A MODELAGEM MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO INICIAL: UM ESTUDO SOBRE A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A MODELAGEM MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO INICIAL: UM ESTUDO SOBRE A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA"

Transcrição

1 A MODELAGEM MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO INICIAL: UM ESTUDO SOBRE A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Ramon Almeida dos Santos 1 Universidade Estadual de Feira de Santana Elaísse Araújo Silva 2 Universidade Estadual de Feira de Santana Ana Virgínia de Almeida Luna 3 Universidade Estadual de Feira de Santana Resumo: O presente relato visa apresentar um estudo sobre a inserção da Modelagem Matemática para futuros professores na formação inicial, a fim de favorecer uma melhor compreensão sobre como pode ser vivenciado uma atividade de Modelagem. Para tanto, neste relato será apresentado todo o procedimento de trabalho com a Modelagem vivenciado pelos autores, experimentando como alunos esse ambiente de aprendizagem com o tema: A execução orçamentária da Universidade Estadual de Feira de Santana. O contexto da pesquisa de Modelagem foi no setor de Assessoria Técnica e de Desenvolvimento Organizacional (ASPLAN) que se encontra na Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Os resultados da atividade realizada apontam que a Modelagem é um ambiente que favorece no processo de formação inicial de professores de Matemática a compreensão de como organizar situações de aprendizagem que possam propiciar a reflexão sobre o papel da matemática na sociedade. Palavras-chave: Modelagem Matemática; Formação inicial; Matemática. INTRODUÇÃO O presente estudo é fruto de discussões e questionamentos que teve início durante a disciplina de Orientação à Pesquisa, a qual pertence à grade curricular do curso Licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Feira de Santana 1 Graduando do curso Licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Feira de Santana 2 Graduanda do curso Licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Feira de Santana. Integrante do Grupo colaborativo em Modelagem Matemática (GCMM). 3 Professora do Departamento de Ciências Exatas da Universidade Estadual de Feira de Santana. Membro do Núcleo de Pesquisas em Modelagem Matemática (NUPEMM) da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Bahia. Home: 1

2 (UEFS) 4, Bahia, do 3º ao 6º Semestre, composta com no máximo de 6 alunos por turma. Os professores responsáveis pelas disciplinas oferecem temas para cada turma de Orientação à Pesquisa, a partir daí cada aluno busca o tema que possui afinidade para dar início aos estudos sobre o tema que culminará com o seu trabalho de conclusão de curso. No período da Orientação à Pesquisa I fomos apresentados ao tema: Modelagem Matemática 5 pela nossa orientadora a qual propôs ao grupo o estudo e discussão do livro, Modelagem Matemática na Educação Matemática Brasileira: pesquisas e práticas educacionais (Barbosa, 2007). Já na Orientação a Pesquisa II, discutimos as diferentes concepções de Modelagem Matemática a partir dos estudos de Burak (1992), Barbosa (2001), Bassanezi (2002) e Biembengut (2003). No final das duas disciplinas mencionadas anteriormente, tínhamos construído um repertório inicial sobre a temática, o qual nos possibilitou a localização de lacunas no campo da Modelagem, que gerou os nossos temas para o trabalho de conclusão do curso de Licenciatura em Matemática. Com isso, na Orientação a Pesquisa III, foi possível darmos início ao estudo sobre a pesquisa qualitativa e sobre os métodos de coleta de dados. Em seguida na Orientação à Pesquisa IV, estudamos sobre os métodos de análise de dados e vivenciamos como aluno uma experiência com a Modelagem. Vale ressaltar que compreendemos Modelagem neste estudo como um ambiente de aprendizagem, em que os estudantes são convidados a investigar, por meio da matemática, situações provenientes de outras áreas (Barbosa, 2001, 2003). Esse estudo é uma experiência com a Modelagem cujo objetivo é investigar a execução orçamentária da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) e o seu contexto foi a Assessoria Técnica e de Desenvolvimento Organizacional (ASPLAN) que se encontra na mesma instituição. A seguir, iremos apresentar essa experiência de Modelagem, na qual atuamos como alunos. Deste modo, discutiremos como foi construído: a escolha do tema, o desenvolvimento da atividade, os resultados do estudo e as reflexões sobre os resultados. Por fim, apresentaremos as considerações finais, buscando gerar novos 4 Home page: 5 No decorrer do relato utilizaremos apenas o termo Modelagem ao nos referirmos a Modelagem Matemática 2

3 entendimentos sobre o tema em estudo e abrindo caminhos para novas possibilidades de trabalho com a Modelagem. A ESCOLHA DO TEMA Durante a aula de Orientação à Pesquisa II e IV, a orientadora nos organizou em grupos e nos solicitou que cada grupo optasse por um tema de seu interesse para o desenvolvimento de uma atividade de Modelagem e, assim, fomos orientados a levantar informações sobre o tema, a formular e resolver a uma problemática. No período em que estávamos definindo o tema da nossa atividade de Modelagem, a UEFS sofria com um atraso nos repasses nos quadros das cotas mensais (QCM) necessários para a realização dos empenhos. Além disso, a UEFS enfrentava constantes atrasos nos pagamentos das despesas com manutenção (limpeza, vigilância, manutenção predial, energia elétrica, telefonia e outras despesas contratuais fixas), comprometendo os pagamentos das faturas mensais dos contratos de locomoção de mão-de-obra para limpeza e vigilância, e para as demais despesas de manutenção, resultando na impossibilidade de empenho das mesmas devido à insuficiência de saldo. No mês de novembro de 2009 a UEFS foi surpreendida com o não repasse de parte do QCM relativo a esse mês e de todo o relativo a dezembro, para que as despesas do mês fossem empenhadas. Como a atividade de Modelagem ocorreu paralelamente a esse período de atraso do Quadro de Cotas Mensais (QCM) e posteriormente do não repasse das mesmas escolhemos como o tema para a nossa investigação: A execução orçamentária da Universidade Estadual de Feira de Santana Com o tema bem definido, houve a oportunidade de investigar sobre as conseqüências do não repasse das cotas mensais, o que gerou o questionamento norteador da atividade de Modelagem, a saber: Qual o reflexo do não repasse do QCM para Universidade Estadual de Feira de Santana? A partir daí demos início a investigação, com a busca de informações para esclarecer esse questionamento. Em seguida, apresentamos o desenvolvimento da atividade de Modelagem. 3

4 DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE Com o tema e a problemática em mãos fomos buscar informações, as quais deveriam responder a situação em questão. A busca desses dados foi através de consultas ao site da instituição e textos que foram publicados em jornais que circulam na cidade e outros produzidos na UEFS. Em uma nota publicada no site da UEFS sobre a sua execução orçamentária destacamos o seguinte: [...] a partir do mês de novembro a Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia (SEFAZ) deixou de liberar os QCM solicitados pela Universidade, relativos aos recursos próprios e de convênios federais. Em 19 de novembro, a SEFAZ instituiu a Portaria n.º55/2009, relativa ao encerramento do exercício, na qual estabeleceu a suspensão das atividades operacionais de caráter financeiro nos órgãos e entidades ligados às secretarias de Educação, Saúde e Segurança Pública entre os dias 17 e 21 de dezembro. Neste caso, estas secretarias realizariam empenhos e liquidação de despesas somente até o dia 16 de dezembro, retomando nos dias 22 e 23 do referido mês. Entretanto, a UEFS foi surpreendida com o não repasse de parte do QCM relativo a novembro e de todo o relativo a dezembro, para que as despesas do mês fossem empenhadas. [...] [...] O resultado desse processo foi comprometedor para as finanças da UEFS. A Universidade deixou de receber em 2009 repasses do Tesouro do Estado da ordem de R$ 5,292 milhões, conforme detalhado a seguir: NATUREZA VALOR (R$) Manutenção ,10 Projetos ,63 Finalística ,64 TOTAL ,37 Sistema de Informações Contábeis e Financeiras (SICOF). Tais recursos estavam previstos para o pagamento das despesas fixas e contratuais do mês de dezembro, além de uma série de aquisições de bens e serviços previstos no planejamento da Universidade. Este cenário causou um desequilíbrio na situação financeira da Universidade, pois as despesas relativas ao ano anterior que não puderam ser empenhadas produzirão seus efeitos no orçamento de Significa que a UEFS não contou com o montante de recursos aprovado para 2009 e terá que utilizar o orçamento de 2010 para quitar as despesas não pagas do ano de 2009, denominadas Despesas de Exercícios Anteriores (DEA). (ASSESSORIA DE IMPRENSA DA UEFS, 2010). 4

5 Através do site da UEFS obtivemos informações importantes para o nosso estudo como mostra a tabela 1e o gráfico 1 abaixo: Tabela 1-Adequação da proposta a cota orçamentária 2010 Classificação Proposta 2010 Orçamento 2010 Manutenção , ,00 Ações PPA , ,00 Total , ,00 27% Distribuição do orçamento UEFS % 11% Manutenção 55% Finalistíca Projetos Obras e reparações Gráfico 1-Distribuição do orçamento UEFS 2010 Como não foram repassadas as cotas do orçamento referentes ao mês de novembro e dezembro, a instituição foi impedida de efetuar pagamentos das despesas referentes a esses meses. Assim, parte do orçamento de 2010 será utilizada para pagamento de despesas de Sendo que o orçamento necessário para o ano de 2010 é de R$ ,00. No entanto, o tesouro Estadual liberou apenas R$ ,00 para esses fins, então: Necessário Aprovado = déficit no orçamento de 2010 R$ ,00 R$ ,00 = R$ ,00 Com esse corte no orçamento proposto pela UEFS gerou um déficit no orçamento de 2010 de R$ ,00. Além desse déficit a UEFS terá que utilizar parte do orçamento aprovado para o pagamento das despesas referentes ao ano de 2009 que é da ordem de R$ ,37. Sendo assim: Aprovado déficit de 2009 = valor atual do orçamento para empenho no ano de R$ ,00 R$ ,37 = R$ ,63 Neste ano a UEFS terá para empenhar o valor de R$ ,63 em manutenção, projetos, finalísticas e obras. Vale ressaltar, que as despesas ainda não pagas de 2009 para cada natureza foram retiradas do orçamento total de 2010 ao invés de ser retirado separadamente do valor de cada natureza, abordado na nota publicada do 5

6 site da UEFS. Essa opção se deu pelo fato que o valor da dívida, em alguns casos, ser maior do que se têm para empenho. Por exemplo, na natureza projetos a instituição tem uma dívida no valor de R$ ,63, no entanto, possui apenas R$ ,00 para empenho nessa área. Deste modo, a tabela 2 abaixo mostra a porcentagem que a UEFS utiliza para cada fim e seus respectivos valores com os reajustes estabelecidos. Tabela 2-Porcentagens e valores utilizados pela UEFS para naturezas específicas Natureza Valor % Valor R$ Manutenção ,75 Projetos ,00 Finalistícas ,73 Obras reparações e ,15 Total REFLEXOES SOBRE O ESTUDO Assim, como mostra a tabela 2, com o orçamento atual a UEFS terá R$ ,75 para empenhar em manutenção, R$ ,00 em projetos, R$ ,73 em finalistícas e R$ ,14 em obras e reparações. Com o orçamento aquém do que a instituição precisa, para o seu funcionamento, possivelmente ocorrerá: Diminuição no quadro de funcionários Diminuição nas diversas despesas de projetos de pesquisa financiadas com recursos federais, além de outras relativas ao Programa de Apoio à Pós- Graduação (PROAP), que custeiam as atividades dos programas de mestrado e doutorado apoiados pela coordenação de Aperfeiçoamento de pessoal de Superior (CAPES). Remanejamento de valores atribuídos de uma natureza para outra, gerando perda na natureza que foi feito o remanejamento. Por exemplo, pode ocorrer 6

7 transferência da natureza projetos para a manutenção, assim, ocorrerá o pagamento dos funcionários, mas ocorrerá diminuição das bolsas estudantis oferecidas pela instituição. Diminuição do material educativo como giz, folha de ofício, piloto, entre outros. Falta de matérias de limpeza. Podendo ocasionar a paralisação da Universidade por falta de subsídios para manter o seu funcionamento. CONSIDERAÇÕES FINAIS A experiência com a Modelagem, atuando como aluno, nos possibilitou trabalhar com um tema de nosso interesse, formular um problema não matemático e resolvê-lo utilizando à matemática e ver assim a sua utilização no nosso dia a dia. Acreditamos que vivenciar uma atividade desta natureza na graduação contribui bastante para nossa formação quanto futuro professor. Pois ao vivenciar essa atividade visualizamos a importância do trabalho com a Modelagem na sala de aula. Assim, esse relato sustenta-se na possibilidade de favorecer uma melhor compreensão sobre como pode ocorrer o trabalho com a Modelagem desde o processo de formação inicial dos professores de matemática. REFERÊNCIAS: APRESENTAÇÃO da Reunião do COP em 16/09/2009. Disponível em: <http://www.uefs.br/portal/assessorias/asplan/orcamento/orcamento-participativo- 2010/apresentacao-cop pdf/view>. Acessado em: 13 de março de BARBOSA, J. C. Modelagem Matemática: concepções e experiências de futuros professores. 253 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, Modelagem Matemática na sala de aula. In: Perspectiva, Erechim (RS), v. 27, n. 98, p , junho/2003. BARBOSA, J.C.; CALDEIRA A.D.J.; ARAUJO, J.L. (Org.). Modelagem Matemática na Educação Matemática Brasileira: pesquisas e práticas educacionais. Recife: SBEM, p. 7

8 BASSANEZI, R. C. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática: uma nova estratégia. São Paulo: Contexto, BIEMBENGUT, M. S.; HEIN, N. Modelagem matemática no ensino. 3. ed. São Paulo: contexto, BURAK, D. Modelagem Matemática: ações e interações no processo de ensinoaprendizagem f. Tese (Doutorado) Faculdade de Educação, Universidade de Campinas, Campinas, SANTANA J.C. B; MOURA W.A. Administração da UEFS emite nota sobre execução orçamentária. Disponível em: <http://www.uefs.br/portal/noticias/2009/administracaoda-uefs-emite-nota-sobre-execucao>. Acessado em: 10 de março UEFS terá que usar recursos do orçamento de 2010 para quitar dívida de Tribuna Feirense. Bahia, jan Disponível em: <http://www.tribunafeirense.com.br/noticia_ler.php?codnoticia=1293&categoria=cida e&subcategoria=outras%20noticias>. Acessado em: 10 de março

MODELAGEM MATEMÁTICA E O DESENVOLVIMENTO DE UM ESTUDO SOBRE OS EFEITOS DA CIRURGIA BARIÁTRICA

MODELAGEM MATEMÁTICA E O DESENVOLVIMENTO DE UM ESTUDO SOBRE OS EFEITOS DA CIRURGIA BARIÁTRICA MODELAGEM MATEMÁTICA E O DESENVOLVIMENTO DE UM ESTUDO SOBRE OS EFEITOS DA CIRURGIA BARIÁTRICA Lilian Aragão da Silva Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS liuzinhaaragao@yahoo.com.br Ana Virginia

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

Modelagem Matemática: a divisão de tarefas entre os alunos

Modelagem Matemática: a divisão de tarefas entre os alunos Modelagem Matemática: a divisão de tarefas entre os alunos Ilaine da Silva Campos 1 GDn 10 Modelagem Matemática Neste artigo, colocamos em debate o objeto da pesquisa que estamos desenvolvendo em nível

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA ALIADA AO USO DO COMPUTADOR: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DE 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL

MODELAGEM MATEMÁTICA ALIADA AO USO DO COMPUTADOR: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DE 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL MODELAGEM MATEMÁTICA ALIADA AO USO DO COMPUTADOR: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DE 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL Emerson Tortola 1 Veridiana Rezende 2 Talita Secorun dos Santos 3 RESUMO: Este trabalho teve

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONTRIBUIÇÕES DA ABORDAGEM HISTÓRICO-CULTURAL

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONTRIBUIÇÕES DA ABORDAGEM HISTÓRICO-CULTURAL A MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONTRIBUIÇÕES DA ABORDAGEM HISTÓRICO-CULTURAL Ana Virginia de Almeida Luna Universidade Estadual de Feira de Santana andrluna@uol.com.br Malu da Conceição Oliveira

Leia mais

Modelagem Matemática Na Confecção De Roupas

Modelagem Matemática Na Confecção De Roupas Modelagem Matemática Na Confecção De Roupas Aylla Gabriela Paiva de Araújo 1 GD10 Modelagem Matemática A Matemática se relaciona com as demais disciplinas presentes na nossa vida diária, na natureza e

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1

MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1 MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: APRECIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA PELOS SUJEITOS PARTICIPANTES 1 Marinez Cargnin-Stieler UNEMAT/NEED marinez@unemat.br Resumo: Este trabalho é uma análise parcial dos dados

Leia mais

DECRETO Nº 12.583 DE 09 DE FEVEREIRO DE 2011 D E C R E T A

DECRETO Nº 12.583 DE 09 DE FEVEREIRO DE 2011 D E C R E T A Publicado D.O.E. Em 10.02.2011 DECRETO Nº 12.583 DE 09 DE FEVEREIRO DE 2011 Estabelece procedimentos específicos sobre a execução orçamentária e financeira no âmbito da Administração Direta, suas autarquias,

Leia mais

Modelagem Matemática com turmas do 6º ano do Ensino Fundamental de duas diferentes escolas

Modelagem Matemática com turmas do 6º ano do Ensino Fundamental de duas diferentes escolas Modelagem Matemática com turmas do 6º ano do Ensino Fundamental de duas diferentes escolas Janaina de Ramos Ziegler 1 GD 10 Modelagem Matemática O projeto aqui apresentado tem por objetivo examinar os

Leia mais

Designação da Disciplina: Tendências de pesquisas e de práticas em Educação Matemática

Designação da Disciplina: Tendências de pesquisas e de práticas em Educação Matemática Designação da Disciplina: Tendências de pesquisas e de práticas em Educação Matemática Domínio Específico (X) Domínio Conexo ( ) Natureza: Específica da Área de Concentração do Curso (Ensino de Ciências)

Leia mais

A ESCOLHA DAS CONEXÕES DE INTERNET: UMA EXPERIÊNCIA UTILIZANDO A MODELAGEM MATEMÁTICA

A ESCOLHA DAS CONEXÕES DE INTERNET: UMA EXPERIÊNCIA UTILIZANDO A MODELAGEM MATEMÁTICA A ESCOLHA DAS CONEXÕES DE INTERNET: UMA EXPERIÊNCIA UTILIZANDO A MODELAGEM MATEMÁTICA Letícia Menezes Panciera 1 Eleni Bisognin 2 RESUMO Este trabalho tem como objetivo relatar uma experiência de sala

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO Guarapuava 2013 1 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Art. 1º As atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO NO 1º CICLO

MODELAGEM MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO NO 1º CICLO MODELAGEM MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO NO 1º CICLO 1 Ana Virginia de Almeida Luna Universidade Estadual de Feira de Santana andrluna@uol.com.br Resumo A presente

Leia mais

UNIVERSITÁRIOS EM DISCIPLINA A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A DISCENTES RELATO DE EXPERIÊNCIA

UNIVERSITÁRIOS EM DISCIPLINA A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A DISCENTES RELATO DE EXPERIÊNCIA UNIVERSITÁRIOS EM DISCIPLINA A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A DISCENTES RELATO DE EXPERIÊNCIA Fortaleza Ce Maio 2011 Graziella Batista de Moura Universidade de Fortaleza graziella@unifor.br Vandalina

Leia mais

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE 1 PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Programa de Bolsa Institucional de Ensino e Aprendizagem Submodalidade Ensino Licenciatura em Matemática (Turno Noturno) MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA NUM CURSO DE LICENCIATURA: DISCUTINDO DIFERENTES SIGNIFICADOS DE EQUAÇÃO

MODELAGEM MATEMÁTICA NUM CURSO DE LICENCIATURA: DISCUTINDO DIFERENTES SIGNIFICADOS DE EQUAÇÃO MODELAGEM MATEMÁTICA NUM CURSO DE LICENCIATURA: DISCUTINDO DIFERENTES SIGNIFICADOS DE EQUAÇÃO Isabela Galvão Barbosa Stempniak Universidade Bandeirante - UNIBAN isabelagalvao@gmail.com Alessandro Jacques

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 RELATO DE EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMATICA EM SALA DE AULA: CONSTRUÇÃO E DESENVOLVIMENTO Edléa Barbosa da Cruz edleabarbosa@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta o primeiro contato que tive com

Leia mais

Aula 1 (3 períodos): Convidando os alunos a participarem do projeto

Aula 1 (3 períodos): Convidando os alunos a participarem do projeto Disponibilizo aqui os planos de aula por mim elaborados, colocados em prática e reestruturados naquilo que percebi necessário, para futura utilização por professores que se interessarem em trabalhar utilizando

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ATIVIDADE DE MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDOS MATEMÁTICOS NO ENSINO FUNDAMENTAL I

UMA PROPOSTA DE ATIVIDADE DE MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDOS MATEMÁTICOS NO ENSINO FUNDAMENTAL I UMA PROPOSTA DE ATIVIDADE DE MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDOS MATEMÁTICOS NO ENSINO FUNDAMENTAL I Gislaine Ferreira Gomes Universidade Estadual de Londrina gis.fg@ibest.com.br Karina

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA LABORATÓRIO DE ENSINO DE CIÊNCIAS DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UnB): IDEALIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E ATIVIDADES REALIZADAS. Mariana de SenziZancul (Docente do Núcleo de Educação

Leia mais

O USO DA MODELAGEM MATEMÁTICA NO CURSO DE ELEMENTOS DE CÁLCULO PARA ENGENHARIA FLORESTAL

O USO DA MODELAGEM MATEMÁTICA NO CURSO DE ELEMENTOS DE CÁLCULO PARA ENGENHARIA FLORESTAL O USO DA MODELAGEM MATEMÁTICA NO CURSO DE ELEMENTOS DE CÁLCULO PARA ENGENHARIA FLORESTAL Resumo: Neste apresento o relato de uma experiência desenvolvida com o uso da modelagem matemática em disciplinas

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DOS PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º A ASCES, por meio deste Regulamento, contempla as Normas Gerais de Atividades complementares, permitindo

Leia mais

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Eduardo Vargas Pereira (IC) 1*, Diego Soares de Moura (IC) 1, Caroline Pereira Dutra (IC) 1, Roberta Almeida dos Santos

Leia mais

1ª Amostra de Projetos e Produções Científicas em Educação Matemática da FAINTVISA

1ª Amostra de Projetos e Produções Científicas em Educação Matemática da FAINTVISA FACULDADES INTEGRADAS DA VITÓRIA DE SANTO ANTÃO FAINTVISA COORDENAÇÃO DE CIÊNCIAS EXATASE DA NATUREZA 1 Pontos turísticos da cidade da Vitória de Santo Antão PE 1ª Amostra de Projetos e Produções Científicas

Leia mais

O estudo de função afim na fatura de energia elétrica por meio da Modelagem Matemática e da Engenharia Didática

O estudo de função afim na fatura de energia elétrica por meio da Modelagem Matemática e da Engenharia Didática O estudo de função afim na fatura de energia elétrica por meio da Modelagem Matemática e da Engenharia Didática Emerson Tortola 1 Universidade Estadual de Londrina Brasil emersontortola@hotmail.com Veridiana

Leia mais

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 156, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2014

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 156, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2014 COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 156, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o regulamento do Programa de Apoio à Pós-graduação PROAP, que se destina a proporcionar melhores

Leia mais

CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS

CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS Nilton Silveira Domingues Universidade Estadual Paulista (UNESP - Campus de Rio Claro) Instituto de Geociências e Ciências

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Conselho Superior da Universidade Federal de Juiz de Fora RESOLUÇÃO Nº 40/2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Conselho Superior da Universidade Federal de Juiz de Fora RESOLUÇÃO Nº 40/2010 RESOLUÇÃO Nº 40/2010 Institui o Programa de Apoio à Qualificação Graduação e Pós- Graduação Stricto Sensu mediante de Bolsas para Servidores Técnico- Administrativos em Educação e Docentes efetivos da

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA ISSN 2177-9139 EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA. Caroline Conrado Pereira 1 caroline_conrado@ymail.com Centro Universitário Franciscano, Rua Silva Jardim, 1175 Santa

Leia mais

E depois da Elaboração de um Produto Educacional?

E depois da Elaboração de um Produto Educacional? E depois da Elaboração de um Produto Educacional? Antônio do Nascimento Gomes 1 José Antonio Salvador 2 Resumo O trabalho de Mestrado Profissional que gerou este texto tinha como objetivo principal o desenvolvimento

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA 007/2012 PARA INSCRIÇÕES E SELEÇÃO CURSO DE EXTENSÃO EM GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS

EDITAL DE ABERTURA 007/2012 PARA INSCRIÇÕES E SELEÇÃO CURSO DE EXTENSÃO EM GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS EDITAL DE ABERTURA 007/2012 PARA INSCRIÇÕES E SELEÇÃO CURSO DE EXTENSÃO EM GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS 1. DA REALIZAÇÃO A Fundação para o Desenvolvimento de Recursos Humanos (FDRH),

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO Projeto escolar com a temática Livro Amigo produzido no ano de 2012, 2013 e em andamento em 2014, por todos os integrantes da escola e comunidade.

Leia mais

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática Michel da Silva Machado e-mail: michel_nick25@hotmail.com Isaque Rodrigues e-mail: isaque.max@hotmail.com Márcia Marinho do Nascimento Mello e-mail:

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO

UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO Renata Karoline Fernandes Universidade do Norte do Paraná/Universidade Estadual de Londrina renatakaroline@hotmail.com

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis Contabilidade Pública Aula 4 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Plano de Contas Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão Consiste em um rol ordenado de forma sistematizada de contas

Leia mais

Reflexão na ação e reflexão sobre a ação na aula de música em uma escola municipal: um relato de experiência

Reflexão na ação e reflexão sobre a ação na aula de música em uma escola municipal: um relato de experiência Reflexão na ação e reflexão sobre a ação na aula de música em uma escola municipal: um relato de experiência Letícia Ferreira do Vale, UFSCar, lf_vale@hotmail.com Rafaela Lopes Figueiredo, UFSCar, figueiredolopesrafaela@hotmail.com

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

O ESTUDO DE FUNÇÕES DO PRIMEIRO GRAU POR MEIO DA ANÁLISE DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA NO ENSINO FUNDAMENTAL

O ESTUDO DE FUNÇÕES DO PRIMEIRO GRAU POR MEIO DA ANÁLISE DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA NO ENSINO FUNDAMENTAL O ESTUDO DE FUNÇÕES DO PRIMEIRO GRAU POR MEIO DA ANÁLISE DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA NO ENSINO FUNDAMENTAL Ana Paula Rebello Pontifícia Universidade do Rio Grande do Sul - PUCRS prof.anapaula@ibest.com.br

Leia mais

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Santa Cruz do Sul RS Maio/2013 LANZARINI, Joice Nunes - UNISC - joice@unisc.br OLIVEIRA, Cláudio J.

Leia mais

Fundo de Assistência Judiciária da Defensoria Pública do Estado da Bahia FAJDPE/BA

Fundo de Assistência Judiciária da Defensoria Pública do Estado da Bahia FAJDPE/BA Fundo de Assistência Judiciária da Defensoria Pública do Estado da Bahia FAJDPE/BA Relatório semestral - 2º trimestre / 2015 - APRESENTAÇÃO O presente relatório condensa a movimentação semestral das receitas

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores OFICINA DE ESTUDOS: O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA FAAC

Leia mais

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE, ÁREA 46 DA CAPES, SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA. Osmair Benedito da Silva (Departamento de Química, Universidade

Leia mais

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA Naiane Novaes Nogueira 1 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB n_n_nai@hotmail.com José

Leia mais

HOSPITAIS FILANTRÓPICOS: A UM PASSO DO CAOS; REFLEXOS EM DOURADOS (MS)

HOSPITAIS FILANTRÓPICOS: A UM PASSO DO CAOS; REFLEXOS EM DOURADOS (MS) Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 05/08/2014. HOSPITAIS FILANTRÓPICOS: A UM PASSO DO CAOS; REFLEXOS EM DOURADOS (MS) Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO

A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO RESUMO Maria Lucia Indjaian Universidade Presbiteriana Mackenzie Marcos T.Masetto Universidade Presbiteriana Mackenzie Este trabalho

Leia mais

Palavras-Chave: Formação de Professores, Institutos Federais, Curso de Pedagogia.

Palavras-Chave: Formação de Professores, Institutos Federais, Curso de Pedagogia. O PROCESSO FORMATIVO DO CURSO DE PEDAGOGIA NO CAMPUS PORTO ALEGRE DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL: APONTAMENTOS INICIAIS Josiane Carolina Soares Ramos do Amaral

Leia mais

OS IMPACTOS DO PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS NO PARANÁ

OS IMPACTOS DO PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS NO PARANÁ MODELAGEM MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DO PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS PARA O CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES 1 Amauri Jersi Ceolim 2 Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão ajceolim@gmail.com

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO André Luís Mattedi Dias mattedi@uefs.br Jamerson dos Santos Pereira pereirajamerson@hotmail.com Jany Santos Souza Goulart janymsdesenho@yahoo.com.br

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS: DESAFIO DA GRADUAÇÃO

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS: DESAFIO DA GRADUAÇÃO ISSN 2177-919 RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS: DESAFIO DA GRADUAÇÃO Francieli Aparecida Vaz francieli.vaz@unipampa.edu Fundação Universidade Federal do Pampa, Campus Bagé, 961-170 Bagé, RS, Brasil Ana

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

SITUAÇÕES MATEMÁTICAS SOB O OLHAR DA MODELAGEM MATEMÁTICA, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA

SITUAÇÕES MATEMÁTICAS SOB O OLHAR DA MODELAGEM MATEMÁTICA, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA SITUAÇÕES MATEMÁTICAS SOB O OLHAR DA MODELAGEM MATEMÁTICA, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA Lilian Akemi Kato Universidade Estadual de Maringá lilianakato@hotmail.com Denise Knorst da Silva

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP

A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP A EDUCAÇÃO DE QUÍMICA EM ESCOLA PÚBLICA DA CIDADE DE PIRAPOZINHO/SP SILVA JUNIOR, Ranulfo Combuca da 1 - FAPREV / FAPEPE UNIESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE SOCIOLOGIA

O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE SOCIOLOGIA Dirce Pacheco e Zan O ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE SOCIOLOGIA DIRCE PACHECO E ZAN * este texto, apresento algumas reflexões sobre o estágio em cursos de licenciatura, em especial, no direcionado

Leia mais

Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO

Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO 1. Apresentação O curso de Pós Graduação Lato Sensu em Psicologia Educacional da POSGLOGAL visa a formação profissional de graduados que tenham

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Telma Aparecida de Souza Gracias Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP telmag@ft.unicamp.br

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA EM QUESTÕES AMBIENTAIS

A MODELAGEM MATEMÁTICA EM QUESTÕES AMBIENTAIS A MODELAGEM MATEMÁTICA EM QUESTÕES AMBIENTAIS CEOLIM, Amauri Jersi. TIDE/Fecilcam, ajceolim@gmail.com BRAZ, Bárbara Cândido. USF/Matemática, Fecilcam, babicbraz@hotmail.com ROEDER, Simone. USF/ Matemática,

Leia mais

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio João Victor Maceno Lacerda 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: Neste

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

III SEMINARIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA. Modelagem Matemática na sala de aula: diálogos com a Educação Matemática Crítica

III SEMINARIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA. Modelagem Matemática na sala de aula: diálogos com a Educação Matemática Crítica AUTOR DO TEXTO: Thaine Souza Santana III SEMINARIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA Modelagem Matemática na sala de aula: diálogos com a Educação Matemática Crítica RESUMO: Este artigo visa promover uma discussão

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

CESTA BÁSICA SOBE MENOS QUE O SÁLARIO MÍNIMO: UMA EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA EM UM AMBIENTE DE MODELAGEM MATEMÁTICA

CESTA BÁSICA SOBE MENOS QUE O SÁLARIO MÍNIMO: UMA EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA EM UM AMBIENTE DE MODELAGEM MATEMÁTICA CESTA BÁSICA SOBE MENOS QUE O SÁLARIO MÍNIMO: UMA EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA EM UM AMBIENTE DE MODELAGEM MATEMÁTICA Hosanna Santos Barreto Dantas 1 Escola Municipal São Judas Tadeu (Irará-BA) hosannajose@yahoo.com.br

Leia mais

Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID ANEXO I Detalhamento do PROJETO INSTITUCIONAL

Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID ANEXO I Detalhamento do PROJETO INSTITUCIONAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB EDITAL Nº 02/2009 CAPES/DEB Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1.756-2010, DE 10 DE JUNHO de 2010. DIÓGENES LASTE, Prefeito Municipal de Nova Bréscia RS.

LEI MUNICIPAL Nº 1.756-2010, DE 10 DE JUNHO de 2010. DIÓGENES LASTE, Prefeito Municipal de Nova Bréscia RS. LEI MUNICIPAL Nº 1.756-2010, DE 10 DE JUNHO de 2010. Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. DIÓGENES LASTE, Prefeito Municipal de Nova Bréscia RS. FAÇO SABER, que o Poder Legislativo

Leia mais

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR CAPES, no uso das atribuições conferidas pelo art. 26, inciso IX, do Decreto nº 6.316,

Leia mais

RELATÓRIO E PARECER DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO GESTÃO DOS RECURSOS VINCULADOS AO M.D.E.

RELATÓRIO E PARECER DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO GESTÃO DOS RECURSOS VINCULADOS AO M.D.E. RELATÓRIO E PARECER DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO GESTÃO DOS RECURSOS VINCULADOS AO M.D.E. O Órgão de Controle Interno do Município, atendendo ao que determina o art. 113, inciso II, letra b, da Resolução

Leia mais

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais.

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais. 4CCHLADAVPEX01 O ENSINO DE ARTES VISUAIS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALHANDRA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL Cláudia Oliveira de Jesus (1); Adeílson França (1);

Leia mais

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável.

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável. Coordenação do Curso de Engenharia Química da UFPR (CCEQ) Planejamento Estratégico 2012-2017 Apresentação: O curso de Engenharia Química da UFPR foi criado em 1954 pelo Decreto-Lei nº 6.489, assim completará

Leia mais

Categoria Pôster 2 O NEI se constitui numa escola de Educação Infantil situada no Campus Central da UFRN- Natal, que

Categoria Pôster 2 O NEI se constitui numa escola de Educação Infantil situada no Campus Central da UFRN- Natal, que ARTE PRESENTE NA CONSTRUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO: UM RELATO DE CASO 1 PONTES, Gilvânia Maurício Dias de (Mestranda PPGEd-UFRN/ Prof. do NEI-UFRN) PERNAMBUCO, Marta Maria Castanho Almeida (DEPED- CCSA-

Leia mais

Resolução nº 352, de 12 de dezembro de 2007.

Resolução nº 352, de 12 de dezembro de 2007. Resolução nº 352, de 12 de dezembro de 2007. Recepciona a Legislação Federal sobre o estágio de estudantes e disciplina a aplicação dos estágios curriculares no âmbito da Câmara Municipal de Canoas. Art.

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

O ENSINO E A APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL À LUZ DA MODELAGEM MATEMÁTICA

O ENSINO E A APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL À LUZ DA MODELAGEM MATEMÁTICA O ENSINO E A APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL À LUZ DA MODELAGEM MATEMÁTICA KAVIATKOVSKI, Marinês Avila de Chaves (UEPG) BURAK, Dionísio (Orientador/UEPG) Introdução A

Leia mais

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Rosiane de Jesus Santos Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Brasil rosijs7@yahoo.com.br Wederson Marcos Alves Universidade

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE RIO DO SUL - SC. PROJETO DE CAPACITAÇÃO: Assessoria Pedagógica

ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE RIO DO SUL - SC. PROJETO DE CAPACITAÇÃO: Assessoria Pedagógica ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE RIO DO SUL - SC PROJETO DE CAPACITAÇÃO: Assessoria Pedagógica Rio do Sul 2008/2009 CLAUDIO ADALBERTO KOLLER DIRETOR GERAL WALTER SOARES FERNANDES DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Expositor: Simão Cirineu Dias

Expositor: Simão Cirineu Dias Expositor: Simão Cirineu Dias Lei Orçamentária Anual; Execução Orçamentária; Fundos, Divida Ativa e Dívida Pública; Contabilidade Pública; Controle e Avaliação Controle Interno, Externo e Social e Avaliação

Leia mais

A FORMAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO SUPERIOR ATRAVÉS DA INSERÇÃO DOS ESTUDANTES EM PROGRAMAS INSTITUCIONAIS: UM ESTUDO DE CASO NA UFRPE

A FORMAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO SUPERIOR ATRAVÉS DA INSERÇÃO DOS ESTUDANTES EM PROGRAMAS INSTITUCIONAIS: UM ESTUDO DE CASO NA UFRPE A FORMAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO SUPERIOR ATRAVÉS DA INSERÇÃO DOS ESTUDANTES EM PROGRAMAS INSTITUCIONAIS: UM ESTUDO DE CASO NA UFRPE Introdução Wagner José de Aguiar Universidade Federal Rural de Pernambuco

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DO CRESCIMENTO DA FROTA DE VÉICULOS EM BOA VISTA-RR ATRAVÉS DA MODELAGEM MATEMÁTICA

TÍTULO: ANÁLISE DO CRESCIMENTO DA FROTA DE VÉICULOS EM BOA VISTA-RR ATRAVÉS DA MODELAGEM MATEMÁTICA TÍTULO: ANÁLISE DO CRESCIMENTO DA FROTA DE VÉICULOS EM BOA VISTA-RR ATRAVÉS DA MODELAGEM MATEMÁTICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: MATEMÁTICA INSTITUIÇÃO: INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

2. As dimensões do plano de reestruturação

2. As dimensões do plano de reestruturação 40 2. As dimensões do plano de reestruturação F. Suporte da pós-graduação ao desenvolvimento e aperfeiçoamento qualitativo dos cursos de graduação F.1 Articulação da graduação com a pós-graduação: expansão-quantitativa

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1. APRESENTAÇÃO O curso de Educação Física da FISMA, através de sua orientação de estagio supervisionado obrigatório, vem por meio de o presente documento estabelecer as diretrizes básicas da realização

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ALUNOS DA LICENCIATURA QUE NÃO QUEREM SER PROFESSORES TRAÇOS DO PERFIL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE MATEMÁTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI Marcilia Bruna dos Reis Teixeira Universidade Federal

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL Edvard Luiz da Silva Filho, edvardluiz@folha.com.br - FMU, Brasil. RESUMO

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de bolsa paga diretamente ao beneficiário e pagamento de demais despesas a ela vinculadas.

Detalhamento da Implementação Concessão de bolsa paga diretamente ao beneficiário e pagamento de demais despesas a ela vinculadas. Programa 1448 Qualidade na Escola Numero de Ações 48 Ações Orçamentárias 009U Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID Produto: Bolsa concedida Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 364

Leia mais

DISCIPLINA DE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS DA UNIVATES-RS

DISCIPLINA DE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS DA UNIVATES-RS DISCIPLINA DE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS DA UNIVATES-RS Claus Haetinger UNIVATES chaet@univates.br Maria Madalena Dullius UNIVATES madalena@univates.br

Leia mais

UMA PROPOSTA DIDÁTICA COM O USO DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO DA GEOMETRIA Modelagem e Educação Matemática GT 04 RESUMO

UMA PROPOSTA DIDÁTICA COM O USO DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO DA GEOMETRIA Modelagem e Educação Matemática GT 04 RESUMO UMA PROPOSTA DIDÁTICA COM O USO DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO DA GEOMETRIA Modelagem e Educação Matemática GT 04 RESUMO Este relato apresenta aspectos de uma proposta didática utilizando a modelagem

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 A Direção de Ensino do câmpus Curitiba, compreendendo todas as suas seções, com a finalidade

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

APLICAÇÃO DE BINGO DE EXPRESSÕES PARA INCENTIVO DO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA

APLICAÇÃO DE BINGO DE EXPRESSÕES PARA INCENTIVO DO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA APLICAÇÃO DE BINGO DE EXPRESSÕES PARA INCENTIVO DO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA Arine de Paiva Gonçalves 1 Cássio Costa Rodrigues 2, Liliane Martinez Antonow 3 1 If Sudeste MG Câmpus Rio Pomba/ DEMAF, arine.paiva@hotmail.com

Leia mais

A TRAJETÓRIA DO CURSO TECNOLÓGICO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL: EM BUSCA DE UM GERENCIAMENTO EFICAZ

A TRAJETÓRIA DO CURSO TECNOLÓGICO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL: EM BUSCA DE UM GERENCIAMENTO EFICAZ A TRAJETÓRIA DO CURSO TECNOLÓGICO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL: EM BUSCA DE UM GERENCIAMENTO EFICAZ G7 - Ensino e Aprendizagem de Matemática no Ensino Médio e no Ensino

Leia mais