamento do Agronegócio Segurança Alimentar: O Desafio de Abastecer o Mundo com Sustentabilidade

Departamento do Agronegócio Segurança Alimentar: O Desafio de Abastecer o Mundo com Sustentabilidade Segurança Alimentar: O Desafio de Abastecer o Mundo com Sustentabilidade O Mundo atravessa um período de aumento expressivo do consumo de alimentos, impulsionado pela melhora da renda das famílias dos

Leia mais

ATIVIDADES REVISÃO. Prova trimestral -2º trimestre 2011

ATIVIDADES REVISÃO. Prova trimestral -2º trimestre 2011 ATIVIDADES REVISÃO Prova trimestral -2º trimestre 2011 1. Uma diferença entre sucessão ecológica primária e sucessão ecológica secundária é a) o tipo de ambiente existente no início da sucessão. b) o tipo

Leia mais

CD15R00 PEAD TUBOS DE DRENAGEM AMBIDRENOS MANUAL DM-AM

CD15R00 PEAD TUBOS DE DRENAGEM AMBIDRENOS MANUAL DM-AM CD15R00 PEAD TUBOS DE DRENAGEM AMBIDRENOS MANUAL #01 AMBIDRENO A tubagem de drenagem destina-se a captar o excesso de água existente nos solos, resultante do índice de pluviosidade e da capacidade de retenção

Leia mais

COMPOSTAGEM DE VERDES A EXPERIÊNCIA DA ALGAR

COMPOSTAGEM DE VERDES A EXPERIÊNCIA DA ALGAR COMPOSTAGEM DE VERDES A EXPERIÊNCIA DA ALGAR 19 de Maio de 2006 COMPOSTAGEM DE VERDES: A EXPERIÊNCIA DA ALGAR 1. ALGAR : sistema de gestão integrada de RSU 2. Compostagem de Resíduos Verdes Processo Qualidade

Leia mais

Casa de banho com design recriado.

Casa de banho com design recriado. Geberit Tecnologia Sanitária, S.A. Urb. Pólo Tecnológico à Estr. do Paço do Lumiar, Lt. 6 2º A PT 1600-542 Lisboa T: 217 815 100 F: 217 930 738 marketing.pt@geberit.com www.geberit.pt Casa de banho com

Leia mais

Estrutura para produção de mudas de hortícolas

Estrutura para produção de mudas de hortícolas CAPÍTULO 6 6.1 Introdução Estrutura para produção de mudas de hortícolas Hipólito Alberto Malia Henoque R. da Silva Francisco Vilela Resende A produção de mudas em estufas é uma prática fundamental para

Leia mais

Equipamento de Protecção Individual (EPI s) na Utilização de Produtos Fitofarmacêuticos

Equipamento de Protecção Individual (EPI s) na Utilização de Produtos Fitofarmacêuticos Equipamento de Protecção Individual (EPI s) na Utilização de Produtos Fitofarmacêuticos Equipamento de Protecção Individual (EPI s) EPI s dispositivos destinados a ser utilizados por uma pessoa para reduzir

Leia mais

Sementes de. A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades

Sementes de. A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades Sementes de SOJA A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades de alto potencial produtivo, os produtores têm

Leia mais

ALTA PERFORMANCE PARA MELHOR DESENVOLVIMENTO DE SUAS PLANTAS! FILME PLÁSTICO FOTOSSELETIVO

ALTA PERFORMANCE PARA MELHOR DESENVOLVIMENTO DE SUAS PLANTAS! FILME PLÁSTICO FOTOSSELETIVO ALTA PERFORMANCE PARA MELHOR DESENVOLVIMENTO DE SUAS PLANTAS! FILME PLÁSTICO FOTOSSELETIVO PRINCIPAIS BENEFÍCIOS O SUNCOVER AV BLUE é um filme de polietileno com tecnologia avançada fabricado em multicamadas

Leia mais

Formação e manejo de capineiras

Formação e manejo de capineiras Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Formação e manejo de capineiras Magno José Duarte Cândido magno@ufc.br Núcleo de Ensino e Estudos em Forragicultura-NEEF/DZ/CCA/UFC

Leia mais

OFICINAS CIENTÍFICAS CURTIR CIÊNCIA EXPOSIÇÃO PERMANENTE

OFICINAS CIENTÍFICAS CURTIR CIÊNCIA EXPOSIÇÃO PERMANENTE O Curtir Ciência Centro Ciência Viva de Guimarães promove a cultura científica e tecnológica. Instalado na Antiga Fábrica de Curtumes Âncora, na Zona de Couros, é uma parceria entre a Câmara Municipal

Leia mais

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Assunto: COMERCIALIZAÇÃO DE REBENTOS Esclarecimento 11/2013 A presente nota de esclarecimento pretende elucidar os operadores de empresas do setor alimentar

Leia mais

PILHAS DE COMBUSTÍVEL REGENERATIVAS USADAS NO ARMAZENAMENTO DE ENERGIA

PILHAS DE COMBUSTÍVEL REGENERATIVAS USADAS NO ARMAZENAMENTO DE ENERGIA PILHAS DE COMBUSTÍVEL REGENERATIVAS USADAS NO ARMAZENAMENTO DE ENERGIA A B C D E Nova Central de Armazenamento de Energia REGENESYS TM com capacidade de acumular 120Mwh de energia (suficiente para 10 000

Leia mais

1. ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES 2.PROJECTO 3. NOVOS DESAFIOS

1. ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES 2.PROJECTO 3. NOVOS DESAFIOS APRESENTAÇÃO 1. ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES 2.PROJECTO 3. NOVOS DESAFIOS 1.ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES Objectivos: Promoção do desenvolvimento sustentado da Produção Horticola e sua concentração; Promover

Leia mais

Para Uma Alimentação Saudável

Para Uma Alimentação Saudável Segurança Alimentar e Qualidade de Água Empregue na Produção dos Alimentos Para Uma Alimentação Saudável Ângela Moreno PhD, Engª Agrónoma angela.moreno@inida.gov.cv INIDA, 02/04/2015 - Praia SEGURANÇA

Leia mais

PRÁTICAS AGRONÔMICAS PARA AUMENTAR A PRODUÇÃO DE CAJU: ESTUDO DE CASO DO GANA

PRÁTICAS AGRONÔMICAS PARA AUMENTAR A PRODUÇÃO DE CAJU: ESTUDO DE CASO DO GANA PRÁTICAS AGRONÔMICAS PARA AUMENTAR A PRODUÇÃO DE CAJU: ESTUDO DE CASO DO GANA SETH OSEI-AKOTO DIRETÓRIO DE SERVIÇOS DA COLHEITA MINISTÉRIO DOS ALIMENTOS E DA AGRICULTURA GANA E-mail: oakoto2012@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA CORNELIO PRIMIERI Eng. Agrônomo/Professor/Pesquisador FAG Faculdade Assis Gurgacz

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELO USO IRREGULAR DE DEJETOS DE SUÍNOS NO SOLO

IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELO USO IRREGULAR DE DEJETOS DE SUÍNOS NO SOLO IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELO USO IRREGULAR DE DEJETOS DE SUÍNOS NO SOLO Rodrigo de Almeida Silva (1) ; Rita Maria de Souza (2) ; Érica Nacif Rufino Vieira (3) ; (1) Graduando do curso de Gestão Ambiental,

Leia mais

Leguminosas. Sementes nutritivas para um futuro sustentável. Hélder Muteia Representante da FAO em Portugal/CPLP

Leguminosas. Sementes nutritivas para um futuro sustentável. Hélder Muteia Representante da FAO em Portugal/CPLP Leguminosas Sementes nutritivas para um futuro sustentável FAO, 2016 Hélder Muteia Representante da FAO em Portugal/CPLP FAO-PT@fao.org www.fao.org/portugal 14 de Abril de 2016 As leguminosas secas sempre

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)? Os consumidores estão cada vez

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA Fernanda Pereira de Souza 1 Eder de Souza Martins 2 Luise Lottici Krahl 3 Eduardo Alano Vieira 4 Josefino de Freitas

Leia mais

ARMARIOS MURAIS 19 OLIVETEL SA

ARMARIOS MURAIS 19 OLIVETEL SA ARMARIOS MURAIS 19 ÍNDICE Conteúdo Informação geral, normas e conformidade CE 1 Modelos e dimensões 2 Flexibilidade, produtividade, qualidade e segurança 3 Escalabilidade e Acessórios 4 Contactos e Informação

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Geografia 3 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Observe as imagens a seguir e marque com X aquelas que não fazem parte das atividades relacionadas à agricultura. ( ) ( ) DMITRY SOBOLEV/SHUTTERSTOCK

Leia mais

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas.

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Jaboticabal Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias 1 Plano de aula ZOOTECNIA I (Suínos) Resíduos Dejetos Msc. Fabrício Faleiros de

Leia mais

GAMA AMBICABOS CD26R02

GAMA AMBICABOS CD26R02 GAMA AMBICABOS ÍNDICE 1. Apresentação do Tubo... 3 2. Materiais e Plano de Inspecção e Ensaio de Recepção...3-4 3. Especificações Técnicas... 4-5 4. Acessórios... 6 5. Instalação / Utilização... 6 Data.

Leia mais

AS FRAGILIDADES DOS SISTEMAS AGRÁRIOS

AS FRAGILIDADES DOS SISTEMAS AGRÁRIOS AS FRAGILIDADES DOS SISTEMAS AGRÁRIOS A IMPORTÂNCIA DA AGRICULTURA A Representatividade das explorações agrícolas na superfície concelhia é: Mais mais baixa elevada no no litoral, Alentejo com e exceção

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

Estufas para o Brasil: túneis híbridos

Estufas para o Brasil: túneis híbridos Estufas para o Brasil: túneis híbridos Marca de Higuerillas ou bandera Mexico Engenheiro Agrónomo : Ramiro Zúñiga Pelayo Agrícola Las Higuerillas (México) Traduçao: Andrés da Silva, Eng. Agricola, M.Sc.

Leia mais

IRRIGAÇÃO. Importância e Aspectos Técnicos

IRRIGAÇÃO. Importância e Aspectos Técnicos IRRIGAÇÃO Importância e Aspectos Técnicos IRRIGAÇÃO Breve histórico Povos antigos Egito (Rio Nilo) Mesopotâmia (Rios Tigre e Eufrates) Índia (Rio Indo) Século XX Estados Unidos Israel IRRIGAÇÃO Situação

Leia mais

Máquinas Extrusoras NANO

Máquinas Extrusoras NANO NORDIMPIANTI P R O D U C T S APPLICATIONS T U R N K E Y S E R V I C E G L O B A L Máquinas Extrusoras NANO Produtos Technology for the Precast and Prestressed Concrete Industry Casting Machine Extruder

Leia mais

Produção de Folhosas sem desperdício de água. Palestra 2 Tecnologia de Cultivo e Gotejamento. Regina Célia de Matos Pires -

Produção de Folhosas sem desperdício de água. Palestra 2 Tecnologia de Cultivo e Gotejamento. Regina Célia de Matos Pires - Produção de Folhosas sem desperdício de água Palestra 2 Tecnologia de Cultivo e Gotejamento Regina Célia de Matos Pires - IAC Campinas, 10 agosto de 2016 Economia de água - importância População mundial

Leia mais

A Influência da Amostragem na Qualidade dos Dados

A Influência da Amostragem na Qualidade dos Dados A Influência da Amostragem na Qualidade dos Dados COLHEITA DE AMOSTRAS PARA CONTROLO OFICIAL OUTUBRO 2009 ANA PAULA BICO Reg. (CE) 882/2004 1. Estabelece normas gerais para a realização de controlos oficiais

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS CONFECÇÃO LINHA 900

CATÁLOGO DE PRODUTOS CONFECÇÃO LINHA 900 CATÁLOGO DE PRODUTOS CONFECÇÃO LINHA 900 Potente, fiável e eficiente. www.mjm.pt 1 Made in Portugal Empresa Made in Portugal Marcas representadas Assistência técnica 2 A Manuel J. Monteiro (MJM) foi fundada

Leia mais

Postos de transformação

Postos de transformação Postos de transformação PFU e PF Edifícios tipo Cabina para Postos de Transformação Até 36 kv PFU EDIFÍCIO MONOBLOCO TIPO CABINA PARA POSTOS DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTAÇÃO O edifício PFU de fabrico Ormazabal

Leia mais

Postes de Vinha. Lintéis. Aplicações. Tecnologia para a indústria de concreto pré-fabricado e protendido

Postes de Vinha. Lintéis. Aplicações. Tecnologia para a indústria de concreto pré-fabricado e protendido N O R D I M P I A N T I P R O D U C T S A P P L I C A T I O N S T U R N K E Y S E R V I C E G L O B A L Postes de Vinha e Lintéis Aplicações Postes de Vinha Lintéis Tecnologia para a indústria de concreto

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERACIÓN TERRITORIAL DEL ESPACIO SUDOESTE EUROPEO

PROGRAMA DE COOPERACIÓN TERRITORIAL DEL ESPACIO SUDOESTE EUROPEO WINETech - SOE1/P1/E071 PROGRAMA DE COOPERACIÓN TERRITORIAL DEL ESPACIO SUDOESTE EUROPEO 2007-2013 MATRIZ CRUZADA DE OPORTUNIDADES DE COLABORAÇÃO CIENTÍFICO-TECNOLÓGICA (09/06/2011) Entregável E.5.1. 1.

Leia mais

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto

Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau. Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP. Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Pulverizadores: Mecanização da cultura do Cacau Máquinas Agrícolas Jacto S/A Pompéia -SP Eng. Agr. Walter W Mosquini Planejamento de Produto Informações Foi fundada em 1948; Todas as unidades produtivas

Leia mais

Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA. A01 Agricultura - aspectos gerais. A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA.

Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA. A01 Agricultura - aspectos gerais. A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA. Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA A01 Agricultura - aspectos gerais A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA B10 Geografia B50 História C EDUCAÇÃO, EXTENSÃO E INFORMAÇÃO C10 Educação

Leia mais

Notícias Agro 02/16. Sobre os temas: Iniciativas Efemérides Clientes Produtos Notícias Curiosidades

Notícias Agro 02/16. Sobre os temas: Iniciativas Efemérides Clientes Produtos Notícias Curiosidades CENTENÁRIO A 1ª Reunião da Direção da Caixa Agrícola realizou-se no escritório do Dr. Francisco Beja da Costa, no Palacete Beja da Costa, em Santiago do Cacém. Sobre os temas: Iniciativas Efemérides Clientes

Leia mais

Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro

Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo. Condicionalidades e Obrigações. Agricultura Presente, um Projeto com Futuro Zona Vulnerável a Nitratos-Tejo Condicionalidades e Obrigações Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projeto com Futuro um Projecto com Futuro Santarém 28 de fevereiro de 2015 Agenda 1. Definição

Leia mais

zendow Catalogo técnico do PRODUTO Novas proporções Novas formas do perfil Cores O PVC segundo Deceuninck

zendow Catalogo técnico do PRODUTO Novas proporções Novas formas do perfil Cores O PVC segundo Deceuninck Catalogo técnico do PRODUTO Novas proporções Novas formas do perfil Cores O PVC segundo Deceuninck NOVAS PROPORÇÕES A janela é um elemento importante na estética de cada construção. Graças à espessura

Leia mais

Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições

Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições Introdução: Para se articular com a política de tratamento de resíduos sólidos Reciclagem

Leia mais

Actividades Económicas. A Agricultura. Trabalho realizado por: Ana Marques nº4 9ºA Ana Vitorino nº3 9ºA Patrícia Nunes nº 19 9º A

Actividades Económicas. A Agricultura. Trabalho realizado por: Ana Marques nº4 9ºA Ana Vitorino nº3 9ºA Patrícia Nunes nº 19 9º A Actividades Económicas A Agricultura Trabalho realizado por: Ana Marques nº4 9ºA Ana Vitorino nº3 9ºA Patrícia Nunes nº 19 9º A Sumário: O que é a Agricultura; Agricultura Tradicional; Evolução da Agricultura

Leia mais

Gestão Integrada em uma Empresa Florestal

Gestão Integrada em uma Empresa Florestal Gestão Integrada em uma Empresa Florestal XVI SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE SISTEMAS DE COLHEITA DE MADEIRA E TRANSPORTE FLORESTAL 11 a 12 de abril de 2011 Wanderley Luiz Paranaiba Cunha ArcelorMittal

Leia mais

Medical. Digital Healthcare Solutions SUPORTES. registo clínico eletrónico. Quando a estabilidade e a segurança são prioritárias...

Medical. Digital Healthcare Solutions SUPORTES. registo clínico eletrónico. Quando a estabilidade e a segurança são prioritárias... OG Medical Digital Healthcare Solutions SUPORTES registo clínico eletrónico Quando a estabilidade e a segurança são prioritárias... www.ogmedical.pt A OG Medical apresenta uma vasta gama de suportes de

Leia mais

Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq

Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq ABIMAQ Associação Brasileira da Indústria de Máquinas CSMIA Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas 360 empresas 48.000 empregos R$ 11

Leia mais

Fitofortificante INFORME TÉCNICO

Fitofortificante INFORME TÉCNICO Fitofortificante INFORME TÉCNICO GREETNAL WIZ GREETNAL WIZ Extracto de algas GREETNAL WIZ é um extracto puro de algas (Ascophyllum nodosum) procedentes das costas do Atlântico Norte. GREETNAL WIZ proporciona

Leia mais

MICRO IRRIGAÇÃO & RESINAS FINGERPRINT

MICRO IRRIGAÇÃO & RESINAS FINGERPRINT MICRO IRRIGAÇÃO & RESINAS FINGERPRINT 2 MICRO IRRIGAÇÃO & RESINAS FINGERPRINT COMPROMISSO, QUALIDADE E EXCELENTE DESEMPENHO A superfície total do Brasil é de 851 milhões de hectares, dos quais aproximadamente

Leia mais

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2, Belo Horizonte 1 Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Carlos Henrique

Leia mais

GUINCHO DE FIXAR DE PARAFUSO SEM FIM VL

GUINCHO DE FIXAR DE PARAFUSO SEM FIM VL Réf : VL GUINCHO DE FIXAR DE PARAFUSO SEM FIM VL - Fabricado de acordo com a norma DIN 15020. - Manivela de comprimento regulável; sem retrocesso. - Tambores e eixos equipados com rolamentos de agulha.

Leia mais

Manutenção das plantas de forma sistemática

Manutenção das plantas de forma sistemática Manutenção das plantas de forma sistemática Plantas maravilhosas no aquário, graças a uma manutenção perfeitamente harmonizada Produtos de sera para a manutenção de plantas O sistema completo e equilibrado

Leia mais

Lajes Aligeiradas

Lajes Aligeiradas www.ferca.pt Lajes Aligeiradas Princípios O sistema de moldes FG assenta em princípios de racionalização económica que permitem a execução de lajes das unidireccionais ou bidireccionais vulgarmente referenciadas

Leia mais

Acúmulo de macronutrientes em roseiras em função do manejo do solo

Acúmulo de macronutrientes em roseiras em função do manejo do solo Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Acúmulo de macronutrientes em roseiras em função do manejo do solo Iara Cristina Santos Curvelo (1), Elka Fabiana Aparecida Almeida

Leia mais

PNEUS PARA APLICAÇÕES AGROINDUSTRIAIS

PNEUS PARA APLICAÇÕES AGROINDUSTRIAIS PNEUS PARA APLICAÇÕES AGROINDUSTRIAIS OUR DURABILITY. YOUR PERFORMANCE. O PNEU FIÁVEL PARA UMA CONDUÇÃO CONFORTÁVEL As máquinas industriais cada vez mais versáteis, sofisticadas e potentes de hoje em dia

Leia mais

REUTILIZAÇÃO DOS EFLUENTES E SUBSTRATOS ALTERNATIVOS EM CULTURAS SEM SOLO DE TOMATE EM ESTUFA (Resumo dos resultados obtidos no PAMAF- 6156 )

REUTILIZAÇÃO DOS EFLUENTES E SUBSTRATOS ALTERNATIVOS EM CULTURAS SEM SOLO DE TOMATE EM ESTUFA (Resumo dos resultados obtidos no PAMAF- 6156 ) REUTILIZAÇÃO DOS EFLUENTES E SUBSTRATOS ALTERNATIVOS EM CULTURAS SEM SOLO DE TOMATE EM ESTUFA (Resumo dos resultados obtidos no PAMAF- 6156 ) 1. Entidades Participantes Universidade do Algarve (UAlg) Centro

Leia mais

ESTAÇÃO DE COMPOSTAGEM

ESTAÇÃO DE COMPOSTAGEM ESCOLA PROFISSIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE SERPA ESTAÇÃO DE COMPOSTAGEM Tratamento e Valorização Integrada de Resíduos Orgânicos por COMPOSTAGEM Objetivos do projeto: Controlar de forma integral e

Leia mais

Desenvolvimento De Competências Técnicas Para o Manejo De Estufas Agrícolas NÍVEL BÁSICO

Desenvolvimento De Competências Técnicas Para o Manejo De Estufas Agrícolas NÍVEL BÁSICO I CURSO DE IMERSÃO EM CULTIVO PROTEGIDO DE TOMATE DE MESA 2015 Desenvolvimento De Competências Técnicas Para o Manejo De Estufas Agrícolas NÍVEL BÁSICO OBJETIVOS De 25 a 28 de Março de 2015 Cunha - SP

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SUBSTRATOS CONSTITUÍDOS DE CASCA DE ARROZ NO CULTIVO SEM SOLO DO MORANGUEIRO

AVALIAÇÃO DE SUBSTRATOS CONSTITUÍDOS DE CASCA DE ARROZ NO CULTIVO SEM SOLO DO MORANGUEIRO MEDEIROS CAB; STRASSBURGER Avaliação de substratos AS; ANTUNES constituídos LEC. 2008. de casca Avaliação de arroz de substratos no cultivo constituídos sem solo do de morangueiro casca de arroz no cultivo

Leia mais

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação Funchal, 4 Junho 2 instrumentos para a Responsabilidade Social, Económica e Ambiental na Edificação Declaração de conformidade que visa verificar o cumprimento

Leia mais

Sistema de colheita x espaçamento. Regis Ikeda Marketing de Produto Jaboticabal, 22 de Junho de 2016

Sistema de colheita x espaçamento. Regis Ikeda Marketing de Produto Jaboticabal, 22 de Junho de 2016 Sistema de colheita x espaçamento Regis Ikeda Marketing de Produto Jaboticabal, 22 de Junho de 2016 Fatores relacionados ao espaçamento de plantio Dúvidas porque X ou Y?, o que considerar?, o que ganho?

Leia mais

Racionalização do Uso de Energia Elétrica e Água na Irrigação para Agricultura Familiar- Município de Jequitibá - MG

Racionalização do Uso de Energia Elétrica e Água na Irrigação para Agricultura Familiar- Município de Jequitibá - MG XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Racionalização do Uso de Energia Elétrica e Água na Irrigação para Agricultura Familiar-

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 679 Às Instituições Financeiras do Sistema Nacional de Crédito Rural. DEPARTAMENTO DO CRÉDITO RURAL Geraldo Martins Teixeira Chefe

CARTA-CIRCULAR N 679 Às Instituições Financeiras do Sistema Nacional de Crédito Rural. DEPARTAMENTO DO CRÉDITO RURAL Geraldo Martins Teixeira Chefe CARTA-CIRCULAR N 679 Às Instituições Financeiras do Sistema Nacional de Crédito Rural Comunicamos a introdução, no capítulo 32 do Manual do Crédito Rural (MCR), das alterações indicadas nas folhas anexas.

Leia mais