Usando o VRML em uma aplicação comercial: IAPEP Virtual

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Usando o VRML em uma aplicação comercial: IAPEP Virtual"

Transcrição

1 Usando o VRML em uma aplicação comercial: IAPEP Virtual Mário Sérgio Coelho Marroquim 1 Graduando do Curso de Sistemas de Informações Professores Orientadores: Adalton de Sena Almeida, MSc 1 Ney Paranaguá de Carvalho, MSc 1 1 Centro Federal de Educação Tecnológica do Piauí (CEFET-PI) Abstract. The virtual reality seems distant and confused. However, it is very present in our lives. Films and games are a good example. The use of sounds and images creates interaction and involvement that generates a more advanced and friendly interface for the user. The IAPEP Virtual was developed with the purpose to bring the inherent characteristics to the virtual reality, for Web in a commercial application, the IAPEP ON-LINE. Creating, thus, an interface more elaborated than the currently used ones (in two dimensions) in the Internet. It was used language VRML[1] (Virtual Reality Modeling Language), that it is based on simple objects (cubes, spheres, cylinders...), textures and sounds to represent the real world[2]. In a threedimensional model of the internal area of the IAPEP, the user will have access to the physical installations of the institution and to the services that the IAPEP ON-LINE will offer. The user will pass through in this environment through sliding boards, followed by the virtual guide, named Iolanda. Key-Words : VRML, WEB. Resumo. A realidade virtual parece distante e confusa. Contudo, ela está muito presente em nossas vidas. Filmes e jogos são um bom exemplo. A utilização de sons e imagens cria interação e envolvimento, que geram uma interface mais avançada e amigável para o usuário. O IAPEP Virtual foi desenvolvido com a finalidade de trazer as características inerentes à realidade virtual, para a Web em uma aplicação comercial, o IAPEP ON- LINE. Criando assim, uma interface mais elaborada do que as atualmente usadas (em duas dimensões) na Internet. Foi utilizada a linguagem VRML[1] (Virtual Reality Modeling Language) que se baseia em objetos simples (cubos, esferas, cilindros...), texturas e sons para representar o mundo real[2]. Em um modelo tridimensional da área interna do prédio do IAPEP, o usuário terá acesso às instalações físicas da instituição e aos serviços que o IAPEP ON- LINE oferecerá. O usuário trafegará nesse ambiente através de placas deslizantes, acompanhado pela guia virtual, nomeada aqui de Iolanda. Palavras Chaves: VRML, WEB.

2 1. Introdução O VRML é uma linguagem de modelagem de ambientes tridimensionais para a Web. Trata-se de um formato de arquivo ( *.wrl ou *.wrz ) análogo ao HTML (HiperText Markup Language),para objetos tridimensionais. Usando-se formas pré-definidas e se especificando novas formas a partir dessas, podem-se atribuir cor, forma, luz e outros a um documento VRML. Como foi projetado para a Web, o VRML nasceu independente de sistema operacional bastando o usuário adquirir um plugin VRML (programa necessário para visualização dos ambientes 3D) disponível para a plataforma utilizada. O VRML foi exposto ao mundo, primeiramente, em Mas só em 1997, com sua segunda versão, Moving Worlds VRML 2.0, a linguagem se tornou padrão para interfaces tridimensionais na Web. Desde então vem sendo usada em diversos casos: do auxílio aos profissionais de arquitetura e construção civil à construção de roupas com mini-computadores (Wearable computer), pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology). O uso da Realidade Virtual como padrão de interface na Internet não é uma realidade. Embora muitos vejam no futuro da Internet as interfaces tridimensionais, atualmente, o que se tem é uma crescente utilização da Realidade Virtual em diversas áreas de nossas vidas. O VRML ainda não é amplamente usado, pois o poder de processamento dos computadores pessoais ainda, em geral, não é o ideal. Além disso, as conexões com a Internet em banda larga só agora estão começando a ser usadas pela maioria dos usuários da Internet. Este projeto tem como objetivo principal expor a linguagem ao uso como interface alternativa para o IAPEP ON-LINE, uma aplicação comercial completamente voltada para a interface Web. Além da criação do modelo tridimensional da parte interna do prédio do IAPEP, o Instituto de Previdência e Assistência do Estado do Piauí, foram criados menus, em formas de placas deslizantes, para se estabelecer um diálogo com o usuário a fim de se fornecer as opções do sistema. Para exibir as opções dos menus corretamente, foram definidos três grupos de usuários: os segurados, os credenciados do IAPEP (prestadores, hospitais e clínicas, e profissionais, médicos que trabalham junto aos prestadores) e os usuários visitantes, que não têm nenhum vínculo com o IAPEP. Para cada um, o IAPEP Virtual se apresenta de maneira diferente. Entretanto, a opção navegação livre pelo ambiente está disponível para todos os usuários. Outra opção que está disponível para todos é o Tour Pelo IAPEP, onde Iolanda, a guia virtual, irá guiar o usuário pelo cenário virtual do IAPEP, mostrando informações sobre os diversos serviços prestados pelo referido Órgão. As opções dos menus levam à exibição do mesmo conteúdo das páginas do IAPEP ON-LINE, em janelas pop-up. Ou seja, no acesso à determinada funcionalidade através da interface em VRML é exibida a mesma página que aparece quando se acessa a mesma opção pela interface normal, em HTML. Assim, o usuário pode realizar suas operações e voltar ao ambiente tridimensional sem grandes dificuldades, garantindo-se, deste modo, a navegabilidade da solução, de um modo geral. Um detalhe importante: toda essa lógica para exibição do ambiente virtual e dos menus é controlada através de scripts PHP (HiperText Preprocessor) fato que será melhor explicado ao longo do texto.

3 É importante ressaltar que o uso do VRML aqui não é apenas para exibição de objetos tridimensionais, mas também para criação de uma interface completa: a existência de um ambiente, uma guia virtual e menus, com opções que mudam de acordo com o usuário, interagem para criar, envolvimento, além de propor navegabilidade e interação com o sistema que não são possíveis em interfaces comuns (em duas dimensões)[6]. Aí está a grande motivação para o projeto: provar que a Realidade Virtual pode sim sair dos centros de pesquisa e dos livros técnicos para ser usada diariamente em algo importante para todos, como interface para uma aplicação, propondo maneiras de se interagir com o sistema de um modo bem mais envolvente e inédito. O site oficial do projeto é: 2. Material Utilizado Objetivando aprofundar o conhecimento na linguagem e seu uso, foram feitas várias pesquisas incluindo vários assuntos como código JavaScript dentro do VRML, animações (sensores e eventos) e nodos em geral como Text e Billboard. Uma lista completa do material utilizado pode ser encontrada nas referências, no final deste trabalho. A implementação do código em VRML foi realizada usando o editor de texto VRML Pad, da Parallel Graphics [ParallelGraphics, (não foram usadas ferramentas de design tridimensional como AUTOCAD ou StudioMax). A guia virtual, Iolanda, foi desenvolvida com base em um modelo disponibilizado pelo produto Internet Space Builder, também da Parallel Graphics. As fotos, que serviram de texturas no ambiente, foram retiradas com uma câmera digital e editadas no pacote de programas Acdsee Power Pack 5.0 [ACD Systems, 3. Metodologia A criação de um modelo virtual de um ambiente que existe na vida real é complexa. Poderia ser feito um modelo exato e quase idêntico à realidade, mas este seria demasiadamente pesado, por causa da existência de elementos como iluminação, sombras e dezenas de texturas. Um modelo assim só poderia ser visualizado, com velocidade aceitável, em computadores muito potentes e seria lento fazer sua carga pela Internet, mesmo utilizando-se banda larga. O IAPEP Virtual não procura a perfeição em relação ao ambiente real. Assim, em alguns casos ele não se assemelha à realidade, de modo que o seu tempo de carga e processamento torne-se bastante aceitável. O desenvolvimento do projeto virtual foi divido em: definição do ambiente; texturização e ambientação; criação da guia virtual; definição dos menus; definição das rotas do viewpoint (visão do usuário) e da guia virtual; criação das animações. Essas fases serão detalhadas a seguir: Definição do ambiente - foram feitos desenhos do interior do prédio para posterior codificação do ambiente e correto posicionamento de paredes e demais objetos. Vale lembrar que se utilizando objetos simples, como cubos, podem-se

4 representar objetos do mundo real com muito realismo [2]. Paredes, colunas, teto, piso, quadros e outros elementos não passam de simples cubos. Texturização e ambientação o ambiente não seria realístico sem texturas. Cada objeto tridimensional pode possuir uma textura para torná-lo mais real [6], assim, foram utilizadas fotos retiradas do local com uma câmera digital. Observou-se grande dificuldade em obter-se um modelo com as cores reais do ambiente e que tivesse uma semelhança quase fotográfica com a realidade. Para corrigir o problema, as fotos foram retiradas em pontos onde não havia muita iluminação ambiente, sem recurso de flash da máquina. Pequenas alterações, principalmente no grau de saturação, foram feitas para adequar as texturas à realidade. Embora o VRML ofereça suporte, a iluminação foi colocada alterando as texturas e não inserindo código direto no VRML. O motivo é simples: o modelo de iluminação do VRML, além de apresentar falhas, exige um custo computacional muito grande, podendo desta forma comprometer a performance do sistema. Veja ilustração na Figura 1. O VRML, por padrão não produz sombras. As sombras existentes foram feitas manualmente colocando iluminação nas texturas, como supracitado, e também criando cubos pretos, semitransparentes, para dar a impressão de sombra sem se precisar carregar uma outra textura como mostra a Figura 2. Figura 1. Texturas nas paredes criam a ilusão de iluminação

5 Figura 2. Colunas com cubos pretos semitransparentes para dar a impressão de sombra A parte externa do prédio, Figura 3, não foi codificada, pois seria muito custoso. Um nodo Box foi texturizado com a foto do exterior, retirada de dentro do prédio. A uma distância média, o resultado parece bem real. A distância em questão foi mantida através da criação de uma parede transparente localizada na frente das fotos, que impede o usuário de chegar mais perto e perceber as imperfeições. Alguns elementos do ambiente real e algumas texturas foram retirados do modelo virtual devido aos seguintes fatores: muitas texturas utilizam muitos recursos da máquina do usuário, tornando o ambiente pesado e aumentando o tempo de carga do projeto. Figura 3. Representação da parte externa do prédio, através de fotos

6 Criação da guia virtual a guia virtual, como já foi dito, é um modelo tridimensional de uma mulher, encontrado no programa Internet Space Builder, da Parallel Graphics. Assim como a maioria dos objetos complexos no VRML, a Iolanda é um conjunto de polígonos totalizando 1298 faces. São 4928 linhas de código para se definir todos esses polígonos. A Iolanda utiliza pouco mais de 30 kb em 6 arquivos de textura. Apesar do tamanho diminuto de seus arquivos, a guia representa certo problema para o projeto: a lentidão nas animações que a envolvem. O modelo é formado de vários polígonos de arestas definidas com valores extremamente precisos, que geram cargas extras de processamento para redefinir a posição de cada parte de seu corpo ao longo da animação, a cada frame. Veja um exemplo na Figura 4 abaixo: Figura 4. Parte do código da Iolanda referente ao ombro. Podem-se observar valores extremamente precisos e desnecessários O ideal é que todos esses valores sejam reduzidos a pelo menos três ou quatro casas decimais. Uma precisão de e-4 só é necessária quando se está descrevendo um modelo de um átomo, ou algo assim. De modo geral, a guia Iolanda funciona perfeitamente, mas depois de uma limpeza em suas mais de 4

7 mil linhas de código, ela se tornará relevantemente mais rápida, na hora do processamento de suas animações. Definição dos menus os menus são os elementos principais na criação de um diálogo com o usuário. No IAPEP Virtual, os menus são todos apresentados em placas deslizantes, como texturas. Menus diferentes são carregados de acordo com o tipo de usuário e, para manter uma melhor aparência, os menus são apresentados com certa transparência. Veja um exemplo na Figura 5. Figura 5. Apresentação do IAPEP Virtual aos usuários comuns Definição das rotas as rotas são os caminhos em que as animações devem ocorrer dentro do ambiente. No IAPEP Virtual, as animações foram divididas em três grupos: animações da guia virtual Iolanda, do viewpoint (visão do usuário) e dos menus. Na medida em que a guia se movimenta no ambiente, a câmera (com a visão do usuário) segue seus movimentos [3][4], sempre procurando centralizá-la na tela e sempre procurando criar o efeito de que o usuário realmente está sendo guiado. É interessante observar que as rotas, neste projeto, tentam aproveitar ao máximo a área livre do ambiente e não aproximam o usuário de algumas imperfeições do modelo. Criação das animações as animações seguem as rotas predefinidas. Por se desconhecer a capacidade de processamento da máquina de cada usuário, não existem muitas animações no IAPEP Virtual e as que existem são de pouca complexidade. Existem muitas formas de se criar animações no VRML, algumas utilizam JavaScript para controlar a sua lógica. No projeto não se utilizou JavaScript, por representar, em alguns casos, problemas na máquina do usuário. Deste modo, as animações foram feitas baseadas em três elementos do VRML: Touch sensor Sensor de toque (do mouse, por exemplo) agregado a um objeto, ou item de menu [1][2][5];

8 Time Sensor Sensor de tempo que define por quanto tempo uma animação deve ocorrer [1][2][5]; Position Interpolator e Orientation Interpolator interpoladores de posição e de orientação. Para animar um objeto, em VRML, devemos definir posições por onde o objeto deve percorrer. Para completar o caminho entre esses pontos, são usados os interpoladores que geram posições automaticamente entre os pontos definidos [1][2][5]. Routes são formas de relacionar um evento do mouse, que ativa o touch sensor, a um time sensor que se liga ao(s) interpoladores. Estes se relacionam com o(s) objeto(s) que se movimenta(m) de acordo com os valores definidos nos interpoladores [1][2][5]. Trechos do código referente à animação de uma das placas deslizantes: Codificação de um sensor de toque Sensor de tempo denominado Timer2 Interpolador de posição nomeado Interpolador1 Definição de rotas que ligam o sensor de toque ao timer2(linha 1), depois ligam o timer2 ao interpolador de movimento(linha 2) e, finalmente, ligam as posições do interpolador ao objeto (no caso, nomeado apresentacao ) É deste modo que todas as animações do projeto ocorrem. Vale lembrar que muitas animações exigem vários sensores de tempo, interpoladores e rotas, ativados

9 apenas por um sensor de toque que dispara o ciclo de animações, regido pelo tempo de execução de cada uma [3]. 4. O uso do PHP O uso apenas de VRML limita as funcionalidades do projeto, pois a linguagem não possui uma API (Application Program Interface) que forneça armazenamento de dados ou estruturas de decisão, dentre outros elementos presentes em outras linguagens. Assim, resolveu-se utilizar o PHP para realizar estas tarefas. O PHP é uma linguagem de script, portanto, qualquer tipo de script pode estar codificado dentro de um arquivo HTML, com extensão *.php. O Servidor interpreta o todo o arquivo realizando a lógica dentro do script PHP e gerando uma saída em HTML: o cliente só recebe arquivos em formato HTML. Por que então não incluir código PHP dentro de um arquivo VRML? Para tal deve-se ter conhecimento de como funciona o processo de tradução de um arquivo PHP e geração de uma saída em HTML. Veja uma ilustração desse processo abaixo: 6HUYLGRU Arquivo com extensão %URZVHUGRFOLHQWH Arquivo em formato HTML. O browser trata de interpretá-lo. Saída de dados em formato padrão: HTML (o arquivo recebe um cabeçalho, conteúdo MI ME, oculto para identificá-lo, por padrão, como HTML). Logicamente, a mesma estrutura pode ser usada para gerar um arquivo VRML em PHP [8]. Basta mudar o tipo padrão de conteúdo MIME, do arquivo que está sendo interpretado, no servidor. PHP possui funções para isso. Veja a seguir como fica o diagrama: 6HUYLGRU %URZVHUGRFOLHQWH Arquivo VRML com PHP. Extensão PHP. Saída de dados em formato VRML (o arquivo recebe um cabeçalho, conteúdo MI ME, diferente através de funções do PHP). Arquivo em formato VRML. O plugin VRML trata de interpretá-lo.

10 Logo, só precisamos mudar qual o tipo de saída, através da alteração do conteúdo MIME do arquivo que está sendo gerado. Em PHP, o seguinte código deve ser a primeira instrução a estar no arquivo: <?php?> header ("Content-type: model/vrml"); // Altera o conteúdo MIME do arquivo echo "#VRML V2.0 utf8\n"; // Gera o cabeçalho padrão para os arquivos VRML 2.0 A partir daí, qualquer saída será interpretada como instrução de VRML e não mais de HTML. Ou seja, algo como descrito abaixo é totalmente possível: <?php?> header ("Content-type: model/vrml"); echo "#VRML V2.0 utf8 \n"; Shape { <?php?> } $size = 2; geometry Box { echo "size $size $size $size \n"; } Do mesmo modo que podemos usar estruturas de controle e decisão em PHP para manipular a exibição em HTML e tornar as páginas dinâmicas, podemos fazer usando o PHP e VRML. Percebe-se que com esta pequena técnica, poderiam existir inúmeras funcionalidades no projeto. Por enquanto a única funcionalidade utilizada é a da exibição do nome de um usuário logado no sistema (segurados e credenciados serão logados no sistema) na tela de boas vindas, dentro do ambiente tridimensional. Obviamente novas excitantes funcionalidades serão incluídas com o tempo. 5. Estrutura final do IAPEP Virtual Procurou-se adotar uma estrutura de funcionamento que fosse, a qualquer custo, a alternativa mais rápida e simples possível. A seguir, a estrutura de organização final da versão 1.0 do IAPEP Virtual. Cada seta significa um include (no VRML, a estrutura de inclusão de arquivos externos é o Inline [1][2]).

11 Do modo como está atualmente, o Core.wrz, que contém todas as definições do ambiente virtual, só é carregado uma vez. Quando outra opção como navegação livre (Salao_geral_livre.wrz), para o usuário visitante, for acessada, o usuário só vai precisar baixar o arquivo específico, não precisando baixar novamente o Core.wrz, pois este já estará nos Temporary Internet Files do browser do cliente. 6. Conclusão e modificações futuras: Como vimos, o projeto foi desenvolvido sempre com muita preocupação com a navegabilidade e com o tempo de carga e processamento. Afinal de contas, o usuário não quer esperar horas para ver o ambiente virtual e este, quando chegar, deve ser o mais intuitivo possível, além de se apresentar de forma atraente e envolvente. É para criar essa imersão que foram colocadas texturas, sombras, menus e a guia virtual. Outro detalhe para criar envolvimento do usuário com o sistema foi a colocação do nome dele (já que os usuários como segurados e credenciados são logados no sistema, podemos usar informações cadastrais) na tela de saudação do IAPEP Virtual. O paradigma entre o realismo do ambiente em relação ao seu tempo de carga é resolvido inserindo elementos que caracterizem o ambiente real no modelo virtual, não levando em conta alguns elementos que não têm grande importância visual.a utilização de texturas, portanto, deve ser cuidadosamente pensada, pois atua em um importante elemento do projeto, o tempo de carga. A estrutura de arquivos, como mostrado, garante que o usuário não irá precisar ficar baixando as definições do ambiente toda vez que acessar o IAPEP Virtual. Se ele já o acessou pelo menos uma vez, só precisara baixar as definições de menus e animações para o seu tipo de usuário e opção desejada. Observou-se grande melhora no tempo de carga após a primeira visita ao site do projeto. Isso acontece por que as definições do ambiente não são dinâmicas e já são carregadas na primeira visita do usuário. Quanto às modificações futuras no projeto, apresentamos, a seguir, uma lista com algumas das mais importantes, que devem ser implementadas: Implementação de um mapa, para exibir a posição do usuário no ambiente;

12 Substituição dos menus por texto a ser carregado em outro frame, na mesma janela. A exibição de determinado texto seria ativada por um clique em algum objeto, dentro do ambiente. Assim, não se necessitaria carregar os menus, que apresentam um custo computacional razoável, já que são figuras de alta resolução; Controle da exibição do ambiente virtual através de ActiveX. Detalhes como a taxa de atualização da tela, tipo de reinderização, otimização de texturas e de resolução da tela, além da ativação de buffers adicionais para o plugin podem, assim, ser manipulados para melhorar a exibição do ambiente; Substituição da guia virtual por um modelo tridimensional mais realista e com carga de processamento menor; Utilização de uma interface Java (EAI External Authoring Interface) para fazer a interação entre o VRML e qualquer outra rotina que esteja no site [10]. Ex: atualmente uma ação em uma página HTML não produz alterações no ambiente virtual, sem precisar fazer seu reload. Com a utilização da EAI, o ambiente virtual pode responder em tempo real a ações realizadas em outras áreas do site; Utilização de PHP para tornar o conteúdo do IAPEP Virtual mais dinâmico e permitir ao usuário personalizar o ambiente de diversas maneiras. As informações seriam armazenadas em um banco de dados como o MySQL, por exemplo. 7. Referências A seguir, uma lista dos artigos e apostilas utilizados como material de apoio neste projeto: [1] The Virtual Reality Modeling Language node reference, Web3D. Disponível em: [2] SILVEIRA, Fábio Fagundes. Aspectos sobre animações utilizando a linguagem VRML. Bagé, RS. Disponível em: [3] SEIDMAN, Gregory. Cooking With Hotpot: Making Events In VRML Work For You. Disponível em: [4] Viewpoint Adaptation during Navigation based on Stimuli from the Virtual Environment. University of Twente. [5] NETO, Antonio José de Barros. Projeto Animações Volumétricas em VRML. Disponível: [6] JIUNG, Yao. Increasing the Visualization Realism by Frame Synchronization between the VRML browser and the Panoramic Image Viewer. Tamkang University, Taiwan.

13 [7] GEYER, Werner; MAUVE, Martin. Integrating Support for Collaborationunaware VRML Models into Cooperative Applications. University of Mannheim, Germany. [8] GARDET, Vincent. How do I create VRML with PHP? Disponível em: [9] DUARTE, Lucio Mauro; ZANONI, Cícero; SILVA, Daniela Eloy da. VRML 2.0. [10] ROUADY, Bill.&UHDWLQJD-DYD6FULSWLQWHUIDFHIRU WKH&RVPR3OD\HU950/ 3OXJLQ.

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone 2004 142 ARQTEXTO 5 A REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone O uso do projeto auxiliado por computador (CAD) em arquitetura é cada vez mais corrente, através do projeto 2D e 3D de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS Microsoft Office PowerPoint 2007 Prof. M.Sc. Fábio Hipólito Julho / 2009 Visite o site:

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb TiposdeSites ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br TiposdeSites Índice 1 Sites... 2 2 Tipos de Sites... 2 a) Site

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas Microsoft Power Point 2003 No Microsoft PowerPoint 2003, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo, ele contém tudo o que você precisa uma estrutura para sua apresentação, os slides, o material

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Dominando Action Script 3

Dominando Action Script 3 Dominando Action Script 3 Segunda Edição (2014) Daniel Schmitz Esse livro está à venda em http://leanpub.com/dominandoactionscript3 Essa versão foi publicada em 2014-05-02 This is a Leanpub book. Leanpub

Leia mais

POWER POINT 2003 CARREGANDO O POWER POINT

POWER POINT 2003 CARREGANDO O POWER POINT ÍNDICE POWER POINT 2003...2 CARREGANDO O POWER POINT...2 JANELA PRINCIPAL...3 PARTES DA JANELA...3 MENUS DO POWER POINT...4 BARRAS DE FERRAMENTAS...6 BARRA DE FERRAMENTA PADRÃO...6 BARRA DE FERRAMENTA

Leia mais

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB Augusto Francisco Ferbonink¹, Willian Barbosa Magalhães 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil aferbonink@gmail.com wmagalhães@unipar.com Resumo.

Leia mais

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 2 Continuação do Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 3 Capítulo 2 - Site do Dreamweaver

Leia mais

Power Point. Autor: Paula Pedone

Power Point. Autor: Paula Pedone Power Point Autor: Paula Pedone INTRODUÇÃO O POWER POINT é um editor de apresentações, pertencente ao Pacote Office da Microsoft. Suas principais características são: criação de apresentações através da

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010.

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010. 1 Publisher 2010 O Publisher 2010 é uma versão atualizada para o desenvolvimento e manipulação de publicações. Juntamente com ele você irá criar desde cartões de convite, de mensagens, cartazes e calendários.

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE Tutorial SweetHome3D Trabalho apresentado ao Prof. Carlo na Disciplina de Software Livre no curso Pós Graduação em Tecnologia da Informação Aplicada a

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

WordPress Institucional UFPel Guia Rápido

WordPress Institucional UFPel Guia Rápido GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NÚCLEO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SEÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA WEBSITES WordPress Institucional UFPel Guia Rápido Versão 2.0.1 Março de 2015 Introdução

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 Índice 1 - Objetivo 2 - Descrição do ambiente 2.1. Tecnologias utilizadas 2.2. Estrutura de pastas 2.3. Bibliotecas já incluídas 3 - Características gerais 4 - Criando

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART Continuação 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART a) Vá para o primeiro slide da apresentação salva no item 31. b) Na guia PÁGINA INICIAL, clique no botão LAYOUT e selecione (clique) na opção TÍTULO

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO INTRODUÇÃO AO MACROMEDIA DREAMWEAVER MX 2004 O Macromedia Dreamweaver MX 2004 é um software que permite a criação de páginas de Internet profissionais, estáticas

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Word 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Barra de Ferramentas de Acesso Rápido

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Realidade Virtual Aplicada à Educação

Realidade Virtual Aplicada à Educação Realidade Virtual Aplicada à Educação Sandra Dutra Piovesan 1, Camila Balestrin 2, Adriana Soares Pereira 2, Antonio Rodrigo Delepiane de Vit 2, Joel da Silva 2, Roberto Franciscatto 2 1 Mestrado em Informática

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada SO Windows Aula 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO Todo computador precisa de um sistema operacional. O Windows

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Iniciando o Word 2010. Criar um novo documento. Salvando um Documento. Microsoft Office Word

Iniciando o Word 2010. Criar um novo documento. Salvando um Documento. Microsoft Office Word 1 Iniciando o Word 2010 O Word é um editor de texto que utilizado para criar, formatar e imprimir texto utilizado para criar, formatar e imprimir textos. Devido a grande quantidade de recursos disponíveis

Leia mais

Acima temos a tela inicial do programa. USANDO O PHTOFILTER

Acima temos a tela inicial do programa. USANDO O PHTOFILTER USANDO O PHTOFILTER O PhotoFilter é um programa simples, mas, com grande capacidade de edição. Embora ele não tenha o poder do Photoshop, é possível com um pouco de criatividade conseguir ótimos resultados.

Leia mais

TUTORIAL AUTODESK 360 COLABORAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ARQUIVOS

TUTORIAL AUTODESK 360 COLABORAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ARQUIVOS TUTORIAL AUTODESK 360 COLABORAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ARQUIVOS Autodesk 360 é a nuvem da Autodesk, podendo ser acessada pela sua conta da Autodesk Education Community (estudantes) ou Autodesk Academic Resource

Leia mais

Optimização de um Mundo Virtual

Optimização de um Mundo Virtual secção 3.2 Optimização de um Mundo Virtual Dadas as limitações impostas pela actual tecnologia, um mundo virtual que não seja cuidadosamente optimizado torna-se necessariamente demasiado lento para captar

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 Na aula anterior, vimos sobre: a) Janela de comando b) Gerenciador de Projetos c) Database Designer e Table Designer Prosseguiremos então a conhecer as ferramentas

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT Power Point Básico Santa Maria, julho de 2006 O Power Point é um aplicativo do Microsoft Office direcionado à criação de apresentações.

Leia mais

Pág. 1 de 9 geral@cadtresd.pt http://www.cadtresd.pt Room Player

Pág. 1 de 9 geral@cadtresd.pt http://www.cadtresd.pt Room Player Pág. 1 de 9 1. Room Player Room Player é um software dedicado às vendas em rede, aos particulares, aos arquitetos de interior e profissionais do imobiliário. O Room Player é assim um Software 3D para layout

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Sumário Pré-requisitos para o Moodle... Entrar no Ambiente... Usuário ou senha esquecidos?... Meus cursos... Calendário... Atividades recentes...

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

ALUNES MANUAL DO USUÁRIO. Guia rápido Alunes

ALUNES MANUAL DO USUÁRIO. Guia rápido Alunes ALUNES MANUAL DO USUÁRIO Guia rápido Alunes 1 Manual de Instruções Versão 2.0 Alunes Informática 2 Sumário Introdução... 5 Pré-requisitos... 5 Principal/Home... 6 Como editar texto do home... 7 Desvendando

Leia mais

1. Introdução. 2. A área de trabalho

1. Introdução. 2. A área de trabalho Curso Criiar web siites com o Dreamweaver Parrttee II 1. Introdução O Macromedia DreamWeaver é um editor de HTML profissional para desenhar, codificar e desenvolver sites, páginas e aplicativos para a

Leia mais

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas.

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas. Publicação web Pré requisitos: Lista de questões Formulário multimídia Este tutorial tem como objetivo, demonstrar de maneira ilustrativa, todos os passos e opções que devem ser seguidos para publicar

Leia mais

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007

ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 ANDRÉ APARECIDO DA SILVA APOSTILA BÁSICA SOBRE O POWERPOINT 2007 CURITIBA 2015 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007... 3 JANELA PRINCIPAL... 3 1 - BOTÃO OFFICE... 4 2 - FERRAMENTAS DE ACESSO

Leia mais

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna O que é uma planilha eletrônica? É um aplicativo que oferece recursos para manipular dados organizados em tabelas. A partir deles pode-se gerar gráficos facilitando a análise e interpretação dos dados

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

1 Introdução. Sistemas de Autoria

1 Introdução. Sistemas de Autoria 1 Introdução Sistemas de Autoria O momento atual impulsiona a computação a lançar um novo olhar sobre a Educação, focados para as possibilidades da construção de um mundo de inovações onde as tecnologias

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

GUIA UNITY 3D E SKETCHUP

GUIA UNITY 3D E SKETCHUP GUIA UNITY 3D E SKETCHUP Existe uma demanda pela utilização de modelos tridimensionais estereoscópicos para simular relações presenciais. Os projetos relacionados à esses modelos são conhecidos como CAVES.

Leia mais

Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação

Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação Universidade de São Paulo/Faculdade de Saúde Pública Curso de Saúde Pública Disciplina: HEP 147 - Informática Aula 5 Microsoft PowerPoint 2003: Criando uma Apresentação 1 Introdução ao Microsoft PowerPoint

Leia mais

#Criando Aplicações Web com o Delphi unigui

#Criando Aplicações Web com o Delphi unigui 1 Sumário Apresentação Apresentação do unigui. Instalação Instalação do unigui. Conhecendo os Componentes unigui Apresentação dos componentes das paletas Standard, Additional, Data Controls e Extra do

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

Versão 3.2. 1. Apresentação. Parte I. Vivaldo Armelin Júnior

Versão 3.2. 1. Apresentação. Parte I. Vivaldo Armelin Júnior Versão 3.2 2010 1. Apresentação Parte I Vivaldo Armelin Júnior Esta é a janela principal do BrOffice Impress. Um programa para edição de apresentações, que é livre, seu código é aberto e ainda... grátis.

Leia mais

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO 1 Índice Administração de Documentos...2 Lista de documentos criados...3 Criando um novo documento...3 Barra de ferramentas do editor...4 Editando um documento...7 Administrando suas

Leia mais

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft.

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Introdução ao Microsoft Windows 7 O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Visualmente o Windows 7 possui uma interface muito intuitiva, facilitando a experiência individual do

Leia mais

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive Google Drive um sistema de armazenagem de arquivos ligado à sua conta Google e acessível via Internet, desta forma você pode acessar seus arquivos a partir de qualquer dispositivo que tenha acesso à Internet.

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

MANUAL VERSÃO 2.13 1

MANUAL VERSÃO 2.13 1 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. O QUE É O EOL?... 3 2. ACESSANDO O EOL... 3 3. TELA INICIAL... 4 4. EXAMES ADMISSIONAIS... 4 5. MUDANÇA DE FUNÇÃO... 6 6. EXAMES DEMISSIONAL E RETORNO AO TRABALHO... 7 7. EXAMES

Leia mais

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica.

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica. Google App Inventor: o criador de apps para Android para quem não sabe programar Por Alexandre Guiss Fonte: www.tecmundo.com.br/11458-google-app-inventor-o-criador-de-apps-para-android-para-quem-naosabe-programar.htm

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Professora Andréia Freitas 2012 7 semestre Aula 02 (1)AZEVEDO, Eduardo. Computação Gráfica, Rio de Janeiro: Campus, 2005 (*0) (2) MENEZES, Marco Antonio

Leia mais

Criação e Customização de Avatares Reais leves para Implementação em Ambientes Virtuais Colaborativos 3D

Criação e Customização de Avatares Reais leves para Implementação em Ambientes Virtuais Colaborativos 3D Criação e Customização de Avatares Reais leves para Implementação em Ambientes Virtuais Colaborativos 3D Andouglas Gonçalves da S. Júnior¹, Filipe Gurgel Nóbrega¹, Julio Cesar Paulino de Melo 2, Aquiles

Leia mais

Modelagem e Desenvolvimento do Campus Virtual Tridimensional da Faculdade Independente do Nordeste (FAINOR)

Modelagem e Desenvolvimento do Campus Virtual Tridimensional da Faculdade Independente do Nordeste (FAINOR) Este artigo foi reproduzido do original final entregue pelo autor, sem edições, correções ou considerações feitas pelo comitê técnico. A C&D não se responsabiliza pelo conteúdo. Outros artigos podem ser

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 06: Introdução Linguagem HTML

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 06: Introdução Linguagem HTML PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 06: Introdução Linguagem HTML O Desenvolvimento Web O desenvolvimento web é o termo utilizado para descrever atividade relacionada

Leia mais

HyperCAL 3D MODELADOR DE SÓLIDOS PARA GEOMETRIA DESCRITIVA

HyperCAL 3D MODELADOR DE SÓLIDOS PARA GEOMETRIA DESCRITIVA HyperCAL 3D MODELADOR DE SÓLIDOS PARA GEOMETRIA DESCRITIVA Fábio Gonçalves Teixeira Régio Pierre da Silva Tânia Luísa Koltermann da Silva Anelise Todeschini Hoffmann José Luís Farinatti Aymone UFRGS -

Leia mais

BOBCOSMOS SISTEMA SOLAR PROJETO FINAL DA DISCIPLINA INTRODUÇÃO A COMPUTACAO GRAFICA

BOBCOSMOS SISTEMA SOLAR PROJETO FINAL DA DISCIPLINA INTRODUÇÃO A COMPUTACAO GRAFICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA - CCEN DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA - DI CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BOBCOSMOS SISTEMA SOLAR PROJETO FINAL DA DISCIPLINA

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais

Table of Contents. PowerPoint XP

Table of Contents. PowerPoint XP Table of Contents Finalizando a apresentação...1 Usando anotações...1 Desfazer e repetir...1 Localizar e substituir...2 Substituir...2 Efeitos de transição...3 Esquema de animação...6 Controlando os tempos

Leia mais

O PaperPort 12 Special Edition (SE) possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O PaperPort 12 Special Edition (SE) possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O Nuance PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos da área de trabalho que ajuda o usuário a digitalizar, organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Visio 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Modelos atualizados Os modelos ajudam

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 10º C. Planificação de. Curso Profissional de Técnico de Secretariado

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 10º C. Planificação de. Curso Profissional de Técnico de Secretariado Escola Básica e Secundária de Velas Planificação de TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Curso Profissional de Técnico de Secretariado 10º C MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO Microsoft Excel Conteúdos

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft PowerPoint 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Encontre o que você precisa Clique

Leia mais

KalumaFin. Manual do Usuário

KalumaFin. Manual do Usuário KalumaFin Manual do Usuário Sumário 1. DICIONÁRIO... 4 1.1 ÍCONES... Erro! Indicador não definido. 1.2 DEFINIÇÕES... 5 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 7 3. ACESSAR O SISTEMA... 8 4. PRINCIPAL... 9 4.1 MENU

Leia mais

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 7, JUL/DEZ 2009 O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto

Leia mais

Banner Flutuante. Dreamweaver

Banner Flutuante. Dreamweaver Banner Flutuante Dreamweaver Começamos com um arquivo em branco no Dreamweaver MX. Para que o banner apareça sobre a página, precisamos inserir uma camada a mais no arquivo HTML. Selecione o menu Inserir

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A

Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A 2 Digifort Mobile - Versão 1.0 Índice Parte I Bem vindo ao Manual do Digifort Mobile 1.0 5 1 Screen... Shots 5 2 A quem... se destina este manual 5 3 Como utilizar...

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion

CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion Os componentes ColdFusion (CFC) permitem ao usuário encapsular lógicas de aplicação e de negócios (business logic) em unidades auto-controladas reutilizáveis.

Leia mais

Home Page da Estação Automática do IF-SC

Home Page da Estação Automática do IF-SC Home Page da Estação Automática do IF-SC Ana Paula Jorge Fraga Email: anaa_fraga@hotmail.com Artur da Silva Querino E-mail: arturquerino@gmail.com Kathilça Lopes de Souza E-mail: kathii16@hotmail.com Rayana

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Microsoft Power Point 2007

Microsoft Power Point 2007 Microsoft Power Point 2007 Sumário Layout e Design 4 Formatação de Textos 8 Salvando um arquivo do PowerPoint 15 Plano de Fundo 16 Marcadores 18 Réguas e grade 19 Tabelas 20 Gráficos 21 Imagens 22 Smart

Leia mais

Flex. MANUAL DE USO DA FERRAMENTA FLEX O Flex como gerenciador de conteúdo

Flex. MANUAL DE USO DA FERRAMENTA FLEX O Flex como gerenciador de conteúdo 2011 MANUAL DE USO DA FERRAMENTA FLEX O Flex como gerenciador de conteúdo Aprenda como é simples utilizar a ferramenta Flex como seu gerenciador de conteúdo online. Flex Desenvolvido pela ExpandWEB 31/01/2011

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

A REALIDADE VIRTUAL APLICADA AO CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS

A REALIDADE VIRTUAL APLICADA AO CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS A REALIDADE VIRTUAL APLICADA AO CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Gláucio Alves Oliveira; Ildeberto de Genova Bugatti Resumo O trabalho utilizou técnicas de integração entre tecnologia de Realidade

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância

CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância 1 Introdução Bruno Astuto Arouche Nunes Sergio Barbosa Villas-Boas 1 Henrique Falleiros Tendo em vista que o processo de ensino, nos dias de hoje,

Leia mais

Aula: BrOffice Impress primeira parte

Aula: BrOffice Impress primeira parte Aula: BrOffice Impress primeira parte Objetivos Conhecer as características de um software de apresentação; Saber criar uma apresentação rápida com os recursos de imagem e texto; Saber salvar a apresentação;

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Integrando Java e VRML - Configuração Básica

Integrando Java e VRML - Configuração Básica Integrando Java e VRML - Configuração Básica 1 Jeferson Luiz Rodrigues Souza(1) Rubens Redel (2) Janine Kniess(3) 1-Bolsista PROBIC-UDESC, CCT-UDESC, dcc6jlrs@joinville.udesc.br 2-Bolsista PROBIC-UDESC,

Leia mais

Manual de Apoio à Assinatura Eletrônica DISO

Manual de Apoio à Assinatura Eletrônica DISO Manual de Apoio à Assinatura Eletrônica DISO Índice Hyperlinks Descanse o mouse na frase, aperte sem largar o botão Ctrl do seu teclado e click com o botão esquerdo do mouse para confirmar. Introdução

Leia mais

OFICINA USO DO I3GEO. Levindo Cardoso Medeiros. levindocm@gmail.com

OFICINA USO DO I3GEO. Levindo Cardoso Medeiros. levindocm@gmail.com OFICINA USO DO I3GEO Levindo Cardoso Medeiros levindocm@gmail.com ESTRUTURA INTRODUÇÃO UTILIZANDO O I3GEO Aprendendo a navegar pelo I3Geo Propriedades do mapa ADICIONANDO E MANIPULANDO CAMADAS Adicionando

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

MANUAL. Recurso QChat

MANUAL. Recurso QChat MANUAL Recurso QChat Publicação: Dezembro / 2011 Versão oficial Qualitor Advanced: 6.50.00 Versão oficial Qualitor Start: 1.00.06 Revisão: 02 Cópia oficial Sumário Recurso Chat do Qualitor NOVIDADES DA

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

Ferramenta de Design Gráfico/ Imagem Digital Adobe Photoshop Fábio Fernandes

Ferramenta de Design Gráfico/ Imagem Digital Adobe Photoshop Fábio Fernandes Ferramenta de Design Gráfico/ Imagem Digital Adobe Photoshop Fábio Fernandes O Adobe Photoshop vem liderando o mercado de imagem digital há anos. Portanto, não podemos deixar de explorar essa ferramenta

Leia mais

COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET

COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET Ao mesmo tempo em que hoje se tornou mais fácil falar a longa distância, pela multiplicidade de opções e operadoras de telefonia, também surgem as

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS 1 Material utilizado 1.1 Tracker: um programa de análise de imagens Para a execução da proposta foi utilizado o programa livre

Leia mais

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft.

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Introdução ao Microsoft Windows 7 O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Visualmente o Windows 7 possui uma interface muito intuitiva, facilitando a experiência individual do

Leia mais