EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES"

Transcrição

1 EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES EBSERH: um modelo neoliberal para a privatização da Saúde e para a destruição do sistema único de saúde (SUS) brasileiro PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A EBSERH Com uma diferença:aqui são formuladas as perguntas realmente esclarecedoras sobre esta questão; aqui você lê as verdades; aqui você não é enganado; aqui você aprende; aqui você conhece; aqui você rejeita esta ideia Como surgiu a ideia da EBSERH? Qual a sua verdadeira origem? Para entendermos a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), necessário conhecermos o contexto histórico da sua idealização, bem como as armadilhas dispostas na Lei de sua criação (Lei nº /11), no seu Estatuto Social (Decreto nº 7.661/11) e no seu Regimento Interno, analisando os seus aspectos jurídicos constitucionais e legais, sob a perspectiva dos Princípios Norteadores da Administração Pública e da Lei Orgânica da Saúde (Lei nº 8.080/90), e sem deixar de lado fundamentos da política, da filosofia e da sociologia jurídicas. No final da década de 1970, através, principalmente, da Escola Monetarista do economista Milton Friedman, surgiu a ideologia neoliberalcomo um conjunto de ideias políticas e econômicas capitalistas que defendiam a não participação do Estado na economia, devendo haver total liberdade de comércio (livre mercado), o que garantiria o crescimento econômico e o desenvolvimento social de um país, sendo capaz de solucionar a crise econômica mundial provocada pelo aumento excessivo no preço do petróleo, a partir de Esse pensamento ideológico (ideologia do pensamento único) foi rapidamente assimilado por Ronald Reagan e Margareth Thatcher, responsáveis maiores por globalizar essa doutrina no mundo. E quais as características principais dessa ideologia neoliberal? Mínima participação estatal nos rumos da economia de um país; Pouca intervenção do governo no mercado de trabalho; Política de privatização de empresas estatais; Criação das parcerias público-privadas; Livre circulação de capitais internacionais e ênfase na globalização; Criação de condições para a hegemonia do capital financeiro; Abertura da economia para a entrada de multinacionais; Política de globalização neoliberal, impondo um mercado único de capitais à escala mundial; Supremacia do capital financeiro sobre o capital produtivo; Adoção de medidas contra o protecionismo econômico; Liberdade da indústria dos produtos financeiros, criados em profusão, sem qualquer relação com a economia real, apenas para alimentar os jogos de azar jogados nas bolsas-cassinos; Desburocratização do Estado, instituindo-se leis e regras econômicas mais simplificadas para facilitar o funcionamento das atividades econômicas; diminuição do tamanho do Estado, tornando-o mais eficiente; Posição contrária aos impostos e tributos excessivos; Aumento da produção, como objetivo básico para atingir o crescimento econômico; Contra o controle de preços dos produtos e serviços por parte do Estado; ou seja, a lei da oferta e demanda seria suficiente para regular os preços ( a mão invisível do mercado );

2 Independência dos Bancos Centrais, senhores absolutos da política monetária, posta ao serviço exclusivo da estabilidade dos preços; A base da economia deve ser formada por empresas privadas; Destruição do Estado-providência; Redução dos direitos dos trabalhadores, em nome de uma pretensa competitividade; Flexibilização e desumanização do Direito do Trabalho, transformando em Direito das Empresas ou Direito dos Empresários, negando o Princípio do Favor Laboratoris ; Defesa dos Princípios Econômicos do Capitalismo; A defesa do mercado significa a defesa da concepção neoliberalde Estado; Considerado este como pura instância política, pretensamente separada da Economia e da Sociedade Civil, pretende garantir ativamente e salvaguardar as estruturas de Poder. Ora, o que vimos acontecer nos países pobres que adotaram esse pensamento econômico a partir dessa época foi o aumento do desemprego, o congelamento de salários, o aumento das diferenças sociais, a perda de direitos sociais e a dependência do capital internacional, já que essa política neoliberal só veio a beneficiar as grandes potências e as empresas multinacionais. Todavia, já no final da década de 1990, a política neoliberal revelava a sua face mais cruel também para as nações mais ricas do planeta, provocando essas mesmas mazelas na sua gente e nas suas próprias empresas. A partir desse momento, então, o pensamento neoliberal passou a mostrar toda a sua esperteza ao colocar para o mundo o argumento de que as grandes empresas não poderiam quebrar, em razão da enorme responsabilidade social que elas tinham, de modo que, agora, o Estado deveria, sim, intervir na economia injetando dinheiro público para salvar essas empresas privadas que não deram certo no mundo competitivo, desregrado e livre do capitalismo neoliberal (um mundo que eles mesmos inventaram), comprando os seus títulos de dívida privada e transformando-os em títulos da dívida pública, aumentando, com isso, o endividamento público do país. E foi essa lógica empresarial que foi definida pelo Conselho Europeu, em 2008, de modo que o dinheiro público salvando essas empresas manteria aqueles seus mesmos dirigentes nos seus cargos ou em cargos afins, ainda que fossem responsáveis por fraudes contábeis em suas empresas. No Brasil, este pensamento ganhou mais força no Governo de Fernando Henrique Cardoso, particularmente através do chamado Plano Diretor de Reforma do Aparelho de Estado (PDRAE) elaborado e proposto pelo Ministro Bresser Pereira. Ou seja, o desenho de Reforma do Aparelho Estatal foi idealizado, no Brasil, por pessoa estranha à carreira pública de servidor público federal; portanto, por quem desconhecia a sua estrutura internamente funcionando. Ele, simplesmente, trouxe uma ideia de fora e a implantou de forma arbitrária aqui, com o argumento de que a máquina pública precisava ser modernizada. Na verdade, o que se desejava era criar condições para que o setor privado pudesse participar, de alguma forma, da Administração Pública, de modo a ganhar mais terreno para a expansão dos seus negócios. E assim foi feito... Em 1993, o Banco Mundial, entendendo que a Saúde poderia se constituir em um importante mercado a ser explorado pelo capital,apresentou um Relatório propondo a reforma do Estado e a implantação de um novo sistema de saúde no Brasil, com o argumento de que em muitos países em desenvolvimento, os sistemas sanitários administrados pelo governo são grandes demais e deveriam ser reduzidos; para tanto, seriam necessárias alterações jurídicas e administrativas facilitadoras da prestação de serviços pela iniciativa privada, que deveria receber subsídios públicos para prestarem serviços, promovendo cortes de investimentos em hospitais públicos terciários.

3 Entre outras mudanças, a reforma administrativa e na saúde deveria permitir ao Estado a focalização no atendimento das necessidades básicas sociais, reduzindo a área de atuação do Estado através de alguns mecanismos, dentre os quais: A privatização (venda de ativos de empresas públicas); A publicização (transformação de órgãos estatais em entidades públicas de direito privado); criação das Organizações Sociais (OS), Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), Fundações Públicas de Direito Privado, Agências Executivas, Agências Reguladoras... Terceirização (contratação de serviços prestados por terceiros); Subsídios públicos para as ONGs; Cortes de investimentos em hospitais públicos terciários; Criação de um Fundo para aposentadoria complementar dos servidores públicos federais (FUNPRESP). Ora, a focalização das políticas de saúde nega a universalidade do sistema (do SUS), relativizando os Princípios Norteadores do SUS previstos na Lei nº 8080/90 (artigo 7º incisos I e II). E isto é inconstitucional! Nesse contexto, surge a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) através da edição da Medida Provisória nº 520 de 2010, que, durante discussão no Congresso Nacional, não foi convertida em Lei, dada a sua clara inconstitucionalidade, tendo sido inicialmente aprovada na Câmara de Deputados Federais, mas caducado no Senado Federal. Nessa época, a ideia do Governo era criá-la na forma de Sociedade de Economia Mista EBSERH S.A. e foi dessa forma que ela foi concebida na MP 520/2010 -, o que já deixava clara a intenção de uma empresa estatal com forte atuação na ordem econômica, para exploração direta de atividade econômica pelo Estado (lato sensu). Mais tarde, surgiu o Projeto de Lei nº 1.749/11, do Poder Executivo, com o objetivo também de criar a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, agora não mais apresentada como uma S.A., cujo Parecer do Relator Senador Roberto Requião (PMDB) foi totalmente contrário à sua aprovação, exatamente por reconhecer a sua inconstitucionalidade, tendo em vista que o sentido da Lei permanecia o mesmo, ou seja, era uma empresa que visava lucro com o exercício da sua atividade fim: a prestação de serviços hospitalares; além de ferir frontalmente o Princípio Constitucional da Autonomia Universitária. Todavia, tendo maioria no Congresso Nacional, e convencendo Parlamentares (e nós sabemos como isso acontece na prática) de que isso seria a solução para a crise dos Hospitais Públicos Federais, Universitários ou não, foi aprovada a Lei nº /11, autorizando a criação da EBSERH. 2- Quais as razões da crise atual dos nossos Hospitais Públicos Federais, Universitários ou não? Ora, a crise dos Hospitais Públicos Federais, Universitários ou não, basicamente, tem duas causas principais: a falta de investimento público regular e adequado, e a falta de recursos humanos, ao longo particularmente dos últimos vinte anos, o que vem provocando uma verdadeira mistanásia nesse País: um abandono social criminoso e intencional por parte dos nossos governantes e do próprio Congresso Nacional. Isto, ao longo desses últimos anos, provocou o fechamento de leitos hospitalares, o fechamento de serviços, a deterioração de equipamentos, a falta de medicamentos e materiais básicos para o perfeito funcionamento desses hospitais, a redução e precarização da força efetiva de trabalho, a permanência de um parque tecnológico obsoleto e precário, a desmoralização desses hospitais frente a opinião pública, as péssimas condições técnicas e ambientais de trabalho, a desmotivação, a indignação e revolta de servidores públicos, estudantes e usuários, a deterioração dos seus prédios, a impossibilidade e inviabilidade de uma boa gestão...

4 Nesse contexto, com um discurso longe da verdade, o Governo Federal apresenta a EBSERH como a única solução para todos os problemas hoje enfrentados e vividos pelos Hospitais Universitários Públicos Federais do nosso País, afirmando que, após um ano da assinatura do contrato entre as Universidades e a EBSERH, todos os leitos hospitalares estarão reativados, o parque tecnológico desses Hospitais estará modernizado, a estrutura física desses Hospitais será reestruturada e todos os recursos humanos necessários ao bom funcionamento desses Hospitais estarão contratados. Isso está escrito na Lei nº /11. Então, o Governo Federal reconhece, por escrito, que a crise atual dos Hospitais Universitários está fundamentada em quatro problemas principais: falta crônica de recursos humanos em número adequado para atender às necessidades para o normal funcionamento desses Hospitais; precariedade do seu parque tecnológico; sucateamento da sua estrutura física; redução criminosa do número de leitos hospitalares ativos nesses Hospitais. Acontece que todos esses problemas vêm avançando de forma progressiva nesses Hospitais Universitários pela omissão criminosa do Governo Federal ao longo dos últimosanos, criando para os seus gestores uma situação impossível de bem administrar esse caos instalado, já que os recursos públicos para esses Hospitais foram sendo liberados sem qualquer planejamento estratégico responsável. Nesse momento, convidamos os mais velhos a fazerem um exercício mental de memória, de modo a visualizarem o funcionamento desses Hospitais Universitários, e também dos Hospitais Públicos Federais, antes do início de toda essa crise de financiamento público e da falta de recursos humanos. Certamente, irão se lembrar de que todos esses Hospitais Públicos Federais, Universitários ou não, eram muito bem estruturados e muito bem administrados, muitos deles, inclusive, sendo referências para toda a América do Sul. Basta recordar um momento da nossa história em que um Presidente da República (General João Batista de Figueiredo), ao sofrer um infarto agudo do miocárdio, foi atendido e internado para tratamento da fase aguda da sua doença no atual Hospital Federal dos Servidores Públicos. Naquele tempo, não existia a EBSERH. Acontece que naquele tempo a União cumpria com mais responsabilidade as suas obrigações com a Saúde Pública e a Educação Pública desse nosso País. 3- O que é a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares? A EBSERH constitui-se em uma empresa pública com personalidade jurídica de direito privado, de dimensão nacional, unipessoal, regida pela Lei que autorizou a sua criação (Lei nº /11), por seu Estatuto Social, por seu Regimento Interno e pela Lei nº 6.404/76 (Lei das Sociedades Anônimas), que vem intervir, definitivamente (para sempre) e com força, na vida dos trabalhadores e na missão dos atuais Hospitais Universitários Públicos Federais, trazendo consigo um pensamento e um modelo de gestão totalmente estranhos aos interesses dos seus trabalhadores, dos seus usuários, dos estudantes universitários e da própria Universidade Pública Federal, constituindo-se em um instrumento de ressonância deste Governo, e jamais um instrumento de ressonância da sociedade e da comunidade acadêmica, expressando uma vontade política vergonhosa e covarde de enxergar a Saúde Pública como um setor a ser explorado na perspectiva de um grande negócio, e não como um setor cujo investimento público (e não gasto público), regular e flexivelmente progressivo, possa contribuir, de modo permanente e estável, para o desenvolvimento humano e, consequentemente, para o desenvolvimento nacional; e que, embora denominada empresa pública, tem o seu espírito todo recheado de aspectos próprios das sociedades de economia mista.

5 4- Por que foi criada a EBSERH? Quem responde é o próprio Ministério da Educação: A EBSERH foi criada para exercer uma dupla finalidade de assistência direta à população e de apoio ao ensino e à pesquisa das Universidades; sua gestão exige um nível de agilidade, flexibilidade e dinamismo muitas vezes incompatíveis com as limitações impostas pelo regime jurídico de direito público próprio da Administração Direta e das Autarquias, especialmente no que se refere à contratação e à gestão da força de trabalho, o que tem acarretado distorções ao longo dos anos e vulnerabilidade jurídica. Bem, este é um discurso típico de um pensamento ideológico qualquer que seja a ideologia -; ou seja, é aquele discurso que procura mascarar uma realidade social, permitindo, desse jeito, legitimar a exploração e a dominação, transformando o falso em verdadeiro, o errado em certo e o injusto em justo. Como assim? Ora, o exercício de assistência direta à população já é uma finalidade dos nossos Hospitais Universitários Públicos Federais, uma vez que, até por determinação legal, estes hospitais integram o SUS (artigo 45 da Lei nº 8080/90), nos seguintes termos: Os serviços de saúde dos hospitais universitários e de ensino integram-se ao Sistema Único de Saúde, mediante convênio, preservada a sua autonomia administrativa, em relação ao patrimônio, aos recursos humanos e financeiros, ensino, pesquisa e extensão, dos limites conferidos pelas instituições a que estejam viculados. Portanto, essa primeira justificativa não tem sustentação legal. No que se refere ao apoio ao ensino e à pesquisa das Universidades, esse apoio não se espera de uma EBSERH, mas sim da própria Administração Pública Direta, por intermédio da disponibilização de recursos humanos, tecnológicos e financeiros constitucionalmente previstos, de forma regular, contínua e adequada às necessidades das Universidades, de modo a permitir que, de modo autônomo, elas possam elaborar e realizar os seus próprios projetos de pesquisa, sem a interferência de nenhuma pessoa estranha ao seu ambiente social. Então, essa justificativa do Governo Federal também se autodestrói. Quanto à questão de que a sua gestão exige um nível de agilidade, flexibilidade e dinamismo muitas vezes incompatíveis com as limitações impostas pelo regime jurídico de direito público próprio da Administração Direta e das Autarquias, especialmente no que se refere à contratação e à gestão da força de trabalho, o que tem acarretado distorções ao longo dos anos e vulnerabilidade jurídica, temos a frontalmente contestar com os seguintes argumentos: Uma gestão ágil, flexível e dinâmica é incompatível não com o regime jurídico de direito público das nossas Universidades, mas sim com a carência de recursos humanos e a falta de investimentos públicos adequados e necessários à sobrevivência digna dos nossos Hospitais Federais Universitários e dos seus servidores, situação essa fomentada, de forma cruel, covarde e criminosa, pelo próprio Poder Público, há pelo menos duas décadas; sem que isso jamais pudesse ser corretamente - e eticamente - discutido e apresentado pela imprensa à nossa sociedade. Se fosse assim, deveríamos lançar uma campanha nacional para a criação da EBSERJ Empresa Brasileira de Serviços Jurídicos -, já que a lentidão nociva do Poder Judiciário utilizando-se o mesmo raciocínio que o Governo Federal faz quanto aos problemas atuais dos nossos Hospitais Universitários deve ter como causa o regime jurídico de direito público aplicado aos nossos Tribunais de Justiça. Então, vamos criar uma carreira de magistrados contratados pelo regime trabalhista da CLT, vamos flexibilizar os seus direitos, e a Justiça se tornará célere e eficiente como todos nós desejamos... Na verdade, isso é uma manobra perversa de burlar o entendimento do STF (Supremo Tribunal Federal) de que os trabalhadores das Autarquias (Pessoas Jurídicas de Direito Público) têm que ser contratados,

6 obrigatoriamente, pelo regime trabalhista da Lei nº 8.112/90, ou seja, como servidores públicos estatutários. Ora, o Poder Público costuma trabalhar com argumentos mentirosos; e algumas pessoas costumam viver numa alienação social, aceitando, sem questionar (e sem estudar a questão), tudo o que lhes falam. E o Governo agradece... Portanto, essa justificativa para a criação da EBSERH igualmente não se sustenta. No que se refere à contratação e gestão da força de trabalho, o que tem acarretado distorções ao longo dos anos e vulnerabilidade jurídica, sentimo-nos no dever de clarear as mentes distraídas e algo preguiçosas, algumas vezes coniventes, de alguns poucos colegas membros da Academia (nossas Universidades Públicas) quem diria? - e que ainda manifestam apoio à ideia da EBSERH, com as seguintes observações: Os artigos 11 e 12 da Lei nº /11 (Lei que autoriza a criação da EBSERH)afirmam que, para fins de sua implantação, fica a EBSERH autorizada a contratar, mediante processo seletivo simplificado, pessoal técnico e administrativo por tempo determinado, sendo que esses contratos temporários de emprego poderão der celebrados durante os dois anos subsequentes à constituição da EBSERH, podendo ser prorrogados uma única vez, desde que a soma dos dois períodos não ultrapasse cinco anos, tudo com base nas alíneas a e b do 2ºdo artigo 443 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Nesse contexto, queremos apontar o que diz aconstituição Federal com relação à investidura em cargo ou emprego público: Artigo 37 inciso II:A investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração. Artigo 37 inciso III:O prazo de validade do concurso público será de até dois anos, prorrogável uma vez por igual período. Artigo 37 inciso IX:A lei estabelecerá os casos de contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público. Desse modo, o concurso público é um procedimento administrativo, aberto a todo e qualquer interessado que preencha os requisitos estabelecidos em lei, destinado à seleção de pessoal, mediante a aferição do conhecimento, da aptidão e da experiência dos candidatos, por critérios objetivos, previamente estabelecidos no edital de abertura, de maneira a proporcionar uma classificação de todos os aprovados, consistindo em meio técnico posto à disposição da Administração Pública para obter-se a moralidade, eficiência e aperfeiçoamento do serviço público e, ao mesmo tempo, propiciar igual oportunidade a todos os interessados que atendam aos requisitos da lei. Com relação à exigência de títulos, esta deve ser pautada nos Princípios da Razoabilidade, Moralidade e da Igualdade, sob pena de ser declarada a nulidade da regra irregular prevista no edital pelo Poder Judiciário. Assim a exigência de experiência profissional somente no serviço público viola Princípio da Igualdade, conforme manifestação do STF (Supremo Tribunal Federal). Pelo concurso se afastam os ineptos e os apaniguados, que costumam abarrotar as repartições, num espetáculo degradante de protecionismo e falta de escrúpulos de políticos que se alçam e se mantêm no poder, leiloando empregos públicos.

7 Então, a exigência do concurso público para o acesso aos cargos e empregos públicos reveste-se de caráter ético e moralizador, e visa assegurar a igualdade, impessoalidade e o mérito dos candidatos. Ora,a exceção prevista no inciso IX do artigo 37 da Constituição Federal ( contratação temporária ) destinase a possibilitar contratação de pessoal para enfrentar situações extraordinárias, que não podem ser enfrentadas com o contingente normal de servidores, sob pena de prejuízo para a prestação continuada dos serviços públicos, e em caráter temporário a ser estabelecido em lei. Acontece que situações extraordinárias certamente não é o caso das nossas Universidades Públicas e nem dos nossos Hospitais Públicos Federais, pois a deficiência de recursos humanos hoje existente nessas instituições é decorrência direta da falta de planejamento administrativo dos últimos vinte anos, de modo que a Administração Pública Federal, por vontade política equivocada, vem se negando a autorizar concursos públicos com o número necessário de vagas para Professores, Médicos, Enfermeiros e outros servidores públicos técnico-administrativos, passando a adotar o pensamento do Estado mínimo também para os setores da Educação e Saúde Públicas. Com isso, já de longa data os Governos vêm autorizando a realização de concursos para o preenchimento temporário da maioria dessas vagas por contratados temporários, sem vínculo empregatício, ainda assim em número muito abaixo do necessário. Isso acabou por criar a chamada indústria dos concursos públicos para contratos temporários de trabalho, que não emprega ninguém, mas que arrecada regularmente, anualmente, muito dinheiro com o valor pago pelos candidatos nas suas inscrições, e mantém a carência crônica e crescente de recursos humanos nas Universidades Públicas e nos Hospitais Públicos Federais, Universitários ou não, destruindo o corpo clínico desses Hospitais, de modo que, atualmente, em alguns hospitais federais, quase 50% dos profissionais que hoje ali trabalham o fazem por regime de contrato temporário de trabalho. É claro que isso viola os Princípios Constitucionais da Eficiência (art. 37 caput da CRFB/88) e do Valor Social do Trabalho (art. 1º inciso IV da CRFB/88), além de violar o Princípio do Concurso Público, não sendo constitucionalmente aceito. Situações extraordinárias seriam aquelas, por exemplo, relacionadas ao estado de calamidade pública, declaração de guerra externa, terremotos, enchentes etc; mas jamais a situação de que o Governo se recusa a contratar definitivamente novos servidores públicos para o preenchimento de vagas em número suficiente para atender o interesse público. Note-se que, nesse caso, o Governo está agindo contra o interesse público, fugindo da finalidade precípua do Estado que é o bem comum. Mais do que isso: os artigos 11 e 12 da Lei /11 estabelecem que os contratos temporários de emprego poderão ser prorrogados uma única vez, desde que a soma dos dois períodos não ultrapasse 5 anos; devendo obedecer o disposto no artigo 443 da CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas). Acontece que os dispositivos da CLT apontados dizem que o contrato de trabalho por tempo determinado só é válido em se tratando de : a) serviço cuja natureza ou transitoriedade justifique a predeterminação do prazo; b) atividades empresariais de caráter transitório. Como interpretar a lei trabalhista nesse caso? Para este fim, trazemos os ensinamentos do Desembargador do Tribunal Regional do Trabalho 2ª Região Prof. Sérgio Pinto Martins: Bem, o serviço de natureza transitório é o que é breve, efêmero, temporário. Aqui está se falando de serviço transitório e não de atividade empresarial de caráter transitório, de modo que a transitoriedade deverá ser observadaem relação às atividades do empregador e não do

8 empregado. Seria o caso, por exemplo, de contratar um empregado temporariamente para atender a um breve aumento de produção em certo período do ano. Esse não é o caso dos Hospitais Universitários, porque a contratação de pessoal é exigida para o atendimento de uma necessidade contínua, permanente, da instituição; e não temporária. Do mesmo modo com relação aos outros Hospitais Federais. Já as atividades empresariais de caráter transitório dizem respeito à empresa e não ao empregado ou ao serviço. Seria o caso, por exemplo, de criar uma empresa que apenas funcionasse em certas épocas do ano, como a de venda de fogos nas festas juninas; a que produzisse ovos de Páscoa; a que fabricasse panettone para o Natal etc. Esse, logicamente, também não é o caso dos Hospitais Públicos Federais, Universitários ou não. Além do mais, existe a Súmula nº 195 do Supremo Tribunal Federal (STF), que assim dispõe: Contrato de trabalho para obra certa, ou de prazo determinado, transforma-se em contrato de prazo indeterminado, quando prorrogado por mais de quatro anos. Também não podemos deixar de considerar que o Supremo Tribunal Federal já afirmou que o serviço público de saúde é essencial, não podendo ser caracterizado como temporário. Portanto, é desarrazoado contratar temporariamente servidores para exercer funções a ele relacionadas. Do mesmo modo, o STJ (Superior Tribunal de Justiça) já se pronunciou afirmando que empregados de empresas públicas e sociedades de economia mista, apesar de se submeterem ao concurso público, não são equiparados aos servidores públicos. Então, além de inconstitucional, essa Lei que autoriza o Poder Executivo a criar a EBSERH traz uma clara ilegalidade no seu conteúdo, pois ignora a manifestação do Supremo Tribunal Federal e contradiz o prescrito pela CLT. Com relação ao regime de pessoal permanente da EBSERH, este será o da CLT, ou seja, os trabalhadores da EBSERH serão empregados públicos, celetistas, sem estabilidade e sem direito à aposentadoria integral e paritária. A esse respeito, importante assinalar a Orientação Jurisprudencial nº 247 do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que assim se coloca: A despedida de empregados de empresa pública e de sociedade de economia mista, mesmo admitidos por concurso público, independe de ato motivado para sua validade. Ou seja, o TST admite a demissão dos empregados públicos sem justa causa. Então, trabalhando nos Hospitais Federais, Universitários ou não, teremos servidores públicos (estatutários, estáveis, com direito à aposentadoria integral e paritária) e os empregados públicos; além de, por um período de tempo, também trabalhadores temporários (sem vínculo empregatício com a Administração Pública). Todos trabalhando sob regimes diversos de pessoal, com planos remuneratórios diferenciados, com vencimentos e salários também distintos, e exigidos indistintamente quanto a eficiência na prestação dos serviços públicos. Direitos trabalhistas desiguais. Isso, sim, acarreta distorções e vulnerabilidade jurídica insanáveis. Isso, sim, fere Princípios Constitucionais. Por si só, isso revela uma aberração de política administrativa, porque o que precisamos é de um regime de pessoal único (regime jurídico único) que trate igualmente os trabalhadores de uma mesma instituição, de modo a não gerar conflitos de interesses entre esses trabalhadores, o que afeta a eficiência dos serviços públicos por eles prestados.

9 Qualquer pensamento contrário a esse fere os Princípios Constitucionais da Igualdade e da Eficiência, previstos no caput dos artigos 5º e 37 da nossa Constituição Federal. Necessário esclarecer que a criação da EBSERH vem contra aquilo que foi estabelecido na 14ª Conferência Nacional de Saúde, realizada em 2011, e reafirmada em 2012, que reconheceu que a implantação desta Empresa nos Hospitais Universitários do Brasil trará prejuízos para os usuários, trabalhadores, estudantes, professores e para a sociedade em geral, e conclamou que a comunidade universitária e os Conselheiros das diversas Universidades rejeitem, no Conselho Universitário, a sua implantação. 5- Quais as principais finalidades da EBSERH? Para respondermos esta pergunta, importante conhecermos a definição de empresa. Empresa é definida como atividade economicamente organizada, voltada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços, com finalidade lucrativa. Esta é a interpretação correta do artigo 966 do Código Civil/2002. Ninguém cria uma empresa com finalidade de prejuízo econômico ou sem qualquer finalidade lucrativa. Isto não existe. Assim, a EBSERH é uma empresa pública estatal, com personalidade jurídica de direito privado, com dupla finalidade: prestação de serviço público e obtenção de lucro; de modo que esse lucro terá que ser obtido, necessariamente, através da prestação do serviço público a que ela se destina. Ou seja, os atuais Hospitais Universitários, com a EBSERH, deixarão de ser hospitais universitários propriamente ditos e passarão a ser hospitais prestadores de serviços hospitalares instrumentos para a obtenção do lucro líquido desta empresa. Desse modo, fica claro que o Governo, com a criação da EBSERH, está decidido a não mais investir nestes hospitais (terciários e quaternários), criando, então, condições para que estes hospitais, ao médio e longo prazo, se mantenham por si mesmos, através de recursos obtidos com a mercantilização da saúde, do ensino e da pesquisa. Além disso, está entre os objetivos do Governo, com a criação da EBSERH, possibilitar, ao longo prazo, economizar nos benefícios previdenciários e nas aposentadorias desses empregados públicos (celetistas), já que esses irão se aposentar recebendo o teto remuneratório da Previdência Social, sem direito à integralidade e sem direito à paridade dos seus proventos, e sem todos os direitos previstos no Regime Jurídico único (Lei nº 8.112/90). 6- A EBSERH faz parte de um projeto do Governo Federal de privatizar os Hospitais Universitários Federais? Com certeza, sim! Afinal de contas, trata-se de uma entidade com personalidade jurídica de direito privado. Caso contrário, o Governo Federal jamais alteraria o regime jurídico desses Hospitais, ou seja, manteria os Hospitais Públicos Federais Universitários submetidos ao regime de direito público. Mas não tem como objetivo privatizar somente os nossos Hospitais Públicos Federais Universitários. O projeto do Governo é muito mais amplo e deplorável! O objetivo é flagrantemente destruir o nosso Sistema Único de Saúde (SUS).

10 A própria Lei nº /11 deixa clara a sua perversa intenção. Vejamos o que diz o seu artigo 6º: A EBSERH...poderá prestar os serviços relacionados às suas competências mediante contratocom as instituições federais de ensino ou instituições congêneres. Bem, desse modo, todos os atuais Hospitais Públicos Federais, Universitários ou não, poderão contratualizar com aebserh. Vejamos o que diz o artigo 17 desta Lei: Os Estados poderão autorizar a criação de empresas públicas de serviços hospitalares. Ah, então, o Governo Federal sinaliza para os Estados que eles devem adotar o mesmo caminho. E, recentemente,o Município do Rio de Janeiro propôs a criação de uma Empresa Municipal de Saúde, passando todas as funções de gestão da Secretaria Municipal de Saúde para esta Empresa. Então, o projeto do Governo é, por intermédio da EBSERH, destruir o SUS como foi originalmente pensado e construído ao longo de mais de vinte anos. A EBSERH gera um efeito dominó para todos os entes federativos, de modo que a Saúde passa a ser pensada, planejada e executada sob a óptica de mercado e sob a lógica empresarial. Como assim? A EBSERH tem conteúdo não de empresa pública, mas sim de sociedade de economia mista, já que a Lei /11 autoriza a criação de filiais e subsidiárias (artigo 1º 1º e 2º) para o desenvolvimento de atividades inerentes ao seu objeto social, assim como diz que a integralização do seu capital social será realizada também pela incorporação de qualquer espécie de bens e direitos suscetíveis de avaliação em dinheiro (artigo 2º parágrafo único), além de falar na obtenção de lucro líquido (artigo 7º parágrafo único). E o que são estes institutos (filiais, subsidiárias, agências)? Filial: refere-se àquele estabelecimento que representa a direção principal; contudo, sem alçada de poder deliberativo e/ou executivo, encontrando-se em dependência mais direta da sede. A filial pratica atos que têm validade no campo jurídico e obrigam a organização como um todo, porque este estabelecimento possui poder de representação ou mandato da matriz. Por esta razão, a filial deve adotar a mesma firma ou denominação do estabelecimento principal. Sucursal: trata-se de uma forma de crescimento ou expansão de uma atividade empresarial, expansão esta que se dá em novas zonas de mercado, sem que se constitua numa entidade jurídica distinta. Trata-se de um órgão subordinado que depende economicamente de outro principal, tendo o seu mesmo objetivo e denominação social, ainda que situada numa região diferente do país ou do mundo. A abertura de uma sucursal visa um aumento de volume de negócios fora da sede da entidade principal, sendo consequência da dispersão de estabelecimentos de uma mesma empresa. As sucursais podem celebrar atos e contratos no âmbito dessa mesma empresa a qual se encontram subordinadas, pois gozam de uma certa independência administrativa para o desenvolvimento das suas atividades quotidianas. Agência:é o estabelecimento comercial localizado fora da sede, e a esta subordinada, com o fim de promover a intermediação de negócios.

11 Portanto, não resta dúvida quanto à intenção governamental de privatizar a Saúde Pública do nosso País. Mas isto é inconstitucional! Não! 7- É possível uma Empresa Pública com personalidade jurídica de direito privado prestar serviços públicos de saúde, sob o manto da nossa Constituição Federal? E fundamentamos nosso entendimento com os ensinamentos do jurista e Professor de Direito Administrativo e de Direito Tributário Prof. Marcelo Alexandrino: Para melhor compreendermos essa questão, importante conhecer o conceito de empresas estatais. Empresas Estatais: são pessoas jurídicas de direito privado pertencentes à Administração Pública Indireta, nas formas de empresas públicas ou sociedades de economia mista, criadas por autorização legislativa, para a exploração de atividades econômicas ou para a prestação de serviços públicos. Todavia, se a hipótese for de criação de uma empresa pública ou sociedade de economia mista prestadora de serviços públicos, seu objeto somente poderá ser um serviço público que tenha natureza econômica em sentido amplo, ou seja, os serviços públicos de que trata o artigo 175 da Constituição da República Federativa do Brasil, de E quais são esses serviços públicos de natureza econômica em sentido amplo? São aquelas atividades empresariais exploradas com finalidade de lucro e os serviços públicos passíveis de ser explorados com intuito de lucro, segundo os princípios da atividade empresarial. São exemplos os serviços de telefonia, de fornecimento de energia elétrica, fornecimento de gás canalizado, de radiodifusão sonora e de sons e imagens, de transportes coletivos. Importante salientar que os serviços de educação e saúde, quando prestados pela Administração Pública Direta ou Indireta, são serviços públicos em sentido estrito, diferindo dos serviços públicos referidos no artigo 175 da Constituição Federal em relevantes aspectos: não há possibilidade de serem explorados pelo Estado com intuito de lucro; e não existe delegação de seu exercício a particulares, de modo que quando tais atividades são exercidas por particulares o são como serviço privado. Então, os chamados serviços sociais de educação e de saúde só podem ser prestados pelo Poder Público sob o manto do regime jurídico público e, portanto, por entidades públicas com personalidade jurídica de direito público. Esta é a correta interpretação do nosso Texto Constitucional. Assim, a execução das atividades relacionadas ao Título VIII da nossa Carta Magna ( Da Ordem Social ), dentre os quais saúde e educação, como serviço público, por entidades da Administração Pública Indireta, é própria das autarquias e fundações públicas de direito público. Então, muito embora as empresas públicas e as sociedades de economia mista sejam categorias distintas de entidades, a verdade é que as diferenças entre elas são unicamente formais, não havendo distinção quanto ao objeto e quanto às possíveis áreas de atuação. É próprio das entidades administrativas com personalidade jurídica de direito privado o regime de pessoal conhecido como emprego público, caracterizado pela existência de um vínculo funcional de natureza contratual entre o agente público e a entidade administrativa, ou seja, a relação jurídica funcional é formalizada em um contrato de trabalho sujeito à legislação trabalhista (CLT), exigindo-se aprovação prévia em concurso público.

12 Todavia, a relação jurídica funcional entre a Administração Pública e o servidor público (estatutário) é formalizada, obrigatoriamente, sob as normas da Lei nº 8.112/90 (Regime Jurídico Único). Então, também sob este prisma a EBSERH é inconstitucional! 8- Objetivamente, o que significa ser a EBSERH uma empresa unipessoal? Significa que a sua constituição acarreta a criação de pessoa jurídica com personalidade jurídica própria no caso, de Direito Privado. Além disso, nesse caso, a União, embora participe como verdadeira empresária (responsável por 100% de integralização do seu capital social) participação esta que se dá através de seus designados e por meio dos instrumentos da tutela administrativa -, não impõe a sua vontade, já que a vontade dominante é externa ou transcendente, quer dizer, essa vontade é manifestada de fora, atuando dentro da pessoa jurídica, como seus órgãos, os administradores designados pelo Estado. Isso porque na empresa pública unipessoal inexiste Assembleia Geral ou órgão da empresa através do qual se manifeste a detentora do capital, dentro da entidade; além do que a EBSERH não está subordinada ao Ministério da Educação, mas tão-somente vinculada a ele. O Conselho de Administração é que detém funções deliberativas. 9-Mas se todo o capital social da EBSERH será integralizado por recursos oriundos exclusivamente (100%) dos cofres da União (artigo 2º da Lei nº /11), então, para que a criação da EBSERH? A resposta é uma só: iniciar um processo de privatização do setor público de saúde do nosso País, de modo a permitir uma desestatização nessa área, sendo isso iniciado a partir da desfiguração dos nossos atuais Hospitais Universitários Públicos Federais. A intenção é economizar no setor público que envolva questões sociais (no caso, área da Saúde Pública) para permitir o crescimento do setor privado empresarial. E esta economia abrange também os salários, benefícios sociais e aposentadorias dos profissionais deste setor, modificando o seu regime trabalhista. Por esta razão, recentemente, o Governo Federal editou aquela Medida Provisória (MP) nº 568/12, que reduzia em 50% os vencimentos dos médicos federais, além de manter congelado por temo indeterminado esses vencimentos. Felizmente, graças à mobilização organizada e determinada desses médicos e de suas entidades de classe, este dispositivo foi retirado desta MP. Portanto, nada justifica a sua criação. Na verdade, a EBSERH é mais um elemento do Programa Nacional de Desestatização iniciado pelo Ministro Bresser Pereira, na década de 1990, cujo objetivo fundamental é reordenar a posição estratégica do Estado na economia, transferindo à iniciativa privada atividades indevidamente exploradas pelo setor público, podendo submeter-se à desestatização os serviços públicos objeto de concessão, permissão ou autorização. Ora, Desestatização significa o Estado afastar-se de suas obrigações e responsabilidades na prestação de determinados serviços públicos no caso, a Saúde e a Educação Públicas. Com isso, em pouco tempo, é possível que o Governo Federal crie a EBSERED Empresa Brasileira de Serviços Educacionais -, nos mesmos moldes da EBSERH. Mas isso é inconstitucional!

13 10- Há ofensa ao Princípio Constitucional da Moralidade Pública com a criação da EBSERH? Sim, com certeza! Acontece que a Lei que autoriza a criação da EBSERH (Lei nº /11), no seu artigo 2º, diz que o seu capital social estará integralmente sob a propriedade da União, sendo realizado com recursos oriundos de dotações consignadas no orçamento da União. Então, por si só, essa lei é contraditória em si mesma. Se o seu orçamento é todo ele oriundo da União, por que a criação da EBSERH? Além do mais, temos o artigo 16 da Lei nº /11, que assim dispõe: A partir da assinatura do contrato entre a EBSERH e a instituição de ensino superior, a EBSERH disporá de prazo de até 1 (um) ano para reativação de leitos e serviços inativos por falta de pessoal. Portanto, existe, neste momento, verba disponível no Tesouro Nacional (cofres públicos) para ser aplicada na reativação e modernização imediatas dos nossos Hospitais Públicos Federais Universitários. Todavia, o Governo Federal vem chantagear toda a comunidade universitária utilizando como moeda de troca para a liberação dessa verba a celebração de contrato com a EBSERH. Ou seja, o Governo Federal confessa ter conhecimento de que os Hospitais Universitários estão dramaticamente desvitalizados, mas se mantém numa passividade criminosa há anos e agora quer impor a EBSERH para salvar esses Hospitais. Um absurdo! Ora, isso fere frontalmente o Princípio Constitucional da Moralidade Pública, previsto no caput do artigo 37 da Constituição Federal, razão pela qual temos que resistir e denunciar esse artifício ardiloso do Poder Executivo contra os interesses dos nossos Hospitais Públicos Federais Universitários e tudo aquilo que ele carrega de valor em si. Mas, afinal de contas, o que é o chamado Princípio Constitucional da Moralidade Pública? Bem, este Princípio é que torna jurídica a exigência de atuação ética dos agentes da Administração Pública, possibilitando a invalidação dos atos administrativos que sejam praticados com sua inobservância. Portanto, a Moralidade Administrativa (Pública) é um requisito de validade do ato administrativo, e não um aspecto atinente ao seu mérito, de modo que um ato contrário à Moral Administrativa não está sujeito a uma análise de oportunidade e conveniência, mas a uma análise de legitimidade; isto é, um ato contrário à Moral Administrativa é nulo, e não meramente inoportuno ou inconveniente. Então, um ato contrário à Moral Administrativa não deve ser revogado, e sim declarado nulo, podendo este controle ser efetuado tanto pela própria Administração Pública quanto pelo Poder Judiciário. Não podemos perder de vista que a Moral Administrativa liga-se à ideia de Probidade e de Boa-Fé. Nesse sentido, interessante observarmos os argumentos da AGU (Advocacia Geral da União), ao defender a criação da EBSERH,sustentando que a EBSERH foi instituída para regularizar os recursos humanos e as relações de trabalho nos hospitais públicos federais universitários, dizendo que, atualmente, os Hospitais Universitários Federais mantêm vínculos considerados irregulares pelos órgãos de controle e fiscalização, e que por meio de concursos públicos a empresa irá recompor a força de trabalho dos Hospitais, permitindo a reativação de leitos desativados em decorrência da falta de profissionais e a ampliação de serviços.

14 Ora, para a regularização das relações de trabalho hoje existentes nos nossos Hospitais Públicos Federais Universitários não é necessária a criação de nenhuma empresa pública, mas tão-somente a autorização e realização de concursos públicos federais para a contratação urgente de servidores públicos estatutários, e tudo com observância dos preceitos constitucionais hoje vigentes e do disposto na Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar nº 101/2000). Ao contrário do que afirma a AGU, a Lei que autoriza a criação da EBSERH (Lei nº /11) traz nos seus artigos 11 e 12 a seguinte proposição: Fica a EBSERH, para fins de sua implantação, autorizada a contratar, mediante processo seletivo simplificado, pessoal técnico e administrativo por tempo determinado, sendo que esses contratos temporários de emprego somente poderão ser celebrados durante os dois anos subsequentes à constituição da EBSERH e, quando destinados ao cumprimento de contrato celebrado com as instituições federais de ensino ou instituições congêneres, nos primeiros 180 (cento e oitenta) dias de vigência dele, de modo que esses contratos temporários de emprego poderão ser prorrogados uma única vez, desde que a soma dos dois períodos não ultrapasse 5 anos. Além disso, a EBSERH poderá celebrar contratos temporários de emprego com fundamento nas alíneas a e b do 2º do artigo 443 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), mediante processo seletivo simplificado, observado o prazo máximo de duração estabelecido no artigo 445 da CLT ( O contrato de trabalho por prazo determinado não Poderá ser estipulado por mais de 2 anos, observada a regra do artigo 451 da CLT ).Artigo 451 da CLT: O contrato de trabalho por prazo determinado que, tácita ou expressamente, for prorrogado mais de uma vez passará a vigorar sem determinação de prazo. Ou seja, em princípio, a EBSERH não vem regularizar nada nas relações trabalhistas com a Administração Pública, mantendo e prolongando a vulnerabilidade jurídica hoje existente, por meio de contratos temporários de trabalho,contrariando o interesse público nessa questão. E isto é inconstitucional, ilegal e imoral. 11- A EBSERH estará submetida ao controle social o SUS (Sistema Único de Saúde)? Não! A EBSERH não se submete a qualquer controle social. E isso está claro no artigo 14 da Lei nº /11, nos seguintes termos: A EBSERH e suas subsidiárias estarão sujeitas à fiscalização dos órgãos de controle interno do Poder Executivo e ao controle externo exercido pelo Congresso Nacional, com o auxílio do Tribunal de Contas da União. Esta é mais uma das inconstitucionalidades e ilegalidades contidas na EBSERH e tudo o que de ruim ela representa. Como assim? Se os serviços de saúde dos hospitais universitários e de ensino integram-se ao SUS, conforme disposto no artigo 45 da Lei Orgânica da Saúde (Lei nº 8.080/90), estes não podem ficar fora de um controle social. Portanto, se com a EBSERH os atuais Hospitais Públicos Federais Universitários deixam de sofrer qualquer fiscalização e controle direto da sociedade, é porque estes hospitais deixam de pertencer à estrutura física, patrimonial e administrativa das Universidades Públicas Federais e passam a ser tão-somente Unidades Hospitalares da EBSERH verdadeiros instrumentos para a realização dos seus negócios empresariais e obtenção do seu lucro líquido -; na prática, não sujeitos aos Princípios Norteadores e Inspiradores do SUS.

15 Dizer que o Conselho Consultivo da EBSERH (órgão interno da própria EBSERH) tem finalidade de controle social fere a nossa inteligência. Esta é mais uma das inúmeras hipocrisias contidas no seu Regimento Interno. Controle socialé aquele exercido diretamente pela sociedade, de fora para dentro, conforme prescrito nos artigos 1º e 2º da Lei nº 8.142/90 (Conferências e Conselho de Saúde). Não existe outro! 12- Qual a composição dos órgãos estatutários da EBSERH? AEBSERH será composta de quatro órgãos estatutários, a saber: 1- Conselho de Administração (composto por nove membros nomeados pelo Ministro da Educação; sendo três deles indicados pelo próprio Ministro da Educação, um deles indicado pelo Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão; dois deles indicados pelo Ministro da Saúde; um representante dos empregados e respectivo suplente; e um membro indicado pela ANDIFES, sendo Reitor de Universidade Federal ou Diretor de Hospital Universitário Federal; e o Presidente da Empresa); 2- Diretoria (composta por um Presidente e até seis diretores nomeados pelo Presidente da República, por indicação do Ministro da Educação); 3- Conselho Fiscal (composto de três membros efetivos e respectivos suplentes, nomeados pelo Ministro da Educação; sendo um deles indicado pelo próprio Ministro da Educação; outro indicado pelo Ministro da Saúde; e outro ainda indicado pelo Ministro da Fazenda como representante do Tesouro Nacional). 4- Conselho Consultivo (composto por oito membros; sendo um deles o Presidente da Empresa; dois representantes do Ministério da Educação; um representante do Ministério da Saúde; um representante dos usuários dos serviços em saúde dos Hospitais Universitários Federais, indicado pelo Conselho Nacional de Saúde; um representante dos residentes em saúde dos Hospitais Universitários Federais; um Reitor ou Diretor de Hospital Universitário, indicado pela ANDIFES; um representante dos trabalhadores dos Hospitais Universitários Federais). Mas é só isso? Claro que não! Ela também tem órgão de auditoria interna, um corpo diretivo com inúmeros cargos (Presidência, Chefia de Gabinete, Coordenadoria Jurídica, Assessoria de Planejamento e Avaliação, Assessoria de Comunicação, Ouvidoria, Diretoria de Gestão de Pessoas, Diretoria de Atenção à Saúde e Gestão de Contratos, Diretoria de Logística e Infraestrutural Hospitalar, Diretoria Administrativa e Financeira, Diretoria de Gestão de Processos e Tecnologia da Informação), Estrutura de Governança composta por um Colegiado Executivo (Superintendente do Hospital, Gerente de Atenção à Saúde, Gerente Administrativo, Gerente de Ensino e Pesquisa quando se tratar de Hospitais Universitários -; sendo que os cargos de Superintendente e de Gerentes serão de livre nomeação), dentre outros tantos cargos para compor toda a estrutura gigantesca dessa Empresa, de dimensão nacional. Haja dinheiro público para bancar tudo isso! Estamos diante, pois, de um enorme cabide de empregos politicamente definido. É preciso empregar os amigos do Rei, por todo o território nacional. É muita gente estranha para definir planos, programas, metas e resultados de um Hospital Público Federal Universitário. É, sem dúvida alguma, uma intervenção federal nos Hospitais de Ensino. Para se ter uma ideia do absurdo desse projeto, consta no Regimento Interno da EBSERH que apenas o superintendente da sua Unidade Hospitalar deverá ser da Universidade; todavia, os gerentes, inclusive os de ensino e de pesquisa não precisarão ser dos quadros da Instituição.

16 Ora, é preciso dizer mais alguma coisa? A quem interessa isso? Certamente que não à comunidade acadêmica e nem à sociedade. Isso é preparar um ambiente para o domínio da iniciativa privada na seara da pesquisa nessas Unidades Hospitalares. Estão dando um ar de legalidade a tudo isso. Mas isso é inconstitucional! E isto se multiplica infinitamente se imaginarmos as filiais, escritórios, sucursais e tantas outras coisas mais por todo este nosso País, sempre incorporando novos personagens, como assessores, coordenadores, gerentes etc. Bem, o Conselho de Administração da EBSERH é o seu órgão de orientação superior, com competência para fixar as orientações gerais das atividades da EBSERH, assim como, dentre outras coisas, deliberar o regulamento de pessoal, incluindo o regime disciplinar e as normas sobre apuração de responsabilidade; deliberar o quadro de pessoal, com a indicação do total de vagas autorizadas; deliberar o plano de salários, benefícios, vantagens e quaisquer outras parcelas que componham a retribuição de seus empregados; propor a destinação de lucros ou resultados; propor sobre a dissolução, cisão, fusão e incorporação que envolva a EBSERH; deliberar sobre alteração do capital e do Estatuto Social da EBSERH; autorizar a contratação de empréstimos no interesse da EBSERH; dirimir questões em que não haja previsão estatutária, aplicando, subsidiariamente, a lei nº 6.404/76 (Lei das S.A.); dentre outras competências. Então, fica claro que, a qualquer tempo, a EBSERH pode ter o seu Estatuto Social alterado, bem como alterado o seu capital social, não havendo qualquer impedimento para que, por lei específica, seja ela transformada em uma Sociedade de Economia Mista, abrindo o seu capital para o mercado. Nesse contexto, importante assinalar o que consta no artigo 12 3º do Estatuto Social da EBSERH: O representante dos empregados não participará das discussões e deliberações sobre assuntos que envolvam relações sindicais, remuneração, benefícios e vantagens, inclusive assistenciais ou de previdência complementar, hipóteses em que fica configurado o conflito de interesses, sendo tais assuntos deliberados em reunião separada e exclusiva para tal fim. Logo, a lei deixa claro que as portas estão fechadas às reivindicações dos trabalhadores. Não há ouvidos para eles. A EBSERH decide e ponto final. 13- Com a adesão à EBSERH, os atuais Hospitais Públicos Federais Universitárioscontinuarão os mesmos? Não! Na prática, a EBSERH desvincula os Hospitais Universitários das Universidades Públicas Federais, ficando sob uma gerência totalmente estranha à Universidade, o que, como afirma o Professor Dalmo Dallari (USP), carece de lógica e razoabilidade jurídica, já que isso fere o Princípio Constitucional da Indissociabilidade entre Ensino, Pesquisa e Extensão. Desse modo, saem do cenário universitário os nossos Hospitais Universitários Públicos Federais e entram em cena no ambiente empresarial as Unidades Hospitalares da EBSERH. Ficando o Hospital Universitário sob a administração da EBSERH, os servidores públicos (estatutários) cedidos para ali atuarem estarão sob o comando administrativo e disciplinar da EBSERH, que determinará o modo de cumprimento das suas jornadas de trabalho (ambulatório, plantão...), férias etc. Assim, qualquer acordo anteriormente feito com a Universidade restará sem validade e sem eficácia.

17 Do mesmo modo, será a EBSERH que irá definir chefias de serviços e de enfermarias, número de consultas ambulatoriais por turno, horários de funcionamento dos ambulatórios no ambiente do Hospital Universitário, dentre tantas outras coisas. poder. Os Professores Universitários, particularmente os da Faculdade de Medicina, perderão espaço e Mais do que isso: em pouco tempo, com as aposentadorias e mortes dos atuais servidores públicos federais (estatutários), só teremos trabalhando nos atuais Hospitais Públicos Federais Universitários (mais tarde, Unidades Hospitalares da EBSERH) os chamados empregados públicos (celetistas), desfigurando e descaracterizando totalmente esta instituição. Isto porque a EBSERH não está subordinada ao Ministério da Educação, mas apenas vinculado a ele. E, como empresa estatal, os seus trabalhadores são regidos para sempre pela CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas), não incidindo sobre eles a Lei 8.112/90. Assim, o empregado público não será trabalhador da Universidade, mas sim da EBSERH. O concurso público que ele vai fazer será para a EBSERH, e não para a Universidade. Então, o vínculo empregatício será com a EBSERH, e não com a Universidade Pública Federal, já que a EBSERH é pessoa jurídica distinta da Universidade e com ela não se confunde. A EBSERH é empresa pública com personalidade jurídica de direito privado e a Universidade Federal é autarquia com personalidade jurídica de direito público. Portanto, os Hospitais Universitários não serão mais os mesmos, pois perderão a sua essência de caráter universitário (de escola) e ganharão uma essência de caráter empresarial. Assim, só serão universitários no nome, mas não na sua atividade. Assim, se for celebrado o contrato com a EBSERH, na verdade, a Universidade estará abrindo mão, de modo definitivo,do seu Hospital Escola, considerando que ele não é importante para a formação acadêmica na área da Saúde. Esta é a interpretação juridicamente correta do artigo 7º da Lei nº 12550/11:... os servidores titulares de cargo efetivo em exercício na instituição federal de ensino ou instituição congênere que exerçam atividades relacionadas ao objeto da EBSERH poderão ser a ela cedidos para a realização de atividades de assistência à saúde e administrativas. Tudo isso, e muito mais, configurando lesão ao Princípio da Autonomia Universitária e também ao Princípio da Isonomia, ambos de índole constitucional. Ora, os Hospitais Públicos Federais Universitários não podem estar sujeitos a um regime de trabalho que não se submeta às regras do regime jurídico único; ou seja, não podem existir e funcionar sob as rédeas de uma entidade com personalidade jurídica de direito privado. Isto porque os nossos Hospitais Públicos Federais Universitários devem ser considerados verdadeiras cláusulas pétreas de nossas Universidades Públicas Federais e, portanto, intocáveis e indissociáveis da sua vinculação direta e absoluta à estas. E qual o verdadeiro significado dessa desvinculação? Significa que todos os concursados (engenheiros, arquitetos, advogados, sociólogos, economistas, administradores etc) das Universidades Públicas continuarão sendo servidores públicos, exceto os concursados para os atuais Hospitais Universitários Federais, que serão todos empregados públicos. Então, por exemplo, os nossos filhos e netos, ou os atuais estudantes da área da Saúdeque venham a ser médicos, enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, técnicos de enfermagem, técnicos de laboratório, terapeutas ocupacionais, técnicos de gasoterapia e tantas outras especialidades na área da saúde, se quiserem trabalhar num Hospital Público Federal Universitário, só

18 poderão fazê-lo sob o regime de trabalho celetista, sem estabilidade e sem aposentadoria integral e paritária, e com vínculo empregatício com a EBSERH, e nunca mais com as Universidades públicas Federais. Portanto, trabalharão para uma Unidade Hospitalar da EBSERH, e não para um Hospital Universitário. Assim, a partir de um determinado momento, todos os concursados das Universidades Públicas Federais, de todas as suas Unidades,continuarão com a garantia da estabilidade e da aposentadoria integral e paritária, exceto os pobres coitados dos concursados que estiverem trabalhando nos atuais Hospitais Universitários das respectivas Universidades, pois esses trabalharão sem a garantia da estabilidade e irão se aposentar recebendo não a integralidade e paridade dos seus vencimentos, mas tãosomente o teto da aposentadoria do INSS. Na verdade, não estarão trabalhando num Hospital Universitário, mas sim numa simples Unidade Hospitalar da EBSERH. Isso porque a EBSERH não está subordinada ao Ministério da Educação, mas apenas vinculado a ele. E, como empresa estatal, os seus trabalhadores são regidos para sempre pela CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas), não incidindo sobre eles a Lei 8.112/90. Tudo isso, e muito mais, configurando lesão ao Princípio da Autonomia Universitária e também ao Princípio da Isonomia, ambos de índole constitucional. 14- Qual o tipo de contrato que a EBSERH propõe firmar com as Universidades Públicas Federais? Trata-se de um contrato de adesão, onde um dos pactuantes (no caso, a EBSERH) predetermina (ou seja, impõe) as cláusulas do negócio jurídico, eliminando a possibilidade de qualquer discussão da proposta, devendo a Parte que não participou da sua elaboração (no caso, a Universidade Pública Federal) aceitá-lo em bloco ou rejeitá-lo. Constitui instrumento próprio da prestação de serviços privados de utilidade pública, tais como o de telefonia móvel. Quais são as características principais desse tipo de contrato? Uniformidade: o objetivo do estipulante (EBSERH) é obter, do maior número possível de contratantes, o mesmo conteúdo contratual, para uma racionalidade de sua atividade e segurança das relações estabelecidas. Predeterminação Unilateral:a fixação das cláusulas é feita anteriormente a qualquer discussão sobre o contrato, sendo imprescindível que as cláusulas uniformes sejam impostas por somente uma das Partes (no caso, pela EBSERH). Rigidez:não é possível rediscutir as cláusulas do contrato de adesão. Posição de Vantagem (superioridade material) de uma das Partes:assim, a vontade daquele que elabora o contrato (EBSERH) prevalece (sempre) sobre a dos aderentes (Universidades Públicas Federais), ainda que mais forte economicamente. Portanto, o contrato de adesão traz em si uma característica limitadora da liberdade contratual. Desse modo, os contratos de adesão constituem uma oposição à ideia de contrato paritário, por inexistir a liberdade de convenção (acordo), visto que excluem a possibilidade de qualquer debate e transigência entre as Partes, uma vez que um dos contratantes (no caso, a Universidade Pública Federal) se limita a aceitar as cláusulas e condições previamente redigidas e impressas pelo outro (no caso, a EBSERH),

19 aderindo a uma situação contratual já definida em todos os seus termos (Artigo 54 1º ao 4º da Lei nº 8.078/90). Assim, esses contratos ficam ao arbítrio exclusivo de uma das Partes o policitante (EBSERH) -, pois o oblato (Universidade Pública Federal) não pode discutir ou modificar o teor do contrato ou as suas cláusulas. Como exemplos de contratos de adesão, temos os contratos de seguro e os contratos de telefonia fixa ou celular. Então, no contrato de adesão não há alternativa para o outro contratante (no caso, a Universidade Pública Federal): é pegar ou largar. E quem será o responsável por definir as cláusulas desse contrato? A resposta nós encontramos nos instrumentos legais que regem a própria EBSERH, nestes termos: Artigo 44 3º do Regimento Interno da EBSERH: O contrato será proposto pela Diretoria Executiva e aprovado pelo Conselho de Administração. Artigo 15 do Estatuto Social da EBSERH (Lei nº 7.661/11): A EBSERH será administrada por uma Diretoria Executiva composta pelo Presidente e até seis Diretores, todos nomeados pelo Presidente da República, por indicação do Ministro de Estado de Educação. Mas há uma armadilha nessa questão neste procedimento - (para não dizer má-fé): inicialmente, a Universidade Pública Federal formaliza, por meio de um ofício do Reitor dirigido ao Presidente da EBSERH, a decisão (e não a intenção) de aderir à empresa. Essa decisão é de caráter irrevogável; quer dizer, toma-se essa decisão sem ter conhecimento prévio dos termos e cláusulas contratual, nos seguintes termos: Artigo 44 do Regimento Interno da EBSERH: As instituições federais de ensino ou instituições congêneres (por exemplo, os Hospitais Públicos Federais não universitários) aderirão à EBSERH por meio de Termo de Adesão e Contrato. 1º: O Termo de Adesão é o instrumento pelo qual a instituição federal de ensino ou instituição congênere assume o compromisso de adesão ao projeto da EBSERH e lhe concede plenos poderes para a realização de diagnóstico situacional do hospital, que precederá o estabelecimento do contrato. Desse modo, a assinatura do Termo de Adesão é obrigatoriamente anterior ao conhecimento dos Termos do Contrato; quer dizer, assinar o Termo de Adesão significa entregar os nossos Hospitais Públicos Federais Universitários para uma empresa pública com personalidade jurídica de direito privado para ela fazer o que quiser com esses Hospitais, e sem a possibilidade de voltar atrás quanto a essa decisão. Além disso, a assinatura do Termo de Adesão concede à EBSERH plenos poderes para a realização do diagnóstico situacional do Hospital.Ou seja, o Governo Federal está colocando para as nossas Universidades Públicas Federais, e para a sociedade, que elas (as Universidades) não dispõem de pessoal qualificado para a realização desse diagnóstico e que esse diagnóstico é desconhecido delas. Portanto, assinar esse Termo de Adesão é reconhecer publicamente que aquela determinada Universidade Pública Federal é incompetente para se autoconhecer e se autogerenciar, estando absolutamente alienada em relação aos seus problemas e às soluções deles. E isso quem vai afirmar será o seu respectivo Reitor. Então, a assinatura do contrato com a EBSERH só acontecerá após vencida a fase de realização do diagnóstico situacional da instituição; todavia, a assinatura prévia do Termo de Adesão cria para a Universidade a obrigatoriedade de assinar o Contrato. Portanto, já tendo decidido pela adesão (Termo de Adesão), ainda que venha a discordar dos termos e cláusulas do contrato - só posteriormente conhecidos pela Universidade -, esta não poderá recusar-se à sua assinatura. Desse modo, como podem os Conselhos Universitários aprovar e deliberar pela adesão à EBSERH, se eles desconhecem o conteúdo do Contrato? Isso é de uma irresponsabilidade e inconsequência

20 absolutamente condenáveis sob todos os aspectos. Não podemos admitir esse tipo de conduta. Com certeza, cabe Mandado de Segurança contra essa decisão. Acontece que, dependendo do Reitor, é possível até que um ou outro Reitor esteja alheio a tudo isso; afinal de contas, existem reitores e Reitores. Mas, com certeza, se ele (o reitor) não sabe, nós os servidores públicos federais que atuamos nesses Hospitais Públicos Federais -, com certeza, sabemos o seu diagnóstico, conhecemos as suas causas e temos as soluções; e não nos furtamos ao desafio. Assim, não precisamos que ninguém de fora da Universidade venha dizer e determinar o que podemos ou não podemos fazer aqui, definir o nosso diagnóstico e impor as nossas soluções.isso fere a Autonomia Universitária. Se alguma Universidade Pública Federal é dirigida, no momento, por um reitor que desconhece os problemas do seu respectivo Hospital Universitário, cabe, com certeza, uma proposição de impeachment feita imediatamente pelo seu Conselho Universitário. Então, até por isso a autonomia universitária fica frontalmente comprometida e mitigada. Mas as armadilhas não cessam aí. Há mais. O artigo 44 2º do Regimento Interno da EBSERH assim dispõe: O contrato conterá, entre outras: I- as obrigações dos signatários; II- as metas de desempenho, indicadores e prazos de execução; III- a respectiva sistemática de acompanhamento e avaliação, contendo critérios e parâmetros a serem aplicados; IV- a previsão de que a avaliação de resultados obtidos, no cumprimento de metas de desempenho e observância de prazos pelas Unidades da EBSERH, será usada para o aprimoramento de pessoal e melhorias estratégicas na atuação perante a população e as instituições federais de ensino ou instituições congêneres, visando ao melhor aproveitamento dos recursos destinados à EBSERH; V- mecanismos de controle social. Bem, quanto ao controle social da EBSERH, este está mais do que provado e reconhecido que não existirá, por impossibilidade imposta pela própria Lei nº /11 (artigo 14). A própria EBSERH denomina os atuais Hospitais Públicos Federais Universitários de Unidades da EBSERH, uma vez feita a adesão. Não se fala em cláusulas definidoras das causas, modos e condições de rescisão contratual. Então, este é o momento de fazermos a leitura do artigo 1º da Lei nº /11: Fica o Poder Executivo autorizado a criar empresa pública unipessoal,... denominada Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), com personalidade jurídica de direito privado e patrimônio próprio, vinculada ao Ministério da Educação, com prazo de duração indeterminado. Portanto, a Lei nº /11 prevê que o contrato a ser firmado com a EBSERH é por tempo indeterminado ( o céu é o limite ), pois não existe cláusula de revisão ou rescisão contratual, de modo que esse contrato só termina se o Congresso Nacional aprovar uma Lei que promova a extinção da EBSERH. Então, de forma definitiva (para sempre), A EBSERH quebra a Autonomia Universitária, retirando das Universidades Públicas (Autarquias Públicas Federais Pessoas Jurídicas de Direito Público) os seus quarenta e seis Hospitais Universitários e transformando-os em Unidades Hospitalares de uma Empresa Pública Pessoa Jurídica de Direito Privado com sede em Brasília, com a possibilidade de criação de subsidiárias e filiais (institutos jurídicos próprios das Sociedades de Economia Mista) Subsidiária Norte, Subsidiária Sul etc -, cuja real finalidade é a obtenção de lucro líquido através da realização do seu objeto social (basicamente, a prestação de serviços hospitalares), inaugurando a dupla entrada nesses Hospitais (pacientes do SUS com Plano de Saúde e pacientes do SUS sem Plano de Saúde),passando a ter autoridade disciplinar e administrativa sobre todos os atuais funcionários (servidores públicos estatutários) desses Hospitais, que deixam (para sempre) de estar subordinados às diretrizes administrativas e disciplinares das Universidades Públicas.

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES (EBSERH)

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES (EBSERH) PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES (EBSERH) DEFINIÇÃO Pergunta: O que é a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares? Resposta: A Empresa Brasileira de Serviços

Leia mais

O Prefeito Municipal de Cuiabá-MT: Faço saber que a Câmara Municipal de Cuiabá-MT aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

O Prefeito Municipal de Cuiabá-MT: Faço saber que a Câmara Municipal de Cuiabá-MT aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: ^ PREFEITURA DE PROJETO DE LEI N DE DE DE 2013. AUTORIZA O PODER EXECUTIVO A CRIAR A EMPRESA PÚBLICA DENOMINADA EMPRESA CUIABANA DE SAÚDE. O Prefeito Municipal de Cuiabá-MT: Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. Autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.749-C DE 2011

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.749-C DE 2011 REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.749-C DE 2011 Autoriza o Poder Executivo a criar a empresa pública denominada Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH; acrescenta dispositivos ao Decreto-Lei

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Administração Pública Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 A seguir veremos: Novas Modalidades de Administração no Brasil; Organização da Administração Pública; Desafios da Administração Pública.

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

AULA DEMONSTRATIVA. Concurso: Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares. Cargo: Todos os Cargos. Matéria: Legislação Aplicada à EBSERH

AULA DEMONSTRATIVA. Concurso: Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares. Cargo: Todos os Cargos. Matéria: Legislação Aplicada à EBSERH AULA DEMONSTRATIVA 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS... 2 2. :... 2 3. NATUREZA JURÍDICA DA EBSERH E SUAS CARACTERÍSTICAS... 3 4. CONTRATAÇÃO DA EBSERH... 7 5. DAS COMPETÊNCIAS DA EBSERH (ART. 4º DA LEI)... 10

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL O Regime Próprio de Previdência Social RPPS, de caráter contributivo, é o regime assegurado

Leia mais

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Por Agnaldo dos Santos* Publicado em: 05/01/2009 Longe de esgotar o assunto, o artigo Privatização, Terceirização e

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 - Administraça o Indireta Administração Indireta: Autarquias* Fundações Empresas Públicas Sociedade de Economia Mista *Dentro do conceito de autarquias: Consórcios públicos, associações públicas, agências

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos

Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos Tomáz de Aquino Resende Promotor de Justiça. Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Tutela de Fundações de Minas Gerais.

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO 1 INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO CAPITULO I - DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DO PRAZO Art. 2º Para a consecução dos seus

Leia mais

A EBSERH e os Recursos Humanos

A EBSERH e os Recursos Humanos Informativo do Hospital das Clínicas da UFMG - Janeiro de 2013 ano XVIII n 288 Boletim do HC Foto: Arquivo Assessoria de Comunicação do HC/UFMG A EBSERH e os Recursos Humanos Esclareça as suas dúvidas

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO Aula 01 Servidores PúblicosP Profº.. Francisco De Poli de Oliveira 1. INTRODUÇÃO Trata o nosso estudo sobre os servidores públicos, quando abordaremos os elementos introdutórios

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, que dispõe sobre a organização da Presidência da República e dos Ministérios; autoriza a prorrogação de contratos temporários firmados com fundamento no art.

Leia mais

Plano de Benefícios EBSERH

Plano de Benefícios EBSERH Plano de Benefícios EBSERH BRASÍLIA, JANEIRO DE 2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES EBSERH Setor Comercial Sul - SCS, Quadra 09, Lote C Ed. Parque Cidade Corporate,

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

As Organizações Sociais e a Terceirização da Gestão e dos Serviços Públicos:

As Organizações Sociais e a Terceirização da Gestão e dos Serviços Públicos: As Organizações Sociais e a Terceirização da Gestão e dos Serviços Públicos: Inconstitucionalidade e afronta aos Direitos Sociais Maria Valéria Costa Correia Profa. Drª da Faculdade de Serviço Social/UFAL

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE Atualizado em 12/11/2015 CLASSIFICAÇÕES E SISTEMAS DE CONTROLE CLASSIFICAÇÕES DO CONTROLE Quanto ao posicionamento do órgão controlador: Externo: exercido por um ente que

Leia mais

Características das Autarquias

Características das Autarquias ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Almir Morgado Administração Indireta: As entidades Administrativas. Autarquias Define-se autarquia como o serviço autônomo criado por lei específica, com personalidade d

Leia mais

I - noventa por cento dos recursos financeiros às Fundações Educacionais de Ensino Superior, instituídas por lei municipal, sendo:

I - noventa por cento dos recursos financeiros às Fundações Educacionais de Ensino Superior, instituídas por lei municipal, sendo: ARTIGO 170 DA CONSTITUIÇÃO ESTADUAL/SC TEXTO DO PROJETO DE LEI RESULTANTE DE ACORDO ENTRE REPRESENTANTES DOS ESTUDANTES, DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA E DA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E INOVAÇÃO, VISANDO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 281, de 20 de janeiro de 2005. (DOE de 20.1.2005)

LEI COMPLEMENTAR Nº 281, de 20 de janeiro de 2005. (DOE de 20.1.2005) LEI COMPLEMENTAR Nº 281, de 20 de janeiro de 2005. (DOE de 20.1.2005) Regulamenta o art. 170, os arts. 46 a 49 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, da Constituição Estadual e estabelece

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Altera dispositivos da Lei Complementar Estadual n.º 308, de 25 de outubro de 2005, e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO

Leia mais

Legislação Aplicada à EBSERH

Legislação Aplicada à EBSERH Legislação Aplicada à EBSERH AULA 1 Profa. Cardoso e Prof. Wellington Silva P r o f a. C a r d o s o e P r o f. W e l l i n g t o n S i l v a P á g i n a 2 LEGISLAÇÃO APLICADA À EBSERH APRESENTAÇÃO DO

Leia mais

O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas. Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br

O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas. Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br ORGANIZAÇÃO SOCIAL Modelo: Pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº PROJETO DE LEI Nº Modifica a LC 30/93 e adota outras providências. Autoria: Poder Executivo A Assembléia Legislativa do Estado do Mato Grosso aprova e o Governador do Estado sanciona a seguinte Lei Complementar:

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

Companheiros e companheiras,

Companheiros e companheiras, Companheiros e companheiras, Utilizada sob o falso argumento de modernizar as relações de trabalho e garantir a especialização no serviço, a terceirização representa na realidade uma forma de reduzir o

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Olá, pessoal! Trago hoje uma pequena aula sobre a prestação de serviços públicos, abordando diversos aspectos que podem ser cobrados sobre o assunto. Espero que gostem. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS O

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 6.708, DE 2009. Acrescenta Capítulo III-A ao Título V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

INGRESSO NO SERVIÇO PÚBLICO E SEU AMPARO LEGAL

INGRESSO NO SERVIÇO PÚBLICO E SEU AMPARO LEGAL INGRESSO NO SERVIÇO PÚBLICO E SEU AMPARO LEGAL ESTUDO DIRIGIDO: Quais as modalidades de ingresso mais comuns na sua instituição? Vocês observam diferenças entre os tipos de ingresso em relação à satisfação

Leia mais

Consórcio Público. Administração Indireta

Consórcio Público. Administração Indireta Ordem Social Ordem Econômica Administração Direta Autarquia Fundação Publica Fundação Publica Empresa Pública Sociedade Economia Mista Subsidiária Consórcio Público Administração Indireta 1 Consórcio público

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções.

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. TERCEIRIZAÇÃO Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. INTRODUÇÃO Para que haja uma perfeita compreensão sobre

Leia mais

LEI Nº 3.848, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960

LEI Nº 3.848, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960 LEI Nº 3.848, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1960 Cria a Universidade do Estado do Rio de Janeiro, e dá outras providências. O Presidente da República, Faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE)

Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE) Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE) [Segunda versão, 11.08.2009, a partir de construção evolutiva trabalhada com a Comissão de Autonomia da Andifes, sujeita à apreciação do

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO

ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO ROTEIRO DE ESTUDOS DIREITO DO TRABALHO TERCEIRIZAÇÃO Estudamos até o momento os casos em que há vínculo empregatício (relação bilateral, nas figuras de empregado e empregador) e, também, casos em que existe

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

Administração Direta. Empresas Estatais

Administração Direta. Empresas Estatais Ordem Social Ordem Econômica Administração Indireta Administração Direta Autarquia Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Consórcio Público

Leia mais

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores,

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores, Carta 035/ 2015 Brasília, 12 de maio de 2015 Carta Aberta da Undime às Senadoras e aos Senadores integrantes da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal referente ao PLS 532/ 2009

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005. (Do Sr. GERALDO RESENDE) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2005. (Do Sr. GERALDO RESENDE) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2005 (Do Sr. GERALDO RESENDE) Autoriza o Poder Executivo a instituir a Fundação Universidade Federal do Pantanal, por desmembramento da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO

MAGNO ANTÔNIO CORREIA DE MELLO ALTERAÇÕES NORMATIVAS DECORRENTES DE REFORMAS PREVIDENCIÁRIAS IMPLEMENTADAS OU PROPOSTAS, CLASSIFICADAS POR ASSUNTO, A PARTIR DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 20/98 - QUADRO COMPARATIVO - MAGNO ANTÔNIO CORREIA

Leia mais

1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais?

1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais? Atividades Paralelas 1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais? Sim. Nos limites da lei e desde que observadas as restrições

Leia mais

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL REGULAMENTO DE COMPRAS A AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL ADES, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede na Av. Dom Luís, 685, sala 101 Bairro Meireles CEP 60.160-230

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações

Senado Federal Subsecretaria de Informações Senado Federal Subsecretaria de Informações Data 19/12/2003 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41 Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do 3º do art. 142 da

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal)

PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal) PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal) ATIVIDADES PARALELAS 1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA PARECER Nº, DE 2015 1 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 218, de 2011, do Senador EUNÍCIO OLIVEIRA, que dispõe sobre o empregador arcar com os

Leia mais

O Princípio da Eficiência na Administração Pública

O Princípio da Eficiência na Administração Pública O Princípio da Eficiência na Administração Pública Cristiane Fortes Nunes Martins 1 1. Introdução A Administração Pública é regida por princípios que se encontram discriminados na Constituição Federal

Leia mais

Terceirização. A precarização das relações trabalhistas No Brasil

Terceirização. A precarização das relações trabalhistas No Brasil Terceirização A precarização das relações trabalhistas No Brasil RELAÇÃO DE EMPREGO (ARTIGO 3º DA CLT) Pessoalidade Subordinação Trabalho não eventual remuneração O QUE É TERCEIRIZAÇÃO? É uma prática administrativa

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL

MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL O QUE MUDA COM O NOVO MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL LEI N. 13.019/2014 REALIZAÇÃO INSTITUTO ATUAÇÃO ELABORAÇÃO Porf. Dr. FERNANDO BORGES MÂNICA DISTRIBUIÇÃO INSTITUTO GRPCom O QUE

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito administrativo

Maratona Fiscal ISS Direito administrativo Maratona Fiscal ISS Direito administrativo 1. É adequada a invocação do poder de polícia para justificar que um agente administrativo (A) prenda em flagrante um criminoso. (B) aplique uma sanção disciplinar

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. Dispõe sobre a organização sindical no setor público, afastamento de dirigentes sindicais, negociação coletiva, aplicação do direito de greve e sobre o custeio da organização

Leia mais

PROJETO DE LEI. I - zelar pela dignidade, independência, prerrogativas e valorização do jornalista;

PROJETO DE LEI. I - zelar pela dignidade, independência, prerrogativas e valorização do jornalista; PROJETO DE LEI Cria o Conselho Federal de Jornalismo e os Conselhos Regionais de Jornalismo, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Ficam criados o Conselho Federal de Jornalismo

Leia mais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO...

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO... FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO ÍNDICE CAPÍTULO I - DO OBJETO...2 CAPÍTULO II - DA INSCRIÇÃO...3 CAPÍTULO III - DOS

Leia mais

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA I. Intróito Na qualidade de Professor de Servidor Público da UESB e de advogado da ADUSB, nos fora solicitado pela Diretoria desta entidade sindical

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 11ª Reunião da Câmara Técnica de Unidades de Conservação e 36ª Câmara Técnica de Assuntos Jurídicos Data: 27 e 28 de agosto

Leia mais

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA, cuja instituição foi autorizada pela Lei Complementar nº

Leia mais

LEI Nº 599/2011. Artigo 1 - As consignação Pública direta e indireta do Município de Novo São Joaquim são disciplinadas por esta Lei.

LEI Nº 599/2011. Artigo 1 - As consignação Pública direta e indireta do Município de Novo São Joaquim são disciplinadas por esta Lei. LEI Nº 599/2011 DISPÕE SOBRE AS CONSIGNAÇÕES EM FOLHA DE PAGAMENTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEONARDO FARIAS ZAMPA, Prefeito Municipal de Novo São Joaquim MT faz saber

Leia mais

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006 Governo do Estado Institui o Programa de Ação Cultural - PAC, e dá providências correlatas. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS 1. LEGISLAÇÃO - Fundamentação Constitucional: Art. 241 da CF/88 - Fundamentação Legal: Art. 116 da Lei 8.666/93, 2. CONCEITO - CONVÊNIO - é o acordo firmado por entidades políticas

Leia mais

PROVA DE LEGISLAÇÃO Apenas as alternativas II e III são garantias contratuais admitidas para contratos com a Administração Pública.

PROVA DE LEGISLAÇÃO Apenas as alternativas II e III são garantias contratuais admitidas para contratos com a Administração Pública. PROVA DE LEGISLAÇÃO 1 São admitidas como garantias contratuais para as contratações de obras, serviços e compras efetuados pela Administração Pública: I Hipoteca de imóveis. II Seguro-garantia. III Fiança

Leia mais

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1 Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Administração Pública que apareceram com mais frequência nas últimas provas. AULA 1 Estado, origens e funções Teoria Burocrática

Leia mais

NOTA TÉCNICA JURÍDICA

NOTA TÉCNICA JURÍDICA 1 NOTA TÉCNICA JURÍDICA Obrigatoriedade de dispensa motivada. Decisão STF RE 589998 Repercussão geral. Aplicação para as sociedades de economia mista e empresas Públicas. Caso do BANCO DO BRASIL e CAIXA

Leia mais

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ É bom saber... LEI Nº 12.618, DE 30 DE ABRIL DE 2012. Institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais titulares de

Leia mais

PARECER ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS

PARECER ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS RELATÓRIO PARECER ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS Considerando a multiplicação de solicitações encaminhadas à Comissão de Fiscalização COFI do CRESS 17ª Região a respeito de acumulação de cargos públicos,

Leia mais

Terceirização: o que é? terceirização

Terceirização: o que é? terceirização Terceirização: o que é? A terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas por trabalhadores diretamente contratados por ela, e as transfere para outra

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015.

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MORMAÇO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1102/2011

PROJETO DE LEI Nº 1102/2011 PROJETO DE LEI Nº 1102/2011 EMENTA: ALTERA A LEI Nº 5981/2011, QUE DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DAS ONG S, OSCIP S E DEMAIS ENTIDADES QUE RECEBAM RECURSOS PÚBLICOS NO ESTADO DO RIO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 281, de 20 de janeiro de 2005

LEI COMPLEMENTAR Nº 281, de 20 de janeiro de 2005 LEI COMPLEMENTAR Nº 281, de 20 de janeiro de 2005 Procedência Governamental Natureza PLC 22/04 PCL 33/04 DO. 17.562 de 20/01/05 * Alterada pela LC 296/05 * Revogada parcialmente pela LC 296/05 Fonte ALESC/Div.

Leia mais

Tribunal Regional do Trabalho 15.ª Região (Campinas/SP) Direito Previdenciário (AJAJ e OJAF)

Tribunal Regional do Trabalho 15.ª Região (Campinas/SP) Direito Previdenciário (AJAJ e OJAF) Tribunal Regional do Trabalho 15.ª Região (Campinas/SP) Direito Previdenciário (AJAJ e OJAF) XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-15/FCC/2013): 57. Quanto à relação entre empresas estatais e as

Leia mais

Parágrafo único. Aplica-se aos titulares dos órgãos referidos no caput deste artigo o disposto no art. 2º, 2º, desta Lei Complementar.

Parágrafo único. Aplica-se aos titulares dos órgãos referidos no caput deste artigo o disposto no art. 2º, 2º, desta Lei Complementar. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 518, DE 26 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a organização e o funcionamento da Assessoria Jurídica Estadual, estrutura a Carreira e o Grupo Ocupacional dos titulares

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ, FAÇO saber que o Poder Legislativo decreta

Leia mais

PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA. 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta

PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA. 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta 1 DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta O Estado, enquanto

Leia mais

Capítulo I Das Organizações Sociais. Seção I Da Qualificação

Capítulo I Das Organizações Sociais. Seção I Da Qualificação Lei n.º 9.637, de 15 de maio de 1998 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, a criação do Programa Nacional de Publicização, a extinção dos órgãos e entidades que menciona e

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores.

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 01 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Estado Gerencial brasileiro.introdução1

Leia mais

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração.

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. Art. 1º - A Fundação de Ensino Superior de Passos, sucessora da Fundação Faculdade de Filosofia

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011.

Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011. Nota Técnica n 01/2011 Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011. Obrigatoriedade. 1. No dia 03.05.2011 o

Leia mais

DENOMINAÇÃO NATUREZA SEDE OBJETO DURAÇÃO

DENOMINAÇÃO NATUREZA SEDE OBJETO DURAÇÃO DENOMINAÇÃO NATUREZA SEDE OBJETO DURAÇÃO A Caixa de Assistência dos Trabalhadores e Servidores Públicos do Estado do Espírito Santo é pessoa jurídica de direito privado, constituída em Assembleia Geral

Leia mais