INVENTÁRIO DO ACERVO HISTÓRICO DA FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ: CONSERVATÓRIO ESTADUAL DE CANTO ORFEÔNICO DO PARANÁ ( )

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INVENTÁRIO DO ACERVO HISTÓRICO DA FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ: CONSERVATÓRIO ESTADUAL DE CANTO ORFEÔNICO DO PARANÁ ( )"

Transcrição

1 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná Anais Eletrônicos INVENTÁRIO DO ACERVO HISTÓRICO DA FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ: CONSERVATÓRIO ESTADUAL DE CANTO ORFEÔNICO DO PARANÁ ( ) Zeloí Martins Ap. dos Santos 11 Faculdade de Artes do Paraná RESUMO O trabalho de pesquisa tem como objetivo selecionar, catalogar e analisar a documentação referente ao conservatório Estadual de Canto Orfeônico do Paraná que se encontra guardado na Faculdade de Artes do Paraná (FAP). Trata-se de uma pesquisa histórica, que busca contribuir para um melhor conhecimento da atuação da instituição, que é considerada um dos marcos do ensino da Música no Paraná entre a primeira e segunda metade do século XX, cuja característica era formar professores de música para atuar no ensino fundamental e médio do sistema educacional do estado. A pesquisa sobre a história das Artes no Paraná é elementar. A maioria entre os poucos trabalhos desenvolvidos neste campo são de tendências enciclopédicas, cronológicas ou biográficas. Ainda são raros por aqui os estudos que abordam as instituições de ensino voltadas para a preparação de artistas ou professores de Arte, principalmente na área da Música. Palavras-chave: patrimônio; canto orfeônico; história do Paraná; interdisciplinaridade. 11 Graduada em História pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Guarapuava (1991), tem mestrado em História pela UNICENTRO/UNESP-Assis (1999) e doutorado em História pela Universidade Federal do Paraná (2005). Atualmente é professora adjunto na UNESPAR/FAP. Tem experiência na área de História, com ênfase em metodologia de pesquisa em história e pesquisa sobre Artes, e atua principalmente nos seguintes temas: História Regional do Paraná, cultura, poder, indivíduos, identidade, micro-história, história e arte, interdisciplinaridade. Anais do 7º Seminário de Pesq. em Artes da Faculdade de Artes do Paraná, Curitiba, p , jun.,

2 No começo do ano letivo de 2011, um grupo de professores, funcionários e alunos do Programa de Iniciação Científica da FAP 12 iniciaram um inventário dos documentos históricos pertencentes às instituições das quais a Faculdade descende [a Academia de Música do Paraná ( ), o Conservatório Estadual de Canto Orfeônico do Paraná ( ) e a Faculdade de Educação Musical do Paraná ( )] referentes a algumas personalidades de significância para aquelas instituições, como Antônio Melilo (1900?-1966) e Clotilde Espínola Leinig ( ). Tal inventário teve por objetivo reunir, por meio de registro, identificação e classificação, os objetos e documentos encontrados na FAP que se relacionam às instituições e as personalidades referidas, com o intuito de os tornarem conhecidos, compreensíveis e disponíveis à pesquisa. Um considerável núcleo de documentos tais como: livros atas, relatórios, livros de registro de presença e de notas, fotografias, legislação referente ao ensino do canto orfeônico, relacionados ao conservatório estadual de canto orfeônico do Paraná, materiais editados de ensino do Canto Orfeônico, materiais do Conservatório Nacional de Canto Orfeônico encontram-se guardado na FAP. Dispersos, algumas vezes danificados, e sem estudo, esses objetos, nas condições em que se encontravam pouco têm contribuído para um claro entendimento dos papéis que tal instituição desempenhou. Conhecer o papel desempenhado pela instituição no contexto do ensino de música no estado, confrontar os documentos encontrados com outras fontes que a abordam ou que tratam do mesmo contexto histórico regional e/ou nacional em que o conservatório existiu é um dos objetivos da pesquisa. Entretanto, ele visa não apenas a identificação dos documentos de interesse, mas a busca de sentidos latentes, uma ordenação histórica destes e um entendimento maior do papel que o conservatório teve no contexto do ensino de música no estado do Paraná no século XX. Primeiramente uma pesquisa bibliográfica foi necessária para seleção de leituras referentes ao contexto histórico cultural do canto Orfeônico. Num segundo momento realizamos o reconhecimento dos objetos e dos documentos de interesse para o estudo; identificação prévia da tipologia dos documentos selecionados; definição dos procedimentos de como realizar o registro, a identificação e a classificação dos documentos. Para compreender o momento histórico em que o canto orfeônico entrou em cena no ambiente educacional, evidenciando os períodos de divulgação do Projeto Nacional do Canto, defendido pelo Maestro Heitor Villa-Lobos e sua efetivação oficial por legislação em 1931, destacamos analises já realizadas sobre tema. 12 As professoras Rosemeire Odahara Graça (do Colegiado dos Cursos de Bacharelado e Licenciatura em Dança da FAP) Marilia Giller e Zeloi Ap. Martins dos Santos (do Colegiado do Curso de Bacharelado em Música Popular da FAP) e dos funcionários Jorge Marcos dos Santos e Mariza Pinto Fleury da Silveira (responsável pela Biblioteca Octacílio de Souza Braga)e do Acadêmico André Luiz Teixeira Altafini (Curso de Licenciatura em Música Bolsista do Programa de Iniciação Científica da FAP/Fundação Araucária). 16

3 Para Unglaub (2006) o canto orfeônico foi uma atividade valorizada por ideologias ufanistas e nacionalistas que mascaravam o caráter repressivo e autoritário dos regimes de governo. A partir daí, estudar a implantação do canto orfeônico nas escolas brasileiras no Estado Novo, torna-se fundamental para entender o porquê da instalação posterior, em 1956 de um conservatório de canto orfeônico no Paraná. A origem do canto orfeônico, remonta ao século XIX na França napoleônica, onde grupos vocais sem acompanhamento de instrumentos cantavam em igrejas. Não havia a preocupação com estética musical ou técnicas apuradas. Batizado com este nome, em homenagem ao ser mitológico Orfeu que a todos encantava com sua lira, o canto orfeônico foi trazido ao Brasil por Carlos Gomes que instituiu a modalidade a partir de 1910 e seu ensino passou a ser obrigatório nas escolas brasileiras. Somente a partir de 1930, pelas mãos de Villa-Lobos, com o apoio do governo de Getúlio Vargas, o Canto orfeônico ganhou método de ensino e passou a fazer parte dos programas de formação de professores. (Lemos Júnior, 2005). A pesquisa sobre a história das Artes no Paraná é elementar, a maioria entre os poucos trabalhos desenvolvidos neste campo são de tendências enciclopédicas, cronológicas ou biográficas. Ainda são raros por aqui os estudos que abordam as instituições de ensino voltadas para a preparação de artistas ou professores de Arte, principalmente na área da Música. O conservatório estadual de canto orfeônico do Paraná, tinha como objetivo em sua missão a de formar professores de música, para atuar no ensino fundamental e médio do sistema educacional do estado. No ano de 1956, numa parceria com alguns docentes da Academia de Música do Paraná, o maestro Antonio Melilo 13 e Clotilde Espínola Leinig, que tinha sido aluna de Villa-Lobos, fundaram o referido Conservatório, seguindo as diretrizes nacionais que então se apresentavam para o ensino da Música. O conservatório foi uma Instituição de ensino voltada para a formação de professores de Música, que em 1967 transformou-se na Faculdade de Educação Musical do Paraná (FEMP). Posteriormente foi criada a Faculdade de Artes do Paraná reconhecida pelo Decreto Governamental n.º de 01/08/72 e pela Portaria n.º de 13/11/90, do Ministério da Educação. 13 Antonio Melillo nasceu em 25/05/1899, em São Paulo demostrando aptidão para a Música foi incentivado a estudar. Iniciou seus estudos de piano no Conservatório Dramático e Musical de São Paulo, Concluindo sua formação aos 21 anos em instrumento e regência no Real Conservatório de Nápoles - Itália. No Brasil, o maestro passou a atuar como regente de orquestra de uma companhia de óperas que excursionava pelo país. Em uma apresentação em Curitiba foi convidado pelo maestro Leonard Kessler para lecionar piano, no conservatório de Música do Paraná. Em 1924, devido ao falecimento de Kessler, passou a atuar também como diretor da escola. Melillo desempenhou as funções de docente e administrador no Conservatório até o início d Com o encerramento das atividades do conservatório de Música do Paraná fundou a sua Academia de Música do Paraná, onde eram ministradas aulas de piano, violino e matérias teóricas para crianças e jovens, a qual esteve em funcionamento até sua morte em

4 A discussão a respeito da nacionalidade brasileira presente na longa era varguista, evidenciava que a educação deveria formar cidadãos que valorizassem a nação. Este sentimento nacionalista foi incorporado também na arte que buscava, por meio do resgate de elementos do folclore, a relação entre a expressão estética e a identidade cultural do país. Com este estudo buscamos compreender a implantação de uma escola de formação de professores para o ensino do canto orfeônico num período posterior ao momento que o ensino do canto orfeônico ditava moda nas escolas brasileiras. Partimos da premissa de que questões políticas regionais paranaenses se colocavam a todo o momento, inclusive e principalmente na tomada de decisões que envolviam a educação e cultura. REFERÊNCIAS BURKE, Peter. O que é História Cultural. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, COOK, T. Arquivos pessoais e arquivos institucionais: para um entendimento arquivístico comum da formação da memória em um mundo pós-moderno. Revista Estudos Históricos. Arquivos pessoais. Rio de Janeiro: n.21, FGV, CHERNAVSKY, Anália. Um Maestro no Gabinete: música e política no tempo de Villa- Lobos. Dissertação (Mestrado em História). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas DUCROT, A. A classificação dos arquivos pessoais e familiares. In: Revista Estudos Históricos. Arquivos pessoais. Rio de Janeiro: n.21, FGV, 1998/1. FRAIZ, P. A dimensão autobiográfica dos arquivos pessoais: o arquivo de Gustavo Capanema. In: Estudos históricos. Rio de Janeiro, vol.11, n.21,1998. GALVÃO, W. N.; GOTLIB, N.B. Prezado, senhor, prezada senhora: estudos sobre cartas. São Paulo: Companhia das Letras, GAY, P. O estilo na história. São Paulo: Cia das Letras, GUÉRIOS, Paulo Renato. Heitor Villa-Lobos: o caminho sinuoso da predestinação. Curitiba: do Autor, GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, LEMOS JÚNIOR, Wilson. Canto Orfeônico: uma investigação acerca do ensino de música na Escola Secundária Pública de Curitiba ( ). Dissertação (Mestrado em Educação) - Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná, Curitiba,

5 PARADA, Maurício Barreto Alvarez. Som da nação: educação musical e civismo no Estado Novo ( ). Revista Alceu (PUCRJ), v. 9, p , POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v.2, n.3, p.3-15, HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, RONCAGLIO, C. Memória e patrimônio documental arquivístico no Paraná. In: Simpósio de cultura paranaense, terra, cultura e poder; a arqueologia de um estado. Guarapuava: UNICENTRO, SANTOS, Z A. M. Visconde de Guarapuava: personagem na história do Paraná. Trajetória de um homem do século XIX. Guarapuava: UNICENTRO, p. WHITE, H. A questão da narrativa na teoria contemporânea da história. In: Revista de História, n. 2/3, VEYNE, P.M. Como se escreve a história: Foucault revoluciona a história. 4. ed. Brasília: UNB, Anais do 7º Seminário de Pesq. em Artes da Faculdade de Artes do Paraná, Curitiba, p , jun.,

Zeloi Ap. Martins dos Santos * O ACERVO HISTÓRICO DA FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ

Zeloi Ap. Martins dos Santos * O ACERVO HISTÓRICO DA FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ HISTÓRIA CULTURAL: ESCRITAS, CIRCULAÇÃO, LEITURAS E RECEPÇÕES Universidade de São Paulo USP São Paulo SP 10 e 14 de Novembro de 2014 O INVENTÁRIO DO ACERVO HISTÓRICO DA FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ: A

Leia mais

O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS ESCOLSA ESTADUAIS DE DOURADOS/MS RESUMO INTRODUÇÃO

O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS ESCOLSA ESTADUAIS DE DOURADOS/MS RESUMO INTRODUÇÃO O ENSINO DE SOCIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS ESCOLSA ESTADUAIS DE DOURADOS/MS Rodolfo Dias Pinto 1 Maria de Lourdes dos Santos 2 1 Bolsista do Programa de Projetos de Pesquisa na Licenciatura

Leia mais

10.4025/6cih.pphuem.626 O ACERVO HISTÓRICO DA FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ: CONSERVATÓRIO ESTADUAL DE CANTO ORFEÔNICO DO PARANÁ (1956-1966).

10.4025/6cih.pphuem.626 O ACERVO HISTÓRICO DA FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ: CONSERVATÓRIO ESTADUAL DE CANTO ORFEÔNICO DO PARANÁ (1956-1966). 10.4025/6cih.pphuem.626 O ACERVO HISTÓRICO DA FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ: CONSERVATÓRIO ESTADUAL DE CANTO ORFEÔNICO DO PARANÁ (1956-1966). Profa. Dra. Zeloí Martins Ap. dos Santos (UNESPAR/FAP) O presente

Leia mais

INVENTÁRIO DO ACERVO HISTÓRICO DA FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ

INVENTÁRIO DO ACERVO HISTÓRICO DA FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ INVENTÁRIO DO ACERVO HISTÓRICO DA FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ ROSEMEIRE ODAHARA GRAÇA ZELOÍ MARTINS APARECIDA DOS SANTOS 1 Em 2011, um grupo de professores, funcionários, alunos e ex-alunos preocupados

Leia mais

CURSO DE ARTES CÊNICAS 2007/2 BACHARELADO EM INTERPRETAÇÃO

CURSO DE ARTES CÊNICAS 2007/2 BACHARELADO EM INTERPRETAÇÃO CURSO DE ARTES CÊNICAS 2007/2 BACHARELADO EM INTERPRETAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PRÉ-REQUISITO CR CHS AULAS PR ART501 Jogos Teatrais I - 3 60 2 2 1º ART503 Expressão Vocal I - 3 60 2 2 1º ART507

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO DE MÚSICA DA UFPR em diante

CURRÍCULO DO CURSO DE MÚSICA DA UFPR em diante CURRÍCULO DO CURSO DE MÚSICA DA UFPR - 2014 em diante Bacharelado: 2415 horas 855 h (núcleo comum) + 120 h (estágio) + 120 h (TCC) + 300 h (atividades complementares formativas) + 1020 h (optativas) São,

Leia mais

HISTORIA DO DESIGN III

HISTORIA DO DESIGN III Blucher Design Proceedings Agosto de 2014, Número 3, Volume 1 HISTORIA DO DESIGN III Nelson Rodrigues da Silva - nelson.rodrigues@belasartes.br Centro Universitário Belas Artes de São Paulo - Bacharelado

Leia mais

LDB Lei de Diretrizes e Bases

LDB Lei de Diretrizes e Bases PEDAGOGIA LDB Lei de Diretrizes e Bases Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional O pedagogo estuda as teorias da ciência da educação e do ensino É

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO DE MÚSICA DA UFPR em diante

CURRÍCULO DO CURSO DE MÚSICA DA UFPR em diante CURRÍCULO DO CURSO DE MÚSICA DA UFPR - 2014 em diante Bacharelado: 2415 horas 855 h (núcleo comum) + 120 h (estágio) + 120 h (TCC) + 300 h (atividades complementares formativas) + 1020 h (optativas) São,

Leia mais

Currículo do Curso de História

Currículo do Curso de História Currículo do Curso de História Licenciatura ATUAÇÃO O licenciado em História formado na UFV poderá atuar no ensino fundamental (séries finais: 5ª a 8ª séries), ensino médio e universitário. O curso está

Leia mais

Data Horário Atividade. 27/06/2016 A partir das 14h Homologação das inscrições (Site do IFRS Campus Porto Alegre).

Data Horário Atividade. 27/06/2016 A partir das 14h Homologação das inscrições (Site do IFRS Campus Porto Alegre). EDITAL Nº 038, DE 09 DE JUNHO DE 201. CRONOGRAMA DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR SUBSTITUTO ÁREA: Música / Canto Conjunto (40 h) Data Horário Atividade 13/0/201 a 24/0/201

Leia mais

ANTONIO MELILLO: RESULTADOS DA PESQUISA EM ANDAMENTO SOBRE SUA VIDA E OBRA.

ANTONIO MELILLO: RESULTADOS DA PESQUISA EM ANDAMENTO SOBRE SUA VIDA E OBRA. ANTONIO MELILLO: RESULTADOS DA PESQUISA EM ANDAMENTO SOBRE SUA VIDA E OBRA. Cássio Aurélio Menin Silva Marília Giller 66 Colegiado de Música Popular Faculdade de Artes do Paraná, Curitiba, PR. Área: Linguística,

Leia mais

A TRAJETÓRIA DO CANTO LÍRICO EM GOIÂNIA: ENSINO E PERFORMANCE

A TRAJETÓRIA DO CANTO LÍRICO EM GOIÂNIA: ENSINO E PERFORMANCE A TRAJETÓRIA DO CANTO LÍRICO EM GOIÂNIA: ENSINO E PERFORMANCE Edson Marques de Oliveira (UFG), Dr. Ângelo Dias (Orientador, UFG) I INTRODUÇÃO O canto lírico sempre se destacou no cenário artístico musical

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA

CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA ICHLA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA Currículo Novo - 2010/02 - Noturno. RECONHECIMENTO RENOVADO PELA PORTARIA Nº 1.657, DE 07/10/2010 - D.O.U. DE 08/10/2010

Leia mais

UNIRIO / PROPLAN DIRETORIA DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS - DAINF ORGANOGRAMA DAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS. Atualizado em

UNIRIO / PROPLAN DIRETORIA DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS - DAINF ORGANOGRAMA DAS UNIDADES ORGANIZACIONAIS. Atualizado em Atualizado em 15.03.2016 Boletim Interno nº 05/2016 1 1. GERAL REITORIA Vice-Reitoria Pró-Reitoria de Graduação Pró-Reitoria de Extensão e Cultura Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Pró-Reitoria

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo º. 1. Identificação Código MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2016 1º 1. Identificação Código 1.1. Disciplina: FUNDAMENTOS DE SOCIOLOGIA 0560076 1.2.

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de Artes do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos / 2013

Conteúdo Básico Comum (CBC) de Artes do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos / 2013 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Diretrizes para formação inicial e licenciaturas na UTFPR

Diretrizes para formação inicial e licenciaturas na UTFPR Diretrizes para formação inicial e licenciaturas na UTFPR Profa. Dra. Flávia Dias de Souza Docente do Departamento de Educação DEPED Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Docente do Programa

Leia mais

Solicita reconhecimento de curso de nível superior. Fernando Gay da Fonseca

Solicita reconhecimento de curso de nível superior. Fernando Gay da Fonseca NORMA TAVARES BATISTA DE JESUS BA Solicita reconhecimento de curso de nível superior. Fernando Gay da Fonseca NORMA TAVARES BATISTA DE JESUS pleiteou, em 1985, junto à Delegacia deste Ministério no Estado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 16, de 30

Leia mais

POLITICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL

POLITICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL 1 POLITICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL Elisabeth Rossetto 1 A formação de professores para a educação especial enfrenta em nosso país sérios desafios decorrentes tanto do contexto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA EDU236 Fundamentos da Educação: Sociologia - 30 36 2 0 3º EDU237 Fundamentos da Educação: Filosofia - 30 36 2 0 3º LET812 Estudos de Leitura - 60 72 2 2 3º LET872 Teoria

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

Componente Curricular: Metodologia da Pesquisa Científica

Componente Curricular: Metodologia da Pesquisa Científica CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Reconhecimento Renovado pela Portaria MEC nº 264 de 14.07.11, DOU de 19.07.11. Componente Curricular: Metodologia da Pesquisa Científica Código: CTB-190 Pré-requisito: ----------

Leia mais

INVENTÁRIO DO ACERVO HISTÓRICO DA FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ: CLOTILDE ESPÍNOLA LEINIG (1914-2009)

INVENTÁRIO DO ACERVO HISTÓRICO DA FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ: CLOTILDE ESPÍNOLA LEINIG (1914-2009) INVENTÁRIO DO ACERVO HISTÓRICO DA FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ: CLOTILDE ESPÍNOLA LEINIG (1914-2009) Tatiane Aparecida Severino (PIC - UNESPAR/FAP) 1, Prof.ª Dra. Zeloí Martins dos Santos (Orientadora),

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de , DOU de PLANO DE CURSO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de , DOU de PLANO DE CURSO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Autorizado pela Portaria MEC nº 433 de 21.10.11, DOU de 24.10.11 Componente Curricular: Teoria do Design de Moda Código: CH Total: 60 h. Pré-requisito: -

Leia mais

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Instituto de Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Tecnologias e Metodologias da Programação no Ensino Básico 16 17 Edição Instituto de Educação

Leia mais

Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo

Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo Patrimônio Cultural, Identidade e Turismo Definição de Patrimônio l Patrimônio cultural é um conjunto de bens materiais e imateriais representativos da cultura de um grupo ou de uma sociedade. Problematização

Leia mais

Art. 1º Aprovar, em extrato, o Instrumento de Avaliação para Reconhecimento de Cursos Superiores de Tecnologia, anexo a esta Portaria.

Art. 1º Aprovar, em extrato, o Instrumento de Avaliação para Reconhecimento de Cursos Superiores de Tecnologia, anexo a esta Portaria. SIC 01/09 Belo Horizonte, 06 de janeiro de 2009. RECONHECIMENTO. CURSOS DE TECNOLOGIA, BACHARE- LADO E LICENCIATURA, E DIREITO. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PORTARIAS Nºs 1, 2 E 3, PUBLICADAS DIA 06/01/09

Leia mais

EMENTA Problemas de teoria e método em Sociologia da Cultura e História Social da Arte. Produção artística, cultural e intelectual.

EMENTA Problemas de teoria e método em Sociologia da Cultura e História Social da Arte. Produção artística, cultural e intelectual. UFSC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA POLÍTICA TÓPICOS ESPECIAIS: SOCIOLOGIA DA ARTE E DA CULTURA PROF. ALEXANDRE BERGAMO

Leia mais

17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA

17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA Ficha de inscrição 17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA 2014/2015 Categoria Artigo Jornalístico Nível superior Tema: A importância dos museus na formação cultural do país Aluna: Janaina Bárbara Bolonezi

Leia mais

A diversidade arquivística brasileira

A diversidade arquivística brasileira A diversidade arquivística brasileira Literatura arquivística Fonte: Costa, Alexandre de Souza. A bibliografia arquivística no Brasil Análise quantitativa e qualitativa. www.arquivistica.net, Rio de janeiro,

Leia mais

Avaliação Institucional Docentes

Avaliação Institucional Docentes Avaliação Institucional Docentes A avaliação é um processo fundamental para a qualidade do trabalho desenvolvido nas Instituições de Ensino Superior. Nesse sentido, a Comissão Própria de Avaliação (CPA)

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 66/2014 CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de História Segunda

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 66/2014 CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de História Segunda UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 66/2014 CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de História Segunda Licenciatura, oferecido pela UEA por meio do Centro de Estudos

Leia mais

EDUCAÇÃO, MEMÓRIA E HERANÇA CULTURAL

EDUCAÇÃO, MEMÓRIA E HERANÇA CULTURAL PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO, MEMÓRIA E HERANÇA CULTURAL 1.ª edição, ano letivo de 2012/2013 CORPO DOCENTE Henrique Rodrigues Docente da ESE-IPVC Gonçalo Maia Marques Docente da ESE-IPVC José Melo de Carvalho

Leia mais

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é um requisito obrigatório para a conclusão do curso, realizada no final do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE HISTÓRIA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE HISTÓRIA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE HISTÓRIA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE HISTÓRIA O QUE É HISTÓRIA? História é uma palavra com origem no antigo termo grego "historie", que significa "conhecimento através da investigação".

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES

PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE RONDONÓPOLIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES

Leia mais

FACULDADE INTERDISCIPLINAR DE HUMANIDADES CURSO: BACHARELADO EM HUMANIDADES CURSOS: LICENCIATURAS GEOGRAFIA, HISTÓRIA, LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS,

FACULDADE INTERDISCIPLINAR DE HUMANIDADES CURSO: BACHARELADO EM HUMANIDADES CURSOS: LICENCIATURAS GEOGRAFIA, HISTÓRIA, LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS, FACULDADE INTERDISCIPLINAR DE HUMANIDADES CURSO: BACHARELADO EM HUMANIDADES CURSOS: LICENCIATURAS GEOGRAFIA, HISTÓRIA, LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS, LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL, PEDAGOGIA EIXO DE FORMAÇÃO DE

Leia mais

3º INTEGRAR - Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES

3º INTEGRAR - Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES Projeto apoio a biblioteca FESP-SP : preservação e integração entre equipes, acervo e disciplina Fernanda Kelly Silva de Brito Rosa Maria Beretta Eixo Temático: Preservação da Memória Institucional. Palavras-chave:

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE PTD

PLANO DE TRABALHO DOCENTE PTD Professor-Carlos Juscimar de Souza Série: 1º Turma:D Período:NOTURNO Ano: 2014 ESTRUTURANTE: ESPECÍFICO: Objetivo/Justificativa Metodologia Critério de. História Conhecer, contextualizar e da Arte: desenvolver

Leia mais

Objetivo do GEPEMHEP:

Objetivo do GEPEMHEP: GEPEMHEP/ Centro Paula Souza Objetivo do GEPEMHEP: Propor e desenvolver projetos de estudos e pesquisas com a finalidade de levantar, analisar e divulgar informações sobre práticas escolares e pedagógicas

Leia mais

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO UBERABA - 2015 PROJETO DE FILOSOFIA Professor coordenador: Danilo Borges Medeiros Tema: Luz, câmera, reflexão! Público alvo: Alunos do 9º ano do

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições;

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 08/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA CÓDIGO: CHF217 DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA I CARGA HORÁRIA: 60H EMENTA:

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA (currículo em implantação progressiva a parir de )

CURSO DE PEDAGOGIA (currículo em implantação progressiva a parir de ) CURSO DE PEDAGOGIA (currículo em implantação progressiva a parir de 2009.1) CRIAÇÃO DO CURSO DECRETO 476/60, DE 19/01/60 PARECER 579/CNE/59, 02/12/59 RECONHECIMENTO DO CURSO DECRETO 75590/75, DE 10/04/75

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação DANÇA Bacharelado e Licenciatura. COORDENADORA Rosana Aparecida Pimenta

UFV Catálogo de Graduação DANÇA Bacharelado e Licenciatura. COORDENADORA Rosana Aparecida Pimenta UFV Catálogo de Graduação 2013 115 DANÇA Bacharelado e Licenciatura COORDENADORA Rosana Aparecida Pimenta rosana.pimenta@ufv.br 116 Currículos dos Cursos UFV Bacharelado ATUAÇÃO O Curso de Bacharelado

Leia mais

Fase Fase 02 2 CURRÍCULO DO CURSO. Currículo: Habilitação: Núcleo Fundamental - Bacharelado e Licenciatura em Filosofia 0

Fase Fase 02 2 CURRÍCULO DO CURSO. Currículo: Habilitação: Núcleo Fundamental - Bacharelado e Licenciatura em Filosofia 0 Habilitação: Núcleo Fundamental Bacharelado e Licenciatura em Filosofia 0 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Curso reconhecido pelo Decreto Federal 6266, de 26/06/1959, publicado no Diário

Leia mais

O QUE É O ENADE? Profa. Me. Karen Fernanda Bortoloti

O QUE É O ENADE? Profa. Me. Karen Fernanda Bortoloti O QUE É O ENADE? Profa. Me. Karen Fernanda Bortoloti 1 http://www.bahianoticias.com.br O QUE É O ENADE? 2 ENADE Exame Nacional de Desempenho de Estudantes. Integra o Sinaes - Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares. Faculdade Paulus de Comunicação

Regulamento das Atividades Complementares. Faculdade Paulus de Comunicação Faculdade Paulus de Comunicação CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 O presente Regulamento tem por finalidade normatizar as Atividades Complementares, práticas acadêmicas obrigatórias cujo cumprimento

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Page 1 of 5 Ministério da Educação Nº 1087 - Terça feira, 6 de janeiro de 2009 Gabinete do Ministro - Portaria nº 1, de 5 de janeiro de 2009 Aprova, em extrato, o instrumento de avaliação para reconhecimento

Leia mais

EDITAL PPGSP PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PNPD-CAPES 2016

EDITAL PPGSP PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PNPD-CAPES 2016 EDITAL PPGSP PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PNPD-CAPES 2016 O Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - UENF informa que

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: Laboratório de História 1.2. CURSO: Interdisciplinar 1.3. IDENTIFICAÇÃO DO(A) PROFESSOR(A) /PROPONENTE 1.3.1. NOME: Edinéia

Leia mais

PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO ACADÊMICO

PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO ACADÊMICO PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO ACADÊMICO Os projetos de cursos novos serão julgados pela Comissão de Avaliação da área de Educação com base nos dados obtidos pela aplicação dos critérios

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL (02308)

Leia mais

ESTÁGIO PROFISSIONAL EM TREINAMENTO ESPORTIVO A

ESTÁGIO PROFISSIONAL EM TREINAMENTO ESPORTIVO A ESTÁGIO PROFISSIONAL EM TREINAMENTO ESPORTIVO A É ofertado no 7º semestre, compreende uma carga horária de 120 horas, totalizando 8 créditos, conforme as normas específicas para a realização do referido

Leia mais

Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE. Disciplina: Projetos Educacionais para o Ensino de Biologia

Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE. Disciplina: Projetos Educacionais para o Ensino de Biologia Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Disciplina: Projetos Educacionais para o Ensino de Biologia Professor(es): Rosana dos Santos Jordão Carga horária:

Leia mais

OBJETIVOS E CONTEÚDOS

OBJETIVOS E CONTEÚDOS OBJETIVOS E CONTEÚDOS 1º BIMESTRE SISTEMA INTERATIVO DE ENSINO História 1º ano Capítulo 1 Minha história, meu nome Explorar as fotografias de família para reconhecer a trajetória pessoal desde o nascimento;

Leia mais

Instituto Federal de Goiás Câmpus Aparecida de Goiânia Licenciatura em Dança. Matriz Curricular

Instituto Federal de Goiás Câmpus Aparecida de Goiânia Licenciatura em Dança. Matriz Curricular ! Instituto Federal de Goiás Câmpus Aparecida de Goiânia Licenciatura em Dança Matriz Curricular NÚCLEO COMUM Horas 01 Filosofia da Educação 54h 02 História da Educação 54h 03 Sociologia da Educação 54h

Leia mais

CCAS CENTRO DE CIÊNCIAS APLICAS E DA SAUDE

CCAS CENTRO DE CIÊNCIAS APLICAS E DA SAUDE CCAS CENTRO DE CIÊNCIAS APLICAS E DA SAUDE CURSO DE ENFERMAGEM 1.º PERÍODO Determinantes Históricos, Sociais, Políticos e Culturais da Saúde e da Enfermagem I 6 0 6 108 Morfologia I 2 4 4 108 Fisiologia

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA GERAL DO PODER PÚBLICO Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA GERAL DO PODER PÚBLICO Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular TEORIA GERAL DO PODER PÚBLICO Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular TEORIA GERAL DO PODER

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 DEPARTAMENTO DE ARTES CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 DEPARTAMENTO DE ARTES CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 DEPARTAMENTO DE ARTES CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA PLANO DE ENSINO Disciplina Metodologia do Ensino da

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

Tendências do Ensino e Investigação Académica em História da Contabilidade em Portugal

Tendências do Ensino e Investigação Académica em História da Contabilidade em Portugal VII ENCONTRO DE HISTÓRIA DA CONTABILIDADE LISBOA, 28 DE NOVEMBRO DE 2014 Tendências do Ensino e Investigação Académica em História da Contabilidade em Portugal ÂNGELA PATRÍCIA BARBEDO DOUTORANDA EM CONTABILIDADE

Leia mais

Livro Os Ciganos: História e Cultura - crianças e jovens - 12/15 anos

Livro Os Ciganos: História e Cultura - crianças e jovens - 12/15 anos Sugestões pedagógicas para orientar a leitura dos livros da Biblioteca Digital Livro Os Ciganos: História e Cultura - crianças e jovens - 12/15 anos Atividades para trabalhar os temas: Tolerância intercultural

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV. GEOGRAFIA Bacharelado e Licenciatura. COORDENADOR Leonardo Civale

Currículos dos Cursos UFV. GEOGRAFIA Bacharelado e Licenciatura. COORDENADOR Leonardo Civale 150 Currículos dos Cursos UFV GEOGRAFIA Bacharelado e Licenciatura COORDENADOR Leonardo Civale civale@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 151 Bacharelado ATUAÇÃO O profissional de Geografia deve ter

Leia mais

Programa de Ensino. Disciplina: Espaços Museais e Arquitetura de Museus Código: Período: Turno: 18:50-20:20hs 20:30-22:00hs. Ementa da Disciplina

Programa de Ensino. Disciplina: Espaços Museais e Arquitetura de Museus Código: Período: Turno: 18:50-20:20hs 20:30-22:00hs. Ementa da Disciplina Programa de Ensino Disciplina: Espaços Museais e Arquitetura de Museus Código: Período: I/2016 Curso: Museologia Código: Habilitação: Série: Turma: 3ª feira Turno: 18:50-20:20hs 20:30-22:00hs h/a sem.:

Leia mais

ÁREA DO CONHECIMENTO: ( ) EXATAS ( X )HUMANAS ( )VIDA

ÁREA DO CONHECIMENTO: ( ) EXATAS ( X )HUMANAS ( )VIDA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ÁREA DO CONHECIMENTO: ( ) EXATAS ( X )HUMANAS ( )VIDA PROGRAMA: (X ) PIBIC PIBIC-Af

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2016 1º 1. Identificação Código 1.1 Disciplina: Introdução à Economia Matemática 0760.002

Leia mais

do Curso de Pós-Graduação em Sociologia, com área de concentração em Estado e Sociedade - Em nível de doutorado. Pe. Antônio Geraldo Amaral Rosa,S.J.

do Curso de Pós-Graduação em Sociologia, com área de concentração em Estado e Sociedade - Em nível de doutorado. Pe. Antônio Geraldo Amaral Rosa,S.J. UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Credenciamento do Curso de Pós-Graduação em Sociologia, com área de concentração em Estado e Sociedade - Em nível de doutorado. Pe. Antônio Geraldo Amaral Rosa,S.J. CESu - 2 Grupo

Leia mais

Direito do Consumidor: a Visão da Empresa e a Jurisprudência ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Direito do Consumidor: a Visão da Empresa e a Jurisprudência ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Direito do Consumidor: a Visão da Empresa e a Jurisprudência ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início

Leia mais

BASES PARA AS NOSSAS AÇÕES

BASES PARA AS NOSSAS AÇÕES QUEM SOMOS Uma Instituição sem fins econômicos, voltada para o estudo, pesquisa e divulgação de informações e conhecimentos técnicos e científicos que digam respeito à busca de respostas e soluções economicamente

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES O que são as atividades complementares? - as atividades complementares são um componente curricular obrigatório segundo as Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação

Leia mais

HEITOR VILLA-LOBOS E A FORMAÇÃO MORAL DO POVO BRASILEIRO: O CANTO ORFEÔNICO

HEITOR VILLA-LOBOS E A FORMAÇÃO MORAL DO POVO BRASILEIRO: O CANTO ORFEÔNICO 163 HEITOR VILLA-LOBOS E A FORMAÇÃO MORAL DO POVO BRASILEIRO: O CANTO ORFEÔNICO Priscila Paglia Marlete dos Anjos S. Schaffrath RESUMO: Este estudo é o resultado da investigação, análise e registro de

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL (02308)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA E HISTÓRIA CONCURSO PÚBLICO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA E HISTÓRIA CONCURSO PÚBLICO CRONOGRAMA DAS PROVAS ARQUEOLOGIA PROVA DATA HORÁRIO Prova Escrita 26 de maio 14h Entrega da proposta de 26 de maio 14h Resultado da prova escrita e 27 de maio 14h sorteio de pontos Prova didática 28 de

Leia mais

ENADE Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ

ENADE Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ ENADE 2011 Relatório da IES G Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ O V E R N O F E D E R A L PAÍS RICO

Leia mais

EDITAL nº 08/2016, de 06 de Junho de 2016 DIGER/IFAP NORMAS PARA INSCRIÇÃO NO PERÍODO ESPECIAL DE ESTUDOS

EDITAL nº 08/2016, de 06 de Junho de 2016 DIGER/IFAP NORMAS PARA INSCRIÇÃO NO PERÍODO ESPECIAL DE ESTUDOS EDITAL nº 08/2016, de 06 de Junho de 2016 DIGER/IFAP NORMAS PARA INSCRIÇÃO NO PERÍODO ESPECIAL DE ESTUDOS O DIRETOR GERAL DO CAMPUS MACAPÁ DO INSTITUTO FEDERAL DO AMAPÁ DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP ANEXO II REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP CAPÍTULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º

Leia mais

Você quer se formar em Música?

Você quer se formar em Música? Você quer se formar em Música? Faça um dos cursos de Graduação em Música oferecidos pela Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de Goiás (EMAC/UFG)! 2016-2 1) Como eu posso ingressar

Leia mais

HISTORIOGRAFIA EM TRABALHO E EDUCAÇÃO

HISTORIOGRAFIA EM TRABALHO E EDUCAÇÃO HISTORIOGRAFIA EM TRABALHO E EDUCAÇÃO O termo historiografia significa a graphia ou a escrita da história. Seus significados correntes são a arte de escrever a história e os estudos históricos e críticos

Leia mais

Edital 2016/17 Terceira fase de candidaturas

Edital 2016/17 Terceira fase de candidaturas Edital 2016/17 Terceira fase de candidaturas Candidaturas à 4ª edição do Programa Doutoral Estudos de Comunicação: Tecnologia, Cultura e Sociedade. Funcionamento do 1º semestre: ULHT (Lisboa) Funcionamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10/05-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 10/05-CEPE RESOLUÇÃO Nº 10/05-CEPE Complementa a Resolução nº 04/05-CEPE que estabelece normas de concurso público para a carreira do magistério superior na Universidade Federal do Paraná, fixando a tabela de pontuação

Leia mais

CENTRO DE EXTENSÃO E PESQUISA

CENTRO DE EXTENSÃO E PESQUISA CENTRO DE EXTENSÃO E PESQUISA O Centro de Extensão e Pesquisa, além de contribuir para a formação integral do aluno, tem como objetivo geral desenvolver projetos de pesquisa e extensão e como objetivos

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DE CONCURSOS E AVALIAÇÃO DOCENTE, CESCAD ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MEMORIAL DESCRITIVO

COMISSÃO ESPECIAL DE CONCURSOS E AVALIAÇÃO DOCENTE, CESCAD ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO VI DO REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE DOCENTE PARA A AQUISIÇÃO DA ESTABILIDADE NO CARGO DE PROVIMENTO EFETIVO EM VIRTUDE DE CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DO MAGISTÉRIO PÚBLICO DO ENSINO

Leia mais

MARABÁ SEDE DO 2º CPEE REALIZAÇÃO: NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO ACADÊMICA UNIFESSPA

MARABÁ SEDE DO 2º CPEE REALIZAÇÃO: NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO ACADÊMICA UNIFESSPA MARABÁ SEDE DO 2º CPEE - 2016 REALIZAÇÃO: NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO ACADÊMICA UNIFESSPA INSCRIÇÕES: Com trabalhos: 01/09/16 a 30/09/16 Sem trabalhos: A partir de 01/10/16 INFORMAÇÕES: Tel: (94)

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010.

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA. PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA CURSO DE PEDAGOGIA PORTARIA NORMATIVA 3, de 18 de fevereiro de 2010. Institui as orientações e as atividades aprovadas para a realização da carga horária de Estágio Supervisionado

Leia mais

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL e FIP/Magsul 2º semestre 2012

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL e FIP/Magsul 2º semestre 2012 Pedagogia: Aut. Dec. nº 93110 de 13/08/86 / Reconhecido Port. Nº 717 de 21/12/89/ Renovação Rec. Port. nº 3.648 de 17/10/2005 Educação Física: Aut. Port. nº 766 de 31/05/00 / Rec. Port. nº 3.755 de 24/10/05

Leia mais

Relatório sobre o Inquérito aos Diplomados da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2013/2014. Gabinete para a Cultura da Qualidade

Relatório sobre o Inquérito aos Diplomados da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2013/2014. Gabinete para a Cultura da Qualidade Relatório sobre o Inquérito aos Diplomados da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2013/2014 Gabinete para a Cultura da Qualidade Março de 2015 Índice Geral ÍNDICE GERAL... II ABREVIATURAS,

Leia mais

I. AVALIAÇÃO DO TRABALHO E DO EVENTO (MÁXIMO 10,0 PONTOS)

I. AVALIAÇÃO DO TRABALHO E DO EVENTO (MÁXIMO 10,0 PONTOS) ANEXO V CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A nota final (NF) será dada pela média aritmética da nota de cada uma das alíneas do 1º, Art. 11 o, conforme os critérios estabelecidos nas tabelas apresentadas neste documento.

Leia mais

Legislação brasileira anti-preconceito anti-racismo: contextualização histórica Ementa: Objetivo:

Legislação brasileira anti-preconceito anti-racismo: contextualização histórica Ementa: Objetivo: DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUACÃO EM RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS DISCIPLINA: Legislação brasileira anti-preconceito e anti-racismo: contextualização histórica PROFESSOR(ES): Alvaro

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO CURSO DE LETRAS

PROJETOS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO CURSO DE LETRAS PROJETOS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO CURSO DE LETRAS Linha Pesquisa Análises textuais discursivas de e e Descriminação Projetos Resumo Pesquisa Memória e Identidade dos Cursos de Letras das Universidades

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 25 DE MARÇO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 25 DE MARÇO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.652, DE 25 DE MARÇO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

1º. As AACC, conforme previstas no projeto pedagógico do curso poderão ser desenvolvidas ao longo de todo o percurso formativo.

1º. As AACC, conforme previstas no projeto pedagógico do curso poderão ser desenvolvidas ao longo de todo o percurso formativo. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS DOS CURSOS DE LICENCIATURA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS BARBACENA Art. 1º. As Atividades

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - ANUAL

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - ANUAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO - ANUAL INTRODUÇÃO Entendendo que a formação do aluno não se dá apenas em sala de aula, o Curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

INSTITUTO SANTO TOMÁS DE AQUINO ISTA

INSTITUTO SANTO TOMÁS DE AQUINO ISTA Plano de Ensino INSTITUTO SANTO TOMÁS DE AQUINO ISTA Disciplina: Políticas Educacionais Área: Formação de Educadores Curso: Filosofia Período: V Ano: 2014 Semestre: I Horas: 72 Créditos: 4 Professor: Rita

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA NOME COLEGIADO CÓDIGO SEMESTRE HISTÓRIA DAS CIÊNCIAS I CCINAT/SBF CIEN0017 2016.1 CARGA HORÁRIA TEÓRICA: 60 h/a = 72 encontros PRÁT: 0 HORÁRIOS: Quinta-Feira: de 18:00 às 19:40 horas

Leia mais