A Participação de Professores na Elaboração de Materiais Curriculares em um Contexto Colaborativo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Participação de Professores na Elaboração de Materiais Curriculares em um Contexto Colaborativo"

Transcrição

1 A Participação de Professores na Elaboração de Materiais Curriculares em um Contexto Colaborativo Wedeson Oliveira Costa 1 GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática Neste artigo, apresento minha pesquisa de Mestrado em fase inicial desenvolvida no Programa de Pós- Graduação em Educação da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). O objetivo desta pesquisa é analisar como professores participam da elaboração de tarefas que compõe um material curricular educativo em um contexto colaborativo. Assim, focaremos na participação de professores e Lave e Wenger serão tomados como principais teóricos para compreender o objeto de estudo, a partir da Perspectiva da Aprendizagem Situada. Desse modo, esta pesquisa se insere numa abordagem qualitativa, na qual utilizaremos a observação como técnica de coleta de dados. Palavras-chave: Participação. Professores. Tarefas. Contexto Colaborativo. Introdução O presente estudo é fruto da minha trajetória em estudos relacionados à modelagem matemática 2, a qual se iniciou em 2007, a partir da minha graduação, o que aconteceu por meio das disciplinas Técnicas de Pesquisa e Produção Científica, Orientação à Pesquisa I, II, III e IV, Projeto I e II e Instrumentalização para o Ensino de Matemática VIII (INEM VIII). Em decorrência da primeira disciplina mencionada, a qual tinha como propósito o desenvolvimento de um projeto sobre qualquer área da Matemática, optei por trabalhar com Modelagem Matemática. Nesse sentido, com objetivo de aprofundar meus estudos sobre essa temática, passei a participar do Projeto de Extensão Universitária Grupo Colaborativo em Modelagem Matemática (GCMM/UEFS 3 ), o qual é formado por pesquisadores, estudantes da Licenciatura em Matemática da UEFS e professores da Educação Básica da região de Feira de Santana, do qual sou membro desde então. Em paralelo à participação do GCMM, desenvolvi, no ano de 2009, uma pesquisa junto ao Programa de Bolsistas de Iniciação Científica da UEFS (PROBIC/UEFS) no projeto 1 Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), orientador (a): Andréia Maria Pereira de Oliveira. 2 Por modelagem, compreendo como um ambiente de aprendizagem no qual estudantes são convidados a investigar, por meio da matemática, situações com referência na realidade ou outras ciências. (BARBOSA, 2007) 3 Projeto certificado como atividade de extensão universitária da UEFS (Resolução CONSEPE/UEFS 120/2007).

2 Modelagem matemática, professores e o uso de materiais curriculares educativos 4. A implementação desse projeto tem sido desenvolvido em parceria com o GCMM, no qual membros do grupo elaboram materiais curriculares educativos sobre modelagem matemática e disponibilizam em um ambiente virtual denominado Colaboração Online em Modelagem Matemática (COMMa 5 ) que se configura como um espaço de colaboração entre professores e pesquisadores, possibilitando que outros professores tenham acesso a esses materiais e os implementem nas aulas. Os materiais curriculares educativos sobre modelagem matemática são compostos por tarefas de modelagem do caso 1 6, planejamento da implementação feito pelo professor (membro do GCMM), narrativas descrevendo como a tarefa foi implementada na sala de aula, trechos de vídeos das aulas, registros de algumas resoluções dos estudantes, fórum e análises dos vídeos e registros feitos pelo GCMM. Durante o estudo desenvolvido no âmbito da iniciação científica (PROBIC/UEFS), discuti acerca do uso dos materiais curriculares educativos sobre modelagem matemática nas práticas pedagógicas dos professores que visitavam esse ambiente virtual e desenvolviam a modelagem nas aulas. A fim de subsidiar a pesquisa e contribuir para a minha formação, enquanto pesquisador, passei a integrar o Núcleo de Pesquisa em Modelagem Matemática (Nupemm 7 ), no qual pude ter contato com literaturas da área de Modelagem Matemática na Educação Matemática. No ano de 2010, continuei a investigar acerca do uso dos materiais curriculares educativos sobre modelagem matemática por professores da educação básica, dessa vez, vinculado ao Programa de Pesquisa de Bolsistas de Iniciação Cientifica CNPq (PROBIC/CNPq), junto ao projeto As tensões vivenciadas pelos professores num ambiente de modelagem. Nessa pesquisa, utilizei os mesmos dados coletados no projeto anterior, visto que havia a possibilidade dessa análise dar conta de questões relacionadas às lacunas apontadas acerca do uso desses materiais. 4 Definirei materiais curriculares educativos na próxima seção. 5 Site: 6 Tarefas de modelagem as quais o professor apresenta o problema, devidamente relatado com dados quantitativos e qualitativos, cabendo aos estudantes a investigação, são nomeadas, de acordo com Barbosa (2009), como Caso 1. 7 Grupo de Pesquisa certificado pela UEFS no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) desde março de 2005, e vinculado a Área de Educação Matemática do Departamento de Ciências Exatas da UEFS e ao Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências. Site:

3 Desse modo, à medida que meus estudos eram intensificados, percebia a potencialidade dos dados da pesquisa apontarem mais insights com relação à prática pedagógica do professor em um ambiente de modelagem sob a utilização dos materiais curriculares educativos e, dessa forma, decidi continuar a pesquisa com a produção de um artigo no Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Nesse sentido, meus estudos teóricos puderam ser aprofundados, o que possibilitou uma maior sustentabilidade aos argumentos utilizados durante a pesquisa, além da possibilidade de surgirem mais resultados. As experiências vivenciadas durante essas investigações sobre a prática pedagógica do professor na utilização dos materiais curriculares educativos resultaram na produção de algumas publicações, a saber: Modelagem matemática, professores e o uso dos materiais curriculares educativos (COSTA; BARBOSA, 2009), Colaboração Online em Modelagem Matemática: a produção de materiais curriculares educativos sobre modelagem matemática (OLIVEIRA; et. al, 2010), O GCMM e a repercussão das experiências para a prática pedagógica dos professores (SILVA; et. al, 2010) e O uso dos materiais curriculares educativos sobre modelagem matemática nas práticas pedagógicas dos professores (COSTA; OLIVEIRA, 2011). Como resultados dessas pesquisas, foi evidenciado que as experiências desenvolvidas em um contexto colaborativo possibilitaram que professores refletissem sobre a prática de modelagem, bem como oportunizaram mudanças nas práticas pedagógicas (SILVA; et. al, 2010). Podemos apontar também que utilização dos materiais curriculares educativos sobre modelagem matemática decorre das finalidades estabelecidas pelos professores. Além disso, contribui para a autonomia pedagógica, ou seja, permitem dar uma noção de como conduzir atividades de modelagem, auxilia na tomada de decisões para o desenvolvimento do ambiente de modelagem, além de potencializar a prática docente (COSTA; OLIVEIRA, 2011). Assim, a minha aproximação com estudos relacionados aos materiais curriculares educativos, suscita o meu interesse por investigar questões relacionadas à prática pedagógica do professor da educação básica. Segundo Remillard (2009), no campo de pesquisa sobre o uso desses materiais por professores de matemática nota-se uma ausência de base teórica e conceitual. Nessa linha, a autora aponta a necessidade de descrever e examinar as caracteristicas chaves e as influências dos materiais no processo escolar, por meio de análises empíricas e conceituais. Além disso, temos poucos indícios de estudos relacionados aos materiais curriculares educativos, em termos de

4 mudanças nas práticas pedagógicas, após contato com esses materiais, seja durante a elaboração ou implementação do mesmo. Atualmente, o projeto intitulado Observatório da Educação Matemática na Bahia (OEM-Bahia), vinculado a Universidade Federal da Bahia (UFBA) e a Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), vem produzindo materais curriculares educativos inspirados nos materiais curriculares educativos sobre modelagem matemática do GCMM, com tarefas, planejamento da implementação das tarefas, análises dessas implementações, e por fim socilialização para outros professores. O OEM-Bahia é um projeto de pesquisa e desenvolvimento, no âmbito do Programa Observatório da Educação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), com o propósito de analisar as características de um material curricular educativo que possa potencializar a aprendizagem do professor e apoiar as práticas pedagógicas no ensino de geometria nos Anos Finais da Educação Fundamental. O título do projeto é A aprendizagem dos professores de matemática com materiais curriculares educativos (Edital nº 038/2010/CAPES/INEP) e tem duração de quatro anos ( ). A equipe do projeto é composta por estudantes da graduação e pósgraduação, pesquisadores e professores que ensinam matemática na educação básica, totalizando 29 pessoas. Para o desenvolvimento desse projeto foram organizados 6 (seis) subgrupos formados por professores da educação básica e estudantes da Licenciatura em Matemática e da Pós-Graduação da UFBA e UEFS. Esses subgrupos operacionalizam a produção dos materiais curriculares educativos. De acordo com Remillard (2005), é necessário investigar a relação do professor com o material curricular educativo. A par disto, aponto a necessidade de desenvolver uma pesquisa no âmbito do OEM-Bahia, tomando como foco a análise da produção de tarefas nos subgrupos, ou seja, durante a fase da elaboração dos materiais curriculares educativos. Desse modo, aprofundarei a análise somente nas etapas relacionadas à elaboração da tarefa, que posteriormente, após implementação em sala de aula, será a base para a construção dos materiais curriculares educativos, já que dela origina o planejamento, a tarefa comentada pelos elaboradores para o professor, a solução do professor, vídeos e registros seguidos de análises, além da narrativa. Portanto, ao investigar como professores participam em um contexto colaborativo da elaboração de parte desses materiais, a pesquisa possibilita uma ampliação e incentivo à formação

5 continuada de professores nesses contextos, além de possivelmente demonstrar as aprendizagens de professores em grupos colaborativos compostos por graduandos, pósgraduandos e pesquisadores. Revisão de Literatura Nos últimos anos, a literatura sobre formação de professores tem documento a preocupação com as práticas pedagógicas e a aprendizagem de professores de matemática em diversos espaços: trabalhos colaborativos, formação continuada em ambientes virtuais, dentre outros (BAIRRAL; et. al, 2001; FIORENTINI, 2004; BORBA; et. al, 2007; SILVA; et. al, 2010). Atualmente, uma alternativa apresentada na literatura pensando nas práticas pedagógicas e na aprendizagem de professores são os materiais curriculares educativos (SHENEIDER; KRAJCIK, 2002; DAVIS; KRAJCIK, 2005; REMILLARD, 2005; BROW, 2009), sendo crescente o interesse de pesquisadores acerca de como professores compreendem e utilizam esses materiais. De acordo com Davis e Krajcik (2005), materiais curriculares educativos são materiais que podem promover a aprendizagem tanto de professores quanto de estudantes. Nessa direção, Sheneider e Krajcik (2002) enfatizam que materiais curriculares educativos podem ser compostos por descrições de como ocorreu a implementação de determinadas tarefas em sala de aula, narrativas, soluções de estudantes, dentre outros. Dessa forma, esses elementos possibilitam que professores possam avaliar como a tarefa ocorreu em um determinado contexto, refletir como poderia acontecer na sala de aula, bem como se inspirar na elaboração de novas tarefas (STEIM; KIM, 2009). Em vista disso, materiais curriculares educativos comunicam a outros professores a prática pedagógica de seus elaboradores. Tarefas podem ser consideradas como materiais curriculares, sendo criadas por professores ou organizadas por professores e estudantes. Além disso, elas fornecem diferentes tipos de oportunidades matemáticas para a aprendizagem de estudantes (STEIN; et. al, 2000). As tarefas por si só não possibilitam a aprendizagem de professores, nesse sentido os materiais curriculares são diferentes de materiais curriculares educativos. Por sua vez, Davis e Krajcik (2005) argumentam que o termo educativo sugere a possibilidade de aprendizagem do professor sobre determinadas práticas pedagógicas.

6 Stein e Smith (1998) definem tarefas como um segmento de atividades de sala de aula dedicada ao desenvolvimento de uma ideia particular da matemática, envolvendo problemas relacionados a um trabalho prolongado ou um trabalho prolongado sobre um único problema complexo. Nessa mesma perspectiva, Ponte (2005) apresenta modos de propor e conduzir tarefas de matemática que podem ser de muitos tipos, umas mais desafiantes outras mais acessíveis, umas mais abertas outras mais fechadas, umas referentes a contextos da realidade outras formuladas em termos puramente matemáticos. A par disso, a tarefa é entendida como um material curricular dedicado ao desenvolvimento de um conteúdo matemático, sem trazer artefatos como narrativa das aulas, registros de estudantes, vídeos da implementação da tarefa, ou seja, elementos que demonstram experiências de práticas pedagógicas em sala de aula. Estudos têm focado em analisar a elaboração e re-elaboração de tarefas nas práticas pedagógicas de professores (SILVER; STEIN, 1996; STEIN; LANE, 1996). Esses estudos apontam que estudantes com melhores resultados em provas no projeto QUASAR, estavam em turmas em que as tarefas foram implementadas e frequentemente elaboradas e re-elaboradas em contextos de colaboração entre professores. A colaboração entre professores documentada na literatura em formação de professores é considerada como um meio dos professores atingirem determinados objetivos em comum (BOAVIDA; PONTE, 2002; FIORENTINI, 2004). Assim, o ato de colaborar decorre da vontade de professores se envolverem em ações mediante os seus interesses e interesses do grupo como um todo, de forma que na colaboração todos trabalham conjuntamente (co-laboram) e se apóiam mutuamente, visando atingir objetivos comuns negociados pelo coletivo do grupo. (FIORENTINI, 2004, p. 50) Experiências desenvolvidas em grupos colaborativos têm sido documentadas na literatura como promotoras da reflexão coletiva sobre a prática pedagógica, potencializadoras do desenvolvimento profissional dos professores e consideradas importantes para o enfrentamento das dificuldades e problemas vivenciados no contexto de sala de aula (SILVA; et. al, 2010; PASSOS; et. al, 2009; BOAVIDA; PONTE, 2002; SARAIVA; PONTE, 2003). Entretanto, esses estudos não sinalizam como os professores participam nesses contextos colaborativos. Assim, o objetivo deste estudo é compreender como

7 professores participam da elaboração de tarefas que constituem um material curricular educativo em um contexto colaborativo, em termos da compreensão acerca da dinâmica e das relações estabelecidas entre os membros desses subgrupos. A partir do pressuposto que os subgrupos configuram-se como um grupo colaborativo, e que a teoria da Perspectiva da Aprendizagem Situada apresentada por Lave e Wenger (1991) e Wenger (1998) possibilita uma análise sobre a participação, utilizaremos esse quadro teórico a fim de dar conta do objetivo da pesquisa. Para isto, neste estudo a termo aprendizagem será tomado, de acordo com a Perspestiva da Aprendizagem Situada, como mudanças na participação de indíviduos em atividades socialmente organizadas. (BORKO, 2004). Metodologia e Contexto Como o propósito deste estudo é analisar como professores em um contexto colaborativo participam da elaboração de tarefas, por meio da identificação e análise dessa participação, esta pesquisa se insere numa abordagem qualitativa. Além disso, essa abordagem possibilitará compreender as ações de um professor, partindo do pressuposto de que as pessoas agem em função de suas crenças, percepções, sentimentos e valores e que seu comportamento tem sempre um sentido, um significado que não se dá a conhecer de modo imediato (ALVES-MAZZOTTI, 2002, p. 131). Nesse sentido, focaremos nossas análises nas relações existentes na prática colaborativa durante a elaboração de tarefas que constituem os materiais curriculares educativos. Assim, analisaremos as experiências de indivíduos ou grupos em uma prática profissional, caracterizado assim como método qualitativo (FLICK, 2009). Desse modo, serão realizadas observações do tipo não estruturada das reuniões de 6 (seis) subgrupos do OEM, formados por professores e estudantes da Licenciatura em Matemática e Pós-Graduação da UEFS e da UFBA. Contudo, o foco da pesquisa refere-se ao professor responsável pela implementação da tarefa, neste caso, serão analisados 6 (seis) professores em seus subgrupos, a fim de obter dados acerca da sua participação durante a fase da elaboração das tarefas. Segundo Alves-Mazzotti (2002), a observação não estruturada permite identificar comportamentos não intencionais ou inconscientes e registrar comportamentos em seu contexto, no momento em que ocorrem. Como registro, filmarei as reuniões, uma vez que a filmagem possibilita rever várias vezes as imagens gravadas, direcionando a atenção às particularidades acerca das

8 formas de participação nas práticas colaborativas e dos relatos dos professores ao participarem da elaboração de tarefas que compõe os materiais curriculares educativos. Ao final da filmagem das reuniões, seguirei com a transcrição dos dados a fim de trazer compreensões teóricas com base no objetivo da pesquisa. Para analisar os dados, serão realizadas leituras linha por linha das transcrições da observação inspirado nos guias analíticos da Grounded Theory (CHARMAZ, 2009), seguido das categorias específicas relacionadas à compreensão acerca da participação de professores durante a elaboração de tarefas de um material curricular educativo em um espaço colaborativo. Próximos Encaminhamentos da Pesquisa Em relação aos próximos passos da pesquisa, a coleta de dados está prevista para ocorrer no segundo semestre de 2013, no período referente a elaboração das tarefas pelos subgrupos do OEM. Além disso, darei início aos estudos teóricos acerca da Perspectiva Situada em termo das formas de participação (LAVE; WENGER, 1991; WENGER, 1998). Após a coleta de dados, farei as transcrições deles e, posteriormente, iniciarei a análise dos dados empíricos estabelecendo um diálogo com a teoria utilizada no estudo. Referências ALVES-MAZZOTTI, A. J.; O método nas ciências sociais. In: ALVES-MAZZOTTI, A. J.; GEWAMDSZNADJDER, F. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira, p , BAIRRAL, M.A.; GIMÉNEZ, J. e TOGASHI, E. Desenvolvimento profissional docente baseado na WEB: perspectivas para a Educação Geométrica. Rio de Janeiro, Boletim GEPEM n. 39, p , set., BARBOSA, J. C.. A prática dos alunos no ambiente de modelagem matemática: o esboço de um framework. In: J. C. Barbosa, A. D. Caldeira, J. de L. Araújo (Org.). Modelagem matemática na Educação Matemática Brasileira: pesquisas e práticas educacionais. Recife: SBEM, p , BARBOSA, J. C. Integrando Modelagem Matemática nas práticas pedagógicas. Educação Matemática em Revista, Brasília, n. 26, p , BOAVIDA, A. M; PONTE, J. P. Investigação colaborativa: Potencialidades e problemas. In: GTI (Org.). Reflectir e investigar sobre a prática profissional. Lisboa: APM, p , 2002.

9 BORBA, M. C.; MALHEIROS, A. P. S.; ZULATTO, R. B. A. Educação a Distância on-line. Belo Horizonte: Autêntica, BORKO, H. Professional Development and teacher learning: mapping the terrain. Educational Researcher, Vol. 33, No 8, p. 3-15, BROW, Matthew. The theacher-tool Relationship: Theorizing the Design and Use of Curriculum Materials. In: REMILLARD, J., HERBEL-EISENMANN, B., LLOYD, G., (Eds.), Mathematics Teachers at Work: Connecting curriculum materials and classroom instruction. Series Editor: Alan Schoenfeld. Routledge, p , CHARMAZ, K. A construção da teoria fundamentada: guia prático para análise qualitativa. Tradução Joice Elias Costa. Porto Alegre: Artmed, COSTA, W. O. ; BARBOSA, J. C.. Modelagem matemática, professores e o uso dos materiais curriculares educativos. In: XIII Seminário de Iniciação Científica, 2009, Feira de Santana. Ciência na UEFS. Feira de Santana, COSTA, W. O. ; OLIVEIRA, A. M. P.. O uso dos materiais curriculares educativos sobre modelagem matemática nas práticas pedagógicas dos professores. In: VII Conferência Nacional sobre Modelagem Matemática na Educação Matemática, 2011, Belém. Práticas e ações em ambientes de formação e de investigação, DAVIS, E. A.; KRAJCIK, J. S. Designing Educative Curriculum Materials to PromoteTeacher Learning. Educational Researcher, v. 34, n. 3, p.3-14, FIORENTINI, D. Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: BORBA, M. C.; ARAUJO, J. L. Pesquisa qualitativa em educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, cap. 2, p , FLICK, U. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, LAVE, J.; WENGER, E. Situated learning: legitimate peripheral participation. Cambridge: Cambridge University Press, OLIVEIRA, A. M. P; et al. Colaboração Online em Modelagem Matemática: a produção de materiais curriculares educativos sobre modelagem matemática. In: X Encontro Nacional de Educação Matemática, 2010, Salvador. Educação Matemática, cultura e diversidade. Ilhéus : Via Litterarum, 2010.

10 PASSOS, C. L. B.; OLIVEIRA, R. M. M. A.; GAMA, R. P. Práticas potencializadoras do desenvolvimento profissional docente: Atividade de ensino, pesquisa e extensão. In: FIORENTINI D.; GRANDO, R. C.; MISKULIN, R. G. S. (Org.). Práticas de Formação e de Pesquisa de Professores que Ensinam Matemática. 1.ed. Mercado de Letras, p , PONTE, J. P. Gestão curricular em Matemática. In GTI (Ed.), O professor e o desenvolvimento curricular. Lisboa: APM, p , REMILLARD, J. T. Examining key concepts in research on teachers use of mathematics curricula. Review of Educational Research, v. 75, n. 2, p , REMILLARD, J.T. Considering What We know About the Relationship Between Teachers and Curriculum Materials. In: REMILLARD, J.T.; HERBEL-EISENMANN, B.A.; LLOYD, G.M. Mathematics Teachers at Work: Connecting Curriculum Materials and Classroom Instruction. 1. ed. New York: Routledge, p , SARAIVA, M.; PONTE, J. P. O trabalho colaborativo e o desenvolvimento profissional do professor de Matemática. Quadrante, v. 12, n. 2, p , SILVA, L. A.; PRADO, A. S. ; COSTA, W. O.; BARBOSA, J. C. O GCMM e a repercussão das experiências para a prática pedagógica dos professores. In: X Encontro Nacional de Educação Matemática, 2010, Salvador. Educação Matemática, cultura e diversidade. Ilhéus : Via Litterarum, STEIN, M.K., SMITH, M.S., HENNINGSEN, M., SILVER, E. A. Implementing standards-based mathematics instruction: A casebook for professional development. Nova York: Teachers College Press, SILVER, E. A., STEIN, M. K. The QUASAR project: The revolution of the possible in mathematics instructional reform in urban middle schools. Urban Education, 30, , STEIN, M. K.; KIM, G. The role of mathematics curriculum materials in large-scale urban reform: An analysis of demands and opportunities for teacher learning. In: REMILLARD, J., HERBEL-EISENMANN, B., LLOYD, G., (Eds.), Mathematics teachers at work: Connecting curriculum materials and classroom instruction (pp ). Nova York: Routledge, STEIN, M. K., SMITH, M. S. Mathematical tasks as a framework for reflection: From research to practice. Mathematics Teaching in the Middle School, p , 1998.

11 STEIN, M. K., LANE, S.. Instructional tasks and the development of student capacity to think and reason: An analysis of the relationship between teaching and learning in a reform mathematics project. Educational Research and Evaluation, 2, 50 80, TARR, J., REYS, R., REYS, B., CHAVEZ, O., SHIH, J., OSTERLIND, S. The impact of middle grades mathematics curricula on student achievement and the classroom learning environment. Journal for Research in Mathematics Education, WENGER, E. Comunities of Pratices Learning, Meaning, and Indentity. Cambridge: Cambridge University Press, WILSON, M., LLOYD, G. The challenge to share mathematical authority with students: High school teachers experiences reforming classroom roles and activities through curriculum implementation. Journal of Curriculum and Supervision, p , WILSON, S. M. A conflict of interests: The case of Mark Black. Educational Evaluation and Policy Analysis, p , 1990.

O Uso de Materiais Curriculares Educativos sobre Modelagem Matemática por Professores Iniciantes

O Uso de Materiais Curriculares Educativos sobre Modelagem Matemática por Professores Iniciantes O Uso de Materiais Curriculares Educativos sobre Modelagem Matemática por Professores Iniciantes Maiana Santana da Silva 1 Orientador: Jonei Cerqueira Barbosa 2 Co-orientadora: Andreia Maria Pereira de

Leia mais

A identidade da comunidade Observatório da Educação Matemática OEM-Bahia

A identidade da comunidade Observatório da Educação Matemática OEM-Bahia A identidade da comunidade Observatório da Educação Matemática OEM-Bahia Lilian Aragão da Silva 1 GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática Resumo: A presente pesquisa tem como objetivo analisar

Leia mais

EXPLORAR TAREFAS MATEMÁTICAS

EXPLORAR TAREFAS MATEMÁTICAS EXPLORAR TAREFAS MATEMÁTICAS Ana Paula Canavarro Universidade de Évora e Unidade de Investigação do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa apc@uevora.pt Leonor Santos Instituto de Educação e UIDEF

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E ANÁLISE DE MATERIAIS CURRICULARES ELABORADOS EM UM TRABALHO COLABORATIVO

A PARTICIPAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E ANÁLISE DE MATERIAIS CURRICULARES ELABORADOS EM UM TRABALHO COLABORATIVO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO WEDESON OLIVEIRA COSTA A PARTICIPAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E ANÁLISE DE MATERIAIS CURRICULARES ELABORADOS EM UM TRABALHO

Leia mais

Designação da Disciplina: Tendências de pesquisas e de práticas em Educação Matemática

Designação da Disciplina: Tendências de pesquisas e de práticas em Educação Matemática Designação da Disciplina: Tendências de pesquisas e de práticas em Educação Matemática Domínio Específico (X) Domínio Conexo ( ) Natureza: Específica da Área de Concentração do Curso (Ensino de Ciências)

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM COMUNIDADES DE PRÁTICA: ASPECTOS TEÓRICOS E

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM COMUNIDADES DE PRÁTICA: ASPECTOS TEÓRICOS E 03 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM COMUNIDADES DE PRÁTICA: ASPECTOS TEÓRICOS E ESTUDOS RECENTES ARTIGOS DE PESQUISA TEACHERS' TRAINING IN COMMUNITIES OF PRACTICE: THEORETICAL ASPECTS AND RECENT RESEARCHES

Leia mais

Observatório da Educação PUC/SP: Um olhar sobre o desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática

Observatório da Educação PUC/SP: Um olhar sobre o desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática Observatório da Educação PUC/SP: Um olhar sobre o desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática Wanusa Rodrigues Ramos 1 GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática Tendo em

Leia mais

Palavras-chave: Ensino de geometria. Tarefas. Triângulos.

Palavras-chave: Ensino de geometria. Tarefas. Triângulos. O ENSINO DE TRIÂNGULOS: A PRODUÇÃO DE TAREFAS NO OEM-BAHIA 1 Giovanna Mascarenhas Carneiro 2 Colégio Estadual General Osório giovanna_carneiro@hotmail.com Mércia Cleide Barbosa Mota 3 Colégio Estadual

Leia mais

Tensões nos discursos de professores e as ações da prática pedagógica em modelagem matemática

Tensões nos discursos de professores e as ações da prática pedagógica em modelagem matemática 21 Tensões nos discursos de professores e as ações da prática pedagógica em modelagem matemática Andreia Maria Pereira de Oliveira* Jonei Cerqueira Barbosa** Resumo Neste artigo, apresentamos um estudo

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO INICIAL: UM ESTUDO SOBRE A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO INICIAL: UM ESTUDO SOBRE A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA A MODELAGEM MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO INICIAL: UM ESTUDO SOBRE A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Ramon Almeida dos Santos 1 Universidade Estadual de Feira de Santana rramondosantos@hotmail.com

Leia mais

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO CONFLITOS CONCEITUAIS COM IMAGENS RELATIVAS A CONCEITOS COMUNS ENTRE A MATEMÁTICA ELEMENTAR E A AVANÇADA 1 VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br

Leia mais

Impactos de materiais curriculares na prática do professor que ensina Matemática nos anos iniciais

Impactos de materiais curriculares na prática do professor que ensina Matemática nos anos iniciais http://dx.doi.org/10.5007/1981-1322.2015v10n2p227 Impactos de materiais curriculares na prática do professor que ensina Matemática nos anos iniciais Impacts of curriculum materials in the practice of teacher

Leia mais

CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS

CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS Nilton Silveira Domingues Universidade Estadual Paulista (UNESP - Campus de Rio Claro) Instituto de Geociências e Ciências

Leia mais

O IMPACTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA: PROGRAMA NOVOS TALENTOS

O IMPACTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA: PROGRAMA NOVOS TALENTOS O IMPACTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA: PROGRAMA NOVOS TALENTOS Flávia Cristina de Macêdo Santana 1 Jaqueline de Souza Pereira Grilo 2 Maria de Lourdes Haywanon Santos Araújo 3 Eixo Temático:

Leia mais

Modelagem Matemática: a divisão de tarefas entre os alunos

Modelagem Matemática: a divisão de tarefas entre os alunos Modelagem Matemática: a divisão de tarefas entre os alunos Ilaine da Silva Campos 1 GDn 10 Modelagem Matemática Neste artigo, colocamos em debate o objeto da pesquisa que estamos desenvolvendo em nível

Leia mais

Andriceli Richit Unesp /Rio Claro: andricelirichit@gmail.com Rosana G. S. Miskulin Unesp/Rio Claro: misk@rc.unesp.br

Andriceli Richit Unesp /Rio Claro: andricelirichit@gmail.com Rosana G. S. Miskulin Unesp/Rio Claro: misk@rc.unesp.br Possibilidades didático-pedagógicas do Software GeoGebra no estudo de conceitos de Cálculo Diferencial e Integral: Perspectivas na Formação Continuada de Professores de Matemática Andriceli Richit Unesp

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL PARA A GEOMETRIA NA GRADUAÇÃO DA UFRRJ. Marcelo Almeida Bairral 1, Leonardo Rosa Zanette 1

AMBIENTE VIRTUAL PARA A GEOMETRIA NA GRADUAÇÃO DA UFRRJ. Marcelo Almeida Bairral 1, Leonardo Rosa Zanette 1 AMBIENTE VIRTUAL PARA A GEOMETRIA NA GRADUAÇÃO DA UFRRJ Marcelo Almeida Bairral 1, Leonardo Rosa Zanette 1 1 Instituto de Educação da UFRuralRJ mbairral@ufrrj.br, leonardo@minitotal.com 1. Introdução Com

Leia mais

Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia.

Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia. Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia. Autor 1 * Autor 2 ** Resumo: Neste artigo vamos apresentar o relato de uma proposta de trabalho desenvolvida na escola básica

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA E O DESENVOLVIMENTO DE UM ESTUDO SOBRE OS EFEITOS DA CIRURGIA BARIÁTRICA

MODELAGEM MATEMÁTICA E O DESENVOLVIMENTO DE UM ESTUDO SOBRE OS EFEITOS DA CIRURGIA BARIÁTRICA MODELAGEM MATEMÁTICA E O DESENVOLVIMENTO DE UM ESTUDO SOBRE OS EFEITOS DA CIRURGIA BARIÁTRICA Lilian Aragão da Silva Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS liuzinhaaragao@yahoo.com.br Ana Virginia

Leia mais

O Que Pensam Alunos E Professores De Um Curso De Licenciatura Sobre A Importância Do Trabalho Com As Tendências Em Educação Matemática

O Que Pensam Alunos E Professores De Um Curso De Licenciatura Sobre A Importância Do Trabalho Com As Tendências Em Educação Matemática O Que Pensam Alunos E Professores De Um Curso De Licenciatura Sobre A Importância Do Trabalho Com As Tendências Em Educação Matemática (WHAT DO YOU THINK STUDENTS AND PROFESSORS ABOUT A COURSE OF TO LICENSE

Leia mais

Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais

Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais O objectivo deste artigo é disponibilizar uma síntese das questões-chave que

Leia mais

A INFORMÁTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA: ALGUNS ESTUDOS RECENTES

A INFORMÁTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA: ALGUNS ESTUDOS RECENTES A INFORMÁTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA: ALGUNS ESTUDOS RECENTES Silvia Regina Viel Rodrigues - Uni-FACEF Introdução Localizado no Departamento de Matemática, Unesp, Rio Claro, sob a coordenação do professor

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS. Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade. Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova

CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS. Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade. Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova 1 Uma introdução Doug LEMOV (2011) estudou o comportamento

Leia mais

Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação

Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação Valdir Amâncio da Silva 1 Angélica da Fontoura Garcia

Leia mais

III SEMINARIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA. Modelagem Matemática na sala de aula: diálogos com a Educação Matemática Crítica

III SEMINARIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA. Modelagem Matemática na sala de aula: diálogos com a Educação Matemática Crítica AUTOR DO TEXTO: Thaine Souza Santana III SEMINARIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA Modelagem Matemática na sala de aula: diálogos com a Educação Matemática Crítica RESUMO: Este artigo visa promover uma discussão

Leia mais

PROPOSTAS DE FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURRÍCULOS PRESCRITOS DE CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

PROPOSTAS DE FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURRÍCULOS PRESCRITOS DE CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA PROPOSTAS DE FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURRÍCULOS PRESCRITOS DE CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA Larissa Bonfim de Ávila Acadêmica de Matemática da Universidade Federal de Mato

Leia mais

A utilização do LMS Chamilo na disciplina Laboratório de Ensino de Matemática: a experiência de professores em formação inicial

A utilização do LMS Chamilo na disciplina Laboratório de Ensino de Matemática: a experiência de professores em formação inicial A utilização do LMS Chamilo na disciplina Laboratório de Ensino de Matemática: a experiência de professores em formação inicial Luciane Mulazani dos Santos, UDESC, luciane.mulazani@udesc.br Ivanete Zuchi

Leia mais

DECIFRANDO PLANILHAS DE AMORTIZAÇÃO DE BANCOS

DECIFRANDO PLANILHAS DE AMORTIZAÇÃO DE BANCOS DECIFRANDO PLANILHAS DE AMORTIZAÇÃO DE BANCOS Maria Rachel Pinheiro Pessoa Pinto de Queiroz Universidade do Estado da Bahia / Universidade Federal da Bahia mrpqueiroz@gmail.com Thaine Souza Santana Universidade

Leia mais

INVESTIGANDO A LOUSA DIGITAL NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática GT 06 RESUMO

INVESTIGANDO A LOUSA DIGITAL NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática GT 06 RESUMO INVESTIGANDO A LOUSA DIGITAL NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática GT 06 Lucas Carato MAZZI 1 Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

Relatos do processo de elaboração de um componente online de inglês: desafios e reflexões

Relatos do processo de elaboração de um componente online de inglês: desafios e reflexões Relatos do processo de elaboração de um componente online de inglês: desafios e reflexões Reports on the developmental process of an English online component: challenges and reflections Bruna Lopes Scheiner

Leia mais

A ESCRITA MATEMÁTICA EM UMA TURMA DE 6ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL

A ESCRITA MATEMÁTICA EM UMA TURMA DE 6ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL A ESCRITA MATEMÁTICA EM UMA TURMA DE 6ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL FLÁVIA CRISTINA FIGUEIREDO COURA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI). Resumo A presente comunicação busca apresentar os resultados

Leia mais

POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR E QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO

POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR E QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR E QUALIDADE DA Resumo EDUCAÇÃO BÁSICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROJETO PEDAGÓGICO LIMA, Michelle Fernandes UFPR 1 mfernandeslima@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas,

Leia mais

MATEMÁTICA E ENEM. Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com. Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail.

MATEMÁTICA E ENEM. Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com. Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail. MATEMÁTICA E ENEM Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail.com Luzia Aparecida de Souza UFMS luzia.souza@ufms.br Resumo Este

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

As discussões entre formador e professores no planejamento do ambiente de modelagem matemática

As discussões entre formador e professores no planejamento do ambiente de modelagem matemática ISSN 0103-636X 1071 As discussões entre formador e professores no planejamento do ambiente de modelagem matemática The discussions between teacher educator and teachers in planning a mathematical modelling

Leia mais

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS Carlos Eduardo Rocha dos Santos, UNIBAN, carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

PARA UMA EDUCAÇÃO EMOCIONAL EM MATEMÁTICA

PARA UMA EDUCAÇÃO EMOCIONAL EM MATEMÁTICA PARA UMA EDUCAÇÃO EMOCIONAL EM MATEMÁTICA Kaline de Brito Viana 1 Tânia Gusmão 2 Magna Mendes Nunes 3 Resumo: Na tentativa de contribuir para ampliar o leque de discussões sobre a influência das emoções

Leia mais

Dialogicidade na Formação Online de Professores de Matemática

Dialogicidade na Formação Online de Professores de Matemática Dialogicidade na Formação Online de Professores de Matemática Raquel Santiago Freire 1, Priscila Barros David 1, Francisco Kelsen de Oliveira 2 1 Universidade Federal do Ceará UFC, Instituto UFC Virtual

Leia mais

AVALIAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS

AVALIAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS AVALIAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS Letícia Palhares Ferreira 1 Grupo 2.4. Docência na educação a distância: Planejamento, avaliação e acompanhamento RESUMO: A presente reflexão

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

TECNOLOGIA EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

TECNOLOGIA EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS TECNOLOGIA EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS Alessandra R. Arantes, Carolina R. Souza, Savana Diegues, Nelson Studart Universidade Federal de São Carlos, MZO Interativa ale.riposati@gmail.com; rs.carol.souza@gmail.com;

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA UM ESTUDO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Flávia Sueli Fabiani Marcatto Universidade Estadual Paulista - Unesp - Rio Claro

Leia mais

APRENDER A SER TREINADOR NO CONTEXTO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA

APRENDER A SER TREINADOR NO CONTEXTO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA APRENDER A SER TREINADOR NO CONTEXTO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA Luciana De Mar,n Silva Cardiff Metropolitan University, Cardiff, UK; UWE Hartpury, Gloucester, UK CONTEÚDO o Introdução o Objetivo do estudo o

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DE ATIVIDADES DE MODELAGEM MATEMÁTICA DURANTE O ESTÁGIO RESUMO

REFLEXÕES SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DE ATIVIDADES DE MODELAGEM MATEMÁTICA DURANTE O ESTÁGIO RESUMO REFLEXÕES SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DE ATIVIDADES DE MODELAGEM MATEMÁTICA DURANTE O ESTÁGIO Flávia Cristina de Macêdo Santana 1 Universidade Estadual de Feira de Santana flaviacris.uefs@gmail.com RESUMO O

Leia mais

Palavras chave: formação do professor; práticas pedagógicas; Matemática.

Palavras chave: formação do professor; práticas pedagógicas; Matemática. AS CONCEPÇÕES E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA MARQUES, Maria Christina Bittencourt de - CUML UTSUMI, Miriam Cardoso CUML GT: Educação Matemática / n.19 Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES Ulisses Dias ulissesdias@limc.ufrj.br Rodrigo de Alencar Hausen hausen@limc.ufrj.br Rodrigo G. Devolder rodrigodevolder@limc.ufrj.br Luiz Carlos

Leia mais

UAb Session on Institutional Change Students and Teachers. Lina Morgado

UAb Session on Institutional Change Students and Teachers. Lina Morgado UAb Session on Institutional Change Students and Teachers Lina Morgado Lina Morgado l SUMMARY 1 1. Pedagogical Model : Innovation Change 2. The context of teachers training program at UAb.pt 3. The teachers

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E IDENTIDADE PROFISSIONAL

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E IDENTIDADE PROFISSIONAL FORMAÇÃO DE PROFESSORES E IDENTIDADE PROFISSIONAL Profª Ms. Vanderlice dos Santos Andrade Sól 1. INTRODUÇÃO A construção da identidade profissional possui relações estreitas com o ambiente de formação

Leia mais

O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento

O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento O processo de formação de professores para o uso dos tablets na sala de aula: da alfabetização digital a criação de conhecimento Patrícia B. Scherer Bassani 1 (FEEVALE) Elias Wallauer 2 (FEEVALE) Lovani

Leia mais

A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR COMO ATIVIDADE INTEGRADORA ENTRE O CAMPO DA FORMAÇÃO E O CAMPO PROFISSIONAL: desafios e possibilidades Lucio

A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR COMO ATIVIDADE INTEGRADORA ENTRE O CAMPO DA FORMAÇÃO E O CAMPO PROFISSIONAL: desafios e possibilidades Lucio A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR COMO ATIVIDADE INTEGRADORA ENTRE O CAMPO DA FORMAÇÃO E O CAMPO PROFISSIONAL: desafios e possibilidades Lucio Silvério CA/UFSC l.silverio@ufsc.br Questão central É possível

Leia mais

POTENCIALIDADES DO ESPAÇO FORMATIVO DO PIBID/MATEMÁTICA COM AS COMUNIDADES DE PRÁTICA

POTENCIALIDADES DO ESPAÇO FORMATIVO DO PIBID/MATEMÁTICA COM AS COMUNIDADES DE PRÁTICA POTENCIALIDADES DO ESPAÇO FORMATIVO DO PIBID/MATEMÁTICA COM AS COMUNIDADES DE PRÁTICA Márcio Urel Rodrigues 1 GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática Resumo Este projeto de tese está focado

Leia mais

GRADUANDOS EM MATEMÁTICA INTERAGINDO E GEOMETRIZANDO NA INTERNET

GRADUANDOS EM MATEMÁTICA INTERAGINDO E GEOMETRIZANDO NA INTERNET GRADUANDOS EM MATEMÁTICA INTERAGINDO E GEOMETRIZANDO NA INTERNET BAIRRAL, Marcelo Almeida UFRRJ ZANETTE, Leonardo Rosa - UFRRJ GT: Educação Matemática / n. 19 Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC)

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Rosana Rodrigues da Silva 1 GD5 História da Matemática e Cultura

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO

UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO BRASIL & BAHIA (2013) UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO D.T. RODRIGUES 1, M. ROCHA 1, D.M. BRITO 1 e G.P. PINTO 1,2. 1

Leia mais

O USO DOS RECURSOS VISUAIS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA: PRESSUPOSTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA AUTONOMIA DO PROFESSOR

O USO DOS RECURSOS VISUAIS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA: PRESSUPOSTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA AUTONOMIA DO PROFESSOR 10 O USO DOS RECURSOS VISUAIS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA: PRESSUPOSTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA RESUMO DE DISSERTAÇAO E TESE Flávia Cristina Gomes Catunda de Vasconcelos¹ (flaviacrisgomes@hotmail.com)

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Dos objetos de aprendizagem às atividades de aprendizagem: um novo olhar sobre o desenvolvimento de recursos educacionais para a educação online

Dos objetos de aprendizagem às atividades de aprendizagem: um novo olhar sobre o desenvolvimento de recursos educacionais para a educação online Dos objetos de aprendizagem às atividades de aprendizagem: um novo olhar sobre o desenvolvimento de recursos educacionais para a educação online Novo Hamburgo RS maio 2012 Patrícia B. Scherer Bassani Feevale

Leia mais

O conteúdo matemático e seu ensino em um curso de Pedagogia a distância: o tutor virtual como formador

O conteúdo matemático e seu ensino em um curso de Pedagogia a distância: o tutor virtual como formador O conteúdo matemático e seu ensino em um curso de Pedagogia a distância: o tutor virtual como formador Luciane de Fatima Bertini Cármen Lúcia Brancaglion Passos Introdução A formação dos professores para

Leia mais

E depois da Elaboração de um Produto Educacional?

E depois da Elaboração de um Produto Educacional? E depois da Elaboração de um Produto Educacional? Antônio do Nascimento Gomes 1 José Antonio Salvador 2 Resumo O trabalho de Mestrado Profissional que gerou este texto tinha como objetivo principal o desenvolvimento

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2011/2012. Designação Didática da Informática IV

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2011/2012. Designação Didática da Informática IV FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2011/2012 Designação Didática da Informática IV Docente(s) (Indicar também qual o docente responsável pela U.C.) João Filipe Matos João Manuel Piedade Descrição geral (Horas

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí RESOLUÇÃO Nº 05 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2012 Aprova alteração da matriz curricular do curso de Pedagogia.. A PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DAS FACULDADES INTEGRADAS DO VALE DO IVAÍ, no uso da delegação

Leia mais

RBEP ESTUDOS. Reflexões a respeito do uso da modelagem matemática em aulas nos anos iniciais do ensino fundamental. Resumo

RBEP ESTUDOS. Reflexões a respeito do uso da modelagem matemática em aulas nos anos iniciais do ensino fundamental. Resumo ESTUDOS RBEP Reflexões a respeito do uso da modelagem matemática em aulas nos anos iniciais do ensino fundamental Emerson Tortola Resumo As discussões sobre o uso da modelagem matemática têm revelado que

Leia mais

PIBID: ALUNOS MONITORES COMO ORIENTADORES DA METODOLOGIA CIENTÍFICA PARA FEIRA DE CIÊNCIAS DA ESCOLA ESTADUAL MOREIRA DIAS

PIBID: ALUNOS MONITORES COMO ORIENTADORES DA METODOLOGIA CIENTÍFICA PARA FEIRA DE CIÊNCIAS DA ESCOLA ESTADUAL MOREIRA DIAS PIBID: ALUNOS MONITORES COMO ORIENTADORES DA METODOLOGIA CIENTÍFICA PARA FEIRA DE CIÊNCIAS DA ESCOLA ESTADUAL MOREIRA DIAS Ewelanny Louyde Ferreira de Lima¹; Daiane Rodrigues Soares². Alunas de graduação

Leia mais

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional José Duarte jose.duarte@ese.ips.pt Escola Superior de Educação de Setúbal José Duarte iniciou a sua carreira como professor de Matemática do Ensino

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORAS DE INGLÊS: AS MANHÃS DE SÁBADO DE UM GRUPO DE ESTUDOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORAS DE INGLÊS: AS MANHÃS DE SÁBADO DE UM GRUPO DE ESTUDOS 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

travessias número 02 revistatravessias@gmail.com ISSN 1982-5935

travessias número 02 revistatravessias@gmail.com ISSN 1982-5935 1 CRENÇAS DE DUAS ALUNAS-PROFESORAS SOBRE O ENSINO DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA EM ESCOLA PÚBLICA TWO STUDENT-TEACHERS BELIEFS ABOUT TEACHING ENGLISH AS A FOREING LANGUAGE IN PUBLIC SCHOOLS Josiane

Leia mais

A INSERÇÃO DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA NA PRÁXIS PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A INSERÇÃO DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA NA PRÁXIS PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A INSERÇÃO DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA NA PRÁXIS PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Faculdade de Tecnologias

Leia mais

GEOMETRIA ANALÍTICA COM USO DO SOFTWARE GEOGEBRA: EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS NO CONTEXTO ESCOLAR*

GEOMETRIA ANALÍTICA COM USO DO SOFTWARE GEOGEBRA: EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS NO CONTEXTO ESCOLAR* GEOMETRIA ANALÍTICA COM USO DO SOFTWARE GEOGEBRA: EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS NO CONTEXTO ESCOLAR* Francisco Jeovane do Nascimento Universidade Estadual do Ceará - UECE jeonasc@hotmail.com Neiva Daiane Cordeiro

Leia mais

GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática

GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática Análise dos Conceitos Mobilizados pelos Professores de Matemática da Educação Básica no Ensino de Simetria: um estudo baseado na análise dos resultados das provas Brasil/SAEB Bárbara Passadore GD7 Formação

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA NUM CURSO DE LICENCIATURA: DISCUTINDO DIFERENTES SIGNIFICADOS DE EQUAÇÃO

MODELAGEM MATEMÁTICA NUM CURSO DE LICENCIATURA: DISCUTINDO DIFERENTES SIGNIFICADOS DE EQUAÇÃO MODELAGEM MATEMÁTICA NUM CURSO DE LICENCIATURA: DISCUTINDO DIFERENTES SIGNIFICADOS DE EQUAÇÃO Isabela Galvão Barbosa Stempniak Universidade Bandeirante - UNIBAN isabelagalvao@gmail.com Alessandro Jacques

Leia mais

Os Usos da Literacia Estatística

Os Usos da Literacia Estatística Os Usos da Literacia Estatística Professora Janet Ainley School of Education University of Leicester Turning Data into Knowledge, June 2015 Os banhistas nesta área correm um risco de ataque de tubarão

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO COM INTERMEDIAÇÃO TECNOLÓGICA (EMITEC): POSSIBILIDADES EFETIVAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO COM INTERMEDIAÇÃO TECNOLÓGICA (EMITEC): POSSIBILIDADES EFETIVAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO 1 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO COM INTERMEDIAÇÃO TECNOLÓGICA (EMITEC): POSSIBILIDADES EFETIVAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Salvador BA Maio de 2012 Letícia Machado dos Santos Secretaria

Leia mais

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP Resumo O propósito deste trabalho é apresentar o processo de constituição

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

O EDUCADOR EM MUSEU. PALAVRAS-CHAVE: Arte - Museu - Monitoria ABSTRACT

O EDUCADOR EM MUSEU. PALAVRAS-CHAVE: Arte - Museu - Monitoria ABSTRACT 1 O EDUCADOR EM MUSEU COORDENADOR Paulo Roberto de Oliveira Reis - DEPARTAMENTO DE ARTES - UFPR - Professor do Curso de Educação Artística/UFPR - paulo_reis@uol.com.br EQUIPE EXECUTORA ALUNOS BOLSA-EXTENSÃO:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARES EDUCACIONAIS DE BIOLOGIA. Eixo Temático 2- Pesquisa e Práticas Educacionais Comunicação

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARES EDUCACIONAIS DE BIOLOGIA. Eixo Temático 2- Pesquisa e Práticas Educacionais Comunicação AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARES EDUCACIONAIS DE BIOLOGIA Eixo Temático 2- Pesquisa e Práticas Educacionais Comunicação Mariangela Norkus - PROGEPE/UNINOVE Amélia Silveira - PROGEPE/UNINOVE Cláudia

Leia mais

A contextualização e a Modelagem na educação matemática do ensino médio

A contextualização e a Modelagem na educação matemática do ensino médio A contextualização e a Modelagem na educação matemática do ensino médio Jonei Cerqueira Barbosa http://sites.uol.com.br/joneicb Resumo: No presente texto, tomo a noção de contextualização apresentada nos

Leia mais

Engenharia de Software no Curso de Ciência da Computação

Engenharia de Software no Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software no Curso de Ciência da Vera Maria B. Werneck; Rosa Maria E. M. da Costa; Maria Clicia Stelling de Castro; Alexandre Sztajnberg; Paulo Eustáquio D. Pinto; Roseli S.Wedemann Departamento

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA EM QUESTÕES AMBIENTAIS

A MODELAGEM MATEMÁTICA EM QUESTÕES AMBIENTAIS A MODELAGEM MATEMÁTICA EM QUESTÕES AMBIENTAIS CEOLIM, Amauri Jersi. TIDE/Fecilcam, ajceolim@gmail.com BRAZ, Bárbara Cândido. USF/Matemática, Fecilcam, babicbraz@hotmail.com ROEDER, Simone. USF/ Matemática,

Leia mais

Conhecendo o Prêmio David A. Wilson Parte 1. 2015 Laureate International Universities Confidencial e Proprietário

Conhecendo o Prêmio David A. Wilson Parte 1. 2015 Laureate International Universities Confidencial e Proprietário Conhecendo o Prêmio David A. Wilson Parte 1 Apresentadoras Thalia N. Nazario, JD Diretora de Pesquisas e Responsabilidade Acadêmica Quality Assurance and Accreditation Carolina Zuppardo, MA Especialista

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS: ANÁLISE DE UMA EXPERIÊNCIA DISCIPLINAR COLABORATIVA

CONTRIBUIÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS: ANÁLISE DE UMA EXPERIÊNCIA DISCIPLINAR COLABORATIVA CONTRIBUIÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS: ANÁLISE DE UMA EXPERIÊNCIA DISCIPLINAR COLABORATIVA Marli de Carvalho Graupner 1 Eixo: Pesquisa, Formação de Professores

Leia mais

Enunciados do Professor e Alunos Estudando Geometria

Enunciados do Professor e Alunos Estudando Geometria Enunciados do Professor e Alunos Estudando Geometria Pedro Lucio Barboza 1 Rômulo Marinho do Rego 2 Jonei Cerqueira Barbosa 3 Resumo Este estudo em uma abordagem qualitativa tem como objetivo identificar

Leia mais

KEY WORDS: teaching; pedagogical project, reading, writing, teacher s training.

KEY WORDS: teaching; pedagogical project, reading, writing, teacher s training. As disciplinas voltadas à metodologia do ensino de língua portuguesa na formação docente em Pedagogia e Letras no Oeste do Paraná Profª Drª Rita Maria Decarli Bottega Unioeste Daiane Pagnocelli Guarda

Leia mais

ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA

ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA Kelly Christinne Maia de Paula* Márcia Regina Ferreira de Brito** RESUMO O desenvolvimento das habilidades matemáticas das crianças é interesse de professores

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

AS EXPERIÊNCIAS DOS FUTUROS PROFESSORES COM MODELAGEM MATEMÁTICA

AS EXPERIÊNCIAS DOS FUTUROS PROFESSORES COM MODELAGEM MATEMÁTICA AS EXPERIÊNCIAS DOS FUTUROS PROFESSORES COM MODELAGEM MATEMÁTICA Andréia Maria Pereira de Oliveira 1 Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) ampodeinha@uol.com.br Resumo O objetivo do presente

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO CURSO ONLINE DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA PARA OS DISCENTES DOS CURSOS PRESENCIAIS DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS.

CONTRIBUIÇÕES DO CURSO ONLINE DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA PARA OS DISCENTES DOS CURSOS PRESENCIAIS DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS. CONTRIBUIÇÕES DO CURSO ONLINE DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA PARA OS DISCENTES DOS CURSOS PRESENCIAIS DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Flávio de Paula Soares Carvalho. (UNIPAM E-mail: flavioscarvalho@unipam.edu.br)

Leia mais

Proposta de Plano de Estudos de Matemática para Séries Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio

Proposta de Plano de Estudos de Matemática para Séries Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio Proposta de Plano de Estudos de Matemática para Séries Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio Daniela Cristina Schossler 1 Claus Haetinger 2 Resumo Esta proposta de dissertação está vinculada ao Mestrado

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO

UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO Renata Karoline Fernandes Universidade do Norte do Paraná/Universidade Estadual de Londrina renatakaroline@hotmail.com

Leia mais

O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE NA ÁREA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE NA ÁREA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 1 GT2 O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE NA ÁREA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Renato Fares Khalil Marco Aurélio Bossetto José Fontebasso Neto.br Orientadora: Profa. Dra. Irene Jeanete Lemos

Leia mais

Formação de professores: constrangimentos e potencialidades

Formação de professores: constrangimentos e potencialidades Universidade do Minho Formação de professores: constrangimentos e potencialidades Maria Assunção Flores aflores@ie.uminho.pt Formação inicial: relevância e diversidade Diversidade de modelos, de contextos

Leia mais

BOYLE, Tom (1997) -Design for multimedia learning. Prentice Hall Europe (1997)

BOYLE, Tom (1997) -Design for multimedia learning. Prentice Hall Europe (1997) Bibliografia ABRANTES, Paulo (2002) Reorganização Curricular do Ensino Básico: Avaliação das Aprendizagens. Ministério da Educação: Departamento da Educação Básica (2002) [Disponível on-line a 1-9-2003

Leia mais