Final de vida. VI Seminário do Conselho Jurisdicional. Número 20 Janeiro ISSN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Final de vida. VI Seminário do Conselho Jurisdicional. Número 20 Janeiro 2006 www.ordemenfermeiros.pt ISSN 1646-2629"

Transcrição

1 Número 20 Janeiro 2006 Número 20 Janeiro ISSN Final de vida VI Seminário do Conselho Jurisdicional

2 Conselho Jurisdicional "CUIDADOS SEGUROS" 2.º CICLO DE DEBATES Na sequência da actividade desenvolvida em 2005, de debate nas regiões,, o Conselho Jurisdicional entende levar a cabo o 2.º CICLO DE DEBATES, que decorrerá em Fevereiro e Março de Está subordinado ao tema "Cuidados seguros", centrando-se numa problemática actual e relevante, no âmbito ético-deontológico. Braga 11 de Março de 2006 (9h 30m - 12h 30m) Auditório do Hospital de São Marcos Secção Regional do Norte fax: / Coimbra 18 de Março de 2006 (9h 30m - 12h 30m) Auditório do Centro de Congressos dos H.U.C. Secção Regional do Centro fax: / Ponta Delgada 29 de Março de 2006 (9h 30m - 12h 30m) Auditório da Escola Superior de Enfermagem de Ponta Delgada Secção Regional da R. A. Açores fax: / São agendados cinco debates, um em cada Região, e pretende-se reflectir em conjunto sobre os aspectos da prática de cuidados que se relacionam com a perspectiva ética da gestão do risco e os caminhos para cuidados antónio freitas i i n f o r m aç ão e c o n f i d e n c i a l i da d e I I Q u e s tõ e s é t i c a s da P r át i c a d e E n f e r m a g e m I I i Q u e s tõ e s é t i c a s da s r e l aç õ e s p ro f i s s i o n a i s I V d o d i r e i to ao c u i da d o V é t i c a d e E n f e r m a g e m Funchal 23 de Fevereiro de 2006 (14h 30M - 17H 30M) Auditório da Casa da Luz Secção Regional da R. A. Madeira fax: / Inscreva-se previamente seguros. Faro 24 de Março de 2006 (14H 30M - 17h 30M) Auditório Campus de Gabelas da Universidade de Faro Secção Regional do Sul fax: / por ou fax

3 Editorial Bastonária ARQUIVO OE Cara(o) Colega Mesmo estando ciente das dificuldades que envolvem o juízo em causa própria, considero que o Seminário de Ética, organizado anualmente pelo Conselho Jurisdicional, é já imprescindível, no panorama da enfermagem nacional. Muitos são os argumentos que sustentam esta minha convicção, mas, se mais não houvesse, bastaria a extraordinária adesão que sempre tem por parte dos enfermeiros para confirmar e privilegiar este espaço de reflexão e debate no plano nacional da Ordem. Inscreveram-se este ano mais de mil enfermeiros e muitos mais foram os que manifestaram interesse em nele participar. Embora lamente que muitos não tenham tido a oportunidade de assistir a tão relevantes comunicações e de partilhar experiências e dúvidas com os seus autores, bem como de lhes colocar questões ou solicitar opiniões, a Ordem não consegue ultrapassar as barreiras que os tempos e os espaços impõem. Mas é nosso dever proporcionar a todos os membros o acesso ao acervo documental do que todos partilharam. É, pois, com enorme satisfação que a Ordem dos Enfermeiros lhe disponibiliza, mais uma vez, através da Revista que hoje lhe chega e graças à amabilidade dos autores, os textos de todas as comunicações proferidas no VI Seminário de Ética sobre o Final de Vida. Recordo que, já em 2004, a Revista da Ordem dos Enfermeiros dedicou integralmente um número à divulgação das comunicações do V Seminário de Ética dedicado ao aprofundamento da Ética de Enfermagem. Gostaria de vos dizer que as inúmeras manifestações de agrado que recebemos e a elevada procura que este número continua a ter legitimam esta opção editorial, que é também um serviço prestado aos membros. O tema escolhido para o seminário deste ano final de vida é um tema de especial interesse para a maioria dos enfermeiros. Sendo sempre de difícil abordagem pela enorme carga emocional que, na maior parte das vezes, transporta ou desperta em cada indivíduo, os enfermeiros têm dedicado muito tempo ao estudo de assuntos e aspectos especialmente relevantes para melhor lidarem com pessoas em final de vida, nos contextos em que exercem a profissão. As escolhas do Conselho Jurisdicional, que cuidadosamente preparou esta actividade, revelam-nos perspectivas diferentes sobre realidades que julgamos conhecer bem. Ao longo das intervenções que foram feitas e dos textos que agora poderá ler, podem encontrar- se tratadas desde a problemática ético-legal às questões da morte ao longo do ciclo vital, isto é, nas diferentes etapas da nossa vida: a infância, a adolescência, a juventude, a idade adulta e a velhice. Mas também as questões mais abrangentes foram abordadas, como as relacionadas com o sentido da vida e o sofrimento humano, com o suicídio e com a eutanásia. São contributos de enfermeiros e de outros profissionais que se têm dedicado a aprofundar questões que nos inquietam a todos. É justo aqui manifestar o nosso agradecimento pela riqueza com que todos nos brindaram e que todos partilhámos.

4 Editorial Bastonária Ficha técnica Duas das comunicações apresentadas trouxeram-nos os resultados de estudos realizados. Um aborda alguns aspectos da forma como os enfermeiros vivenciam a morte, e o nosso colega holandês deu-nos conhecimento dos resultados de outro, numa comunicação que problematiza a questão da eutanásia no seu país. Os resultados de ambos falam por si. Sem querer fazer interpretações, não posso deixar de me inquietar com as consequências que uma tão grande exposição ao final da vida de quem cuidamos e uma tão grande proximidade naquele momento têm na vida profissional e pessoal dos enfermeiros. Durante o Seminário, foi afirmado: O enfermeiro é habitualmente considerado como alguém que a tudo resiste. É bem verdade que as suas vivências profissionais quotidianas o expõem a situações-limite que, muitas vezes, nem em cenários de guerra se encontram. São grandes os impactes emocionais e estes não são só causados por imagens de violência física... Com estas notas, gostaria de deixar aqui também expressa a minha certeza de que o tempo e o espaço de partilha que o Seminário proporcionou àqueles que puderam estar presentes, bem como aquilo que aqui fica escrito tornar-se-ão num importante instrumento de trabalho individual e colectivo, capaz de gerar outros tempos e espaços de partilha. Pertencerão estes aos nossos quereres e às nossas dificuldades, relacionados com o apoio prestado a cada pessoa de quem cuidamos e que é portadora de uma Vida em fase final. Precisamos de ser cada vez mais capazes de lidar com a realidade que recusamos dentro de nós, para podermos garantir, assumindo uma postura profissional, que vivenciamos com o outro a sua realidade. Este tempo de trabalho das nossas próprias vivências, na prática dos cuidados de enfermagem em final de vida, é um tempo de investimento na melhoria da qualidade dos cuidados que os enfermeiros devem oferecer aos cidadãos, porque lhes permitirá, estando melhor consigo próprios, assumir melhor a sua responsabilidade profissional. Façamos o caminho para que este seja um espaço de respeito pelas vontades e liberdades. Saudações amigas da vossa Bastonária Maria Augusta Sousa Propriedade: Ordem dos Enfermeiros Av. Almirante Gago Coutinho, Lisboa Tel.: / Fax: Director: Maria Augusta Sousa Coordenador: António Manuel Conselho editorial: Amílcar Carvalho, Élvio Jesus, Graça Machado, Jacinto Oliveira, Sérgio Gomes, Margarida Filipe, Nelson Guerra, Teresa Chambel, Teresa Oliveira Marçal Colaboraram neste número: Aaldert Mellema, Abílio Oliveira, Armandina Antunes, Filipe Almeida, Lucília Nunes, Lurdes Martins, Manuela Amaral, M.ª Isabel Renaud Norberto Silva, Pedro Ferrari, Rogério Gonçalves, Rui Nunes, Sérgio Deodato e Susana Pacheco. Secretariado: Tânia Graça Av. Almirante Gago Coutinho, Lisboa Tel.: / Fax: ISSN: Consultoria em Língua Portuguesa: Letrário Design Gráfico: Pedro Gonçalves Paginação, Pré-impressão, Impressão e Distribuição: DPI-G Design Produção Gráfica e Imagem, Estrada de Benfica n.º 304 A, Lisboa Periodicidade: Trimestral Tiragem: exemplares Distribuição gratuita aos membros da Ordem dos Enfermeiros Depósito legal n.º /00 Ordem dos Enfermeiros Sede: Av. Almirante Gago Coutinho, Lisboa Tel.: / Fax: Secção Regional da R. A. dos Açores: R. Dr. Armando Narciso, Ponta Delgada Tel.: / Fax: Secção Regional do Centro: Av. Bissaya Barreto, 191, c/v Coimbra Tel.: / Fax: Secção Regional da R. A. da Madeira: R. 31 de Janeiro, Funchal Tel.: / Fax: Secção Regional do Norte: R. Latino Coelho, Porto Tel.: / Fax: Secção Regional do Sul: Rua Castilho, 59, 8.º Esq Lisboa Tel.: / Fax:

5 Sumário Sumário N.º 20 Janeiro 2006 ARQUIVO OE 04 Palavras de apresentação 06 Autonomia e morte 14 A morte no ciclo vital Morte em pediatria 16 Olhar inquieto. O jovem perante a morte 31 A morte no ciclo vital: perspectiva da enfermagem 35 A morte no ciclo vital Comentário de Rui Nunes 38 A morte no ciclo vital Comentário de Jacinto Oliveira 41 Cuidado no final de vida Dos deveres para com o doente terminal 46 A morte vista da Urgência 53 Final de Vida 57 Lidar com a morte na equipa de enfermagem ARQUIVO OE ARQUIVO OE ARQUIVO OE 62 O papel dos enfermeiros nas decisões de fim de vida 66 Cuidado no final de vida Comentário de Delfim Oliveira 70 Cuidado no final de vida Comentário de Lucília Nunes 71 Da finitude e fragilidade humana 78 VI Seminário CJ Final de vida. Conclusões

6 Palavras de apresentação Lucília Nunes Presidente do Conselho Jurisdicional ARQUIVO OE e pela importância que lhe é atribuída nas questões colocadas face a esta circunstância de prestação de cuidados. Foi, em 2005, coincidência feliz que decorresse na Semana Nacional de Cuidados Paliativos, a que nos associámos. A morte acontece ao longo do ciclo de vida, e abordámos diferentes perspectivas, em painel multidisciplinar designado A morte no ciclo vital, considerando a perspectiva pediátrica, do adolescente e jovem adulto e da intervenção de enfermagem. Em relação ao Cuidado no final de vida, foram debatidos os temas relacionados com os deveres para com o doente terminal, a morte vista da Urgência, os cuidados paliativos, a tríade enfermeiro-família-doente terminal, o lidar com a morte no seio da equipa de enfermagem e o papel dos enfermeiros nas decisões de fim de vida. Neste tema, destaca-se a participação de Aaldert Mellema, enfermeiro holandês, membro de uma organização nacional, a propósito da vivência da eutanásia entre os enfermeiros. Com periodicidade anual, o Seminário tem o propósito geral de responder a necessidades expressas ou a temas considerados pertinentes e relevantes para a prática profissional, procurando contribuir para o aprofundamento e para a divulgação do Código Deontológico do Enfermeiro. Neste VI Seminário (Porto, 11 de Outubro, 2005), o Conselho Jurisdicional pretendeu continuar a promover a reflexão ético-deontológica, numa temática relevante e ao encontro do definido no Artigo 87 do Código Deontológico do Enfermeiro, relativo aos deveres para com o doente terminal. Sendo certo que aos enfermeiros compete a prestação de cuidados ao longo do ciclo vital, decorre, também, o acompanhamento das pessoas, das famílias e dos conviventes significativos nos processos de morrer. Escolhemos, para este seminário, o tema Final de Vida pela pertinência, pela relevância As conferências inicial e final foram momentos de explicitação em relação à autonomia e morte e à fragilidade e finitude humana. As Conclusões sintetizam e reúnem os tópicos mais relevantes das actividades do dia. Como ocorreu com o seminário de 2004, entendeu-se relevante a publicação dos textos por forma a ampliar a partilha e a promover a continuação do debate e da reflexão; neste sentido, uma palavra de especial agradecimento aos prelectores e comentadores por esta (mais uma) colaboração. A exemplo de anos anteriores, o Seminário teve elevada adesão por parte dos colegas. Num balanço geral, contou com 972 participantes: 881 enfermeiros, 80 estudantes de Enfermagem e 11 profissionais de outras áreas. Destes, 163 fizeram avaliação escrita no questionário fornecido da análise dos questionários, verifica-se que a maioria possui

7 o título profissional de enfermeiro (83%), 9% são enfermeiros especialistas e 7% estudantes de Enfermagem. Relativamente à idade dos participantes, a maioria encontra-se na faixa etária dos anos (51%), 29% na faixa dos e 11% na dos anos. Quanto ao local de trabalho, verifica-se a predominância do hospital (66%), havendo 9% a trabalhar em centros de saúde e 7% em escolas superiores de saúde / enfermagem. A avaliação dos trabalhos foi globalmente muito positiva, pois a maioria considerou a metodologia, os conferencistas, os meios audiovisuais, o secretariado e o espaço físico adequados, com valores superiores a 90%. Das sugestões dadas, destacam-se a proposta de mais tempo para o debate e o cumprimento dos tempos das comunicações. Dos comentários, os mais referidos são, pela positiva, a participação do enfermeiro holandês e, pela negativa, o apoio precário da restauração (bar). Uma nota relevante, que o Conselho Jurisdicional se apraz em registar, relaciona-se com o preenchimento e com a entrega dos questionários de avaliação, onde, além de ajuizarem sobre o evento em si, os colegas foram generosos em sugestões e comentários, contributos preciosos para o desenvolvimento de um trabalho que procurará responder às necessidades, aos interesses e às expectativas. A todos, um bem-haja! Consideramos que este VI Seminário foi mais um passo no caminho por ora percorrido e, naturalmente, encontramos aspectos a melhorar e a promover, designadamente no que se reporta aos espaços de debate e à partilha de experiências vividas e de reflexões, em contextos de trabalho. Neste aspecto, esperamos que o Ciclo de Debates nas secções regionais, iniciado em 2005 e que nos propomos continuar em 2006, possa potencializar a partilha de experiências e a reflexão conjunta sobre os aspectos que mais preocupam na prática diária. O enquadramento ético e deontológico da profissão filia-se, em primeira instância, no desígnio de uma prestação de cuidados de enfermagem de qualidade que respeita os direitos das pessoas, bem como as responsabilidades próprias da profissão. Os caminhos a percorrer dependem de todos nós, do que soubermos, pudermos e formos capazes de realizar: a bem daqueles a quem prestamos cuidados, a bem da profissão, a bem de um agir reflectido de ser enfermeiro. oe ARQUIVO OE

8 Autonomia e morte Sérgio Deodato Vogal do Conselho Jurisdicional ARQUIVO OE A proposta para esta conferência inicial do VI Seminário de Ética é a de reflectirmos um pouco sobre a ligação ou, talvez mais, a confrontação entre o exercício da autonomia e a morte. Tentaremos olhar a morte à luz do exercício da autonomia individual, questionando-nos, nomeadamente, sobre um eventual direito a morrer. Pretendemos seguir este olhar na dupla perspectiva ética e jurídica, na convicção de que se relacionam com o agir do enfermeiro e concorrem para a deontologia profissional. Seguindo a ideia de Paulo Ferreira da Cunha, no seu livro O Tímpano das Virtudes, reflectiremos desta forma transdisciplinar, trazendo também a arte a esta conferência. Neste livro, o autor discute as relações entre a ética e o direito a partir da apreciação dos frescos pintados por Rafael (um pintor renascentista) numa sala do Vaticano: a Stanza della Segnatura (cujo nome deriva do facto de aí ter funcionado um tribunal eclesiástico Tribunal della Signatura Gratiae). O pintor chamou aos seus frescos a Filosofia, o Direito, a Teologia e a Poesia e pintou-os nas paredes e no tecto desta sala. A autonomia A autonomia da pessoa é hoje aceite (pelo menos no espaço sociopolítico e geográfico onde nos inserimos) como um princípio ético basilar. Notemos que o conceito actual de autonomia deve muito ao pensamento de Kant. Para este filósofo, só sendo autónoma a pessoa pode agir como ser moral, escolhendo e respeitando a lei moral. Contrapõe a autonomia à heteronomia, ou seja, a um agir de forma obediente sem reflexão crítica. O crescimento e o desenvolvimento pessoal devem conduzir à maturidade que permite o exercício desta autonomia 1. Ou seja numa primeira nota, ou numa primeira pincelada, diriamos que a autonomia resulta do processo de desenvolvimento pessoal e que nos permite, concretamente, o exercício da nossa cidadania. É à luz desta transdisciplinaridade que, para falar de autonomia e morte, vos convido a entrar na Stanza della Segnatura e sobre o seu interior lançar alguns olhares. É que estes frescos, pela sua beleza e pelo seu sentido, poderão ajudar-nos a reflectir sobre a morte, enquadrada no exercício dos direitos em resultado da autonomia individual, exactamente porque sugerem olhares diferentes para o tema em análise. Como corolário da autonomia individual de cada pessoa, ou na essência desta autonomia, encontra-se o autogoverno sobre si próprio, traduzido na liberdade de tomar decisões sobre si e sobre a sua vida. Contudo, segundo Michel Renaud, esta liberdade está longe de se limitar a ser pura possibilidade de escolha; a liberdade humana Para começar, olhemos o tecto da Stanza, onde está pintada a Justiça que, tal como a autonomia, constitui um princípio ético. 1 THOMPSON, Ian; E. MELIA, Kath M.; BOYD, Kenneth M Ética em Enfermagem. 4.ª ed. Loures: Lusociência, ISBN p. 184.

9 é a realização do espírito na humanidade do ser humano 2. Isto significa que, quando exercemos a nossa autonomia, não o fazemos para um fim qualquer, escolhendo o que nos apetece simplesmente, mas escolhemos com um fim humano. E, assim, existem, a priori, hipóteses de escolha que não são sequer equacionadas para tomar uma decisão. Lembrando o filme A Ilha, se tenho uma doença grave no fígado, não escolho retirar o fígado a outra pessoa para ficar curado. Não me realizaria como humano esta decisão. Na escolha para o meu tratamento, poderia considerar múltiplas hipóteses, mas nunca equacionaria esta. de si para o outro 5, o sentido para a vida. É este encontro com o outro que nos permite, através da relação estabelecida, perceber o sentido que fazemos para o outro e logo descobrir que a nossa vida faz sentido (só faz sentido) com o outro. Parece-nos, assim, que a reflexão sobre uma decisão que ponha fim à nossa vida terá sempre de incluir a dimensão do sentido da vida. Analisar um possível direito de dispor da vida (utilizando a eutanásia ou o suicídio assistido), sem equacionar esta dimensão, distorce a reflexão, limitando-a ao subjectivismo isolado aquilo que cada um poderá pensar livremente, mas não humanamente. Michel Renaud considera que o sentido filosoficamente mais rico da liberdade não é o da liberdade de escolha, mas o da liberdade enquanto realização de si mesmo 3. Estamos, assim, a enquadrar a autonomia e, concretamente, a exteriorização dela numa reflexão mais profunda, assente no sentido da vida. Na abordagem ética do tema da morte (como noutros, de resto), a autonomia individual deve ser discutida tendo como pano de fundo o sentido da vida. Isolar a liberdade de agir daquilo que fundamenta o próprio agir pode conduzir-nos a caminhos desviantes do objecto essencial da reflexão. A abordagem do eventual direito a morrer, enquanto titularidade individual para livremente decidir matar-se, não tendo em conta o sentido que damos à vida humana, pode levar-nos a conclusões que contemplem o exercício deste direito, com base numa liberdade sem fundamento verdadeiramente humano.... a autonomia individual deve ser discutida tendo como pano de fundo o sentido da vida. De outra perspectiva, diríamos, portanto, que o agir livremente no âmbito da autonomia individual consubstancia-se numa liberdade responsável. Os actos decididos livremente na consciência de cada um originam consequências para o próprio e para os outros, na medida das relações estabelecidas. Deste modo, o exercício da liberdade não ocorre de forma ilimitada, mas sim tendo em conta os limites impostos pela desumanidade das consequências que estes podem originar. É a este propósito que alguns autores falam em autarcia, definindo-a como a autonomia da pessoa enquanto cortada de todas as suas ligações com os outros 6. Se falamos de uma autonomia cujo exercício se desenvolve afastado da normal relação com os outros, sem ter em conta as consequências nos outros com os quais vivemos, então não será uma verdadeira autonomia. Vasco Magalhães 4 considera que o sentido da vida reside na própria pessoa. A pessoa que encontra na transcendência o ir Pelos actos que praticamos e, nomeadamente, pelos efeitos produzidos nos outros e em nós, temos de responder ou assumir 2 RENAUD, Michel A Dignidade Humana. Reflexão retrospectiva e prospectiva. «Cadernos de Bioética». Coimbra: Centro de Estudos de Bioética. 23 (Ago. 2000) RENAUD, Michel Liberdade e consenso. «Cadernos de Bioética». Coimbra: Centro de Estudos de Bioética. 36 (2004) MAGALHÃES, Vasco O sentido da vida. «Cadernos de Bioética». Coimbra: Centro de Estudos de Bioética. 30 (2002) MAGALHÃES, Vasco O sentido da vida. «Cadernos de Bioética». Coimbra: Centro de Estudos de Bioética. 30 (2002) RENAUD, Isabel Comentário. In: PRESIDÊNCIA do Conselho de Ministros Tempo de Vida e Tempo de Morte. Conselho de Ética para as Ciências da Vida. Lisboa, ISBN p. 61.

10 a responsabilidade pelo acto praticado. É este fundamento que preside aos diferentes tipos de responsabilidade que assumimos na vida em sociedade todos os dias. Aqui é próxima a passagem ao domínio jurídico, onde a responsabilidade se encontra dividida conforme o tipo de acção praticada e, sobretudo, tendo em conta o resultado que produziu. É assim que falamos em responsabilidade civil, penal ou disciplinar. Responsabilidade civil, se provocamos um dano em alguém; penal, se praticamos um crime; e disciplinar, se violamos um dever profissional. Se passarmos à deontologia, a liberdade responsável constitui uma dimensão essencial do agir ético. Por isto se entende que a liberdade responsável surja como um valor da prática ética, no respeito pela dignidade da pessoa cuidada e tendo em atenção o bem comum. Assim se encontra no nosso código deontológico 7 como valor universal a observar, no Artigo 78, n.º 2, alínea b. Mas, para além da dimensão heteronómica da liberdade responsável, interessa-nos igualmente a vertente pessoal das consequências dos actos que praticamos. Ou seja, discutir se a autonomia individual permite a tomada de decisões que, não tendo consequências (aparentes) para os outros, podem prejudicar ou terminar a vida. É neste âmbito que se inclui a reflexão sobre os actos que provoquem a morte, como o suicídio, o suicídio assistido ou a eutanásia. Ou seja, é nesta perspectiva da autonomia e da liberdade do agir que pretendemos reflectir sobre um eventual direito a morrer. O ambiente acolhedor da Stanza della Segnatura permitir-nos-á, com toda a certeza, reflectir com tranquilidade. Proponho um olhar para os frescos alusivos ao Direito, que Rafael pintou em ligação com as virtudes e com a justiça de forma destacada (hierarquizando justiça virtudes direito, pintando nesta ordem do tecto para as paredes, ou seja, de cima para baixo). Tentaremos reflectir a ligação entre a autonomia e o exercício dos direitos 7 CÓDIGO Deontológico do Enfermeiro. Incluso no Decreto-Lei n.º 104/98, de 21 de Abril. Artigo 78, n.º 2, alínea b. na tentativa de clarificar uma posição sobre a forma como a autonomia pode fundamentar um eventual direito de decidir sobre o fim da vida. Autonomia e direitos humanos A autonomia individual, sendo inerente à condição humana, manifesta-se ou exterioriza-se através dos direitos. Trata-se dos direitos inerentes à condição humana: os direitos humanos, consagrados na Declaração Universal dos Direitos do Homem e em outras convenções internacionais, na Constituição e em diversas leis. A nossa deontologia profissional, exposta no Código Deontológico e em diversos pareceres emitidos pelo Conselho Jurisdicional, consagra como valor profissional o respeito pelos direitos humanos. De resto, seguindo o pensamento de Lucília Nunes 8, os deveres do enfermeiro previstos no Código têm correlação com os direitos consagrados aos cidadãos nossos clientes, na medida em que a cada dever corresponde um ou mais direitos das pessoas cuidadas. O enfermeiro assume deveres para proteger e salvaguardar os direitos do cidadão a quem presta cuidados. Como pano de fundo, ou como fundamento ético, o Artigo 78 do Código Deontológico prevê, no seu n.º 3, alínea b, o respeito pelos direitos humanos na relação com os clientes como um princípio orientador da actividade dos enfermeiros. E, nos artigos 81, 82 e 83, prevêem-se, em concreto, os direitos que o enfermeiro deve proteger no seu exercício profissional: como o direito à vida, os direitos da pessoa idosa, os direitos da criança, entre outros. Da mesma maneira, quando reflectimos sobre a ética de enfermagem (como o fizemos no seminário do ano passado), inclui-se, naturalmente, a dimensão do respeito pelos direitos humanos, nomeadamente como um valor em relação à Pessoa assistida 9. 8 NUNES, Lucília Equacionando direitos humanos e necessidades em cuidados. «Revista da Ordem dos Enfermeiros». 4 (Nov. 2001) NUNES, Lucília A especificidade da Enfermagem. In: NEVES, Maria do Céu Patrão; PACHECO, Susana Para uma Ética de Enfermagem. Desafios. COIMBRA: Gráfica de Coimbra, ISBN pp

11 De todos, o direito à vida assume um especial destaque por ser a vida humana que permite o exercício dos outros direitos. Só faz sentido falar em direitos humanos ou direitos de personalidade como direitos ligados à vida 10, cuja titularidade e cujo exercício dependem da vida. E o enfermeiro, de acordo com a alínea a, do Artigo 82 do Código Deontológico, assume o dever de defender a vida humana em todas as circunstâncias. É neste contexto, em que reflectimos sobre autonomia e direitos humanos, que talvez valha a pena levantar a seguinte questão: a liberdade de decidir sobre si como corolário da autonomia poderá, então, justificar a prática de actos que comprometam seriamente ou ponham fim à vida? Ou, de outro modo, encaramos como possível a existência de um direito a morrer? Dois caminhos poderemos seguir neste ponto da nossa reflexão: ou consideramos que a autonomia de cada um é absoluta, o que permite que o exercício da liberdade justifique o direito de decidir morrer; ou, de outra forma, encaramos a vida humana como valor supremo, o que exige respeito e protecção por todos, incluindo o próprio. E, perante estas possibilidades de escolha, assumimos, deliberadamente, uma posição. Começamos por discutir o conceito de direito a morrer no confronto com o de direito à vida. Olhando agora, na mesma sala onde nos encontramos, o fresco Tímpano das Virtudes, onde Rafael pintou as virtudes e encontrando-se na parede, acima do fresco do Direito ou das leis, poderemos entender, como Paulo Ferreira da Cunha, que as virtudes presidem às leis, o que significa que no exercício dos direitos pessoais que são atribuídos ou reconhecidos pelas leis, a mediação é feita pelas virtudes. Direito à vida versus direito a morrer O direito à vida é um direito de personalidade, portanto, inerente a cada um, pelo simples facto de se ser pessoa. Está consagrado no Artigo 3.º da Declaração Universal dos Direitos do Homem, no Artigo 24 da Constituição da República Portuguesa e com especial protecção no Código Penal. No nosso código deontológico, está salvaguardado no Artigo 82, como vimos. 10 Mesmo que alguns se dirijam à memória da pessoa depois de morta, só existem por que houve vida. Sendo um direito de personalidade, inclui um conjunto de características que lhe dão um estatuto próprio no mundo ARQUIVO OE

12 10 jurídico, com uma posição de superioridade face às outras categorias de direitos. Das diversas características dos direitos de personalidade, destacamos o carácter absoluto e a indisponibilidade. Sendo absolutos, impõem-se erga omnes, o que significa que são respeitados por todos. A indisponibilidade significa que não podem estar disponíveis no comércio jurídico, sendo também irrenunciáveis, ou seja, indisponíveis também para o próprio. 11 Sendo a vida um direito de personalidade, numa perspectiva jurídica, podemos considerá-la indisponível, inclusive para o próprio. Se é um direito que integra a própria personalidade e que suporta todos os outros direitos, não fará sentido pensar em liberdade de exercício, até porque não se trataria de liberdade, porque este é um conceito ligado à vida, que só existe nas pessoas vivas. Assim, sendo indisponível, não pode cada pessoa extinguir a sua titularidade. Há direitos dos quais podemos extinguir a respectiva titularidade: se eu oferecer a minha caneta, extingo o direito de propriedade que tenho sobre ela, sem qualquer problema jurídico, ético, moral ou disciplinar. Mas querer extinguir a titularidade do direito que tenho sobre a minha vida pensamos tratar-se de um domínio diferente. Nesta perspectiva, actos como o suicídio, o suicídio assistido ou a eutanásia, não configurando um agir ético, não poderão ser aceites pela ordem jurídica, nem pela nossa deontologia profissional, exactamente porque implicam dispor da vida, extinguindo a titularidade do direito à vida. É, de resto, o que se passa entre nós, no nosso ordenamento jurídico e deontológico. A eutanásia não está prevista na lei, pelo que qualquer acto que provoque a morte de outro é considerado homicídio, nos termos dos artigos 131 a 133 do Código Penal. No plano deontológico, no enunciado de posição de 2002, também a Ordem dos Enfermeiros recusa a eutanásia, considerando-a como uma posição extremada. O suicídio, não podendo, naturalmente, ser penalizado relativamente ao agente, está criminalizado para quem incita ou ajuda, nos termos do Artigo 135, e para quem o publicita, nos termos do Artigo 139 do Código Penal. Leva-nos, assim, a crer que a nossa ordem jurídica e a nossa deontologia protegem a vida humana, não através de cada ser humano em particular, mas protege-a em geral, como uma comunidade humana. De tal forma, que mesmo em consequência de um acto de vontade, como o suicídio, o nosso Direito condena-o, por via indirecta, relativamente a terceiros intervenientes. Ou seja, não consagra, no nosso entendimento, um direito a morrer. De outra perspectiva, podemos discutir se esta indisponibilidade terá ou não fundamento na propriedade da vida. É que, se aceitarmos a disponibilidade da vida e, como consequência, a prática de actos que lhe ponham fim, estamos a transformar a vida humana num bem negociável e a colocá-la ao nível dos direitos de propriedade. De resto, é este o raciocínio seguido por quem defende o direito a morrer: dispomos da nossa vida porque somos donos de nós (lembram-se que anteriormente tínhamos concluído que dispor da propriedade da caneta ou de qualquer outro bem do qual se é dono é juridicamente possível, normal). O Padre Feytor Pinto considera (a este respeito, e marcando uma posição católica) que a indisponibilidade da vida pelo próprio deriva do facto de não termos sobre ele propriedade, uma vez que ela é de uma humanidade em crescimento 12. Esta é a perspectiva da vida como um bem supremo, com valor que supera a vontade de cada um. É a sacralidade da vida entendida como fora do domínio da pessoa, porque atribuída por Deus. E, portanto, não sendo escolhido o início por cada um de nós, também não fará sentido que possamos decidir do seu fim. 11 ASCENSÃO, José de Oliveira Teoria Geral do Direito Civil. Vol. I. Lisboa: FDL, p PINTO, Feytor O direito de morrer: Perspectiva teológica e ética. In: ASSOCIAÇÃO dos Médicos Católicos Portugueses Da Vida à Morte. Coimbra: Gráfica de Coimbra, pp

CONSELHO JURISDICIONAL

CONSELHO JURISDICIONAL PARECER CJ 194 / 2010 SOBRE: Segurança da Informação em Saúde e Sigilo Profissional em Enfermagem O Conselho Jurisdicional, enquanto supremo órgão jurisdicional da Ordem dos Enfermeiros e decorrente da

Leia mais

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções.

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções. A justiça restaurativa no combate à violência doméstica O final de uma legislatura é, certamente, um tempo propício para a realização de um balanço de actividades. Pode constituir-se como convite à avaliação

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Requisitos para um bom Testamento vital *

Requisitos para um bom Testamento vital * Requisitos para um bom Testamento vital * DANIEL SERRÃO Professor Convidado do Instituto de Bioética da UCP 1. Sem qualquer fundamento, sou considerado como um opositor a que haja uma lei que regule as

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça Intervenção do Ministro da Justiça Sessão comemorativa do 30º Aniversário da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos do Homem Supremo Tribunal de Justiça 10 de Novembro de 2008 Celebrar o

Leia mais

Código Deontológico. (Inserido no Estatuto da OE republicado como anexo pela Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro)

Código Deontológico. (Inserido no Estatuto da OE republicado como anexo pela Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro) Código Deontológico (Inserido no Estatuto da OE republicado como anexo pela Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro) SECÇÃO II Do código deontológico do enfermeiro Artigo 78.º Princípios gerais 1 - As intervenções

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 6 Comunidade Global Tema Direitos fundamentais do : Declaração Universal dos Direitos do OBJECTIVO: Participa consciente e sustentadamente na comunidade global 1. Leia, com atenção, a Declaração Universal

Leia mais

A MAGIA DA MATEMÁTICA

A MAGIA DA MATEMÁTICA A MAGIA DA MATEMÁTICA Helena Rocha, Isabel Oitavem Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa hcr@fct.unl.pt, oitavem@fct.unl.pt Introdução Todos os professores se preocupam com as

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO - Grupo de reflexão na área de psicologia sobre questões relativas à orientação sexual - Artigo apresentado no Colóquio de Estudos G(ay)L(ésbicos)Q(ueer)

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB Sem qualquer negociação, o Ministério da Educação anunciou, e está desenvolver, algumas medidas avulsas relacionadas com o 1º Ciclo do Ensino Básico.

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE OUTUBRO. Dia Mundial da Erradicação da Miséria

CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE OUTUBRO. Dia Mundial da Erradicação da Miséria CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE OUTUBRO Dia Mundial da Erradicação da Miséria reconhecido pelas Nações Unidas como Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza Junho de 2013 CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE

Leia mais

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP 17 de Fevereiro 15H30 SANA Lisboa Hotel Comunicado conjunto Senhores jornalistas, Em primeiro lugar queremos agradecer a vossa presença. Ao convocar

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. Competência e critérios de evidência Reconhecer princípios

Leia mais

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA PROJECTO DE MELHORIA CONTÍNUA SABER CUIDAR UM DIREITO CANTANHEDE, Janeiro de 2011 HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

- Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas

- Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas - Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas curiosidades. Se quiseres, depois deixo-te ler. - Tu sabes

Leia mais

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados O Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, Lembrando o Plano de Acção de Milão 139, adoptado pelo

Leia mais

PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015

PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015 PROJECTOS NACIONAIS A IMPLEMENTAR NO TRIÉNIO 2013-2015 1/10 PROJECTO 1 - Curso de Preparação para a Parentalidade Adoptiva Depois de tudo te amarei Como se fosse sempre antes Como se de tanto esperar Sem

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLNAR: EMRC PLANIFICAÇÕES 8º Ano ANO 2008/2009 1/7

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLNAR: EMRC PLANIFICAÇÕES 8º Ano ANO 2008/2009 1/7 8º Ano ANO 2008/2009 1/7 Módulo 1- O GOSTO PELA AVENTURA Tema 1 - A atracção ao desconhecido Experiência de aventuro. (Situações que exprimem experiências de aventura como a condução de veículos, iniciação

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais

2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Artigo 6. o. Lei Orgânica n. o 2/2006

2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Artigo 6. o. Lei Orgânica n. o 2/2006 2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei Orgânica n. o 2/2006 de 17 de Abril Quarta alteração à Lei n. o 37/81, de 3 de Outubro (Lei da Nacionalidade)

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 552 Diário da República, 1.ª série N.º 12 17 de Janeiro de 2008 MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Decreto-Lei n.º 11/2008 de 17 de Janeiro A Lei n.º 147/99, de 1 de Setembro, que aprovou

Leia mais

A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC

A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC 1 Antecedentes das questões de cidadania na política educativa e nos currículos escolares Os valores

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

Parecer relativo aos Projectos de Lei. nºs 135/VIII-PCP, 296/VII-BE e 385/VIII-PCP

Parecer relativo aos Projectos de Lei. nºs 135/VIII-PCP, 296/VII-BE e 385/VIII-PCP Parecer relativo aos Projectos de Lei nºs 135/VIII-PCP, 296/VII-BE e 385/VIII-PCP A Associação Portuguesa de Mulheres Juristas, após ter analisado os projectos de Lei supra referidos, entendeu dever fazer

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO I - DIREITO PENAL MÉDICO Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO I - DIREITO PENAL MÉDICO Ano Lectivo 2011/2012 UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular OPÇÃO I - DIREITO PENAL MÉDICO Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Direito (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Direito 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

Apresentação PRO BONO PRO BONO

Apresentação PRO BONO PRO BONO Guia do Voluntário Apresentação A PRO BONO surgiu enquanto forma de aliar o mundo jurídico ao mundo do voluntariado; duas realidades que se desencontram no nosso dia-a-dia mas que acreditamos fazer sentido

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA XIII REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP A extensão da Protecção Social

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

Antes de mais gostaria, Sr. Presidente, de desejar-lhe os maiores sucessos no exercício das suas funções, bem como ao jovem IX Governo Regional dos

Antes de mais gostaria, Sr. Presidente, de desejar-lhe os maiores sucessos no exercício das suas funções, bem como ao jovem IX Governo Regional dos Antes de mais gostaria, Sr. Presidente, de desejar-lhe os maiores sucessos no exercício das suas funções, bem como ao jovem IX Governo Regional dos Açores que agora inicia o seu mandato. Sr. Presidente,

Leia mais

Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1

Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1 Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1 Vídeo Aula 1 2 O Direito da Criança e do Adolescente Vamos tratar do direito da criança e do adolescente. Uma primeira observação: quando se afirma a

Leia mais

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril REPE Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril 1 - A enfermagem registou entre nós, no decurso

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Myriam Moreira Protasio CRP 05/07251 Para este trabalho selecionamos três obras do filósofo dinamarquês, através das quais poderemos

Leia mais

Comunicação à 1ª secção

Comunicação à 1ª secção Comunicação à 1ª secção Denomina-se Ordem dos Advogados a associação pública representativa dos licenciados em Direito que, em conformidade com os preceitos deste Estatuto e demais disposições legais aplicáveis,

Leia mais

Uma política de língua para o português

Uma política de língua para o português Uma política de língua para o português Maria Helena Mira Mateus Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Instituto de Linguística Teórica e Computacional As várias intervenções sobre política linguística

Leia mais

Entrevista de António Paiva menção qualidade poesia

Entrevista de António Paiva menção qualidade poesia Entrevista de António Paiva menção qualidade poesia A poesia é útil na sua vida ou o poeta sente-se serviçal da palavra? (Dionísio) Tal como já escrevi; Às palavras tudo darei, até a minha vida. Não diria

Leia mais

Decreto-Lei n.º 345/99 de 27 de Agosto

Decreto-Lei n.º 345/99 de 27 de Agosto Decreto-Lei n.º 345/99 de 27 de Agosto Centros de medicina desportiva do Instituto Nacional do Desporto... 2 Organização... 2 Colaboração com outras entidades... 2 Formação e Investigação... 3 Exames de

Leia mais

Código da Insolvência e Recuperação de Empresas Apresentação e discussão do anteprojecto

Código da Insolvência e Recuperação de Empresas Apresentação e discussão do anteprojecto Fórum Auditório da Reitoria da Universidade Nova 16 de Julho de 2003 Código da Insolvência e Recuperação de Empresas Apresentação e discussão do anteprojecto Discurso de Sua Excelência o Secretário de

Leia mais

Texto argumentativo sobre a Eutanásia

Texto argumentativo sobre a Eutanásia Texto argumentativo sobre a Eutanásia Trabalho elaborado por: Patrícia da Conceição Formadores. Rita Camões e Fernando Guita 23 11-2010 Como todos nós sabemos o tema da eutanásia causa muita polémica na

Leia mais

69/CNECV/2012 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA

69/CNECV/2012 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA 69/CNECV/2012 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA Parecer sobre as Propostas de Portaria que regulamentam o Modelo de Testamento Vital e o Registo Nacional do Testamento Vital (RENTEV)

Leia mais

DECLARAÇÃO POLÍTICA DO PRESIDENTE DO GRUPO PARLAMENTAR DO PS/AÇORES

DECLARAÇÃO POLÍTICA DO PRESIDENTE DO GRUPO PARLAMENTAR DO PS/AÇORES DECLARAÇÃO POLÍTICA DO PRESIDENTE DO GRUPO PARLAMENTAR DO PS/AÇORES Senhoras e Senhores Deputados, Senhora e Senhores Membros do Governo, No uso duma faculdade regimental, o Grupo Parlamentar do PS resolve

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha Existe um facto para o qual também devemos dar atenção: o agressor poderá estar numa posição de solidão. Poucos serão os agressores que terão a consciência do problema que têm, a agressividade que não

Leia mais

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL 2011 Bruno Fernandes Carla Brasilino Juliano Fávero Mariabile Túlio Email: bruno.fergon@hotmail.com RESUMO O objetivo deste artigo é discutir a questão

Leia mais

CAPÍTULO I. 'LVSRVLo}HVJHUDLV 2EMHFWLYRV. 2UJDQL]Do}HVSURPRWRUDV

CAPÍTULO I. 'LVSRVLo}HVJHUDLV 2EMHFWLYRV. 2UJDQL]Do}HVSURPRWRUDV 'HFUHWR/HLQž GHGH6HWHPEUR O voluntariado é uma actividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando, de forma livre e organizada, na solução

Leia mais

( DR N.º 229 30 Setembro 1999 30 Setembro 1999 )

( DR N.º 229 30 Setembro 1999 30 Setembro 1999 ) LEGISLAÇÃO Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, Regulamenta a Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, que estabeleceu as bases do enquadramento jurídico do voluntariado (JusNet 223/1999) ( DR N.º 229 30

Leia mais

1ª Comissão ASSUNTOS CONSTITUCIONAIS, DIREITOS, LIBERDADES E GARANTIAS

1ª Comissão ASSUNTOS CONSTITUCIONAIS, DIREITOS, LIBERDADES E GARANTIAS 1ª Comissão ASSUNTOS CONSTITUCIONAIS, DIREITOS, LIBERDADES E GARANTIAS Audição do Presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV), Prof. Doutor João Lobo Antunes, e dos membros

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA Versão Consolidada do REGULAMENTO DAS ACTIVIDADES DE FORMAÇÃO COMPLEMENTAR Aprovado na Sessão Plenária de 14-02-2012, DR, II Série, de 10-04-2012. Alterado na Sessão Plenária de 08-10-2013. Preâmbulo 1.

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 219/VIII

PROJECTO DE LEI N.º 219/VIII PROJECTO DE LEI N.º 219/VIII CONSIDERA O TEMPO DE SERVIÇO PRESTADO NA CATEGORIA DE AUXILIAR DE EDUCAÇÃO PELOS EDUCADORES DE INFÂNCIA HABILITADOS COM CURSOS DE FORMAÇÃO A EDUCADORES DE INFÂNCIA PARA EFEITOS

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

F ONT I S. Carla Valéria Siqueira Pinto da Silva

F ONT I S. Carla Valéria Siqueira Pinto da Silva ARQUITECTURA derrubando F ONT I S Carla Valéria Siqueira Pinto da Silva Lisboa 2011 Para a minha filha Isabella, que acompanhou e ouviu todas as aulas, enquanto crescia dentro de mim e me debruçava sobre

Leia mais

COMUNICADO N.º 1 INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS LEGAIS DO AGENTE DE EXECUÇÃO

COMUNICADO N.º 1 INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS LEGAIS DO AGENTE DE EXECUÇÃO COMUNICADO N.º 1 INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS LEGAIS DO AGENTE DE EXECUÇÃO Atendendo aos pedidos de esclarecimento solicitados à Comissão para a Eficácia das Execuções relativamente às incompatibilidades

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março. O Estágio como ponte para o emprego

Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março. O Estágio como ponte para o emprego Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março O Estágio como ponte para o emprego Emília Rodrigues Araújo Boa tarde a todos Quero, em primeiro lugar, saudar esta iniciativa

Leia mais

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS Relatório FEVEREIRO, 2014 Direito à integridade física e psíquica de recluso Observatório dos Direitos Humanos http://www.observatoriodireitoshumanos.net/ dh.observatorio@gmail.com

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 359/VIII CRIA O OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR

PROJECTO DE LEI N.º 359/VIII CRIA O OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR PROJECTO DE LEI N.º 359/VIII CRIA O OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR A evidente importância de um ensino condigno para crianças e jovens está a ser seriamente posta em causa por factores de violência

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

Buscas e apreensões em escritórios dos advogados à luz do novo CPP Roberto Raposo Janeiro 2011 -o nível do desenvolvimento civilizacional -ser avaliado pelo grau de equilíbrio -poder dever punitivo do

Leia mais

Duas faces, uma só Pessoa

Duas faces, uma só Pessoa P á g i n a 3 Duas faces, uma só Pessoa ANA LUÍSA RIBEIRO DOS SANTOS Ana Santos P á g i n a 4 FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Ana Santos TITULO: Duas faces, uma só pessoa AUTORA: Ana Santos IMAGEM DA CAPA: Capa:

Leia mais

HOJE EM DIA O ABORTO JÁ É LEGAL? COMO É A LEI DO ABORTO?

HOJE EM DIA O ABORTO JÁ É LEGAL? COMO É A LEI DO ABORTO? HOJE EM DIA O ABORTO JÁ É LEGAL? COMO É A LEI DO ABORTO? Em 1984 legalizou-se o aborto em Portugal, mas os prazos dessa lei já foram alargados. Desde 1997 tornou-se legal abortar por razões de saúde da

Leia mais

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado!

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Aqueles primeiros momentos em que tudo que fazemos na clínica

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março As escolas superiores de enfermagem e de tecnologia da saúde são estabelecimentos de ensino politécnico dotados de personalidade jurídica e de

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação

As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação Sara Pereira Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho Maio de 2003 No mundo de hoje, pais, professores e outros agentes educativos enfrentam

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete A construção de um futuro impõe que se considere fundamental investir na capacitação e formação das pessoas,

Leia mais

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA 1 Especial Formação de Professor Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro apresenta os princípios da Declaração Universal dos Direitos da Criança.

Leia mais

A habilidade de responder é a própria essência do valor responsabilidade.

A habilidade de responder é a própria essência do valor responsabilidade. RESPONSABILIDADE ou A HABILIDADE DE RESPONDER EM HARMONIA Responsabilidade vem do verbo latim RESPONDERE que significa responder, prometer em troca ; mais especificamente de RE (de volta, para trás) e

Leia mais

A ÉTICA NA ENFERMAGEM

A ÉTICA NA ENFERMAGEM A ÉTICA NA ENFERMAGEM Os enfermeiros são profissionais de saúde constantemente chamados a intervir e a tomar decisões, no sentido de preservar a saúde, combater a doença, ajudar a nascer e a morrer. A

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO DO CONCEITO PARA PRATICA E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos

Leia mais

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010 REGULAMENTO

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Entrevista 1.02 - Brenda

Entrevista 1.02 - Brenda Entrevista 1.02 - Brenda (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

A causa fundamental na mudança da personalidade

A causa fundamental na mudança da personalidade Psicólogo : Chang Kin Man Há dias atrás, fui ao casamento de um velho amigo meu. Durante o jantar, para além de termos podido apreciar as iguarias, ainda pudemos compartilhar a felicidade dos noivos, de

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

SISTEMA DE PROTECÇÃO PORTUGUÊS

SISTEMA DE PROTECÇÃO PORTUGUÊS SISTEMA DE PROTECÇÃO PORTUGUÊS 01 - Modelo de protecção das crianças e jovens em risco 02 - O que são as CPCJ? 03 - Qual o papel/funções do Ministério Público? 04 - Modelo de intervenção 05 - Conceito

Leia mais

Organização Promotora: braga@nova- acropole.pt www.acropolis.org Telm.: 912637687

Organização Promotora: braga@nova- acropole.pt www.acropolis.org Telm.: 912637687 Organização Promotora: braga@nova- acropole.pt www.acropolis.org Telm.: 912637687 1 O Voluntariado é uma resposta necessária à realidade das nossas sociedades e um reconhecido veículo de desenvolvimento

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL DG 02.30 CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Resposta Social: Estrutura Residencial para Idosos Prestamos Serviços de Qualidade Aldeia de S. Sebastião ADCS Aldeia de S. Sebastião, Largo da Igreja

Leia mais

interpares ajuda editorial NADA SOBRE NÓS, SEM NÓS 02 Outubro 2007 Desde que o documento, Direitos e Necessidades das Pessoas com

interpares ajuda editorial NADA SOBRE NÓS, SEM NÓS 02 Outubro 2007 Desde que o documento, Direitos e Necessidades das Pessoas com ajuda 02 Outubro 2007 interpares NADA SOBRE NÓS, SEM NÓS editorial Desde que o documento, Direitos e Necessidades das Pessoas com Experiência de Doença Mental, elaborado pela Rede Nacional de Pessoas com

Leia mais

O PORTEFÓLIO E A GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Teresa Bondoso EB1/JI da Telha Nova, nº 1, Projecto AREA teresabondoso@gmail.

O PORTEFÓLIO E A GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Teresa Bondoso EB1/JI da Telha Nova, nº 1, Projecto AREA teresabondoso@gmail. O PORTEFÓLIO E A GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR Teresa Bondoso EB1/JI da Telha Nova, nº 1, Projecto AREA teresabondoso@gmail.com Jorge Pinto ESE de Setúbal, Projecto AREA jorge.pinto@ese.ips.pt

Leia mais

Gravidez na adolescência: narrativas da paternidade

Gravidez na adolescência: narrativas da paternidade Gravidez na adolescência: narrativas da paternidade ANTÓNIO MANUEL MARQUES IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE SAÚDE, CULTURA E SOCIEDADE Portalegre, Julho 2008 Tópicos Gravidez na adolescência e paternidade

Leia mais

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai BOM DIA DIÁRIO Segunda-feira (04.05.2015) Maria, mãe de Jesus e nossa mãe Guia: 2.º Ciclo: Padre Luís Almeida 3.º Ciclo: Padre Aníbal Afonso Mi+ Si+ Uma entre todas foi a escolhida, Do#- Sol#+ Foste tu,

Leia mais

O que Querem os clientes? Dimensão v/ Especialização. Conferência Anual Lex para Advogados. Lisboa Hotel Meridien 2006.06.19. José Pedro AGUIAR-BRANCO

O que Querem os clientes? Dimensão v/ Especialização. Conferência Anual Lex para Advogados. Lisboa Hotel Meridien 2006.06.19. José Pedro AGUIAR-BRANCO O que Querem os clientes? Dimensão v/ Especialização Conferência Anual Lex para Advogados Lisboa Hotel Meridien 2006.06.19 José Pedro AGUIAR-BRANCO I. (Registo de Interesses) Antes de contribuir em específico

Leia mais

Programa de Candidatura Eleições da FPAMC 2012

Programa de Candidatura Eleições da FPAMC 2012 Programa de Candidatura Eleições da FPAMC 2012 O candidato a Presidente Paulo Araújo Fundador da Federação Portuguesa de Artes Marciais Chinesas - 1992 Cidadão português, nascido em Angola (uma das antigas

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

CAPÍTULO I - Visão geral

CAPÍTULO I - Visão geral CÓDIGO DEONTOLÓGICO DO TÉCNICO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SOCIAL Preâmbulo: O presente Código Deontológico procura estabelecer alguns princípios e algumas regras, no quadro de uma ética profissional, que devem

Leia mais

APDSI quer renovar agenda da e-inclusão

APDSI quer renovar agenda da e-inclusão e-inclusão Um desafio para Portugal APDSI quer renovar agenda da e-inclusão Lisboa, 13 de Abril de 2007 A preocupação perante a info-exclusão e os desafios que se colocam à sociedade portuguesa deu o mote

Leia mais

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março EXPLORAÇÃO DE JOGOS SOCIAIS (DISTRIBUIÇÃO DOS RESULTADOS LÍQUIDOS) (LOTARIAS - TOTOBOLA TOTOLOTO TOTOGOLO LOTO 2 JOKER - EUROMILHÕES) A afectação das receitas dos

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais