circular ifdr Orientações Técnicas IFDR SÍNTESE: ÍNDICE ANEXO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "circular ifdr Orientações Técnicas IFDR SÍNTESE: ÍNDICE ANEXO"

Transcrição

1 N.º 04/2008 Data: 2008/12/12 Elaborada por: Unidade de Coordenação da Gestão Operacional SÍNTESE: Co-financiamento das despesas de Assistência Técnica dos Programas Operacionais ocorridas após a data final de elegibilidade. Na presente orientação técnica é clarificada a questão da elegibilidade das despesas com a Assistência Técnica, incorridas nos Programas Operacionais do QCA III, após a data limite de elegibilidade das despesas. As despesas relacionadas com as auditorias de preparação do encerramento (incluindo a preparação da declaração de encerramento), a validação e certificação da despesa, a elaboração dos documentos de encerramento (relatório final e pedido de saldo), os pagamentos aos beneficiários e a conservação dos documentos são elegíveis no quadro da Assistência Técnica dos Programas Operacionais do QREN. A elegibilidade dessas despesas está condicionada a uma continuidade entre os Programas Operacionais dos dois períodos de programação e à sua explicitação em sede de Regulamento Específico, conforme descrito no ponto 4 desta orientação. ÍNDICE 1. Enquadramento Elegibilidade do co-financiamento pela Assistência Técnica do período de programação Aplicação prática aos Programas Operacionais FEDER e Fundo de Coesão do QREN Conclusões...6 ANEXO Documento COCOF 07/0021/01-EN...7 Página

2 1. Enquadramento O enquadramento regulamentar comunitário, sintetizado no quadro seguinte, contempla um conjunto de obrigações relacionadas com as tarefas de encerramento dos Programas Operacionais do QCA III e da respectiva manutenção da pista de auditoria, que envolverá despesas de Assistência Técnica relativas, designadamente a auditorias de preparação da declaração de encerramento, à preparação dos relatórios de execução final, aos pagamentos aos beneficiários e ao arquivo dos documentos comprovativos. Quadro I - Normas de encerramento para os Programas Operacionais Artigo 105.º do Regulamento (CE) n.º 1083/ Tarefas de encerramento dos Programas Operacionais 3. Em derrogação do n.º 2 do artigo 31.º, do n.º 4 do artigo 32.º e do n.º 1 do artigo 37.º do Regulamento (CE) n.º 1260/1999, os montantes parciais autorizados para as intervenções co-financiadas pelo FEDER ou pelo FSE aprovadas pela Comissão entre 1 de Janeiro de 2000 e 31 de Dezembro de 2006, relativamente às quais não tenham sido enviados à Comissão, no prazo de 15 meses a contar da data final de elegibilidade das despesas fixada na decisão de participação dos fundos, a declaração certificada das despesas efectivamente pagas, o relatório final de execução e a declaração referida na alínea f) do n.º 1 do artigo 38.º daquele regulamento, são por esta automaticamente anulados, o mais tardar seis meses após esse prazo, dando lugar ao reembolso dos montantes indevidamente pagos.. Artigo 38.º do Regulamento (CE) n.º 1260/ Prazo para manutenção da pista de auditoria dos Programas Operacionais 6. Salvo disposição em contrário dos acordos administrativos bilaterais, durante um período de três anos subsequente ao pagamento pela Comissão do saldo relativo a uma intervenção, as autoridades responsáveis devem conservar (na forma de documentos originais ou de cópias autenticadas, em suportes de dados vulgarmente aceites) todos os elementos comprovativos relativos às despesas e aos controlos referentes à intervenção em causa. Esse prazo será suspenso quer em caso de procedimentos judiciais, quer mediante pedido fundamentado da Comissão. Decisão C (2006) Cálculo do prazo para manutenção da pista de auditoria dos Programas Operacionais Para efeitos do cálculo dos prazos de conservação dos documentos, nos termos do n.º 6 do artigo 38.º do Regulamento (CE) n.º 1260/1999, e de correcção do saldo final pago nos termos do n.º 5 do artigo 32.º do referido regulamento, a Comissão tomará como data inicial desses prazos a data aplicável, entre as que se seguem: i) data de execução do último pagamento pela Comissão, ii) data de execução do reembolso pelo Estado-Membro a um Fundo, iii) data da compensação ou iv) data da carta da Comissão relativa ao encerramento, quando não é pago qualquer saldo em virtude de os pagamentos já realizados terem sido suficientes para cobrir as despesas Regulamento (CE) n.º 1083/2006 do Conselho, de 11 de Julho de 2006, que estabelece disposições gerais sobre o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, o Fundo Social Europeu e o Fundo de Coesão, e que revoga o Regulamento (CE) n.º 1260/ Regulamento (CE) n.º 1260/1999 do Conselho, de 21 de Junho de 1999, que estabelece disposições gerais sobre os Fundos estruturais. 3 Decisão da Comissão COM (2006) 3424 (final) de 1 de Agosto de 2006, Orientações relativas ao encerramento das intervenções ( ) dos Fundos Estruturais. 4 Sobre esta matéria sugere-se a consulta do ofício circular n.º 1611 de 16 de Abril de 2008 da Comissão de Gestão do QCA III. Página 2

3 A questão é saber: como? e de que forma? as despesas de Assistência Técnica dos Programas Operacionais do QCA III, que ocorrerão após a data final de elegibilidade dos Programas Operacionais, podem ser elegíveis no âmbito da Assistência Técnica do período de programação Através da Nota Informativa do Comité de Coordenação dos Fundos (COCOF) n.º 5 5 (em anexo a versão EN), a Comissão Europeia pretende clarificar a questão do co-financiamento das despesas de Assistência Técnica relativas a Programas Operacionais do período de programação , ocorridas após a data final de elegibilidade desses Programas. 2. Elegibilidade do co-financiamento pela Assistência Técnica do período de programação O co-financiamento pela Assistência Técnica do período de programação tem por base legal o enquadramento regulamentar comunitário do presente período, que se encontra sintetizado no quadro seguinte. Quadro II - Elegibilidade das Despesas de Assistência Técnica Artigo 46.º do Regulamento (CE) n.º 1083/ Assistência técnica por iniciativa dos Estados-Membros 1. Por iniciativa do Estado-Membro, os fundos podem financiar as actividades de preparação, de gestão, de acompanhamento, de avaliação, de informação e de controlo dos programas operacionais, bem como actividades destinadas a reforçar a capacidade administrativa para a execução dos fundos, dentro dos seguintes limites: a) 4 % do montante total afectado a título dos Objectivos da Convergência e da Competitividade Regional e do Emprego; b) 6 % do montante total afectado a título do Objectivo da Cooperação Territorial Europeia.. Artigo 56.º do Regulamento (CE) n.º 1083/ Elegibilidade das despesas 1. As despesas, incluindo para grandes projectos, são elegíveis para uma participação dos fundos se tiverem sido efectivamente pagas entre a data de apresentação dos programas operacionais à Comissão ou entre 1 de Janeiro de 2007, consoante o que ocorrer primeiro, e 31 de Dezembro de As operações não podem ter sido concluídas antes do início da data de elegibilidade.. 4. As regras relativas à elegibilidade das despesas são fixadas a nível nacional, sem prejuízo das excepções previstas nos regulamentos específicos para cada fundo. As referidas regras abrangem a totalidade das despesas públicas declaradas a título do programa operacional.. Atendendo ao disposto no artigo 46.º do Regulamento (CE) n.º 1083/2006, a Comissão Europeia, considera que este artigo não limita temporalmente o período de programação a que se referem as despesas de Assistência Técnica. Nesta perspectiva, entende que as despesas relativas ao encerramento, ocorridas após a data final de elegibilidade dos Programas Operacionais , podem ser co-financiadas pelo orçamento da 5 Documento COCOF 07/0021/01-EN, de 23 de Março de 2007, Financing, by the technical assistance allocation, of the technical assistance tasks of the programmes incurred after the final date of eligibility. Página 3

4 Assistência Técnica dos Programas Operacionais , desde que não existam regras nacionais que excluam a sua elegibilidade. Igualmente, a Comissão Europeia (documento COCOF n.º 5) considera que a análise individualizada da elegibilidade das despesas de Assistência Técnica deverá ter em conta as características específicas de cada Programa Operacional do período de programação , com os Programas do anterior período, e terá que evidenciar uma relação entre os Programas dos dois períodos, pelo menos, num dos seguintes aspectos: Âmbito geográfico; Campo de intervenção; Sistemas administrativos de gestão e controlo. Caso se confirme a inexistência de relação de continuidade em nenhum dos três aspectos acima mencionados, as despesas de Assistência Técnica ocorridas após a data final de elegibilidade dos Programas Operacionais terão que ser suportadas por fontes nacionais. 3. Aplicação prática aos Programas Operacionais FEDER e Fundo de Coesão do QREN O Decreto-Lei n.º 312/2007, de 17 de Setembro 6, alterado e republicado pelo Decreto-Lei n.º 74/2008, de 22 de Abril, dispõe no seu artigo 68.º que as atribuições, direitos e obrigações das autoridades de gestão dos Programas Operacionais sectoriais, regionais e de Assistência Técnica do QCA III, bem como das estruturas sectoriais do Fundo de Coesão II, são assumidas pelas autoridades de gestão do QREN, tendo em conta o Fundo Comunitário mais relevante em cada situação, conforme consta no quadro seguinte. Quadro III - Transição dos Programas Operacionais QCA III para os Programas Operacionais QREN Programa Operacional FEDER e Fundo de Coesão do QREN ( ) PO Factores de Competitividade Programa Operacional do QCA III ( ) PO Ciência e Inovação 2010 (POCI) PO Sociedade do Conhecimento (POSC) PO Economia (PRIME) PO Saúde XXI (POS) PO Cultura (POC) PO Valorização do Território PO Acessibilidades e Transporte (POAT) PO Ambiente (POA) Estrutura sectorial do Fundo de Coesão II - Transporte Estrutura sectorial do Fundo de Coesão II - Ambiente 6 Decreto-Lei n.º 312/2007, de 17 de Setembro, define o modelo de governação do Quadro de Referência Estratégico Nacional e dos respectivos programas operacionais. Página 4

5 PO Regional do Norte PO Regional do Centro PO Regional de Lisboa PO Regional do Alentejo PO Regional do Algarve PO da Região Autónoma dos Açores co-financiado pelo FEDER PO da Região Autónoma da Madeira co-financiado pelo FEDER PO de Assistência Técnica co-financiado pelo FEDER PO Regional do Norte PO Regional do Centro PO Regional de Lisboa e Vale do Tejo PO Regional do Alentejo PO Regional do Algarve PO de Desenvolvimento Económico e Social dos Açores (PRODESA) PO Plurifundos da Região Autónoma da Madeira (POPRAM III) PO de Assistência Técnica ao QCA III (POATQCA) As atribuições, direitos e obrigações são determinadas mediante despacho conjunto do ministro coordenador da comissão ministerial de coordenação do PO de destino e do ministro que tutela o Programa Operacional Sectorial do QCA III ou da estrutura sectorial do Fundo de Coesão II. O presente processo encontra-se concluído para a grande maioria dos Programas Operacionais do QCA III. A presente estrutura de transição de atribuições, direitos e obrigações entre as Autoridades de Gestão dos Programas Operacionais do QCA III e as do QREN, constituirá, regra geral, o enquadramento do orçamento de Assistência Técnica para o período de programação , para cada um dos custos relativos aos Programas Operacionais do QCA III, desde que seja confirmada a existência de uma relação de continuidade num dos três aspectos exigidos pela Comissão Europeia, anteriormente mencionados (âmbito geográfico, ou campo de intervenção, ou sistemas administrativos de gestão e controlo). O n.º 1 do artigo 6.º do Regulamento Geral FEDER e Fundo de Coesão, aprovado pela Comissão Ministerial de Coordenação do QREN em 4 de Outubro de 2007, estipula que São elegíveis, para financiamento do FEDER e do Fundo de Coesão, as despesas efectuadas com a realização de operações, aprovadas pela autoridade de gestão, em conformidade com os critérios de selecção aprovados pela respectiva comissão de acompanhamento, e que se enquadrem em regulamento específico, orientações técnicas gerais e específicas dos Programas Operacionais e avisos de abertura dos concursos para apresentação de candidaturas.. Assim, as Autoridades de Gestão dos Programas Operacionais FEDER e Fundo de Coesão do QREN, caso necessário, deverão assegurar que a elegibilidade das despesas de Assistência Técnica relativas aos Programas Operacionais é enquadrável ou nas Decisões dos Programas ou nos Regulamentos Específicos das tipologias de operações de Assistência Técnica ou outras normas aplicáveis. No que respeita às Decisões dos Programas, tendo em consideração que os objectivos e prioridades para os Eixos Prioritários da Assistência Técnica possuem uma formulação muito semelhante à redacção do artigo 46.º do Regulamento (CE) n.º 1083/2006, e tendo presente a interpretação da Comissão Europeia anteriormente mencionada, consideramos que não será necessário qualquer alteração às Decisões dos Programas. Página 5

6 Já no que se refere ao enquadramento na regulamentação específica ou nas orientações técnicas gerais e específicas que enquadrem as tipologias das operações de Assistência Técnica considera-se adequado a menção expressa a estas despesas, de forma a acautelar eventuais incertezas em sede de validação e de controlo das despesas. Neste contexto, deve ser salvaguardado a conformidade, nomeadamente, no que respeita às tipologias das operações, aos beneficiários e às despesas elegíveis. 4. Conclusões O co-financiamento de despesas de Assistência Técnica, ocorridas após a data final de elegibilidade do Programa Operacional do período de programação , por um orçamento de Assistência Técnica de um Programa Operacional do QREN, é possível desde que sejam asseguradas as seguintes premissas: uma relação de continuidade entre os Programas dos dois períodos de programação, pelo menos, num dos seguintes aspectos (enunciados pela Comissão Europeia): âmbito geográfico; ou campo de intervenção; ou sistemas administrativos de gestão e controlo, tendo por base a transição de atribuições, direitos e obrigações das Autoridades de Gestão dos Programas Operacionais do QCA III, prevista no artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 312/2007; a conformidade com o normativo aplicável aos Programas Operacionais do QREN, designadamente a identificação da elegibilidade das despesas de Assistência Técnica relativas aos Programas Operacionais , após a data limite de elegibilidade das despesas, em sede de Regulamento Específico ou nas orientações técnicas gerais e específicas que enquadrem as tipologias de operações de Assistência Técnica. Página 6

7 ANEXO Documento COCOF 07/0021/01-EN Página 7

8 FINAL VERSION 27/03/2007 COCOF/07/0021/01 EUROPEAN COMMISSION DIRECTORATE-GENERAL REGIONAL POLICY DIRECTORATE GENERAL FOR EMPLOYMENT, SOCIAL AFFAIRS AND EQUAL OPPORTUNITIES INFORMATION NOTE TO COCOF N 5 Subject: Financing, by the technical assistance allocation, of the technical assistance tasks of the programmes incurred after the final date of eligibility 1. INTRODUCTION Following enquiries by several Member States, this note aims to clarify the question of co-financing of technical assistance costs related to the programmes incurred after the final date of eligibility of these programmes. Some technical assistance costs, such as certain audit costs (including the preparation of the winding-up statement), costs related to preparation of the final implementation reports, and the archiving of supporting documents, will be incurred after the final eligibility date. Therefore, they will not be eligible for co-financing under the programming period. The question is whether such costs could be supported by the technical assistance under the programming period. 2. LEGAL FRAMEWORK The legal provisions applicable to the period impose obligations on the Member States to carry out certain tasks related to the closure of the programmes after the final date of eligibility, which is normally 31 December 2008 or 30 April 2009 for expenditure incurred by bodies granting assistance under Article 9(1) of Regulation (EC) No1260/1999 (the General Regulation for ). In particular, Article 105 (2) of Regulation (EC) 1083/2006 (the General Regulation for ) states that "by way of derogation from Articles 31(2), 32(4) and 37(1) of Regulation (EC) No 1260/1999, partial sums committed for assistance co-financed by the ERDF or the ESF approved by the Commission between 1 January 2000 and 31 December 2006 for which the certified statement of expenditure actually paid, the final report on implementation and the statement referred to in Article 38(1)(f) of that Regulation have not been sent to the Commission within15 months after the final date of eligibility of expenditure laid down in the decision granting a contribution from the Commission européenne, B-1049 Bruxelles / Europese Commissie, B-1049 Brussel - Belgium. Telephone: (32-2) Office: CSM2 2/93. Telephone: direct line (32-2) Fax: (32-2) C:\Documents and Settings\MOTTACN\Local Settings\Temporary Internet Files\OLK10C\info paper 4 COCOF AT closure expenditure of interventions.doc

9 Funds, shall be automatically decommitted by the Commission not later than 6 months after that deadline, giving rise to the repayment of amounts unduly paid". Furthermore, Article 38(6) of Regulation (EC) 1260/1999 requires that "for a period of three years, following the payment by the Commission of the final balance in respect of any assistance, the responsible authorities shall keep available for the Commission all the supporting documents regarding expenditure and checks on the assistance concerned." Paragraph of the closure guidelines 1 further specify the period for documents retention and for correction of the final balance: " the Commission will take as a starting point for such time periods whichever of the following dates is applicable: (i) the date of execution of the last payment by the Commission, (ii) the date of execution of reimbursement by the Member State to a Fund, (iii) the date of compensation or (iv) the date of the letter from the Commission regarding closure where no final balance is paid because payments already made have been sufficient to cover expenditure". The scope of the technical assistance at the initiative of the Member States for the programming period is defined in Article 46 of the Regulation (EC) No 1083/2006 : "At the initiative of the Member State, the Funds may finance the preparatory, management, monitoring, evaluation, information and control activities of operational programmes together with activities to reinforce the administrative capacity for implementing the Funds within the following limits: (a) 4 % of the total amount allocated under the Convergence and Regional competitiveness and employment objectives; (b) 6 % of the total amount allocated under the European territorial cooperation objective". Contrary to the programming period, the legal basis for the programming period establishes only a limited list of eligibility rules at the EU level. As laid down in Article 56 of the Regulation (EC) No 1083/2006, "the rules on eligibility of expenditure shall be laid down at national level subject to the exceptions provided for in the specific Regulations for each Fund. They shall cover the entirety of the expenditure declared under the operational programme". Article 56(1) of the Regulation (EC) No 1083/2006 defines the starting date of eligibility of expenditure as follows: "Expenditure, including for major projects, shall be eligible for a contribution from the Funds if it has actually been paid between the date of submission of the operational programmes to the Commission or from 1 January 2007, whichever is earlier, and 31 December Operations must not have been completed before the starting date for eligibility". 3. INTERPRETATION Regulation (EC) No 1083/2006 establishes the rules applicable to the expenditure financed with the financial envelope available for the programming period. However, in order to find a solution for the financing of technical assistance expenditure incurred beyond the final date for the eligibility of the expenditure under the programming period and given the fact that Article 46 of the Regulation N 1083/2006 does not lay down a temporal limitation regarding the period to which technical assistance expenditure relate, DG REGIO and DG EMPL come to the conclusion that 1 Decision of the Commission on Guidelines on closure of assistance ( ) from the Structural Funds, C(2006)3424 2

10 costs incurred after the final date of eligibility of the programmes relating to closure of these programmes may be co-financed by the technical assistance budget of the programmes. Those costs would be eligible under the technical assistance allocations of the Member States provided that: they are incurred after the final date for the eligibility of expenditure under an intervention of the programming period; their eligibility is assessed on a case-by-case basis, in the light of the specific features of each new operational programme and its overall consistency with, previous programmes; there should therefore be a clear and demonstrable link between a programme of the period and that of the period in terms of geographical scope, or field of intervention, or administrative systems regarding management and control; programmes mainstreaming Equal and Urban Community Initiatives of the period are considered to represent the link. national eligibility rules do not exclude their eligibility. Such costs would fall under the technical assistance capping established in Article 46 of the Regulation (EC) No 1083/2006. Any costs incurred before the starting date of eligibility of the programmes would not be eligible for Community cofinancing under these programmes. Furthermore, if there is no continuation of the programmes, in terms of geographical, or thematic scale, or administrative systems, the costs incurred after the final date of eligibility of these programmes would have to be covered from national sources. 3

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Mobilidade Territorial

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Mobilidade Territorial Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Mobilidade Territorial Convite Público à Apresentação de Candidaturas no domínio dos Sistemas ferroviários ligeiros (metro) MT/01/2008 MOBILIDADE TERRITORIAL

Leia mais

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL Operações no Domínio da Administração em Rede Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional

Leia mais

Sistema de Apoio a Parques de Ciência e Tecnologia e Incubadoras de Empresas de Base Tecnológica

Sistema de Apoio a Parques de Ciência e Tecnologia e Incubadoras de Empresas de Base Tecnológica Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) Programas Operacionais Regionais do Continente REGULAMENTO ESPECÍFICO Sistema de Apoio a Parques de Ciência e Tecnologia e Incubadoras de Empresas de Base

Leia mais

Assistência Técnica FEDER

Assistência Técnica FEDER Programa Operacional Assistência Técnica FEDER 2007-2013 Relatório Anual de Execução 2 0 0 9 Ficha Técnica Título: Programa Operacional de Assistência Técnica FEDER 2007-2013 Relatório Anual de Execução

Leia mais

síntese da execução financeira em Novembro de 2007 QCA III

síntese da execução financeira em Novembro de 2007 QCA III 2007 síntese da execução financeira em Novembro de 2007 QCA III QCA III síntese da execução financeira em Novembro 2007 QCA III síntese da execução financeira em Novembro 2007 Comissão de Gestão do QCA

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 3/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 3/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 3/2009 PROJECTOS GERADORES DE RECEITAS 1 Enquadramento A presente Orientação de Gestão aplica-se aos Projectos Geradores de Receitas, considerando a definição e os princípios gerais

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

Energia 2ª ALTERAÇÃO AO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO. Aviso - ALG-48-2011-01. Eixo Prioritário 3 Valorização Territorial e Desenvolvimento Urbano

Energia 2ª ALTERAÇÃO AO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO. Aviso - ALG-48-2011-01. Eixo Prioritário 3 Valorização Territorial e Desenvolvimento Urbano 2ª ALTERAÇÃO AO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário 3 Valorização Territorial e Desenvolvimento Urbano Energia Aviso - ALG-48-2011-01 Página 1 de 2 A Autoridade de Gestão do POAlgarve 21, comunica

Leia mais

MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY

MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY MEMORANDUM OF UNDERSTANDING BETWEEN THE COMPETENT AUTHORITIES OF THE PORTUGUESE REPUBLIC AND THE GOVERNMENT OF JERSEY The Competent Authorities of the Portuguese Republic and the Government of Jersey in

Leia mais

Entrada em vigor em 9/08/2012 na redação dada pela deliberação CMC POVT de 8/08/2012

Entrada em vigor em 9/08/2012 na redação dada pela deliberação CMC POVT de 8/08/2012 Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Programa Operacional Valorização do Território Deliberações CMC POVT: 15/10/2007, 19/02/2008, 26/08/2009, 25/03/2011, 6/02/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário

Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário IP/97/133 Bruxelas, 26 de Novembro de 1997 Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário A Comissão Europeia adoptou o seu relatório anual sobre

Leia mais

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Nos termos do Regulamento Específico Saúde

Leia mais

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Promoção da Mobilidade Urbana. Aviso para apresentação de candidaturas CIMC/MT/02/2010 -

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Promoção da Mobilidade Urbana. Aviso para apresentação de candidaturas CIMC/MT/02/2010 - Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Promoção da Mobilidade Urbana Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Promoção da Mobilidade Urbana

Leia mais

Normalização e interoperabilidade da informação geográfica

Normalização e interoperabilidade da informação geográfica Normalização e interoperabilidade da informação geográfica perspetivas para a formação em Engenharia Geográfica João Catalão Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia Faculdade de Ciências

Leia mais

norma ifdr Processo de Certificação de Despesas SÍNTESE ÍNDICE

norma ifdr Processo de Certificação de Despesas SÍNTESE ÍNDICE N.º 01/2008 Versão n.º 01.0 Data de aprovação: 2008/06/04 Elaborada por: Unidade de Certificação SÍNTESE A presente Norma define os modelos padronizados e as condições específicas aos quais deve obedecer

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 07 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) VALE INOVAÇÃO Nos termos do Regulamento do SI Qualificação

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso das operações a apoiar no âmbito da Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos, para:

Leia mais

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Fundos 2 Objetivos 2 Etapas formais de programação 2 Abordagem estratégica 2 Âmbito Geográfico 3 Concentração Temática 4 Condicionalidades Ex ante 5 Adicionalidade

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

Sistema de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial. Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas - CIMDOURO-AAE-200901

Sistema de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial. Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas - CIMDOURO-AAE-200901 para Apresentação de Candidaturas - Sistema de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial para Apresentação de Candidaturas - Nos termos do Regulamento Específico - Sistema de Apoio a Áreas de Acolhimento

Leia mais

Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais

Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais Programa Operacional Valorização do Território Deliberações CMC POR: 26/03/2008, 17/04/2009, 14/08/2009, 20/04/2010,

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DE LISBOA Deliberações CMC POR: 9/10/2007, 15/07/2008, 30/01/2012 e 8/08/2012 SAÚDE (LISBOA) ENTRADA EM VIGOR DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Qualificação dos Níveis de Serviço da Rede EENN e EEMM

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Qualificação dos Níveis de Serviço da Rede EENN e EEMM Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Qualificação dos Níveis de Serviço da Rede EENN e EEMM Aviso para apresentação de candidaturas em contínuo Qualificação dos Níveis de Serviço da Rede

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.a Promoção do espírito

Leia mais

Programa Operacional Regional de Lisboa

Programa Operacional Regional de Lisboa AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM REGIME DE APROVAÇÃO CONDICIONADA - OVERBOOKING Considerando que a dotação global do Programa Operacional já está comprometida, não existindo recursos financeiros,

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Qualificação do Sistema de Transportes Públicos de Passageiros

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Qualificação do Sistema de Transportes Públicos de Passageiros Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Qualificação do Sistema de Transportes Públicos de Passageiros Aviso para apresentação de candidaturas em contínuo Qualificação do Sistema de Transportes

Leia mais

A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores

A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores Departamento de Alterações Climáticas, Ar e Ruído (DACAR) Divisão de Poluição Atmosférica e Alterações Climáticas

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento destina-se a estabelecer as condições de acesso, e as directrizes de procedimento aplicáveis ao Eixo Prioritário

Leia mais

Sistema de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística

Sistema de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística REGULAMENTO ESPECÍFICO Sistema de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento define as condições de acesso e as regras

Leia mais

Comissão Ministerial de Coordenação do Programa Operacional Fatores de Competitividade

Comissão Ministerial de Coordenação do Programa Operacional Fatores de Competitividade Comissão Ministerial de Coordenação do Programa Operacional Fatores de Competitividade Alteração ao regulamento específico do Sistema de Apoio a Ações Coletivas (SIAC) Deliberação aprovada por consulta

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL

QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL QREN (2007-2013) PARTE I ESTRUTURA DO QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL O Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), que define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos

Leia mais

Orientação de Gestão nº 9 (2009) PROJECTOS GERADORES DE RECEITAS

Orientação de Gestão nº 9 (2009) PROJECTOS GERADORES DE RECEITAS Orientação de Gestão nº 9 (2009) Ao abrigo do disposto na alínea a) do n.º 1 do Artigo 46.º do D.L. n.º 312/2007, alterado e republicado pelo D.L. n.º 74/2008, de 22 de Abril, e tendo em vista o disposto

Leia mais

Eixo Prioritário V Assistência Técnica

Eixo Prioritário V Assistência Técnica Eixo Prioritário V Assistência Técnica Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica no Âmbito da Delegação de Competências com os Organismos Intermédios na gestão dos

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ÁREAS DE ACOLHIMENTO EMPRESARIAL E LOGÍSTICA DISPOSIÇÕES GERAIS

SISTEMA DE APOIO A ÁREAS DE ACOLHIMENTO EMPRESARIAL E LOGÍSTICA DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO DO NORTE, CENTRO, ALENTEJO E ALGARVE Deliberações CMC POR: 28/03/2008, 14/08/2009, 20/04/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 SISTEMA DE APOIO A ÁREAS

Leia mais

2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES

2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES 2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES Aceleração da execução A execução do QCAIII atingia, no final do 1.º semestre de 2001, uma taxa de execução acumulada de cerca de 29% face ao

Leia mais

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 7 Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt.

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. NORMAS PARA AUTORES As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. COPYRIGHT Um artigo submetido à Revista Portuguesa

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2011 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE Nos termos do Regulamento

Leia mais

Portugal 2020. Regras Gerais para Apoios do Portugal 2020

Portugal 2020. Regras Gerais para Apoios do Portugal 2020 Portugal 2020 Regras Gerais para Apoios do Portugal 2020 Out 2014 1 Apresentação dos Programas Os PO financiados pelos FEEI são os seguintes a) Quatro Programas Operacionais temáticos: Competitividade

Leia mais

Assistência Técnica FEDER

Assistência Técnica FEDER Programa Operacional Assistência Técnica FEDER 2007-2013 Relatório Anual de Execução 2 0 0 8 Programa Operacional de Assistência Técnica FEDER Objectivo: Convergência e Competitividade Regional e Emprego

Leia mais

(MADEIRA 14-20) 121. Preparação, execução, acompanhamento e inspeção 122. Avaliação e estudos 123. Informação e comunicação

(MADEIRA 14-20) 121. Preparação, execução, acompanhamento e inspeção 122. Avaliação e estudos 123. Informação e comunicação AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 12 Assistência Técnica PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) AT.1 Assistência Técnica - FEDER OBJETIVO

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO. Deliberações CMC POVT: 25/03/2011, 6/02/2012, 20/03/2012, 8/08/2012 e 2/10/2013

PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO. Deliberações CMC POVT: 25/03/2011, 6/02/2012, 20/03/2012, 8/08/2012 e 2/10/2013 PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Deliberações CMC POVT: 25/03/2011, 6/02/2012, 20/03/2012, 8/08/2012 e 2/10/2013 PREVENÇÃO E GESTÃO DE RISCOS ENTRADA EM VIGOR EM 3/10/2013 NA REDAÇÃO DADA

Leia mais

Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos. Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo

Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos. Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Convite Público para Apresentação de Candidaturas Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Aviso relativo

Leia mais

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento Área Metropolitana do Porto 2007-2013 Programa Territorial de Desenvolvimento Modernização do Governo Electrónico e melhoria da relação das empresas e dos cidadãos com a Administração Desconcentrada e

Leia mais

Aviso para Apresentação de Candidaturas em Contínuo no Domínio da Mobilidade Territorial

Aviso para Apresentação de Candidaturas em Contínuo no Domínio da Mobilidade Territorial EIXO PRIORITÁRIO IV QUALIFICAÇÃO DO SISTEMA URBANO MOBILIDADE TERRITORIAL Aviso para Apresentação de Candidaturas em Contínuo no Domínio da Mobilidade Territorial ML / IV / MT / 02 / 2010 Eixo Prioritário

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO EQUIPAMENTOS ESTRUTURANTES DO SISTEMA URBANO NACIONAL DISPOSIÇÕES GERAIS

PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO EQUIPAMENTOS ESTRUTURANTES DO SISTEMA URBANO NACIONAL DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Deliberações CMC POVT: 17/03/2008, 6/02/012 e 16/09/2013 EQUIPAMENTOS ESTRUTURANTES DO SISTEMA URBANO ENTRADA EM VIGOR EM 17/09/2013 NA REDAÇÃO DADA PELA

Leia mais

USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 WORK PLAN FOR IMPLEMENTATION OF THE UNITED STATES PATENT AND

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÌNDICE Principais orientações e dotação orçamental Programas Operacionais e dotação orçamental específica Órgãos de Governação (Decreto-Lei n.º 137/2014 de 12 de setembro)

Leia mais

EVENTO ANUAL DO PO LISBOA Resultados do POR Lisboa e Portugal 2020. Prioridades do FEDER

EVENTO ANUAL DO PO LISBOA Resultados do POR Lisboa e Portugal 2020. Prioridades do FEDER EVENTO ANUAL DO PO LISBOA Resultados do POR Lisboa e Portugal 2020 Prioridades do FEDER Dina Ferreira, Vogal do Conselho Diretivo - Instituto Financeiro para o Desenvolvimento Regional Os novos contornos

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR Concurso com Previa Qualificação Convite para a Manifestação de Interesse

Leia mais

Novo programa Portugal 2020: Incentivos financeiros ao investimento

Novo programa Portugal 2020: Incentivos financeiros ao investimento Incentives Alert 19 de Novembro de 2014 Novo programa Portugal 2020: Incentivos financeiros ao investimento A regulamentação do Portugal 2020 começou com a publicação do Decreto-Lei n.º 137/2014, de 12

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 PORTUGAL 2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÍNDICE PORTUGAL 2020 A. Principais orientações e dotação orçamental B. Programas Operacionais e dotação orçamental específica C. Regras gerais de aplicação

Leia mais

Regulamento Específico - Economia Digital e Sociedade do Conhecimento

Regulamento Específico - Economia Digital e Sociedade do Conhecimento ECONOMIA DIGITAL E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO (EDSC) DOS PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento define as condições de atribuição

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos manuais. ifdr Manual de Procedimentos Grandes Projectos 2007-2013 Ficha Técnica Título Manual de Procedimentos Grandes Projectos 2007-2013 Edição Instituto Financeiro para o Desenvolvimento Regional, ip

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Deliberações CMC POVT: 15/10/2007, 19/02/2008, 6/02/2012, 8/08/2012 e 2/10/2013 RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL ENTRADA EM VIGOR EM 3/10/2013 NA REDAÇÃO

Leia mais

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Abril de 2011 PROCONVERGENCIA

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS quadro de referência estratégico nacional Deliberações CMC QREN: 18/09/2009, 20/04/2010, 21/01/2011 e 21/12/2011 REGULAMENTO GERAL DO FUNDO EUROPEU DE Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 21/12/2011

Leia mais

ELEnA European Local ENergy Assistance

ELEnA European Local ENergy Assistance ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública ELEnA European Local ENergy Assistance Lisboa, 6/03/2015 Desafios 1 Conhecimento: a) Edifícios/equipamentos; b) Capacidade técnica; c)

Leia mais

DPI. Núcleo de Apoio ao Desenvolvimento de Projetos e Internacionalização Project Development And Internationalization Support Office

DPI. Núcleo de Apoio ao Desenvolvimento de Projetos e Internacionalização Project Development And Internationalization Support Office DPI Núcleo de Apoio ao Desenvolvimento de Projetos e Internacionalização Project Development And Internationalization Support Office Apresentação/Presentation Criado em 1 de março de 2011, o Núcleo de

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ÂMBITO

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ÂMBITO PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 PATRIMÓNIO CULTURAL ENTRADA EM VIGOR EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 17/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012, 8/08/2012, 12/11/2012 e 16/09/2013 SISTEMA DE APOIO A PARQUES DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

2.c.1 Melhorar os níveis de disponibilidade de serviços públicos on-line

2.c.1 Melhorar os níveis de disponibilidade de serviços públicos on-line AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 2 Melhorar o Acesso às Tecnologias de Informação e da Comunicação, bem como a sua Utilização

Leia mais

Sessão de informação sobre as oportunidades. Faro, 13 de Fevereiro de 2012

Sessão de informação sobre as oportunidades. Faro, 13 de Fevereiro de 2012 Sessão de informação sobre as oportunidades de financiamento JESSICA Faro, 13 de Fevereiro de 212 JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas) Iniciativa conjunta da Comissão

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Sistema de Apoio a Infra-estruturas Científicas e Tecnológicas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Sistema de Apoio a Infra-estruturas Científicas e Tecnológicas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Sistema de Apoio a Infra-estruturas Científicas e Tecnológicas Nos termos do Regulamento do Sistema de Apoio a Infra-estruturas Científicas e Tecnológicas (SAICT)

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS Deliberações CMC POVT: 15/10/2007, 17/03/2008 e 6/02/2012 Deliberação CMC POR: 30/01/2012 e 8/08/2012 AÇÕES INOVADORAS PARA O ENTRADA EM VIGOR EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA

Leia mais

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA EAbrief: Medida de incentivo ao emprego mediante o reembolso da taxa social única EAbrief: Employment incentive measure through the unique social rate reimbursement Portaria n.º 229/2012, de 03 de Agosto

Leia mais

EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM CONTÍNUO N.

EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM CONTÍNUO N. EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO REGULAMENTO ESPECÍFICO: SISTEMA DE APOIO A ÁREAS DE ACOLHIMENTO EMPRESARIAL E LOGÍSTICA AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TERRITORIAL ESPAÇO SUDOESTE EUROPEU ACORDO DE CONCESSÃO DE AJUDA FEDER. Entre: O Governo de Cantábria

PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TERRITORIAL ESPAÇO SUDOESTE EUROPEU ACORDO DE CONCESSÃO DE AJUDA FEDER. Entre: O Governo de Cantábria PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TERRITORIAL ESPAÇO SUDOESTE EUROPEU ACORDO DE CONCESSÃO DE AJUDA FEDER Entre: O Governo de Cantábria E Projecto ,

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 16/06/2011, 30/01/2012, 20/03/2012, 14/05/2012, 8/08/2012, 2/04/2013 e 20/02/2014 REABILITAÇÃO URBANA ENTRADA EM VIGOR EM 3/04/2013

Leia mais

EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO

EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO REGULAMENTO ESPECÍFICO: ENERGIA AVISO N.º 2/E/BA ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM CONTÍNUO COM EXTRACÇÕES TRIMESTRAIS Na sequência

Leia mais

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS Versão final de 29/11/2007 COCOF 07/0037/03-PT COMISSÃO EUROPEIA ORIENTAÇÕES PARA A DETERMINAÇÃO DAS CORRECÇÕES FINANCEIRAS A APLICAR ÀS DESPESAS CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE

Leia mais

circular ifdr Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à decisão de aprovação do projeto pela Comissão Europeia SÍNTESE

circular ifdr Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à decisão de aprovação do projeto pela Comissão Europeia SÍNTESE N.º 02/2013 Versão n.º 01.0 Data de aprovação: 2013/09/30 Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à Elaborada por: Unidade de Certificação SÍNTESE A presente Circular atualiza

Leia mais

Banco Santander Totta, S.A.

Banco Santander Totta, S.A. NINTH SUPPLEMENT (dated 26 October 2011) to the BASE PROSPECTUS (dated 4 April 2008) Banco Santander Totta, S.A. (incorporated with limited liability in Portugal) 5,000,000,000 (increased to 12,500,000,000)

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Deliberações CMC POR: 26/03/2008, 17/04/2009, 14/08/2009, 20/04/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012, 8/08/2012, e 2/04/2013 Decisão CMC POVT: 6/02/2012,

Leia mais

Consultoria em Direito do Trabalho

Consultoria em Direito do Trabalho Consultoria em Direito do Trabalho A Consultoria em Direito do Trabalho desenvolvida pelo Escritório Vernalha Guimarães & Pereira Advogados compreende dois serviços distintos: consultoria preventiva (o

Leia mais

Abordagem modular e projectos horizontais Infoday Lisboa, Setembro 2015

Abordagem modular e projectos horizontais Infoday Lisboa, Setembro 2015 Abordagem modular e projectos horizontais Infoday Lisboa, Setembro 2015 um Eixo Prioritário territorial EIXO PRIORITÁRIO 1: Promover as capacidades de inovação no Mediterrâneo para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 17/04/2009, 14/08/2009, 20/04/2010, 4/04/2011, 30/01/2012 e 20/03/2012 EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL ENTRADA EM VIGOR EM 21/03/2012

Leia mais

Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza

Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 8 Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

Norma Regulamentar n.º 12/2010-R, de 22 de Julho Instituto de Seguros de Portugal

Norma Regulamentar n.º 12/2010-R, de 22 de Julho Instituto de Seguros de Portugal Norma Regulamentar n.º 12/2010-R, de 22 de Julho Instituto de Seguros de Portugal O Instituto de Seguros de Portugal aprovou hoje a Norma Regulamentar n.º 12/2010 R, relativa à utilização de fundos de

Leia mais

Obrigação de comunicação das irregularidades : Modalidades práticas.

Obrigação de comunicação das irregularidades : Modalidades práticas. COMISSÃO EUROPEIA ORGANISMO EUROPEU DE LUTA ANTIFRAUDE (OLAF) POLÍTICA, LEGISLAÇÃO E ASSUNTOS JURÍDICOS Work Programs, Reports & Consultative Committee DOCUMENTO DE TRABALHO Obrigação de comunicação das

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS APOIOS À FORMAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS APOIOS À FORMAÇÃO PROFISSIONAL PO FACTORES DE COMPETITIVIDADE PO REGIONAL DO NORTE PO REGIONAL DO CENTRO PO REGIONAL DO ALENTEJO PO REGIONAL DE LISBOA PO REGIONAL DO ALGARVE REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS APOIOS À FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Despacho n.º

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Despacho n.º Despacho n.º Os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30.º do Decreto-Lei

Leia mais

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1 Gestão de Serviços Mário Lavado itsmf Portugal Guimarães 18 de Novembro 2010 itsmf Portugal 1 Agenda 1. O que é o itsmf? 2. A Gestão de Serviços e o ITIL 3. A ISO 20000 4. A certificação ISO 20000 itsmf

Leia mais

Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos. Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo

Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos. Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Convite Público para Apresentação de Candidaturas Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Aviso relativo

Leia mais