ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento"

Transcrição

1 Instrutora: Aneliese Nascimento

2 O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador.

3 O QUE DEVE SER UM PROJETO? 4Instrumento de comunicação, que pode ser utilizado como ferramenta de intervenção em um ambiente ou situação para provocar mudanças, reestruturações ou ajustes situacionais e/ou organizacionais. 4Preferencialmente devem buscar soluções inovadoras.

4 CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO 4SINGULARIDADE CADA PROJETO É ÚNICO Podem existir dois projetos com os mesmos objetivos, resultados esperados, equipe, orçamento, etc. Porém as circunstâncias, ambiente, grau de risco, jamais serão iguais.

5 CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO 4COMPLEXIDADE CADA SITUAÇÃO TEM A SUA COMPLEXIDADE PRÓPRIA A situação ambiental, o problema que se vai tratar, os processos envolvidos e as condições gerais são determinantes para as ações diretas e rotineiras.

6 CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO 4 INCERTEZA TODO PROJETO TEM UM GRAU DE INCERTEZA QUANTO AO ATINGIMENTO DE OBJETIVOS E RESUTADOS ESPERADOS. Quanto maior o grau de incerteza maior o grau de risco associado à sua execução. Esta é a principal diferença entre um projeto e uma atividade.

7 CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO 8 DELIMITAÇÃO DE TEMPO TODO PROJETO TEM UM PRAZO DEFINIDO LIMITADO. Não existe projeto que não acaba nunca!

8 CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO 4 DELIMITAÇÃO DE RECURSOS TODO PROJETO APRESENTA RESTRIÇÕES DE RECURSOS FINANCEIROS, HUMANOS E FÍSICOS.

9 CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO 4 CLIENTES OU BENEFICIÁRIOS TODO PROJETO VISA COMUNICAR ALGUMA COISA À ALGUÉM, POR TANTO TEM SEMPRE UM RECEPTOR ESPERANDO POR ELE.

10 CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO 4 GERÊNCIA ESPECÍFICA TODO PROJETO NECESSITA DE UM GERENTE PARA ACOMPANHAR, MONITORAR, GERIR, PRESTAR CONTAS E MEDIR O GRAU DE SATISFAÇÃO DO PÚBLICO ENVOLVIDO.

11 CICLO DE VIDA DE UM PROJETO 4 CONCEPÇÃO É A FASE DE PREPARAÇÃO, MODELAGEM E CONCEITUAÇÃO. - Seleção do tema. - Definição do problema ou situação a ser abordada. - Identificação de parcerias. - Escolha da linguagem. - Definição do objetivo.

12 CICLO DE VIDA DE UM PROJETO 4 ESTRUTURAÇÃO É A FASE DE DETALHAMENTO DOS PLANOS OPERACIONAIS, DA ORGANIZAÇÃO DA EQUIPE, MOBILIZAÇÃO DOS RECURSOS E MEIOS PARA A REALIZAÇÃO DO PROJETO.

13 CICLO DE VIDA DE UM PROJETO 4 DESENVOLVIMENTO É A FASE DE EFETIVA IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO.

14 CICLO DE VIDA DE UM PROJETO 4 ENCERRAMENTO É A FASE ONDE SE VERIFICA SE O PROJETO ATINGIU OS RESULTADOS ESPERADOS. Atividades: Prestação de Contas, Consolidação de Resultados, Elaboração de Relatórios Finais, Avaliação e Obtenção de Indicadores de Impactos.

15 QUAIS OS TIPOS DE PROJETOS A SEREM DESENVOLVIDOS 4Projetos por demanda. 4Projetos institucionais. 4Projetos para captação de recursos.

16 PROJETOS POR DEMANDA 8São projetos desenvolvidos em parceria com outras organizações visando a solução de um problema específico. NORMALMENTE SÃO PROJETOS QUE CHEGAM À INSTITUIÇÃO, A PARTIR DA REDE DE CONTATOS DOS COLABORADORES, POR INDICAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO PARCEIRA OU POR INDICAÇÃO DE OUTRO CLIENTE.

17 PROJETOS INSTITUCIONAIS 4São projetos desenvolvidos visando a melhoria organizacional da instituição. 4São projetos que buscam fixar a identidade institucional da organização. 4São projetos pensados, criados e realizados pela organização.

18 PROJETOS PARA CAPTAÇÃO DE RECURSOS 4São projetos desenvolvidos visando a captação de diferentes recursos: 4recursos materiais; 4recursos financeiros; 4recursos humanos; e/ou 4recursos institucionais.

19 OS PROJETOS DEVEM SEGUIR UMA FILOSOFIA 4São instrumentos que comunicam a imagem institucional. 4São instrumentos que mostram a forma de atuar da organização. 4 Dão transparência e visibilidade as ações operacionalizadas na instituição. 4Refletem a capacidade técnica da organização.

20 OS PROJETOS DEVEM SEGUIR UMA FILOSOFIA 4Surgem em resposta a um problema específico, identificado por pessoas ou organizações que se incomodam com esse problema. 4Devem demonstrar com clareza a importância da sua realização e as possibilidades de êxito.

21 ELEMENTOS BÁSICOS DE UM PROJETO 4Problema. 4Idéias de solução. 4Ações a serem realizadas. 4Recursos necessários para a realização. 4Valor financeiro.

22 ETAPAS DA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO 4Definição do projeto o que vamos fazer? 4Definição do plano de trabalho como vamos fazer? 4Definição do plano de acompanhamento como vamos monitorar, avaliar e disseminar os resultados? 4Definição do orçamento quanto vai custar?

23 DEFINIÇÃO DO PROJETO NOME DO PROJETO Identifica, indica o que e onde será feito e desperta curiosidade em quem vai ler. Exemplos: Porta de Entrada, Balcão de Oportunidades, Escola do Amanhã, Projeto de Recuperação do Catetinho...

24 DEFINIÇÃO DO PROJETO 1º PASSO - DEFINIÇÃO DO PÚBLICO ALVO 4Que fatos incomodam e que demandam o projeto? 4Que problemas existem e precisam ser resolvidos? 4Quem identificou esses problemas? 4Quem está sendo incomodado com o problema? 4Onde o problema está localizado? (área física) 4Que evidências comprovam a existência do problema? (dados) 4Quais são as pessoas/organizações envolvidas no problema?

25 DEFINIÇÃO DO PROJETO 2º PASSO - DEFINIÇÃO DA MISSÃO ou OBJETIVO GERAL 4Que efeito ou transformação se deseja ao término do projeto? 4Mesmo que o efeito ou a transformação seja a longo prazo é preciso que a missão fique definida. Lembre- se: Ninguém faz projeto para nada e ninguém financia projeto que não vai gerar resultado

26 DEFINIÇÃO DO PROJETO 3º PASSO - DEFINIÇÃO DOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OU RESULTADOS 4Que mudanças ou transformação se deseja ao término do projeto? 4De quanto será essa mudança? 4Quando elas ocorrerão? Lembre-se: Objetivos descrevem resultados concretos são mensuráveis, alcançáveis num tempo limitado e relacionados às necessidades do público alvo. Serviços e atividades são meios para se chegar lá.

27 DEFINIÇÃO DO PROJETO 4º PASSO - DEFINIÇÃO DOS INDICADORES DE RESULTADOS 4O que pode indicar que eu alcancei o resultado? Lembre-se: Para cada objetivo ou resultado deve-se associar um indicador de resultado que deve ser claro e expresso se possível em números ou percentuais

28 DEFINIÇÃO DO PROJETO 5º PASSO - O QUE FAZER ANTES DE REDIGIR? 4Colete o maior número de dados e informações sobre o tema do projeto. 4Verifique a existência de experiências semelhantes e analise o que deu certo e o que deu errado. 4Verifique se os resultados alcançados foram os previstos no projeto.

29 DEFINIÇÃO DO PROJETO 5º PASSO - O QUE FAZER ANTES DE REDIGIR? 4Verifique os possíveis avanços técnicos e tecnológicos ocorridos no âmbito do tema. 4Analise que possíveis diferenciais ou inovações podem ser introduzidos no projeto. 4Analise o direcionamento estratégico da organização ou dos parceiros do projeto.

30 DEFINIÇÃO DO PROJETO 5º PASSO - O QUE FAZER ANTES DE REDIGIR? 4Verifique como o público alvo estava sendo atendido e o grau de satisfação dos mesmos. 4Analise porque sua organização é a melhor instituição para realizar o projeto. 4Analise que associações, parcerias e alianças estratégicas serão necessárias para a realização do projeto.

31 DEFINIÇÃO DO PROJETO 5º PASSO - O QUE FAZER ANTES DE REDIGIR? 4Verifique as condições de operacionalização do projeto na organização e no Parceiro e compare com os resultados e indicadores estabelecidos. 4Verifique a existência e a disponibilidade dos recursos (humanos, físicos, financeiros e institucionais).

32 DEFINIÇÃO DO PROJETO ALGUMAS DICAS 4Procure ser claro, direto e conciso Um bom projeto não é avaliado por peso e nem pelo número de palavras com significado pouco conhecido. 4Verifique se o texto guarda coerência em todos os pontos Efeito colcha de retalhos, muito cuidado com o recorta e cola.

33 DEFINIÇÃO DO PROJETO ALGUMAS DICAS 4Não se esqueça de citar os autores e as referências bibliográficas utilizadas É muito desagradável reconhecer uma citação de outro autor como se fosse uma citação do projeto. 4Procure usar espaços duplos ou 1.5 entre linhas Muita informação em uma única página cansa, dificulta a leitura e ultrapassa a capacidade de assimilação do leitor facilmente.

34 DEFINIÇÃO DO PROJETO ALGUMAS DICAS 4Use títulos e subtítulos para identificar as diferentes partes do projeto. 4Numere as páginas. 4Utilize os anexos para colocar uma informação mais completa, de caráter técnico específico ou que você usou como referencial teórico para justificar uma posição técnica.

35 DEFINIÇÃO DO PROJETO ALGUMAS DICAS 4Use como referencial teórico, dentro do possível, teses, dissertações, monografias ou publicações acadêmicas. Lembre-se: O projeto reflete a imagem institucional da organização

36 DEFINIÇÃO DO PLANO DE TRABALHO 1º PASSO - DEFINIÇÃO DAS AÇÕES, MÉTODOS E ATIVIDADES 4Que ações podem ser desenvolvidas para atingir cada objetivo proposto? 4Como posso atuar? (justifique tecnicamente a escolha da forma de atuação) 4Que atividades fazem parte de cada ação adotada? 4Defina atividades para cada objetivo proposto. Objetivo sem atividade para ser executada é objetivo morto!

37 DEFINIÇÃO DO PLANO DE TRABALHO 1º PASSO - DEFINIÇÃO DAS AÇÕES, MÉTODOS E ATIVIDADES Produtos Gerados: 4Ações que serão operacionalizadas agrupadas por objetivos. 4Atividades detalhadas para cada ação. 4Métodos de trabalho definidos e justificados.

38 DEFINIÇÃO DO PLANO DE TRABALHO 2º PASSO - DEFINIÇÃO DA ABRANGÊNCIA DO PROJETO 4Onde o projeto será executado? 4Quantas pessoas/organizações serão beneficiadas? 4Todas as atividades serão executadas em uma só localidade?

39 DEFINIÇÃO DO PLANO DE TRABALHO 2º PASSO - DEFINIÇÃO DA ABRANGÊNCIA DO PROJETO Produtos Gerados: 4Tamanho e localização das bases físicas. 4Número e localização das pessoas/organizações envolvidas.

40 DEFINIÇÃO DO PLANO DE TRABALHO 3º PASSO - CRONOGRAMA 4Qual é o horizonte do projeto? 4Quando acontecerão as atividades (início e fim)? 4Pode-se agrupá-las em fases? 4Quando ocorrerão as datas-chave (datas que se não forem respeitadas comprometem o restante do projeto)?

41 DEFINIÇÃO DO PLANO DE TRABALHO 3º PASSO - CRONOGRAMA Produtos Gerados: 4Cronograma de atividades distribuídas em intervalos de tempo. 4Fases de evolução do projeto. 4Datas-chave programadas.

42 DEFINIÇÃO DO PLANO DE TRABALHO 4º PASSO - RESPONSÁVEIS 4Quem são as pessoas que assumirão as diversas atividades e fases do projeto? 4Qual é o perfil e função de cada uma dessas pessoas? 4Quem será o coordenador/gerente do projeto? 4Como serão tomadas as decisões?

43 DEFINIÇÃO DO PLANO DE TRABALHO 4º PASSO - RESPONSÁVEIS Produtos Gerados: 4Pessoas e funções definidas. 4Sistema de tomada de decisões definido.

44 DEFINIÇÃO DO PLANO DE TRABALHO ALGUMAS DICAS 4No Plano de Trabalho descreva o que será feito e não o que vai ser melhorado, isso você já disse na definição do projeto. 4Todo objetivo deve ter os respectivos procedimentos de trabalho. 4Quanto mais impreciso for o objetivo, mais difícil definir os indicadores de resultados.

45 PLANO DE AVALIAÇÃO E DISSEMINAÇÃO 1-MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO PERIÓDICA DE RESULTADOS 4Como será feito o acompanhamento do projeto? 4Quais são os pontos críticos de cada objetivo e os indicadores a serem verificados? 4Como serão coletados os dados? 4Qual será a freqüência da coleta?

46 PLANO DE AVALIAÇÃO E DISSEMINAÇÃO 1-MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO PERIÓDICA DE RESULTADOS 4Quem vai coordenar o monitoramento do projeto? 4Que recursos serão necessários para o monitoramento? Normalmente estima-se entre 7% a 10% do total do projeto.

47 PLANO DE AVALIAÇÃO E DISSEMINAÇÃO 2-DISSEMINAÇÃO 4Como serão os relatórios internos (formato, itens, tamanho, freqüência...)? 4Como serão os relatórios externos (formato, itens, tamanho, freqüência...)? 4Como utilizar os relatórios? 4Quem estará diretamente envolvido nos resultados e deverá ser informado?

48 PLANO DE AVALIAÇÃO E DISSEMINAÇÃO 2-DISSEMINAÇÃO 4O que deve ser comunicado com ênfase para cada pessoa envolvida no projeto (formato, freqüência, responsáveis, canais de comunicação...)? 4Que recursos serão necessários para disseminar (quais são e quanto custam)?

49 PLANO DE AVALIAÇÃO E DISSEMINAÇÃO 3-AVALIAÇÃO DE IMPACTO 4Como será medido o impacto do projeto? 4Que dados os indicadores mostram em um determinado intervalo de tempo? 4Que conclusões posso tirar com relação ao início (marco zero) e o final do projeto? 4Que diferença fez o projeto para o grupo envolvido? Que mudanças ocorreram?

50 PLANO DE AVALIAÇÃO E DISSEMINAÇÃO 3-AVALIAÇÃO DE IMPACTO 4Quem vai conduzir o processo de avaliação? 4Que recursos serão necessários para avaliar? Normalmente quem coordena o projeto não deve ficar responsável pela avaliação, pois podem ocorrer erros de interpretação dos indicadores e dos resultados alcançados

51 DEFINIÇÃO DO ORÇAMENTO 1º- PASSO: Fazer a lista dos recursos necessários para o desenvolvimento do projeto. 4Recursos são todos os itens de despesas envolvidos direta e indiretamente na execução do projeto. Os custos indiretos devem ser lançados na planilha orçamentária após o rateio do mesmo, entre os outros projetos, ou, pode ser calculado como um percentual sobre os custos fixos

52 DEFINIÇÃO DO ORÇAMENTO As despesas são divididas em três categorias: 4Recursos humanos pessoal permanente (envolvidos diretamente no projeto), treinamentos e consultorias. 4Investimentos Aquisições de bens necessários para gerar os resultados do projeto. 4Despesas operacionais gastos previsíveis e contínuos.

53 PLANO DE AVALIAÇÃO DE RECURSOS E FONTES Projeto: Atividade: Tarefas: Recursos humanos: Recursos necessários Recursos disponíveis Recursos a serem obtidos Fontes de recursos Equipe

54 PLANO DE AVALIAÇÃO DE RECURSOS E FONTES Projeto: Atividade: Tarefas: Investimentos: Recursos necessários Recursos disponíveis Recursos a serem obtidos Fontes de recursos Equipe

55 PLANO DE AVALIAÇÃO DE RECURSOS E FONTES Projeto: Atividade: Tarefas: Despesas Operacionais: Recursos necessários Recursos disponíveis Recursos a serem obtidos Fontes de recursos Equipe

56 DEFINIÇÃO DO ORÇAMENTO 4Recursos Necessários todos os recursos necessários para execução do projeto. 4Recursos Disponíveis todos os recursos que já estão disponíveis para o projeto. Estes recursos podem estar no IBDU ou em outra organização parceira. São usados como contrapartida no orçamento o projeto. 4Recursos a serem obtidos a diferença entre os recursos necessários e os disponíveis.

57 DEFINIÇÃO DO ORÇAMENTO 2º- PASSO: Definir os parâmetros de cálculo para os valores financeiros. 4Valor de hora de consultoria, diárias, honorários, taxas de inscrição em cursos, transporte, taxa de manutenção, despesas com importação, taxas financeiras de manutenção de contas bancárias, impostos...

58 DEFINIÇÃO DO ORÇAMENTO 3º- PASSO: Fazer a Memória de Cálculo. 4São os cálculos dos custos de cada atividade a ser desenvolvida. Nela constam os parâmetros e preços que foram usados como referência. É um documento interno usado para esclarecer dúvidas e não consta do projeto final.

59 MÉMORIA DE CÁCULO Ações Atividades Ano 1 / Mês 1 Ano 2 / Mês 2 Ano N / Mês N Semana 1 Semana 2 Semana N Rec. Humanos Rec. Humanos Rec. Humanos Operacionais Operacionais Operacionais Investimento Investimento Investimento 1.N- Rec. Humanos Rec. Humanos Rec. Humanos Operacionais Operacionais Operacionais Investimento Investimento Investimento

60 QUADRO DE ORÇAMENTO E DESEMBOLSO 4º- PASSO: Construir o quadro de orçamento e desembolso. 4O orçamento é o planejamento financeiro do projeto. É uma estimativa que expressa em dinheiro o desenvolvimento do projeto.

61 QUADRO DE ORÇAMENTO E DESEMBOLSO 4O desembolso representa o fluxo de como os valores devem estar disponibilizados para o projeto. Este fluxo deve ser, dentro do possível, decrescente para que financiador ou parceiro veja que o projeto caminha para sua auto-sustentação. 4O quadro de orçamento e desembolso deve ser detalhado e pode constar ou não do projeto. Como representa uma estimativa de valores deve-se considerar a possibilidade de erro.

62 QUADRO DE ORÇAMENTO E DESEMBOLSO 4Todos os valores de contrapartidas devem constar do quadro para que ao final se tenha o custo real. 4Quanto mais detalhado for o orçamento mais fácil será a tarefa de controle e monitoramento das despesas. 4Deve-se respeitar as exigências dos órgãos financiadores quanto as rubricas apoiadas. As rubricas não apoiadas devem ser cobertas por outros parceiros ou pelas contrapartidas.

63 QUADRO SÍNTESE DO ORÇAMENTO Despesa Financiador IBDU/Parceiros Total % Recursos Humanos $,% ($), % ($), % ($), % % Investimento ($), % ($), % ($), % ($), % % Despesas Operacionais ($), % ($), % ($), % ($), % % Total ($), % ($), % ($), % ($), % % Custos de Avaliação ($), % ($), % ($), % % Total ($) $ $

64 ROTEIRO - COMO APRESENTAR O PROJETO 01. Capa 02. Sumário ou Resumo Executivo 03. Índice 04. Introdução 05. Justificativa (descrição do tema) 06. Objetivo (resultados ou produtos) 07. Metodologia (atividades/procedimentos) 08. Cronograma

65 ROTEIRO - COMO APRESENTAR O PROJETO 09. Impacto do financiamento 10. Equipe envolvida 11. Instalações 12. Avaliação 13. Orçamentos detalhado e resumido 14. Financiamentos Futuros 15. Descrição da Organização 16. Anexos 17. Bibliografia

66 ROTEIRO - COMO APRESENTAR O PROJETO 01. Capa 02. Sumário ou Resumo Executivo 03. Índice 04. Introdução 05. Justificativa 06. Impacto Social 07. Apresentação da Instituição 08. Plano de Trabalho

67 ROTEIRO - COMO APRESENTAR O PROJETO 09. Cronograma de Atividades 10. Justificativa sobre os Métodos de Trabalho 11. Plano de Avaliação e Disseminação 12. Orçamentos e Desembolso 13. Síntese do Orçamento 14. Anexos 15. Bibliografia

68 ROTEIRO - COMO APRESENTAR O PROJETO 01. Capa 02. Sumário ou Resumo Executivo 03. Índice 04. Apresentação da Instituição 05. Análise do tema 06. Objetivo 07. Resultados Esperados 08. Metodologia

69 ROTEIRO - COMO APRESENTAR O PROJETO 10. Cronograma de Atividades 11. Recursos Necessários (humanos, investimentos e operacionais) 13. Quadro de Contrapartidas 14. Solicitação de Apoio 13. Síntese do Orçamento 12. Plano de Avaliação e Disseminação 14. Anexos 15. Bibliografia

70 COMO APRESENTAR O PROJETO 4VOCÊ PODE APRESENTAR O PROJETO DE VÁRIAS FORMAS, PORÉM, VOCÊ NÃO PODE ALTERAR A FORMA DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO SE O ÓRGÃO FINANCIADOR TEM UM MODELO PRÓPRIO. RESPEITE O MODELO APRESENTADO PELO FINANCIADOR. APRESENTE SEMPRE O PROJETO COM UMA CARTA OU UM OFÍCIO DE ENCAMINHAMENTO.

Por que Projetos Sociais?

Por que Projetos Sociais? PROJETOS SOCIAIS Por que Projetos Sociais? Projetos são resultado de uma nova relação entre Estado e Sociedade Civil; Mudanças no que se relaciona à implantação de políticas sociais; Projetos se constroem

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Elaboração do Projeto de Pesquisa

Elaboração do Projeto de Pesquisa Elaboração do Projeto de Pesquisa Pesquisa Pesquisa é um conjunto de atividades, que tem como finalidade solucionar e esclarecer dúvidas e problemas; comprovar hipóteses; Utiliza procedimentos próprios,

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

ANEXO VII: Roteiro para Elaboração de Projeto de Intervenção

ANEXO VII: Roteiro para Elaboração de Projeto de Intervenção Fundação Universidade do Tocantins - UNITINS Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Educação a Distância e Tecnologia Educacional Curso Serviço Social UNITINS ANEXO VII: Roteiro para Elaboração de Projeto

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ATIVIDADES EXTRA-CURRICULARES (ESPORTIVOS OU DE ÁREA)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ATIVIDADES EXTRA-CURRICULARES (ESPORTIVOS OU DE ÁREA) ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ATIVIDADES EXTRA-CURRICULARES (ESPORTIVOS OU DE ÁREA) I - CAPA NA CAPA DEVE CONSTAR: - Nome da Unidade Escolar com DRE; - Nome do professor responsável pela elaboração

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

CICLO DE VIDA E ORGANIZAÇÃO DO PROJETO

CICLO DE VIDA E ORGANIZAÇÃO DO PROJETO CICLO DE VIDA E ORGANIZAÇÃO DO PROJETO PROJETO CONCEITO DESENVOLVIMENTO PRODUTO + = Todo projeto inicia-se com a necessária clareza sobre seu escopo e os documentos: o termo de abertura a declaração do

Leia mais

Edital FUNDÁGUA n.º 02/2010. Recuperação de Mananciais. Anexo A - Formulário do Plano do Projeto

Edital FUNDÁGUA n.º 02/2010. Recuperação de Mananciais. Anexo A - Formulário do Plano do Projeto Anexo A - Formulário do Plano do Projeto 1. Nome da região hidrográfica de referência; 2. Nome do projeto 3. Nome da instituição Responsável pelo Projeto 4. Dados do responsável pela Instituição Nome:

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS A IMPORTÂNCIA DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO Para a realização de um projeto é necessário refletir sobre os passos que devem ser seguidos, entender a realidade

Leia mais

P2CEM. Pesquisa 2015/1. Elaboração de trabalho escrito. Profa. Dra. Zélia Soares Macedo Departamento de Física

P2CEM. Pesquisa 2015/1. Elaboração de trabalho escrito. Profa. Dra. Zélia Soares Macedo Departamento de Física P2CEM Pesquisa 2015/1 Elaboração de trabalho escrito Profa. Dra. Zélia Soares Macedo Departamento de Física Tipos de trabalho escrito: - monografia (1º semestre); - projeto (1º ou 2º semestre); - relatório

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GUIA PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO BÁSICO DE T.I. Elaborado com base na Lei 8.666/93 e suas alterações, Lei 10.520/02, Decreto de execução orçamentária anual e Decreto

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS, RESPONSABILIDADE SOCIAL E INCENTIVO FISCAL PARA O TERCEIRO SETOR

ELABORAÇÃO DE PROJETOS, RESPONSABILIDADE SOCIAL E INCENTIVO FISCAL PARA O TERCEIRO SETOR ELABORAÇÃO DE PROJETOS, RESPONSABILIDADE SOCIAL E INCENTIVO FISCAL PARA O TERCEIRO SETOR O que é projeto? Um empreendimento planejado que consiste num conjunto de atividades interrelacionadas e coordenadas,

Leia mais

II Encontro Regional de Cultura/ Pontão Rede Fluminense de Cultura / COMCULTURA-RJ Araruama, RJ 1º de julho de 2009. Palestrante: Joana Corrêa

II Encontro Regional de Cultura/ Pontão Rede Fluminense de Cultura / COMCULTURA-RJ Araruama, RJ 1º de julho de 2009. Palestrante: Joana Corrêa Planejamento e Elaboração de Projetos Culturais... II Encontro Regional de Cultura/ Pontão Rede Fluminense de Cultura / COMCULTURA-RJ Araruama, RJ 1º de julho de 2009... Palestrante: Joana Corrêa... Especialista

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Administração 5ª Série Administração de Recursos Humanos I A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

I CICLO ITINERANTE DE FORMAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR

I CICLO ITINERANTE DE FORMAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR I CICLO ITINERANTE DE FORMAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS: modelos, condições e experiências Jéferson Weber dos Santos Porto Alegre, 16 de agosto de 2012 1 O Projeto

Leia mais

CENTRO DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO

CENTRO DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NÚCLEO DE PESQUISA FORMULÁRIO 2 FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS/PROGRAMAS DE EXTENSÃO PROCESSO Nº /20 NUPES NUPECHS NUPECET NDCA 1- DADOS DO (A) PROFESSOR(A) RESPONSÁVEL TITULAÇÃO MÁXIMA ÁREA

Leia mais

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES EDITAL Nº 056/2013 Prêmio Emerald/Capes 2013 de Pesquisa nas áreas de Ciência da Informação e Administração e Gestão A Fundação Coordenação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS O QUE É UM PROJETO? É um documento que organiza idéias para se realizar um empreendimento, explicitando o motivo de realizá-lo, as etapas de trabalho, as

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2015

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2015 EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2015 1. DO OBJETO 1.1. O presente edital tem por objeto realizar uma chamada pública nacional para seleção de projetos que contribuam para o empoderamento das mulheres

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS SOCIAIS EDITAL 2014

SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS SOCIAIS EDITAL 2014 Instituto Marca de Desenvolvimento Socioambiental - IMADESA SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS SOCIAIS EDITAL 2014 >> Leia com atenção o Edital antes de preencher o formulário para apresentação de projetos. I.

Leia mais

Tópico 7 Planejamento e Projetos. O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 7 você deverá:

Tópico 7 Planejamento e Projetos. O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 7 você deverá: Tópico 7 Planejamento e Projetos n. O que você deverá saber Ao final do estudo do Tópico 7 você deverá: - ser capaz de elaborar e orientar projetos de serviços e projetos de pesquisa; - ter adquirido conhecimentos

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Desafio Profissional PÓS-GRADUAÇÃO 2012. Gestão de Projetos - Módulo C Prof. Me. Valter Castelhano de Oliveira

Desafio Profissional PÓS-GRADUAÇÃO 2012. Gestão de Projetos - Módulo C Prof. Me. Valter Castelhano de Oliveira Desafio Profissional PÓS-GRADUAÇÃO 12 Gestão de Projetos - Módulo C Prof. Me. Valter Castelhano de Oliveira 1 DESAFIO PROFISSIONAL Disciplinas: Ferramentas de Software para Gestão de Projetos. Gestão de

Leia mais

Caplicação de recursos financeiros na contratação de treinamentos sem a implantação de uma metodologia

Caplicação de recursos financeiros na contratação de treinamentos sem a implantação de uma metodologia JORGE DE PAIVA CAMPOS - depaivacampos@gmail.com Recomendações para não gastar errado em ada vez mais se faz necessário investir na capacitação das equipes de trabalho. Entretanto, a mera Caplicação de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais

Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Dácio G Moura Eduardo F Barbosa Baseado no livro Trabalhando com Projetos Planejamento e Gestão de Projetos Educacionais Atividades baseadas em Projetos Conceito

Leia mais

PROJETO PILOTO DE GESTÂO COMPARTILHADA

PROJETO PILOTO DE GESTÂO COMPARTILHADA Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento e Desenvolvimento de Projetos Especiais. Coordenação Geral de Planejamento de Educação a Distância. PROGRAMA TV ESCOLA

Leia mais

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PESSOA JURÍDICA PARA REALIZAÇÃO DE CURSOS DE CAPACITAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS EM GESTÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

Dicas para Elaboração de Projetos Sociais

Dicas para Elaboração de Projetos Sociais Dicas para Elaboração de Projetos Sociais Cleonice Godoy / Luiz Paulo Mafioletti 04.Jun.2013 Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais! Definição de Projeto Social Segundo

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS CULTURAL FESTIVAIS E DIFUSÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

PROGRAMA PETROBRAS CULTURAL FESTIVAIS E DIFUSÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA PETROBRAS CULTURAL FESTIVAIS E DIFUSÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Este documento contém um pequeno descritivo do conteúdo que deve ser inserido em cada um dos campos do formulário de

Leia mais

Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Just to remember... Interação entre os processos segundo PMBOK... Cada processo

Leia mais

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 NORMATIZA A SOLICITAÇÃO PARA INCLUSÃO, NOS

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE

INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO O título do projeto deve delimitar a área de abrangência onde as ações serão executadas. Mês, 2015 1 SUMÁRIO 1. DADOS GERAIS DO PROJETO

Leia mais

Orientações e dicas para montar um projeto de extensão Ricardo T. Neder

Orientações e dicas para montar um projeto de extensão Ricardo T. Neder Universidade de Brasília Faculdade de Planaltina FUP Disciplina: PESQUISA E EXTENSÃO Curso: Agronegócio. Nível: graduação (02 créditos) Horário: SEXTA-FEIRA: 14H.-16H. Professor: Paulo Henrique da S. Santarém

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Cartilha Gestão de Projetos SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Esta cartilha tem como objetivo transmitir os conceitos básicos relacionados ao Gerenciamento de Projetos e compartilhar da metodologia

Leia mais

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Roteiro para projeto de pesquisa Gildenir Carolino Santos, 2005. 1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Antes de passar para a construção ou montagem de um projeto de pesquisa, é importante saber que esse

Leia mais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais CARAVANA ESPORTIVA Seleção Pública P de Projetos Esportivos Educacionais Programa Petrobras Esporte & Cidadania Fomentar o desenvolvimento do esporte olímpico brasileiro; Democratizar o acesso ao esporte

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Programa redes e alianças edital 2012

Programa redes e alianças edital 2012 Programa redes e alianças edital 2012 Dicas para preenchimento do cadastro e formulário do projeto de rede programa redes e alianças Edital 2012 1. INTRODUÇÃO Este material foi desenvolvido para orientar

Leia mais

União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética. Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa

União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética. Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa Nova Mutum 2009 Nome dos acadêmicos em ordem alfabética Orientações

Leia mais

Gestão Colegiada HOSPITAL DAS CLÍNICAS UNIDADE I

Gestão Colegiada HOSPITAL DAS CLÍNICAS UNIDADE I Gestão Colegiada HOSPITAL DAS CLÍNICAS UNIDADE I Gestão Colegiada Os aspectos que definem o grau de responsabilidade de uma instituição são: 1 - A conformação da agenda do gestor: isso significa que um

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA

METODOLOGIA CIENTÍFICA METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ Projeto de Pesquisa PROJETO DE PESQUISA Em uma pesquisa, nada se faz ao acaso. Tudo é previsto no PROJETO DE PESQUISA deve ser detalhado e apresentar rigor

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

MANUAL PARA CADASTRO DE PROJETOS

MANUAL PARA CADASTRO DE PROJETOS MANUAL PARA CADASTRO DE PROJETOS O QUE É O AMOR ANIMAL? É um site de financiamento coletivo, onde pessoas e/ou entidades cadastram iniciativas exclusivas para causas animais. Estes projetos ficam abertos

Leia mais

O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias *

O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias * O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias * Arminda Eugenia Marques Campos ** Luís Henrique Abegão *** Maurício César Delamaro **** Numa época em que os recursos públicos destinados

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO

MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO Um projeto surge em resposta a um problema concreto. Elaborar um projeto é, antes de tudo,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA Atenção! Os

Leia mais

Planejamento estratégico e gestão nas organizações sociais

Planejamento estratégico e gestão nas organizações sociais CAPACITAÇÃO CASA/PSO Planejamento estratégico e gestão nas organizações sociais Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Conteúdos 1. O conceito de planejamento estratégico como estratégia de fortalecimento

Leia mais

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos Gestão de Projetos Empresariais Objetivos: Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos de processos

Leia mais

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades que constituem a fase inicial dos projetos. Alem disso, vamos discorrer sobre

Leia mais

PROGRAMA AÇÃO PARA CRIANÇAS Guia para elaboração de Projetos

PROGRAMA AÇÃO PARA CRIANÇAS Guia para elaboração de Projetos PROGRAMA AÇÃO PARA CRIANÇAS Guia para elaboração de Projetos A CESE recebe projetos por e-mail, mas não recebe documentos institucionais escaneados (esses devem ser enviados por correio convencional).

Leia mais

INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO

INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO INSERIR LOGOMARCA DA INSTITUIÇÃO PROPONENTE INSERIR O TÍTULO DO PROJETO O título do projeto deve delimitar a área de abrangência onde as ações serão executadas. Setembro, 2014 1 SUMÁRIO 1. DADOS GERAIS

Leia mais

Dicas para Projetos de Financiamento em Inovação

Dicas para Projetos de Financiamento em Inovação Dicas para Projetos de Financiamento em Inovação Formulação de Projetos de Inovação Tecnológica Não se formulam projetos apenas para obter benefício de mecanismos públicos de estímulo

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP/MS DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS E TECNOLOGIAS PARA A SAÚDE INOVA SAÚDE EQUIPAMENTOS MÉDICOS - 02/2013 Modelo de Plano

Leia mais

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA 1 Prezado(a) aluno(a), Este roteiro foi preparado para auxiliá-lo na elaboração de sua monografia (TCC). Ele o apoiará na estruturação das etapas do seu trabalho de maneira

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

OS PAPÉIS DO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA

OS PAPÉIS DO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA OS PAPÉIS DO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA Prof a. Marisa Eboli FIA/PROGEP Fórum Desenvolvendo o Gestor de Educação Corporativa" São Paulo, 15 de abril de 2014 Educação corporativa é um sistema

Leia mais

Algumas tendências gerais da cooperação internacional não governamental

Algumas tendências gerais da cooperação internacional não governamental Como Escrever um Projeto? Por Leandro Lamas Valarelli Estas dicas referem-se ao universo de fundações e agências de cooperação não governamentais, brasileiras ou internacionais. Em grande parte, baseiam-se

Leia mais

Transferência Jovem de Futuro: Estratégias de Comunicação

Transferência Jovem de Futuro: Estratégias de Comunicação Transferência Jovem de Futuro: Estratégias de Comunicação MISSÃO DO CSFX Transferência Jovem de Futuro: Formar, por meio de uma educação libertadora Estratégias e cristã, cidadãos críticos de Comunicação

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL I. CONTEXTO RETIFICADO Nos anos 90 e início dos 2000, diversas cidades brasileiras e latino-americanas lançaram-se em ações internacionais, prática

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 11/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DE EMPRESAS DE MICRO, PEQUENO

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador 2015 TUTORIAL SIGAMAZÔNIA Desenvolvido por: FAPESPA LABES-UFPA Sumário Sumário... 3 CADASTRO NO SISTEMA... 5 FAZENDO LOGIN NO SIGAMAZÔNIA... 5 MENU INICIAL... 6

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para credenciamento de Unidades EMBRAPII (UE)

Leia mais

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional)

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) 1 Senhor (a) Avaliador (a), a) Para Autoavaliação: utilizar a coluna "A" do campo ; b) Para Avaliação da Equipe de Trabalho: utilizar

Leia mais

Deve ser claro, conciso e conter de forma resumida o assunto a ser pesquisado.

Deve ser claro, conciso e conter de forma resumida o assunto a ser pesquisado. MODELODEPROJETODEPESQUISA (Form_pesq_01) TÍTULO DO PROJETO Deve ser claro, conciso e conter de forma resumida o assunto a ser pesquisado. AUTORES Relacionar todos os autores participantes do projeto: coordenador,

Leia mais

ESTRUTURA DO TIID 2010

ESTRUTURA DO TIID 2010 ESTRUTURA DO TIID 2010 7. Anexos c 7. A ficha de entrevista, agora com as respostas, deve ser apresentada como anexo, após as referências bibliográficas. 6. Referências Bibliográficas 6. As referências

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. UM ESTUDO SOBRE SUA IMPORTÂNCIA E ESTRUTURA

PLANO DE NEGÓCIOS. UM ESTUDO SOBRE SUA IMPORTÂNCIA E ESTRUTURA PLANO DE NEGÓCIOS. UM ESTUDO SOBRE SUA IMPORTÂNCIA E ESTRUTURA FELIPE RABELO DE AGUIAR Graduando do Curso de Ciências Contábeis da UFPA feliperabelo11@yahoo.com.br Héber Lavor Moreira Professor Orientador

Leia mais

Ao tratar da questão da Qualidade de Vida nas Escolas, um grande

Ao tratar da questão da Qualidade de Vida nas Escolas, um grande 14 Elaboração de Projetos Voltados para a Qualidade de Vida na Escola Maria Auxiliadora de Freitas Reis Especialista em Ontologia da Linguagem na PUC Brasília Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

Manual do Aluno ENSINO MÉDIO - 2015. Dicas do professor para sua Organização Pessoal

Manual do Aluno ENSINO MÉDIO - 2015. Dicas do professor para sua Organização Pessoal Ensino. Médio Quando mudamos de ciclo mudam-se também as exigências na confecção dos trabalhos, e entre as principais 2015 Manual do Aluno exigências, surge à nova formatação dos chamados TRABALHOS CIENTÍFICOS,

Leia mais

Projetos e pesquisas: Como escrever um artigo original em ciências da vida. Walter Lilenbaum Universidade Federal Fluminense

Projetos e pesquisas: Como escrever um artigo original em ciências da vida. Walter Lilenbaum Universidade Federal Fluminense Projetos e pesquisas: Como escrever um artigo original em ciências da vida Walter Lilenbaum Universidade Federal Fluminense Etapas da construção de um projeto 1.Identificação do problema Coerência com

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2011 FUNDO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (FIA) REGULAMENTO

PROCESSO SELETIVO 2011 FUNDO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (FIA) REGULAMENTO - 1 - PROCESSO SELETIVO 2011 FUNDO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (FIA) REGULAMENTO Prezado Gestor, Criado em 2006, o Instituto HSBC Solidariedade é responsável por gerenciar o investimento social

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RELATÓRIO DE QUE? AVALIAÇÃO: Avaliação anual avaliamos a execução durante o ano, a entrega dos produtos e os seus impactos. AVALIAÇÃO PARA QUE? OBJETIVOS: Prestar

Leia mais

PROPOSTA DE MODELO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS À COMISSÃO DE INTEGRAÇAO ENSINO-SERVIÇO DE ALAGOAS CIES/ESTADUAL.

PROPOSTA DE MODELO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS À COMISSÃO DE INTEGRAÇAO ENSINO-SERVIÇO DE ALAGOAS CIES/ESTADUAL. ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE/SESAU COMISSÃO ESTADUAL DE INTEGRAÇÃO ENSINO SERVIÇO CIES/ESTADUAL PROPOSTA DE MODELO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS À COMISSÃO DE INTEGRAÇAO ENSINO-SERVIÇO

Leia mais

União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética. Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa

União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética. Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa Nova Mutum MT 2012 Nome dos acadêmicos em ordem alfabética

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

15/10/2012. Oficina de Elaboração de Projetos. ORÇAMENTO 2012 255 prefeituras do Paraná não pediram emendas para a saúde

15/10/2012. Oficina de Elaboração de Projetos. ORÇAMENTO 2012 255 prefeituras do Paraná não pediram emendas para a saúde Apresentação Oficina de Elaboração de Projetos 1. Nome 2. Instituição 3. Você conhece os ODM? 4. Já trabalhou com projetos? 5. Expectativas com a Oficina? odm@fiepr.org.br Programação Terçafeira, 20/12/2011

Leia mais

MANUAL DE PROJETOS SOCIAIS

MANUAL DE PROJETOS SOCIAIS MANUAL DE PROJETOS SOCIAIS CAMPOS DOS GOYTACAZES - RJ 2010 O Manual a seguir orienta o preenchimento do Formulário de Projetos Sociais dos Conselhos. Assim, para o encaminhamento de Projetos Sociais aos

Leia mais

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos

Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos www.tecnologiadeprojetos.com.br Lista de verificação (Check list) para planejamento e execução de Projetos Eduardo F. Barbosa Dácio G. Moura Material didático utilizado na disciplina Desenvolvimento de

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 1 Elaboração de Projetos - objetivo da Cooperação Técnica; - a importância do Planejamento na elaboração de um projeto; - o significado de projeto; - detalhamento da ação; - trabalhando

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS FIN 04 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria Financeira de conciliação das informações repassadas pelos

Leia mais