Revisão crítica do currículo integrado às tecnologias computacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revisão crítica do currículo integrado às tecnologias computacionais"

Transcrição

1 Revisão Revisão crítica do currículo integrado às tecnologias computacionais Critic review of computing technologies integrated into the curriculum Elise Mendes Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Educação, Núcleo de Pesquisa em Tecnologias Cognitivas, Uberlândia, Minas Gerais, Brasil Resumo Os modelos estáticos de currículo sofrem o impacto do desenvolvimento das tecnologias digitais e das pesquisas cognitivas. Grandes cientistas contemporâneos influenciam o pensamento de pesquisadores e educadores em direção à reforma da educação, em um novo contexto - o papel da tecnologia na aprendizagem. As pesquisas sobre a maneira como as tecnologias computacionais modificam o processo de aprendizagem, sobre a criação de ambientes virtuais distribuídos e o desenvolvimento de metodologias de ensino que estimulem o pensamento formal e a aprendizagem cooperativa são indispensáveis nos atuais projetos de ensino. De acordo com essas perspectivas, esse artigo analisa fundamentos de desenhos pedagógicos que integram as tecnologias computacionais ao currículo, à luz de teorias cognitivas e instrucionais construtivistas, com o intuito de identificar princípios para a construção de um currículo que estimule o aprender a aprender com tecnologias. Essa revisão crítica é direcionada à formação de professores e alunos em sistemas distribuídos. Cien. Cogn. 2008; Vol. 13 (3): Palavras-chave: currículo; construtivismo; desenho pedagógico; tecnologias computacionais. Abstract The static models of curriculum suffer the impact of the development of digital technologies and cognitive research. Great contemporary scientists influence the thought of researchers and educators toward the reform of education in a new context - the role of technology in learning. The research on how computing technologies modify the learning process, on the creation of distributed virtual environments and on the development of teaching methodologies that stimulate formal thought and cooperative learning, are indispensable in the current projects of education. According to these perspectives, this article analyzes the fundamentals of pedagogical designs that integrate computing technologies into the curriculum, in the light of cognitive and instructional constructivist theories, so as to identify principles for the construction of a curriculum that stimulates learning to learn with technology. This critic revision is directed at the formation of teachers and students in distributed systems. Cien. Cogn. 2008; Vol. 13 (3): Keywords: curriculum; constructivism; pedagogical design; computing technologies. 263

2 1. Introdução 1 Vivemos em um período em que os conhecimentos científicos crescem rapidamente, e a maioria desses conhecimentos é utilizada de forma instantânea no desenvolvimento de novas tecnologias. Dentre essas, as tecnologias computacionais são os grandes fatores de mudança na forma de viver da sociedade contemporânea e estão presentes em todas as atividades humanas. Devido a essas revoluções culturais, inúmeros artigos e livros discorrem sobre as contribuições e dificuldades em introduzir as tecnologias computacionais na educação. Papert, um dos autores mais reconhecidos nas pesquisas na área de Cibernética e Educação, trata da resistência à mudança na estrutura física e metodológica das escolas quando discute a utilização de computadores. Em seu livro A Máquina das Crianças (Papert, 1994), critica o que as escolas fizeram com o computador: tornaram-no um símbolo de status e organizaram um espaço denominado Laboratório de Computadores, sob o controle de um professor especializado. Assim, para Papert, o computador perdeu seu aspecto mais revolucionário - uma tecnologia que permite a construção do conhecimento, desafiando a idéia de fronteiras entre as matérias. O uso do computador passou, então, a reforçar grades curriculares estáticas que não estimulam a criatividade dos estudantes. Portanto, o que começara como um instrumento de mudança foi neutralizado pelo sistema educacional e convertido em um instrumento de manutenção do status quo. Mesmo ao dispor de um quadro de professores progressistas, algumas escolas não sabem como utilizar os computadores porque não resolveram o problema básico de sua organização, ou seja, a escola como um espaço de construção de conhecimento (Scardamalia e Bereiter, 2000). A questão fundamental nos países desenvolvidos, em que o uso dessas tecnologias nos processos de ensino é amplo, é saber qual o tipo de educação irá preparar os estudantes para a vida na chamada sociedade do conhecimento. Para os autores da academia americana e européia de ciência, a educação deverá promover a flexibilidade de raciocínio, a criatividade, a capacidade de resolução de problemas, a alfabetização científica e tecnológica, a habilidade para a busca de informação e, acima de tudo, o que denominam prontidão vitalícia para aprendizagem, ou lifelong learning (Crick, 2005; AAAS, 2001; European Commission, 2001; OECD, 2000; UNESCO, 2001, 2007). Considerando as necessidades de formação humana na sociedade do conhecimento, como professores formados por modelos de ensino programado irão estimular o desenvolvimento dessas capacidades em seus alunos? Como utilizar as tecnologias computacionais com o intuito de auxiliar a aprendizagem e o ensino sem transformá-las em ilhas de inovações tecnológicas nas escolas (Dede, 1997)? Como as escolas poderão garantir a qualidade e a manutenção do uso de computadores livres da sedução das grandes promessas das empresas de software educacionais? Em síntese, como as tecnologias computacionais poderão promover mudanças curriculares em grande extensão nas escolas públicas? Diante dessas questões, esse artigo revisional tem como meta estudar,, crítica e sistematicamente, desenhos pedagógicos fundamentados em teorias cognitivas e instrucionais construtivistas, com o objetivo de orientar a construção de um currículo cooperativo, via internet, que atenda às peculiaridades da aprendizagem na sociedade contemporânea o aprender a aprender com tecnologias. 2. O currículo integrado às tecnologias computacionais 264

3 Adicionadas às necessidades de formação humana em nossa sociedade, as tecnologias computacionais indicam mudanças inquestionáveis referentes ao currículo, tais como: a) Recursos curriculares (de meio impresso para hipermeios); b) Organização do conhecimento (de estrutura linear e hierárquica para estrutura muldimensional e interligada na Web); c) Mudança do locus da responsabilidade de criação de unidades curriculares (da elaboração pelos professores de estruturas de unidades curriculares de aprendizagem, para criação de currículos personalizados pelos estudantes e para propósitos particulares de unidades de conhecimento) (Mioduser e Nachmias, 2002). Devido a essas mudanças necessárias à educação, surgem novas discussões sobre teorias cognitivas e instrucionais integradas às tecnologias computacionais para a construção de um currículo nesse novo contexto Teorias cognitivas e teorias pedagógicas A discussão contemporânea (Dinter, 1998; Duffy e Jonassen, 1992) que envolve a área de ambientes de aprendizagem e modelos de ensino diz respeito à questão fundamental: o trabalho científico na área de ensino e aprendizagem necessita de uma explícita fundamentação epistemológica ou pode ser realizado independentemente dessa fundamentação? Evidentemente, a atual posição da epistemologia, em relação à educação, apresenta-se de forma inédita na nossa era, devido ao surgimento das tecnologias digitais que modificaram a forma de pensar e aprender dos seres humanos e às contribuições recentes das pesquisas cognitivas que recebem influências da Psicologia, Inteligência Artificial e da Neurologia. As implicações dos modelos de Piaget contribuem para a compreensão atual da Ciência Cognitiva. Em seu livro Biologie et Connaissance (Piaget, 1967), ele demonstra que o conceito de esquema, amplamente analisado em pesquisas atuais sobre cognição e inteligência artificial, é originário dos esquemas de reflexo, dado que muitos reflexos e padrões de ação fixa são anteriores a qualquer aprendizagem, portanto, os esquemas são determinados geneticamente. A origem da inteligência, para Piaget (1987), surge do exercício dos reflexos. Logo, a teoria de esquemas não pode ser compreendida sem os conceitos de assimilação e acomodação, porque o reconhecimento de uma determinada situação é o resultado da assimilação. A assimilação mental é a incorporação dos objetos nos esquemas de conduta, e esses esquemas nada mais são do que esboços das atividades suscetíveis de serem repetidas ativamente (Piaget, 1977: 18). Nesses termos, a assimilação apresenta um caráter generalizador, e a acomodação, uma reorganização das estruturas mentais. É interessante destacar que o conhecimento procede da ação e toda ação que se repita ou se generalize por aplicação a novos objetos engendra, por isso mesmo, um esquema, quer dizer, uma espécie de conceito pragmático (Piaget, 1977: 51). A Teoria de Esquemas de Piaget é observada na Teoria dos Esquemas de Rumerlhart (Rumerlhart et al., 1986), que afirma que o cérebro possui uma quantidade não especificada de esquemas flexíveis que podem, interagindo com o ambiente, sofrer generalizações, especializações e hibridização para se adaptar a um determinado problema. Em relação à Teoria dos Esquemas e Memória Semântica, pesquisas contemporâneas sobre cognição humana observam que o conhecimento é armazenado em blocos de informação ou esquemas que compreendem a arquitetura mental para as idéias. Assim, esquema é uma estrutura de dados que representa conceitos genéricos armazenados na memória (Matlin, 1998). 265

4 A premissa básica da teoria de esquemas afirma que a memória humana é organizada semanticamente por meio de redes dinâmicas (schemata) de inter-relações entre conceitos que são conhecidas como redes semânticas. A relação entre esquema e memória se processa da seguinte forma: a) A memória semântica se refere à organização do nosso conhecimento sobre o mundo - uma infinidade de conteúdos semânticos, conceitos do mundo físico e social; b) Os esquemas são essas categorias de conhecimento sobre situações e sobre eventos (Matlin, 1998). Os estudos sobre memória semântica vêm estabelecendo um isoformismo entre representações internas e um sistema formal lógico: as proposições. De forma geral, esses estudos demonstram que as palavras são armazenadas na memória na forma de um conjunto composto por uma rede de relações proposicionais. Essas relações ocorrem entre as partes e o todo, por meio de unidades conceituais particulares e estruturas generalizáveis (schemata) (Kurtz et. al., 1999). As informações provenientes do mundo estruturam-se hierarquicamente segundo níveis de abstração. Nota-se a influência da Teoria dos Esquemas na Teoria da Aprendizagem Significativa de Ausubel e colaboradores (1980), no que se refere à assimilação conceitual por meio de redes aprendizagem superordenada, subordinada, correlativa e reconciliações integrativas. Ausubel considera que a aprendizagem significativa requer um subsunçor para assimilar a nova informação, esse subsunçor é o conceito superordenado que tem maior nível de inclusão ou de generalização. Mas, o que é conceito? Ausubel e colaboradores (1980) concebem os conceitos como eventos, situações ou propriedades que possuem atributos essenciais comuns que são designados por algum signo ou símbolo. Os atributos essenciais são adquiridos por meio de experiência direta e por estágios sucessivos de formulação de hipóteses, testes e generalizações. Essas unidades genéricas ou unidades categóricas se representam por símbolos particulares e formam conceitos culturais. Segundo Abbagnano (2000: 164), conceito é, em geral, todo processo que torne possível a descrição, a classificação e a previsão dos objetos cognoscíveis. O termo conceito tem significado generalíssimo e pode incluir qualquer espécie de sinal ou procedimento semântico, seja qual for o objeto que se refere, abstrato ou concreto, próximo ou distante, universal ou individual. Como se observa, diferentes autores concebem que a representação da realidade é possível mediante a existência e o uso de conceitos e esses tornam possível a invenção de uma linguagem que pode ser comunicada com uma relativa uniformidade para todos os membros de uma cultura. Assim, os conceitos padronizam, simplificam e generalizam o ambiente por meio do estabelecimento de equivalências, agrupamento de idéias relacionadas à experiência, categorizando, então, o mundo em atributos criteriais (Novak e Gowin, 1984). A continuidade das pesquisas sobre a representação do conhecimento em redes semânticas de conceitos é marcada historicamente por Novak, teórico da metacognição, ao criar uma tecnologia gráfica para representar o conhecimento humano: o mapa conceitual. A organização e distribuição dos conceitos por meio de diferenciações progressivas, reconciliações integrativas, interligados em rede semântica, são certamente trabalhos de representação de estruturas mentais, instrumentos do pensamento que condensam uma amplitude de experiências precedentes, abrem rotas alternativas para o seu destino e são produtos da metacognição - processo de reflexão mental e consciente de reestruturação das experiências. 266

5 As pesquisas recentes sobre mapas conceituais analisam as relações entre a construção do conhecimento da criança por meio de formação e assimilação de conceitos, e a relação entre mapas conceituais e a memória humana. Novak e Cañas (2008) observam que um dos importantes avanços para a compreensão da aprendizagem é de que a memória humana não é um simples recipiente a ser preenchido, mas preferencialmente um conjunto complexo de sistemas de memória interligada. Enquanto todos os sistemas da memória são interdependentes, o sistema mais crítico para assimilar conhecimento na memória em longo prazo é a memória em curto prazo (memória de trabalho ou operacional). Toda entrada de informação é organizada e processada na memória de trabalho pela interação com o conhecimento da memória em longo prazo. A limitação é de que a memória de trabalho processa com pouco número de unidades (2 ou 3) em poucos segundos, no entanto, se elas puderem ser ligadas por conceitos conhecidos aumentam-se as unidades lembradas (12 ou mais). Por isso, para estruturar um vasto corpo de conhecimento a ser recebido e processado, requer uma seqüência ordenada de interações entre a memória de trabalho e memória em longo prazo. Essas são algumas razões, segundo os autores, para considerar o mapa conceitual como uma tecnologia cognitiva que oferece suporte (scaffold or template) ao desenvolvimento da aprendizagem significativa, uma vez que ajuda a organizar e estruturar o conhecimento, mesmo que essa estrutura seja construída por pequenas unidades de interação com conceitos e proposições conhecidas. Além disso, observam que é relativamente pequeno o conhecimento científico sobre como se processa a memória e como é finalmente incorporada em nosso cérebro, contudo, enfatizam os autores, os estudos apontam que o cérebro humano trabalha para organizar o conhecimento em estrutura hierárquica, e que as abordagens de aprendizagem que facilitam significativamente esses processos realçam as capacidades de todos os alunos (Tsien e Blasenfelder, 2007 apud Novak e Cañas, 2008). Adicionadas a essas pesquisas, Litman e Davachi (2008) verificam, em dois experimentos, os benefícios da aprendizagem distribuída para a memória relacional, e observam que esses estudos devem ter implicações no desenvolvimento de currículos e políticas educacionais (ver Distributed Knowledge Design). Essas referências de Novak, Canãs, Litman e Davachi validam os teóricos clássicos supracitados como Piaget, Rumerlhart, Matlin e Kurtz e Ausubel. Enfim, se o processo de dar significado ao mundo só é possível pela atividade do pensar, e pensar envolve conceitos: formá-los e relacioná-los entre si (Glasersfeld, 1995), conclui-se que a construção de mapas conceituais estimula o desenvolvimento do pensamento, visto que para identificar conceitos superordenados e construir uma topologia conceitual hierárquica por diferenciações progressivas, reconciliações integrativas e ligações semânticas é necessário o processo cognitivo de generalização, categorização e reorganização dos esquemas conceituais. As pesquisas mundiais sobre mapas conceituais são reconhecidas pelo valor científico quanto à: i) Alfabetização científica e tecnológica na educação básica, as crianças crescem fazendo ciência nas interações com fenômenos naturais e representando as suas assimilações em mapas conceituais. Assim, aprendizagem de ciência inicia-se pela experiência com fenômenos naturais, criam-se relações e definem-se conceitos e categorias, e finaliza-se com a construção cooperativa de mapas conceituais; ii) Construção de currículo distribuído por macromapas e submapas multidimensionais e navegáveis; iii) Educação a distância e cenários de aprendizagem em hipermeios e hipertextos. (Heeren e Kommers, 1992; Mayes, 1992; Abrams, 1998; Towbridge e Wandersee, 1998; Anderson e 267

6 Ditson, 1999; Shapiro, 1999; Hert et. al. 1999; AAAS, 2001; Mendes, 2002; Koppi, et al., 2004; Chiu, 2004; Dutra et al., 2006; Tavares, 2007; Tseng et al., 2007; Coffey, 2007; Novak e Cañas, 2008; Kao, e Lin, 2008) Tecnologias cognitivas Tecnologias cognitivas computacionais vêm sendo desenvolvidas para favorecer a aprendizagem. Jonassen (1992) define tecnologias cognitivas como artefatos mentais e computacionais que facilitam, orientam e estendem o processo de pensamento de seus usuários. Muitas dessas estruturas, tais como estratégias cognitivas e metacognitivas, são internas ao aprendiz. Além das tecnologias mentais, existem as externas, tais como os artefatos computacionais. Essas tecnologias são usadas para desenvolver o processo cognitivo significativo da informação e podem ser aplicadas aos problemas individuais e coletivos. No entanto, como demonstra Jonassen (1992), os computadores não mediam diretamente a aprendizagem. As pessoas não aprendem por meio de computador, livros, vídeos ou outros instrumentos que foram desenvolvidos para transmitir a informação. A aprendizagem é mediada pelo pensamento (processo mental); o pensamento é estimulado pelas atividades de aprendizagem; e a aprendizagem é ativada pelo processo de intervenção educacional, incluindo tecnologias. Para Jonassen, as tecnologias computacionais só podem complementar e estender a mente humana, encorajando o processo e a potencialidade para gerar a informação e ativando o processo de construção do conhecimento, se a estrutura e o funcionamento dessas tecnologias estiverem embasados em modelos ativos da mente (Jonassen, 1992). Dentre as tecnologias cognitivo-computacionais que estimulam o processo metacognitivo dos aprendizes e a compreensão de conceitos, podem ser citados os mapas conceituais, os hipermeios e os micromundos, quando corretamente usados pelos alunos e orientados por modelos cognitivos e pedagógicos. Os hipermeios envolvem as modalidades auditiva e visual em uma integração de mídias, tais como hipertexto, sons, gráficos, animações, vídeos, imagens e modelagem espacial através de um sistema computacional (Nielsen, 1990). Dentre esses hipermeios, destacam-se os softwares de simulação, sistemas de realidade virtual e estações de trabalho que estimulam a manipulação de representações conceituais para que haja um melhor entendimento de conceitos. Simulações diferem de softwares mais abertos pela possibilidade de exploração em um domínio conceitual, o número de variáveis que podem ser manipuladas, os detalhes e fidelidades das simulações, o tipo de representações que podem ser usadas na simulação (animações, tabelas de resultados, gráficos de diferentes tipos, vídeo), e a quantidade de recursos úteis para o aprendiz durante sua manipulação no ambiente de simulação (Collis, 2002). Quando as simulações utilizam recursos visuais ricos e envolvem, pelo menos, a capacidade de manipular o sistema visual em três-dimensões, estas são consideradas realidade virtual. Em ambientes mais sofisticados de sistemas de realidade virtual, o ambiente possibilita a imersão por meio de ajustes com o próprio corpo do usuário. Os ambientes de imersão são escassos e caros, portanto, em países em desenvolvimento não será possível utilizá-los, pelo menos, nesta década. Entretanto, os micromundos, as estações de trabalho e os ambientes em três-dimensões não imersivos serão relativamente mais utilizados em laboratórios computacionais de aprendizagem. O surgimento da Internet, no início dos anos 1990, foi o momento decisivo da introdução da comunicação mediada pelo computador na educação. A combinação das capacidades de distribuição dos multimeios, das interfaces visuais intuitivas, do suporte para a pesquisa e busca eficiente da informação, das comunicações síncronas e assíncronas e abrupta 268

7 expansão do cyberspace para o interior de repositório hiperligado de informações, foram percebidas como um novo e poderoso recurso para os propósitos de ensino e aprendizagem. Mioduser e Nachmias (2002) observam que as principais funções da internet no ensino e na aprendizagem se classificam de forma geral em: 1) Distribuição de conteúdo: a internet como enorme repositório de conhecimento hiperligado, permitindo o acesso às bibliotecas, base de dados, museus etc. 2) Distribuição instrucional: inúmeros recursos educacionais são avaliados na rede, de material de unidades curriculares para soluções curriculares. A concepção da internet como ambiente de aprendizagem cresce rapidamente com os cursos a distância, projetos colaborativos de aprendizagem online e ambientes virtuais de formação educacional complementar. 3) Suporte de comunicação: a internet torna-se cada vez mais um meio de interação, de trabalho colaborativo e de aprendizagem entre os envolvidos no processo educativo. A comunicação mediada por computador ( s, fóruns, grupos de teleconferência, chat) providencia um grande potencial de extensão e de qualidade na educação. 4) Suporte de criação: ferramentas amigáveis são correntemente desenvolvidas para que os estudantes possam criar e publicar os seus próprios materiais na Web, sem mediador e com mínimo conhecimento técnico. Outra tecnologia utilizada amplamente para entendimento conceitual é a base de dados em sistemas distribuídos que pode ser organizada por vários caminhos (Collis, 2002): relacional ou orientada a objeto 2. Em qualquer forma, existem diferentes recursos associados com a base de dados: a ligação entre estruturas, o privilégio para a adição de entradas; a organização de entradas, incluindo-se o uso de indicadores ou metadados; manutenção de desempenhos, acessos aos desenhos, controle de desempenho e modalidades de representação (texto, áudio, imagens etc.). Com o surgimento da internet, o uso de bases de dados possibilita fácil acesso a bibliotecas de informações e pode começar a contribuir para algumas dessas bibliotecas do mesmo modo que retirá-las. A maioria dos sistemas de gerenciamento de cursos via internet é construída sobre uma base de dados. A idéia atual dos instrutores e estudantes usarem distintos componentes para criar ambientes educacionais está fundamentada na concepção de objetos de aprendizagem surgida do conceito de orientação a objetos da ciência da computação. A IEEE (2002) define objeto de aprendizagem como qualquer entidade, digital ou não-digital, que pode ser utilizada, reutilizada ou referenciada durante o processo de aprendizagem que tenha a tecnologia como suporte. Diversos projetos mundiais, tais como Instructional Management Systems (IMS; The Merlot Project (http://www.merlot.org), The Educational Object Economy (http://ww.eoe.org), Cooperative and Network Distributed Learning Environment Project (CANDLE; e outras iniciativas paralelas que tem como objetivo construir estruturas que acomodem objetos educacionais e que podem ser integrados em diferentes ambientes de aprendizagem. Ao invés de construir um objeto várias vezes o objeto poderá ser reutilizado, pois será baseado em programação orientada a objetos, focando-se em itens distintos entre ensino e aprendizagem que podem ser usados em outros ambientes (Doerksen, 2002; Koppi et al., 2004; Durham e Arrel, 2007). 3. Desenho pedagógico para a construção de currículo integrado às tecnologias computacionais 269

8 Desenho pedagógico é um novo horizonte conceitual do ensino, da aprendizagem e dos suportes de aprendizagem. Refere-se a uma extensiva base de conhecimento em consolidadas teorias e pesquisas sobre a aprendizagem humana para a realização de tarefas, identificação e resolução de problemas. Qualquer atividade de desenho pedagógico resulta em um plano ou cenário que define o formato, os conteúdos, a estrutura do ambiente, os sistemas de distribuição e as estratégias de execução. Nos mais recentes modelos, os componentes presentes são: a) Uma apropriação da base de conhecimento sobre as teorias cognitivas e instrucionais; b) O desenho da estrutura de referência usado para o contexto, grupo alvo e conteúdo similar; c) O agrupamento de regras ou procedimentos válidos para regularizar e realizar o processo e o produto do desenho (Lowyck, 2002). Dentre os diversos desenhos descritos por Lowyck (2002), os desenhos Cognitive Instructional Design (CID), Computer-Supported Collaborative Learning, Distributed Knowledge Design fundamentam-se em teorias cognitivas e instrucionais que estão de acordo com princípios construtivistas desenvolvidos neste artigo. Cognitive Instructional Design (CID) são recursos fundamentados na teoria da aprendizagem significativa por auto-regulação, um modelo que estimula o desenvolvimento metacognitivo dos usuários. A metacognição é considerada a espinha dorsal para a aprendizagem com sucesso. Refere-se à ação de planejar, monitorar e controlar o próprio aprendizado e transferir e generalizar o conhecimento adquirido para outros contextos, como também orientar a auto-reflexão, a responsabilidade e a iniciativa do aprendiz (Gunstone e Mitchell, 1998; Mayes, 1992). Dessa forma, consciência e controle metacognitivos são as características essenciais do processo de aprender a aprender. A consciência metacognitiva é a compreensão dos propósitos da atividade realizada e os progressos pessoais alcançados por meio da atividade, e o controle metacognitivo refere-se à natureza das decisões de aprendizagem e às ações durante a aprendizagem (Metcalfe e Shimamura, 1994). A consciência e controle são resultados da aprendizagem adquirida; conseqüentemente, podem ser desenvolvidos por meio de experiências apropriadas de aprendizagem. Assim, concluiu-se que, para criação de um ambiente tecnológico que estimule atividades intencionais de aprendizagem efetiva, necessita-se de professores e alunos que vivenciem e compreendam esses processos de aprendizagem. O modelo Computer-Supported Collaborative Learning Design (CSCL) é dos mais influentes estudos na atualidade sobre a aprendizagem com tecnologias. Stahl e colaboradores (2006), em uma revisão histórica da aprendizagem colaborativa com suporte computacional, apresentam a ascensão da CSCL em 1990 como reação aos softwares tutoriais que enfatizavam a aprendizagem individual e isolada. Com o surgimento da internet, as pesquisas sobre aprendizagem cooperativa se expandiram e tornaram-se explícitos os problemas dos desenhos pedagógicos e a necessidade emergencial das mudanças no currículo escolar, nas metodologias de ensino, nos processos de aprendizagem, no desenvolvimento sociocultural de estudantes, na comunidade global de aprendizagem e na educação a distância (Stahl et al., 2006). Retomam-se os estudos cognitivos das teorias interacionistas, e atualmente as pesquisas multidisciplinares sobre CSCL englobam o trabalho coletivo de criar metodologias e artefatos tecnológicos que ofereçam suporte ao processo de construção cooperativa do conhecimento. No entanto, existem controvérsias sobre o significado de colaboração e cooperação (Stahl et al., 2006). Nessa revisão, resgatam-se os conceitos de Piaget por entender que sua teoria da inteligência oferece fundamentos para as pesquisas de enfoque 270

9 mundial sobre aprendizagem cooperativa por meio de solução de problemas. Segundo a epistemologia genética, o conceito de cooperação enfatiza que a vida social transforma a inteligência pela mediação da linguagem (signos), do conteúdo dos intercâmbios (valores intelectuais) e das regras impostas ao pensamento (normas coletivas, lógicas e prélógicas) (Piaget, 1977; Grize, 1994). A cooperação, ou seja, a coordenação de pontos de vista entre um grupo de indivíduos, é o ponto de partida de uma série de condutas importantes para a constituição e o desenvolvimento do pensamento formal (Piaget, 1977). Sem intercâmbio do pensamento e sem cooperação com os outros, o indivíduo não chegaria a grupar suas operações em um todo coerente; como afirma Piaget (1977: 164), seria muito difícil compreender como o indivíduo conseguiria grupar suas operações de representações intuitivas em operações transitivas reversíveis, idênticas e associativas sem o intercâmbio do pensamento lógico. Essa coordenação de pontos de vista se processa por colaborações no trabalho, pela troca de idéias e pelo controle mútuo. Nesse sentido, o conceito de cooperar é mais abrangente que colaborar, por que envolve as trocas de idéias, o trabalho colaborativo e o os exercícios de pensamento formal, como as operações transitivas reversíveis, idênticas e associativas (Piaget, 1977). Esses processos cognitivos complexos são estimulados por situações de aprendizagem significativa que requerem transferência e não somente retenção (Mayer, 2002), essas ações de aprendizagem são classificadas no ensino em processos cognitivos de entender, aplicar, analisar, avaliar, criar e seus respectivos subprocessos (Anderson et al., 2001). As operações cognitivas de soluções de problemas requerem processos mais complexos de transferência visto que estão intrinsicamente relacionadas ao conhecimento metacognitivo, conceitual, específico e procedimental (Mayer, 2002); portanto são reconhecidas como um dos principais objetivos educacionais 1 (Mayer, 2002). O modelo Distributed Knowledge Design contrasta com a noção aceita de que o conhecimento e a cognição residem na cabeça de cada indivíduo (Hewitt e Scardamalia, 1998; Scardamalia, 2004). O conceito de cognição distribuída significa que a cognição é distribuída entre indivíduos e seus ambientes. Para Scardamalia e Bereiter (2000), qualquer atividade humana é afetada pelo contexto que inclui pessoas e artefatos culturais. Cognição é, então, não somente situada como também distribuída. O conhecimento distribuído torna-se predominante em ambientes de multimeios em que as informações são distribuídas por diferentes tipos de recursos. O sistema de educação a distância, via internet, oferece ampla oportunidade para os professores e alunos cooperarem com seus diferentes pares, de forma assíncrona ou síncrona. Esse modelo torna-se importante porque permite a criação de uma plataforma que possibilita a construção cooperativa de planejamentos curriculares em tempo real, utilizando recursos como multimeios, hipertextos, wikis e internet; como também podem criar comunidades virtuais para o planejamento curricular. As atuais pesquisas sobre desenhos pedagógicos integram as teorias sobre metacognição e aprendizagem cooperativa e distribuída, apresentando metodologias inovadoras e artefatos tecnológicos que ofereçam suporte à sociedade da aprendizagem em rede. Durhaum e Arrel (2007), em seu artigo Introducing new cultural and technological approaches into institucional practice: an experience from geography, relatam uma experiência entre a Inglaterra e os Estados Unidos de mudanças de práticas institucionais de ensino, ao criar, de forma conjunta, objetos de aprendizagem e metodologia de ensino que estimule a aprendizagem conceitual e solução de problemas em programas de Geografia (Global Positioning System). A experiência de sucesso, de uma aprendizagem global entre diferentes continentes, foi atribuída a uma comunicação efetiva, a uma tecnologia estável e flexível, e a uma metodologia robusta e interativa que inclui definições de objetivos de 271

10 aprendizagem, criação de objetos de aprendizagem como mapas conceituais e simulações, e definições de problemas contextualizados. Kong (2008), em seu artigo A curriculum framework for implementing information technology in school education to foster information literacy, relata as mudanças curriculares em Hong Kong 2, em relação ao uso das tecnologias informáticas (IT) no currículo das últimas décadas em respostas às demandas da sociedade da era digital; os objetivos mudaram, de 1999 a 2006, de estudos de computadores para desenvolvimento de conhecimentos sobre processamento da informação e habilidades de aprendizagem com tecnologias (conceituado em inglês por Information Literacy, IL, e traduzido em português por competência informacional 3 ). A alfabetização informacional (IL) promove a capacidade de reunir, sintetizar, analisar, interpretar e avaliar as informações. Esses processos abrangem quatro dimensões: cognitiva, metacognitiva, afetiva e sócio-cultural. As duas primeiras referem-se ao processamento da informação para a tomada de decisão e solução de problemas e as outras duas sobre atitudes a cerca do processamento da informação (reconhecer a importância da habilidade de processar a informação e promover a responsabilidade social para o uso da informação na aprendizagem individual e colaborativa). Devido à estreita ligação entre IT e IL, o governo de Hong Kong e escolas (95.03%) investiram na importância da tecnologia na aprendizagem centrada nos estudantes. Para alcançar com êxito os objetivos de alfabetização informacional, incentivou-se a criação de um desenho curricular que considerasse a aprendizagem significativa como estrutura fundamental, e foram aplicados dois princípios no trabalho coletivo: providenciar autenticidade e criar reflexões. A estrutura curricular se apresenta em 3 partes: o núcleo do currículo em IT prepara os estudantes para o conhecimento básico em tecnologias da informática e em processamento da informação; os estudantes são encorajados a usar esses conhecimentos na aprendizagem com tecnologias; a cultura escolar fomenta a alfabetização informacional e tecnológica como conhecimentos necessários aos estudantes; em adição as escolas oferecem oportunidades de serviços de aprendizagem para ajudar aos estudantes nas dimensões afetivas e sócio-culturais necessárias ao sentimento de participação ativa na comunidade. Para o sucesso da execução da proposta curricular foram evidenciados quatro pontos: modelos de integração de IT com a aprendizagem de conteúdos devem ser de acordo com a necessidade de cada escola; os serviços de aprendizagem devem ser providenciados para serem aplicados dentro e fora da escola; suportes aos pais devem ser encorajados para criar ambientes saudáveis do uso de tecnologias em casa; devem ser reduzidas as exclusões digitais para providenciar chances iguais de adquirir conhecimentos necessários e atitudes corretas sobre alfabetização informacional. De forma geral, em levantamentos realizados em bases de dados do Education Research Information Center (ERIC), e em revistas e jornais indexados nessa área específica, a tendência futura do currículo é a criação de redes cooperativas e distribuídas de aprendizagem (Gerosa et al., 2003; Cho et al., 2005; Weinberger et al., 2005; Fakas et al., 2005; Cheung, 2006; Kirschner e Erkens, 2006; Dillenbourg. e Tchounikine, 2007; Chang et al., 2007; Spector; 2007; Martin e Vallance, 2008; Suthers et al., 2008). É certo que essas questões emergentes de integração das tecnologias no currículo necessitam de levantamentos de dados de pesquisas experimentais (Barros et al., 2008) e aprofundamento filosófico, teórico e metodológico para avaliar a estrutura física, a formação dos professores, o currículo escolar e as políticas públicas, com o intuito educacional de criar diretrizes para que as tecnologias computacionais sejam instrumentos cognitivos que auxiliem a aprendizagem individual e coletiva Cenários de construção de um currículo integrado às tecnologias computacionais 272

11 As teorias cognitivas orientam princípios instrucionais para a elaboração de desenhos pedagógicos de ambientes computacionais de aprendizagem. Os elementos essenciais abstraídos neste estudo relacionam-se aos princípios categorizados por Lebow (1995) e Jonassen e colaboradores (1999), que são: interação, construção, cooperação, contextualização e interdisciplinaridade. A união desses princípios a um currículo com tecnologias computacionais resulta em cenários distribuídos de aprendizagem conceitual, procedimental e metacognitiva. Para exemplificar um processo de formação de professores e alunos, a figura 1 simula um ambiente distribuído para a construção cooperativa de mapas conceituais integrado a bases conceituais e hipermeios. A construção de mapas conceituais dos conteúdos curriculares estimula o desenvolvimento do metaconhecimento dos professores (reflexão sobre a ciência que leciona); diferenciando conceitos, classificações, exemplos, leis, princípios e notações, bem como a interdisciplinaridade entre as ciências. Quando os professores refletem sobre os conceitos que ensinam e os organizam em uma estrutura topológica que apresenta diferenciações progressivas e ricas reconciliações integrativas, eles estão desenvolvendo seus processos metacognitivos. Ao reconhecer a validade do uso de mapas conceituais para o desenvolvimento da metacognição, os professores possivelmente poderão buscar nos conteúdos que ensinam capacidades e habilidades que estimulem o pensamento complexo em seus alunos. Desta maneira, a construção de mapas conceituais estimula processos metacognitivos dos estudantes para a reorganização da estrutura mental, assimilação significativa e desenvolvimento do pensamento formal. Figura 1 Construção cooperativa de mapa conceitual. 273

12 A figura 2 representa um fórum de solução de problemas que relaciona a questão diretamente com os conceitos envolvidos (base conceitual), como também com hipertextos e simulações. O intuito da cooperação, mediada pela linguagem, tecnologia e conteúdos de intercâmbio, é promover a inteligência lógica formal e a vida social. Nota-se que em diversos ambientes de ensino a distância, os fóruns enfatizam a comunicação. No entanto, não são interligados à base de dados conceituais e hipermeios. A falta de integração e flexibilidade desses ambientes não estimula processos metacognitivos de gerenciar a aprendizagem; como também a inexistência de uma database conceitual permite desfocar a atenção do objeto de estudo. Figura 2 Fórum de solução cooperativa de problemas. 4. Conclusão e perspectivas O impacto das tecnologias computacionais e das teorias cognitivas modifica a visão tradicional de um currículo estático para a construção de um currículo em um novo contexto - o aprender a aprender com tecnologias. Em relação à aprendizagem, as teorias cognitivas contemporâneas observam que a inteligência humana constrói conhecimento pelo processo de interação entre o sujeito e o meio físico e social, representado mentalmente por um sistema dinâmico de esquemas conceituais interligados por proposições e armazenados na memória semântica por meio de unidades conceituais particulares e estruturas generalizáveis. Nas ações e coordenações dessas ações com o meio, os sujeitos assimilam o contexto e acomodam essas abstrações na estrutura cognitiva, reorganizando os esquemas conceituais por generalizações, especializações e 274

13 hibridações. Esses processos de elaboração de significados do mundo ocorrem pela ação intencional, reflexão, cooperação, linguagem, contextualização e construção. Nesse sentido, a visão construtivista de que pensar é formar conceitos e relacioná-los entre si em um processo de cooperação mediada pela linguagem, pensamento formal, intercâmbios culturais e tecnologias computacionais orienta diretrizes para a construção cooperativa de um currículo em sistemas distribuídos que estimule a aprendizagem com tecnologias. Certamente, os sistemas computacionais, embasados em modelos da mente, tais como mapas conceituais, hipertextos e bases conceituais, laboratórios em realidade virtual e experimentação remota oferecem suporte para a construção do conhecimento de forma cooperativa em sistemas distribuídos. Os mapas conceituais, hipertextos e bases conceituais construídos coletivamente eliminam a visão estática de um currículo linear, descontextualizado, normativo, homogêneo (Henriques, 2000) apontam para a construção de um currículo cooperativo, contextualizado, interdisciplinar e multidimensional integrado às tecnologias computacionais que estimulam a metacognição de aprender a aprender com tecnologias. Adicionadas a essas, os atuais laboratórios virtuais distribuídos possibilitam experimentação por manipulação de objetos de aprendizagem em tempo real com diversas máquinas, tais como os cenários de realidade virtual e as experimentações remotas da mecatrônica que oferecem suporte à aprendizagem conceitual e procedimental. Conclui-se, portanto, que a introdução de computadores nas escolas deva partir da visão cultural da escola como espaço de conhecimento. Dessa forma, espera-se que a construção cooperativa dos conteúdos curriculares em sistemas computacionais distribuídos possibilite coordenações de pontos de vista em relação ao currículo e consolide a criação de ambientes de aprendizagem e metodologias de ensino que respondam às necessidades contextuais da educação, eliminando incoerências, pré-conceitos e práticas descuidadas. Os novos modelos curriculares possibilitarão as representações cognitivas dos professores e alunos que serão expressas por mapas conceituais, hipertextos, hipermeios, bases de dados etc. Cabe lembrar que a evolução dos planejamentos curriculares ocorrerá por uma transição lenta e que surgirão conflitos cognitivos e sociais próprios à construção do conhecimento: os primeiros planejamentos serão mais simples e poderão se desenvolver para construção de planejamentos cooperativos, contextualizados, interdisciplinares e transdisciplinares, podendo alcançar, por meio de tecnologias computacionais, planejamentos multidimensionais. 5. Referências bibliográficas AAAS American Association for the Advancement of Science (2001). Atlas of Science Literacy. Washington, DC. Abbagnano, N. (2000). Dicionário de Filosofia. Martins Fontes, São Paulo. Abrams, E. (1998). Talking and Doing Science: Important Elements in a Teaching-for- Understanding Approach. Em: Mintzes, Wandersee and Novak (eds). Teaching Science for Understanding: a human constructivist view (pp ). San Diego: Academic Press. Anderson, I. e Ditson, L. (1999). Computer-Based Concept Mapping: A Tool for Negotiating Meaning. Learn. Leading Technol., 26(8), Anderson, L.W.; Krathwohl, D.R.; Airasian, P.W.; Cruikshank, K.A.; Mayer, R.E.; Pintrich, P.R.; Raths, J. e Wittrock, M.C. (2001). A taxonomy for learning, teaching, and assessing: a revision of Bloom s taxonomy of educational objectives. New York: Longman. Ausubel, D.; Novak, J. e Hanassen, D. (1980). Psicologia Educacional. Rio de Janeiro: Interamericana. 275

14 Barros, C.; Cláudio, K.; Ferreira, L; Dwyer, T. e Wainer, J. (2008). Uso de computadores no ensino fundamental e médio e seus resultados empíricos: uma revisão sistemática da literatura. Rev. Bras. Inf. Ed., 16(1), Chang, B.; Cheng, N.; Deng, C. e Chan, T. (2007) Environmental design for a structured network learning society. Computers & Education, 48, Cheung, S. (2006). A Constructivist Approach to Designing Computer Supported Concept- Mapping Environment. Interl. J. Instructional Media, 33(2), Chiu, H. (2004). Evaluating System-Based Strategies for Managing Conflict in Collaborative Concept Mapping. J. Comp. Assisted Learn., 20(2), Cho, H.; Lee, S.; Stefanone, M. e Gay, G. (2005) Development of Computer-Supported Collaborative Social Networks in a Distributed Learning Community. Behav. Information Technol., 24(6), Coffey, J. (2007). A meta-cognitive tool for courseware development, maintenance, and reuse. Comp. Ed., 48, Collis, B. (2002). Information Technologies for Education and Training. Em: Adelsberger, Collis and Pawlowski (Eds.). Handbook on Information Technologies for Education and Training. Berlin: Springer Verlag. Crick, R.D. (2005). Being a Learner: A virtue for the 21st Century. Br. J. Ed. Studies, 53(3), Dede, C. (1997). Rethinking How to Invest in Technology. Ed. Leadership, 55(3), Dillenbourg, P. e Tchounikine, P. (2007). Flexibility in Macro-Scripts for Computer- Supported Collaborative Learning. Journal of Computer Assisted Learning, 23(1), Dinter, C. (1998) Constructivism in Instructional Design Theory. J. Structural Learn. Intelligent Systems, 13(2), Doerksen, T. (2002). Development Approaches. Em: Adelsberger, Collis e Pawlowski (Eds). Handbook on Information Technologies for Education and Training (Handbooks on Information Systems). Berlin: Springer Verlag. Duffy, E. e Jonassen, D. (1992). Constructivism and Technology of Instruction: A conversation. New Jersey: Lawrence Erlbaum. Durham, H. e Arrel, K. (2007). Introducing new cultural and technological approaches into institutional practice: an experience from geography. Br. J. Ed. Technol., 38(5), Dutra, Í.M.; Johann, S.P.; Piccinini, C.A. e Fagundes, L. (2006). Uma base de dados para compartilhamento de experiências no uso de mapas conceituais no acompanhamento de processos de conceituação. Rev. Novas Tecnol. Ed., 4, European Commission (2001). Making a European Area of Lifelong Learning a Reality. Brussels: Commission of the European Communities. Fakas, G.; Nguyen. A. e Gillet, D. (2005). The Electronic Laboratory Journal: A Collaborative and Cooperative Learning Environment for Web-Based Experimentation. Comp. Support. Cooperative Work. 14, Gerosa, M.A.; Fuks, H. e Lucena, C.J.P.D. (2003). Suporte à Percepção em Ambientes de Aprendizagem Colaborativa. Rev. Bras. Inf. Ed., 11(2), Glasersfeld, E. (1995). Construtivismo Radical. Instituto Piaget, Lisboa. Grize, G. (1994). La Logique Naturelle: logique de l enfant et de l adulte. Trabalho apresentado no III Simpósio de Epistemologia Genética, Águas de Lindóia, Brasil. Gunstone. R. e Mitchell, I. (1998). Metacognition and Conceptual Change. Em: Mintzes, Wandersee e Novak (Eds.) Teaching Science for Understanding: A human constructivist view (pp ). San Diego: Academic Press. 276

15 Heeren, E. e Kommers, P. (1992). Flexibility of Expressiveness: a critical factor in the design of concept mapping tools for learning. Em: Kommers, Jonassen e Mayes (eds.) Cognitive Tools for Learning (pp ). Berlin: Springer Verlag. Henriques, M. (2000). O Pensamento Complexo e a Construção de um Currículo Não- Linear. Em: Associação Nacional de Pós-Graduação em Educação. Anais da XXIII Reunião Anual da ANPED (pp. 1-7) em Caxambu: ANPED. Retirado em 15 de abril de 2000, do World Wide Web: Hert, H.; Nell, H.; Chung G. e Schacter, J. (1999). Reability and validity of a Computer- Based Knowledge Mapping System to Measure Content Understanding. Comp. Human Behav. 15(3), Hewitt, J. e Scardamalia, M. (1998). Design Principles for Distributed Knowledge Building Processes. Ed. Psychol. Rev. 10(1), IEEE (2002). IEEE Standard for Learning Object Metadata. Retirado do Word Wide Web: Jonassen, D.; Peck, K. e Wilson, B. (1999). Learning with Technology: A Constructivist Perspective. Prentice Hall, Ohio. Jonassen, D. (1992). What are Cognitive Tools? Em: Kommers, J. e Mayes (eds.) Cognitive Tools for Learning (Series F: Computer and Systems Sciences, vol. 81, pp. 1-6). Berlin: Springer Verlag. Kao, G. e Lin, S. (2008). Breaking concept boundaries to enhance creative potential: Using integrated concept maps for conceptual self-awareness. Comp. Ed. 48, Kirschner, P. e Erkens, G. (2006) Cognitive Tools and Mindtools for Collaborative Learning. J. Ed. Comp. Res. 35(2), Kong, S. (2008). A curriculum framework for implementing information technology in school education to foster information literacy. Comp. Ed., 51, Koppi, T.; Bogle, L. e Neil, L. (2004). Institutional Use of Learning Objects: Lessons Learned and Future Directions. J. Ed. Multimedia Hypermedia. 13(4), Kurtz, J.; Gentner, D e Gunn, V. (1999). Reasoning. Em: Bly, B. M. e Rumelhart, D. E. Cognitive Science: handbook of perception and cognition (2ª ed., pp ). London: Academic Press. Lebow, D. (1995). Constructivist Values for Instructional Systems Design: five principles toward a new mindset. Em: Seels (Ed.). Instructional Design Fundamentals: A reconsideration. Englewood Cliffs, New Jersey: Educational Technology Publications. Litman, L. e Davachi, L. (2008). Distributed learning enhances relational memory consolidation. Learn. Memory. 15, Lowyck, J. (2002). Pedagogical Design. Em: Handbook on Information Technologies for Education and Training (pp ). Berlin: Springer Verlag. Martin, S. e Vallance, M. (2008). The impact of synchronous inter-networked teacher training in Information and Communication Technology integration. Comp. Ed. 51, Matlin, M. (1998). Cognition. New York: Harcourt Brace College Publishers. Mayer, R. (2002). A Taxonomy for Computer-based Assessment of Problem Solving. Comp. Human Behav. 18, Mayes, J. (1992). Cognitive Tools: A suitable Case for Learning. Em: Kommers, Jonassen and Mayes (eds.) Cognitive Tools for Learning (Series F: Computer and Systems Sciences, vol. 81, pp 7-18). Berlin: Springer Verlag. Melo, A. e Araújo, E. (2007). Competência informacional e gestão do conhecimento: uma relação necessária no contexto da sociedade da informação. Perspectivas em Ciência da Informação. 12(2). 277

16 Mendes, E. (2002). Tendências Futuras de Planejamento Curricular Construtivista. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC. Metcalfe, E. e Shimamura, T. (1994). Metacognition: knowing about knowing. Cambridge: MIT. Mioduser, D. e Nachimias, R. (2002). WWW in Education. Em: Adelsberger, Collis e Pawlowski (eds). Handbook on Information Technologies for Education and Training (pp 23-43). Berlin: Springer Verlag. Nielsen, J. (1990). Hypertext and Hypermedia. San Diego: Academic Press, INC. Novak, D. e Cañas, A. (2008) The Theory Underlying Concept Maps and How to Construct and Use Them (Technical Report from IHMC CmapTools), Florida Institute for Human and Machine Cognition, Retirado em setembro de 2008, do World Wide Web: Novak, J. e Gowin, D. (1984). Learn How to Learn. Cambridge: Cambridge University Press. OECD (2000). Knowledge Management in Learning Society: education and skills. Retirado em agosto de 2006, do World Wide Web: cl=12/nw=1/rpsv/home.htm. OECD (2003). Are Students Ready for a Technology-Rich World? What PISA Studies Tell Us. Retirado em agosto de 2006, do World Wide Web: /28/4/ pdf. OECD (2004). PISA 2003 Assessment Framework: Mathematics, Reading, Science and Problem Solving Knowledge and Skills. Retirado em setembro de 2008, do World Wide Web: Papert, S. (1994). A Máquina das Crianças: repensando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artes Médicas. Piaget, J. (1967). Biologie et Connaissance. Gallimard: Paris. Piaget, J. (1977). Psicologia da Inteligência. Rio de Janeiro: Zahar. Piaget, J. (1987). Nascimento da Inteligência na Criança. Rio de Janeiro: Zahar. Rumelhart, D.E.; Smolemsky, P.; McClelland, J.L. e Hinton, G.E. (1986). Schemata and Sequential Thought Process in PDP Models. Em: McClelland, J.L. e Rumelhart, D.E. The PDP Research Group (1986). Parallel distributed processing: Explorations in the microstructure of cognition (Vol. 2, Psychological and biological models). Cambridge, MA: MIT Press. Scardamalia, M. (2004). CSILE/Knowledge Forum. Em: Education and technology: an encyclopedia (pp ). Santa Barbara: ABC-CLIO. Scardamalia, M. e Bereiter, C. (2000). Schools as knowledge Building Organizations. Ontario Institute for Studies in Education of the University of Toronto. Retirado em 20 de maio de 2000, do World Wide Web: standing.html. Shapiro, A. (1999). The Relevance of Hierarchies to Learning Biology from Hypertext. The J. Learn. Sci. 8, Spector, M. (2008). Cognition and learning in the digital age: Promising research and practice. Comp. Human Behav. 24, Stahl, G.; Koschmann, T. e Suthers, D. (2006). Computer-supported collaborative learning: An historical perspective. Em: R.K. Sawyer (Ed.), Cambridge handbook of the learning sciences (pp ). Cambridge, UK: Cambridge University Press. 278

17 Suthers, D.; Vatrapu, R.; Medina, R.; Joseph, S. e Dwyer, N. (2008). Beyond Threaded Discussion: Representational Guidance in Asynchronous Collaborative Learning Environments. Comp. Ed. 50, Tavares, R. (2007). Construindo mapas conceituais. Cien. Cogn, 04 (12). Retirado em maio de 2008, do World Wide Web: Towbridge, J.E. e Wandersee, J.H. (1998). Theory-Driven Graphic Organizers. Em: Mintz, W. e Novak, J. (eds.). Teaching Science for Understanding: a human constructivist view (pp ). San Diego: Academic Press. Tseng, S.; Sue, P.; Su, J.; Weng, J. e Tsai,W. (2007) A new approach for constructing the concept map. Comp. Ed. 48, UNESCO (2001). Nurturing the Treasure: Vision and Strategy Hamburg: UNESCO. UNESCO (2007). Annual Report Institute for Lifelong Learning: UNESCO. Weinberger, A.; Ertl, B.; Fischer, F. e Mandl, H. (2005). Epistemic and Social Scripts in Computer-Supported Collaborative Learning Instructional Science. Intrl. J. Learn. Cogn. 33(1), Notas (1) A versão prévia desse trabalho foi apresentada no XIV Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino - ENDIPE, realizado entre os dias 27 e 30 de abril de 2008, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. (2) Em um estudo da OECD (2003) sobre a preparação dos jovens para solucionar problemas que encontrarão em sua vida profissional e em aprendizagem mais avançada, concluiu-se como um dos principais fatos é o de que mais da metade de todos os estudantes do México, Turquia, Brasil (64%), Indonésia e Tunísia apresentam um perfil de baixa proficiência em solução de problemas, não sendo capazes de lidar em situações de habilidades básicas. Isso significa que esses estudantes estarão limitados a problemas bem estruturados e direcionados, em que observação direta e inferências simples sejam os únicos processos para a obtenção de informação. (3) O conceito de information literacy foi traduzido como competência informacional por Melo e Araújo (2007). As autoras observam que competência informacional relaciona-se às atitudes que facilitam criar e compartilhar o conhecimento ao longo da vida, considerando-a como uma aprendizagem intencional e essencial para o sucesso na Sociedade da Informação e está entrelaçada com a cidadania participativa. (4) Os resultados da análise da OECD (2004) em estudos realizados em 2003 evidenciam a qualidade do ensino em Hong Kong: 1 em matemática, 2 em ciência, 2 em leitura e 3 em solução de problemas. - E. Mendes é Doutora em Engenharia de Produção (Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC). Atua como Professora da Faculdade de Educação (UFU) e Pesquisadora do Núcleo de Pesquisas em Tecnologias Cognitivas (UFU). Endereço eletrônico: para correspondência: 279

Construindo disciplinas de Gestão de Pessoas com Mapas Conceituais

Construindo disciplinas de Gestão de Pessoas com Mapas Conceituais Construindo disciplinas de Gestão de Pessoas com Mapas Conceituais Dra. Sonia Mara Thater Romero 1 Ms. Sergio da Costa Nunes 2 1 soniaromero@pop.com.br 2 sergiocnunes@pop.com.br 1 Doutora em Psicologia,

Leia mais

A Utilização de Mapas Conceituais na Compreensão de Novas Tecnologias na Educação

A Utilização de Mapas Conceituais na Compreensão de Novas Tecnologias na Educação A Utilização de Mapas Conceituais na Compreensão de Novas Tecnologias na Educação Marcos A. Betemps 1, Vitor B. Manzke 1, Vera L. Bobrowski 1,2, Rogério A. Freitag 1,3, Cristiano da S. Buss 1 1 Núcleo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO

UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO BRASIL & BAHIA (2013) UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO D.T. RODRIGUES 1, M. ROCHA 1, D.M. BRITO 1 e G.P. PINTO 1,2. 1

Leia mais

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Adja F. de Andrade adja@inf.pucrs.br 1 Beatriz Franciosi bea@inf.pucrs.br Adriana Beiler 2 adrianab@inf.pucrs.br Paulo R. Wagner prwagner@inf.pucrs.br

Leia mais

USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA AUTORIA DE CURSOS A DISTÂNCIA

USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA AUTORIA DE CURSOS A DISTÂNCIA USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA AUTORIA DE CURSOS A DISTÂNCIA Anderson Ricardo Yanzer Cabral Resumo Em instituições que trabalham com o desenvolvimento de cursos e treinamentos a distância um dos grandes desafios

Leia mais

Quais as competências e habilidades para aprender a

Quais as competências e habilidades para aprender a Educação a Distância e Tecnologias Como aprendem os adultos? Quais as competências e habilidades para aprender a distância? Por que os adultos procuram os cursos a distância? O que precisamos saber sobre

Leia mais

CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS. Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade. Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova

CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS. Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade. Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova 1 Uma introdução Doug LEMOV (2011) estudou o comportamento

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA 9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA Autor(es) MICHELE CRISTIANI BARION FREITAS Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO 1. Introdução A partir de ferramentas

Leia mais

Trabalho de Grupo. Escola Superior de Educação de Viseu Licenciatura: Educação Básica Unidade Curricular: TIC 1º Ano - 2º Semestre 2013/2014

Trabalho de Grupo. Escola Superior de Educação de Viseu Licenciatura: Educação Básica Unidade Curricular: TIC 1º Ano - 2º Semestre 2013/2014 1. ACTIVIDADE Esta actividade irá ser realizada pelas crianças e tem como objectivo a produção de um vídeo original com base na disciplina de Educação Musical. Para esta actividade irão ser utilizadas

Leia mais

COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS

COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS Luiz Antonio Schalata Pacheco schalata@cefetsc.edu.br Sabrina Moro Villela Pacheco sabrinap@cefetsc.edu.br EDIÇÃO PRELIMINAR Sumário 1 INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Webteca A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS POR MAPAS CONCEITUAIS. Stela C. Bertholo Piconez 1 spiconez@uol.com.br. Introdução

Webteca A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS POR MAPAS CONCEITUAIS. Stela C. Bertholo Piconez 1 spiconez@uol.com.br. Introdução Webteca A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS POR MAPAS CONCEITUAIS Stela C. Bertholo Piconez 1 spiconez@uol.com.br Introdução As tecnologias e abordagens utilizadas em ambientes de aprendizagem cooperativa apoiadas

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

TENDÊNCIAS FUTURAS PARA PLANEJAMENTO CURRICULAR CONSTRUTIVISTA NO ENSINO MÉDIO

TENDÊNCIAS FUTURAS PARA PLANEJAMENTO CURRICULAR CONSTRUTIVISTA NO ENSINO MÉDIO Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção TENDÊNCIAS FUTURAS PARA PLANEJAMENTO CURRICULAR CONSTRUTIVISTA NO ENSINO MÉDIO Tese apresentada ao Programa de

Leia mais

Tecnologias na escola: algumas experiências e possibilidades

Tecnologias na escola: algumas experiências e possibilidades CINTED-UFRGS Novas Tecnologias na Educação Tecnologias na escola: algumas experiências e possibilidades Ítalo Modesto Dutra * Rosália Procasko Lacerda ** Resumo: A necessidade de transformar a sala de

Leia mais

A importância da Informática na Educação

A importância da Informática na Educação A importância da Informática na Educação AGUIAR, Juliana Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais FAEG - Rua das Flores, 740 Bairro Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone

Leia mais

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP INTRODUÇÃO O que seria a utilização do computador na educação de maneira inteligente? Seria fazer aquilo que o professor faz tradicionalmente

Leia mais

Online Collaborative Learning Design

Online Collaborative Learning Design "Online Collaborative Learning Design" Course to be offered by Charlotte N. Lani Gunawardena, Ph.D. Regents Professor University of New Mexico, Albuquerque, New Mexico, USA July 7- August 14, 2014 Course

Leia mais

IN0997 - Redes Neurais

IN0997 - Redes Neurais IN0997 - Redes Neurais Aluizio Fausto Ribeiro Araújo Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática - CIn Departamento de Sistemas da Computação aluizioa@cin.ufpe.br Conteúdo Objetivos Ementa

Leia mais

Fasci-Tech TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA NOVA DINÂMICA SOCIOCULTURAL

Fasci-Tech TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA NOVA DINÂMICA SOCIOCULTURAL TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA NOVA DINÂMICA SOCIOCULTURAL ROGÉRIO FERNANDES DA COSTA 1 Resumo: A Tecnologia da informação possibilita a interação com a informação e as transmissões em rede encurtam as distâncias

Leia mais

Exemplo de Vê Epistemológico. O uso de analogias para gerar mudanças conceituais 1. Leonardo Sartori Porto

Exemplo de Vê Epistemológico. O uso de analogias para gerar mudanças conceituais 1. Leonardo Sartori Porto Exemplo de Vê Epistemológico O uso de analogias para gerar mudanças conceituais 1 Leonardo Sartori Porto Nosso projeto de pesquisa visa investigar se o uso de analogias no ensino de ciências pode facilitar

Leia mais

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013)

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Questionamentos que devem ser enfrentados 1. Como você descreveria esse ambiente

Leia mais

Estilos de Interação para Auto regulação da Aprendizagem através de Portfólios Digitais

Estilos de Interação para Auto regulação da Aprendizagem através de Portfólios Digitais UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação Estilos de Interação para Auto regulação da Aprendizagem através de Portfólios Digitais Proposta de Trabalho

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARES EDUCACIONAIS DE BIOLOGIA. Eixo Temático 2- Pesquisa e Práticas Educacionais Comunicação

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARES EDUCACIONAIS DE BIOLOGIA. Eixo Temático 2- Pesquisa e Práticas Educacionais Comunicação AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARES EDUCACIONAIS DE BIOLOGIA Eixo Temático 2- Pesquisa e Práticas Educacionais Comunicação Mariangela Norkus - PROGEPE/UNINOVE Amélia Silveira - PROGEPE/UNINOVE Cláudia

Leia mais

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC A história da construção do conhecimento pessoal é a história da vida de cada um de nós, pois construímos esse conhecimento de uma maneira específica e individual. A teoria a respeito dos Mapas Conceituais

Leia mais

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM AULAS DE MATEMÁTICA: INTEGRAÇÃO DO LAPTOP EDUCACIONAL NO ENSINO DE ÁLGEBRA

PRÁTICA PEDAGÓGICA EM AULAS DE MATEMÁTICA: INTEGRAÇÃO DO LAPTOP EDUCACIONAL NO ENSINO DE ÁLGEBRA PRÁTICA PEDAGÓGICA EM AULAS DE MATEMÁTICA: INTEGRAÇÃO DO LAPTOP EDUCACIONAL NO ENSINO DE ÁLGEBRA Fernanda Elisbão Silva de Souza Mestranda da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, fernanda.elisbao@gmail.com

Leia mais

ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO COM APOIO DE UM OBJETO DE APRENDIZAGEM

ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO COM APOIO DE UM OBJETO DE APRENDIZAGEM ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO COM APOIO DE UM OBJETO DE APRENDIZAGEM Gilmer Jacinto Peres 1 Instituto Federal do Norte de Minas Gerais gilmerperes@gmail.com Maria

Leia mais

Teorias de e-learning Fábio Fernandes

Teorias de e-learning Fábio Fernandes Teorias de e-learning Fábio Fernandes O que é uma teoria? Uma teoria, nesse contexto, pode ser descrita como uma série de hipóteses que aplicam-se a todas as instâncias de um acontecimento ou assunto e

Leia mais

REQUISITOS PARA A MODELAGEM DE AMBIENTES DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA: UMA PROPOSTA DA PUCRS VIRTUAL

REQUISITOS PARA A MODELAGEM DE AMBIENTES DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA: UMA PROPOSTA DA PUCRS VIRTUAL REQUISITOS PARA A MODELAGEM DE AMBIENTES DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA: UMA PROPOSTA DA PUCRS VIRTUAL Adja F. de Andrade 1 Beatriz Franciosi Adriana Beiler 2 Paulo R. Wagner Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

Desenvolvimento de uma plataforma virtual para construção e avaliação de diagramas V

Desenvolvimento de uma plataforma virtual para construção e avaliação de diagramas V Desenvolvimento de uma plataforma virtual para construção e avaliação de diagramas V Felipe Damasio Sabrina Moro Villela Pacheco Jefferson Martins Resumo Neste trabalho, serão apresentadas a definição,

Leia mais

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH Francielly Falcão da Silva¹, Samuel Carlos Romeiro Azevedo Souto², Mariel José Pimentel de Andrade³ e Alberto Einstein Pereira

Leia mais

Tecnologias Digitais Acopladas a um Ambiente Virtual de Aprendizagem para o Ensino de Física

Tecnologias Digitais Acopladas a um Ambiente Virtual de Aprendizagem para o Ensino de Física PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA Tecnologias Digitais Acopladas a um Ambiente Virtual de Aprendizagem para o Ensino

Leia mais

OS MAPAS CONCEITUAIS COMO ORGANIZADORES DE HIPERTEXTOS PARA OS AMBIENTES DE ENSINO A DISTÂNCIA EAD

OS MAPAS CONCEITUAIS COMO ORGANIZADORES DE HIPERTEXTOS PARA OS AMBIENTES DE ENSINO A DISTÂNCIA EAD OS MAPAS CONCEITUAIS COMO ORGANIZADORES DE HIPERTEXTOS PARA OS AMBIENTES DE ENSINO A DISTÂNCIA EAD Resumo Sergio da Costa Nunes 1 Luciano Carvalho Andreatta Carvalho da Costa 2 Este artigo apresenta uma

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO E SOFTWARE PARA A PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DE ENSINO

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO E SOFTWARE PARA A PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DE ENSINO 1 AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO E SOFTWARE PARA A PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DE ENSINO Rio Branco AC 05/2010 Luciete Basto de Andrade Albuquerque Universidade Federal do Acre luciete@brturbo.com.br Luiz Augusto

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

Conceitos Introdutórios Fábio Fernandes

Conceitos Introdutórios Fábio Fernandes Conceitos Introdutórios Fábio Fernandes Introdução Com o advento da tecnologia e o maior acesso do público em geral a Internet, o aprendizado on-line (e-learning) tem sido cada vez mais procurado por profissionais

Leia mais

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 70 A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O USO DE AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Rita de Cássia Viegas dos Santos

Leia mais

Contribuições de Bruner e Gagné para a Teoria da Aprendizagem Musical de Edwin Gordon

Contribuições de Bruner e Gagné para a Teoria da Aprendizagem Musical de Edwin Gordon Contribuições de Bruner e Gagné para a Teoria da Aprendizagem Musical de Edwin Gordon Ricardo Dourado Freire Universidade de Brasília e-mail: freireri@unb.br web: www.musicaparacriancas.unb.br Sumário:

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD

Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD Autor: Robson da Silva Lopes 1, Orientadora: Prof a. Dr a. Márcia Aparecida Fernandes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da

Leia mais

MAPAS CONCEITUAIS. Marivaldo Souza Marlene Banhos

MAPAS CONCEITUAIS. Marivaldo Souza Marlene Banhos MAPAS CONCEITUAIS Marivaldo Souza Marlene Banhos MAPAS CONCEITUAIS O que é um mapa conceitual? Mapas conceituais são ferramentas gráficas para organizar e representar o conhecimento. Incluem conceitos,

Leia mais

Considerações sobre uso de ambientes para ensino a distância

Considerações sobre uso de ambientes para ensino a distância Tânia Martins Preto 85 Considerações sobre uso de ambientes para ensino a distância Tânia Martins Preto (Mestre) Curso de Tecnologia em Processamento de Dados - Universidade Tuiuti do Paraná 86 Considerações

Leia mais

O PRINCÍPIO DA MODALIDADE COMO FATOR GERADOR DE UMA MELHOR APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO

O PRINCÍPIO DA MODALIDADE COMO FATOR GERADOR DE UMA MELHOR APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO 1 O PRINCÍPIO DA MODALIDADE COMO FATOR GERADOR DE UMA MELHOR APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO 05/2010 Nádia Cristina de A. Melli - Universidade de São Paulo - nadia@sc.usp.br José Dutra

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

SISTEMA DE APOIO AO ENSINO BASEADO EM AGENTES. Resumo

SISTEMA DE APOIO AO ENSINO BASEADO EM AGENTES. Resumo SISTEMA DE APOIO AO ENSINO BASEADO EM AGENTES Sérgio A. S. de Moraes 1 Resumo Este apresenta a modelagem de um Sistema Tutor Inteligente (STI) baseado em uma arquitetura Multi-Agente (MA) para apoio ao

Leia mais

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES Ulisses Dias ulissesdias@limc.ufrj.br Rodrigo de Alencar Hausen hausen@limc.ufrj.br Rodrigo G. Devolder rodrigodevolder@limc.ufrj.br Luiz Carlos

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Olga Cristina Teixeira Lira Carlos Eduardo Monteiro Universidade Federal de Pernambuco olgactlira@hotmail.com;

Leia mais

CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO MULTIMÍDIA VISANDO À APRENDIZAGEM DE SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO MULTIMÍDIA VISANDO À APRENDIZAGEM DE SISTEMAS DE NUMERAÇÃO CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO MULTIMÍDIA VISANDO À APRENDIZAGEM DE SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Maria do Carmo Barbosa Trevisan UNIFRA - mcbtrevisan@hotmail.com Vanilde Bisognin UNIFRA - vanilde@unifra.com

Leia mais

INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA O PROFESSOR DE INGLÊS

INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA O PROFESSOR DE INGLÊS INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA O PROFESSOR DE INGLÊS R E S U M O Ana Paula Domingos Baladeli * Anair Altoé ** O presente trabalho é um recorte da análise de dados realizada em pesquisa de Mestrado

Leia mais

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores Laboratório Multidisciplinar de Ensino de Ciências e Matemática (LabMEC), vinculado ao Instituto de Ciências Exatas:

Leia mais

DEFINIÇÃO DE METADADOS PARA O REPOSITÓRIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM DA EAD - UFSC

DEFINIÇÃO DE METADADOS PARA O REPOSITÓRIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM DA EAD - UFSC DEFINIÇÃO DE METADADOS PARA O REPOSITÓRIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM DA EAD - UFSC Projeto desenvolvido junto ao Departamento de EAD/UFSC 2007-2008. Equipe: Profª. Edna Lucia da Silva e Profª. Ligia Café

Leia mais

ABORDAGEM DE ANALOGIAS EM AMBIENTES INTERACIONISTAS NA EDUCAÇÃO. Ronaldo Luiz Nagem * Dulcinéia de Oliveira Carvalhaes **

ABORDAGEM DE ANALOGIAS EM AMBIENTES INTERACIONISTAS NA EDUCAÇÃO. Ronaldo Luiz Nagem * Dulcinéia de Oliveira Carvalhaes ** ABORDAGEM DE ANALOGIAS EM AMBIENTES INTERACIONISTAS NA EDUCAÇÃO Ronaldo Luiz Nagem * Dulcinéia de Oliveira Carvalhaes ** Resumo O presente trabalho discute os estudos realizados para utilização de analogias

Leia mais

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Nos últimos anos, a educação a distância via telemática ganhou uma nova dimensão,

Leia mais

Utilização de mapas conceituais para elaboração de conteúdo da disciplina de gerenciamento de riscos

Utilização de mapas conceituais para elaboração de conteúdo da disciplina de gerenciamento de riscos ISSN 1984-9354 Utilização de mapas conceituais para elaboração de conteúdo da disciplina de gerenciamento de riscos Moacyr Machado Cardoso Junior ITA Tiago José Menezes Gonçalves ITA Rodrigo Arnaldo Scarpel

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A atuação do homem no meio ambiente, ao longo da história, fornece provas de suas ações em nome do progresso. Esta evolução tem seu lado positivo, pois abre novos horizontes, novas

Leia mais

PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA

PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA Daniel Gonzaga dos Santos 1 Faculdade Cidade de João Pinheiro Resumo: Este artigo aborda as etapas para

Leia mais

TABULÆ, UM PROGRAMA DE GEOMETRIA DINÂMICA DESTINADO À APRENDIZAGEM COLABORATIVA

TABULÆ, UM PROGRAMA DE GEOMETRIA DINÂMICA DESTINADO À APRENDIZAGEM COLABORATIVA TABULÆ, UM PROGRAMA DE GEOMETRIA DINÂMICA DESTINADO À APRENDIZAGEM COLABORATIVA Rafael Garcia Barbastefano CEFET/RJ rgb@cefet-rj.br Francisco Mattos Colégio Pedro II Colégio de Aplicação da UERJ franciscorpm@ig.com.br

Leia mais

Solução de problemas em Matemática

Solução de problemas em Matemática ADAPTADO DE: ALVES, ÉRICA VALERIA; BRITO, MÁRCIA REGINA FERREIRA. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A SOLUÇÃO DE PROBLEMAS. ANAIS DO VII EBRAPEM: ENCONTRO BRASILEIRO DE ESTUDANTES DE PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

POR UMA APRENDIZAGEM ADAPTATIVA BASEADA NA PLATAFORMA MOODLE

POR UMA APRENDIZAGEM ADAPTATIVA BASEADA NA PLATAFORMA MOODLE 1 POR UMA APRENDIZAGEM ADAPTATIVA BASEADA NA PLATAFORMA MOODLE Rio de Janeiro 05/2009 João José Bignetti Bechara LATEC/UFRJ e Teachware Consulting (bechara@teachware.com.br) Cristina Jasbinschek Haguenauer

Leia mais

Utilização das Idéias de Piaget como Suporte para o Ensino de Sistemas Operacionais

Utilização das Idéias de Piaget como Suporte para o Ensino de Sistemas Operacionais Utilização das Idéias de Piaget como Suporte para o Ensino de Sistemas Operacionais José Augusto Fabri Alexandre L Erário Departamento de Engenharia de Produção Escola Politécnica Universidade de São Paulo.

Leia mais

Avaliação de Objeto de Aprendizagem de Matemática por Educadores de EJA da Fundamentação Pedagógica e de Conteúdo

Avaliação de Objeto de Aprendizagem de Matemática por Educadores de EJA da Fundamentação Pedagógica e de Conteúdo Avaliação de Objeto de Aprendizagem de Matemática por Educadores de EJA da Fundamentação Pedagógica e de Conteúdo Zorália Brito das Chagas Vasconcelos, Cleosanice Barbosa Lima, Raimunda Rosany Magalhães

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica H111900 Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia no âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA DE PROFESSOES DE FÍSICA DO NÍVEL MÉDIO: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE UM CURSO PILOTO COM SUPORTE NA INTERNET

FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA DE PROFESSOES DE FÍSICA DO NÍVEL MÉDIO: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE UM CURSO PILOTO COM SUPORTE NA INTERNET 1 FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA DE PROFESSOES DE FÍSICA DO NÍVEL MÉDIO: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE UM CURSO PILOTO COM SUPORTE NA INTERNET Área Temática: Formación y nuevas tecnologías en los países

Leia mais

Gestão de tecnologias na escola

Gestão de tecnologias na escola Gestão de tecnologias na escola Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 As tecnologias de informação e comunicação foram inicialmente introduzidas na educação para informatizar as atividades administrativas,

Leia mais

Teoria de aprendizagem de David Ausubel, Mapa Conceitual e Diagrama V

Teoria de aprendizagem de David Ausubel, Mapa Conceitual e Diagrama V ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Teoria de aprendizagem de David Ausubel, Mapa Conceitual e Diagrama V Prof. Nelson Luiz Reyes Marques ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO

Leia mais

UAb Session on Institutional Change Students and Teachers. Lina Morgado

UAb Session on Institutional Change Students and Teachers. Lina Morgado UAb Session on Institutional Change Students and Teachers Lina Morgado Lina Morgado l SUMMARY 1 1. Pedagogical Model : Innovation Change 2. The context of teachers training program at UAb.pt 3. The teachers

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

Ambiente colaborativo de aprendizagem Um estudo de caso baseado no curso de Engenharia de Produção dos Institutos Superiores de Educação (ISECENSA)

Ambiente colaborativo de aprendizagem Um estudo de caso baseado no curso de Engenharia de Produção dos Institutos Superiores de Educação (ISECENSA) Ambiente colaborativo de aprendizagem Um estudo de caso baseado no curso de Engenharia de Produção dos Institutos Superiores de Educação (ISECENSA) Simone Vasconcelos Silva (ISECENSA) simonevsinfo@yahoo.com.br

Leia mais

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional José Duarte jose.duarte@ese.ips.pt Escola Superior de Educação de Setúbal José Duarte iniciou a sua carreira como professor de Matemática do Ensino

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia.

Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia. Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia. Autor 1 * Autor 2 ** Resumo: Neste artigo vamos apresentar o relato de uma proposta de trabalho desenvolvida na escola básica

Leia mais

USANDO MAPAS CONCEITUAIS NO AUXÍLIO A AVALIAÇÃO DE DISCIPLINAS UM ESTUDO DE CASO

USANDO MAPAS CONCEITUAIS NO AUXÍLIO A AVALIAÇÃO DE DISCIPLINAS UM ESTUDO DE CASO Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 USANDO MAPAS CONCEITUAIS NO AUXÍLIO A AVALIAÇÃO DE DISCIPLINAS UM ESTUDO DE CASO Oswaldo Ortiz

Leia mais

A INFORMÁTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA: ALGUNS ESTUDOS RECENTES

A INFORMÁTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA: ALGUNS ESTUDOS RECENTES A INFORMÁTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA: ALGUNS ESTUDOS RECENTES Silvia Regina Viel Rodrigues - Uni-FACEF Introdução Localizado no Departamento de Matemática, Unesp, Rio Claro, sob a coordenação do professor

Leia mais

CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS

CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS ANDREA DA SILVA MARQUES RIBEIRO andrea.marques@gmail.com INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA (CAP-UERJ) FERNANDO DE BARROS VASCONCELOS

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Abstract. This work shows the evolution of Intelligent Teaching Assistant SAE that include and provide

Leia mais

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Prof. Me. Wagner Antonio Junior Secretaria Municipal da Educação de Bauru e-mail: wag.antonio@gmail.com Pôster Pesquisa em andamento A

Leia mais

Recursos Computacionais para a prática do Ensino

Recursos Computacionais para a prática do Ensino INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JUNIOR Recursos Computacionais para a prática do Ensino Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz algumas

Leia mais

APRENDIZADO BASEADO EM PROBLEMAS A DISTÂNCIA UTILIZANDO MAPA CONCEITUAL. EXPERIÊNCIA INICIAL NO ENSINO MÉDICO. TCC3016

APRENDIZADO BASEADO EM PROBLEMAS A DISTÂNCIA UTILIZANDO MAPA CONCEITUAL. EXPERIÊNCIA INICIAL NO ENSINO MÉDICO. TCC3016 1 APRENDIZADO BASEADO EM PROBLEMAS A DISTÂNCIA UTILIZANDO MAPA CONCEITUAL. EXPERIÊNCIA INICIAL NO ENSINO MÉDICO. TCC3016 12/02/2006 Eduardo Tomaz Froes Fac. Medicina Unifenas Campus Belo Horizonte Email:

Leia mais

Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP

Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP Eduardo Barrére Liamara Scortegagna Atualizando o título: Elaboração

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

Validório, Valéria Cristiane 1

Validório, Valéria Cristiane 1 A INTERAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM: uma perspectiva sociocultural Validório, Valéria Cristiane 1 RESUMO As relações sociais entre o indivíduo e o mundo exterior desenvolvem-se por meio de um processo

Leia mais

Mapa de Conteúdos e Mapa de Dependências: ferramentas para um planejamento com base em objetivos educacionais

Mapa de Conteúdos e Mapa de Dependências: ferramentas para um planejamento com base em objetivos educacionais Mapa de Conteúdos e Mapa de Dependências: ferramentas para um planejamento com base em objetivos educacionais Rommel Wladimir de Lima 1, Sergio Vianna Fialho 2 1 Departamento de Informática Universidade

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

AMBIENTE DE APRENDIZAGEM COLABORATIVO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA CURSOS DE COMPUTAÇÃO

AMBIENTE DE APRENDIZAGEM COLABORATIVO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA CURSOS DE COMPUTAÇÃO AMBIENTE DE APRENDIZAGEM COLABORATIVO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA CURSOS DE COMPUTAÇÃO Danilo Abreu SANTOS, Wannyemberg K. da S. DANTAS, Adriano Araújo DOS SANTOS Departamento de Computação,

Leia mais

A utilização do LMS Chamilo na disciplina Laboratório de Ensino de Matemática: a experiência de professores em formação inicial

A utilização do LMS Chamilo na disciplina Laboratório de Ensino de Matemática: a experiência de professores em formação inicial A utilização do LMS Chamilo na disciplina Laboratório de Ensino de Matemática: a experiência de professores em formação inicial Luciane Mulazani dos Santos, UDESC, luciane.mulazani@udesc.br Ivanete Zuchi

Leia mais

Comunidades de educação e inovação na sociedade digital

Comunidades de educação e inovação na sociedade digital Educação, Formação & Tecnologias (dezembro, 2012), 5 (2), 4 10 Submetido: outubro 2012/ Aprovado: novembro, 2012 Comunidades de educação e inovação na sociedade digital PAULO DIAS Universidade Aberta,

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento 1 Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento Referência do texto para discussão: BRASCHER, Marisa;

Leia mais

A Inclusão Digital como Tecnologia de Transformação Social no Meio Rural Digital Inclusion as a Technology for Social Transformation in Rural Areas

A Inclusão Digital como Tecnologia de Transformação Social no Meio Rural Digital Inclusion as a Technology for Social Transformation in Rural Areas A Inclusão Digital como Tecnologia de Transformação Social no Meio Rural Digital Inclusion as a Technology for Social Transformation in Rural Areas Fábio Nauras Akhras, Doutor Mariana Pontes de França,

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA I DA JUSTIFICATIVA PROJETOS DE ENSINO O cenário educacional atual tem colocado aos professores, de modo geral, uma série de desafios que, a cada ano, se expandem em termos de quantidade e de complexidade.

Leia mais

Mapas Conceituais: representação do Conhecimento

Mapas Conceituais: representação do Conhecimento Universidade Federal de Alagoas Campus Arapiraca/Pólo Penedo Curso de Engenharia de Pesca Disciplina: Física Geral e Experimental II (ENGP011) Turma: C Semestre: 2009.2 Professor: Adeildo Amorim TRABALHO

Leia mais

Algumas idéias sobre WebQuests

Algumas idéias sobre WebQuests Algumas idéias sobre WebQuests Bernie Dodge, San Diego State University [Tradução e adaptação: Simão Pedro P. Marinho, 1999] Existem milhares de escolas de algum modo conectadas com a Internet e seu número

Leia mais

Dos objetos de aprendizagem às atividades de aprendizagem: um novo olhar sobre o desenvolvimento de recursos educacionais para a educação online

Dos objetos de aprendizagem às atividades de aprendizagem: um novo olhar sobre o desenvolvimento de recursos educacionais para a educação online Dos objetos de aprendizagem às atividades de aprendizagem: um novo olhar sobre o desenvolvimento de recursos educacionais para a educação online Novo Hamburgo RS maio 2012 Patrícia B. Scherer Bassani Feevale

Leia mais

A Pedagogia de Jerome Bruner Ramiro Marques

A Pedagogia de Jerome Bruner Ramiro Marques A Pedagogia de Jerome Bruner Ramiro Marques Jerome S. Bruner nasceu em 1915. Doutorou-se em Psicologia, em 1941, na Harvard University, após ter concluído, em 1937, a licenciatura na Duke University. Foi,

Leia mais