LIVRO DE RESUMOS DO PRIMEIRO CONGRESSO NACIONAL DA ORDEM DOS PSICÓLOGOS PORTUGUESES LISBOA, 18 A 21 DE ABRIL DE 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LIVRO DE RESUMOS DO PRIMEIRO CONGRESSO NACIONAL DA ORDEM DOS PSICÓLOGOS PORTUGUESES LISBOA, 18 A 21 DE ABRIL DE 2012"

Transcrição

1 LIVRO DE S DO PRIMEIRO CONGRESSO NACIONAL DA ORDEM DOS PSICÓLOGOS PORTUGUESES LISBOA, 18 A 21 DE ABRIL DE 2012 APRESENTAÇÕES 1

2 LIVRO DE S DO PRIMEIRO CONGRESSO NACIONAL DA ORDEM DOS PSICÓLOGOS PORTUGUESES APRESENTAÇÕES 2

3 LIVRO DE S Um livro de resumos é um registo de participação alargado, neste caso no 1º Congresso da Ordem dos Psicólogos Portugueses. Aqui se dá nota dos trabalhos apresentados, e permite-se um vislumbre dos principais tópicos que foram abordados em cada uma das comunicações, posters ou apresentações. É muito útil como instrumento de trabalho, ultrapassando o simples registo histórico do congresso. Permite saber quem anda a fazer o quê, quais os interesses e os rumos da psicologia que se vai fazendo em Portugal, principalmente porque o nosso primeiro congresso conseguiu um objectivo fundamental atrair para a apresentação de trabalhos os profissionais que muitas vezes andam arredados destes círculos, e que se remetem para um consumo passivo dos trabalhos apresentados. Foi possível, logo no nosso primeiro congresso, atingir esta maturidade de apresentação, tão difícil em outros países, que põe em diálogo diferentes saberes, e potencia uma colaboração que desejamos profícua. Abraçamos um modelo de desenvolvimento profissional que passa por estabelecer pontes fortes de contacto entre o conhecimento produzido nos meios académicos e a prática profissional. Esse objectivo foi atingido no nosso 1º congresso. Entendemos que todos têm a ganhar com esta aproximação, e que a prática psicológica em Portugal ficará mais sólida se cada um puder dar o seu contributo, colaborar, investigar e disseminar os seus trabalhos. Daí termos posto à disposição de todos os membros o acesso a uma base de dados de mais de 500 revistas científicas, porque desejamos que as práticas ganhem suporte em evidência científica, e possam contribuir para o avanço da prestação dos serviços. Além disso, o livro de resumos serve como referência para encontrar os parceiros de interesse, os temas que desejamos seguir, enfim, os colegas com quem possamos desenvolver trabalhos futuros. Porque a força da psicologia portuguesa faz-se cada vez mais deste cruzamento de referências, desta multiplicação de actividades, do desenvolvimento de um potencial que tem ainda muitos frutos para dar. É por isso que um livro de resumos é mais do que uma compilação de cartões de presença. Pode ser muito mais, e desejamos que seja uma referência para muitos trabalhos que encontrarão expressão na próxima edição do nosso Congresso. Telmo Mourinho Baptista BASTONÁRIO APRESENTAÇÕES 3

4 PRESIDENTE DO CONGRESSO Telmo Mourinho Baptista COMISSÃO ORGANIZADORA David Neto Ana Moniz Ana Nunes da Silva Ana Teresa Sustelo Constança Biscaia Teresa Espassandim Tiago Príncipe COMISSÃO CIENTÍFICA Ana Ramires Carlos Anunciação Carlos Simões Eduardo Carqueja Isabel Queiroz de Mello Isabel de Sá Isabel Trindade Ivone Patrão João Faria João Salgado José Ornelas José Pais Ribeiro Lígia Ferros Maria Ercília Duarte Maria João Fagundes Mónica Maymone Patrícia Jardim da Palma Paula Mesquita Paulo Mota Marques Rosa Ferreira Novo Sara Ibérico Nogueira Teresa Lobato Faria APRESENTAÇÕES 4

5 NOTA A Organização não efectuou alterações nos títulos das apresentações, resumos, nomes dos participantes ou outros elementos por consideração aos autores APRESENTAÇÕES 5

6 ÍNDICE APRESENTAÇÕES 6

7 ÍNDICE APRESENTAÇÕES 0 9 POSTERS 342 VÍDEO & PECHA KUCHA 419 ÍNDICE 436 FICHA TÉCNICA 443 APRESENTAÇÕES 7

8 APRESENTAÇÕES APRESENTAÇÕES 8

9 MESA 71 Dislexia Avaliação clínica e da personalidade Estudo comparativo do Rorschach e do TAT: repercussões em Psicologia e abordagem metapsicológica Fernandes, Isabel ex-docente da FPCEUL Esta comunicação tem como objectivo a sensibilização para a qualidade do trabalho conjunto com estes métodos projectivos, não só para a caracterização particular da personalidade individual, como para o desenvolvimento da psicologia projectiva, da psicologia clínica e da psicologia geral. Abordar-se-á também a sua possível importância para o estudo filosófico, nas áreas da teoria do conhecimento e da ética. Regressaremos a um estudo comparativo do Rorschach e do TAT (tese de doutoramento, 2004, dirigida pelas Profs N. R. de Traubenberg e C. Chabert), que recaiu sobre uma população referente a quatro grupos psicopatológicos, tendo sido utilizado o método de trabalho do Grupo de Investigação de Psicologia Projectiva de Paris V. A I parte das conclusões permite caracterizar a sobreposição e a complementaridade dos dois métodos, num alargamento do saber. Na II conclui-se que esta metodologia permite uma reflexão metapsicológica sobre a relação entre cognição e emoção, o conceito de projecção e os conceitos de liberdade individual e de responsabilidade psicológica. PALAVRAS-CHAVE Rorschach, TAT, estudo comparativo APRESENTAÇÕES 9

10 MESA 71 Dislexia Avaliação clínica e da personalidade Os Direitos Humanos aplicados à Avaliação Psicológica Noronha, Ana Conselho Federal de Psicologia O ano de 2011 foi determinado pelo Sistema Conselhos de Psicologia do Brasil como o Ano Temático da Avaliação Psicológica. A proposta decorreu da necessidade de mapear as necessidades para a qualificação da área e discutir a adequação das ferramentas aos parâmetros éticos da profissão. A realização deste ano temático envolveu discussões nos 20 conselhos regionais brasileiros, que culminarão com a apresentação de propostas em um Seminário Nacional. Além disso, será outorgado um prêmio profissional, para monografias sobre o tema. As discussões estão ocorrendo sob três grandes eixos, a saber, a qualificação profissional, as relações institucionais a partir dos contextos em que a avaliação se insere e a relação com o contexto de formação. O primeiro eixo incluiu a argumentação favorável à reflexão da garantia dos Direitos Humanos na construção e no uso de testes psicológicos, tema da presente apresentação. Assim, será exposta a síntese das discussões ocorridas no Brasil. PALAVRAS-CHAVE Avaliação Psicológica APRESENTAÇÕES 10

11 MESA 71 Dislexia Avaliação clínica e da personalidade A teoria da resposta ao item na construção e cotação de um questionário de personalidade Paredes, Isabel; Macedo, Joana SHL Portugal A utilização de questionários com resposta de escolha forçada é uma das formas mais eficazes de combater a manipulação deliberada e a tendência para as respostas socialmente desejáveis. No entanto, os dados ipsativos obtidos com as respostas de escolha forçada distorcem as relações entre as escalas e tornam difíceis as comparações interindividuais. Isto acontece porque, como existe o mesmo número total de pontos para distribuir pelas diversas escalas, é impossível obter resultados brutos elevados (ou baixos) em todas as escalas de um questionário multidimensional. Nesta comunicação, vamos apresentar a abordagem utilizada no desenvolvimento da última versão de um inventário de personalidade profissional. A solução encontrada consistiu no recurso à Teoria da Resposta ao Item (TRI), mais concretamente a um Modelo de Preferências TRI Bidimensional, que permitiu reduzir o tempo de aplicação e obter informação sobre o posicionamento absoluto dos traços de personalidade do respondente e sobre as relações interescalas. PALAVRAS-CHAVE TRI, Avaliação, Personalidade APRESENTAÇÕES 11

12 MESA 71 Dislexia Avaliação clínica e da personalidade A construção do Sistema de Avaliação Psicológica SATEPSI Santos, Acácia Conselho Federal de Psicologia Desde o início do século XXI no Brasil a área da avaliação psicológica passou por amplas transformações e no momento encontra-se em fase de amadurecimento para que novos avanços possam ser propostos. A implantação do Sistema de Avaliação dos Testes Psicológicos (SATEPSI) do Conselho Federal de Psicologia em 2001 e outras ações promovidas por associações científicas, laboratórios de pesquisas e programas de pós-graduação em psicologia colaboraram para o avanço e para a melhoria da qualidade dos testes psicológicos. O SATEPSI é composto por um sistema, que consiste em um conjunto de normativas elaboradas em consonância com parâmetros internacionais estabelecidos por especialistas em construção de medidas. A implantação do sistema ocorreu após ampla discussão com a categoria por meio de atividades promovidas pelo Sistema Conselhos que reuniram profissionais e pesquisadores da área. Dessa forma os resultados trouxeram aprimoramentos expressivos nos manuais dos testes e também na prática cotidiana dos psicólogos brasileiros. PALAVRAS-CHAVE SATEPSI APRESENTAÇÕES 12

13 MESA 71 Dislexia Avaliação clínica e da personalidade Validação de Metodologias de Diferenciação Clínica Entre Luto Saudável e Luto Complicado Sousa, Rosy; Castro, Sofia; Barbosa, Virgínia; Rocha, José Carlos Instituto Superior de Ciências da Saúde do Norte O Luto Saudável (LS) é um processo inerente a uma perda significativa. O Luto Complicado (LC) implica a afectação das capacidades funcionais do indivíduo. Apresentamos três estudos: cálculo do ponto de corte do Inventário de LC -ICG; Validação Convergente (VC) da Narrativa Protótipo de LC (NPLC); Validação Divergente (VD) da NPLC numa amostra com LC. A amostra do primeiro e segundo estudo tem 73 participantes, 28 com LC e 45 sem LC; 15,1% homens, 84,9% mulheres, com idade média de 23,0. Foram utilizados o questionário sóciodemográfico, o ICG, a Entrevista de Diagnóstico Clínico de Luto Complicado (EDCLC) e o questionário de VC da NPLC. A amostra de VD foi constituída por 28 participantes com LC. Foram utilizados a EDCLC e o questionário de VD da NPLC. Resultados: o ponto de corte do ICG é > 30 para LC; os participantes com LC identificam-se mais significativamente com a NPLC, do que aqueles sem LC; a NPLC é aquela que os participantes com LC mais se identificaram, relativamente às outras narrativas. Estes resultados contribuem para a realização de diagnósticos precisos na prática. PALAVRAS-CHAVE Luto Saudável; Luto Complicado; Ponto de Corte do ICG; Narrativas Protótipo; Validação Convergente e Divergente APRESENTAÇÕES 13

14 MESA 2 Comportamentos aditivos Perfil Clínico do Programa de Tratamento Intensivo (PTI) em Ambulatório da Unidade de Alcologia de Lisboa António, Patrícia; Lambaz, Rita Unidade de Alcoologia de Lisboa, DRLVT, IDT, I.P. Os programas de tratamento intensivo são modalidades de tratamento psicossocial que combinam de forma estruturada e intensa vários tipos de intervenção terapêutica, que envolvem um contacto intensivo semanal, em horário pré-determinado.são usualmente em formato grupal, embora possam ter componentes em formato individual. PALAVRAS-CHAVE Dependência Alcoólica; Prevenção de Recaída; Programa Ambulatório Intensivo APRESENTAÇÕES 14

15 MESA 2 Comportamentos aditivos Apresentação de um programa de intervenção para a promoção de comportamentos saudaveis face ao tabagismo, para jovens adolescentes Cunha, Maria; Lamarão, Marta Pulmonale Associação Portuguesa de Luta contra o Cancro do Pulmão Estudos demonstram que o tabaco se assume como a causa de morte, evitável, mais significativa, a nível mundial. Por outro lado, o tabagismo constitui-se como o principal factor de risco para o cancro do pulmão. A prevalência das doenças associadas ao tabagismo, levanta a necessidade de proporcionar aos fumadores, intervenção no âmbito da cessação tabágica. A legislação que regula o consumo desta substância é restritiva. Contudo, verifica-se a indispensabilidade de direccionar a intervenção para grupos populacionais mais vulneráveis como são os adolescentes. Com a criação deste programa, dirigido a jovens com a finalidade de promover estilos de vida saudáveis e diminuir a manifestação de doença e de riscos inerentes ao tabagismo (cancro, doenças cardio-vasculares). Pretende-se promover o desenvolvimento e alteração de comportamentos, percepções, cognições e emoções que facilitem o processo de cessação tabágica. PALAVRAS-CHAVE Tabagismo; saúde; Intervenção, Jovens APRESENTAÇÕES 15

16 MESA 2 Comportamentos aditivos Consulta de Cessação Tabágica no Hospital Pedro Hispano: avaliação de 188 pacientes fumadores. Machado, Anabela; Amado, Joana; Mota, Teresa Unidade Local de Saúde de Matosinhos, Serviço de Psicologia A cessação tabágica é um dos componentes mais relevantes para baixar a prevalência dos fumadores a curto prazo, num país. A descrição de uma consulta de cessação tabágica e a avaliação dos seus resultados pode ser útil para partilhar e optimizar os procedimentos mais eficazes. Pretende-se caracterizar a consulta multidisciplinar de intervenção intensiva para a promoção da cessação tabágica do Hospital Pedro Hispano e avaliar a taxa de abstinência entre pacientes fumadores. O estudo realizado é descritivo e a colheita de dados teve por base os elementos do processo clínico de cada paciente. Foram estudados 188 pacientes fumadores, no período entre 1 de Abril 2010 a 11 de Novembro de Tecem-se algumas considerações finais ao modelo da consulta actual e perspectivas futuras de intervenção neste contexto. PALAVRAS-CHAVE Consulta Multidisciplinar, Tabaco APRESENTAÇÕES 16

17 MESA 2 Comportamentos aditivos Terapêutica psicológica com sucesso no tratamento de toxicodependentes Moita, Ana U.D. Centro das Taipas Apresentação da terapêutica de meio de orientação grupanalítica, modelo de funcionamento do Centro de Dia da U.D.Centro das Taipas, desde há cerca de 20 anos (Outubro 1992). Avaliação de satisfação dos seus utentes nos últimos 13 anos. PALAVRAS-CHAVE Terapêutica de meio; de orientação grupanalítica APRESENTAÇÕES 17

18 MESA 2 Comportamentos aditivos Consumo de Substâncias Psicoactivas em Adolescentes: Modelo Preditivo do Consumo ao Longo da Vida de Tabaco, Álcool, Haxixe e Cocaína Santos, Elisabete; Baptista, Telmo; Bellis, Mark; Pascoal, Cláudia Faculdade Psicologia (Universidade Lisboa) e Faculty Health Applied Social Sciences (Liverpool John Moores University) Objectivos: Esta comunicação visa apresentar um modelo preditivo para o consumo ao longo da vida de substâncias psicoactivas (tabaco, álcool, haxixe e cocaína) em adolescentes com idades compreendidas entre os 11 e os 18 anos. Metodologia: A amostra é constituída por 3271 adolescentes portugueses escolarizados. Os dados foram recolhidos através de um questionário de auto-relato que avalia variáveis directa e indirectamente associadas ao consumo de substâncias e do instrumento KIDSCREEN-52 que avalia a qualidade de vida relacionada com a saúde. Resultados: Os resultados apontam para o poder preditivo de variáveis individuais (ex.: atitudes face ao consumo), familiares (ex.: reacção dos pais face ao consumo), escolares (ex.: ambiente escolar) e comunitárias (ex.: comportamento de consumo do melhor amigo). Discussão: Estes resultados reforçam a necessidade dos projectos de prevenção das dependências se basearem numa abordagem multifocal e intervirem nos diferentes sistemas nos quais o indivíduo se integra, de forma a induzir alterações nos comportamentos de consumo dos jovens. PALAVRAS-CHAVE consumos de substâncias; KIDSCREEN-52; modelo preditivo; adolescentes; individual; familiar; escolar; comunitário. APRESENTAÇÕES 18

19 MESA 2 Comportamentos aditivos Gerações K - prevenção do abuso de substâncias psicoactivas Silva, Mafalda; Lago, Miguel; Coelho, Marina Cruz Vermelha Portuguesa - Delegação de Caldas da Rainha O projecto Gerações K é promovido pela Cruz Vermelha Portuguesa - Delegação de Caldas da Rainha e financiado pelo Instituto da Droga e da Toxicodependência no âmbito do Programa de Respostas Integradas do Plano Operacional de Respostas Integradas. Após um diagnóstico local onde foram identificados territórios de intervenção prioritária foram definidas acções a implementar para prevenir o abuso de substâncias psicoactivas pelos jovens que frequentam escolas e espaços recreativos em Caldas da Rainha. PALAVRAS-CHAVE Prevenção; Substâncias psicoactivas; Abuso; Consumo; Educação pelos pares; Voluntários APRESENTAÇÕES 19

20 MESA 3 Saúde em crianças e jovens KIDSCREEN - Qualidade de Vida em Crianças e Adolescentes Ferreira, Mafalda; Gaspar de Matos, Margarida; Gaspar, Tânia FMH/UTL & CMDT/UNL O Projecto KIDSCREEN (inserido no 5º Programa Quadro da CE Qualidade de Vida e Gestão de Recursos de Vida ), utilizando uma abordagem simultaneamente transcultural desenvolveu um conjunto de questões estandardizadas para avaliar a Qualidade de Vida Relacionada com a Saúde (QVRS) em crianças e adolescentes. O questionário de QVRS pode ser utilizado tanto em estudos nacionais representativos como em estudos Europeus, no sentido de monitorizar a saúde das crianças e adolescentes dentro da Comunidade Europeia. PALAVRAS-CHAVE Qualidade de Vida; Adolescentes; Saúde Positiva APRESENTAÇÕES 20

21 MESA 3 Saúde em crianças e jovens Uma Aventura Social: Saúde da Criança e do Adolescente Gaspar, Tania; Simões, Celeste; G. Matos, Margarida FMH/Universidade Técnica de Lisboa; CMDT/IHMT/Universidade Nova de Lisboa O Projecto Aventura Social iniciou-se em 1987, na Faculdade de Motricidade Humana da Universidade Técnica de Lisboa. PALAVRAS-CHAVE Psicologia da Saúde ; Crianças; Adolescente; Investigação; Intervenção APRESENTAÇÕES 21

22 MESA 3 Saúde em crianças e jovens Projecto de Prevenção da Obesidade Pereira, Sónia Agrupamento de Escolas D. Domingos Jardo O principal objectivo deste projecto é capacitar os alunos com pré-obesidade e obesidade para a adopção de estilos de vida saudáveis, promovendo a alimentação saudável e trabalhando factores emocionais associados à obesidade.pretende-se ainda sensibilizar a família para a importância de hábitos de vida saudáveis. PALAVRAS-CHAVE Qualidade de Vida; Adolescentes; Saúde Positiva APRESENTAÇÕES 22

23 MESA 3 Saúde em crianças e jovens Projecto Europeu TEMPEST Auto-Regulação para a Prevenção da Obesidade em Crianças e Adolescentes Santos, Teresa; Gaspar, Tania; Matos, Margarida Gaspar Faculdade de Motricidade Humana/UTL; CMDT/IHMT/UNL O projecto europeu TEMPEST a decorrer entre 2009 e 2013, incluindo 9 Países europeus, nomeadamente, Portugal. O Projecto TEMPEST tem como principais objectivos analisar a existência de novos esquemas de incentivo para a prevenção da obesidade em crianças e adolescentes, obter maior conhecimento sobre o papel da competência de autoregulação na gestão de escolhas alimentares não-saudáveis ( tentações ), procurando contribuir para o desenvolvimento de programas de intervenção eficazes na prevenção desta doença crónica, em diferentes settings sociais. Destaca o papel da auto-regulação como elemento crucial de aprendizagem para crianças e adolescentes lidarem com tais tentações, sendo esta uma abordagem centrada no indivíduo, alternativa/complementar aos tradicionais programas de prevenção, que geralmente procuram diminuir a sua presença, disponibilidade e facilidade de oferta. Estas procuram regular o comportamento alimentar ao nível populacional e parecem ser promissoras para uma abordagem de saúde pública na obesidade em crianças e adolescentes. PALAVRAS-CHAVE Projecto Europeu TEMPEST; Auto-regulação; Comportamento alimentar APRESENTAÇÕES 23

24 MESA 3 Saúde em crianças e jovens Risco e Resiliência em Adolescentes com Necessidades Especiais Simões, Maria; Matos, Margarida Gaspar FMH/UTL; CMDT/UNL Ao longo da nossa vida todos somos confrontados com riscos e desafios que ameaçam o nosso bem-estar. A adolescência é uma fase onde alguns desses riscos e desafios adquirem uma dimensão significativa. Alguns adolescentes, nomeadamente aqueles com necessidades especiais (NE), poderão ter de enfrentar riscos e desafios acrescidos devido às suas limitações e às barreiras físicas e atitudinais que a sociedade coloca. PALAVRAS-CHAVE Adolescência; Saúde; Risco; Resiliência; APRESENTAÇÕES 24

25 MESA 3 Saúde em crianças e jovens HBSC - Health Behaviour in School-Aged Children Simões, Maria; Matos, Margarida Gaspar FMH/UTL; CMDT/UNL O Health Behaviour in School Aged Children - HBSC/ OMS é um estudo colaborativo da Organização Mundial de Saúde, que se dedica à investigação e monitorização dos comportamentos relacionados com a saúde nos adolescentes. Iniciado em Portugal em 1996, e realizado de 4 em 4 anos, já incluiu mais de adolescentes Portugueses. Em 2010, decorreu a quarta edição do estudo, liderado em Portugal pela equipa do Projecto Aventura Social. Participam actualmente 43 países e regiões. PALAVRAS-CHAVE Adolescentes; Saúde, Estilos de Vida APRESENTAÇÕES 25

26 MESA 3 Saúde em crianças e jovens Projeto Europeu RICHE Research into Child Health in Europe (7º Programa Quadro) Tomé, Gina; Matos, Margarida FMH/UTL; CMDT/UNL O RICHE é um projecto Europeu do 7º Programa Quadro, onde participam actualmente cerca de 20 países europeus, entre os quais Portugal, através da Equipa do Projecto Aventura Social da Universidade Técnica de Lisboa. O objectivo do Projecto é criar uma plataforma onde investigadores, políticos, profissionais, entre outros, possam procurar e adicionar conteúdos importantes para a saúde das crianças na Europa. A plataforma deverá abordar a diversidade e fragmentação da investigação relativamente à saúde infantil, ser interactiva e sustentável. A saúde infantil na Europa é alvo de diversas investigações, entretanto o esforço global não é ideal e os resultados acabam por não ser úteis, uma vez que a investigação é fragmentada. O projecto é constituído por 5 pacotes de trabalho: WP1 Inventory (Inventário); WP2 Child Health Measurement (Instrumentos de Avaliação); WP3 Gaps; WP4 Roadmaps (roteiros); WP5 Plataform. Cada um desses pacotes será liderado por um parceiro e todos estarão interligados. PALAVRAS-CHAVE Saúde Infantil; Roadmaps APRESENTAÇÕES 26

27 MESA 4 A institucionalização de jovens Qualidade das Ligaçoes a Figuras Significativas e Resiliencia em Jovens Institucionalizados Araújo, Rosália; Mota, Catarina Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro O Presente estudo tem como objectivo analisar o efeito preditor da qualidade das ligações a figuras significativas de afecto face ao desenvolvimento de processos resilientes em adolescentes institucionalizados. A amostra é composta por 400 jovens, 200 adolescentes institucionalizados e 200 adolescentes não institucionalizados, com idades entre os 12 e 18 anos. A recolha de dados foi realizada através dos questionários Resilience Scale para avaliar a adaptação psicossocial dos adolescentes e o Questionário da Ligação Professores e Funcionários para avaliar a qualidade das ligações a figuras significativas. Os resultados serão analisados à luz da teoria da vinculação e da perspectiva ecológica assumindo que a qualidade das relações com as figuras significativas de afecto influencia no desenvolvimento de processos resistentes dos jovens. PALAVRAS-CHAVE Resiliência, Institucionalização ; Adolescência, Figuras Significativas. APRESENTAÇÕES 27

28 MESA 4 A institucionalização de jovens Psicólogos do Acolhimento Institucional - Psicólogos em Movimento Brito, Rita; Almeida, Ivone; Fernandes, Carla; Pimentel, Helena; Domingues, Teresa; Mourinho, Rita; Cabral, Carla; Porto, Ana Casa do Vale - CrescerSer Neste comunicação descreve-se de forma sucinta um movimento de psicólogos que trabalham no contexto de acolhimento institucional de crianças e jovens em risco. Este movimento teve início em 2008 em torno de de um pequeno núcleo de profissionais do norte. Tendo em conta a mudança do paradigma do acolhimento institucional e a necessidade sentida de maior definição do papel dos psicólogos que trabalham nestes contextos realizou-se no passado mês de Maio, em Coimbra, o I Encontro Nacional dos Psicólogos do Acolhimento Institucional. Pretende-se que este movimento prossiga no futuro fortalecendo laços de partilha e cooperação a nível nacional. PALAVRAS-CHAVE Acolhimento, papel do psicólogo APRESENTAÇÕES 28

29 MESA 4 A institucionalização de jovens Adolescentes institucionalizados e de famílias intactas: A auto-estima e os pares Costa, Ingride; Pinheiro Mota, Catarina Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro O presente estudo pretende analisar em que medida a qualidade da ligação aos pares contribui para o desenvolvimento da auto-estima de adolescentes de diferentes configurações famílias intactas e institucionalizados. Prevê-se que a qualidade da ligação aos pares esteja positivamente e significativamente associada ao desenvolvimento da auto-estima; aguarda-se que a ligação aos pares e a auto-estima apresentem diferenças significativas relativamente à configuração familiar e género; espera-se que a configuração familiar tenha um efeito moderador na associação entre a qualidade da ligação aos pares e a auto-estima. A amostra é composta 400 indivíduos distribuídos na zona norte do país, com idades compreendidas entre os anos, de ambos os sexos. A análise dos resultados será realizada à luz da teoria da vinculação e de uma perspectiva ecológica, discutindo em que medida os jovens são confrontados com novas realidades contextuais e beneficiam da qualidade das ligações emocionais que estão capazes de estabelecer. PALAVRAS -CHAVE Adolescentes; Institucionalização; Pares; Auto-estima APRESENTAÇÕES 29

30 MESA 4 A institucionalização de jovens Competências Sociais em Vítimas de Maltrato Infantil um estudo exploratório com jovens institucionalizados Neves, Joana; Candeias, Adelinda Universidade de Évora Estudos recentes (e.g., Jaffee & Maikovich-Fong, 2010; Pears et al., 2010) têm sustentado a relação negativa entre experiências de maltrato infantil e desenvolvimento psicológico. No presente estudo, propomo-nos caracterizar a relação entre as experiências de maltrato infantil e o desenvolvimento cognitivo e social em jovens institucionalizados na região do Alentejo. O estudo em apreço incide sobre uma amostra de jovens institucionalizados (N=47), tendo sido aplicados os instrumentos de avaliação PCIS (Candeias, 2007), PACS (Candeias & Almeida, 2005), e um breve questionário sobre maltrato infantil e institucionalização construído para o efeito. Os resultados apontam um incremento da tomada de consciência da diversidade social mediante as vivências de experiências de maltrato diversificadas; e o efeito negativo dos maus-tratos em jovens vitimados pelos pais e outro familiar. A finalizar, apontamos as implicações destes resultados na implementação de estratégias promotoras das competências sociais nestes jovens, sobretudo nas vítimas de múltiplos maus-tratos e de múltiplos agressores. PALAVRAS-CHAVE Maltrato infantil; Jovens; Institucionalização; Competências sociais APRESENTAÇÕES 30

31 MESA 4 A institucionalização de jovens Desenvolvimento de psicopatologia em adolescentes institucionalizados: papel da relação com os irmãos Serra, Liliana; Mota, Catarina Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro O objectivo desta investigação consiste na análise da qualidade da ligação aos irmãos enquanto factor protector face ao desenvolvimento de psicopatologia num contexto de diferentes configurações familiares (institucionalização/famílias intactas). Prevê-se que a qualidade da ligação aos irmãos se correlacione e prediga negativamente com o desenvolvimento de psicopatologia. Serão testadas diferenças significativas entre institucionalização e configuração familiar. A amostra é composta por 400 jovens (200 institucionalizados/200 não institucionalizados), entre os 12 e 18 anos. A recolha dos dados realiza-se através do Sibling Relationship Questionnaire, do Brief Symptom Inventory. Os resultados serão discutidos à luz da teoria da vinculação e as vicissitudes do ambiente institucional, destacando o papel de figuras significativas enquanto factor de protecção face às vicissitudes da transição familiar. PALAVRAS-CHAVE Adolescência; Instituição; Irmãos; Psicopatologia. APRESENTAÇÕES 31

32 MESA 4 A institucionalização de jovens O Projeto de investigação-ação Percursos de Carreira de Jovens em Lares de Infância e Juventude Silva, Ana; Taveira, Maria do Céu Universidade do Minho Nesta comunicação apresenta-se um projeto de pós-doutoramento que pretende contribuir para a compreensão dos percursos de carreira de jovens institucionalizados e, especificamente, aprofundar os fatores socioeducativos, profissionais e pessoais da sua transição para a vida adulta. Para tal, neste projeto são estudados diferentes grupos de jovens, entre os 14 e os 21 anos, raparigas e rapazes, de diferentes zonas geográficas de Portugal, a viver em lares de infância e Juventude e a viver com as famílias de origem, utilizando-se métodos quantitativos e qualitativos de observação e análise. PALAVRAS-CHAVE Carreira; Jovens; Lares de infância e Juventude; Percursos APRESENTAÇÕES 32

33 MESA 5 Depressão e suicidio Terapia Focada nas Emoções no Tratamento da Depressão Cunha, Carla; Salgado, João Instituto Superior da Maia A terapia focada nas emoções é uma terapia experiencial que combina uma abordagem neohumanista com uma perspetiva dialético-construtivista sobre a psicoterapia e as recentes descobertas das neurociências sobre o funcionamento emocional. Assumindo as emoções como elementos fundamentais de adaptação, também as considera fundamentais para compreender os processos desadaptativos do funcionamento humano. Esta terapia combina uma postura empática ativa com a exploração de processos emocionais que permitam clarificar as dificuldades emocionais existentes, transformar respostas emocionais desadaptadas, melhorar a regulação emocional e criar um novo sentido para a existência. Esta terapia tem sido amplamente investigada no contexto do tratamento da depressão, mostrando-se como uma terapia eficaz, não só na redução de sintomas, como também na transformação de padrões de relação interpessoal. As especificidades deste tipo de terapia no tratamento da depressão são também aqui descritas e ilustradas. PALAVRAS-CHAVE Terapia Focada nas Emoções APRESENTAÇÕES 33

34 MESA 5 Depressão e suicidio As Depressões Hoje uma abordagem psicodinâmica Ferreira, Cristina Farias Sociedade Portuguesa de Psicologia Clínica O presente artigo apresenta uma breve reflexão sobre as Depressões sendo salientadas as questões relativas à nossa sociedade actual, dita «Modernidade Líquida», que podem interferir no desencadeamento e manutenção das depressões. Tecem-se considerações sobre o conceito, refere-se a sua prevalência e algumas de suas definições segundo critérios psiquiátricos. São mencionados alguns contributos de alguns autores para a compreensão psicodinâmica da depressão incidindo sobre o modelo integrativo de Bleichmar na sua abordagem. Por fim salientam-se as vantagens dum modelo integrado para o tratamento das depressões. PALAVRAS-CHAVE Depressão; Modelo integrativo; Bleichmar. APRESENTAÇÕES 34

Estudo epidemiológico realizado de 4 em 4 anos, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde.

Estudo epidemiológico realizado de 4 em 4 anos, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde. Mafalda Ferreira, Margarida Gaspar de Matos, Celeste Simões & Equipa Aventura Social Estudo epidemiológico realizado de 4 em 4 anos, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde. Objectivo: Conhecer

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIANÇA TERAPÊUTICA NO ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO DE ADOLESCENTES COM PATOLOGIAS LIMITE

A IMPORTÂNCIA DA ALIANÇA TERAPÊUTICA NO ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO DE ADOLESCENTES COM PATOLOGIAS LIMITE A IMPORTÂNCIA DA ALIANÇA TERAPÊUTICA NO ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO DE ADOLESCENTES COM PATOLOGIAS LIMITE Artigo sobre Dissertação de Mestrado em Aconselhamento Dinâmico (2007) Ana Cristina Ferreira da

Leia mais

PLANO DE SAÚDE MENTAL PARA O CONCELHO DE BRAGA

PLANO DE SAÚDE MENTAL PARA O CONCELHO DE BRAGA PLANO DE SAÚDE MENTAL PARA O CONCELHO DE BRAGA Grupo Coordenador: Dr. Mário Freitas (Médico de Saúde Pública; UOSP/ Centro de Saúde de Braga) Dra. Joana Marques (Médica Int. Comp. Saúde Pública) Dra. Paula

Leia mais

2010/2011 Plano Anual de Actividades

2010/2011 Plano Anual de Actividades 2010/2011 Plano Anual de Actividades Cristiana Fonseca Departamento de Educação para a Saúde 01-07-2010 2 Plano Anual de Actividades Introdução Quando em 1948 a Organização Mundial de Saúde definiu a saúde

Leia mais

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações PSICOLOGIA APLICADA A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações Os níveis de intervenção vão desde

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Plano de Formação Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Enquadramento A evolução tecnológica e a incerteza com que atualmente todas as sociedades se confrontam colocam desafios acrescidos

Leia mais

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Mário Jorge Silva (psicólogo clínico) e Marli Godinho (psicóloga clínica)

Leia mais

TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 2014-03-25. FPAT Federação Portuguesa de Instituições Sociais Afectas à Prevenção de Toxicodependências

TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 2014-03-25. FPAT Federação Portuguesa de Instituições Sociais Afectas à Prevenção de Toxicodependências FÓRUM NACIONAL ÁLCOOL E SAÚDE FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 2014-03-25 NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO TÍTULO DO COMPROMISSO SUMÁRIO DO COMPROMISSO FPAT Federação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Psicologia Clínica e da Saúde

Psicologia Clínica e da Saúde Psicologia Clínica e da Saúde Pós-graduação e Mestrado Descrição geral PCS-001/002 Conteúdo 1 Enquadramento...3 2 Objectivos e perfis...3 2.1 Objectivos...3 2.2 Perfil de entrada...4 2.3 Perfil de saída...4

Leia mais

Equipa Aventura Social

Equipa Aventura Social Projeto Equipa Aventura Social Coordenação Tempest Denise de Ridder, Utrecht University, The Nederlands Coordenação Tempest Nacional Margarida Gaspar de Matos, Universidade Técnica de Lisboa e Centro

Leia mais

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Natureza do trabalho Os docentes de educação especial exercem as suas funções junto de crianças e jovens do ensino pré-escolar, básico e secundário com necessidades educativas

Leia mais

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Catarina Paulos Jornadas Litorais de Gerontologia: Intervenção Técnica no Processo de Envelhecimento Amarante, 26 de Setembro de 2007 Conteúdos Conceito

Leia mais

Plano de Atividades de 2016

Plano de Atividades de 2016 GRUPO DE ACÇÃO COMUNITÁRIA IPSS Plano de Atividades de 2016 Fórum Sócio Ocupacional do GAC Unidade de Vida Protegida UPRO Formação Profissional Novembro de 2015 Plano de atividades 2016 1 Grupo de Ação

Leia mais

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Luísa Solla, ILTEC/ESE Setúbal e Fabíola Santos, ILTEC luisa.solla@sapo.pt fabiola.santos@iltec.pt

Leia mais

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 QUEM SOMOS A APF Associação para o Planeamento da Família, é uma Organização Não Governamental com estatuto de IPSS (Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS Educação Especial Manual de Procedimentos e Documentos Grupo de Educação Especial: Carla Ricardo Torres Isabel Barros Vilaça Lúcia Marques Silva Marta Isabel Rosas Setembro

Leia mais

RELATÓRIO PROJECTO DA TESE DE DOUTORAMENTO EM PSICOLOGIA CLÍNICA O TRABALHO PSICOTERAPÊUTICO NOS CUIDADOS PRIMÁRIOS VIVÊNCIAS DOS UTENTES

RELATÓRIO PROJECTO DA TESE DE DOUTORAMENTO EM PSICOLOGIA CLÍNICA O TRABALHO PSICOTERAPÊUTICO NOS CUIDADOS PRIMÁRIOS VIVÊNCIAS DOS UTENTES RELATÓRIO PROJECTO DA TESE DE DOUTORAMENTO EM PSICOLOGIA CLÍNICA O TRABALHO PSICOTERAPÊUTICO NOS CUIDADOS PRIMÁRIOS VIVÊNCIAS DOS UTENTES Doutoranda: Cecília Rodrigues Medeiros Orientador: Prof. Dr. Rui

Leia mais

Relatório de Actividades 2008

Relatório de Actividades 2008 Relatório de Actividades 2008 Elaborado por: Grupo Dinamizador da Comissão Social de Freguesia de Stº Antº dos Cavaleiros, 2009 Nota Introdutória O presente documento tem como principal objectivo a avaliação

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT)

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) Plano de Actividades 2009/10 Odivelas 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1 IDENTIDADE E COMUNICAÇÃO 2 2 FUNCIONAMENTO DA REDE DE PARCERIA 4 2.2

Leia mais

Técnicos Especial. Data final da candidatura : 2015-09-01. Acompanhamento Psicológico/Orientação Vocacional. Ficheiro gerado em : 02/09/2015 10:09:02

Técnicos Especial. Data final da candidatura : 2015-09-01. Acompanhamento Psicológico/Orientação Vocacional. Ficheiro gerado em : 02/09/2015 10:09:02 Nome da Escola : Agrupamento de Escolas de Góis Técnicos Especial Data final da candidatura : 2015-09-01 Disciplina Projeto: Acompanhamento Psicológico/Orientação Vocacional Ficheiro gerado em : 02/09/2015

Leia mais

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha PSICOLOGIA APLICADA A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha Psicologia aplicada É impossível pensar em psicologia, sem pensar em intervenção, pois esta tem uma dimensão prática que

Leia mais

Psicologia da Saúde e Saúde Pública: convergência histórica

Psicologia da Saúde e Saúde Pública: convergência histórica Psicologia da Saúde e Saúde Pública: convergência histórica Margarida Gaspar de Matos Psicóloga Profª. FMH/UTL, Investigadora CMDT/UNL Junho, 2004 1- Conceitos, polémicas - Saúde /bem estar 2- ; convergência

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

Declaração de Salamanca 20 anos depois

Declaração de Salamanca 20 anos depois Declaração de Salamanca 20 anos depois Inclusão de Alunos com NEE Mito ou Realidade? Prof. Doutora Helena Mesquita hmesquita@ipcb.pt Revisitar a Declaração de Salamanca 1) DECLARAÇÃO DE SALAMANCA Junho

Leia mais

PARECER Nº 02 / 2010

PARECER Nº 02 / 2010 PARECER Nº 02 / 2010 ASSUNTO: Adequação técnico-científica da admissão das pessoas com demência nas unidades de dia e promoção da autonomia da RNCCI (art.º 21 do Dec. Lei. 101/2006 de 6 de Junho) 1. A

Leia mais

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos 1.º Congresso Nacional da Ordem dos Psicólogos 18 a 21 abril 2012 Luísa Ribeiro Trigo*,

Leia mais

Código: CHCB.PI.HF.04 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas: 1 de 10. 1. Objectivo. 2. Aplicação. 3. Referências Bibliográficas. 4.

Código: CHCB.PI.HF.04 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas: 1 de 10. 1. Objectivo. 2. Aplicação. 3. Referências Bibliográficas. 4. Caracterização da Código: CHCB.PI.HF.04 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas: 1 de 10 1. Objectivo Caracterizar o serviço e procedimentos da do Hospital do Fundão. 2. Aplicação Centro Hospitalar da Cova da Beira

Leia mais

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança 2012-2014 Índice Introdução. 3 I. Fundamentação...4 II. Eixos Estratégicos... 7 1 Articulação Interinstitucional... 7 2 Estudo e análise da realidade

Leia mais

Delegação da União Europeia em Moçambique

Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

Leia mais

Psicologia Aplicada em Portugal

Psicologia Aplicada em Portugal Psicologia Aplicada em Portugal Áreas Técnicos de Saúde Mental Psicologia Educacional Psicologia do Trabalho Psicologia Profissional Psicologia Clínica Psicologia Criminal Psicologia Desportiva Psicólogo

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

I - EXERCISE IS MEDICINETM

I - EXERCISE IS MEDICINETM I EXERCISE IS MEDICINETM Objectivo Generalização da inclusão do aconselhamento para a actividade física no âmbito do plano terapêutico para a prevenção e o tratamento de doenças, e referenciação quando

Leia mais

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO - Grupo de reflexão na área de psicologia sobre questões relativas à orientação sexual - Artigo apresentado no Colóquio de Estudos G(ay)L(ésbicos)Q(ueer)

Leia mais

Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA

Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA Elaboramos soluções de formação customizadas de acordo com as necessidades específicas dos clientes. Os nossos clientes são as empresas, organizações e instituições que pretendem

Leia mais

OS JOVENS PORTUGUESES E O CONSUMO DE DROGAS

OS JOVENS PORTUGUESES E O CONSUMO DE DROGAS OS JOVENS PORTUGUESES E O CONSUMO DE DROGAS Tema 1, Nº 2 Junho 2001 Margarida Gaspar de Matos e Susana Fonseca Carvalhosa Equipa do Aventura Social e Saúde Estudo realizado em co-financiamento pela Faculdade

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE)

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) INSTITUIÇÃO Nome Morada Código Postal CONTEXTO PRÁTICA CLÍNICA ou UNIDADE DE SAÚDE FUNCIONAL Nome CONTATOS Enfermeiro(a) Chefe

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA PROJECTO DE MELHORIA CONTÍNUA SABER CUIDAR UM DIREITO CANTANHEDE, Janeiro de 2011 HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

Leia mais

Cruz Vermelha Portuguesa

Cruz Vermelha Portuguesa FÓRUM NACIONAL ÁLCOOL E SAÚDE FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO TÍTULO DO CAMPO Data de submissão 14 de Março 2014 NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO Cruz Vermelha Portuguesa TÍTULO DO COMPROMISSO PREVENIR

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Agostinho da Silva Nº Escola: 171888 Nº Horário: 51

Agrupamento de Escolas Professor Agostinho da Silva Nº Escola: 171888 Nº Horário: 51 Nº Horário: 51 4625160693 Sofia Margarida Santos Ferreira Admitido 7197226139 Mónica Sofia Jesus Mateus Admitido 6392341730 Gonçalo Jorge Fernandes Rodrigues Fiúza Admitido 7816555741 Dora Maria Gonçalves

Leia mais

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Planificação Anual da Disciplina de MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2013-2014 1 MÓDULO 1 - DESCOBRINDO

Leia mais

Worldwide Charter for Action on Eating Disorders

Worldwide Charter for Action on Eating Disorders Worldwide Charter for Action on Eating Disorders - CARTA MUNDIAL DE ACÇÃO PARA AS PARTURBAÇÕES ALIMENTARES- DIREITOS E EXPECTATIVAS PARA PESSOAS COM PERTURBAÇÕES ALIMENTARES E AS SUAS FAMÍLIAS PREÂMBULO

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:1 de 17. 1. Objectivo

Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:1 de 17. 1. Objectivo Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:1 de 17 1. Objectivo Caracterizar o da Unidade de Consulta Externa do e definir os seus procedimentos. 2. Aplicação Centro Hospitalar da Cova da Beira.

Leia mais

Algumas disciplinas do curso de formação inicial Algumas cadeiras Durante o curso houve disciplinas que estavam direccionadas para essa temática.

Algumas disciplinas do curso de formação inicial Algumas cadeiras Durante o curso houve disciplinas que estavam direccionadas para essa temática. ANEXO III 217 QUADRO N. º 4 - Formação recebida no domínio da intervenção educativa com crianças portadoras de NEE SUB-CATEGORIA INDICADORES UNIDADES DE REGISTO SUJEITOS F.U.R. % Disciplinas do Curso Uma

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 EDUCAÇÃO ESPECIAL Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 DL 3/2008, de 7 de Janeiro: Sumário Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público,

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho 25/03/2009 Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho: O Caso de um Hospital Sandrina Nunes Violência no Sector da Saúde Ilustração

Leia mais

Inscrições e pedido de informações: acege@acege.pt ou 217 941 323

Inscrições e pedido de informações: acege@acege.pt ou 217 941 323 Portugal tem futuro! Liderar com responsabilidade Introdução: A ACEGE em parceria com a CIP e o IAPMEI está a desenvolver o programa Liderar com Responsabilidade, que quer potenciar a acção dos líderes

Leia mais

Educação Especial. Manual de Procedimentos e Documentos

Educação Especial. Manual de Procedimentos e Documentos (152778) Educação Especial Manual de Procedimentos e Documentos Agrupamento de Escolas de Murça SIGLAS NEE Necessidades Educativas Especiais EE Educação Especial CIF - CJ - Classificação Internacional

Leia mais

Construindo pontes para uma adaptação bem sucedida ao ensino superior: implicações práticas de um estudo

Construindo pontes para uma adaptação bem sucedida ao ensino superior: implicações práticas de um estudo Construindo pontes para uma adaptação bem sucedida ao ensino superior: implicações práticas de um estudo Graça Seco - gseco@esel.ipleiria.pt Isabel Dias - mdias@esel.ipleiria.pt Isabel Pereira - ipereira@esel.ipleiria.pt

Leia mais

Promotor Parcerias Financiamento

Promotor Parcerias Financiamento Promotor Parcerias Financiamento RESUMO PROMove-te, A NOVA EQUIPA MÓVEL DE APOIO A CRIANÇAS E JOVENS COM PROBLEMAS DE SAÚDE MENTAL A ARIA Associação de Reabilitação e Integração Ajuda é promotora de um

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais

Curso de Formação / Workshops

Curso de Formação / Workshops Curso de Formação / Workshops Curso de Formação Estudantes e Profissionais das Áreas da Saúde e da Educação, Ciências Sociais e Humanas, interessados em aprofundar conhecimentos sobre a temática abordada.

Leia mais

Intervenção Psicoeducacional nas Perturbações do Espetro do Autismo

Intervenção Psicoeducacional nas Perturbações do Espetro do Autismo Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto Serviço para a Educação Contínua Intervenção Psicoeducacional nas Perturbações do Espetro do Autismo Formadoras: Doutora Ana Aguiar

Leia mais

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016 Planificação Anual da Disciplina de Psicologia MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2015-2016 MÓDULO

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

-RESUMOS DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA FASF LUZ - 2013

-RESUMOS DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA FASF LUZ - 2013 -RESUMOS DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA FASF LUZ - 2013 Monografias e Artigos (Ordem Alfabética dos Alunos, Orientador (a), Título e Resumo) Ana Cristina Fonseca

Leia mais

200 educação, ciência e tecnologia

200 educação, ciência e tecnologia 200 A LÍNGUA FRANCESA NO JARDIM DE INFÂNCIA E NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO * A Área Científica de Francês promoveu, no âmbito da Semana Cultural da Escola Superior de Educação de Viseu, que decorreu de

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

2 O CICLO MESTRADO PSICOBIOLOGIA

2 O CICLO MESTRADO PSICOBIOLOGIA 2 O CICLO MESTRADO PSICOBIOLOGIA DIRECÇÃO DO CURSO Rui OLIVEIRA Vitor ALMADA DURAÇÃO E ESTRUTURA DO CURSO A parte curricular do curso funciona em horário pós-laboral, excepto no caso dos Seminários Temáticos

Leia mais

2011/2013. Se não posso realizar grandes coisas, posso pelo menos fazer pequenas coisas com grandeza. (Clarck)

2011/2013. Se não posso realizar grandes coisas, posso pelo menos fazer pequenas coisas com grandeza. (Clarck) 2011/2013 Se não posso realizar grandes coisas, posso pelo menos fazer pequenas coisas com grandeza. (Clarck) Índice Introdução... 2 Caracterização... 4 Objectivos do Projecto... 4 Metodologia... 5 Identificação

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA Presidência do Conselho de Ministros 56/CNECV/08

CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA Presidência do Conselho de Ministros 56/CNECV/08 56/CNECV/08 PARECER N.º 56 DO CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA PARECER SOBRE VENDA DIRECTA DE TESTES GENÉTICOS AO PÚBLICO (Julho de 2008) A reflexão do Conselho Nacional de Ética para

Leia mais

Newsletter. Fernando Pessoa... Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão

Newsletter. Fernando Pessoa... Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão 2 EM 5 ENTREVISTA COM DESTAQUES Workshop Para os + Novos Para a sua Saúde Nº 3 MAIO 2008 6 NEUROFITNESS ESPECIAL EXERCÍCIOS Newsletter Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão Fernando Pessoa... Lisboa

Leia mais

M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E

M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Correio electrónico Telefone 96 6257803 Nacionalidade Portuguesa Data de nascimento 08/ 06/1976 EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações Representado por: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA SAÚDE E CLÍNICA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA SAÚDE E CLÍNICA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA SAÚDE E CLÍNICA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Projeto de Educação Sexual 2013/2014

Projeto de Educação Sexual 2013/2014 Projeto de Educação Sexual 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARCOZELO Equipa de Educação para a Saúde 1. INTRODUÇÃO O presente projecto, surge para dar cumprimento à lei nº 60/2010 de 6 de Agosto, regulamentada

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

10 anos no papel de mãe

10 anos no papel de mãe 10 anos no papel de mãe autodeterminação proteção legal ativação de direitos aceitação respeito inclusão Qualidade de vida 1 o estudo ( ) também não é de somenos traçar um diagnóstico que permita a uma

Leia mais

Europass Curriculum Vitae

Europass Curriculum Vitae Europass Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada(s) Endereço(s) de correio electrónico 8800 Tavira (Portugal) Telemóvel +351 964525224 ritalealpsi@hotmail.com ; ritalealpsi@gmail.com

Leia mais

CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS:

CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS: CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS: TABACO, ÁLCOOL E DROGAS Setembro 2003 Margarida Gaspar de Matos e Susana Fonseca Carvalhosa Equipa do Aventura Social na Comunidade Estudo em colaboração com a Junta de Freguesia

Leia mais

B O L E T I M D E O U T O N O 2 0 1 4

B O L E T I M D E O U T O N O 2 0 1 4 C R I D E C O I M B R A B O L E T I M D E O U T O N O 2 0 1 4 Editorial Neste Boletim Paula Carriço Médica Psiquiatra Coordenadora Técnica do CRI de Coimbra C de criatividade e confiança. R de respeito

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

Braga, 10 de Janeiro de 2011.

Braga, 10 de Janeiro de 2011. Braga, 10 de Janeiro de 2011. Página 1 de 20 INDICE INTRODUÇÃO... 3 Págs. CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE FORMAÇÃO... 10 BALANÇO DAS ACTIVIDADES DEP. FORMAÇÃO.11 PRIORIDADES DE MELHORIA. 15 CONCLUSÃO.. 16

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO Escola Superior de Educação

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO Escola Superior de Educação INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO Escola Superior de Educação Relatório de Concretização do Processo de Bolonha Mestrado em Inovação e Mudança Educacional 2011 (cf. DL n.º 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico * Ana Carolina Diethelm Kley Introdução O objetivo do tratamento em terapia cognitiva no caso dos transtornos afetivos, grupo que engloba

Leia mais

ATA Nº 01/12 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS)

ATA Nº 01/12 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS) ATA Nº 01/12 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social (CLAS) Data: 26-01-2012 Local: Auditório do Edifício Cultural da Câmara Municipal de Peniche Hora de início: 21h15mn Hora do fecho: 23h30mn

Leia mais

ATENDIMENTO EM ARTE COM ENFOQUE COGNITIVO

ATENDIMENTO EM ARTE COM ENFOQUE COGNITIVO ATENDIMENTO EM ARTE COM ENFOQUE COGNITIVO Resumo SANTANA, C. G. Secretaria Municipal de Educação de Curitiba claudia-gutierrez@hotmail.com Eixo Temático: Psicopedagogia Agência Financiadora: Não contou

Leia mais