UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE SAÚDE MESTRADO PROFISSIONAL EM SAÚDE COLETIVA JOÃO ANDRÉ SANTOS DE OLIVEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE SAÚDE MESTRADO PROFISSIONAL EM SAÚDE COLETIVA JOÃO ANDRÉ SANTOS DE OLIVEIRA"

Transcrição

1 0 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE SAÚDE MESTRADO PROFISSIONAL EM SAÚDE COLETIVA JOÃO ANDRÉ SANTOS DE OLIVEIRA TELESSAÚDE E OS MÉDICOS DA ATENÇÃO BÁSICA: UMA ANÁLISE À LUZ DA MICROPOLÍTICA DO TRABALHO E DA PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE FEIRA DE SANTANA - BAHIA 2013

2 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE SAÚDE MESTRADO PROFISSIONAL EM SAÚDE COLETIVA TELESSAÚDE E OS MÉDICOS DA ATENÇÃO BÁSICA: UMA ANÁLISE À LUZ DA MICROPOLÍTICA DO TRABALHO E DA PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE Dissertação apresentada ao Mestrado Profissional em Saúde Coletiva da Universidade Estadual de Feira de Santana, como requisito para a obtenção do grau de Mestre em Saúde Coletiva. Orientador: Prof. Dr. Emerson Elias Merhy Co-orientadora: Profa. Dra. Débora Cristina Bertussi FEIRA DE SANTANA - BAHIA 2013

3 2 Ficha Catalográfica Biblioteca Central Julieta Carteado O47t Oliveira, João André Santos de Telessaúde e os médicos da atenção básica : uma análise à luz da micropolítica do trabalho e da produção do cuidado em saúde / João André Santos de Oliveira. Feira de Santana, f. Orientador: Emerson Elias Merhy. Co-orientadora: Débora Cristina Bertussi. Mestrado (dissertação) Universidade Estadual de Feira de Santana, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Atenção básica a saúde Médicos. 2. Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes. I. Merhy, Emerson Elias, orient. II. Bertussi, Débora Cristina, co-orient. III. Universidade Estadual de Feira de Santana. IV. Título. CDU: 614

4 3 JOÃO ANDRÉ SANTOS DE OLIVEIRA TELESSAÚDE E OS MÉDICOS DA ATENÇÃO BÁSICA: UMA ANÁLISE À LUZ DA MICROPOLÍTICA DO TRABALHO E DA PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE Dissertação apresentada ao Mestrado Profissional em Saúde Coletiva da Universidade Estadual de Feira de Santana, como requisito para a obtenção do grau de Mestre em Saúde Coletiva. Áreas de Concentração: Gestão do Trabalho; Educação Permanente; Cuidado em Saúde. Data de defesa: 05 de julho de Resultado: Aprovada BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Emerson Elias Merhy Universidade Federal do Rio de Janeiro Profa. Dra. Débora Cristina Bertussi Universidade da Cidade de São Paulo Prof. Dr. Washington Luís Abreu de Jesus Universidade Federal da Bahia

5 4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho a todas as pessoas (profissionais, usuários e gestores), que constroem cotidianamente o SUS enquanto política de Estado e como passo importante na construção de uma sociedade que, acima de tudo, tem a defesa da vida como princípio fundamental. Dedico à Grace e às minhas filhas, Sofia e Lara (que foi gerada e chegou durante o mestrado), que são amor, afeto e sentido em todas as empreitadas que topo na vida!

6 5 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar, agradeço a Grace, companheira da vida (e de mestrado, também!), pelo apoio, companheirismo, cumplicidade e carinho. Sem ela eu não conseguiria. Além do apoio afetivo, ela ofereceu seu olhar crítico e interessado, balizando meus caminhos na construção dessa dissertação, me ajudando a não me perder e a crescer. Te amo! Agradeço às minhas menininhas (Sofia e Lara), por me fazer lembrar todos os dias das coisas que valem à pena; pelos momentos de leveza e carinho do cotidiano. Especialmente a Sofia, que ficou sem os pais três dias ao mês, durante mais de um ano, e que terminou incluindo a palavra "mestrado" no seu vocabulário sem saber do que se tratava, somente que eram os dias que seus pais ficavam fora. Agradeço a D. Fátima e Armandão, pelo carinho e suporte com Sofia e apoio de diversas ordens durante todo o período do mestrado. À Tico que, pela amizade, cumplicidade, troca e incentivo, mesmo à distância, me ajudou a amadurecer. Pela referência que é para mim. Te amo meu irmão! À vô Zeca (in memoriam), um exemplo de homem, pela sua integridade, honestidade e bom senso. Foi um dos meus grandes incentivadores à leitura e apoio à compreensão da política, apesar das diferentes visões de mundo. Você me acompanha até hoje, presente nos meus pensamentos, nas boas lembranças da infância, adolescência e vida adulta. Muitas saudades vô! Ao meu pai e a Ninha, pelos exemplos que foram e são; incentivadores e apoiadores na busca do nosso crescimento, na singularidade de cada um dos cinco; alicerces de quem sou hoje. À minha mãe e vó Tereza, pelo carinho e afeto; pelo esforço de se fazerem próximas, mesmo estando distantes geograficamente. Às minhas irmãs, Clara, Manuca e Duda, por fazerem parte de mim; por todos os momentos felizes que compartilhamos durante nosso crescimento e que ainda compartilhamos. A Emerson, pela parceria e amizade. Pela referência que tem sido para mim todos esses anos, desde a época do movimento estudantil. Pelo orientador "desterritorializador" que você é! Pela paciência e por contribuir com o meu amadurecimento enquanto sujeito epistêmico, enquanto pesquisador cartógrafo. Por sempre contribuir com o preenchimento da minha caixa de ferramentas vibrátil. À Débora, pela contribuição valiosa na qualificação e, a partir daí, como co-orientadora! Por acreditar e apostar na produção que ainda se mostrava tímida. Suas cutucadas me afetaram e empurraram para frente; me nortearam para o caminho que eu desejava seguir!

7 6 Aos meus colegas da FESF-SUS e do SUS baiano, pelas parcerias, pelo aprendizado, pelo companheirismo na militância pelo SUS que acreditamos. À FESF-SUS, por contribuir com meu crescimento como pessoa e como profissional. Ao amigo/irmão Webster, pelos momentos de descontração e reflexões políticas e filosóficas no "Clube do Café"; pelo exemplo de militância no SUS e implicação no trabalho; pela amizade construída no dia-a-dia da construção da FESF-SUS que fica para a vida. Ao "camarada/comandante" Hélder, pela sensibilidade, verdade e autenticidade que você coloca nas relações; pela coerência das suas ideias e convicções com a construção cotidiana da vida! Irmão, você, sem saber, foi um norte nos momentos de turbulência pelo qual passamos na construção da FEFS-SUS. A Gel, pelo afeto, carinho, lucidez e amizade durante esses anos de FESF-SUS; por me chamar de filho e, às minhas filhas, de netas! Pela ajuda imprescindível na dissertação. Ao companheiro de trabalho/militância na agenda do Telessaúde, Tiago, pela empolgação, implicação e energia que você coloca no que faz; pela amizade que fomos construindo nessa caminhada. A Leandro, companheiro de tantos espaços (SMS Aracaju, Rede Própria - SESAB, FESF-SUS e UFBA), irmão e amigo para além das trincheiras da militância no SUS, com quem aprendi e ainda aprendo bastante! Aos colegas de mestrado, pelos encontros sempre prazerosos em Feira de Santana. Um agradecimento especial aos companheiros de mestrado que também são/foram companheiros da FESF-SUS: Grace, Joca, Carol, Leandro, Tim, Igor, Aline Lima, Gal, Vânia, Luciana, Joana, Aline Pinheiro e Renata, pelas trocas, idas e vindas a Feira de Santana, pelos momentos de trocas no hotel e nos intervalos das aulas, e pelo amadurecimento que tivemos juntos.

8 7 "Ai daqueles que pararem com sua capacidade de sonhar, de invejar sua coragem de anunciar e denunciar. Ai daqueles que, em lugar de visitar de vez em quando o amanhã pelo profundo engajamento com o hoje, com o aqui e o agora, se atrelarem a um passado de exploração e de rotina." Paulo Freire

9 8 RESUMO A Atenção Básica brasileira vem aumentando sua cobertura desde meados da década de 90, quando o Programa de Saúde da Família foi lançado pelo Ministério da Saúde. É crescente a preocupação, pelos atores comprometidos com a consolidação da Atenção Básica, com a qualificação da mesma e aumento de sua resolutividade. Neste cenário, o Ministério da Saúde propõe, em 2011, o Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes, articulado a um conjunto de políticas e programas, com objetivo de consolidar a Atenção Básica como ordenadora das Redes de Atenção à Saúde. O Telessaúde Brasil Redes busca contribuir com o aumento da resolutividade da Atenção Básica e propõem-se, para isso, a transformar as práticas das Equipes de Atenção Básica na perspectiva da Educação Permanente em Saúde. O presente trabalho tem como objeto a relação do médico da Atenção Básica com o Telessaúde. Considerando a centralidade que o médico tem no Modelo Médico Hegemônico e seu forte papel na resolutividade, esse trabalho propõe-se a compreender quais os sentidos e significados o Telessaúde tem para os médicos atuando em Equipes de Saúde da Família de municípios contratualizados com a Fundação Estatal Saúde da Família, além de apontar limites e possibilidades do Telessaúde constituir-se enquanto dispositivo de Educação Permanente em Saúde e de aumentar a resolutividade das Equipes. É um estudo qualitativo, de cunho analítico, que utiliza a perspectiva da micropolítica do trabalho e da produção do cuidado em saúde para realização da análise. Foram entrevistados 6 (seis) médicos atuando em Equipes que, de alguma forma, tiveram contato com a oferta de Telessáude da Fundação: o Apoio Clínico. A partir de perguntas norteadoras, os médicos trouxeram questões relativas à sua inserção na Atenção Básica, a como e a quê/quem recorrem para obter respostas aos seus incômodos cotidianos, e em relação à compreensão que possuem a respeito do Telessaúde. Registrei as questões que me afetavam e dialoguei com os orientadores e com autores que ofertavam conceitos-ferramentas capazes de compreender melhor esses afetamentos e produzir sentido para os mesmos. Coloquei-me na pesquisa enquanto sujeito implicado, compreendendo que o objeto investigado se confunde comigo o tempo todo. Toda a pesquisa foi balizada pela minha experiência na Atenção Básica, enquanto médico, professor e gestor, e no Telessaúde. Assim, o estudo não produziu "a" verdade, mas, sim, "certa" verdade sobre a relação entre o Telessaúde e o médico da Atenção Básica, além das possibilidades do mesmo constituir-se enquanto dispositivo de Educação Permanente em Saúde. Apontou que o Telessaúde não é um dispositivo de Educação Permanente em Saúde e que, sozinho, não é capaz de produzir transformações na prática dos profissionais de uma Equipe e, em especial, do médico. No entanto, enquanto virtualidade, pode ser atualizado de formas muito potentes na perspectiva de apoiar movimentos de transformação das práticas que as equipes já vêm desenvolvendo. Da mesma forma, pode e deve ser virtualizado, com o intuito de redefini-lo e aumentar sua potência, sendo a articulação com a regulação do acesso a algumas especialidades e procedimentos, desde que na perspectiva de apoio aos profissionais, uma possibilidade interessante. Descritores: telessaúde; atenção básica; micropolítica; trabalho em saúde; produção do cuidado; educação permanente em saúde.

10 9 ABSTRACT The Brazilian Primary Health Care has increased its coverage since the mid-90s, when the Family Health Program was launched by the Ministry of Health. There is a growing concern, from the characters committed to the consolidation of Primary Health Care, with its qualification and resoluteness increase. In this scenario, the Ministry of Health proposes, in 2011, the Telehealth Brazil Networks National Program, articulated with a set of policies and programs, in order to consolidate the Primary Health Care as ordering Networks for Health Care. The Telehealth Brazil Networks has a major focus on increasing the outcomes of Primary Health Care proposing to transform the practices of Primary Health Care Team in the perspective of Permanent Health Education. The object of this work is the relationship between the Primary Health Care physician and Telehealth. Considering the centrality that the physician has in the Hegemonic Medical Model and his strong role in problem solving, this study aims to understand the meanings which the Telehealth has for the Primary Health Care physicians and point out the limits and possibilities of this tool as a Permanent Health Education Dispositive and helps to increase the Primary Health Care resolutivity. The study's subject are physicians that work in municipalities whom keeps contract with the Family Health Estate Foundation. It is a qualitative study of analytical nature, which uses the micropolitic's perspective of the work and production of health care to perform the analysis. We interviewed six (6) physicians working in the Primary Health Care Team that somehow had contact with the Family Health Estate Foundation's Telehealth offering: the Clinical Support. I put myself in the research as a subject involved, understanding that the investigated object is confused with me all the time. From guided questions, the doctors brought issues concerning their inclusion in Primary Health Care, as how and what/who to turn to get answers to their everyday annoyances, and in relation to the understanding they have about Telehealth. Recorded the issues that affected me and dialogued with mentors and authors who offered concepts tools to understand better these effects and produce a meaning for them. The whole research was limited by my experience at Primary Health Care, as a physician, university professor and manager, and into Telehealth. Thus, the study did not produce "the" truth, but rather "certain kind of truth" about the relationship between Telehealth and Primary Health Care physician, also the possibility of the Telehealth been a Permanent Health Education dispositive. Pointed out that the Telehealth is not a Permanent Health Education dispositive and that alone is not capable of producing changes in the professional practice of a Primary Health Care Team and in particular in the physician. However, while virtuality, it can be updated in very powerful ways to support movements in perspective transformation practices that teams have been developing. Likewise, can and should be virtualized in order to reset it and increase its power, and coordination with the regulation of access to some specialties and procedures, since the prospect of support to professionals, an interesting possibility. Key words: telehealth; primary health care; micropolitics; health work; care production; permanent health education.

11 10 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS AB ACS APS BA BVS CEPS CI CIB CIES CLT CONASS CONASEMS CAPS-AD CPS DA DAB DSF DENEM EPS EqSF ESF EUA FESF FIT GM LRF MMH MSB MS NASF NUCAAR NUTS Atenção Básica Agente Comunitário de Saúde Atenção Primária à Saúde Bahia Biblioteca Virtual de Saúde Centro de Educação Permanente da Saúde Comunicação Interna Comissão Intergestores Bipartite Comissão de Integração Ensino-serviço Consolidação das Leis do Trabalho Conselho Nacional de Secretários de Saúde Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas Cuidados Primários em Saúde Diretório Acadêmico Departamento/Diretoria de Atenção Básica Departamento de Saúde da Família Direção Executiva Nacional dos Estudantes de Medicina Educação Permanente em Saúde Equipe de Saúde da Família Estratégia de Saúde da Família Estados Unidos da América Fundação Estatal Saúde da Família Formação Inicial do Trabalhador Gabinete do Ministro Lei de Responsabilidade Fiscal Modelo Médico Hegemônico Movimento Sanitário Brasileiro Ministério da Saúde Núcleo de Apoio à Saúde da Família Núcleo de Controle Auditoria Avaliação e Regulação Núcleo Universitário de Telessaúde

12 11 PMAQ PNAB PROVAB PSE PSF RAS RS SESAB SGTES SMS SOF SUS TCLE TS UBS USF UFBA UFRGS VER-SUS Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade Política Nacional de Atenção Básica Programa de Valorização da Atenção Básica Programa Saúde na Escola Programa de Saúde da Família Redes de Atenção à Saúde Rio Grande do Sul Secretaria Estadual de Saúde da Bahia Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação e Saúde Secretaria Municipal de Saúde Segunda Opinião Formativa Sistema Único de Saúde Termo de Consentimento Livre e Esclarecido Telessáude Unidade Básica de Saúde Unidade de Saúde da Família Universidade Federal da Bahia Universidade Federal do Rio Grande do Sul Vivências e Estágios na Realidade do Sistema Único de Saúde

13 12 SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO Contextualizando o atual momento da atenção Básica no Brasil O Telessaúde para a Atenção Básica: histórico e contexto atual Contextualizando o Telessaúde na Bahia Apoio Clínico: a oferta de Telessaúde da FESF-SUS Justificativa PERCURSO METODOLÓGICO Sobre as implicações: conhecendo um pouco o pesquisador A construção do objeto da pesquisa: encontros e afectos do cotidiano A escolha dos sujeitos da pesquisa Coleta de dados: encontros e afetamentos entre sujeitos O QUE PRODUZ INCÔMODO NOS MÉDICOS NO CONTEXTO DA ATENÇÃO BÁSICA? REFLETINDO SOBRE A PROFISSÃO MÉDICA E SUA INSERÇÃO NA ATENÇÃO BÁSICA MOVIMENTAÇÕES DO COTIDIANO DA ATENÇÃO BÁSICA: PISTAS PARA PENSAR O USO DO TELESSAÚDE Repetição dos territórios vigentes na Atenção Básica A produção de redes vivas de conexão como um potente dispositivo de Educação Permanente em Saúde A solidão terapêutica e a demora permitida: diferenças do uso do Telessaúde entre o interior e a região metropolitana A possibilidade real de evitar encaminhamentos desnecessários, no caso de dificuldades de encaminhar ao especialista (baixo acesso) O TELESSAÚDE PARA A ATENÇÃO BÁSICA COMO "CÉLULA TOTIPOTENTE": TECNOLOGIA DURA A SERVIÇO DO TRABALHO MORTO OU DO TRABALHO VIVO? A fragilidade da gestão da Atenção Básica na maioria dos municípios: como fica essa disputa?... 69

14 13 7. O TELESSAÚDE E A REGULAÇÃO DO ACESSO A RECURSOS CRÍTICOS NO SUS: TRABALHO VIVO DO MÉDICO EM DISPUTA ATUALIZAÇÃO E VIRTUALIZAÇÃO DO TELESSAÚDE PARA A ATENÇÃO BÁSICA: REDIMENSIONANDO AS EXPECTATIVAS E PENSANDO POSSIBILIDADES CONSIDERAÇÕES FINAIS: APONTAMENTOS E DEVIRES REFERÊNCIAS... 85

15 14 1. INTRODUÇÃO 1.1.Contextualizando o atual momento da Atenção Básica no Brasil e na Bahia A Atenção Básica - AB sofreu expansão importante desde o início da implantação do Programa de Saúde da Família - PSF, lançado pelo Ministério da Saúde - MS, a partir de O PSF foi proposto, inicialmente, com o objetivo de ampliação da cobertura da assistência para populações com maior risco social, mas foi adquirindo centralidade nas políticas públicas de saúde progressivamente, sendo considerado pelo MS como uma estratégia estruturante do Sistema Único de Saúde - SUS municipal na perspectiva da reorientação do modelo assistencial (ESCOREL et al., 2007). A partir de 1999, o PSF passou a ser denominado Estratégia de Saúde da Família - ESF. Segundo Escorel et al. (2007), a ESF passou a incorporar os princípios e diretrizes do SUS e a se aproximar do conceito de Atenção Primária à Saúde - APS propostos por Starfield (2002), que tem no primeiro contato, longitudinalidade, abrangência do cuidado, coordenação e orientação à família e às comunidades seus atributos essenciais e derivados, na perspectiva de romper com a noção de uma atenção de baixo custo e simplificada. Hoje, abrange mais da metade da população brasileira, contando com equipes (BRASIL, 2013). Até agosto de 2011, cinco mil duzentos e oitenta e quatro municípios brasileiros já contavam com Equipes de Saúde da Família - EqSF implantadas, equivalendo a uma cobertura com a estratégia a cento e um milhões e trezentos mil brasileiros (BRASIL, 2013). No entanto, apesar dessa expansão expressiva e do resultado significativo na redução da mortalidade materno-infantil entre outros, a ESF vem enfrentando vários desafios, entre os quais se destaca a precarização das relações de trabalho, conforme nos colocam Andrade, Teixeira e Machado (2012, p.66): Ainda que a ESF tenha se mantido como política prioritária na agenda de sucessivos governos desde sua criação, sua expansão nacional expressa dificuldades e desafios, também observados nos demais serviços e níveis de atenção do SUS. Um deles é que a implementação da estratégia ocorreu desde meados dos anos 1990 por meio da precarização' das relações de trabalho nos serviços públicos de saúde, relacionada ao contexto mais amplo de reforma do Estado que impôs restrições à expansão do funcionalismo público nas três esferas de governo. A Atenção Básica, organizada a partir da ESF, ainda apresenta uma baixa resolutividade, muito aquém da esperada, que é de 85%. Entre os grandes obstáculos para a consolidação e

16 15 fortalecimento da AB, destaca-se a alta rotatividade dos profissionais nas EqSF e, mesmo, o baixo provimento de profissionais, especialmente do médico, em algumas regiões, como o interior do Nordeste, do Norte e do Centro-oeste, assim como na periferia dos grandes centros urbanos. Isso dificulta em grande medida o desenvolvimento dos princípios e diretrizes da AB, destacando-se a longitudinalidade do cuidado e a resolutividade. Dessa forma, vem sendo um desafio para todos os atores envolvidos com a consolidação do Sistema Único de Saúde - SUS e da AB, enquanto ordenadora das redes de atenção à saúde, o provimento e fixação de profissionais para comporem as EqSF. A partir de 2011, o MS, em articulação com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS e com o Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde - CONASEMS, iniciou um processo muito intenso de ações, políticas e programas com o objetivo de fortalecer e consolidar a AB. Houve um aumento significativo do aporte financeiro federal para os municípios nos anos de 2011 e Segundo Pinto, Koerner e Silva (2012, p.1), Estes dois anos somam mais de 3,6 bilhões de aumento, que representam um acréscimo de quase 37% nos recursos repassados fundo a fundo para a AB. É o maior reajuste desde a criação do PAB, que inclui verbas dispostas no contexto da nova Política Nacional de Atenção Básica - "Saúde Mais Perto de Você", e evidenciam que a atenção básica, definitivamente, entrou na agenda prioritária do Governo. Foi lançada a Nova Política Nacional de Atenção Básica - PNAB ("Saúde Mais Perto de Você") (BRASIL, 2011a) e assinado o Decreto Presidencial nº de 28 de junho de 2011 (BRASIL, 2011d), o qual regulamenta a Lei de 1990, além de definir as redes de Atenção à Saúde e "oficializar" a AB como porta de entrada do SUS e como ordenador do acesso universal e igualitário às ações e serviços de saúde. Programas já existente foram fortalecidos (como o Núcleo de Apoio à Saúde da Família - NASF); vários Programas do MS, a partir do Departamento de Atenção Básica - DAB, foram iniciados, assim como outros, não ligados ao DAB diretamente, mas que têm a AB como foco. Entre esses Programas do DAB/MS, destacam-se: Requalifica UBS (central na PNAB); Melhor em Casa (Programa de Atenção Domiciliar); o Telesssaúde Brasil Redes na Atenção Básica (Programa Nacional de Telessaúde com foco na AB); NASF; Academia da Saúde (Programa de Promoção da Saúde com foco na prática de atividades físicas orientadas); Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade - PMAQ; entre outros. Entre os Programas do MS que se articulam fortemente com a AB, destacam-se: Rede Cegonha (Atenção Integral à Saúde Materno-infantil) e Programa Saúde na Escola - PSE.

17 16 A PNAB e todos os Programas foram estruturados na perspectiva da AB constituir-se como o "contato preferencial dos usuários, a principal porta de entrada e o centro de comunicação com toda a Rede de Atenção à Saúde" (BRASIL, 2011a). Antes mesmo dos avanços mais significativos impulsionados pela esfera federal, a AB entrou na agenda prioritária de alguns estados. Neste contexto, na Bahia, foi instituída a Fundação Estatal Saúde da Família - FESF-SUS, em A FESF-SUS é uma Fundação Governamental instituída por 69 municípios baianos que tem como objetivo desenvolver de forma articulada e compartilhada a atenção à saúde, em especial a ESF, tendo como eixos norteadores de sua atuação o Apoio Institucional, Educação Permanente em Saúde - EPS, a Gestão por Resultados e a Carreira intermunicipal de âmbito estadual. Caracteriza-se como um componente interfederado do SUS, que tem como uma de suas diretrizes a articulação de políticas de saúde entre todos os demais entes do SUS na Bahia, em especial o Ministério da Saúde, a Secretaria Estadual de Saúde e as Secretarias Municipais de Saúde, visando à qualificação, fortalecimento e expansão da atenção à saúde na Bahia. Foi instituída após ampla discussão nas instâncias de Controle Social do SUS, como a Conferência Estadual de Saúde e o Conselho Estadual de Saúde; e após intensa mobilização legislativa, a partir da qual foram aprovadas leis municipais permitindo que os municípios instituíssem a Fundação. Posteriormente, foi desenvolvido o entendimento jurídico e decidido no Conselho Curador da FESF-SUS que mesmo os municípios que não eram instituidores poderiam celebrar Contrato de Gestão, o que foi feito por 69 municípios, não exatamente os mesmos que compunham a instituição. Destes 69, 39 municípios iniciaram os serviços previstos no Contrato de Gestão. Em março de 2010, ocorreu o primeiro Concurso da FESF-SUS, em âmbito nacional. Os primeiros profissionais começaram a desenvolver suas atividades nos municípios contratualizados em agosto de A partir deste momento, a FESF-SUS começou a enfrentar o desafio de implantar serviços em atenção básica, em gestão compartilhada, com um conjunto de municípios baianos. Serviços nem sempre desejados pelos gestores municipais (apoio institucional à gestão e às equipes, formação para os profissionais, gestão compartilhada dos serviços, gestão do trabalho), mais interessados e motivados a contratualizar com a FESF-SUS pela prespectiva, que mais era uma aposta do que uma realidade palpável, de conseguir médicos para compor suas equipes desfalcadas ou, mesmo, expandir sua cobertura de atenção básica limitada pela escassez desse profissional. No entanto, vários fatores do contexto da atenção básica no estado (os quais não são exclusivos da Bahia) constituíram-se como obstáculos à consolidação dessa aposta. Menos

18 17 municípios do que o esperado contratualizaram, entre outros fatores, pela desconfiança na recém-nascida Fundação; pela perda da "liberdade" antes exercida na gestão dos profissionais que não mais eram contratados diretamente pelo município através de contratos precarizados; pelo fato da contratualização com a FESF-SUS implicar em aumento no custo com contratação de profissionais, por conta dos vínculos serem através da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, incidindo no índice de pessoal na Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF; entre outros. Outro obstáculo importante, foi o número bem abaixo do esperado de médicos inscritos no concurso e que, de fato, efetivaram contrato e foram lotados nas equipes de saúde da família. Mesmo nos municípios contratualizados, não foi possível a oferta de serviços médicos em várias equipes, o que trouxe uma insatisfação muito grande para os gestores municipais, que viam na FESF-SUS a resolução de seus problemas no que diz respeito à falta do médico. Somado a isso, muitos municípios tornaram-se inadimplentes, alguns chegando a nunca repassar nenhum recurso, apesar dos serviços serem prestados. Assim, foi tornando-se cada vez mais complicada a sustentabilidade da FESF-SUS do ponto de vista político, orçamentário e financeiro, sendo necessária a descontratualização com alguns municípios e revisão de seu escopo de ofertas e espectro de parcerias. A partir de 2012, principalmente por demandas colocadas pela Secretaria Estadual de Saúde, a FESF-SUS começou a diversificar seus serviços e a especializar-se para isso. Houve mudanças importantes na lógica organizacional, no organograma e na composição da equipe de gestão, passando a desenvolver serviços de Regulação, Atenção Domiciliar e Apoio Institucional Estadual. Com isso, a Atenção Básica teve uma importante atrofia, limitando-se à contratualização com poucos municípios, assim como a perspectiva de carreira estadual para os profissionais das EqSF, na FESF-SUS, tornou-se uma realidade cada vez mais distante. Dessa forma, desde 2012 a FESF-SUS vem se preparando para ofertar outros serviços para os municípios baianos e para o estado da Bahia, o que iniciou, de fato, em Todos os novos serviços são regidos por uma relação com o governo do estado, representados pela SESAB, através de um Contrato de Programa, o qual envolve os municípios, como é o caso do Telessaúde, o qual foi lançado oficialmente em junho de Os serviços, antigos e os novos, são transversalizados e articulados com os eixos norteadores da instituição.

19 O Telessaúde para a Atenção Básica no Brasil: histórico e contexto atual No Brasil, O Telessaúde - TS direcionado para a AB foi iniciado no ano de 2006 pelo Ministério da Saúde, com a criação da Comissão Permanente de Telessaúde, sob a coordenação da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde - SGTES (CAMPOS et al., 2009). Em 2007, foi lançado o Programa Nacional de Telessaúde em apoio à Atenção Básica, através da Portaria n 35/GM/MS, de 4 de janeiro de 2007 (BRASIL, 2007). O contexto de surgimento desse Programa baseia-se na importante expansão da ESF enquanto modelo de organização da AB no Brasil e no entendimento de que um dos principais obstáculos para a expansão e aperfeiçoamento da qualidade da ESF tem a ver com a capacitação dos profissionais e das equipes para que atuem segundo o modelo proposto. Considera-se que o currículo e modelo pedagógico vigentes na maioria dos cursos de graduação em saúde não estão adaptados para a formação de profissionais com o perfil esperado para a ESF, ou estão em um estágio inicial de mudança para se adequar às Diretrizes Curriculares Nacionais (CAMPOS et al., 2009). Como pano de fundo da criação deste Programa, considerou-se que o surgimento constante de conhecimentos científicos leva à necessidade de atualização profissional continuada como forma de manter a qualidade dos serviços, assim como a capacitação adequada dos profissionais deve ser encarada como uma estratégia que pode aumentar a eficiência dos serviços de saúde, pois o aperfeiçoamento educacional reduz os custos com assistência, permitindo a diminuição das condutas inadequadas e, consequentemente, dos desperdícios (CAMPOS et al., 2009). Segundo Campos et al. (2009), o Programa Nacional de Telessaúde em apoio à Atenção Básica considera o TS como uma ação estratégica nacional que, além de otimizar a atenção à saúde, permite racionalizar os recursos disponíveis, facilitando que o governo possa desencadear ações rápidas e contribuindo para que a AB alcance a resolutividade, esta internacionalmente testada e divulgada, de 85%. O foco dessa primeira iniciativa de TS para a AB no Brasil assim, foi a "capacitação" profissional para tornar a AB mais resolutiva e eficiente, utilizando-se as tecnologias de teleducação interativa desenvolvidas nos centros de investigação das universidades brasileiras, como forma de superar as estratégias de capacitação profissional, anteriormente utilizadas, as quais, de acordo com esses autores, tiveram êxito limitado. Apesar de concordar com Campos que os currículos das graduações em saúde, de maneira geral, não são adequados para o que se espera da atuação na AB, gostaria de iniciar

20 19 uma problematização, que aprofundarei mais adiante, sobre a limitação que têm estratégias de "capacitação adequada" dos profissionais em produzir transformação das práticas de saúde e, assim, reduzir custos e desperdícios. Desde 2004, com o lançamento da Política de Educação e Desenvolvimento para o SUS (BRASIL, 2004), da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do SGTES/MS, autores como Feuerwerker e Ceccim (2004) e Merhy, Feuerwerker e Ceccim (2006), iniciaram com mais intensidade a discussão de estratégias que utilizam o mundo do trabalho como substrato da reflexão, crítica e transformação dos serviços de saúde como forma de qualificálos. Dialogando com esses autores, e como discutirei em seguida, entendo que apenas estratégias que lançem mão de dispositivos de Educação Permanente em Saúde - EPS é que têm possibilidade de produzir transformações nas práticas e aumentar a qualidade dos serviços. O próximo passo no desenvolvimento do TS para a AB foi o lançamento do Programa Telessaúde Brasil, que amplia o anterior, pela Portaria nº 402/GM/MS de 24 de fevereiro de 2010, com o objetivo de qualificar, ampliar a resolubilidade e fortalecer a ESF, a partir da oferta da denominada 'Segunda Opinião Formativa' e outras ações educacionais dirigidas a todos os profissionais destas equipes (BRASIL, 2010). Seguindo a mesma linha do Programa de 2007, o Telessaúde Brasil tem como foco a oferta de ações educativas aos profissionais das EqSF. Em outubro de 2011, foi lançado, pelo Departamento de Atenção Básica do Ministério da Saúde - DAB/MS, o Programa Telessaúde Brasil Redes, o qual redefine e amplia o Programa Telessaúde Brasil, que passa a ser denominado Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes (Telessaúde Brasil Redes), tendo por objetivo apoiar a consolidação das Redes de Atenção à Saúde, ordenadas pela AB, no âmbito do Sistema Único de Saúde (BRASIL, 2011c). A oferta de Telessaúde para a Atenção Básica baseia-se nas seguintes Portarias: Portaria Nº 2.546, de 27 de outubro de 2011, que redefine e amplia o Programa Telessaúde Brasil, que passa a ser denominado Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes (Telessaúde Brasil Redes). [...] Tem por objetivo apoiar a consolidação das Redes de Atenção à Saúde, ordenadas pela Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)" (BRASIL, 2011c). Portaria Nº 2.554, de 28 de outubro de 2011, que institui, no âmbito do Programa de Requalificação das Unidades Básicas de Saúde (UBS), o Componente de Informatização e Telessaúde Brasil Redes na Atenção Básica, integrado ao Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes e tem como objetivos ampliar a resolutividade da Atenção Básica e promover sua integração com o conjunto da Rede de Atenção à Saúde (BRASIL, 2011b). A Portaria nº coloca em seu artigo 3º, como objetivo, ainda,

PROJETO TELESSAÚDERS. Projeto de Telemática e Telemedicina em Apoio à Atenção Primária à Saúde no Brasil: Núcleo Rio Grande do Sul.

PROJETO TELESSAÚDERS. Projeto de Telemática e Telemedicina em Apoio à Atenção Primária à Saúde no Brasil: Núcleo Rio Grande do Sul. PROJETO TELESSAÚDERS Projeto de Telemática e Telemedicina em Apoio à Atenção Primária à Saúde no Brasil: Núcleo Rio Grande do Sul. (TelessaúdeRS) O que é o TelessaúdeRS? É um serviço de suporte assistencial

Leia mais

PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011

PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011 PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011 Institui, no Programa de Requalificação de Unidades Básicas de Saúde, o Componente de Informatização e Telessaúde Brasil Redes na Atenção Básica, integrado

Leia mais

Núcleo de Apoio à Saúde da Família NASF. Perguntas mais frequentes

Núcleo de Apoio à Saúde da Família NASF. Perguntas mais frequentes Núcleo de Apoio à Saúde da Família NASF Perguntas mais frequentes 1. O QUE É O NASF? 2. QUAIS PROFISSIONAIS PODEM COMPOR UM NASF? 3. COMO É DEFINIDA A COMPOSIÇÃO DAS EQUIPES NASF NOS MUNICÍPIOS? 4. COMO

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO E TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

INFORMATIZAÇÃO E TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA INFORMATIZAÇÃO E TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem

Leia mais

VI Seminário Internacional de Atenção Primária. Telessaúde APS: experiência do TelessaúdeRS

VI Seminário Internacional de Atenção Primária. Telessaúde APS: experiência do TelessaúdeRS VI Seminário Internacional de Atenção Primária Telessaúde APS: experiência do TelessaúdeRS Erno Harzheim Professor Medicina de Família e Comunidade Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia Faculdade

Leia mais

Plano de Empregos, Carreiras e Salários da Fundação Estatal Saúde da Família

Plano de Empregos, Carreiras e Salários da Fundação Estatal Saúde da Família Seminário de Inovação da Gestão do Trabalho em Saúde Plano de Empregos, Carreiras e Salários da Fundação Estatal Saúde da Família Estevão Toffoli Rodrigues Diretor de Gestão de Serviços OPAS, Brasília

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS

RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA E COMUNIDADE PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SERVIÇO NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TOCANTINS LISY MOTA DA CRUZ Orientador: Prof. Dr. Gilberto Tadeu Reis da Silva

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA GERAL DE REGULAÇÃO DO SISTEMA GERÊNCIA DE ATENÇÃO BÁSICA Recife em Defesa da Vida Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização

Leia mais

Telessaúde: Estratégia de Educação Permanente para melhoria da resolutividade e qualidade na Atenção Básica

Telessaúde: Estratégia de Educação Permanente para melhoria da resolutividade e qualidade na Atenção Básica Telessaúde: Estratégia de Educação Permanente para melhoria da resolutividade e qualidade na Atenção Básica XIV APS: Encontro de Atualização de Atenção Primária à Saúde Juiz de Fora Outubro, 2013 ATENÇÃO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

NOTA TÉCNICA 07 /2014

NOTA TÉCNICA 07 /2014 NOTA TÉCNICA 07 /2014 Institui o incentivo financeiro de custeio destinado aos núcleos de Telessaúde do Programa de Requalificação de Unidades Básicas de Saúde, Componente de Informatização e Telessaúde

Leia mais

E-SUS ATENÇÃO BÁSICA. Julho / 2013

E-SUS ATENÇÃO BÁSICA. Julho / 2013 E-SUS ATENÇÃO BÁSICA Julho / 2013 Estratégia de Qualificação da AB Saúde Bucal PMAQ Requalifica UBS PSE Telessaúde Brasil Redes Academia da Saúde Atenção Básica Financiamento Consultório na Rua Provimento

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem desenvolvidas dentro

Leia mais

CICLO DE OFICINAS DE QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA: Ênfase na Implantação do Acolhimento. PROPOSTA METODOLÓGICA Março/2013

CICLO DE OFICINAS DE QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA: Ênfase na Implantação do Acolhimento. PROPOSTA METODOLÓGICA Março/2013 CICLO DE OFICINAS DE QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA: Ênfase na Implantação do Acolhimento PROPOSTA METODOLÓGICA Março/2013 PNAB PEAB PNH DIRETRIZES GERAIS Acolhimento como diretriz nacional do SUS Cuidado

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde. Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde (COAPES).

Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde. Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde (COAPES). Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde (COAPES). Eixo Formação PMM Mudanças na formação médica: Autorização de abertura baseada nas necessidades

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos RELATÓRIO OFICINA FNEPAS ESTADUAL MINAS GERAIS INTEGRALIDADE E QUALIDADE NA FORMAÇÃO E NAS PRÁTICAS EM SAÚDE: Integrando Formação, Serviços, Gestores e Usuários Local: COBEM Uberlândia Data: 22 de outubro

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Projetos de apoio ao SUS

Projetos de apoio ao SUS Carta Convite: Facilitação dos Cursos de Especialização em Gestão da Vigilância em Saúde, Gestão da Clínica nas Redes de Atenção à Saúde, Regulação em Saúde no SUS e Gestão do Risco e Segurança do Paciente

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

www.nutes.ufpe.br contato@nutes.ufpe.br +55(81) 2126.3903

www.nutes.ufpe.br contato@nutes.ufpe.br +55(81) 2126.3903 www.nutes.ufpe.br contato@nutes.ufpe.br +55(81) 2126.3903 Unidade da UFPE, fundada em Outubro de 2003 através do Projeto Piloto de Telesaúde no Programa de Saúde da Família financiado pelo Ministério da

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE TELECONSULTORES GENERALISTAS E MONITORES DE CAMPO PARA O TELESSAÚDE REDES REGIÃO METROPOLITANA DE JOÃO PESSOA

EDITAL DE SELEÇÃO DE TELECONSULTORES GENERALISTAS E MONITORES DE CAMPO PARA O TELESSAÚDE REDES REGIÃO METROPOLITANA DE JOÃO PESSOA EDITAL DE SELEÇÃO DE TELECONSULTORES GENERALISTAS E MONITORES DE CAMPO PARA O TELESSAÚDE REDES REGIÃO METROPOLITANA DE JOÃO PESSOA O Comitê Gestor do Telessaúde Redes da Região Metropolitana de João Pessoa,

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

ANEXO IV - Configuração tecnológica exigida... 15 ANEXO V Ficha de Inscrição... 16

ANEXO IV - Configuração tecnológica exigida... 15 ANEXO V Ficha de Inscrição... 16 EDITAL DE SELEÇÃO SUMÁRIO 1. Apresentação... 01 2. Objetivo geral... 04 3. Objetivo específico... 04 4. Duração... 04 5. Público-alvo... 04 6. Critérios de seleção dos municípios... 04 7. Contrapartidas

Leia mais

Sistema Municipal de Saúde Escola de Fortaleza e seus dispositivos de mudança na formação e na educação permanente

Sistema Municipal de Saúde Escola de Fortaleza e seus dispositivos de mudança na formação e na educação permanente Sistema Municipal de Saúde Escola de Fortaleza e seus dispositivos de mudança na formação e na educação permanente Ana Ecilda Lima Ellery, Maria Lúcia Magalhães Bosi, Ana Paula Ramalho Brilhante, Ester

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa COMEMORAÇÃO DOS 29 ANOS DO ICICT/FIOCRUZ Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa O papel da COSAPI no incentivo de experiências exitosas de

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE 1- Introdução: contextualização a iniciativa O curso

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

XXVI Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo

XXVI Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo XXVI Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo Marília Março 2012 A Cidade de Guarulhos A cidade de Guarulhos Brasil -190 milhões de habitantes Região Metropolitana de São Paulo

Leia mais

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS São Paulo SP Maio 2012 Setor Educacional Educação Corporativa Classificação das Áreas

Leia mais

Educação a distância: desafios e descobertas

Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: Desafios e descobertas Conteudista: Equipe Multidisciplinar Campus Virtual Cruzeiro do Sul Você na EAD Educação a distância: desafios

Leia mais

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate ALEXANDRE DE SOUZA RAMOS 1 Saúde como direito de cidadania e um sistema de saúde (o SUS) de cunho marcadamente

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

FLÁVIO DIAS SILVA DIRETRIZES PARA ORIENTAÇÃO DO INTERNATO MÉDICO PARA A ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

FLÁVIO DIAS SILVA DIRETRIZES PARA ORIENTAÇÃO DO INTERNATO MÉDICO PARA A ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE FLÁVIO DIAS SILVA DIRETRIZES PARA ORIENTAÇÃO DO INTERNATO MÉDICO PARA A ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Produto da pesquisa O Ensino da Atenção Primária á Saúde no Internato Médico das Universidades Públicas

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

DIRETORIA. Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS

DIRETORIA. Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS DIRETORIA Of. Dir. /2007 Recife, 09 de novembro de 2007 Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS Senhora Diretora, Atendendo solicitação

Leia mais

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES.

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. ANA LUCIA MESQUITA DUMONT; Elisa Nunes Figueiredo. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SMSA-BH (Atenção Básica)

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

Educação a Distância oportunizando a melhoria da Gestão da Saúde no Brasil

Educação a Distância oportunizando a melhoria da Gestão da Saúde no Brasil Educação a Distância oportunizando a melhoria da Gestão da Saúde no Brasil Natal- RN- Maio de 2015 Thais Paulo Teixeira Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte - thais.paulo@hotmail.com Nathalia

Leia mais

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde Patrícia Constante Jaime CGAN/DAB/SAS/MS Encontro sobre Qualidade na Formação e Exercício Profissional do Nutricionista Brasília,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS COAPES

PERGUNTAS E RESPOSTAS COAPES Perguntas e Respostas 1 O que é o? O é o Contrato Organizativo de Ação Pública de Ensino-Saúde e suas diretrizes foram publicadas pelos Ministérios da Saúde e da Educação por meio da Portaria Interministerial

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

BRASIL. XXVI Congresso dell ALASS CALASS 2015 Ancona 3, 4 e 5 settembre 2015

BRASIL. XXVI Congresso dell ALASS CALASS 2015 Ancona 3, 4 e 5 settembre 2015 A parceria estratégica da Secretaria de Estado da Saúde do Rio Grande do Sul e o Telessaúde/RS: dispositivo tecnológico para qualificar a Atenção à Saúde da população XXVI Congresso dell ALASS CALASS 2015

Leia mais

AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes

AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA PROJETO AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes Outubro de 2005 Justificativa A grande expansão da estratégia

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS 1 - Apoiar a construção coletiva e implementação do Plano Realizar a Conferência com uma ampla participação da comunidade Sugerir propostas não contempladas na proposta do Plano Conferência Municipal de

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

AUTORES: Edinamar Aparecida Santos da SILVA; Vânia C. MARCELO; Newillames Gonçalves NERY; Jacqueline Rodrigues de LIMA; Maria Goretti QUEIRÓZ.

AUTORES: Edinamar Aparecida Santos da SILVA; Vânia C. MARCELO; Newillames Gonçalves NERY; Jacqueline Rodrigues de LIMA; Maria Goretti QUEIRÓZ. TÍTULO: MESTRADO PROFISSIONAL E A ESTRUTURAÇÃO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE EM UMA UNIDADE DE ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE DA FAMÍLIA DE GOIÂNIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA AUTORES: Edinamar Aparecida Santos da SILVA;

Leia mais

regionalização e contratos organizativos de ação pública.

regionalização e contratos organizativos de ação pública. A Regulamentação da Lei 8.080/90: A Regulamentação da Lei 8.080/90: regionalização e contratos organizativos de ação pública. Seminário Nacional PRÓ Saúde e PET Saúde Brasília, 19 de outubro de 2011.,

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

SELEÇÃO SIMPLIFICADA DE CURSISTAS

SELEÇÃO SIMPLIFICADA DE CURSISTAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO PRÓ-CONSELHO CURSO DE EXTENSÃO A DISTANCIA FORMAÇÃO

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

Bolonha, fevereiro de 2014

Bolonha, fevereiro de 2014 Bolonha, fevereiro de 2014 Portaria n.º 1654, de 19 de Julho de 2011. Objetivo principal Induzir a ampliação do acesso e a melhoria da qualidade da atenção básica, com garantia de um padrão de qualidade

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

PESQUISA AVALIATIVA DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS

PESQUISA AVALIATIVA DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS PESQUISA AVALIATIVA DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS A Pesquisa A Pesquisa Avaliativa do Programa Mais Médicos, buscará analisar o Programa desde sua implantação com a perspectiva de se ter o monitoramento de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 A mudança na graduação das profissões da saúde segue sendo um tema fundamental para todos aqueles preocupados

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

EDITAL (01/2015) (VER-SUS/Litoral Piauiense) PROCESSO DE SELEÇÃO DO PROJETO VIVÊNCIAS E ESTÁGIOS NA REALIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO BRASIL

EDITAL (01/2015) (VER-SUS/Litoral Piauiense) PROCESSO DE SELEÇÃO DO PROJETO VIVÊNCIAS E ESTÁGIOS NA REALIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO BRASIL EDITAL (01/2015) (VER-SUS/Litoral Piauiense) PROCESSO DE SELEÇÃO DO PROJETO VIVÊNCIAS E ESTÁGIOS NA REALIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO BRASIL O Coletivo VER-SUS Parnaíba, através da Rede Unida e em

Leia mais

PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS.

PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - CCBS Coordenação do Curso de Enfermagem PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS. RESUMO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO:

Leia mais

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Início das inscrições: 22 de fevereiro de 2013 Final das inscrições: 20 de março de

Leia mais

Resolução SE 21, de 28-4-2014. Institui o Programa Novas Tecnologias Novas Possibilidades

Resolução SE 21, de 28-4-2014. Institui o Programa Novas Tecnologias Novas Possibilidades Resolução SE 21, de 28-4-2014 Institui o Programa Novas Tecnologias Novas Possibilidades A Secretária Adjunta, Respondendo pelo Expediente da Secretaria da Educação, tendo em vista o disposto no inciso

Leia mais

5 passos para a implementação do Manejo da Infecção pelo HIV na Atenção Básica

5 passos para a implementação do Manejo da Infecção pelo HIV na Atenção Básica 5 passos para a implementação do Manejo da Infecção pelo HIV na Atenção Básica Guia para gestores MINISTÉRIO DA SAÚDE Introdução As diretrizes aqui apresentadas apontam para uma reorganização do modelo

Leia mais