Estrutura de um Sistema Especialista

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estrutura de um Sistema Especialista"

Transcrição

1 Sistemas Especialistas Difusos Estrutura de um Sistema Especialista Prof. Max Pereira

2 Áreas de Aplicação da IA SISTEMAS Sistemas Especialistas (Baseados em Conhecimento) Sistemas Conexionistas Sistemas Evolutivos

3 O que é um Sistema Especialista RAMO DA IA Faz uso intensivo do conhecimento especializado para resolver problemas comparável a um especialista humano Programas computacionais que emulam o comportamento de especialistas humanos em algum domínio específico do conhecimento

4 O que é um Sistema Especialista? ESPECIALISTA a pessoa que tem um conhecimento especializado ou perícia (expertise) numa certa área

5 Histórico Anos de especialização e sucessos, MYCIN (Stanford) HEARSAY II (Carnegie-Mellon) MACSYMA (MIT) EMYCIN (Stanford) GUIDON (Stanford) PROLOG

6 Porque não especialistas humanos? ESPECIALISTAS HUMANOS perecível difícil transferir difícil documentar imprevisível caros ESPECIALISTAS ARTIFICIAIS permanente fácil transferência fácil documentar consistente relativamente barato

7 Porque manter especialistas humanos? ESPECIALISTAS HUMANOS criativo adaptativo experiência sensorial foco aberto senso comum ESPECIALISTAS ARTIFICIAIS sem inspiração ensinado estruturas simbólicas foco estreito conhecimento técnico

8 Vantagens dos Sistemas Especialista Disponibilidade Custo reduzido Registro permanente Múltipla perícia

9 Resolução de Problemas por Especialista Humano Memória de Longo Prazo Domínio do Conhecimento Memória de Curto Prazo Casos/Fatos Conclusões Raciocínio Conselho Fatos Conclusões

10 Resolução de Problemas por Sistemas Especialista Base de Conhecimento Domínio do Conhecimento Memória de Trabalho Casos/Fatos Conclusões Máquina de Inferência Usuário Fatos Conclusões

11 Estrutura de um Sistemas Especialista BASE DE CONHECIMENTOS Regras Fatos MÁQUINA DE INFERÊNCIA Inferência Controle Modulo de aquisição de conhecimento Engenheiro de Conhecimento Modulo de explanação Interface usuário USUÁRIO

12 Funcionamento de um Sistemas Especialista USUÁRIO Fatos Resposta Base de Conhecimento Máquina de Inferência

13 Base de Conhecimento Parte de um Sistema Especialista que contém o domínio do conhecimento Especialista Representação do Conhecimento Engenheiro de Conhecimento Regras Redes semânticas Frames Cálculo de Predicados

14 REGRAS Introdução Base de Conhecimento REGRA 1 SE o carro não dá partida ENTÃO o problema pode estar no sistema elétrico REGRA 2 SE o problema pode estar no sistema elétrico E a voltagem da bateria está abaixo de 10 volts ENTÃO a falha está na bateria

15 Memória de Trabalho É a parte do sistema que contém os fatos sobre o problema que são inferidos durante a sessão de consulta SISTEMA USUÁRIO Conclusão Informação Base de Conhecimento Memória de Trabalho Base de Dados Planilhas Sensores

16 Máquina de Inferência É o processador do sistema que faz o casamento dos fatos, contidos na memória de trabalho, com o domínio do conhecimento contido na base de conhecimento, para inferir uma conclusão.

17 Máquina de Inferência Usuário Memória de Trabalho Base de Conhecimento Máquina de Inferência Regras Redes semânticas Frames Cálculo de Predicados

18 SESSÃO PASSO 1 SISTEMA O carro não dá partida? USUÁRIO SIM PASSO 2 SISTEMA A voltagem da bateria abaixo de 10? USUÁRIO SIM Introdução Máquina de Inferência REGRA 1 FATOS USUÁRIO O carro não dá partida SISTEMA O problema pode estar no sistema elétrico REGRA 2 CONCLUSÃO USUÁRIO A bateria está abaixo de 10 V SISTEMA O problema é a bateria

19 Desenvolvimento de um Sistemas Especialista avaliação Base de Conhecimento Especialista Humano diálogo conhecimento explícito Engenheiro de Conhecimento

20 Vantagens dos Sistemas Especialista Explicação Rapidez de resposta Respostas estáveis completas não emocionais Tutor inteligente Base de dados inteligente

21 Características dos Sistemas Especialistas Alto desempenho Tempo de resposta adequado Boa confiabilidade Capaz de entendimento Flexibilidade Raciocínio simbólico

22 Sistemas Especialistas vs. Sistemas Convencionais DIFERENÇA BÁSICA S.E. manipulam conhecimento Programas convencionais manipulam dados

23 Sistemas Especialistas vs. Sistemas Convencionais SISTEMAS CONVENCIONAIS PROCESSAMENTO DE DADOS representação e uso de dados algorítmico processos repetitivos efetiva manipulação de grandes bases de dados

24 Sistemas Especialistas vs. Sistemas Convencionais SISTEMAS ESPECIALISTA ENGENHARIA DE CONHECIMENTO representação e uso de conhecimento heurística processos de inferência efetiva manipulação de grandes bases de conhecimento

25 Conhecimento do Especialista DOMÍNIO DO PROBLEMA área particular onde um especialista consegue resolver problemas muito bem medicina, finanças, ciências, engenharias...

26 Conhecimento do Especialista DOMÍNIO DO CONHECIMENTO Representa o conhecimento do especialista sobre a resolução de problemas específicos Por exemplo: diagnóstico de enfermidades infecciosas Domínio do problema : medicina Domínio do conhecimento: sintomas, doenças e tratamentos Inferência

27 Domínio do Problema vs. Domínio do Conhecimento Domínio do Problema Domínio do Conhecimento

28 FATORES Especialista Introdução Domínio há pelo menos um especialista disposto a cooperar? O especialista consegue explicar o seu conhecimento? Solução do problema usa heurísticas? envolve tratamento de incerteza?

29 CLASSES DE S.E. Configuração Diagnose Instrução Interpretação Monitoramento Planejamento Previsão Prescrição Controle Introdução Aplicações

30 Ferramentas de Desenvolvimento SHELL Sistema de programação de propósito especial projetado para certos tipos de aplicações usuário fornece a base de conhecimento

Módulo 6: Inteligência Artificial

Módulo 6: Inteligência Artificial Módulo 6: Inteligência Artificial Assuntos: 6.1. Aplicações da IA 6.2. Sistemas Especialistas 6.1. Aplicações da Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas

Leia mais

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas

Leia mais

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Inteligência Artificial Definição (Fonte: AAAI ): "the scientific understanding of the mechanisms

Leia mais

NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX. No Renascimento de uma Nova Era... IX PREÂMBULO... XIII. Organização do livro... xiii. Destinatários...

NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX. No Renascimento de uma Nova Era... IX PREÂMBULO... XIII. Organização do livro... xiii. Destinatários... NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX No Renascimento de uma Nova Era... IX Índice PREÂMBULO... XIII Organização do livro... xiii Destinatários... xiv Utilização do livro... xiv Agradecimentos... xiv

Leia mais

Tutores Inteligentes versus outras Abordagens de Ensino. Representação do Conhecimento nos Tutores Inteligentes

Tutores Inteligentes versus outras Abordagens de Ensino. Representação do Conhecimento nos Tutores Inteligentes Tutores Inteligentes Sistemas Periciais 2003/04 DEI-ISEP ISEP Organização I. Sistemas de Ensino Baseados em Computador II. III. IV. Tutores Inteligentes versus outras Abordagens de Ensino Representação

Leia mais

PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA

PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA Inteligência Artificial CONCEITOS PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA O que é Inteligência Artificial O que é Inteligência Artificial? É a ciência e engenharia de projetar/construir máquinas inteligentes,

Leia mais

A experiência do TECPAR

A experiência do TECPAR Inteligência Artificial em aplicações industriais A experiência do TECPAR Dr. Eng. Milton Pires Ramos Centro de Engenharia de Sistemas Inteligentes Empresa pública vinculada à Secretaria de Estado da Ciência,

Leia mais

Introdução à Inteligência Artificial (Capítulo 1 - Russell) Inteligência Artificial. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Introdução à Inteligência Artificial (Capítulo 1 - Russell) Inteligência Artificial. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Introdução à Inteligência Artificial (Capítulo 1 - Russell) Inteligência Artificial Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Áreas de Apoio para IA 3. Sub-Áreas da IA 4.

Leia mais

Protótipo tipo de Sistema Especialista Para Área Comercial Utilizando a Ferramenta SPIRIT

Protótipo tipo de Sistema Especialista Para Área Comercial Utilizando a Ferramenta SPIRIT Protótipo tipo de Sistema Especialista Para Área Comercial Utilizando a Ferramenta SPIRIT Jonas Luchtenberg Orientador: Maurício Capobiano Lopes Roteiro de Apresentação Introdução Objetivo Principal Sistemas

Leia mais

Sistemas Especialistas

Sistemas Especialistas Sistemas Especialistas Sistemas de Informação Inteligentes Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula3 Agenda Conceitos para a construção Avaliação de alguns sistemas especialistas Page 2 Sistemas Especialistas

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação AUTOMAÇÃO Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Conceitos iniciais Automação é todo um ferramental

Leia mais

Revisão Inteligência Artificial ENADE. Prof a Fabiana Lorenzi Outubro/2011

Revisão Inteligência Artificial ENADE. Prof a Fabiana Lorenzi Outubro/2011 Revisão Inteligência Artificial ENADE Prof a Fabiana Lorenzi Outubro/2011 Representação conhecimento É uma forma sistemática de estruturar e codificar o que se sabe sobre uma determinada aplicação (Rezende,

Leia mais

Representação de Conhecimento Redes Semânticas e Frames

Representação de Conhecimento Redes Semânticas e Frames Representação de Conhecimento Redes Semânticas e Frames Profa. Josiane M. P. Ferreira e Prof. Sérgio R. P. da Silva David Poole, Alan Mackworth e Randy Goebel - Computational Intelligence A logical approach

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Informação

Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Informação Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Informação Introdução a Engenharia da Informação Sistemas Inteligentes - Inteligência Artificial Sistemas Baseados em Conhecimento Prof. Edson Pinheiro Pimentel

Leia mais

Universidade Federal do Vale do São Francisco Inteligência Artificial

Universidade Federal do Vale do São Francisco Inteligência Artificial Universidade Federal do Vale do São Francisco Inteligência Artificial Professor: Marcelo Santos Linder E-mail: marcelo.linder@univasf.edu.br Página: www.univasf.edu.br/~marcelo.linder Ementa Introdução

Leia mais

Previsão de Vendas para Artigos de Confecção utilizando Redes Bayesianas Um caso prático

Previsão de Vendas para Artigos de Confecção utilizando Redes Bayesianas Um caso prático Previsão de Vendas para Artigos de Confecção utilizando Redes Bayesianas Um caso prático Sandro Bertotti 1, Mirian de Luca S. Caetano 1, Paulo S. S. Borges 2 1 Curso de Pós Graduação em Ciências da Computação

Leia mais

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a 18 1 INTRODUÇÃO Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a população dos países industrializados. Essas doenças são responsáveis por mais de cinco milhões de pessoas hospitalizadas

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão & Inteligência Artificial

Sistemas de Apoio à Decisão & Inteligência Artificial INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas de Apoio à Decisão & Inteligência Artificial Prof. Paulo Roberto Schroeder de Souza. Sumário 1. Inteligência Artificial: a) Conceito, b) Áreas

Leia mais

ENIAC. Introdução aos Computadores e à Programação (Noções Básicas)

ENIAC. Introdução aos Computadores e à Programação (Noções Básicas) ENIAC Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) 1 Introdução aos Computadores e à ção (Noções Básicas) 2 O transistor foi inventado em 1947

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br APLICABILIDADE E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Técnicas de Inferência

Técnicas de Inferência Técnicas de Inferência Raciocínio As pessoas resolvem problemas através da combinação de fatos com seu conhecimento. Raciocínio O processo de trabalhar com conhecimento, fatos e estratégias de resolução

Leia mais

GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL

GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL 1 OBJETIVOS 1. Por que hoje as empresas necessitam de programas de gestão do conhecimento e sistemas para gestão do conhecimento? 2. Quais são as aplicações

Leia mais

Curso Técnico em Redes

Curso Técnico em Redes Curso Técnico em Redes Prof. Airton Ribeiro - 2012 Histórico das Linguagens de Programação O que é? É um método padronizado para expressar instruções para um computador. É um conjunto de regras sintáticas

Leia mais

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores Autor: José Augusto Manzano Capítulo 1 Abordagem Contextual 1.1. Definições Básicas Raciocínio lógico depende de vários fatores para

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Tópic i o c s s E s E p s ec e i c a i i a s Gerencia i me m nto t d e D ados e I n I fo f rma m ção Ban a co c s s d e e D ad a os s N ão ã

Tópic i o c s s E s E p s ec e i c a i i a s Gerencia i me m nto t d e D ados e I n I fo f rma m ção Ban a co c s s d e e D ad a os s N ão ã Tópicos Especiais Gerenciamento de Dados e Informação Ana Carolina Salgado Fernando Fonseca Valeria Times Bernadette Lóscio Bancos de Dados Não Banco de Dados Multimídia Banco de Dados Ativos Banco de

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software O que é a engenharia de software É um conjunto integrado de métodos e ferramentas utilizadas para especificar, projetar, implementar e manter um sistema. Método É uma prescrição

Leia mais

Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios

Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios Empresas e outras organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Informação

Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Informação Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Informação Introdução a Engenharia da Informação Sistemas Inteligentes - Inteligência Artificial Inteligência Artificial na Educação Prof. Edson Pinheiro Pimentel

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

SEGERBIL Sistema Especialista para detecção de doenças em Gerbis

SEGERBIL Sistema Especialista para detecção de doenças em Gerbis SEGERBIL Sistema Especialista para detecção de doenças em Gerbis Alexandre Coutinho Evangelista (Graduando), Andréa Aparecida Konzen (Mestre) Departamento de Informática - Universidade Luterana do Brasil

Leia mais

Paradigmas da IA. Eixos centrais (das diferenças)

Paradigmas da IA. Eixos centrais (das diferenças) Paradigmas da IA Paradigmas da IA Simbólico: metáfora lingüística/lógica Sistemas de produção Conexionista: metáfora cérebro Redes neurais Evolucionista: metáfora teoria da evolução natural Algoritmos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO ENSINO TÉCNICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FAETERJ Petrópolis Área de Extensão PLANO DE CURSO

FUNDAÇÃO DE APOIO AO ENSINO TÉCNICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FAETERJ Petrópolis Área de Extensão PLANO DE CURSO FUNDAÇÃO DE APOIO AO ENINO TÉCNICO DO ETADO DO RIO DE JANEIRO PLANO DE CURO 1. Identificação Curso de Extensão: INTRODUÇÃO AO ITEMA INTELIGENTE Professor Regente: José Carlos Tavares da ilva Carga Horária:

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

agente deve continuar funcionando mesmo depois que seu agenciador não está mais presente

agente deve continuar funcionando mesmo depois que seu agenciador não está mais presente Atributos Importantes Independência agente deve continuar funcionando mesmo depois que seu agenciador não está mais presente Adaptabilidade agente deve poder se adaptar a múltiplos ambientes, envolvendo

Leia mais

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo Roteiro Introdução Sistemas de Informação - SI Executive Information

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

O que é um programa? Programa é uma lista de instruções que descrevem uma tarefa a ser realizada pelo computador.

O que é um programa? Programa é uma lista de instruções que descrevem uma tarefa a ser realizada pelo computador. O que é um programa? Programa é uma lista de instruções que descrevem uma tarefa a ser realizada pelo computador. Linguagem de Programação Uma linguagem de programação é um método padronizado para expressar

Leia mais

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Centro Universitário Feevale ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Fernando Mertins Prof. Orientador: Rodrigo Rafael Villarreal Goulart Dezembro de 2007 Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos

Leia mais

IA: Introdução. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

IA: Introdução. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br IA: Introdução Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário O que é Inteligência Artificial? IA forte e IA fraca Métodos fortes e Métodos fracos De Aristóteles a Babbage Alan Turing e

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

Sistemas Tutores Inteligentes

Sistemas Tutores Inteligentes Sistemas Tutores Leila Cristina Vasconcelos de Andrade Jorge Juan Zavaleta Gavidia Trabalho de conclusão da disciplina Inteligência Artificial do Programa de Pós-Graduação da COPPE-Sistemas da Universidade

Leia mais

Ronaldo Ribeiro Goldschmidt

Ronaldo Ribeiro Goldschmidt 1 Governo do Estado do Rio de Janeiro Fundação de Apoio à Escola Técnica Instituto Superior de Tecnologia do Rio de Janeiro Série Livros Didáticos Digitais Gratuitos Uma Introdução à Inteligência Computacional:

Leia mais

Artigo desnecessario escrever a palavra artigo. SISTEMAS ESPECIALISTAS Definições e Exemplos.

Artigo desnecessario escrever a palavra artigo. SISTEMAS ESPECIALISTAS Definições e Exemplos. Artigo desnecessario escrever a palavra artigo SISTEMAS ESPECIALISTAS Definições e Exemplos. Autor: Marcelo Strehl. (centrado; faltou dizer de onde é, isto é sua filiação; além disto não se coloca a palara

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE 2.ª SÉRIE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE (ÁREA: INFORMÁTICA)

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE 2.ª SÉRIE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE (ÁREA: INFORMÁTICA) MATRIZ CURRICULAR CURSO: GRADUAÇÃO: REGIME: DURAÇÃO: INTEGRALIZAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE (ÁREA: ) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS MÍNIMO:

Leia mais

Sistema Educacional e Médico On-line (SEMedicOn): uma ferramenta híbrida para auxiliar pacientes, médicos e estudantes da saúde

Sistema Educacional e Médico On-line (SEMedicOn): uma ferramenta híbrida para auxiliar pacientes, médicos e estudantes da saúde Sistema Educacional e Médico On-line (SEMedicOn): uma ferramenta híbrida para auxiliar pacientes, médicos e estudantes da saúde Cláudia Batista Melo 1, 2, Ulrich Schiel 3, Lourdes Mattos Brasil 4, Edilson

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial CTC15 Aula 1 CTC15 Aula 1 1 Motivação e orientações gerais Sumário O que é e para que serve IA Breve história e estado da arte Divisões em IA Bibliografia e organização do curso

Leia mais

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Gerência e Planejamento de Projeto SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Conteúdo: Parte 1: Gerenciamento & Qualidade Plano de Projeto

Leia mais

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini Redes Neurais Profa. Flavia Cristina Bernardini Introdução Cérebro & Computador Modelos Cognitivos Diferentes Cérebro Computador Seqüência de Comandos Reconhecimento de Padrão Lento Rápido Rápido Lento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Eriko Carlo Maia Porto UNESA Universidade Estácio de Sá eriko_porto@uol.com.br Última revisão Julho/2003 REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Década de 50 introdução dos

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Introdução a Linguagens de Programação Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.1/tcc-00.157

Leia mais

Paradigmas de Linguagens de Programação. Aspectos Preliminares

Paradigmas de Linguagens de Programação. Aspectos Preliminares Aspectos Preliminares Cristiano Lehrer Motivação (1/6) Aumento da capacidade de expressar idéias: Difícil conceituar estruturas quando não se pode descreve-las. Programadores são limitados pelas linguagens.

Leia mais

Extração de Conhecimento a partir dos Sistemas de Informação

Extração de Conhecimento a partir dos Sistemas de Informação Extração de Conhecimento a partir dos Sistemas de Informação Gisele Faffe Pellegrini & Katia Collazos Grupo de Pesquisa em Eng. Biomédica Universidade Federal de Santa Catarina Jorge Muniz Barreto Prof.

Leia mais

Ambiental Web: Sistema Especialista para Apoio à Avaliação de Processos de Licenciamento Ambiental

Ambiental Web: Sistema Especialista para Apoio à Avaliação de Processos de Licenciamento Ambiental 13 Ambiental Web: Sistema Especialista para Apoio à Avaliação de Processos de Licenciamento Ambiental Luciano Rosa de Almeida, Sidnei Renato Silveira, Guilherme Bernardino Cunha Universidade Federal de

Leia mais

Desenvolvimento de grandes aplicações com a programação orientada a objeto do LabVIEW

Desenvolvimento de grandes aplicações com a programação orientada a objeto do LabVIEW 1 Desenvolvimento de grandes aplicações com a programação orientada a objeto do LabVIEW Alisson Kokot Engenheiro de Vendas Osvaldo Santos Engenheiro de Sistemas 2 Agenda 1. Arquitetura da Aplicação 2.

Leia mais

Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos

Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos Nombre Carlos Guilherme Gonzales Correo cgonzale@cteep.com.br Empresa www.cteep.com.br Cargo

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

SISTEMA ESPECIALISTA DIFUSO PARA ANÁLISE DE CRÉDITO

SISTEMA ESPECIALISTA DIFUSO PARA ANÁLISE DE CRÉDITO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO SISTEMA ESPECIALISTA DIFUSO PARA ANÁLISE DE CRÉDITO DISSERTAÇÃO SUBMETIDA À UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 66303 ESTRUTURA DE DADOS I 68/0 ENG. DE

Leia mais

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Tipos de Software (Básico) Tipos de Software. Curso Conexão Noções de Informática

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Tipos de Software (Básico) Tipos de Software. Curso Conexão Noções de Informática Curso Conexão Noções de Informática Aula 2 Arquitetura de Computadores (Software) Agenda Introdução; Tipos de Software; Básico; Aplicativo; Livre; Proprietário. Pirataria de Software; Demos, Freewares

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25 Informática Prof. Macêdo Firmino Introdução a Informática Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25 O Que é um Computador? É uma máquina composta de um conjunto de partes eletrônicas e

Leia mais

SISTEMAS ESPECIALISTAS PARA DETERMINAÇÃO DE CUSTOS DENTRO DA FILOSOFIA ABC

SISTEMAS ESPECIALISTAS PARA DETERMINAÇÃO DE CUSTOS DENTRO DA FILOSOFIA ABC SISTEMAS ESPECIALISTAS PARA DETERMINAÇÃO DE CUSTOS DENTRO DA FILOSOFIA ABC Eli Márcio Fonseca Universida Feral Uberlândia Faculda Engenharia Mecânica Departamento Processos e Produção Campus Santa Mônica

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA DA INTERFACE PARA O

PROPOSTA DE MELHORIA DA INTERFACE PARA O PROPOSTA DE MELHORIA DA INTERFACE PARA O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE Orientado: Nestor Vicente Soares Netto Orientador: André Luiz Zambalde Co-orientador: Ahmed Ali Abdalla Esmin Roteiro 1.

Leia mais

GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL

GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL Capítulo 10 GERENCIAMENTO DO CONHECIMENTO NA EMPRESA DIGITAL 10.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que hoje as empresas necessitam de programas de gestão do conhecimento e sistemas para gestão do conhecimento?

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE Síntese de tópicos importantes PRESSMAN, Roger S. Conteúdo Componentes e tipos de software Problemas com o software e suas causas Mitologia que envolve o software Configuração de

Leia mais

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software 2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software A uso da abordagem de agentes de software 1 pode trazer benefícios a áreas de aplicação em que é necessário construir sistemas autônomos, ou seja,

Leia mais

Interação Humano-Computador Surveys PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Surveys PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Surveys PROFESSORA CINTIA CAETANO Definição Um questionário é um formulário impreso ou on-line com perguntas que os usuários e demais participantes devem responder, a fim de

Leia mais

Parte II Introdução a Linguagens de Programação

Parte II Introdução a Linguagens de Programação Programação de Computadores III Aula 1 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

Encadeamento progressivo: Exemplo no domínio dos veículos Carregar a BR de veículos no MI e atribuir valores iniciais para algumas variáveis,

Encadeamento progressivo: Exemplo no domínio dos veículos Carregar a BR de veículos no MI e atribuir valores iniciais para algumas variáveis, Encadeamento progressivo: Exemplo no domínio dos veículos Carregar a BR de veículos no MI e atribuir valores iniciais para algumas variáveis, guardando esses fatos na MT. Fatos iniciais: num-rodas=4, motor=sim,

Leia mais

AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS

AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS Curso: Sistemas de Informação (Subseqüente) Disciplina: Administração de Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.br História

Leia mais

Capítulo 4 Sistemas de Informação para Apoio à Decisão Gerencial

Capítulo 4 Sistemas de Informação para Apoio à Decisão Gerencial Capítulo 4 Sistemas de Informação para Apoio à Decisão Gerencial SEÇÃO I: Sistemas de Informação Gerencial e de Apoio à Decisão 4.1 Introdução Este capítulo enfoca os principais tipos de sistemas de informação

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

Gestão do Conhecimento. Capitulo 11

Gestão do Conhecimento. Capitulo 11 Gestão do Conhecimento Capitulo 11 Gestão do Conhecimento Objetivos da aula Gestão de Conhecimento Sistemas de Gestão de Conhecimento Por que hoje as empresas necessitam de programas de gestão do conhecimento

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO Grupo: Denilson Neves Diego Antônio Nelson Santiago Sabrina Dantas CONCEITO É UM SISTEMA QUE AUXILIA O PROCESSO DE DECISÃO

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 ETEC Prof. Massuyuki Kawano de Tupã - Sede Ensino Técnico Código: 136 Município: Estância Turística de Tupã - SP Eixo Tecnológico: INFRAESTRUTURA Habilitação Profissional;

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 3 ARQUITETURA DE VON NEUMANN E DESEMPENHO DE COMPUTADORES Prof. Luiz Gustavo A. Martins Tipos de Arquitetura Arquitetura de von Neumann: Conceito de programa armazenado; Dados

Leia mais

CR 30-X. Digitalizador. Alta qualidade de imagens. Digitalizador de mesa. Ampla gama de aplicações

CR 30-X. Digitalizador. Alta qualidade de imagens. Digitalizador de mesa. Ampla gama de aplicações Janeiro 2007 Digitalizador CR 30-X CR 30-X Digitalizador Alta qualidade de imagens Ampla gama de aplicações O CR 30-X é um digitalizador altamente versátil. Ele oferece uma solução ideal para qualquer

Leia mais

Avaliação Alimentar Utilizando Técnicas de Inteligência Artificial

Avaliação Alimentar Utilizando Técnicas de Inteligência Artificial "Informática em Saúde e Cidadania" Avaliação Alimentar Utilizando Técnicas de Inteligência Artificial Jaqueline Stumm (stumm@inf.ufsc.br) Silvia Modesto Nassar (silvia@inf.ufsc.br) Maria Marlene de Souza

Leia mais

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD Conceitos introdutórios Decisão Escolha feita entre duas ou mais alternativas. Tomada de decisão típica em organizações: Solução de problemas Exploração de oportunidades

Leia mais

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado GE Intelligent Platforms Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado Na vanguarda da evolução da automação industrial. Acreditamos que o futuro da automação industrial seguirá o mesmo

Leia mais

Sistemas Híbridos Inteligentes

Sistemas Híbridos Inteligentes Sistemas Híbridos Inteligentes Congresso da SBC - ENIA 99 Autores: Prof. Dr. Fernando Osório Prof.ª Dr.ª Renata Vieira Rio de Janeiro - Julho 1999 UNISINOS - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas -

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Como Melhorar a Tomada de Decisão e a Gestão do Conhecimento Capítulo

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Pesquisa Operacional na tomada de decisão Referencia LACHTERMACHER, Gerson. Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões: modelagem em Excel. 2ªed. Elsevier. 2004 Problemas

Leia mais

Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida

Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida Sucesso na Operação Raposa para lançamento do VS-30 no último dia 01/09 Tendências e tecnologias dos sistemas de testes aeroespacial e de defesa Alisson

Leia mais

Comparação SDs X Scs

Comparação SDs X Scs Prof. Alexandre Lima Sistemas Distribuídos Cap 9 1/7 Comparação SDs X Scs Distribuição inerente Economia Velocidade Confiabilidade Crescimento incremental Descrição Algumas aplicações envolvem máquinas

Leia mais

Introdução. Capítulo 1

Introdução. Capítulo 1 Capítulo 1 Introdução Em computação, muitos problemas são resolvidos por meio da escrita de um algoritmo que especifica, passo a passo, como resolver um problema. No entanto, não é fácil escrever um programa

Leia mais

Sistemas especialistas

Sistemas especialistas Sistemas especialistas Motor de Inferência para Sistemas Especialistas baseados em Regras de Produção Arquitetura geral: Base de conhecimento Mecanismo de raciocínio Interface com o usuário Motor de inferência

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 6 Gerenciamento dos processos de decisão Professora: Cintia Caetano Tomada de Decisão A tomada de decisão consiste na escolha de uma opção ou mais dentre diversas

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão & Inteligência Artificial

Sistemas de Apoio à Decisão & Inteligência Artificial INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas de Apoio à Decisão & Inteligência Artificial Prof. Paulo Roberto Schroeder de Souza. Sumário 1. Inteligência Artificial: a) Conceito, b) Áreas

Leia mais

SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ CURSO PROFISSIONALIZANTE INFORMÁTICA

SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ CURSO PROFISSIONALIZANTE INFORMÁTICA SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ CURSO PROFISSIONALIZANTE INFORMÁTICA Documento elaborado no encontro realizado de 10 a 12 de agosto de 2004. Curitiba, PR Perfil do Profissional Ao final de cada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA DATA MINING EM VÍDEOS VINICIUS DA SILVEIRA SEGALIN FLORIANÓPOLIS OUTUBRO/2013 Sumário

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Representação de conhecimento Redes Semânticas Frames Representação do conhecimento por redes semânticas Uma rede semântica é uma forma gráfica de representação de conhecimento,

Leia mais

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Abstract. This work shows the evolution of Intelligent Teaching Assistant SAE that include and provide

Leia mais