CONSELHO CURADOR. PRESIDENTE Sra. Celita Procopio de Carvalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSELHO CURADOR. PRESIDENTE Sra. Celita Procopio de Carvalho"

Transcrição

1 1

2 2 CONSELHO CURADOR PRESIDENTE Sra. Celita Procopio de Carvalho INTEGRANTES Sra. Ana Maria Giaccaglini Morato Dr. Benjamin Augusto Baracchini Bueno Dr. Octávio Plínio Botelho do Amaral Dr. José Antonio de Seixas Pereira Neto Sra. Maria Christina Farah Nassif Fioravanti DIRETORIA EXECUTIVA Diretor Presidente Dr. Antonio Bias Bueno Guillon Diretor Tesoureiro Dr. Américo Fialdini Jr. Diretor Cultural Prof. Victor Mirshawka ASSESSORES DA DIRETORIA Área Administrativa e Financeira Dr. Sérgio Roberto de Figueiredo Santos e Marchese Área Acadêmica Prof. Raul Edison Martinez

3 3 EDITORIAL 4 SEÇÃO: ARTIGOS TÉCNICOS 5 ANÁLISE EXPERIMENTAL... 5 de ligações entre vigas e pilares pré-fabricados de concreto armado MAFPID EM CONTROLADORES PROGRAMÁVEIS 15 Desenvolvimento e aplicação da metodologia de análise da instrução proporcional,integral e derivativa MAFPID em controladores lógicos programáveis SENSOR DE ORIENTAÇÃO 23 DesenvolvImento de um sensor de orientação angular inercial de baixo custo aplicado ao controle de uma cadeira de rodas elétrica CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA 33 Uma experiência de capacitação tecnológica dos profissionais do processo de desenvolvimento de produtos LIOFILIZAÇÃO 40 Liofillização - ciência ou arte? SEÇÃO: ARTIGOS TÉCNICOS ACADÊMICOS 46 APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL 46 Aproveitamento sustentável de resíduos do setor madeireiro para geração de energia elétrica em pequena escala SEÇÃO INFORMATIVOS 57 LABORATÓRIO DE TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO 57 EQUIPAMENTOS DE ÚLTIMA GERAÇÃO: 60 Laboratório de mecânica dos solos LABORATÓRIOS DE ENGENHARIA ELÉTRICA 62 CRIATIVIDADE, TECNOLOGIA E EXPERIMENTAÇÃO: 64 Laboratório de protótipos ENGENHARIA QUÍMICA FAAP 67 COLAÇÃO DE GRAU - FORMANDOS ERRATA 74 Revista Engenharia FAAP é uma publicação semestral da FEFAAP (Faculdade de Engenharia da Fundação Armando Alvares Penteado).

4 4 Editorial Destacam-se, inicialmente, as congratulações recebidas pelas Instituições de Ensino para as quais a Revista foi enviada. Infere-se, daí, a real extensão sócio-acadêmica alcançada pela Revista Engenharia e o seu real cumprimento de divulgar a produção científica e acadêmica. Houve, também, o reconhecimento de toda comunidade FAAP quanto ao valor e prestígio da Revista e o grande número de colegas interessados em publicar seus artigos. A Faculdade de Engenharia vem implementando melhorias contínuas e reestruturando seus cursos. A partir de 2002, foi implantado o projeto pedagógico, que propõe mudanças em seus cursos, objetivando maior flexibilidade e, por conseguinte, constante aperfeiçoamento, cumprindo assim, a missão de formar e capacitar o estudante para ser um agente ativo e produtivo na sociedade civil e técnica profissional. A seguir, um painel explicativo da nova forma de cada curso, no qual muitas das ações também já estão citadas na seção Informativos. A reformulação do primeiro ano conta, além de Criatividade, com as disciplinas humanísticas, a saber: Tópicos de Humanidades e Metodologia Científica, Introdução à Engenharia e Comunicação e Expressão. O Curso de Engenharia Civil foi reestruturado para atender a novos desafios e exigências do mercado. Houve, portanto, a inserção das disciplinas: Gerenciamento na Construção Civil; Gestão Financeira e Técnicas; e Equipamentos de Construção Civil. Além da própria reformulação curricular, a coordenadoria deste curso está empenhada na constante melhoria dos laboratórios e já foram realizadas aquisições de equipamentos de alta tecnologia. O Curso de Engenharia Elétrica, dentro do novo projeto pedagógico e do novo currículo do curso, tem como foco três macro-áreas, de vital importância no setor elétrico brasileiro e internacional. São elas: Automação, Energia e Telecomunicações. A reestruturação e modernização dos Laboratórios de TELECOM e de Sistemas Digitais, Laboratório de Eletrônica e de Gestão de Energia, Laboratório Flexível de Automação já são reais e, está em andamento o estudo para implantação de um laboratório na área de edifícios inteligentes. O Curso de Engenharia Mecânica, em 2003, teve concluída a implantação da nova estrutura curricular com dez novas disciplinas, com especial ênfase na área de Produção. O curso tem como linha mestra unir três conceitos básicos em busca da excelência na formação de seus alunos: ênfase na base conceitual e teórica, aplicação dos conceitos técnico-teóricos em disciplinas de formação profissional e uma visão integrada do processo produtivo e da gestão empresarial, fatos comprovados pelos projetos: Veículo de Operação Remota VOR 1 e ROBIX. O Curso de Engenharia Química tem como diretriz a atuação do formado no vasto e importante campo da Engenharia Química, contribuindo, assim, para o desenvolvimento sustentável do País e para a melhoria das condições de vida, de segurança e de conforto da população. Um engenheiro que, desde os bancos escolares, esteja habituado a pensar criativamente, ter senso crítico e que empregue o seu conhecimento científico na análise e solução dos importantes problemas que o desafiarão ao longo de sua vida profissional. A grande novidade deste curso é a inserção de disciplinas da área ambiental, visando a formar um engenheiro químico conhecedor dos processos, com condições de gerar alternativas de melhoria e preservação do meio ambiente. Durante o curso, são também promovidas várias atividades paradidáticas, como: visitas técnicas, palestras, encontros com profissionais da área, para que os alunos sejam colocados em contato com a realidade técnica, orientação de trabalhos apresentados em seminários, parceria na pesquisa científica de tratamento de efluentes e cursos extracurriculares. Portanto, a Revista Engenharia pode ser vista como um dos canais que de fato geram a extensão da escola com a sociedade, permitindo também, como neste editorial, descrever os avanços que estão nos motivando e nos tornam perseverantes na melhoria e qualidade que a FAAP tem por lema. FACULDADE DE ENGENHARIA DIRETOR Prof. Dr. Luiz Roberto Sobreira de Agostini Vice-Diretor Prof. Aiello Giuseppe Antonio Neto COORDENADORES DE CURSO Profª. Msc. Josefa Alvarez Alvarez - Disciplinas Básicas Prof. Aiello Giuseppe Antonio Neto - Civil Prof.Dr. Sergio Luiz Pereira - Elétrica Prof. Dr. Nicola Getschko - Mecânica Profª.Msc. Cristiane L. C. Magalhães - Química COORDENADOR DE LABORATÓRIOS Prof. Msc. José Carlos Jacintho Laboratórios COORDENADORA DO NÚCLEO DE PÓS GRADUÇÃO PESQUISA E EXTENSÃO Profª. Msc. Sasquia Hizuru Obata COORDENADOR DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Profº Paulo Prestes Castilho COORDENADOR DO TFC Profº Dr. Luiz Roberto Sobreira de Agostini REPRESENTANTE CREA-SP Prof. Paulo Prestes Castilho REPRESENTANTE CRQ-SP Profª Msc. Cristiane L. C. Magalhães CONSELHO EDITORIAL Prof. Dr. Luiz Roberto Sobreira de Agostini Prof. Aiello Giuseppe Antonio Neto Profª. Msc. Josefa Alvarez Alvarez Prof.Dr. Sergio Luiz Pereira Prof. Dr. Nicola Getschko Profª.Msc. Cristiane L. C. Magalhães Profª. Msc. Sasquia Hizuru Obata REVISÃO Profª Marinez Felix B. Rafaldini Profª. Msc. Sasquia Hizuru Obata ARTE / EDITORAÇÃO ELETRÔNICA Agência FAAP Fundação Armando Alvares Penteado Rua Alagoas, Higienópolis CEP São Paulo Telefone: (0xx11)

5 5 ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LIGAÇÕES ENTRE VIGAS E PILARES PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO ARMADO. ENG a. TATIANA AIELLO (1); ENG. DR. ROBERTO KATUMI NAKAGUMA (2) RESUMO Apresenta-se neste artigo um método de análise teórico-experimental de ligações entre vigas e pilares de estruturas pré-fabricadas aporticadas, planas, de concreto armado, o qual teve origem nas pesquisas iniciais realizadas no laboratório do Agrupamento de Estruturas da Divisão de Engenharia Civil do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo IPT. Em face da dificuldade de se analisar as ligações referidas através de métodos puramente teóricos ou numéricos, apresentase um procedimento experimental para a determinação de momentos fletores efetivos em nós de pórticos de estruturas de concreto armado, considerando o comportamento não linear do material e carregamento até as imediações da ruptura. Este método baseia-se inicialmente na determinação do diagrama momento fletor resistente x curvatura da seção transversal de uma viga bi-apoiada solicitada à flexão pura no terço central do vão. O diagrama obtido é utilizado na análise da resistência da ligação nodal de um pórtico hiperestático, composto por dois pilares e uma viga, a qual também é submetida à flexão pura no terço central do vão. Com os resultados encontrados é possível a verificação da resistência estrutural de ligações entre vigas e pilares, etapa considerada importante no projeto e montagem das peças pré-fabricadas, além de ser determinante na garantia da qualidade da obra, em termos de resistência e estabilidade da estrutura. Apresenta-se neste artigo os conceitos básicos desta metodologia e a análise dos resultados encontrados nos ensaios. Palavras-Chave: pré-fabricado, estrutura aporticada, concreto armado, ligação nodal, análise experimental.

6 6 1. Introdução Muito embora a pré-fabricação tenha deixado de ser exclusiva em obras industriais ou comerciais, passando a ser utilizada também em obras residenciais, este sistema construtivo no Brasil ainda tem sido pouco explorado. A pré-fabricação enfrenta ainda alguns problemas que limitam sua plena viabilização na construção civil. Alguns deles são: a modulação padronizada da estrutura, o uso de equipamentos sofisticados de transporte e montagem, o eventual custo elevado, destacando-se ainda, para alguns casos, a falta de ferramentas confiáveis para a análise estrutural das ligações. Mesmo que estudos experimentais e teóricos venham sendo constantemente desenvolvidos por pesquisadores, a investigação sobre o comportamento estrutural dessas ligações, em face de sua complexidade, não tem acompanhado o crescimento da utilização da pré-fabricação, principalmente quando se trata do comportamento não linear do concreto nesta região, assunto esse, dificilmente considerado em modelos convencionais de cálculo. Observa-se, então, que o volume de informações disponíveis ainda é pequeno. Particularmente, no caso de estruturas aporticadas de concreto pré-fabricado, ressalta-se a importância em se desenvolver estudos sobre projeto e detalhamento das armaduras nas regiões de encontro entre vigas e pilares, que requerem certamente cuidados especiais para a garantia da estabilidade e segurança de toda a estrutura. 2. Método Experimental Este método consiste na determinação de momentos fletores efetivos em nós de pórticos simétricos, planos e em concreto armado, considerando o comportamento real e não linear do concreto. A análise baseia-se inicialmente na investigação experimental do comportamento de uma viga isostática solicitada à flexão pura, no terço central do vão, com carregamento crescente até às imediações da ruptura. Neste ensaio determinam-se os valores de momentos fletores (M v ) na região central da viga, além das deformações específicas obtidas através dos deslocamentos relativos medidos entre bases de referência, nas duas faces da viga. Com os valores das deformações calculam-se as curvaturas. Desta forma é possível traçar o diagrama momento fletor x curvatura da viga isostática. Analisa-se, na seqüência, o comportamento de um pórtico hiperestático plano, simétrico, em forma de H, composto por dois pilares e uma viga com as mesmas características da viga isostática, a qual é também submetida ao ensaio de flexão no terço central do vão. Neste ensaio, também determinam-se as deformações específicas e as respectivas curvaturas, que são utilizadas no diagrama momento fletor x curvatura da viga bi-apoiada para a obtenção dos valores de momentos fletores (M v ) na região central do vão da viga do pórtico. Com esses valores calculam-se os momentos fletores (M a ) na região de encontro entre a viga e o pilar. Assim sendo é possível analisar a resistência da ligação nodal viga-pilar. 3. Procedimento Experimental a) Protótipos Para se obter melhores resultados, a viga isostática e o pórtico plano em forma de H devem ser fabricados simultaneamente, com concreto da mesma massada, de modo a se ter as mesmas características do concreto. Quanto aos comprimentos das peças ensaiadas, estes devem ser adequados para que possam ser perfeitamente instalados no dispositivo de ensaio, mas que tenham medidas aproximadas do vão da viga e da altura do pé-direito de um andar-tipo do edifício a ser construído.

7 Recomenda-se ainda a moldagem de pelo menos quatro corpos-de-prova cilíndricos de concreto para ensaio de resistência à compressão axial, para verificações complementares. b) Determinação Experimental do Diagrama Momento Fletor x Curvatura para a Viga Bi-Apoiada A viga apoiada em suas extremidades é submetida ao ensaio de flexão simples, sob a ação de cargas crescentes, aplicadas no terço central do vão (Figura 1). Sabe-se da teoria, que a curvatura (1/r ou y ) é dada por: 1/r = y = ( 1-2 ) / h ( II ) Com os valores das equações I e II, define-se o diagrama momento fletor x curvatura média para as seções transversais situadas no terço médio da viga, desde o início do carregamento até a ruptura. Apenas como referência, o diagrama experimental obtido é comparado com o diagrama teórico previsto para a seção transversal, mostrando uma coerência entre os resultados encontrados. Na seqüência, o diagrama momento fletor x curvatura obtido experimentalmente é aplicado ao pórtico hiperestático para análise do comportamento da ligação nodal. 7 7 Figura 1- Esquema da viga bi-apoiada a ser ensaiada. O momento fletor no terço médio da viga é constante e seu valor é dado por: Mv =F.L/ 6 ( I ) Desta forma, sendo conhecidos os deslocamentos relativos entre duas bases de referência, obtidos através das medições feitas em uma seção transversal localizada no terço central do vão, obtêm-se as deformações específicas, em duas fibras distantes entre si de h, 1 (alongamento) e 2 (encurtamento). É recomendável que seja feita a instrumentação de pelo menos três seções de referência nas duas faces laterais da viga para efeito de obtenção de valores médios e, assim, eliminação de erros eventuais, inerentes aos procedimentos experimentais. c) Determinação Experimental da Curvatura da Seção Transversal da Viga do Pórtico e Cálculo do Momento Fletor obtido através do Diagrama Momento Fletor x Curvatura da Viga Bi-apoiada O pórtico hiperestático deve ser instalado em um dispositivo apropriado, de forma a garantir boas condições de simetria quanto às condições reais dos vínculos externos aplicados. Analogamente ao procedimento experimental descrito anteriormente, a viga hiperestática também é submetida ao ensaio de resistência à flexão simples, sob a ação progressiva de cargas aplicadas em pontos situados nos terços do vão (Figura 2). Figura 2 Esquema do pórtico ensaiado.

8 8 As medições também são feitas de modo a se obter as deformações específicas e conseqüentemente a curvatura média para cada estágio de carregamento aplicado, segundo a Equação II. Desta forma, é possível determinar o momento fletor (M v ), na região do terço médio da viga, utilizando-se a curvatura determinada na viga do pórtico e o diagrama momento fletor x curvatura experimental da viga isostática, visto que o momento fletor em viga depende apenas da curvatura. d) Análise da Ligação Viga-Pilar do Pórtico A partir dos valores de M v obtidos e das cargas aplicadas, determina-se a incógnita hiperestática, ou seja, o momento fletor (M a ) para a seção da ligação viga-pilar: M a = F.L / 6 - M v (III) 4. Aplicação do Método Proposto Os protótipos submetidos aos ensaios descritos constituíram-se em elementos préfabricados em concreto armado, de viga e pórtico em forma de H. As seções transversais de referência para a viga isostática e a viga do pórtico foram instrumentadas com bases de deformômetro, ou seja, aparelho mecânico utilizado para a medição de deformações, provido de relógio comparador, cuja menor divisão é de 0,001 mm, sendo cada base composta de duas pastilhas de aço inoxidável, espaçadas entre si de pelo menos 10 cm. As flechas no meio do vão também foram medidas com defletômetro graduado em centésimos de milímetro até as imediações da ruptura (Foto 1). Figura 3 Esquema de uma parte do pórtico para cálculo de Ma. No ensaio, o fato dos pilares serem articulados (cunhados) e não engastados como prevê o método teórico, não altera os resultados encontrados, já que o procedimento experimental apresentado analisa a região de ligação nodal, não considerando a influência dos deslocamentos horizontais e a rotação dos apoios. Para avaliar a segurança estrutural, fazse a comparação entre os valores de Ma determinados e os valores característicos previstos em projeto. Foto 1 Defletômetro graduado: medição das flechas/ Face B da viga instrumentada. Assim, feitas as medições, inicialmente para a viga isostática, determinaram-se os valores de momentos fletores (M=FL/6), as deformações específicas ( = L/Li) e as curvaturas (y = [ 1-2 ]/h), (Tabela 1). Para o cálculo dessas curvaturas, é necessário conhecer os respectivos valores de h, para cada seção entre as duas pastilhas S 1, S 2 e S 3. Assim: h S1 =17,65 cm; h S2 = 17,55 cm; h S3 = 17,47 cm.

9 Tabela 1- Curvaturas calculadas e as ocorrências durante o ensaio: Viga Bi-apoiada. Com os valores mostrados na Tabela 1, para efeito comparativo, é possível traçar dois Diagramas Momento Fletor x Curvatura da seção transversal do trecho central da viga bi-apoiada, um determinado experimentalmente e o outro teoricamente [3]. Observa-se neste Gráfico, que os resultados experimentais e teóricos apresentam compatibilidade entre si, embora o momento fletor resistente último calculado teoricamente seja menor que o determinado experimentalmente. 9 9 Momento Fletor (KN.m) Curvatura (rad/km) Figura 4-Gráfico Momento Fletor x Curvatura da viga bi-apoiada. Foto 2- Panorama da fissuração da viga após a ruptura. Quanto à análise da ligação viga-pilar do pórtico, esta foi feita de maneira análoga ao ensaio da viga bi-apoiada, utilizando-se o mesmo dispositivo de ensaio e o mesmo sistema de aplicação de carga nos terços médios do vão. O peso do dispositivo foi considerado na análise. Tomou-se como referência inicial para a medição de deformações, a situação

10 10 correspondente à viga totalmente descarregada. O peso próprio da viga não foi considerado na análise. Tabela 2- Curvaturas calculadas e as ocorrências durante o ensaio: Pórtico. Foto 3- Pórtico instalado no dispositivo de ensaio. Analogamente ao ensaio da viga biapoiada, realizadas as medições dos deslocamentos, as deformações específicas foram calculadas e conseqüentemente as curvaturas puderam ser obtidas para cada estágio de carregamento aplicado. Foto 4- Medições dos deslocamentos na face A da viga do pórtico. Para o cálculo das curvaturas, utilizandose a Equação II, conforme já descrito, é necessário conhecer os respectivos valores de h, para cada seção entre as duas pastilhas S 1, S 2 e S 3 da viga do pórtico. Assim: h S1 = 17,475 cm; h S2 = 17,525 cm; h S3 = 17,625 cm (Tabela 2).

11 11 Os valores das curvaturas encontrados foram utilizados para, com auxílio do diagrama de momento fletor x curvatura da viga isostática, obter os valores de momentos fletores (M V ) da seção transversal central do pórtico. Isso foi possível porque o momento fletor depende apenas da curvatura, com a condição das seções transversais permanecerem planas durante os ensaios, o que foi verificado através da determinação das deformações feitas junto às superfícies inferior e superior e no centro da seção. Os valores de momentos fletores (M a ) calculados para a região da ligação viga-pilar, segundo a Equação III, encontram-se na Tabela 3. Há interesse também, como referência, em conhecer os valores teóricos de momentos fletores de engastamento para cada carregamento aplicado, considerando a condição de viga hiperestática simples. A Norma NBR 6118/80 permite, quando não se fizer o cálculo exato da influência da solidariedade dos pilares com a viga, considerar obrigatoriamente nos apoios externos, os momentos fletores teóricos para material linear e nó rígido (M e ), na região da ligação, segundo a equação IV (Tabela 3): Tabela 3-Valores de Momentos Fletores: Pórtico. M e = M eng. (r inf. + r sup. )/ (r viga + r inf. + r sup. ) (IV) Onde M eng. =F.L/9 é o momento de engastamento perfeito, em valor absoluto, calculado para a viga e r viga, r inf. e r sup são, respectivamente os índices de rigidez (r = I/L) da viga e do pilar, nos segmentos inferior e superior ao nó. O diagrama de momento fletor M a na ligação viga-pilar x carga total aplicada na viga, determinado experimentalmente, encontra-se na Figura 5. Também consta neste Gráfico, a curva teórica ideal aproximada, do momento fletor M e, para a viga na região da ligação, e do momento fletor na região central do vão, M v.

12 12 Momento Fletor (KN.m) Figura 5-Gráfico Momento Fletor x Carga Total aplicada no terço médio do vão da viga do pórtico. 5. Comentários Carga Total (KN) Através do gráfico momento fletor x carga total aplicada é possível comparar os valores de momento fletor referidos à região de encontro da viga com o pilar, determinados experimentalmente através do método anteriormente descrito (M a ), com os momentos fletores teóricos (M e ), onde considerou-se a linearidade do concreto armado para o pórtico e nó rígido e indeformável. Constata-se que a partir do valor de M a =17 ~ KN.m ocorreu perda relativa de rigidez da ligação nodal, tendo em vista o afastamento da curva M a em relação à curva M e. Assim, conforme aumentou-se o carregamento, a diferença entre os valores de momentos fletores experimentais e teóricos também aumentou. Devido aos danos ocorridos, a perda de rigidez da região da ligação foi maior em relação à perda de rigidez da região central do vão da viga. Observou-se, ainda, que para a carga total aplicada F=37,88 KN e seu respectivo valor de M a =16,42 KN.m notou-se a ocorrência de fissura com abertura da ordem de 0,2 mm na região de um dos nós. Para o valor de M a =18,72 KN.m, esta fissura já tinha atingido uma abertura em torno de 0,5 mm, com um pequeno acréscimo de carga (6 KN), denotando uma progressão significativa do processo de degradação. A partir da armadura instalada na interface da viga com o pórtico (3,75 cm 2 3 Ø 12,5 mm), calculou-se o momento resistente último, M ~ u = 28,0 KN.m, não considerando os coeficientes de minoração de resistência, ou seja, c =1 e s =1, [3]. Este valor pode ser comparado com o momento de ruptura experimental. Contudo, há dificuldade em se estabelecer a configuração de anomalias na região nodal que possa ser caracterizada como ruptura, por falta de critérios claros para esta definição. Assim, embora o momento fletor máximo (M a ) atingido no nó durante os ensaios tenha sido de 27,82 KN.m (fissuras maiores que 1,0 mm, configurando desagregação do nó), deve-se observar que já com 18,72 KN.m ocorreram fissuras de cerca de 0,5 mm, valor considerável, principalmente levando-se em conta sua localização, na região de ancoragem da armadura do nó. Foto 6-Panorama de fissuração: imediações da ruptura. Por outro lado, considerando a mesma rotina de cálculo descrita, porém com c = 1,4 e = 1,15, determina-se o momento s resistente último de projeto M ud ~ = 25,9 KN.m.

13 13 Sendo M ud / M d = f x M s, onde M d é o momento solicitante de projeto e M s o momento solicitante, adotando-se f =1,4 determina-se o máximo momento solicitante, igual a 18,5 KN.m. Para esta solicitação, nos ensaios ocorreram fissuras no nó, com abertura da ordem de 0,4 mm indicando degradação considerável desta região. Assim, pode-se concluir que, com base nos resultados experimentais, não é seguro atingir este nível de solicitação na interface viga-pilar. O momento fletor resistente máximo na região central da viga do pórtico (M v ), foi da ordem de 32,30 KN.m, o que mostra que esta foi solicitada até aproximadamente 93% da sua resistência máxima determinada no ensaio da viga isostática, onde o maior momento fletor resistente atingiu o valor de 34,62 KN.m. O método adotado também permite obter informações referentes ao comportamento do nó na região da ligação, quanto ao efeito da força cortante atuante. Uma das possibilidades para se aumentar o momento fletor efetivo (M a ), caso se queira, para compatibilidade com o valor teórico previsto por soluções lineares (M e ), é melhorar o detalhamento das armaduras dos nós do pórtico. 6. Conclusões Os momentos fletores obtidos no ensaio foram comparados com os valores teóricos no Gráfico Momento Fletor x Carga Total (Figura 5). Neste Gráfico, notou-se que para as cargas aplicadas, até aproximadamente 41 KN, os valores teóricos e experimentais foram praticamente os mesmos. Contudo, a partir daí, conforme se aumentava a carga aplicada, a relação entre os valores experimentais encontrados na região da ligação (M a ) e os valores teóricos (M e ) diminuía. Este fato ocorreu em função da degradação progressiva, com acentuada fissuração e plastificação dos nós durante o ensaio, caracterizando a alteração de seus comportamentos, passando de indeformáveis a rotulados no final. Ressalta-se que o método apresentado tem características de aplicação geral, que podem ser resumidas no seguinte: -considera as propriedades não lineares do concreto armado; -é válido para os elementos de concreto fissurados, até às imediações da ruptura da viga, pois foi constatado durante os ensaios que as seções transversais sempre permaneceram planas; -não há restrições para o fato da estrutura real não ser simétrica, embora para a realização dos ensaios a opção por construção de pórtico simétrico (duplicandose a metade da estrutura real que se pretende analisar) seja mais conveniente; -independe das vinculações das extremidades dos pilares (condições de contorno), podendo ser consideradas articuladas, semi-articuladas, etc; -não há restrições quanto ao processo construtivo da estrutura, podendo ser pré-moldada ou moldada in loco. Estas características acima, ao lado de sua simplicidade, conferem ao método boas possibilidades de aplicações em pesquisas e na prática do cálculo estrutural, inclusive para estudos de detalhes de armadura e reforços dos nós. Deve-se notar, finalmente, que os métodos usuais de cálculo, mesmo utilizando ferramentas avançadas, como o Método dos Elementos Finitos, não são capazes de avaliar adequadamente os momentos fletores efetivos nas ligações aqui tratadas. Em particular, o cálculo torna-se ainda mais difícil em se tratando de armaduras não convencionais, como, por exemplo, compostas por barras e chapas de aço, que apresentam comportamento mais complexo que os nós usuais, com armadura formada por barras de aço apenas. Esses casos referidos podem ser analisados pelo método apresentado neste artigo, com passos semelhantes aos seguidos no exemplo mostrado.

14 14 Dados dos autores (1) Engenheira civil formada pela FEFAAP, pós-graduada em Administração de Empresas, Mestre em Engenharia na área de Tecnologia em Construção de Edifícios. Professora de Resistência dos Materiais e Teoria das Estruturas I e II da FEFAAP. Engenheira calculista da Empresa Aiello Engenharia e Consultoria S/C ltda. (2) Doutor em Engenharia (IPT, Divisão de Engenharia Civil, Agrupamento de Estruturas) Bibliografia ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT (1985). NBR 9062 Projeto e Execução de Estruturas de Concreto Pré-Moldado. Rio de Janeiro - R.J. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT (2003 e 1980). NBR 6118 Projeto e Execução de Obras em Concreto Armado. Rio de Janeiro - R.J. CONCEIÇÃO NETO, A. P., NAKAGUMA, R.K., ISHITANI, H., AIELLO, T. (2003) Determinação da Resistência de Ligações Viga-Pilar de Estruturas Aporticadas de Concreto. Revista Téchne, Ed.71, pp Editora Pini São Paulo. EL DEBS, M.K. (2000). Concreto Pré-Moldado: Fundamentos e Aplicações. E.E.São Carlos - USP. São Paulo. KONCZ, T. (1975). Manual de La Construcción Prefabricada, Tomo 1. Ed. Blume. Madrid Barcelona. LEONHARDT, F & MONNIG, E. (1978). Construções de Concreto: Casos Especiais de Dimensionamento de Estruturas de Concreto Armado. Volume 2. Ed. Interciência. Rio de Janeiro - RJ. P.B.FUSCO (1981). Estruturas de Concreto: Solicitações Normais. Ed. Guanabara. Rio de Janeiro - R.J. SANTOS, L.M. (1984). Sub-Rotinas Básicas do Dimensionamento de Concreto Armado. Ed. Thot. São Paulo. SANTOS, L.M. (1977). Cálculo de Concreto Armado. Ed. Edgard Blucher. São Paulo.

15 15 DESENVOL OLVIMENT VIMENTO E APLICAÇÃO AÇÃO DA METODOLOGIA DE ANÁLISE DA INSTRUÇÃO PROPORCIONAL, INTEGRAL E DERIVATIV TIVA MAFPID EM CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS ENGº. DR. SERGIO LUIS PEREIRA (1), ENGº. ALESSANDRO BARBOSA SHIRAHIGE (2) RESUMO Este artigo apresenta o desenvolvimento de metodologia MAFPID como ferramenta de engenharia para verificar o funcionamento da instrução PID, implementada em equipamentos de controle e automação. Esta metodologia é constituída de três etapas de testes. A primeira consta de consulta a manuais e especificações do fabricante. A segunda etapa é referente a ensaios da instrução PID por software com o Controlador Lógico Programável isolado. Na última etapa é utilizado um Simulador Analógico que reproduz os sinais de entrada e saída de um processo e este é conectado ao Controlador Lógico Programável em que será testado o comportamento da instrução PID a esta condição. Este artigo também apresenta a aplicação da metodologia MAFPID e os resultados obtidos com o Controlador Lógico Programável da Rockwell modelo SLC-500. Palavras-chave: Automação, Controladores Lógicos Programáveis, Controle Proporcional, Integral Derivativo. ABSTRACT This paper is relating to elaborate of a methodology MAFPID to verify the correct working of PID s instruction installed in Programmable Logic Controller. This methodology is composed on three steps of tests. The first one is the consultation to guides and specifications of the manufacturer. The second step is relating to the test of PID s instruction through software with isolated Programmable Logic Controller. In the last step is used a Analogic Simulator that reproduce the entrance and exit signals of a process, and this is connected to Programmable Logic Controller which the manner of PID s instruction will be tested in. This paper also shows the results of the application of the methodology MAFPID to Rockwell s Programmable Logic Controller SCL-500. Keywords: Automation, Programmable Logic Controller, Proportional Integral, Derivation Control.

16 16 1. Introdução Nos tempos atuais, a preocupação de otimizar os processos de produção é crescente. Assim sendo, cada vez mais cresce a aplicação de equipamentos de automação destinados a possibilitar a otimização de processos. Um equipamento que tem larga aplicação para a automação de processos industriais é o Controlador Lógico Programável (CLP) que, devido aos avanços tecnológicos, costuma apresentar em sua listagem de instruções, funções de controle de malha de variáveis contínuas como, por exemplo, a instrução Proporcional, Integral Derivativa, PID. As implementações da função PID nos CLPs ou em demais equipamentos de controle e automação variam conforme o fabricante. Portanto, o engenheiro de automação deve ser cuidadoso quando a utiliza, pois um erro na configuração das constantes dos parâmetros Proporcional, Integral ou Derivativo pode ocasionar um mau funcionamento do processo controlado ou mesmo comprometer o desempenho do sistema. Este artigo apresenta o desenvolvimento, a aplicação e os resultados obtidos da metodologia intitulada MAFPID (Metodologia de Análise da Função PID) no CLP SLC-500 da Rockwell Automation Funcionamento da Instrução PID (PV) em um valor constante (SP) a partir do controle de vazão da tubulação de saída deste tanque (CV), a instrução PID atuará no processo por meio de (CV), monitorando a discrepância entre os valores de (PV) e (SP), de tal forma a eliminar esta. A Equação (1), padrão ISA, ilustra como a variável controladora (CV) é calculada. (1) K = parâmetro proporcional T i = parâmetro integrativo T d = Parâmetro derivativo Na Figura 1 é esquematizado o funcionamento da instrução PID em um sistema de controle que emprega um CLP. A variável de processo é obtida por um sinal de entrada, enviado de um transdutor (sensor) instalado no processo controlado A (PV) sobre uma conversão analógico-digital antes de ser processada no CLP. O valor de referência é inserido no programa do CLP quando a instrução PID é configurada. A variável controladora é fornecida ao processo por um sinal de saída, depois de ser processada no CLP e também sofre uma conversão digitalanalógica. Os controladores de processos que utilizam instrução PID definem as variáveis controladas, de referência e variáveis controladoras como: Variável de Processo (PV), Valor de Referência (SP) e Variável Controladora (CV). A variável de processo é a grandeza a ser monitorada no processo controlado. O valor de referência é o valor que se deseja manter a grandeza monitorada. A variável controladora é a grandeza a ser controlada no processo. Por exemplo, em um tanque em que é desejado manter o nível Referência CLP PID Controlador Conversor D/A Conversor A/D Saída Entrada Processo Figura 1-Diagrama de funcionamento da instrução PID no CLP.

17 Simulador Analógico Um simulador analógico pode ser implementado por um conjunto de amplificadores operacionais. Para o teste da MAFPID foi desenvolvido um simulador analógico para simular o desempenho de um processo de sistema de segunda ordem sub-amortecido conforme é mostrado na Equação (2) ou um sistema amortecido conforme é mostrado na Equação (3). (2) Figura 2- Simulador analógico construído. 2. Metodologia MAFPID (3) Os circuitos eletrônicos, ilustrados na Figura 2, permitem a implementação de um simulador analógico que opere de forma equivalente a sistemas que possuam funções de transferência representadas pelas Equações (2) e (3). Dessa forma, este simulador analógico emula para o CLP processos equivalentes às Equações matemáticas mencionadas. As chaves CH5 e CH4 do simulador permitem, respectivamente, a modificação do fator de amortecimento do sistema e do tipo de operação em malha aberta ou malha fechada. A saída do simulador analógico representa a variável (PV) e deve ser ligada ao cartão analógico digital do CLP, enquanto que, o cartão digital analógico do CLP fornece a variável (CV) e deve ser ligado ao ponto A/D do simulador com a chave CH2 fechada. Neste circuito eletrônico, quando a chave CH1 é fechada, o simulador recebe uma entrada em degrau de 1 Volt. Para facilitar a análise, a verificação e a validação de uma instrução PID implementada em um CLP, a metodologia MAFPID é subdividida em três etapas: consulta a manuais e especificações; ensaio da instrução PID com CLP isolado e ensaio da instrução PID com o simulador analógico ligado ao CLP. A Figura 3 ilustra o diagrama de blocos da metodologia MAFPID. Figura 3- Diagrama de blocos da MAFPID. a - Etapa 1 A Etapa 1 é constituída de uma análise dos dados técnicos de desempenho fornecidos pelo fabricante do equipamento a ser ensaiado e também das necessidades de controle relevantes ao processo a ser controlado, uma vez que: os cartões de

18 18 entrada e de saída não podem operar com sinais acima dos limites de tensão e de corrente estabelecidos pelo fabricante, os tempos de conversões analógico-digitais e de atualizações dos valores devem ser significativamente menores que o tempo de variação do sistema a ser controlado, e os demais fatores de compatibilidade técnica e teórica devem ser considerados. Assim sendo, a primeira etapa consiste basicamente em determinar as necessidades de controle do processo e de determinar: -os limites de alimentação dos cartões de entrada e de saída do CLP (tensão ou corrente); -tempo de conversão analógicodigital e digital-analógico dos cartões; -tempo de atualização dos valores no CLP; -erro na conversão analógico-digital e digital-analógico; -forma de execução da instrução PID; -configurações do CLP. b - Etapa 2 A Etapa 2 é definida como sendo a etapa de ensaios do CLP isolado. Esta etapa consiste em verificar a execução de cada parâmetro (Proporcional, Integral e Derivativo) da instrução PID. Esta etapa é realizada com o CLP isolado, sem conexões de entrada ou de saída, sendo a variável de processo gerado por funções matemáticas que utilizam o software de programação do CLP. O primeiro parâmetro a ser testado é o parâmetro Proporcional (K). A instrução PID é configurada com valores SP, PV e K constantes. Na Figura 4 é mostrado o diagrama do teste do parâmetro K. Como o erro (SP-PV), neste caso é constante, CV deverá também um valor constante resultante do produto do erro com K, conforme a Expressão (1). Figura 4-Diagrama do teste do parâmetro proporcional (K). Uma vez verificado e validado o funcionamento do parâmetro proporcional K, o parâmetro integrativo Ti é testado. Para tanto, é configurado valor unitário no parâmetro K e são mantidos constantes os valores SP e PV e também o valor definido para o parâmetro integrativo Ti. A Figura 5 ilustra o diagrama do teste do parâmetro Ti. Como o erro (SP-PV) é constante e o parâmetro K é unitário, CV deverá ser uma função linear do tempo, tendo o coeficiente linear como sendo o produto do erro com o inverso do parâmetro Ti somado ao erro inicial. A Expressão (1) da Figura 5 ilustra o comentado. Figura 5-Diagrama do teste do parâmetro integrativo (Ti). Uma vez verificado e validado o funcionamento do parâmetro integrativo Ti, o parâmetro derivativo Td é testado. O teste do parâmetro derivativo (Td) é realizado mantendo o parâmetro K unitário e SP constante. Porém, a variável PV é configurada

19 19 para ser o resultado de uma função linear. A Figura 6 ilustra o diagrama do teste do parâmetro Td. Se a variável PV for o resultado de uma função linear, o erro e também a variável CV serão resultados de funções lineares com coeficientes negativos, conforme ilustrado na Expressão (1) da Figura 6. Figura 6-Diagrama do teste do parâmetro derivativo (Td). c - Etapa 3 A última etapa da metodologia é constituída dos ensaios e das análises elaboradas com o CLP operando juntamente com o simulador analógico. O simulador fornece o sinal (PV) de entrada para o CLP e este o processa conforme os parâmetros PID e atua no simulador através do sinal de saída (CV) conforme é ilustrado na Figura 7. Figura 7- Diagrama do arranjo experimental. Antes dos ensaios com o simulador analógico, há a necessidade de também testar a linearidade do conversor analógico-digital e digital-analógico. Para tanto, o cartão de entrada é alimentado com sinais de tensão variados e é observado o número convertido no CLP. Para o ensaio de linearidade do cartão de saída é colocado um número no CLP e é observado o nível de tensão no cartão de saída. As curvas resultantes de tensão em função dos números binários do CLP na saída e na entrada devem ser lineares. Os parâmetros para configuração da instrução PID do CLP, nesta metodologia, são determinados pelo método modificado de Ziegler-Nichols conhecido por Método da Resposta ao Salto aplicado no simulador analógico. [OGATA] O parâmetro proporcional aumenta a velocidade de atuação do controlador no sistema. O parâmetro integrativo reduz ou elimina erros estacionários. Em contrapartida, esse benefício geralmente é obtido às custas de uma redução da estabilidade ou do fator amortecimento do sistema. O parâmetro derivativo tende a aumentar o fator de amortecimento e desta forma, melhorar a característica de estabilidade do sistema. No entanto, o incremento de fator derivativo torna o controlador mais sensível à taxa de variação do erro. A combinação dos termos de natureza proporcional, integral e derivativa permite reduzir o erro estacionário e simultaneamente satisfazer as exigências relativas ao amortecimento e, portanto, dos tempos de resposta e da estabilidade. A atuação da instrução PID no simulador analógico muda a dinâmica da resposta do mesmo. A comparação e a análise entre as respostas obtidas e as respostas esperadas, para cada tipo de ajuste de parâmetro K, Ti ou TD quando a entrada do simulador é um degrau unitário, permitem a validação ou não da instrução PID implementada no CLP em estudo. 3. Aplicação da Metodologia MAFPID Desenvolvida no SLC-500 A metodologia MAFPID foi aplicada no CLP modelo SLC-500 da Rocwell Automation.

20 Aplicação da Etapa 1 Os dados do equipamento, obtidos pela consulta dos manuais e especificações dos cartões A/D e D/A do fabricante, são mostrados na Tabela 1. Tabela 1- Especificações dos cartões A/D e D/A do fabricante. Figura 8- Resposta da instrução PID para o parâmetro proporcional com K = 1, K = 2 e K = 5. A análise dos dados permite concluir que os sinais não devem exceder o limite de 10 a 10 volts, os tempos de conversão e de atualização do CLP são significativamente menores que o tempo de variação do sistema simulado pelo simulador analógico. O CLP testado utiliza a Expressão (4) na instrução PID. É possível observar que neste CLP a parte derivativa da instrução PID da expressão não depende do erro entre SP e PV e sim apenas da variação de PV. (4) Figura 9- Resposta da instrução PID para o parâmetro proporcional-integrativo com K igual a 1 e Ti igual a 1,2 e 5. K = parâmetro proporcional T i = parâmetro integrativo T d = Parâmetro derivativo 3.2. Aplicação da Etapa 2 Os resultados parciais dos testes dos parâmetros K, Ti e Td com o CLP isolado são mostrados nas Figuras 8,9 e 10. Figura 10- Resposta da instrução PID para o parâmetro proporcional-derivativo com K igual 1 e Td igual a 1,2 e 5.

semi-rígidas no comportamento de vigas pré-moldadas protendidas

semi-rígidas no comportamento de vigas pré-moldadas protendidas /2008 Influência das ligações semi-rígidas no comportamento de vigas pré-moldadas protendidas BRUNA CATOIA* MARCELO DE ARAUJO FERREIRA** ROBERTO CHUST CARVALHO*** THIAGO CATOIA**** O presente trabalho

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T Hevânio D. de Almeida a b, Rafael A. Guillou a,, Cleilson F. Bernardino

Leia mais

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 7 p.1/47

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

Caso (2) X 2 isolado no SP

Caso (2) X 2 isolado no SP Luiz Fernando artha étodo das Forças 6 5.5. Exemplos de solução pelo étodo das Forças Exemplo Determine pelo étodo das Forças o diagrama de momentos fletores do quadro hiperestático ao lado. Somente considere

Leia mais

Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado

Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado BE8 Encontro Nacional Betão Estrutural 8 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 8 Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado Bruna Catoia 1, Carlos A.T. Justo,

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO ANALISANDO A RIGIDEZ DO ENGASTAMENTO ENTRE VIGAS E PILARES E UTILIZANDO

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Rigidez à flexão em ligações viga-pilar Bruna Catoia 1 Roberto Chust Carvalho 2 Libânio Miranda Pinheiro 3 Marcelo de

Leia mais

Controle de Vazão utilizando PID desenvolvido em linguagem gráfica LabVIEW e Transmissor Virtual

Controle de Vazão utilizando PID desenvolvido em linguagem gráfica LabVIEW e Transmissor Virtual Controle de Vazão utilizando PID desenvolvido em linguagem gráfica LabVIEW e Transmissor Virtual Leonardo de Carvalho Vidal leonardo.carvalho.vidal@hotmail.com AEDB, UBM, UNIFEI Tiago Martins de Oliveira

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Gilva Altair Rossi gilva@demec.ufmg.br José Maria Galvez jmgalvez@ufmg.br Universidade

Leia mais

Sensor Hall A tecnologia dos Posicionadores Inteligentes de última geração

Sensor Hall A tecnologia dos Posicionadores Inteligentes de última geração Sensor Hall A tecnologia dos Posicionadores Inteligentes de última geração César Cassiolato Gerente de Produtos - Smar Equipamentos Industriais Ltda INTRODUÇÃO É notável o avanço da Física e eletrônica

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SENSOR INERCIAL E APLICAÇÃO EM BARCO AUTÔNOMO. José Maria Cipriano Torres (IC) Elder Moreira Hemerly (PQ)

CARACTERIZAÇÃO DE SENSOR INERCIAL E APLICAÇÃO EM BARCO AUTÔNOMO. José Maria Cipriano Torres (IC) Elder Moreira Hemerly (PQ) CARACTERIZAÇÃO DE SENSOR INERCIAL E APLICAÇÃO EM BARCO AUTÔNOMO José Maria Cipriano Torres (IC) Elder Moreira Hemerly (PQ) Resumo: Este trabalho teve por objetivo caracterizar sensores inerciais, especialmente

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMPUTER AIDED ENGINEERING - CAE FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA

Leia mais

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

ENSAIOS DE STUTTGART REPRODUÇÃO EM LABORATÓRIO

ENSAIOS DE STUTTGART REPRODUÇÃO EM LABORATÓRIO ENSAIOS DE STUTTGART RERODUÇÃO EM LABORATÓRIO Andrea Corrêa Rocha (1); Maria das Graças Duarte Oliveira (1); aulo Sérgio Oliveira Resende (1); Alberto Vilela Chaer (2) (1) Acadêmicos de Engenharia Civil,

Leia mais

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.22, p.25-32, Outubro, 2013 Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Numerical and experimental evaluation

Leia mais

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL Andreya Prestes da Silva 1, Rejane de Barros Araújo 1, Rosana Paula Soares Oliveira 1 e Luiz Affonso Guedes 1 Universidade Federal do ParáB 1 Laboratório de Controle

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

(1) Mestrando em Engenharia Civil, Hevânio Duarte de Almeida, UFAL, hevanio@gmail.com:

(1) Mestrando em Engenharia Civil, Hevânio Duarte de Almeida, UFAL, hevanio@gmail.com: Interface gráfica para análise do comportamento estrutural de pórticos planos formados por elementos pré-moldados variando-se a rigidez das ligações GUI to analyze the structural behavior of plane frames

Leia mais

PROGRAMA AUTOTRUSS 2.0

PROGRAMA AUTOTRUSS 2.0 PROGRAMA AUTOTRUSS 2.0 Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Departamento de Estruturas LabMeC Autores: Prof. Dr. João Alberto Venegas Requena requena@fec.unicamp.br

Leia mais

Estudo do Cisalhamento em Vigas de Concreto Armado

Estudo do Cisalhamento em Vigas de Concreto Armado Estudo do Cisalhamento em Vigas de Concreto Armado Luiz Alves ramos 1, Antonio Alves da Silva 2, luizalvesramos@gmail.com 1 deca_univap@yahoo.com.br 2, guido@univap.br 3, carlos@univap.br 4 Universidade

Leia mais

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Junior, Byl F.R.C. (1), Lima, Eder C. (1), Oliveira,Janes C.A.O. (2), 1 Acadêmicos de Engenharia Civil, Universidade Católica

Leia mais

RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA

RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA Laboratório de Controle e Automação 1 ( LECI 1 ) Professor: Reinaldo Martinez Palhares Integrantes: Henrique Goseling Araújo, Hugo Montalvão

Leia mais

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada Sérgio Barreto

Leia mais

Resumo. Palavras-chave. ABNT NBR 7188:2013; Projeto de Recuperação. Introdução

Resumo. Palavras-chave. ABNT NBR 7188:2013; Projeto de Recuperação. Introdução Efeitos da Mudança da NBR 7188:2013 nos Projetos de Pontes. Estudo de Caso: Projeto de Recuperação da Ponte sobre o Rio Correias na BR 101/SC. Pauline Fonseca da Silva 1, Marcus Alexandre Noronha de Brito

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Erro! Fonte de referência não encontrada. - aje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Prefácio A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional

Leia mais

A distribuição de um momento aplicado em um nó de um pórtico por parcelas de momentos fletores equilibrantes nas barras adjacentes (Seção 8.2).

A distribuição de um momento aplicado em um nó de um pórtico por parcelas de momentos fletores equilibrantes nas barras adjacentes (Seção 8.2). 8. PROCESSO DE CROSS O Processo de Cross, ou Método da Distribuição de Momentos (White et al. 976), é um método relativamente simples para o cálculo de momentos fletores em vigas contínuas, pórticos planos,

Leia mais

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Ensaios de Stuttgart Reprodução em Laboratório Consorte, Anna Karlla G. Oliveira,

Leia mais

1. Definição dos Elementos Estruturais

1. Definição dos Elementos Estruturais A Engenharia e a Arquitetura não devem ser vistas como duas profissões distintas, separadas, independentes uma da outra. Na verdade elas devem trabalhar como uma coisa única. Um Sistema Estrutural definido

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Análise do Uso de Vigas Transversinas em Pontes de Concreto Armado

Análise do Uso de Vigas Transversinas em Pontes de Concreto Armado Análise do Uso de Vigas Transversinas em Pontes de Concreto Armado João Paulo Teixeira Oliveira Rodrigues Fulgêncio 1 Fernando Amorim de Paula 2 Crysthian Purcino Bernardes Azevedo 3 Resumo O emprego de

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

2 Materiais e Métodos

2 Materiais e Métodos 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS REFORÇADAS POR ACRÉSCIMO DE CONCRETO À FACE COMPRIMIDA EM FUNÇÃO DA TAXA DE ARMADURA LONGITUDINAL TRACIONADA PRÉ-EXISTENTE Elias Rodrigues LIAH; Andréa Prado Abreu REIS

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS COM ARMADURA DE COMBATE À PUNÇÃO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS COM ARMADURA DE COMBATE À PUNÇÃO ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS COM ARMADURA DE COMBATE À PUNÇÃO RESUMO Orientando (Dijalma Motta Leopoldo), Orientador (Alexandre Vargas); UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1) djalmamotta@hotmail.com,

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG. ELÉTRICA CADERNO DIDÁTICO DE SISTEMAS DE CONTROLE 1 ELABORAÇÃO:

Leia mais

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Enunciado do 2º Trabalho de Laboratório CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS MODELAÇÃO E SIMULAÇÃO DE CIRCUITOS DE CONVERSÃO ANALÓGICO-DIGITAL E DIGITAL-ANALÓGICO

Leia mais

6 Conclusões e sugestões para trabalhos futuros

6 Conclusões e sugestões para trabalhos futuros 6 Conclusões e sugestões para trabalhos futuros 6.1. Conclusões Neste trabalho estudou-se um sistema de acompanhamento de alvos do tipo pan-tilt atuado por motores de corrente contínua e fixo em um corpo

Leia mais

Lajes de Edifícios de Concreto Armado

Lajes de Edifícios de Concreto Armado Lajes de Edifícios de Concreto Armado 1 - Introdução As lajes são elementos planos horizontais que suportam as cargas verticais atuantes no pavimento. Elas podem ser maciças, nervuradas, mistas ou pré-moldadas.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO

A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO A UTILIZAÇÃO DA ANALOGIA DE GRELHA PARA ANÁLISE DE PAVIMENTOS DE EDIFÍCIOS EM CONCRETO ARMADO Marcos Alberto Ferreira da Silva (1) ; Jasson Rodrigues de Figueiredo Filho () ; Roberto Chust Carvalho ()

Leia mais

Processos industriais INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Pirâmide da automação 29/1/2012. Controle automático de processo

Processos industriais INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Pirâmide da automação 29/1/2012. Controle automático de processo Processos industriais INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Controle automático de processo Processos Contínuos: são aqueles que possuem saídas contínuas como, por exemplo, processos de geração de energia. Processos

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS Eng. Civil Leonardo Roncetti da Silva, TECHCON Engenharia e Consultoria Ltda. Resumo Estuda-se a otimização

Leia mais

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 1 Prof. Emérito / Instituto Militar de Engenharia / Seção de Engenharia de Fortificação

Leia mais

6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões

6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões 6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões Neste trabalho estudou-se o comportamento do sistema que foi denominado pendulo planar com a adição de uma roda de reação na haste do pendulo composta de

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

Practical formulas for calculation of deflections of reinforced concrete beams

Practical formulas for calculation of deflections of reinforced concrete beams Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.18, p.6-70 Novembro, 011 Fórmulas práticas para cálculo de flechas de vigas de concreto armado Practical formulas for calculation of deflections of reinforced concrete

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes SUPRSTRUTUR s estruturas dos edifícios, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade é suportar e distribuir as cargas, permanentes e acidentais, atuantes

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS B. C. S. Lopes 1, R. K. Q. Souza, T. R. Ferreira 3, R. G. Delalibera 4 Engenharia Civil Campus Catalão 1. bcs_90@hotmail.com;. rhuankarlo_@hotmail.com;

Leia mais

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO FONTES CAVALCANTI CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE

Leia mais

Automação e Instrumentação

Automação e Instrumentação Instituto Superior de Engenharia de Coimbra Engenharia e Gestão Industrial Automação e Instrumentação Trabalho Prático Nº 3 Acondicionamento do sinal de sensores. Introdução A maior parte dos sensores

Leia mais

5. Diagramas de blocos

5. Diagramas de blocos 5. Diagramas de blocos Um sistema de controlo pode ser constituído por vários componentes. O diagrama de blocos é uma representação por meio de símbolos das funções desempenhadas por cada componente e

Leia mais

SISTEMA DE APONTAMENTO

SISTEMA DE APONTAMENTO Introdução SISTEMA DE APONTAMENTO Alunos: Lucas Castro Faria Carolina do Amaral Galhardo Orientador: Hans Ingo Weber Foi feito um estudo para aquisição de dados através da placa NI USB-6229, usando o programa

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE

LABORATÓRIO DE CONTROLE I ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 4: ESTUDO DE COMPENSADORES DE FASE COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCENTES: Lucas

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

Validação Experimental do Modelo Matemático de 3ª. Ordem para um Atuador Pneumático

Validação Experimental do Modelo Matemático de 3ª. Ordem para um Atuador Pneumático Trabalho apresentado no CMAC-Sul, Curitiba-PR, 2014. Validação Experimental do Modelo Matemático de 3ª. Ordem para um Atuador Pneumático Claudio da S. dos Santos, Sandra E. B. Viecelli, Antonio C. Valdiero,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA Gilva Altair Rossi 1 ; José Maria Galvez 2 ; Douglas Iceri Lasmar 3 Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Engenharia

Leia mais

Análise Dinâmica da Estrutura de um Estádio de Futebol

Análise Dinâmica da Estrutura de um Estádio de Futebol Análise Dinâmica da Estrutura de um Estádio de Futebol Débora Cardoso dos Santos 1, Sergio Hampshire C. Santos 2, Rodrigo G. Martins 3 1 Eng. Civil / Casagrande Engenharia/ PPE/UFRJ / deborac_santos@poli.ufrj.br

Leia mais

27 Tolerância geométrica

27 Tolerância geométrica A U A UL LA Tolerância geométrica de posição Um problema Como se determina a tolerância de posição de peças conjugadas para que a montagem possa ser feita sem a necessidade de ajustes? Essa questão é abordada

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs

Leia mais

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 O núcleo central de inércia é o lugar geométrico da seção transversal

Leia mais

Aplicação do Estudo de Flexão Normal Composta à Muros de Contenção Construídos Com Gabiões

Aplicação do Estudo de Flexão Normal Composta à Muros de Contenção Construídos Com Gabiões Aplicação do Estudo de Flexão Normal Composta à Muros de Contenção Construídos Com Gabiões BUENO, Fagner S. (1) ; FRANCO, Elízia S. S. (1) ; OLIVEIRA, Juliana M. (1) ; RIOS, Fernanda P. (1) ; SAHB, Keyla

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

Alguns aspectos relevantes na elaboração de Projetos Estruturais Informatizados

Alguns aspectos relevantes na elaboração de Projetos Estruturais Informatizados Alguns aspectos relevantes na elaboração de Projetos Estruturais Informatizados Nelson Covas TQS Informática Ltda. Introdução Figura 1 Desenho 3D de edificação Pode-se constatar que as edificações comerciais,

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica MANUAL DO SISTEMA PILOTO TORNEIRA ELÉTRICA Profa. Carmela Maria Polito Braga, DELT Roberto Dias Aquino, Bolsista

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Tema 2 - Reabilitação e Reforços de Estruturas Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Leandro Carvalho D Ávila Dias 1,a

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS Benedito Rabelo de Moura Junior 1, Denis da Silva Ponzo 2, Júlio César Moraes 3, Leandro Aparecido dos Santos 4, Vagner Luiz Silva

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

Palavras-chave Concreto Armado; Análise e Dimensionamento Estrutural; Vigas; Aplicativo Android.

Palavras-chave Concreto Armado; Análise e Dimensionamento Estrutural; Vigas; Aplicativo Android. Desenvolvimento de um Aplicativo Android de Auxílio no Dimensionamento de Vigas de Concreto Armado Jonathas Iohanathan Felipe de Oliveira 1, Eric Mateus Fernandes Bezerra 2, Raimundo Gomes de Amorim Neto

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: alargamento, estruturas, eurocódigos, pontes, reforço.

Resumo. Palavras-chave: alargamento, estruturas, eurocódigos, pontes, reforço. A Utilização do Eurocódigo em Projetos de Alargamento e Reforço de Pontes Rodoviárias de Concreto José Afonso Pereira Vitório 1, Rui Manuel de Menezes e Carneiro de Barros 2 1 Doutor em Estruturas pela

Leia mais

Como escrever um bom RELATÓRIO

Como escrever um bom RELATÓRIO Como escrever um bom RELATÓRIO Mas o que é uma EXPERIÊNCIA? e um RELATÓRIO? Profa. Ewa W. Cybulska Profa. Márcia R. D. Rodrigues Experiência Relatório Pergunta à Natureza e a procura da Resposta Divulgação

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA DE METROLOGISTAS 3D

FORMAÇÃO AVANÇADA DE METROLOGISTAS 3D FORMAÇÃO AVANÇADA DE METROLOGISTAS 3D MÓDULO 2 METROLOGISTA 3D NÍVEL B André Roberto de Sousa Seja como for, a grandiosa Revolução Humana de uma única pessoa irá um dia impulsionar a mudança total do destino

Leia mais

das válvulas de vazão de líquidos e gases

das válvulas de vazão de líquidos e gases Válvulas de Vazão de Líquidos e Gases Wagner Britto Vaz de Oliveira 00/16144 Pedro Kouri Paim 00/16063 9 de Junho de 2005 1 Introdução No contexto de automação industrial, válvulas de comando são elementos

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO Aluno: Joaquim Masset Lacombe Dias Garcia Aluna: Ana Sofia Viotti Daker Aranha Orientador: Guilherme Penello Temporão

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

2 Processo de Laminação

2 Processo de Laminação 2 Processo de Laminação O processo de laminação atua na forma do material, modificando-lhe a sua geometria. Para isso, há necessidade da influência de agentes mecânicos externos; que são os meios de se

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas PROJETO DE ESTRUTURAS COM GRANDES VARANDAS EDUARDO VIEIRA DA COSTA Projeto

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

Sistema de Aquisição de Dados

Sistema de Aquisição de Dados Sistema de Aquisição de Dados Versão 2013 RESUMO Nesta experiência será desenvolvido o projeto de um sistema de aquisição e armazenamento de dados analógicos em formato digital. O sinal de um sensor de

Leia mais

Controlador Automático para Escoamentos de Gases

Controlador Automático para Escoamentos de Gases Controlador Automático para Escoamentos de Gases Aluno: Diego Russo Juliano Orientador: Sergio Leal Braga Introdução Medidores e controladores de vazão são peças fundamentais nos principais setores industriais,

Leia mais