Em acordo com o que estabelece o Anexo III da DN-TCU-117/2011, e em face dos exames realizados, efetuamos as seguintes análises:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Em acordo com o que estabelece o Anexo III da DN-TCU-117/2011, e em face dos exames realizados, efetuamos as seguintes análises:"

Transcrição

1 1 de 49 24/9/ :54 Unidade Auditada: FUNDACAO OSWALDO CRUZ Exercício: 2011 Processo: / Município - UF: Rio de Janeiro - RJ Relatório nº: UCI Executora: CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Análise Gerencial Senhor Chefe da CGU-Regional/RJ, Em atendimento à determinação contida na Ordem de Serviço n.º , e consoante o estabelecido na Seção III, Capítulo VII da Instrução Normativa SFC n.º 01, de 06/04/2001, apresentamos os resultados dos exames realizados sobre a prestação de contas anual apresentada pela FUNDACAO OSWALDO CRUZ. 1. Introdução Os trabalhos de campo conclusivos foram realizados no período de 02/04/2012 a 30/04/2012, por meio de testes, análises e consolidação de informações coletadas ao longo do exercício sob exame e a partir da apresentação do processo de contas pela Unidade Auditada, em estrita observância às normas de auditoria aplicáveis ao Serviço Público Federal. Nenhuma restrição foi imposta à realização dos exames. 2. Resultados dos trabalhos Verificamos na Prestação de Contas da Unidade a não conformidade com o inteiro teor das peças e respectivos conteúdos exigidos pela IN-TCU-63/2010 e pelas DN TCU 108/2010 e 117/2011, tendo sido adotadas, por ocasião dos trabalhos de auditoria conduzidos junto à Unidade, providências que estão tratadas em itens específicos deste relatório de auditoria. Em acordo com o que estabelece o Anexo III da DN-TCU-117/2011, e em face dos exames realizados, efetuamos as seguintes análises: 2.1 Avaliação da Conformidade das Peças Verificamos no Processo de Contas da Entidade a existência das peças exigidas pela IN-TCU-63/2010 e pela DN-TCU-117/2011. Entretanto foram encontradas divergências quanto ao seu conteúdo, conforme o quadro a seguir: Quadro I Divergências de informações no Relatório de Gestão

2 2 de 49 24/9/ :54 Informação divergente Peça Item/ Normativo Ausência da coluna "Saldo a Pagar em 31/12/2011" relativa aos RP Processados e Não Processados Relatório de Gestão (Quadro XXXVI) Quadro A.4.1 da Portaria TCU n.º 123/2011 O saldo do montante inscrito em cada exercício visto que este não reflete os valores totais efetivamente inscritos no fechamento do respectivo exercício. Relatório de Gestão (Quadro XXXVII) Quadro A.4.1 da Portaria TCU n.º 123/2011 Os imóveis de Petrópolis e Salvador não são de propriedade da União, assim como o imóvel onde se situa o CRPHF está sob responsabilidade da Fiocruz, de modo que o total de imóveis da União sob responsabilidade da Fiocruz seria 12 e não 13 Relatório de Gestão (Quadro LVIII) Quadro A.11.3 da Portaria TCU n.º 123/2011 Ausência de informações relativas à data de avaliação e valor de reavaliação do imóvel e de valores de despesas com a manutenção dos imóveis (imóvel e instalações) Relatório de Gestão (Quadro LX) Quadro A.11.3 da Portaria TCU n.º 123/2011 Fonte: Relatório de Gestão 2011 As justificativas e retificações apresentadas pela Fiocruz relativas às divergências apontadas encontram-se nas folhas 30 a 35 deste processo. 2.2 Avaliação dos Resultados Quantitativos e Qualitativos da Gestão A equipe focou a análise nos programas/ações 1293/ Manutenção e Funcionamento das Farmácias Populares e 1444/ Imunobiológicos para Prevenção e Controle de Doenças, considerando-se suas relevância e materialidade. Conforme o Relatório de Gestão 2011, temos as seguintes informações sobre estes programas/ações: Quadro II - Ação 1293/8415 Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz Programa 1293 Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos Ação Manutenção e Funcionamento das Farmácias Populares Meta Previsão Execução Execução/Previsão (%) Atos e Fatos que prejudicaram o desempenho Providências Adotadas

3 3 de 49 24/9/ :54 Fonte: Sigplan Quanto ao programa/ação 1293/8415, a Entidade superou a previsão física e conseguiu uma economia orçamentária de R$ ,00 (trinta e oito milhões quinhentos e setenta e nove mil seiscentos e oitenta e três reais), segundo dados do Sistema de Informações Gerenciais e de Planejamento - Sigplan. Entretanto, o Sistema Integrado de Administração Financeira SIAFI apontou R$ ,94 (cento e trinta e nove milhões quinhentos e sete mil cento e quarenta e três reais e noventa e quatro centavos) em empenhos liquidados na ação, o que representa execução financeira de 99,3%, diminuindo a economia orçamentária apontada. Desta forma, pode-se afirmar que a unidade mantida, que possuía um custo unitário de R$ ,37 (duzentos e cinquenta e cinco mil trezentos e dezesseis reais e trinta e sete centavos), passou a custar R$ ,95 (duzentos e cinquenta e um mil oitocentos e dezessete reais e noventa e cinco centavos). Quadro III - Ação 1444/6031 Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz Programa Vigilância, Prevenção e Controle de Doenças e Agravos Ação Imunobiológicos para Prevenção e Controle de Doenças Meta Previsão Execução Execução/Previsão (%) Atos e Fatos que prejudicaram o desempenho Providências Adotadas Física (Dose distribuída - milhar) ,3 Meta inicialmente alterada, pois duas novas unidades (Ceará e Piauí) não foram planejadas as suas concretizações para o ano de 2011, porém foram consideradas para efeito de meta de Financeira (R$) , ,00 66,7 Fonte: Sigplan Quanto ao programa/ação 1444/6031, verificamos execução física 26,7% abaixo da meta prevista, perfazendo cerca de 51 mil doses de imunobiológicos sem distribuição. Os dados do SIAFI divergem daqueles encontrados no Sigplan: o SIAFI indica uma liquidação de R$ ,95 (novecentos e vinte e seis milhões seiscentos e oitenta e dois mil novecentos e nove reais e noventa e cinco centavos), enquanto o Sigplan aponta execução de R$ ,00 (seiscentos e cinquenta e um milhões trezentos e oitenta e seis mil cento e oitenta reais) para a ação. Cumpre informar que os dados das ações avaliadas no Relatório de Gestão estão de acordo com aqueles registrados no Sigplan. Entretando essas informações não estão atualizadas de acordo com os dados obtidos no SIAFI. Ressaltamos que a Entidade utiliza sistema próprio para planejamento e

4 4 de 49 24/9/ :54 monitoramento do Plano Anual, o Sistema Integrado de Informações Gerenciais SIIG, e mantém a atualização de dados trimestralmente no Sistema de Planejamento, Orçamento e Monitoramento do SUS PlamSus das ações analisadas. Também, registramos que as demais informações são incluídas em outras instâncias do Ministério da Saúde, onde não há competência da Entidade sobre a inserção desses dados, conforme extraído do memorando n.º 233/2012 DIRAD de 18/04/ Avaliação dos Indicadores de Gestão da UJ Foram analisados 10 (dez) indicadores de um total de 30 utilizados na Entidade que estavam descritos em seu Relatório de Gestão 2011, bem como foi realizada uma análise crítica sobre o seu desempenho. Foi constatado que todos os indicadores analisados atendem aos critérios de completude e validade; acessibilidade e compreensão; comparabilidade; e economicidade. Concluímos que esses indicadores são suficientes para apoiar o gestor no processo de tomada de decisões gerenciais. Quadro IV - Indicadores analisados Acessibilidade Tipo de Indicador Programa/ Ação Nome do Indicador Descrição do Indicador Fórmula de Cálculo Completude e Validade e Compreensão (S-sim / Comparabili-dade Auditabilidade Economicidade N-não) Eficiência 1293/2522 Custo médio Orienta sobre a Custo total S S S S S Desempenho da produção de utilização dos recursos, como despendido na produção de medicamentos mão-de-obra, fármacos, insumos, medicamentos e manutenção de fitoterápicos/ equipamentos total para a de unidades realização de farmacêuticas atividades de produzidas produção de medicamentos. Efetividade 1293/2522 Participação Orienta sobre a Nº de unidades S S S S S Programa dos antirretrovirais importância relativa da farmacêuticas (UF) de no total da produção de produtos produção de medicamentos antirretrovirais medicamentos destinados ao produzidos da Fiocruz Programa dividido pelo nº Nacional de total de UF DST / AIDS do produzidas por Ministério da Farmanguinhos Saúde. %. Eficácia 0750/2000 Taxa de Orienta sobre a Total de S S S S S Desempenho acidentes de trabalho na capacidade de a Instituição acidentes de trabalho

5 5 de 49 24/9/ :54 Acessibilidade Tipo de Indicador Programa/ Ação Nome do Indicador Descrição do Indicador Fórmula de Cálculo Completude e Validade e Compreensão (S-sim / Comparabili-dade Auditabilidade Economicidade N-não) Fiocruz garantir a proteção à saúde dos seus notificados pelo Nust / total de trabalhadores no trabalhadores e prevenir acidentes de trabalho. período Eficácia 0750/2000 Percentual de Afere o grau de (N.º de S S S S S Desempenho servidores de nível superior qualificação dos servidores da servidores com titulação em com mestrado Fiocruz. 2010)/ N.º total ou doutorado de servidores da Fiocruz Eficiência 1201/8305 Taxa de Indica o risco Número de S S S S S Desempenho infecção hospitalar de pacientes adquirirem infecções adquiridas pelo infecção paciente durante hospitalar sua permanência durante sua no hospital, permanência em determinado no hospital período/ número de pacientes saídos (altas e óbitos) no mesmo período (x100) Eficiência Desempenho 1201/8305 Tempo médio de permanência (em dias) Orienta sobre a utilização dos leitos disponíveis Número total de dias/pacientes de internação / Número de saídas (altas e S S S S S óbitos) Eficiência 1201/8305 Taxa de Indica a Número de S S S S S Desempenho ocupação hospitalar eficiência do uso da pacientes-dia / número de leitos capacidade disponíveis-dia x hospitalar 365 x 100 instalada Eficiência 1201/8315 Pesquisa Orienta sobre a Total de S S S S S

6 6 de 49 24/9/ :54 Acessibilidade Tipo de Indicador Programa/ Ação Nome do Indicador Descrição do Indicador Fórmula de Cálculo Completude e Validade e Compreensão (S-sim / Comparabili-dade Auditabilidade Economicidade N-não) Programa publicada por pesquisador produtividade científica dos pesquisas publicadas em doutor pesquisadores revista indexada doutores na no período / Fiocruz. total de pesquisadores doutores Eficácia 0750/2000 Percentual de Indica a relação Número de S S S S S Desempenho Servidores Capacitados entre os servidores que servidores capacitados/total foram de servidores capacitados e o ativos x 100 total de servidores ativos Efetividade 1436/8541 Distribuição Este indicador Nº de S S S S S Programa dos programas de orienta sobre a qualidade dos programas com conceitos 3, 4, 5 pós-graduação cursos de e 6, stricto sensu pós-graduação respectivamente da Fiocruz stricto sensu /total de cursos da Fiocruz (%) avaliados por órgão externo Eficácia 1444/6031 Percentual de Indica a (Total de doses S S S S S Desempenho atendimento à demanda do extensão do atendimento à de vacinas fornecidas em PNI demanda do 2011 / total de PNI com doses de vacinas relação ao pactuadas em suprimento de 2011/ total de vacinas e doses de vacinas imunobiológicos pactuadas em 2011) x 100 Eficácia 1444/6031 Participação Indica a (Total de doses S S S S S Programa da Fiocruz no Programa contribuição da Fiocruz na de vacinas fornecidas pela Nacional de concretização Fiocruz em Imunização do Plano 2011 / total de Nacional de doses de vacinas Imunização adquiridas pelo

7 7 de 49 24/9/ :54 Acessibilidade Tipo de Indicador Programa/ Ação Nome do Indicador Descrição do Indicador Fórmula de Cálculo Completude e Validade e Compreensão (S-sim / Comparabili-dade Auditabilidade Economicidade N-não) PNI em 2011) x 100 Fonte : Relatório de Gestão Avaliação da Gestão de Recursos Humanos Em 31/12/2011, a Fiocruz apresentava o seguinte quantitativo de pessoal, por situação funcional: Quadro V Quantitativo de Pessoal Quantidade Descrição Ativo Permanente Aposentado Requisitado Nomeado cargo comissão Sem vínculo Cedido Requisitado de outros órgãos Exercício descentralizado de carreira Exercício provisório Celetista Colaborador ICT Cedido SUS Lei n.º 8.270/

8 8 de 49 24/9/ :54 Quantidade Descrição Estagiário Beneficiário de pensão Terceirizados Total Fonte: SIAPE. Na avaliação da força de trabalho da Entidade, verificamos que esta possui excessiva terceirização por força das demandas a ela imposta sem a reposição de servidores em seu quadro de pessoal. Constatamos que houve incremento de 7,3% no número de servidores ativos do exercício de 2010 para 2011, enquanto que o incremento, no mesmo período, do número de terceirizados foi de 3%. Embora houvesse a realização de concurso para a admissão de servidores, o número de nomeações não atende à necessidade de substituição de terceirizados, segundo Relatório de Gestão Foram realizados dois estudos no exercício de 2009, prévios à solicitação de autorização para a realização do concurso público de 2010: o primeiro estudo tratava de análise relativa à substituição de terceirizados e o outro estudo era relativo às demandas projetadas e aposentadorias futuras. Essas análises estão sendo constantemente atualizadas, visto que o pleito para o atendimento das necessidades de pessoal na Fiocruz não é atendido em sua plenitude pelo Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão, em que pese existência de gestões junto a este Ministério. Em relação à observância da legislação sobre a gestão de recursos humanos, foram realizadas amostragens, tendo como referência o mês de abril de 2011, para as rubricas de concessão de adicional de radiação ionizante e de concessão de auxílio-transporte, bem como foram verificados os dados da folha de pagamento dos servidores da Fiocruz. Na concessão de adicional de radiação ionizante, verificamos que o pagamento efetuado por meio da Diretoria de Recursos Humanos da Fiocruz totalizava 30 servidores, de onde obtivemos amostragem não probabilística de 18 servidores, o que representou 60% do total de servidores que percebiam a rubrica em abril de Quanto à análise da regularidade na concessão das rubricas adicional de irradiação ionizante e auxíliotransporte, temos que: - A Direção de Recursos Humanos da Fiocruz informou que não há portarias de localização e concessão do adicional de irradiação ionizante, contrariando o parágrafo único do artigo 9º Orientação Normativa n.º 02/ MPOG de 19/02/2010, onde há a exigência de tais documentos. Este fato foi tratado mediante Nota de Auditoria n.º de 08/02/2012 e, em 26/04/2012, foram apresentadas pela Diretoria de Recursos Humanos as respectivas portarias dos servidores; - Foi constatada a existência de laudos técnico de avaliação ambiental n.º 001/07-09 (laboratórios do Instituto Carlos Chagas ICC datado de 03/04/2007), 021/10-01 (serviço de radiologia do Hospital do Instituto de Pesquisa Evandro Chagas IPEC datado de 23/02/2009) e 092/10-08 (serviço de radiologia do Instituto Fernandes Figueira IFF datado de 01/06/20100) atestando os riscos inerentes às atividades desenvolvidas nas referidas localidades. Os laudos foram assinados por uma médica do trabalho e por um engenheiro do trabalho. Na concessão de auxílio-transporte, verificamos que o pagamento efetuado por meio da Diretoria de Recursos Humanos da Fiocruz totalizava servidores, de onde extraímos amostragem por julgamento com valor de corte para valores percebidos acima de R$ 700,00 (setecentos reais). Essa amostra importou em 23 servidores, perfazendo 1,6% do total dos servidores que percebiam a rubrica.

9 9 de 49 24/9/ :54 Quanto à análise aos processos de concessão de auxílio-transporte, verificamos que, em cada processo, havia comprovante de residência do servidor, bem como esse endereço era coincidente com aquele constante do cadastro do Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos (SIAPE). Nos processos também constavam os bilhetes das passagens rodoviárias de ida e volta. Verificamos que houve utilização de transporte seletivo com fundamento no Acórdão TCU n.º 2.211/2005- Plenário. Na verificação dos dados da folha de pagamento foram detectadas ocorrências para 109 servidores da Fiocruz, representando 2,31% do total. Por intermédio da aplicação dos exames pela equipe e das análises das ocorrências detectadas em 2011, temos o seguinte quadro demonstrando a quantidade de servidores relacionados e as providências adotadas pelo gestor: Quadro VI - Ocorrências da análise da folha e rubricas de adicional de radiação ionizante e de auxíliotransporte Descrição da ocorrência Qtde deqtde deqtde deqtde de ocorrências ocorrências ocorrências ocorrências Qtde deacatadas acatadas não aguardando servidores totalmente parcialmente acatadas resposta do relacionados pelo gestor pelo gestor pelo gestor gestor Concessão de adicional de radiação ionizante sem preenchimento dos requisitos Concessão de auxílio-transporte sem preenchimento dos requisitos para percepção da rubrica (valor de corte percepção de valor acima de R$ 700,00) Servidores com desconto de faltas ao serviço na folha, sem o respectivo registro no cadastro Pensões que não obedeceram as regras na distribuição de cotas Servidores com parcela de devolução ao erário interrompida ou prazo e/ou valor alterados Servidores aposentados em fundamentação exclusiva de 4 magistério, sem ser ocupante de cargo de professor Servidores com ingresso no cargo efetivo após 25/11/1995 recebendo quintos Pensionistas por dependência econômica com outro vínculo no Siape

10 10 de 49 24/9/ :54 Descrição da ocorrência Qtde deqtde deqtde deqtde de ocorrências ocorrências ocorrências ocorrências Qtde deacatadas acatadas não aguardando servidores totalmente parcialmente acatadas resposta do relacionados pelo gestor pelo gestor pelo gestor gestor Servidores aposentados proporcionalmente que recebem as vantagens do art. 184 ou 192 Servidores requisitados sem informação do valor da remuneração extra Siape Servidores cedidos sem informação do valor da remuneração extra Siape Inclusão de informações pelo próprio servidor habilitado no Siape 1 (nível operacional), em sua respectiva folha de pagamento Servidores que percebem auxílioalimentação em duplicidade Servidores cedidos para órgãos recusáveis, que recebem na origem, gratificação por desempenho/produtividade específica Total Em relação ao cumprimento do prazo de sessenta dias para o cadastramento dos atos de pessoal no Sistema de Apreciação de Atos de Admissão e Concessões (SISAC) e envio ao órgão de controle interno, para 87,8% dos atos registrados em 2011 a Fiocruz atendeu ao previsto no artigo 7 da Instrução Normativa n.º 55/2007 do Tribunal de Contas da União. Quadro VII - Análise relativa ao art 7º da IN TCU n.º 55/2007 Quantidade de atos cujo prazo do Quantidade de atos de admissão de pessoal e de concessão art.7º da IN TCU n.º 55/2007 foi de aposentadoria, reforma e pensão emitidos em 2011 atendido A equipe de auditoria não fez análise do cumprimento do disposto no parágrafo primeiro do artigo 11 da IN TCU n.º 55/2007 em razão da não aplicabilidade de tal dispositivo à unidade jurisdicionada cuja gestão está sob exame.

11 11 de 49 24/9/ : Avaliação do Funcionamento do Sistema de Controle Interno da UJ A equipe direcionou os trabalhos de auditoria aos programas 1293 Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos e Vigilância, Prevenção e Controle de Doenças e Agravos, considerando os critérios de relevância e materialidade, representando atividades finalísticas da Entidade. Não há código de ética ou de conduta formalizado e próprio da Fiocruz, que utiliza o Código de Ética do Servidor Público. Não há diagnóstico de riscos nos níveis operacionais nas unidades descentralizadas da Fiocruz, muito embora, no nível institucional, o Congresso Interno aprove um Plano Quadrienal onde consta análise de pontos fortes e fracos com riscos avaliados no nível estratégico. Este fato configura diferentes graus de maturidade entre as diversas unidades da Entidade. Quanto ao setor de licitações nas ações escolhidas, foram constatadas fragilidades, conforme relatado em outros itens deste relatório. Embora haja uma estrutura formalmente definida nas unidades descentralizadas, foi constatada a ausência de segregação de funções em algumas destas unidades, tal como o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos- BioManguinhos, Instituto Carlos Chagas - ICC e o Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde - ICICT, devido à inadequação de sua força de trabalho. Nas atividades meio, o monitoramento e avaliação de risco são executados por amostragem, sobretudo pela Auditoria Interna da Entidade., não havendo controle primário do setor. Desta forma, os procedimentos de controle destas atividades não são adequados, pois não há atualizações constantes oriundas de um feedback do próprio setor. A partir de deficiências na avaliação de risco e no monitoramento originam-se fragilidades procedimentais, tal como insuficiência comprobatória da execução. Quanto à área de convênios, informamos que há estrutura formalmente definida com segregação de funções, tanto para elaboração de projetos e formalização dos convênios, quanto para a análise das prestações de contas. Quadro IX - Análise dos controle internos Componentes da estrutura de controle interno Auto-avaliação do gestor Avaliação da Equipe de Auditoria Ambiente de Controle Adequado * Adequado Avaliação de Risco Adequado * Não Adequado Procedimentos de Controle Adequado * Não Adequado Informação e Comunicação Adequado * Adequado Monitoramento Adequado * Não Adequado

12 12 de 49 24/9/ :54 Fonte: Relatório de Gestão 2011 * A auto-avaliação da maioria dos quesitos relativos ao Quadro LVII Estrutura de Controle Interno da Fiocruz apontava parcialmente válido ou totalmente válido. Conforme informado no exercício anterior, a comunicação institucional é realizada por meio de intranet e s institucionais. As portarias e procedimentos operacionais padrão - POPs - para padronização de procedimentos, bem como orientações e notas técnicas são disponibilizados na intranet da Entidade (link e também a partir do Conselho de Gestão, o qual é constituído pela alta administração da Entidade. 2.6 Avaliação da Sustentabilidade Ambiental em Aquisições de Bens e Serviços A Fiocruz continua adotando práticas de sustentabilidade ambiental e promovendo a divulgação de informações para a consciência ambiental de seus servidores e visitantes. Em testes de observância nas Unidades da Entidade dentro do exercício de 2011, verificamos que a Entidade continua a adotar práticas de sustentabilidade ambiental, tais como: utilização de parâmetros para suas licitações de certificação Cerflor, ISO14001 ou ECF, tanto para papel reciclado, quanto para papel sultife; selo Procel; reatores e luminárias eficientes; exigência de gerenciamento de resíduos de construção civil nos editais de obra; remoção de fluido refrigerante dos aparelhos de ar condicionado; utilização de produtos orgânicos para controle de pragas, sempre que viável tecnicamente; uso de produtos de limpeza biodegradáveis, promoção de coleta seletiva de lixo. Há pontos espalhados pelo Campus da Avenida Brasil voltados para a coleta de óleo de cozinha e de pilhas e baterias. Verificamos uma estação de tratamento de esgoto para seu lançamento posterior na rede de águas pluviais e também evidenciamos o aproveitamento de resíduos orgânicos com a transformação em húmus, que é utilizado posteriormente nos serviços de jardinagem do campus. A divulgação e realização de eventos para conscientização do uso racional de energia e água é realizada por meio de cartazes afixados em pontos estratégicos e banners no site institucional. Os veículos são abastecidos preferencialmente com álcool e, para locomoção no campus, são utilizados veículos elétricos Nos processos analisados, foi verificado que havia preocupação em adquirir serviços e bens que atendiam aos critérios de sustentabilidade ambiental. Quadro X - Quantidade de processos analisados Área Qtde de processos de compras selecionados Qtde de processos dispensados de aplicar a legislação de compras sustentáveis Qtde de processos em conformidade com legislação de compras sustentáveis Qtde de processos em desconformidade com a legislação de compras sustentáveis Tecnologia da Informação Obras Fonte: Processos analisados 2.7 Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação

13 13 de 49 24/9/ :54 A Entidade realizou avanços em relação ao exercício anterior na formalização do Plano Estratégico de Tecnologia da Informação, de sua Política de Segurança e do Comitê de Política de Segurança da Informações, bem como, na elaboração de um relatório de análise de riscos e na execução do monitoramento da política de segurança da informação e comunicações. Também, houve implementação de acordos de nível de serviço nos contratos de TI da unidade de Bio-Manguinhos. Há Plano Diretor de Tecnologia de Informação assinado pelo Presidente da Fiocruz e a estratégia adotada pela Entidade é produzida em conjunto pela Diretoria de Planejamento e a Coordenação de Tecnologia de Informação. Embora já houvesse servidores trabalhando na execução e acompanhamento do PDTI no exercício de 2011, o comitê foi formalizado em 19/04/2012 por meio da portaria 356/2012-PR. No exercício sob exame, a Entidade instituiu um comitê para tratar da Segurança da Informação por meio da portaria 143/2011-PR. Este comitê tem a competência para monitorar e identificar os incidentes de segurança da informação, verificar o grau de aderência às suas recomendações e analisar a eficácia de suas ações aferidas por meio de indicadores, o que foi demonstrado por meio do documento de Monitoramento da Política de Segurança da Informação e Comunicação da Fiocruz. Foi elaborado pelo comitê o Relatório de Análise de Riscos que norteia a atual política de segurança da informação na Entidade. Entretanto, ainda falta a gestão da Fiocruz abordar a questão de soluções em metodologia de desenvolvimento, diferentes para as Unidades Descentralizadas, bem como, no levantamento de seus recursos em TI correlacionando-o com as necessidades da Entidade e na resolução da excessiva terceirização na área de TI, onde este excesso representa um risco potencial para seu plano de continuidade, visto a ausência de carreira específica na área e o diminuto número de servidores responsáveis pela absorção da transferência de tecnologia. Havia 50 (cinquenta) servidores e 146 (cento e quarenta e seis) profissionais terceirizados com atuação na área de Tecnologia da Informação TI, representando um servidor para cada dois profissionais terceirizados. Todos envolvidos possuíam formação específica correlata à área de atuação, embora não existam carreiras específicas voltadas para a área de TI no Plano de Cargos e Salários da Entidade. 2.8 Avaliação da Situação das Transferências Voluntárias Os exames realizados sobre as transferências voluntárias concedidas no exercício de 2011 abrangeram três instrumentos vigentes (um convênio e dois termos de cooperação), cuja representatividade está demonstrada a seguir. Quadro XI - Total de termos de transferência vigentes e percentual da amostra Volume de recursos total de Quantidade total de termos % da Quantidade % do Volume de transferência no exercício de transferência no exercício analisado recursos analisados (R$) ,48 7,3 13,4 Fonte: Relatório de Gestão e termos analisados. Na amostra auditada, o acompanhamento da aplicação dos recursos repassados foi tempestivo, realizado por meio da análise de prestação de contas mensais. A verificação do cumprimento do artigo 11 da Lei Complementar n.º 101/2000 não se aplicou à UJ nesse exercício, uma vez que não houve celebração de convênios ou termos de cooperação com entes da Federação responsáveis por arrecadação de tributos. Quanto ao artigo 25 da mesma lei, por meio dos três instrumentos de transferências analisados, verificamos que as disposições foram cumpridas. Nos três convênios firmados com entidades privadas sem fins lucrativos em 2011, a Fiocruz não utilizou a prerrogativa prevista no caput do artigo 4º do Decreto 6.170/2007, vigente no exercício. Ou seja, não foi realizado chamamento público e, conforme fez constar no seu Relatório de Gestão, os novos

14 14 de 49 24/9/ :54 convênios foram justificados na instrução processual e aprovados pela Procuradoria Federal da Fiocruz. Não houve instauração de Tomada de Contas Especiais (TCE) em 2011, conforme consignado no Relatório de Gestão e, em relação aos instrumentos de transferências voluntárias com data de término em 2011, não evidenciamos situação de falta de apresentação de prestação de contas final que demandasse a instauração de TCE no exercício. Entretanto, quanto a dois convênios finalizados em exercícios anteriores, com pendências para regularização e em situação de potencial dano ao erário, verificamos que há morosidade na tomada de providências por parte dos gestores, pois nenhuma solução foi relatada ou apresentada. Por fim informamos que, mediante análise realizada em uma amostra de quarenta e nove contratos administrativos e de seis convênios vigentes em 2011, constatamos que a Fiocruz registra os dados de convênios no Sistema de Gestão de Convênios, Contratos de Repasse e Termos de Parceria (SICONV) e de contratos administrativos no Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais (SIASG), cumprindo o parágrafo terceiro do artigo 19 da Lei n.º / Avaliação da Regularidade dos Processos Licitatórios da UJ No exercício de 2011, a Fiocruz apresentou a seguinte distribuição total de valores executados por modalidade de licitação: Quadro XII - Empenhos Liquidados por Modalidade de Licitação no Exercício de 2011 Tipo de Aquisição de bens/serviços Valor Empenho Liquidado % Valor sobre omontante Analisado % Recursos (R$) total (R$) Analisados Convite ,95 0,01 0,00 0,00 Tomada de Preço ,79 0,13 0,00 0,00 Concorrência ,71 7,31 0,00 0,00 Pregão ,26 30, ,83 1,87 Dispensa de licitação ,33 14, ,57 18,53 Inexigibilidade ,36 44, ,49 52,80 Não se aplica ,27 3,16 0,00 0,00 Suprimento de fundos ,81 0,01 0,00 0,00 TOTAL ,48 100, ,89 26,89 Fonte: SIAFI 2011 e processos analisados Os números acima conferem com os dados do Relatório de Gestão. Do total de empenhos liquidados no valor de R$ ,48 (um bilhão novecentos e sessenta e dois milhões seiscentos e quatro mil quatrocentos e setenta e sete reais e quarenta e oito centavos), analisamos os processos licitatórios das Unidades de Farmanguinhos, Bio-Manguinhos e do Instituto

15 15 de 49 24/9/ :54 Fernandes Figueira, que consumiram R$ ,89 (quinhentos e vinte e sete milhões e setecentos e vinte sete mil e dezesseis reais e oitenta e nove centavos), o que representou 26,89% dos recursos empenhados liquidados. O quadro a seguir expõe a amostra realizada, onde se verificou a adequação da modalidade licitatória, a motivação da licitação e a fundamentação legal das inexigibilidades e dispensas de licitação. Quadro XIII - Modalidade da Licitação Oportunidade e Nº da Licitação Contratada Valor da Licitação em 2011 (R$) Conveniência do motivo damodalidade licitação SRP 001/2010-IFF / FDA ,46 Adequada necessidadedevida Pregão Eletrônico COMERCIO E dos materiais DISTRIBUICAO DE PRODUTOS CIENTIFICOS LTDA, / TECNO POINT PRODUTOS MEDICO- HOSPITALARES LTDA, / ROSINALDO NEVES DINIZ, dentre outras IFF / FUNDACAO BENCAOS ,67 Adequada necessidadedevida Pregão Eletrônico dos serviços DO SENHOR e / INSTITUTO DE PROFESSORES PUBLICOS E PARTICULARES 04/2011-IFF / REAL ,00 Adequada necessidadedevida Pregão Eletrônico PRODUTOS MEDICOS E dos equipamentos e materiais HOSPITALARES LTDA SRP n.º 03/2011-IFF / S ,76 Adequada necessidadedevida Pregão Eletrônico MED DISTRIBUIDORA dos medicamentos DE MEDICAMENTOS LTDA, / ABBOTT LABORATORIOS DO BRASIL LTDA, / EXPRESSA DISTRIBUIDORA DE MEDICAMENTOS LTDA e / CHIESI FARMACEUTICA LTDA, dentre outras. SRP n.º 02/2011-IFF / ,08 Adequada necessidadedevida Pregão Eletrônico EXFARMA LTDAdentre dos medicamentos outras

16 16 de 49 24/9/ :54 Oportunidade e Nº da Licitação Contratada Valor da Licitação em 2011 (R$) Conveniência do motivo damodalidade licitação 17/2011-FAR / CENTRALPACK EMBALAGENS LTDA e ,40 Adequada necessidade dodevida Pregão Eletrônico material / IVA PAPER REPRESENTACOES DE MATERIAIS DE ESCRITORIO E INFORMATICA LTDA-ME SRP 04/2011-FAR CNPJ / e / , dentre outras ,46 Adequada necessidadedevida Pregão Eletrônico dos materiais 14/2011-FAR / ,00 Adequada necessidadedevida Pregão Eletrônico SEPARAR - PRODUTOS dos serviços para adequação E SERVICOS LTDA às normas da ANVISA Fonte: Processos analisados Quadro XIV - Dispensas Nº da Licitação Contratada Valor empenhado em 2011 (R$) Fundamento da dispensa 319/ / FIOTEC - FUNDACAO PARA O ,57 Inciso XIII Artigo 24 Lei 8666/93 DESENVOLVIMENTO CIENTIFICO E TECNOLOGICO EM SAÚDE 133/ / FIOTEC - FUNDACAO PARA O ,00 Inciso XIII Artigo 24 Lei 8666/93 DESENVOLVIMENTO CIENTIFICO E TECNOLOGICO EM SAÚDE Fonte: Processos analisados. Quadro XV - Inexigibilidades N. da Licitação Contratada Valor da empenhado em 2011 (R$) Fundamento da inexigibilidade 009/2011 (UG EX GLAXO-SMITHKLINE BIOLOGICALS ,38 Inciso I Artigo 25 Lei 8666/ ) MANUFACTURING S.A 53/2011 (UG )EX GLAXO-SMITHKLINE BIOLOGICALS ,68 Inciso I Artigo 25 Lei 8666/93 MANUFACTURING S.A.

17 17 de 49 24/9/ :54 N. da Licitação Contratada Valor da empenhado em 2011 (R$) Fundamento da inexigibilidade 119/2011 (UG EX GLAXO-SMITHKLINE BIOLOGICALS ,05 Inciso I Artigo 25 Lei 8666/ ) MANUFACTURING S.A. 41/2011 (UG )EX CIMAB S.A ,34 Inciso I Artigo 25 Lei 8666/93 05/ IFF / H STRATTNER E CIA LTDA ,28 Inciso I Artigo 25 Lei 8666/93 Fonte: Processos analisados. Da análise dos processos licitatórios examinados, conclui-se que a área de licitações e contratos das unidades descentralizadas da Fiocruz apresenta deficiência em relação às dispensas fundamentadas no inciso XIII do artigo 24 da Lei 8666/1993, pois não houve a caracterização de atividades de desenvolvimento institucional e ocorreu subcontratação de empresas por parte da contratada,. Desta forma houve a contratação direta em detrimento à realização de certames licitatórios. Quanto à amostra de inexigibilidades, verificamos que a fundamentação foi balizada na impossibilidade de competição. No entanto, não é possível extrapolar as conclusões desta análise para o universo das licitações e contratações na Entidade Avaliação da Gestão do Uso do CPGF Foi realizada amostra de despesas efetuadas por meio de Cartão de Pagamento do Governo Federal no total de R$ ,39 (trinta e nove mil quinhentos e oitenta e oito reais e trinate nove centavos), o que representa 14,8% do total de R$ ,96 (duzentos e sessenta e sete mil cento e sessenta e quatro reais e noventa e seis centavos) de despesas realizadas por meio do Cartão de Pagamento do Governo Federal - CPGF. Constatamos que as despesas estavam compatíveis com aquelas permitidas nos decretos n.º 5.355/2005 e 6.370/2008, com exceção de saques realizados com a utilização do CPGF no valor total de R$ 404,00 (quatrocentos e quatro reais). A estrutura de controle interno se mostrou adequado para garantir a utilização regular do cartão de pagamento Avaliação da Gestão de Passivos sem Previsão Orçamentária Em 31/12/2011, a Fiocruz não apresentou passivos sem a previsão de orçamentária de créditos ou recursos Avaliação da Conformidade da Manutenção de Restos a Pagar Apresentamos o quadro abaixo com os valores inscritos em Restos a Pagar no exercício de Quadro XVI - Restos a pagar não processados Restos a Pagar NãoRestos a Pagar NãoPercentual Analisado % de RP com Processados Inscritos Processados Analisados (B/A) inconsistência em 2011 (A) (B) , ,70 23,55 0,00 Fonte: SIAFI

18 18 de 49 24/9/ :54 Quanto à inscrição em Restos a Pagar Não Processados no exercício sob exame, foi realizada amostragem não probabilística por julgamento aos empenhos de maior materialidade, resultando em R$ ,81 (cento e trinta e oito milhões novecentos e sessenta e sete mil quatrocentos e noventa e nove reais e oitenta e um centavos), o que representou 21,21% do total inscrito, donde verificamos que os empenhos encontravam-se em conformidade com o artigo 35 do Decreto n.º /86. Com relação à manutenção em Restos a Pagar Não Processados de exercícios anteriores, foi realizada amostragem não probabilística por julgamento aos empenhos de maior materialidade, resultando em R$ ,89 (dezenove milhões seiscentos e setenta e oito mil cento e cinqüenta e cinco reais e oitenta e nove centavos), o que representou 3% do total inscrito. Constatamos que os empenhos foram embasados de acordo com o artigo 1º do Decreto n.º 7.468/ Avaliação da Entrega e do Tratamento das Declarações de Bens e Rendas A Entidade possui estrutura para o controle de entrega das declarações de bens e rendas. O quadro abaixo evidencia o quantitativo de servidores com cargos em comissão ou função de confiança que entregaram a referida declaração no exercício de Quadro XVII - Declarações de Bens e Rendas Total de servidores comtotal de Declarações% de Declarações obrigatoriedade de apresentar aefetivamente Apresentadas Apresentadas Declaração de Bens e Rendas ,9 Fonte: Relatório de Gestão 2011 Cumpre informar que apenas um servidor não apresentou sua declaração de bens e rendas no prazo, sendo o caso sanado em fevereiro/2012, conforme consignado no Relatório de Gestão Avaliação da Gestão de Bens Imóveis de Uso Especial Diante das informações prestadas pela Unidade Jurisdicionada e da análise dos inventários de bens imóveis apresentados pelas suas Unidades Gestoras, identificamos vinte e dois imóveis em utilização pela Fiocruz. Quadro XVIII - Imóveis de uso especial sob a responsabilidade da UJ Localização Quantidade Total de Imóveis de Uso Especial sob a Responsabilidade da UJ Brasil Exterior 0 0 Fonte: SPIUnet, Relatório de Gestão e processos de inventário de bens imóveis. Dentre os vinte e dois imóveis, oito são locados de terceiros e dois pertencem à esfera estadual (RJ e

19 19 de 49 24/9/ :54 BA) e são utilizados pela Fiocruz mediante termo de cessão de uso. Com exceção dos oito imóveis alugados, os outros quatorze em uso pela Fiocruz estavam devidamente cadastrados no Sistema de Gerenciamento dos Imóveis de Uso Especial da União (SPIUnet) e havia conformidade de informações entre os sistemas corporativos e os levantamentos do inventário. No que se refere aos gastos realizados com a manutenção dos imóveis, o valor no exercício de 2011 alcançou R$ 19,4 milhões. A Fiocruz, porém, não tem como quantificar em separado as despesas com a manutenção dos imóveis próprios e da União e as despesas com a manutenção dos imóveis alugados de terceiros, visto que não há segregação contábil no Sistema Integrado de Administração Financeira (SIAFI) para esse registro e a UJ não utiliza outro meio de controle. Sobre isso, a Diretoria de Administração informou que, em interlocução com outras Unidades da Fiocruz, irá firmar um procedimento padrão sobre esse assunto com o objetivo de sanear essa deficiência. Registre-se que, apesar da Fiocruz capacitar os seus servidores para as ações relacionadas com a gestão e gerenciamento dos imóveis sob a sua responsabilidade, é certo que os controles utilizados precisam ser aprimorados, principalmente dos imóveis locados de terceiros, de modo que as informações apresentadas no Relatório de Gestão sejam fidedignas e que a UJ possa, para cada imóvel, mensurar os gastos e investimentos realizados para fins de comparação e tomada de decisão. Quanto à estrutura física, de pessoal e tecnológica para gerir, manter e conservar o seu patrimônio, a Fiocruz conta com a Diretoria de Administração do Campus, à qual compete planejar, coordenar, supervisionar e executar atividades relativas a obras e reformas, manutenção preventiva e corretiva de equipamentos e funcionamento da infraestrutura; com a Diretoria de Administração, à qual compete, dentre outras atribuições, prestar o suporte administrativo a toda estrutura da Fiocruz; e com a área de patrimônio localizada em cada uma das Unidades Técnicas Avaliação da Gestão Sobre as Renúncias Tributárias Segundo informações do Relatório de Gestão da UJ, não foram praticadas renúncias tributárias no exercício de Avaliação do Cumprimento das Determinações/Recomendações do TCU O Tribunal de Contas da União expediu cinco Acórdãos para Fiocruz, somente houve determinação expressa ao Controle Interno para acompanhamento do atendimento no que se refere ao Acórdão n.º 5793/2011 2ª Câmara, no qual se constatou a ausência de atendimento pela Entidade, conforme registrado em item específico do presente relatório Avaliação do Cumprimento das Recomendações da CGU Ao término do exercício de 2011, constavam 45 recomendações da CGU à Entidade. Doze recomendações foram atendidas; os gestores não atenderam quatro recomendações; e o restante das recomendações permaneceram sob análise a partir do Acompanhamento Permanente de Gastos a ser realizado no exercício subsequente. Cumpre informar que a Entidade é prestadora de serviços ao cidadão e, por isso, instituiu a Carta Cidadã atendendo aos requisitos do Decreto n.º 6.932/ Ocorrência(s) com dano ou prejuízo: Entre as análises realizadas pela equipe, não foi constatada ocorrência de dano ao erário. 3. Conclusão Eventuais questões formais que não tenham causado prejuízo ao erário, quando identificadas, foram devidamente tratadas por Nota de Auditoria e as providências corretivas a serem adotadas, quando for o

20 20 de 49 24/9/ :54 caso, serão incluídas no Plano de Providências Permanente ajustado com a UJ e monitorado pelo Controle Interno. Tendo sido abordados os pontos requeridos pela legislação aplicável, submetemos o presente relatório à consideração superior, de modo a possibilitar a emissão do competente Certificado de Auditoria. Rio de Janeiro/RJ, 16 de julho de Nome: Cargo: TFC Assinatura: Nome: Cargo: AFC Assinatura: Relatório supervisionado e aprovado por: Chefe da Controladoria Regional da União no Estado do Rio De Janeiro Achados da Auditoria - nº GESTÃO OPERACIONAL 1.1. Subárea - AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Assunto - EFETIVIDADE DOS RESULTADOS OPERACIONAIS Informação Dados divergentes nos sistemas governamentais (Sistema de Informações Gerenciais e Planejamento - Sigplan e Sistema Integrado de Administração Financeira - SIAFI) para as ações 1293/8415 Manutenção e Funcionamento das Farmácias Populares e 1444/6031 Imunobiológicos para Prevenção e Controle de Doenças. A equipe focou a análise em dois programas/ações, considerando-se suas relevância e materialidade. Conforme o Relatório de Gestão 2011, temos as seguintes informações sobre estes programas/ações: Quadro I - Ação 1293/8415 Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz Programa 1293 Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos Ação Manutenção e Funcionamento das Farmácias Populares Meta Previsão Execução Execução/Previsão (%) Atos e Fatos que prejudicaram o desempenho Providências Adotadas

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23036.000146/2007-28 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO

Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2013 PROCESSO : 09144.000037/2014-14 RELATÓRIO : 06/2014 UNIDADE

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS 1 de 17 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 25351.072087/2007-42 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS 1 de 6 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA TIPO DE AUDITORIA : Auditoria de Gestão EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO : 00181.000687/2010-82 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : NÚCLEO ESTADUAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE/PE CÓDIGO UG : 250029 RELATÓRIO Nº : 189831 UCI EXECUTORA : 170063 Chefe da CGU-Regional/PE, RELATÓRIO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS - CONSOLIDADO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015347/2011-28

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS 532 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : HOSPITAL DE IPANEMA CÓDIGO UG : 250103 RELATÓRIO Nº : 208073 UCI EXECUTORA : 170130 Senhor Chefe da CGU-Regional/RJ,

Leia mais

file://l:\sfc\ds\dsseg\exercício 2010\TC-PC 2010\RELATÓRIOS PARA PUBLICAÇÃO\DPF-...

file://l:\sfc\ds\dsseg\exercício 2010\TC-PC 2010\RELATÓRIOS PARA PUBLICAÇÃO\DPF-... Página 1 de 7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 04972.000579/2007-59 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA PROCESSO : 03b UNIDADE GESTORA : Embaixada em Buenos Aires OBJETIVO DA AUDITORIA : Tomada de Contas Anual EXERCÍCIO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : Auditoria de Gestão PROCESSO Nº : COAD-DIR 001/2007 UNIDADE AUDITADA : Observatório Nacional CÓDIGO UG : 240126 : Rio de Janeiro RELATÓRIO Nº : 189914 UCI Executora : 170130 CGU-REGIONAL/RJ

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 01341.000109/2007-23 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 01350.000002/2007-76 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA PROCESSO :05.g UNIDADE GESTORA : Consulado-Geral do Brasil em Buenos Aires OBJETIVO DA AUDITORIA : Tomada de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO Fl. 1 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : 08280.007347/2008-51 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP

Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP Relatório de Demandas Externas n 00225.000795/2012-63 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL AGREGADA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : 71000.010766/2007-25

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 00209000031/2007-17 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA DE CONTAS EXTRAORDINÁRIAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA DE CONTAS EXTRAORDINÁRIAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA DE CONTAS EXTRAORDINÁRIAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2011 PROCESSO:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : MAPA/CONAB SUREG/PE CÓDIGO UG : 135285 RELATÓRIO Nº : 208220 UCI EXECUTORA : 170063 RELATÓRIO DE AUDITORIA Senhor Chefe da CGU - Regional/PE,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS 1 de 13 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO 530 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL - CONSOLIDADA RELATÓRIO Nº : 189892 UCI EXECUTORA : 170961 EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS 1 de 19 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

SUMÁRIO. Anexo C - Despesas com cartão de crédito corporativo (conforme item I-1.8 do Anexo X da DN- TCU-85/2007... 9

SUMÁRIO. Anexo C - Despesas com cartão de crédito corporativo (conforme item I-1.8 do Anexo X da DN- TCU-85/2007... 9 SUMÁRIO 1. Identificação... 1 2. Responsabilidades institucionais... 2 2.1 PAPEL DA UNIDADE NA EXECUÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS... 2 3. Estratégia de atuação... 2 4. Gestão de programas e ações... 2 4.1

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23066.006011/07-66 UNIDADE AUDITADA :

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : CONAB SUREG/PE CÓDIGO UG : 135285 RELATÓRIO Nº : 190674 UCI EXECUTORA : 170063 RELATÓRIO DE AUDITORIA Chefe da CGU-Regional/PE, Em atendimento

Leia mais

ARQUIVO NACIONAL - RJ

ARQUIVO NACIONAL - RJ 1 de 17 29/08/2012 14:33 Unidade Auditada: ARQUIVO NACIONAL - RJ Exercício: 2011 Processo: 08060.000102/2012-74 Município - UF: Rio de Janeiro - RJ Relatório nº: 201203765 UCI Executora: CONTROLADORIA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

Análise Gerencial. 1. Introdução. 2. Resultados dos trabalhos

Análise Gerencial. 1. Introdução. 2. Resultados dos trabalhos Unidade Auditada: DEPARTAMANTO REGIONAL DO SENAI NO M.GROSSO Exercício: 2011 Processo: 00212.000375/2012-26 Município - UF: Cuiabá - MT Relatório nº: 201204081 UCI Executora: CONTROLADORIA REGIONAL DA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

ARQUIVO NACIONAL - RJ

ARQUIVO NACIONAL - RJ 1 de 17 Unidade Auditada: ARQUIVO NACIONAL - RJ Exercício: 2011 Processo: 08060.000102/2012-74 Município - UF: Rio de Janeiro - RJ Relatório nº: 201203765 UCI Executora: CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : Auditoria de Gestão EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 25004.005767/2007-09 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n.10, p. 1-3 em 16/01/2015 RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as prerrogativas, as responsabilidades, a competência e a atuação da Secretaria de Controle Interno

Leia mais

Em acordo com o que estabelece o Anexo III da DN-TCU-117/2011, e em face dos exames realizados, efetuamos as seguintes análises:

Em acordo com o que estabelece o Anexo III da DN-TCU-117/2011, e em face dos exames realizados, efetuamos as seguintes análises: 1 de 15 Unidade Auditada: REDE FERROVIARIA FEDERAL S.A- INVENTARIANCA Exercício: 2011 Processo: 00218.000950/2012-31 Município - UF: Rio de Janeiro - RJ Relatório nº: 201203664 UCI Executora: CONTROLADORIA

Leia mais

PORTARIA CGU Nº 328, DE 29 DE FEVEREIRO DE 2008

PORTARIA CGU Nº 328, DE 29 DE FEVEREIRO DE 2008 PORTARIA CGU Nº 328, DE 29 DE FEVEREIRO DE 2008 O SECRETÁRIO-EXECUTIVO DA CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO, no uso da competência que lhe foi atribuída pelo art. 24 do Anexo ao Decreto nº 5.683, de 24 de janeiro

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO 1 1 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA 1 de 10 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA CERTIFICADO Nº :201108660 UNIDADE AUDITADA :110008 - MINISTERIO DA PESCA E

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : JBRJ/ACF/DIRAD CÓDIGO UG : 443020 RELATÓRIO Nº : 208056 UCI EXECUTORA : 170130 Sr. Chefe da CGU-Regional/RJ,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23040.000699/2007-11 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RONDÔNIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RONDÔNIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RONDÔNIA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RORAIMA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RORAIMA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RORAIMA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006

Leia mais

HOSPITAL FEDERAL DA LAGOA

HOSPITAL FEDERAL DA LAGOA Unidade Auditada: HOSPITAL FEDERAL DA LAGOA Exercício: 2012 Processo: 33408002713201315 Município: Rio de Janeiro - RJ Relatório nº: 201306027 UCI Executora: CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : 04600.001267/2008-71 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

Em acordo com o que estabelece o Anexo III da DN-TCU-117/2011, e em face dos exames realizados, efetuamos as seguintes análises:

Em acordo com o que estabelece o Anexo III da DN-TCU-117/2011, e em face dos exames realizados, efetuamos as seguintes análises: 1 de 9 31/08/2012 17:42 Unidade Auditada: GABINETE DO MINISTRO - MJ Exercício: 2011 Processo: 08001.004061/2012-90 Município - UF: Brasília - DF Relatório nº: 201203705 UCI Executora: SFC/DSSEG - Coordenação-Geral

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

Em acordo com o que estabelece o Anexo III da DN-TCU-117/2011, e em face dos exames realizados, efetuamos as seguintes análises:

Em acordo com o que estabelece o Anexo III da DN-TCU-117/2011, e em face dos exames realizados, efetuamos as seguintes análises: 1 de 77 31/8/2012 16:34 Unidade Auditada: FUNDACAO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLANDIA Exercício: 2011 Processo: 23117.000451/2012-87 Município - UF: Uberlândia - MG Relatório nº: 201203453 UCI Executora:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23117.000076/2007-16 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO UNIDADE AUDITADA : SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE DE ALTO RENDIMENTO CÓDIGO UG : 180009 RELATÓRIO Nº : 209307 UCI EXECUTORA

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO c TRIBUNAL DE JUSTIÇA Auditoria Administrativa de Controle Interno

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO c TRIBUNAL DE JUSTIÇA Auditoria Administrativa de Controle Interno Relatório de Auditoria Prestação de Contas Anual - FERMOJU 2012 página 1 ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO c TRIBUNAL DE JUSTIÇA Objeto: Prestação de Contas Anual Origem: Fundo Especial de Reaparelhamento

Leia mais

TOMADA DE CONTAS ANUAL

TOMADA DE CONTAS ANUAL TOMADA DE CONTAS ANUAL RELATÓRIO Nº : 175047 UCI 170037 : CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO PIAUÍ EXERCÍCIO : 2005 PROCESSO Nº : 10384000496/2006-10 UNIDADE AUDITADA : GRA-MF/PI CÓDIGO : 170032

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA 1 de 5 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA CERTIFICADO Nº : 201109414 UNIDADE AUDITADA :225001 - CIA.DE ENTREPOSTOS E ARMAZENS

Leia mais

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013 Volume V Suprimento de Fundos MACONFI Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças 1ª Edição Janeiro / 2013 Sumário 1. Conteúdo... 3 2. Conceitos... 3 3. Restrições à concessão

Leia mais

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS Unidade Auditada: FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS Exercício: 2012 Processo: 00218001081201342 Município: Rio de Janeiro - RJ Relatório nº: 201306101 UCI Executora: CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 13ª REGIÃO SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 13ª REGIÃO SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO c) Atividades de controle; d) Informação e Comunicação; e) Monitoramento. Escopo: Amostra de servidores definida com base nos critérios de materialidade, relevância e criticidade; Cronograma: 01 a 30/05/2015.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA :AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº :23199.000136/2011-14

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 86, DE 21 DE MARÇO DE 2012. (Publicada no DOU, Seção 1, de 07/05/2012, pág. 77)

RESOLUÇÃO Nº 86, DE 21 DE MARÇO DE 2012. (Publicada no DOU, Seção 1, de 07/05/2012, pág. 77) RESOLUÇÃO Nº 86, DE 21 DE MARÇO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, de 07/05/2012, pág. 77) Dispõe sobre o Portal da Transparência do Ministério Público. O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO CÓDIGO UG : 170106 RELATÓRIO Nº : 208865 UCI EXECUTORA : 170113 RELATÓRIO DE AUDITORIA Chefe da CGU-Regional/MS, Em atendimento à determinação contida na Ordem de

Leia mais

Análise Gerencial. 1. Introdução. 2. Resultados dos trabalhos

Análise Gerencial. 1. Introdução. 2. Resultados dos trabalhos Unidade Auditada: DEPARTAMENTO REGIONAL DO SESC NO M.GROSSO Exercício: 2011 Processo: 00212.000376/2012-71 Município - UF: Cuiabá - MT Relatório nº: 201203978 UCI Executora: CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS NO SICONV

CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS NO SICONV CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS NO SICONV Gianna Lepre Perim Curitiba - 2013 SICONV VEDAÇÕES PI 507/2011 VEDAÇÕES Art. 10º É vedada a celebração de convênios e contratos de repasse: I - com órgãos e entidades

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO Nº:

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Brasília - DF / 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais