Inovação para o Trabalho, Trabalho para Inovação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inovação para o Trabalho, Trabalho para Inovação"

Transcrição

1 SEMINÁRIO FUNDACENTRO/TEM IPEA TRABALHO E INOVAÇÃO Inovação para o Trabalho, Trabalho para Inovação Marco A. Silveira 18/out/2012

2 Trabalho & Inovação Questões Propostas para o Seminário Quais são os impactos da inovação sobre: A organização do trabalho O perfil da força de trabalho As condições de SST Impactos da SST sobre os gastos com saúde e previdência social e sobre o Plano Brasil Maior: Inovar para competir Quais os estímulos para a inovação em SST

3 SEMINÁRIO FUNDACENTRO/TEM IPEA TRABALHO E INOVAÇÃO Inovação para o Trabalho, Trabalho para Inovação QUESTÕES DE BASE

4 Trabalho & Inovação Questão de Base (1) INOVAÇÃO: Resultado da Aplicação de Novos Conhecimentos CONHECIMENTO: Só existe na Mente Humana

5 Trabalho & Inovação Questão de Base (1) INOVAÇÃO: Resultado da Aplicação de Novos Conhecimentos CONHECIMENTO: Só existe na Mente Humana O Ser Humano está sendo adequadamente considerado nas questões referentes à Inovação?

6 O Fluxo do Conhecimento, desde como uma simples idéia na mente de um pesquisador, até tornar-se uma tecnologia madura em condições de ser incorporada em um produto ou processo precisa ocorrer: Na direção correta Trabalho & Inovação Questão de Base (2) Na velocidade adequada à dinâmica atual

7 O Fluxo do Conhecimento, desde como uma simples idéia na mente de um pesquisador, até tornar-se uma tecnologia madura em condições de ser incorporada em um produto ou processo precisa ocorrer: Na direção correta Trabalho & Inovação Questão de Base (2) Na velocidade adequada à dinâmica atual Como estão os mecanismos visando promover colaborações (e a gestão como um todo) entre: - Os pesquisadores - Universidade e Empresa

8 SEMINÁRIO FUNDACENTRO/TEM IPEA TRABALHO E INOVAÇÃO Inovação para o Trabalho, Trabalho para Inovação TRABALHO PARA INOVAÇÃO

9 Trabalho & Inovação Trabalho para Inovação Quais são os impactos da inovação sobre: A organização do trabalho O perfil da força de trabalho As condições de SST Impactos da SST sobre os gastos com saúde e previdência social e sobre o Plano Brasil Maior: Inovar para competir Quais os estímulos para a inovação em SST

10 Trabalho & Inovação Inovação e a Organização do Trabalho (1) Promover a integração Entre os pesquisadores e os trabalhadores da empresa Entre os membros das equipes de trabalho (tanto nas IEP como nas empresas) Ao longo das cadeias produtivas Por todo o ecossistema produtivo

11 Trabalho & Inovação Inovação e a Organização do Trabalho (2) Envolver todas as Pessoas (Inovação não é restrita ao setor de P&D) Fomento ao trabalho em equipe Gestão participativa

12 SEMINÁRIO FUNDACENTRO/TEM IPEA TRABALHO E INOVAÇÃO Inovação para o Trabalho, Trabalho para Inovação INOVAÇÃO PARA O TRABALHO

13 Trabalho & Inovação Inovação para o Trabalho Quais são os impactos da inovação sobre: A organização do trabalho O perfil da força de trabalho As condições de SST Impactos da SST sobre os gastos com saúde e previdência social e sobre o Plano Brasil Maior: Inovar para competir Quais os estímulos para a inovação em SST

14 Trabalho & Inovação Inovação para o Trabalho A Inovação depende: da capacidade de aprendizagem do trabalho em equipe Portanto, O perfil do trabalhador afeta diretamente na capacidade de Inovação

15 Trabalho & Inovação Que Trabalhador Queremos???? Requisitos da ABNT IECQ QC

16 Trabalho & Inovação Inovação para o Trabalho - SST Dados recentes revelam que a Grande São Paulo é a metrópole que apresenta maior prevalência de transtornos mentais no mundo. 30% da população sofre de algum tipo de transtorno mental. Um terço tem transtornos graves: 2 milhões de pessoas! transtornos mentais graves e moderados provocam algum tipo de incapacitação. (em PLosONE, fev/2012) 70% da população brasileira economicamente ativa está estressada. International Stress Management Association (Isma-BR)

17 Trabalho & Inovação Que Trabalhador Queremos? Influência na saúde mental dos Fatores Psicossociais no trabalho: (psico) Centralidade do trabalho na construção da identidade (social) Organizações são importantes espaços de socialização

18 Organização Saudável, Desenvolvimento Sustentável Fatores Psicossociais no Trabalho Desenho e Gestão do Trabalho Contextos social e organizacional IMPACTAM Estados Emocionais e Psíquicos Saúde Física Saúde Mental Acidentes de Trabalho Determinam: Qualidade de vida Custos da saúde Custos previdenciários Competitividade,...

19 SEMINÁRIO FUNDACENTRO/TEM IPEA TRABALHO E INOVAÇÃO Inovação para o Trabalho, Trabalho para Inovação CONCLUSÃO: Inovando o Trabalho para Inovação

20 Trabalho & Inovação Questões Propostas para o Seminário Quais são os impactos da inovação sobre: A organização do trabalho O perfil da força de trabalho As condições de SST Impactos da SST sobre os gastos com saúde e previdência social e sobre o Plano Brasil Maior: Inovar para competir Quais os estímulos para a inovação em SST

21 Aprendizagem: Base da Inovação GANHO DE COMPETITIVIDADE Resulta em INOVAÇÃO Impulsiona APRENDIZAGEM (ganho de competência) Requisitos da ABNT IECQ QC

22 Aprendizagem: Base da Inovação GANHO DE COMPETITIVIDADE INOVAÇÃO Informação APRENDIZAGEM ganho de competência) Conhecimento Requisitos da ABNT IECQ QC Competência

23 Trabalho & Inovação Inovando o Trabalho para Inovação As ações visando a SST, em especial a saúde mental, irá contribuir para: a. Melhorar a capacidade de inovação no País! b. Diminuir afastamentos no trabalho: saúde e acidentes c. Reduzir gastos públicos: previdência e saúde d. Melhorar a qualidade de vida no trabalho: saúde para o/a trabalhador(a) e. Reduzir problemas trabalhistas e previdenciários

24 Trabalho & Inovação Inovando o Trabalho para Inovação ESTÍMULOS E AÇÕES EM ANDAMENTO Coordenação de estudos e pesquisas sobre fatores psicossociais no trabalho: REDE NACIONAL DE PESQUISAS Gestão da sustentabilidade organizacional Trabalho sustentável Aspectos legais (trabalhistas e previdenciários) Saúde mental no trabalho Valoração financeira

25 Trabalho & Inovação Inovando o Trabalho para Inovação ESTÍMULOS E AÇÕES EM ANDAMENTO CT-SST: Fomento para estudos e pesquisas em SST 8.3.2: Articulação com o Programa Ciência sem Fronteiras 8.2.1: Destinação de recursos CAPES, CNPq e FINEP 8.4.1: Articulação com organismos e instituições de pesquisa e universidades para execução de E&P

26 Trabalho & Inovação ESTÍMULOS E AÇÕES EM ANDAMENTO Projeto Piloto Organização Saudável, Desenvolvimento Sustentável Promover o desenvolvimento sustentável das organizações através da melhoria integrada do desempenho organizacional e da qualidade de vida, visando benefícios à saúde do trabalhador. Capital Humano de Qualidade Boas Condições de Requisitos da ABNT Trabalho IECQ QC

27 Organização Saudável, Desenvolvimento Sustentável Benefícios Potenciais Decorrentes SAÚDE: redução de gastos públicos PREVIDÊNCIA SOCIAL: diminuição de afastamentos PLANO BRASIL MAIOR: Potencializar a capacidade de inovação / Inovar para competir ORGANIZAÇÕES: - ganhos significativos de desempenho - redução de passivos trabalhistas TRABALHADORES: qualidade de vida no trabalho, com saúde física e mental //////////////// //

28 GRATO PELA ATENÇÃO

29 Exemplos de Abordagens Cooperativas Supply chain management Redes organizacionais Cooperação universidade empresa Cooperação pontual entre concorrentes APL s/ Arranjos produtivos locais Alianças e virtual corporations outras formas de mobilizar Capital de relacionamento (com fornecedores, clientes etc)...

30 Questões Centrais para o Século XXI Quanto tempo será necessário (ou, ainda temos ) para substituir os paradigmas dominantes de crescimento ilimitado (= desequilíbrio ambiental) e, de lucro sem responsabilidade (= desemprego e miséria)? (e/ou) É possível uma nova organização, que seja ao mesmo tempo competitiva nos mercados econômicos e centrada no ser humano? Requisitos da ABNT IECQ QC

31 Inovação e a Nova Economia ATUAÇÃO EM MERCADOS COMPETITIVOS (se no segmento de mercado da empresa) Oferta > Demanda A Empresa precisa gerar Vantagens Competitivas (em relação às demais forças competitivas) Nos mercados atuais a Inovação é um Requisitos dos principais da ABNT IECQ QC meios para obter vantagens competitivas sustentáveis!

32 Extensão percebida da mudança Dimensões do Espaço de Inovação Tidd et alli (1997, p.7) Transformação Radical Inovação Incremental Produto Serviço Processo O que é mudado Requisitos da ABNT IECQ QC

33 PLANO BRASIL MAIOR (P.B.M.) Inovar para competir. Competir para crescer. É a atual política nacional em continuidade da: Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) de 2004; e, Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP) de Objetivo do P.B.M. ( ): aumentar a competitividade da indústria nacional, a partir do incentivo à inovação tecnológica e à agregação de valor. em especial com o Desenvolvimento sustentável e Adensamento produtivo e tecnológico de cadeias de valor.

34 Ser Humano: Este Esquecido

35 ... A lição sabemos de cor, só nos resta aprender... Requisitos da ABNT IECQ QC

36 valorado... é capital intelectual... é ciência... é aprendizagem... é tecnologia Conhecimento patrimoniado... é inovação... é Requisitos propriedade ABNT IECQ QC intelectual

37 CONHECIMENTO INFORMAÇÃO Requisitos da ABNT IECQ QC

38 Informação CONHECIMENTO INFORMAÇÃO Requisitos da ABNT IECQ QC

39 Informação Conhecimento Conhecimento só existe na mente humana! Requisitos da ABNT IECQ QC

40 Informação Conhecimento Competência A capacidade de uma empresa é definida pelo tanto que o ser humano consegue transformar as informações disponíveis em conhecimento útil, e mobilizá-los na forma de competência. Requisitos da ABNT IECQ QC Ou seja: pelo tanto que se consegue Aprender!

41 HIERARQUIA ENTRE OS CONCEITOS DADOS + Organização Ação Automática INFORMAÇÃO + Avaliação Mental Análise, Comparação, Conexões, etc CONHECIMENTO Ação Inteligente 1 Ação Inteligente 2 Ação Requisitos da ABNT IECQ QC Inteligente n

42 RELAÇÃO ENTRE CONCEITOS REGISTRO (estruturado) de uma observação = DADO Domínio do Tecnológico DADOS com Organização = INFORMAÇÃO INFORMAÇÃO com Reflexão = CONHECIMENTO APRENDIZAGEM: Domínio do Humano CONHECIMENTO + Habilidade + Atitude = COMPETÊNCIA INDIVIDUAL OMPETÊNCIA INDIVIDUAL + Trabalho em Equipe + Competência Estrutural COMPETÊNCIA ORGANIZACIONAL Requisitos da ABNT IECQ QC Domínio Híbrido: SocioTécno

43 Ser Humano: Este Esquecido Grande Lacuna: O ser Humano, o Trabalhador

44 Ser Humano: Este Esquecido No Brasil C, T & I não incluem Educação

45 Sustentabilidade Organizacional: Aprendizagem & Capital Humano Importância da Inovação na nova Economia Aprendizagem como base da Inovação Ser humano e os processos de conhecimento Saúde mental e as organizações Impactos da saúde mental na sustentabilidade Projeto GAIA: Saúde mental e inovação em empresas paulistas

46 Planejamento Implantacao RELAÇÃO SIMPLIFICADA ENTRE AS PERSPECTIVAS TRADICIONAIS DO BSC VISAO Financeira Clientes Processos Internos Aprendizagem-Crescimento RAIZ: Fortemente baseada em Capital Intelectual Requisitos da ABNT IECQ QC

47 Aprendizagem: Base da Inovação O QUE / PORQUE / COMO - A Nova Economia - ATIVOS TANGÍVEIS (Terra + Capital + Trabalho) e ATIVOS INTANGÍVEIS (Capital Intelectual) decorrentes do conhecimento aplicado Requisitos da ABNT IECQ QC

48 Aprendizagem: Base da Inovação O QUE / PORQUE / COMO Capital Intelectual é o conhecimento que gera valor econômico (riquezas). OUTRAS DEFINIÇÕES: é o conhecimento que pode ser convertido em lucro (HARRISON e SULLIVAN) é a diferença entre o valor financeiro e o valor de mercado de uma organização (BRENNAN e CONNELL) é o valor econômico de duas categorias de ativos intangíveis de uma empresa: (1) o capital organizacional ( estrutural ); e o (2) capital humano (PETTY e GUTHRIE) é igual à soma do capital humano e capital estrutural de uma organização (EDVINSSON e MALONE) Requisitos da ABNT IECQ QC

49 Aprendizagem: Base da Inovação O QUE / PORQUE / COMO Aprendizagem é a fonte de capital intelectual. Aprender = Ganhar Conhecimento Capital Intelectual é o conhecimento que gera valor econômico (riquezas). Requisitos da ABNT IECQ QC

50 Aprendizagem: Base da Inovação O QUE / PORQUE / COMO APRENDIZAGEM Nos Quatro Níveis Organizacionais Aprendizagem Supra Organizacional Aprendizagem Organizacional Aprendizagem em Grupo Aprendizagem Individual

51 Sustentabilidade Organizacional: Aprendizagem & Capital Humano Importância da Inovação na nova Economia Aprendizagem como base da Inovação Ser humano e os processos de conhecimento Saúde mental e as organizações Impactos da saúde mental na sustentabilidade Projeto GAIA: Saúde mental e inovação em empresas paulistas

52 Ser Humano: Centro dos Processos de Aprendizagem e Inovação Que ser humano queremos? Restrito à sua dimensão de mão de obra? ou Com capacidade de gerar capital intelectual? Requisitos da ABNT IECQ QC

53 Componentes do Capital Intelectual. Capital Estrutural: patentes, marcas, sistemas de gestão.... Capital de Relacionamento: gerado através das relações cooperativas. Capital Humano: gerado pelos próprios funcionários (base dos outros dois!) Requisitos da ABNT IECQ QC

54 Capital Humano Trata-se do conhecimento e das competências dos colaboradores, colocados à serviço da empresa. - pertence ao indivíduo, mas o seu uso gera valor para as empresas. - a transformação do conhecimento tácito em explícito, aumenta a agregação de valor para a empresa (é um dos grandes desafios da Gestão do Conhecimento). Requisitos da ABNT IECQ QC

55 Ser Humano: Centro dos Processos de Aprendizagem e Inovação Que ser humano queremos? Pessoas saudáveis, com capacidade de: pensar criar conviver colaborar, contribuir... Requisitos da ABNT IECQ QC

56 Sustentabilidade Organizacional: Aprendizagem & Capital Humano Importância da Inovação na nova Economia Aprendizagem como base da Inovação Ser humano e os processos de conhecimento Saúde mental e as organizações Impactos da saúde mental na sustentabilidade Projeto GAIA: Saúde mental e inovação em empresas paulistas

57 Que ser humano queremos? Saúde Mental e as Organizações Requisitos da ABNT IECQ QC

58 Impactos da Saúde Mental Capital Humano Abundante Boas Condições de Trabalho Requisitos da ABNT IECQ QC

59 O Desafio É possível uma nova empresa, que seja ao mesmo tempo competitiva nos mercados econômicos e centrada no ser humano?? COMPETITIVA HUMANIZADA Requisitos da ABNT IECQ QC

60 Relação Simbiótica Empresa-Funcionário Possível, Desejável e Necessário Capital Humano Abundante Funcionário Empresa Boas Condições de Trabalho Requisitos da ABNT IECQ QC

61 Sustentabilidade Organizacional: Aprendizagem e Capital Humano Marco A. Silveira 14/ Março/2012

62 Eu sou eu e minhas circunstâncias Ortega Y Gasset Requisitos da ABNT IECQ QC

63 Níveis Organizacionais de atuação do GAIA Requisitos da ABNT IECQ QC

64 Eu sou eu e minhas circunstâncias...? Requisitos da ABNT IECQ QC

65 Eu sou eu e minhas circunstâncias...? Requisitos da ABNT IECQ QC

66 Eu sou eu e minhas circunstâncias...? Requisitos da ABNT IECQ QC

67 SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL - Mecanismos de Pressão A questão ambiental está provocando em todo mundo aumento de pressão para adequação das empresas, através de: Mobilização social (consumo consciente etc) Fundos de investimentos com foco social e ambiental Requisitos da ABNT IECQ QC

68 SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL - Mecanismos de Pressão A questão ambiental está provocando em todo mundo aumento de pressão para adequação das empresas, através de: Mobilização social (consumo consciente etc) Requisitos legais Fundos de investimentos com foco social e ambiental Folha de São Paulo (04/Julho/2011) Requisitos da ABNT IECQ QC

69 SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL - Mecanismos de Pressão A questão ambiental está provocando em todo mundo aumento de pressão para adequação das empresas, através de: Mobilização social (consumo consciente etc) Fundos de investimentos com foco social e ambiental Requisitos legais RoHS Restriction on the use of Hazardous Substances WEEE Waste of Electrical and Electronic Equipment No Brasil desde agosto/2010 P.N.R.S. POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Requisitos da ABNT IECQ QC

70 EMPRESA DO SETOR ELETROMÉDICO * Ambientalmente Adequada * EMPRESA DO SETOR ELETROMÉDICO (não conformidade ambiental)?como fazer? (questão 1) Requisitos da ABNT IECQ QC

71 E as vendas do Produto? Oferta > Demanda Requisitos da ABNT IECQ QC

72 Oferta > Demanda EMPRESA α Produto α EMPRESA β Produto β Requisitos da ABNT IECQ QC

73 Situação onde Oferta > Demanda EMPRESA α Produto α Será comprado o produto que tiver o maior valor percebido pelo cliente. EMPRESA β Produto β Requisitos da ABNT IECQ QC

74 VALOR (para o Cliente) O valor percebido pelo cliente, é uma combinação de: custos, prazos, características do produto + serviços imagem da empresa. Requisitos da ABNT IECQ QC

75 Sustentabilidade Organizacional (Propósito deste Projeto) Desempenho Econômico Equilíbrio Ambiental (RoHS, WEEE, PNRS) Necessidades da Sociedade Requisitos da ABNT IECQ QC

76 ESTRATÉGIAS PARA INOVAÇÃO Requisitos da ABNT IECQ QC

77 Opções Estratégicas (1) Mudanças Estritamente necessárias * Mudanças restritas à substituições dos itens necessários Requisitos da ABNT IECQ QC

78 Opções Estratégicas (2) Inovação Incremental Exemplos: - Mudar design do produto (valorizar a questão ambiental); - Desenvolver novos serviços associados ao produto. - Agregar pequenas funcionalidades ao produto. - Mudar embalagem, manual do usuário etc (Incrementar ações publicitárias como novos folders, campanha publicitária etc) Requisitos da ABNT IECQ QC

79 Opções Estratégicas (3) Ações Mercadológicas Exemplos: Trabalhar para aumentar vendas e/ou preço para instituições públicas brasileiras Aumentar exportações para mercados que requerem certificação Abrir novos nichos de mercado sensíveis a questão ambiental Explorar essas alternativas de venda (abrir mercados, fazer novos folders, campanha publicitária etc) Requisitos da ABNT IECQ QC

80 Opções Estratégicas (4) Inovação Radical Exemplos: - Incluir novas funções - Mudar totalmente o lay-out - Integrar componentes discretos - etc Requisitos da ABNT IECQ QC

81 Propostas PLANSAT Obj. 8 Criação de uma agenda integrada de estudos e pesquisas em SST Propostas: Integrar Ações 08/out/2012

82 Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer Unidade de pesquisas do MCTI desde 1981, localizada Campinas (SP) escritório regional em Fortaleza (CE). Conta com 600 profissionais Possui 9 divisões de pesquisa, entre as quais uma focada em gestão organizacional

83 Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer Experiência (20 anos) em desenvolvimento organizacional e transferência de conhecimentos Equipe Multidisciplinar: profissionais de várias áreas do conhecimento Profissionais em tempo integral Pesquisadores de pós-doutorado (CAPES e outras instituições) Alunos de iniciação científica (bolsas CNPq/PIBIC) Pesquisadores colaboradores (vários) de diversas instituições e áreas do conhecimento Requisitos da ABNT IECQ QC

84 Principais Parcerias (algumas em negociação)... Requisitos da ABNT IECQ QC

85 PLANSAT-Obj 8: Criar Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas Objetivo Apresentar à CT-SST propostas para integrar ações em desenvolvimento no contexto do objetivo 8 do PLANSAT Criação de uma agenda integrada de estudos e pesquisas em SST.

86 PLANSAT-Obj 8: Criar Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas Principais Ações do PLANSAT Relacionadas CURTO PRAZO 8.1.1: Definir prioridades de Estudos e Pesquisas (E&P) 8.3.2: Articulação com o Programa Ciência sem Fronteiras MÉDIO PRAZO 8.1.2: Articular o financiamento de E&P 8.2.1: Destinação de recursos CAPES, CNPq e FINEP 8.4.1: Articulação com organismos e instituições de pesquisa e universidades para execução de E&P Outras Ações Correlacionadas 2.1.1: Estudos visando a harmonização e o aperfeiçoamento da legislação trabalhista e previdenciária (curto prazo) 7.4.2: Articulação... para a realização de capacitações para trabalhadores e empregadores (curto prazo)

87 PLANSAT-Obj 8: Criar Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas Sumário da Apresentação Financiamento de estudos e pesquisas em SST Programa Ciência sem Fronteiras Outras fontes de financiamento Riscos Psicossociais no Trabalho Integração de rede de pesquisas à CT-SST Seminários para conscientização Projeto Piloto

88 PLANSAT Objetivo 8 Criação de uma Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas em SST Financiamento de Estudos e Pesquisas em SST

89 PLANSAT-Obj 8: Financiamento de Estudos e Pesquisas em SST Articulação com o Programa Ciência sem Fronteiras (Ação ) Ação em andamento- Contato com os responsáveis pelo Programa CsF. Principais Destaques temas de SST já estão cobertos no programa várias modalidades de apoio (prazos, níveis etc) recursos só são direcionados para um tema específico quando são aportados externamente maior problema tem sido proficiência em línguas coordenador do CNPq da área de pesquisas em saúde dará todo o apoio necessário

90 1) A PLANSAT-Obj 8: Financiamento de Estudos e Pesquisas em SST Propostas para Integração de Agendas Ação * Continuar articulação com o Programa Ciência sem Fronteira. Ações 8.1.2, 8.2.1, * Iniciar contatos com outras fontes de financiamento de estudos e pesquisas em SST

91 PLANSAT Objetivo 8 Criação de uma Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas em SST Trabalho e Saúde Mental: Riscos Psicossociais Problemas Mobilizadores

92 PLANSAT-Obj 8: Criar Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas (macro)problemas Mobilizadores As ações e os projetos em curso, têm como propósito contribuir para: a. Diminuir afastamentos no trabalho: saúde e acidentes b. Reduzir gastos públicos: previdência e saúde c. Melhorar a qualidade de vida no trabalho: saúde para o/a trabalhador(a) d. Melhorar o desempenho das organizações e. Reduzir problemas trabalhistas e previdenciários

93 PLANSAT Objetivo 8 Criação de uma Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas em SST Financiamento de Estudos e Pesquisas em SST

94 PLANSAT-Obj 8: Criar Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas Justificativa para as Ações Influência na saúde mental dos Fatores Psicossociais no trabalho: (psico) Centralidade do trabalho na construção da identidade (social) Organizações são importantes espaços de socialização

95 PLANSAT-Obj 8: Criar Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas Justificativa para as Ações Saúde mental e equilíbrio emocional afetam: Patologias físicas: stress e estados emocionais negativos tendem a deprimir o sistema imunológico

96 PLANSAT-Obj 8: Criar Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas Justificativa para as Ações Saúde mental e equilíbrio emocional afetam: Patologias físicas Acidentes de trabalho: aumento devido a problemas como tendências suicidas, déficit de atenção, dificuldade de concentração entre outros

97 PLANSAT-Obj 8: Criar Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas Justificativa para as Ações Saúde mental e equilíbrio emocional afetam: Patologias físicas Acidentes de trabalho Desempenho organizacional: afetado significativamente pelo estado mental e emocional de seus profissionais A saúde mental afeta fortemente a capacidade de aprendizagem e as relações de trabalho, portanto: Afeta a capacidade de inovação das organizações Plano Brasil Maior: Inovar para Competir

98 PLANSAT-Obj 8: Criar Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas Justificativa para as Ações Saúde mental e equilíbrio emocional afetam: Patologias físicas Acidentes de trabalho Desempenho organizacional Gastos públicos: previdenciários e do sistema público de saúde (aumentando muito nos últimos anos)

99 PLANSAT-Obj 8: Criar Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas Justificativa para as Ações Saúde mental e equilíbrio emocional afetam: Patologias físicas Acidentes de trabalho Desempenho organizacional Gastos públicos Felicidade da família e de pessoas próximas Se não são cuidados, os transtornos mentais tendem a se agravar. Poucas ações nesta área: assunto tabu, com muitos preconceitos e desconhecimentos.

100 PLANSAT-Obj 8: Criar Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas Questões Centrais a serem Estudadas 1) Quais são os impactos diretos e indiretos - dessa epidemia de transtornos mentais nas organizações?

101 PLANSAT-Obj 8: Criar Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas Questões Centrais a serem Estudadas 1) Quais são os impactos diretos e indiretos - dessa epidemia de transtornos mentais nas organizações? 2) Como as organizações estão aumentando esse problema? (e, portanto, aumentando os prejuízos econômicos e sociais)

102 PLANSAT-Obj 8: Criar Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas Questões Centrais a serem Estudadas 1) Quais são os impactos diretos e indiretos - dessa epidemia de transtornos mentais nas organizações? 2) Como as organizações estão aumentando esse problema? (e, portanto, aumentando os prejuízos econômicos e sociais) 3) O que pode ser feito no âmbito das organizações para minimizar o problema?o

103 PLANSAT-Obj 8: Criar Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas Como os diversos elementos organizacionais influenciam e são influenciados pela saúde mental dos trabalhadores? Principais elementos de interesse: inovação, (macro) Questão a ser Respondida relações internas, capital intelectual, aspectos legais: trabalhistas e previdenciários processos organizacionais, trabalho (dimensões subjetiva e social) educação e aprendizagem organizacional estratégia, cultura, processos, competências, entre outros.

104 PLANSAT Objetivo 8 Criação de uma Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas em SST Trabalho e Saúde Mental: Riscos Psicossociais Ações em Andamento

105 PLANSAT-Obj 8: Criar Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas Ações em Andamento 1. Pesquisa na região metropolitana de Campinas sobre trabalho e saúde mental. Com profissionais de RH e médicos do trabalho.

106 PLANSAT-Obj 8: Criar Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas Ações em Andamento 2. Difusão de conhecimentos sobre riscos psicossociais e trabalho Seminários mensais financiados pelo CNPq gratuitos e aberto a toda a sociedade Publicações: congressos e um livro em elaboração

107 PLANSAT-Obj 8: Criar Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas Ações em Andamento 5. Desenvolvimento do Projeto Piloto Organização saudável, desenvolvimento sustentável

108 PLANSAT Objetivo 8 Criação de uma Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas em SST Trabalho e Saúde Mental: Riscos Psicossociais Propostas à CT-SST

109 3) Apoiar a realização de uma Oficina de Trabalho em nov/2012 visando subsidiar o planejamento do projeto piloto mencionado (Ações e 7.4.2) 4) Continuar ações no âmbito do Programa Ciência sem Fronteira, bem como iniciar contatos com outros programas e organismos de fomento (Ações 8.3.2, e 8.2.1) PLANSAT-Obj 8: Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas em SST 1) A 2) A Propostas para Integração de Agendas Ação 7.4.2: Articular capacitação para trabalhadores e empregadores Realizar seminários para conscientização de trabalhadores e empregadores sobre Atenção aos fatores psicossociais no trabalho * Já existem recursos CNPq para a realização de 2 seminários em local e data a ser definido em conjunto com a CT-SST.

110 PLANSAT-Obj 8: Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas em SST Propostas para Integração de Agendas Ação 8.1.1: Definir prioridades para estudos e pesquisas em SST Definir procedimentos para interação da CT-SST com a Rede de Pesquisas em desenvolvimento. a. A CT-SST poderá encaminhar temas prioritários para estudos e pesquisas b. A Rede poderá enviar informações e dados relevantes, visando subsidiar decisões da CT-SST. Justificativa: Permitir o alinhamento dos esforços da Rede com as diretrizes e prioridades nacionais definidas pela CT-SST

111 PLANSAT-Obj 8: Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas em SST Propostas para Integração de Agendas Utilizar o Projeto Piloto Organização Saudável, Desenvolvimento Sustentável como instrumento para integração do PLANSAT com: a. A Política nacional de saúde do/a trabalhor(a) (ago/2012) b. As diretrizes da Política Nacional de Promoção da Saúde do Trabalhador do Sistema Único de Saúde - SUS.

112 PLANSAT Objetivo 8 Criação de uma Agenda Integrada de Estudos e Pesquisas em SST Projeto Piloto Organização Saudável, Desenvolvimento Sustentável

113 Organização Saudável, Desenvolvimento Sustentável Fatores de Riscos Psicossociais no Trabalho Todos os aspectos do desenho e gerenciamento do trabalho e os contextos social e organizacional que têm potencial para causar dano físico ou psicológico Cox e Griffiths

114 Organização Saudável, Desenvolvimento Sustentável Fatores Psicossociais no Trabalho Desenho e Gestão do Trabalho Contextos social e organizacional IMPACTAM

115 Organização Saudável, Desenvolvimento Sustentável Fatores Psicossociais no Trabalho Desenho e Gestão do Trabalho Contextos social e organizacional IMPACTAM Estados Emocionais e Psíquicos

116 Organização Saudável, Desenvolvimento Sustentável Fatores Psicossociais no Trabalho Desenho e Gestão do Trabalho Contextos social e organizacional IMPACTAM Estados Emocionais e Psíquicos Saúde Física Saúde Mental

117 Organização Saudável, Desenvolvimento Sustentável Fatores Psicossociais no Trabalho Desenho e Gestão do Trabalho Contextos social e organizacional IMPACTAM Estados Emocionais e Psíquicos Saúde Física Saúde Mental Acidentes de Trabalho

118 Diagnósticos e Medidas Iniciais Organizacionais Humanas Financeiras Legais Organização Saudável, Desenvolvimento Sustentável Descrição do Projeto Piloto

119 Organização Saudável, Desenvolvimento Sustentável Descrição do Projeto Piloto Diagnósticos e Medidas Iniciais IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES INTEGRADAS Processos Relacionamentos Tarefas c/ reflexão Gestão

120 Organização Saudável, Desenvolvimento Sustentável Descrição do Projeto Piloto Diagnósticos e Medidas Iniciais IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES INTEGRADAS Processos Relacionamentos Tarefas c/ reflexão Gestão Cursos e Palestras

121 Organização Saudável, Desenvolvimento Sustentável Descrição do Projeto Piloto Diagnósticos e Medidas Iniciais IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES INTEGRADAS Processos Relacionamentos Tarefas c/ reflexão Gestão Cursos e Palestras Medidas Finais e Avaliação de Resultados Organizacionais Humanas Financeiras Legais

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais Marco A. Silveira Dezembro, 2011 SUMÁRIO Introdução à sustentabilidade Cooperação Capital intelectual Cooperação e

Leia mais

Programa interministerial para produtos eletroeletrônicos ambientalmente corretos

Programa interministerial para produtos eletroeletrônicos ambientalmente corretos Programa interministerial para produtos eletroeletrônicos ambientalmente corretos Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer CTI Ministério da Ciência e Tecnologia MCT Campinas SP - Brasil Sustentabilidade

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA. Conteúdo Programático

FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA. Conteúdo Programático FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA Conteúdo Programático Módulo I 1) Teoria das Organizações Imagens das Organizações como Paradigmas Científicos

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

Rumos do Desenvolvimento: Estratégia Empresarial, Inovação e Visão sobre Intangíveis

Rumos do Desenvolvimento: Estratégia Empresarial, Inovação e Visão sobre Intangíveis Rumos do Desenvolvimento: Estratégia Empresarial, Inovação e Visão sobre Intangíveis Seminário FIRJAN / COPPE "Inteligência Estratégica: modismo ou imperativo? 22/08/08 Helena Tenório Veiga de Almeida

Leia mais

OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL. Arthur Hyppólito de Moura - 2004

OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL. Arthur Hyppólito de Moura - 2004 OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL - 2004 Sumário Mudanças na Sociedade Industrial - fatores e tendências Novos caminhos da organização Elementos críticos do diferencial competetitivo Os recursos

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores.

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Período: Março 2010 a junho 2011 Categoria: Adesão dos Colaboradores Sumário: O trabalho relata

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

tecnologia, conhecimento e inovação como alavancas do saneamento (e vice-versa)

tecnologia, conhecimento e inovação como alavancas do saneamento (e vice-versa) tecnologia, conhecimento e inovação como alavancas do saneamento (e vice-versa) S E R G I O SALLES-FILHO D P T O P O L Í T I C A C I E N T Í F I C A E T E C N O L Ó G I C A E F A C U L D A D E D E C I

Leia mais

Sumário. 1. Visão Geral do EcoLega 3. 2. Alinhamento Estratégico 3. 3. Orientações essenciais 4. 4. Oficinas e Formação 5

Sumário. 1. Visão Geral do EcoLega 3. 2. Alinhamento Estratégico 3. 3. Orientações essenciais 4. 4. Oficinas e Formação 5 2 Para acessar cada item do Sumário, clique nele. Para retornar ao sumário, clique na logo do ecolega em qualquer página. Sumário 1. Visão Geral do EcoLega 3 2. Alinhamento Estratégico 3 3. Orientações

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável Julho 2010 O que é ISO 26000? A ISO 26000 é uma norma internacional de Responsabilidade Social, um guia de diretrizes que contribui

Leia mais

APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO

APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO Página 1 de 18 ÍNDICE DA PROPOSTA Apresentação da Empresa... 3 Apresentação dos serviços da Oficina da Inovação... 6 Consultoria... 6 Capacitação...

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

Brasília (DF), 26 de novembro de 2010. Clarisse Droval

Brasília (DF), 26 de novembro de 2010. Clarisse Droval Brasília (DF), 26 de novembro de 2010 1 Propósito e Natureza Discussão dos grandes temas nacionais pertinentes ao conhecimento Papel de natureza social, desde 04/07/2008 está qualificada pelo Ministério

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE MODELO PARA FORMULAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Análise do ambiente externo Macroambiente Ambiente setorial feedback Ambiente Interno (forças e

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Política Industrial, transferência de tecnologia e propriedade industrial

Política Industrial, transferência de tecnologia e propriedade industrial Política Industrial, transferência de tecnologia e propriedade industrial Introdução aos debates Jorge de Paula Costa Avila VII REPICT Rio de Janeiro 14 de julho de 2004 Política Industrial, Competitividade

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis

Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis http://www.peixeurbano.com.br/convite/fscpeixeurbano br/convite/fsc V Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Secretaria de Articulação Institucional

Leia mais

Treinamento do Sistema RH1000

Treinamento do Sistema RH1000 Treinamento do Sistema RH1000 = Conceitos de Gestão por Competências = Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial Atualizado em 21Ago2015 1 Tópicos abordados Principais processos 4 Vantagens 5 Avaliação de

Leia mais

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB EDITAL FAPESB 021/2014 APOIO A INOVAÇÃO EM COMÉRCIO E SERVIÇOS http://www.fapesb.ba.gov.br Salvador-BA, 25 de novembro de 2014 Geração de Empregos

Leia mais

Tecnologia e Inovação

Tecnologia e Inovação Painel 1 Tecnologia e Inovação Tadeu Pissinati Sant Anna Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2010 Sumário I. Conceitos de Tecnologia e Inovação II. A inovação tecnológica no Brasil I. Conceitos 1) Tecnologia

Leia mais

Projeto Ambientronic/Abimo Implantação dos requisitos da ABNT IECQ QC 080000

Projeto Ambientronic/Abimo Implantação dos requisitos da ABNT IECQ QC 080000 Projeto Ambientronic/Abimo Implantação dos requisitos da ABNT IECQ QC 080000 Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer CTI Ministério da Ciência e Tecnologia MCT Campinas SP - Brasil Início Cronograma

Leia mais

Informação estratégica

Informação estratégica IVENS CONSULT Informação estratégica Ivan Leão diretor da Ivens Consult Introdução A revolução em andamento é que a manufatura ou produção não é mais principal centro de lucro e sim a logística, os sistemas

Leia mais

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo Construindo um RH estratégico para hoje e para o futuro ado o crescente foco executivo no capital humano, o RH tem uma oportunidade sem precedentes de se posicionar como um verdadeiro parceiro estratégico

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Seminário Em Busca da Excelência 2008

Seminário Em Busca da Excelência 2008 Seminário Em Busca da Excelência 2008 IEL/SC - Implementação de sistema de gestão com base nos fundamentos da excelência Natalino Uggioni Maio, 2008 1 IEL em Santa Catarina Integrante da FIESC Federação

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

A Inovação. como Fator de Desenvolvimento das MPEs. Luiz Carlos Barboza. Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional. 27 de outubro 2009

A Inovação. como Fator de Desenvolvimento das MPEs. Luiz Carlos Barboza. Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional. 27 de outubro 2009 A Inovação como Fator de Desenvolvimento das MPEs Luiz Carlos Barboza Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional 27 de outubro 2009 Ambiente Institucional Pro-inovaç inovação Fundos setoriais (16) estabilidade

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS APRESENTAÇÃO O curso de especialização Gestão de Pessoas tem por meta desenvolver gestores para atuarem em empresas que estejam inseridas no processo de globalização

Leia mais

O desafio da Inovação na Indústria de Bens de Capital: a importância das parcerias entre empresas e universidades. Piracicaba, 21 de março de 2013

O desafio da Inovação na Indústria de Bens de Capital: a importância das parcerias entre empresas e universidades. Piracicaba, 21 de março de 2013 O desafio da Inovação na Indústria de Bens de Capital: a importância das parcerias entre empresas e universidades Piracicaba, 21 de março de 2013 A ABIMAQ Uma das principais associações industriais do

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM)

A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM) A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM) Sistema de Gestão de Requisitos para Substâncias Perigosas em Produtos e Componentes Elétricos e Eletrônicos Abril de 2011 Objetivo Capacitação

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília CONHECIMENTO E ECONOMIA

Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília CONHECIMENTO E ECONOMIA Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília CONHECIMENTO E ECONOMIA Divisão do Conhecimento Ciências Econômicas, Friedrich Hayek (1945) Para ele, como pode a combinação

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Possíveis impactos do REACH nas micro e pequenas empresas do Brasil. MDIC/SECEX Brasília, DF - 7 de abril de 2009

Possíveis impactos do REACH nas micro e pequenas empresas do Brasil. MDIC/SECEX Brasília, DF - 7 de abril de 2009 Possíveis impactos do REACH nas micro e pequenas empresas do Brasil MDIC/SECEX Brasília, DF - 7 de abril de 2009 Possíveis Impactos nas MPE: Redução de vendas Redução de mercados Férias coletivas Perda

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS www.tecnologiadeprojetos.com.br Diretoria de Acompanhamento e Avaliação de Projetos da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais DAPE/SEE-MG RELATÓRIO DE PESQUISA 1 : CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1

Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1 Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1 No mundo atual, um dos campos prioritários de intervenção do Estado está sendo a promoção do desenvolvimento tecnológico,

Leia mais

Visão Geral da Certificação CERTICS

Visão Geral da Certificação CERTICS Projeto 0113009300 - Implementação da CERTICS - Certificação de Tecnologia Nacional de Software IX Workshop Anual do MPS WAMPS 2013 Visão Geral da Certificação CERTICS Palestrante: Adalberto Nobiato Crespo

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa?

Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa? Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa? 1 O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Programa de Qualidade de Vida

Programa de Qualidade de Vida Programa de Qualidade de Vida SOBRE O PROJETO OBJETIVO GERAL Padronizar as ações de qualidade de vida em todas as unidades de negócio da IMPSA no Brasil, proporcionando espaço aos colaboradores para que

Leia mais

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Ambiente Organizacional voltado a inovação As 6 chaves para o Sucesso Foco Flexibilidade

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA VALIDAÇÃO DO MODELO CONCEITUAL DE GC DOS CORREIOS POR MEIO DO PROCESSO PILOTO CEP Alceu Roque Rech CORREIOS 17.06.13

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 Heide Miranda da SILVA 2 RESUMO As exigências do mercado atual somadas aos avanços das tecnologias de informação

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Apresentação Workshop de Transportes e Logística

Apresentação Workshop de Transportes e Logística Apresentação Workshop de Transportes e Logística Sobre a FINEP Empresa pública vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação criada em 1967. Nossa visão de futuro é transformar o Brasil por

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios.

Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios. Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios. Só assim é possível identificar oportunidades de melhorias

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

ESCOLA DE DESENVOLVIMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

ESCOLA DE DESENVOLVIMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL ESCOLA DE DESENVOLVIMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL MBA EXECUTIVO EM LIDERANÇA E GESTÃO ORGANIZACIONAL ESCOLA SUPERIOR DE PROPAGANDA E MARKETING POS GRADUAÇÃO EM: GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS CIÊNCIAS

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais