1. APRESENTAÇÃO. Discutindo a Carreira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. APRESENTAÇÃO. Discutindo a Carreira"

Transcrição

1 1. APRESENTAÇÃO Tem o presente por finalidade fazer uma breve apresentação dos regimes de trabalho possíveis de aplicação no Serviço Público, seja ele federal, estadual ou municipal, assim como os seus reflexos no respectivo regime previdenciário. Em outras palavras, busca-se verificar, pormenorizadamente, quais os regimes de trabalho aceitáveis para toda pessoa que com o Poder Público mantém, ou pretende manter, uma relação de trabalho de natureza profissional e de caráter não eventual. Dois são os regimes de trabalho passíveis de adoção pelo Poder Público no respectivo âmbito. Pode a opção recair pelo regime de trabalho regido pela Consolidação das Leis do Trabalho, a conhecida CLT, regime esse também comumente designado por regime celetista, ou, por outro lado, pode a opção pelo Administrador Público incidir no regime de trabalho estatutário, que é aquele no qual a relação é regida por um estatuto próprio (uma lei específica), que, todavia, não se confunde com a CLT, pois possui características próprias. Assim sendo, com a finalidade de bem situar o leitor quanto a esses aspectos, procuraremos distinguir adiante cada um desses regimes, demonstrando as suas características e peculiari dades, bem assim como é cada um deles contemplado no que se refere aos regimes previdenciários que lhes aplicam. Para tanto, dividiremos esta cartilha em duas partes. Na primeira, realizaremos a mencionada caracterização dos dois regimes de trabalho e regimes previdenciários que lhes são aplicáveis, demonstrando, inclusive, alguns de seus pontos favoráveis e alguns de seus pontos desfavoráveis; já na segunda parte, tentaremos esgotar o assunto, procurando elencar as dúvidas mais frequentes que esses temas podem provocar entre os servidores públicos e oferecendo suas respostas. Com certeza, apesar dos esforços, nem todas as possíveis dúvidas serão previstas, mas, seguramente, grande parte delas o será, sendo certo que, depois, em outra instância, poder-se-á criar mecanismos para a sua elucidação. 01

2 1.1 REGIME DE TRABALHO DA CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO - CLT Considerações gerais Esse é o regime mais conhecido entre nós, uma vez que é o tradicionalmente utilizado nas relações de trabalho existentes na iniciativa privada, ou seja, nas indústrias, no comércio, etc. Logo, é um regime típico do setor privado e, aliás, não poderia ser diferente, uma vez que foi exatamente para ele que foi criado. Trata-se, como já mencionado, de regime de trabalho regulado pela CLT. É esse diploma legal que estabelece os contornos básicos dos direitos e deveres das partes contratantes, ou seja, do empregado e do empregador, mas, importante é observar, não sem deixar uma certa margem para que ambos, contratualmente, convencionem algumas particularidades. Há, pois, certa margem para o acordo de vontades, para a via consensual. Por conta disso tudo é que esse regime é também chamado de regime contratual, pois é em cima de um negócio jurídico (contrato, no caso) que ele repousa. Dele e da conhecida Carteira de Trabalho e Previdência Social, a famosa CTPS, que contém os dados essenciais do contrato, como data de admissão do empregado na empresa, a função a ser exercida, a remuneração a ser percebida, etc. Por força de previsão constitucional, atualmente todo emprego público (tal qual os cargos públicos, que são próprios do regime estatutário) somente é acessível mediante seleção pública. Assim, somente se empregará junto ao Poder Público, integrando os seus quadro de servidores permanentes (aí excluídos os empregos de confiança e os temporários por excepcional interesse público), depois de obter aprovação e classificação numa seleção pública. Isso porque, todos têm direito a concorrer a um emprego público, sendo o concurso a porta de entrada para tanto, já que propiciador de igualdade de condições a todos os cidadãos que tal desejem. Apenas a título exemplificativo, podemos citar como direitos dos trabalhadores vinculados ao regime da CLT, os seguintes: - CTPS assinada desde o primeiro dia de trabalho; - exames médicos de admissão e demissão; - repouso semanal remunerado; - salário pago até o 5º dia útil do mês; - primeira parcela do 13º salário paga até 30 de novembro e a segunda até 20 de dezembro; - férias de 30 dias com acréscimo de 1/3 do salário; - licença maternidade de 120 dias, com garantia de emprego até 5 meses após o parto; - licença paternidade de 5 dias; - FGTS - Fundo de Garantia Tempo de Serviço; - vale-transporte; - auxílio-refeição; - horas extras pagas com acréscimo de 50% do valor da hora normal; - adicional noturno de 20% para quem trabalha das 22h às 5h; - garantia de 12 meses de trabalho em caso de acidente; - faltas ao trabalho nos casos de casamento (3 dias), morte de parente próximo (2 dias), doença comprovada por atestado médico, doação de sangue (1 dia por ano), alistamento militar (2 dias), testemunho na Justiça do Trabalho (no próprio dia); - seguro-desemprego Regime previdenciário O regime jurídico previdenciário aplicável ao regime de trabalho da CLT é o bastante 02

3 conhecido Regime Geral de Previdência Social (RGPS), que, como sabemos, é aquele administrado pelo INSS. Ele possui caráter contributivo e é de filiação obrigatória, compreendendo, de um modo geral, a cobertura dos eventos de doença, invalidez, morte e idade avançada; proteção à maternidade, especialmente à gestante; proteção ao trabalhador em situação de desemprego involuntário; salário-família e auxílio-reclusão para os dependentes dos segurados de baixa renda; pensão por morte do segurado, homem ou mulher, ao cônjuge ou companheiro e dependentes, não inferior a um salário mínimo. Os benefícios previdenciários concedidos pelo RGPS constituem valores pagos em dinheiro aos segurados e dependentes. São os seguintes esses benefícios: a) concedidos ao segurado: - aposentadoria por invalidez; - aposentadoria por tempo de contribuição; - aposentadoria por idade; - aposentadoria especial; - auxílio-doença; - salário-família; - salário-maternidade; - auxílio-acidente. b) concedidos aos dependentes do segurado: - pensão por morte; - auxílio-reclusão. Já se observou que a Previdência Social do RGPS é de caráter contributivo. Logo, empregados e empregadores devem contribuir para o sistema. De modo geral, as empresas ou equiparados contribuem com a alíquota de 20% sobre o total das remunerações pagas aos segurados empregados que lhes prestam serviços. Já os segurados empregados contribuem tendo em vista o respectivo salário de contribuição, ou seja, aquele cujo salário de contribuição for de até R$ 911,70, contribui com a alíquota de 8,0%; quando se situar dito salário entre R$ 911,71 e R$ 1.519,50, a contribuição será na alíquota de 9,0% e, por fim, se o salário de contribuição se situar entre R$ 1.519,51 e R$ 3.038,99, com a alíquota de 11% Benefícios: Adiante, cuidaremos, mesmo que resumidamente, de cada um dos benefícios acima listados Aposentadoria por invalidez: A aposentadoria por invalidez é aquela concedida ao segurado que for considerado incapaz para o trabalho e insuscetível de reabilitação para o exercício de atividade que lhe garanta a subsistência, e ser-lhe-á paga enquanto permanecer nessa condição. O benefício corresponderá a 100% do salário de benefício e será devido a contar do dia imediato da cessação do auxílio-doença Aposentadoria por tempo de contribuição: Pois bem, dentre as aposentadorias, cumpre especificar que a mais comum entre nós é a aposentadoria por tempo de contribuição, que pode ser integral ou proporcional. 03

4 Para se ter direito à aposentadoria por tempo de contribuição integral, deve o homem comprovar, pelo menos, 35 anos de contribuição e a mulher, 30 anos. Já para requerer a aposentadoria por tempo de contribuição proporcional, o trabalhador tem que combinar dois requisitos: o tempo de contribuição e a idade mínima. Os homens podem requerer aposentadoria proporcional aos 53 anos de idade e 30 anos de contribuição (mais um adicional de 40% sobre o tempo que faltava em 16 de dezembro de 1998 para completar 30 anos de contribuição). Já as mulheres possuem direito à proporcional aos 48 anos de idade e 25 anos de contribuição (mais um adicional de 40% sobre o tempo que faltava em 16 de dezembro de 1998 para completar 25 anos de contribuição). O cálculo da aposentadoria por tempo de contribuição é feito levando-se obrigatoriamente em consideração o fator previdenciário, que, importa dizer, é calculado considerando-se a idade, a expectativa de sobrevida e o tempo de contribuição do segurado ao se aposentar, utilizando-se uma fórmula estabelecida por lei. Terá um cálculo com resultado melhor o trabalhador que tiver maior tempo de contribuição e tiver idade mais avançada Aposentadoria por idade: A aposentadoria por idade é outra modalidade comum. Ela tem por objetivo a proteção do processo de envelhecimento do segurado, assim como se verifica, para o trabalhador urbano, aos 65 anos para homens e aos 60 anos para mulheres. Os respectivos proventos serão calculados à razão de 70% do salário-de-benefício (média aritmética simples dos maiores salários de contribuição correspondentes a 80% de todo o período contributivo) mais 1% para cada grupo de 12 contribuições até 100% do mencionado salário-de-benefício. Nessa modalidade de aposentadoria a aplicação do fator previdenciário é facultativa Aposentadoria especial: Será devida aposentadoria especial ao segurado que tenha trabalhado durante 15, 20 ou 25 anos, conforme o caso, sujeito a condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física. Ela dependerá de comprovação pelo segurado, perante o INSS, do tempo de trabalho permanente exercido em condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física, durante o período mínimo acima citado. A renda mensal do benefício de aposentadoria especial consiste em 100% do salário-de-benefício Auxílio-doença: O auxílio-doença será devido ao segurado que ficar incapacitado para o seu trabalho ou para a sua atividade habitual por mais de quinze dias consecutivos. Ele será devido, independentemente de carência, aos segurados quando sofrerem acidente de qualquer natureza. Além disso, o auxílio-doença consiste numa renda mensal correspondente a cem por cento do salário-de-benefício Salário-família: O benefício previdenciário do salário-família será devido, mensalmente, ao segurado 04

5 empregado, exceto o doméstico, e ao trabalhador avulso que tenham salário-de-contribuição inferior a R$ 862,11, sendo que cada dependente fará jus a R$ 29,41, se o mencionado salário for inferior a R$ 573,58, ou R$ 20,73, caso dito salário situe-se entre R$ 573,58 e R$ 862, Salário-maternidade: O salário-maternidade é devido à segurada da Previdência Social, durante 120 (cento e vinte) dias, com início vinte e oito dias antes e término noventa e um dias depois do parto, podendo ser prorrogado na forma prevista em norma própria. O salário-maternidade para a segurada empregada consiste numa renda mensal igual à sua remuneração integral Auxílio-acidente: O auxílio-acidente será concedido, como indenização, ao segurado empregado quando, após a consolidação das lesões decorrentes de acidente de qualquer natureza, resultar sequela definitiva que implique a redução da capacidade para o trabalho que habitualmente exercia e se enquadre nas situações discriminadas em diploma legal próprio; a redução da capacidade para o trabalho que habitualmente exercia e exija maior esforço para o desempenho da mesma atividade que exercia à época do acidente; ou, a impossibilidade de desempenho da atividade que exercia à época do acidente, porém permita o desempenho de outra, após processo de reabilitação profissional, nos casos indicados pela perícia médica do Instituto Nacional do Seguro Social. O auxílio-acidente mensal corresponderá a cinquenta por cento do salário-de-benefício que deu origem ao auxílio-doença do segurado, corrigido até o mês anterior ao do início do auxílio-acidente e será devido até a véspera do início de qualquer aposentadoria ou até a data do óbito do segurado. O benefício em questão será devido a contar do dia seguinte ao da cessação do auxíliodoença, independentemente de qualquer remuneração ou rendimento auferido pelo acidentado, proibida a sua acumulação com qualquer aposentadoria Pensão por morte: A pensão por morte, por sua vez, é o benefício devido aos dependentes do trabalhador segurado que falecer. O valor da pensão por morte de trabalhador urbano corresponde a 100% do valor da aposentadoria que o segurado recebia no dia da morte ou que teria direito se estivesse aposentado por invalidez. Se o trabalhador tiver mais de um dependente, a pensão por morte será dividida igualmente entre todos. Observe-se que, quando um dos dependentes perder o direito ao benefício, a sua parte será dividida entre os demais Auxílio-reclusão: O benefício do auxílio-reclusão será devido, nas mesmas condições da pensão por morte, aos dependentes do segurado recolhido à prisão que não receber remuneração da empresa nem estiver em gozo de auxílio-doença, aposentadoria ou abono de permanência em serviço, desde que 05

6 o seu último salário-de-contribuição seja inferior ou igual a R$ 862, Pontos fortes e pontos fracos do Regime de Trabalho da CLT e do Regime Geral de Previdência Pontos fortes - uniformidade normativa em nível nacional, já que todas as regras são editadas pela União; - FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço; - gestão previdenciária única pelo INSS - Instituto Nacional do Seguro Social; - garantia do Tesouro Nacional dos benefícios previdenciários concedidos pelo INSS Pontos fracos - financiamento do sistema previdenciário do RGPS pelo regime de caixa, ou seja, os trabalhadores em atividade contribuem para o pagamento das aposentadorias e pensões dos atuais aposentados e pensionistas; - impossibilidade de capitalização dos recursos, uma vez que o dinheiro arrecadado é gasto exclusiva e totalmente com o pagamento das aposentadorias e pensões existentes; - a elevação da expectativa de vida do brasileiro gera aumento do tempo de gozo de benefícios promovendo um maior número de aposentados; - o aumento de trabalhadores ativos é inferior ao crescimento do número de aposentados, implicando um déficit financeiro do sistema que se agravará ao longo dos anos; - aposentadorias e pensões com valor limitado ao teto imposto por lei; - regras de contagem de tempo de contribuição e de cálculo dos valores das aposentadorias bastante rígidas e desfavoráveis ao empregado; - inexistência de estabilidade no emprego (efetividade); 1.2 REGIME DE TRABALHO ESTATUTÁRIO Considerações gerais Contraponto do regime da CLT no Serviço Público é o regime estatutário, que, diga-se desde logo, é o regime de trabalho típico dessa área, pois foi para ela especificamente criado. Em vista disso, claro está que o regime estatutário apenas tem aplicação na área pública, sendo vedado na área privada, na qual celetista é exclusivo. Logo, nunca será ele visto na iniciativa privada, pois somente pode existir na área pública, ou seja, nos órgãos da Administração Direta ou Indireta de qualquer nível, ou seja, da União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O regime estatutário, como já sugere a própria designação, é aquele em que a relação de trabalho é regulada por uma lei própria, ou seja, por um estatuto específico editado pelo Poder Público. 06

7 Esse estatuto, de forma geral, disciplinará a relação de trabalho do servidor público civil do respectivo ente estatal, dispondo sobre a forma de acesso aos cargos de forma geral, dentre eles os efetivos, os de confiança e os temporários por excepcional interesse público; os direitos e deveres dos servidores; as vantagens e gratificações pecuniárias; planos de carreiras, etc. Cite-se, ainda, que dentre os referidos direitos incluem-se, exemplificativamente, os concernentes a: - estabilidade; - férias anuais com gratificação de 1/3 dos vencimentos (que no caso da Prefeitura Municipal de Guarujá é de 1/2 dos vencimentos); - remuneração e demais vantagens pecuniárias (adicional por tempo de serviço; - sexta-parte; - gratificação por nível universitário, por representação em decorrência de exercício diferenciado, como em gabinete, por exemplo, etc.; - horas extras; - licenças para tratamento da saúde (própria e ou de familiar); - licença maternidade de 120 dias; - licença paternidade de 5 dias; - falta por motivo de casamento; por falecimento de parente, etc.; - exercício de mandato eletivo; - afastamentos; - assistência; - direito de petição; - disponibilidade e aposentadoria, entre outros. Todas essas disposições e muitas outras deverão, portanto, estar estabelecidas no estatuto dos servidores do ente público. E é por conta disso que a relação, neste caso, é estatutária, ou seja, decorre de uma lei, e não de um contrato. É ela, então, estabelecida unilateralmente (pela lei) e não resultante de um acordo de vontades, como ocorre dentre os celetistas, onde a relação, como já mencionado, é contratual, já que decorre de um contrato celebrado entre as partes (empregado e empregador) Regime previdenciário Ao servidor titular de cargo efetivo de qualquer unidade federada, inclusive suas autarquias e fundações, é assegurado regime próprio de previdência, de caráter contributivo e solidário, mediante contribuição do respectivo ente público, dos servidores ativos e inativos e dos pensionistas, observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial, dentre outros parâmetros estabelecidos na Constituição Federal (art. 40). O regime próprio de previdência do servidor em questão, que é conhecido pela sigla RPPS, convive com o RGPS, porém, como mencionado, ele é exclusivamente voltado ao servidor efetivo. São as principais características do RPPS o caráter contributivo, o equilíbrio financeiro e o caráter solidário. O servidor público efetivo tem direito às seguintes prestações previdenciárias: - aposentadoria por invalidez; - aposentadoria compulsória; - aposentadoria voluntária por tempo de contribuição; - aposentadoria voluntária por idade; 07

8 - aposentadoria especial; - salário-família; - auxílio-doença (licença para tratamento de saúde); - salário-maternidade (licença-gestante e licença-adoção); Já os seus dependentes têm direito às seguintes: - pensão por morte; - auxílio-funeral; - auxílio-reclusão. Além disso, nas condições que especifica, a Constituição também permite a instituição da previdência complementar do servidor público. As contribuições do Poder Público e dos servidores para o RPPS são obrigatórias, sendo que o Poder Público não pode contribuir com mais do que o dobro da alíquota a cargo do servidor, cujo mínimo adotado é o de 11%. Geralmente, o Poder Público contribui com uma alíquota entre 15 e 22% e o servidor com uma de 11%, sempre conforme estudos atuarias realizados anualmente. Aliás, a obrigação legal de realização de avaliação atuarial a cada ano, constitui um excelente instrumento de avaliação constante da saúde financeira do sistema, possibilitando que se lhe mantenha bem ajustado e evitando situações desfavoráveis. Outra particularidade do RPPS é a de que os proventos da aposentadoria podem ser calculados, conforme o tipo de aposentação, de duas formas: com base na última remuneração durante a atividade ou com base na média das 80% maiores contribuições realizadas ao sistema previdenciário desde Demais disso, conforme o tipo de benefício, sua correção poderá acontecer de duas formas, ou seja, pela regra da paridade ou do reajuste anual. Aplica-se a regra da paridade quando o caso, mediante o reajustamento dos seus proventos sempre que houver reajuste dos vencimentos dos servidores ativos e na mesma proporção. Já no caso do reajuste anual, outra espécie de reajuste, ocorre esse com base na variação do INPC do IBGE. Pois bem, a regra geral, ou permanente, de aposentadoria pelo RPPS está prevista no artigo 40 da Constituição Federal. De acordo com esse dispositivo, o servidor público vinculado a um RPPS pode aposentar-se voluntariamente (sem prejuízo de outros vários tipos de aposentação de caráter transitório), desde que cumprido tempo mínimo de dez anos de efetivo exercício no serviço público e cinco anos no cargo efetivo em que se dará a aposentadoria, de duas formas: a) por tempo de contribuição, desde que conte 60 anos de idade e 35 de contribuição, se homem, e 55 anos de idade e 30 de contribuição, se mulher. b) por idade, aos 65 anos de idade, se homem, e 60 anos de idade, se mulher, com proventos proporcionais ao tempo de contribuição. Todavia, vale dizer que outros tipos de aposentadoria existem, os quais possuem requisitos diferentes, como menor idade (53 anos para homens e 48 para mulheres), porém com o conhecido pedágio ; como com base em direito adquirido anterior às reformas constitucionais previdenciárias, entre outras. Nesse passo, considerando essa diversidade de tipos de aposentadorias existentes no âmbito do RPPS, vejamos adiante cada uma delas, de forma mais esquemática. 08

9 Aposentadorias por tempo de contribuição: Várias são as possibilidades de aposentadoria por tempo de contribuição, como adiante se evidencia Primeira hipótese: regra permanente A aposentadoria por tempo de contribuição de caráter permanente é aquela fundada no artigo 40, 1.º, III, a, da Constituição Federal. Ela consiste atualmente na forma usual de aposentadoria voluntária, é a regra geral, mas que admite exceções, as chamadas regras transitórias, como adiante se detalhará. Nela seus proventos correspondem a 100% da média salarial, como já anteriormente explicado. Essa regra é aplicada aos servidores que ingressaram no serviço público depois de 30/12/2003, que tenham cumprido ou venham a cumprir os seguintes requisitos: HOMEM 60 anos de idade 35 anos de contribuição 10 anos de serviço público 5 anos no cargo em que se dará a aposentadoria Proventos integrais, calculados pela média aritmética simples atualizada de 80% das maiores bases de contribuição, a partir de julho/94, respeitada a última remuneração MULHER 55 anos de idade 30 anos de contribuição 10 anos de serviço público 5 anos no cargo em que se dará a aposentadoria Proventos integrais, calculados pela média aritmética simples atualizada de 80% das maiores bases de contribuição, a partir de julho/94, respeitada a última remuneração Reajuste do Benefício: INPC do IBGE na mesma Observe-se que os professores continuam tendo 5 (cinco) anos de diminuição na idade e na contribuição, desde que comprovem tempo exclusivo de efetivo exercício das funções de magistério, na educação infantil, ensino fundamental e médio Segunda hipótese: regra de transição - redução de idade e de proventos: Esta é uma das já mencionadas regras com caráter transitório, uma vez que se aplica apenas aos servidores que ingressaram no serviço público antes de 16/12/1998 (e, por isso mesmo, chegará uma oportunidade em que ninguém mais poderá nela se encaixar em vista do tempo decorrido). Essa regra, cujo fundamento é encontrado no artigo 2º da Emenda Constitucional n. 41, de 2003, exige os seguintes requisitos: 09

10 HOMEM 53 anos de idade 35 anos de contribuição 5 anos no cargo em que se dará a aposentadoria Acréscimo de 20% sobre o tempo de serviço que faltava, em 16/12/98, para os 35 anos de contribuição. Forma de cálculo: aplicação da média aritmética simples das maiores bases de contribuição, a partir de julho de Aplica-se a redução de 5% sobre cada ano antecipado em relação à idade de 60 anos. MULHER 48 anos de idade 30 anos de contribuição 5 anos no cargo em que se dará a aposentadoria Acréscimo de 20% sobre o tempo de serviço que faltava, em 16/12/98, para os 30 anos de contribuição. Forma de cálculo: aplicação da média aritmética simples das maiores bases de contribuição, a partir de julho de Aplica-se a redução de 5% sobre cada ano antecipado em relação à idade de 55 anos. No caso de professores, há acréscimo sobre o tempo de magistério anterior a 16/12/98 na seguinte razão: para o professor: 17%; para professora: 20%. Exigido, como já se cogitou, exercício exclusivo de função de magistério. Frise-se que se o servidor optar por não se aposentar, fará ele jus a um Abono de Permanência, de igual valor à contribuição previdenciária Terceira hipótese: regra de transição proventos integrais: Essa regra de transição de aposentadoria voluntária por tempo de contribuição, com proventos integrais, encontra fundamento no artigo 6º da Emenda Constitucional n. 41, de 2003, e se aplica aos servidores que ingressaram no serviço público antes de 31/12/2003, assim como que tenha cumprido ou venham a cumprir os seguintes requisitos: HOMEM 60 anos de idade 35 anos de contribuição 20 anos de serviço público 10 anos de carreira 5 anos no cargo em que se dará a aposentadoria Proventos integrais, calculados pela última remuneração no cargo efetivo Reajuste do Benefício: paridade MULHER 55 anos de idade 30 anos de contribuição 20 anos de serviço público 10 anos de carreira 5 anos no cargo em que se dará a aposentadoria Proventos integrais, calculados pela última remuneração no cargo efetivo Reajuste do Benefício: paridade Cite-se que os professores continuam gozando nessa hipótese de aposentação transitória da redução de 5 (cinco) anos nos limites de idade e de tempo de contribuição desde que comprovem tempo exclusivo de efetivo exercício das funções de magistério na educação infantil, no ensino fundamental ou no ensino médio Quarta hipótese: regra de transição proventos integrais: 10 Essa regra, cujos proventos são igualmente integrais como na regra anterior, tem

11 fundamento no artigo 3º da Emenda Constitucional n. 47, de 2005, assim como se distingue pela possibilidade de se poder reduzir um ano na idade para cada ano que exceder ao mínimo para aposentação, bem como se dirigir apenas àqueles servidores que ingressaram no serviço público antes de 16/12/1998. São seus requisitos: HOMEM 35 anos de contribuição 25 anos de serviço público 15 anos de carreira no mesmo ente federativo 5 anos no cargo em que se dará a aposentadoria Idade: 60 anos. Redução de um ano de idade para cada ano que exceder os 35 anos de contribuição Proventos integrais, calculados pela última remuneração no cargo efetivo Reajuste do Benefício: paridade MULHER 30 anos de contribuição 25 anos de serviço público 15 anos de carreira no mesmo ente federativo 5 anos no cargo em que se dará a aposentadoria Idade: 55 anos. Redução de um ano de idade para cada ano que exceder os 30 anos de contribuição Proventos integrais, calculados pela última remuneração no cargo efetivo Reajuste do Benefício: paridade Note-se que, nessa hipótese, de acordo com a emenda constitucional que criou essa regra, não há redução para o professor Aposentadoria por idade: A aposentadoria por idade também se inclui entre as de caráter permanente (e não transitório), encontrando fundamento no artigo 40, 1º, III, b, da Constituição Federal. Nela os proventos são proporcionais ao tempo de contribuição, assim como são calculados com base em 100% da média salarial. HOMEM 65 anos de idade 10 anos de serviço público 5 anos no cargo em que se dará a aposentadoria Proventos proporcionais ao tempo de contribuição (1/ por dia),calculados pela média aritmética simples atualizada de 80% das maiores bases de contribuição, a partir de julho/94, respeitada a proporção sobre a última remuneração MULHER 60 anos de idade 10 anos de serviço público 5 anos no cargo em que se dará a aposentadoria Proventos proporcionais ao tempo de contribuição (1/ por dia), calculados pela média aritmética simples atualizada, de 80% das maiores bases de contribuição, a partir de julho/94, respeitada a proporção sobre a última remuneração Nessa modalidade de aposentadoria, o constituinte não previu condição diferenciada para o professor Aposentadoria compulsória: A aposentação compulsória, que é de aplicação obrigatória pelo Poder Público quando o funcionário completar 70 anos de idade, tem fundamento no artigo 40, 1º, II, da Constituição Federal. 11

12 Esquematicamente, eis seus requisitos: HOMEM 70 anos de idade Proventos proporcionais ao tempo de contribuição (1/ por dia), calculados pela média aritmética simples atualizada de 80% das maiores bases de contribuição, a partir de julho/94, respeitada a proporção sobre a última remuneração PROPORCIONALIDADE: em dias, para que o servidor não tenha nenhum prejuízo. HOMEM Não há exigência de idade mínima Invalidez decorrente de doença comum ou acidente fora do serviço. Proventos proporcionais ao tempo de contribuição (1/ por dia), calculados pela média aritmética simples atualizada de 80% das maiores bases de contribuição, a partir de julho/94, respeitada a proporção sobre a última remuneração MULHER 70 anos de idade Proventos proporcionais ao tempo de contribuição (1/ por dia), calculados pela média aritmética simples atualizada de 80% das maiores bases de contribuição, a partir de julho/94, respeitada a proporção sobre a última remuneração PROPORCIONALIDADE: em dias, para que a servidora não tenha nenhum prejuízo. Nessa modalidade de aposentadoria, por questão óbvia, não há condição diferenciada para o professor Aposentadoria por invalidez: A aposentadoria por invalidez permanente, como referido no artigo 40, 1º, I, da Constituição Federal, tem por regra proventos proporcionais ao tempo de contribuição, salvo se decorrer de acidente em serviço, moléstia profissional ou doença grave, contagiosa ou incurável, na forma da lei, quando serão os proventos integrais (100% da média salarial). São requisitos da aposentadoria por invalidez com proventos proporcionais: MULHER Não há exigência de idade mínima Invalidez decorrente de doença comum ou acidente fora do serviço. Proventos proporcionais ao tempo de contribuição (1/ por dia), calculados pela média aritmética simples atualizada de 80% das maiores bases de contribuição, a partir de julho/94, respeitada a proporção sobre a última remuneração Nessa modalidade de aposentadoria, não há condição diferenciada para o professor. Por outro lado, são requisitos da aposentadoria por invalidez com proventos ditos integrais (100% da média salarial): 12

13 HOMEM Não há exigência de idade mínima Invalidez decorrente de acidente em serviço, moléstia profissional ou doença grave, contagiosa ou incurável, nos termos da lei Proventos integrais, calculados pela média aritmética simples atualizada, de 80% das maiores bases de contribuição, a partir de julho/94, respeitada a última remuneração MULHER Não há exigência de idade mínima Invalidez decorrente de acidente em serviço, moléstia profissional ou doença grave, contagiosa ou incurável, nos termos da lei Proventos integrais, calculados pela média aritmética simples atualizada, de 80% das maiores bases de contribuição, a partir de julho/94, respeitada a última remuneração Como na modalidade anterior de aposentadoria por invalidez, nesta também não há condição diferenciada para o professor Aposentadoria especial: Pela ainda ausência de lei complementar prevista pela Constituição, em seu artigo 40, 4º, ainda não se aplica a aposentadoria especial aos servidores portadores de deficiência; que exerçam atividades de risco; cujas atividades sejam exercidas sob condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física Salário-família: O benefício do salário-família devido mensalmente ao segurado que possuir filho com menos de 14 anos de idade, à razão de R$ 20,73 por filho, se o servidor receber uma remuneração entre R$ 573,58 e R$ 862,11. Outrossim, será de R$ 29,41 se o servidor receber menos de R$ 573,58, sendo certo que esse valores são corrigidos anualmente pelo Ministério da Previdência Social Auxílio-doença: O auxílio-doença consiste num benefício equivalente à média dos últimos 12 meses da base de contribuição do servidor, quando este fica impossibilitado de trabalhar, em razão de doença ou acidente, por mais de 15 dias. Como no RGPS, os primeiros 15 dias de afastamento ficam a cargo da Poder Público empregador Salário-maternidade: O salário-maternidade é um benefício previdenciário equivalente a 100% da base de contribuição da servidora, que lhe é concedido durante 120 dias e a partir do 8º mês de gestação. Ele também é devido nos casos de adoção ou de obtenção de guarda judicial para fins de adoção de criança com idade até um ano, por 120 dias; até 4 anos, por 60 dias, e acima de 4 anos, por 30 dias Pensão por morte: A pensão por morte tem previsão constitucional no artigo 40, 7, sendo seus requisitos: 13

14 HOMEM Dependentes Preferenciais: cônjuge, companheiro(a) e filhos não emancipados, menores de 18 anos ou inválidos O valor da pensão até o teto dos benefícios do INSS, calculados pela última remuneração no cargo efetivo Isenta de contribuição Acima do teto: 70% sobre a parcela que exceder o teto sujeita a contribuição MULHER Dependentes Preferenciais: cônjuge, companheiro(a) e filhos não emancipados, menores de 18 anos ou inválidos O valor da pensão até o teto dos benefícios do INSS, calculados pela última remuneração no cargo efetivo, Isenta de contribuição Acima do teto: 70% sobre a parcela que exceder o teto sujeita a contribuição Como anteriormente já visto, nesta hipótese também não há tratamento distinto para o professor Auxílio-reclusão: O benefício previdenciário do auxílio-reclusão somente beneficia dependente de servidor que tenha sido preso e perceba remuneração igual ou inferior a R$ 862,11, porque a Emenda Constitucional n. 20, de 15/12/1998, assim estabeleceu restritivamente. Apesar disso, essa limitação é anualmente corrigida juntamente com os benefícios concedidos pelo INSS Pontos fortes e pontos fracos do Regime Estatutário e do Regime Próprio de Previdências Pontos fortes - Exclusividade do regime estatutário para servidor público; - Abrangência pelo estatuto das peculiaridades das atividades do servidor público, o que não acontece no regime da CLT, que trata de todos os trabalhadores de forma indistinta; - Possibilidade de efetivação (estabilidade) no serviço público depois da aprovação em estágio probatório, uma vez decorridos três anos da nomeação e início de exercício; - Licença-prêmio (período de descanso remunerado de três meses a cada cinco anos); - Adicional por tempo de serviço (ATS) (biênios ou quinquênios, que constituem vantagens que se incorporam ao vencimento); - Sexta-parte (vantagens que se incorporam ao vencimento após 25 anos de trabalho); - Regime previdência de capitalização: nele o servidor contribui formando um patrimônio para o pagamento da sua própria aposentadoria. - Proventos da aposentadoria calculados, conforme o tipo desse benefício, com base na última remuneração ou na média das 80% maiores contribuições desde 1994; 14

15 - Existência de legislação nacional voltada ao RPPS, salvaguardando-o e garantindo a sua higidez atuarial e financeira; - Imposição legal de realização de estudo atuarial inicial e a cada ano, constitui um excelente instrumento de avaliação constante da saúde financeira do sistema, possibilitando que se lhe mantenha bem ajustado e evitando situações desfavoráveis - Participação do servidor na direção e gestão do órgão previdenciário; - Fiscalização do RPPS pelo Ministério da Previdência; Executivo, Legislativo, Tribunal de Contas e sindicato, além de pelos próprios servidores; - Garantia e proteção do patrimônio previdenciário ser destinado única e exclusivamente ao pagamento de benefícios previdenciários; - Garantia, em última instância, do RPPS pelo Tesouro da respectiva unidade federada; Pontos fracos - Ausência de uma cultura totalmente sedimentada quanto à gestão dos regimes próprios de previdência (RPPSs); - Falta de profissionalização, em níveis ideais, dos gestores dos regimes próprios de previdência, principalmente se comparada com a dos integrantes do RGPS; - Custo da estrutura administrativa para a gestão da previdência; - Reduzido compromisso do Administrador Público com a questão previdenciária. 15

16 PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES CLT: P: Quem é o empregado celetista? R: É o trabalhador cuja relação de trabalho é regida pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). É uma relação contratual, com registro na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS). Logo, o empregado celetista é bem diferente do profissional autônomo e do servidor público estatutário. P: Para que serve a CTPS? R: A CTPS serve para registrar a relação de emprego, cláusulas importantes do contrato de trabalho, anotação do PIS, dados da previdência, além de servir como prova da relação trabalhista, tempo de duração e histórico da vida profissional do empregado. P: O trabalhador celetista pode começar a trabalhar sem a CTPS? R: Não, o trabalhador não pode ser admitido sem a CTPS. P: O que é o 13º salário e como é pago? R: É a gratificação de Natal instituída pela Lei 4090/62 e que deve ser paga ao empregado no final do ano, admitido o pagamento em duas parcelas: a 1ª parcela paga até 30 de novembro e a 2ª parcela até 20 de dezembro (descontados o IRPF, INSS e a 1ª parcela). P: Em que condições é prevista estabilidade provisória do emprego? R: Para o dirigente sindical e membro da CIPA. Desde a candidatura até 1 ano depois do mandato (art. 543 da CLT). Para a gestante, da confirmação da gravidez até 5 meses após o parto (CF). Para o acidentado do trabalho, por 12 meses após a cessação do auxílio-doença pela Previdência. P: Quando o empregado tem direito a faltas justificadas? R: No falecimento do cônjuge, filhos, pai, mãe, irmão ou dependente designado: 2 dias consecutivos. No casamento: 3 dias consecutivos. Nascimento de filho: 5 dias. Doação de sangue: 1 dia a cada 12 meses. Alistamento eleitoral: 2 dias. Por doença desde que atestado pelo INSS: 15 dias. Nos dias de vestibular para curso superior. Estatutário: P: Quem é o funcionário estatutário? R: É toda a pessoa que mantém vínculo laboral de caráter não eventual com um ente público, da Administração Direta, Autárquica e Fundacional Pública, baseado em uma lei, ou seja, em um estatuto, no qual constam as características da ligação profissional, admissão, direitos e deveres, além de outras peculiaridades do regime de trabalho estatutário. P: O servidor estatutário tem direito a abono de férias? R: Sim, como o celetista, o servidor estatutário tem igualmente direito ao abono de férias, uma vez que se trata de uma garantia constitucional. P: Quais os tipos mais comuns de licenças dos funcionários estatutários? R: Conforme a legislação local disciplinar, as licenças mais comuns são a licença para tratar da saúde, licença-prêmio, licença-gestante, licença-adotante, licença-paternidade, licença para tratar de interesses particulares (esta sem vencimentos). P: Em termos de vantagens pecuniárias, quais os adicionais possíveis de serem concedidos ao servidor estatutário? R: O mais corriqueiro é o adicional por tempo de serviço (ATS), que geralmente é concedido após o transcurso de um determinado número de anos. Completado cada período, o funcionário fará jus a mais um percentual. Podem ser biênios; triênios ou quinquênios. Além desse tipo de adicional, há ainda os de função, como, por exemplo, o de dedicação integral (exclusiva)e o de nível universitário. P: Quais são as gratificações possíveis para o servidor estatutário? São várias. Exemplos de gratificações: risco de vida, serviços extraordinários, serviços fora da sede, salário-família, salário-esposa e salário-educação. P: O funcionário estatutário tem direito ao FGTS? R: Não, pois só o celetista faz jus ao FGTS, porém, em compensação, o estatutário tem vários outros que o celetista não possui, como já visto nesta cartilha. 16

17 CLT: Atendendo à determinação de juízo, atendendo às exigências militares, em atividades sindicais desde que representando a entidade sindical em reuniões de organismo internacional: nos dias necessários a cada atividade. P: O contrato de trabalho pode ser alterado pelo empregador, contra a vontade do empregado? R: Não, o contrato de trabalho só pode ser alterado com a concordância de ambas as partes e desde que não prejudique o empregado. Da mesma forma, o empregador não é obrigado a aceitar alteração contratual solicitada pelo empregado. P: O que é Banco de Horas? R: É a compensação de horas extras trabalhadas, por horas de folga para o empregado, em outro dia. É estabelecido o Banco de Horas por acordo coletivo (via sindicato) ou acordo individual (entre empregado e empregador). P: Quando o empregado tem direito a férias? R: Após 12 meses de trabalho, com direito a 30 dias de descanso remunerado, ou proporcional, se tiver faltas injustificadas no período. P: Quem decide quando o empregado deve gozar as férias? R: A decisão é do empregador, de acordo com os interesses da empresa, com exceção de empregados da mesma família que têm o direito às férias no mesmo período e os estudantes, que as férias têm de coincidir no período de férias escolares. P: O empregado pode vender as férias? R: Não. O que pode ser feito é converter 1/3 das férias em pecúnia, devendo manifestar o desejo antes do término do período aquisitivo. P: Se o empregado não gozar as férias por negativa do empregador, o que acontece? R: Se o empregador não conceder férias ao empregado, até 12 meses após o período aquisitivo, deverá pagar em dobro as férias não gozadas, inclusive o terço de férias. P: Se o servidor deixar de ser celetista e passar a ser estatutário, poderá resgatar o FGTS? R: Sim, o resgate poderá ser efetuado após 3 anos de inatividade da conta. Estatutário: P: O servidor estatutário pode se sindicalizar como pode o celetista? R: Sim, o estatutário tem direito à livre associação sindical. Isso porque se trata de um direito constitucional. P: Tal qual o trabalhador celetista, o servidor estatutário também é sujeito a deveres. Quais são, em linhas gerais, esses deveres? R: O Estatuto do servidor, em geral, disciplina um capítulo para relacionar os direitos e deveres dos funcionários estatutários. Dentre eles, os mais frequentes são a assiduidade, a pontualidade, a discrição, a urbanidade, a obediência, a lealdade e o sigilo. P: O funcionário estatutário pode ser exonerado sem qualquer critério? R: Não. Ele, sendo estável, só pode ser desligado do serviço público depois de realizado um processo administrativo, no qual lhe seja garantido o contraditório e a ampla defesa. P: No que consiste a disponibilidade do funcionário estatutário? R: A disponibilidade do servidor estatutário estável é a sua colocação em inatividade remunerada, com proventos proporcionais ao tempo de serviço, até o seu adequado aproveitamento no serviço público. Ela geralmente ocorre quando o cargo do servidor é declarado extinto ou declarado desnecessário. P: Pode o servidor estatutário ser candidato a cargo eletivo nas eleições municipais, estaduais ou federais? R: Pacificamente. A Constituição Federal garante esta possibilidade a todo cidadão, inclusive aos servidores estatutários, que, aliás, têm regras próprias sobre esse tema no referido texto normativo. P: O servidor efetivo, ainda que nomeado para cargo em comissão, ou afastado do seu cargo, continua sendo segurado do RPPS? R: Sim, mesmo nestas situações, ele não perde a condição de segurado do RPPS. P: Como fica o servidor que já se aposentou pelo INSS e continua na ativa, no caso de migração do Regime CLT para o Estatutário? R: Poderá continuar contribuindo para o Regime 17

18 CLT: P: O servidor terá de tomar alguma providência no caso de migração do Regime CLT para o Estatutário? R: Não, todas as providências necessárias serão tomadas pelo Município e o órgão gestor da previdência. RGPS: P: A quem se destina o RGPS? R: Aos trabalhadores com carteira assinada, trabalhadores temporários, diretores-empregados, quem tem mandato eletivo, quem presta serviço a órgãos públicos, como ministros e secretários e cargos em comissão em geral, quem trabalha em empresas nacionais instaladas no exterior, multinacionais que funcionam no Brasil, organismos internacionais e missões diplomáticas instaladas no País. Não estão nesta categoria os empregados vinculados a regimes próprios, como os servidores públicos. P: Quais são os benefícios previdenciários concedidos pelo RGPS? R: Para o segurado são: aposentadoria por invalidez; aposentadoria por tempo de contribuição; aposentadoria por idade; aposentadoria especial; auxílio-doença; salário-família; salário-maternidade; auxílio-acidente. Já para os dependentes do segurado: pensão por morte e auxílio-reclusão. P: Quem são considerados dependentes do empregado vinculado ao RGPS? R: O cônjuge, companheiro(a) e filhos menores de 21 anos ou inválidos, desde que não tenham se emancipado entre 16 e 18 anos de idade, os pais e os irmãos não emancipados, menores de 21 anos ou inválidos. A dependência econômica de cônjuges, companheiros e filhos é presumida. Nos demais casos, deve ser comprovada por documentos, como declaração do Imposto de Renda e outros. Para ser considerado companheiro(a) é preciso comprovar união estável com o(a) segurado(a). Havendo dependentes de uma classe, os integrantes da classe seguinte perdem o direito ao benefício. Estatutário: Geral ou migrar para o Regime Estatutário e passar a contribuir para o Regime Próprio, passando a contar o tempo de contribuição para esse regime. RPPS: P: A quem se destina o RPPS? R: O RPPS é assegurado pela Constituição aos funcionários investidos em cargos de provimento efetivo. Nele não podem ser incluídos os celetistas, os ocupantes de cargos em comissão e outros temporários. P: Quais são os benefícios previdenciários que podem ser concedidos pelo RPPS? R: No mínimo, devem ser concedidos os benefícios de aposentadoria e pensão. No máximo, todos aqueles concedidos pelo RGPS. P: No que consiste a avaliação atuarial que deve ser feita pelo RPPS? R: É um estudo bastante completo que deve ser feito anualmente e que objetiva garantir a saúde financeira do RPPS, presente e futura. P: Quais serão as bases dos proventos da aposentadoria no RPPS? R: Eles serão, conforme o tipo de aposentadoria, integrais, ou seja, com base na última remuneração da atividade ou com base na média salarial das 80% maiores contribuições a partir do ano de P: E como serão os reajustamentos das aposentadorias e pensões? R: Duas são as formas possíveis: paridade com o servidor ativo, se eles tiverem sido integrais, ou pelo mesmo índice aplicado pelo INSS no RGPS, no caso da média salarial. P: No que se baseia a segurança do RPPS? R: Atualmente, o RPPS é bastante seguro, pois conta com uma série de leis que lhe protegem, além de, por força delas, ter de cumprir vários requisitos para a sua subsistência, como as avaliações atuariais, prestação de contas ao MPS, aos Tribunais de Contas, etc. P: O RPPS quebra? R: Não, o RPPS não quebra. Aliás, nenhum órgão público quebra ou entra em falência, pois sempre há 18

19 CLT: P: Qual é o tempo mínimo de contribuição que o segurado do RGPS precisa provar, para obter os benefícios previdenciários? R: Depende de cada benefício solicitado, conforme tabela: Benefício: Carência: Sem carência para as empregadas, empregadas domésticas e trabalhadoras avulsas; Salário-maternidade Auxílio-doença Aposentadoria por invalidez Aposentadoria por idade Aposentadoria especial Aposentadoria por tempo de contribuição 10 contribuições mensais (contribuintes individual e facultativo); 10 meses de efetivo exercício de atividade rural, mesmo de forma descontínua, para a segurada especial. 12 contribuições mensais 12 contribuições mensais 180 contribuições 180 contribuições 180 contribuições Estatutário: outro que o garanta de alguma forma. P: Pode ser extinto? E os segurados? E os benefícios a serem pagos? R: Sim, pode ser extinto na hipótese de não possuir saúde financeira e atuarial, o que, todavia, tem se revelado bastante difícil, pois vários são os mecanismos que impedem que chegue a uma situação insustentável. Contudo, caso se chegue a tanto, o Poder Público central assume as aposentadorias e pensões já concedidas, assim como os demais segurados, que ainda não têm direito a aposentação, passam para o RGPS. P: Há teto para o pagamento dos benefícios? R: Não há teto para o pagamento, até porque as contribuições também não são feitas com qualquer teto, mas sim sobre os vencimentos do funcionário. P: Há piso para o pagamento dos benefícios? R: No mínimo, de acordo com a Constituição, o salário mínimo nacional. P: O que é feito com as contribuições previdenciárias recolhidas ao RPPS? R: As contribuições previdenciárias recolhidas e repassadas apenas podem ser destinadas ao pagamento de benefícios previdenciários, devendo o respectivo gestor, ainda, aplicá-las de sorte a aumentar o patrimônio. Auxílio-acidente Salário-família Pensão por morte Auxílio-reclusão sem carência sem carência sem carência sem carência P: Pode ser usado recurso previdenciário para outra finalidade que não a previdenciária? R: Não. Este recurso, conforme determinado na lei, apenas pode ser utilizado na gestão previdenciária, visando ao pagamento dos benefícios previdenciários. Nem para a assistência médica ele pode ser usado. P: Existe a possibilidade de se receber aposentadoria ou pensão acima do teto de benefícios do INSS? R: Não. E, atualmente, o teto está limitado em R$ 3.689,66, enquanto o piso é de R$ 540. P: Quem fiscaliza o RPPS? R: Vários são os órgãos que fiscalizam o RPPS: Tribunal de Contas; Ministério da Previdência Social, Câmara Municipal, Sindicato dos Servidores e Conselho Fiscal do órgão gestor do RPPS. P: Quem fiscaliza o RGPS? R: O Ministério da Previdência Social - MPS e o Tribunal de Contas da União - TCU. 19

20 CLT: P: Há piso para o pagamento dos benefícios? R: Sim, previsto na Constituição Federal, o salário mínimo nacional. P: O RGPS quebra? R: Não, o RGPS não quebra. Aliás, nenhum órgão público quebra ou entra em falência, pois sempre há outro que o garanta de alguma forma. P: Quais as bases dos proventos de aposentadoria por tempo de contribuição no RGPS? R: Será sempre o salário benefício, que é a média aritmética simples dos maiores salários de contribuição, correspondente a 80% de todo período contributivo, multiplicado pelo fator previdenciário. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de Disponível em: <http://www.planalto.gov. br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 28 fev BRASIL. Decreto n , de 6 de maio de Disponível em: <http://www010.dataprev.gov.br/sislex/paginas/23/1999/3048.htm>. Acesso em: 28 fev BRASIL. Lei n , de 1º de maio de Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em: <http://www.planalto.gov. br/ccivil/decreto-lei/del5452.htm>. Acesso em: 28 fev BRASIL. Lei n , de 24 de julho de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8212cons.htm>. Acesso em: 28 fev BRASIL. Lei n , de 24 de julho de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil/leis/l8213cons.htm>. Acesso em: 28 fev BRASIL. Ministério da Previdência Social. Benefícios da Previdência Social. Disponível em: <http://www.previdenciasocial.gov. br>. Acesso em: 28 fev INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE BARUERI. Cartilha da Previdência Municipal de Barueri. Barueri: IPRESB, s.d. Elaboração: Aguiar Pinheiro & Consultores Associados Texto produzido, organizado e compilado por: Pedro Antônio Aguiar Pinheiro Vitor Rolf Laubé 20

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Emendas Constitucionais Emendas Constitucionais de Revisão Ato das Disposições

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE VALINHOS CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE VALINHOS CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS O Executivo municipal sentindo a necessidade de adotar o Regime Próprio de Previdência Social para os servidores públicos titulares de cargos de provimento efetivo da Prefeitura, do DAEV e da Câmara, e

Leia mais

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário Jose Luis Wagner Luciana Inês Rambo Flavio Alexandre Acosta Ramos Junho de 2009 1 1. Introdução Desde

Leia mais

Saiba Mais! FUNPREV. Fundo de Previdência dos Servidores Municipais de Mariana PREFEITURA DE MARIANA

Saiba Mais! FUNPREV. Fundo de Previdência dos Servidores Municipais de Mariana PREFEITURA DE MARIANA Saiba Mais! FUNPREV Fundo de Previdência dos Servidores Municipais de Mariana PREFEITURA DE MARIANA Apresentamos a você servidor público municipal, segurado do FUNPREV, sua Cartilha Previdenciária. Esta

Leia mais

No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para percepção deste beneficio.

No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para percepção deste beneficio. ESPÉCIES DE BENEFÍCIOS PARA OS SEGURADOS 1. APOSENTADORIA Aposentadoria por Invalidez No âmbito do RPPS Regime Próprio de Previdência Social de Camaçari, não há exigência de cumprimento de carência para

Leia mais

Previdência Social. As Reformas da. Emenda Constitucional 47/05. Daisson Portanova. Outubro/2009

Previdência Social. As Reformas da. Emenda Constitucional 47/05. Daisson Portanova. Outubro/2009 As Reformas da Previdência Social IV encontro do FUNSEMA Seminário de Previdência da Região Metropolitana Emenda Constitucional 47/05 Outubro/2009 Daisson Portanova ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

CARTILHA PREVIDENCIÁRIA

CARTILHA PREVIDENCIÁRIA CARTILHA PREVIDENCIÁRIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES - IPREM IPREM Instituto de Previdência Municipal APRESENTAÇÃO Prezado Servidor, A Lei Complementar nº 35 de 05 de julho de

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DO SERVIDOR PÚBLICO O RPPS é estabelecido por lei elaborada em cada um dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal, e se destina exclusivamente aos servidores públicos titulares

Leia mais

Prof. Alexsandro C Cruz Direito Previdenciário

Prof. Alexsandro C Cruz Direito Previdenciário Prof. Alexsandro C Cruz Direito Previdenciário BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Resumo para Prova AFRF 1. Beneficiários Segurados Obrigatórios Facultativos Empregado Empregado Doméstico Trabalhador Avulso Segurado

Leia mais

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário Jose Luis Wagner Luciana Inês Rambo Flavio Alexandre Acosta Ramos Junho de 2009 Santa Maria Belo

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE - IPREV CARTILHA PREVIDENCIÁRIA

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE - IPREV CARTILHA PREVIDENCIÁRIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE - IPREV CARTILHA PREVIDENCIÁRIA APRESENTAÇÃO A equipe do Instituto de Previdência Municipal de São Gonçalo do Amarante - IPREV apresenta a

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

CARTILHA DA PREVIDÊNCIA MUNICIPAL. TatuíPrev. Instituto de Previdência Própria de Tatuí

CARTILHA DA PREVIDÊNCIA MUNICIPAL. TatuíPrev. Instituto de Previdência Própria de Tatuí CARTILHA DA PREVIDÊNCIA MUNICIPAL TatuíPrev Instituto de Previdência Própria de Tatuí 2013 APRESENTAÇÃO A PREVIDÊNCIA SOCIAL é um direito do trabalhador e de sua família, garantido pela Constituição Federal,

Leia mais

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano

RPPS X RGPS. Atuário Sergio Aureliano RPPS X RGPS Atuário Sergio Aureliano RPPS PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO E O SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS e REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA

Leia mais

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. INTRODUÇÃO O direito previdenciário é o ramo do Direito que disciplina a estrutura das organizações, o custeio, os benefícios e os beneficiários do sistema previdenciário. A

Leia mais

Tem direito aos benefícios previdenciários os BENEFICIÁRIOS, ou seja, todos os segurados e seus dependentes.

Tem direito aos benefícios previdenciários os BENEFICIÁRIOS, ou seja, todos os segurados e seus dependentes. CARTILHA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO O REGIME GERAL DA PREVIDENCIA SOCIAL É REGIDO PELAS LEIS 8.212 E 8.213/91 E TEM POR FINALIDADE ASSEGURAR À SEUS FILIADOS RECEBER BENEFÍCIOS QUE SUBSTITUAM SUA RENDA.

Leia mais

RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES

RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES 1) Já completei 25 anos como professora em sala de aula, tenho hoje 45 anos de idade, com esta idade vou aposentar

Leia mais

TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém

TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém TANHAÉM PREV Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Itanhaém Superintendente: Luciano Moura dos Santos Diretor Adm. Financeiro: Olavo Lopes Perez Diretor de Benefícios: Karine Vecci Rua

Leia mais

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte?

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? 1 Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? A MP 664 de dezembro de 2014 previu uma carência de 24 meses para a obtenção do benefício pensão por morte. Depois de muita discussão no Congresso

Leia mais

Benefícios Previdenciários do INSS Como são concedidos e calculados. Prof. Hilário Bocchi Júnior hilariojunior@bocchiadvogados.com.

Benefícios Previdenciários do INSS Como são concedidos e calculados. Prof. Hilário Bocchi Júnior hilariojunior@bocchiadvogados.com. Benefícios Previdenciários do INSS Como são concedidos e calculados Prof. Hilário Bocchi Júnior hilariojunior@bocchiadvogados.com.br SEGURIDADE SOCIAL Sistema de Seguridade Social Múltipla filiação Filiação

Leia mais

Regras de Aposentadorias e Pensões

Regras de Aposentadorias e Pensões Seguridade Social: A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 5, DE 28 DE ABRIL DE 1999

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 5, DE 28 DE ABRIL DE 1999 INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 5, DE 28 DE ABRIL DE 1999 Estabelece orientação aos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal - SIPEC quanto aos procedimentos operacionais

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações

Senado Federal Subsecretaria de Informações Senado Federal Subsecretaria de Informações Data 19/12/2003 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41 Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do 3º do art. 142 da

Leia mais

TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS

TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS O SINTFUB entende que o servidor que está para aposentar tem de ter esclarecimento sobre os tipos e regras para aposentadorias hoje vigentes antes de requerer esse direito.

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES.

PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES. Fortalecendo o Futuro! PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES. ======================== Informações aos Segurados. ======================== 1 Apresentação Este manual foi elaborado

Leia mais

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA CICLO 2012 TEXTO X A Previdência Social do Servidor Público Valéria Porto Ciclos de Debates - Direito e Gestão Pública A Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário. XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014):

Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário. XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014): Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014): 54. Uma vez criados por lei do ente federativo, vinculam-se aos regimes próprios de previdência social

Leia mais

A D V O G A D O S A S S O C I A D O S

A D V O G A D O S A S S O C I A D O S A D V O G A D O S A S S O C I A D O S QUEM É SEGURADO PELO INSS? É toda pessoa que contribui para a Previdência Social, mantida pelo INSS. Podem também ser beneficiários do Regime Geral da Previdência

Leia mais

- Estudo técnico - Art. 67...

- Estudo técnico - Art. 67... Aposentadoria especial para diretores, coordenadores e assessores pedagógicos - Estudo técnico - A Lei nº 11.301, de 10 de maio de 2006, publicada no Diário 0ficial da União de 11 de maio do mesmo ano,

Leia mais

1 Dados do Servidor MATRÍCULA SIAPE CPF DATA DE NASCIMENTO TELEFONE RESIDÊNCIAL TELEFONE DO TRABALHO CIDADE ESTADO CEP

1 Dados do Servidor MATRÍCULA SIAPE CPF DATA DE NASCIMENTO TELEFONE RESIDÊNCIAL TELEFONE DO TRABALHO CIDADE ESTADO CEP MINISTÉRIO DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE ÓRGÃOS EXTINTOS SAN Quadra 03 Lote A Ed. Núcleo dos Transportes Sala nº 2237 CEP: 70.040-902 BRASÍLIA DF ESPAÇO RESERVADO

Leia mais

A MP revogou o 5º, porém na sua conversão em lei a revogação não se manteve.

A MP revogou o 5º, porém na sua conversão em lei a revogação não se manteve. 1 DIREITO PREVIDENCIÁRIO PONTO 1: Aposentadoria Especial PONTO 2: Aposentadoria por invalidez, Auxílio-Doença e Auxílio-Acidente PONTO 3: Aposentadoria por Idade PONTO 4: Salário Família PONTO 5: Salário

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO E INCLUSÃO DE APOSENTADORIA

MANUAL DE PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO E INCLUSÃO DE APOSENTADORIA MANUAL DE PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO E INCLUSÃO DE APOSENTADORIA 2005 FIXAÇÃO DOS PROVENTOS PELA MÉDIA DAS MAIORES REMUNERAÇÕES A Emenda Constitucional nº 41, de 19.12.2003, introduziu a regra de fixação

Leia mais

Reforma da Previdência em perguntas e respostas

Reforma da Previdência em perguntas e respostas Reforma da Previdência em perguntas e respostas Por Antônio Augusto de Queiroz Com o propósito de esclarecer algumas dúvidas a respeito da reforma da Previdência (Emenda à Constituição nº 41, de 2003 e

Leia mais

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. APOSENTADORIA

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. APOSENTADORIA DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. APOSENTADORIA 1.1 Aposentadoria por invalidez Destina-se aos professores cuja incapacidade ao trabalho é confirmada pelo setor de perícias médicas do INSS. Uma vez concedida

Leia mais

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1- DEFINIÇÃO APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1.1 Passagem do servidor da atividade para a inatividade, com proventos calculados de acordo com a média aritmética das maiores remunerações,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Prezado servidor,

APRESENTAÇÃO. Prezado servidor, 1 3 5 APRESENTAÇÃO Prezado servidor, A Lei Municipal nº 5.111 de 23 de novembro de 2010 criou o AMERIPREV, que é o responsável pela gestão do RPPS, Regime Próprio de Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

37º FONAI Maceió-AL. Atualização Técnica Princípio para assessorar a gestão.

37º FONAI Maceió-AL. Atualização Técnica Princípio para assessorar a gestão. 37º FONAI Maceió-AL Atualização Técnica Princípio para assessorar a gestão. 26 a 30/11/2012 Oficina Técnica Regras de Aposentadoria no Setor Público Pessoal Civil Cleison Faé Aposentadoria no Setor Público

Leia mais

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS ELABORAÇÃO: LIZEU MAZZIONI VERIFICAÇÃO JURÍDICA E REDAÇÃO FINAL: DR. MARCOS ROGÉRIO PALMEIRA

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS ELABORAÇÃO: LIZEU MAZZIONI VERIFICAÇÃO JURÍDICA E REDAÇÃO FINAL: DR. MARCOS ROGÉRIO PALMEIRA TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL- RGPS ELABORAÇÃO: LIZEU

Leia mais

As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais

As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais Secretaria de Estudos, Pesquisas e Políticas Públicas e Secretaria de Formação Política e Sindical. SINDICATO DOS TRABALHADORES

Leia mais

REGRAS DE APOSENTADORIA DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS

REGRAS DE APOSENTADORIA DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS REGRAS DE APOSENTADORIA DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS INTRODUÇÃO Como o objetivo de facilitar o entendimento da matéria relacionada à reforma previdenciária, teceremos alguns comentários

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARUJÁ GUARUJÁ PREVIDÊNCIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARUJÁ GUARUJÁ PREVIDÊNCIA PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARUJÁ GUARUJÁ PREVIDÊNCIA Cartilha dos Direitos Previdenciários dos Servidores Públicos do Município de Guarujá Atualizada até a Emenda 70 de 29 de março de 2012 Caro servidor

Leia mais

A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO

A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social A PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO SALVADOR-BA, 17 DE JULHO DE 2004 PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO RPPS INSTITUÍDOS NO BRASIL Possibilidade

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

Críticas e sugestões através do nosso e-mail: iprevi1@hotmail.com

Críticas e sugestões através do nosso e-mail: iprevi1@hotmail.com 1 CARTILHA DO SEGURADO 1. MENSAGEM DA DIRETORA PRESIDENTE Esta cartilha tem como objetivo dar orientação aos segurados do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Itatiaia IPREVI,

Leia mais

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS.

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS. Direitos básicos dos Profissionais de Educação Física PERGUNTAS E RESPOSTAS CTPS Para que serve a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)? A CTPS serve como meio de prova: a ) da relação de emprego;

Leia mais

PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015

PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015 PROVA DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO TCE-CE FCC 2015 Direito Previdenciário 67. (Auditor de Controle Externo/TCE-CE/FCC/2015): O princípio constitucional estipulando que a Seguridade Social deve contemplar

Leia mais

A Aposentadoria dos. Emendas Constitucionais

A Aposentadoria dos. Emendas Constitucionais A Aposentadoria dos Agentes Públicos P depois das Emendas Constitucionais Carlos Alberto Pereira de Castro Juiz do Trabalho Mestre em Direito Previdenciário rio Introdução Estudo da aposentadoria dos servidores

Leia mais

Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais. Alda Maria Santarosa 1

Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais. Alda Maria Santarosa 1 Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais Alda Maria Santarosa 1 Resumo Nos últimos 25 anos, desde a promulgação da Constituição Federal do Brasil, em 1988, nota-se

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 12 DE AGOSTO DE 2004

ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 12 DE AGOSTO DE 2004 IMPRESSA PARCIALMENTE, EXCLUÍDOS OS TÓPICOS NÃO REFERENTES À APOSENTADORIA. SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 12 DE AGOSTO DE 2004 Publicada no DOU de 17.08.2004 - Atualizada

Leia mais

I P E R O N INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO ESTADO DE RONDÔNIA CARTILHA DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS

I P E R O N INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO ESTADO DE RONDÔNIA CARTILHA DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS CARTILHA DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO ESTADO DE RONDÔNIA E DE SEUS DEPENDENTES IPERON PRESIDENTE: MARIA REJANE SAMPAIO DOS SANTOS VIEIRA DIRETORA DE PREVIDÊNCIA: UNIVERSA LAGOS DIRETORA

Leia mais

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS RPPS E RGPS GUAXUPÉ MG AMOG - Associação dos Municípios da Microrregião da Baixa Mogiana. Pedro Antônio Moreira - AFRFB RGPS REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Art 201 ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

Série Concursos Públicos Direito Previdenciário Wagner Balera Cristiane Miziara Mussi 11ª para 12ª edição

Série Concursos Públicos Direito Previdenciário Wagner Balera Cristiane Miziara Mussi 11ª para 12ª edição p. 32 Substituir pelo texto abaixo: 45. 2009 (15/06) Ratificada pelo Brasil, a Convenção 102, de 1952, da OIT, aprovada pelo Decreto Legislativo 269, de 19.09.2008, do Congresso Nacional. 1 46. 2011 Lei

Leia mais

Unidade II DIREITO SOCIAL. Profa. Ligia Vianna

Unidade II DIREITO SOCIAL. Profa. Ligia Vianna Unidade II DIREITO SOCIAL Profa. Ligia Vianna 1 - Benefícios da previdência social - Segurados Aposentadoria por Invalidez; Aposentadoria por Idade; Aposentadoria por Tempo de Contribuição; Aposentadoria

Leia mais

REGRAS DE APOSENTADORIAS

REGRAS DE APOSENTADORIAS REGRAS DE APOSENTADORIAS Cartilha elaborada para reunião com servidores de Betim - Maio/2015 O IPREMB O IPREMB é uma autarquia que operacionaliza e administra o Regime Próprio de Previdência Social (RPPS)

Leia mais

Cartilha do Participante

Cartilha do Participante Benefício definido (Eletra 01) BENEFICIO DEFINIDO Cartilha do Participante Introdução A ELETRA Fundação Celg de Seguros e Previdência é uma entidade fechada de previdência privada, de fins previdenciários

Leia mais

FONTES DO DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL

FONTES DO DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 8 FONTES DO DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL As fontes do Direito da Seguridade Social podem ser material e formal. As fontes formais são as formas

Leia mais

A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais

A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais A Aposentadoria dos Servidores Públicos Federais Carlos Alberto Pereira de Castro Curitiba, junho de 2008 Introdução Estudo da aposentadoria dos servidores públicos passou a ser relevante com as reformas

Leia mais

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Por Antônio Augusto de Queiroz - Jornalista, analista político e diretor de Documentação do Diap Com o propósito de esclarecer algumas dúvidas

Leia mais

Previdência Social sob a forma de Regime Geral

Previdência Social sob a forma de Regime Geral Previdência Social sob a forma de Regime Geral Estrutura do Sistema Previdenciário no Brasil Regime Geral de Previdência Social (RGPS) Administrado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS); Obrigatório,

Leia mais

II SEMINÁRIO ASTEC: O Regime Próprio de Previdência em Porto Alegre

II SEMINÁRIO ASTEC: O Regime Próprio de Previdência em Porto Alegre II SEMINÁRIO ASTEC: O Regime Próprio de Previdência em Porto Alegre Realização: Apoio: O Previmpa e o Cadastro Previdenciário Palestrante: Dalvin Gabriel José de Souza Atuário Previmpa Finalidade: Mediante

Leia mais

www.adrianamenezes.com.br www.facebook.com/profadrianamenezes DICAS DE OUTUBRO / 2014

www.adrianamenezes.com.br www.facebook.com/profadrianamenezes DICAS DE OUTUBRO / 2014 DICAS DE OUTUBRO / 2014 DICA 01 É de dez anos o prazo de decadência de todo e qualquer direito ou ação do segurado ou beneficiário para a revisão do ato de concessão de benefício, a contar do dia primeiro

Leia mais

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES ALEGRE. Porto Alegre, novembro de 2010

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES ALEGRE. Porto Alegre, novembro de 2010 DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, novembro de 2010 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Os servidores públicos ocupantes de cargo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE DO PREFEITO LEI COMPLEMENTAR Nº 118, DE 17 DE ABRIL 2006. Altera a Lei Complementar nº 008, de 16 de novembro de 1999, que dispõe sobre o estatuto dos servidores públicos da Administração Direta e Indireta dos Poderes

Leia mais

BENEFÍCIOS DO SERVIDOR PÚBLICO

BENEFÍCIOS DO SERVIDOR PÚBLICO BENEFÍCIOS DO SERVIDOR PÚBLICO Simulador de aposentadoria do Servidor Público? A Controladoria-Geral da União (CGU) disponibiliza, em seu site (http://www.cgu.gov.br/simulador/index.asp), um simulador

Leia mais

MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social. Aposentadoria Especial Servidor PúblicoP Impacto decisões STF

MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social. Aposentadoria Especial Servidor PúblicoP Impacto decisões STF MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social Aposentadoria Especial Servidor PúblicoP Impacto decisões STF Aposentadoria Especial Art. 40 4º Constituição Federal

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 22, DE 2007

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 22, DE 2007 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 22, DE 2007 Estabelece normas para o reajuste das aposentadorias e pensões concedidas no âmbito dos regimes próprios de previdência social destinados aos servidores

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE ALAGOAS

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE ALAGOAS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE ALAGOAS Palestra Tema: Formalização de Processo Administrativo na Gestão de Pessoas Aposentadoria é a contraprestação assistencial por serviços prestados, nos termos da

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe conferem a Lei nº 8.490, de

Leia mais

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Análise do Projeto de Lei que dispõe sobre os planos de custeio e de benefícios do regime próprio de previdência social do Estado da Paraíba No dia 20

Leia mais

SEGURIDADE SOCIAL II. PREVIDÊNCIA SOCIAL 1. REGIMES PREVIDENCIÁRIOS BRASILEIROS

SEGURIDADE SOCIAL II. PREVIDÊNCIA SOCIAL 1. REGIMES PREVIDENCIÁRIOS BRASILEIROS I. SEGURIDADE SOCIAL CF/88 Art. 194. A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde,

Leia mais

GUIA DO SEGURADO da Previdência Social

GUIA DO SEGURADO da Previdência Social CÂMARA DOS DEPUTADOS GUIA DO SEGURADO da Previdência Social Conheça os direitos do seu seguro social. ANTONIO BULHÕES Deputado Federal PRB/SP BRASÍLIA Abril/2009 GUIA DO SEGURADO da Previdência Social

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41/03

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41/03 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41/03 1. NOVAS REGRAS PARA OS SERVIDORES QUE INGRESSAREM NO SERVIÇO PÚBLICO APÓS A PROMULGAÇÃO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA EC Nº 41/03. a) Principais Características. - fim da paridade

Leia mais

Capítulo III Informações Financeiras 93

Capítulo III Informações Financeiras 93 4.9 - MOVIMENTAÇÃO Informar a movimentação, com as datas de afastamento e retorno, no formato DD/MM/AAAA, bem como o código, conforme as situações discriminadas no quadro a seguir: Cód H I1 I2 I3 I4 J

Leia mais

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP LEGISLAÇÃO DE PESSOAL COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO Regime Jurídico dos Servidores Públicos Federais Lei nº. 8.112/90 Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos

Leia mais

DECRETO Nº 5.545, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005

DECRETO Nº 5.545, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 DECRETO Nº 5.545, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 DOU 23-09-2005 Altera dispositivos do Regulamento da Previdência Social, aprovado pelo Decreto nº 3.048, de 6 de maio de 1999, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

INFORMATIVO PREVIQUAM.

INFORMATIVO PREVIQUAM. INFORMATIVO PREVIQUAM. INSTITUIDO PELA LEI Nº. 480 DE 24/03/1994 O QUE É PREVIQUAM? É uma autarquia com personalidade jurídica própria que destina-se a assegurar aos Servidores públicos Municipais de São

Leia mais

O Regime Geral de Previdência Social RGPS

O Regime Geral de Previdência Social RGPS O Regime Geral de Previdência Social RGPS Capítulo 5 O Regime Geral de Previdência Social RGPS Sumário 1. Introdução 2. Os beneficiários do RGPS: 2.1 Os segurados obrigatórios; 2.2. O segurado facultativo;

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Seguridade Social 1

Sumário. Capítulo 1 Seguridade Social 1 Sumário Capítulo 1 Seguridade Social 1 1 Conceituação 1 1.1 Saúde 2 1.2 Assistência Social 2 1.3 Previdência Social 3 1.3.1 Regime Geral de Previdência Social 3 1.3.2 Regimes Próprios de Previdência Social

Leia mais

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de MEDIDA PROVISÓRIA Nº 664 DE 30.12.2014 (DOU 30.12.2014 ED. EXTRA; REP. DOU DE 02.01.2015) Altera as Leis nº 8.213, de 24 de julho de 1991, nº 10.876, de 2 junho de 2004,nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

1 A SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL

1 A SEGURIDADE SOCIAL NO BRASIL Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 13 Nota do autor 4ª edição... 15 Nota do autor 3ª edição... 17 Nota do autor 2ª edição... 19 Nota do autor 1ª edição... 21 Guia de leitura da Coleção... 23 Capítulo

Leia mais

E PENSÕES Seminário Nacional Preparação para Aposentadoria - ANFIP

E PENSÕES Seminário Nacional Preparação para Aposentadoria - ANFIP APOSENTADORIAS E PENSÕES Seminário Nacional Preparação para Aposentadoria - ANFIP Valéria Porto Diretora do Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais Brasília, 26 de outubro de 2010 Regras de Aposentadorias

Leia mais

Direito Previdenciário - Prof. Ítalo

Direito Previdenciário - Prof. Ítalo 51 BOAS DICAS DE BENEFÍCIOS Professor Italo Romano DICA 1 São 10 os benefícios previdenciários (REGRA 4 3 2 1). DICA 2 São 6 os segurados da Previdência Social (CADES F). DICA 3 Os beneficiários do sistema

Leia mais

É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular de órgão executivo de direção superior.

É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular de órgão executivo de direção superior. 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para concessão de licenças. 2. CONCEITOS 2.1. Beneficiado É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular

Leia mais

ADICIONAL/GRATIFICAÇÃO DE PERMANÊNCIA

ADICIONAL/GRATIFICAÇÃO DE PERMANÊNCIA ADICIONAL/GRATIFICAÇÃO DE PERMANÊNCIA Conceito É um adicional por tempo de serviço, que consiste no percentual de 5% (cinco por cento) a cada ano em que o servidor ultrapassar a data do interstício aposentatório

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Valéria Porto Diretora do Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais de Pessoal Brasília, 15 de março de 2012 Regras de Aposentadorias REGRA GERAL REGRA DO DIREITO ADQUIRIDO REGRAS DE TRANSIÇÃO Artigo

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Regulamenta o inciso II do 4º do art. 40 da Constituição, que dispõe sobre a concessão de aposentadoria especial a servidores públicos que exerçam atividade de risco. O CONGRESSO

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

APOSENTADORIAS. Aposentadoria por invalidez permanente;

APOSENTADORIAS. Aposentadoria por invalidez permanente; APOSENTADORIAS Aposentadoria é o direito que o servidor tem à inatividade remunerada, em decorrência de invalidez, da idade, ou oriunda da conjugação de vários requisitos, quais sejam: tempo de exercício

Leia mais

SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL

SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL SEGURIDADE E PREVIDÊNCIA NO BRASIL Subseção DIEESE/CUT-Nacional São Paulo, 02 de agosto de 2014 Sindicato dos Trabalhadores(as) na Administração Pública e Autarquias no Município de São Paulo - SINDSEP

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A isenção da contribuição previdenciária dos servidores públicos (abono de permanência) Luís Carlos Lomba Júnior* O presente estudo tem como objetivo traçar breves considerações

Leia mais

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL -

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - - CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). 4.

Leia mais

Curso de Extensão em Direito Previdenciário

Curso de Extensão em Direito Previdenciário Curso de Extensão em Direito Previdenciário Benefícios a serem analisados no dia: a) Salário-maternidade b) Pensão por morte c)auxílio-reclusão a) Salário maternidade Conceito Trata-se de benefício previdenciário

Leia mais

PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS. Benefícios e Serviços

PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS. Benefícios e Serviços Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 20 PRESTAÇÕES BENEFICIÁRIAS Benefícios e Serviços As prestações compreendidas pelo Regime Geral de Previdência Social são expressas em benefícios

Leia mais

RGPS Regime Geral da Previdência Social

RGPS Regime Geral da Previdência Social RGPS Regime Geral da Previdência Social Como funciona e quais os benefícios do RGPS para as pessoas que trabalham com carteira assinada Prof.ª Vera Lúcia Cruz A seguridade social compreende um conjunto

Leia mais