FACULDADE SENAC MINAS CADERNO DE ANÁLISE DAS QUESTÕES DE CONTEÚDO GERAL E ESPECÍFICO ENADE 2009 CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE SENAC MINAS CADERNO DE ANÁLISE DAS QUESTÕES DE CONTEÚDO GERAL E ESPECÍFICO ENADE 2009 CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS"

Transcrição

1 FACULDADE SENAC MINAS CADERNO DE ANÁLISE DAS QUESTÕES DE CONTEÚDO GERAL E ESPECÍFICO ENADE 2009 CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTAGEM 2012

2 2 Diretor Antônio Marcos de Souza Coordenação do Curso de Ciências Contáeis Carolina Cardoso Comissão Pró-ENADE Janete Dias Geisa Mara Batista Paulo Maciel Organização e Compilação Geisa Mara Batista Fernando Toledo Elaboração Alex Lima Andrelino Olímpio Fernando Toledo Paulo Maciel

3 3 APRESENTAÇÃO Reconhecendo as mudanças referentes aos sistemas nacionais de avaliação do ensino ocorridos nos últimos anos, uma vez consideradas as reflexões acerca da formação por habilidades e competências não apenas no âmbito da Educação Superior, mas, antes, no que concerne a prática pedagógica e a elaboração de provas em todos os níveis de formação, apresentamos este Caderno de Questões Comentadas com o objetivo de ser ele mais um instrumento de apoio aos estudos discentes. Este material, elaborado por professores da Faculdade SENAC Minas e organizado pela Comissão Pró-ENADE, juntamente com a Coordenação de Curso, com o apoio da Direção, não possui por escopo a exposição de conteúdos. Antes, a cada questão apresentada e comentada, pretende-se desvelar a lógica inerente à resolução de questões a fim de, através dessa compreensão, auxiliar cognitivamente o estudante e mediar a construção de seu conhecimento. Espera-se, assim, que o discente possa, ele mesmo, tornar-se o agente de sua própria formação, propiciando e favorecendo sua autonomia. Espera-se também que este material, um trabalho institucional singular, além de apoio a estudos autônomos, possa ser recurso didático aos demais professores, estimulando debates enriquecedores em sala de aula. Comissão Pró-ENADE Coordenação do Curso

4 4 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 ESTRUTURA ATUAL DA PROVA ENADE... 6 SEÇÃO I: CONHECIMENTOS GERAIS... 7 SEÇÃO II : CONHECIMETOS ESPECÍFICOS...13 Questão Questão Questão Questão Questão Questão Questão Questão Questão Questão Questão Questão Questão Questão Questão Questão Questão Questão Questão Questão Questão Questão

5 5 Questão Questão Questão Questão Questão Questão 38 - ANULADA...48 Questão Questão

6 6 ESTRUTURA ATUAL DA PROVA ENADE A prova do ENADE contém questões de múltipla escolha (objetivas) e discursivas das partes de formação geral e componente específico da área, e com as questões relativas à sua percepção sobre a prova, assim distribuídas: Para os fins a que se propõe este Caderno, a saber, desvelar a lógica de resolução de questões, bem como a tempestividades de questões de conhecimento geral, selecionou-se para esta seção apenas algumas questões a título de exemplo. Por tanto, a seleção foi realizada com base na sua lógica de resolução questão.

7 7 SEÇÃO I: CONHECIMENTOS GERAIS Responsável pela seção: Paulo Maciel Informações: O texto a seguir foi adaptado do livro A Técnica do Chute, escrito por Paulo Cesar Pereira; Politicamente Correto O que é politicamente correto? Quem decide os princípios que tornam algo politicamente correto? Quais são os parâmetros desses princípios? Não se sabe. Pode-se apenas supor. No nosso caso, estudando os objetivos do INEP, poderemos mostrar claramente o que é politicamente correto quando se pensa em ENADE e ENEM. Exemplo 1 -Álcool, crescimento e pobreza O lavrador de Ribeirão Preto recebe, em média, R$ 2,50 por tonelada de cana cortada. Nos anos 80, esse trabalhador cortava cinco toneladas de cana por dia. Com a mecanização da colheita, o obrigou a ser mais produtivo. O corta-cana derruba agora oito toneladas por dia. O trabalhador deve cortar a cana rente ao chão, encurvado. Usa roupas mal ajambradas, quentes, que lhe cobrem o corpo, para que não seja lanhado pelas folhas da planta. O excesso de trabalho causa a birola: tontura, desmaio, cãibra, convulsão. A fim de agüentar dores e cansaço, esse trabalhador toma drogas e soluções de glicose, quando não farinha mesmo. Tem aumentado o número de mortes por exaustão nos canaviais. O setor da cana produz hoje uns 3,5% do PIB. Exporta US$ 8 bilhões. Gera toda a energia elétrica que consome e ainda vende excedentes. A indústria de São Paulo contrata cientistas e engenheiros para desenvolver máquinas e equipamentos mais eficientes para as usinas de álcool. As pesquisas, privada e pública, na área agrícola (cana, laranja, eucalipto etc.) desenvolvem a bioquímica e a genética no país. (Folha de S. Paulo, 11/3/ com adaptações)

8 8 Questão: Confrontando-se as informações do texto com as da charge acima, conclui-se que: (A) A charge contradiz o texto ao mostrar que o Brasil possui tecnologia avançada no setor agrícola. (B) A charge e o texto abordam, a respeito da cana-de-açúcar brasileira, duas realidades distintas e sem relação entre si. (C) O texto e a charge consideram a agricultura brasileira avançada, do ponto de vista tecnológico. (D) A charge mostra o cotidiano do trabalhador, e o texto defende o fim da mecanização da produção da cana-de-açúcar no setor sucroalcooleiro. (E) O texto mostra disparidades na agricultura brasileira, na qual convivem alta tecnologia e condições precárias de trabalho, que a charge ironiza. Item apontado como correto letra (E) (E) O texto mostra disparidades na agricultura brasileira, na qual convivem alta tecnologia e condições precárias de trabalho, que a charge ironiza. Comentário: O Item revela uma verdadeira lição de moral. Tal lição de moral, fundada em princípios quase atávicos de nossa história social, além de tornar fácil a resolução, revela o viés ideológico do INEP favorável à justiça social.

9 9 Exemplo 2 Cuidados com a saúde (ENEM 1998) Matéria publicada em jornal diário discute o uso de anabolizantes (apelidados de bombas ) por praticantes de musculação. Segundo o jornal, os anabolizantes são hormônios que dão uma força extra aos músculos. Quem toma consegue ganhar massa muscular mais rápido que normalmente. Isso porque uma pessoa pode crescer até certo ponto, segundo sua herança genética e independentemente do quanto ela se exercite. Um professor de musculação, diz: Comecei a tomar bomba por conta própria. Ficava nervoso e tremia. Fiquei impotente durante uns seis meses. Mas como sou lutador de vale tudo, tenho que tomar. Questão: A respeito desta matéria, avalie os seguintes comentários: I - O maior perigo da automedicação é seu fator anabolizante, que leva à impotência sexual. II - O crescimento corporal depende tanto dos fatores hereditários quanto do tipo de alimentação da pessoa, se pratica ou não esportes, se dorme 8 horas diárias. III - Os anabolizantes devem ter mexido com o sistema circulatório do professor de musculação, pois ele até ficou impotente. IV - Os anabolizantes são mais perigosos para os homens, pois as mulheres, além de não correrem o risco da impotência, são protegidas pelos hormônios femininos. Tomando como referência as informações da matéria do jornal e o que se conhece da fisiologia humana, pode-se considerar que estão corretos os comentários: (A) - I, II, III e IV (B) - I, II e IV, apenas (C) - III e IV, apenas (D) - II e III, apenas (E)- I, II e III, apenas Item apontado como correto letra (D) (D) II e III, apenas Comentário: Lendo atentamente o texto, observa-se que, no início, ocorre o relato de vantagens das bombas, um viés positivo que é completamente destruído na conclusão, quando afirma serem elas as responsáveis pela impotência, terror explícito para qualquer jovem. Seguindo esse caminho de alerta, os itens corretos comprovam a preocupação com a saúde. Confira. O item II aponta um procedimento alternativo para os jovens atingirem a meta de terem um belo corpo: II - O crescimento corporal depende tanto dos fatores hereditários quanto do tipo de alimentação da pessoa, se pratica ou não esportes, se dorme as 8 horas diárias. O item III atua como reforço dos danos causados pelas bombas : III - Os anabolizantes devem ter mexido com o sistema circulatório do professor de musculação, pois ele até ficou impotente. Eliminação das Absurdas É bom lembrar como o ENEM estrutura a prova de múltipla escolha que o caracteriza. Numa questão de cinco itens, geralmente dois deles atentam contra a lógica, os princípios e o bom senso, sendo facilmente identificados e eliminados. Nos outros dois itens incorretos, percebe-se um empenho considerável do examinador para falseá-los.

10 10 Em princípio, se o item não lhe soar bem ou parecer estranho, será falso. Esse é o raciocínio a ser feito quando se utiliza essa técnica. Além dessa estratégia de análise, ao ler o comando de selecionar a correta, entenda como selecionar a mais correta, Como se vê, o contexto, a questão e os itens formam um conjunto bem engendrado e harmonioso, configurando o sentido claro de levar o jovem a não consumir as chamadas bombas. Exemplo 3 Prova ENADE 2009 A urbanização no Brasil registrou marco histórico na década de 1970, quando o número de pessoas que viviam nas cidades ultrapassou o número daquelas que viviam no campo. No início deste século, em 2000, segundo dados do IBGE, mais de 80% da população brasileira já era urbana. Considerando essas informações, estabeleça a relação entre as charges: Porque

11 11 BARALDI, Márcio. (Acessado em 5 out. 2009) Com base nas informações dadas e na relação proposta entre essas charges, é CORRETO afirmar que: A) A primeira charge é falsa, e a segunda é verdadeira. B) A primeira charge é verdadeira, e a segunda é falsa. C) As duas charges são falsas. D) As duas charges são verdadeiras, e a segunda explica a primeira. E) As duas charges são verdadeiras, mas a segunda não explica a primeira. Comentários: Item apontado como correto letra (E) (E) As duas charges são verdadeiras, mas a segunda não explica a primeira. Comentário: O primeiro absurdo é logo identificado pelo princípio que toda charge é verdadeira. A charge pode não retratar adequadamente um tema, uma situação ou ainda não ser politicamente correta, mas assim mesmo é verdadeira. Desta forma eliminamos, por absurdo, as três primeiras respostas. Ficamos entre as letras (D) e (E). A segunda charge não explica a primeira. Uma coisa é cidades inchadas, com caos no trânsito. Outra é enxadas paradas, devido aos latifúndios. Portanto, a resposta correta é a letra (E) As duas charges são verdadeiras, mas a segunda não explica a primeira. Exemplo 4 - Abolição da escravatura ENEM / Lei Eusébio de Queirós (fim do tráfico negreiro) 1888 Lei Áurea (abolição da Escravatura) 1885 Lei dos Sexagenários (liberdade para os escravos maiores de 60 anos) 1888 Lei Áurea (abolição da Escravatura) Considerando a linha do tempo acima e o processo de abolição da escravatura no Brasil, assinale a opção correta. (A) - O processo abolicionista foi rápido porque recebeu a adesão de todas as correntes políticas do país. (B) - O primeiro passo para a abolição da escravatura foi a proibição do uso dos serviços das crianças nascidas em cativeiro. (C) - Antes que a compra de escravos no exterior fosse proibida, decidiu-se pela libertação dos cativos mais velhos. (D) - Assinada pela princesa Isabel, a Lei Áurea concluiu o processo abolicionista, tornando ilegal a escravidão no Brasil. (E) - Ao abolir o tráfico negreiro, a Lei Eusébio de Queirós bloqueou a formulação de novas leis anti-escravidão no Brasil.

12 12 Item apontado como correto letra (D) (D) - Assinada pela princesa Isabel, a Lei Áurea concluiu o processo abolicionista, tornando ilegal a escravidão no Brasil. Comentário: Aqui aparecem novamente respostas absurdas. A primeira é facilmente eliminada por afirmar que o processo foi rápido e aceito por todas as correntes. Para as demais, basta fazermos uma análise na linha de tempo das respostas, para concluirmos que a letra (D) é a única correta, Assinada pela princesa Isabel, a Lei Áurea concluiu o processo abolicionista, tornando ilegal a escravidão no Brasil. É importante lembrar que a noção de absurdo em relação a qualquer proposição está relacionada a um bom grau de informação acadêmica e atenção à forma como tais informações acadêmicas são organizadas.

13 13 SEÇÃO II : CONHECIMETOS ESPECÍFICOS Questão 11 A constituição das provisões para férias, décimo terceiro salário e dividendos propostos é uma conduta profissional que atende a qual princípio contábil? A) Competência. B) Consistência. C) Continuidade. D) Entidade. E) Prudência. Autor: Fernando Toledo Resposta: Alternativa A. Conforme o princípio da competência os efeitos das transações e outros eventos sejam reconhecidos nos períodos a que se referem, independentemente do recebimento ou pagamento. Dessa forma, a constituição das provisões para férias, décimo terceiro salário e dividendos propostos devem ser reconhecidas no momento de sua ocorrência, como no caso das férias e décimo terceiro, reconhecendo mensalmente o valor dessas provisões. A despesa com a provisão deve ser lançada no período em que ocorrer a estimativa de perda (ou obrigação), e não quando a perda se consumar. O reconhecimento da estimativa de perda é o fato gerador da obrigação ou da redução do ativo. Resumo: Princípios de Contabilidade, Resolução CFC n.º 750/93 Art. 1º Constituem PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE (PC) os enunciados por esta Resolução. 1º A observância dos Princípios de Contabilidade é obrigatória no exercício da profissão e constitui condição de legitimidade das Normas Brasileiras de Contabilidade (NBC). 2º Na aplicação dos Princípios de Contabilidade há situações concretas e a essência das transações deve prevalecer sobre seus aspectos formais. Entidade Reconhece o Patrimônio como objeto da Contabilidade e afirma a autonomia patrimonial, a necessidade da diferenciação de um Patrimônio particular no universo dos patrimônios existentes, independentemente de pertencer a uma pessoa, um conjunto de pessoas, uma sociedade ou instituição de qualquer natureza ou finalidade, com ou sem fins lucrativos. Por conseqüência, nesta acepção, o Patrimônio não se confunde com aqueles dos seus sócios ou proprietários, no caso de sociedade ou instituição. Parágrafo único O PATRIMÔNIO pertence à ENTIDADE, mas a recíproca não é verdadeira. A soma ou agregação contábil de patrimônios autônomos não resulta em nova ENTIDADE, mas numa unidade de natureza econômico-contábil Continuidade Pressupõe que a Entidade continuará em operação no futuro e, portanto, a mensuração e a apresentação dos componentes do patrimônio levam em conta esta circunstância.

14 14 Oportunidade Tempestividade e Integridade Refere-se ao processo de mensuração e apresentação dos componentes patrimoniais para produzir informações íntegras e tempestivas. Parágrafo único. A falta de integridade e tempestividade na produção e na divulgação da informação contábil pode ocasionar a perda de sua relevância, por isso é necessário ponderar a relação entre a oportunidade e a confiabilidade da informação. Prudência O Princípio da PRUDÊNCIA determina a adoção do menor valor para os componentes do ATIVO e do maior para os do PASSIVO, sempre que se apresentem alternativas igualmente válidas para a quantificação das mutações patrimoniais que alterem o patrimônio líquido. Parágrafo único. O Princípio da Prudência pressupõe o emprego de certo grau de precaução no exercício dos julgamentos necessários às estimativas em certas condições de incerteza, no sentido de que ativos e receitas não sejam superestimados e que passivos e despesas não sejam subestimados, atribuindo maior confiabilidade ao processo de mensuração e apresentação dos componentes patrimoniais Registro pelo Valor Original determina que os componentes do patrimônio devem ser inicialmente registrados pelos valores originais das transações, expressos em moeda nacional. 1º As seguintes bases de mensuração devem ser utilizadas em graus distintos e combinadas, ao longo do tempo, de diferentes formas: I Custo histórico. Os ativos são registrados pelos valores pagos ou a serem pagos em caixa ou equivalentes de caixa ou pelo valor justo dos recursos que são entregues para adquiri-los na data da aquisição. Os passivos são registrados pelos valores dos recursos que foram recebidos em troca da obrigação ou, em algumas circunstâncias, pelos valores em caixa ou equivalentes de caixa, os quais serão necessários para liquidar o passivo no curso normal das operações; e II Variação do custo histórico. Uma vez integrado ao patrimônio, os componentes patrimoniais, ativos e passivos, podem sofrer variações decorrentes dos seguintes fatores: a) Custo corrente; b) Valor realizável; c) Valor presente; d) Valor justo; e e) Atualização monetária.

15 15 (...) Competência O Princípio da Competência determina que os efeitos das transações e outros eventos sejam reconhecidos nos períodos a que se referem, independentemente do recebimento ou pagamento. Parágrafo único. O Princípio da Competência pressupõe a simultaneidade da confrontação de receitas e de despesas correlatas. A inobservância dos Princípios de Contabilidade constitui infração nas alíneas c, d e e do art. 27 do Decreto-Lei n.º 9.295, de 27 de maio de 1946 e, quando aplicável, ao Código de Ética Profissional do Contabilista Questão 12 Em função da crise econômica internacional, a empresa Patativa passou por dificuldades econômico-financeiras, o que provocou um processo de descontinuidade e, consequentemente, está sendo obrigada a vender ativos para pagar dívidas com empregados, fornecedores e credores. Sendo assim, os ativos devem ser avaliados pelo A) custo corrente. B) custo histórico. C) fluxo de caixa descontado. D) preço corrente de venda. E) valor de liquidação. Autor: Fernando Toledo Resposta: Alternativa E, em caso de descontinuidade os ativos devem ser avaliados pelo valor de liquidação ou de realização. Resumo: Segundo MÁRIO et al (2006), numa situação de quebra de continuidade, os Princípios Fundamentais de Contabilidade estabelecem que há que se alterar as formas de avaliação dos ativos. Ao invés de se utilizar o custo histórico como base de valor, os ativos devem ser avaliados por seus prováveis valores líquidos de realização. Esse procedimento proporciona uma visão mais realista do potencial de geração de caixa da entidade pela liquidação dos ativos, podendo os credores e segurados terem uma noção efetiva dos valores que poderão ser recebidos e dos valores que não poderão ser pagos com os recursos decorrente da liquidação dos ativos. Fonte: MÁRIO, Poueri do Carmo; CARDOSO, Ricardo Lopes; MARTINS, Vinícius Aversari; MARTINS, Eliseu. Insolvência, Regulação e Valor de Liquidação no Mercado de Seguros Brasileiro. Contab. Vista & Rev., v. 17, n. 4, p , out./ dez Questão 13 No processo de seleção de um novo estagiário da área de contabilidade, o controller da indústria WB solicitou aos candidatos que indicassem a situação em que deveria ser

16 16 reconhecida uma obrigação exigível da empresa. A situação a ser indicada pelo candidato é a A) constituição de reservas de contingências, em face de reduções nos resultados de períodos subseqüentes. B) contratação de uma operação de leasing financeiro, para equipar o seu parque industrial. C) deterioração do estoque de matéria-prima decorrente do mau acondicionamento. D) entrega dos produtos para os seus clientes e respectivo reconhecimento das receitas de vendas. E) integralização de capital social pelos sócios em dinheiro e em imóveis. Autor: Alex Lima Resposta: A alternativa correta é a letra B. As alternativas A, C, D e E não se configuram uma obrigação exigível das entidades, pois de acordo com a Lei 6.404, Passivo exigível são as obrigações da companhia, inclusive financiamentos para aquisição de direitos do ativo não circulante, serão classificadas no passivo circulante, quando se vencerem no exercício seguinte, e no passivo não circulante, se tiverem vencimento em prazo maior. Conforme o IBRACON (2011), pela norma atual, o arrendamento mercantil (leasing) é dividido em duas categorias: o financeira e o operacional. A modalidade financeira implica o aluguel de um bem com uma opção de compra ao fim do contrato. Grosso modo, é o leasing comumente utilizado para a aquisição de automóveis: com as parcelas quitadas, o veículo passa a ser de propriedade do arrendatário. No Brasil, esse tipo de operação passou a entrar no balanço das empresas como dívida a partir da adoção do padrão contábil internacional, no ano de As amortizações são contabilizadas como despesas financeiras, com registro do bem no balanço patrimonial da companhia nos ativos e nos passivos. A proposta do IASB é eliminar a diferenciação entre as duas modalidades de leasing. A lógica por trás da alteração é que o aluguel de bens engloba um "direito de uso", que deve ser contabilizado no ativo, com o consequente registro da obrigação de pagamento nos passivos, de acordo com Edison Arisa, coordenador técnico do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) e sócio de auditoria da PricewaterhouseCoopers (PwC). A orientação segue a diretriz de primazia "da essência sobre a forma", conceito que rege o padrão internacional de contabilidade. Conselho Internacional de Padrões Contábeis (IASB, na sigla em inglês) Para a constituição de reserva de contingências não se caracteriza uma obrigação exigível, pois, conforme a lei 6.404, Art A assembléia-geral poderá, por proposta dos órgãos da administração, destinar parte do lucro líquido à formação de reserva com a finalidade de compensar, em exercício futuro, a diminuição do lucro decorrente de perda julgada provável, cujo valor possa ser estimado.

17 17 1º A proposta dos órgãos da administração deverá indicar a causa da perda prevista e justificar, com as razões de prudência que a recomendem, a constituição da reserva. 2º A reserva será revertida no exercício em que deixarem de existir as razões que justificaram a sua constituição ou em que ocorrer a perda. Questão 14 Para o exercício da profissão contábil, é necessário observar o código de ética, cujo objetivo é fixar a forma pela qual se devem conduzir os contabilistas. Uma situação demonstrativa de um comportamento ético do contador é A) assinar os balanços de uma empresa, elaborados por profissional não habilitado, sem orientar, sem supervisionar e sem fiscalizar sua preparação. B) emitir parecer favorável de auditoria a uma empresa, sem a realização de testes suficientes para fundamentar a sua opinião. C) propor honorários aviltantes para clientes de outros escritórios, a fim de aumentar a receita que recebe. D) publicar, no sítio do seu escritório de contabilidade, artigo técnico, sem citar a fonte consultada. E) renunciar às suas funções, ao perceber a ocorrência de desconfiança, por parte de seu cliente, sem prejudicá-lo. Autor: Fernando Toledo Resposta: Alternativa E. Art. 2º São deveres do Profissional da Contabilidade: VI renunciar às funções que exerce, logo que se positive falta de confiança por parte do cliente ou empregador, a quem deverá notificar com trinta dias de antecedência, zelando, contudo, para que os interesse dos mesmos não sejam prejudicados, evitando declarações públicas sobre os motivos da renúncia. Resumo: Resolução 803 Código de Ética Profissional do Contador CEPC Art. 1º Este Código de Ética Profissional tem por objetivo fixar a forma pela qual se devem conduzir os Profissionais da Contabilidade, quando no exercício profissional e nos assuntos relacionados à profissão e à classe. Art. 2º São deveres do Profissional da Contabilidade: I - exercer a profissão com zelo, diligência, honestidade e capacidade técnica, observada toda a legislação vigente, em especial aos Princípios de Contabilidade e as Normas Brasileiras de Contabilidade, e resguardados os interesses de seus clientes e/ou empregadores, sem prejuízo da dignidade e independência profissionais; (...) V - inteirar-se de todas as circunstâncias, antes de emitir opinião sobre qualquer caso. Art. 3º No desempenho de suas funções, é vedado ao Profissional da Contabilidade: (...) IV assinar documentos ou peças contábeis elaborados por outrem, alheio à sua orientação, supervisão e fiscalização; XXII - publicar ou distribuir, em seu nome, trabalho científico ou técnico do qual não tenha participado Art. 8º É vedado ao Profissional da Contabilidade oferecer ou disputar serviços profissionais mediante aviltamento de honorários ou em concorrência desleal. Questão 15

18 18 A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo a primeira parcela com vencimento para 30 dias. Qual o efeito do registro contábil dessa operação na data da aquisição? A) Altera o resultado do exercício. B) Gera uma receita futura. C) Mantém o ativo inalterado. D) Mantém o passivo inalterado. E) Mantém o patrimônio líquido inalterado. Autor: Alex Lima Resposta: Adquire mercadoria=compra para revenda Promessa= a prazo Graficamente através do razão teremos: Ativo Estoque X Passivo Fornecedor X Ativo e Passivo são contas patrimoniais, portanto não transita por conta do resultado eliminando as alternativas A e B Movimentou-se o ativo e movimentou o passivo eliminam-se as alternativas C e D Portanto, a resposta é a letra E, pois realmente o grupo do PL não foi movimentado. 16 e 17 Resolvidas no arquivo em Excel. Autor: Andrelino Olímpio Questão 16 As empresas A e B adquiriram, na mesma data, 01/07/X7, equipamentos idênticos e nas mesmas condições, por R$ ,00 cada um, com vida útil estimada em 5 (cinco) anos. Os equipamentos foram colocados em funcionamento imediatamente e nenhuma empresa considerou o seu valor residual. Em 31/12/X7, o saldo de depreciação acumulada dos referidos equipamentos, nas empresas A e B, respectivamente, foi de R$ 6.000,00 e de R$10.000,00. Com base nas informações disponíveis, os métodos de depreciação adotados pelas empresas A e B foram: A) Horas de Trabalho e Soma dos Dígitos. B) Horas de Trabalho e Unidades Produzidas. C) Quotas Constantes e Soma dos Dígitos. D) Quotas Constantes e Unidades Produzidas. E) Soma dos Dígitos e Quotas Constantes. Resolução: 1º Passo - Depreciação Linear por Cotas Constantes: 1/7 a 31/12 são 6 meses

19 ,00 / , ,00/ 12 x ,00 2º Passo - Depreciação Linear por Soma de Dígitos Crescente ou Decrescente: Decrescente: 1º Ano 5/15 x ,00 = ,00 2º Ano 4/15 x ,00 = , ,00 / 12 x 6 = ,00 Portanto, o valor dado foi R$ 6.000,00 e R$ ,00, ou seja, Letra C Soma de Dígitos: Este método consiste em somar os algarismos desde a unidade até o algarismo que representa o número de anos da vida útil do bem. No exemplo do item anterior, sem considerar o valor residual, teríamos: = 15 Questão 17 A Cia. Incertos e Associados, empresa de consultoria jurídica, iniciou suas atividades em 30/11/X8, com um capital social de R$ ,00, totalmente integralizado, parte em dinheiro, R$ ,00, e parte em móveis e utensílios, R$ ,00. Até o final do exercício de X8, ocorreram os seguintes fatos contábeis: 1 - Aquisição, a prazo, de material de consumo. R$ 6.000, Pagamento antecipado de aluguel em 31/12/X8. R$ 9.000, Compra financiada de equipamentos. R$ , Aquisição, a vista, de ações da Cia. ABC. R$ , Recebimento de adiantamento de clientes por serviços contratados, a serem prestados em 45 dias. R$ , Reconhecimento da despesa com salários. R$ , Aplicação financeira em 31/12/X8. R$ ,00 Com base nessas informações, o valor total do Ativo da Cia. Incertos e Associados, em 31/12/X8, é A) R$ ,00. B) R$ ,00. C) R$ ,00. D) R$ ,00. E) R$ ,00. Resposta: Ativo R$ Passivo R$ Caixa ,00 Capital ,00 Móveis ,00 1 Fornecedores 6.000,00 1 Materiais 6.000,00 3 Financiamentos ,00 2 Despesas Antecipadas 9.000,00 5 Adiantamento de Clientes ,00 2 Caixa ,00 3 Equipamentos ,00 4 Aplicações/Ações ,00 4 Caixa ,00

20 20 5 Caixa ,00 7 Aplicação ,00 7 Caixa ,00 Total , ,00 Nota: O reconhecimento das despesas será contabilizada na DRE - Demonstração do Resultado do Exercício. Questão 18 No processo de destinação dos lucros auferidos por uma empresa, vários procedimentos são adotados para a constituição de reservas e para a distribuição de dividendos. Por meio da análise da Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido da Cia. Marte verificou-se que. I. A Cia. Marte distribuiu dividendos de 45% do lucro líquido do exercício, conforme determina o seu estatuto. II. Os saldos de reservas de lucros, exceto para contingências, de incentivos fiscais e de lucros a realizar excedem o valor do capital social. III. A reserva legal foi constituída de 2,5% do lucro líquido e o saldo final de tal reserva correspondia a 20% do capital social. IV. O fato que originou a constituição da reserva para contingências em exercício anterior não se efetivou e a empresa não reverteu a reserva, mesmo com a expectativa de que o fato não mais ocorrerá. Estão CORRETAS somente as afirmativas: A) I e III. D) I, II e III. B) II e III. E) II, III e IV. C) II e IV. Autor: Alex Lima Resposta: Para a resolução deste problema, será necessária a análise detalhada de cada afirmativa a o conhecimento a ser aplicado a cada informação concedida. Na afirmativa I. Conforme a Lei 6.404, Art os acionistas têm direito de receber como dividendo obrigatório, em cada exercício, a parcela dos lucros estabelecida no estatuto. Então é coerente, está certo. Na afirmativa 2. Conforme COSIF , os saldos de reservas de lucros, exceto para contingências, de incentivos fiscais e de lucros a realizar não podem exceder o valor do capital social, então a afirmativa está errada. Reserva Legal: tem por finalidade assegurar a integridade do Capital Social, e só pode ser utilizada para compensar prejuízos ou aumentar o capital. - Os Prejuízos Acumulados são deduzidos da base de cálculo da Reserva Legal - É a única Reserva de Lucro que é obrigatória - Limites: - 5% do Lucro Liquido do Exercício;

21 21-20% do Capital Social; - Reserva Legal + Reserva de Capital _ Capital Social (facultativo) Perante o exposto, a empresa está ok com sua reserva. A afirmativa também está certa. Na afirmativa 4. A própria afirmativa se contradiz visto que o que gerou a reserva foi a empresa ter tido lucro. Assim colocando, as alternativas corretas são a 1 e a 3. Então a resposta é a letra A. Questão 19 A empresa Floresta S.A. possui 5% do capital social da empresa Araucária, cujo investimento é avaliado pelo método de custo, e 100% do capital social da empresa Ipê. Observe as informações das empresas investidas, a seguir: No período não ocorreram outras alterações no Patrimônio Líquido das empresas investidas. Em relação à variação nos saldos dos investimentos na investidora Floresta S.A., o que é CORRETO afirmar? A) Houve um aumento de R$ 250,00 e R$ 3.000,00, respectivamente, nos saldos dos investimentos em Araucária e Ipê. B) Houve um aumento de R$ 250,00 no saldo do investimento em Araucária. C) Houve um aumento de R$ 3.000,00 no saldo do investimento em Ipê. D) Houve um aumento de R$ 450,00 e R$ 5.000,00, respectivamente, nos saldos dos investimentos em Araucária e Ipê. E) Houve uma redução de R$ 200,00 no saldo do investimento em Araucária. Autor: Alex Lima Resposta: Na questão proposta demonstra que o investimento foi avaliado pelo método de custo. O método de custo os investimentos permanentes serão avaliados a custo de aquisição deduzido de provisão para perdas prováveis na realização do seu valor, quando este for inferior a 20% do capital votante da investida, ou quando a empresa investidora não tiver influencia significativa sobre a investida. (Tiburcio e Niyama, 2012, p 33). Se a questão proposta o percentual fosse igual ou acima de 20% e tivesse influencia significativa, usaríamos o método de equivalência patrimonial, conforme citado na norma abaixo. Então

22 22 Lucro Líquido do período R$ 9.000, ,00 ( dividendos já distribuídos)= R$ 5.000,00 parcela do lucro a aplicar o método de custo, na questão propõe 5% então aplica-se 5% sobre R$ 5.000,00 dando um resultado de R$ 250,00. Método de equivalência patrimonial 11. Pelo método de equivalência patrimonial, um investimento em coligada e em controlada (neste caso, no balanço individual) é inicialmente reconhecido pelo custo e o seu valor contábil será aumentado ou diminuído pelo reconhecimento da participação do investidor nos lucros ou prejuízos do período, gerados pela investida após a aquisição. A parte do investidor no lucro ou prejuízo do período da investida é reconhecida no lucro ou prejuízo do período do investidor. As distribuições recebidas da investida reduzem o valor contábil do investimento. Ajustes no valor contábil do investimento também são necessários pelo reconhecimento da participação proporcional do investidor nas variações de saldo dos componentes dos outros resultados abrangentes da investida, reconhecidos diretamente em seu patrimônio líquido. Tais variações incluem aquelas decorrentes da reavaliação de ativos imobilizados, quando permitida legalmente, e das diferenças de conversão em moeda estrangeira, quando aplicável. A parte do investidor nessas mudanças é reconhecida de forma reflexa, ou seja, em outros resultados abrangentes diretamente no patrimônio líquido do investidor (ver a NBC TG 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis), e não no seu resultado. A contabilizado da equivalência transita pelo grupo do Patrimônio Líquido. Questão 20 Leia as Demonstrações Contábeis da Cia. Inter:

23 23 Considerando-se que as despesas financeiras não foram pagas e que houve aumento de capital social de R$ ,00, é CORRETO afirmar que a Cia. Inter. A) distribuiu dividendos de R$ 520,00. B) obteve empréstimos bancários de R$ 9.300,00. C) realizou novos investimentos de R$ 4.800,00. D) recebeu de clientes R$ ,00. E) teve sua folga financeira de curto prazo aumentada. Autor: Alex Lima Resposta: Analisando o BP eliminaremos algumas alternativas, através da técnica da comparabilidade: Letra A) no balanço não demonstra a distribuição de dividendo na conta de lucros acumulados. Letra B) A empresa obteve empréstimo de R$ 1.300,00 (9.300, ,00) Letra D) No balanço comparativo não demonstra se houve este recebimento, mas nota-se que o saldo da conta é bem inferior a R$ ,00 Letra E) O índice de liquidez de X1 era de 2,93 passando para 1,45 em X2, portanto diminuindo a folga financeira A resposta correta é letra C, o investimento em X1 era de ,00 passando para ,00 em X2 um aumento de R$ 4.800,00. Questão 21 Em 31/12/X8, os balanços individuais das companhias Controladora e Controlada apresentavam os seguintes valores:

24 24 Informações adicionais: A Cia. Controladora S.A. detém 80% do Capital da Cia. Controlada S.A. Nas contas a receber da Cia. Controlada, existe um saldo a receber da Cia. Controladora no valor de R$ Com base nessas informações, em relação aos valores apresentados no Balanço Patrimonial Consolidado da Cia. Controladora S.A., verificou-se que I. Disponível = R$ II. Investimentos = R$ III. Contas a Receber = R$ IV. Participações de não Controladores = R$ V. Contas a Pagar = R$ Estão CORRETAS somente os itens: A) I, II, III e IV. D) I, III e V. B) I, II, III e V. E) I, IV e V. C) I, II e IV. Autor: Alex Lima Resposta: Eliminação Consolidação de Contas Controladora A Controlada B Débito Crédito Saldo Consolidado Ativo Disponível 5.000, , ,00

25 25 Estoque , , ,00 Contas a Receber , , ,00 Investimento , ,00 (16.000,00) 5.000,00 Imobilizado , , ,00 Ativo Total , , ,00 Contas a Pagar , , ,00 PL , ,00 (16.000,00) ,00 Passivo + PL , , ,00 A Resposta C é a correta, vejamos: Pelo quadro acima o disponível no saldo consolidado é R$ 8.000,00 Investimento eliminando (20.000,00 x 80%= R$ ,00) restou R$ 5.000,00 Participação de outras controladores (20.000,00 do capital da B dos quais ,00 é da empresa A restando 4.000,00 de outros investidores. Base legal Art. 250 da Lei 6.404/76. Questão 22 Leia as asserções a seguir: No método da equivalência patrimonial, a conta de investimentos da empresa investidora será igual ao valor do patrimônio líquido da(s) empresa(s) coligada(s) ou controlada(s), proporcional à sua participação no capital da(s) empresa(s) investida(s). PORQUE O conceito de equivalência patrimonial é baseado no fato de que os resultados e quaisquer variações patrimoniais de uma coligada ou controlada devem ser reconhecidos no momento de sua geração, independentemente de serem ou não distribuídos. Acerca dessas afirmações, é CORRETO afirmar que A) a primeira afirmação é falsa, e a segunda é verdadeira. B) a primeira afirmação é verdadeira, e a segunda é falsa. C) as duas afirmações são falsas. D) as duas afirmações são verdadeiras, e a segunda é uma justificativa correta da primeira. E) as duas afirmações são verdadeiras, mas a segunda não é uma justificativa correta da primeira. Autor: Alex Lima

26 26 Resposta: Primeiro passo: Definição de equivalência patrimonial. De acordo com o Portal de Contabilidade a equivalência patrimonial é o método que consiste em atualizar o valor contábil do investimento ao valor equivalente à participação societária da sociedade investidora no patrimônio líquido da sociedade investida, e no reconhecimento dos seus efeitos na demonstração do resultado do exercício. O valor do investimento, portanto, será determinado mediante a aplicação da porcentagem de participação no capital social, sobre o patrimônio líquido de cada sociedade coligada ou controlada. Portanto, a primeira afirmação é falsa, visto que o valor da conta de investimentos da empresa investidora não será igual ao valor do patrimônio líquido da(s) empresa(s) coligada(s) ou controlada(s), e sim ao valor de participação societária. Já a segunda afirmação é correta, pois ainda segundo o mesmo site a baixa de investimento relevante e influente em sociedade coligada ou controlada deve ser precedida da avaliação pelo valor de patrimônio líquido, com base em balanço patrimonial ou balancete de verificação da coligada ou controlada, levantado na data da alienação ou liquidação ou até 30 (trinta) dias, no máximo, antes dessa data. A avaliação do investimento, nesse caso, é necessária para que o ganho ou a perda de capital na alienação ou liquidação da participação societária seja corretamente apurado. A resposta correta deste exercício é a Letra A. Questão 23 Analise as informações a seguir, referentes ao Balanço Patrimonial da Cia. MMS, relativo ao exercício financeiro de X8. Com base nessas informações, quais são, respectivamente, o índice de liquidez corrente e o índice de composição do endividamento? A) 1,5 e 40% D) 1,1 e 33% B) 1,1 e 114% E) 1,0 e 33% C) 1,1 e 40%

27 27 Autor: Alex Lima Resposta: Primeiramente tem que separar o que é curto prazo e longo prazo. Curto prazo serão as contas do ciclo operacional da empresa que é em média 360 dias; Longo prazo é acima de 360 dias. Índice de liquidez é medido pela seguinte fórmula: AC PC AC= =3.300 PC= = = 1,1 300 Composição de endividamento é medido pela seguinte fórmula: PC PC + PNC PC= =3.000 PC + PNC= = =40% Reposta letra C Questão 24 Os indicadores de rentabilidade e de prazos médios da empresa ABC S.A., referentes aos exercícios de X1 e X2, foram os seguintes: Com base nessas informações, é CORRETO afirmar que: A) a capacidade de pagamento melhorou, devido ao aumento do ciclo financeiro. B) a empresa ganhou R$ 15,20 para cada R$ 100,00 investidos no ativo em X1. C) a empresa passou a conceder, em média, um prazo maior em suas vendas a prazo.

28 28 D) a remuneração do capital próprio reduziu durante o período sob análise. E) a rentabilidade do ativo aumentou em X2, devido ao aumento da margem líquida. Autor: Alex Lima Resposta: Primeiro passo: Definir o que são os índices de rentabilidade e os de prazo médio. DEFINIÇÃO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE Estes índices servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo capital investido na empresa. a) Rentabilidade do Capital Próprio = Lucro Líquido / Patrimônio Líquido Este índice quer mostrar o quanto representa o lucro líquido obtido através das operações que a empresa realizou no exercício, em comparação ao investimento feito na empresa. Rentabilidade do Capital Próprio = R$ ,00 / R$ ,00 = 50% Significa que o retorno do capital investido na empresa foi de 50%. b) Rentabilidade do Ativo Total = Lucro Líquido / Ativo Total Este índice faz um comparativo do resultado obtido pela empresa, o lucro, através de suas operações, com os ativos que estão disponíveis à administração para conseguir tal êxito. Rentabilidade do Ativo Total = R$ ,00 / R$ ,00 = 25% Significa que o lucro representou 25% dos ativos totais disponíveis com/fluxo de caixa/contabilidade.htm DEFINIÇÃO DOS ÍNDICES DE PRAZO MÉDIO Medem a dinâmica e a eficiência da gestão dos recursos alocados ao ativo operacional da empresa. Os indicadores de prazos médios, também conhecidos como indicadores de atividade, permitem conhecer a política de compra e venda adotada pela empresa, podendo, dessa forma, constatar a eficiência com que os recursos alocados estão sendo administrados, contribuindo também para a interpretação da liquidez e rentabilidade da empresa. Os indicadores de prazos médios são: Prazo médio de estoques Prazo médio de recebimentos Prazo médio de pagamentos Agora explicaremos índice por índice: O QUE É O GIRO DO ATIVO Os Indicadores de Rentabilidade medem a capacidade da empresa de transformar seu Ativo ou Patrimônio Líquido em lucro, o que em realidade é o objetivo principal da existência da própria empresa. O Giro do Ativo, especificamente, mostra quantas vezes a empresa recuperou o valor de seu ativo por meio de vendas em um período de um ano. Ele é bastante dependente do setor de

29 29 atuação da empresa e sua análise deve sempre ser combinada com a análise de um ou mais indicadores de margens. Um alto Giro do Ativo significa que a empresa está vendendo mais. Um indicador de margens alto significa que ela está vendendo "melhor". Normalmente é muito difícil ter ambos indicadores apresentando valores elevados. Fórmula: Receita Líquida / Ativo Total Valor Ideal: Quanto maior melhor PORCENTAGEM DA MARGEM DE LUCRO Líquida Corresponde à linha final da demonstração de lucros e perdas. Pode expressar o lucro antes ou depois da dedução do imposto. Representa o montante disponível a ser distribuído entre os sócios ou a ser reinvestido na empresa. Margem líquida = lucro líquido / receitas x 100 Esse índice é bastante significativo, pois a margem geralmente apresentada pela maioria das empresas varia de 5% a 25%. RENTABILIDADE DO ATIVO A rentabilidade do ativo é calculada quando se deseja ter uma idéia da lucratividade, como um todo, do empreendimento, venham de onde vierem os recursos, admitindo-se as aplicações realizadas. Este indicador mede quanto a empresa obtém de lucro para cada $ 100,00 de investimento total, por isso, é visto como uma medida de potencial de geração de lucro da parte da empresa. Para MATARAZZO (1995, p.185), este quociente representa "... uma medida da capacidade da empresa em gerar lucro líquido e assim poder capitalizar-se. É ainda uma medida do desempenho comparativo da empresa ano a ano". Em uma empresa em que, após apurados o Lucro Líquido e o valor do Ativo, verificar que a Rentabilidade deste Ativo tenha sido de 27,77, pode-se dizer que para cada $100,00 investidos a empresa ganhou $ 27,77, ou 27,77%. RENTABILIDADE DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Lucro Líquido x 100 Patrimônio Líquido Médio De início, é preciso dizer que o Patrimônio Líquido Médio consiste na soma do Patrimônio Líquido Inicial com o Patrimônio Líquido Final, dividida por 2. Quando se precisa demonstrar o que ele representa, para o acionista, em termos de $ adicionais ao seu investimento inicial, o índice de Rentabilidade do Patrimônio Líquido é o mais indicado. De outra forma: retrata quanto vai para o acionista do lucro gerado pelo uso do ativo, quaisquer que tenham sido as fontes de recursos, próprias ou de terceiros. Por esta razão, este quociente é de interesse tanto dos acionistas como da gerência. É importante observar que o cálculo da Rentabilidade do Patrimônio Líquido permite saber quanto a administração, através do uso dos ativos, obteve de rendimento com a respectiva estrutura de despesas financeiras, considerando-se o nível de relacionamento percentual entre o capital próprio e o de terceiros. Em última instância: evidencia qual a taxa de rendimento do Capital Próprio.

30 30 Uma das grandes utilidades deste quociente está na sua comparação com taxas de rendimento de mercado, sendo possível, por esta comparação, avaliar se a firma oferece rentabilidade superior ou inferior a essas opções. A apuração deste indicador vislumbrará, portanto, quanto à empresa obteve de lucro para cada $ 100,00 de Capital Próprio investido. Uma taxa de 15,45 representa, então, que para cada $ 100,00 de Capital Próprio investido se obteve um retorno de $ 15,45, ou 15,45%. PMRE Prazo Médio de Renovação dos Estoques Mostra o prazo médio que os produtos ficam parados no estoque ao longo do ano, considerando o período desde a entrada da matéria-prima até a saída do produto acabado. De modo geral, quanto menor, melhor. Estoques x 360 CPV Mostra o prazo médio para pagamento das compras obtido com os fornecedores ao longo do ano. De modo geral, quanto maior, melhor. CICLO OPERACIONAL Compreende o período entre a data da compra até o recebimento de cliente. Caso a empresa trabalhe somente com vendas á vista, o ciclo operacional tem o mesmo valor do ciclo econômico. Fórmula: Ciclo Operacional = Ciclo Econômico + Prazo Médio de Contas a Receber (PMCR) CICLO FINANCEIRO Também conhecido como Ciclo de caixa é o tempo entre o pagamento a fornecedores e o recebimento das vendas. Quanto maior o poder de negociação da empresa com fornecedores, menor o ciclo financeiro. Fórmula: Ciclo Financeiro = Ciclo Operacional - Prazo Médio de Pagamento a Fornecedores (PMPF) Depois de todo o exposto, concluímos que a resposta correta é a letra A por a empresa apresentar um ciclo financeiro melhor e melhorar assim sua capacidade de pagamento. Questão 25 Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades do produto A, 200 unidades do produto B e 300 unidades do produto C. Os custos indiretos totais foram de R$ 1.700,00. Os custos diretos unitários de matéria-prima representaram, respectivamente, R$ 1,50, R$ 1,00 e R$ 0,50, e os custos diretos unitários de mão de obra R$ 1,00, R$ 0,50 e R$ 0,50. O critério de rateio dos custos indiretos foi proporcional ao custo direto total de cada produto. Considerando-se essas informações, o custo unitário dos produtos A, B e C pelo custeio por absorção são, respectivamente, A) R$ 11,00; R$ 4,05; R$ 2,13. B) R$ 7,50; R$ 4,50; R$ 3,00. C) R$ 6,50; R$ 4,00; R$ 2,50. D) R$ 5,00; R$ 3,00; R$ 2,00. E) R$ 2,50; R$ 1,50; R$ 1,00.

31 31 Autor: Andrelino Olimpio Resposta: Produto Qtde MP MOD Total CDT % Rateio CI CT A 100 1,50 1,00 2,50 250,00 0,29 500,00 5,00 7,50 B 200 1,00 0,50 1,50 300,00 0,35 600,00 3,00 4,50 C 300 0,50 0,50 1,00 300,00 0,35 600,00 2,00 3,00 Total 600 5,00 850,00 1, ,00 Questão 26 Os produtos A, B e C são fabricados pela Companhia Lua Nova em quantidades iguais e consomem, em seus processos produtivos, quantidades idênticas do mesmo material (Custo Direto e Variável), porém demandam diferentes esforços de produção (Custos Indiretos e Fixos). A empresa utiliza, atualmente, o método de custeio por absorção e faz o rateio dos custos indiretos em função da quantidade de material. Sabendo-se que o Produto A é o maior consumidor dos esforços de produção, a implantação do Custeio Baseado em Atividades (ABC) fará com que seu lucro seja inferior àquele apurado atualmente. PORQUE No método de custeio anteriormente utilizado, o Produto A recebe, mediante rateio, menor parcela dos custos indiretos. Analisando-se essas frases, CORRETO afirmar que A) a primeira afirmação é falsa, e a segunda é verdadeira. B) a primeira afirmação é verdadeira, e a segunda é falsa. C) as duas afirmações são falsas. D) as duas afirmações são verdadeiras, e a segunda é uma justificativa correta da primeira. E) as duas afirmações são verdadeiras, mas a segunda não é uma justificativa correta da primeira Autor: Andrelino Olimpio Resposta: A produção dos produtos se deu em quantidades idênticas. Sendo o rateio baseado nessas quantidades não há justificativa para o produto A consumir maior quantidade de esforços de produção (custo Indireto); Não necessariamente o custeio ABC (por atividade) apresentará um custo maior daquele apurado, uma vez que o balizador/indicador para apuração desse custeio é o número de pedidos gerados para produção de cada produto (nesse caso quantidade). Questão 27

32 32 A Gráfica Universitária pretende comercializar a Revista Educação no mercado brasileiro. Os gestores da empresa estimam gastos variáveis de R$ 1,50 por revista processada e gastos fixos na ordem de R$ ,00 por mês. Por outro lado, os gestores comerciais esperam obter R$ 1,00 por revista comercializada, além de R$ ,00 mensais relativos à receita de publicidade. Permanecendo as demais condições constantes, para se alcançar um lucro de R$ ,00 por mês, será necessário comercializar A) assinaturas. B) assinaturas. C) assinaturas. D) assinaturas. E) assinaturas. Autor: Andrelino Olimpio Resposta: Item R$ Receitas Publicidade ,00 Receitas Comercial 1,00 Custos Variáveis 1,50 Margem de Contribuição ,50 Custos e Despesas Fixos ,00 LL ,50 Opções A B C D E , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 0, , ,00 Questão 28

33 33 Os produtos CALÇA e CAMISA, fabricados pela Cia. Veste Bem, são vendidos por R$ 100,00 e R$ 70,00, respectivamente. Os dados de seu processo de produção, envolvendo o material direto e o tempo unitário que os produtos demandam para ser confeccionados nos três departamentos produtivos estão descritos na tabela: Tempo por Unidade ITENS MATERIAL CORTE COSTURA ACABAMENTO CALÇA R$ 64,00 0,10 0,30 0,10 CAMISA R$ 40,00 0,20 0,20 0,10 Sabendo-se que o mercado está disposto a comprar, mensalmente, 500 unidades do produto CALÇA e unidades do produto CAMISA, e que a capacidade produtiva de cada departamento é de 320 horas/mês, identifique o mix de produção que proporciona o maior resultado econômico possível: A) 500 calças e camisas. B) 500 calças e 850 camisas. C) 500 calças e 0 (zero) camisa. D) 400 calças e camisas. E) 0 (zero) calça e camisas. Autor: Andrelino Olímpio Resposta: Qual produto a empresa priorizará para obtenção de maior resultado? 1º Passo: Achar a MCU (Margem de Contribuição Unitária): Calça 100,00-64,00 36,00 Camisa 70,00-40,00 30,00 2º Passo: Verificar se possível produzir o máximo sem ultrapassar o tempo limite (320 horas/mês): Produto Tempo Qtde Corte Total Costura Total Acab Total Calça 500 0, , ,10 50 Camisa , , , Total O que impede a produção máxima (FT Fator Limitante) é o setor de costura que ultrapassa o temp estipulado. Produto MC

34 34 Calça ,00 Camisa ,00 Total ,00 Aparentemente a margem de contribuição das camisas é a maior e, portanto mais indicada para a empresa. 3º Passo: Fazer simulação: B calças e 850 camisas: Tempo Produto Qtde Corte Total Costura Total Acab Total Calça 500 0, , ,10 50 Camisa 850 0, , ,10 85 Total Produto MC Calça ,00 Camisa ,00 Total ,00 C calças e 0 camisas: Tempo Produto Qtde Corte Total Costura Total Acab Total Calça 500 0, , ,10 50 Camisa 0 0,20 0 0,20 0 0,10 - Total Produto MC Calça ,00 Camisa - Total ,00 D calças e 1000 camisas: Tempo Produto Qtde Corte Total Costura Total Acab Total Calça 400 0, , ,10 40

35 35 Camisa , , , Total Produto MC Calça ,00 Camisa ,00 Total ,00 E - 0 calças e 1000 camisas: Tempo Produto Qtde Corte Total Costura Total Acab Total Calça 0 0,10 0 0,30 0 0,10 - Camisa , , , Total Produto MC Calça - Camisa ,00 Total ,00 Questão 29 A Indústria de Sorvetes Polo Norte avalia o desempenho de seus três negócios (Pecuária, Lacticínio e Sorveteria), considerados centros de resultados. Para esse fim, utiliza o Preço de Transferência nas transações internas. Para a determinação do Preço de Transferência, a empresa considera o quanto pagaria no mercado para adquirir prontos seus produtos intermediários. Considerando-se os dados a seguir, o controller pretende identificar se todos os negócios da empresa são lucrativos. Considerando-se os dados a seguir, o controller pretende identificar se todos os negócios da empresa são lucrativos. Dados Pecuária Lacticínio Sorveteria: Dados Pecuária Lacticínio Sorveteria Produto Leite Creme Sorvete Custos Variáveis /unid Matéria-Prima - Leite Creme Outros R$ 1,00 R$ 0,20 R$ 0,50 Custos Fixos/mês R$ 500,00 R$ 500,00 R$ 1.000,00 Preço Mercado R$ 2,00 R$ 2,50 R$ 5,00 Quantidade u u u Outras Informações: O produto da pecuária (Leite) não tem matéria-prima. Os produtos da Pecuária e do Lacticínio são, respectivamente, matérias-primas do

36 36 Lacticínio e da Sorveteria. O produto da Sorveteria é vendido no mercado. Após analisar os dados, o controller conclui que A) a Pecuária e a Sorveteria são negócios lucrativos. B) a Pecuária e o Lacticínio são negócios lucrativos. C) a Pecuária, a Sorveteria e o Lacticínio são lucrativos. D) a Sorveteria é lucrativa e a Pecuária não é lucrativa. E) o Lacticínio e a Sorveteria são negócios lucrativos. Autor: Andelino Olimpio Resolução: Contas Pecuária Lacticínio Sorveteria Total Receitas 2.000, , , ,00 Custos Variáveis 200,00 500,00 500, ,00 MC 1.800, , , ,00 Custos Fixos 500,00 500, , ,00 Resultado 1.300, , , ,00 Questão 30 Leia as afirmativas: Diretores Financeiros são responsáveis por decisões acerca de como investir os recursos de uma empresa para expandir seus negócios e sobre como obter tais recursos. Investidores são instituições financeiras ou indivíduos que financiam os investimentos feitos pelas empresas e governos. Assim, decisões de investimento tomadas por Diretores Financeiros e Investidores são, normalmente, semelhantes. PORQUE As decisões de investimento dos Diretores Financeiros focalizam os ativos financeiros (ações e títulos de dívidas), enquanto as decisões de investimento dos Investidores focalizam ativos reais (edificações, máquinas, computadores etc.). Com base na leitura dessas frases, é CORRETO afirmar que A) a primeira afirmação é falsa, e a segunda é verdadeira. B) a primeira afirmação é verdadeira, e a segunda é falsa. C) as duas afirmações são falsas. D) as duas afirmações são verdadeiras, e a segunda é uma justificativa correta da primeira.

37 37 E) as duas afirmações são verdadeiras, mas a segunda não é uma justificativa correta da primeira. Autor: Fernando Toledo Resposta: Alternativa C. As duas alternativas estão incorretas, pois ambas definições são incorretas. As decisões de investimento dos investidores focalizam a busca de ganhos a médio e longo prazos. As decisões de investimento dos Diretores Financeiros focalizam o negocio e o envolvimento com o mercado. Resumo: Fonte: L. F. DALLABONA; J.E. BENETTI, TOLEDO FILHO, J.R. Perfil dos Diretores Financeiros das Empresas Listadas no Segmento do Novo Mercado da BM&FBOVESPA. Artigo apresentado no XIII Semead, O diretor financeiro (CFO Chief Financial Officer) se posiciona entre as operações da empresa e os mercados financeiros, no qual os investidores mantêm os ativos financeiros emitidos pela empresa (BREALEY; MYERS, 2003)... O diretor financeiro está diretamente envolvido com a política financeira e o planejamento corporativo da empresa. Geralmente, o diretor financeiro possui responsabilidades administrativas gerais além das questões estritamente financeiras e também pode ser um dos membros do conselho de administração (BREALEY; MYERS, 2003). Amancio (2009) descreve que o diretor financeiro deveria ter o perfil da seguinte forma: - Características Pessoais (as mais importantes, pois dependem de esforço pessoal para serem desenvolvidas e mantidas): transparência, ética, disciplina, comprometimento efetivo, orientação para resultados, disponibilidade, formação de times e equipes, motivação, assertividade, pró-atividade, inteligência interpessoal. - Características Profissionais (são importantes e necessárias, porém partindo-se de um mínimo de conhecimento e com um treinamento orientado e efetivo geralmente podem ser desenvolvidas): conhecimentos técnicos, conhecimentos de informática, idiomas, CRM (customer relationship management), políticas corporativas, visão de negócios, envolvimento com o mercado. Amancio (2009) ainda salienta que mais importante do que as características pessoais e profissionais a pessoa tem que ter a vocação para trabalhar com finanças (gostar do que se faz e fazer o que se gosta é essencial). Para exercer a atividade na área de finanças o Diretor Financeiro tem que ter vocação para acompanhar as normas e procedimentos, conseguir trabalhar sob pressão, ser objetivo e assertivo, ser cumpridor das metas, apresentar resultados para a empresa, ou seja, deve colocar a mão na massa, para desenvolver uma boa equipe de trabalho e liderar pelo exemplo. Investidor: São indivíduos ou instituições que aplicam recursos em busca de ganhos a médio e longo prazos, que operam nas Bolsas por meio de Corretoras e distribuidoras de valores, as quais executam suas ordens e recebem corretagens pelo seu serviço. Investidores são os clientes das Corretoras. Questão 31 Leia o Balanço Financeiro da Prefeitura de Três Sonos referente ao exercício financeiro de X1:

38 38 Em relação à demonstração, considere: I. O resultado financeiro foi superavitário em R$ 594,00. II. As receitas extraorçamentárias causaram um aumento efetivo no caixa/bancos de R$ 178,00. III. O saldo da conta Restos a Pagar teve uma redução de R$ 8,00 no período. IV. O saldo final da conta Restituições era R$ 36,00. Estão CORRETAS somente as afirmativas A) I e II. B) II e III. C) III e IV. D) I, II e III. E) II, III e IV. Autor: Fernando Toledo Resposta: Alternativa B. O item II está correto, pois a receita extra-orçamentária efetiva e aquela em que há entrada real de recurso no caixa/bancos, como os débitos de tesouraria e restituições que são recursos de terceiros em poder do estado. Os restos a pagar e serviços da divida a pagar são recursos advindos do exercício anterior e com destinação já comprometida. O item III está correto, pois o saldo dos restos a pagar teve uma redução de R$ 8,00 no período uma vez que a despesa extraorçamentária apresentada no balanço foi de 300,00 e verifica-se uma receita extraorçamentária de R$ 292,00 indicando que foi pago R$8,00 a titulo de restos a pagar, alem dos R$292,00 da receita extraorçamentária destinada ao pagamento dos restos a pagar. O item I está incorreto, pois o resultado financeiro foi um superávit de R$ 334 que pode ser obtido através da diferença entre o saldo em espécie para o exercício seguinte o saldo em espécie do exercício anterior ( ) ou pela diferença entre o somatório dos ingressos orçamentários com os extraorçamentários e dos dispêndios orçamentários e extraorçamentários (( ) ( )). O item IV está incorreto, pois o balanço financeiro demonstra receitas e despesas orçamentárias e extraorçamentárias, conjugadas com o saldo em espécie do exercício anterior e os que se transferem para o exercício seguinte. Portanto, não e possível afirmar o saldo final da conta Restituições, o que se pode afirmar e que há pelo menos R$82,00 no saldo da referida conta.

39 39 Resumo: Fonte: MCASP V Segundo a Lei nº 4.320/1964, O Balanço Financeiro demonstrará a receita e a despesa orçamentárias bem como os recebimentos e os pagamentos de natureza extraorçamentária, conjugados com os saldos em espécies provenientes do exercício anterior, e os que se transferem para o exercício seguinte. Conforme o MCASP V (2012), o resultado financeiro do exercício corresponde à diferença entre o somatório dos ingressos orçamentários com os extraorçamentários e dos dispêndios orçamentários e extraorçamentários. Se os ingressos forem maiores que os dispêndios, ocorrerá um superávit; caso contrário, ocorrerá um déficit. Este resultado não deve ser entendido como superávit ou déficit financeiro do exercício, cuja apuração é obtida por meio do Balanço Patrimonial. O resultado financeiro do exercício pode ser também apurado pela diferença entre o saldo em espécie para o exercício seguinte e o saldo em espécie do exercício anterior. São receitas extraorçamentárias os recursos financeiros de caráter temporário e não integram a Lei Orçamentária Anual. O Estado é mero depositário desses recursos, que constituem passivos exigíveis e cujas restituições não se sujeitam à autorização legislativa. Exemplos: depósitos em caução, fianças, operações de crédito por antecipação de receita orçamentária ARO3, emissão de moeda e outras entradas compensatórias no ativo e passivo financeiros. (MCASP V, 2012) Questão 32 Nos trabalhos realizados por um auditor independente, identificaram-se vários procedimentos adotados pela Cia. Calada. No decorrer dos trabalhos, os seguintes fatos foram encontrados: I. A Provisão para crédito de liquidação duvidosa foi constituída, tendo como base o índice de inadimplência apresentado nos últimos cinco anos. II. O Registro das receitas foi realizado pelo regime de caixa. III. As Taxas de depreciação foram calculadas pelo método da soma dos dígitos, diferentemente do último exercício em que foi adotado o método das quotas constantes, sem evidenciar em notas explicativas. IV. Os Estoques estavam avaliados acima do valor de mercado, sem a provisão correspondente. V. As Despesas pagas antecipadamente foram registradas como ativo circulante. Diante dos fatos encontrados na Cia. Calada, sob o ponto de vista da condução do trabalho de auditoria, a conduta CORRETA do auditor independente responsável será A) considerar como não relevantes todos os fatos encontrados. B) oferecer serviço de consultoria para corrigir os fatos encontrados. C) solicitar da empresa correções para os fatos I, II e V. D) solicitar da empresa correções para os fatos II, III e IV. E) solicitar da empresa correções para todos os fatos encontrados. Autor: Fernando Toledo Resposta: Alternativa D. O auditor deverá aconselhar a correção dos itens que não estão de acordo com a legislação vigente ou vão contra o código de ética dos contadores. O regime utilizado na contabilidade

40 40 deve ser o regime de competência. evidenciado em notas explicativas. A mudança do método de depreciação deve ser Resumo: CPC Ativo imobilizado Método de depreciação 60. O método de depreciação utilizado reflete o padrão de consumo pela entidade dos benefícios econômicos futuros. 61. O método de depreciação aplicado a um ativo deve ser revisado pelo menos ao final de cada exercício e, se houver alteração significativa no padrão de consumo previsto, o método de depreciação deve ser alterado para refletir essa mudança. Tal mudança deve ser registrada como mudança na estimativa contábil, de acordo com o Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro. 62. Vários métodos de depreciação podem ser utilizados para apropriar de forma sistemática o valor depreciável de um ativo ao longo da sua vida útil. Tais métodos incluem o método da linha reta, o método dos saldos decrescentes e o método de unidades produzidas. A depreciação pelo método linear resulta em despesa constante durante a vida útil do ativo, caso o seu valor residual não se altere. O método dos saldos decrescentes resulta em despesa decrescente durante a vida útil. O método de unidades produzidas resulta em despesa baseada no uso ou produção esperados. A entidade seleciona o método que melhor reflita o padrão do consumo dos benefícios econômicos futuros esperados incorporados no ativo. Esse método é aplicado consistentemente entre períodos, a não ser que exista alteração nesse padrão. De acordo com a Lei 6404: 5 o As notas explicativas devem: (Redação dada pela Lei nº , de 2009) I apresentar informações sobre a base de preparação das demonstrações financeiras e das práticas contábeis específicas selecionadas e aplicadas para negócios e eventos significativos; (Incluído pela Lei nº , de 2009) II divulgar as informações exigidas pelas práticas contábeis adotadas no Brasil que não estejam apresentadas em nenhuma outra parte das demonstrações financeiras; (Incluído pela Lei nº , de 2009) III fornecer informações adicionais não indicadas nas próprias demonstrações financeiras e consideradas necessárias para uma apresentação adequada; e (Incluído pela Lei nº , de 2009) IV indicar: (Incluído pela Lei nº , de 2009) a) os principais critérios de avaliação dos elementos patrimoniais, especialmente estoques, dos cálculos de depreciação, amortização e exaustão, de constituição de provisões para encargos ou riscos, e dos ajustes para atender a perdas prováveis na realização de elementos do ativo; (Incluído pela Lei nº , de 2009) b) os investimentos em outras sociedades, quando relevantes (art. 247, parágrafo único); (Incluído pela Lei nº , de 2009) c) o aumento de valor de elementos do ativo resultante de novas avaliações (art. 182, 3 o ); (Incluído pela Lei nº , de 2009) d) os ônus reais constituídos sobre elementos do ativo, as garantias prestadas a terceiros e outras responsabilidades eventuais ou contingentes; (Incluído pela Lei nº , de 2009) e) a taxa de juros, as datas de vencimento e as garantias das obrigações a longo prazo; (Incluído pela Lei nº , de 2009) f) o número, espécies e classes das ações do capital social; (Incluído pela Lei nº , de 2009) g) as opções de compra de ações outorgadas e exercidas no exercício; (Incluído pela Lei nº , de 2009) h) os ajustes de exercícios anteriores (art. 186, 1 o ); e (Incluído pela Lei nº , de 2009)

41 41 i) os eventos subsequentes à data de encerramento do exercício que tenham, ou possam vir a ter, efeito relevante sobre a situação financeira e os resultados futuros da companhia. (Incluído pela Lei nº , de 2009) Questão 33 Leia o trecho: A perícia contábil constitui o conjunto de procedimentos técnicos e científicos destinados a levar à instância decisória elementos de prova necessários a subsidiar a justa solução do litígio, mediante laudo pericial contábil, e/ou parecer pericial contábil. (NBC T 13). Em relação a esse assunto, é CORRETO afirmar que A) a perícia contábil judicial pode ser realizada por um técnico de contabilidade devidamente registrado em Conselho Regional de Contabilidade. B) o contador deve solicitar verbalmente, ao Juízo, prorrogação para concluir seus trabalhos, quando da impossibilidade de cumprimento do prazo. C) o parecer pericial contábil serve para subsidiar, na esfera extrajudicial, o Juízo e as partes, bem como para analisar de forma técnica o laudo pericial. D) o parecer pericial contábil serve para subsidiar, na esfera judicial, o árbitro e as partes nas suas tomadas de decisão. E) os livros e os documentos a serem compulsados constituem um dos fatores a serem considerados no planejamento da perícia. Autor: Fernando Toledo Resposta: Alternativa E. A alternativa A está incorreta, pois tanto a pericia judicial como a extrajudicial, é de competência exclusiva de contador registrado em Conselho Regional de Contabilidade. A alternativa B está incorreta, pois a solicitação para prorrogação nunca será verbal, deve ser escrita e realizada por petição. As alternativas C e D estão incorretas, pois a perícia contábil pode ser no âmbito judicial, extrajudicial, inclusive arbitral, mediante o esclarecimento dos aspectos e dos fatos do litígio por meio de exame, vistoria, indagação, investigação, arbitramento, avaliação, ou certificação. O laudo pericial contábil e o parecer pericial contábil deverão ser escritos de forma direta, devendo atender às necessidades dos julgadores e dos interessados e ao objeto da discussão, sempre com conteúdo claro e limitado ao assunto da demanda, de forma que possibilite os julgadores a proferirem justa decisão. O laudo pericial contábil e o parecer pericial contábil não devem conter documentos, coisas, e/ou informações que conduzam a duvidosa interpretação, para que não induza os julgadores e interessados a erro. Alem do que os peritos, no encerramento do laudo pericial contábil ou do parecer pericial contábil, consignem, de forma clara e precisa, as suas conclusões. O parecer judicial não tem como objetivo analisar de forma técnica o laudo pericial. Nota: a NBC T 13 foi revogada pela NBC TP 01 Resumo: RESOLUÇÃO CFC Nº /09 - Aprova a NBC TP 01 Perícia Contábil. CONCEITO 1. A perícia contábil constitui o conjunto de procedimentos técnico-científicos destinados a levar à instância decisória elementos de prova necessários a subsidiar à justa solução do litígio ou constatação de um fato, mediante laudo pericial contábil e/ou parecer

42 42 pericial contábil, em conformidade com as normas jurídicas e profissionais, e a legislação específica no que for pertinente. 2. O laudo pericial contábil e o parecer pericial contábil têm por limite os próprios objetivos da perícia deferida ou contratada. 3. Perícia contábil, tanto a judicial como a extrajudicial, é de competência exclusiva de contador registrado em Conselho Regional de Contabilidade. Entende-se como perícia judicial aquela exercida sob a tutela da justiça. A perícia extrajudicial é aquela exercida no âmbito arbitral, estatal ou voluntária. 4. A perícia arbitral é aquela exercida sob o controle da lei de arbitragem. Perícia no âmbito estatal é executada sob o controle de órgão do estado, tais como perícia administrativa das Comissões Parlamentares de Inquérito, de perícia criminal e do Ministério Público. Perícia voluntária é aquela contratada espontaneamente pelo interessado ou de comum acordo entre as partes. Prazo suplementar: Diante da expectativa de não concluir o laudo no prazo determinado pelo juiz, requerer, antes do vencimento do prazo determinado, por petição, prazo suplementar, reprogramando o planejamento. PLANEJAMENTO 5. O planejamento da perícia é a etapa do trabalho pericial, que antecede as diligências, pesquisas, cálculos e respostas aos quesitos, na qual o perito estabelece os procedimentos gerais dos exames a serem executados no âmbito judicial, extrajudicial para o qual foi nomeado, indicado ou contratado, elaborando-o a partir do exame do objeto da perícia.(...) 34. Os documentos dos autos servem como suporte para obtenção das informações necessárias à elaboração do planejamento da perícia. 35. Em caso de ser identificada a necessidade de realização de diligências, na etapa de elaboração do planejamento, devem ser considerados, se não declarada a preclusão de prova documental, a legislação aplicável, documentos, registros, livros contábeis, fiscais e societários, laudos e pareceres já realizados e outras informações que forem identificadas como pertinentes para determinar a natureza do trabalho a ser executado.(...) Questão 34 Um empregado foi registrado em 16 de janeiro de X6 e demitido em 30 de setembro do mesmo ano, com dispensa de aviso prévio pelo empregador. Considerando-se que a empresa antecipa 50% do 13º salário para todos os seus empregados, no dia 30 de junho de cada ano, a rescisão contratual do empregado foi composta por quais parcelas? A) Aviso prévio igual a 30 dias trabalhados, 9/12 de férias, 4/12 de 13º salário, 40% de multa do FGTS. B) Aviso prévio proporcional aos meses trabalhados, férias e 13º no valor do último salário, 40% de multa do FGTS. C) Saldo de Salário, Aviso Prévio Indenizado, 9/12 de férias indenizadas + 1/3 sobre férias, 3/12 de 13º salário, 40% de multa do FGTS. D) Saldo de Salário, Aviso Prévio Indenizado, 10/12 de férias + 1/3 sobre férias, 4/12 de 13º salário, 40% de multa do FGTS.

43 43 E) Saldo de Salário, Férias de igual valor do último salário, metade do 13º salário, 40% de multa do FGTS. Autor: Fernando Toledo Resposta: Alternativa C. C) Saldo de Salário, Aviso Prévio Indenizado, 9/12 de férias indenizadas + 1/3 sobre férias, 3/12 de 13º salário, 40% de multa do FGTS. Data de admissão X6, data da demissão X6, (período trabalhado 9 meses e 14 dias) recebeu antecipadamente de 50% de 13º salário (13º corresponde 100% = 12 meses 50% = 6 meses). - Saldo de salário: seriam os dias restantes (14 dias) - Aviso prévio Indenizado: direito garantido por lei, valor recebido por ter sido mandado embora - 9/12 de férias indenizadas: o período de férias proporcional ao tempo trabalhado (9 meses) - 1/3 de férias: direito garantido por lei para o funcionário - 3/12 de 13º salário: o correto seria 9/12, como a empresa adiantou o equivalente a 6/12 o saldo será 3/12 do 13º salários - 40% multa FGTS: direito garantido por lei, valor recebido por ter sido mandado embora Questão 35 Leia as afirmativas: O prejuízo fiscal compensável é aquele apurado na demonstração do lucro real de determinado período e controlado na Parte B do Livro de Apuração do Lucro Real (LALUR). PORQUE Existem dois tipos de prejuízos distintos: o contábil, apurado pela contabilidade na Demonstração de Resultado do Exercício (DRE), e o fiscal, apurado na demonstração do lucro real, por meio do LALUR. Em relação ao prejuízo contábil, sua absorção segue as determinações da legislação societária, enquanto as regras de compensação de prejuízos fiscais são determinadas pela legislação do Imposto de Renda. Com base na leitura dessas frases, é CORRETO afirmar que A) a primeira afirmação é falsa, e a segunda é verdadeira. B) a primeira afirmação é verdadeira, e a segunda é falsa. C) as duas afirmações são falsas. D) as duas afirmações são verdadeiras, e a segunda é uma justificativa correta da primeira. E) as duas afirmações são verdadeiras, mas a segunda não é uma justificativa correta da primeira. Autor: Fernando Toledo Resposta: Alternativa E. As duas afirmações são verdadeiras, mas a segunda não e justificativa da primeira. A segunda apenas explica o significado de prejuízos, conforme pode ser observado nos grifos apresentados no resumo abaixo, item: Como escriturar o prejuízo no Lalur? Qual sua correlação com o prejuízo registrado na contabilidade? Resumo: Conforme a Receita Federal (http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoajuridica/dipj/2004/pergresp2004/pr268a285.htm): O Livro de Apuração do Lucro Real, também conhecido pela sigla Lalur, é um livro de escrituração de natureza eminentemente fiscal, destinado à apuração extracontábil do lucro

44 44 real sujeito à tributação para o imposto de renda em cada período de apuração, contendo, ainda, elementos que poderão afetar o resultado de períodos de apuração futuros. Quem está obrigado à escrituração do Lalur? Todas as pessoas jurídicas contribuintes do imposto de renda com base no lucro real, inclusive aquelas que espontaneamente optarem por esta forma de apuração. O Lalur possui folhas numeradas tipograficamente, terá duas partes, com igual quantidade de folhas cada uma, reunidas em um só volume encadernado, a saber: a. parte A, destinada aos lançamentos de ajuste do lucro líquido do período (adições, exclusões e compensações), tendo como fecho a transcrição da demonstração do lucro real; e b. parte B, destinada exclusivamente ao controle dos valores que não constem da escrituração comercial, mas que devam influenciar a determinação do lucro real de períodos futuros. NOTA: O Lalur é destinado a registrar valores que, por sua natureza eminentemente fiscal, não devam constar da escrituração comercial. Assim, não pode ser utilizado para suprir deficiências da escrituração comercial (registrar despesas não constantes da escrituração comercial ou insuficientemente registradas). Na sua parte A, a escrituração será em ordem cronológica, folha após folha, sem intervalos nem entrelinhas, encerrada período a período, com a transcrição da demonstração do lucro real. A escrituração de cada período se completa com a assinatura do responsável pela pessoa jurídica e de contabilista legalmente habilitado. Na sua parte B, utilizando uma folha para cada conta ou fato que requeira controle individualizado. O que deverá conter a parte A do Lalur? Deverá conter (IN SRF no 28, de 1978): 1. os lançamentos de ajuste do lucro líquido do período, que serão feitos com individuação e clareza, indicando, quando for o caso, a conta ou subconta em que os valores tenham sido registrados na escrituração comercial (assim como o livro e a data em que foram efetuados os respectivos lançamentos), ou os valores sobre os quais a adição ou a exclusão foi calculada, quando se tratar de ajuste que não tenha registro correspondente na escrituração comercial; Nota: O lançamento feito indevidamente será estornado mediante lançamento subtrativo na própria coluna em que foi lançado, com o valor indicado entre parênteses, de tal forma que a soma das colunas Adições e Exclusões coincida com o total registrado nos itens de Adições e Exclusões + Compensações da demonstração do lucro real. 2. após o último lançamento de ajuste do lucro líquido do período, necessariamente na data de encerramento deste (seja trimestral ou anual), será transcrita a demonstração do lucro real, que deverá conter: a. o lucro ou prejuízo líquido constante da escrituração comercial, apurado no período de incidência;

45 45 b. as adições ao lucro líquido, discriminadas item por item, agrupados os valores de acordo com sua natureza, e a soma das adições; c. as exclusões do lucro líquido, discriminadas item por item, agrupados os valores de acordo com sua natureza, e a soma das exclusões; d. subtotal, obtido pela soma algébrica do lucro ou prejuízo líquido do período com as adições e exclusões; e. as compensações que estejam sendo efetivadas no período e cuja soma não poderá exceder a 30% (trinta por cento) do valor positivo do item 2.d; f. o lucro real do período ou o prejuízo do período a compensar em períodos subseqüentes. O que deverá constar na parte B do Lalur? Na parte B serão mantidos os registros de controle de valores que, pela sua característica, integrarão a tributação de períodos subseqüentes, quer como adição, quer como exclusão ou compensação. Como exemplos (lista não exaustiva) podem ser citados: a. adições: receitas de variações cambiais diferidas até o momento de sua realização, ressaltando-se que as receitas de variações cambiais apropriadas na contabilidade pelo regime de competência são inicialmente excluídas no Lalur e, quando realizadas, são adicionadas; receitas de deságios de investimentos avaliados por equivalência patrimonial diferidos até a realização daqueles investimentos; valores relativos à depreciação acelerada incentivada; lucro inflacionário apurado até 31/12/1995; b. exclusões: custos ou despesas não dedutíveis no período de apuração em decorrência de disposições legais ou contratuais; despesas de variações cambiais diferidas até o momento de sua realização; despesas de ágios amortizados de investimentos avaliados por equivalência patrimonial diferidos até a realização daqueles investimentos; c. compensações: prejuízo fiscal de períodos de apuração anteriores, sejam operacionais ou não operacionais, de períodos anuais, ou trimestrais segundo o regime de apuração; Embora não constituam valores a serem excluídos do lucro líquido, mas dedutíveis do imposto devido, deverão ser mantidos controles dos valores excedentes, a serem utilizados no cálculo das deduções nos anos subseqüentes, dos incentivos fiscais com programas de alimentação do trabalhador. É admitida a escrituração do Lalur por sistema eletrônico? Sim. O Lalur poderá ser escriturado mediante a utilização de sistema eletrônico de processamento de dados, observadas as normas baixadas pela Secretaria da Receita Federal. A escrituração em formulários contínuos, cujas folhas deverão ser numeradas, obedecerá a ordem seqüencial, mecânica ou tipograficamente, e conterá termos de abertura e encerramento Como escriturar o prejuízo no Lalur? Qual sua correlação com o prejuízo registrado na contabilidade? Para melhor compreensão do significado de prejuízos, deve-se salientar que existem dois prejuízos distintos: o prejuízo contábil, apurado pela contabilidade na Demonstração de Resultado do Exercício, e o prejuízo fiscal, apurado na demonstração do lucro real. A absorção do prejuízo contábil segue as determinações da legislação societária, enquanto as regras de compensação de prejuízos fiscais são determinadas pela legislação do imposto de renda.

46 46 Logo, o prejuízo compensável para efeito de tributação é o que for apurado na demonstração do lucro real de determinado período. Este prejuízo é o que será registrado na parte B do Lalur, para compensação nos períodos subseqüentes (independentemente da compensação ou absorção de prejuízo contábil). Seu controle será efetuado exclusivamente na parte B do Lalur, com utilização de conta (folha) distinta para o prejuízo correspondente a cada período. A utilização desse prejuízo para compensação com lucro real apurado posteriormente em períodos de apuração subseqüentes poderá ser efetuada total ou parcialmente, independentemente de prazo, devendo ser observado apenas em cada período de apuração > >de compensação o limite de 30% (trinta por cento) do respectivo lucro líquido ajustado (lucro líquido do período + adições exclusões), levando-se a débito na conta de controle >( >parte B >) >, o valor utilizado, transferindo-o para a parte A do livro, com vista a ser computado na demonstração do lucro real, sendo registrado como compensação. Existe prazo para a compensação dos prejuízos fiscais? Não. De acordo com a legislação fiscal não há prazo para a compensação de prejuízos fiscais, mesmo relativamente àqueles apurados anteriormente à edição da Lei n o 8.981, de 1995, com as alterações da Lei n o 9.065, de Existe limite para a compensação de prejuízos fiscais? Sim. A partir de 1 o /01/1995, para efeito de determinar o lucro real, o lucro líquido ajustado pelas adições e exclusões previstas ou autorizadas pela legislação do imposto de renda só poderá ser reduzido em, no máximo, 30% (trinta por cento). Questão 36 Uma empresa comercial vende o produto Omega pelo preço unitário de R$10,00. Nos últimos 5 anos, uma parcela de suas vendas efetuadas a prazo não foi recebida dos clientes, conforme exposto na tabela a seguir: Valores (R$) Ano 01 Ano 02 Ano 03 Ano 04 Ano 05 Vendas Parcela não recebida Analisando-se os dados, com o objetivo de acrescentar o custo de inadimplência ao preço do produto, o gerente de vendas pode chegar a qual conclusão? A) Em 50% dos anos, o percentual de não recebimento foi menor do que 4,17%. B) No mínimo, 7% das vendas não são recebidas pela empresa. C) O percentual de recebimentos, em média, equivale a 95% das vendas. D) O preço unitário do produto deve ser ajustado, em média, para R$ 10,25. E) Para cada R$ 100,00 vendidos, a empresa deixou de receber R$ 6,00 no último ano. Autor: Andrelino Olimpio

47 47 Resposta: Contas Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Total Vendas ,00 Parcela Não Recebida ,00 Qtde de Vendas ,00 % Inadimplência 0,50 0,54 0,53 0,42 0,50 0,50 Questão 37 Em relação aos Sistemas de Informações, analise as afirmativas que se seguem: I. As entradas, os mecanismos de processamento e as saídas são elementos de um Sistema de Informações. II. O Plano de Contas de uma empresa é usado no processamento dos dados do Sistema de Informação Contábil. III. O Balanço Patrimonial é um dado a ser processado no Sistema de Informação Contábil. IV. A Folha de Pagamento dos funcionários de uma empresa é um exemplo de informação (output) do Sistema de Informação Contábil. Estão CORRETAS apenas as afirmativas: A) I e II. B) I e IV. C) II e III. D) II e IV. E) III e IV. Autor: Fernando Toledo Resposta: Alternativa A. O balanço patrimonial não é um dado, mas sim uma demonstração obtida pelo processamento dos dados inseridos em um sistema de informação. A folha de pagamentos dos fucionarios e um exemplo de informação input, ou seja, de entrada de dados no sistema de informação contábil. Resumo: Sistemas de Informação Um Sistema de Informação (SI) é um sistema cujo elemento principal é a informação. Seu objetivo é armazenar, tratar e fornecer informações de tal modo a apoiar as funções ou processos de uma organização. um conjunto de componentes inter-relacionados que coleta, processa, armazena e distribui informações para apoiar a tomada de decisões, a coordenação e controle de uma organização. suporte à tomada de decisões, à coordenação e ao controle, esses sistemas também auxiliam os gerentes e trabalhadores a analisar problemas, visualizar assuntos complexos e criar novos produtos. Elementos do SI Informação dados apresentados em uma forma significativa e útil.

48 48 Dados - são correntes de fatos brutos que representam eventos que estão ocorrendo nas organizações ou no ambiente físico, antes de terem sido organizados e arranjados de uma forma que as pessoas possam entendê-los. Componentes de um Sistema de Informação Entrada é a atividade de coletar e capturar dados básicos. Ex. horas trabalhadas por um funcionário Processamento envolve a conversão ou transformação de dados em saídas úteis. Ex. cálculos comparações e ações alternativas. Saída envolve a produção de informações úteis, em geral na forma de documentos e relatórios. Ex. cheques de pagamento, relatórios para acionistas, etc Realimentação é a saída que é usada para alterar a entrada ou as atividades em processamento. Ex. erros no registro de horas trabalhadas por um funcionário Questão 38 - ANULADA Questão 39 O contador da empresa Última Chance, revendedora de materiais de escritório, está com diversas dúvidas quanto à estruturação das suas duas principais demonstrações contábeis: Balanço Patrimonial e Demonstração de Resultados do Exercício. Para esclarecer as dúvidas, resolveu contratar uma empresa de consultoria e de assessoria contábil, e disponibilizou o Balancete de 31/12/X8, antes da apuração do resultado do exercício e distribuição do lucro, conforme tabela a seguir. As principais dúvidas apontadas pelo contador da empresa Última Chance quanto: A) ao Valor do Ativo Circulante. B) ao Valor do Passivo Exigível de Longo Prazo. ANULADA C) ao Valor do Ativo Intangível. D) ao Valor dos Investimentos Não Circulante. E) ao Resultado do Período.

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC n.º 750/93 (Esta Resolução possui o Apêndice II aprovado pela Resolução CFC nº 1111/07). Dispõe sobre os Princípios Fundamentais de Contabilidade (PFC). Dispõe sobre os Princípios de Contabilidade

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

SIMULADO ENADE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

SIMULADO ENADE CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULO N IÊNIS ONTÁIS Nome do(a) aluno(a): Matrícula: IS: ampus: ata: / / 1. Questão ia. Incertos e ssociados, empresa de consultoria jurídica, iniciou suas atividades em 30/11/X8, com um capital social

Leia mais

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004.

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. Analista CNMP Contabilidade Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. De maneira geral, foi uma prova

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

Contabilidade no Setor Público para Concursos: Aula 01. Princípios de Contabilidade sob Perspectiva do Setor Público

Contabilidade no Setor Público para Concursos: Aula 01. Princípios de Contabilidade sob Perspectiva do Setor Público Contabilidade no Setor Público para Concursos: Aula 01 Princípios de Contabilidade sob Perspectiva do Setor Público Princípios de contabilidade: Entidade Continuidade Oportunidade Registro pelo valor original

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O Conselho Federal de Contabilidade e o Comitê de Pronunciamentos Contábeis são responsáveis pela elaboração das normas contábeis comumente aceitas. Sobre essas normas, julgue

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL A equivalência patrimonial é o método que consiste em atualizar o valor contábil do investimento ao valor equivalente à participação societária da sociedade investidora no patrimônio

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5 Aula 5 Provisões. Depreciação, Amortização e Exaustão. Conteúdo 6. Provisões; 2 6.1. Provisões em Geral 2 6.2. Provisões do Ativo 3 6.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado 4 6.2.1.1. Instrumentos

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Contabilidade Básica - Princípios e convenções contábeis

Contabilidade Básica - Princípios e convenções contábeis Contabilidade Básica - Princípios e convenções contábeis Prof.: Humberto Lucena 2.8 Princípios e convenções contábeis Com o fim de obter a uniformização dentro do campo de atuação profissional em que se

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

CARTÃO RESPOSTA PROVA CONTABILIDADE DATA: 20/10/2014 ALTERNATIVAS A B C D E

CARTÃO RESPOSTA PROVA CONTABILIDADE DATA: 20/10/2014 ALTERNATIVAS A B C D E UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO ECONÔMICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTABILIDADE PROCESSO SELETIVO - EDITAL 01/2014 - TURMA 2015 CARTÃO RESPOSTA PROVA CONTABILIDADE DATA: 20/10/2014

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova ISS-SJC/SP ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE - ISS-SJC/SP Trago para vocês os comentários da prova do concurso de Auditor Tributário

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS Os números entre parênteses a seguir indicam o número do item que aparece no pronunciamento original do Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC. REGIME DE

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 03. Simulado de Contabilidade para o ISS RJ!

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 03. Simulado de Contabilidade para o ISS RJ! Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 03 Simulado de Contabilidade para o ISS RJ! Olá colegas! Realizaremos hoje um pequeno simulado para o concurso do ISS RJ. Lembrando que quaisquer dúvidas podem ser

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes

Relatório dos Auditores Independentes Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 JRS/NMT/ SAD Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA)

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA) DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA) Vou abordar, neste artigo, um assunto relativamente novo, mas que já foi cobrado por algumas bancas. Trata-se da Demonstração do Resultado Abrangente (DRA). Resultado

Leia mais

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Aplicação 1 - As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

www.editoraatlas.com.br

www.editoraatlas.com.br www.editoraatlas.com.br 6278curva.indd 1 04/04/2011 11:11:12 Equipe de Professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP Contabilidade Introdutória Manual do Professor Coordenação

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

Art. 1º Aprovar a NBC TG 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa que tem por base o Pronunciamento Técnico CPC 03 (R2) (IAS 7 do IASB).

Art. 1º Aprovar a NBC TG 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa que tem por base o Pronunciamento Técnico CPC 03 (R2) (IAS 7 do IASB). A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 3.8 para NBC TG 03 e de outras normas citadas: de NBC T 7 para NBC TG 02; de NBC T 19.11 para NBC TG 23; de NBC T 19.36 para

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

Tomando como base apenas os dados acima fornecidos, responder as questões 102 a 104:

Tomando como base apenas os dados acima fornecidos, responder as questões 102 a 104: Tomando como base apenas os dados acima fornecidos, responder as questões 102 a 104: Dados da Cia. Comercial Santarém: 1 Balanço Patrimonial de 19x8 e 19x9 19x8 19x9 Disponibilidades 2.000 4.000 Estoques

Leia mais

Simulado Super Receita 2013 Contabilidade Simulado Alexandre Américo

Simulado Super Receita 2013 Contabilidade Simulado Alexandre Américo Simulado Super Receita 2013 Contabilidade Simulado Alexandre Américo 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. PROVA ANALISTA DE FINANÇAS E CONTROLE DA SECRETARIA DO

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) ANALISTA. TRT s 09 PROVAS 107 QUESTÕES. (2012, 2011, 2009 e 2008)

CONTABILIDADE GERAL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) ANALISTA. TRT s 09 PROVAS 107 QUESTÕES. (2012, 2011, 2009 e 2008) CONTABILIDADE GERAL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) ANALISTA TRT s 09 PROVAS 107 QUESTÕES (2012, 2011, 2009 e 2008) A apostila contém provas de Contabilidade Geral de concursos da Fundação Carlos Chagas (FCC),

Leia mais

Gest ão em Cooper at i vi smo

Gest ão em Cooper at i vi smo Gest ão em Cooper at i vi smo Dirceu Granado de Souza Dinâmica Patrimonial Consult & Assess Empresarial 1 A Contabilidade como Ciências; Princípios Fundamentais de Contabilidade e Normas Brasileiras de

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6 Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Parte 6 1 NBC TG 16 - ESTOQUES 6.1 Objetivo da NBC TG 16 (Estoques) O objetivo da NBC TG 16 é estabelecer o tratamento contábil para os estoques, tendo como questão fundamental

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Tratamento contábil do ágio e do deságio O tratamento contábil do ágio e do deságio na aquisição de investimentos avaliados pelo método da equivalência patrimonial (MEP)

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

1 Questão 08 Princípios Fundamentais de Contabilidade ENUNCIADO

1 Questão 08 Princípios Fundamentais de Contabilidade ENUNCIADO 1 QUESTÃO 08 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE... 1 2 QUESTÃO 09 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS E PASSIVOS... 6 3 QUESTÃO 10 FATOS CONTÁBEIS... 9 4 QUESTÃO 11 TEORIAS DAS CONTAS... 10 5 QUESTÃO

Leia mais

NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. Objetivo

NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa. Objetivo NBC TSP 2 - Demonstração dos Fluxos de Caixa Objetivo A demonstração dos fluxos de caixa identifica (a) as fontes de geração dos fluxos de entrada de caixa, (b) os itens de utilização de caixa durante

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

Comparações entre Práticas Contábeis

Comparações entre Práticas Contábeis IAS 12, SIC-21, SIC-25 SFAS 109, I27, muitas questões EITF NPC 25 do Ibracon, Deliberação CVM 273/98 e Instrução CVM 371/02 Pontos-chave para comparar diferenças D i f e r e n ç a s S i g n i f i c a t

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Demonstrações Contábeis Em 31

Leia mais

Contabilidade Decifrada Resolução Provas CVM 2010 (ESAF)

Contabilidade Decifrada Resolução Provas CVM 2010 (ESAF) Conteúdo 1 Inspetor... 2 1.1 Questão n 1 Estrutura Conceitual Básica - Demonstrações Contábeis... 2 1.2 Questão n 2 Estrutura Conceitual Básica - Demonstrações Contábeis... 3 1.3 Questão n 3 Estrutura

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO contato@agmcontadores.com.br 2015 out-2015 2 Objetivo O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento

Leia mais