PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO"

Transcrição

1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA GERAL DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Hans Kelsen em sua obra Teoria Pura do Direito : I. Define a Teoria Pura do Direito como uma teoria do Direito positivo do Direito positivo em geral, não de uma ordem jurídica específica. II. Adverte que desenvolveu uma teoria jurídica pura, isto é, purificada de toda ideologia política e de todos os elementos de ciência natural. Importava, segundo ele, explicar não só as tendências endereçadas à formação do Direito, mas as suas tendências dirigidas ao conhecimento do Direito, para aproximar tanto quanto possível os seus resultados do ideal de toda a ciência: objetividade e exatidão. Afirma que quando o direito é aplicado o órgão aplicador do direito não pode interpretar as normas porque tal ato iria ferir a objetividade e a exatidão. Afirma que o Direito a aplicar é como uma moldura dentro da qual há várias possibilidades de aplicação, sendo a interpretação a combinação de um ato de conhecimento e um ato de vontade. b) Somente as afirmativas I e II são corretas. c) Somente as afirmativas I, II, e III são corretas. d) Somente as afirmativas I, II e IV são corretas. Questão 2. Segundo António Manuel Hespanha, na sua obra Pluralismo Jurídico e Direito Democrático : I. A dogmática jurídica contemporânea tradicional, em geral, não está preocupada com o fenômeno do pluralismo jurídico e não está preparada para compreender uma nova configuração do Direito. II. O pluralismo jurídico é um fenômeno recente, não observado em outros momentos ao logo da história. Hespanha defende que só é possível considerar como Direito a produção normativa estatal, ou seja, o Direito deve ser

2 P á g i n a 2 compreendido apenas como o conjunto das normas jurídicas produzidas por um Estado. O fenômeno do pluralismo jurídico, no entender do Hespanha, antes de ser algo que surgiu nos nossos dias, por circunstâncias particulares dos tempos e das políticas, é algo constatável nas sociedades ao longo da história. b) Somente as afirmativas I e II são corretas. c) Somente as afirmativas I, II, e III são corretas. Questão 3. Segundo António Manuel Hespanha, na sua obra Pluralismo Jurídico e Direito Democrático : I. A dogmática jurídica atual (tradicional) baseia-se num modelo de pensamento com origem no conceito de Estado-Nação. II. A partir da Revolução francesa, cada vez mais a Europa se distanciou da ideia que o direito é manifestação da vontade do povo. Todas as normas existentes em sociedade podem ser consideradas normas jurídicas na perspectiva de Hespanha. A democracia representativa e seus mecanismos de colher os consensos sociais são suficientes para a fundamentação dos ordenamentos jurídicos contemporâneos. b) Somente as afirmativas I e II são corretas. c) Somente as afirmativas I, II, e III são corretas. Questão 4. Considerando as reflexões de Robert Alexy, em especial em sua obra Teoria Discursiva do Direito : I. O autor admite a seguinte regra fundamental do discurso prático nenhum falante pode se contradiz, e afirma que ela se refere às regras da lógica.

3 P á g i n a 3 II. O autor também admite como sendo regra fundamental do discurso prático que todo falante só pode afirmar aquilo em que ele próprio acredita, e afirma que esta assegura a honestidade da discussão, bem como é constitutiva de toda comunicação linguística. Para o autor a regra falantes diferentes não podem usar a mesma expressão em sentidos diferentes não é uma regra do discurso prático porque ela diz respeito ao campo semântico, e como tal se refere à razão teórica, sendo desnecessária para a harmonia da linguagem. Para o autor a regra geral de fundamentação pode ser assim enunciada: todo falante deve fundamentar aquilo que ele afirma quando solicitado, a não ser que ele possa apresentar razões que justifiquem uma recusa de fundamentação. b) Somente as afirmativas I, II e III são corretas. c) Somente as afirmativas I, II e IV são corretas. d) Somente as afirmativas 1 e IV são corretas. Questão 5. I. Norberto Bobbio em Teoria do Ordenamento Jurídico considera que do uso histórico da filosofia do direito o termo sistema indica três diferentes significados: um primeiro significado como sistema dedutivo ou nele baseado; um segundo como ordenamento da matéria ; e um terceiro onde o sistema aparece como ausência de incompatibilidades normativas. II. Na visão de Norberto Bobbio em Teoria do Ordenamento Jurídico o significado de sistema mais interessante e adequado ao Direito é o do ordenamento da matéria porque permite a classificação do Direito segundo seus diferentes conteúdos, por exemplo, em direito civil, penal, tributário, trabalho e assim por diante. O significado de sistema como ausência de incompatibilidades normativas é rejeitado por Norberto Bobbio porque não há mecanismos para resolver eventuais conflitos normativos. Niklas Luhmann ao ser referir ao Direito define-o como sistema normativamente fechado, mas cognitivamente aberto. a) Somente a afirmativa 1 é correta. b) Somente as afirmativas I, II e III são corretas.

4 c) Somente as afirmativas I, II e IV são corretas. P á g i n a 4 Questão 6. Tomando como base o pensamento de Hans Kelsen: I. A linguagem da norma jurídica é descritiva, enquanto a linguagem da proposição jurídica é prescritiva; II. As normas jurídicas são comandos imperativos, enquanto as proposições jurídicas são enunciados descritivos das normas; O problema da justiça, enquanto problema valorativo, situa-se fora da ciência do direito em Kelsen; As proposições jurídicas podem ser falsas ou verdadeiras, ao passo que as normas jurídicas serão sempre válidas ou inválidas. b) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas. c) Somente as afirmativas I, II e IV são corretas. Questão 7. Questão: no tocante às fontes do Direito: I. Um dos sentidos possíveis para a expressão fontes do direito é o de II. que estas representam os meios pelos quais o Direito se manifesta em um ordenamento jurídico, sendo divididas em fontes formais e fontes materiais; A lei e os costumes são considerados fontes formais do direito; Dois requisitos são necessários para que um costume se converta em fonte do direito um de ordem objetiva ou material (o uso continuado, a percepção concreta de uma prática ou conduta) e outro de ordem subjetiva ou imaterial (a consciência coletiva da obrigatoriedade desta prática; De acordo com a teoria monista o Estado e diversos agentes sociais podem produzir o direito.

5 b) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas. P á g i n a 5 Questão 8. I. A dicotomia direito natural/direito positivo está cada vez mais fortalecida, não obstante a chamada positivação dos direitos fundamentais; II. São traços fundamentais do direito natural a sua universalidade e imutabilidade; No tocante à separação entre direito público e privado, a teoria do patrimônio afirma que não existem relações de direito privado com conteúdo patrimonial; Ainda no tocante à separação entre direito público e privado, as teorias da dominação partem do jus imperii do Estado significando que quando este se coloca em posição de superioridade em relação aos particulares a relação seria de direito privado. b) Somente a afirmativa II é correta. Questão 9. No tocante à classificação das normas jurídicas: I. De acordo com critérios sintáticos (âmbito de validade das normas) as normas jurídicas são classificadas quanto à sua força de incidência (dispositivas e impositivas); quanto à sua finalidade (normas de ação e normas programáticas) e quanto ao funtor (normas preceptivas, permissivas e proibitivas); II. O art. 713 do Código Civil estipula: Salvo estipulação diversa, todas as despesas com a agência ou distribuição correm a cargo do agente ou distribuidor. Esta norma é um exemplo de norma impositiva;

6 P á g i n a 6 Normas dispositivas são aquelas que podem ser afastadas pela vontade das partes; Quanto aos destinatários as normas são classificadas em normas gerais e individuais como exemplo de norma individual temos aquela que estabelece os poderes do Presidente da República. a) Somente a afirmativa III é correta. b) Somente a afirmativa II é correta. d) Somente as afirmativas II e IV são corretas. Questão 10. I. São critérios para a resolução de antinomias entre normas o critério II. cronológico, o critério hierárquico e o critério da especialidade. Completude entende-se a qualidade de um ordenamento jurídico pela qual ele possui uma norma para regular qualquer caso. Segundo Bobbio, a afirmação do dogma da completude caminha no mesmo passo que a monopolização do Direito por parte do Estado. Segundo Bobbio, são procedimentos de hetero-integração de um ordenamento jurídico a analogia e os princípios gerais do direito. b) Somente a afirmativa II é correta. d) Somente as afirmativas II e IV são corretas.

7 GABARITO TEORIA GERAL DO DIREITO QUESTÕES ALTERNATIVA 01 D 02 D 03 A 04 C 05 D 06 B 07 C 08 B 09 A 10 C P á g i n a 7

1ª Fase PROVA OBJETIVA TEORIA GERAL DO DIREITO

1ª Fase PROVA OBJETIVA TEORIA GERAL DO DIREITO 1ª Fase PROVA OBJETIVA TEORIA GERAL DO DIREITO QUESTÃO 1 - Sobre o positivismo é CORRETO dizer que: P á g i n a 1 A. Para o positivismo a teoria do direito deve ser caracterizada por propriedades valorativas,

Leia mais

SISTEMAS JURÍDICOS NA VISÃO DE JUSFILÓSOFOS

SISTEMAS JURÍDICOS NA VISÃO DE JUSFILÓSOFOS SISTEMAS JURÍDICOS NA VISÃO DE JUSFILÓSOFOS Prof. Dr. João Carlos Medeiros de Aragão Currículo Lattes: Lattes.cnpq.br/49114444160 OBJETIVOS Objetiva-se apresentar a definição de Sistema Jurídico, com base

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina - INTRODUÇÃO AO ESTUDO

Leia mais

A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO. Aula n.º 02

A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO. Aula n.º 02 A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO Aula n.º 02 A HISTÓRIA DO PENSAMENTO JURÍDICO Correntes de pensamento que tem o objetivo de explicar a origem do direito; Cada uma afirma que o direito provém de uma fonte

Leia mais

Norberto Bobbio. Prof. Nogueira

Norberto Bobbio. Prof. Nogueira Norberto Bobbio Prof. Nogueira Norberto Bobbio 3 e 4 Teoria da Norma Jurídica (item 3 do edital) Teoria do Ordenamento Jurídico (item 4 do edital) Variedade e Multiplicidade das Normas 3.1 Além das normas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM PLANO DE ENSINO 2017-1º Semestre CURSO: DIREITO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO SEMESTRE: 1º SEMESTRE DE 2017 TURNO: NOTURNO CARGA HORÁRIA: 40 h/a PROFESSOR Me. DANILO CÉSAR SIVIERO RÍPOLI

Leia mais

PLANO DE ENSINO. TDI0011 Carga horária

PLANO DE ENSINO. TDI0011 Carga horária PLANO DE ENSINO I Identificação Disciplina Introdução ao Estudo do Direito Código TDI0011 Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 1º II Ementário O direito como fenômeno social e universal.

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO PRIVADO

TEORIA GERAL DO DIREITO PRIVADO CUSTÓDIO DA PIEDADE U. MIRANDA Licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra Doutor em Direito pela Universidade de São Paulo Professor Associado da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo

Leia mais

Parte I Filosofia do Direito. Teoria Geral do Direito e da Política

Parte I Filosofia do Direito. Teoria Geral do Direito e da Política S u m á r i o Parte I Filosofia do Direito. Teoria Geral do Direito e da Política CAPÍTULO I Filosofia do Direito I: O Conceito de Justiça, O Conceito de Direito, Equidade, Direito e Moral...3 I. O conceito

Leia mais

HANS KELSEN ( )

HANS KELSEN ( ) HANS KELSEN (1881-1973) TEORIA PURA DO DIREITO Contextualização: O Movimento para o Direito Livre estava em plena ascensão na Alemanha e parecia que o formalismo jurídico havia sido superado. A diversidade

Leia mais

Professora Edna Ferraresi. Aula 2

Professora Edna Ferraresi. Aula 2 Aula 2 Escolas e Teorias Jus filosóficas Modernas: a Escola da Exegese: positivismo jurídico ideológico; redução do Direito à lei; "In Claris NON cessat interpretatio"; aplicação mecânica do Direito. Escolas

Leia mais

Questão 1. Em relação às situações de exculpação, é incorreto afirmar:

Questão 1. Em relação às situações de exculpação, é incorreto afirmar: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO PENAL P á g i n a 1 Questão 1. Em relação às situações de exculpação, é incorreto afirmar: a) O fato punível praticado sob coação irresistível é capaz de excluir

Leia mais

INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO

INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO Tercio Sampaio Ferrazjunior - INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO Técnica, Decisão, Dominação 8ª Edição Revista e ampliada SÃO PAULO EDITORA ATLAS S.A. - 2015 1987 by Editora Atlas SA 1.ed. 1988; 2. ed. 1994;

Leia mais

Sumário. Capítulo I A Lei de Introdução

Sumário. Capítulo I A Lei de Introdução Sumário Nota do autor à segunda edição... 21 Nota do autor à primeira edição... 23 Prefácio à segunda edição... 25 Prefácio à primeira edição... 31 Capítulo I A Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro

Leia mais

Exemplos das Normas sobre Fumo

Exemplos das Normas sobre Fumo Exemplos das Normas sobre Fumo Exemplo 1: CRFB determina que a vida humana é o bem maior a se proteger; LC determina que é proibido fumar; LO estabelece que é permitido fumar. (Localize-se! Volte à pirâmide:

Leia mais

A COERÊNCIA DO ORDENAMENTO JURÍDICO - XIII. 1. O ordenamento jurídico como sistema:

A COERÊNCIA DO ORDENAMENTO JURÍDICO - XIII. 1. O ordenamento jurídico como sistema: A COERÊNCIA DO ORDENAMENTO JURÍDICO - XIII 1. O ordenamento jurídico como sistema: - No capítulo anterior ao falar da unidade do ordenamento jurídico, o autor demonstrou que esta pressupõe uma norma fundamental,

Leia mais

Biografia Básica. Austríaco. Judeu

Biografia Básica. Austríaco. Judeu Biografia Básica 1881 1973 Austríaco Judeu Biografia Básica 1 ed. Teoria Pura do Direito 1934 O que é Justiça? 1957 2 ed. Teoria Pura do Direito 1960 Histórico Revolução francesa. Liberdade, igualdade

Leia mais

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA 01) Não se enquadra na subdivisão de "Público" o direito: a) Constitucional b) Administrativo. c) Judiciário / processual. d) Penal. e) Comercial. 02) Não

Leia mais

I A LEI DE INTRODUÇÃO AO CÓDIGO CIVIL (LICC)

I A LEI DE INTRODUÇÃO AO CÓDIGO CIVIL (LICC) SUMÁRIO Agradecimentos... 19 Nota do autor... 21 Prefácio... 23 Capítulo I A LEI DE INTRODUÇÃO AO CÓDIGO CIVIL (LICC) 1. Introdução ao estudo do Direito... 25 2. Características, conteúdo e funções da

Leia mais

AULA 03 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO

AULA 03 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO 1 AULA 03 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO Movimento teórico de revalorização do direito constitucional, de uma nova abordagem do papel da constituição no sistema jurídico 2 Surgiu a partir da segunda metade do

Leia mais

Prof. Ricardo Torques

Prof. Ricardo Torques Revisão de Filosofia do Direito para o XXI Exame de Ordem Prof. Ricardo Torques www.fb.com/oabestrategia INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FILOSOFIA CONCEITO GERAL DE FILOSOFIA: refletir e questionar o saber instituído,

Leia mais

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça?

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça? Hans Kelsen Prof. Nogueira O que é Justiça? Biografia Básica 1881 1973 Austríaco Judeu Biografia Básica 1 ed. Teoria Pura do Direito 1934 O que é Justiça? 1957 2 ed. Teoria Pura do Direito 1960 Histórico

Leia mais

ArvssoN Lpextno MascARo. Introduçáo. aoestudo. dodireito. 3a EorçÃo. são pruro EDITORAATLAS S.A. - 2OI2

ArvssoN Lpextno MascARo. Introduçáo. aoestudo. dodireito. 3a EorçÃo. são pruro EDITORAATLAS S.A. - 2OI2 ArvssoN Lpextno MascARo Introduçáo aoestudo dodireito 3a EorçÃo são pruro EDITORAATLAS S.A. - 2OI2 @ 2010 by Editora Atlas S.A. 1. ed. Quartier Latin; 2. ed.2ott;3. ed.2o72 Capa: Leandro Guerra Composíção;

Leia mais

INTERPRETAÇÃO, VALIDADE, VIGÊNCIA E EFICÁCIA DA NORMA TRIBUTÁRIA

INTERPRETAÇÃO, VALIDADE, VIGÊNCIA E EFICÁCIA DA NORMA TRIBUTÁRIA INTERPRETAÇÃO, VALIDADE, VIGÊNCIA E EFICÁCIA DA NORMA TRIBUTÁRIA Mestre e Doutora PUC/SP Professora PUC/SP e IBET 23/05/2015 fabiana@barroscarvalho.com.br Sobre os métodos e seus resultados Positivismo

Leia mais

Introdução...1. Parte I A Religião e o Mundo do Trabalho

Introdução...1. Parte I A Religião e o Mundo do Trabalho SUMÁRIO Introdução...1 Parte I A Religião e o Mundo do Trabalho Capítulo 1 Religião, Direitos Humanos e Espaço Público: Algumas Nótulas Preliminares...7 1. Religião e Direitos Humanos...7 2. O Regresso

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 20 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A aplicabilidade da norma jurídica frente o problema da revogação e o controle da constitucionalidade Rafael Damaceno de Assis SUMÁRIO: 1. Teoria da Norma Jurídica 2. Poder Constituinte

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE OS ORDENAMENTOS JURÍDICOS XV

AS RELAÇÕES ENTRE OS ORDENAMENTOS JURÍDICOS XV AS RELAÇÕES ENTRE OS ORDENAMENTOS JURÍDICOS XV I A pluralidade dos ordenamentos: - Um outro problema pertinente ao ordenamento jurídico é o das relações entre ordenamentos. Assim, para que possamos falar

Leia mais

I Noções e Problemas Elementares

I Noções e Problemas Elementares Introdução ao Estudo do Direito I 1.º Ano Noite, 2015/ 2016 Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa PROGRAMA 1 I Noções e Problemas Elementares 1. Primeiros olhares; ideias geralmente associadas ao «direito»

Leia mais

1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO CONSTITUCIONAL

1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO CONSTITUCIONAL 1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO CONSTITUCIONAL P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Em relação às emendas à constituição é verdadeiro: I. No sistema brasileiro cabe a sua propositura ao presidente da república, aos

Leia mais

Sumário. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Wallace Ricardo Magri

Sumário. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Wallace Ricardo Magri Sumário INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Wallace Ricardo Magri Capítulo I Introdução Capítulo II Dogmática Jurídica Notas Preliminares Capítulo III Fontes do Direito Capítulo IV Lei Capítulo V Costume Capítulo

Leia mais

Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA

Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com Graduado em Direito pelo Centro Universitário Eurípides de Marília - UNIVEM. Título da Monografia: Epistemologia do Processo de Conhecimento

Leia mais

Classificação das Regras Jurídicas

Classificação das Regras Jurídicas Classificação das Regras Jurídicas Classificações das Regras Jurídicas interesse teórico (+ caráter prático) 1- Quanto ao Território (critério espacial, poder soberano) RJ de Direito Interno Federal Estadual

Leia mais

Contratos Internacionais à luz dos Princípios do UNIDROIT Soft law, Arbitragem e Jurisdição. Editora RENOVAR

Contratos Internacionais à luz dos Princípios do UNIDROIT Soft law, Arbitragem e Jurisdição. Editora RENOVAR LAURO GAMA JR. Doutor em Direito (Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, 2004). Master of Laws (Institute of Comparative Law, McGill University, Canadá, 1999). Mestre em Relações Internacionais

Leia mais

2.2 As dificuldades de conceituação da Ciência do Direito

2.2 As dificuldades de conceituação da Ciência do Direito 2.2 As dificuldades de conceituação da Ciência do Direito O termo ciência não é unívoco O debate está voltado à questão da metodologia, mas cada ciência tem a sua... Direito: ciência ou técnica pertencente

Leia mais

jurídico; em segundo lugar, mesmo que o perecimento do soberano significasse o perecimento do sistema, ainda assim não seria possível explicar nos

jurídico; em segundo lugar, mesmo que o perecimento do soberano significasse o perecimento do sistema, ainda assim não seria possível explicar nos 6 Conclusão Foi visto no segundo capítulo que, de acordo com Raz, uma teoria dos sistemas envolve quatro questões diferentes: a questão de sua existência, de sua identidade, de sua estrutura e de seu conteúdo.

Leia mais

PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIVERSIDADE FUMEC ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: INSTITUIÇÕES SOCIAIS, DIREITO E DEMOCRACIA

PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIVERSIDADE FUMEC ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: INSTITUIÇÕES SOCIAIS, DIREITO E DEMOCRACIA PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIVERSIDADE FUMEC ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: INSTITUIÇÕES SOCIAIS, DIREITO E DEMOCRACIA LINHA DE PESQUISA: Autonomia Privada, Regulação e Estratégia Esfera Pública Legitimidade

Leia mais

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CIVIL

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CIVIL P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CIVIL 1. Sobre a chamada constitucionalização do Direito Civil, assinale a alternativa correta: A) A constitucionalização do Direito Civil preconiza,

Leia mais

INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO

INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO GUSTAVO FILIPE BARBOSA GARCIA - INTRODUÇAO AO ESTUDO DO DIREITO TEORIA GERAL DO DIREITO DIDÁTICA DIFERENCIADA 3. a edição revista eatualizada *** reitora ~ H TODO SÃO PAULO A EDITORA MÉTODO se responsabiliza

Leia mais

Unidade I. Instituições de Direito Público e Privado. Profª. Joseane Cauduro

Unidade I. Instituições de Direito Público e Privado. Profª. Joseane Cauduro Unidade I Instituições de Direito Público e Privado Profª. Joseane Cauduro Estrutura da Disciplina Unidade I Conceitos Gerais de Direito O Direito e suas divisões, orientações e a Lei jurídica Unidade

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br (Artigos) poder normativo do juiz Newton Garcia Faustino Sabemos que o juiz é um agente político que detém parcela do poder do Estado e que possui ampla liberdade de atuação funcional,

Leia mais

Teoria Geral do Direito

Teoria Geral do Direito Professor Alexandre Travessoni Teoria Geral do Direito Ponto 1.1: Conceito da norma jurídica A norma é um juízo prescritivo Para Kelsen, existe uma clara distinção entre SER e DEVER SER. 1. SER: Âmbito

Leia mais

PROGRAMA. DIREITO CONSTITUCIONAL I (Introdução à Teoria da Constituição) Professor José Melo Alexandrino. (1.º ano 1.º Semestre Turma B) 2014/2015

PROGRAMA. DIREITO CONSTITUCIONAL I (Introdução à Teoria da Constituição) Professor José Melo Alexandrino. (1.º ano 1.º Semestre Turma B) 2014/2015 PROGRAMA DIREITO CONSTITUCIONAL I (Introdução à Teoria da Constituição) Professor José Melo Alexandrino (1.º ano 1.º Semestre Turma B) 2014/2015 INTRODUÇÃO 1. O objecto e o método do Direito constitucional

Leia mais

EIXO FUNDAMENTAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA

EIXO FUNDAMENTAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA Direito Constitucional e Teoria Geral do Estado * O Poder Constituinte * Processo Legislativo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Linhas Gerais sobre o Conceito e a Classificação Constitucionais Carmen Ferreira Saraiva* Resumo: As constituições em geral, inclusive a Constituição da República Federativa do Brasil

Leia mais

Conceito. Direito 01/08/2011

Conceito. Direito 01/08/2011 Conceito de Direito Conceito de Direito Introdução ao Estudo do Direito I Prof. Jayme Weingartner Neto Definições e acepções da palavra Direito Considerações prévias Kant, século XVIII - juristas ainda

Leia mais

III Estado Romano de um pequeno grupamento humano ao primeiro império mundial. Características: a) Base familiar de organização; b) Cristianismo.

III Estado Romano de um pequeno grupamento humano ao primeiro império mundial. Características: a) Base familiar de organização; b) Cristianismo. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ESTADO I Estado Antigo, Oriental ou Teocrático não se distingue o pensamento político da religião, da moral, da filosofia, ou das doutrinas econômicas. Características: a) Natureza

Leia mais

Dicas de Direito Constitucional

Dicas de Direito Constitucional Dicas de Direito Constitucional Olá Concursando, Hoje vamos estudar um pouco de Direito Constitucional, passando pela Teoria do Direito Constitucional e abarcando também o art. 1º da Constituição Federal

Leia mais

- Identificar as características da norma, as fontes de Direito, sua vigência e hierarquia;

- Identificar as características da norma, as fontes de Direito, sua vigência e hierarquia; FUNDAMENTOS DO DIREITO [11111] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS A unidade curricular de Fundamentos do Direito visa fornecer aos alunos uma introdução ao conceito, problemas e método do Direito, construindo

Leia mais

História do Direito Português Turma A Regente: Prof. Doutor António Pedro Barbas Homem. Introdução

História do Direito Português Turma A Regente: Prof. Doutor António Pedro Barbas Homem. Introdução História do Direito Português 2015-2016 Turma A Regente: Prof. Doutor António Pedro Barbas Homem Introdução Capítulo 1 Idade Média Capítulo 2 Idade Moderna Capítulo 3 Idade Contemporânea: século XIX (1820-1910)

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA

CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LINHAS DE PESQUISA Direito Constitucional e Teoria Geral do Estado *Aspectos de Direito Eleitoral *Controle

Leia mais

Simples Nacional e a Tributação pelo Lucro Presumido. Prof. Dr. Paulo Caliendo Professor PUCRS

Simples Nacional e a Tributação pelo Lucro Presumido. Prof. Dr. Paulo Caliendo Professor PUCRS + Simples Nacional e a Tributação pelo Lucro Presumido Prof. Dr. Paulo Caliendo Professor PUCRS + Quaestione Disputatae O Simples Nacional é preferível ao Lucro Presumido? Questão óbvia: a resposta deveria

Leia mais

Disciplina: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO. Nota: Nota por extenso: Docente: Assinatura:

Disciplina: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO. Nota: Nota por extenso: Docente: Assinatura: Disciplina: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Data: 10/outubro/2011 Nota: Nota por extenso: Docente: Assinatura: 1. O que é interpretação autêntica da lei? Critique-a do ponto de vista hermenêutico. (0,5

Leia mais

PLANO DE CURSO 2012/1

PLANO DE CURSO 2012/1 Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2012/1 DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTÁRIO PROFESSOR: JOÃO CLAUDIO GONÇALVES LEAL TURMA: 5º ANO INTEGRAL

Leia mais

CONSTITUCIONALISMO. Prof. Eduardo Casassanta

CONSTITUCIONALISMO. Prof. Eduardo Casassanta CONSTITUCIONALISMO Prof. Eduardo Casassanta Ementa Constituição. Conceito. Objeto. O movimento denominado Constitucionalismo. Evolução Histórica Neoconstitucionalismo Constituição Federal Constituição.

Leia mais

AS PROPOSIÇÕES PRESCRITIVAS - VII

AS PROPOSIÇÕES PRESCRITIVAS - VII AS PROPOSIÇÕES PRESCRITIVAS - VII I. Um ponto de vista formal/norma como proposição: - o objeto do estudo a ser desenvolvido será a norma jurídica, na sua estrutura lógico-lingüistica, ou seja, que tipo

Leia mais

Constituição, Paz e Democracia

Constituição, Paz e Democracia Constituição, Paz e Democracia Prof. Doutor Jorge Bacelar Gouveia Professor Catedrático e Presidente do Instituto do Direito de Língua Portuguesa (idilp.net) Beira, 23 de Março de 2017 (jorgebacelargouveia@live.com)

Leia mais

PROGRAMA 2º Semestre de 2016

PROGRAMA 2º Semestre de 2016 Disciplina: DES-114 Teoria do Estado I Professores: Cristiane Lucena Carneiro / Yi Shin Tang Número de Horas: 60 Número de Créditos: 04 PROGRAMA 2º Semestre de 2016 A OBJETIVOS DA DISCIPLINA A disciplina

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades 7 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E

Leia mais

ANOTAÇÕES ACERCA DA NORMA FUN DAMENTAL KELSENIANA 1. A Teoria Geral das Normas veio reavivar os debates acadêmicos entorno da Teoria kelseniana.

ANOTAÇÕES ACERCA DA NORMA FUN DAMENTAL KELSENIANA 1. A Teoria Geral das Normas veio reavivar os debates acadêmicos entorno da Teoria kelseniana. ANOTAÇÕES ACERCA DA NORMA FUN DAMENTAL KELSENIANA 1 Ildemar Egger 2 A Teoria Geral das Normas veio reavivar os debates acadêmicos entorno da Teoria kelseniana. Uma vez que, com as críticas ao positivismo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ESTRUTURA CURRICULAR STRICTO SENSU (por área de concentração-baseada na Res. Vigente do CCEPE)

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ESTRUTURA CURRICULAR STRICTO SENSU (por área de concentração-baseada na Res. Vigente do CCEPE) NOME DO CURSO: DIREITO NÍVEL: [ x ] MESTRADO [ ] DOUTORADO LINHA DE PESQUISA: 1 ESTADO, CONSTITUCIONALIZAÇÃO E DIREITOS HUMANOS PERÍODO DE VIGÊNCIA: para alunos MATRICULADOS a partir de 03 / 2013 DO CURSO

Leia mais

Unidade I INSTITUIÇÕES DO DIREITO. Prof. Me. Edson Guedes

Unidade I INSTITUIÇÕES DO DIREITO. Prof. Me. Edson Guedes Unidade I INSTITUIÇÕES DO DIREITO Prof. Me. Edson Guedes 1. Introdução ao Direito 1.1 Origem do Direito: Conflitos humanos; Evitar a luta de todos contra todos; 1. Introdução ao Direito 1.2 Conceito de

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no3.355 de 05/12/02-DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no3.355 de 05/12/02-DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no3.355 de 05/12/02-DOU de 06/12/02 Componente Curricular:HERMENÊUTICA E LÓGICA JURÍDICA Código: DIR 164 CH Total: 60h Pré-requisito: Metodologia

Leia mais

O poder e a política SOCIOLOGIA EM MOVIMENTO

O poder e a política SOCIOLOGIA EM MOVIMENTO Capítulo 6 Poder, política e Estado 1 O poder e a política Poder se refere à capacidade de agir ou de determinar o comportamento dos outros. As relações de poder perpassam todas as relações sociais. As

Leia mais

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Abreviaturas e siglas usadas. Apresentação

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Abreviaturas e siglas usadas. Apresentação ÍNDICE SISTEMÁTICO Abreviaturas e siglas usadas Apresentação Capítulo 1 Gênese do direito 1. Escola jusnaturalista ou do direito natural 1.1. Origem do jusnaturalismo 2. Escola teológica 2.1. Origem da

Leia mais

Informação Prova Final a Nível de Escola

Informação Prova Final a Nível de Escola ESCOLA E.B. 2,3 DE MARCO DE CANAVESES Informação Prova Final a Nível de Escola Português - 2º Ciclo 51 1. Introdução Ano Letivo 2014/2015 Prova Escrita abril 2015 O presente documento divulga informação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL FADIVALE FILOSOFIA DO DIREITO lugafap@yahoo.com.br jlgabriel.blogspot.com POSITIVISMO JURÍDICO: O NORMATIVISMO DE HANS KELSEN BITTAR e ALMEIDA, Curso de Filosofia do

Leia mais

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA 12º ANO PLANIFICAÇÃO OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT ESCOLA SECUNDÁRIA ALBERTO SAMPAIO 1 Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 125, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 125, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 125, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás.

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD Plano de Ensino 2015/1 Atenção! Este Plano de Ensino é um Rascunho. Sua impressão não está liberada por se tratar de um documento

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E A CONSTITUIÇÃO

DIREITOS HUMANOS E A CONSTITUIÇÃO DIREITOS HUMANOS E A CONSTITUIÇÃO Aula 06 NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Identificamos a evolução histórica dos direitos humanos Direitos Humanos Direitos fundamentais Geração x Dimensões Documentos Históricos

Leia mais

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA 1. Argumentação e Lóg gica Formal 1.1. Distinção validade - verdade 1.2. Formas de Inferên ncia Válida. 1.3. Principais Falácias A Lógica: objecto de estudo

Leia mais

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO SOFISTAS Acreditavam num relativismo moral. O ceticismo dos sofistas os levava a afirmar que, não existindo verdade absoluta, não poderiam existir valores que fossem validos universalmente. A moral variaria

Leia mais

Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p.

Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p. Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p. Resenhado por: Adriana Sidralle Rolim O texto e a construção dos sentidos é um livro que aborda questões referentes ao

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES 1º SEMESTRE CURSO DE DIREITO. 1º Período

CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES 1º SEMESTRE CURSO DE DIREITO. 1º Período CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES 1º SEMESTRE - 2017 CURSO DE DIREITO 1º Período 23/03 Linguagens, Filosofia e Português Jurídico - 20h 28/03 Direito e Sociedade - 20h 24/03 Economia - 21h20 29/03 Linguagens, Filosofia

Leia mais

Orientações para efeitos de avaliação sumativa externa das aprendizagens na disciplina de Filosofia. 10.º e 11.º Anos. Cursos Científico-humanísticos

Orientações para efeitos de avaliação sumativa externa das aprendizagens na disciplina de Filosofia. 10.º e 11.º Anos. Cursos Científico-humanísticos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÂO E CIÊNCIA DIRECÇÃO-GERAL DE INOVAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR Orientações para efeitos de avaliação sumativa externa das aprendizagens na disciplina de Filosofia 10.º e 11.º

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

DIREITO SUBSTANCIAL E PROCESSUAL

DIREITO SUBSTANCIAL E PROCESSUAL DIREITO SUBSTANCIAL E PROCESSUAL DIREITO SUBSTANCIAL E PROCESSUAL 1 Surgimento do Estado de Direito e o Direito Moderno Necessidade de ordenamento jurídico sob tutela do Estado. Criação de órgãos jurisdicionais.

Leia mais

» As palavras têm uma história e fazem a história. O peso e o significado das palavras são influenciados pela história

» As palavras têm uma história e fazem a história. O peso e o significado das palavras são influenciados pela história Denis Hendrick » As palavras têm uma história e fazem a história. O peso e o significado das palavras são influenciados pela história» A palavra cultura não tem equivalente na maioria das línguas orais.

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA E DEONTOLOGIA Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA E DEONTOLOGIA Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular ÉTICA E DEONTOLOGIA Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular ÉTICA

Leia mais

Disciplina: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO. Nota: Nota por extenso: Docente: Assinatura:

Disciplina: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO. Nota: Nota por extenso: Docente: Assinatura: Disciplina: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Data: 27/junho/2014 Nota: Nota por extenso: Docente: Assinatura: 1. Segundo uma certa teoria do direito (Viehweg; Ferraz Jr) existem diferentes enfoques teóricos

Leia mais

Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro Bateria de Questões Cespe. Prof. Dicler Forestieri

Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro Bateria de Questões Cespe. Prof. Dicler Forestieri Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro Bateria de Questões Cespe Prof. Dicler Forestieri LEI DE INTRODUÇÃO ÀS NORMAS DO DIREITO BRASILEIRO Professor Dicler Forestieri Ferreira EXERCÍCIOS DA

Leia mais

Linguagem com sintaxe e semântica precisas: lógica. Mecanismo de inferência: derivado da sintaxe e da

Linguagem com sintaxe e semântica precisas: lógica. Mecanismo de inferência: derivado da sintaxe e da istemas de Apoio à Decisão Clínica, 09-1 1 Linguagem com sintaxe e semântica precisas: lógica. Mecanismo de inferência: derivado da sintaxe e da semântica. Importante: distinguir entre os fatos e sua representação

Leia mais

SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS...13 AGRADECIMENTOS...15 APRESENTAÇÃO...17 PREFÁCIO...19 INTRODUÇÃO... 23

SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS...13 AGRADECIMENTOS...15 APRESENTAÇÃO...17 PREFÁCIO...19 INTRODUÇÃO... 23 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS...13 AGRADECIMENTOS...15 APRESENTAÇÃO...17 PREFÁCIO...19 INTRODUÇÃO... 23 CAPÍTULO 1 EM BUSCA DA DEFINIÇÃO DO PRINCÍPIO DA SEGURANÇA JURÍDICA..29 1.1. O direito e a segurança

Leia mais

CIÊNCIA POLÍTICA Prof. André Terça 05/02/2013 e 19/02/2013

CIÊNCIA POLÍTICA Prof. André Terça 05/02/2013 e 19/02/2013 CIÊNCIA POLÍTICA Prof. André Terça 05/02/2013 e 19/02/2013 Introdução à Política Noções preliminares de Ciência Política 1.1 Acepções da palavra Política 1.2 Política e Ciência Política 1.3 Ciência Política:

Leia mais

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), no uso de suas

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL Direito Administrativo

RESOLUÇÃO DA PROVA DE TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL Direito Administrativo RESOLUÇÃO DA PROVA DE TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL - 2005 Henrique Cantarino www.editoraferreira.com.br Direito Administrativo Caros amigos, voltamos com a correção das questões da prova de Técnico da Receita

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

1. CLASSIFICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS QUANTO A SUA EFICÁCIA. Traz a classificação das normas do direito norte-americano.

1. CLASSIFICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS QUANTO A SUA EFICÁCIA. Traz a classificação das normas do direito norte-americano. 1 DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL PONTO 1: Classificação das Normas Constitucionais quanto a sua eficácia PONTO 2: Interpretação da Constituição PONTO 3: Tipologia das Normas Constitucionais

Leia mais

DE DIREITO PERÍODO MATUTINO HORÁRIO DO 1º SEMESTRE

DE DIREITO PERÍODO MATUTINO HORÁRIO DO 1º SEMESTRE DE DIREITO PERÍODO MATUTINO 2016-1 HORÁRIO DO 1º SEMESTRE 08:00 09:35 Introdução ao Estudo do Direito Direito, Pessoa e Sociedade Direito Civil LINDB e Parte Geral I Redação e Linguagem Jurídica Direito,

Leia mais

Linguagem, Teoria do Discurso e Regras

Linguagem, Teoria do Discurso e Regras Linguagem, Teoria do Discurso e Regras FMP FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO FACULDADE DE DIREITO LINGUAGEM, TEORIA DO DISCURSO E REGRAS DA ARGUMENTAÇÃO PRÁTICA OS JOGOS DE LINGUAGEM (SPRACHSPIELEN)

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO SECUNDÁRIO Planificação Anual 2012-2013 FILOSOFIA

Leia mais

NORMAS DE CONTROLE DA ELUSÃO FISCAL

NORMAS DE CONTROLE DA ELUSÃO FISCAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CURSO DE MESTRADO EM DIREITO João de Deus Moreira Calheiros Júnior NORMAS DE CONTROLE DA ELUSÃO FISCAL Orientador: Prof. Dr. Raymundo Juliano

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 9 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

Mutação constitucional do conceito de mercadoria. Simone Costa Barreto Mestre e doutoranda PUC/SP

Mutação constitucional do conceito de mercadoria. Simone Costa Barreto Mestre e doutoranda PUC/SP Mutação constitucional do conceito de mercadoria Simone Costa Barreto Mestre e doutoranda PUC/SP Para reflexão: O conceito de mercadoria consolidado pela doutrina, e que vem sendo utilizado pelos aplicadores

Leia mais

Redução da maioridade penal: justiça ou vingança? Camila Valle[1]

Redução da maioridade penal: justiça ou vingança? Camila Valle[1] Camila Valle[1] O objetivo da redução da maioridade penal é fazer com que o Direito Penal (e a justiça correspondente) seja aplicado aos que hoje são tutelados pelo Estatuto da Criança e do Adolescente

Leia mais

SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA ANEXO Ii DISCIPLINA/EMENTA/PERFIL DO CANDIDATO/NÚMERO DE VAGAS VAGA= Vaga imediata CR= Cadastro de Reserva

SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA ANEXO Ii DISCIPLINA/EMENTA/PERFIL DO CANDIDATO/NÚMERO DE VAGAS VAGA= Vaga imediata CR= Cadastro de Reserva 01 02 03 04 DISCIPLINA EMENTA PERFIL DO CANDIDATO VAGA Introdução aos Estudos sobre Segurança Introdução à Educação a Distância Estado, Direito e Cidadania, em perspectiva comparada Antropologia do Direito

Leia mais

CONTRATOS INTERNACIONAIS: NOVOS PARADIGMAS AO JURISTA BRASILEIRO

CONTRATOS INTERNACIONAIS: NOVOS PARADIGMAS AO JURISTA BRASILEIRO CONTRATOS INTERNACIONAIS: NOVOS PARADIGMAS AO JURISTA BRASILEIRO Neuci Pimenta de Medeiros * Walcemir de Azevedo de Medeiros ** há uma novidade no ordenamento jurídico brasileiro: a Convenção das Nações

Leia mais