A PRUDÊNCIA NA ÉTICA A NICÔMACO DE ARISTÓTELES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PRUDÊNCIA NA ÉTICA A NICÔMACO DE ARISTÓTELES"

Transcrição

1 A PRUDÊNCIA NA ÉTICA A NICÔMACO DE ARISTÓTELES Introdução/ Desenvolvimento Dagmar Rodrigues 1 Camila do Espírito santo 2 A pretensão do presente trabalho é analisar o que é a prudência enquanto virtude intelectual e qual sua finalidade. Tal virtude é retratada no livro VI da Ética a Nicômaco. Para isso devemos entender o que seja a deliberação e a escolha deliberada, que são condições da ação moral, que fazem do prudente o homem da boa ação. Tal pesquisa busca esclarecer por que Aristóteles afirma que a prudência é uma virtude própria da reta razão, qual a sua finalidade e o que devemos fazer se pretendemos estar na posse de tal disposição. Segundo o filósofo, o homem de prudência seria o melhor dentre os homens porque age corretamente em vista do melhor dos fins. Analisa e escolhe certo de acordo com sua análise, evita os vícios e ama o que é bom, uma vez que isso é o que lhe proporcinará chegar ao fim desejado. O prudente enquanto homem da razão O homem dotado de prudência é superior aos não dotados de tal virtude porque o seu agir é sempre um agir correto. Uma vez que a análise minuciosa de suas possíveis ações é sempre critério primeiro para que possa agir de acordo com a reta razão, prudentemente, corretamente. Por isso, se diz do que possui tal disposição, que ele saberá em qualquer ocasião o que é bom tanto pra si como para os outros. Ele é temperante. Possuir tal característica é coisa boa porque ela preserva nossa sabedoria. Ele é o que possui o privilégio da intelectualidade, intelectualidade essa que não é transmitida por discursos racionais. 1 A Prudência na Ética a Nicômaco de Aristóteles, Universidade Federal do Ceará Cariri, Ceará, 2 A Prudência na Ética a Nicômaco de Aristóteles, Universidade Federal do Ceará Cariri, Ceará,

2 Enquanto homens dotados de prudência devemos nos afastar do vício, uma vez que ele nos leva ao erro, nos impede de agir corretamente. Ele, o vício, ou nos leva ao excesso ou à falta, não nos permitindo ficar no meio-termo, não nos deixa em conformidade com a reta razão. Leva-nos aos extremos e por isso nos impede de ser cautelosos, não nos deixa escolher certo, mas sim de uma maneira que alimente cada vez mais nossos vícios, fazendo de nós errantes, distanciando-nos do acerto. Assim ao que é prudente cabe analisar, saber distinguir o que é o certo do errado, tanto de um modo particular quanto de um modo geral, visando atingir sempre o melhor dos fins, analisando qual o melhor dentre os meios para que sua escolha possa ser a melhor. Logo se faz necessário o uso da deliberação, da boa deliberação para que a escolha deliberada seja a melhor, a correta. Deliberação e Escolha deliberada Segundo Aristóteles, a alma possui duas partes, a racional e a irracional. Sendo que a primeira parte é ainda composta de duas outras partes, uma é a parte científica que possui a capacidade de contemplar, enquanto a outra é calculativa, a que analisa e delibera. Assim a parte científica trata das coisas necessárias, invariáveis, que não podem ser de outro jeito, enquanto a calculativa, trata de coisas variáveis. Se pretendermos fazer uma escolha certa devemos desejar aquilo que afirma a razão. Primeiro desejamos algo e se, por conseguinte, queremos agir de maneira correta, raciocinamos para que nossa escolha seja certa e que nossa ação seja boa. Assim, a escolha deve vir acompanhada de razão e intelecto e de disposição moral. Isso porque a boa ação só é possível graças à combinação do bom uso da razão com o saber escolher o meio termo correto. Logo escolher o que é certo nos é possível por possuirmos capacidade de raciocinar, analisando qual a melhor decisão a ser tomada. Sendo que nossa escolha tanto será boa e correta quando fizermos uso da razão, isso porque ela sabe o que é bom e consequentemente nos guiara para escolher o que é bom para nós e também para os demais.

3 No entanto, só poderemos escolher sobre o que nos possibilita o futuro, porque o futuro é a possibilidade, ela ainda não é. E como deliberar só é possível sobre o que está para acontecer e pode ser diferente, pode ser mudado, é sobre ele que se delibera. Coisas passadas não podem ser objeto de escolha, pois, já aconteceram. Mas com relação ao que vai acontecer tanto podemos quanto devemos escolher. Sendo que nossa escolha será boa quando formos prudentes e soubermos deliberar. A Prudência é adquirida com a experiência Para Aristóteles a verdade da alma depende das seguintes disposições: a arte, o conhecimento científico, a sabedoria prática ou prudência, a sabedoria filosófica e a razão intuitiva. Sendo que o conhecimento científico não pode ser obejeto de deliberação porque tal conhecimento existe necessariamente. Não se pode deliberar sobre as estrelas ou sobre a lua, pois se cria, na antiguidade, que tais eram objetos eternos imutáveis. Não se deve analisar o que é e não deixará de ser simplesmente porque isso é imutável, porque quando deliberamos fazemos em vista de uma escolha, o mesmo se dá com a sabedoria filosófica e com a razão intuitiva, já que, conhecimento científico combinado com razão intuitiva é sabedoria filosófica. Ambas as disposições dão conta de apreender as coisas que são mais elevadas por natureza: [...] Por isso dizemos que Anaxágoras, Tales e os homens semelhantes a eles possuem sabedoria filosófica, mas não prática, quando os vemos ignorar o que lhes é vantajoso e também dizemos que eles conhecem coisas notáveis, admiráveis, difíceis e divinas, mas improfícuas. Isso porque não são os bens humanos que eles procuram. 3 Se tais disposições se ocupam com coisas divinas, coisas imutáveis e imperecíveis, elas não necessitam de deliberação, porque a deliberação se faz sobre o que pode ser diferente, sobre como algo pode ser ou deixar de ser, sobre como se deve ou não agir. 3 ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Tradução: Editora Globo S/A, Porto Alegre (Tópicos, dos Argumentos Sofísticos, Ética a Nicômaco e Poética). 1ª Ed. São Paulo, b 5

4 Por sua vez, arte é uma capacidade raciocinada de produzir. Ela pertence ao aspecto do variável, que inventa e produz coisas que tanto podem ser como não ser. Não se ocupa com coisas que são ou que se geram por necessidade, nem com as coisas que fazem de acordo com a natureza. Mas, embora, ela possa ser variável não é objeto de deliberação, porque é uma técnica, a técnica de produzir, e segundo Aristóteles há uma diferença entre produzir e agir, pois quando se produz algo se faz em vista de criar um objeto que possua alguma utilidade e o agir é o que possibilita se alcançar algo. O prudente não é também objeto de deliberação ele é o que delibera. Delibera sobre o que é bom para ele e sobre o que é bom de um modo geral. Ele sabe que só pode deliberar sobre o que pode ser diferente, sobre o que sua capacidade de raciocinar dá conta, delibera sobre os meios para se alcançar um fim, analisando assim, por exemplo, quais dentre os meios é o melhor para se enriquecer, roubar? Trabalhar? Enganar? O prudente saberá analisar entre todos os meios qual o melhor a ser feito. Assim, a Phronesis, é uma capacidade verdadeira raciocinada de agir com respeito às coisas que dizem respeito à vida do homem. E se é prudente sua ação será sempre boa, porque visa um bom fim. E o fim que visa o prudente, já está na própria ação, é a própria ação: Daí o atribuirmos sabedoria prática a Péricles e homens como ele, porque percebem o que é bom para si mesmos e para os homens em geral: pensamos que os homens dotados de tal capacidade são bons administradores de casas e de estado [...] 4 Assim o homem dotado de sabedoria prática, de prudência, é o homem da reta razão. O que sabe que é bom de modo particular e de um modo geral. É superior aos que não possuem tal sabedoria, pois suas ações são praticadas em vista de um fim bom, tendo como princípio a boa deliberação que implica em uma boa escolha. É o homem da reta razão porque experiente, detentor de sabedoria, o que sabe analisar e isso porque o tempo fez dele um bom analisador. Assim tal homem não age em hipótese alguma levado pelas paixões visto que a experiência amadureceu sua capacidade cognitiva. 4Ibid., 1140 b 10

5 Para Aristóteles quanto mais demorado uma deliberação, melhor. Devendo-se colocar logo em prática a conclusão da deliberação. Mas tomar cuidado, pois deliberar mal pode levar ao erro. Por isso se diz que o jovem embora possua facilidade para aprender matemática não pode ser prudente, visto não ter experiência, pois quando deliberar pode ser levado pelas paixões e acabar fazendo uma escolha errada. Por isso qualquer um pode deliberar, mas deliberar bem, só ao prudente cabe. Considerações finais Assim chegamos à conclusão de que, a Prudência, como constatara Aristóteles é uma virtude muito boa, uma vez que, seguida de razão nos faz agir corretamente, nos faz temperantes e preserva nossa sabedoria. Ser prudente é dizer não aos vícios e permanecer no meio-termo. É saber escolher para que sua ação seja boa. Como o prudente é o homem dotado de reta razão suas escolhas devem sempre ser certas. O homem que sabe o que é bom para si e para os demais. O que delibera sobre as coisas que são boas e más para si. É superior aos demais porque sabe onde quer chegar e faz o melhor que pode para alcançar o fim desejado, lembrando que prudência não é algo adquirido naturalmente, nem por hereditariedade, mas por experiência. É o homem da meta e da boa meta. A prudência é a virtude do bem agir, e o homem que a possui sabe escolher o fim certo porque analisa as várias possibilidades que leva ao melhor dos fins. Referência Bibliográfica ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco: (Tópicos, dos Argumentos Sofísticos, Ética a Nicômaco e Poética). Trad.: Editora Globo S/A, 1ª Ed. Porto Alegre São Paulo, SPINELLI, Priscila Tesch. A Prudência na Ética Nicomaquéia de Aristóteles. Universidade do Vale do rio do Sino (UNISINOS),São Leopoldo RS, 2007.

6 SILVEIRA, Denis Coitinho. Ensaios Sobre Ética. Pelotas: Editora e Gráfica Universitária, ZINGANO, Marco. Aristóteles: tratado da virtude moral; Ethica Nicomachea I13 III 8. 1ª Ed, São Paulo: Odysseus Editora, ALBENQUE, Pierre. A Prudência em Aristóteles. Trad.: LOPES, Marisa. 2ª Ed, São Paulo: Discurso Editorial, Paulus, 2008.

O conceito de amizade em Aristóteles.

O conceito de amizade em Aristóteles. O conceito de amizade em Aristóteles. "Depende de nós praticarmos atos nobres ou vis; e se é isso que se entende por ser bom ou mal, então depende de nós sermos virtuosos ou viciosos." Aristóteles. Autora:

Leia mais

O conceito ética. O conceito ética. Curso de Filosofia. Prof. Daniel Pansarelli. Ética filosófica: conceito e origem Estudo a partir de Aristóteles

O conceito ética. O conceito ética. Curso de Filosofia. Prof. Daniel Pansarelli. Ética filosófica: conceito e origem Estudo a partir de Aristóteles Curso de Filosofia Prof. Daniel Pansarelli Ética filosófica: conceito e origem Estudo a partir de Aristóteles O conceito ética Originado do termo grego Ethos, em suas duas expressões Êthos (com inicial

Leia mais

SOMOS LIVRES AO DECIDIR

SOMOS LIVRES AO DECIDIR FILOSOFIA 2º ano Partindo do principio de que liberdade é LIBERDADE DE ESCOLHER Afinal, até onde alcança o poder da nossa liberdade? Nossas escolhas estão ligadas aos princípios morais da nossa sociedade;

Leia mais

UCP - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CURSO DE ÉTICA. ÉTICA A NICÔMACO Livro 1

UCP - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CURSO DE ÉTICA. ÉTICA A NICÔMACO Livro 1 1 UCP - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CURSO DE ÉTICA ÉTICA A NICÔMACO Livro 1 Rodolfo Asturiano Vaz PETRÓPOLIS 2010 1 2 UCP - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS ÉTICA A NICÔMACO Livro 1 Trabalho

Leia mais

Grupo de Reflexão Ética APCP

Grupo de Reflexão Ética APCP Grupo de Reflexão Ética APCP Processo de tomada de decisão Problema Decisão/ Deliberação Ato: Intervenção profissional Diagnóstico Deliberação Intervenções Diagnóstico Deliberação: Qual o plano terapêutico

Leia mais

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES GRÉCIA, SÉC. V a.c. Reflexões éticas, com um viés político (da pólis) _ > como deve agir o cidadão? Nem todas as pessoas eram consideradas como cidadãos Reflexão metafísica: o que é a virtude? O que é

Leia mais

FILOSOFIA. Comentário Geral:

FILOSOFIA. Comentário Geral: 1 FILOSOFIA Comentário Geral: A prova apresentou algumas mudanças em relação à dos anos anteriores. Isso tanto na utilização de textos que levaram os candidatos a ultrapassar a leitura e interpretação

Leia mais

EUDAIMONIA E O PROBLEMA DAS AÇÕES VIRTUOSAS EM ARISTÓTELES

EUDAIMONIA E O PROBLEMA DAS AÇÕES VIRTUOSAS EM ARISTÓTELES EUDAIMONIA E O PROBLEMA DAS AÇÕES VIRTUOSAS EM ARISTÓTELES Thaís Cristina Alves Costa 1 Universidade Federal de Pelotas (UFPel) RESUMO: A partir de uma análise crítica do conceito de eudaimonia aristotélica,

Leia mais

A Evolução do Espírito Claudio C. Conti

A Evolução do Espírito Claudio C. Conti A Evolução do Espírito Claudio C. Conti ccconti@bol.com.br Segundo a Doutrina Espírita, os espíritos estão sempre em evolução, porém alguns podem até embaraçar este progresso durante certo, todavia, este

Leia mais

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia Tema 6: Ciência e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Ciência e Filosofia Ciência: vem do latim scientia. Significa sabedoria, conhecimento. Objetivos: Conhecimento sistemático. Tornar o mundo compreensível.

Leia mais

Aula 08 Terceiro Colegial.

Aula 08 Terceiro Colegial. Aula 08 Terceiro Colegial Cristianismo: Entre a Fé e a Razão Busca por uma base racional para sustentar a fé Formulações filosóficas se estendendo por mais de mil anos Cristianismo Palavra de Jesus, que

Leia mais

IDENTIDADES. Metamorfose. Nome:Stefany Santos

IDENTIDADES. Metamorfose. Nome:Stefany Santos Metamorfose IDENTIDADES Metamorfose Nome:Stefany Santos ÍNDICE O que significa metamorfose? O que significa metamorfose ambulante? Indagações Metamorfose Frase Citação Musica Considerações finais Dedicado

Leia mais

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Filosofia Teste Intermédio Filosofia Duração do Teste: 90 minutos 22.02.2011 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Utilize apenas caneta ou esferográfica

Leia mais

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA O GRANDE RACIONALISMO O termo RACIONALISMO, no sentido geral, é empregado para designar a concepção de nada existe sem que haja uma razão para isso. Uma pessoa

Leia mais

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3

Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Atividade extra Volume 2 Fascículo 2 Filosofia Unidade 3 Questão 1 A ideia de que, pela Ciência e pela técnica, o homem se converterá em senhor e possuidor da natureza está presente no pensamento do filósofo

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA COMENTÁRIO DA PROVA A prova foi excelente! Exigente e densa mas evitando temas secundários ou muito prolixos. Pela primeira vez extrapolou à mera leitura dos textos e trouxe a discussão para o mundo não

Leia mais

FILOSOFIA: RESUMO DAS AULAS 4, 5 e 6

FILOSOFIA: RESUMO DAS AULAS 4, 5 e 6 FILOSOFIA: RESUMO DAS AULAS 4, 5 e 6 Antes de elaborar um resumo do conteúdo das AULAS 4, 5 e 6, é necessário entender o panorama geral dentro do qual as discussões destas aulas fazem sentido. Isto é,

Leia mais

EGC - Engenharia e gestão do conhecimento Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedades em rede Professor: Aires Rover Aluna: Desirée Sant Anna

EGC - Engenharia e gestão do conhecimento Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedades em rede Professor: Aires Rover Aluna: Desirée Sant Anna OSHO - INTUIÇÃO EGC - Engenharia e gestão do conhecimento Disciplina: Complexidade, conhecimento e sociedades em rede Professor: Aires Rover Aluna: Desirée Sant Anna Maestri 2016/1 O LIVRO três partes

Leia mais

O SENTIDO DA LIDERANÇA

O SENTIDO DA LIDERANÇA O SENTIDO DA LIDERANÇA 2011 Fabiana Darc Miranda Psicóloga Clínica. Atuando em Estratégias de Saúde das Famílias (Brasil) Jonathas Ferreira Santos Psicólogo Social. Atuando em Programas da Assistência

Leia mais

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Governo da República Portuguesa Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva 1.1 Estrutura do ato de conhecer 1.2 Análise

Leia mais

Práticas Excelentes e Políticas Educativas Destrutivas - Considerações acerca do momento actual

Práticas Excelentes e Políticas Educativas Destrutivas - Considerações acerca do momento actual Práticas Excelentes e Políticas Educativas Destrutivas - Considerações acerca do momento actual Ramiro Marques Instituto politécnico de Santarém Página pessoal: http://www.eses.pt/usr/ramiro/index.htm

Leia mais

Metafísica & Política

Metafísica & Política Aristóteles (384-322 a.c.) Metafísica & Política "0 homem que é tomado da perplexidade e admiração julga-se ignorante." (Metafisica, 982 b 13-18). Metafísica No conjunto de obras denominado Metafísica,

Leia mais

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor Ética e Moral Conceito de Moral Normas Morais e normas jurídicas Conceito de Ética Macroética e Ética aplicada Vídeo: Direitos e responsabilidades Teoria Exercícios Conceito de Moral A palavra Moral deriva

Leia mais

A justiça como virtude e instituição social na organização da sociedade grega.

A justiça como virtude e instituição social na organização da sociedade grega. A justiça como virtude e instituição social na organização da sociedade grega. Colégio Cenecista Dr. José ferreira Professor Uilson Fernandes Fevereiro de 2016 A forma como os filósofos clássicos definem

Leia mais

o sentido da vida na catequese

o sentido da vida na catequese o sentido da vida na catequese Coleção CATEQUESE Catequese junto à pessoa com deficiência mental, Ana Shirlei P. Vinhal, Lucy Ângela C. Freitas Catequese e liturgia: Duas faces do mesmo mistério Reflexões

Leia mais

COMO NÃO SER UM LÍDER DE SUCESSO

COMO NÃO SER UM LÍDER DE SUCESSO COMO NÃO SER UM LÍDER DE SUCESSO Fernando Gasparetto Título Original em Português: Como não ser um líder de Sucesso 2012 de Fernando Gasparetto Todos os direitos desta edição reservados ao autor. É PROIBIDA

Leia mais

Ética e educação: caráter virtuoso e vida feliz em Aristóteles

Ética e educação: caráter virtuoso e vida feliz em Aristóteles Acta Scientiarum http://www.uem.br/acta ISSN printed: 2178-5198 ISSN on-line: 2178-5201 Doi: 10.4025/actascieduc.v36i1.19276 Ética e educação: caráter virtuoso e vida feliz em Aristóteles Marcos Alexandre

Leia mais

Dicas Crie um estilo pessoal

Dicas Crie um estilo pessoal Introdução Esse mini ebook foi feito especialmente para você que deseja conquistar lindas mulheres. Nas próximas páginas será compartilhado dicas práticas para que você conquiste mulheres de forma mais

Leia mais

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S

EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S Ética e Moral EFA NS C P 5 _ D E O N T O L O G I A E P R I N C Í P I O S É T I C O S 2009/2010 Valores No mundo contemporâneo o Homem já não segue valores modelos mas cria os seus próprios valores em função

Leia mais

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES BREGENSKE, Édna dos Santos Fernandes* Em seu livro, a autora levanta a questão da formação do educador e a qualidade de seu trabalho. Deixa bem claro em diversos

Leia mais

Sobre Metodologia Científica

Sobre Metodologia Científica 2013 Sobre Metodologia Científica Sergio Scheer TC022 Introdução a Engenharia UFPR Motivação Para que serve Metodologia Científica? Ciência e Conhecimento A produção de Conhecimento: Pesquisa O Processo

Leia mais

Termo-Estatística (2013) 2ª Aula. Prof. Alvaro Vannucci

Termo-Estatística (2013) 2ª Aula. Prof. Alvaro Vannucci Termo-Estatística (2013) 2ª Aula Prof. Alvaro Vannucci Na Mecânica Estatística, será muito útil a utilização dos conceitos básicos de Análise Combinatória e Probabilidade. Por ex., uma garota vai sair

Leia mais

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade

Ficha de filosofia. A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas. Fundamento e critérios da moralidade Ficha de filosofia A necessidade de fundamentação da moral Análise comparativa de duas perspectivas filosóficas Fundamento e critérios da moralidade Ética deontológica Ética consequencialista Respeito

Leia mais

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A ÉTICA NA POLÍTICA Palestrante: Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A origem da palavra ÉTICA Ética vem do grego ethos, que quer dizer o modo de ser, o caráter. Os romanos traduziram

Leia mais

realidade das profissões

realidade das profissões 12 12 Escolha Certa! Certa! As profissões As profissões do século do 21 século 21 Uma decisão difícil, extremamente pessoal. É dessa maneira que pode ser encarado esse momento crucial na vida do jovem:

Leia mais

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo.

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. FILOSOFIA MODERNA Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. Período histórico: Idade Moderna (século XV a XVIII). Transformações que podemos destacar: A passagem do feudalismo para o capitalismo

Leia mais

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor.

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor. Objetividade do conhecimento nas ciências sociais Objetividade +> rejeição à posição positivista no que se refere à neutralidade valorativa: rígida separação entre fatos e valores; => demarcação entre

Leia mais

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.1

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.1 Capacitação em Educação em Direitos Humanos FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.1 1 FUNDAMENTOS HISTÓRICO-FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Direitos Humanos: sua origem e natureza

Leia mais

A utopia platônica. Perspectiva política da alegoria da caverna: a sofocracia. Educação e política: as três classes

A utopia platônica. Perspectiva política da alegoria da caverna: a sofocracia. Educação e política: as três classes Ideias políticas Platão Pp. 311-312 A utopia platônica Perspectiva política da alegoria da caverna: a sofocracia Educação e política: as três classes A utopia platônica é elaborada na época da decadência,

Leia mais

Evangelização Espírita Ismênia de Jesus Plano de Aula Jardim (3 a 5 anos)

Evangelização Espírita Ismênia de Jesus Plano de Aula Jardim (3 a 5 anos) Centro Espírita Ismênia de Jesus Evangelização Espírita Ismênia de Jesus Plano de Aula Jardim (3 a 5 anos) Plano de Aula 05 Educadora: Edma e Priscila Dia: 14/03/2016 Horário: 20h as 21h Título: Pai Nosso

Leia mais

A PRUDÊNCIA ARISTOTÉLICA THE ARISTOTELIC PRUDENCE Olívia Brandão Melo Campelo 1

A PRUDÊNCIA ARISTOTÉLICA THE ARISTOTELIC PRUDENCE Olívia Brandão Melo Campelo 1 A PRUDÊNCIA ARISTOTÉLICA THE ARISTOTELIC PRUDENCE Olívia Brandão Melo Campelo 1 Recebimento em julho de 2014. Aprovação em agosto de 2014. Resumo: Phrônesis, palavra que vem do grego, significa o exercício

Leia mais

Oficina inaugural de produção textual sobre o texto dissertativo-argumentativo

Oficina inaugural de produção textual sobre o texto dissertativo-argumentativo Caro Aluno, Oficina inaugural de produção textual Oficina inaugural de produção textual sobre o texto dissertativo-argumentativo Esta oficina tem como objetivo geral criar a oportunidade para ter o primeiro

Leia mais

Onde buscar o Bem Maior?

Onde buscar o Bem Maior? Onde buscar o Bem Maior? Eu sou o caminho, a verdade e a vida. João 14,6 Eu sou o caminho, a verdade e a vida. João 14,6 1 Na aula de tecnologia estou seguro que utilizaram alguma vez uma lâmpada para

Leia mais

ARTE PRIMEIRA PRIMÁRIAS CAPÍTULO D EUS. Deus e o infinito Provas da existência de Deus Atributos da Divindade Panteísmo DEUS E O INFINITO

ARTE PRIMEIRA PRIMÁRIAS CAPÍTULO D EUS. Deus e o infinito Provas da existência de Deus Atributos da Divindade Panteísmo DEUS E O INFINITO O LIVRO DOS ESPÍRITOS PAR ARTE PRIMEIRA AS CAUSAS PRIMÁRIAS CAPÍTULO 1 D EUS Deus e o infinito Provas da existência de Deus Atributos da Divindade Panteísmo DEUS E O INFINITO 1 O que é Deus? Deus é a inteligência

Leia mais

DISCIPLINAS ESPIRITUAIS

DISCIPLINAS ESPIRITUAIS EBD DE FÉRIAS MANUAL DO ALUNO JANEIRO - MARÇO DISCIPLINAS ESPIRITUAIS AULA 2 - SOLITUDE Meu conselho a vocês é simples e direto: prossigam com o que receberam, e vocês receberam Cristo Jesus, o Senhor.

Leia mais

VERDADES E MENTIRAS. Quem está mentindo e quem está dizendo a verdade. Quantas pessoas estão mentindo e quantas estão dizendo a verdade

VERDADES E MENTIRAS. Quem está mentindo e quem está dizendo a verdade. Quantas pessoas estão mentindo e quantas estão dizendo a verdade VERDADES E MENTIRAS Chamamos de a um tipo específico de questão, cujo enunciado nos apresenta uma situação qualquer, envolvendo normalmente alguns personagens, que irão declarar algo. O ponto principal

Leia mais

Silogística Aristotélica

Silogística Aristotélica Silogística Aristotélica Prof. Paulo Margutti Com base na possibilidade de padronizar todas as sentenças de conformidade com os tipos A, E, I e O, Aristóteles considerava que todos os argumentos poderiam

Leia mais

Educação Difusa: a tradição oral

Educação Difusa: a tradição oral Educação Difusa: a tradição oral A educação existe onde não há escola e por toda parte podem haver redes e estruturas sociais de transferência de saber de uma geração a outra, onde ainda não foi sequer

Leia mais

Um Guia para Elaborar Boas Apresentações. Profº:Ricardo Leal Lozano MSc

Um Guia para Elaborar Boas Apresentações. Profº:Ricardo Leal Lozano MSc Um Guia para Elaborar Boas Apresentações Profº:Ricardo Leal Lozano MSc 1. Introdução OS DEZ ERROS DE UMA APRESENTAÇÃO RUIM 1. Proposta ou objetivo confuso 2. Informações demais 3. Escrever para os olhos

Leia mais

O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR!

O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR! O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR! O verdadeiro caminho a ser peregrinado por nossas vidas, é sem dúvida o da felicidade, e para se chegar até ele, precisamos de um combustível que só pode ser

Leia mais

Lição 12. Mulher Madura (PROFESSOR)

Lição 12. Mulher Madura (PROFESSOR) Lição 2 Mulher Madura (PROFESSOR) LIÇÃO 2 Mulher Madura A. Leia: Eclesiastes 3:-2.. Cada fase que vivemos tem um/a próprio/a. (pg 47) a. glória b. problema c. lição 2. Qual o fator determinante para saber

Leia mais

PROPOSTA DIDÁTICA. (30 MIN) Primeira parte da oficina, relacionando atividades que levem os alunos a refletir sobre o valor do dinheiro.

PROPOSTA DIDÁTICA. (30 MIN) Primeira parte da oficina, relacionando atividades que levem os alunos a refletir sobre o valor do dinheiro. 1. Dados de Identificação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROPOSTA DIDÁTICA 1.1 Nome do bolsista: Gabriel Prates Brener 1.2 Público alvo: 6º e 7º Ano do Ensino Fundamental 1.3 Duração: 120 Minutos 1.4 Conteúdo

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

OS CONCEITOS DE BEM E FELICIDADE NOS LIVROS I E II DE ARISTÓTELES

OS CONCEITOS DE BEM E FELICIDADE NOS LIVROS I E II DE ARISTÓTELES OS CONCEITOS DE BEM E FELICIDADE NOS LIVROS I E II DA ÉTICA A Nicômacos DE ARISTÓTELES Questões preliminares Édison Martinho da Silva Difante 1 A definição aristotélica da felicidade não se dissocia da

Leia mais

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia 7º Ano Filósofos Clássicos. A filosofia clássica. Sócrates de Atenas: o poder das perguntas

Leia mais

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra Teorias do conhecimento Profª Karina Oliveira Bezerra Teoria do conhecimento ou epistemologia Entre os principais problemas filosóficos está o do conhecimento. Para que investigar o conhecimento? Para

Leia mais

1 Avaliação e Gestão do Desempenho

1 Avaliação e Gestão do Desempenho 1 Avaliação e Gestão do Desempenho Por António Pais Avaliação do Desempenho Qualquer acto de avaliação requer um termo de comparação, com base no qual se afere o grau de concordância entre os entes em

Leia mais

2º PASSO: PLANEJAMENTO

2º PASSO: PLANEJAMENTO Com 10 passos seu trabalho de sucesso 1 º PASSO: A CRIAÇÃO Saiba o no que realmente você deseja trabalhar, para isso inicie pesquisando sobre nichos de mercado, se algum nicho se encaixou com que você

Leia mais

A construção de valores morais

A construção de valores morais TEMA DO TRABALHO: A construção de valores morais NOME COMPLETO E LEGÍVEL: EMPRESA QUE TRABALHA: FAÇA UM X DIA DA SUA SIMULTANEIDADE: 2ª feira ( ) 3ª feira ( ) 4ª feira ( ) 5ª feira ( ) 6ª feira ( ) sábado

Leia mais

FILOSOFIA 11º ano. Sofistas e filósofos

FILOSOFIA 11º ano. Sofistas e filósofos FILOSOFIA 11º ano Sofistas e filósofos Governo da República Portuguesa Rua Professor Veiga Simão 3700-355 Fajões Telefone: 256 850 450 Fax: 256 850 452 www.agrupamento-fajoes.pt E-mail: geral@agrupamento-fajoes.pt

Leia mais

Sobre Kant. Kant nasceu em Konigsberg, no ano de 1724 e morreu em 1804 sem nunca ter saído da sua cidade natal.

Sobre Kant. Kant nasceu em Konigsberg, no ano de 1724 e morreu em 1804 sem nunca ter saído da sua cidade natal. Sobre Kant Kant nasceu em Konigsberg, no ano de 1724 e morreu em 1804 sem nunca ter saído da sua cidade natal. Foi um dos últimos europeus a dominar toda a ciência do seu tempo, incluindo a física, a geografia,

Leia mais

Teresa Cristina Enns Curitiba/PR tinadellaennsr@yahoo.com.br

Teresa Cristina Enns Curitiba/PR tinadellaennsr@yahoo.com.br 1. INSPIRAÇÃO História da queda das Muralhas. Josué 6 PRÁTICA DO PLANO DE AULA 2. PESQUISAR 1 Planejamento a) Definição: Planejamento é o ato ou efeito de planejar, criar um plano para aperfeiçoar o alcance

Leia mais

Conheça o seu Cão. Um guia prático para donos de cães, adestradores e amantes da espécie.

Conheça o seu Cão. Um guia prático para donos de cães, adestradores e amantes da espécie. 1 Conheça o seu Cão Um guia prático para donos de cães, adestradores e amantes da espécie. Rodrigues, Tiago. Conheça o seu cão: 1ª Edição, São Paulo, 2014. Copyright todos os direitos reservados 2 Conheça

Leia mais

Ensaio sobre a Amizade

Ensaio sobre a Amizade Ensaio sobre a Amizade Post (0257) Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. A gente só conhece bem as coisas que cativou. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos,

Leia mais

Por que a virtude? 1. Ms. Fernando Sidnei Fantinel 2

Por que a virtude? 1. Ms. Fernando Sidnei Fantinel 2 Por que a virtude? 1 Ms. Fernando Sidnei Fantinel 2 Uma das questões mais relevantes no que concerne ao comportamento humano em sua inter-relação com o mundo, indubitavelmente, é a tentativa de elucidar

Leia mais

Universidade Salvador Curso de Licenciaturas em Letras com Inglês Disciplina de Pesquisas e Práticas Pedagógicas III

Universidade Salvador Curso de Licenciaturas em Letras com Inglês Disciplina de Pesquisas e Práticas Pedagógicas III Universidade Salvador Curso de Licenciaturas em Letras com Inglês Disciplina de Pesquisas e Práticas Pedagógicas III Apresentação temática do texto: DOMINGUINI, Lucas. A transposição didática como intermediadora

Leia mais

CURSO PREPARATORIO PARA DEFENSORIA

CURSO PREPARATORIO PARA DEFENSORIA , CURSO PREPARATORIO PARA DEFENSORIA, PUBLICA - SP FILOSOFIA E SOCIOLOGIA PROF. NOGUEIRA METODOLOGIA Sete encontros 1 º encontro""? Sófocles, Platão e Aristóteles. 2º encontro""? Kelsen. 3º encontro""?

Leia mais

Aprenda a usar o Facebook para alcançar mais clientes. a gênciaconfirma

Aprenda a usar o Facebook para alcançar mais clientes. a gênciaconfirma Aprenda a usar o Facebook para alcançar mais clientes. Facebook no Brasil 100 milhões de pessoas utilizam todos os dias Facebook no Brasil 100 milhões de pessoas utilizam todos os dias 5 milhões são administradores

Leia mais

Unidade III ESTATÍSTICA. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III ESTATÍSTICA. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III ESTATÍSTICA Prof. Fernando Rodrigues Medidas de dispersão Estudamos na unidade anterior as medidas de tendência central, que fornecem importantes informações sobre uma sequência numérica. Entretanto,

Leia mais

Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe limitação na capacidade produtiva

Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe limitação na capacidade produtiva Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe! Revendo o conceito de margem de contribuição! Existência de limitação na capacidade de produção! Margem de contribuição e fator

Leia mais

Edital de Candidatura Processo Seletivo Trainees 2º semestre de 2011

Edital de Candidatura Processo Seletivo Trainees 2º semestre de 2011 Edital de Candidatura Processo Seletivo Trainees 2º semestre de 2011 Edital de Candidatura Processo Seletivo Trainees 2º semestre de 2011 Das considerações iniciais A ESTAT JÚNIOR Consultoria Estatística

Leia mais

Os jogos nas aulas de matemática

Os jogos nas aulas de matemática Os jogos nas aulas de matemática Materiais necessários para esta aula: Giz de cera Papel grande (cartolina, pardo etc.) Dados Cartas de baralho JOGO DOS PONTOS Que habilidades ou conceitos podem ser trabalhados

Leia mais

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA.

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. SANTOS, Sayarah Carol Mesquita UFAL sayarahcarol@hotmail.com INTRODUÇÃO Colocamo-nos a fim de compreender o trabalho na dialética marxista,

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Fundão

Agrupamento de Escolas do Fundão Agrupamento de Escolas do Fundão MATEMÁTICA P GPI 13 12º Ano CURRÍCULO DA DISCIPLINA E Nº DE AULAS PREVISTAS Período PLANIFICAÇÃO ANUAL Módulos a leccionar + Conteúdos Programáticos Módulo A6- Taxa de

Leia mais

CELEBRE SEU SONHO. Aula baseada no Discurso de Barbara Sunden Diretora Nacional executiva Elite de Vendas independentes

CELEBRE SEU SONHO. Aula baseada no Discurso de Barbara Sunden Diretora Nacional executiva Elite de Vendas independentes CELEBRE SEU SONHO Aula baseada no Discurso de Barbara Sunden Diretora Nacional executiva Elite de Vendas independentes COMPARTILHANDO O SONHO Mary Kay disse: Se você quer apenas o que já possui, continue

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA AULA 03 FILIPE S. MARTINS

DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA AULA 03 FILIPE S. MARTINS AULA 03 FILIPE S. MARTINS ROTEIRO PROBLEMA DE PESQUISA HIPÓTESE JUSTIFICATIVA OBJETIVOS PROBLEMA DE PESQUISA O PROBLEMA É A MOLA PROPULSORA DE TODO O TRABALHO DE PESQUISA. DEPOIS DE DEFINIDO O TEMA, LEVANTA-SE

Leia mais

Paternidade: Missão e Dever. Dora Rodrigues

Paternidade: Missão e Dever. Dora Rodrigues Paternidade: Missão e Dever Dora Rodrigues História do dia dos pais O primeiro Dia dos Pais foi comemorado em 19 de junho de 1910, em Washington. A rosa foi escolhida como a flor oficial do evento. Em

Leia mais

REGRAS DO MÉTODO encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro;

REGRAS DO MÉTODO encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro; René Descartes REGRAS DO MÉTODO Primeira parte: encontrar por si mesmo uma solução evidente que permita reorganizar nossos juízos e separar neles o falso do verdadeiro; REGRAS DO MÉTODO Método: Meta por,

Leia mais

a) A quais situações da vida essas imagens fazem referência? d) Você já arrumou malas para viajar? Quais foram as dificuldades encontradas?

a) A quais situações da vida essas imagens fazem referência? d) Você já arrumou malas para viajar? Quais foram as dificuldades encontradas? UNIDADE: Meus planos / Brasil SITUAÇÃO DE USO Planejamento e organização de atividades. EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM - Ampliar vocabulário adequado para preparação de planos de viagens. - Determinar prioridades

Leia mais

O novo Organum crítica a obra de Aristóteles, reinterpreta sua obra ordem do universo

O novo Organum crítica a obra de Aristóteles, reinterpreta sua obra ordem do universo FRANCIS BACON . Nasceu em Londres em 1561, filho de, filho de Sir Nicholas Bacon, lorde tabelião da rainha Elisabeth, Francis Bacon gozou do privilégio de ser introduzido na corte desde pequeno. Em 1584

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

Gestão de Processos. Tópico 4. Ferramentas de Qualidade: PDCA

Gestão de Processos. Tópico 4. Ferramentas de Qualidade: PDCA Gestão de Processos Tópico 4 Ferramentas de Qualidade: PDCA Sumário 1. O que é o Ciclo PDCA... 3 2. Importância do Ciclo PDCA... 3 3. Etapas do Ciclo PDCA... 3 3.1 Planejar (PLAN)... 3 3.1.1 Qual é o problema/processo

Leia mais

Karina Ferreira Silveira *

Karina Ferreira Silveira * CONEXÃO DAS VIRTUDES: A POSSIBILIDADE DE A PRUDÊNCIA SER A TOTALIDADE DAS VIRTUDES MORAIS EM ARISTÓTELES Karina Ferreira Silveira * Resumo: O presente trabalho visa discutir alguns aspectos relevantes,

Leia mais

Pensamento Positivo. Pr. Rodrigo Moraes

Pensamento Positivo. Pr. Rodrigo Moraes Pensamento Positivo Pr. Rodrigo Moraes Pensamento Positivo Pastor Rodrigo Moraes Igreja Nova Aliança Ministério Atraindo Vidas Para Deus - AVD 2015 Prefácio Esta é uma obra com o intuito de mostrar com

Leia mais

2 AULA. Conectivos e Quantificadores. lógicas. LIVRO. META: Introduzir os conectivos e quantificadores

2 AULA. Conectivos e Quantificadores. lógicas. LIVRO. META: Introduzir os conectivos e quantificadores 1 LIVRO Conectivos e Quantificadores Lógicos META: Introduzir os conectivos e quantificadores lógicos. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Compreender a semântica dos conectivos

Leia mais

BONS Dias. Ano Pastoral Educativo Colégio de Nossa Senhora do Alto. Com Maria Desperta a. Luz. que há em TI

BONS Dias. Ano Pastoral Educativo Colégio de Nossa Senhora do Alto. Com Maria Desperta a. Luz. que há em TI BONS Dias Com Maria Desperta a Luz que há em TI 2ª feira, dia 12 de dezembro de 2016 III Semana (11 de dezembro): ALEGRAR Ontem, a Igreja celebrou o domingo da alegria: Jesus está para chegar e só Ele

Leia mais

PROFESSORA TELMA FREIRE

PROFESSORA TELMA FREIRE PROFESSORA TELMA FREIRE 1 TEORIAS DA APRENDIZAGEM INATISMO Endógena (interna) EMPIRISMO Exógena (externa) INTERACIONISMO ENDO + EXO 2 INATISMO Os eventos que ocorrem após o NASCIMENTO não são importantes

Leia mais

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL Santo Agostinho séc. IV São Tomás de Aquino séc. XIII PATRÍSTICA e ESCOLÁSTICA Platão séc. IV a.c. Aristóteles séc. III a.c A RELAÇÃO ENTRE FÉ E RAZÃO Questões fundamentais para

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL. UNIDADE 1 Introdução à Pesquisa Operacional. Prof. Me. Carlos Guimarães

PESQUISA OPERACIONAL. UNIDADE 1 Introdução à Pesquisa Operacional. Prof. Me. Carlos Guimarães PESQUISA OPERACIONAL UNIDADE 1 Introdução à Pesquisa Operacional Prof. Me. Carlos Guimarães Objetivo Introduzir o tema Pesquisa Operacional por meio da apresentação: Da sua origem; Das sociedades profissionais

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Lourinhã. Tarefa Divisores: abordagem no 1.º Ciclo. 4.º ano

Agrupamento de Escolas da Lourinhã. Tarefa Divisores: abordagem no 1.º Ciclo. 4.º ano Agrupamento de Escolas da Lourinhã Tarefa Divisores: abordagem no 1.º Ciclo 4.º ano VII Seminário das Escolas Híbridas 15 de março de 2012 Divisores: abordagem no 1.º Ciclo 4.º ano Aplicada no início de

Leia mais

Prof. Ms. Renato Dering

Prof. Ms. Renato Dering Prof. Ms. Renato Dering A Redação é o primeiro critério de desempate na hora de escolher as Universidades e cursos superiores; A segunda forma de desempate é a prova de Linguagens; Tirar menos de 450 pontos

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA Nome: Nº 9 a. Série Data: / /2016 Professor: ALESSANDRO Nota: (valor: 1,0) 2º semestre A - Introdução Neste semestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou

Leia mais

29 DE OUTUBRO DE 2009 OS ANIMAIS ESTÃO EM PROCESSO DE EVOLUÇÃO E SÃO MAIS INTELIGENTES DO QUE IMAGINAMOS.

29 DE OUTUBRO DE 2009 OS ANIMAIS ESTÃO EM PROCESSO DE EVOLUÇÃO E SÃO MAIS INTELIGENTES DO QUE IMAGINAMOS. 29 DE OUTUBRO DE 2009 OS ANIMAIS ESTÃO EM PROCESSO DE EVOLUÇÃO E SÃO MAIS INTELIGENTES DO QUE IMAGINAMOS. Os cães podem farejar situações injustas e apresentar uma emoção simples, similar à inveja ou ciúmes,

Leia mais

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça?

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça? Hans Kelsen Prof. Nogueira O que é Justiça? Biografia Básica 1881 1973 Austríaco Judeu Biografia Básica 1 ed. Teoria Pura do Direito 1934 O que é Justiça? 1957 2 ed. Teoria Pura do Direito 1960 Histórico

Leia mais

Apresentação. Prof. Michel Seraphim. Licenciado e Bacharel em Educação Física pela FKB. Gestor da Academia Saúde e Movimento. Personal Trainer.

Apresentação. Prof. Michel Seraphim. Licenciado e Bacharel em Educação Física pela FKB. Gestor da Academia Saúde e Movimento. Personal Trainer. Apresentação Prof. Michel Seraphim Licenciado e Bacharel em Educação Física pela FKB. Gestor da Academia Saúde e Movimento. Personal Trainer. Especialidade: Emagrecimento Reabilitação em dores musculares

Leia mais

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia O que caracteriza a consciência mítica é a aceitação do destino: Os costumes dos ancestrais têm raízes no sobrenatural; As ações humanas são determinadas pelos

Leia mais

ÉTICA. Se fundamenta em três pré-requisitos: requisitos: Consciência; Autonomia; Coerência;

ÉTICA. Se fundamenta em três pré-requisitos: requisitos: Consciência; Autonomia; Coerência; ÉTICA Se fundamenta em três pré-requisitos: requisitos: Consciência; Autonomia; Coerência; ÉTICA Ética e tudo aquilo que você não quer que façam com você Ética e individualismo O valor ético do esforço

Leia mais

Metodologia Científica. Aula 2

Metodologia Científica. Aula 2 Metodologia Científica Aula 2 Proposito da aula Conhecer a definição de Metodologia Científica; A importância da Metodologia Científica; Objetivos da Metodologia Científica enquanto disciplina; Divisão

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA 2012 2013 PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA Curso Profissional de Técnico de Multimédia ELENCO MODULAR A7 Probabilidades 28 A6 Taxa de variação 36 A9 Funções de crescimento

Leia mais