RELATÓRIO DA VERIFICAÇÃO DE CONTAMINAÇÃO MICROBIANA EM EMBALAGENS PARA TRANSPORTE DE ALIMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DA VERIFICAÇÃO DE CONTAMINAÇÃO MICROBIANA EM EMBALAGENS PARA TRANSPORTE DE ALIMENTOS"

Transcrição

1 RELATÓRIO DA VERIFICAÇÃO DE CONTAMINAÇÃO MICROBIANA EM EMBALAGENS PARA TRANSPORTE DE ALIMENTOS 2011 A reprodução deste documento só poderá ser feita integralmente, sem nenhuma alteração e com o conhecimento e autorização da MICROBIOTECNICA 1

2 SUMÁRIO página 1.Introdução 3 2.Objetivos 3 3.Procedimentos Material Metodologia Analítica Microrganismos pesquisados Procedimento laboratorial Meios de Cultura Amostragem 5 4.Resultados 9 5.Representação Gráfica 15 6.Comentários 16 7.Identificação do cliente 17 2

3 1. INTRODUÇÃO Sacolas plásticas têm sido utilizadas largamente para transportar alimentos dos pontos de venda (como por exemplo, supermercados, padarias, casas de carnes, horti-frutis) até a casa do consumidor. Outras opções como caixas de papelão e sacolas de diversos materiais reutilizáveis, entre elas pano e/ou lona também são usadas, porém com menos freqüência. O objetivo deste trabalho foi avaliar a ocorrência de microrganismos nessas embalagens de transporte. 2. OBJETIVO Determinar a ocorrência de bactérias e fungos que deteriorem alimentos ou causem risco à saúde em três tipos de embalagens utilizadas para transporte de compras do supermercado à casa das pessoas: sacolas plásticas, caixas de papelão e sacolas de pano reutilizáveis (ecobags). Esta avaliação tem como finalidade verificar o nível de contaminantes dessas embalagens que são oferecidas ao consumidor, antes da utilização para colocação das compras. 3. PROCEDIMENTOS 3.1. MATERIAL Foram avaliados três tipos de embalagens para transporte de compras: Sacolas plásticas (fornecidas pelos estabelecimentos de compra) Caixas de papelão reutilizadas (caixas de papelão fornecidas pelos próprios estabelecimentos, que serviram originalmente como embalagens de produtos vendidos nos locais) Sacolas de pano reutilizáveis (ecobags) (fornecidas pela empresa responsável pelas coletas) Estas embalagens foram provenientes de todas as regiões da cidade de São Paulo: zona norte, zona sul, zona leste, zona oeste e centro. Foram coletadas 10 sacolas plásticas e 10 caixas de papelão em estabelecimentos comerciais de cada região, perfazendo o total de 50 sacolas plásticas e 50 caixas de papelão. Com relação às sacolas de pano (ecobags de algodão) foram coletadas 50 sacolas já usadas por consumidores (independente de terem sido limpas ou não). As amostras (sacolas plásticas e caixas) foram coletadas nos caixas, onde ficam à disposição dos consumidores e encaminhadas ao laboratório para análise. As sacolas de pano usadas foram coletadas mediante troca por uma nova e encaminhada a já usada pelo consumidor ao laboratório para análise. No total foram analisadas 50 sacolas plásticas, 50 caixas de papelão e 50 sacolas de algodão (ecobags). 3

4 3.2. METODOLOGIA ANALÍTICA As amostras para análise foram coletadas de cada embalagem de transporte através da técnica de swab. Para a técnica de swab (zaragatoa) utilizou-se bastonetes de madeira contendo algodão na extremidade. A metodologia foi baseada no Compendium of methods for the microbiological examination of foods MICRORGANISMOS PESQUISADOS Contagem de bactérias totais Contagem de fungos (bolores e leveduras) Contagem de coliformes totais Contagem de coliformes fecais (termotolerantes) Contagem de Escherichia coli 3.4. PROCEDIMENTO LABORATORIAL Na técnica de swab ocorre a remoção dos microrganismos de uma área delimitada, através da friccção do swab umedecido com solução estéril na área demarcada através de gabarito na superfície a ser testada (100 cm 2 ). A seguir, é colocado em tubo contendo um volume conhecido de solução tampão, sendo então agitado. No extrato resultante foram pesquisados os microrganismos citados no item 4.3, através dos meios de cultura específicos para cada tipo e incubação em tempo e temperaturas preconizadas, de acordo com Compendium of methods for the microbiological examination of foods. Os resultados foram expressos em número de microrganismos/cm 2 (UFC/cm 2 ) MEIOS DE CULTURA UTILIZADOS Plate Count Agar (OXOID) lote validade 03/2016 Potato Dextrose Agar (OXOID) lote validade 04/2016 Violet Red Bile Agar (OXOID) lote validade 06/2016 Brilliant Green Bile 2% Broth (OXOID) lote validade 02/2015 EC Medium (DIFCO) lote validade 07/2015 Levine Eosin Methylene Blue Agar (BBL) lote validade 10/2013 Lactose Broth (DIFCO) lote validade 10/2015 4

5 3.6. AMOSTRAGEM A empresa responsável pela coleta de todas as embalagens (sacolas plásticas, caixas de papelão e sacolas de pano) e transporte até o laboratório foi a BUREAU VERITAS. As caixas de papelão foram cobertas com sacos plásticos esterilizados por radiação gama cobalto no momento da coleta e encaminhadas ao laboratório dessa forma, evitando-se assim interferentes durante o transporte. As ecobags, assim como as sacolas plásticas foram colocadas individualmente dentro de sacos plásticos estéreis (radiação gama cobalto) e fechados, sendo então transportadas ao laboratório. As amostras de sacolas plásticas e caixas de papelão vieram separadas por região, mas sem a identificação dos estabelecimentos onde foram coletadas. Foi verificada nas sacolas plásticas a presença ou não do Selo de Qualidade. As ecobags (sacolas de pano) vieram num único bloco de 50 unidades sem separação por região ou identificação do local onde foram coletadas. Em algumas delas acompanhava a informação se haviam sido higienizadas ou lavadas antes do uso. 5

6 AMOSTRAS DE RECEBIDAS PELO LABORATÓRIO: REGIÃO CENTRO CAIXA DE SACOLA PLASTICA ESTABELECIMENTO PAPELÃO SELO QUALIDADE 1 OK N OK 2 OK N OK 3 OK N OK 4 OK N OK 5 OK N OK 6 OK N OK 7 OK N OK 8 OK N OK 9 OK N OK 10 OK N OK REGIÃO NORTE CAIXA DE SACOLA PLASTICA ESTABELECIMENTO PAPELÃO SELO QUALIDADE 1 OK N OK 2 OK N OK 3 OK S OK 4 OK N OK 5 OK N OK 6 OK N OK 7 OK S OK 8 OK N OK 9 OK N OK 10 OK N OK 6

7 REGIÃO SUL CAIXA DE SACOLA PLASTICA ESTABELECIMENTO PAPELÃO SELO QUALIDADE 1 OK N OK 2 OK S OK 3 OK S OK 4 OK N OK 5 OK N OK 6 OK S OK 7 OK S OK 8 OK N OK 9 OK N OK 10 OK S OK REGIÃO LESTE CAIXA DE SACOLA PLASTICA ESTABELECIMENTO PAPELÃO SELO QUALIDADE 1 OK N OK 2 OK N OK 3 OK N OK 4 OK N OK 5 OK N OK 6 OK N OK 7 OK N OK 8 OK N OK 9 OK S OK 10 OK N OK REGIÃO OESTE CAIXA DE SACOLA PLASTICA ESTABELECIMENTO PAPELÃO SELO QUALIDADE 1 OK N OK 2 OK N OK 3 OK N OK 4 OK N OK 5 OK N OK 6 OK N OK 7 OK N OK 8 OK N OK 9 OK N OK 10 OK N OK 7

8 SACOLA DE PANO AMOSTRA LAVADA OU HIGIENIZADA ANTES DO USO 1 OK NÃO INFORMADO 2 OK N 3 OK S 4 OK S 5 OK N 6 OK N 7 OK N 8 OK N 9 OK N 10 OK N 11 OK N 12 OK N 13 OK N 14 OK N 15 OK N 16 OK N 17 OK N 18 OK N 19 OK N 20 OK N 21 OK N 22 OK N 23 OK N 24 OK N 25 OK N 26 OK N 27 OK N 28 OK N 29 OK N 30 OK N 31 OK N 32 OK N 33 OK N 34 OK N 35 OK N 36 OK N 37 OK N 38 OK N 39 OK N 40 OK S 41 OK N 42 OK N 43 OK N 44 OK N 45 OK N 46 OK N 47 OK N 48 OK N 49 OK N 50 OK N 8

9 4. RESULTADOS Os resultados obtidos se encontram nas tabelas a seguir: REGIÃO NORTE SACOLAS PLÁSTICAS 1 ND ND ND ND ND 2 ND ND ND ND ND 3 ND ND ND ND ND 4 ND ND ND ND ND 5 12,0 ND ND ND 1,0 6 2,0 ND ND ND 1,0 7 1,0 ND ND ND 1,0 8 4,0 ND ND ND 1,0 9 3,0 ND ND ND 1,0 10 3,0 ND ND ND 1,0 M 2,50 ND ND ND 0,60 CAIXAS DE PAPELÃO 1 1,0 ND ND ND 60,0 2 28,0 4,0 2,0 2,0 25,0 3 1,0 ND ND ND 9,0 4 45,0 5,4 3,0 3,0 20,0 5 62,0 15,0 15,0 15,0 20,0 6 54,0 12,0 10,0 8,0 18,0 7 15,0 5,0 ND ND 10,0 8 4,0 ND ND ND 6,0 9 56,0 18,0 18,0 18,0 42,0 10 8,0 3,0 ND ND 8,0 M 27,4 6,24 4,8 4,6 21,8 9

10 REGIÃO SUL SACOLAS PLÁSTICAS 1 4,0 ND ND ND 10,0 2 2,0 ND ND ND ND 3 1,0 ND ND ND ND 4 1,0 ND ND ND ND 5 3,0 ND ND ND 1,0 6 ND ND ND ND ND 7 ND ND ND ND ND 8 1,0 ND ND ND 1,0 9 ND ND ND ND ND 10 1,0 ND ND ND 1,0 M 1,3 ND ND ND 1,3 CAIXAS DE PAPELÃO 1 10,0 3,0 3,0 ND 5,0 2 14,0 5,0 5,0 5,0 3,0 3 1,0 ND ND ND 7,0 4 7,0 2,0 2,0 ND 11,0 5 17,0 12,0 6,0 6,0 21,0 6 9,0 5,0 3,0 3,0 2,0 7 6,0 ND ND ND 1,0 8 16,0 10,0 7,5 5,0 1,0 9 9,0 2,0 1,0 1,0 5, ,0 9,0 9,0 9,0 2,0 M 10,4 4,8 3,65 2,9 5,8 10

11 REGIÃO LESTE SACOLAS PLÁSTICAS 1 3,0 ND ND ND 2,0 2 2,0 ND ND ND 1,0 3 4,0 ND ND ND 2,0 4 1,0 ND ND ND ND 5 1,0 ND ND ND ND 6 4,0 ND ND ND 1,0 7 5,0 ND ND ND 1,0 8 1,0 ND ND ND ND 9 5,0 ND ND ND 1,0 10 ND ND ND ND ND M 2,6 ND ND ND 0,8 CAIXAS DE PAPELÃO 1 62,0 22,0 10,0 10,0 10,0 2 20,0 5,0 5,0 5,0 20,0 3 3,0 ND ND ND 5,0 4 42,0 18,0 14,0 12,0 40,0 5 87,0 35,0 24,0 24,0 12,0 6 11,0 1,0 ND ND 9,0 7 29,0 17,0 10,0 4,0 27,0 8 40,0 20,0 20,0 20,0 11,0 9 31,0 21,0 ND ND 12,0 10 9,0 ND ND ND 4,0 M 33,4 13,9 8,3 7,5 15,0 11

12 REGIÃO OESTE SACOLAS PLÁSTICAS 1 6,0 ND ND ND 3,0 2 3,0 ND ND ND ND 3 1,0 ND ND ND ND 4 2,0 ND ND ND 1,0 5 1,0 ND ND ND ND 6 5,0 ND ND ND 2,0 7 7,0 ND ND ND 2,0 8 6,0 ND ND ND 2,0 9 4,0 ND ND ND 1,0 10 4,0 ND ND ND ND M 3,9 ND ND ND 1,1 CAIXAS DE PAPELÃO 1 58,0 8,0 8,0 8,0 16,0 2 4,0 ND ND ND 7,0 3 33,0 12,0 12,0 9,0 3,0 4 17,0 4,0 4,0 4,0 8,0 5 43,0 22,0 15,0 15,0 25,0 6 15,0 7,0 7,0 5,0 9,0 7 12,0 6,0 ND ND 5,0 8 16,0 9,0 ND ND 7,0 9 56,0 28,0 28,0 28,0 34,0 10 8,0 ND ND ND 6,0 M 26,2 9,6 7,4 6,9 12,0 12

13 REGIÃO CENTRO SACOLAS PLÁSTICAS UFC/cm ,0 ND ND ND 2,0 2 4,0 ND ND ND ND 3 ND ND ND ND ND 4 1,0 ND ND ND ND 5 34,0 ND ND ND 8,0 6 2,0 ND ND ND ND 7 10,0 ND ND ND 10,0 8 10,0 ND ND ND 8,0 9 3,0 ND ND ND 1,0 10 ND ND ND ND ND M 7,4 ND ND ND 2,9 CAIXAS DE PAPELÃO UFC/cm ,0 18,0 ND ND 42,0 2 21,0 7,0 ND ND 15,0 3 30,0 10,0 10,0 8,0 8,0 4 66,0 32,0 20,0 8,0 41,0 5 28,0 11,0 11,0 ND 9, ,0 64,0 30,0 30,0 10,0 7 25,0 8,0 ND ND 20, ,0 50,0 50,0 50,0 20,0 9 12,0 ND ND ND 25, ,0 13,0 5,0 5,0 41,0 M 50,4 21,3 12,6 10,1 23,1 13

14 SACOLAS DE PANO totais totais fecais 1 54,0 11,0 ND ND 12,0 2 10,0 ND ND ND 8,0 3 3,0 ND ND ND 2,0 4 3,0 ND ND ND ND 5 20,0 8,0 ND ND 3,0 6 12,0 6,0 ND ND 7,0 7 22,0 5,0 ND ND 10,0 8 1,0 ND ND ND 10,0 9 2,0 ND ND ND ND 10 2,0 ND ND ND 5, ,0 7,0 ND ND 19,0 12 6,0 2,0 ND ND 10, ,0 7,0 ND ND 3,0 14 4,0 1,0 ND ND 3, ,0 9,0 ND ND 2,0 16 3,0 ND ND ND 3,0 17 9,0 ND ND ND 4,0 18 5,0 ND ND ND 6,0 19 3,0 ND ND ND 3,0 20 8,0 ND ND ND 1, ,0 25,0 ND ND 25, ,0 12,0 ND ND 2,0 23 3,0 3,0 ND ND ND 24 5,0 ND ND ND 2,0 25 8,0 ND ND ND 6,0 26 3,0 ND ND ND ND 27 2,0 ND ND ND 2, ,0 8,0 ND ND 6,0 29 2,0 ND ND ND ND 30 24,0 10,0 ND ND 2,0 31 9,0 ND ND ND 1, ,0 2,0 ND ND 3,0 33 7,0 2,0 ND ND 3, ,0 6,0 ND ND 15, ,0 5,0 ND ND 13, ,0 2,0 ND ND 7,0 37 3,0 ND ND ND 2,0 38 2,0 2,0 ND ND ND 39 24,0 13,0 ND ND 14, ,0 21,0 ND ND 35,0 41 1,0 1,0 ND ND ND 42 18,0 ND ND ND 12,0 43 8,0 ND ND ND 4, ,0 4,0 ND ND 7, ,0 8,0 ND ND 17,0 46 6,0 ND ND ND 1, ,0 15,0 ND ND 14, ,0 10,0 ND ND 5, ,0 10,0 ND ND 10,0 50 3,0 3,0 ND ND 3,0 M 13,08 4,36 ND ND 7,5 14

15 MÉDIAS FINAIS: SACOLAS PLÁSTICAS UFC/cm 2 3,54 ND ND ND 1,34 CAIXAS DE PAPELÃO UFC/cm 2 29,56 11,16 7,35 6,4 15,54 SACOLAS DE PANO UFC/cm 2 13,08 4,36 ND ND 7,5 5. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DAS MÉDIAS DOS RESULTADOS PLAST PAPEL PANO UFC/cm BT CT CF EC BL 15

16 6. COMENTÁRIOS Os resultados obtidos revelaram que com relação à contaminação por bactérias as caixas de papelão foram quem apresentaram maior quantidade quando comparadas com as sacolas plásticas e as ecobags (sacolas de pano). Com relação aos grupos de bactérias pesquisados verificamos que nas sacolas plásticas analisadas não foi encontrada a presença de coliformes totais, nem fecais e nem Escherichia coli, enquanto que nas ecobags (sacolas de pano) em 58% das amostras detectamos a presença somente de coliformes totais, não sendo detectados nem coliformes fecais e nem Escherichia coli. Já nas amostras de caixa de papelão foi verificado nas amostras analisadas que 80% das amostras apresentaram coliformes totais, 62% das amostras apresentaram coliformes fecais e 56% Escherichia coli. As sacolas plásticas evidenciaram uma quantidade menor de contaminação por fungos (bolores e leveduras) quando comparadas às embalagens caixa de papelão e ecobags (sacolas de pano). A baixa contaminação detectada nas sacolas plásticas sugere que a matéria prima utilizada apresentava-se já sem muitos contaminantes ou ainda que o processo de fabricação das mesmas auxiliou na redução da possível carga inicial presente, resultando num produto final com reduzida presença de contaminantes quer sejam fungos, quer sejam bactérias. Os resultados encontrados também podem sugerir que o armazenamento dessas sacolas plásticas nos locais de venda não tem contribuído com relação à contaminação. As caixas de papelão revelaram elevada carga microbiana quando comparada as sacolas plásticas (cerca de 8X mais para bactérias e 12X mais para fungos), além da presença de bactérias do grupo coliforme e inclusive Escherichia coli. Estas contaminações podem ser oriundas da própria matéria prima dessas caixas, como das condições de armazenamento quando ainda com seus produtos originais ou até mesmo do armazenamento nos estoques para seu reaproveitamento. As ecobags (sacolas de pano) revelaram uma carga de bactérias em média 4X superior e de fungos 5X maior quando comparadas às sacolas plásticas, com o agravante da detecção de coliformes totais em várias delas. Sugere-se que essas contaminações sejam originadas pela própria utilização e reutilização das mesmas. MICROBIOTECNICA C.A.H.A. S/S LTDA. Roberto M. Figueiredo João Francisco Almeida Rita de C. Salomão C.R.B.M.N.1ºReg.1003-SP C.R.Q.S.P.4ºReg Nº C.R.B.M.N. 1ºReg.6962-SP 16

17 7. IDENTIFICAÇÃO DO CLIENTE CLIENTE: PLASTIVIDA INSTITUTO SÓCIO-AMBIENTAL DOS PLÁSTICOS 17

Contaminação microbiana de embalagens de madeira versus embalagens de plástico

Contaminação microbiana de embalagens de madeira versus embalagens de plástico Contaminação microbiana de embalagens de madeira versus embalagens de plástico FCT/UNL: Ana Luisa Fernando, Ana Isabel Abrantes, Miryam Garcia, Benilde Mendes Embar: Filipa Pico, José António nio Alberty

Leia mais

Análise Técnica. Segurança Microbiológica de Molhos Comercializados em Embalagens Tipo Sache: Avaliação de um Abridor de Embalagens

Análise Técnica. Segurança Microbiológica de Molhos Comercializados em Embalagens Tipo Sache: Avaliação de um Abridor de Embalagens Análise Técnica Segurança Microbiológica de Molhos Comercializados em Embalagens Tipo Sache: Avaliação de um Abridor de Embalagens Coord. Prof. Dr. Marco Antônio Lemos Miguel Equipe: Carolina Beres & Priscila

Leia mais

PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO PADRÃO - POP

PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO PADRÃO - POP PÁG.: 1/8 1. OBJETIVO Definir um procedimento para preparação dos meios de cultura pelo. 2. ALCANCE Este procedimento se aplica a todos os lotes de meios de cultura preparados pelo Controle Microbiológico,

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOC

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOC 7CTDTQAMT04.P QUALIDADE HIGIÊNICO SANITÁRIO DE EQUIPAMENTOS E UTENSÍÍLIOS EM ALGUMAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA PB. Angela Lima Menêses de Queiroz (2) ; Ana Maria Vieira de Castro

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE MÃOS DE MANIPULADORES, MÁQUINAS DE MOER CARNE E FACAS DE CORTE, EM SUPERMERCADOS DA CIDADE DE APUCARANA- PR

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE MÃOS DE MANIPULADORES, MÁQUINAS DE MOER CARNE E FACAS DE CORTE, EM SUPERMERCADOS DA CIDADE DE APUCARANA- PR ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE MÃOS DE MANIPULADORES, MÁQUINAS DE MOER CARNE E FACAS DE CORTE, EM SUPERMERCADOS DA CIDADE DE APUCARANA- PR SOUZA M. C; TOLEDO E. A Resumo Este trabalho teve como objetivo identificar

Leia mais

Relatório CETEA A187-1/07 - Parcial. Data: 18 de dezembro de Preparado por: Centro de Tecnologia de Embalagem - CETEA/ITAL

Relatório CETEA A187-1/07 - Parcial. Data: 18 de dezembro de Preparado por: Centro de Tecnologia de Embalagem - CETEA/ITAL Relatório CETEA A187-1/07 - Parcial Avaliação de efeito do selo de alumínio na qualidade microbiológica de latas de cerveja Interessado: Companhia de Bebidas das Américas Estrada Ary Jorge Zeitune, 3100,

Leia mais

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Segurança Alimentar e Curso: Técnico em Agroindústria Professora: Roberta M. D. Cardozo Segurança Alimentar Grupos ou espécies de microrganismos

Leia mais

Métodos físicos e químicos no controle microbiano de esponjas de Poliuretano usadas em unidades de alimentação de Montes Claros, MG

Métodos físicos e químicos no controle microbiano de esponjas de Poliuretano usadas em unidades de alimentação de Montes Claros, MG 45 Métodos físicos e químicos no controle microbiano de esponjas de Poliuretano usadas em unidades de alimentação de Montes Claros, MG Klinger Vinícius de Almeida 1, Roberta Torres Careli 2, Alécia Daila

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra. Método do Número Mais Provável

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra. Método do Número Mais Provável Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra MICROBIOLOGIA António Verissimo Paula Morais Método do Número Mais Provável Introdução O método do NMP permite calcular o número de um microorganismo

Leia mais

Miguel Bahiense Neto Presidente

Miguel Bahiense Neto Presidente Miguel Bahiense Neto Presidente Brasília, 3 de dezembro de 2013 CONSUMIDOR MEIO AMBIENTE VAREJO ECONOMIA CIÊNCIA MEIO AMBIENTE: Uso de estudos científicos para a tomada de decisões sobre o tema SOCIEDADE:

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA COLETA E ENVIO DE MATERIAL PARA LABORATÓRIO

PROCEDIMENTOS PARA COLETA E ENVIO DE MATERIAL PARA LABORATÓRIO PROCEDIMENTOS PARA COLETA E ENVIO DE MATERIAL PARA LABORATÓRIO 1 AVICULTURA COMERCIAL 1.1 Aves vivas para necropsia 1.1.1 Identificação: identificar empresa remetente, lote, tipo de exploração, linhagem,

Leia mais

5 Aula Prática Exame do Microcultivo de levedura. Plaqueameno de Açúcar. Ensaio de Óxido-Redução com Resazurina

5 Aula Prática Exame do Microcultivo de levedura. Plaqueameno de Açúcar. Ensaio de Óxido-Redução com Resazurina IB UNESP - Rio Claro CCA - UFSCar Araras II CURSO DE MONITORAMENTO DA FERMENTAÇÃO ETANÓLICA PERÍODO: 11 a 15 DE FEVEREIRO DE 2008 ATIVIDADES PRÁTICAS 5 Aula Prática Exame do Microcultivo de levedura. Plaqueameno

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA, AO LONGO DA CADEIA PRODUTIVA DE TILÁPIA DO NILO (Oreochromis niloticus), NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DO PARANÁ

Leia mais

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE MANTEIGAS COMERCIALIZADAS EM VIÇOSA (MG) 1. Introdução

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE MANTEIGAS COMERCIALIZADAS EM VIÇOSA (MG) 1. Introdução 531 QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE MANTEIGAS COMERCIALIZADAS EM VIÇOSA (MG) 1 Natália Mara dos Santos 2 ; Jéssica Pires Ávila Rasmini 2, Isabela de Castro Oliveira 2, Cíntia da Cunha Abreu 2, Eduardo Nogueira

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ESPONJAS UTILIZADAS NA HIGIENIZAÇÃO DE UTENSÍLIOS DE COZINHA DE RESTAURANTES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ESPONJAS UTILIZADAS NA HIGIENIZAÇÃO DE UTENSÍLIOS DE COZINHA DE RESTAURANTES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ESPONJAS UTILIZADAS NA HIGIENIZAÇÃO DE UTENSÍLIOS DE COZINHA DE RESTAURANTES

Leia mais

Avaliação da qualidade microbiológica do leite pasteurizado tipo C produzido na região de Araguaína-TO

Avaliação da qualidade microbiológica do leite pasteurizado tipo C produzido na região de Araguaína-TO Avaliação da qualidade microbiológica do leite pasteurizado tipo C produzido na região de Araguaína-TO Iangla Araújo de Melo ¹, Maykon Jhuly Martins de Paiva 1, Ricardo Consigliero Guerra 2 ¹ Acadêmica

Leia mais

PROPOSTA. Pregão. Proposta(s)

PROPOSTA. Pregão. Proposta(s) PROPOSTA Pregão Órgão: Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo Número: COMUSA 008/2012 Número do Processo: 8-10/1/2012 Unidade de Compra: COMUSA - Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo Proposta(s) Item:

Leia mais

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA EM LABORATÓRIO: CONTAGEM DE BACTÉRIAS TOTAIS E PESQUISA DE COLIFORMES, COLIFORMES FECAIS E ESCHERICHIA COLI EM ALIMENTOS

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA EM LABORATÓRIO: CONTAGEM DE BACTÉRIAS TOTAIS E PESQUISA DE COLIFORMES, COLIFORMES FECAIS E ESCHERICHIA COLI EM ALIMENTOS 3cm INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CURSO TÉNICO EM... Fonte Arial ou Times 12, maiúscula sem negrito BELTRANO DE TAL FULANO DE TAL Fonte 12, semnegrito 3cm 2cm RELATÓRIO

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS REDEBLH-BR PARA BANCOS DE LEITE HUMANO:

NORMAS TÉCNICAS REDEBLH-BR PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: NORMAS TÉCNICAS REDEBLH-BR PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: Controle Sanitário de Leite Humano Ordenhado BLH-IFF/NT- 40.05 Teste Simplificado para Detecção de Coliformes Totais FEV 2005 BLH-IFF/NT- 40.05 Rede

Leia mais

Base destinada para a preparação do meio para a diferenciação e identificação de bactérias coliformes baseadas na fermentação da lactose.

Base destinada para a preparação do meio para a diferenciação e identificação de bactérias coliformes baseadas na fermentação da lactose. Base de Agar Endo 500 g Base destinada para a preparação do meio para a diferenciação e identificação de bactérias coliformes baseadas na fermentação da lactose. Indicações: Suspender 36 g em 1 L de água

Leia mais

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO MEL DE ABELHA Apis mellifera DO SERTÃO PARAIBANO

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO MEL DE ABELHA Apis mellifera DO SERTÃO PARAIBANO QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO MEL DE ABELHA Apis mellifera DO SERTÃO PARAIBANO MELO, F. S. N. MELO 1, W. F. MARTINS 2, G. NICOLETTI 2, C. SILVEIRA 2, M. S. A. RODRIGUES 3, S. S. MARTINS 3 e A. dos S. ARAUJO

Leia mais

Aplicação em escala laboratorial

Aplicação em escala laboratorial Aplicação em escala laboratorial Índice Velcorin Aplicação em escala laboratorial Página 3 5 Introdução Página 3 Medidas de Segurança Página 3 Metodologia (preparo) Página 4 Metodologia Microbiológica

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL 003/2016 ATA DA REUNIÃO DE ABERTURA E JULGAMENTO DE PROPOSTAS PROCESSO DE COMPRA Nº 109/2016

PREGÃO PRESENCIAL 003/2016 ATA DA REUNIÃO DE ABERTURA E JULGAMENTO DE PROPOSTAS PROCESSO DE COMPRA Nº 109/2016 PREGÃO PRESENCIAL 003/2016 ATA DA REUNIÃO DE ABERTURA E JULGAMENTO DE PROPOSTAS PROCESSO DE COMPRA Nº 109/2016 Às 9:00 horas do dia 02 de setembro de 2016, reuniu-se a Pregoeira e sua Equipe de Apoio,

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 3 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO MINERVA S/A LABORATÓRIO CENTRAL ALIMENTO E BEBIDAS

Leia mais

10º ENTEC Encontro de Tecnologia: 28 de novembro a 3 de dezembro de 2016 QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA MINERAL DO TRIANGULO MINEIRO

10º ENTEC Encontro de Tecnologia: 28 de novembro a 3 de dezembro de 2016 QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA MINERAL DO TRIANGULO MINEIRO QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA MINERAL DO TRIANGULO MINEIRO Bruna Santos Morais 1, Danusa Carolina Santos Fernandes 2, Thaís Cristina Carneiro Gonçalves 3, Elizabeth Uber Bucek 4, Ana Claudia Chesca

Leia mais

Determinação de sensibilidade bacteriana aos antimicrobianos

Determinação de sensibilidade bacteriana aos antimicrobianos Determinação de sensibilidade bacteriana aos antimicrobianos Prof. Adj. Ary Fernandes Junior Departamento de Microbiologia e Imunologia Instituto de Biociências UNESP Tel. 14 3880.0412/0413 ary@ibb.unesp.br

Leia mais

Resultados das análises referentes aos parâmetros básicos de qualidade da água na rede de distribuição N ANÁLISES REALIZADAS N ANÁLISES REALIZADAS

Resultados das análises referentes aos parâmetros básicos de qualidade da água na rede de distribuição N ANÁLISES REALIZADAS N ANÁLISES REALIZADAS Turbidez 51 59 59 Cloro Residual Livre 51 59 59 Cor Aparente 10 59 59 atenderam atenderam atenderam 51 59 01 amostra apresentou presença de CT Escherichia coli 51 59 Ausência As análises realizadas estão

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA: SISTEMA FILTRO LENTO ACOPLADO A UM CANAL DE GARAFFAS PET

TRATAMENTO DE ÁGUA: SISTEMA FILTRO LENTO ACOPLADO A UM CANAL DE GARAFFAS PET TRATAMENTO DE ÁGUA: SISTEMA FILTRO LENTO ACOPLADO A UM CANAL DE GARAFFAS PET Maick Sousa Almeida (1); Anderson Oliveira de Sousa (1); Ana Paula Araújo Almeida (2) (1) Universidade Estadual da Paraíba;

Leia mais

EFICIÊNCIA DO PROCESSO DE HIGIENIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE UMA MICROCERVEJARIA

EFICIÊNCIA DO PROCESSO DE HIGIENIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE UMA MICROCERVEJARIA EFICIÊNCIA DO PROCESSO DE HIGIENIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE UMA MICROCERVEJARIA STEURER, Fabiane 1 ; CASALINI, Júlia 1 ; LEITÃO, Angelita Machado 2 ; BARBOSA, Eliane Gouvea 2 ; MACHADO, Mirian Ribeiro Galvão

Leia mais

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO CALDO DE CANA EM FEIRAS LIVRES DO ESTADO DE RONDÔNIA

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO CALDO DE CANA EM FEIRAS LIVRES DO ESTADO DE RONDÔNIA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO CALDO DE CANA EM FEIRAS LIVRES DO ESTADO DE RONDÔNIA INTRODUÇÃO Fernanda Rosan Fortunato Seixas 1 Bruna Leticia de Souza Nascimento; Elisangela dos Santos Vicente 2 A garapa

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE HORTALIÇAS SERVIDAS NO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UFPEL, CAMPUS CAPÃO DO LEÃO. 1. INTRODUÇÃO

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE HORTALIÇAS SERVIDAS NO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UFPEL, CAMPUS CAPÃO DO LEÃO. 1. INTRODUÇÃO ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE HORTALIÇAS SERVIDAS NO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UFPEL, CAMPUS CAPÃO DO LEÃO. SILVA, Vanessa Silva da 1 ; LOPES, Caroline de Paula 1 ; RIBEIRO, Gladis Aver 1 1 Laboratório

Leia mais

CONTROLE MICROBIOLÓGICO DA ÁGUA CONSUMIDA POR HOSPITAIS DA CIDADE DO RECIFE/PE CONFORME PORTARIA N.º2914/MINISTÉRIO DA SAÚDE.

CONTROLE MICROBIOLÓGICO DA ÁGUA CONSUMIDA POR HOSPITAIS DA CIDADE DO RECIFE/PE CONFORME PORTARIA N.º2914/MINISTÉRIO DA SAÚDE. CONTROLE MICROBIOLÓGICO DA ÁGUA CONSUMIDA POR HOSPITAIS DA CIDADE DO RECIFE/PE CONFORME PORTARIA N.º2914/MINISTÉRIO DA SAÚDE. Cynthia S. de Souza 1, Bruno José de Lavôr A. Lima 2, Hélida Karla Phillippini

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da alcalinidade pelo método titulométrico. SMWW, 22ª Edição, Método

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da alcalinidade pelo método titulométrico. SMWW, 22ª Edição, Método ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CQLAB - Consultoria e Controle de Qualidade Ltda. Determinação

Leia mais

FONTES DE CONTAMINAÇÃO DOS ALIMENTOS. Profa. Msc Márcia Maria de Souza Americano

FONTES DE CONTAMINAÇÃO DOS ALIMENTOS. Profa. Msc Márcia Maria de Souza Americano FONTES DE CONTAMINAÇÃO DOS ALIMENTOS Profa. Msc Márcia Maria de Souza Americano CONTAMINAÇÃO DOS ALIMENTOS POR MICRORGANISMO Vários fatores interferem na vulnerabilidade dos alimentos aos processos de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS DEPARTAMENTO Engenharia de Alimentos

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO. Coleta de Amostras Swab, Água e Alimentos

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO. Coleta de Amostras Swab, Água e Alimentos 1 de 6 1. OBJETIVOS Descrever o procedimento para a coleta de amostras. 2. AREA DE APLICAÇÃO Coleta de amostras. 3. DEFINIÇÕES Swab estéril: tipo cotonete estéril, de haste longa com uma das extremidades

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL. Coleta de Amostras. 1. OBJETIVOS Descrever o procedimento para a coleta de amostras destinadas às análises microbiológicas.

PROCEDIMENTO OPERACIONAL. Coleta de Amostras. 1. OBJETIVOS Descrever o procedimento para a coleta de amostras destinadas às análises microbiológicas. 1 de 7 1. OBJETIVOS Descrever o procedimento para a coleta de amostras destinadas às análises microbiológicas. 2. AREA DE APLICAÇÃO Coleta de amostras para análises microbiológicas. 3. DEFINIÇÕES Swab

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL COLETA E ENVIO DE MATERIAL PARA LABORATÓRIO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL COLETA E ENVIO DE MATERIAL PARA LABORATÓRIO CÓDIGO: PO2053 12 EMISSÃO: 22/03/2012 ESCOPO PROCEDIMENTO OPERACIONAL COLETA E ENVIO DE MATERIAL PARA LABORATÓRIO N DA REVISÃO: 00 DATA DA REVISÃO: 22/03/2012 1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

TRATAMENTO TÉRMICO DO LEITE ACONDICIONADO EM FILME PLÁSTICO EM BANHO-MARIA

TRATAMENTO TÉRMICO DO LEITE ACONDICIONADO EM FILME PLÁSTICO EM BANHO-MARIA TRATAMENTO TÉRMICO DO LEITE ACONDICIONADO EM FILME PLÁSTICO EM BANHO-MARIA AJ.de OLIVEIRA; C.R. GALLO; C.M.de CARVALHO Departamento de Ciência e Tecnologia Agroindustrial - ESALQ/USP - C.P. 9 - CEP: 13418-900

Leia mais

PERFIL MICROBIOLÓGICO DE AMOSTRAS DE LEITE PASTEURIZADO DE ACORDO COM AS ESPECIFICAÇÕES MUNICIPAIS (SIM) E ESTADUAIS (IMA)

PERFIL MICROBIOLÓGICO DE AMOSTRAS DE LEITE PASTEURIZADO DE ACORDO COM AS ESPECIFICAÇÕES MUNICIPAIS (SIM) E ESTADUAIS (IMA) PERFIL MICROBIOLÓGICO DE AMOSTRAS DE LEITE PASTEURIZADO DE ACORDO COM AS ESPECIFICAÇÕES MUNICIPAIS (SIM) E ESTADUAIS (IMA) Microbiological Profile of pasteurized milk samples in accordance with the municipal

Leia mais

AVALIAÇÃO HIGIÊNICO SANITÁRIA DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DA CIDADE DE SOBRAL CE.

AVALIAÇÃO HIGIÊNICO SANITÁRIA DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DA CIDADE DE SOBRAL CE. AVALIAÇÃO HIGIÊNICO SANITÁRIA DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DA CIDADE DE SOBRAL CE. Jayane Xavier de MELO (1); Katiane Arrais JALES (2); Jacqueline da Silva OLIVEIRA (1), Maria Tamires Marques

Leia mais

DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE

DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE Análise Laboratorial de Conservantes em Produtos Cosméticos e de Higiene Corporal de Hidratação e Limpeza Destinados a Crianças Enquadramento No âmbito da análise do

Leia mais

10º Encontro de Higienização e Lavanderia Hospitalar da Região Sul AÇÃO DESINFETANTE NO PROCESSO DE LAVAGEM EM ROUPAS HOSPITALARES

10º Encontro de Higienização e Lavanderia Hospitalar da Região Sul AÇÃO DESINFETANTE NO PROCESSO DE LAVAGEM EM ROUPAS HOSPITALARES 10º Encontro de Higienização e Lavanderia AÇÃO DESINFETANTE NO PROCESSO DE LAVAGEM EM ROUPAS HOSPITALARES CONTROLE MICROBIOLÓGICO NO PROCESSO DE LAVAGEM DE ROUPAS HOSPITALARES AVALIAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS

Leia mais

COLETA DE ÁGUA DE DIÁLISE

COLETA DE ÁGUA DE DIÁLISE Página 1 de 5 1 1. DESCRIÇÃO E CUIDADOS GERAIS: A técnica a ser adotada para a coleta de amostras depende da matriz a ser amostrada, do tipo de amostra a ser efetuada e da natureza do ensaio solicitado.

Leia mais

3M TM Petrifilm TM. Placa para Contagem de E.coli e Coliformes Placa para Contagem de Coliformes. Guia de. Interpretação

3M TM Petrifilm TM. Placa para Contagem de E.coli e Coliformes Placa para Contagem de Coliformes. Guia de. Interpretação 3M TM Petrifilm TM Placa para Contagem de E.coli e Coliformes Placa para Contagem de Coliformes Guia de Interpretação 3M TM Petrifilm TM Placa para Contagem de E.coli e Coliformes Este guia apresenta resultados

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DE BALNEABILIDADE EM PRAIAS ESTUARINAS

AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DE BALNEABILIDADE EM PRAIAS ESTUARINAS AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DE BALNEABILIDADE EM ESTUARINAS Bianca Coelho Machado Curso de Engenharia Sanitária, Departamento de Hidráulica e Saneamento, Centro Tecnológico, Universidade Federal do Pará.

Leia mais

MALAJOVICH M.A. Atividades práticas Trabalhar em segurança. Guia n 0 67,

MALAJOVICH M.A. Atividades práticas Trabalhar em segurança. Guia n 0 67, OS DESODORANTES POR QUE PRECISAMOS DE DESODORANTES? Vários tipos de microrganismos se desenvolvem na pele, especialmente nas dobras e partes mais úmidas associadas às glândulas sudoríparas. Sua atividade

Leia mais

Microbilogia de Alimentos I- Curso de Engenharia de Alimentos Profª Valéria Ribeiro Maitan

Microbilogia de Alimentos I- Curso de Engenharia de Alimentos Profª Valéria Ribeiro Maitan 22 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PUC Goiás ESCOLA DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS Aula nº 6- Preparo e Esterilização de Meios de Cultura Introdução O estudo dos microrganismos,

Leia mais

143 - QUALIDADE DE SEMENTES DE CEBOLA CULTIVAR BAIA PRODUZIDAS SOB SISTEMA AGROECOLÓGICO E AVALIAÇÃO DAS MUDAS RESULTANTES

143 - QUALIDADE DE SEMENTES DE CEBOLA CULTIVAR BAIA PRODUZIDAS SOB SISTEMA AGROECOLÓGICO E AVALIAÇÃO DAS MUDAS RESULTANTES Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer 143 - QUALIDADE DE SEMENTES DE CEBOLA CULTIVAR BAIA PRODUZIDAS SOB SISTEMA AGROECOLÓGICO E AVALIAÇÃO DAS MUDAS RESULTANTES RESUMO Dércio Dutra 1 ; Derblai

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Ensino Técnico. Engenharia de Alimentos.

PALAVRAS-CHAVE Ensino Técnico. Engenharia de Alimentos. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO DA CIDADE DE DOURADOS-MS

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO DA CIDADE DE DOURADOS-MS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO DA CIDADE DE DOURADOS-MS Mônica Barreto de Lima 1 ; Thaise Maria Tobal 2 UFGD/FCS Dourados MS, E-mail: monika.barreto@hotmail.com 1 Bolsista

Leia mais

NORMA INTERNA DIPOA/SDA Nº 01, DE 17 DE JUNHO DE 2015

NORMA INTERNA DIPOA/SDA Nº 01, DE 17 DE JUNHO DE 2015 NORMA INTERNA DIPOA/SDA Nº 01, DE 17 DE JUNHO DE 2015 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE INPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL da, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, no uso das atribuições

Leia mais

PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO ESTÈRIL

PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO ESTÈRIL INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO: Pinças NOME COMERCIAL: Estéril TRAUMEC PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO ESTÈRIL ATENÇÃO: Ler atentamente todas as instruções antes da utilização. Cumprir todas as advertências

Leia mais

SACOLAS PLÁSTICAS Os Mitos e os Verdadeiros Interesses. II Seminário de Resíduos Sólidos FEEVALE 09/06/2016

SACOLAS PLÁSTICAS Os Mitos e os Verdadeiros Interesses. II Seminário de Resíduos Sólidos FEEVALE 09/06/2016 SACOLAS PLÁSTICAS Os Mitos e os Verdadeiros Interesses II Seminário de Resíduos Sólidos FEEVALE 09/06/2016 SACOLAS PLÁSTICAS SÃO: Inertes, atóxicas e 100% recicláveis; Leves, baratas e não promovem desmatamento;

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA RESUMO - Alimentos e água são elementos primordiais à vida e todos os seres humanos devem ter acesso com valor nutricional adequado e de

Leia mais

3M TM Petrifilm TM Placa para Listeria em Monitoramento Ambiental. Guia de. Interpretação

3M TM Petrifilm TM Placa para Listeria em Monitoramento Ambiental. Guia de. Interpretação M TM Petrifilm TM Placa para Listeria em Monitoramento Ambiental Guia de Interpretação M TM Petrifilm TM Placa para Listeria em Monitoramento Ambiental Este guia familiariza você com os resultados das

Leia mais

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE PASTEURIZADO COMERCIALIZADO EM JUIZ DE FORA NO

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE PASTEURIZADO COMERCIALIZADO EM JUIZ DE FORA NO QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE PASTEURIZADO COMERCIALIZADO EM JUIZ DE FORA NO ANO DE 2004 SOB INSPEÇÃO MUNICIPAL MICROBIOLOGICAL QUALITY OF THE PASTEURIZED MILK MARKETED IN JUIZ DE FORA IN THE YEAR

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROJETO DE PESQUISA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROJETO DE PESQUISA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Análise microbiológica de alimentos em restaurantes self-service localizados no bairro de Taguatinga em Brasília, Distrito Federal. Aluna: Elaine Márcia Morais

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ALIMENTOS GELADOS COMESTÍVEIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

VALIDAÇÃO DE SISTEMA DE ÁGUA. Carlos A Trevisan Setembro 2016

VALIDAÇÃO DE SISTEMA DE ÁGUA. Carlos A Trevisan Setembro 2016 Carlos A Trevisan Setembro 2016 1 DEFINIÇÃO ESTABELECIMENTO DE EVIDÊNCIAS DOCUMENTADAS QUE FORNECEM UM ALTO GRAU DE CONFIABILIDADE QUE UM PROCESSO PRODUZIRÁ DE FORMA CONSISTENTE UM PRODUTO QUE ATENDA ÀS

Leia mais

ELABORAÇÃO DE BEBIDA LÁCTEA ACIDIFICADA

ELABORAÇÃO DE BEBIDA LÁCTEA ACIDIFICADA ELABORAÇÃO DE BEBIDA LÁCTEA ACIDIFICADA DE CARLI, E. M. 1, TIRLONI, A. 1, PIETTA, G.M. 2. 1 Universidade do Oeste de Santa Catarina, Docentes do Curso de Engenharia de Alimentos. 2 Universidade do Oeste

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO TOMMASI ANALÍTICA LTDA ALIMENTOS E BEBIDAS ALIMENTOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM BEBEDOUROS DE ÁREAS PÚBLICAS, NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS (SP) E REGIÃO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM BEBEDOUROS DE ÁREAS PÚBLICAS, NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS (SP) E REGIÃO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM BEBEDOUROS DE ÁREAS PÚBLICAS, NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS (SP) E REGIÃO RAFAELA DELVECHIO 1, MARGARETE MIDORI OKAZAKI 2, GINA MARIA BUENO

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO. Resultados

IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO. Resultados Auditoria nº IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO Nome: Categoria profissional: Função IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Morada: Telefone: Número de trabalhadores: Período de laboração:

Leia mais

MICROPROPAGAÇÃO A DESINFECÇÃO DOS INSTRUMENTOS

MICROPROPAGAÇÃO A DESINFECÇÃO DOS INSTRUMENTOS MICROPROPAGAÇÃO A DESINFECÇÃO DOS INSTRUMENTOS Como indicado no Guia 8 0: Micropropagação no laboratório de ensino, as técnicas de cultivo de tecidos vegetais consistem na transferência de um explante

Leia mais

Pesquisa de microrganismos indicadores de condições higiênico sanitárias em água de coco

Pesquisa de microrganismos indicadores de condições higiênico sanitárias em água de coco Pesquisa de microrganismos indicadores de condições higiênico sanitárias em água de coco Nome dos autores: Carolina Rosa Carrilho de Castro Carolina Rosa Carrilho de Castro; Aluna do Curso de Engenharia

Leia mais

4. PROCESSAMENTO DE MATRIZES BIOLÓGICAS PARA ANÁLISE ANTIDOPING

4. PROCESSAMENTO DE MATRIZES BIOLÓGICAS PARA ANÁLISE ANTIDOPING Programa de Pós-Graduação em Metrologia da PUC-Rio 58 4. PROCESSAMENTO DE MATRIZES BIOLÓGICAS PARA ANÁLISE ANTIDOPING O presente capítulo descreve a rotina das atividades desenvolvidas no laboratório para

Leia mais

INÁCIO AFONSO KROETZ

INÁCIO AFONSO KROETZ FOOD INTELLIGENCE Nome Empresarial: FOOD INTELLIGENCE - CONSULTORIA TÉCNICA EM ALIMENTOS S/S LTDA CNPJ: 03.627.116/0001-43 Enreço: Rua Pássaros e Flores, nº 141 Bairro: Broklin CEP: 04.704-000 Cida: São

Leia mais

Aula Prática. - Preparo de meio de cultivo. - Influência da temperatura no crescimento de microrganismos

Aula Prática. - Preparo de meio de cultivo. - Influência da temperatura no crescimento de microrganismos Aula Prática - Preparo de meio de cultivo - Influência da temperatura no crescimento de microrganismos PREPARO DE MEIO DE CULTIVO Exercício BDA (Batata-Dextrose-Ágar) - Caldo de batata ------------ 100ml

Leia mais

Avaliação da qualidade de silagem e grãos de milho usando equipamento de análise química olfativa znose (Nariz Eletrônico)

Avaliação da qualidade de silagem e grãos de milho usando equipamento de análise química olfativa znose (Nariz Eletrônico) Avaliação da qualidade de silagem e grãos de milho usando equipamento de análise química olfativa znose (Nariz Eletrônico) Baseado no artigo original: STAPLES, E.J. Quality assessment of corn silage using

Leia mais

Microbilogia de Alimentos I - Curso de Engenharia de Alimentos Profª Valéria Ribeiro Maitan

Microbilogia de Alimentos I - Curso de Engenharia de Alimentos Profª Valéria Ribeiro Maitan 32 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PUC Goiás ESCOLA DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS Aula nº 7 e 8 Quantificação de Microrganismos: Diluição e Plaqueamento Spreader Plate e Pour

Leia mais

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM ESTABELECIMENTOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ALIMENTOS NA EMPASA DE JOÃO PESSOA/PB

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM ESTABELECIMENTOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ALIMENTOS NA EMPASA DE JOÃO PESSOA/PB CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM ESTABELECIMENTOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ALIMENTOS NA EMPASA DE JOÃO PESSOA/PB VIDAL, Ana Renally Cardoso 1, GOMES, Liana Santos do Nascimento 2, TEODOSIO, Albert Einstein

Leia mais

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE BEBIDAS LÁCTEAS ADQUIRIDAS NO COMÉRCIO VAREJISTA DO SUL DE MINAS GERAIS 1

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE BEBIDAS LÁCTEAS ADQUIRIDAS NO COMÉRCIO VAREJISTA DO SUL DE MINAS GERAIS 1 AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE BEBIDAS LÁCTEAS ADQUIRIDAS NO COMÉRCIO VAREJISTA DO SUL DE MINAS GERAIS 1 THALES LEANDRO COUTINHO DE OLIVEIRA 2, VICTOR M. R. TEBALDI 3, JAÍNE G. O. S. RESENDE 3, GUILHERME

Leia mais

BIOSSEGURANÇA DO PROFISSIONAL DE LAVANDERIAS: ÁREA CONTAMINADA X ÁREA LIMPA. Profa. Dra. Teresinha Covas

BIOSSEGURANÇA DO PROFISSIONAL DE LAVANDERIAS: ÁREA CONTAMINADA X ÁREA LIMPA. Profa. Dra. Teresinha Covas BIOSSEGURANÇA DO PROFISSIONAL DE LAVANDERIAS: ÁREA CONTAMINADA X ÁREA LIMPA Profa. Dra. Teresinha Covas Introdução Controle de Infecção Hospitalar; Qualidade dos profissionais; Área Suja (críticas) potencialmente

Leia mais

Biologia NATURA COMERCIALIZADOS EM LANCHONETES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ (UVA)

Biologia NATURA COMERCIALIZADOS EM LANCHONETES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ (UVA) Biologia AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS DOS SUCOS DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM LANCHONETES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ (UVA) Raquel Oliveira dos Santos Fontenelle

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS E LEVANTAMENTO PARASITOLÓGICO DE COMUNIDADES RURAIS EM SÃO JOÃO DO CARIRI - PB

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS E LEVANTAMENTO PARASITOLÓGICO DE COMUNIDADES RURAIS EM SÃO JOÃO DO CARIRI - PB AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS E LEVANTAMENTO PARASITOLÓGICO DE COMUNIDADES RURAIS EM SÃO JOÃO DO CARIRI - PB Maniza Sofia Monteiro FERNANDES 1, Lazaro Ramom dos Santos ANDRADE 1, Kepler Borges FRANÇA

Leia mais

Avaliação da qualidade microbiológica da água de nascentes em pequenas propriedades situadas no Vale do Ivaí

Avaliação da qualidade microbiológica da água de nascentes em pequenas propriedades situadas no Vale do Ivaí 15670 - Avaliação da qualidade microbiológica da água de nascentes em pequenas propriedades situadas no Vale do Ivaí Assessment of microbiological quality of water sources in small properties located in

Leia mais

GUIA DOS MÉTODOS DE REFERÊNCIA

GUIA DOS MÉTODOS DE REFERÊNCIA GUIA DOS MÉTODOS DE REFERÊNCIA MICROBIOLOGIA PARA COSMÉTICOS BIOKAR Diagnóstico coloca o seu conhecimento à sua disposição para fornecer soluções simples e rápidas para atender suas necessidades. Os laboratórios

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE PAPEL/CARTÃO

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE PAPEL/CARTÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA A RETOMA DE (EXCEPTO ECAL) 1. OBJECTIVO Metodologia aplicável na retoma da matéria-prima papel/cartão, seu controlo e critérios de aceitação e/ou rejeição, para posterior reciclagem.

Leia mais

X Encontro de Extensão

X Encontro de Extensão 6CCSDNOUT05 AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE COMPOTAS OBTIDAS DO BENEFICIAMENTO DE MAMÃO (Carica-papaya) COM ELEVADO ESTADO DE MATURAÇÃO ADQUIRIDO DE FEIRAS LIVRES Amanda de Andrade Marques (2); Michelle Kércia

Leia mais

Descrever o procedimento para realização do monitoramento da ETE no Porto de Itajaí.

Descrever o procedimento para realização do monitoramento da ETE no Porto de Itajaí. 1 Objetivo Descrever o procedimento para realização do monitoramento da ETE no Porto de Itajaí. 2 Abrangência Este procedimento se aplica a todas as áreas e colaboradores enquadrados no perímetro de abrangência

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DA POPULAÇÃO DE STAPHYLOCOCCUS EM PATÊ DE PEITO DE PERU SABOR DEFUMADO DURANTE 45 DIAS DE ARMAZENAMENTO

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DA POPULAÇÃO DE STAPHYLOCOCCUS EM PATÊ DE PEITO DE PERU SABOR DEFUMADO DURANTE 45 DIAS DE ARMAZENAMENTO TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DA POPULAÇÃO DE STAPHYLOCOCCUS EM PATÊ DE PEITO DE PERU SABOR DEFUMADO DURANTE 45 DIAS DE ARMAZENAMENTO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DA ÁGUA DESTINADA AO CONSUMO HUMANO

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DA ÁGUA DESTINADA AO CONSUMO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DA ÁGUA DESTINADA AO

Leia mais

Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições

Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições Instruções para a redução, o tratamento e a separação de resíduos de materiais resultantes de convenções e exposições Introdução: Para se articular com a política de tratamento de resíduos sólidos Reciclagem

Leia mais

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil.

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de 2002. Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. O CONSELHO

Leia mais

a r u lt u e c s d io e m

a r u lt u e c s d io e m Os Kasvi seguem um rigoroso controle de qualidade e são ideais para promover o crescimento de bactérias, fungos e leveduras. Já os suplementos, são adicionados aos meios para otimizar o crescimento destes

Leia mais

Contaminantes microbianos do cacau: aspectos de saúde pública do cacaueiro até o chocolate

Contaminantes microbianos do cacau: aspectos de saúde pública do cacaueiro até o chocolate Contaminantes microbianos do cacau: aspectos de saúde pública do cacaueiro até o chocolate Edital 064/2008 MAPA/CNPq Coordenadora: Neusely da Silva Equipe: Instituto de Tecnologia de Alimentos Maristela

Leia mais

Alves, E.N.; Henriques, L.S.V.; Azevedo, H.S.; Pinto, J.C.C.; Henry, F.C.

Alves, E.N.; Henriques, L.S.V.; Azevedo, H.S.; Pinto, J.C.C.; Henry, F.C. AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DA CARNE OVINA (Ovis aries) OBTIDA EM CAMPOS DOS GOYTACAZES-RJ Alves, E.N.; Henriques, L.S.V.; Azevedo, H.S.; Pinto, J.C.C.; Henry, F.C. Laboratório de Tecnologia de Alimentos

Leia mais

André Fioravante Guerra NMP/g ou ml de Coliformes a 35 e 45 C Valença, 1ª Edição, p. Disponível em:

André Fioravante Guerra NMP/g ou ml de Coliformes a 35 e 45 C Valença, 1ª Edição, p. Disponível em: André Fioravante Guerra NMP/g ou ml de Coliformes a 35 e 45 C Valença, 1ª Edição, 2015. 15p. Disponível em: www.microbiologia-de-alimentos.com çã NÚ MERO MAIS PROVA VEL (NMP/g ou ml) DE COLIFORMES A 35

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA Nome da Disciplina: Microbiologia de Alimentos Curso: Farmácia Termo: 5º Carga Horária Semanal (h/a): 4 Carga Horária Semestral (h/a): 60 Teórica: 2 Prática: 2 Total:

Leia mais

Perfil dos participantes do PEP em Microbiologia da RMRS. & Técnicas/ metodologias do ensaio de BACTÉRIAS HETEROTRÓFICAS

Perfil dos participantes do PEP em Microbiologia da RMRS. & Técnicas/ metodologias do ensaio de BACTÉRIAS HETEROTRÓFICAS Perfil dos participantes do PEP em Microbiologia da RMRS & Técnicas/ metodologias do ensaio de BACTÉRIAS HETEROTRÓFICAS O perfil do grupo foi baseado em questionário organizado pela Rede Metrológica e

Leia mais

PARÂMETROS DE QUALIDADE DE AMÊNDOAS DE CASTANHA DO BRASIL COMERCIALIZADAS EM RIO BRANCO - ACRE

PARÂMETROS DE QUALIDADE DE AMÊNDOAS DE CASTANHA DO BRASIL COMERCIALIZADAS EM RIO BRANCO - ACRE Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Campus Ponta Grossa - Paraná - Brasil ISSN: 98-686/ v. 0, n. 0: p. -9, 0 D.O.I.: 0.89/S98-686000000006 Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial

Leia mais

Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 3 964, de 16 de janeiro de 2001 Publicada no DOERJ de 23 de janeiro de 2001

Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 3 964, de 16 de janeiro de 2001 Publicada no DOERJ de 23 de janeiro de 2001 MF-404.R-4 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DO NÚMERO MAIS PROVÁVEL (NMP) DE COLIFORMES TOTAIS EM AMOSTRAS DE ÁGUA DESTINADA AO CONSUMO HUMANO, PELA TÉCNICA DOS TUBOS MÚLTIPLOS Notas: Aprovada pela Deliberação

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO: Caixa/Estojo para Instrumental Cirúrgico NOME COMERCIAL: Caixa para Instrumental Cirúrgico PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL ATENÇÃO: Ler atentamente todas as instruções

Leia mais

Controle de qualidade na produção leiteira: Análises Microbiológicas

Controle de qualidade na produção leiteira: Análises Microbiológicas na produção leiteira: Análises Microbiológicas Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL lipoa.uel@gmail.com vbeloti@uel.br www.uel.br/laboratorios/inspecao Microbiologia Técnico preparado Cada passo pode significar

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 8 SAÚDE HUMANA E ANIMAL ENSAIOS QUÍMICOS Determinação de Metais Totais e Dissolvidos por espectrometria de emissão atômica em plasma de argônio indutivamente acoplado - ICP OES - geração de

Leia mais

Relação dos consumidores com sacolas plásticas. Junho de 2011

Relação dos consumidores com sacolas plásticas. Junho de 2011 1 Relação dos consumidores com sacolas plásticas Junho de 2011 Objetivo 2 O estudo tem como objetivo conhecer a relação dos consumidores com as sacolas plásticas de uso doméstico, desde o momento da sua

Leia mais

Opinião da população sobre o uso das sacolas plásticas. Agosto de 2012

Opinião da população sobre o uso das sacolas plásticas. Agosto de 2012 1 Opinião da população sobre o uso das sacolas plásticas Agosto de 2012 Índice 2 Objetivo Metodologia Perfil da amostra Hábitos de compra em supermercados Posicionamento sobre a decisão judicial que retira

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ALGUNS ALIMENTOS COMERCIALIZADOS NAS IMEDIAÇÕES DE HOSPITAIS PÚBLICOS EM ARAGUAÍNA, TOCANTINS

DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ALGUNS ALIMENTOS COMERCIALIZADOS NAS IMEDIAÇÕES DE HOSPITAIS PÚBLICOS EM ARAGUAÍNA, TOCANTINS DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ALGUNS ALIMENTOS COMERCIALIZADOS NAS IMEDIAÇÕES DE HOSPITAIS PÚBLICOS EM ARAGUAÍNA, TOCANTINS Tatiane Torcato de Oliveira 1, Lilyan Rosmery Luizaga² 1 Aluno

Leia mais

ANEXO II REGULAMENTO DE BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS ESTÉREIS - BPMPVE

ANEXO II REGULAMENTO DE BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS ESTÉREIS - BPMPVE ANEXO II REGULAMENTO DE BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS ESTÉREIS - BPMPVE 1. Objetivo Este Regulamento Técnico fixa os requisitos mínimos relativos à manipulação de preparações estéreis

Leia mais