BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE MEDICINA DO VALE DO AÇO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE MEDICINA DO VALE DO AÇO"

Transcrição

1 BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE MEDICINA DO VALE DO AÇO IPATINGA 2008

2 MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE MEDICINA DO VALE DO AÇO Organizado por Cristina de Lima Morais Soares IPATINGA 2008

3 INSTITUTO METROPOLITANO DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE DE MEDICINA DO VALE DO AÇO Diretoria Geral/Acadêmica: Vera Lúcia Gaspar Diretoria Administrativo Financeira: Gesilda de Sales Bicalho Silva Coordenação de Ensino: Prof. Daniel Riani Gotardelo Coordenação de Extensão: Prof. Vinicius Lana Ferreira Coordenação de Pesquisa: Prof. Eric Bassetti Soares Centro de Pesquisa em Neurociência: Prof. José Elvano de Morais Biblioteca Coordenação Técnica: Cristina de Lima Morais Soares Manual para elaboração de trabalhos acadêmicos da Faculdade de Medicina do Vale do Aço Organização: Cristina de Lima Morais Soares CRB M294 Manual para elaboração de trabalhos acadêmicos da Faculdade de Medicina do Vale do Aço / organização Cristina de Lima Morais Soares. - Ipatinga, MG, fl.; il. 1. Trabalhos acadêmicos - Manual 2. Publicações científicas 3.Normalização I. Título. CDU Ficha catalográfica elaborada pelo Setor de Processamento Técnico

4 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 Organização do trabalho acadêmico FIGURA 2 Modelo da capa FIGURA 3 Lombada FIGURA 4 Folha de rosto(anverso) FIGURA 5 - Conteúdo do verso da folha de rosto FIGURA 6 - Errata FIGURA 7 Folha de aprovação FIGURA 8 Modelo de apresentação do resumo FIGURA 9 Modelo de lista FIGURA 10 Abreviatura dos meses em vários idiomas FIGURA 11 Sumário... 34

5 APRESENTAÇÃO O presente manual foi elaborado com o objetivo de orientar e padronizar a aplicação das normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), na Elaboração e Apresentação de Trabalhos Acadêmicos NBR (2005), Referências - NBR 6023 (2002), Citações em Documentos - NBR (2002), Numeração progressiva das seções de um documento - NBR 6034 (2003), Resumo - NBR 6028 (2003). Destina-se aos discentes, docentes e demais interessados nos procedimentos obrigatórios para a elaboração de referências bibliográficas e documentação de produção intelectual, científica e acadêmica.

6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REGRAS DE APRESENTAÇÃO FORMATO MARGEM ESPACEJAMENTO INDICATIVO DE SEÇÃO TÍTULOS NÃO NUMERADOS TÍTULOS NUMERADOS PAGINAÇÃO NUMERAÇÃO PROGRESSIVA NOTAS DE RODAPÉ Notas de referência Notas explicativas ALÍNEAS ABREVIATURAS E SIGLAS ILUSTRAÇÕES Gráficos Tabelas Estrutura da tabela Tabela longa Símbolos convencionais Quadros ESTRUTURA DO TRABALHO ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Capa Lombada Folha de rosto (anverso) Folha de rosto (verso) Errata Folha de aprovação Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo em português Resumo em língua estrangeira Lista de ilustrações e tabelas Lista de abreviatura e siglas Lista de símbolos Sumário ELEMENTOS TEXTUAIS Introdução Desenvolvimento Conclusão ELEMENTOS PÓS TEXTUAIS...36

7 3.3.1 Referências Glossário Apêndices e anexos Índices CITAÇÃO REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO Citação direta Citação direta curta Citação direta com mais de 3 linhas Citação indireta ou livre Citação de citação Expressões latinas SISTEMA DE CHAMADA Citação com um autor Citação com dois autores Citação com três autores Citação com mais de três autores Documento sem autoria Citação de título iniciado por artigo Citação de dois autores com mesmo sobrenome Citação de diversos documentos de um mesmo autor Citação de documentos de um mesmo autor publicados num mesmo ano Citação de vários autores da mesma idéia Citação de autor entidade coletiva Citação de autor evento Citação de informação verbal Citação de traduções Citação de trabalhos a serem publicados Citação de trabalhos em fase de elaboração Citação de jornais ou revistas sem indicação de autoria SUPRESSÕES, COMENTÁRIOS E DESTAQUES ELABORAÇÃO DE REFERÊNCIAS ABNT e VANCOUVER ELEMENTOS ESSENCIAS E ELEMENTOS COMPLETARES ORIENTAÇÕES GERAIS MONOGRAFIA NO TODO Até três autores Mais de três autores Obra com responsável intelectual Obra sem autoria Autor entidade/evento Nomes estrangeiros, compostos, grau de parentesco PARTE DE MONOGRAFIA Capítulo e separata de livro Partes isoladas de livros Bíblia em parte Verbete de dicionários e enciclopédias...60

8 5.5.5 Trabalhos apresentados em eventos científicos DISSERTAÇÕES E TESES CONGRESSOS, CONFERÊNCIAS, SIMPÓSIOS, WORKSHOPS, JORNADAS PATENTES APOSTILA RELATÓRIOS OFICIAIS RELATÓRIOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS DOCUMENTO JURÍDICO Legislação Constituições Leis e decretos Pareceres Portarias, resoluções e deliberações Jurisprudência Habeas corpus Acórdão Súmulas Doutrina RESENHA OU RECENSÃO ENTREVISTAS, PALESTRAS, ETC PUBLICAÇÕES PERIÓDICAS Publicação periódica considerada no todo Partes de revistas, boletins, etc Fascículos Suplementos, números especiais, separatas Artigos de revistas Artigo publicado em série num mesmo fascículo ou em fascículos diferentes Artigo de revista institucional Artigo e/ou matéria de jornal Trabalho apresentado em evento publicado em periódicos DOCUMENTO DE ACESSO EXCLUSIVO EM MEIO ELETRÔNICO Disquetes CD-Rom Base de dados Lista de discussão Livro eletrônico Periódico eletrônico OBRAS CONSULTADAS ON-LINE Documentos jurídicos Monografias no todo Parte de monografia Artigos de revistas e/ou jornais Evento com um todo IMAGEM EM MOVIMENTO Vídeo DVD...80

9 5.19 DOCUMENTO TRIDIMENSIONAL...80 REFERÊNCIAS...82

10 7 1 INTRODUÇÃO As atividades científicas envolvendo publicações relacionadas à graduação, pós-graduação ou mesmo a elaboração de artigos científicos requerem a utilização de padrões de apresentação reconhecidos nacional e internacionalmente. Estas atividades não devem ser consideradas apenas como um exercício metodológico ou exigência formal. Trata-se de um trabalho da maior relevância que estimula o estudo aprofundado, a observação cuidadosa, a análise, a reflexão, a habilidade de escrever textos profissionais e a interlocução sistemática com o conhecimento. A monografia, ou trabalho acadêmico, é uma dissertação feita por escrito de um assunto ou problema específico, resultante de uma investigação científica. O trabalho pode ser denominado monografia quando é apresentado como requisito parcial para a obtenção do titulo de especialista, ou como trabalho de conclusão de curso de graduação. Para sua elaboração é necessário fazer a escolha do assunto, que deve estar relacionado ao curso, disciplina, estudo, tendo a supervisão de um orientador. A estrutura da monografia distingue-se das dissertações e teses - que são resultados de pesquisas desenvolvidas em cursos no nível de pós-graduação (mestrado e doutorado). A diferença entre tese e dissertação, refere-se ao grau de profundidade e originalidade exigida na tese, que é defendida na conclusão do curso de doutorado (FRANÇA, 2004, p. 33). Esta diferenciação é estabelecida pelo Conselho Federal de Educação - CFE, através do Parecer 977/65. O conceito de dissertação e tese encontrado na NBR (2005) esclarece que: Dissertação é um documento que representa o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo científico retrospectivo, de tema único e bem delimitado em sua extensão, com o objetivo de reunir, analisar e interpretar informações. Deve evidenciar o conhecimento de literatura existente sobre o assunto e a capacidade de sistematização do candidato [...] Tese é um documento que representa o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo científico de tema único e bem delimitado. Deve ser elaborado com base em investigação original, constituindo-se em real contribuição para a especialidade em questão. É feito sob a coordenação de um orientador (doutor) e visa a obtenção do título de doutor, ou similar.

11 8 2 REGRAS DE APRESENTAÇÃO A apresentação gráfica é do autor do trabalho, porém devem seguir as regras de apresentação de trabalhos acadêmicos que são orientadas pela ABNT através da NBR (2005). 2.1 FORMATO Os textos devem ser apresentados em papel branco, formato A4 (21,0 cm x 29,7 cm), digitados na cor preta no anverso da folha, utilizando-se da fonte Arial 12 para o texto e Arial 10 para citações longas e notas de rodapé, paginação, legendas das ilustrações e tabelas. Utilizar recuo de primeira linha do parágrafo 1,25 cm (1 tab), a partir da margem esquerda. O recuo de parágrafo para citação com mais de três linhas é de 4cm da margem esquerda. O alinhamento do texto deve ser justificado, e o alinhamento de título e seções deve ser à esquerda. Para títulos sem indicação numérica (Resumo, Abstract, Listas, Sumário, Referências) o alinhamento deve ser centralizado. 2.2 MARGEM Margem esquerda e superior: 3cm Margem direita e inferior: 2cm 2.3 ESPACEJAMENTO Utilizar no texto o espacejamento 1,5 de entrelinhas. O título das seções deve começar na parte superior da página e ser separado do texto que o sucede por dois espaços 1,5 entrelinhas. Da mesma forma o título das subseções deve ser separado do texto que os precede e que os sucede por dois espaços 1,5 entrelinhas. Entre um parágrafo e outro o espaço é de 1,5. Citações longas, notas de rodapé, referências, legendas das ilustrações e tabelas, ficha catalográfica e resumo devem ser digitadas em espaço simples.

12 9 Na folha de rosto e folha de aprovação, a natureza do trabalho, o objetivo, o nome da instituição e a área de concentração, devem ser digitados em espaço simples. As referências, ao final do trabalho, devem ser digitadas em espaço simples e separadas entre si por espaço duplo. 2.4 INDICATIVO DE SEÇÃO O indicativo numérico de uma seção precede seu título com alinhamento esquerdo, separado por um espaço de caractere, não devendo ser utilizado ponto, hífen, travessão ou qualquer sinal após o indicativo de seção ou de seu título. Todas as seções devem conter um texto relacionado com elas. No sumário, as seções devem ser grafadas conforme apresentadas no corpo do trabalho. 2.5 TÍTULOS NÃO NUMERADOS Não há indicativos de seção para Errata, Agradecimento, Listas, Resumos, Sumário, Referências, Glossário, Apêndice(s), Anexo(s) e Índice. Devem apresentarse centralizados, sem numeração, em negrito, e em maiúsculo (NBR 6024, 2003). 2.6 TÍTULOS NUMERADOS Devem-se utilizar algarismos arábicos, alinhados na margem esquerda, precedendo o título da seção ou subseção, dele separado por um espaço. O destaque deve ser dado utilizando os recursos de negrito, itálico ou grifo e redondo, caixa alta ou versal e outro. Os títulos das seções devem iniciar em folha distinta. Não devem ser utilizados símbolos, abreviaturas ou fórmulas nos títulos das seções e subseções. 2.7 PAGINAÇÃO

13 10 A paginação deve ser estar em evidência, sendo utilizados algarismos arábicos, colocados no canto superior direito da página, aproximadamente a 2 cm da borda superior. As folhas do trabalho devem ser contadas sequencialmente a partir da folha de rosto, MAS NÃO NUMERADAS. Numera-se somente a partir da parte textual. Trabalhos com mais de um volume devem ter a paginação mantida em uma única seqüência de numeração. Os apêndices e anexos são paginados de maneira contínua à do texto principal. 2.8 NUMERAÇÃO PROGRESSIVA É definida pela ABNT a partir da NBR 6024 (2003). O objetivo da numeração progressiva dos documentos é expor de forma lógica o inter-relacionamento da matéria e permitir sua localização. Seguem algumas explicações para melhor compreensão: a) Indicativos de seção número ou grupo numérico que antecede cada seção, alinhado à margem esquerda do documento, precedendo o título, dele separado por espaço, devendo ser grafado em números inteiros; b) Seção parte em que se divide o texto de um documento; c) Seção Primária - principal divisão do texto de um documento, devendo ser iniciado em folha distinta, alinhado à esquerda: d) Secundária divisão do texto de uma seção primária, secundária, terciária, quaternária, respectivamente. Utilizar um limite de divisão das seções em, no máximo, cinco níveis: seção primária, secundária, terciária, quaternária, quinária. Exemplo: 1 SEÇÃO PRIMÁRIA (Maiúsculo e negrito) 1.1 SEÇÃO SECUNDÁRIA (Maiúsculo, sem negrito) Seção terciária (minúsculo com exceção da 1ª letra, negrito) Seção quaternária (minúsculo com exceção da 1ª letra, sem negrito)

14 Seção quinária (minúsculo com exceção da 1a letra, itálico) a) alínea; b) alínea, - subalínea, - subalínea. Nota: Na leitura oral não são citados os pontos. 2.9 NOTAS DE RODAPÉ As notas de rodapé são indicações, observações ou aditamentos ao texto feitos pelo autor, tradutor ou editor, com o objetivo de prestar esclarecimentos ou tecer considerações que não devam ser incluídas no texto para não interromper a seqüência lógica da leitura. Podem ser usadas como notas explicativas ou notas de referências. Localiza-se na margem inferior da mesma página onde ocorre a chamada numérica indicada no texto, utilizando-se algarismos arábicos, digitadas em espaço simples, com caractere menor que o utilizado no texto. Devem ser separadas do texto por um espaço simples de entrelinhas, ficando separada do texto por filete de 3 cm a partir da margem esquerda. A segunda linha da mesma nota alinha-se abaixo da primeira letra da primeira palavra, com o objetivo de colocar em destaque o expoente. Nota: O sistema numérico não deve ser usado para as citações no texto quando há notas de rodapé. Sendo assim, orienta-se o uso de notas de rodapé somente quando é necessário indicar: a) uma fonte que não ficou clara no texto; b) tradução ou versão original de uma citação importante; c) fazer comentários adicionais; d) dados que foram obtidos informalmente; e) trabalhos não publicados Notas de referência

15 12 Indicam fontes consultadas ou remetem a outras partes da obra onde o assunto foi abordado. Exemplos: ¹ SINGER, C. Uma breve história da anatomia e da fisiologia desde os gregos até Harvey. São Paulo: Editora da Unicamp, ² NÓBREGA, 1962, p ³ BERLINGUER, 1991, p Nota: Neste trabalho sugerimos o emprego de citações no texto, permitindo desta forma que as notas de rodapé adotadas sejam as notas explicativas Notas explicativas O autor poderá fazer uso do rodapé quando julgar necessário incluir comentários, explanações ou prestar qualquer esclarecimento que não puderam ser incluídos no texto, para não interromper a seqüência do pensamento. Exemplos: No texto:... as fraturas envolvendo o segmento vertebral médio ( muro somático posterior ¹, apófises articulares e pedículos)... Trata-se, com mais freqüência, de uma espondilodiscite ². O novo medicamento estará disponível no mercado até o final deste semestre (informação verbal) ³. No rodapé: ¹ Parede posterior do corpo vertebral. ² Do grego spondylos: vértebra; discos: disco. Inflamação de uma vértebra e dos discos intervertebrais vizinhos. ³ Notícia fornecida por Sílvia Storpirtis no Congresso Brasileiro de Manipulações Farmacêuticas, em Goiânia, ALÍNEAS

16 13 São utilizadas quando é necessário enumerar os diversos assuntos de uma seção que não possua título, e sua disposição gráfica obedece às seguintes regras: a) o trecho final do texto anterior às alíneas deve terminar em dois pontos; b) são ordenadas alfabeticamente; c) as letras indicativas das alíneas são reentradas em relação à margem esquerda; d) o texto das alíneas começa por letra minúscula e termina em ponto e vírgula (exceto a última que termina em ponto e nos casos em que se seguem subalíneas, estas terminam em vírgula); e) a segunda e as seguintes linhas do texto da alínea começam sob a primeira letra do texto da própria alínea. Quando a exposição da idéia assim o exigir, a alínea pode ser subdividida em subalíneas, que: a) devem começar por um hífen colocado sobre a primeira letra do texto da alínea correspondente, separada por um espaço; b) as linhas seguintes do texto da subalínea começam sob a primeira letra do próprio texto, terminando em ponto-e-vírgula., com exceção da última que termina com ponto; c) quando houver subalíneas, as alíneas terminam em vírgula ABREVIATURAS E SIGLAS Quando aparece pela primeira vez no texto, a forma completa do nome precede a sigla, colocada entre parênteses. Exemplo: Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) Biblioteca Regional de Medicina (BIREME) 2.12 ILUSTRAÇÕES Ilustrações são quadros, gráficos, mapas, desenhos, fotografias, plantas, fluxogramas, organogramas, retratos e outros, complementando o trabalho, tendo

17 14 por objetivo elucidar e/ou simplificar a compreensão do texto. Devem aparecer o mais próximo possível do texto, centralizado, seguindo uma numeração própria e consecutiva em todo trabalho. Com exceção das tabelas, quadros e gráficos as ilustrações aparecem no texto sempre como figuras (FRANÇA, 2004, p. 110). Pode integrar o texto ou ser indicada no final da frase, entre parênteses, sempre no singular, mesmo que faça referência a mais de uma figura. O título deve ser breve e explicativo, tendo somente a inicial maiúscula, figurando abaixo da ilustração e na mesma margem desta, precedida da palavra designativa (FIGURA 1, GRÁFICO 1, QUADRO 1). Se o título tiver mais de uma linha, a segunda deve iniciar abaixo da primeira letra do mesmo. Deve ser usado espaço de 1,5 entre o final do texto e o início da figura, e entre o final da figura e a continuação do texto. A numeração é independente para cada tipo de ilustração. É imprescindível que tendo sido publicada anteriormente, apresentem abaixo da legenda as informações sobre a autoria, data e página precedida da palavra fonte. Exemplos¹: ¹ Os exemplos apresentados nas páginas 15,16,e 18 adotam numeração do original, não fazendo parte da seqüência adotada nas ilustrações deste trabalho. No texto:

18 15 FIGURA 1 Fotomicrografia de Mycobacterium leprae (aumentada em vezes), Fonte: GALLO, organismo causador da hanseníase. Na lista de referência: GALLO, Maria Eugenia Noviski. Hanseníase: modo de transmissão, diagnóstico e tratamento. Rio de Janeiro: Fiocruz, Disponível em Acesso em: 18 mar Gráficos Considerado forma especial de ilustração, constitui um recurso para apresentação de dados estatísticos, utilizando-se de traços e pontos. São considerados gráficos, aqueles oriundos de dados inéditos do próprio pesquisador, bem como os gráficos citados de outros autores. A numeração é feita com algarismos arábicos. Exemplo: No texto: (*) Até 1996 os Modelos Industriais (MI) estão somados aos Desenhos Industriais (DI) (GRAF. 2)

19 16 GRÁFICO 2 - Brasil: Concessão de patentes de invenção, de modelo de utilidade e de registros de desenho industrial pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), Fonte: BRASIL. Ministério da Ciência e Tecnologia, Na lista de referência: BRASIL. Ministério da Ciência e Tecnologia. Coordenação Geral de Indicadores. Concessão de patentes de invenção, de modelo de utilidade e de registros de desenho industrial pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) [Brasília]: MCT, Disponível em < ftp.mct.gov.br/.../graficos/graf7_1_4.gif> Acesso em: 28 fev Tabelas É elaborada tendo por base dados secundários, isto é, obtidos de fontes como o IBGE e outros, inclusive livros, revistas etc. As tabelas são apresentações gráficas de informações tratadas estatisticamente, segundo definição do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Podem ser classificadas em: tabelas estatísticas, técnicas, de rotinas ou controle, de codificação, de coleta e especiais Estrutura da tabela

20 17 Título - Deve conter um título por extenso, inscrito no topo da tabela, para indicar a natureza e abrangência do seu conteúdo. Quando o título tiver mais de uma linha, as seguintes devem iniciar abaixo da primeira letra do próprio título. Cabeçalho Parte superior da tabela que especifica o conteúdo das colunas. Deve ser delimitado no alto e embaixo por traços horizontais. Corpo da tabela Espaço que contém as informações sobre o fenômeno observado. É facultativo o emprego de traços verticais para separação das colunas no corpo da tabela. O quadro e a tabela não devem ser fechados lateralmente. Fonte Fonte ou Nota de fonte. As fontes citadas na construção de tabelas e notas eventuais aparecem no rodapé da tabela. Ex.: Fonte: Ministério da Saúde. Notas - Também localizada no rodapé da tabela, trata-se de um esclarecedor extensivo a todos os elementos de uma tabela. Indicam-se em notas, de acordo com França (2003), logo após a indicação da fonte, esclarecimentos a respeito do conteúdo das tabelas, podendo ser gerais e específicas. As notas gerais registram observações ou comentários que esclareçam o conteúdo das tabelas, indicação de critérios ou método de elaboração. As específicas, explicam os símbolos, fórmulas etc. adotados na tabela. Exemplo:

21 18 TABELA 2 - Resultados obtidos e comparação entre técnicas de dilatação percutanea Fonte: SOUZA; AMORIM; MATEUS, 2006, p Nota: RC) randomizado controlado; (SR) série retrospectiva; (SP) série prospectiva Na lista de referência: SOUZA, E. B. de; AMORIM, W. L.; MATEUS, A. R. Traqueostomia. Qualidade e rapidez. Há uma situação de incompatibilidade entre os dois desfechos? ACTA ORL. Técnicas em Otorrinolaringologia, São Paulo, v.24, n.1, p. 6-14, jan./mar ISSN Tabela longa a) podem ser impressas no sentido vertical quando for mais larga do que a página; b) se for tão longa que não possibilite o sentido vertical, poderá ser dividida e colocada em páginas confrontantes, na mesma posição e dimensões, incluindo após o título a designação continua (na primeira página,

22 19 continuação para as seguintes e conclusão na última página), logo abaixo do título e à direita; c) se a tabela não couber em uma folha, deve ser continuada em folha seguinte e, nesse caso, não é delimitada por traço horizontal na parte inferior, sendo o título e o cabeçalho repetidos na folha seguinte; d) caso a tabela ou quadro seja muito extensa, pode-se apresentá-la no final do trabalho, como apêndice ou anexo, seguindo a numeração normal das tabelas e quadros apresentados no texto Símbolos convencionais - dado não existe; Z dado for rigorosamente Z;.. dado numérico não aplicável;... dado não disponível; / ou dados anteriores ao símbolo não comparável aos posteriores; 0; 0,0 ou 0,00 quando o dado numérico for igual a zero resultante de arredondamento de um dado numérico originalmente negativo; X quando o dado for omitido para evitar a individualização da informação Quadros É definido como um tipo de figura ou ilustração utilizada para a apresentação de informações especificamente textuais, tendo sua estrutura básica constituída de colunas e linhas. De acordo com França (2004), devem-se usar dois traços duplos horizontais para limitar o quadro, sendo o primeiro para separar o topo e o segundo para separar o rodapé. Ainda de acordo com França, o traço simples horizontal será usado para separar as colunas indicadoras, no cabeçalho. Nota: As colunas verticais no corpo das tabelas e quadros devem ser evitadas.

23 20 3 ESTRUTURA DO TRABALHO A estrutura de um trabalho acadêmico, seja ele Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação (Monografia), Dissertação (Mestrado) ou Tese (Doutorado) compreende a seguinte organização: elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais, divididos em opcionais e obrigatórios. OBRIGATÓRIO OPCIONAL ELEMENTOS PRÉ- TEXTUAIS ELEMENTOS TEXTUAIS ELEMENTOS PÓS- TEXTUAIS Capa Folha de rosto Folha de aprovação Resumo na língua vernácula Resumo em língua estrangeira Sumário Introdução Desenvolvimento Conclusão Referências Errata Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Lista de ilustrações Lista de tabelas Lista de abreviaturas e siglas Lista de símbolos Lombada Apêndice (s) Anexo (s) Glossário Índice (s)

24 21 FIGURA 1 Organização do trabalho acadêmico 3.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS São elementos que ajudam na identificação da obra. A parte pré-textual deve conter todas as informações necessárias para a compreensão adequada daquilo que se vai escrever na parte textual. (CARDOSO et al., 2001, p.61) Capa Elemento obrigatório, não considerado na paginação. Deve conter as informações indispensáveis à sua identificação seguindo a seguinte ordem: a) nome da instituição (Arial 14, maiúsculo, negrito) - (opcional pela NBR 14724, mas indicado neste manual); b) autoria - nome do autor, centralizado na margem superior, negrito, Arial 14; c) título do trabalho deve ser claro e preciso, identificando seu conteúdo e possibilitando sua indexação e recuperação da informação. Destacar dos

25 22 outros elementos em aproximadamente 6 espaços, em maiúsculo, centralizado, negrito, Arial 14; d) subtítulo se houver, deve ser evidenciada a sua subordinação ao título principal, precedido de dois pontos, em negrito e minúsculo, Arial 14; d) número do volume se houver mais de um, deve constar em cada folha de rosto a especificação do respectivo volume, abreviado (V. 1 ou Vol. 1), Arial 14; e) local e ano nas duas últimas linhas da folha, centralizado, maiúsculo, Arial 12, negrito, espacejamento 1,5. FIGURA 2 Modelo da capa Lombada Elemento opcional onde as informações devem ser impressas de acordo com a ABNT NBR 12225, contendo informações do: a) nome do autor impresso de cima para baixo, longitudinalmente, fonte Arial

26 23 14, maiúsculo, em espaço simples; b) título do trabalho impresso da mesma forma que o autor; c) ano ( na horizontal) FIGURA 3 Lombada Folha de rosto (anverso) Elemento obrigatório. A página de rosto deve ser contada, porém não numerada. É a repetição da capa acrescida da descrição e natureza do trabalho, ou seja, o tipo de trabalho que está sendo apresentado se tese, dissertação, monografia, Trabalho de Conclusão de Curso etc, o objetivo (aprovação em disciplina, grau pretendido e outros), nome da Instituição e área de concentração, formando um único parágrafo alinhado à direita. Deve seguir a seguinte ordem: a) nome do autor; b) título do trabalho; c) subtítulo (se houver) d) número de volumes; e) natureza do trabalho; f) nome do orientador e co-orientador, se houver; g) local (cidade); h) ano de depósito (entrega).

27 24 FIGURA 4 Folha de rosto (anverso) Folha de rosto (verso) Deve conter a ficha catalográfica, apresentada conforme o Código de Catalogação Anglo-Americano - AACR2 (consultar o bibliotecário para elaboração desta ficha). A ficha deve aparecer do meio para a parte inferior da folha, centralizada. FIGURA 5 Conteúdo do verso da folha de rosto (ficha catalográfica)

28 Errata Segundo a ABNT (NBR 14724, 2005) é um elemento opcional que deve ser inserido logo após a folha de rosto, e não deve ser encadernada com o trabalho. Constitui uma lista de erros detectados no trabalho após a sua impressão. Se houver possibilidade de correção esta deverá ser realizada antes da encadernação definitiva. FIGURA 6 - Errata Folha de aprovação Elemento obrigatório, colocado logo após a folha de rosto, que se destina à avaliação do candidato pelos membros da banca examinadora. Nela devem constar: a) nome do autor; b) título por extenso e subtítulo (se houver); c) natureza, objetivo, nome da Instituição, área de concentração, data de aprovação; d) nome, titulação, assinatura, e instituição dos membros componentes da comissão examinadora; e) um espaço duplo entre as assinaturas; f) local e data da aprovação. A folha de aprovação não deverá ser contada, nem numerada.

29 26 FIGURA 7 - Folha de aprovação Dedicatória

30 27 Elemento opcional colocado logo após a folha de aprovação, onde o autor presta homenagem ou dedica seu trabalho a alguém Agradecimentos Elemento opcional colocado após a dedicatória, onde o autor faz agradecimentos dirigidos àqueles que de maneira relevante contribuíram para a elaboração do trabalho Epígrafe Elemento opcional onde o autor pode utilizar uma citação, indicando a autoria. Esta citação geralmente está relacionada com a matéria tratada no corpo do trabalho. Também pode constar epígrafe nas folhas de abertura das seções primárias, sempre alinhadas à margem direita separado do título do capítulo por 3 espaços 1,5 devendo iniciar o texto 2 dois espaços 1,5 abaixo da epígrafe. A(s) referência(s) bibliográfica da(s) epígrafe (s) deve constar na lista de referência. Trata-se de um elemento sem título Resumo em português Elemento obrigatório cujo uso é orientado pela NBR 6028 (ABNT, 2003) e pela norma ISO R.214. É a apresentação concisa do conteúdo do trabalho. Deve ser redigido pelo próprio autor do trabalho, e tem a finalidade específica de passar ao leitor, uma idéia completa do teor do documento analisado (SEVERINO, 2003, p.173), ou seja, ressaltar o objetivo, os resultados e as conclusões do trabalho, assim como o método e a técnica empregados na sua elaboração. Precede o sumário. Outras orientações sobre o resumo: a) iniciar com uma frase significativa, explicando o tema principal do documento; b) a seguir, indicar a informação sobre a categoria do tratamento (memória, estudo de caso, análise da situação etc.);

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e NORMAS PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor

Leia mais

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011 São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico As orientações abaixo estão de acordo com NBR 14724/2011 da Associação

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA ANEXO da Norma 004/2008 CCQ Rev 1, 28/09/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Salvador 2009 2 1 Objetivo Estabelecer parâmetros para a apresentação gráfica

Leia mais

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Maria Bernardete Martins Alves Marili I. Lopes Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Módulo 3 Apresentação

Leia mais

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS MONOGRAFIA Trata-se de uma construção intelectual do aluno-autor que revela sua leitura, reflexão e interpretação sobre o tema da realidade. Tem como base a escolha de uma unidade ou elemento social, sob

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Dissertação é a apresentação escrita do trabalho de pesquisa desenvolvido no âmbito do Programa de

Leia mais

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Educação UAB/UnB Curso de Especialização em Educação na Diversidade e Cidadania, com Ênfase em EJA Parceria MEC/SECAD NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL)

Leia mais

DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS ACADÊMICOS

DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS ACADÊMICOS DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PROF. DR. MARCOS FRANCISCO R. SOUSA PROF. Me. CELSO LUCAS COTRIM APRESENTAÇÃO

Leia mais

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PONTA GROSSA 2011 LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Leia mais

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1 5/12/2008 Monografias - Apresentação Fazer um trabalho acadêmico exige muito de qualquer pesquisador ou estudante. Além de todo esforço em torno do tema do trabalho, é fundamental ainda, adequá-lo às normas

Leia mais

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA A elaboração da monografia deve ter como referência a ABNT NBR 14724/ 2006, a qual destaca que um trabalho acadêmico compreende elementos pré-textuais,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações 1ª edição Ilhéus BA 2012 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE DISSERTAÇÃO (FORMATO

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT www.abnt.org.br Objetivos da normalização Comunicação Simplificação Níveis de normalização Menos exigente (Genérica) INTERNACIONAL REGIONAL

Leia mais

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo Objetivo ABNT Normas para elaboração de trabalhos científicos Esta Norma especifica os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmicos, visando sua apresentação à instituição Estrutura Parte

Leia mais

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1 REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO Os seguintes padrões atendem às exigências da FTC Feira de Santana, em conformidade com a NBR 14724:2002/2005 da Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA 1 DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor do trabalho, ou seja, o que não consta no texto destas

Leia mais

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Padrão FEAD de normalização Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Objetivo Visando padronizar os trabalhos científicos elaborados por alunos de nossa instituição Elaboramos este manual

Leia mais

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Administração Biblioteca Normas para elaboração do TCC O que é um Trabalho de Conclusão de Curso? O TCC, é um trabalho acadêmico feito sob a coordenação

Leia mais

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 ESTRUTURA A estrutura e a disposição dos elementos de um trabalho acadêmico são as

Leia mais

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 1 Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 Pré-textuais Textuais Pós-textuais Estrutura Elemento OK Capa (obrigatório) Anexo A (2.1.1) Lombada (obrigatório) Anexo H Folha

Leia mais

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS:

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS: MANUAL PARA TCC www.etecmonteaprazivel.com.br Estrada do Bacuri s/n Caixa Postal 145 Monte Aprazível SP CEP 15150-000 Tel.: (17) 3275.1522 Fax: (17) 3275.1841 NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ GESTÃO2010/2012 ESCOLASUPERIORDOMINISTÉRIOPÚBLICO(Art.1ºdaLei11.592/89) Credenciada pelo Parecer 559/2008, de 10/12/08, do CEC (Art. 10, IV da Lei Federal n.º 9.394, de 26/12/1996 - LDB) NORMAS PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Editoração do Trabalho Acadêmico 1 Formato 1.1. Os trabalhos devem ser digitados em papel A-4 (210 X297 mm) apenas no anverso (frente) da folha. 2 Tipo e tamanho

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA São Paulo 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1 ELEMENTOS EXTERNOS 1.1 CAPA 1.2 LOMBADA 2 ELEMENTOS INTERNOS PRÉ-TEXTUAIS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC ANEXO A TERMO DE COMPROMISSO DE ORIENTAÇÃO DO TRABALHO DE Nome do Aluno: Matricula: Título do TCC CONCLUSAO DE CURSO (TCC) Solicito que seja designado como meu Orientador do Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 Paula Carina de Araújo paulacarina@ufpr.br 2014 Pesquisa Pesquisa Atividade básica da ciência

Leia mais

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008)

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008) Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Curso de Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Dr. Luís Fernando Garcia - TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto

Leia mais

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5. 5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.2 Capa... 48 5.3 Folha de rosto... 51 5.4 Errata... 53

Leia mais

NORMAS DA ABNT PARA TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS DA ABNT PARA TRABALHOS ACADÊMICOS NORMAS DA ABNT PARA TRABALHOS ACADÊMICOS O texto a seguir tratará das seguintes normalizações: A. NBR 14724:2001 Informação e documentação - Trabalhos acadêmicos - Apresentação Informações pré-textuais

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III Projeto Integrado Multidisciplinar Cursos Superiores Tecnológicos G. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Trabalho

Leia mais

Manual para Elaboração Trabalhos Acadêmicos Conforme a NBR 14724:2005

Manual para Elaboração Trabalhos Acadêmicos Conforme a NBR 14724:2005 Manual para Elaboração Trabalhos Acadêmicos Conforme a NBR 14724:2005 Produzido pelos bibliotecários da Rede de Bibliotecas do Senac/RS com a finalidade de orientar os usuários na elaboração de seus trabalhos

Leia mais

REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS

REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS F A C UL DA DE DE P R E S I DE N T E V E N C E S L A U REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS APRESENTAÇÃO GRÁFICA - CONFIGURAÇÃO DAS MARGENS Ir ao menu Arquivo, escolher a opção Configurar

Leia mais

OBRIGATÓRIO= + OPCIONAL= *

OBRIGATÓRIO= + OPCIONAL= * Lombada* UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS BIBLIOTECA GLÁDIS W. DO AMARAL ORIENTAÇÃO SOBRE A ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO Elementos póstextuais INDICES * PARTE INTERNA ANEXOS * APENDICES * GLOSSARIO

Leia mais

Informação e documentação Trabalhos acadêmicos Apresentação

Informação e documentação Trabalhos acadêmicos Apresentação AGO 2002 NBR 14724 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Informação e documentação Trabalhos acadêmicos Apresentação Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 2º andar CEP 20003-900 Caixa Postal

Leia mais

(Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO. Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos

(Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO. Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos (Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos Revisto e atualizado de acordo com a NBR 15287/2011 Brasília 2011 1 APRESENTAÇÃO De acordo

Leia mais

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório.

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório. 1 - ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO O relatório do Estágio Supervisionado de todos os cursos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Minas Gerais Campus Formiga - irá mostrar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Iniciação à Pesquisa em Informática Profª MSc. Thelma E. C. Lopes e-mail: thelma@din.uem.br 2 Texto Científico: o que é? A elaboração do texto científico

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS 0 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS PIRENÓPOLIS 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (FTA) VITÓRIA DA CONQUISTA BA 2009

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003)

PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003) PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003) Maio de 2012. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Biblioteca Universitária. Programa de capacitação. 2 NORMAS

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE 1 INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE INSTRUÇÕES GERAIS: papel branco A4, fonte Arial tamanho 12, com espaçamento de 1,5 cm entre as linhas,

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 1 ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 1 APRESENTAÇÃO Tanto o artigo quanto a monografia são trabalhos monográficos, ou seja, trabalhos que apresentam resultados de pesquisa sobre um

Leia mais

MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF)

MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF) (Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF) 3ª edição Revisto e atualizado

Leia mais

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (ABNT/NBR-14724, AGOSTO 2002)

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (ABNT/NBR-14724, AGOSTO 2002) NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (ABNT/NBR-14724, AGOSTO 2002) DIRETOR: Profº. Daniel Jorge dos Santos Branco Borges COORDENADORA PEDAGÓGICA: Profª. Paloma Martinez Veiga Branco COORDENADORA

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ CAMPUS CENTRO-OESTE DONA LINDU CCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA

Leia mais

PIM I. Projeto Integrado Multidisciplinar

PIM I. Projeto Integrado Multidisciplinar PIM I Projeto Integrado Multidisciplinar PIM I - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Descrição e Análise de Práticas de Gestão Organizacional em uma Empresa. OBJETIVOS: Favorecer aos alunos ingressantes

Leia mais

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA 1 Prezado(a) aluno(a), Este roteiro foi preparado para auxiliá-lo na elaboração de sua monografia (TCC). Ele o apoiará na estruturação das etapas do seu trabalho de maneira

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS APRESENTAÇÃO O trabalho deve ser digitado e impresso em papel formato A4. O texto deve ser digitado, no anverso das folhas, em espaço 1,5, letra do tipo

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO 39 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO 1. MONOGRAFIA Monografias são exposições de um problema ou assunto específico, investigado cientificamente, assim, não exige originalidade,

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Mestrado Profissional em Metrologia e Qualidade Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial 2010 APRESENTAÇÃO

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: de acordo com as normas da ABNT

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: de acordo com as normas da ABNT ESCOLA E FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ANTÔNIO ADOLPHO LOBBE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: de acordo com as normas da ABNT SÃO CARLOS 2010 MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS:

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA APRESENTAÇÃO NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS O trabalho deve ser digitado e impresso em papel

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E HUMANAS Programa de Pós-Graduação em Biotecnociência Título Santo André dd/mm/aaaa Normas para Dissertações Mestrado em Biotecnociência - UFABC.

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS BIBLIOTECA PROF. DR. ALFONSO TRUJILLO FERRARI

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS BIBLIOTECA PROF. DR. ALFONSO TRUJILLO FERRARI INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS BIBLIOTECA PROF. DR. ALFONSO TRUJILLO FERRARI GUIA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: diretrizes para normalização Rosemeire Zambini Bibliotecária CRB5018

Leia mais

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS Baseado nas obras de Júnia Lessa França e Ana Cristina de Vasconcellos; Rosy Mara Oliveira. Atualizado

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É essencial o uso de normas técnicas para uma boa apresentação e compreensão da leitura de um trabalho acadêmico-científico.

Leia mais

Normas para Redação da Dissertação/Tese

Normas para Redação da Dissertação/Tese Normas para Redação da Dissertação/Tese Estrutura A estrutura de uma dissertação, tese ou monografia compreende três partes fundamentais, de acordo com a ABNT (NBR 14724): elementos prétextuais, elementos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAMPINA GRANDE 2015 1 DISSERTAÇÃO A defesa pública da dissertação

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO. REVISTA DiCA!

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO. REVISTA DiCA! CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO REVISTA DiCA! Biblioteca - FAAG Tel. (14) 3262-9400 Ramal: 417 Email: biblioteca@faag.com.br http://www.faag.com.br/faculdade/biblioteca.php

Leia mais

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ Prof. Marat Guedes Barreiros GUARUJÁ 2º semestre de 2013 PROJETO MULDISCIPLINAR Curso superior de BACHAREL em

Leia mais

Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica:

Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica: Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica: Conforme NBR 6022:2003 Seção de atendimento ao usuário - SISBI Outubro 2013 Normas técnicas Norma técnica é um documento estabelecido

Leia mais

Normas para Apresentação de Monografias

Normas para Apresentação de Monografias UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Normas para Apresentação de Monografias Campina Grande, dezembro 2010

Leia mais

MARIA BERNADETE MIRANDA

MARIA BERNADETE MIRANDA MARIA BERNADETE MIRANDA Trabalhos Acadêmicos segundo a ABNT-NBR 14724:2002 NORMALIZAÇÃO DOCUMENTÁRIA! Referências! Citações em documentos! Trabalhos Acadêmicos ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS!

Leia mais

NORMATIZAÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE TCC COM BASE NAS NBR S. Por: Edirlane Carvalho de Souza Freitas - Bibliotecária

NORMATIZAÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE TCC COM BASE NAS NBR S. Por: Edirlane Carvalho de Souza Freitas - Bibliotecária NORMATIZAÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE TCC COM BASE NAS NBR S. Quem define a normatização técnica? Normas mais comuns utilizadas em trabalhos acadêmicos: NBR 6023 Referências; NBR 6024 Numeração progressiva

Leia mais

NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL AQUIDAUANA MS 2009 1. PAPEL E PROCESSO DE MULTIPLICAÇÃO O papel

Leia mais

ABNT NBR 15287 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação

ABNT NBR 15287 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15287 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação Information and documentation Research project Presentation

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP 2011 ESTRUTURA 1 ELEMENTOS DE PRÉ-TEXTO 1.1 Capa 1.2 Lombada descendente 1.3 Folha de rosto 1.4 Folha de aprovação 1.5 Dedicatória 1.6 Agradecimentos 1.7 Epígrafe

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Centro de Excelência em Turismo MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB Por: Jakeline V. de Pádua APRESENTAÇÃO As páginas que se seguem especificam os princípios gerais

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ARACAJU 2012 2 PREFÁCIO A apresentação dos trabalhos acadêmicos

Leia mais

Título do trabalho: subtítulo do trabalho

Título do trabalho: subtítulo do trabalho Título do trabalho: subtítulo do trabalho Resumo Este documento apresenta um modelo de formatação a ser utilizado em artigos e tem como objetivo esclarecer aos autores o formato a ser utilizado. Este documento

Leia mais

FACULDADE DOM BOSCO. Credenciada através da Portaria nº 2.387, D.O.U. em 12/08/2004 Cornélio Procópio/Paraná MANUAL DE TRABALHO DE CURSO

FACULDADE DOM BOSCO. Credenciada através da Portaria nº 2.387, D.O.U. em 12/08/2004 Cornélio Procópio/Paraná MANUAL DE TRABALHO DE CURSO FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº 2.387, D.O.U. em 12/08/2004 Cornélio Procópio/Paraná MANUAL DE TRABALHO DE CURSO CORNÉLIO PROCÓPIO 2012 Como elaborar um TC 1 Introdução Objetiva-se

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA Normas para elaboração de Dissertações do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais MODELO

Leia mais

ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011]

ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011] ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011] Professora Alcione Mazur 25/07/11 Cancela e substitui a edição anterior. ABNT NBR 14724: 2005 Não houve alterações na estrutura do trabalho, mas em uma

Leia mais

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 2 você deverá:

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 2 você deverá: Tópico 2 Trabalhos acadêmicos: monografias, dissertações, teses e memoriais n. O que você deverá saber Ao final do estudo do Tópico 2 você deverá: - saber identificar cada tipo de trabalho acadêmico, bem

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -TCC

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -TCC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE QUÍMICA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -TCC 1 APRESENTAÇÃO As recomendações a seguir resumem os princípios para a elaboração

Leia mais

MANUAL DE NORMATIZAÇÃO PARA ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL DE NORMATIZAÇÃO PARA ARTIGOS CIENTÍFICOS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS - CESCAGE FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DE NORMATIZAÇÃO PARA ARTIGOS CIENTÍFICOS PONTA GROSSA 2010 2 SUMÁRIO 1

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (ABNT - NBR 15287- válida a partir de 30.01.2006) 1 COMPONENTES DE UM PROJETO DE PESQUISA (itens em negrito são obrigatórios) ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Capa

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA APRESENTADA NO FINAL DO CURSO

NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA APRESENTADA NO FINAL DO CURSO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E O U R O P R E T O - U F O P ESCOLA DE MINAS EM C O L E G I A D O C U R S O E N G E N H A R I A D E C O N T R O L E E A U T O M A Ç Ã O ( C E C A U ) NORMAS PARA

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP FACULDADE (do aluno) CURSO TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO TÍTULO DO RELATÓRIO AUTOR(ES) DO RELATÓRIO SÃO PAULO 200_ NOTA PRÉVIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado MANUAL DE DEFESA Exame de Qualificação: banca examinadora

Leia mais

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO HOSPITALAR PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Elaborar um estudo acerca Estrutura e Funcionamento do Sistema de Saúde Pública e Privada no Brasil.

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2 UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA COORDENAÇÃO ADJUNTA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

Guia rápido ABNT NBR 10520:2002 Informação e documentação Citações em documentos

Guia rápido ABNT NBR 10520:2002 Informação e documentação Citações em documentos Guia rápido ABNT NBR 10520:2002 Informação e documentação Citações em documentos O que é uma citação? É a menção de uma informação extraída de outra fonte. TIPOS DE CITAÇÕES Citação direta Citação indireta

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1)

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) 1 COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) SOBRENOME, Nome Aluno 1 Graduando em Administração de Empresas Decision/FGV SOBRENOME, Nome Aluno 2 Graduando em Administração de Empresas Decision/FGV RESUMO Este

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO A SER APRESENTADO AO FINAL DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL

Leia mais

GUIA PARA EDIÇÃO DE DISSERTAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E OUTROS TRABALHOS NO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS MOLECULARES

GUIA PARA EDIÇÃO DE DISSERTAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E OUTROS TRABALHOS NO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS MOLECULARES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS MOLECULARES GUIA PARA EDIÇÃO DE DISSERTAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E OUTROS

Leia mais

NORMAS INTERNAS PARA ELABORAÇÃO DAS DISSERTAÇÕES E TESES

NORMAS INTERNAS PARA ELABORAÇÃO DAS DISSERTAÇÕES E TESES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS NORMAS INTERNAS PARA ELABORAÇÃO DAS DISSERTAÇÕES E TESES Material de apoio para elaboração padronizada

Leia mais

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO Finalidade de um Artigo Científico Comunicar os resultados de pesquisas, idéias e debates de uma maneira clara, concisa e fidedigna. Servir de medida da produtividade

Leia mais

Faculdade de Tecnologia da Zona Sul

Faculdade de Tecnologia da Zona Sul Faculdade de Tecnologia da Zona Sul NORMAS TÉCNICAS PARA TRABALHOS ACADÊMICOS DE ACORDO COM A ABNT Profª Dra. Márcia Araújo 1 RESUMO DAS NORMAS PARA TRABALHOS ACADÊMICOS Este resumo é indicado, principalmente,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS A DISSERTAÇÃO DE MESTRADO E A TESE DE DOUTORADO Orientação e Normas aprovadas pela

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FLORIANO/ 2013 É importante enfatizar que as regras constantes neste manual para a apresentação do projeto de TCC e para a apresentação do próprio

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Andersown Becher Paes de Barros * Ideraldo Bonafé ** RESUMO Este trabalho apresenta

Leia mais

ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO

ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO ORIENTAÇÕES BÁSICAS ESTRUTURA DO ARTIGO Regra geral um artigo possui a seguinte estrutura: 1.Título 2. Autor (es) 3. Resumo e Abstract 4. Palavras-chave; 5. Conteúdo (Introdução,

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA NORMATIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS E TÉCNICO-CIENTÍFICOS DA CATÓLICA DE SANTA CATARINA

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA NORMATIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS E TÉCNICO-CIENTÍFICOS DA CATÓLICA DE SANTA CATARINA CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA NORMATIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS E TÉCNICO-CIENTÍFICOS DA CATÓLICA DE SANTA CATARINA JARAGUÁ DO SUL 2011 1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Faculdade de Jussara FAJ Curso de Direito Coordenação de Trabalho de Conclusão de Curso MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Jussara 2013 APRESENTAÇÃO Este manual

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (Conforme as Normas Técnicas da ABNT)

GUIA PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (Conforme as Normas Técnicas da ABNT) GUIA PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (Conforme as Normas Técnicas da ABNT) Maceió 2011 1 TIPOS DE TRABALHOS CIENTÍFICOS Na academia de ensino superior podemos encontrar os seguintes tipos de trabalhos:

Leia mais