II SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FESPSP. Orientadora: Prof(a) Dra.Telma de Carvalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FESPSP. Orientadora: Prof(a) Dra.Telma de Carvalho telmadecarvalho@yahoo.com.br"

Transcrição

1 II SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FESPSP O BIBLIOTECÁRIO COMO ARQUITETO DE INFORMAÇÃO Autora: Bárbara Uehara Orientadora: Prof(a) Dra.Telma de Carvalho RESUMO A constante evolução da Internet permitiu a manifestação de muitos desafios e oportunidades para a Biblioteconomia e o bibliotecário de modo geral. Muitos desses desafios se apresentam aos profissionais bibliotecários quanto às habilidades e características requeridas pelo mercado de trabalho atual, principalmente com relação às novas áreas de atuação como a Arquitetura de Informação (AI). Desta forma, esta pesquisa tem por objetivos apresentar os conceitos de Arquitetura de Informação e usabilidade e de que forma estes conceitos auxiliam na organização de websites; investigar como se dá a inserção do bibliotecário nesse mercado e a importância da sua atuação. Para alcançar esses objetivos, foi realizado um levantamento bibliográfico, dos últimos dez anos ( ) em literatura técnico-científica da área de Biblioteconomia, Arquitetura de Informação e Ciência da Informação. Este levantamento possibilitou apresentar os principais conceitos de AI e como o bibliotecário pode se engajar nessa área. Também verificou-se que a sua contribuição na AI gira em torno do conhecimento de princípios de seleção, acesso à informação, conhecimento de busca, catalogação e classificação aplicados em ambientes Web. Em paralelo a este artigo está em andamento pesquisa qualitativa com profissionais que atuam na área de Arquitetura de Informação no Brasil como Trabalho de Conclusão de Curso. Esta análise posterior permitirá levantamento do perfil desse profissional e lançará luzes para os bibliotecários que desejarem atuar nesse nicho do mercado. PALAVRAS-CHAVE: Arquitetura de Informação, Bibliotecário, Websites, Arquiteto de Informação, Internet. INTRODUÇÃO A constante evolução da Internet permitiu o surgimento de muitos desafios e oportunidades para a biblioteconomia e a ciência da informação de modo geral. A crescente quantidade de informação, conteúdos, sites e portais que são desenvolvidos dia-a-dia são alguns desses desafios que fizeram com que a área de biblioteconomia não se restringisse aos materiais impressos, mas ampliasse suas atividades e capacidades além dos acervos físicos. Sendo a Web um espaço mutável, dinâmico e democrático, é grande a busca por soluções que permitam uma melhor organização de páginas Web e justamente por apresentar essas características, é possível perceber que muitos websites sofrem de uma série de problemas crônicos. Entre esses problemas estão a obsolência, má organização da informação,

2 estruturas ruins, o que resulta em uma série de portais e websites abandonados após o seu lançamento ou finalização, o que acarreta em uma enorme quantidade de sites desatualizados, provocando perda de tempo do usuário e frustração na busca. A evolução da Web, e a própria Web 2.0 com seu cunho colaborativo, ampliaram a participação e a interferência dos usuários na Internet, muitas vezes causando um caos informacional. Porém, observa-se que não há uma padronização para a entrada de conteúdos, estilos e layout na Internet, o que dificulta o acesso do usuário e a busca por informação em websites. Sendo assim, faz-se necessário conhecer os atributos da Arquitetura de Informação aplicados na Web, que permitirá criar websites mais acessíveis e bem arquitetados. Por outro lado, o papel que o bibliotecário desempenha nesse contexto também é pouco conhecido e é sabido que sua experiência pode auxiliar este processo. Por isso essa pesquisa se concentrou em identificar os principais conceitos de Arquitetura de Informação, Usabilidade e suas particularidades e realizar um diagnóstico que identifique as fortalezas e debilidades da inserção do profissional bibliotecário neste novo nicho de mercado, ao estudar quais as competências requeridas para se inserir nesse mercado uma vez que seu trabalho pode contribuir para a organização da informação disponível na Internet. Muitos desafios se apresentam aos profissionais bibliotecários no que diz respeito às habilidades e características requeridas pelo mercado de trabalho atual, principalmente ao se deparar com gaps em que esses profissionais poderão se inserir. Somando-se a isso o caos na Internet, o profissional da informação precisa se preparar para demandas menos convencionais envolvendo a organização e a manutenção de websites. Este trabalho foi desenvolvido dentro do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC da Fundação Escola de Sociologia e Política FESP SP do curso de Biblioteconomia e Ciência da Informação. Para a concretização dos objetivos propostos, esta pesquisa procurou conhecer e analisar Arquitetura de Informação, Usabilidade e suas características, além de conhecer de que forma a aplicação desses princípios de gestão da informação exercem impacto na organização de websites. Isso foi feito por meio de levantamento bibliográfico dos últimos dez anos ( ) em literatura técnico-científica da área de Biblioteconomia, Ciência da Informação e Arquitetura de Informação. Em paralelo a este trabalho está em desenvolvimento uma pesquisa de campo do tipo qualitativa, com o objetivo de coletar informações de profissionais que atuam na área de Arquitetura de Informação, no intuito de colher dados significativos sobre a atuação desse

3 profissional e quais são as suas competências básicas. O método utilizado é o qualitativo pois a metodologia quantitativa se aplica melhor ao objeto de estudo já bem definido por um conjunto de conhecimentos proporcionado por pesquisas anteriores (SERAPIONI, 2000 apud MUELLER, 2007, p. 27). Neste caso em que a atuação do bibliotecário em Arquitetura de Informação ainda possui pouco conhecimento teórico ou conceitual ou às pesquisas que não possuem hipóteses formuladas ou precisas [...] os métodos qualitativos ajudam não apenas a compreender o objeto de estudo, mas também a construí-lo a partir de novos aspectos e sob novas perspectivas. (SERAPIONI, 2000 apud MUELLER, 2007, p. 27) Desta forma, o método qualitativo favorecerá o mapeamento de valores, características, particularidades específicas e sociais do grupo analisado. UM POUCO SOBRE A ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO A partir do crescente número de páginas que são criadas, modificadas e extintas a cada dia na Web, requer-se cada vez mais habilidades e características multidisciplinares dos profissionais que trabalham diretamente com a Internet. O mesmo ocorre com os bibliotecários que têm como responsabilidade prover informação rápida, precisa e com qualidade ao público que atende. No intuito de minimizar esse caos na Internet, diversas metodologias e ferramentas estão sendo desenvolvidas para melhorar o acesso à informação e alcançar, dentro do possível, padrões e modelos standards de sucesso na web. Voltando aos primórdios, assim como houve uma passagem da cultura oral para a escrita (LEVY, 1999, p.113), poderá haver também uma passagem da cultura escrita para a digital/virtual. Para Milanesi (2002, p.77) esse fenômeno foi indicado como a transferência do real para o virtual, pois a virtualidade diminui os limites de tempo e espaço, ampliando as potencialidades humanas, (BAPTISTA; MUELLER, 2004, p.58) barreiras de comunicação e transmissão de informação antes existentes, com o avanço da Internet se modificaram, o que gera mudanças também no mercado e no perfil dos profissionais. Sendo assim, muitos estudos são feitos com o intuito de tentar organizar os conteúdos de websites e portais de forma a melhorar a organização dos mesmos e fazer com que a informação seja transmitida e absorvida em sua totalidade.

4 Portanto, nesta pesquisa considera-se como objeto de estudo, websites e portais da Internet. Por website, site ou portal entende-se uma coleção estruturada de páginas Web, representando uma entidade (empresa, organização, grupo) ou alguém (pessoa), cujo acesso necessita de um explorador, também chamado de navegador ou browser, conforme Carvalho, Simões e Silva (2005, p.21). Sendo assim, analisaremos a seguir de que forma os conceitos e características da Arquitetura de Informação podem colaborar com a organização da informação na Internet. A Arquitetura de Informação, é uma nova disciplina, cunhada por Richard Saul Wurman em 1976, em resposta a ansiedade do homem moderno frente ao excesso de informação do nosso mundo contemporâneo. (FERREIRA e REIS, 2008) Porém não há uma única definição que resuma e englobe os principais conceitos de Arquitetura de Informação, sendo assim, Morville e Rosenfeld (2006, p.13) apresentam algumas definições sobre AI: 1. O design estrutural de ambientes de informação compartilhada. 2. A combinação de organização, rotulagem, pesquisa e sistemas de navegação em sites e intranets. 3. A arte e a ciência de dar forma a produtos de informação e experiências para apoiar a usabilidade e encontrabilidade. 4. Uma disciplina emergente e uma comunidade de prática focada em trazer princípios do design e da arquitetura com o cenário digital. Como pode-se observar, é uma nova disciplina, que engloba princípios da usabilidade, design e arquitetura inseridos em ambientes Web, visando uma boa organização, navegação, e pesquisa em websites. Ferreira e Reis (2008, p.286) acrescentam que a função da AI é tratar a informação para torná-la clara possuindo também o poder de transformar as ideias e conceitos do planejamento estratégico na organização da informação, na estrutura sobre a qual todas as demais partes do design de um website projeto gráfico, redação, programação, etc. irão apoiar-se. Uma página bem arquitetada resulta em uma home page com boa performance, organizada e com boa navegação. Segundo Nielsen e Loranger (2007, p.129) os principais problemas dos usuários são: dificuldades ao Pesquisar, problemas causados por uma Arquitetura de Informação ruim, Legibilidade, Conteúdo, etc. Isso significa que envolvem dificuldades com os objetivos básicos do usuário ao utilizar um website: localizar, ler e entender as informações disponibilizadas, como apontam Nielsen e Loranger (2007, p.130). Sendo a AI

5 quando mal estruturada uma das principais causas de dificuldades na interação dos usuários, é necessário que se dê importância ao trabalho do arquiteto de informação. A AI visa antever as necessidades de informação do usuário e ao mesmo tempo, deve cumprir o seu papel de forma objetiva e discreta, facilitando a localização da informação. Assim como um iceberg, deve ser a AI, ela deve estar presente no site, embora não necessariamente precise ser observada pelo usuário. Conforme defende Morville e Rosenfeld (2006, p.432), os arquitetos de informação podem utilizar a invisibilidade de seu trabalho como uma vantagem, pois por baixo da interface de websites, há uma estrutura subjacente e semântica muito bem trabalhada. Aqueles profissionais que sabem construir estruturas de baixo para cima, com o uso de wireframes e outros mecanismos de planejamento de interface, terão uma grande vantagem sobre outros. Qualquer que seja a sua aplicação, a AI busca diminuir a dispersão de informação, pois para Siqueira (2005, p.69) a AI possui três enfoques com relação ao tratamento da informação, são eles: Estruturar; Disponibilizar e Conectar fontes de informação. Porque, segundo ele, também cabe à AI planejar esse fluxo, implementá-lo e maximizar seus resultados. Desta maneira, para que possa haver uma boa AI, será necessário empregar esses três enfoques citados, nos elementos: Contexto, Usuários e Conteúdo. É a harmonia entre esses três elementos que garantirá uma interface bem arquitetada, veja Figura 1: Figura 1 Os três círculos da Arquitetura de Informação Fonte: Morville e Rosenfeld (2006, p.38, tradução nossa)

6 Segundo Morville e Rosenfeld (2006, p.38), ao equilibrar esses três elementos, o arquiteto leva em consideração: Contexto: os objetivos de negócio, financiamento, política e cultura envolvida, tecnologia empregada, recursos e restrições do projeto. Buscar compreender o negócio, onde ele está hoje e onde quer chegar. Além disso, o contexto muitas vezes envolve conhecimento tácito, por isso é necessário extraí-lo e organizá-lo de maneira estratégica. Usuários: conhecer o público alvo, as tarefas, necessidades, antever o comportamento de busca de informação e experiência do usuário que irá utilizar o site. Conteúdo: tipos de documentos, metadados, propriedade do conteúdo, volume, estrutura e dinamismo. Ao aplicar a AI na organização de websites, Espantoso (2006, p.135), complementa que: a Arquitetura de Informação envolve a elaboração de sistemas de navegação e organização da informação para auxiliar usuários na busca e gerenciamento de suas necessidades de informação. Ela pode ser caracterizada, também, como a estruturação e organização de conteúdos (texto, gráficos, plug-ins, etc.) de um sítio em categorias definidas e auxiliadas por um sistema de navegação intuitivo e confiável. Uma maneira de minimizar os problemas decorrentes do caos na Internet seria por aplicar conceitos de usabilidade e AI nos projetos empregados na Internet que visassem à qualidade de websites e portais. Porém, segundo Carvalho, Simões e Silva (2005, p. 20) um problema atual é que ainda não existe nenhuma norma internacional de qualidade especificamente destinada à avaliação de um site. Na maioria dos casos isso faz com que não haja, por parte dos desenvolvedores de sites, a preocupação com o fácil acesso à informação. Fases de um projeto Web de Arquitetura de Informação Os projetos de AI são compostos por cinco fases, conforme pesquisado por Ferreira e Reis (2008, p.287), sendo: 1. Fase de pesquisa: Momento em que são pesquisadas e analisadas as informações sobre os usuários, suas necessidades e o seu ambiente, visando definir o escopo e os requisitos do projeto.

7 2. Fase de concepção: Esta fase é criativa, na qual se concebe a visão macro da solução, pois visa conceber a solução do problema de design por meio da inventividade do projetista. 3. Fase de Especificação: Fase em que a visão macro da solução é detalhada em documentos e diagramas que explicam como construir o website. 4. Fase de Implementação: Fase em que o website é construído conforme especificado. Nessa fase atuam fortemente os demais profissionais envolvidos com o projeto do website (designer gráfico, redator, programador, etc.) sob o acompanhamento do arquiteto de informação. 5. Fase de Avaliação: Nesta fase o resultado do projeto é avaliado em função dos seus objetivos iniciais para se registrarem os acertos e erros. A existência dessa fase em projetos de websites vem do fato de que os designers frequentemente terminam seu envolvimento com o projeto antes que os problemas apareçam e os contratantes normalmente não retornam ao designer original para reparar o trabalho, afirma Friedman (2003, p. 514 apud Ferreira e Reis, 2008, p.287). Isto pode ser considerado uma falha, pois é após a implementação do projeto, com a utilização do portal pelos usuários que as necessidades de reparos são notadas. Sistemas da Arquitetura de Informação Para que as etapas apresentadas anteriormente caminhem bem, Morville e Rosenfeld (2006, p.25) afirmam que os arquitetos de informação precisam demonstrar as interligações entre as pessoas e conteúdos que sustentam as redes de conhecimento e explicar como esses conceitos podem ser aplicados para transformar websites estáticos em sistemas adaptativos complexos. Para que isso aconteça Rosenfeld e Morville (2002 apud REIS, 2006) acrescentam que a Arquitetura de Informação de um website se divide em quatro grandes sistemas interdependentes de organização: Sistema de Organização (Organization System): Prevê o agrupamento e a categorização do conteúdo informacional. Sistema de Navegação (Navigation System): Disponibiliza as maneiras de navegar, de se mover pelo espaço informacional e hipertextual.

8 Sistema de Rotulação (Labeling System): Estabelece as formas de representação e apresentação da informação, definindo símbolos para cada elemento informativo. Sistemas de Busca (Search System): Determina as perguntas que o usuário pode fazer e o conjunto de respostas que irá obter. Esses quatro sistemas englobam todos os aspectos organizacionais de websites. Tal abrangência é importante porque na Internet há uma enorme quantidade de variáveis que dificultam a organização da informação, por exemplo: ambiguidade, heterogeneidade, diferentes linguagens entre usuários e clientes, excessiva preocupação com a estética, etc. Para lidar com essas características, Reis (2006) sugere a aplicação de diferentes esquemas de organização, para diferentes finalidades, conforme apresentado na Figura 2: Figura 2 Representação de esquemas de organização da informação Fonte: (REIS, 2006)

9 Além disso, um bom projeto Web deve sempre levar em consideração o seu público alvo (o usuário) e seus interesses. Starec esclarece que: ao estudar o perfil e as necessidades de seus usuários, bem como a disponibilidade de mecanismos de busca, o mediador pode criar condições para uma comunicação efetiva da informação, utilizando-se dos instrumentos de planejamento, análise e avaliação de necessidades de informação disponíveis na literatura sobre estudos de usuários.(starec, 2005, p.43) Estas ações permitirão buscar melhores resultados na mediação da informação o que resultará em conhecer melhor o usuário deixando-os mais satisfeitos. Além disso, o arquiteto de informação leva em conta convenções da Web com respeito a usabilidade, navegabilidade, acessibilidade e localizabilidade, pois quando bem empregados facilitam a transmissão da informação (KRUG, 2006). O ARQUITETO DE INFORMAÇÃO A atividade de organizar sites e portais pressupõe uma série de conhecimentos e o domínio de ferramentas que serão úteis no planejamento do fluxo de informação de websites projetados. Projetos de websites requerem além de um designer, analistas e programadores, um profissional qualificado exercendo o papel de Arquiteto de Informação. A presença deste profissional na equipe garantirá a navegabilidade do portal, que ele seja bem estruturado, que cresça de maneira organizada, planejada e que a sua manutenção ocorra sem demais problemas. Segundo Franco (2007, p.2), é dever do arquiteto de informação ser a ponte entre o que está sendo estrategicamente desejado pela empresa/cliente e o que será desenvolvido pela equipe alocada para tal projeto. Além disso, o autor salienta que é o arquiteto de informação que garantirá que o conteúdo seja bem organizado, apresentado de maneira simples e de acordo com o projeto específico. Este profissional ocupa uma posição estratégica entre as equipes envolvidas no projeto, muitas vezes agindo como gerente do projeto e traduzindo as demandas solicitadas pelo cliente até os profissionais envolvidos. Conforme comenta Milanesi (2002, p. 80) o atual mercado profissional oferece oportunidades para os estrategistas da informação. Este tipo de trabalho envolve conhecimento multidisciplinar e exige que o arquiteto de informação

10 tenha um embasamento das áreas de design, programação e gestão de conteúdo, conforme comentam Franco (2007) e Santos (2006?). Para atender estas demandas informacionais, atualmente têm ocorrido grandes mudanças no mercado de trabalho, resultando no surgimento de novas formas de atuação profissional (SILVA; SILVA; FRANKENSTEIN, 2009, P.41). Reafirmando essa ideia, Baptista e Mueller (2004, p. 57) acrescentam que estas novas formas de atuação também requerem habilidades e competências desses profissionais, exigindo que sejam capazes de utilizar processos e instrumentos tecnológicos e se envolvam em automação informacional. Pois a crescente quantidade de informação e a complexidade das tecnologias emergentes, gera a necessidade de mudar e ampliar as habilidades essenciais do profissional em questão (VERGUEIRO; MIRANDA, 2007, p.44), mas além dessas habilidades e competências, o mercado também apresenta outros títulos e nomes para os profissionais da informação. O título de Arquiteto de Informação pode gravitar entre outros termos correlatos. Por ser uma área multidisciplinar, os profissionais que começaram como arquitetos de informação podem se deslocar em direção a nichos especializados que correspondem às necessidades da empresa em que atuam. Segue alguns dos títulos que já existem designados por Morville e Rosenfeld (2006, p.36): Designer de Thesaurus; Especialista em Metadados; Gerente de Conteúdo; Estrategista de Arquitetura de Informação; Gerente de Arquitetura de Informação; Editor de Conteúdo e Pesquisa; Especialista em Experiência do Usuário. Porém, não serão mudanças de rótulos que farão o profissional bibliotecário competitivo, mas, sim as habilidades e as competências por ele desenvolvidas na constante busca do desempenho de suas funções (BLATTMANN; FRAGOSO, 2003, p.79). Mais importante que as denominações são as funções e as habilidades que o profissional desenvolve à medida que adquire novas competências, devendo alterar o seu perfil passivo para pró-ativo. Visão de futuro, foco estratégico, criatividade e características de liderança se tornam cada vez mais importantes a esses profissionais, conforme afirmam Baptista e Mueller, (2004, p.58) Vergueiro e Miranda (2007, p.44). Essas qualidades apresentam-se como um diferencial dos profissionais da informação requeridos no mercado. Quanto às habilidades desejáveis para os bibliotecários que desejam atuar como arquitetos de informação, Blattmann et al. (2000, p.5) lista que é desejável que estes profissionais sejam pessoas dinâmicas, de boa comunicação e com visão de futuro. Além disso, que busquem se informar sobre o uso de tecnologias emergentes em seu ambiente de trabalho. Para os autores, para que se possa construir boas páginas Web, o profissional deverá:

11 obter embasamento e conhecer a utilização de critérios de usabilidade para páginas web, conhecimento dos princípios da arquitetura Web, elementos de design gráfico, gerenciamento de projetos centrados no usuário em ambiente de rede, e, conhecer as implicações de ser um provedor de informações na Web. (BLATTMANN et al., 2000, p.2) Complementando a atuação do arquiteto de informação, entende-se que o bibliotecário possa ser inserido nessas atividades, desde que se aproprie dos conhecimentos dos princípios de arquitetura Web, necessários ao desenvolvimento dessas atividades, conforme listados por Blattmann et al. (2000, p.6): é imprescindível que conheça as ferramentas de trabalho em rede de computadores, ou seja, domine os recursos da Internet, desde os browsers de navegação, transferência de arquivos (FTP), acesso remoto (Telnet), correio eletrônico ( ), listas de discussões, publicações eletrônicas, mecanismos de busca, diretórios de pesquisa, e saiba utilizar editores para criação de documentos hipermídia. Igualmente conheça e utilize os recursos para digitalização de documentos, tais como: scanners, câmeras digitais, vídeos digitais, entre outros. Para atender as diversas demandas do mercado, a biblioteconomia deixou de ensinar unicamente as tradicionais formas de organização de acervos e passou a responder por ações de gerência da informação. Alterou a identidade da área, ao criar competências que o profissional bibliotecário pudesse se abrir para novas categorias de atuação profissional (MILANESI, 2002, p. 79). Um desafio verificado pelo referencial teórico desta pesquisa são as diferenças existentes entre os suportes utilizados na Biblioteconomia e no ambiente da Web. Conforme mostra a Figura 3: Figura 3 Diferenças entre livros e websites Fonte: Rosenfeld e Morville (2006, p.16, tradução nossa)

12 Percebe-se, portanto, as particularidades do trabalho de AI, a partir das diferenças entre os documentos de suporte físico, entre livros e websites. Também é importante diferenciar as características de organização de uma biblioteca convencional e de um website, conforme mostra a Figura 4: Figura 4 Diferenças entre bibliotecas e websites Fonte: Rosenfeld e Morville (2006, p.17, tradução nossa) Como observado, as diferenças vão desde a finalidade, a variedade de estoques informacionais até a forma de operação das bibliotecas em contraste com websites. Neste cenário, outro desafio a ser encarado refere-se à formação desses profissionais, pois segundo pesquisa realizada por Silva; Silva e Frankenstein (2009, p.74) atualmente no Brasil existem apenas três cursos de especialização em AI, porém nenhum deles é reconhecido pelo Ministério da Educação, o que faz com que os profissionais que desejam atuar nessa área sejam estudiosos diligentes, com facilidade de aprendizado (autodidata) para se manterem atualizados quanto às novas demandas e ferramentas da área. Este pensamento é confirmado por Ferreira e Reis (2008, p.289) ao comentar que em estudo apresentado que a maioria dos profissionais mencionou que desenvolveu seus conhecimentos de AI de forma autodidata, o que justifica o interesse e empenho desses profissionais pelo tema e aponta uma carência de cursos no Brasil, o que pode acarretar uma má formação dos profissionais. Para Baptista e Mueller (2004, p.65) frente a esse desafio, somente uma educação continuada poderá suprir as exigências de habilidades e competências específicas exigidas pelo mercado. Além disso, elas discorrem que

13 o bibliotecário, objetivando ser um profissional da informação exigido pelo mercado, [...] precisa ser capaz de interagir com o mundo do trabalho atual, com uma especialização e qualificação adequadas, uma integração organizacional, uma capacidade de trabalhar em equipe, com atitudes comportamentais, somando a formação com a educação continuada e o aprendizado autônomo. (BAPTISTA; MUELLER, 2004, P.67) Uma das maneiras de obter êxito nesse aspecto é manter-se atualizado em relação às tendências do mercado, participando de eventos, cursos, etc e principalmente ser um profissional curioso, empreendedor e autossuficiente. Entende-se, portanto que o bibliotecário que deseja ingressar nessa área de atuação, deverá se preparar para o desafio do autoaprendizado e possuir uma boa dose determinação. Sendo as tecnologias Web um ponto central da vida do homem contemporâneo, o profissional bibliotecário precisa adaptar-se à utilização desses novos recursos. Espantoso (1999/2000, p.139) afirma sobre o bibliotecário que sua contribuição na AI gravita em torno do conhecimento de princípios de seleção, acesso à informação, conhecimento de busca, catalogação e classificação aplicados em ambientes Web, e não necessariamente que ele se transforme em um designer gráfico, programador ou analista de computação. Mas sim que ele utilize seus conhecimentos na organização de ambientes Web. CONCLUSÃO Pelo exposto até o momento, considera-se que o bibliotecário poderá atuar também como arquiteto de informação se possuir os conhecimentos específicos para essa área de atuação. Porém é sabido que suas competências, estão relacionadas mais ao planejamento, armazenamento, recuperação, disseminação e acesso da informação do que propriamente na construção de websites, pois essa etapa é da responsabilidade de analistas, de programadores e de web designers. Entretanto, as habilidades e competências do bibliotecário estão intimamente relacionadas às da Arquitetura de Informação, pois o seu trabalho antecede os destes outros profissionais. Sua atuação pode concentrar-se no estudo de conteúdos, na hierarquia em que os mesmos serão apresentados na home page, na sua disposição e adequação ao público a que se destina, na preparação de taxonomias, catálogos, menus, na recuperação da informação entre outros.

14 Portanto, há grandes possibilidades para os bibliotecários atuarem como Arquitetos de Informação, e para aqueles que desejarem entrar nesse nicho de mercado será necessário muito empenho, estudo e criatividade. REFERÊNCIAS BAPTISTA, Sofia Galvão; MUELLER, Suzana Pinheiro Machado (org.). Profissional da informação: o espaço de trabalho. Brasília, DF: Thesaurus, BLATTMANN, Úrsula et al. Bibliotecário na posição do arquiteto da informação em ambiente web Disponível em: <http://www.ced.ufsc.br/~ursula/papers/arquinfo.html>. Acesso em: 5 jun BLATTMANN, Ursula; FRAGOSO, Graça Maria (org.). O zapear a informação em bibliotecas e na Internet. Belo Horizonte: Autêntica, CARVALHO, Ana Amélia A.; SIMÕES, Alcino; SILVA, J. Paulo. Indicadores de qualidade e de confiança de um site. 2005?. Disponível em: <http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/7774/1/05anaamelia.pdf>. Acesso em: 20 maio de ESPANTOSO, J. J. Péon. O arquiteto da informação e o bibliotecário do futuro. Revista de Biblioteconomia de Brasília, v. 23/24, n. 2, p , 1999/2000. Disponível em: <http:// /portalnesp/ojs-2.1.1/index.php/rbb/article/viewfile/586/584>. Acesso em: 15 jun FERREIRA, Sueli Mara Soares Pinto; REIS, Guilhermo. A prática de Arquitetura de Informação de websites no Brasil. TRANSINFORMAÇÃO, Brasília, DF, 20.3, Disponível em: <http://revistas.puc-campinas.edu.br/transinfo/viewarticle.php?id=260>. Acesso em: 26 jun FRANCO, Carlos Eduardo. O arquiteto da informação. Biblioteca Terra Forum Consultores, Disponível em: da%20informacao%20-%20carlos%20franco.pdf. Acesso em: 20 abr KRUG, Steve. Não me faça pensar!: uma abordagem de bom senso à usabilidade na web. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: Alta Books, LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo, SP: Editora 34, p. MILANESI, Luís. Biblioteca. São Paulo, SP: Ateliê Editorial, MORVILLE, Peter; ROSENFELD, Louis. Information Architecture for the World Wide Web. 3 ed. USA, California: O'Reilly Media MUELLER, Suzana Pinheiro Machado (org.). Métodos para a pesquisa em Ciência da Informação. Brasília: Thesauros, NIELSEN, Jakob; LORANGER, Hoa. Usabilidade na web: projetando websites com qualidade. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier, 2007.

15 REIS, Guilhermo. Arquitetura da informação: tratando a informação de forma estratégica. 2. ed. São Paulo: Jump, DVD. SANTOS, Marcelo Luis B. dos. Arquitetura e Informação. Biblioteca Terra Forum Consultores, 2006?. Disponível em: C3%A3o.pdf. Acesso em: 20 abr SILVA, Patrícia Madalena da; SILVA, Sandra Regina da; FRANKENSTEIN, Victor; CORRÊA, Andréa Silva (orient.). Competências necessárias à atuação do profissional de arquitetura da informação Trabalho de conclusão de curso (bacharelado) - Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. SIQUEIRA, Marcelo Costa. Gestão estratégica da informação. Rio de Janeiro: Brasport, STAREC, Claudio. et al. Gestão estratégica da informação e inteligência competitiva. São Paulo, SP: Saraiva, VERGUEIRO, Waldomiro; MIRANDA, Angélica C. D. (org.). Administração de unidades de informação. Rio Grande, RS: FURG, 2007.

Arquitetura da Informação. A relação da Arquitetura da Informação com a Usabilidade na era do conhecimento

Arquitetura da Informação. A relação da Arquitetura da Informação com a Usabilidade na era do conhecimento A relação da Arquitetura da Informação com a Usabilidade na era do conhecimento Rodrigo Medeiros Tecnólogo em Sistema para Internet Faculdade Marista Especialista em arquitetura da Informação pela Jump

Leia mais

Arquitetura de Informação de Websites. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com

Arquitetura de Informação de Websites. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com Arquitetura de Informação de Websites 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com 2 Vivemos a era da explosão da informação Existe um tsunami de dados que bate sobre as praias do mundo civilizado. É um maremoto

Leia mais

Arquitectura de Informação

Arquitectura de Informação Arquitectura de Informação Saul Wurman, criou o termo em 1976. Foi usado para design impresso: mapas guias e atlas. Posteriormente para layouts e outros campos do design. Morville e Rosenfeld, autores

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NO PLANEJAMENTO DE AMBIENTES DIGITAIS INCLUSIVOS i

A IMPORTÂNCIA DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NO PLANEJAMENTO DE AMBIENTES DIGITAIS INCLUSIVOS i A IMPORTÂNCIA DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NO PLANEJAMENTO DE AMBIENTES DIGITAIS INCLUSIVOS i Raimunda Fernanda dos Santos Aluna de Graduação em Biblioteconomia da UFRN/Natal/RN-Brasil nanda_florania@hotmail.com

Leia mais

Arquitetura de Informação de websites

Arquitetura de Informação de websites Arquitetura de Informação de websites Guilhermo Reis www.guilhermo.com Você consegue assimilar toda a informação que precisa? 2 1 3 Vivemos a era da explosão da informação Existe um tsunami de dados que

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 05/2005 137-TC-C5 Sergio Ferreira do Amaral Faculdade de Educação da UNICAMP

Leia mais

Arquitetura de Informação de websites

Arquitetura de Informação de websites Arquitetura de Informação de websites Apresentação Gil Barros Design e implementação de interfaces digitais desde 96 design gráfico > html perl/lingo > php/sql/flash usabilidade > arquitetura de informação

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI Claudio Gottschalg Duque Professor Departamento de Ciência da Informação Universidade de Brasília (UnB) Brasil Mauricio Rocha Lyra Aluno

Leia mais

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE Eliane Apolinário Vieira Priscila Marylin de Almeida Arlete Inocencia Menezes Roni

Leia mais

Biblioteca digital x Biblioteca virtual: aspectos norteadores para proposta de implantação em uma IES. Zaira Regina Zafalon

Biblioteca digital x Biblioteca virtual: aspectos norteadores para proposta de implantação em uma IES. Zaira Regina Zafalon ZAFALON, Z. R. Biblioteca digital X Biblioteca virtual: aspectos norteadores para proposta de implantação em uma IES. In: Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias, 13., 2004, Natal. Arquivo em

Leia mais

A Arquitetura de Informação segundo Lou e Peter por Márcio Tristão

A Arquitetura de Informação segundo Lou e Peter por Márcio Tristão A Arquitetura de Informação segundo Lou e Peter por Márcio Tristão Conversamos com Louis Rosenfeld e Peter Morville autores do best-seller Information Architecture for the World Wide Web, o livro do urso

Leia mais

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Resenha. Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p.

Resenha. Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p. Resenha Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p.) Thiago de Andrade Marinho 1 Ergodesign e Arquitetura de Informação:

Leia mais

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Sílvia Maria Berté Volpato (TCE/SC) - silviaberte@hotmail.com

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Arquivologia:

Gestão do Conhecimento e Arquivologia: Gestão do Conhecimento e Arquivologia: entrelaçamentos e possibilidades na formação do profissional arquivista. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira DCI/FABICO/UFRGS Arquivologia Salvador, 2013. Apresentação

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Projeto de Interface do Usuário

Projeto de Interface do Usuário Projeto de Interface do Usuário Arquitetura de Informação Danielle Freitas 2015.1 http://docente.ifrn.edu.br/daniellefreitas Agenda Introdução O que é arquitetura da informação Estratégia de conteúdo Sistema

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de Aula 02 1 2 O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de alcançar melhor desempenho, melhores resultados

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Gestão do Conhecimento Case Documentar

Gestão do Conhecimento Case Documentar Gestão do Conhecimento Case Documentar GESTÃO DO CONHECIMENTO CASE DOCUMENTAR Empresa: Documentar Tecnologia e Informação Localização: R. Barão de Macaúbas 460 20º Andar Santo Antônio BH/MG Segmento: Tecnologia,

Leia mais

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 552 A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP Marília) Bárbara Fadel (UNESP Marília / Uni-FACEF Franca) 1. Introdução O papel surgiu como um dos principais suportes

Leia mais

Arquitetura de Informação - 2

Arquitetura de Informação - 2 Arquitetura de Informação - 2 Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Arquitetura de Informação (AI): Objetivo: Compreender os vários cenários em que o design de informação

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Criada pela International Organization for Standardization (ISO), a ISO 9001 é uma série de normas sobre gestão da qualidade

Leia mais

Valores diferenciados para associados/funcionários do Sinduscon/RS

Valores diferenciados para associados/funcionários do Sinduscon/RS MBA Contabilidade & Direito Tributário. Parceria: IPOG/Sinduscon-RS O IPOG em parceria com o CRC-RS, traz à Porto Alegre o MBA em Contabilidade & Direito Tributário, que já é sucesso, com mais de 20 turmas

Leia mais

arquitetura da informação em agências digitais

arquitetura da informação em agências digitais arquitetura da informação em agências digitais 1 dados importantes 2 componentes da a.i. 3 fases e ferramentas 4 equipe envolvida 5 livros recomendados dados importantes Cinco exabytes(5.000.000.000.000

Leia mais

GESTÃO E ACESSO À INFORMAÇÃO

GESTÃO E ACESSO À INFORMAÇÃO GESTÃO E ACESSO À INFORMAÇÃO Juliana Fachin Bacharel em Biblioteconomia pela UFSC. Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UFSC. E-mail: julianfachin@gmail.com Resumo: A obra

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

Arquitetura da Informação Lílian Simão Oliveira

Arquitetura da Informação Lílian Simão Oliveira Arquitetura da Informação Lílian Simão Oliveira Informação Usabilidade não é apenas o usuário conseguir usar o produto! Cinco atributos da usabilidade (NIELSEN, 1993): 1. Facilidade de aprendizagem 2.

Leia mais

Wireframes Desenho de Iteração. Henrique Correia. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Wireframes Desenho de Iteração. Henrique Correia. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 1 Wireframes Desenho de Iteração Henrique Correia Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Sistemas Hipermédia - 1º ano Mestrado Ensino da Informática 11 de Outubro de 2011 2 Wireframes Introdução

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Arquitetura de Informação

Arquitetura de Informação Arquitetura de Informação Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Arquitetura de Informação? Ferramentas para Web Design 2 Arquitetura de Informação (AI): É a arte de expressar

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1 Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis Resumo Descreve a implantação da Biblioteca Virtual

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a.

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a. Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a. Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia

Leia mais

Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign

Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Apresentação, Fluxo de Desenvolvimento e Arquitetura da Informação Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

FACULDADE KENNEDY BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE KENNEDY BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE KENNEDY BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO A Faculdade Kennedy busca sempre melhorar a qualidade, oferecendo serviços informatizados e uma equipe de profissionais preparada para responder

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Proposta Comercial. Proposta Comercial de prestação de serviços de Desenvolvimento de web site para o Vereador Marcelo Ramos.

Proposta Comercial. Proposta Comercial de prestação de serviços de Desenvolvimento de web site para o Vereador Marcelo Ramos. Proposta Comercial de prestação de serviços de Desenvolvimento de web site para o Vereador Marcelo Ramos. 1 1. APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA Brasília, 14 de maio de 2010. A LTDA. vem, por meio deste documento,

Leia mais

Sistemas ERP. A Interdisciplinaridade dos

Sistemas ERP. A Interdisciplinaridade dos A Interdisciplinaridade dos Sistemas ERP CLEBER DE CARVALHO OLIVEIRA CLEVER LOPES RODRIGUES LEANDRO SILVA CAMPOS LILIANE VERÔNICA MICHELLE GOMES SAINÇA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL INSTITUTO LUTERANO

Leia mais

O SITE DA MINHA EMPRESA por Ivan F. Cesar

O SITE DA MINHA EMPRESA por Ivan F. Cesar O SITE DA MINHA EMPRESA por Ivan F. Cesar Muitos empresários e profissionais liberais gostariam de estar na Internet, mas, na maioria dos casos, não sabem muito bem por que e nem mesmo sabem a diferença

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign

Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net Tópicos da Aula 1. Design 2. Importância do

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com 1. A comunicação científica e sua importância Qualquer

Leia mais

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web 2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web A eficiência da educação a distância (EAD) depende da contribuição de diversas disciplinas. É comum encontrarmos estudos nas áreas da ciência da computação,

Leia mais

Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados. Iza Saldanha

Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados. Iza Saldanha Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados Iza Saldanha Abordagem Conceitos Procedimentos/Ferramentas Benefícios esperados Estudo de caso Planave

Leia mais

CICLO DE VIDA DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONHECIMENTO

CICLO DE VIDA DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONHECIMENTO CICLO DE VIDA DE SISTEMAS DE GESTÃO DE CONHECIMENTO CAPÍTULO 3 DESAFIOS PARA A CONSTRUÇÃO DE SISTEMAS Cultura conseguir com que as pessoas compartilhem conhecimento Avaliação do COnhecimento avaliar/medir

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

A disciplina de Gestão do Conhecimento no currículo do Curso de Biblioteconomia: a experiência da UFRGS/BRASIL.

A disciplina de Gestão do Conhecimento no currículo do Curso de Biblioteconomia: a experiência da UFRGS/BRASIL. A disciplina de Gestão do Conhecimento no currículo do Curso de Biblioteconomia: a experiência da UFRGS/BRASIL. Profa. Maria do Rocio F. Teixeira DCI/FABICO/UFRGS IX Encuentro de Directores y VIII de Docentes

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia da Informação na Gestão do Conhecimento consiste em: Ampliar o alcance

Leia mais

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software São Paulo 2007 JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Soluções Inteligentes

Soluções Inteligentes Soluções Inteligentes APRESENTAÇÃO A TOPO INTELLIGENCE iniciou suas atividades na cidade de Barreiras em 2008, oferecendo a mais completa solução em gerenciamento de informações para atender todos os segmentos.

Leia mais

Engenharia da WEB 16/08/2011. Vida moderna. Sistemas WEB

Engenharia da WEB 16/08/2011. Vida moderna. Sistemas WEB Engenharia da WEB Fernando Schütz Especialização 2010 UTFPR Vida moderna Sistemas WEB Início Arquivos hipertexto Hoje Bancos! Powell Sistemas WEB envolvem uma mistura de publicação impressa e desenvolvimento

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET CONCEITOS, OBJETIVOS, BENEFÍCIOS E TENDÊNCIAS Renato Schumacher

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: possíveis aplicações em uma rede. Caroline Brito de Oliveira

Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: possíveis aplicações em uma rede. Caroline Brito de Oliveira Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: possíveis aplicações em uma rede Caroline Brito de Oliveira Rio de Janeiro, 25 de novembro de 2012 Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento Gestão da

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia da Informação na Gestão do Conhecimento consiste em: Ampliar o alcance

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Caroline Maria Guimaraes Beasley, Dulce Maria Baptista

Caroline Maria Guimaraes Beasley, Dulce Maria Baptista [X ] PÔSTER A GESTÃO DA INFORMAÇÃO EM ORGANIZAÇÕES NÃO- GOVERNAMENTAIS (ONG): UM ESTUDO DE CASO EM ONGS AMBIENTAIS FINANCIADAS PELA AGÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS PARA DESENVOLVIMENTO INTERNACIONAL - USAID

Leia mais

Pós-Graduação em Marketing e Design Digital

Pós-Graduação em Marketing e Design Digital Marketing e Design Digital Pós-Graduação em Marketing e Design Digital Aula Inaugural - 28 de abril de 2015 Aulas aos sábados, das 8h às 15h Valor do curso: R$ 16.482,00 À vista com desconto: R$ 15.657,00

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3.

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3 Ago/2013 Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração Áreas de conhecimentos de gerenciamento de projetos ESCOPO TEMPO CUSTO QUALIDADE RECURSOS

Leia mais