MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DE SOJA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DE SOJA"

Transcrição

1 MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DE SOJA Seleção das espécies de plantas daninhas em soja Uniformidade dos tratos culturais sistema de produção simplificado pressão de seleção dos herbicidas Plantas daninhas que dominam o banco de sementes: Euphorbia heterophylla Bidens spp Brachiaria plantaginea 1

2 Plantas daninhas com aumento em importância (tropical e subtropical) Tridax procumbens (erva-de-touro) Nicandra physaloides (joá-de-capote) Senna obtusifolia (Fedegoso) Cenchrus echinatus (capim-carrapicho) Blainvillea rhomboidea (picão-grande) Hyptis spp (cheirosa) Plantio direto Perenes: D. insularis, S. halepense, Sida spp (Controle mecânico muito eficiente) Spermacoce latifolia, Richardia brasilienses, Senecio brasiliensis, Ipomoea hederifolia e Erigeron bonariensis (Controle químico difícil) Plantas resistentes ao glyphosate Digitaria insularis Conyza spp Lolium multiflorum 2

3 26/05/ Etapa Vegetativa Etapa Reprodutiva VE VC V1 V2 V3 V4 V5 V7 Vn R1 R2 R3 R4 R5 R6 R7 R8 Fenologia DAE R1: Início do florescimento R2: Florescimento pleno R3: Início da frutificação R4: Frutificação plena R5: Início da granação R6: Granação plena R7: Maturidade fisiológica R8: Maturidade a campo MELHOR QUE DAE 3

4 PERÍODO CRÍTICO DE PREVENÇÃO DA INTERFERÊNCIA P.T.P.I. A emergência das plantas daninhas no Brasil ocorre normalmente durante o período de 0 a 30 dias (Velini, 1989) P.A.I. P.C.P.I. - Eaton et al. (1976) 42 dias - Durigan et al. (1983) 50 dias - Spadotto et al. (1994) 31 dias - Van Acker et al. (1993) 38 dias (R3) - Martins (1994) 30 dias - Eaton et al. (1976) 14 dias - Durigan et al. (1983) 30 dias - Spadotto et al. (1994) 21 dias - Van Acker et al. (1993) 9 dias (V2) - Martins (1994) 20 dias Estratégias de manejo em soja convencional Dessecação Manejo de herbicidas na cultura Mato-competição Pós-colheita S VE VC V1 V2 V3 V4 V5 V6 V7 V8... R Pré-emergente Intervalo entre dessecação e semeadura Pós-precoce: C - Até 1 folha FL - Até 2 folhas G - Não perfilhada Pós-normal: C - Até 2 a 3 folhas FL - 4 a 6 folhas G - 1 a 3 perfilhos Pós-Tardia: C - Até 5 a 6 folhas FL - > 6 folhas G - > 3 perfilhos Rotação de culturas 4

5 Estratégias de manejo em soja Transgênica Dessecação Manejo de herbicidas na cultura Mato-competição Pós-colheita S VE VC V1 V2 V3 V4 V5 V6 V7 V8... R Pós-precoce: 1ª aplicação Pós-Tardia: 3ª aplicação (?) Intervalo entre dessecação e semeadura Pós-normal: 2ª aplicação Rotação de culturas Dinâmica do banco de sementes de plantas daninhas Herbicida de manejo O que acontece com a dinâmica populacional de plantas daninhas neste período? Formação da palhada Sementes: dormentes e não dormentes Banco de sementes 5

6 Glyphosate Paraquat Paraquat + diuron Sequencial 1 Sequencial 2 26/05/ Boa dessecação 6

7 26/05/ :49 p.m. Falhas de bicos Melhor herbicida é a cultura bem implantada Em cultura mal implantada não há herbicida que proteja a produtividade 14 7

8 Negligência na dessecação resulta em cultura no mato Falhas na dessecação Amendoim-bravo Planta rebrotada por falha na dessecação Manejo de coberturas vegetais/planta daninhas antes da semeadura da soja e interação com herbicidas A boa dessecação permite: Semeadura/germinação/emergência melhores Vantagem competitiva da soja sobre as plantas daninhas Utilização racional de máquinas e mão-de-obra 8

9 Como evitar a emergência e matocompetição precoce das plantas daninhas? Pré-plantio S Mato-competição VE VC V1 V2 V3 V4 V5 V6 V7 V8... R1 Glyphosate isolado Pré-plantio S Matocompetição VE VC V1 V2 V3 V4 V5 V6 V7 V8... R1 Glyphosate + residual Estratégia da mistura de glyphosate com residual: Vantagens Reduz o custo da tecnologia de aplicação Potencialmente aumenta o espectro de controle Vantagem competitiva da soja em relação à pl. daninha Soja transgênica glyphosate em pós-seletivo: Maior flexibilidade no tempo de aplicação Redução do número de aplicações Plantas daninhas em pós-precoce redução de doses 9

10 Dessecação das coberturas vegetais/plantas daninhas Principais herbicidas utilizados na dessecação: Glyphosate Paraquat ou paraquat + diuron 2,4-D Flumioxazin + glyphosate Chlorimuron Carfentrazone (Aurora) SELEÇÃO DE ESPÉCIES DE PLANTAS DANINHAS NO PLANTIO DIRETO Poaia-branca (Richardia brasiliensis) Erva-quente (Spermacocce latifolia) Buva (Conyza bonariensis) Trapoeraba (Commelina benghalensis) Maria-mole (Senecio brasiliensis) Corda-de-viola (Ipomoea triloba) 10

11 GLYPHOSATE + CHLORIMURON Seletividade Residual (pequeno) sobre a sementeira. Plantio pode ocorrer 24 horas após a dessecação. Na mesma chuva desseca e planta. Dianteira competitiva: soja nasce antes das plantas daninhas. GLYPHOSATE + 2,4-D Seletividade 2,4-D acima de 1,5 L pode gerar incompatibilidade. Aumenta o numero de espécies controladas. Complementa o controle do glyphosate sobre FL. Barato Combate de resistência (Buva). 11

12 2,4-D Problemas de antagonismo Efeitos antagônicos podem ocorrer quando o glyphosate é misturado (Vanlieshout et al., 2000): Alachlor linuron, diuron, atrazine, simazine, cyanazine, propazine, propachlor e alachlor + metribuzin dicamba, bromoxynil, 2,4-D Ação Residual O plantio pode ser realizado no dia seguinte Leiteiro, caruru, corda de viola (40 g/ha) Picão, mentrasto e poaia-branca (80 a 100 g/ha) Adicionar: GLYPHOSATE + FLUMIOXAZIN Óleo mineral (0,5%) Adjuvante (0,25%) Dessecação ideal: Aos 30 dias após emergência a soja apresenta 4 trifólios e a planta daninha 2-4 folhas (dianteira competitiva) 12

13 GLYPHOSATE + CARFENTRAZONE Plantio imediato (sem residual). Sem riscos a culturas vizinhas ou rotação. Chuvas após 1 hora não afetam a eficácia. Ervas de difícil controle: Ipomoea grandifolia Commelina benghalensis Glyphosate 3,0 L/ha + aurora 400 CE (50 a 75 ml/ha) + 0,5% de óleo mineral Marochi (2002): interferência do sistema aplique e plante - armazenamento de água no solo - dinâmica das populações de pragas (lagartas) - eficiência das semeadoras - relações alelopáticas - desenvolvimento da cultura de soja 13

14 MANEJO ANTECIPADO Manejo antecipado - herbicida sistêmico (15 a 20 DAP) No plantio nova aplicação de herbicida sistêmico (glyphosate) ou de contato não-seletivo (paraquat ou paraquat + diuron) Resistência (diferentes mecanismos de ação). Maior espectro e melhor controle de plantas daninhas. Emergência da soja livre de plantas daninhas. Menor número e tamanho das plantas daninhas para o manejo em pós-emergência na cultura da soja. HERBICIDAS DE CONTATO Gramocil (Paraquat + Diuron) Classe toxicologica: I Adicionar espalhante Agral 0,1%v/v Chuva: 30 minutos após aplicação Controla FL e FE Dose: Aplicação única: 2 a 3 L/ha Aplicação seqüencial: 1,0 a 1,5 (a segunda 10 dias depois) Gamoxone (Paraquat) Classe toxicologica: I Adicionar espalhanate Agral 0,1%v/v Chuva: 30 minutos após aplicação Controla FL e FE Dose: 1,5 a 2,5 L/ha 14

15 MANEJO DAS PLANTAS DANINHAS EM SOJA Minimizar perdas devidas à interferência Beneficiar as condições de colheita Reduzir o banco de sementes Evitar seleção de biótipos resistentes Menor contaminação ambiental possível MÉTODO CULTURAL Objetivo: Fortalecimento da capacidade competitiva da cultura (rápido estabelecimento desenvolvimento) Prevenção de infestações e disseminação de plantas daninhas Escolha de cultivares adaptadas a região junto com plantio na época, espaçamento e densidade adequadas Alta e rápida cobertura do solo pela soja (FECHAMENTO) 15

16 Programa para controle daninha em soja convencional PPI POS-Emergente Preparo do solo 26/05/ Semeadura V3 V5 31 Programa para controle daninha em soja convencional em sistema direto 26/05/

17 Dessecação Pos-Emergente Semeadura V3 V5 26/05/ Controle Químico: Fatores a considerar para a escolha do herbicida Tipo de sistema de semeadura (Direto ou convencional) Eficácia de controle Tolerância da cultura Cultura a ser utilizada na rotação e culturas adjacentes Limitação de equipamento Tipo e grau de infestação de determinada planta daninha Textura do solo e M.O.S. Umidade do solo Custo Gerenciamento da propriedade (Utilização de diferentes momentos de aplicação) 17

18 Pré-emergentes: Considerações de uso Sistema convencional: solo limpo e destorroado. Os herbicidas dependem de umidade no solo. Apresentar efeito residual no solo até final do período crítico. A dose aplicada depende do tipo de solo (Textura arenosa e baixa M.O.S.). Evitar antecipação de plantio (Chuvas). Conhecimento prévio da infestação de pl. daninhas. Quando o controle é ótimo a cultura não perde rendimento por mato-competição e fitotoxicidade. No sistema de plantio direto a palhada pode prejudicar a eficiência do herbicida. Quando utilizados na operação de manejo junto com o dessecante a área não deve apresentar mais de 20-60% de cobertura verde. DINÂMICA DAS PLANTAS DANINHAS NA PALHA Menor incidência de algumas espécies (Sementes pequenas, necessitam de amplitude térmica e fotoblásticas positivas) Para supressão das plantas daninha é necessário quantidades mínimas de palhada (Milheto = 7825 kg/ha) Bom controle só é obtido com uniformidade de distribuição da palhada na superfície do solo Velocidade de degradação (Milheto = 26 dias) Maior efeito em gramíneas e espécies de ciclo anual 18

19 DINÂMICA DO HERBICIDA NA PALHA Praticamente todo o herbicida é retido A transposição depende: Dose. 20 mm iniciais (primeira chuva). Formulação (Kow, S, surfactante). Tempo de contato do herbicida com a palha. Umidade da palha. Tipo de palha (verde ou seca). Residual. Mobilidade relativa de diversos herbicidas aplicados sobre palhadas (Oliveira Jr. & Tormena, 2002) Móveis: Atrazine; Sulfentrazone; Fomesafen; Imazaquin Mobilidade intermediária: Tebuthiuron; Diuron; Simazine; Clomazone; Metribuzin; Isoxaflutole Pouco móveis: Metribuzin; Metolachlor; Alachlor e acetochlor; Oryzalin; Trifluralina 19

20 Mobilidade de herbicidas na palha (20 mm) Herbicidas Kow S Móveis (até 90%) Atrazine Sulfentrazone Mobilidade intermediária (30 50%) Tebuthiuron Diuron Simazine 3,5 122 Clomazone Metribuzin Isoxaflutole - 6 (300) Pouco móveis ( 5 a 30%) Metolachlor Trifluralina ,3 Spider - Diclosulan Inibidor de ALS (Seletivo) Aplicado na dessecação e pré-emergência (aplicado ao solo ou massa verde) Em pré não ultrapassar o ponto de craking Embalagens hidrosolúveis Dose 42 g/ha S = 124 ppm a ph=7,0 e meia-vida de 33 a 65 dias Corda-de-viola; caruru, picão-preto; desmódio, beldroega; guanxuma; leiteiro; ançarinha; nabiça Carrapichão; nabiça; trapoeraba; mentrasto; apagafogo; erva-de-touro; erva-de-santa luzia Supressão de gramíneas Evitar rotação no outono com milho, girassol e sorgo 20

21 Boral - Sulfentrazone Inibidor de Protox Pré-emergência da soja Dose 0,6 0,8 L/ha Excesso de chuva ou estiagem prolongada afeta o residual Replantio: dessecar a soja; plantar novamente mexendo o mínimo possível; não reaplicar Boral Teor de argila inferior a 30% pode ocorrer fitotoxicidade Alta solubilidade (490 ppm) e baixa pressão de vapor Não sofre perdas por volatilização ou foto-decomposição Boral - Sulfentrazone Meia-vida: 180 dias Milho-safrinha e cereais de inverno (trigo, aveia, cevada) sem restrições Restrições para áreas de arroz irrigado; algodão; sorgo (aguardar 12 a 18 meses) Não fica retido na cobertura morta Caruru, corda-de-viola; desmódio; guanxuma; leiteiro; corda-de-viola; maria-pretinha; trapoeraba; ançarinha beldroega; Carrapicho-de-carneiro; falsa-serralha; mentrasto; Capim-marmelada; capim-colchão; capim pé-de-galinha; tiririca; Capim-braquiária; capim-colonião Erva quente; picão-preto; poaia-branca; capim-carrapicho (áreas de baixa infestação) 21

22 Flumyzin - Flumioxazin Inibidor de Protox Pré-emergência (convencional e plantio direto) Seletivo; baixa volatilidade e não apresenta restrições na rotação Ação dessecante sobre recém germinadas S = 1,79 ppm a 25ºC e meia-vida de 22 dias Desmódio; poaia-branca e erva-quente 120 g/ha Picão-preto e capim-colchão 90 a 120 g/ha Leiteiro e corda-de-viola 50 a 60 g/ha Dual Gold - s-metolachlor Inibidor da parte aérea Pré-emergência (plantio direto e convencional) Dependente de umidade Dose de 1,0 a 3,5 L/ha S = 488 ppm a 20ºC e meia-vida de 15 a 50 dias Capim-colchão; capim pé-de-galinha; capimmarmelada (baixa a média infestação) e culturas de inverno Trapoeraba, poaia-branca, erva-quente; beldroega, caruru, carrapicho-rasteiro, picão-branco 22

23 Sencor - Metribuzin Inibidor do Fotossistema II Pré-emergência em plantio direto e convencional Dependente de umidade Dose de 0,75 a 1,0 L/ha S = 1100 ppm a 20ºC e meia-vida de 30 a 60 dias Caruru; erva-quente; guanxuma; picão-branco; poaia-branca; picão-grande Picão-preto, corda-de-viola; nabiça (infestação média) Não aplicar em solos de textura arenosa Gamit - Clomazone Inibidor da carotenoides Pré-emergência em plantio direto e convencional Dose de 1,6 a 2,0 L/ha S = 1100 ppm a 25ºC e meia-vida de 15 a 40 dias Folhas estreitas Folhas largas: trapoeraba, beldroega, guanxuma Dosagens superiores as indicadas podem ocorrer fitotoxicidade no milho Cuidado com a deriva 23

24 Misturas em pré-emergência Dual (0,8; 1,5 1,8 L/ha) + Spider 35 a 37 g/ha Dual (2,0 L/ha) + Scorpion (0,8 L/ha) Scorpion (0,7 L/ha) + Spider (37 g/ha) Sulfentrazone (0,6 L/ha) + Spider (30 g/ha) 26/05/

25 Pós-emergentes: Características de uso Apresentam residual variável Plantas já emergidas no momento da aplicação Aplicados quando necessário (única ou seqüencial) Possibilidade de escolha do herbicida Plantas daninhas problemáticas para os préemergentes podem ser controladas com pósemergentes Podem ser utilizados em sistemas de plantio direto Cuidado com a tecnologia de aplicação (deriva) Dependendo do momento de aplicação alguns herbicidas podem provocar fitotoxicidade a cultura Aplicações tardias podem propiciar perdas por matocompetição Controle - Folhas Largas Estádios de aplicação de ALS: 2 a 6 folhas Estádios de aplicação de Protox: 2 a 4 folhas Seqüências: 2 folhas e a segunda 10 a 15 dias depois Intervalo de 7 dias entre imazethapyr e herbicidas inibidores da ACCase Robust: Formulação de Flex + Fusilade. As condições ideais para Basagran: intensa radiação Não aplicar inibidores da protox e Basagran em plantas da soja com orvalho Evitar aplicar com plantas estressadas (períodos de estiagem, horas de muito calor, UR menor a 60%) 25

26 Classic - Chlorimuron-etyl Inibidor da ALS Sistêmico, absorvido pelas folhas e raízes Surfactante a 0,05% (Assist) Dose de 60 a 80 g/ha Picão-preto; Carrapicho-rasteiro; corda-de-viola nabiça; picão-grande; caruru, trapoeraba; carrapichode-carneiro; mentrasto, picão-branco; cheirosa Desmódio; feijão miúdo Fedegoso (3 trifólio) e falsa-serralha (80 g/ha) Intervalo sem chuvas de 2 horas Meia-vida de 40 dias Intervalo para rotação com milho e algodão de 60 dias Não pode ser misturado com graminicidas Chart Oxasulfuron Inibidor de ALS Dose de 60 a 80 g/ha Aplicar a partir de 1 trifólio da soja Adicionar extravon ou Agral 0,2%v/v Meia-vida de 10 a 28 dias Picão-preto; caruru; desmódio; cheirosa; nabiça; carrapichão; carrapicho-de-carneiro Intervalo de 10 dias com os graminicidas 26

27 Pivot - Imazethapyr Inibidor da ALS Aplicação em pós-precoce (absorção foliar e radicular) Dose 1,0 L/ha Aplicação no estágio cotiledonar até o 2 trifólio da soja Para maior eficácia pode ser adicionado surfactante não-iônico a 0,25%v/v Leiteiro; corda-de-viola; trapoeraba, guanxuma; carrapichorasteiro; caruru; nabiça; cheirosa; joá-de-capote; picão-preto Capim-marmelada; capim-colchão; capim-carrapicho: até 40 pl/m 2, < 4folhas Meia-vida de até 60 dias Chuva após 2 horas não afetam a eficácia Intervalo de segurança 100 dias (milho e sorgo) Incompatível com graminicidas em mistura de tanque Pacto - Chloransulam-metil Inibidor de ALS Dose 36 a 48 g/ha Alta seletividade: Pode ser aplicado a partir do primeiro trifólio da cultura Saquinhos hidossolúveis Adicionar adjuvante não iônico (Agral 0,2%) Meia-vida de 10 a 28 dias Corda-de-viola; picão-preto; picão-branco; nabiça; trapoeraba; guanxuma; erva de touro; carrapicho-decarneiro; carrapichão; erva-de-santa luzia 27

28 Flex - Fomesafen Inibidor de Protox Seletivo em qualquer estádio 1 hora de intervalo sem chuvas Espalhante adesivo Energic: 0,2% v/v Dose de 0,9 a 1,0L/ha Carrapicho-rasteiro; corda-de-viola; poaia-branca; trapoeraba; picão-branco, nabiça; joá-de-capote; mariapretinha; picão-grande; erva-de-touro; cheirosa e caruru Carrapicho-de-carneiro; leiteiro; erva-quente (médio); picão-preto; serralha; beldroega, mentrasto Restrições: Observar intervalo mínimo de 150 dias para a semeadura de milho ou sorgo (600 mm). Meia-vida de 100 dias Cobra - Lactofen Inibidor de Protox Dose 0,625 a 0,75 L/ha Não adicionar adjuvante Chuvas 1 hora após aplicação Meia-vida de 3 dias Apaga-fogo; trapoeraba; picão- branco; caruru cordade-viola, erva-quente joá-de-capote; poaia-branca nabiça; picão-grande; erva-de-touro; cheirosa Beldroega; picão-preto; carrapicho-de-carneiro; C. rasteiro; guanxuma; leiteiro; falsa-serralha; mentrasto; maria-pretinha 28

29 26/05/ Aurora - Carfentrazone-ethyl Inibidor de Protox Dose de 20 a 25 ml/ha Chuvas após 1 hora não afetam a eficácia do produto Ervas de difícil controle: Ipomoea gradifolia e Commelina benghalensis Guanxuma; joá-de-capote 29

30 Radiant - Flumiclorac-pentil Inibidor da Protox Seletivo (fito baixa) Dose de 0,4 a 0,6 L/ha Adicionar óleo 0,2% v/v Estádio da cultura 2 a 4 trifólios Meia-vida de 1 a 6 dias Trapoeraba, erva-de-touro, guanxuma Cheirosa, anileira, apaga-fogo Basagran - Bentazon Inibidor do fotossistema II 4 horas sem chuvas Dose (1,2 + 1,0); Seqüencial: 0,7/0,5 Picão-preto; joá-de-capote corda-de-viola; guanxuma trapoeraba; C. de carneiro; mostarda; nabiça; carrapichão; mentrasto; picão-branco; losna; beldroega; erva-detouro; mentruz Não é compatível com inseticidas fosforados e fertilizantes com ph inferior a 5,0 Fosforados: Intervalo de 7 dias > eficácia em temperaturas altas < de 16ºC (inverno) utilizar óleo mineral 30

31 Misturas em pós-emergência Cobra (0,3 L/ha) ou Flex (0,6 L/ha) + Basagran (0,8 L/ha) Classic (40 g/ha) + Pivot (0,6 L/ha) Classic (40 g/ha) ou Pivot (0,6 L/ha) + Cobra (0,3 L/ha); Flex (0,7 L/ha) ou Basagran (0,8 L/ha) Pivot (0,5 L/ha) + Classic (30 g/há) + Cobra (0,3 L/ha) ou Basagran (0,8 L/ha) Controle - gramíneas Principalmente com inibidores da ACCase (Sistêmicos) Podem ser aplicados em qualquer estádio da cultura Utilizar 0,5% v/v de óleo mineral Chuvas ocorridas entre 1 a 2 horas após aplicação não afetam a eficácia As plantas devem apresentar alto vigor vegetativo; evitar períodos de estiagem, horas de muito calor e UR<60% Época de aplicação: 15 a 45 DAE Anuais (capim-marmelada, capim-colchão; capimcarrapicho; capim-pé-de-galinha) Perenes (capim-amargoso, capim-massambará e capimcolonião) Voluntárias (arroz, trigo, milheto e milho) 31

32 Controle - gramíneas Menores doses: BRAPL com 1 a 2 perfilhos; DIGSP e ELEIN (4 folhas a 1 perfilho); Coberturas antes do perfilhamento. Maiores doses: BRAPL com 2 a 4 perfilhos; DIGSP e ELEIN 1 a 2 perfilhos; Coberturas após perfilhamento. Capim-colonião, capim-amargoso e capim-massambará (20 a 40 cm) Milho (40 cm); Milheto (15 a 30 cm); Trigo (10 a 30 cm) e Arroz (10 a 15 cm) Controle - gramíneas Select (Clethodim) (0,35 a 0,45 L/ha) Capim-marmelada; Trigo; capim-braquiaria (razoável) Não misturar com bentazon ou acifluorfen Podium S (Clethodim + fenoxaprop-ethyl) (0,8-1,0 L/ha) Capim-marmelada; capim-braquiaria; Trigo; Aveia preta; Aveia Branca Aramo (Tepraloxidym) (0,4-0,5 L/ha) Capim-marmelada; capim-colhcão; capim pé-de-galinha; Aveia Preta; Aveia Branca Targa (Quizalafop) (1,5 a 2,0 L/ha) Trigo e Aveia branca Não é necessário adicionar adjuvante na calda 32

33 Residual Precoce Normal Tardia Controle - gramíneas Verdict R (Haloxyfop) (0,4 a 0,5 L/ha) Não colocar adjuvantes quando misturado a herbicidas que já contem o mesmo Capim-marmelada; capim-carrapicho; Capim pé-degalinha; capim-colchão; capim-braquiaria Fusilade 250 EW (fluazifop) (0,75) Capim pé-de-galinha; Trigo; Azevém e Cevada Misturado com fomesafen Em aplicação seqüencial (0,2% de Agral) Contem adjuvante Fusilade 125 (1,5 L/ha) Shogun (Propaquizafop) (1,25 L/ha) Não misturar com latifolicidas Trigo e Aveia branca ESTRATÉGIAS DE MANEJO EM SOJA TRANSGÊNICA Precoce - 10 a 20 DAP Média - 20 a 30 DAP Tardia - 30 a 40 DAP 1 Pré-plantio U S U U S Mato-competição Pós-colheita S VE VC V1 V2 V3 V4 V5 V6 V7 V8... R 33

34 Programas de controle em áreas de alta infestação de plantas daninhas (SEQUENCIAL) 4,0 L/ha 1,5 L/ha 1,0 L/ha 26/05/ Programa de controle em área com alta infestação de trapoeraba (SEQUENCIAL) 4,0 L/ha 2,0 L/ha 1,5 L/ha 26/05/

35 Programas de controle de daninhas em soja tolerante ao glifosato com uma única aplicação Pré-emergente Glifosato Semeadura V3 V4 26/05/ Tratamento (480 g/l) Seletividade Momento de aplicação e dose Estádio fenólogico Rendimento (Kg/ha) 1. Glyphosate 2,3 V3 3452a 1. Glyphosate 4,6 V3 3608a 1. Glyphosate 2,3 R2 3461a 1. Glyphosate 4,6 R2 3560a 1. Glyphosate 2,3 R5 3448a 1. Glyphosate 4,6 R5 3574a 1. Glyphosate 2,3 V3 + R2 + R5 3561a Fonte:Nidera S.A. (1995, Argentina) 35

36 CONSIDERAÇÕES FINAIS Seleção de espécies de plantas daninhas x práticas agrícolas x uso de herbicidas Dinâmica do banco de sementes e potencial de infestação de plantas daninhas Manejo das coberturas mortas através de herbicidas: monento da dessecação importância da dessecação bem feita Fenologia da cultura x período crítico x estádio ideal de manejo das plantas daninhas Seletividade de herbicidas para a cultura: momento ideal de aplicação tolerância varietal CONSIDERAÇÕES FINAIS Seletividade de herbicidas para a cultura: momento ideal de aplicação tolerância varietal Pré-emergentes x palhada Pós-emergente x especto e controle Resistência de plantas daninhas a herbicidas Estratégias de prevenção e manejo Desenvolvimento de resistência ao glyphoste 36

37 26/05/ /05/

38 26/05/ /05/

Novos conceitos de manejo de plantas daninhas na cultura do feijoeiro

Novos conceitos de manejo de plantas daninhas na cultura do feijoeiro XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Novos conceitos de manejo de plantas daninhas na cultura do feijoeiro Luiz A. Kozlowski Professor - UEPG Feijão Brasil X Paraná 1 ª safra 2 ª safra

Leia mais

Principais ervas daninhas nos estados do Maranhão e Piauí. XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas. 23/08/2016.

Principais ervas daninhas nos estados do Maranhão e Piauí. XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas. 23/08/2016. Principais ervas daninhas nos estados do Maranhão e Piauí XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas 23/08/2016. Curitiba, PR Eng. Agrônomo Márcio Antônio Montechese Montech Consultoria Agronômica

Leia mais

XXX CONGRESSO BRASILEIRO DA CIÊNCIA DAS PLANTAS DANINHAS RESISTÊNCIA ANTES E DEPOIS DA SOJA RR

XXX CONGRESSO BRASILEIRO DA CIÊNCIA DAS PLANTAS DANINHAS RESISTÊNCIA ANTES E DEPOIS DA SOJA RR XXX CONGRESSO BRASILEIRO DA CIÊNCIA DAS PLANTAS DANINHAS RESISTÊNCIA ANTES E DEPOIS DA SOJA RR Fernando Storniolo Adegas Dionísio L. P. Gazziero Embrapa Soja CONTROLE ANOS 1980 s Herbicida Pré (Metribuzin+Trifluralina)

Leia mais

BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS MANEJO DA RESISTÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS. Soluções para um Mundo em Crescimento

BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS MANEJO DA RESISTÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS. Soluções para um Mundo em Crescimento BOAS PRÁTIAS AGRÍOLAS MEJO DA RESISTÊNIA DE PLTAS DINHAS Soluções para um Mundo em rescimento 02 BOAS PRÁTIAS AGRÍOLAS BOAS PRÁTIAS AGRÍOLAS E O MEJO DA RESISTÊNIA As plantas daninhas sempre acompanharam

Leia mais

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra.

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. Requisitos para o cultivo de algodoeiro GlyTol LibertyLink, além de boas práticas de manejo integrado de plantas daninhas. Cap 1: Descrição do Produto

Leia mais

Prof. Dra. Núbia M. Correia Departamento do Fitossanidade FCAV/UNESP-Campus de Jaboticabal

Prof. Dra. Núbia M. Correia Departamento do Fitossanidade FCAV/UNESP-Campus de Jaboticabal Prof. Dra. Núbia M. Correia Departamento do Fitossanidade FCAV/UNESP-Campus de Jaboticabal Introdução Interferência e danos ocasionados Principais plantas daninhas Resistência x tolerância Manejo químico

Leia mais

Desinfestacão é tudo que pode ser feito antes do plantio da cana e que contribui para redução do potencial de infestação após o plantio da cana

Desinfestacão é tudo que pode ser feito antes do plantio da cana e que contribui para redução do potencial de infestação após o plantio da cana Desinfestacão é tudo que pode ser feito antes do plantio da cana e que contribui para redução do potencial de infestação após o plantio da cana Dessecação com residual Desinfestação propriamente dita (herbicida

Leia mais

Weber Geraldo Valério Sócio Diretor MANEJO INTELIGENTE: SINERGIA ENTRE AS FASES DO PROCESSO PRODUTIVO 14º HERBISHOW

Weber Geraldo Valério Sócio Diretor MANEJO INTELIGENTE: SINERGIA ENTRE AS FASES DO PROCESSO PRODUTIVO 14º HERBISHOW Weber Geraldo Valério Sócio Diretor MANEJO INTELIGENTE: SINERGIA ENTRE AS FASES DO PROCESSO PRODUTIVO 14º HERBISHOW Ribeirão Preto SP Maio 2015 O setor Bioenergético: Necessidade de respostas diante de

Leia mais

1566_monsanto_boletim_tecnico_06_14.85x21cm.indd 1

1566_monsanto_boletim_tecnico_06_14.85x21cm.indd 1 1566_monsanto_boletim_tecnico_06_14.85x21cm.indd 1 13/12/12 15:06 SISTEMA ROUNDUP READY PLUS O controle de plantas daninhas é uma prática de elevada importância para a obtenção de altos rendimentos em

Leia mais

Plantas Daninhas na 07 Cultura da Soja

Plantas Daninhas na 07 Cultura da Soja ecnologia e Produção: oja e Milho 0/0 Plantas Daninhas na 07 Cultura da oja Ricardo Barros 7.. Manejo da cobertura do solo Uma das táticas mais eficazes no sistema de Manejo Integrado de Plantas Daninhas

Leia mais

na Cultura de Soja Manejo de Plantas Daninhas 5/24/2011 Interferência das plantas daninhas em soja

na Cultura de Soja Manejo de Plantas Daninhas 5/24/2011 Interferência das plantas daninhas em soja Manejo de Plantas Daninhas na Cultura de Soja Prof. Pedro J. Christoffoleti Interferência das plantas daninhas em soja Competição - perdas de produção de até 80% Redução na qualidade dos grãos Maturação

Leia mais

Herbicidas: Conceitos e Mecanismos de Ação. Profa. Dra. Naiara Guerra

Herbicidas: Conceitos e Mecanismos de Ação. Profa. Dra. Naiara Guerra Herbicidas: Conceitos e Mecanismos de Ação Profa. Dra. Naiara Guerra Ementa Introdução ao uso de herbicidas Classificações - Quanto a seletividade - Quanto a época de aplicação - Quanto a translocação

Leia mais

Caio Formigari Giusti. Desenvolvimento Produto e Mercado Cana de Açúcar

Caio Formigari Giusti. Desenvolvimento Produto e Mercado Cana de Açúcar Caio Formigari Giusti Desenvolvimento Produto e Mercado Cana de Açúcar Estacionamento Centro de Convenções DINAMIC NO CONTROLE DE BRACHIARIA DECUMBENS E CORDAS DE VIOLA DINAMIC CARACTERÍSTICAS GERAIS CARACTERISTICAS

Leia mais

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM SPD. Dionisio Luiz Pisa Gazziero Embrapa Soja

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM SPD. Dionisio Luiz Pisa Gazziero Embrapa Soja MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM SPD Dionisio Luiz Pisa Gazziero Embrapa Soja ( e de informações) É TER VISÃO DE SISTEMA, MANEJO DA ÁREA/DA PROPRIEDADE - VISÃO EMPRESARIAL É UMA DE TRABALHO É gerenciar -

Leia mais

Provence: parceiro ideal no. em todas as épocas. Augusto Monteiro. Agr. Desenv. Mercado - Bayer

Provence: parceiro ideal no. em todas as épocas. Augusto Monteiro. Agr. Desenv. Mercado - Bayer Provence: parceiro ideal no manejo das plantas daninhas em todas as épocas Augusto Monteiro Agr. Desenv. Mercado - Bayer Manejo Integrado das Plantas Daninhas... o manejo integrado de plantas daninhas

Leia mais

Sistemas de Produção com Milho Tolerante a Glifosato RAMIRO OVEJERO

Sistemas de Produção com Milho Tolerante a Glifosato RAMIRO OVEJERO Sistemas de Produção com Milho Tolerante a Glifosato RAMIRO OVEJERO PERÍODO CRÍTICO DE PREVENÇÃO DA INTERFERÊNCIA NA CULTURA DO MILHO P.T.P.I. Manejo préplantio Mato-competição Pós-colheita S VE V1 V2

Leia mais

SELEÇÃO DE PLANTAS DANINHAS TOLERANTES E RESISTENTES AO GLYPHOSATE. Leandro Vargas¹, Dionisio Gazziero 2

SELEÇÃO DE PLANTAS DANINHAS TOLERANTES E RESISTENTES AO GLYPHOSATE. Leandro Vargas¹, Dionisio Gazziero 2 SELEÇÃO DE PLANTAS DANINHAS TOLERANTES E RESISTENTES AO GLYPHOSATE Leandro Vargas¹, Dionisio Gazziero 2 ¹Eng.-Agr o., D. S., Pesquisador da Embrapa Trigo. Caixa Postal 451. Passo Fundo, RS. vargas@cnpt.embrapa.br

Leia mais

POSICIONAMENTO DO PORTFÓLIO PARA A CULTURA DA CANA.

POSICIONAMENTO DO PORTFÓLIO PARA A CULTURA DA CANA. POSICIONAMENTO DO PORTFÓLIO PARA A CULTURA DA CANA. Dessecante icida Inseticida DOSE: 5,0 6,0L/ha (dessecação) ALVOS: GRAMÍNEAS E FOLHAS LARGAS CARACTERÍSTICAS E BENEFÍCIOS: Dessecação/eliminação de soqueiras

Leia mais

Soluções BASF para o Manejo de Plantas Daninhas em Cana-de-Açúcar. Daniel Medeiros Des. Tec. de Mercado BASF daniel.medeiros@basf.

Soluções BASF para o Manejo de Plantas Daninhas em Cana-de-Açúcar. Daniel Medeiros Des. Tec. de Mercado BASF daniel.medeiros@basf. Soluções BASF para o Manejo de Plantas Daninhas em Cana-de-Açúcar Daniel Medeiros Des. Tec. de Mercado BASF daniel.medeiros@basf.com 1 Setor passando por transformações Plantio de cana; Colheita de cana;

Leia mais

COMPORTAMENTO OU POSICIONAMENTO DE HERBICIDAS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR MARCELO NICOLAI

COMPORTAMENTO OU POSICIONAMENTO DE HERBICIDAS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR MARCELO NICOLAI III SIMPÓSIO: MANEJO DE PLANTAS DANINAS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR COMPORTAMENTO OU POSICIONAMENTO DE ERBICIDAS NA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR MARCELO NICOLAI AGROCON ASSESSORIA AGRONÔMICA LTDA Gerente

Leia mais

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS APRESENTANDO PERDA DE SENSIBILIDADE AO GLYPHOSATE NA CULTURA DO MILHO RR

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS APRESENTANDO PERDA DE SENSIBILIDADE AO GLYPHOSATE NA CULTURA DO MILHO RR MANEJO DE PLANTAS DANINHAS APRESENTANDO PERDA DE SENSIBILIDADE AO GLYPHOSATE NA CULTURA DO MILHO RR MORAIS, H. A. (Test Agro, Rio Verde/GO henrique.morais@terra.com.br), MACHADO, F. G. (UniRV Universidade

Leia mais

Plantas Daninhas em Sistemas de Produção de Soja

Plantas Daninhas em Sistemas de Produção de Soja 05 Plantas Daninhas em Sistemas de Produção de Soja 1 Germani Concenço 2 José Fernando Jurca Grigolli Interferência de plantas daninhas nos cultivos agrícolas A história da ciência das plantas daninhas

Leia mais

Manejo das plantas daninhas Cana-de-açucar. Herbishow Maio 2014 R.sanomya

Manejo das plantas daninhas Cana-de-açucar. Herbishow Maio 2014 R.sanomya Manejo das plantas daninhas Cana-de-açucar Herbishow Maio 2014 R.sanomya Manejo plantas daninhas Conhecimentos técnicos Tecnologias agronômicas > Controle das PD < Fitoxicidade à cultura < Interferência

Leia mais

Tecnologia de Dessecação de Plantas Daninhas no Sistema Plantio Direto

Tecnologia de Dessecação de Plantas Daninhas no Sistema Plantio Direto ISSN 1679-0464 Tecnologia de Dessecação de Plantas Daninhas no Sistema Plantio Direto 10 Introdução No Plantio Convencional (PC), as plantas daninhas são controladas mecanicamente, antes do plantio, por

Leia mais

Autores: considerado como não seletivo, atuando apenas em pósemergência

Autores: considerado como não seletivo, atuando apenas em pósemergência UEM - Universidad e Estadual de Maringá DAG - Departamento de Agronomia PGA - Programa de Pós-graduação em Agronomia ISSN 2 238-2 879 Vol. 02 Número - 001 Jul ho 2013 INFORME TÉCNICO PGA-UEM Programa de

Leia mais

Digitaria insularis, vulgarmente

Digitaria insularis, vulgarmente 04 Agosto 2016 Soja www.revistacultivar.com.br Resistência amarga Capaz de interferir fortemente na produção de soja, o capim-amargoso Digitaria insularis tem poder de fogo para reduzir a produtividade

Leia mais

Controle de Plantas Daninhas. Manejo das Plantas Daninhas Aula 13 e 14: 29 e 30/04/2014

Controle de Plantas Daninhas. Manejo das Plantas Daninhas Aula 13 e 14: 29 e 30/04/2014 Controle de Plantas Daninhas Manejo das Plantas Daninhas Aula 13 e 14: 29 e 30/04/2014 6.5.3 Mecanismo de Ação dos Herbicidas c) Inibidores da PROTOX (ou PPO) Inibem a ação da enzima protoporfirinogênio

Leia mais

Controle de Plantas Daninhas. Manejo das Plantas Daninhas Aula 19 e 20: 21 e 27/05/2014

Controle de Plantas Daninhas. Manejo das Plantas Daninhas Aula 19 e 20: 21 e 27/05/2014 Controle de Plantas Daninhas Manejo das Plantas Daninhas Aula 19 e 20: 21 e 27/05/2014 h) Inibidores da EPSPS Plantas tratadas com esses herbicidas param de crescer logo após a sua aplicação. Há redução

Leia mais

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE A IRGA 424 apresenta como diferencial o alto potencial produtivo, responde muito bem ao manejo e às altas adubações. Origem: cruzamento IRGA 370-42-1-1F-B5/BR IRGA 410//IRGA

Leia mais

II Simpósio Milho e Soja Coplacana

II Simpósio Milho e Soja Coplacana Tecnologia e produção de milho II Simpósio Milho e Soja Coplacana Piracicaba SP Sérgio Antonio Alexandrino Coord. Técnico Sistemas Agronômicos Monsanto do Brasil Evolução Seleção Melhoramento genético

Leia mais

MANEJO DE CORDA-DE-VIOLA EM CANA-DE-AÇÚCAR

MANEJO DE CORDA-DE-VIOLA EM CANA-DE-AÇÚCAR MANEJO DE CORDA-DE-VIOLA EM CANA-DE-AÇÚCAR AZANIA, C.A.M.; AZANIA, A.A.P.M.; ROLIM, J.C.; SCHIAVETTO, A.; R.; PIZZO, I. V. O manejo das plantas daninhas, de uma forma geral, é banalizado em muitas propriedades

Leia mais

ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS

ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS ADOÇÃO DE MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS O QUE SÃO AS MELHORES PRÁTICAS AGRONÔMICAS? POSICIONAMENTO TÉCNICO COERENTE E CONSISTENTE Dessecação antecipada e uso de inseticidas para manejo de pragas residentes

Leia mais

4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira. Fazenda Quizenga

4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira. Fazenda Quizenga 4º DIA DE CAMPO SODEPAC Tratos Culturais para Qualidade da Sementeira Fazenda Quizenga Sistematização da área Conservam a cobertura vegetal do solo É essencial para correcções de áreas íngremes Conservar

Leia mais

Manejo de plantas daninhas e produtividade da cana. Ricardo Victoria Filho e Pedro Jacob Christoffoleti * Controle

Manejo de plantas daninhas e produtividade da cana. Ricardo Victoria Filho e Pedro Jacob Christoffoleti * Controle PRODUÇÃO VEGETAL Controle SÍLVIO FERREIRA/UNICA Vista de canavial; Jaboticabal, SP; 2001 Manejo de plantas daninhas e produtividade da cana Ricardo Victoria Filho e Pedro Jacob Christoffoleti * A ocorrência

Leia mais

Resultados de Pesquisa

Resultados de Pesquisa 5⁰ SEMINÁRIO NIONL DE TOMTE DE MES MNEJO QUÍMIO DE PLNTS DNINHS N ULTUR DO TOMTEIRO Resultados de Pesquisa Dr. Sidnei Douglas avalieri Pesquisador em iência das Plantas Daninhas EMRP - Sinop/MT Piracicaba,

Leia mais

Manejo Integrado de Plantas Daninhas

Manejo Integrado de Plantas Daninhas Gestão sobre Manejo de Plantas Daninhas Weber G. Valério Sócio Diretor Encontro Técnico sobre Manejo e Controle de Plantas Daninhas em Cana-de-açúcar Bebedouro- SP Junho/ 2014 Manejo Integrado de Plantas

Leia mais

I Simpósio Nacional sobre Plantas Daninhas em Sistemas de Produção Tropical / IV Simpósio Internacional Amazônico sobre Plantas Daninhas

I Simpósio Nacional sobre Plantas Daninhas em Sistemas de Produção Tropical / IV Simpósio Internacional Amazônico sobre Plantas Daninhas I Simpósio Nacional sobre Plantas Daninhas em Sistemas de Produção Tropical / IV Simpósio Internacional Amazônico sobre Plantas Daninhas Manejo dos restos culturais do algodoeiro e controle de plantas

Leia mais

MANEJO DE RESISTÊNCIA EM SISTEMAS DE CULTIVO SOJA/MILHO

MANEJO DE RESISTÊNCIA EM SISTEMAS DE CULTIVO SOJA/MILHO MANEJO DE RESISTÊNCIA EM SISTEMAS DE CULTIVO SOJA/MILHO Leandro Vargas 1, Dionísio Luiz Pisa Gazziero 2, Dirceu Agostinetto 3, Décio Karam 4 e Fernando Stornilo Adegas 2 1 Pesquisador da Embrapa Trigo;

Leia mais

Sistema Roundup Ready Plus

Sistema Roundup Ready Plus Sistema Roundup Ready Plus brasileiro a confiança necessária de uma recomendação que sustente os benefícios provenientes destas tecnologias inovadoras. O controle de plantas daninhas é uma prática de elevada

Leia mais

PLANEJAMENTO E MANEJO DE LAVOURAS TRANSGÊNICAS DE ALGODÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E MANEJO DE LAVOURAS TRANSGÊNICAS DE ALGODÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E MANEJO DE LAVOURAS TRANSGÊNICAS DE ALGODÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO Wanderley Katsumi Oishi Consultor Agrícola Quality Cotton Cons. Agronômica Ltda. Cenário do Manejo das Variedades Transgênicas

Leia mais

9/6/2011. Conceito Principal: Manejo de banco de sementes em áreas de reforma/expansão da cana-de-açúcar.

9/6/2011. Conceito Principal: Manejo de banco de sementes em áreas de reforma/expansão da cana-de-açúcar. Manejo de banco de sementes em áreas de reforma/expansão da cana-de-açúcar. Prof. Dr. Pedro Jacob Christoffoleti ESALQ - USP Conceito Principal: Destruição da soqueira Reduzir o potencial de infestação

Leia mais

CONTROLE DE CAPIM-AMARGOSO COM DIFERENTES MISTURAS

CONTROLE DE CAPIM-AMARGOSO COM DIFERENTES MISTURAS CONTROLE DE CAPIM-AMARGOSO COM DIFERENTES MISTURAS OSIPE, J.B. (UENP Bandeirantes/PR jethrosipe@gmail.com); ADEGAS, F.S. (EMBRAPA SOJA - Londrina/PR); OSIPE, R. (UENP Bandeirantes/PR); ALVES, A.J. (UENP

Leia mais

Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná

Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná Capim-marmelada e leiteiro são exemplos de grandes problemas que aconteceram nas lavouras de soja no início dos anos 80. Nesta mesma década, foram

Leia mais

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA PRODUÇÃO DE TOMATE INDUSTRIAL

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA PRODUÇÃO DE TOMATE INDUSTRIAL MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA PRODUÇÃO DE TOMATE INDUSTRIAL Dr. Sidnei Douglas Cavalieri Pesquisador em Manejo Integrado de Plantas Daninhas Embrapa Hortaliças Goiânia, 30 de novembro de 2012 DEFINIÇÃO

Leia mais

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA 1. INTRODUÇÃO ÁREA 12.000.000 ha (1995) 21.100.000 ha (2008) 27.700.000 ha (2013) ÁREA DE PLANTIO - tradicionais RS, PR, SC, SP - cerrado MS, MG, GO, BA, TO

Leia mais

Resistência de Capim-Amargoso aos herbicidas haloxyfopmethyl e fenoxaprop-p-ehtyl em biótipos da região centrooeste.

Resistência de Capim-Amargoso aos herbicidas haloxyfopmethyl e fenoxaprop-p-ehtyl em biótipos da região centrooeste. Resistência de Capim-Amargoso aos herbicidas haloxyfopmethyl e fenoxaprop-p-ehtyl em biótipos da região centrooeste. Marcel Sereguin Cabral de Melo, Thiago de Oliveira, Márcio Luiz Adoryan. August 23 2016/

Leia mais

O que é PLANTA DANINHA

O que é PLANTA DANINHA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM CANA-DE-AÇÚCAR Eng. Agr. Dr. Caio Vitagliano Santi Rossi Coordenador de Pesquisas Agronômicas O que é PLANTA DANINHA Planta que ocorre em local onde não é desejada, interferindo

Leia mais

Indicações Registradas

Indicações Registradas Marca Comercial Titular do Registro Nº Registro MAPA Topik 240 EC SYNGENTA PROTEÇÃO DE CULTIVOS LTDA. - 1506.744.463/0001-90 Classe Herbicida Ingrediente Ativo (I.A.) Clodinafope-Propargil Nome Químico

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE PRATICABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA

LAUDO TÉCNICO DE PRATICABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA 1 LAUDO TÉCNICO DE PRATICABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA 1 TÍTULO Avaliação da eficiência e seletividade de herbicida COBRA aplicado isolado ou em mistura com CLASSIC na cultura da soja. 2 OBJETIVOS

Leia mais

EFEITO RESIDUAL DOS HERBICIDAS APLICADOS NA CULTURA DA SOJA NO MILHO SAFRINHA EM SUCESSÃO. Décio Karam C )

EFEITO RESIDUAL DOS HERBICIDAS APLICADOS NA CULTURA DA SOJA NO MILHO SAFRINHA EM SUCESSÃO. Décio Karam C ) EFEITO RESIDUAL DOS HERBICIDAS APLICADOS NA CULTURA DA SOJA NO MILHO SAFRINHA EM SUCESSÃO Décio Karam C ) Um dos problemas na agricultura moderna é o resíduo de herbicidas na sucessão de culturas, principalmente

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA O CONTROLE DO MATO NA CULTURA DA MELANCIA

ESTRATÉGIAS PARA O CONTROLE DO MATO NA CULTURA DA MELANCIA ESTRATÉGIAS PARA O CONTROLE DO MATO NA CULTURA DA MELANCIA A melancia (Citrullus lanatus Schard), pertencente à família cucurbitácea e originária da África tropical, ocupa lugar de destaque entre as principais

Leia mais

RETENÇÃO PELA PALHADA, DE HERBICIDAS APLICADOS EM PRE- EMERGÊNCIA NACULTURA DA SOJA, EM PLANTIO DIRETO

RETENÇÃO PELA PALHADA, DE HERBICIDAS APLICADOS EM PRE- EMERGÊNCIA NACULTURA DA SOJA, EM PLANTIO DIRETO RETENÇÃO PELA PALHADA, DE HERBICIDAS APLICADOS EM PRE- EMERGÊNCIA NACULTURA DA SOJA, EM PLANTIO DIRETO Benedito N. Rodrigues 1, João de Lima 1 e Inês F. U. Yada 1 1 1 AI»AR. Caixa Postal 481. Londrina,

Leia mais

Associações entre glifosato e herbicidas pós-emergentes para o controle de trapoeraba em soja RR 1

Associações entre glifosato e herbicidas pós-emergentes para o controle de trapoeraba em soja RR 1 Revista Brasileira de Herbicidas, v.12, n.1, p.23-30, jan./abr. 2013 (ISSN 2236-1065) DOI: http://dx.doi.org/10.7824/rbh.v12i1.173 www.rbherbicidas.com.br Associações entre glifosato e herbicidas pós-emergentes

Leia mais

O HERBICIDA PARAQUATE

O HERBICIDA PARAQUATE O HERBICIDA PARAQUATE Girabis Envangelista Ramos Brasília/DF, 04 de novembro de 2015 HISTÓRICO E USO Primeiro registro:1962 na Inglaterra (ICI) Nos Estados Unidos da América: 1964 No Brasil: década de

Leia mais

MARCELO NICOLAI QUANDO E COMO UTILIZAR MANEJOS EM PPI, PRÉ E PÓS-EMEGENCIA NA CANA-DE-AÇÙCAR ENFOQUE EM MPB

MARCELO NICOLAI QUANDO E COMO UTILIZAR MANEJOS EM PPI, PRÉ E PÓS-EMEGENCIA NA CANA-DE-AÇÙCAR ENFOQUE EM MPB QUANDO E COMO UTILIZAR MANEJOS EM PPI, PRÉ E PÓS-EMEGENCIA NA CANA-DE-AÇÙCAR ENFOQUE EM MPB MARCELO NICOLAI AGROCON ASSESSORIA AGRONÔMICA LTDA Diretor Técnico ENG. AGRONOMO, MESTRE E DOUTOR ESALQ/USP PÓS-DOUTOR

Leia mais

Controle de Plantas Daninhas. Manejo das Plantas Daninhas Aula 21 e 22: 03 e 04/06/2014

Controle de Plantas Daninhas. Manejo das Plantas Daninhas Aula 21 e 22: 03 e 04/06/2014 Controle de Plantas Daninhas Manejo das Plantas Daninhas Aula 21 e 22: 03 e 04/06/2014 6.5.4 Tipos de formulações de herbicidas As formulações se apresentam basicamente nas formas sólida e líquida. FORMULAÇÕES

Leia mais

USO DE HERBICIDAS NA LAVOURA CAFEEIRA. Fagundes e Matiello

USO DE HERBICIDAS NA LAVOURA CAFEEIRA. Fagundes e Matiello USO DE HERBICIDAS NA LAVOURA CAFEEIRA Fagundes e Matiello Sistemas de controle do mato Até a década de 1970 Controle Manual 4 a 5 capinas/ano 35-50 h/d por ha Renovação de cafezais(zonas mais planas) Controles

Leia mais

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014 Eng. Agr. Ederson A. Civardi Bonito MS 2014 Sumário 1 - Introdução 2 - Importância Soja 3 - Importância Mofo Branco 4 - Ciclo da doença 5 - Métodos de controle 6 - Alguns resultados de experimentos 7 -

Leia mais

Scientia Agraria ISSN: Universidade Federal do Paraná Brasil

Scientia Agraria ISSN: Universidade Federal do Paraná Brasil Scientia Agraria ISSN: 1519-1125 sciagr@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil Rehder BENEDETTI, José Guilherme; PEREIRA, Larissa; Costa Aguiar ALVES, Pedro Luís da; YAMAUTI, Micheli Satomi PERÍODO

Leia mais

HERBICIDAS. Prof. Dr. Leonardo Bianco de Carvalho. DEAGRO CAV/UDESC

HERBICIDAS. Prof. Dr. Leonardo Bianco de Carvalho. DEAGRO CAV/UDESC BMPDA54 Biologia e Manejo de Plantas Daninhas HERBICIDAS Prof. Dr. Leonardo Bianco de Carvalho DEAGRO CAV/UDESC leonardo.carvalho@udesc.br http://plantasdaninhas.cav.udesc.br Dinâmica de Herbicidas Dinâmica

Leia mais

com spider na soja a safrinha é segura

com spider na soja a safrinha é segura com spider na soja a safrinha é segura Quem comprova é a Dow AgroSciences O poder dos 4S COM SPIDER NA SOJA A SAFRINHA É SEGURA O Time da Dow AgroSciences desenvolveu perguntas e respostas sobre Spider

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA CORNELIO PRIMIERI Eng. Agrônomo/Professor/Pesquisador FAG Faculdade Assis Gurgacz

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE 2,4-D Fonte: Força-tarefa - Dow AgroSciences/Basf/Milenia

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE 2,4-D Fonte: Força-tarefa - Dow AgroSciences/Basf/Milenia PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE 2,4-D Fonte: Força-tarefa - Dow AgroSciences/Basf/Milenia O 2,4-D nome simplificado do ácido diclorofenoxiacético, é um dos herbicidas mais comuns e antigos do mundo. Foi desenvolvido

Leia mais

Circular. Técnica. Controle de Plantas Daninhas em Pomares. Autores ISSN

Circular. Técnica. Controle de Plantas Daninhas em Pomares. Autores ISSN ISSN 1808-6810 47 Circular Técnica Bento Gonçalves, RS Julho, 2003 Autores Leandro Vargas, Eng. Agrôn., Estação Experimental de Vacaria - Embrapa Uva e Vinho, Caixa Postal 1513 CEP 95200-000 Vacaria, RS

Leia mais

CONTROLE QUÍMICO DE PLANTAS DANINHAS NOS CERRADOS

CONTROLE QUÍMICO DE PLANTAS DANINHAS NOS CERRADOS Documentos, 3 Dourados-MS, 1999 ISSN 1516-845X XII REUNIÃO DE PESQUISADORES EM CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS NOS CERRADOS 23 e 24 de junho de 1999 Corumbá, MS CONTROLE QUÍMICO DE PLANTAS DANINHAS NOS CERRADOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Rurais. Núcleo de Pesquisas em Práticas Culturais e Ecofisiologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Rurais. Núcleo de Pesquisas em Práticas Culturais e Ecofisiologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Rurais Núcleo de Pesquisas em Práticas Culturais e Ecofisiologia População de plantas para maximização de rendimentos em soja Lucio Zabot Santa Maria,

Leia mais

SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO:

SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO: SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO: - Na seleção do material devem-se observar: 1 - Aspectos agronômicos; 2 - Qualidade da maniva de mandioca; 3 - Sanidade da maniva de mandioca; 3 - Armazenamento de manivas.

Leia mais

Métodos de Controle de Plantas Daninhas

Métodos de Controle de Plantas Daninhas UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC Centro de Ciências Agroveterinárias CAV, Lages SC Departamento de Agronomia BMPDA54 Biologia e Manejo de Plantas Daninhas Métodos de Controle de Plantas Daninhas

Leia mais

Herbicidas: Conceitos e Mecanismos de Ação. Profa. Dra. Naiara Guerra

Herbicidas: Conceitos e Mecanismos de Ação. Profa. Dra. Naiara Guerra Herbicidas: Conceitos e Mecanismos de Ação Profa. Dra. Naiara Guerra Vargas et al., 1999 Características Gerais Glyphosate é o herbicida mais utilizado no mundo - 1970 Mecanismo de ação: inibe a atuação

Leia mais

MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS E SUA RELAÇÃO COM A RESISTÊNCIA DE

MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS E SUA RELAÇÃO COM A RESISTÊNCIA DE MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS E SUA RELAÇÃO COM A RESISTÊNCIA DE 1. Introdução PLANTAS DANINHAS A HERBICIDAS JOSÉ CLAUDIONIR CARVALHO 1 RAMIRO F. LOPEZ OVEJERO 2 PEDRO J. CHRISTOFFOLETI 3 O uso de herbicidas

Leia mais

Uso de LUMICA no manejo seletivo de plantas daninhas no período úmido

Uso de LUMICA no manejo seletivo de plantas daninhas no período úmido Uso de LUMICA no manejo seletivo de plantas daninhas no período úmido MARCELO NICOLAI AGROCON ASSESSORIA AGRONÔMICA LTDA Diretor Técnico ENG. AGRONOMO, MESTRE E DOUTOR ESALQ/USP PÓS-DOUTOR ESALQ/USP/LPV

Leia mais

CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DO ALGODOEIRO COM APLICAÇÃO DE HERBICIDAS EM PRÉ E PÓS-EMERGÊNCIA, NA REGIÃO DE CERRADO

CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DO ALGODOEIRO COM APLICAÇÃO DE HERBICIDAS EM PRÉ E PÓS-EMERGÊNCIA, NA REGIÃO DE CERRADO CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DO ALGODOEIRO COM APLICAÇÃO DE HERBICIDAS EM PRÉ E PÓS-EMERGÊNCIA, NA REGIÃO DE CERRADO Jairo Melo Castro (UEMS), Germison Vital Tomquelski (Fundação Chapadão /

Leia mais

Espaçamento alternado e controle de crescimento do feijoeiro com aplicação do fungicida propiconazol

Espaçamento alternado e controle de crescimento do feijoeiro com aplicação do fungicida propiconazol Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Espaçamento alternado e controle de crescimento do feijoeiro com aplicação do fungicida propiconazol Júnio Oliveira Ferreira (1),

Leia mais

Efeitos do consórcio de milho com B. ruziziensis no controle de plantas daninhas

Efeitos do consórcio de milho com B. ruziziensis no controle de plantas daninhas Efeitos do consórcio de milho com B. ruziziensis no controle de plantas daninhas Dr. Guilherme Braga Pereira Braz Universidade Estadual de Maringá (UEM) 24/08/2016 Grupo de trabalho NAPD/UEM Pesquisadores

Leia mais

Comportamento de herbicidas no solo. Profa. Dra. Naiara Guerra

Comportamento de herbicidas no solo. Profa. Dra. Naiara Guerra Comportamento de herbicidas no solo Profa. Dra. Naiara Guerra Lages SC 27 de maio de 2015 Temas à serem abordados Fatores que afetam o comportamento dos herbicidas Processos que podem ocorrer com o herbicida

Leia mais

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Agenda 1. Histórico Soja marca Pioneer 2. Pesquisa Soja Brasil 3. Qualidade das Sementes DuPont Pioneer 4. Cultivares

Leia mais

1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há

1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há Milton Parron Padovan Rogério Ferreira da Silva Adubação Verde - Opções para Outono/Inverno, Primavera/Verão e Espécies Perenes 1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há milhares de

Leia mais

EM FLORESTAS PLANTADAS

EM FLORESTAS PLANTADAS Manutenção de Florestas e Manejo Integrado de Pragas MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM FLORESTAS PLANTADAS Rudolf Woch 1 1. INTRODUÇÃO Segundo a Abraf, em seu anuário 2013, com dados referentes a 2012, na

Leia mais

MAKHTESHIM AGAN. Faturamento de US$ 2,2 Bilhões. Produtos:

MAKHTESHIM AGAN. Faturamento de US$ 2,2 Bilhões. Produtos: Ivan Jarussi MAKHTESHIM AGAN Faturamento de US$ 2,2 Bilhões Exporta para mais de 100 países Produtos: Defensívos: Herbicidas, Inseticidas, Fungicidas e Matérias Primas Outros: Antioxidantes, Vitaminas

Leia mais

Planejamento e Manejo de Lavouras Transgênicas de Algodão nos Sistemas de Produção

Planejamento e Manejo de Lavouras Transgênicas de Algodão nos Sistemas de Produção Planejamento e Manejo de Lavouras Transgênicas de Algodão nos Sistemas de Produção Wanderley Katsumi Oishi Consultor Agrícola Quality Cotton Cons. Agronômica Ltda. Situação Atual da Destruição Química

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

Seletividade de herbicidas para a cana de açúcar

Seletividade de herbicidas para a cana de açúcar Seletividade de herbicidas para a cana de açúcar Ricardo C. Werlang D.S. Fitotecnia Gerente Técnico Cana Ribeirão Preto, 28 de Maio de 2014 Seletividade Herbicidas Tolerância diferenciada da Cultura

Leia mais

24/05/2011. Adjuvante para herbicidas. Classificação quanto a função dos adjuvantes: Adjuvantes para aplicação de herbicidas

24/05/2011. Adjuvante para herbicidas. Classificação quanto a função dos adjuvantes: Adjuvantes para aplicação de herbicidas Adjuvante para herbicidas Adjuvantes para aplicação de herbicidas Pedro Jacob Christoffoleti Prof. Dr. - ESALQ USP pjchrist@esalq.usp.br Dep. Produção Vegetal - Área de Biologia e Manejo de Plantas Daninhas

Leia mais

TRATOS CULTURAIS. Técnicas necessárias para manter o solo como meio adequado a cultura e a planta em boas condições

TRATOS CULTURAIS. Técnicas necessárias para manter o solo como meio adequado a cultura e a planta em boas condições UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPT. FITOTECNIA E FITOSSANITARISMO DISCIPLINA AGRICULTURA GERAL (AF001) PROFS. OSWALDO TERUYO IDO E RICARDO AUGUSTO DE OLIVEIRA MONITORA ANA SELENA

Leia mais

INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO

INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO LEANDRO CARLOS FERREIRA 1,3 ; ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,3 RESUMO: O sistema de cultivo

Leia mais

Sistemas de manejo de plantas daninhas na pré-semeadura da soja 1. Weeds management systems in soybean pre-planting

Sistemas de manejo de plantas daninhas na pré-semeadura da soja 1. Weeds management systems in soybean pre-planting Revista Brasileira de Herbicidas, v.10, n.2, p.64-73, mai./ago. 2011 (ISSN 2236-1065) www.rbherbicidas.com.br Sistemas de manejo de plantas daninhas na pré-semeadura da soja 1 Weeds management systems

Leia mais

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM FRUTICULTURA SOB SISTEMA DE PRODUÇÃO CONVENCIONAL, INTEGRADA E ORGÂNICA.

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM FRUTICULTURA SOB SISTEMA DE PRODUÇÃO CONVENCIONAL, INTEGRADA E ORGÂNICA. MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM FRUTICULTURA SOB SISTEMA DE PRODUÇÃO CONVENCIONAL, INTEGRADA E ORGÂNICA. Leandro Vargas Manejo e controle de plantas daninhas em pomares EMBRAPA CNPUV Odoni Loris P. de Oliveira

Leia mais

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS COM COBERTURA DE SOLO

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS COM COBERTURA DE SOLO MANEJO DE PLANTAS DANINHAS COM COBERTURA DE SOLO Marciano Balbinot 1, Fabiana Raquel Mühl 2, Neuri Antônio Feldmann 3, Anderson Clayton Rhoden 4 Palavras-Chaves: Palhada. Fotoblásticas. Efeito alelopático.

Leia mais

Colheita e armazenamento

Colheita e armazenamento 1 de 5 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Arroz Irrigado Nome Cultura do arroz irrigado Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Informações resumidas Resenha sobre a cultura

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais

Herbicida 1. CULTURAS PLANTAS DANINHAS ESTÁDIO DOSE (L/ha)

Herbicida 1. CULTURAS PLANTAS DANINHAS ESTÁDIO DOSE (L/ha) COMPOSIÇÃO: PROPAQUIZAFOPE 100 g/l CLASSE: Herbicida GRUPO QUÍMICO: Ácido Ariloxifenoxipropiônico TIPO DE FORMULAÇÃO: Concentrado Emulsionável CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA III - MEDIANAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES

Leia mais

Influênciada camadade palha no manejode plantasdaninhas emcanaviais. Marcos Kuva Herbae C. P. AgrícolasLtda

Influênciada camadade palha no manejode plantasdaninhas emcanaviais. Marcos Kuva Herbae C. P. AgrícolasLtda Influênciada camadade palha no manejode plantasdaninhas emcanaviais Marcos Kuva Herbae C. P. AgrícolasLtda Sedeadministrativa Estaçãoexperimental credenciadano MAPA Laboratóriode manipulaçãode agrotóxicos

Leia mais

PROOF. Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº: 02999

PROOF. Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº: 02999 PROOF Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº: 02999 COMPOSIÇÃO: Ingrediente ativo: 6 chloro N2 ethyl N4 isopropyl 1,3,5 triazine 2,4 diamine (ATRAZINA)... 500g/L

Leia mais

6 Práticas Culturais

6 Práticas Culturais CULTURA DO ARROZ 6 Práticas Culturais A produção de arroz no Brasil é feita em dois grandes sistemas: - Terras altas - Várzeas Incluindo diversas modalidades de cultivo. Cultivo irrigado com irrigação

Leia mais

LEONARDO BIANCO DE CARVALHO HERBICIDAS

LEONARDO BIANCO DE CARVALHO HERBICIDAS LEONARDO BIANCO DE CARVALHO HERBICIDAS 2013 LEONARDO BIANCO DE CARVALHO HERBICIDAS 1ª Edição Lages SC Edição do Autor 2013 Carvalho, Leonardo Bianco de Herbicidas / Editado pelo autor, Lages, SC, 2013

Leia mais

CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS E SELETIVIDADE DE DICLOSULAM APLICADO EM PRÉ-EMERGÊNCIA NA CULTURA DA SOJA

CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS E SELETIVIDADE DE DICLOSULAM APLICADO EM PRÉ-EMERGÊNCIA NA CULTURA DA SOJA CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS E SELETIVIDADE DE DICLOSULAM APLICADO EM PRÉ-EMERGÊNCIA NA CULTURA DA SOJA Rubem Silvério de Oliveira Jr,', Jamil Constantin', Dana Kátia Meschede' e Cleber Daniel G. MacieP

Leia mais

EFICIÊNCIA DO HERBICIDA SAFLUFENACIL, NO CONTROLE DE Conyza spp. EM DESSECAÇÃO PRÉ-PLANTIO DA SOJA

EFICIÊNCIA DO HERBICIDA SAFLUFENACIL, NO CONTROLE DE Conyza spp. EM DESSECAÇÃO PRÉ-PLANTIO DA SOJA Campo Digital: Rev. Ciências Exatas e da Terra e Ciências Agrárias, v. 8, n. 2, p. 01-08, dez, 2013 ISSN:1981-092X 1 EFICIÊNCIA DO HERBICIDA SAFLUFENACIL, NO CONTROLE DE Conyza spp. EM DESSECAÇÃO PRÉ-PLANTIO

Leia mais

Plantio de cana-de-açúcar

Plantio de cana-de-açúcar Plantio de cana-de-açúcar Época de plantio 1. Cana de ano e meio - Janeiro a maio; - Tempo de colheita (13 a 20 meses); - Variedades de ciclo precoce, médio e tardio; - Pode ser feito em solos de baixa,

Leia mais

ZAPP QI 620 VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

ZAPP QI 620 VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ ZAPP QI 620 VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob nº 12908. COMPOSIÇÃO: Ingrediente ativo:

Leia mais