ATA DE ASSEMBLÉIA GERAL PARA CRIAÇÃO DA EMPRESA JUNIOR DA FAINOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATA DE ASSEMBLÉIA GERAL PARA CRIAÇÃO DA EMPRESA JUNIOR DA FAINOR"

Transcrição

1 ATA DE ASSEMBLÉIA GERAL PARA CRIAÇÃO DA EMPRESA JUNIOR DA FAINOR Aos dezoito dias do mês de Junho de 2003, reuniram-se em Assembleia Geral das 7:30h às 22:30h, no Auditório da Fainor sito à Avenida Luís Eduardo Magalhães, nº 1.305, Candeias, nesta cidade de Vitória da Conquista, Bahia, os alunos dos cursos de Administração, Ciências Contábeis, Engenharia da Computação e Direito da Faculdade Independente do Nordeste - FAINOR, sob a presidência do aluno Danilo Santos Rocha que irá deliberar sobre a seguinte Ordem do Dia: a) Explanação sobre o conceito de Empresa Júnior; b) Leitura, discussão e aprovação do Estatuto da Empresa Fainor Júnior; c) Aprovação da Comissão de Implantação com uma diretoria provisória de acordo com artigo deste. Dando por aberta a Assembleia o Presidente nomeou a aluna Cândida Pindemel Cardoso Pereira, para secretariar as atividades e solicitou-lhe que fizesse do Estatuto abaixo transcrito, do qual foram distribuídas previamente cópias para o conhecimento de todos os presentes. Capítulo I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO: Artigo 1º - A Fainor Júnior é uma associação sem fins lucrativos, com fins educativos, e com prazo de duração indeterminado, com sede prédio anexo ao campus da Faculdade Independente do Nordeste FAINOR com foro nesta cidade de Vitória da Conquista, Bahia, que se regerá pelo presente Estatuto e pelas disposições legais aplicáveis. Artigo 2º - A FAINOR Júnior tem por finalidade: a) Proporcionar a seus membros associados as condições necessárias à aplicação prática de seus conhecimentos teóricos relativos à sua área de formação profissional; b) Dar à sociedade um retorno dos investimentos que ela realiza na Faculdade através de serviços de alta qualidade, realizados por futuros profissionais das áreas de atuação dos Cursos de Graduação da Faculdade Independente do Nordeste; c) Incentivar a capacidade empreendedora do aluno, dando a ele uma visão profissional já no âmbito acadêmico; d) Realizar estudos e elaborar diagnósticos e relatórios sobre assuntos específicos inseridos em sua área de atuação; e) Assessorar a implantação de soluções indicados para problemas diagnosticados; f) Valorizar alunos e professores da Faculdade Independente do Nordeste no mercado de trabalho e no âmbito acadêmico, bem como a referida instituição; g) Outros aspectos poderão ser citados, de acordo com a Empresa Júnior.

2 Capítulo II - QUADRO SOCIAL, DIREITOS E DEVERES: Artigo 3º - os membros da Fainor Júnior serão admitidos como associados mediante pagamento de taxa de adesão. Os associados serão enquadrados em 02 (duas) categorias: a) MEMBRO HONORÁRIO: toda pessoa física ou jurídica que tenha prestado ou venha a prestar serviços relevantes para o desenvolvimento dos objetivos da Fainor Júnior, sem dispensada do pagamento de contribuição social; b) MEMBRO ASSOCIADO: estudantes dos cursos de graduação da Faculdade Independente do Nordeste de ensino a qual está ligada a Fainor Júnior, salvo disposição em contrário neste Estatuto; Parágrafo Único os membros da Fainor Júnior não respondem, mesmo que subsidiariamente, pelas obrigações sociais. A taxa de adesão será determinada na instalação pela comissão de formação, e posteriormente pela determinação dos membros associados em assembleia. A aceitação do membro é função do Conselho Administrativo. Artigo 4º - São direitos dos membros associados: a) Comparecer e votar nas Assembleias Gerais; b) Solicitar, a qualquer tempo, informações relativas às atividades da Fainor Júnior ; c) Utilizar todos os serviços colocados a sua disposição pela Fainor Júnior ; d) Ser eleitos membros do Conselho de Administração e da Diretoria Executiva; e) Requerer a convocação de Assembleia Geral, na forma prevista deste Estatuto. Artigo 5º - Perde-se a condição de membro da Fainor Júnior : a) Pela renúncia; b) Pela conclusão, abandono ou jubilamento dos cursos da Faculdade Independente do Nordeste a qual está ligada a Fainor Júnior em se tratando de membros associados; c) Pela morte, no caso de pessoas físicas ou pela cessação de suas atividades, no caso de pessoas jurídicas; d) por decisão de 2/3 (dois terços) do membro do conselho de administração fundada na votação de qualquer das disposições do presente Estatuto. Capítulo III PATRIMÔNIO: Artigo 6º- O patrimônio da Fainor Júnior é formado: a) Pelas contribuições de membros associados;

3 b) Pelo produto de contribuições recebidas pelos serviços prestados à terceiros; c) Pelas contribuições voluntárias e doações recebidas; d) Por subvenções e legados oferecidos à Fainor Júnior e aceitas pelo Conselho de Administração. Parágrafo Único Em caso de extinção da Fainor Júnior o seu patrimônio será destinado à Faculdade Independente do Nordeste. Capítulo IV: ASSEMBLÉIA GERAL: Artigo 7º - A Assembleia Geral é um órgão de deliberação soberano a Fainor Júnior que poderá ser ordinária ou extraordinária. Artigo 8º - Somente os membros associados terão direito a voto nas assembleias gerais correspondendo pelo critério do voto partidário, entre os cursos, vedada a representação, nas assembleias gerais, por procuração. Artigo 9º - As Assembleias Gerais serão convocadas pelo presidente do conselho de Administração com 10 (dez) dias de antecedência à sua realização e será mediante divulgação dirigida a todos os membros associados. Paragrafo Único as assembleias gerais serão ainda convocadas pela diretoria executiva, a requerimento de membros associados representando, no mínimo 50% (cinquenta por cento) dos membros da Fainor Junior. Artigo 10º - A Assembleia Geral Ordinária reunir-se-á no mínimo 03 (três) vezes ao ano, sendo a primeira 03 (três) meses após o início do ano civil e a outra no prazo 04 (quatro) meses antes do término do mesmo. Parágrafo Único a segunda assembleia ordinária deverá ser realizada em data a ser fixada pela Diretoria Executiva. Artigo 11º - a Assembléia Geral Ordinária destina-se a analisar os pareceres do Conselho de Administração a respeito das deliberações financeiras, do relatório das atividades elaboradas pela Diretoria Executiva e eleger os membros do Conselho de Administração e Diretoria Executiva. Artigo 12º - serão nulas as decisões da assembleia geral sobre assuntos não incluídos na Ordem do Dia, a não ser que na Assembleia Geral se encontrem todos os membros associados e não haja oposição de qualquer deles. Artigo 13º - A instauração da assembleia Geral requer um quórum de 50% + 1 (cinquenta por cento mais um) dos membros associados e suas decisões serão sempre tomadas por maioria de 2/3 (dois terços) para primeira convocação de 1/3 (um terço) para segunda convocação de votos dos presentes, a não ser que

4 disposto de forma distinta neste Estatuto. Parágrafo I se na hora marcada para a assembleia geral não houver quórum de maioria absoluta dos membros associados, será dado um prazo de 30 (trinta) minutos para que seja atingido esse quórum. Parágrafo II Caso não seja atingido o quórum de realização da assembleia geral após decorridos 30 (trinta) minutos da primeira convocação, a assembleia geral se realizará pelos se estiverem presentes pelo menos 1/3 (um terço) dos membros associados. Paragrafo III- se na segunda convocação não houver este novo quórum a assembleia geral não se realizará e a decisão dos assuntos em pauta será tomada pela Diretoria e aprovada pelo Conselho de Administração. Artigo 14º - A Assembleia Geral será presidida pelo presidente do Conselho de Administração e as funções de secretario da assembleia geral serão desempenhadas pelo secretario, a ser indicado pelo referido presidente. Capitulo V- CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO: Artigo 15º - O Conselho de Administração é o órgão de deliberação da Fainor Junior composto por 3 (três) membros eleitos por membros associados de cada curso e pela Assembleia Geral da Fainor Júnior para mandato de 12 (doze) meses. Artigo 16º - As reuniões de Conselho de Administração somente serão instauradas com presença de 50% + 1(cinquenta por cento mais um) dos componentes do Conselho de Administração e as decisões serão tomadas por maioria de 3/5 (três quintos) dos votos dos membros presentes, observados as exceções estabelecidas do presente estatuto. Artigo 17º - o Conselho de Administração reunir-se- a pelo menos 4 (quatro) vezes durante o ano civil mediante convocação do presidente de do conselho com antecedência mínima de 10 (dez) dias. Paragrafo 1- para as reunião do Conselho de Administração deverão ser ainda convocadas pelo presidente a requerimento de no mínimo 50% (cinquenta por cento) de seus membros ou a requerimento da diretoria executivo. Paragrafo 2- o Conselho de Administração será presidido por um dos membros eleitos por seus pares. Artigo 18º- compete ao Conselho de Administração:

5 a) regulamentar as deliberações da assembleia geral; b) examinar e emitir parecer sobre as demonstrações financeiras, relatórios de atividade e orçamentos apresentados pela diretoria executiva, a cada reunião ordinária ou ao Conselho de Administração; c) estabelecer diretrizes fundamentais para a Fainor Junior ; d) manifestar-se sobre propostas em matérias que lhe sejam submetidas pela diretoria executiva; e) aprovar a admissão de membros da Fainor Junior e na perda dessa condição de membros da fainor junior em caso de violação das disposições do presente estatuto; f) aceitar subvenções e legados; g) em caso de ocorrer vacância na diretoria executiva ou no Conselho de Administração nomear o substituto por indicação ou não da diretoria executiva; h) deliberar sobre caso omissos neste estatuto, por solicitação encaminhada pela diretoria executiva. CAPÍTULO VI DAS ELEIÇÕES: Artigo 19º - os membros da Diretoria Executiva e do Conselho de Administração são eleitos por membros associados da fainor junior em eleições realizadas em assembleia geral convocada para este fim. Artigo 20º - o edital de convocação da assembleia Geral de eleições deve ser publicado com no mínimo 30 (trinte) dias de antecedência a data da eleição. Artigo 21º - todo o membro associado pode se candidatar a um cargo da diretoria executiva ou no Conselho de Administração sendo a eleição realizada pelo sistema de voto paritário. Paragrafo Único a reeleição para um mesmo cargo da Diretoria Executiva ou Conselho de Administração é permitida uma única vez. CAPÍTULO VI - DIRETORIA EXECUTIVA: Artigo 22º - A Diretoria Executiva é investida dos poderes de administração e representação da Fainor júnior de forma a assegurar a execução de seus objetivos observando e fazendo observar o presente Estatuto e as deliberações da assembleia geral. Artigo 23º - a Diretoria Executiva será composta por 6 (seis) membros eleitos entre o membros associados da fainor Junior para mandato de 01 (um) ano. Artigo 24º - a Diretoria Executiva será composta de 01 (um) Diretor Presidente,

6 01(um) Diretor de Projetos, 01 (um) diretor administrativo financeiro, 01 (um) diretor de marketing e relações publicas, 01(um) diretor jurídico e 01(um) diretor de tecnologia e informática. Artigo 25º - compete a Diretoria Executiva: a) executar as deliberações da assembleia geral e do Conselho de Administração; b) elaborar as demonstrações financeiras, atividade e orçamento anual apresentando-os ao Conselho de Administração para exame e emissão de parecer c) receber os pedidos de prestação de serviços a terceiros sempre levando em conta a capacidade da fainor júnior para assumi-los, bem como seus interesses e objetivos fundamentais; d) elaborar e provar as propostas de prestação de serviços e respectivos contratos; e) requerer e providenciar das formalidades necessárias a obtenção de imunidade e isenções fiscais; Artigo 26º - em quaisquer atos que envolvam obrigações sociais inclusive assinaturas de contratos, emissão de cheques, ordem de pagamento, a fainor júnior será representada pelo Diretor Administrativo Financeiro. Parágrafo 1- Fainor Júnior poderá ser representada por procurador que devidamente acrescido para tanto especificando poderes e tenha prazo de validade limitado ao ano civil. Paragrafo 2- caberá ao diretor presidente outorgar poderes adjudica quando for necessário. CAPÍTULO VIII DISPOSIÇÕES GERAIS: Artigo 27º - o exercício social coincidirá com o ano civil. Artigo 28º - os resultados da Fainor Júnior que se verificarem ao final de cada exercício social serão compulsoriamente reinvestidos na empresa. Artigo 29º - é vedada remuneração aos integrantes do conselho de administração e da diretoria executiva pelo exercício de tais funções, bem como a distribuição de bonificações ou vantagens a dirigentes e membros associados da Fainor Júnior. Parágrafo único os participantes de todos os projetos receberão da Fainor Júnior reembolso referente aos custos empregados no mesmo. Artigo 30º - a Fainor Júnior será extinta apenas nas hipóteses previstas em Lei, observados procedimentos estatuído no estatuto.

7 Artigo 31º - o presente estatuto somente poderá ser modificado diante de a Assembleia Geral observando quanto ao estatuído no CAPÍTULO IV. Artigo 32 º - Será nomeada pela comissão de implantação uma diretoria provisória constituída por 05 (cinco) membros com mandato improrrogável de 90 (noventa) dias, com a finalidade especifica de consolidar os atos preparatórios a formação da diretoria executiva e conselho administrativo ficando ainda na responsabilidade de promover a eleição e posse de aluídos órgãos. Prosseguindo com os trabalhos o presidente Danilo Santos Rocha fez explanação sobre o conceito de empresa Júnior. No segundo momento o presidente colocou em discussão o texto do estatuto o qual foi aprovado pela plenitude com as seguintes alterações: artigo 2º, item b) Dar a sociedade um retorno dos investimentos que ela realiza na faculdade através de serviços realizados por futuros profissionais nas áreas de autuação nos cursos de graduação da Faculdade Independente do Nordeste. Artigo5 º, foi acrescentado o item b) por transferência de instituição seja qual for o motivo. Artigo 9º as assembleias gerais ordinárias serão convocadas pelo presidente do conselho de administração com 10 (dez) dias de antecedência a sua realização, mediante divulgação dirigida a todos os membros associados. Parágrafo Único: as assembleias gerais extraordinárias serão ainda convocadas pela diretoria executivo a requerimento dos membros associados representando no mínimo 50% (cinquenta por cento) dos membros da Fainor Júnior. Artigo 13º paragrafo 2 caso não seja atingido quórum de realização de Assembleia Geral após decorridos 30 (trinta) minutos a primeira convocação a assembleia geral realizara-se presentes pelo menos 1/3 (um terço) dos membros associados. Artigo 26º em quaisquer atos que envolvam obrigações sociais inclusive assinaturas de contratos, emissão de cheques, ordem de pagamento, a fainor júnior será representada pelo Diretor Administrativo - Financeiro e o Diretor Presidente. Na discussão a votação da modificação a proposta foi aprovada, o presidente prosseguiu com os trabalhos passando para o terceiro item do da pauta que trata da aprovação da comissão de implantação como diretoria provisória eleitos pela comissão os membros: Danilo Santos Rocha, Erica Hori, Rosa Brito, Marcos Altives Silveira, Lorena Lima, Dagno Ramos os quais foram aprovados pela plena. Estiveram presentes como convidados especiais os professores: Cláudio Cordeiro, Marta Amaral, Maria Auxiliadora Cordeiro, Jaime Santos, Cremildo Rosa, Luciano Supulvêda, Paulo Pires, Wilson Cunha e Raimundo Nova. Nada mais tendo a acrescentar eu, Candida Pindeimel Cardoso Pereira, como secretária dessa assembleia lavrarei a apresente ata apos a discussão e aprovação será assinada pelos diretores e todos os presentes mediante a lista de frequência.

Art. 5º - São direitos dos membros efetivos:

Art. 5º - São direitos dos membros efetivos: ANTE-PROJETO DO ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE AMERICANA - 06/04/ Capítulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Art. 1º - A empresa Júnior da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Estatuto Social da Ser Educacional S.A. ( Companhia ), estabelece procedimentos a serem observados

Leia mais

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais.

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. ESTATUTO DA AAPCEU TÍTULO I - DA ENTIDADE Capítulo Único - Da Denominação, Sede e Objeto ART. 1º - A Associação dos Aposentados e Pensionistas da Caixa dos Empregados da Usiminas, doravante denominada

Leia mais

ESTATUTOS DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO

ESTATUTOS DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO Art. 1 o A Associação Luso-Brasileira de Arabistas (ALBA) é uma sociedade civil, de caráter exclusivamente cultural, com sedes e foros nas cidades do

Leia mais

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art.1 - O GRUPO DO LEITE, da Universidade Federal de Lavras (UFLA), entidade civil, apartidária, sem fins lucrativos,

Leia mais

Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná

Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná 1 Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná Capítulo I A Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná e seus Fins Artigo 1º. A Associação

Leia mais

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Artigo 1 : O Comitê de Gestão de Pessoas e Governança Corporativa ( Comitê ) é um órgão de apoio ao Conselho de Administração

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP Dispõe sobre as atribuições Comissão de Bancas Examinadoras da EPPEN/UNIFESP, sua composição e condução

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objeto e Duração

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objeto e Duração ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objeto e Duração Artigo 1º - A Cemig Participações Minoritárias S.A. (a Sociedade ) é uma sociedade anônima de capital fechado, subsidiária integral, que

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO Regimento Interno Art. 1 º A Comissão de Direito Securitário é composta de: I Membros Efetivos, dentre eles o Presidente, o Vice-Presidente, Secretário e Membros Consultores;

Leia mais

Regimento da Fazenda Experimental da UDESC - CAV

Regimento da Fazenda Experimental da UDESC - CAV Regimento da Fazenda Experimental da UDESC - CAV CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade Art. 1º A Fazenda Experimental da UDESC - CAV (FECAV) é um Órgão Suplementar Setorial do Centro de Ciências Agroveterinárias

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE SANTA RITA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE SANTA RITA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE SANTA RITA Este Estatuto foi aprovado em Assembléia Extraordinária realizada em 18 de dezembro de 2004. Capítulo I Da Fundação - Denominação - Fins e Sede Art. 1º - A Associação

Leia mais

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO Aprovado na Reunião do Conselho de Administração realizada em 8 de maio de 2015 COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO 1. Regimento. O presente Regimento

Leia mais

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1º. A Rede de Controle da Gestão Pública, constituída como espaço colegiado e permanente no âmbito do Estado do Paraná, formada por órgãos/instituições integrantes

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

UNEMAT - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAEPA - CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

UNEMAT - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAEPA - CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL UNEMAT - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAEPA - CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL ESTATUTO CAPÍTULO I DA ENTIDADE ART. 1º. O Centro Acadêmico de Engenharia de Produção Agroindustrial,

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA

ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1º - Fundação Cultura Artística de Londrina, Funcart, com sede e foro na cidade de Londrina,

Leia mais

USINA TÉRMICA IPATINGA S. A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

USINA TÉRMICA IPATINGA S. A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração USINA TÉRMICA IPATINGA S. A. O presente Estatuto Social é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 11-08-2000 - arquivada na JUCEMG em 16-08-2000, sob o nº 3130001496-7,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO DECISÃO Nº 88/96 D E C I D E TÍTULO I DO CONSELHO TÍTULO II DO FUNCIONAMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO DECISÃO Nº 88/96 D E C I D E TÍTULO I DO CONSELHO TÍTULO II DO FUNCIONAMENTO DECISÃO Nº 88/96 O, em sessão de 18.10.96, D E C I D E aprovar o seu Regimento Interno, como segue: TÍTULO I DO CONSELHO Art.1º- O Conselho Universitário - CONSUN - é o órgão máximo de função normativa,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFPE RECIFE, 2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS IBR CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO, FINALIDADES E PATRIMÔNIO

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS IBR CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO, FINALIDADES E PATRIMÔNIO 1 ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS IBR CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO, FINALIDADES E PATRIMÔNIO Art. 1º O INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO GAMMON DE ENSINO FACULDADES GAMMON

FUNDAÇÃO GAMMON DE ENSINO FACULDADES GAMMON PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO DO REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DAS, DE 9 DE JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a reformulação do Regulamento do Núcleo Docente Estruturante (TCC) das Faculdades Gammon.

Leia mais

BOTICÁRIO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ESTATUTO ÍNDICE. I - Da Entidade II - Das Patrocinadoras III - Do Quadro Social...

BOTICÁRIO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ESTATUTO ÍNDICE. I - Da Entidade II - Das Patrocinadoras III - Do Quadro Social... BOTICÁRIO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ESTATUTO ÍNDICE I - Da Entidade... 2 II - Das Patrocinadoras... 2 III - Do Quadro Social... 3 IV Dos Benefícios... 3 V - Do Patrimônio e do Exercício Social...

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE FATEC JÚNIOR PRAIA GRANDE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Empresa Júnior dos alunos da Faculdade

Leia mais

COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM

COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM 2009 SUMÁRIO TÍTULO I Da denominação, caráter, duração, sede, foro e finalidades... 3 Capítulo I Da denominação,

Leia mais

DELIBERAÇÃO CRF-RJ nº706 / 2010

DELIBERAÇÃO CRF-RJ nº706 / 2010 DELIBERAÇÃO CRF-RJ nº706 / 2010 Aprova o Regulamento das Câmaras Técnicas do CRF-RJ e dá outras providências. O ESTADO DO RIO DE JANEIRO / CRF-RJ, no uso de suas atribuições legais e em conformidade com

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015. UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos, Planejamento e Orçamento CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015. UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos, Planejamento e Orçamento CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015 DISPÕE SOBRE CONTROLE E ACOMPANHAMENTO DOS CONSÓRCIOS. VERSÃO: 01 DATA: 03 de março de 2015. ATO APROVAÇÃO: Decreto 2.370/2015 UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS DA CIELO S.A. ( Regimento )

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS DA CIELO S.A. ( Regimento ) REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS DA CIELO S.A. ( Regimento ) I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Capítulo VI do Estatuto Social da Cielo S.A. ( Companhia ), estabelece

Leia mais

ANEXO I Circular SUSEP nº 07/94

ANEXO I Circular SUSEP nº 07/94 ANEXO I Circular SUSEP nº 07/94 1. Sociedades Seguradoras Nacionais, Sociedades de Capitalização e Sociedades de Previdência Privada Aberta com fins lucrativos. 1.1- ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA - AGE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DA CIELO S.A. ( Regimento )

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DA CIELO S.A. ( Regimento ) REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DA CIELO S.A. ( Regimento ) I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Capítulo VI do Estatuto Social da Cielo S.A. ( Companhia ), estabelece

Leia mais

Associação Nacional de Pesquisa e PósGraduação em Música. ANPPOM - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música ESTATUTO SOCIAL

Associação Nacional de Pesquisa e PósGraduação em Música. ANPPOM - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música ESTATUTO SOCIAL ANPPOM - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO l DA FUNDAÇÃO, DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO, MANUTENÇÃO, SEDE E FORO Artigo 1º - Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I. Denominação, sede, objecto e duração da sociedade ARTIGO 1º

ESTATUTOS CAPÍTULO I. Denominação, sede, objecto e duração da sociedade ARTIGO 1º ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração da sociedade ARTIGO 1º A sociedade anónima que, por força do Decreto-Lei nº 93/93, de 24 de Março, continua a personalidade jurídica da empresa

Leia mais

REGULAMENTO NOS, SGPS, S.A.

REGULAMENTO NOS, SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA E FINANÇAS NOS, SGPS, S.A. 1/5 O presente instrumento regulamenta o exercício de competências e deveres, e o funcionamento, da Comissão de Auditoria e Finanças da NOS

Leia mais

Estatuto Social da Associação dos Revendedores de Veículos Automotores de Pernambuco A S S O V E P E. Capítulo I

Estatuto Social da Associação dos Revendedores de Veículos Automotores de Pernambuco A S S O V E P E. Capítulo I Estatuto Social da Associação dos Revendedores de Veículos Automotores de Pernambuco A S S O V E P E Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO Art. 1º. A Associação dos Revendedores de Veículos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO - AAJB ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO - AAJB ESTATUTO 1 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO - AAJB ESTATUTO Capítulo I - Denominação, sede, duração e objetivos Artigo 1 o A Associação de Amigos do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, ou

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação, sem fins lucrativos, adota a denominação ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. 2. A

Leia mais

TÍTULO I. Da Sociedade e seus Fins CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede e Finalidade

TÍTULO I. Da Sociedade e seus Fins CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede e Finalidade TÍTULO I Da Sociedade e seus Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidade Art. 1º - A Associação de Pais de Mestres fundada em 11 de junho de 1958, com sede na Rua Cristóvão Colombo, 366 em Santa

Leia mais

GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. CNPJ/MF nº / NIRE

GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. CNPJ/MF nº / NIRE GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. CNPJ/MF nº 06.164.253/0001-87 NIRE 35.300.314.441 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 12 DE AGOSTO DE 2016 I. Data, Horário e Local: 12 de agosto

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PARTICIPANTES DO PB1 DA PREVI - ANAPLAB

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PARTICIPANTES DO PB1 DA PREVI - ANAPLAB ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PARTICIPANTES DO PB1 DA PREVI - ANAPLAB REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O presente Regulamento tem por objetivo definir as normas que

Leia mais

FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD

FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA Aviso Convocatório Nos termos do disposto no artigo 22.º dos Estatutos da Futebol Clube do Porto Futebol, SAD ( Sociedade ) e no artigo 377.º do Código das Sociedades Comerciais,

Leia mais

ESTATUTO CONSELHO DA MULHER EXECUTIVA DE UBIRATÃ. Capitulo I. Denominação e criação

ESTATUTO CONSELHO DA MULHER EXECUTIVA DE UBIRATÃ. Capitulo I. Denominação e criação ESTATUTO CONSELHO DA MULHER EXECUTIVA DE UBIRATÃ. Capitulo I. Denominação e criação Artigo 1º. O Conselho da Mulher Executiva a Associação Comercial e Empresarial de Ubiratã, é um órgão de expressão da

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Vitória da Conquista, Sala de Reuniões do CONSU, 14 de agosto de 2013.

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Vitória da Conquista, Sala de Reuniões do CONSU, 14 de agosto de 2013. Salvador, Bahia Quarta-feira 4 de Setembro de 2013 Ano XCVII N o 21.227 RES. RESOLUÇÃO CONSU N.º 07/2013 O Conselho Universitário - CONSU da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, no uso de

Leia mais

BANCO ABC BRASIL S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF Nº / NIRE

BANCO ABC BRASIL S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF Nº / NIRE BANCO ABC BRASIL S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF Nº 28.195.667/0001-06 NIRE 35.300.138.023 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 12 DE ABRIL DE 2.010 1 - DATA, HORA E LOCAL: Aos 12 dias

Leia mais

Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo

Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADE Art. 1º. A Frente Parlamentar do Cooperativismo, Frencoop, é uma entidade civil, de interesse

Leia mais

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS LEGENDA Texto em NEGRITO: Claúsulas que devem necessariamente constar do Estatuto, por força da Lei nº 9.790/99. Texto em Itálico: observações pertinentes ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil

Leia mais

ESTATUTO da Equipe UFFORCE AERODESIGN

ESTATUTO da Equipe UFFORCE AERODESIGN ESTATUTO da Equipe UFFORCE AERODESIGN CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins Art. 1º - O projeto da Equipe UFFORCE AERODESIGN da Escola de Engenharia Industrial Metalúrgica de Volta redonda, criada por

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED. ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002)

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED. ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002) ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002) OBJECTIVOS e SEDE Artigo 1º Parágrafo 1. A Associação Portuguesa para o Estudo da Dor,

Leia mais

DECRETO - Nº , DE 07 DE MAIO DE 2014.

DECRETO - Nº , DE 07 DE MAIO DE 2014. DECRETO - Nº. 2.901, DE 07 DE MAIO DE 2014. Institui a Comissão Municipal de Emprego, no âmbito do Sistema Público de Emprego, e dá providências correlatas. PE. OSWALDO ALFREDO PINTO, Prefeito Municipal

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS SUPERIORES DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO - AESUFOPE ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS SUPERIORES DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO - AESUFOPE ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS SUPERIORES DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO - AESUFOPE ESTATUTO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULOI Da denominação, fins e meios Art. 1 - A Associação de Escolas

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES GERAIS MIG REGULAÇÃO INSTITUCIONAL REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL - SICOOB AGRORURAL

MANUAL DE INSTRUÇÕES GERAIS MIG REGULAÇÃO INSTITUCIONAL REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL - SICOOB AGRORURAL MANUAL DE INSTRUÇÕES GERAIS MIG REGULAÇÃO INSTITUCIONAL REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL - SICOOB AGRORURAL 1/6 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COOPERATIVA DE CRÉDITO DE LIVRE ADMISSÃO DO VALE

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO DA UFF OFERECIDO NO ÂMBITO DO CEDERJ

REGULAMENTO GERAL DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO DA UFF OFERECIDO NO ÂMBITO DO CEDERJ COORDENAÇÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO A DISTÂNCIA DA UFF OFERECIDO NO ÂMBITO DO CEDERJ INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO GERAL DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS

Leia mais

Associação Paulista de Saúde Pública ESTATUTO 1

Associação Paulista de Saúde Pública ESTATUTO 1 Associação Paulista de Saúde Pública ESTATUTO 1 CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins Art. 1 º. A Associação Paulista de Saúde Pública, APSP, fundada em 15 de dezembro de 1972, Sociedade Civil, sem fins

Leia mais

Regimento do Comitê Financeiro. Grupo NEOENERGIA

Regimento do Comitê Financeiro. Grupo NEOENERGIA Regimento do Comitê Financeiro Grupo NEOENERGIA Regimento do Comitê Financeiro do Grupo NEOENERGIA constituído por decisão do Conselho de Administração da NEOENERGIA S.A O presente Regimento foi aprovado

Leia mais

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A. Acordo de Acionistas Regimento da Interno CPFL dos Energia Comitês S.A. de Assessoramento do Atual Denominação Social Conselho da de Draft Administração II Participações S.A. da CPFL Energia S.A. 1 Sumário

Leia mais

MODELO DE ESTATUDO DE INSTITUTO DE NATUREZA ASSOCIATIVA

MODELO DE ESTATUDO DE INSTITUTO DE NATUREZA ASSOCIATIVA MODELO DE ESTATUDO DE INSTITUTO DE NATUREZA ASSOCIATIVA CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1.O INSTITUTO/ASSOCIAÇÃO XXXXXXXXXXXXX, também designado pela sigla XXX, fundado em do mês de do

Leia mais

AMAPIJS Associação Municipal dos Aposentados e Pensionistas do ISSEM de Jaraguá do Sul

AMAPIJS Associação Municipal dos Aposentados e Pensionistas do ISSEM de Jaraguá do Sul AMAPIJS Associação Municipal dos Aposentados e Pensionistas do ISSEM de Jaraguá do Sul CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E AFINS. Art. 1º- A Associação Municipal dos Aposentados e Pensionistas de Jaraguá

Leia mais

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo 2013-2017 O departamento curricular do 1º ciclo, nos termos do Regulamento Interno, aprova o seguinte regimento, definindo as respetivas regras de organização

Leia mais

ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR. Capítulo I Da Constituição e Finalidade

ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR. Capítulo I Da Constituição e Finalidade ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR Capítulo I Da Constituição e Finalidade Art. 1º- A Câmara de Dirigentes Lojistas Jovem de Salvador é um departamento oriundo e órgão estrutural da Câmara de Dirigentes Lojistas

Leia mais

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora O Conselho Geral da Universidade de Évora, adiante designado por Conselho Geral, é o órgão de governo previsto no n.º 1 da alínea a) do artigo 11.º

Leia mais

Regimento da Associação Universidade em Rede UniRede

Regimento da Associação Universidade em Rede UniRede Regimento da Associação Universidade em Rede UniRede CAPÍTULO I Da Natureza, Sede, Foro e Objetivos Artigo 1º - A Associação Universidade em Rede - UniRede, entidade civil sem fins lucrativos e sem conotações

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC CAPÍTULO 1 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC CAPÍTULO 1 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC CAPÍTULO 1 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC é uma associação civil,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia Agrícola R E S O L U Ç Ã O N.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia Agrícola R E S O L U Ç Ã O N. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia Agrícola R E S O L U Ç Ã O N.º 01/2015 Regimentar o Núcleo Docente Estruturante NDE do Curso de Engenharia

Leia mais

Estatuto da Associação dos Professores Municipais de Colombo / APMC-Sindicato dos Trabalhadores em Educação

Estatuto da Associação dos Professores Municipais de Colombo / APMC-Sindicato dos Trabalhadores em Educação Estatuto da Associação dos Professores Municipais de Colombo / APMC-Sindicato dos Trabalhadores em Educação A APMC - Sindicato dos Trabalhadores em Educação é a entidade responsável pela defesa de todos

Leia mais

REGIMENTO DA DIRETORIA DO IBAPE/SP. Art. 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32 e 33 do Estatuto

REGIMENTO DA DIRETORIA DO IBAPE/SP. Art. 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32 e 33 do Estatuto REGIMENTO DA DIRETORIA DO IBAPE/SP Art. 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32 e 33 do Estatuto 1. OBJETIVO: A Diretoria do IBAPE/SP tem por objetivo: 1.1) Dirigir as atividades, administrar

Leia mais

Estatutos. Capítulo I Disposições fundamentais. Art.1º (Denominação)

Estatutos. Capítulo I Disposições fundamentais. Art.1º (Denominação) Estatutos Capítulo I Disposições fundamentais Art.1º (Denominação) A Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem e Circulação, abreviadamente designada por APCT, é uma associação que se rege pelos

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS COPPETEC. Regimento Interno. 01 de outubro de 2007

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS COPPETEC. Regimento Interno. 01 de outubro de 2007 FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS COPPETEC. 01 de outubro de 2007 Regimento elaborado e aprovado pelo Conselho de Administração da Fundação COPPETEC em 01/10/2007, conforme

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 68ª Reunião Ordinária, realizada no dia 22 de outubro de 2015, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO DE JUIZ DE FORA - COMTUR CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DO REGIMENTO INTERNO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO DE JUIZ DE FORA - COMTUR CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO DE JUIZ DE FORA - COMTUR CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Art.1º O presente Regimento Interno foi estabelecido pelos membros do Conselho

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA DE MEDICINA ESPORTIVA Capítulo I da Liga e seus fins Art. 1º A Liga de Medicina Esportiva é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão da da Universidade

Leia mais

HIDERALDO LUIZ DE ALMEIDA Presidente da Diretoria Executiva da ASCT

HIDERALDO LUIZ DE ALMEIDA Presidente da Diretoria Executiva da ASCT EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÃO GERAL DA DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELHO FISCAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIDORES DO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ASCT O Presidente da Diretoria Executiva

Leia mais

Petrobras Natureza Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras uma sociedade de economia mista, sob controle da União com prazo

Petrobras Natureza Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras uma sociedade de economia mista, sob controle da União com prazo Petrobras Natureza A Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras é uma sociedade de economia mista, sob controle da União com prazo de duração indeterminado, regida pelas normas da Lei das Sociedades por Ações

Leia mais

Código Cooperativo. CAPÍTULO III - Capital Social, Jóia e Títulos de Investimento. Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro

Código Cooperativo. CAPÍTULO III - Capital Social, Jóia e Títulos de Investimento. Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Código Cooperativo CAPÍTULO III - Capital Social, Jóia e Títulos de Investimento Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Alterada pelos DL n.º 343/98 de 6 de Nov., DL n.º 131/99 de 21 de Abril e DL n.º 108/2001

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE HIGIENIZAÇÃO E LAVANDERIA DA REGIÃO SUL - APHILAV. APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 30/03/2005

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE HIGIENIZAÇÃO E LAVANDERIA DA REGIÃO SUL - APHILAV. APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 30/03/2005 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE HIGIENIZAÇÃO E LAVANDERIA DA REGIÃO SUL - APHILAV. APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 30/03/2005 Capítulo 1 TITULO, DESTINAÇÃO, SEDE, FORO Artigo 1 A ASSOCIAÇÃO

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DE INSTALAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA 26 DE DEZEMBRO DE :00

ATA DA REUNIÃO DE INSTALAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA 26 DE DEZEMBRO DE :00 ATA DA REUNIÃO DE INSTALAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA 26 DE DEZEMBRO DE 2005 17:00 O governo não conseguiu enviar todos os representantes, mas como o quórum mínimo seria de cinqüenta por cento

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI 1 REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI Outubro/2005 Atualizado em jan.2013 2 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. A Comissão Própria de Avaliação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO NORMA Nº 02/ DO REGULAMENTO ELEIÇÕES DA DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELH0 FISCAL

REGIMENTO INTERNO NORMA Nº 02/ DO REGULAMENTO ELEIÇÕES DA DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELH0 FISCAL REGIMENTO INTERNO NORMA Nº 02/2010 - DO REGULAMENTO ELEIÇÕES DA DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELH0 FISCAL Art. 1º - Este Regulamento fixa normas para eleição da Diretoria Executiva e Conselho Fiscal da, de

Leia mais

NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno

NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno 1. DAS ATRIBUIÇÕES 1.1. O Núcleo Estadual de Regulamentação da ANS tem por atribuições: a) padronizar ações, modelos e processos que envolvam

Leia mais

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Capítulo 1. Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1º A Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO ESTATUDO DO CENTRO ACADÊMICO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA. Capitulo I. Da Entidade

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO ESTATUDO DO CENTRO ACADÊMICO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA. Capitulo I. Da Entidade UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO ESTATUDO DO CENTRO ACADÊMICO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA Capitulo I Da Entidade Artigo 1º - O Centro Acadêmico de Licenciatura em Química foi fundado em 28/08/2014,

Leia mais

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos.

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos. Regulamento Interno do Conselho Pedagógico da ESAP (Nº de Membros para o biénio 2013/2015: 14) Aprovado por unanimidade na reunião de 27.02.2014 1. Funcionamento a. O Conselho Pedagógico é composto por

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

TELINI Advogados Associados

TELINI Advogados Associados ATA DE REUNIÃO OU DE ASSEMBLEIA DE SÓCIOS Fundamento Legal Todas as empresas, exceto as sociedades anônimas e cooperativas que têm legislação própria, devem, através de reunião ou assembleia de sócios,

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES E EMPREGADOS PÚBLICOS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO IMEDIATO AO CIDADÃO - NA HORA - ASSOSEHORA

ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES E EMPREGADOS PÚBLICOS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO IMEDIATO AO CIDADÃO - NA HORA - ASSOSEHORA ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES E EMPREGADOS PÚBLICOS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO IMEDIATO AO CIDADÃO - NA HORA - ASSOSEHORA REGULAMENTO DA ELEIÇÃO PARA CARGOS DA DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELHO FISCAL Em atendimento

Leia mais

Comissão de Atletas Regulamento

Comissão de Atletas Regulamento Comissão de Atletas Regulamento 1. Missão 1.1. A Comissão de Atletas do COB tem por missão representar os Atletas Olímpicos perante o COB, fortalecendo os laços de comunicação e interação entre as partes.

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 (Âmbito)

Leia mais

Assembléia Geral Ordinária AGO

Assembléia Geral Ordinária AGO Assembléia Geral Ordinária AGO - 2015 Instalação da Assembléia Quorum no livro de presença. Composição da mesa diretiva. Edital de convocação O Presidente da Cooperativa de Crédito de Livre Admissão do

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - FAU TÍTULO I

FUNDAÇÃO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - FAU TÍTULO I FUNDAÇÃO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - FAU TÍTULO I DA FUNDAÇÃO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, FAU CAPÍTULO I DA NATUREZA

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO REGIONAL AMAZÔNIA ORIENTAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIÊNCIA DO SOLO

REGIMENTO DO NÚCLEO REGIONAL AMAZÔNIA ORIENTAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIÊNCIA DO SOLO REGIMENTO DO NÚCLEO REGIONAL AMAZÔNIA ORIENTAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIÊNCIA DO SOLO I - DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º - O Núcleo Regional Amazônia Oriental da Sociedade Brasileira de Ciência

Leia mais

Estatutos para associações, clubes e colectividades

Estatutos para associações, clubes e colectividades Estatutos para associações, clubes e colectividades Artigo 1.º Designação e Objectivos O/A (nome da colectividade ou associação), adiante designada por (sigla) é uma associação de fins (concretização dos

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO DE AREAL/ RJ RESOLUÇÃO N º 001/2016

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO DE AREAL/ RJ RESOLUÇÃO N º 001/2016 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO DE AREAL/ RJ RESOLUÇÃO N º 001/2016 O CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO do município de Areal, no âmbito de ação e conforme preceitua sua Lei de Criação

Leia mais

LEI MUNICIPAL N 013/97. SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias.

LEI MUNICIPAL N 013/97. SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias. LEI MUNICIPAL N 013/97 SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias. A Câmara Municipal de Carlinda, no uso de suas atribuições legais aprovou e eu, Geraldo

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE CLASSE

REGULAMENTO DO CONSELHO DE CLASSE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, SOCIAIS E AGRÁRIAS COLÉGIO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS REGULAMENTO DO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1º O Centro de Processamento de Dados, Órgão Suplementar

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E FINALIDADE Art.1º O Núcleo de Microscopia e Microanálise (NMM) caracteriza-se pela reunião

Leia mais

RESOLUÇÃO 22/ (vinte) horas semanais de trabalho; 40 (quarenta) horas semanais de trabalho;

RESOLUÇÃO 22/ (vinte) horas semanais de trabalho; 40 (quarenta) horas semanais de trabalho; Regulamenta o Regime de Trabalho na UESB, 20(vinte) 40 (quarenta) horas e de Tempo Integral com Dedicação Exclusiva. O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, no uso de suas atribuições,

Leia mais

REGISTO DE ALTERAÇÕES

REGISTO DE ALTERAÇÕES Versão Nº REGISTO DE ALTERAÇÕES Data de elaboração Data de divulgação 1 2008.07.23 2008.08.01 2 2012.02.15 2012.06.01 Elaborado por António Gomes, Celeste Mendes, Carlos Falcão, Ganda Cêncio, Herculana

Leia mais

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS REGIMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA CAPÍTULO I Das Atribuições

Leia mais