EDUCAÇÃO SUPERIOR. MANUAL DE ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: graduação e pós-graduação GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO SUPERIOR. MANUAL DE ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: graduação e pós-graduação GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO"

Transcrição

1 FACULDADES DE TECNOLOGIA SENAC EM SANTA CATARINA BLUMENAU Av. Brasil, Ponta Aguda Fone: (47) Fax (47) CAÇADOR Rua Sete de Setembro, Centro Fone/Fax: (49) CHAPECÓ Rua Castro Alves, 298E - São Cristóvão Fone/Fax: (49) CRICIÚMA Rua General Lauro Sodré, Comerciário Fone/Fax: (48) FLORIANÓPOLIS Rua Silva Jardim, Prainha Fone/Fax: (48) JARAGUÁ DO SUL Rua dos Imigrantes, Vila Rau Fone/Fax: (47) SÃO MIGUEL DO OESTE Rua Sete de Setembro, Centro Fone: (49) TUBARÃO Av. Marcolino Martins Cabral, Vila Moema Fone: (48) Fax: (48) EDUCAÇÃO SUPERIOR GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADES SENAC EM SANTA CATARINA DEPARTAMENTO REGIONAL BALNEÁRIO CAMBORIÚ BRUSQUE CANOINHAS CONCÓRDIA ITAJAÍ JOAÇABA JOINVILLE LAGES PORTO UNIÃO RIO DO SUL SÃO BENTO DO SUL SENAC BISTRO JOHANNASTIFT - BLUMENAU SENAC EaD - SÃO JOSÉ SENAC SAÚDE E BELEZA - FLORIANÓPOLIS SENAC TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO - FLORIANÓPOLIS XANXERÊ MANUAL DE ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: graduação e pós-graduação

2 APRESENTAÇÃO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL EM SANTA CATARINA Este manual foi organizado com o objetivo de orientar os alunos dos PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL Bruno Breithaupt DIRETOR REGIONAL Rudney Raulino DIRETOR DA DIVISÃO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Ivan Luiz Ecco COORDENAÇÃO SETOR DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Ana Elisa Cassal ADAPTAÇÃO DAS NORMAS DA ABNT Noeli Viapiana Daniela Fernanda Assis de Oliveira Spudeit Elizabeti de Fátima Rodrigues PROJETO GRÁFICO Cláudia Furtado dos Santos Elisabete Werlang REVISÃO GRAMATICAL Gicele V. Vieira Prebianca DIAGRAMAÇÃO Beed Gestão de Marca cursos superiores do Senac/SC, na elaboração dos seus trabalhos acadêmicos. Na apresentação de um trabalho científico alguns aspectos devem ser considerados dentro do seu grau de importância, obrigatórios e/ou opcionais, dependendo do contexto. O documento reúne as orientações da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT com o intuito de normatizar e de auxiliar nas dúvidas que surgem no processo de elaboração dos trabalhos desenvolvidos nos Copyright 2012 Senac Santa Catarina cursos de graduação e pós-graduação. FICHA CATALOGRÁFICA Silva, Eli Lopes da. Manual de elaboração de trabalhos acadêmicos: graduação e pós-graduação. Eli Lopes da Silva. Florianópolis SENAC/DR. 2.ed p. 1. Trabalhos acadêmicos. 2. Normas da ABNT. 3. Técnicas de pesquisa. Rudney Raulino Diretor Regional do Senac em Santa Catarina Florianópolis, fevereiro de 2012.

3 LISTA DE FIGURAS SUMÁRIO Figura 1: Estrutura do trabalho acadêmico Figura 2: Capa modelo Senac/SC Figura 3: Folha de rosto modelo Senac/SC Figura 4: Folha de aprovação Figura 5: Dedicatória Figura 6: Agradecimentos Figura 7: Exemplo de resumo Figura 8: Lista de siglas e abreviaturas Figura 9: Sumário Figura 10: Referências Figura 11: Margens Figura 12: Parágrafos e espaçamentos Figura 13: Paginação Figura 14: Formatação de ilustrações Figura 15: Formatação de tabelas Figura 16: Formatação de Quadros Figura 17: Formatação de Artigo Figura 18: Formatação de Artigo - continuação Figura 19: Estrutura de uma Resenha INTRODUÇÃO 2 ESTRATÉGIAS DE PESQUISA 2.1 PESQUISA BIBLIOGRÁFICA 2.2 PESQUISA DOCUMENTAL 2.3 PESQUISA EXPERIMENTAL 2.4 PESQUISA QUASE-EXPERIMENTAL Com pós-teste e dois grupos Quase-experimental de séries cronológicas Ex post facto 2.5 LEVANTAMENTO (SURVEY) 2.6 ESTUDO DE CASO 2.7 PESQUISA-AÇÃO 2.8 PESQUISA ETNOGRÁFICA 2.9 CONSTRUÇÃO DE TEORIA (GROUNDED THEORY) 2.10 PESQUISA DE AVALIAÇÃO 2.11 PROPOSIÇÃO DE PLANOS E PROGRAMAS 2.12 PESQUISA DIAGNÓSTICO 2.13 PESQUISA HISTORIOGRÁFICA 3 TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS 3.1 OBSERVAÇÃO 3.2 OBSERVAÇÃO PARTICIPANTE 3.3 ANÁLISE DOCUMENTAL 3.4 ENTREVISTA 3.5 PAINEL 3.6 GRUPO FOCAL (FOCUS GROUP) 3.7 QUESTIONÁRIO 3.8 HISTÓRIA ORAL E HISTÓRIA DE VIDA 3.9 OUTRAS TÉCNICAS 4 ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO 4.1 CAPA 4.2 FOLHA DE ROSTO 4.3 FICHA CATALOGRÁFICA 4.4 FOLHA DE APROVAÇÃO 4.5 DEDICATÓRIA 4.6 AGRADECIMENTOS 4.7 EPÍGRAFE

4 4.8 RESUMO 4.9 ABSTRACT 4.10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES 4.11 LISTA DE TABELAS 4.12 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS 4.13 LISTA DE SÍMBOLOS 4.14 SUMÁRIO 4.15 DESENVOLVIMENTO 4.16 REFERÊNCIAS 4.17 GLOSSÁRIO 4.18 APÊNDICES 4.19 ANEXOS 4.20 ÍNDICE 5 FORMATAÇÃO DO TRABALHO ACADÊMICO 5.1 FORMATO E FONTE 5.2 MARGENS 5.3 PARÁGRAFOS E ESPAÇAMENTOS 5.4 PAGINAÇÃO 5.5 ILUSTRAÇÕES 5.6 TABELAS 5.7 QUADROS 6 CITAÇÕES 6.1 CITAÇÃO INDIRETA 6.2 CITAÇÃO DIRETA 6.3 CITAÇÃO DE CITAÇÃO 6.4 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESCRITA DE CITAÇÕES Supressões Acréscimos Indicação de erro ortográfico Destaque de parte da citação 7 REFERÊNCIAS 7.1 LIVROS Um autor Dois ou três autores Quatro autores ou mais Organizados por um autor 7.2 CAPÍTULOS DE LIVROS 7.3 DISSERTAÇÕES DE MESTRADO E TESES DE DOUTORADO 7.4 CAPÍTULO DE LIVROS, DISSERTAÇÕES OU TESES TESES OU DISSERTAÇÕES DISPONÍVEIS ONLINE 7.6 ARTIGOS DE REVISTA OU PERIÓDICOS CIENTÍFICOS 7.7 ARTIGOS DE REVISTA EM MEIO ELETRÔNICO 7.8 TRABALHOS APRESENTADOS EM EVENTO 7.9 DOCUMENTOS COM ACESSO EXCLUSIVO EM MEIO ELETRÔNICO 7.10 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE AUTORIA 7.11 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O EDITOR 7.12 OUTROS 8 PUBLICAÇÕES CIENTÍFICAS 8.1 ARTIGO CIENTÍFICO 8.2 PAPER 8.3 MONOGRAFIAS Monografia de graduação Monografia para obtenção do grau de mestre Monografia para obtenção do grau de doutor 8.4 RESENHA CRÍTICA 9 NORMAS DA ABNT REFERÊNCIAS

5 1 INTRODUÇÃO A metodologia pode ser entendida como a disciplina que estuda/lida com os métodos. Para Thiollent (2004), a metodologia está relacionada à própria epistemologia (origem, alcance e justificação do conhecimento) ou ainda com a filosofia da ciência. No nível prático, trata das técnicas de pesquisa, além de ser considerada a forma de condução da mesma. Lakatos e Marconi (2009) definem o método como atividade sistemática e racional que permite alcançar o objetivo da pesquisa, traçando o caminho a ser seguido para viabilização e execução da mesma. Do ponto de vista de Thiollent (2004), o método refere-se à estratégia de pesquisa, termo usado também por Martins e Theóphilo (2009) e diferencia-se da técnica por ter um escopo mais amplo. Para o autor, a técnica de pesquisa está relacionada a como fazer a pesquisa, à criação e uso de instrumentos de coletas de dados, ou seja, à parte operacional da pesquisa. Definir a estratégia a ser implementada na pesquisa é tão importante quanto a própria definição do objeto de estudo. Métodos ou estratégias de pesquisa diferentes podem conduzir o pesquisador a diferentes resultados. Desta forma, o método deve estar intimamente ligado aos objetivos da pesquisa, àquilo que se quer alcançar com a mesma e não ser uma escolha meramente ilustrativa apenas para cumprir um ritual acadêmico. Ao viajar, por exemplo, a escolha do meio de transporte como carro ou helicópetero, fornece duas visões do caminho completamente diferentes. O que é preciso ter certeza é se o método, ou estratégia de viagem viabilizará os objetivos que se pretende alcançar. No capítulo seguinte, discute-se as principais estratégias. A justificativa metodológica para a pesquisa deve ser evidenciada no trabalho acadêmico em um diálogo com vários autores, não somente aqueles apresentados neste manual. 2 ESTRATÉGIAS DE PESQUISA Martins e Theóphilo (2009) afirmam que preferem utilizar o termo estratégias de pesquisa como referência aos diversos meios de abordar e analisar dados empírios nas Ciências Sociais Aplicadas, embora, segundo os autores, o termo mais utilizado na literatura é delineamento. Este manual utiliza esses autores como referência para a classificação das estratégias, pela completude do trabalho apresentado por eles embora, como afirmado anteriormente, a discussão acerca das estratégias escolhidas (visto que a escolha pode envolver mais de uma estratégia) nos trabalhos acadêmicos deve levar em conta um diálogo com vários autores e deve ter, principalmente, uma relação direta com o que se pretende com a pesquisa. Como se trata de um manual, um guia prático, não se expõe aqui exaustivamente cada estratégia. O objetivo é introduzir o assunto para que, na escolha da estratégia o aluno possa ter um ponto de partida e, conforme já dito, será importante um diálogo com vários autores para uma boa justificativa metodológica. 2.1 PESQUISA BIBLIOGRÁFICA Trata-se de pesquisa necessária para a condução de qualquer pesquisa científica. (MARTINS; THEÓPHILO, 2009, p. 54). Ela busca aprofundar um assunto através de discussão com os teóricos da área, com a utilização de livros, periódicos, teses, dissertações, entre outros materiais. Na fase de pesquisa bibliográfica, é aconselhável que se faça fichamentos do material pesquisado, para posterior localização e utilização. Medeiros (2009) apresenta vários modelos de fichamento, entre eles: ficha de indicação bibliográfica: apresenta as referências bibliográficas da obra; ficha de transcrição: contém uma transcrição de trechos de uma obra, com as devidas referências bibliográficas; ficha de resumo: reduz o texto a suas ideias principais; ficha de comentário: apresenta uma avaliação de uma obra, ou parte dela. O uso de fichamentos é recomendável não somente quando estamos diante de uma pesquisa, mas em todo o percurso acadêmico. 2.2 PESQUISA DOCUMENTAL A pesquisa documental envolve a análise de documentos diversos que vão desde diários, arquivos, gravações, correspondências até fotografias, mapas ou filmes. Martins e Theóphilo (2009) apontam como principal diferença entre a pesquisa bibliográfica e a pesquisa documental o fato de que, enquanto a primeira utiliza fontes secundárias, a segunda utiliza fontes primárias. Nesse caso, os materiais são compilados pelo autor da pesquisa, visto que não foram ainda objetos de estudos anteriores. 2.3 PESQUISA EXPERIMENTAL Busca as relações causais entre variáveis. Geralmente os experimentadores podem controlar as variáveis das quais deseja-se estudar os efeitos. O experimento é uma estratégia de pesquisa que busca a construção de conhecimentos através de resultados cientificamente comprovados conhecimentos passíveis de apreensão de condições de controle, legitimados pela experimentação e comprovados pelos níveis de significância das mensurações. (MARTINS; THEÓPHILO, 2009, p. 56). Os experimentos são mais utilizados nas Ciências Naturais, como a Biologia, a Química e a Física, não sendo muito comuns em Ciências Sociais Aplicadas, como afirmam Martins e Theóphilo (2009)

6 2.4 PESQUISA QUASE-EXPERIMENTAL Trata-se de pesquisa na qual não se tem controle total sobre as variáveis. Martins e Theóphilo (2009) classificam este tipo de pesquisa em três subtipos Com pós-teste e dois grupos A estratégia consiste em utilizar dois grupos sendo que um vai receber tratamento experimental e o outro não. Após o tratamento, faz-se uma análise comparativa entre os grupos Quase-experimental de séries cronológicas Para esta estratégia a ideia é aplicar vários pré-testes a um mesmo grupo, ao longo do tempo (por isso ela é caracterizada como série cronológica) e compara-se os resultados Ex post facto Como o próprio nome indica, esta estratégia consiste em fazer uma análise das variáveis após o fato ter ocorrido. Este tipo de pesquisa lida com variáveis que não são manipuláveis, tais como estudos demográficos, de classe social, entre outros. 2.5 LEVANTAMENTO (SURVEY) É uma estratégia mais indicada quando o pesquisador necessita levantar informações para análise de fatos e descrições. Este tipo de pesquisa também é chamado de Survey. O conteúdo das perguntas de levantamento cobre quatro áreas fundamentais de conteúdo: dados pessoais, dados sobre comportamento, dados relativos ao ambiente (circunstâncias em que os respondentes vivem) e dados sobre nível de informações, opiniões, atitudes, mensurações e expectativas. (MARTINS; THEÓPHILO, 2009, p. 61). 2.6 ESTUDO DE CASO A estratégia de estudo de caso é notadamente de característica qualitativa, visto que objetiva analisar uma unidade social específica. É uma categoria cujo objeto é uma unidade que se analisa aprofundamente (TRIVIÑOS, 1987, p. 133). Quando se faz um estudo de caso, nem sempre tem-se as perguntas estabelecidas à priori, visto que a complexidade do objeto de estudo tende a aumentar à medida que ele vai sendo conhecido. É preciso saber estabelecer bem as fronteiras do objeto de estudo e seu contexto. Martins e Theóphilo (2009) afirmam que o que vai garantir suficiência para construção de uma teoria que consiga explicar o recorte da realidade explorada são a robustez analítica, a lógica das conclusões e a defesa das apropriações que forem feitas sobre o caso. Lembram ainda, os autores, que uma questão mal formulada pode ser comprometedora para todo o estudo. Sugerem ainda que seja construída uma teoria (Grounded Theory) estratégia apresentada adiante neste manual sobre a realidade investigada. 2.7 PESQUISA-AÇÃO Um dos mais conhecidos pesquisadores deste tipo de estratégia no Brasil é, certamente, Michel Thiollent. Ele afirma que há diversas definições possíveis, mas propõe um conceito. A pesquisa-ação é um tipo de pesquisa social com base empírica que é concebida e realizada em estreita associação com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo e no qual os pesquisadores e os participantes representativos da situação ou do problema estão envolvidos de modo cooperativo ou participativo. (THIOLLENT, 2004, p.14). Segundo definição do autor, fica em aberto a questão de valores, pois a pesquisa-ação não diz respeito ao tipo de ação nem ao grupo social. O importante é que haja ação por parte das pessoas envolvidas no problema que está sendo observado. Há também um papel ativo do pesquisador. Em organizações, a ação pode ser a resolução de problemas de ordem técnica. 2.8 PESQUISA ETNOGRÁFICA Pesquisa etnográfica tem como propósito analisar modos de vidas de grupos sociais. Trata-se de analisar significados culturais de um dado grupo. Importante destacar que não se faz pesquisa etnográfica apenas com a aplicação de questionários, sem conhecimento do grupo. Ela exige uma imersão do pesquisador no ambiente pesquisado. Este tipo de pesquisa pode ser utilizada para análise de estilos de vida, estudos de comunidades online, de tribos, entre outros grupos

7 2.9 CONSTRUÇÃO DE TEORIA (GROUNDED THEORY) É uma estratégia na qual o pesquisador busca construir uma teoria a partir de vários conceitos estudados. Martins e Theóphilo (2009) sugerem que o pesquisador deve começar com um modelo parcial de conceitos. Os resultados apresentados devem ser considerados provisórios, uma vez que novos constructos teóricos poderão surgir e ser incorporados, futuramente, à teoria construída. 3 TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS As estratégias necessitam de técnicas para análise de informações, coleta de dados e evidências que o pesquisador necessita para elaborar e desenvolver conclusões em sua pesquisa. Martins e Theóphilo (2009) classificam como dados primários aqueles coletados na fonte e como dados secundários dados provenientes de arquivos, de bancos de dados, de estatísticas, entre outros. A seguir as principais técnicas PESQUISA DE AVALIAÇÃO É uma estratégia de investigação para avaliar programas, projetos, políticas etc. (MARTINS; THEÓPHILO, 2009, p. 80). Entre os exemplos de aplicação da pesquisa de avaliação, os autores apresentam: avaliar volume de vendas antes e após uma campanha de marketing; avaliar desempenho de funcionários antes e depois de um determinado treinamento; avaliar políticas como terceirização ou reformulação de estrutura da organização, entre outros. 3.1 OBSERVAÇÃO Observação não se resume apenas a ver o que está acontecendo. Deve haver um planejamento do que será observado, o que se pretende com a observação, como coletar e registrar os dados. A observação é uma técnica de coleta de informações que utiliza os sentidos para obtenção de determinados aspectos da realidade. (MARTINS; THEÓPHILO, 2009, p. 86) PROPOSIÇÃO DE PLANOS E PROGRAMAS Objetiva apresentar soluções para problemas organizacionais que já foram diagnosticados. Tenta-se propor modelos a serem aplicados em situações práticas, tais como elaboração de um plano financeiro; estruturação de um sistema de informações, entre outros. 3.2 OBSERVAÇÃO PARTICIPANTE Originada a partir das pesquisa do antropólogo Malinowski, a observação participante é uma técnica de coleta de dados na qual o pesquisador assume um papel ativo. Isso significa que o observador pode participar do contexto que está sendo observado, modificando-o. Esta técnica requer que o pesquisador obtenha a confiança por parte dos pesquisados PESQUISA DIAGNÓSTICO A pesquisa diagnóstico visa explorar um ambiente para levantar seus respectivos problemas. Martins e Theóphilo (2009) apontam esta estratégia como adequada aos pesquisadores-consultores PESQUISA HISTORIOGRÁFICA 3.3 ANÁLISE DOCUMENTAL A análise documental é uma técnica de coleta de dados que se assemelha ao levantamento de referências bibliográficas, com a diferença que as buscas se dão em materiais que não foram editados, tais como cartas, memorandos, relatórios, entre outros. Deve-se tomar cuidado, portanto, com o grau de confiabilidade dos documentos que são utilizados na pesquisa. É uma estratégia típica de pesquisadores que são historiadores, pois tem o propósito de construir categorias que dão conta de explicar a história do assunto proposto. Normalmente utiliza-se de fonte oficiais, escritas e documentadas, mas pode se valer também de dados orais. 3.4 ENTREVISTA As entrevistas são classificadas como estruturadas quando há um roteiro definido e não estruturadas quando a conversa é livre. Também pode-se fazer uma entrevista semiestruturada, na qual há um roteiro que permite uma certa liberdade na condução da conversa com os entrevistados

8 Martins e Theóphilo (2009) fazem algumas recomendações sobre o uso desta técnica, tais como: planejar a entrevista tomando o cuidado de delinear os objetivos; procurar conhecer o entrevistado; tentar não manifestar opiniões durante as entrevistas; ouvir mais e falar menos; evitar divagações; usar gravador somente com a concordância do entrevistado e, caso necessário, formular questões secundárias durante a entrevista. 3.5 PAINEL É um tipo especial de entrevista realizada em intervalos regulares com as mesmas questões, com o intuito de verificar as evoluções das respostas ou opiniões apresentadas. 3.6 GRUPO FOCAL (FOCUS GROUP) 3.8 HISTÓRIA ORAL E HISTÓRIA DE VIDA História oral é um documento transcrito a partir de um relato do pesquisado, no qual é importante destacar a entonação, as ênfases, os silêncios, entre outras características reveladas durante o relato. História de vida envolve a pesquisa em diários, autobiografias e outros documentos com objetivo de reconstruir a história de vida do pesquisado. 3.9 OUTRAS TÉCNICAS Outras estratégias de pesquisa podem ser consideradas dependendo do trabalho a ser realizado, tais como análise de conteúdo, análise do discurso, escalas sociais e de atitudes todas essas apresentadas por Martins e Theóphilo (2009), além de outras que sejam condizentes com a pesquisa que será realizada. Grupo focal é um tipo de entrevista realizada em grupo, com a presença de um moderador. Os participantes influenciam uns aos outros pelas repostas às ideias, às experiências e aos eventos colocados pelo moderador, e dessa maneira são registradas as opiniõessíntese das discussões estimuladas/orientadas por um moderador [..] As características gerais do Focus Group são o envolvimento dos participantes, a heterogeneidade demográfica do grupo e a geração de dados e informações necessárias aos objetivos da investigação. (MARTINS; THEÓPHILO, 2009, p. 90). Gatti (2005) lembra que os participantes devem ter alguma vivência com o tema que será discutido nas reuniões de Grupo Focal. É possível, com esta técnica, observar a multiplicidade de pontos de vista e de significados que, com outros meios, seria difícil captar. 3.7 QUESTIONÁRIO O questionário é um instrumento composto por um conjunto ordenado de perguntas a respeito das variáveis que se quer analisar. Caso seja necessária intensa interação entre o pesquisador e os pesquisados, este tipo de técnica não é recomendada. É recomendável que a aplicação de um questionário seja precedida de um pré-teste, com um grupo de colaboradores, com vistas a descobrir possíveis falhas na elaboração das perguntas e/ou questões como falta de clareza e objetividade. Outro cuidado importante é a definição do tipo de cada questão (aberta/fechada), o uso de escalas e também na amarração entre questões, como no caso de não perguntar o nome do cônjuge se o respondente diz que é solteiro. 4 ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO O trabalho acadêmico deve ter a seguinte estrutura: APRESENTAÇÃO DE TRABALHO ACADÊMICO Estrutura do trabalho: PARTE EXTERNA LOMBADA Figura 1a CAPA 0 Elementos opcionais Figura 1b APRESENTAÇÃO DE TRABALHO ACADÊMICO Estrutura do trabalho: PARTE INTERNA pré-textuais Epígrafe Agradecimentos Dedicatória Folha de aprovação Errata Folha de rosto Sumário Lista de símbolos Abreviaturas e siglas Lista de tabelas Lista de ilustrações Resumo na língua estrangeira Resumo na língua vernácula Elementos obrigatórios 14 15

9 Figura 1c APRESENTAÇÃO DE TRABALHO ACADÊMICO Estrutura do trabalho: PARTE INTERNA textuais Conclusão Figura 1d APRESENTAÇÃO DE TRABALHO ACADÊMICO Estrutura do trabalho: PARTE INTERNA pós-textuais Índice 4.2 FOLHA DE ROSTO A folha de rosto deve conter elementos que identifiquem a obra, bem como caracterizar a natureza do trabalho. 14 Desenvolvimento Introdução Anexo Apêndice Glossário Referências Figura 3 - Folha de rosto modelo Senac/SC Maria Helena de Castro da Silva Santos autor: centralizado 4.1 CAPA Elementos opcionais Elementos obrigatórios A capa deve conter os elementos essenciais que identificam o trabalho: nome da instituição, autor, título e subtítulo (se houver), local, ano. Figura 2 - Capa modelo Senac/SC GESTÃO POR PROCESSOS EM UMA EMPRESA DE TECNOLOGIA: estudo de caso na gerência das Confecções Nova Moda Trabalho de Conclusão de Último Semestre apresentado à Faculdade de Tecnologia Senac Florianópolis, como requisito parcial para a obtenção do título de Tecnólogo em Processos Gerenciais Orientador: José da Silva título: grafado em caixa alta subtítulo: grafado sem destaque natureza do trabalho: alinhamento do meio para a direita, com nome da instituição e natureza do trabalho orientador FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais Maria Helena de Castro da Silva Santos Florianópolis 2010 cidade e ano: centralizados GESTÃO POR PROCESSOS EM MODA 4.3 FICHA CATALOGRÁFICA A ficha catalográfica deve ser elaborada com o auxílio do(a) bibliotecário(a) da Faculdade, conforme o Código de Catalogação Anglo-Americano. Sua localização é no verso da folha de rosto. 4.4 FOLHA DE APROVAÇÃO Florianópolis 2010 Deve conter autor, título e subtítulo (se houver), natureza do trabalho, banca examinadora, local e data de aprovação

10 Figura 4 - Folha de aprovação Maria Helena de Castro da Silva Santos GESTÃO POR PROCESSOS EM UMA EMPRESA DE TECNOLOGIA: estudo de caso na gerência das Confecções Nova Moda Trabalho de Conclusão de Último Semestre apresentado à Faculdade de Tecnologia Senac Florianópolis, como requisito parcial para a obtenção do título de Tecnólogo em Processos Gerenciais José da Silva (Orientador) Faculdade de Tecnologia Senac Florianópolis Maria Clara da Silva - UFMG Ana Cláudia Santos - UFMG autor: centralizado título: grafado em caixa alta subtítulo: grafado sem destaque natureza do trabalho: alinhamento do meio para a direita, com nome da instituição e natureza do trabalho avaliadores: comece pelo orientador 4.6 AGRADECIMENTOS Os agradecimentos são apresentados àqueles que, de alguma forma, contribuíram para a elaboração do trabalho. O título AGRADECIMENTOS deve ser centralizado no topo da página. O texto deverá ter espaço entre linhas de 1,5, fonte tamanho 12 e respeitar o tipo de letra utilizado no desenvolvimento do texto. Figura 6 - Agradecimentos AGRADECIMENTOS Ao meu orientador, José da Silva, pelo apoio em todos os momentos. Aos meus colegas de classe, especialmente à Maria da Glória, pelas críticas. Florianópolis 2010 cidade e ano: centralizados 4.5 DEDICATÓRIA Não há normatização para essa página. A sugestão é o formato a seguir: Figura 5 - Dedicatória 4.7 EPÍGRAFE Uma epígrafe é composta de uma citação, seguida da indicação de autoria. Normalmente relacionada com o conteúdo do trabalho. Como sugestão de formatação, utilize a mesma estrutura da dedicatória (Figura 5). A epígrafe deve ser elaborada com base na NBR RESUMO Aos meus pais, pela amizade e força. A NBR 6028:2003 recomenda que o resumo tenha entre 150 e 500 palavras.o resumo precisa destacar o objetivo, a metodologia, os resultados e conclusões. Deve ser composto de parágrafo único, sem tabulação. Optou-se no Senac/SC pelo espacejamento entre linhas simples, com a mesma fonte utilizada nos elementos textuais. Optou-se também por inserir no mínimo 3 (três) e no máximo 5 (cinco) palavras-chave. As palavraschave devem vir separadas entre si por ponto e finalizadas por ponto e mesma fonte utilizada nos elementos textuais

11 4.9 ABSTRACT Figura 7 - Exemplo de resumo RESUMO No contexto da pós-modernidade, a escola precisa romper com o modelo tradicional de ensino, baseado no instrucionismo. Uma nova opção estaria numa proposta construtivista, com os professores lançando mão de um uso mais adequado e efetivamente inovador de tecnologias digitais na educação. Contudo, as tecnologias digitais, por si só, não trarão avanços significativos para os processos de aprendizagem. Isso só será possível com novas estratégias pedagógicas. Para investigar essa possibilidade, foi realizada uma ação-pesquisa num curso de graduação de Sistemas de Informação. Objetos de aprendizagem foram utilizados em atividades presenciais, num laboratório de informática. Os alunos interagiram com os objetos e compartilharam idéias com colegas e com o professor no desenvolvimento das atividades de aprendizagem. Imediatamente após o uso de cada um dos objetos de aprendizagem, foi realizado um grupo focal, nos quais alguns alunos trocaram idéias sobre a experiência de aprendizagem. Os estudantes demonstraram um interesse significativo por esse uso da tecnologia como meio para assegurar a sua própria aprendizagem. Os resultados da pesquisa revelaram, sobretudo, a importância das interações, entre alunos e deles com o professor, provocadas pela forma como os objetos de aprendizagem foram utilizados. Constatou-se, ainda, que o uso de objetos de aprendizagem, da mesma forma que outros recursos da informática aplicados na educação, demanda uma formação docente adequada. Palavras-chave: Objetos de aprendizagem. Tecnologias na educação. Interatividade LISTA DE SÍMBOLOS Figura 8 - Lista de siglas e abreviaturas LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. SENAC Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial. Se houver lista de símbolos, ela deve ser inserida antes do sumário e sua formatação pode obedecer a mesma formatação da lista de siglas e abreviaturas SUMÁRIO O sumário é uma enumeração dos capítulos e das seções que fazem parte do texto, com a localização (número da página) em que se encontram. A palavra título deve ser centralizada e escrita com a mesma tipologia das seções primárias. Utiliza-se a numeração progressiva, conforme NBR 6024:2003, até a seção quinária. Os números de página, capítulos e seções devem ser indicados através de números arábicos. Elementos pós-textuais não são numerados e os elementos antecedentes ao sumário não aparecem no mesmo. Optou-se, neste manual, pela seguinte forma de divisão de capítulos e seções e recomenda-se o uso de fonte Arial ou Times New Roman. O Abstract é o resumo apresentado em Língua Inglesa. Também é um elemento obrigatório. Segue a mesma formatação do resumo em Língua Portuguesa LISTA DE ILUSTRAÇÕES É um sumário de ilustrações. Apresente nesta lista as ilustrações, fotografias, gráficos, mapas, plantas e outros objetos semelhantes LISTA DE TABELAS É um sumário de tabelas. Também é um elemento opcional. Caso existam quadros no trabalho, a lista de tabelas poderá ser intitulada Lista de tabelas e quadros e os elementos deverão figurar na ordem em que aparecem no texto LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS É uma relação de abreviaturas e siglas utilizadas no texto, devendo ser apresentada em ordem alfabética. 1 SEÇÃO PRIMÁRIA COM FONTE 14 NEGRITO CAIXA ALTA 1.1 Seção secundária com fonte 14, negrito, caixa baixa Seção terciária com fonte 12 negrito caixa baixa Seção quaternária com fonte 12, itálico, caixa baixa Seção quinária com fonte 12, sublinhado, caixa baixa a) Alínea a, com fonte 12, sem destaque, ordenadas alfabeticamente. b) Alínea b, com fonte 12, sem destaque, ordenadas alfabeticamente. - Subalínea, sem ordenação. - Subalínea, sem ordenação. Um exemplo de sumário com essa formatação pode ser visto na Figura 9. Figura 9 - Sumário SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 ESTRATÉGIAS DE PESQUISA 3 TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS 3.1 Observação 3.2 Entrevista 3.7 Questionário 4 ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO REFERÊNCIAS

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011 São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico As orientações abaixo estão de acordo com NBR 14724/2011 da Associação

Leia mais

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Educação UAB/UnB Curso de Especialização em Educação na Diversidade e Cidadania, com Ênfase em EJA Parceria MEC/SECAD NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL)

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE DISSERTAÇÃO (FORMATO

Leia mais

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Padrão FEAD de normalização Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Objetivo Visando padronizar os trabalhos científicos elaborados por alunos de nossa instituição Elaboramos este manual

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA ANEXO da Norma 004/2008 CCQ Rev 1, 28/09/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Salvador 2009 2 1 Objetivo Estabelecer parâmetros para a apresentação gráfica

Leia mais

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1 5/12/2008 Monografias - Apresentação Fazer um trabalho acadêmico exige muito de qualquer pesquisador ou estudante. Além de todo esforço em torno do tema do trabalho, é fundamental ainda, adequá-lo às normas

Leia mais

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PONTA GROSSA 2011 LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Leia mais

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA A elaboração da monografia deve ter como referência a ABNT NBR 14724/ 2006, a qual destaca que um trabalho acadêmico compreende elementos pré-textuais,

Leia mais

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e NORMAS PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor

Leia mais

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008)

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008) Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Curso de Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Dr. Luís Fernando Garcia - TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E HUMANAS Programa de Pós-Graduação em Biotecnociência Título Santo André dd/mm/aaaa Normas para Dissertações Mestrado em Biotecnociência - UFABC.

Leia mais

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA 1 Prezado(a) aluno(a), Este roteiro foi preparado para auxiliá-lo na elaboração de sua monografia (TCC). Ele o apoiará na estruturação das etapas do seu trabalho de maneira

Leia mais

Manual de normalização de trabalhos acadêmicos do Senac/SC

Manual de normalização de trabalhos acadêmicos do Senac/SC Manual de normalização de trabalhos acadêmicos do Senac/SC 2013 Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - Faculdade de Tecnologia Senac Florianópolis Rua Silva Jardim, 360 Prainha Florianópolis CEP

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA São Paulo 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1 ELEMENTOS EXTERNOS 1.1 CAPA 1.2 LOMBADA 2 ELEMENTOS INTERNOS PRÉ-TEXTUAIS

Leia mais

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Administração Biblioteca Normas para elaboração do TCC O que é um Trabalho de Conclusão de Curso? O TCC, é um trabalho acadêmico feito sob a coordenação

Leia mais

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Editoração do Trabalho Acadêmico 1 Formato 1.1. Os trabalhos devem ser digitados em papel A-4 (210 X297 mm) apenas no anverso (frente) da folha. 2 Tipo e tamanho

Leia mais

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS MONOGRAFIA Trata-se de uma construção intelectual do aluno-autor que revela sua leitura, reflexão e interpretação sobre o tema da realidade. Tem como base a escolha de uma unidade ou elemento social, sob

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Dissertação é a apresentação escrita do trabalho de pesquisa desenvolvido no âmbito do Programa de

Leia mais

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 Paula Carina de Araújo paulacarina@ufpr.br 2014 Pesquisa Pesquisa Atividade básica da ciência

Leia mais

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 1 Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 Pré-textuais Textuais Pós-textuais Estrutura Elemento OK Capa (obrigatório) Anexo A (2.1.1) Lombada (obrigatório) Anexo H Folha

Leia mais

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Maria Bernardete Martins Alves Marili I. Lopes Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Módulo 3 Apresentação

Leia mais

OBRIGATÓRIO= + OPCIONAL= *

OBRIGATÓRIO= + OPCIONAL= * Lombada* UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS BIBLIOTECA GLÁDIS W. DO AMARAL ORIENTAÇÃO SOBRE A ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO Elementos póstextuais INDICES * PARTE INTERNA ANEXOS * APENDICES * GLOSSARIO

Leia mais

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo Objetivo ABNT Normas para elaboração de trabalhos científicos Esta Norma especifica os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmicos, visando sua apresentação à instituição Estrutura Parte

Leia mais

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1 REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO Os seguintes padrões atendem às exigências da FTC Feira de Santana, em conformidade com a NBR 14724:2002/2005 da Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS:

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS: MANUAL PARA TCC www.etecmonteaprazivel.com.br Estrada do Bacuri s/n Caixa Postal 145 Monte Aprazível SP CEP 15150-000 Tel.: (17) 3275.1522 Fax: (17) 3275.1841 NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA 2014 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 Jaciara-MT COMPOSIÇÃO DA MONOGRAFIA MONOGRAFIA Recebe nº página CAPA FOLHA DE ROSTO FOLHA DE APROVAÇÃO DEDICATÓRIA (OPCIONAL) AGRADECIMENTO (OPCIONAL) EPIGRAFE

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III Projeto Integrado Multidisciplinar Cursos Superiores Tecnológicos G. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC ANEXO A TERMO DE COMPROMISSO DE ORIENTAÇÃO DO TRABALHO DE Nome do Aluno: Matricula: Título do TCC CONCLUSAO DE CURSO (TCC) Solicito que seja designado como meu Orientador do Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS 0 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS PIRENÓPOLIS 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ GESTÃO2010/2012 ESCOLASUPERIORDOMINISTÉRIOPÚBLICO(Art.1ºdaLei11.592/89) Credenciada pelo Parecer 559/2008, de 10/12/08, do CEC (Art. 10, IV da Lei Federal n.º 9.394, de 26/12/1996 - LDB) NORMAS PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS ACADÊMICOS

DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS ACADÊMICOS DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PROF. DR. MARCOS FRANCISCO R. SOUSA PROF. Me. CELSO LUCAS COTRIM APRESENTAÇÃO

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (ABNT - NBR 15287- válida a partir de 30.01.2006) 1 COMPONENTES DE UM PROJETO DE PESQUISA (itens em negrito são obrigatórios) ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Capa

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2 UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA COORDENAÇÃO ADJUNTA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS APRESENTAÇÃO O trabalho deve ser digitado e impresso em papel formato A4. O texto deve ser digitado, no anverso das folhas, em espaço 1,5, letra do tipo

Leia mais

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA 1 DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor do trabalho, ou seja, o que não consta no texto destas

Leia mais

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO Este capítulo visa a orientar a elaboração de artigos científicos para os cursos de graduação e de pós-graduação da FSG. Conforme a NBR 6022 (2003, p. 2),

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ARACAJU 2012 2 PREFÁCIO A apresentação dos trabalhos acadêmicos

Leia mais

ESTRUTURA DE UM TRABALHO MONOGRÁFICO (NBR 14724/2005)

ESTRUTURA DE UM TRABALHO MONOGRÁFICO (NBR 14724/2005) Errata Folha de Rosto Capa ESTRUTURA DE UM TRABALHO MONOGRÁFICO (NBR 14724/2005) Epígrafe Resumo L. estrangeira Resumo Agradecimentos Dedicatória Folha de Aprovação Anexos Apêndices Glossário Referências

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações 1ª edição Ilhéus BA 2012 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS Baseado nas obras de Júnia Lessa França e Ana Cristina de Vasconcellos; Rosy Mara Oliveira. Atualizado

Leia mais

AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÀO DO VALE DO JURUENA E AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA

AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÀO DO VALE DO JURUENA E AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÀO DO VALE DO JURUENA E AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA NORMAS DE APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS JUINA/MT JULHO/2009 SUMÁRIO Introdução...

Leia mais

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5. 5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.2 Capa... 48 5.3 Folha de rosto... 51 5.4 Errata... 53

Leia mais

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório.

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório. 1 - ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO O relatório do Estágio Supervisionado de todos os cursos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Minas Gerais Campus Formiga - irá mostrar

Leia mais

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ Prof. Marat Guedes Barreiros GUARUJÁ 2º semestre de 2013 PROJETO MULDISCIPLINAR Curso superior de BACHAREL em

Leia mais

REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS

REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS F A C UL DA DE DE P R E S I DE N T E V E N C E S L A U REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS APRESENTAÇÃO GRÁFICA - CONFIGURAÇÃO DAS MARGENS Ir ao menu Arquivo, escolher a opção Configurar

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É essencial o uso de normas técnicas para uma boa apresentação e compreensão da leitura de um trabalho acadêmico-científico.

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS. FAIBI Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS. FAIBI Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FAIBI Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga Ibitinga/ SP 2010 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 REGRAS GERAIS... 3 2.1 DAS FINALIDADES... 3 2.2

Leia mais

FACULDADE DOM BOSCO. Credenciada através da Portaria nº 2.387, D.O.U. em 12/08/2004 Cornélio Procópio/Paraná MANUAL DE TRABALHO DE CURSO

FACULDADE DOM BOSCO. Credenciada através da Portaria nº 2.387, D.O.U. em 12/08/2004 Cornélio Procópio/Paraná MANUAL DE TRABALHO DE CURSO FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº 2.387, D.O.U. em 12/08/2004 Cornélio Procópio/Paraná MANUAL DE TRABALHO DE CURSO CORNÉLIO PROCÓPIO 2012 Como elaborar um TC 1 Introdução Objetiva-se

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MANUAL DE NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA FORMOSA/GO

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

Guia de Orientação para Apresentação de Projeto de Pesquisa para Alunos da FCC de acordo com as Normas da ABNT

Guia de Orientação para Apresentação de Projeto de Pesquisa para Alunos da FCC de acordo com as Normas da ABNT FACULDADE CRISTÃ DE CURITIBA Guia de Orientação para Apresentação de Projeto de Pesquisa para Alunos da FCC de acordo com as Normas da ABNT Elaborado pela bibliotecária Teresinha Teterycz - CRB 9 / 1171

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado MANUAL DE DEFESA Exame de Qualificação: banca examinadora

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA UFSJ

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA UFSJ UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ CAMPUS CENTRO OESTE DONA LINDU GUIA PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA UFSJ DIVINÓPOLIS MG 2009 O Trabalho de

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 1 ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 1 APRESENTAÇÃO Tanto o artigo quanto a monografia são trabalhos monográficos, ou seja, trabalhos que apresentam resultados de pesquisa sobre um

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -TCC

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -TCC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE QUÍMICA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -TCC 1 APRESENTAÇÃO As recomendações a seguir resumem os princípios para a elaboração

Leia mais

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Iniciação à Pesquisa em Informática Profª MSc. Thelma E. C. Lopes e-mail: thelma@din.uem.br 2 Texto Científico: o que é? A elaboração do texto científico

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ CAMPUS CENTRO-OESTE DONA LINDU CCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA

Leia mais

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos Keina Cristina S. S. Silva, Bibª. Me. Marilene S. de Araújo, Bibª. Esp. Sale Mário Gaudêncio, Bibº. Esp. Vanessa Christiane A. S. Borba, Bibª. Esp. Vanessa Oliveira Pessoa, Bibª. Esp. Apresentação de Trabalhos

Leia mais

Normas para Apresentação de Monografias

Normas para Apresentação de Monografias UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Normas para Apresentação de Monografias Campina Grande, dezembro 2010

Leia mais

FEMPAR Fundação Escola do Ministério Público do Paraná NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE MONOGRAFIA

FEMPAR Fundação Escola do Ministério Público do Paraná NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE MONOGRAFIA FEMPAR Fundação Escola do Ministério Público do Paraná NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE MONOGRAFIA CURITIBA 2012 SUMÁRIO 1. ESTRUTURA DA MONOGRAFIA...03 1.1. Elementos pré-textuais...03

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA Normas para elaboração de Dissertações do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais MODELO

Leia mais

PIM I. Projeto Integrado Multidisciplinar

PIM I. Projeto Integrado Multidisciplinar PIM I Projeto Integrado Multidisciplinar PIM I - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Descrição e Análise de Práticas de Gestão Organizacional em uma Empresa. OBJETIVOS: Favorecer aos alunos ingressantes

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA APRESENTAÇÃO NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS O trabalho deve ser digitado e impresso em papel

Leia mais

Manual TCC Administração

Manual TCC Administração 1 Manual TCC Administração 2013 2 Faculdade Marista Diretor Geral Ir. Ailton dos Santos Arruda Diretora Administrativo-Financeiro Sra. Rafaella Nóbrega Coordenador do Curso de Administração e Gestão de

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Faculdade de Jussara FAJ Curso de Direito Coordenação de Trabalho de Conclusão de Curso MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Jussara 2013 APRESENTAÇÃO Este manual

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP 2011 ESTRUTURA 1 ELEMENTOS DE PRÉ-TEXTO 1.1 Capa 1.2 Lombada descendente 1.3 Folha de rosto 1.4 Folha de aprovação 1.5 Dedicatória 1.6 Agradecimentos 1.7 Epígrafe

Leia mais

ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011]

ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011] ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011] Professora Alcione Mazur 25/07/11 Cancela e substitui a edição anterior. ABNT NBR 14724: 2005 Não houve alterações na estrutura do trabalho, mas em uma

Leia mais

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 ESTRUTURA A estrutura e a disposição dos elementos de um trabalho acadêmico são as

Leia mais

GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Mestrado Profissional em Metrologia e Qualidade Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial 2010 APRESENTAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAMPINA GRANDE 2015 1 DISSERTAÇÃO A defesa pública da dissertação

Leia mais

PADRÃO PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS

PADRÃO PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS 1. ESTRUTURA DA MONOGRAFIA PADRÃO PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS A estrutura de uma monografia compreende as seguintes partes: a) elementos pré-textuais; b) elementos textuais; c) elementos pós-textuais.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP FACULDADE (do aluno) CURSO TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO TÍTULO DO RELATÓRIO AUTOR(ES) DO RELATÓRIO SÃO PAULO 200_ NOTA PRÉVIA

Leia mais

TRABALHO ACADÊMICO: Guia fácil para diagramação: formato A5. Formatação do Texto

TRABALHO ACADÊMICO: Guia fácil para diagramação: formato A5. Formatação do Texto TRABALHO ACADÊMICO: Guia fácil para diagramação: formato A5 Antes de iniciar a digitação de seu trabalho acadêmico configure seu documento com as especificações a seguir, facilitando a visualização e sua

Leia mais

Título do trabalho: subtítulo do trabalho

Título do trabalho: subtítulo do trabalho Título do trabalho: subtítulo do trabalho Resumo Este documento apresenta um modelo de formatação a ser utilizado em artigos e tem como objetivo esclarecer aos autores o formato a ser utilizado. Este documento

Leia mais

PADRÃO PARA NORMALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE PROMOVE DE JANAÚBA:

PADRÃO PARA NORMALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE PROMOVE DE JANAÚBA: Modelo de Capa ASSOCIAÇÃO EDUCATIVA DO BRASIL - SOEBRAS FACULDADE PROMOVE DE JANAÚBA PADRÃO PARA NORMALIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE PROMOVE DE JANAÚBA: modelo apresentado para

Leia mais

Elaborado pelo Coordenador do curso de Gestão Empresarial Prof. Ms. Ricardo Resende Dias e pela professora Profª Drª Silvana de Brito Arrais Dias.

Elaborado pelo Coordenador do curso de Gestão Empresarial Prof. Ms. Ricardo Resende Dias e pela professora Profª Drª Silvana de Brito Arrais Dias. Elaborado pelo Coordenador do curso de Gestão Empresarial Prof. Ms. Ricardo Resende Dias e pela professora Profª Drª Silvana de Brito Arrais Dias. Goiânia, 2010 SUMÁRIO SUMÁRIO...2 1. INTRODUÇÃO...3 1.1-

Leia mais

Manual de Trabalho de Conclusão de Curso

Manual de Trabalho de Conclusão de Curso CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Manual de Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Engenharia de Produção NATAL RN 2010 Apresentação O curso de Engenharia de Produção institui

Leia mais

GUIA PARA EDIÇÃO DE DISSERTAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E OUTROS TRABALHOS NO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS MOLECULARES

GUIA PARA EDIÇÃO DE DISSERTAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E OUTROS TRABALHOS NO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS MOLECULARES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS MOLECULARES GUIA PARA EDIÇÃO DE DISSERTAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E OUTROS

Leia mais

FEMPAR FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE ARTIGO

FEMPAR FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE ARTIGO FEMPAR FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE ARTIGO LONDRINA 2009 SUMÁRIO 1 ESTRUTURA DO ARTIGO CIENTÍFICO...01 1.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS...01

Leia mais

Uma instituição qualificando a ação profissional

Uma instituição qualificando a ação profissional Uma instituição qualificando a ação profissional SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...03 2. FORMAÇÃO GERAL...05 2.1 TIPO DE PAPEL...05 2.2 MARGEM...05 2.3 ESPAÇAMENTO...05 2.4 TIPO E TAMANHO DA FONTE...06 2.5 PAGINAÇÃO...06

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (Conforme as Normas Técnicas da ABNT)

GUIA PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (Conforme as Normas Técnicas da ABNT) GUIA PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (Conforme as Normas Técnicas da ABNT) Maceió 2011 1 TIPOS DE TRABALHOS CIENTÍFICOS Na academia de ensino superior podemos encontrar os seguintes tipos de trabalhos:

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE 1 INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE INSTRUÇÕES GERAIS: papel branco A4, fonte Arial tamanho 12, com espaçamento de 1,5 cm entre as linhas,

Leia mais

NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL AQUIDAUANA MS 2009 1. PAPEL E PROCESSO DE MULTIPLICAÇÃO O papel

Leia mais

NORMAS PARA SUBMISSÃO DE RESUMO E ARTIGO COMPLETO

NORMAS PARA SUBMISSÃO DE RESUMO E ARTIGO COMPLETO NORMAS PARA SUBMISSÃO DE RESUMO E ARTIGO COMPLETO RESUMOS - Os resumos deverão ter no máximo 500 palavras. - A estrutura do resumo deverá conter, obrigatoriamente: problematização da pesquisa; objetivos;

Leia mais

NORMAS PARA FORMATAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

NORMAS PARA FORMATAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Faculdades Milton Campos (FMC) NORMAS PARA FORMATAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Texto organizado a partir das normas vigentes da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) Emilce Maria Diniz Bibliotecária

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - RELATÓRIO DE ESTÁGIO

MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - RELATÓRIO DE ESTÁGIO MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL Estrutura formal do relatório Estrutura Elemento Capa Folha de Rosto Pré-textuais Folha de Identificação Sumário 1. Introdução Textuais 2. Atividades

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (FTA) VITÓRIA DA CONQUISTA BA 2009

Leia mais

Manual para Elaboração Trabalhos Acadêmicos Conforme a NBR 14724:2005

Manual para Elaboração Trabalhos Acadêmicos Conforme a NBR 14724:2005 Manual para Elaboração Trabalhos Acadêmicos Conforme a NBR 14724:2005 Produzido pelos bibliotecários da Rede de Bibliotecas do Senac/RS com a finalidade de orientar os usuários na elaboração de seus trabalhos

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Andersown Becher Paes de Barros * Ideraldo Bonafé ** RESUMO Este trabalho apresenta

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO 39 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO 1. MONOGRAFIA Monografias são exposições de um problema ou assunto específico, investigado cientificamente, assim, não exige originalidade,

Leia mais

(Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO. Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos

(Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO. Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos (Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos Revisto e atualizado de acordo com a NBR 15287/2011 Brasília 2011 1 APRESENTAÇÃO De acordo

Leia mais

Manual de normas para apresentação de trabalhos acadêmicos

Manual de normas para apresentação de trabalhos acadêmicos FACULDADE SÃO FRANCISCO DE ASSIS BIBLIOTECA Josiane Fonseca da Cunha Manual de normas para apresentação de trabalhos acadêmicos Porto Alegre 2008 Josiane Fonseca da Cunha Manual de normas para apresentação

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: de acordo com as normas da ABNT

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: de acordo com as normas da ABNT ESCOLA E FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ANTÔNIO ADOLPHO LOBBE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: de acordo com as normas da ABNT SÃO CARLOS 2010 MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

TRABALHO ACADÊMICO. Apresentação gráfica

TRABALHO ACADÊMICO. Apresentação gráfica 2012 2 Núcleo de Apoio à Pesquisa na Graduação- NAP/UNIMAR Projeto de Pesquisa; Apresentação gráfica TRABALHO ACADÊMICO Apresentação gráfica Segundo normas estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO)

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO) INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO) O RELATÓRIO CIENTÍFICO 1. CONCEITO DE RELATÓRIO Exposição escrita na qual se descrevem fatos verificados

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Centro de Excelência em Turismo MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB Por: Jakeline V. de Pádua APRESENTAÇÃO As páginas que se seguem especificam os princípios gerais

Leia mais

Envio de trabalhos. 1.3. Serão aceitos somente os trabalhos enviados para o correio eletrônico da revista (revistaaproximacao@gmail.com).

Envio de trabalhos. 1.3. Serão aceitos somente os trabalhos enviados para o correio eletrônico da revista (revistaaproximacao@gmail.com). Envio de trabalhos 1.1. Serão aceitos trabalhos na área de Filosofia, de alunos vinculados a cursos de graduação (não necessariamente em Filosofia). Aceitaremos também contribuições de pós-graduandos e

Leia mais