INTERVENÇÃO NA IMPRENSA GRÁFICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA BA: ESTUDO DE CASO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTERVENÇÃO NA IMPRENSA GRÁFICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA BA: ESTUDO DE CASO."

Transcrição

1 INTERVENÇÃO NA IMPRENSA GRÁFICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA BA: ESTUDO DE CASO. ILVA MÔNICA COSTA MAGALHÃES BRANDÃO, ÁUREA C. A. CAMPOS (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA) RESUMO O objetivo deste trabalho foi analisar os fatores que contribuem para o desperdício de papel na Imprensa Universitária da Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS Ba. e desenvolver uma metodologia de redução e reutilização deste resíduo gerado, calcada na Educação Ambiental. Tal órgão utiliza aproximadamente folhas por mês, onde havia uma perda superior a 12%. A pesquisa ação foi a metodologia de sensibilização aplicada. Como resultado da intervenção houve uma redução de 48% do resíduo gerado, e as perdas inevitáveis passaram a ser reutilizadas para blocos rascunho. ABSTRACT This research aimed the analysis of the factors which lead to paper misuse at the University Press of State University of Feira de Santana and the development of strategies, based on Environmental Education, for reducing and reusing its residues. This Sector uses about sheets monthly and looses more than 12% of this amount. The methodology of Action Research has been applied for increasing the awareness. As a result of this Intervention there was a reduction of 48% of residue and the unavoidable losses are, from now on, reused for handcrafted notebooks.

2 INTERVENÇÃO NA IMPRENSA GRÁFICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA BA: ESTUDO DE CASO

3 INTERVENÇÃO NA IMPRENSA GRÁFICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA BA: ESTUDO DE CASO Ilva Mônica Costa Magalhães Brandão Msc. Áurea C. A. Campos (Universidade Estadual de Feira de Santana-Ba)

4 INTRODUÇÃO O aumento da população e a intensidade de industrialização são os dois fatores principais de origem e produção do lixo, resultante da atividade diária do ser humano na sociedade. Esses dois fatores interagem à medida que cresce também a necessidade de bens de consumo direto, de alimentos. Estas necessidades geram a transformação cada vez maior de matéria-prima em produtos acabados, acarretando maior quantidade de resíduos descartados, que mal destinados comprometem o meio ambiente, em detrimento da qualidade de vida (Kechen,1998). Estima-se que São Paulo, para manter o título de estado mais industrializado do país, produza anualmente, através do seu parque industrial, 2,5 milhões de toneladas de resíduos prejudiciais à saúde (Cempre, 1996). As indústrias básicas - cujos produtos são indispensáveis para a existência de inúmeras fábricas - são as que geram maior impacto ambiental, por causa da amplitude de suas atividades e pelo grande consumo de recursos naturais. Dos oito setores industriais brasileiros com forte presença no mercado internacional, quatro são altamente nocivos ao meio ambiente: papel e celulose, alumínio, minério de ferro e siderurgia primária, extração de petróleo e petroquímica (Cempre,1996). A cultura do desperdício está muito arraigada no Brasil. Por dispormos de um território muito extenso, um privilégio de nosso país, o povo tem noção da abundância das riquezas naturais de forma quase infinita. O Brasil tem uma quantidade imensa de recursos naturais e grande exuberância vegetal. A história do país foi pautada na exploração de tais riquezas. Logo essa cultura do desperdício poderia ter um primeiro fundamento na própria disponibilidade ampla desses recursos naturais (Jacobi,1997). Combater o desperdício dos recursos naturais e de produtos industrializados é um dos maiores desafios para a implementação do desenvolvimento sustentável no Brasil. Sem garantir a preservação de riquezas para as gerações futuras, não será possível concretizar as premissas sociais, econômicas e políticas preconizadas na Agenda 21. Um dos primeiros passos a serem dados é começar a pensar nas conseqüências de nossos hábitos. A questão do desperdício é, de fato, resultado dos padrões de educação de nossa sociedade, que ainda não assimilou a necessidade de se incorporar a filosofia da austeridade ao nosso dia-a-dia, em contraposição ao hábito do desperdício.

5 Os objetivos do presente trabalho foram: colaborar para despertar uma atitude reflexiva frente aos problemas ambientais; contribuir para conscientizar que o lixo produzido desnecessariamente corresponde a desperdício com prejuízo ambiental, social e econômico e, como tal precisa ser minimizado; quantificar o volume de lixo produzido; fazer o levantamento das atitudes que contribuem para o desperdício; propor novos mecanismos e ações para redução do desperdício de papel; propor técnicas de reutilização do papel, através da confecção de blocos rascunhos, para a comunidade carente. Resíduos Sólidos Aspectos Políticos e Ambientais A questão dos Resíduos Sólidos, quanto a sua gestão e produção tomou tal importância em termos mundiais que, em 1992 na Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento do Meio Ambiente (Rio 92), foi citado em capítulos no Documento Síntese criado (Agenda 21). Este documento que foi assinado por 170 Chefes de Estado e Governos marca um compromisso das Nações com o desenvolvimento sustentável através de 115 ações prioritárias agrupadas em 40 capítulos. A Agenda 21 apresenta e discute o tema Resíduos Sólidos especificamente em dois capítulos: capítulo 4 Mudanças dos Padrões de Consumo e capítulo 21 Manejo Ambientalmente Saudável dos Resíduos Sólidos As questões de ordem política fazem nascer importantes discussões que extrapolam questões técnicas e, principalmente ambientais como preconiza a Agenda 21. (Sodré,1997), aponta para a necessidade de redefinição das políticas industriais a fim de minimizar os desperdícios das atuais embalagens, salientando o fato de que, para o Brasil, a política industrial é de competência exclusiva do poder federal e, contrariamente, a gestão dos resíduos é de competência municipal. Além disso, o autor ainda cita a absoluta alienação dos consumidores mantendo hábitos de consumo e desperdício desfavoráveis à preservação dos recursos naturais e do meio ambiente. Dos pontos mais citados e discutidos na Agenda 21 diz respeito exatamente a redução de resíduos e que, tal prioridade choca-se diretamente com o hábito e cultura pessoal de cada indivíduo, comunidade e sociedade como um todo. Aqui se apresenta a primeira grande barreira a ser ultrapassada que é, a alteração dos hábitos insustentáveis da sociedade.

6 CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA Imprensa Universitária UEFS A Imprensa Universitária, criada através da Portaria nº 669/97, de 18/08/97, da Reitoria da Universidade Estadual de Feira de Santana, com o objetivo de desenvolver serviços e consultoria na área de editoração, arte final, impressão e reprodução gráficas às comunidades interna e externa. O Órgão dispõe de equipamentos de alta tecnologia para execução dos serviços, que possibilitam ainda, entre outras coisas, a encadernação, o grampeamento e o alceamento automático, podendo, inclusive, prestar serviços em escala gráfica industrial. A UEFS conta hoje com 26 anos de existência, e tem implantados 23 cursos de graduação, 30 de especialização, 06 de mestrado e 03 de doutorado e, uma grande atividade extensiva. Hoje, conta com alunos, 687 professores e 447 funcionários. Unidade de Ensino Distrito de Jaguara O distrito de Jaguara, localiza-se aproximadamente a 35 Km oeste da sede do município de Feira de Santana. Este povoado representa um dos sete Distritos em que está distribuída a população do município de Feira de Santana. O principal acesso rodoviário a Jaguara se dá a partir da BR 116 sul, BA 052 (conhecida como Estrada do Feijão) e por uma estrada vicinal, este percurso também feito através da estrada do Distrito de São José. As atividades de intervenção educacional, foram desenvolvidas na Unidade Escolar Pública Municipal de Ensino Fundamental, denominada Ginásio Municipal Colbert Martins da Silva. Trata-se de uma Unidade Escolar em funcionamento desde 1985, onde são atendidas 10 classes de aula, nos dois períodos, matutino e vespertino, do ensino fundamental. A Unidade Escolar atende em torno de 300 alunos, na faixa etária de 11 a 35 anos.

7 MÉTODO O método utilizado para desenvolver o trabalho foi a pesquisa-ação. Trata-se de um método, ou de uma estratégia de pesquisa social com base empírica que é concebida e realizada em estreita associação com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo, onde no desenvolvimento do projeto, podemos propor ações de intervenção na realidade de uma determinada comunidade. A pesquisa -ação, é a... linha de pesquisa associada a diversas formas de ação coletiva que é orientada em função da resolução de problemas ou de objetivos de transformação (Thiollent, 1992). METODOLOGIA O caminho metodológico para se atingir os objetivos propostos, foi desenhado nas seguintes etapas: I - Etapas para implantação de ações para reduzir o desperdício de papel na Imprensa Universitária - UEFS A - Diagnóstico da situação explorando o lixo: Nesse estudo preliminar, o diagnóstico do lixo produzido pela Imprensa Universitária, foi conduzido de forma a identificar os resíduos gerados pelo setor. Na análise da composição do lixo identificamos as seguintes categorias: papel; copo descartável; capa plástica e espiral provenientes do processo de encadernação; frasco de toner; embalagens de papelão. A análise demonstrou ainda que o papel é, a principal fonte de resíduos. Por constituirse na matéria-prima básica para a confecção dos trabalhos realizados no setor. A separação do resíduo (papel), realizou-se da seguinte maneira: papel comum de 75 a 90g; papel couchê e cartão, que possui gramatura entre 150 a 180g; e aparas pré e pósconsumo, provenientes do corte do papel couchê e cartão para ser utilizados nas máquinas e, do acabamento final dos trabalhos. Após a triagem realizada no próprio setor, no mês de setembro foi produzido 413,95 kg de lixo, sendo 218,15 kg de papel comum, 160 kg de aparas e, 35,5 kg de couchê/cartão. Podemos identificar que o resíduo papel comum representa cerca de 52% do total, como pode ser analisado na Tabela 1. Eqüivalendo o seu peso a uma perda de 9 caixas ao mês

8 de papel formato A4, ou aproximadamente a folhas, o que possibilitaria confeccionar cerca de exemplares de um livro de 160 páginas no formato A5. Tab.1 - Peso total e porcentagem em peso (kg) por grupo de resíduos (papel-setembro 2001) CARACTERIZAÇÃO PESO(KG) PORCENTAGEM EM PESO Comum 218,15 52% Aparas 160,3 39% Couchê/cartão 35,5 9% Total 413,95 100% B - Conversando com os atores envolvidos: Após os levantamentos já indicados, foram realizados encontros com os funcionários do setor. Por entendermos que os encontros são momentos de sensibilização e, incentivo à mobilização, durante o mesmo, valorizou-se o fortalecimento de vínculos afetivos e a revisão de valores para com o ambiente. Portanto, consideramos a participação nos encontros de fundamental importância para o sucesso das metas de redução do desperdício. Durante a exposição, foi colocada a situação atual do setor em relação ao desperdício que estava sendo gerado. Foi possível perceber o empenho dos atores em equacionar o problema, que depende da integração e cooperação de todos, quando eles levantaram informações acerca das causas e conseqüências do desperdício. C - Plano de ação mudança de atitudes: Foi estruturado após a discussão com os atores, um plano de ações para ser implantado na tentativa de minimizar o desperdício, que consistiu em: impressão e reprodução em frente-e-verso de documentos, apostilas, livros, etc.; evitar abrir pacotes de papel desnecessariamente, o que contribui para o desperdício; disciplinar a retirada de papéis das bandejas dos equipamentos ao final do expediente, evitando que aumente o nível de umidade dos mesmos; reaproveitamento de material contendo erros, antes do seu descarte final; separação prévia dos resíduos; acondicionamento do papel couchê, na estufa improvisada de papelão; corte de papel suficiente para a realização de trabalhos do dia, evitando assim estoques desnecessários; aquisição de estufas adequadas para o armazenamento do papel.

9 II - Etapas para reaproveitamento do resíduo (papel comum) gerado pela Imprensa Universitária, na comunidade carente. A Sensibilização um dos principais objetivos da Educação Ambiental consiste em permitir que o ser humano compreenda a natureza complexa do meio ambiente resultante de suas interações, levando-o a promover uma ação reflexiva e, prudente no uso racionalizado dos recursos naturais, satisfazendo as necessidades da humanidade. As atividades de sensibilização são instrumentos a serem utilizados para a concretização desses objetivos e, devem possibilitar aos participantes oportunidades para desenvolver uma sensibilização a respeito de seus problemas ambientais, além de propiciar uma reflexão a respeito destes problemas e, a busca por formas alternativas de soluções. B - Informação Conhecendo o lixo trabalhamos com este tema com o objetivo de: conhecer os conceitos e, os entendimentos dos alunos sobre o lixo, afim de enriquecelos e incorporá-los ao seu cotidiano; estimulá-los a desenvolver condutas adequadas com relação ao lixo. Para atingir os objetivos propostos foram feitas várias atividades com os seguintes temas: O que sabemos sobre o lixo? O que queremos saber? e Como faremos para saber? Todos os materiais (desenhos e textos) produzidos pelos alunos, foram utilizados na confecção dos blocos rascunhos. RESULTADOS E CONCLUSÕES A partir do mês de setembro (2001), novas caracterizações do material foram realizadas, o material ficou armazenado cumulativamente para ser pesado e, verificamos os seguintes dados: em setembro realizaram-se impressões/ reproduções, gerando um lixo total de 413,95 kg em 21 dias úteis. Já no mês de outubro com 24 dias úteis, foram impressas cópias gerando 321,5 kg de resíduos, representando uma redução de 22.3% do volume de lixo em relação ao mês anterior. O peso do resíduo (papel comum), reduziu de kg (setembro) para 146 kg em outubro, evitando uma perda de 3 caixas de papel A4. Constatamos então que, no mês de outubro houve uma redução do volume de lixo produzido no setor. Na análise desses dados vale ressaltar que foi um mês atípico, pois a

10 Universidade encontrava-se em recesso de suas atividades acadêmicas, o que normalmente provoca uma redução dos serviços prestados pelo órgão. No mês de novembro, quando houve o retorno das atividades acadêmicas, o volume total de lixo produzido foi de 235 kg. O volume (peso), relativo ao papel comum foi de kg, representando uma economia de 4.71 caixas de A4 ou folhas de papel. Enquanto que no mês de dezembro, foi gerado 230 kg de lixo em 21 dias úteis, sendo que 89.5 kg de resíduos era referente ao papel comum e, evitou uma perda de 5.18 caixas ou mais precisamente folhas. No mês de janeiro, com 24 dias úteis, o volume de resíduos foi de kg, sendo 73 kg concernente ao papel comum. As informações podem ser observadas de modo mais detalhado na Tabela 2. Tab. 2 - Volume de resíduo de papel comum gerado no período de estudo. Dias úteis Papel comum (kg) Total geral (kg) Setembro( ,15 413,95 Outubro ) ,00 321,50 Novembro ,5 235,00 Dezembro 21 89,50 230,00 Janeiro(2002) 24 73,00 228,50 Os dados comparativos do lixo, antes e depois da implantação das ações, refletem a evolução das mudanças de atitudes almejadas. Um bom exemplo desse indicador de mudança é, a média diária do volume total do lixo, que passou de kg (setembro ), para 9.52 kg no mês de janeiro. E o volume/dia de resíduo relativo ao papel comum passou de kg ( setembro) para 3.04 kg em janeiro (2002) conforme Tabela 3. Tab. 3 - Média diária de lixo gerado por tipo de papel na Imprensa Universitária no período de estudo por kg. Dias úteis Papel comum Aparas Couchê Total Setembro( Outubro ) Novemvro Dezembro Janeiro(2002)

11 Com a intensificação das ações implementadas, a perda do papel comum pode ficar nos próximos meses em torno de 2 caixas de A4, o equivalente a folhas mensal, para a produção que se apresenta no momento, assim como, a redução do volume de lixo gerado, uma vez que, a partir da intervenção realizada, todas as eventuais perdas de papel serão reutilizadas, na forma de blocos rascunhos, antes de serem destinados para a reciclagem. Obedecendo a uma seqüência lógica e natural na resolução dos problemas ambientais, oriundos dos resíduos sólidos: a minimização da geração dos resíduos a reutilização e a reciclagem, estaremos aplicando de forma efetiva e participativa os princípios dos 3 R s. A problemática dos resíduos sólidos deve ser assumida em perspectiva ambientalmente sustentável, isto é, diminuindo a produção, alterando hábitos e costumes em relação ao desperdício. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COMPROMISSO EMPRESARIAL PARA RECICLAGEM CEMPRE Folheto. nº 27, fev. São Paulo, JACOBI, P.R. Consumo, desperdício e degradação ambiental. Debates Sócio- Ambientais, São Paulo, v.2, n.5. FE/USP KECHEN.C.S. Ameaça dos resíduos urbanos. Folha de São Paulo, São Paulo. Ago. EP/USP, SODRÉ, M. G. Consumo e globalização. Consumo, lixo e meio ambiente. São Paulo, p.15-16, set. Edição especial, THIOLLENT, Michel. Metodologia da Pesquisa-Ação. São Paulo: Cortez:Autores Associados, Endereço : Residencial Belleville Torre Marrom - Ap Rua Palmeiras 90 Ponto Central Feira de Santana Ba - CEP :

RECICLANDO PELA VIDA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM UM ÓRGÃO DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA

RECICLANDO PELA VIDA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM UM ÓRGÃO DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA RECICLANDO PELA VIDA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM UM ÓRGÃO DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICA Kelma Maria Nobre Vitorino (Orientadora) Química industrial pela UFC, 1988. Mestrado em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 DISCIPLINA - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Integrantes: Adriano de Oliveira RA: 14759 Karina

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos Projeto SeparAção INTRODUÇÃO Há muito tempo o homem vem utilizando os recursos naturais que ele encontra em seu habitat e a cada ano que passa, novas formas de uso são descobertas. O maior problema dessa

Leia mais

PAPEL: AS PRÁTICAS DE RECICLAGEM E REUTILIZAÇÃO E OS PROCESSOS ENVOLVIDOS RESUMO

PAPEL: AS PRÁTICAS DE RECICLAGEM E REUTILIZAÇÃO E OS PROCESSOS ENVOLVIDOS RESUMO PAPEL: AS PRÁTICAS DE RECICLAGEM E REUTILIZAÇÃO E OS PROCESSOS ENVOLVIDOS Priscila Toschi da Silva 1 ; Leila Cristina Konradt-Moraes 2 ; UEMS Caixa postal 351 CEP 79804-070; E-mail: priscila.toschi@hotmail.com;

Leia mais

Data do início da implementação da experiência: fevereiro de 1997

Data do início da implementação da experiência: fevereiro de 1997 Experiência: PROJETO DE RECICLAGEM DE PAPEL DE ESCRITÓRIO Ministério da Previdência e Assistência Social INSS/Superintendência Estadual em São Paulo Coordenação de Recursos Humanos Responsável: Marli Penteado

Leia mais

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Experiências e estratégias para coleta e reciclagem de embalagens longa vida ABSTRACT O gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos é uma das questões ambientais

Leia mais

Programa de Coleta Seletiva da Prefeitura do Campus 15 Anos de Parcerias Sustentáveis

Programa de Coleta Seletiva da Prefeitura do Campus 15 Anos de Parcerias Sustentáveis Programa de Coleta Seletiva da Prefeitura do Campus 15 Anos de Parcerias Sustentáveis Minimização O manejo ambientalmente saudável do resíduo sólido urbano deve ir além do simples depósito ou aproveitamento

Leia mais

III-002 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA ESCOLA - QUANTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E SOLUÇÕES

III-002 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA ESCOLA - QUANTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E SOLUÇÕES III-002 - RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA ESCOLA - QUANTIFICAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E SOLUÇÕES Kelma M a Nobre Vitorino (1) Química industrial pela UFC,1988. Mestrado em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UFPB,1991.

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Abordagem do Tema Reciclagem/Reutilização na Grade Curricular dos Cursos de Engenharia da Unifoa

Abordagem do Tema Reciclagem/Reutilização na Grade Curricular dos Cursos de Engenharia da Unifoa 11 Abordagem do Tema Reciclagem/Reutilização na Grade Curricular dos Cursos de Engenharia da Unifoa Recycling/Reuse Approaches in the Engineering Curriculum at UniFOA Anderson Luiz Carneiro Esteves 1 Marcella

Leia mais

Projeto Reciclar - Implantação da Coleta Seletiva no Campus da UFV

Projeto Reciclar - Implantação da Coleta Seletiva no Campus da UFV Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Projeto Reciclar - Implantação da Coleta Seletiva no Campus da UFV Área Temática de Meio Ambiente Resumo

Leia mais

Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241

Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241 NRE: Ivaiporã Nome do Professor: Nilson Marques de Oliveira Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241 Escola: Escola Estadual Vicente Machado Ensino

Leia mais

Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês AÇÕES SUSTENTÁVEIS DO HOSPITAL GERAL DO GRAJAÚ

Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês AÇÕES SUSTENTÁVEIS DO HOSPITAL GERAL DO GRAJAÚ Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês AÇÕES SUSTENTÁVEIS DO HOSPITAL GERAL DO GRAJAÚ Autores: Raphaella Rodrigues de Oliveira Gerente de Hotelaria; Rafael Saad Coordenador Administrativo.

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

O QUE É O AMBIENTAÇÃO?

O QUE É O AMBIENTAÇÃO? PROJETO PILOTO O QUE É O AMBIENTAÇÃO? É o projeto que pretende inserir os valores sócio- ambientais na administração pública do Estado, por meio de iniciativas que possibilitem a mudança de comportamento

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS.

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. Ana Cláudia Santos da Silva Graduanda em Engenharia Ambiental e Sanitária Faculdades Integradas de Três Lagoas - AEMS

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental Responsabilidade Socioambiental A Fecomércio-RS busca a sustentabilidade e o compromisso socioambiental das partes interessadas, por meio da melhoria contínua de serviços, processos e instalações, a partir

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

Produção e consumo sustentáveis

Produção e consumo sustentáveis Produção e consumo sustentáveis Fernanda Capdeville Departamento de Produção e Consumo Sustentáveis DPCS Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental - SAIC 14 Plenária do Fórum Governamental

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

1º Fórum Internacional de Resíduos Sólidos. ÁREA TEMÁTICA Educação Ambiental AMBIENTAÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM PRÉDIOS DO GOVERNO DE MG 1

1º Fórum Internacional de Resíduos Sólidos. ÁREA TEMÁTICA Educação Ambiental AMBIENTAÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM PRÉDIOS DO GOVERNO DE MG 1 1º Fórum Internacional de Resíduos Sólidos ÁREA TEMÁTICA Educação Ambiental AMBIENTAÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM PRÉDIOS DO GOVERNO DE MG 1 1 Mirian Cristina Dias Baggio Bióloga especializada em Educação

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Consumo, consumismo e impacto humano no meio ambiente Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 6min29seg Habilidades:

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEOR DE FIBRAS RECICLADAS NAS PROPRIEDADES FÍSICO- MECÂNICAS DO PAPEL

INFLUÊNCIA DO TEOR DE FIBRAS RECICLADAS NAS PROPRIEDADES FÍSICO- MECÂNICAS DO PAPEL INFLUÊNCIA DO TEOR DE FIBRAS RECICLADAS NAS PROPRIEDADES FÍSICO- MECÂNICAS DO PAPEL Ana Carolina Nascimento, Jean Vinícius Moreira, Rubiane Ganascim Marques, Kelly C. Iarosz Discente do curso de Engenharia

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO ILIDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional DEZEMBRO/2000

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

Gerenciamento de Impressões

Gerenciamento de Impressões Gerenciamento de Impressões Junte se ao prático! Gerenciamento de Impressão É a terceirização de todo o processo de impressão dentro da empresa, ou seja do ambiente de produção de documentos: impressoras,

Leia mais

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 1 1. O Programa de Gestão Ambiental O Programa de Gestão Ambiental da

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

APROSA Associação das Promotoras Legais Populares do Cabo de Santo Agostinho RECICLARTES RECICLANDO VIDAS!

APROSA Associação das Promotoras Legais Populares do Cabo de Santo Agostinho RECICLARTES RECICLANDO VIDAS! APROSA Associação das Promotoras Legais Populares do Cabo de Santo Agostinho RECICLARTES RECICLANDO VIDAS! Cabo de Santo Agostinho, 2010 Descrição do Projeto Segundo a comissão Mundial sobre o Meio Ambiente

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DO CESUMAR, MARINGÁ - PR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DO CESUMAR, MARINGÁ - PR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DO CESUMAR, MARINGÁ - PR angélica da silva de oliveira 1 ;Adriana dos Santos Maulais 1 ; Rosilene Luciana Delariva

Leia mais

Estudo para o Reaproveitamento dos Resíduos Sólidos Produzidos nas Aulas do Laboratório de Alvenarias do Curso de Construção Civil do Cefet-rj

Estudo para o Reaproveitamento dos Resíduos Sólidos Produzidos nas Aulas do Laboratório de Alvenarias do Curso de Construção Civil do Cefet-rj Estudo para o Reaproveitamento dos Resíduos Sólidos Produzidos nas Aulas do Laboratório de Alvenarias do Curso de Construção Civil do Cefet-rj Pedro Aurélio Ferreira Rocha ankeo2@hotmail.com CEFET-RJ João

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

RECICLA TAN: RECICLAGEM E MEIO AMBIENTE PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA ESTADUAL TANCREDO DE ALMEIDA NEVES, UNAÍ/MG

RECICLA TAN: RECICLAGEM E MEIO AMBIENTE PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA ESTADUAL TANCREDO DE ALMEIDA NEVES, UNAÍ/MG RECICLA TAN: RECICLAGEM E MEIO AMBIENTE PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA ESTADUAL TANCREDO DE ALMEIDA NEVES, UNAÍ/MG Kelly Giane Ribeiro da Costa Moreira Universidade Estadual de Montes Claros-UNIMONTES

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

TÍTULO AUTORES ÁREA TEMÁTICA Objetivo: DEDICATÓRIA

TÍTULO AUTORES ÁREA TEMÁTICA Objetivo: DEDICATÓRIA TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DOS CATADORES DE PAPEL NO COMÉRCIO DE FEIRA DE SANTANA -BA AUTORES: Celso Luiz P. da Silva, Clairton Batista Vieira, Gilmar Matias P. Júnior, Wilson Dourado Lima, Maria de Fátima

Leia mais

Uma Ação Extensionista em Construção Frente ao Problema do Lixo Produzido num Campus Universitário 1

Uma Ação Extensionista em Construção Frente ao Problema do Lixo Produzido num Campus Universitário 1 Uma Ação Extensionista em Construção Frente ao Problema do Lixo Produzido num Campus Universitário 1 Vinícius Augusto Morais, 9º módulo de Engenharia Florestal/UFLA, vemorais@bol.com.br; Kelly Lopes Silva,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUINDO PARA A QUALIDADE DE VIDA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUINDO PARA A QUALIDADE DE VIDA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUINDO PARA A QUALIDADE DE VIDA Sabrina Carneiro de Lima Souza 1 Renata Souza Rolim 2 Ladjane Martins Aragão 3 Ivna Borges da Costa 4 RESUMO Atualmente um dos grandes desafios

Leia mais

Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha GTZ

Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha GTZ PROJETO COMPETIR Projeto COMPETIR Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha SENAI GTZ SEBRAE OBJETIVO Ampliar a competitividade das empresas da cadeia produtiva da Construção Civil, visando:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM DOIS BAIRROS DE CLASSES SOCIAIS DISTINTAS NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA PALHA ES

CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM DOIS BAIRROS DE CLASSES SOCIAIS DISTINTAS NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA PALHA ES CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM DOIS BAIRROS DE CLASSES SOCIAIS DISTINTAS NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA PALHA ES Leandro Cezar Valbusa Bragato¹ Acadêmico de Engenharia Ambiental

Leia mais

DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO DNOCS

DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO COORDENAÇÃO DE RECURSOS LOGÍSTICOS Paulo César Lopes Barsi Comissão de Elaboração do Plano de Logística Sustentável (PLS) Carlos Henrique Feitosa Soares Fábio

Leia mais

A Transformação e a Reciclagem de Material Plástico. Estrutura e desafios

A Transformação e a Reciclagem de Material Plástico. Estrutura e desafios A Transformação e a Reciclagem de Material Plástico Estrutura e desafios 14 - Estados representados 21 - Sindicatos Associados Representa : 100% dos Estados do Sul e Sudeste e 65% dos Estados do Nordeste

Leia mais

09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO

09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO 09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO Maria Lucimar Maranhão Lima (1) Engenheira Química pela UFC. Especialista em Educação Profissional Técnica de Nível Médio integrado ao

Leia mais

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Mostra Local de: Maringá Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome

Leia mais

Estudo de caso: Projeto Reciclart

Estudo de caso: Projeto Reciclart 2014 Estudo de caso: Projeto Reciclart Solange Costa Miranda Nascimento Gerente de Resíduo - HGNI 4/9/2014 Estudo de Caso Reciclagem de resíduos Comum Política dos 3 R s Projeto Reciclart HGNI HGNI - Hospital

Leia mais

1. Introdução e Revisão Bibliográfica 1.1. A problemática da conservação ambiental e o descarte de resíduos sólidos

1. Introdução e Revisão Bibliográfica 1.1. A problemática da conservação ambiental e o descarte de resíduos sólidos RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM ESCOLA DE ENSINO BÁSICO FERREIRA, A. A. R. 1, NASCIMENTO, J. P. L 1, FALONE, S. Z. 2. 1 IFGoiano - Câmpus Rio Verde (Alunos do Projeto de Extensão do IF Goiano, Câmpus

Leia mais

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente - SEPesq Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente Micheli Gonçalves Zamarchi Arquiteta e Urbanista Centro Universitário Metodista - IPA arquiteta.mz@gmail.com

Leia mais

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar PRÊMIO 2012 Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar Data ou Período de Aplicação da Experiência: 2011 e 2012 Categoria

Leia mais

SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM ALGUNS MUNICÍPIOS DA RMBH

SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM ALGUNS MUNICÍPIOS DA RMBH SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM ALGUNS MUNICÍPIOS DA RMBH Júlio Eymard Werneck Costa Graduando em Engenharia Civil pela UFMG. Bolsista de iniciação científica. Tainá Ulhoa

Leia mais

Declaração: Os autores se submetem às condições estabelecidas pelo Regulamento para Apresentação dos Trabalhos Técnicos.

Declaração: Os autores se submetem às condições estabelecidas pelo Regulamento para Apresentação dos Trabalhos Técnicos. Título do Trabalho: Separe o Lixo que não é Lixo Autores: Edio Elói Frizzo - Atual Diretor Geral do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto SAMAE - de Caxias do Sul; - Secretário do Municipal do Meio

Leia mais

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: O QUE FAZER COM TANTO LIXO?

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: O QUE FAZER COM TANTO LIXO? SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: O QUE FAZER COM TANTO LIXO? Eixo Temático -Ser Humano e Saúde. Tema -O que Fazer com Tanto Lixo? Subtema - Qualidade de Vida: A Saúde Individual, Coletiva e Ambiental. Ano/Série

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR Armando Madalosso Vieira Filho (UEPG/UTFPR) armandovieiraf@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira

Leia mais

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar Gizelma de A. Simões Rodrigues SBS Hospital Sírio Libanês Instituição Filantrópica de saúde, ensino e pesquisa. Hospital de alta complexidade Matriz 172.000 m² 5.900

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA Usando Bem Ninguém Fica Sem. PROGRAMA DE COLETA SELETIVA 1. O QUE É COLETA SELETIVA 2. DESTINO FINAL DO LIXO DE SÃO PAULO 3. COMPOSIÇÃO DO LIXO SELETIVO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL Erica Bento SARMENTO 1 Diêgo Lima CRISPIM 2 Jucielio Calado ALVES 3 Alan Del Carlos Gomes

Leia mais

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL SOUZA,I.C. ;BUFAIÇAL,D.S.S;SANTOS,M.D.;ARANTES,S.S.;XAVIER,L.;FERREIRA,G.K.S; OLIVEIRA,B.A.;PAGOTTO,W.W.B.S.;SILVA,R.P.;SANTOS.L.G.;SANTOS.F.F.S.;FRANCO,R.

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

Resíduos Sólidos Programa Lixo Alternativo Situação atual de Guaraqueçaba: Volume diário 4m³ (aproximadamente 1 tonelada/dia) Coleta: Diária em 980 unidades domésticas / 135 comerciais / 2 industriais

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

PROJETO: Sustentabilidade e mudanças de hábitos no ambiente escolar e na escola

PROJETO: Sustentabilidade e mudanças de hábitos no ambiente escolar e na escola ESCOLA MUNICIPAL COSTA E SILVA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO: Sustentabilidade e mudanças de hábitos no ambiente escolar e na escola MARECHAL CÂNDIDO RONDON, JULHO DE 2011. RESUMO: O presente

Leia mais

RECICLANDO ATITUDES. Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ;

RECICLANDO ATITUDES. Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ; RECICLANDO ATITUDES Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ; 1 Farmacêutica, Bioquímica e Pós Graduada em Educação Ambiental- Professora

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O USO SUSTENTÁVEL DO PAPEL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ORIENTAÇÕES PARA O USO SUSTENTÁVEL DO PAPEL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ORIENTAÇÕES PARA O USO SUSTENTÁVEL DO PAPEL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Cidadania e Responsabilidade

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO.

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

CAMPANHA - COPOS PLÁSTICOS

CAMPANHA - COPOS PLÁSTICOS 2015 CAMPANHA - COPOS PLÁSTICOS Vanessa C. S. Becker - COGEMAS SAMAE de Brusque 05/01/2015 Atualmente ouvimos falar muito sobre consciência ambiental e desperdício. Porém algumas vezes agimos de forma

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL.

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. Silvia de Veras Néri Rosilea França Garcia UNOCHAPECÓ-CHAPECÓ-SC-BRASIL

Leia mais

O que é o Programa Reciclando Atitudes?

O que é o Programa Reciclando Atitudes? O que é o Programa Reciclando Atitudes? É um programa que visa despertar a reflexão da sociedade para a gestão adequada dos resíduos sólidos, através de ações socioambientais de sensibilização, formação,

Leia mais

Resultados da Pesquisa Inovações Ambientais

Resultados da Pesquisa Inovações Ambientais Núcleo Bradesco de Inovação Resultados da Pesquisa Inovações Ambientais Encontro CRI- MG 4 de Outubro de 2012 Apoio: Objetivo da Pesquisa Compreender como ocorrem as inovações ambientais nas empresas brasileiras;

Leia mais

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores.

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores. ECONOMIA - 19/08/14 BRIEFING DE POSICIONAMENTO SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1. CONTEXTO Posicionamento geral para quaisquer entrevistas realizadas no âmbito da terceira edição do projeto

Leia mais

CATEGORIA: Pôster Eixo Temático: Ciências Sociais (Educação Ambiental)

CATEGORIA: Pôster Eixo Temático: Ciências Sociais (Educação Ambiental) V1.2012 CATEGORIA: Pôster Eixo Temático: Ciências Sociais (Educação Ambiental) VIVÊNCIAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATUANDO JUNTO À COMUNIDADE PIRACICABANA E AO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ Rodolfo Ferreira da Costa

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP

BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2010) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 O IMPACTO DA TECNOLOGIA DE RECICLAGEM DE EMBALAGENS LONGA VIDA EM BARÃO GERALDO

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS Carolina Gaspar Enderle (1) Aluna do curso Técnico em Segurança do Trabalho do Colégio Técnico Industrial

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P CNPJ/MF 10.565.000/0001-92 CEP 50.030-230 CPF 342.246.884-68 CEP 52.041-170

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P CNPJ/MF 10.565.000/0001-92 CEP 50.030-230 CPF 342.246.884-68 CEP 52.041-170 PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P 1. DADOS CADASTRAIS Órgão SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE Endereço CAIS DO APOLO, Nº 925, BAIRRO DO RECIFE Cidade RECIFE UF PE Nome do Responsável MARCELO AUGUSTO

Leia mais

PROGRAMA AGENDA TJPA SOCIOAMBIENTAL

PROGRAMA AGENDA TJPA SOCIOAMBIENTAL PROGRAMA AGENDA TJPA SOCIOAMBIENTAL PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Excelentíssima Senhora Desembargadora Presidente do Tribunal de Justiça do Estado: Submetemos à apreciação de Vossa Excelência

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP SILVA V. L. da 1 ; SOUZA T. R. 1 ; RIBEIRO J. S. G. 1 ; CARDOSO C. F. 1 ; SILVA, C. V. da 2. 1 Discentes do Curso de Ciências Biológicas FAP 2

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CURSO TÉCNICO EM CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL PROJETO TALENTO PROFISSIONAL

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CURSO TÉCNICO EM CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL PROJETO TALENTO PROFISSIONAL SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC CURSO TÉCNICO EM CONTROLE E MONITORAMENTO AMBIENTAL PROJETO TALENTO PROFISSIONAL MONITORAMENTO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS E NÃO RECICLÁVEIS GERADOS NA EFAPI

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE MOSSORÓ-RN

CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE MOSSORÓ-RN CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE MOSSORÓ-RN Romênia Gurgel Vieira romeniavieira@hotmail.com Mestranda do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Plastivida lança campanha de reciclagem na Brasilplast 2007

Plastivida lança campanha de reciclagem na Brasilplast 2007 Plastivida lança campanha de reciclagem na Brasilplast 2007 O objetivo é promover o conceito de reciclagem e ampliar cada vez mais a atividade no Brasil, que hoje já recicla cerca de 520 mil toneladas

Leia mais

As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil

As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil A ABIPLAST representa as empresas de transformação de material plástico ( 3ª geração ) e as Industrias de Reciclagem de Material Plástico.

Leia mais

2º. Plano de Negócios Cooperativa dos Agentes Autônomos de Reciclagem de Aracaju - CARE

2º. Plano de Negócios Cooperativa dos Agentes Autônomos de Reciclagem de Aracaju - CARE Cooperativa dos Agentes Autônomos de Reciclagem de Aracaju - CARE Antonio Ramirez Hidalgo Catarina Nascimento de Oliveira Fernanda Esperidião Marco Antonio Jorge Outubro/2011 CARE instituída em 2000 após

Leia mais

A TEMÁTICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A TEMÁTICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A TEMÁTICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Geisieli Rita de Oliveira 1 ge_baronesa@hotmail.com Manuela Tavares Moreira 1 manuelamoreira92@gmail.com Catarina Teixeira 2 - catarinabio@hotmail.com

Leia mais

1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS USADAS DE ÓLEOS LUBRIFICANTES EDITAL Nº01/2011 O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE,

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL Palavras-chave: Efluentes industriais, tecnologia ambiental, controle de poluição. 1 Introdução O mercado de tecnologias ambientais no Brasil, principalmente

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS DOMÉSTICOS EM ÁREA URBANA: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIO DE PEQUENO PORTE Aline Ferrão Custodio Passini (*), Guilherme Barros,

Leia mais

Site Terra, 05 de Junho de 2013

Site Terra, 05 de Junho de 2013 Site Terra, 05 de Junho de 2013 Mesmo com data para acabar, lixões subsistem no Brasil. Mais da metade dos municípios brasileiros não impõe a destinação adequada ao lixo. Assim, cerca de 75 mil toneladas

Leia mais