Ministério do Desenvolvimento Social Secretaria Nacional de Assistência Social. Índice de Gestão Descentralizada do SUAS - IGDSUAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério do Desenvolvimento Social Secretaria Nacional de Assistência Social. Índice de Gestão Descentralizada do SUAS - IGDSUAS"

Transcrição

1 Índice de Gestão Descentralizada do SUAS - IGDSUAS

2 MARCO LEGAL O IGDSUAS foi instituído pela Lei n.º /2011, que altera a Lei n.º 8.742/1993 (LOAS) art. 12-A Regulamentado pelo Decreto n.º de 07 de dezembro de 2011 Portaria n.º 337 de 16 de dezembro de 2011 e Portaria nº 07 de 30 de janeiro de 2012

3 IGDSUAS Principais Pontos Índice destinado a medir os resultados da gestão descentralizada do SUAS com base na atuação do gestor na implementação, execução e monitoramento dos serviços, programas, projetos e benefícios do SUAS, bem como a articulação intersetorial Incentiva a obtenção de resultados qualitativos na gestão do SUAS Calcula o montante de recursos a serem repassados aos entes federados a título de apoio financeiro à gestão do SUAS Variação de 0 a 1 Transferência de Recursos do FNAS para os FMAS, FAS- DF e FEAS Quanto maior IGDSUAS, maior poderá ser o valor dos recursos repassados

4 IGDSUAS Principais Pontos Fortalecimento do Conselho de Assistência Social (CAS) Planejamento do uso dos recursos e sua aprovação no CAS Inclusão das ações do IGDSUAS no Plano de Assistência Social Incorporação no Orçamento de forma planejada Prestação de contas junto ao CAS e ao MDS

5 FINANCIAMENTO DO IGDSUAS Programa: FORTALECIMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (SUAS) Ação 8893 Apoio à organização, à Gestão, à Vigilância Social no território no âmbito do SUAS Orçamento para 2012 R$ 170 milhões

6 Critérios de recebimento do IGDSUAS Modalidades IGDSUAS - M IGDSUAS - E Para municípios e DF Para estados Que tenham se habilitado ou aderido ao SUAS, conforme NOB-SUAS/2005 e que tenham obtido Índice superior a 0,2

7 Recebimento do IGDSUAS Assegura-se aos Municípios e Distrito Federal que atingirem o índice mínimo estabelecido (superior a 0,2) o valor mínimo de repasse mensal equivalente a R$ 500,00 (quinhentos reais). Assegura-se aos Municípios e Distrito Federal que atingirem o IGDSUAS-M igual ou superior a 0,9 (nove décimos) o valor mínimo de repasse mensal equivalente a R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais). Assegura-se aos Estados que atingirem os índices mínimos estabelecidos o valor mínimo de repasse mensal equivalente a R$ ,00 (dez mil reais).

8 CÁLCULO DO IGDSUAS-M O cálculo do IGDSUAS-M para o exercício de 2011/2012 utilizará: a média aritmética ponderada do Índice de Desenvolvimento do Centro de Referência de Assistência Social - IDCRAS, coletado a partir dos dados do Censo SUAS 2010, com peso 04; e a execução financeira ajustada do Fundo de Assistência Social do município ou DF referente ao exercício de 2009, com peso 01.

9 Como calcular o IGDSUAS-M? IGDSUAS-M* = IDCRAS-Médio X 4 + Exec. Financeira X 1 5 * A Portaria MDS Nº 07/2012 estabelece que o cálculo dos índices (IDCRAS e Exec. Financeira) que compõem o IGDSUAS será realizado anualmente até o mês de junho de cada ano.

10 Como calcular o valor a ser repassado pelo IGDSUAS-M? IGDSUAS-M X Teto financeiro Mensal* = Valor a ser repassado no mês O Teto financeiro mensal dos municípios e DF é calculado com base: população constante na última atualização do Cadastro Único; quantidade de CRAS e CREAS em cada localidade, informada no último Censo SUAS; e área municipal extraída do Censo IBGE mais recente.

11 Cálculo do IDCRAS Médio para o IGDSUAS-M: O IDCRAS é composto pela combinação dos seguintes Indicadores Dimensionais: atividades realizadas; horário de funcionamento; recursos humanos; e estrutura física Cada dimensão pode ser enquadrada em quatro graus de desenvolvimento: insuficiente, regular, suficiente e superior. No caso do IGDSUAS, o IDCRAS será calculado pela combinação dos graus de desenvolvimento apurados nas dimensões e distribuídos em seis estágios da classificação, sendo o estágio 1 equivalente ao menor grau de desenvolvimento e o estágio 6 ao maior grau de desenvolvimento:

12 Estágios do IDCRAS para o IGDSUAS-M Estágios 1 - Duas ou mais dimensões no nível insuficiente. 2 - Uma dimensão insuficiente e ao menos uma no nível regular. 3 - Uma dimensão insuficiente e demais nos níveis suficiente ou superior. 4 - Uma dimensão regular e demais nos níveis suficiente ou superior. 5 - Todas as dimensões ao menos no nível suficiente, sendo 50% ou menos no nível superior. 6 - Todas as dimensões ao menos no nível suficiente, sendo mais de 50% no nível superior. Por exemplo, suponhamos que um município obtenha os seguintes graus de desenvolvimento: Dimensões Estrutura física Atividades realizadas Horário de funcionamento Recursos humanos Graus de Desenvolvimento Suficiente Superior Suficiente Insuficiente Seu IDCRAS será igual a 3, ou seja, uma dimensão insuficiente e as demais suficiente ou superior

13 Cálculo do IDCRAS Médio para o IGDSUAS-M: Finalmente, o Estágio do IDCRAS é dividido por 6, de forma que varie de 0 a 1, antes de ser combinado com a execução financeira ajustada para cálculo do IGDSUAS, lembrando que o IDCRAS tem peso 4. No caso do município acima que obteve o estágio do IDCRAS médio igual a 3, o valor para efeito de cálculo será 3 / 6 = 0,5. Estágios do IDCRAS-Médio = IDCRAS do município 6 Caso o município/df tenha mais de um CRAS, o IDCRAS médio será calculado a partir da soma dos IDCRAS dividido pela quantidade de CRAS do município/df.

14 Cálculo do IGDSUAS-M: Execução Financeira Ajustada O cálculo da execução financeira ajustada considera o total de recursos repassados pelo MDS ao município ou DF para execução das ações do SUAS durante o exercício financeiro e a proporção de recursos gastos no mesmo período. Essa proporção é ajustada da seguinte forma: 1) Municípios ou DF com percentual igual ou inferior a 20% de execução recebem valor final igual a 0; 2) Municípios ou DF com percentual igual a 100% recebem valor final igual a 1; 3) Municípios ou DF com execução entre 20% e 100% terão seu valor de execução financeira ajustada equivalente a X - 20 / (100-20), onde X é a proporção de recursos gastos pelo Município ou DF (por exemplo )

15 Cálculo do IGDSUAS-M: Execução Financeira Ajustada Suponhamos que um município tenha recebido do MDS o total de R$ ,00 (cento e cinquenta mil reais) durante o ano para execução dos serviços do SUAS e que tenha executado R$ ,00 (cem mil reais), ou seja, 66%. Percentual de execução financ = Exc. Financ. Ajustada Esses 66% são aplicados nessa fórmula X - 20 / (100-20), onde X é igual ao percentual da execução financeira, ou seja, 66%: / (100-20) = 46 / 80 = ,57 ou 57% é a execução financeira ajustada do município.

16 Como calcular o IGDSUAS-E? IGDSUAS-E* = Σ dos IDCRAS-Médio de todos Municípios X 4 + Σ da Exec. Financeira de todos Municípios X 1 5 * O cálculo dos índices (IDCRAS e Exec. Financeira) que compõem o IGDSUAS será realizado anualmente até o mês de junho de cada ano.

17 Como calcular o valor a ser repassado pelo IGDSUAS-E? IGDSUAS-E X Teto financeiro Mensal* = Valor a ser repassado no mês O Teto financeiro mensal dos Estados é calculado com base: população constante na última atualização do Cadastro Único; área territorial do Estado; e quantitativo de municípios por estado, extraídos do Censo IBGE mais recente.

18 Cálculo do IGDSUAS-E O cálculo do IGDSUAS-E para o exercício de 2011/2012 considerará: a média aritmética ponderada do IDCRAS Médio dos municípios do território estadual, obtido no Censo SUAS 2010, com peso 4; e a Execução Financeira Ajustada, obtida por meio de media aritmética utilizando-se os valores da execução financeira ajustada de todos os municípios do estado, referente ao exercício de 2009, com peso 1.

19 Cálculo do IDCRAS Médio do estado para o IGDSUAS-E: O IDCRAS médio do estado será calculado a partir da soma dos IDCRAS médios de todos os municípios, dividida pela quantidade de municípios existentes no estado: IDCRAS médio do Estado = Soma dos IDCRAS-Médio de todos os municípios do Estado Número de municípios do Estado

20 Cálculo da Execução Financeira Ajustada do Estadodo para o IGDSUAS-E: A execução financeira ajustada do estado corresponde a soma das taxas de execução financeira obtidas por cada um dos municípios do estado dividida pela quantidade de municípios existentes no estado: Execução Financeira ajustada do Estado = Soma da Exec. Financeira de todos os municípios do Estado Número de municípios no estado

21 FORTALECIMENTO DO CONTROLE SOCIAL Conforme estabelece a Portaria n.º 07/2012, pelo menos 3% (três por cento) dos recursos transferidos no exercício financeiro deverão OBRIGATORIAMENTE ser gastos com atividades de apoio técnico e operacional aos Conselhos de Assistência Social dos Municípios, Distrito Federal e Estados.

22 PLANEJAMENTO DO USO DOS RECURSOS DO IGDSUAS Os recursos do IGDSUAS não devem ser utilizados antes de sua incorporação ao orçamento. No setor público, só podem ser gastos os recursos que estão previstos no orçamento. Se o recurso foi usado antes disso, a prática pode ser configurada como Caixa 2, ou seja, foi usado um recurso que não existe legalmente no orçamento. Para incorporar no orçamento é preciso primeiro planejar a utilização dos recursos e submeter o planejamento à deliberação do Conselho de Assistência Social. No planejamento devem ser listadas as atividades que serão financiadas com os recursos do IGDSUAS por ordem de prioridade. A identificação dessas atividades prioritárias é fundamental para a categorização dos recursos no orçamento (custeio ou capital). O gestor deve encaminhar o planejamento para a área do Município, DF ou Estado responsável pela contabilidade e finanças que, por sua vez, adotará os procedimentos para identificação das categorias econômicas (Custeio/Investimento) e a posterior incorporação dos recursos ao Orçamento.

23 PLANEJAMENTO DO USO DOS RECURSOS DO IGDSUAS No exercício de 2012, o IGDSUAS será integrado ao Plano de Ação, sendo disponibilizado no SUASWEB de forma automática pelo MDS. A partir das informações dos índices, valores repassados e o teto mensal que compõe o IGDSUAS os entes federados deverão incluir as informações físicas e financeiras.

24 Os recursos do IGDSUAS devem ser destinados a apoiar o aprimoramento da: Gestão de serviços Gestão e organização do SUAS Gestão articulada e integrada dos serviços e benefícios socioassistenciais Gestão articulada e integrada com o Programa Bolsa Família e com o Plano Brasil Sem Miséria Gestão do trabalho e educação permanente na assistência social Gestão da informação do SUAS Implementação da vigilância socioassistencial Apoio técnico e operacional aos conselhos de assistência social Gestão financeira dos fundos de assistência social Gestão articulada e integrada com os Programas BPC na Escola e BPC Trabalho Gestão e organização da rede de serviços assistenciais Monitoramento do SUAS

25 ATENÇÃO: É vedada a utilização dos recursos para pagamento de pessoal efetivo e gratificações de qualquer natureza a servidor público estadual, municipal ou do Distrito Federal, conforme parágrafo 4º do artigo 12-A da Lei /93

26 PRESTAÇÃO DE CONTAS DOS RECURSOS DO IGDSUAS A prestação de contas relativas à aplicação dos recursos financeiros do IGDSUAS, deverá ser submetida ao Conselho de Assistência Social para análise e deliberação, e lançadas no Demonstrativo Sintético Anual de Execução Físico Financeira, sistema informatizado disponibilizado anualmente pelo MDS. Em caso do município, DF ou Estado não ter utilizado todos os recursos do IGDSUAS no ano em que é feito o repasse, ele pode utilizá-los no ano seguinte. Para isso é necessário que se faça a reprogramação dos recursos na forma estabelecida na legislação vigente.

27 O MDS disponibiliza outras informações em: es-igdsuas-para-site Nesse endereço é possível consultar os índices, valores repassados, teto mensal que compõem o IGDSUAS e o Caderno de Orientações.

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação ÍNDICES DE GESTÃO TEMA DESCENTRALIZADA

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação ÍNDICES DE GESTÃO TEMA DESCENTRALIZADA

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL ORÇAMENTOS DA UNIÃO EXERCÍCIO FINANCEIRO 2015 PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Leia mais

Orçamento e Financiamento da Assistência Social

Orçamento e Financiamento da Assistência Social Orçamento e Financiamento da Assistência Social Orçamento e Financiamento: Definições O Orçamento Público é um Planejamento que gera um compromisso de um governo em relação às políticas públicas; Ele reflete

Leia mais

DO QUE TRATA A PORTARIA MDS nº 113, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015?

DO QUE TRATA A PORTARIA MDS nº 113, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015? DO QUE TRATA A PORTARIA MDS nº 113, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015? Regulamenta o cofinanciamento federal do Sistema Único de Assistência Social - SUAS e a transferência de recursos na modalidade fundo a fundo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E PROMOÇÃO SOCIAL

SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E PROMOÇÃO SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORA BIPARTITE CIB RESOLUÇÃO 007/2004 CIB A Comissão Intergestora Bipartite CIB, em reunião ordinária realizada no dia 23 de novembro de 2004 RESOLVE Art. 1º - Aprovar o documento CRITÉRIOS

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO N 26, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO N 26, DE 16 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova os critérios para expansão 2011 do cofinanciamento federal, nos serviços de proteção social básica, apresentados pela SNAS O CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL A Gestão proposta pelo SUAS pauta-se no Pacto Federativo onde devem ser atribuídas e detalhadas as competências e responsabilidades

Leia mais

Brasília, 20 de novembro de

Brasília, 20 de novembro de NOTA TÉCNICA /2012 Redefine as diretrizes e normas para a organização e o funcionamento dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) no âmbito da Atenção Básica, cria a Modalidade NASF 3, e dá outras

Leia mais

Considerando a disponibilidade orçamentária e financeira do Fundo Estadual de Assistência Social - FEAS, resolve:

Considerando a disponibilidade orçamentária e financeira do Fundo Estadual de Assistência Social - FEAS, resolve: GOVERNO DA PARAIBA PORTARIA/ SEDH Nº 036 de 02 de dezembro de 2015. Dispõe sobre a forma de repasse dos recursos do cofinanciamento Estadual aos Municípios e sua prestação de contas, e dá outras providências.

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social Secretaria Nacional de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social Novembro/2011 PRINCIPAIS AÇÕES DA SNAS QUE INTEGRAM O BRASIL SEM MISÉRIA Índice de Gestão Descentralizada - SUAS Investimento

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.859, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.859, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.859, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui o incentivo financeiro de custeio

Leia mais

Coordenação de Proteção Social Básica

Coordenação de Proteção Social Básica - S E D S Coordenação de Proteção Social Básica Agosto 212 Coordenação Proteção Social Básica A coordenação e o controle das ações da Política Pública da Assistência Social relacionadas a proteção social

Leia mais

PORTARIA Nº 1.837, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2015

PORTARIA Nº 1.837, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2015 PORTARIA Nº 1.837, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2015 Habilita Municípios e Estados a receberem recursos referentes ao incremento temporário do Limite Financeiro da Assistência de Média e Alta Complexidade (MAC).

Leia mais

PROJETO VIDA NO TRÂNSITO PARANÁ

PROJETO VIDA NO TRÂNSITO PARANÁ PROJETO VIDA NO TRÂNSITO PARANÁ PACTO NACIONAL PELA REDUÇÃO DE ACIDENTES NO TRÂNSITO Ação do Governo Federal, lançada em 11/05/2011 pelos Ministérios da Saúde e das Cidades; Resposta brasileira à demanda

Leia mais

A produção de indicadores na Secretaria Nacional de Assistência Social

A produção de indicadores na Secretaria Nacional de Assistência Social A produção de indicadores na Secretaria Nacional de Assistência Social Hugo Miguel Pedro Nunes Coordenador Geral dos Serviços de Vigilância Social- substituto Departamento de Gestão do SUAS Secretaria

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação II Encontro Nacional entre o Ministério Público e o MEC Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação Setembro - 2009 O que é Sistema de acesso

Leia mais

PORTARIA Nº 2.860, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014

PORTARIA Nº 2.860, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 PORTARIA Nº 2.860, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Define os valores do incentivo financeiro de custeio mensal destinado aos Núcleos de Telessaúde do Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes na Atenção Básica

Leia mais

A Política de Assistência Social Um novo desenho.

A Política de Assistência Social Um novo desenho. A Política de Assistência Social Um novo desenho. Profª. Eline Alcoforado Maranhão Sá Profª. Maria Aparecida Guimarães Skorupski Profª Regina Coeli Climaco Matos A Assistência Social como política de proteção

Leia mais

PORTARIA No- 268, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016

PORTARIA No- 268, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016 PORTARIA No- 268, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2016, para aplicação no incremento do Teto de Média e

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua FINANCIAMENTO DA POLÍTICA EDUCACIONAL BRASILEIRA compreendendo os sistemas de ensino federal, estadual e municipal, a Constituição Federal

Leia mais

1. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo.

1. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo. NOTA TÉCNICA N. 035/2013 Brasília, 24 de outubro de 2013. ÁREA: TÍTULO: Desenvolvimento Social. Reordenamento do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo (SCFV). REFERÊNCIA: Resolução CNAS n

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA DE ESPIGÃO DO OESTE Procuradoria Geral do Município LEI Nº 1.532/2011

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA DE ESPIGÃO DO OESTE Procuradoria Geral do Município LEI Nº 1.532/2011 LEI Nº 1.532/2011 Dispõe sobre a autonomia financeira das unidades escolares urbanas e rurais da rede pública municipal de Ensino, orienta sua implantação, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

11. Demonstrativo de Capacidade e Sustentabilidade Financeira

11. Demonstrativo de Capacidade e Sustentabilidade Financeira 11. Demonstrativo de Capacidade e Sustentabilidade Financeira 188 PDI 2015-2019 11.1 Planejamento orçamentário e financeiro O Orçamento Público, em sentido amplo, é um documento legal (aprovado por lei)

Leia mais

ODONTOPREV S.A. Senhores Acionistas,

ODONTOPREV S.A. Senhores Acionistas, ODONTOPREV S.A. Proposta de Destinação do Lucro Líquido do Exercício - Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária a ser realizada em 25/03/2010 (art. 9º da Instrução CVM 481/2009) Senhores Acionistas,

Leia mais

*2FF6B6EB* PROJETO DE LEI. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Emprego, criado pelo Decreto n o , de 8 de outubro de 1975.

*2FF6B6EB* PROJETO DE LEI. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Emprego, criado pelo Decreto n o , de 8 de outubro de 1975. ** PROJETO DE LEI Dispõe sobre o Sistema Nacional de Emprego, criado pelo Decreto n o 76.403, de 8 de outubro de 1975. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei, tendo em vista o disposto no inciso

Leia mais

DETALHAMENTO DO COMPONENTE CONSTRUÇÃO & PASSO A PASSO PARA CADASTRAR PROPOSTA DE CONSTRUÇÃO DE UBS NO SISMOB

DETALHAMENTO DO COMPONENTE CONSTRUÇÃO & PASSO A PASSO PARA CADASTRAR PROPOSTA DE CONSTRUÇÃO DE UBS NO SISMOB DETALHAMENTO DO COMPONENTE CONSTRUÇÃO & PASSO A PASSO PARA CADASTRAR PROPOSTA DE CONSTRUÇÃO DE UBS NO SISMOB COMPONENTE CONSTRUÇÃO CONCEITO DE CONSTRUÇÃO DE UNIDADE DE SAÚDE PARA O MINISTÉRIO DA SAÚDE

Leia mais

Redesenho do PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Redesenho do PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Redesenho do PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI É um programa de caráter intersetorial que,no âmbito do SUAS, compreende transferência de renda, trabalho social com famílias e oferta

Leia mais

DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO. - Exercício Srs. Acionistas,

DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO. - Exercício Srs. Acionistas, DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO - Exercício 2012 Srs. Acionistas, Consoante as disposições da Lei 6.404, de 15.12.1976, e o Estatuto do Banco, apresento à deliberação desta Assembleia a destinação do Lucro

Leia mais

Município: GOVERNADOR VALADARES / MG

Município: GOVERNADOR VALADARES / MG O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 0013/2009

NOTA TÉCNICA Nº 0013/2009 NOTA TÉCNICA Nº 0013/2009 Brasília, 25 de novembro de 2009. ÁREA: Área de Saúde TÍTULO: Inscrição do Fundo Municipal de Saúde no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica CNPJ. REFERÊNCIA(S): Emenda Constitucional

Leia mais

AVALIAÇÃO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO

AVALIAÇÃO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO 8 AVALIAÇÃO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO 130 Dentre as atividades de apoio para o desenvolvimento das políticas sociais, o Governo Federal investe em ações de avaliação, gestão da informação, disseminação do

Leia mais

LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social) com foco na POPULAÇÃO IDOSA

LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social) com foco na POPULAÇÃO IDOSA LOAS (Lei Orgânica da Assistência Social) com foco na POPULAÇÃO IDOSA Direitos Sociais 1988: Promulgação da Constituição Federal; A Assistência Social passou a integrar o Sistema de Seguridade Social,

Leia mais

Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF

Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. Estabelece procedimentos destinados a disciplinar a classificação das despesas, os

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE RENDA DE CIDADANIA SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE RENDA DE CIDADANIA SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE RENDA DE CIDADANIA SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL INSTRUÇÃO OPERACIONAL CONJUNTA SENARC/SNAS MDS Nº 01, DE 14 DE

Leia mais

NORMATIVA PARA OFERTA DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA E TECNOLÓGICA PRESENCIAIS DO IFNMG

NORMATIVA PARA OFERTA DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA E TECNOLÓGICA PRESENCIAIS DO IFNMG Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Norte de Minas Gerais Pró-Reitoria de Ensino NORMATIVA PARA OFERTA DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO - UPE Av. Agamenon Magalhães, s/n, Santo Amaro Recife-PE CEP FONE: (81) FAX: (81) 3183.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO - UPE Av. Agamenon Magalhães, s/n, Santo Amaro Recife-PE CEP FONE: (81) FAX: (81) 3183. 1 PROPOSTA DE PROJETO DE LEI Nº EMENTA: Dispõe sobre a autonomia da Universidade de Pernambuco UPE e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: "Faço saber que a Assembléia Legislativa

Leia mais

Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei: Estima a Receita e fixa a Despesa do Município de Belém, para o exercício de 2016. O PREFEITO MUNICIPAL DE BELÉM, Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º

Leia mais

PORTARIA Nº 305, DE 10 DE ABRIL DE 2014

PORTARIA Nº 305, DE 10 DE ABRIL DE 2014 PORTARIA Nº 305, DE 10 DE ABRIL DE 2014 Estabelece normas para o cadastramento no SCNES das equipes e serviços que farão parte da Atenção Básica de Saúde Prisional e inclui na tabela de Tipos de Equipes

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social séculos de assistencialismo contra 13 anos de LOAS Legado : A assistência social como favor, como algo complementar, a subsidiar aqueles que não tiveram

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe confere o inciso I do parágrafo único do art. 87 da Constituição, e PORTARIA No- 2.728, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (RENAST) e dá outras providências. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS AVANÇOS E DESAFIOS

IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS AVANÇOS E DESAFIOS SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E PROMOÇÃO SOCIAL Núcleo de Coordenação da Assistência Social IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS AVANÇOS E DESAFIOS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO VIII CONFERÊNCIA ESTADUAL DE

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DA MINISTRA PORTARIA Nº 113, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DA MINISTRA PORTARIA Nº 113, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DA MINISTRA PORTARIA Nº 113, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2015. DOU de 11.12.2015 Regulamenta o cofinanciamento federal do Sistema Único de Assistência

Leia mais

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS LEI COMPLEMENTAR N 141/2012 E O PROCESSO DE FINANCIAMENTO DO SUS Sistema

Leia mais

Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009)

Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009) Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009) Caderno do Cras capítulo 6 Equipe de Referência do CRAS A equipe de referência do CRAS é constituída por profissionais responsáveis

Leia mais

Reunião COSEMS-CE. Lei /2014. Piso Salarial dos ACS e ACE

Reunião COSEMS-CE. Lei /2014. Piso Salarial dos ACS e ACE Reunião COSEMS-CE Lei 12.994/2014 Piso Salarial dos ACS e ACE O Piso Nacional criado corresponde ao vencimento inicial dos ACS e ACE (Art. 9º-A). Desse modo, o valor fixado não contempla eventuais adicionais

Leia mais

EDITAL ASSAE 002/2016 PROCESSO DE SELEÇÃO DO AUXÍLIO ESTUDANTIL AOS ESTUDANTES DO CURSO TÉCNICO INTEGRADO PROEJA DA UTFPR

EDITAL ASSAE 002/2016 PROCESSO DE SELEÇÃO DO AUXÍLIO ESTUDANTIL AOS ESTUDANTES DO CURSO TÉCNICO INTEGRADO PROEJA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Assessoria para Assuntos Estudantis da Reitoria PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ EDITAL ASSAE 002/2016 PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA ORIENTAÇÕES PARA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DE FAMÍLIAS INDÍGENAS

Leia mais

REDE ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA À PESSOA COM DEFICIÊNCIA

REDE ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA À PESSOA COM DEFICIÊNCIA REDE ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA À PESSOA COM DEFICIÊNCIA REDE ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA À PESSOA COM DEFICIÊNCIA A assistência à pessoa com deficiência no Brasil foi pautada por ações assistencialistas e/ou

Leia mais

Orçamento e financiamento da política integrada para infância e adolescência

Orçamento e financiamento da política integrada para infância e adolescência Orçamento e financiamento da política integrada para infância e adolescência Brasília, agosto de 2010. INESC Trajetória Fundado em 1979 a história do INESC se confunde com a história da democratização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001)

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) Página 1 de 5 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) O Conselho Nacional de Recursos Hídricos, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei nº 9.433,

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 141, DE 26 DE MARÇO DE 2010

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 141, DE 26 DE MARÇO DE 2010 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 141, DE 26 DE MARÇO DE 2010 A Secretária de Atenção à Saúde - Substituta, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria Nº 1.097/GM,

Leia mais

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFSUL RELATÓRIO DE ATIVIDADES ANO 2012

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFSUL RELATÓRIO DE ATIVIDADES ANO 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE DIRETORIA DE GESTÃO DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

Avaliação e Monitoramento do PME. Professora Marcia Adriana de Carvalho

Avaliação e Monitoramento do PME. Professora Marcia Adriana de Carvalho Avaliação e Monitoramento do PME Professora Marcia Adriana de Carvalho TEMAS 1 Por que avaliar e monitorar o PME 2 Qual a diferença entre avaliar e monitorar 3 4 Como definir plano de ações para o período

Leia mais

XXX CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO DESAFIOS DA POLÍTICA NACIONAL DE REGULAÇÃO

XXX CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO DESAFIOS DA POLÍTICA NACIONAL DE REGULAÇÃO Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde - SAS Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas - DRAC Coordenação Geral de Regulação e Avaliação - CGRA XXX CONGRESSO DE SECRETÁRIOS

Leia mais

Dicas para utilização dos recursos do PBV III Cras Volante

Dicas para utilização dos recursos do PBV III Cras Volante Dicas para utilização dos recursos do PBV III Cras Volante 1. O que são as Equipes Volantes do CRAS? Equipe Volante consiste em uma equipe adicional que integra um Centro de Referência de Assistência Social

Leia mais

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS Escolaridade de nível superior de acordo com a NOB/RH/2006

Leia mais

Oficina: Operacionalização do BPC Escola e BPC Trabalho

Oficina: Operacionalização do BPC Escola e BPC Trabalho Oficina: Operacionalização do BPC Escola e BPC Trabalho XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS Fortaleza, 22 março de 2012 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS Secretaria Nacional de

Leia mais

TEXTO 4 OS DESAFIOS POSTOS PARA EFETIVAÇÃO DA GESTÃO DO TRABALHO NO ÂMBITO DO SUAS 1.

TEXTO 4 OS DESAFIOS POSTOS PARA EFETIVAÇÃO DA GESTÃO DO TRABALHO NO ÂMBITO DO SUAS 1. TEXTO 4 OS DESAFIOS POSTOS PARA EFETIVAÇÃO DA GESTÃO DO TRABALHO NO ÂMBITO DO SUAS 1. Bem, estamos chegando ao fim do nosso estudo e não poderíamos deixar de trazer uma contribuição da nossa Doutora Iamamoto.

Leia mais

ANÁLISE DAS AQUISIÇÕES DA AGRICULTURA FAMILIAR COM OS RECURSOS DO PNAE

ANÁLISE DAS AQUISIÇÕES DA AGRICULTURA FAMILIAR COM OS RECURSOS DO PNAE ANÁLISE DAS AQUISIÇÕES DA AGRICULTURA FAMILIAR COM OS RECURSOS DO PNAE Osni Morinishi Rocha Resumo A CNM realiza o presente estudo para avaliar o cumprimento pelos gestores municipais da Lei 11.947/2009,

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA Nº 04 ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE O RELATÓRIO QUADRIMESTRAL DE ACORDO COM A LEI COMPLEMENTAR Nº141 DE 13 DE JANEIRO DE 2012 Introdução: Até 2011, a forma de prestar contas sobre as ações, recursos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2009

RESOLUÇÃO Nº 01/2009 RESOLUÇÃO Nº 01/2009 Estabelece critérios para aprovação de solicitação de capacitação, treinamento e qualificação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação, Menores do convênio da Cruz Vermelha

Leia mais

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu LEI N o 3.941, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011. Estima a receita e fixa a despesa do Município de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, para o exercício financeiro de 2012. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado

Leia mais

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Maria das Graças Rua Março de 2007

Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Maria das Graças Rua Março de 2007 Avaliação da integração do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) ao Programa Bolsa-Família (PBF) Maria das Graças Rua Março de 2007 DIMENSÕES EXAMINADAS: a clareza e compartilhamento dos

Leia mais

Município: OURO PRETO / MG

Município: OURO PRETO / MG Município: OURO PRETO / MG O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado em junho de 2011 com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi

Leia mais

EDITAL PROPPI Nº 010/ FLUXO CONTÍNUO - Auxílio à Publicação em Periódicos Técnico-científicos

EDITAL PROPPI Nº 010/ FLUXO CONTÍNUO - Auxílio à Publicação em Periódicos Técnico-científicos EDITAL PROPPI Nº 010/2016 - FLUXO CONTÍNUO - Auxílio à Publicação em Periódicos Técnico-científicos O Pró-reitor de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

PORTARIA Nº 22, DE 9 DE AGOSTO DE 2012

PORTARIA Nº 22, DE 9 DE AGOSTO DE 2012 PORTARIA Nº 22, DE 9 DE AGOSTO DE 2012 A SECRETÁRIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUBSTITUTA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 50, do Anexo I ao Decreto nº. 7.530, de 21 de julho de 2011, e o Art.

Leia mais

Cadastro Nacional de Entidades de Assistência Social CNEAS. Manual de Utilização. Brasília, Abril 2014 V. 1.0

Cadastro Nacional de Entidades de Assistência Social CNEAS. Manual de Utilização. Brasília, Abril 2014 V. 1.0 Cadastro Nacional de Entidades de Assistência Social CNEAS Manual de Utilização Brasília, Abril 2014 V. 1.0 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 GLOSSÁRIO... 3 APRESENTAÇÃO... 4 1- Como acessar o CNEAS?... 5 2- Como conferir

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 462, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 462, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 462, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009 Dá nova redação à Portaria Interministerial nº 326, de 31 de agosto de 2009, que dispõe sobre o Programa Nacional de Habitação Rural PNHR, integrante

Leia mais

R$ ,15 (dezesseis milhões, seiscentos e trinta e quatro mil, duzentos e quatorze reais e quinze centavos)

R$ ,15 (dezesseis milhões, seiscentos e trinta e quatro mil, duzentos e quatorze reais e quinze centavos) DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1) Lucro líquido do exercício: R$ 16.634.214,15 (dezesseis milhões, seiscentos e trinta e quatro mil, duzentos e quatorze reais e quinze centavos) 2) Montante global e valor

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIDADE: ÁGUAS CLARAS

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIDADE: ÁGUAS CLARAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIDADE: ÁGUAS CLARAS AFO II Administração Financeira e Orçamentária - Pública 1 AFO II Administração Financeira e Orçamentária Pública 1º/2013 UNIDADE III ORÇAMENTO E PLANEJAMENTO

Leia mais

Gestão do SUS nos Municípios

Gestão do SUS nos Municípios Gestão do SUS nos Municípios Gestão do SUS Como o Município participa do SUS? - Atenção básica/primária Atenção integral à saúde - Média complexidade - Alta complexidade Atenção Básica A Atenção Básica

Leia mais

Diário Oficial REPÚBLICA FEDERATIVA DO

Diário Oficial REPÚBLICA FEDERATIVA DO Diário Oficial REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Imprensa Nacional BRASÍLIA - DF.Nº 182 DOU 23/09/09 seção 1 - p. 654 MINISTÉRIO DA SAÚDE PORTARIA No- 2.226, DE 18 DE SETEMBRO DE 2009 Institui, no âmbito

Leia mais

Investimentos em Saúde em Ribeirão Preto

Investimentos em Saúde em Ribeirão Preto SECRETARIA DA SAUDE D Conquistas e Desafios na Atenção à Saúde Pública em Ribeirão Preto Darlene Caprari Pires Mestriner Assistente da Secretaria de Saúde Investimentos em Saúde em Ribeirão Preto 1 PORTARIA

Leia mais

Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social. Recife, 04 de dezembro de 2013.

Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social. Recife, 04 de dezembro de 2013. Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Recife, 04 de dezembro de 2013. Definição Firmado entre a União, Estados, Distrito Federal e municípios; Instrumento pelo qual se materializam

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Centro de Referência de Assistência Social PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Centro de Referência de Assistência Social PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015 CRAS: Maracanã COORDENADOR(A): Eliana de Araújo Vieira PREFEITURA DE MONTES CLAROS PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015 QUADRO I Atividades de fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários: Objetivo Atividades

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.435, DE 6 DE JULHO DE 2011. Mensagem de veto Altera a Lei n o 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização

Leia mais

PLANOS REGIONAIS DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANOS REGIONAIS DE SANEAMENTO BÁSICO PLANOS REGIONAIS DE SANEAMENTO BÁSICO O MCIDADES deve coordenar a elaboração dos Planos de RIDE Lei 11.445/07: Art. 52. A União elaborará, sob a coordenação do Ministério das Cidades: I ( ); II - planos

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 284/2008 Nova Iguaçu de Goiás-GO,

LEI MUNICIPAL Nº. 284/2008 Nova Iguaçu de Goiás-GO, LEI MUNICIPAL Nº. 284/2008 Nova Iguaçu de Goiás-GO, 09.12.2008 Estima a Receita e fixa a Despesa do município de NOVA IGUAÇU DE GOIÁS, para o exercício Financeiro de 2009 e dá outras providências. A CÂMARA

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E/OU RESULTADOS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000542/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR047856/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001655/2015 15 DATA DO

Leia mais

SEGURIDADE SOCIAL. DIREITO PREVIDENCIÁRIO AFRF - Exercícios SEGURIDADE SOCIAL. SEGURIDADE SOCIAL Princípios Constitucionais

SEGURIDADE SOCIAL. DIREITO PREVIDENCIÁRIO AFRF - Exercícios SEGURIDADE SOCIAL. SEGURIDADE SOCIAL Princípios Constitucionais SEGURIDADE SOCIAL DIREITO PREVIDENCIÁRIO AFRF - Exercícios Prof. Eduardo Tanaka SAÚDE SEGURIDADE SOCIAL PREVIDÊNCIA SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL 1 2 SEGURIDADE SOCIAL Conceituação: A seguridade social compreende

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 PROGRAMA AMBIENTAL EDUCACIONAL ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Programa Nº 03/2016 Sumário 1. Objetivo -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Diagnóstico de Plano de Carreira

Diagnóstico de Plano de Carreira Diagnóstico de Plano de Carreira A planilha possui seis abas: Receitas, Despesas Docência, Despesas Fora de Docência, Consolidado Despesas, Professores e Horas e Diagnóstico PCR. Na tabela de projeção

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 392, DE 6 DE JUNHO DE 2002 Altera a Resolução n.º 289, de 30 de junho de 1998, e dá outras providências O PRESIDENTE DO CONSELHO CURADOR

Leia mais

TERMO DE ACEITE SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA JOVENS E ADULTOS COM DEFICIÊNCIA EM RESIDÊNCIA INCLUSIVA CLÁUSULA PRIMEIRA 1.

TERMO DE ACEITE SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA JOVENS E ADULTOS COM DEFICIÊNCIA EM RESIDÊNCIA INCLUSIVA CLÁUSULA PRIMEIRA 1. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Assistência Social SNAS Departamento de Proteção Social Especial Quadra 515 norte, Ed. Ômega, Bloco B, 1º. Andar, sala 136

Leia mais

Lei n o de 28/12/1990

Lei n o de 28/12/1990 Lei n o 8.142 de 28/12/1990 Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e

Leia mais

O Portal da Transparência do Governo Federal. Fevereiro de 2014

O Portal da Transparência do Governo Federal. Fevereiro de 2014 O Portal da Transparência do Governo Federal Fevereiro de 2014 A Controladoria-Geral da União (CGU), criada em 2003, é o órgão do Governo Federal responsável pelo controle interno, pela defesa do patrimônio

Leia mais

PROVA DISCURSIVA P 3

PROVA DISCURSIVA P 3 PROVA DISCURSIVA P 3 Nesta prova, faça o que se pede, usando, caso queira, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o CADERNO DE TEXTOS DEFINITIVOS

Leia mais

2. BPC Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social. Decreto nº6.214/2003 Alterado pelo Decreto nº de 2011

2. BPC Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social. Decreto nº6.214/2003 Alterado pelo Decreto nº de 2011 2. BPC Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social Decreto nº6.214/2003 Alterado pelo Decreto nº 7.617 de 2011 O BPC É a garantia de um salário mínimo mensal à pessoa com deficiência e ao idoso,

Leia mais

MINUTA DE PLANO DE TRABALHO PARA CONVÊNIO COM REPASSE DE VERBA

MINUTA DE PLANO DE TRABALHO PARA CONVÊNIO COM REPASSE DE VERBA MINUTA DE PLANO DE TRABALHO PARA CONVÊNIO COM REPASSE DE VERBA AS CLÁUSULAS DESCRITAS NESTE PLANO DE TRABALHO PODERÃO SER ADAPTADAS, OBJETIVANDO ESPECIFICAÇÃO PRECISA PARA O DESENVOLVIMENTO DE CADA CONVÊNIO.

Leia mais

A lógica da alocação de recursos federais para o SUS

A lógica da alocação de recursos federais para o SUS Ministério da Saúde A lógica da alocação de recursos federais para o SUS Julho de 2016 MARCOS FRANCO SE/MS Orçamento da Saúde - 2016 LOA 2016 (R$ milhão) Ministério da Saúde 118.682,60 Pessoal e dívida

Leia mais

AÇÕES, SERVIÇOS E BENEFICIOS SOCIOASSISTENCIAIS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES - BAHIA

AÇÕES, SERVIÇOS E BENEFICIOS SOCIOASSISTENCIAIS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES - BAHIA AÇÕES, SERVIÇOS E BENEFICIOS SOCIOASSISTENCIAIS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES - BAHIA Sistema Único de Assistência Social Fundos Conselhos SUAS Planejamento Diagnóstico Rede Socioassistencial Serviços Tipificados

Leia mais

Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS

Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS II Seminário Estadual do SIOPS MACEIO / AL 14 DE AGOSTO de 2014 O que é o SIOPS? Sistema de informação que coleta, recupera, processa,

Leia mais

ASPECTOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA

ASPECTOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA MINISTÉRIO DA SAÚDE ASPECTOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA Brasília, 25 de agosto de 2011 22/06/2015 1 PRESSUPOSTOS DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA I PRESSUPOSTOS

Leia mais

Videoconferências PROGRAMA BPC NA ESCOLA

Videoconferências PROGRAMA BPC NA ESCOLA Videoconferências PROGRAMA BPC NA ESCOLA Brasília, 11 de março a 20 de maio de 2013. PROGRAMA BPC NA ESCOLA Programa do Governo Federal voltado aos beneficiários com deficiência, de 0 a 18 anos, do Benefício

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul MUNICÍPIO DE CAPÃO DO CIPÓ Gabinete do Prefeito Municipal LEI Nº 648, DE 11 DE ABRIL DE 2013.

Estado do Rio Grande do Sul MUNICÍPIO DE CAPÃO DO CIPÓ Gabinete do Prefeito Municipal LEI Nº 648, DE 11 DE ABRIL DE 2013. LEI Nº 648, DE 11 DE ABRIL DE 2013. AUTORIZA O MUNICÍPIO DE CAPÃO DO CIPÓ A CONTRATAR, EM CARÁTER TEMPORÁRIO, PROFISSIONAL PARA O DESEMVOLVIMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE INCLUSÃO DE JOVENS - PROJOVEM ADOLESCENTE.

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO. Programa de Educação Previdenciária

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO. Programa de Educação Previdenciária Ministério da Previdência Social INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO Todos que se inscrevem na Previdência Social podem escolher como vão contribuir. Isso permite que o segurado

Leia mais

RELATÓRIO E PARECER DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO SOBRE A GESTÃO DOS RECURSOS VINCULADOS A SAÚDE

RELATÓRIO E PARECER DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO SOBRE A GESTÃO DOS RECURSOS VINCULADOS A SAÚDE RELATÓRIO E PARECER DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO SOBRE A GESTÃO DOS RECURSOS VINCULADOS A SAÚDE O Órgão de Controle Interno do Município de Frederico Westphalen, atendendo ao que determina o art. 113,

Leia mais

RESOLUÇÃO SES/SUS-MG Nº 3748 DE 16 DE MAIO DE 2013.

RESOLUÇÃO SES/SUS-MG Nº 3748 DE 16 DE MAIO DE 2013. RESOLUÇÃO SES/SUS-MG Nº 3748 DE 16 DE MAIO DE 2013. Divulga o elenco de hospitais e o respectivo valor do recurso financeiro para as instituições contempladas pelo Programa de Fortalecimento e Melhoria

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais