ARRANJO PRODUTIVO DE CONFECÇÕES EM PASSOS-MG: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARRANJO PRODUTIVO DE CONFECÇÕES EM PASSOS-MG: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO"

Transcrição

1 XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ARRANJO PRODUTIVO DE CONFECÇÕES EM PASSOS-MG: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Vanessa Braz Cassoli (FESP-UEMG) Cristiana Fernandes De Muÿlder (FNH) Este trabalho teve por objetivo realizar uma pesquisa exploratória sobre o aglomerado de empresas confeccionistas em Passos (MG), a fim de verificar seu grau de organização e identificar as ações coletivas realizadas e previstas. Com abordaagem qualitativa, foram feitas entrevistas em profundidade com três agentes participantes do setor produtivo local: uma representante do sindicato de indústrias e associação de classe do município, a diretora da faculdade de Moda local e a representante do Sebrae-MG. Os dados coletados revelam que o aglomerado colhe frutos da cooperação, com destaque para atividades conjuntas na qualificação da mão-de-obra e divulgação dos produtos, mas também apontam para as barreiras na troca de informações e na integração entre todos os agentes da cadeia. Indício desta deficiência é de que dos estimados 300 negócios formais e informais ligados à fabricação de roupas, apenas 25 estão efetivamente articulados em torno da associação de classe local. Palavras-chaves: Aglomeração de empresas, arranjo produtivo local, pólo confeccionista

2 1. Introdução O desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais (APLs) tem se mostrado um relevante instrumento para as micro e pequenas empresas, para a geração de pólos de crescimento e para uma saudável descentralização industrial. Exemplos pioneiros são as empresas de informática do Vale do Silício (EUA) e pequenas e médias empresas das áreas têxtil, moveleira, cerâmica e mecânica da chamada Terceira Itália. No Brasil, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem estudado em especial os arranjos de rochas ornamentais no Espírito Santo e Rio de Janeiro; de equipamentos de telecomunicações em São Paulo; a rede Fiat em Minas Gerais; o de metalmecânica no Espírito Santo; o de soja no Paraná; o têxtil e de confecções em Santa Catarina; e do couro e calçados no Rio Grande do Sul e Paraíba (SANTOS; GUARNIERI, 2000). O modelo de APL contempla a criação de distritos industriais, a formação de redes de cooperação e a atuação de agências de fomento tecnológico e financeiro. Isto permite às empresas de pequeno e médio porte ter acesso a novas tecnologias de produção, além da realização de compras, vendas e capacitação de mão-de-obra conjunta, proporcionando redução de custos e ganhos de competitividade. O setor confeccionista brasileiro é caracterizado por um grande número de micro e pequenas empresas, motivadas pela facilidade técnica na produção e baixo custo de mão-de-obra. Conforme dados da Associação Brasileira do Vestuário (ABRAVEST), o setor se concentra na região Sudeste, que abriga mais de 10 mil fábricas, e abastece o mercado principalmente através de intermediários atacadistas, lojistas especializados e varejistas independentes (ABRAVEST, 2008). Embora especialistas afirmem que as roupas nacionais são competitivas em preço e qualidade em relação aos importados, principalmente de origem asiática, os dados da balança comercial de os mais recentes disponibilizados no site da ABRAVEST - mostram um déficit de quase 74 milhões de dólares (ABRAVEST, 2008). Neste contexto, a formação de arranjos produtivos representa uma solução para a competitividade do setor confeccionista nacional. Além da região Sul do Brasil, tradicional na produção têxtil, observa-se a formação de aglomerados de fabricantes de roupas nos Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e mais recentemente, Goiás e Pernambuco. No município de Passos, no Sudoeste Mineiro, estima-se que 300 empresas participem da cadeia de produção de roupas. O setor é um dos maiores geradores de trabalho da cidade e sua potencialidade econômica e social tem merecido ações de instituições como o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), o Serviço Social da Indústria (SESI), o Sindicato das Indústrias do Vestuário no Estado de Minas Gerais (SINDIVEST- MG) e da instituição de ensino superior local, que recentemente criou o curso de graduação em Moda e Design. O objetivo deste trabalho foi realizar uma pesquisa exploratória sobre o aglomerado de empresas confeccionistas em Passos, a fim de verificar seu grau de organização e identificar as ações conjuntas realizadas e previstas. 2. Empresas em rede 2

3 Nos últimos 25 anos do século XX, o mundo assistiu a uma nova e profunda transformação da economia, que passou a ser informacional, global e em rede. Informacional porque a competitividade passou a depender da capacidade de gerar, processar e aplicar conhecimentos. Global porque as principais atividades produtivas, o consumo e a circulação de bens e serviços romperam as fronteiras dos países. Em rede, porque a produtividade e a concorrência são geradas via interação de redes empresariais (CASTELLS, 2005). Na nova economia, identifica-se a tendência de crise da empresa de grande porte e de flexibilidade da pequena empresa, esta última como agente de inovação e fonte de criação de empregos. A transformação da produção em massa para o sistema de produção flexível, e o conseqüente declínio do modelo de empresa verticalmente integrada, abriram espaço para pequenas e médias empresas que passaram a produzir para as grandes, formando conglomerados empresariais e exigindo mudanças nas estruturas das líderes. Algumas das mudanças implicaram o uso crescente da contratação de pequenas e médias empresas, cuja vitalidade e flexibilidade possibilitavam ganhos de produtividade e eficiência às grandes empresas, bem como à economia como um todo (CASTELLS, 2005, p. 214). Assim se formavam as redes, que Castells (2005) classifica em dois modelos: o de redes multidirecionais das empresas de pequeno e médio porte, e o modelo de licenciamento e subcontratação de produção sob o comando de uma grande empresa. O sucesso na exportação de Hong Kong, por exemplo, baseou-se em redes de pequenos negócios domésticos, com menos de cinqüenta trabalhadores. Em Taiwan, na década de 60, também já havia as redes de pequenas e médias empresas, mas nesse caso as trading japonesas eram as intermediárias. A interligação de empresas de grande porte, chamada de aliança estratégica, é também citada por Castells (2005). Duas ou mais empresas podem se unir para desenvolver um novo produto; na União Européia, esta união era condição para que recebessem subsídios do governo, a exemplo da Philips, Thomson SGS e Siemens em um projeto de microeletrônica. Na nova economia, a grande empresa não é mais autônoma nem auto-suficiente. As redes internacionais de empresas e de subunidades se mostram como a forma básica da nova economia. Ernst (1994) citado por Castells (2005) aponta cinco tipos de redes: de fornecedores, de produtores, de clientes, as coalizões-padrão (com o objetivo de prender empresas a seu produto proprietário ou padrão de interface) e de cooperação tecnológica. As empresas multinacionais não saem de cena: participam de várias redes, dependendo dos produtos, processos e países. Mas a nova economia não pode mais ser considerada centrada em empresas multinacionais, ainda que elas continuem a exercer controle oligopolista sobre a maioria dos mercados (CASTELLS, 2005). Kotler, Jain e Maesincee (2002) também relataram que gigantes da era industrial, como General Motors, Ford e Standard Oil praticavam a integração vertical, com a idéia de que era mais barato fazer internamente do que comprar de fornecedores, pois os custos de transação para construir e manter elos fora da organização seriam altos. Com as mudanças da economia digital, a integração vertical foi substituída pela integração virtual menos tempo e staff necessários para consumar transações e coordenar atividades entre diferentes agentes. Assim, surgem as redes colaborativas, compostas pelas empresas e seus stakeholders. Cada vez mais, na nova economia, a competição não se trava entre 3

4 empresas, mas entre redes colaborativas, com o prêmio ficando com a empresa que construiu a melhor rede colaborativa (KOTLER; JAIN; MAESINCEE, 2002, p. 24). Além da busca pela sobrevivência, a formação de parcerias também passou a visar à oferta de valor ao cliente. Kotler e Keller (2006) ressaltam que, para ter sucesso, as empresas devem buscar vantagens competitivas fora de suas operações, nas cadeias de valor de seus fornecedores, distribuidores e clientes. Atualmente, muitas empresas têm formado parcerias com fornecedores e distribuidores para criar uma rede de entrega de valor superior, também denominada cadeia de suprimento. Uma rede de valor é um sistema de parcerias e alianças que a empresa cria para produzir, aumentar e entregar suas ofertas. Uma rede de valor inclui os fornecedores da empresa e os fornecedores destes fornecedores, os clientes imediatos da empresa e os consumidores finais desses clientes. A rede de valor inclui relações valiosas com terceiros, como pesquisadores acadêmicos e agências governamentais reguladoras (KOTLER; KELLER, 2006, p. 467) Conforme Morgan (2000) citado por Helal e Camargos (2007), as empresas não vendem seus produtos e serviços num mesmo mercado, não mantêm entre si apenas relações de competição, mas verifica-se a existência de cooperação entre elas, capaz de transformar a natureza competitiva do ambiente. Barney e Hesterly (1996) citados por Helal e Camargos (2007) afirmam que o padrão de concorrência não é mais entre empresas individuais, mas entre conjuntos de empresas. É também freqüente na literatura sobre cooperação entre empresas a constatação de ganhos em aprendizagem e inovação. Em seus estudos, Fleury e Fleury (2006) demonstraram que a competitividade japonesa se deve, em grande parte, à sua cultura de cooperação, em que se intensifica o processo de transferência de informações e conhecimentos, criando um efeito sinérgico de aprendizagem mútua. A cooperação é objetivamente negociada, com liderança exercida pelas grandes empresas japonesas. Embora alguns estudiosos sobre a experiência do Japão polemizem o tema, afirmando que há exercício de autoridade abusivo por parte das grandes empresas, outros afirmam que as relações têm reciprocidade e que as subcontratadas não são desrespeitadas. Segundo Fleury e Fleury (2006), porém, a cooperação interempresarial no Brasil ainda é fraca. Em sua pesquisa constataram que, por motivos históricos, as empresas brasileiras se capacitam para a competição a partir de recursos próprios, e quando buscam auxílio externo, utilizam-se das consultorias, que se colocam como instituições neutras, no jogo competitivo. 3. Definições de aglomerações, arranjos produtivos e clusters Conforme Mytelka e Farinelli (2005), as aglomerações podem ser espontâneas ou induzidas por políticas públicas. Por sua vez, os aglomerados espontâneos são classificados em informais organizados e inovadores. Os informais reúnem micro e pequenas empresas com nível tecnológico baixo e com proprietários que geralmente possuem fracas capacidades gerenciais, trabalhadores com baixa qualificação e pouco ou nenhum aprendizado contínuo. A cooperação também é pouca. Como exemplo, os autores citam o aglomerado do Suame Magazine, em Kumasi, Gana, onde perto de 5 mil artesãos em garagens e oficinas produzem pequenas peças de reposição para automóveis. Os aglomerados organizados possuem um processo de atividade coletiva orientada para o fornecimento de infra-estrutura e serviços e o desenvolvimento de estruturas organizacionais elaboradas para enfrentar desafios em comum. Possuem elevado grau de confiança e alguma cooperação, embora não sustentada. Algumas empresas chegam a médio porte. Neste tipo de 4

5 aglomerado, as empresas exibem capacidade para adaptar tecnologias, elaborar novos produtos e levá-los rapidamente ao mercado. Exemplos citados pelos autores são o aglomerado de peças de automóveis em Nnewi, Nigéria, e o de instrumentos cirúrgicos em Sialkot, Paquistão. Os aglomerados inovadores são assim denominados por apresentarem atores críticos, inovação contínua, elevados graus de confiança e cooperação, melhor grau de sofisticação tecnológica. Reúnem PMEs e grandes empresas. Um exemplo é o aglomerado de fábricas de móveis, na Jutlândia, Dinamarca. Para Santos e Guarnieri (2000), os arranjos produtivos são um modelo ligado às economias de aglomeração, com proximidade física de empresas fortemente ligadas entre si por fluxos de bens e serviços. A concentração geográfica permite ganhos mútuos e operações mais produtivas, devendo ser destacados os papéis de autoridades ou instituições locais para a organização e a coordenação das empresas, pois apenas um grupamento de empresas não é suficiente para ganhos coletivos. Segundo as mesmas autoras, os arranjos produtivos podem envolver empresas de um único setor ou incluir um grupamento de fornecedores de insumos, máquinas, materiais e serviços. No arranjo produtivo pode existir uma empresa motriz ou empresa-âncora, e um grupo de fabricantes com os quais ela mantém vínculos técnicos, comerciais e financeiros. Esta característica está ligada à desverticalização, em que toda a cadeia deve ser competitiva para que a empresa-âncora também o seja. Santos e Guarnieri (2000, p. 200) apontam os seguintes benefícios para os agentes de um arranjo produtivo: Pequenas e médias empresas: compartilhamento de atividades comuns como compra de insumos, treinamento de mão-de-obra, contratação de serviços e logística; maior acesso à informação tecnológica; maior acesso a sistemas de informação e assistência técnica; melhoria de processos produtivos; ganhos de competitividade e redução de custos, através da qualificação e capacitação das empresas; agregação de maior valor aos produtos; acesso a créditos; Empresas-âncora: racionalização das atividades; redução de custos; aproveitamento de especialidades externas; garantia de oferta de insumos adequados; implementação de novas técnicas nos fornecedores; Universidades/instituições técnicas: geração de receita; fortalecimento da instituição; maior integração com a comunidade empresarial. Schmitz (2005, p. 323) também propõe a discussão sobre como APLs podem realizar um aprimoramento produtivo: - melhoria de processos: realizar melhor determinadas tarefas, como por exemplo, reorganizar o processo de produção ou introduzir uma nova máquina - melhoria de produtos: fazer um produto de melhor qualidade, mais sofisticado ou que simplesmente tenha o menor preço; 5

6 - avanço funcional: deslocamento para novas etapas na cadeia de valor, como, por exemplo, design ou marketing; - avanço intersetorial: uso das competências adquiridas em uma função específica para deslocamento em direção a um novo setor. Conforme Guimarães et al. (2006), devido à dificuldade das pequenas empresas para se adaptar às mudanças que a inovação tecnológica exigia, uma das soluções encontradas foi optar pela cooperação. Os autores apontam o surgimento de grupos de empresas independentes, chamados redes de negócios e clusters, visando estabelecer estratégias de competição em grupo. Nestes modelos, cooperação e competição convivem, dando origem à co-opetição. Brandenburger e Nalebuff (1996, citados por LEITE; LOPES; SILVA, 2008) definem co-opetição como o relacionamento no qual as organizações cooperam e competem entre si, exigindo dos atores a identificação de fases da cadeia produtiva em que a cooperação é vantajosa, e de fases em que devem prevalecer ações de competição. Nos clusters, o fio condutor da busca pela atratividade dos clientes é a proximidade geográfica. Conforme exemplificam Guimarães et al. (2006), é por isso que as pessoas vão comprar sapatos em Franca, ou malhas em Jacutinga, ou louças em Pedreira, entre outros exemplos, pois têm a certeza de que nessas localidades encontrarão uma variada gama de produtos de um mesmo tipo. No modelo de redes de negócios, o fio condutor da busca pela atratividade dos clientes é a fidelização das empresas que compõem a rede. Alguns exemplos são o grupo de hotéis do Roteiro do Charme, a associação de produtores de café de qualidade do Cerrado Mineiro, a rede formada pelas torrefadoras de café que apresentam o selo de qualidade da Associação Brasileira das Indústrias de Café (ABIC), ou as associações de compra de pequenos varejistas, como mercados de bairro ou farmácias isoladas (GUIMARÃES et al., 2006). Segundo Porter (1998) citado por Milaneze e Batalha (2008), clusters são um novo meio de pensar a localização e a configuração das empresas, e o como outros agentes como instituições de ensino e governo podem auxiliar o desenvolvimento econômico local. 4. Breve panorama da indústria confeccionista no Brasil e em Passos (MG) Segundo dados da ABRAVEST (2008), em 2005 a indústria do vestuário reunia empresas, distribuídas nas cinco regiões do país, sendo delas no Sudeste. No mesmo ano, estas empresas empregavam mais de um milhão de trabalhadores, e faturaram 20, 7 milhões de dólares. Schmid (2004) aponta a formação de diversos pólos de produção de moda no país, com destaque para os estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina. Mais recentemente as indústrias de Goiás vêm aumentando sua participação de mercado e no município de Toritama, Pernambuco, um pólo de fábricas de jeans vem destronando líderes da região Sudeste. Em Passos, município do sudoeste de Minas Gerais com população de 103 mil habitantes, a indústria confeccionista nasceu em 1979 com a Mony Confecções (BARBOSA, 2006). Atualmente, segundo a Associação Passense das Indústrias de Confecção (APICON), o setor reúne perto de 300 empresas ligadas à produção de roupas, entre fábricas, facções, lavanderias e empresas de bordados. Destas, aproximadamente 60 produzem e comercializam peças com marca própria. 6

7 A maioria das fábricas possui lojas na Avenida Comendador Francisco Avelino Maia, popularmente chamada de Avenida da Moda, em Passos, considerada um shopping center a céu aberto e que atrai um razoável número de pessoas para o turismo de compras. As indústrias integrantes deste pólo confeccionista se diversificam nos segmentos do vestuário, atendendo de crianças a idosos. Suas indústrias não são de grande porte, pois somente uma delas ultrapassa o número de 200 funcionários, duas ultrapassam a casa dos cem funcionários e o restante está abaixo deste índice. Somados, os postos de trabalho gerados pela indústria confeccionista ocupam o segundo lugar em número de empregados no município, atrás apenas das usinas açucareiras (BARBOSA, 2006). 5. Objetivos e Metodologia O intuito deste trabalho é apresentar uma investigação primária sobre o aglomerado de fábricas de roupas em Passos-MG, verificando o seu grau de organização e as ações coletivas já realizadas e as previstas. Optou-se por uma abordagem qualitativa, com entrevistas pessoais junto a três agentes participantes do setor produtivo local: a gestora do escritório local do Sindicato das Indústrias de Vestuário de Minas Gerais (SINDIVEST-MG), que também é gestora da Associação Passense das Indústrias de Confecção (APICON); a diretora da Faculdade de Moda e Design (também proprietária de fábrica de roupas); e a representante do escritório do Sebrae-MG no município, entidade que tem promovido programas de capacitação para os empresários confeccionistas. Para a coleta de dados, também se utilizaram informações publicadas na imprensa local e no site do Sebrae-MG. 6. Resultados e Discussões Segundo a representante do Sebrae-MG, a reunião dos fabricantes de roupas de Passos teve início há pelo menos dez anos, com a participação conjunta em programas como Qualidade Total e Empretec (treinamento de empreendedores). Porém, naquela época, estes programas eram dirigidos às empresas de todos os segmentos, indistintamente. Apenas em 2007 o Sebrae-MG passou a atuar em Passos com foco setorial, ou seja, com programas específicos para o setor confeccionista. Assim, a instituição fomentou a participação das empresas locais em eventos como a Feira Internacional do Setor Infanto- Juvenil (FIT) e Feira Internacional da Indústria Têxtil (FENIT); promoveu o Programa de Alavancagem Tecnológica (PAT) e durante todo o ano de 2008 foi realizado o programa Cultura da Cooperação, que consistiu em reuniões mensais com duração de quatro horas, em que uma consultora fazia a mediação de interesses comuns do setor. Participaram destes encontros mensais, em média, 14 empresários confeccionistas. Em 2009, segundo a entrevistada, a projeção é implantar em Passos o programa Gestão Estratégica Orientada para Resultados (GEOR), a exemplo do que o Sebrae-MG já realiza em outros pólos confeccionistas, como Divinópolis e Juruaia. Dados publicados em site do Sebrae-MG mostram que em Divinópolis, por exemplo, os empresários definiram coletivamente metas pontuais como aumento do volume de vendas e aumento da produtividade, através de estratégias como capacitação de mão-de-obra, acesso a novas tecnologias de produção, participação em feiras e busca de novos mercados. Em novembro de 2008, o projeto estava com 95% das suas ações concluídas. 7

8 Em Juruaia, produtora de moda íntima, as empresas definiram coletivamente o aumento do faturamento, aumento do volume de vendas e da produtividade; para isso, definiram-se estratégias para capacitação, desenvolvimento do turismo de compras e divulgação do pólo no mercado nacional. A entrevistada do Sebrae-MG, por não ter supervisionado desde o início as ações realizadas no setor confeccionista de Passos (já que isto estava a cargo de outro profissional da instituição), afirma não estar apta para realizar uma avaliação geral do aglomerado confeccionista; porém, percebe avanços, ao mesmo tempo que aponta a existência de barreiras à maior adesão dos empresários. Ela informa que ainda foi realizado com as empresas de confecções o Comércio Brasil, um programa de estratégia de mercado, tendo sido feito um diagnóstico e aguardando uma nova fase. Perguntada sobre como vê o grupo de empresários confeccionistas de Passos, a representante do SINDIVEST-MG e APICON afirma que ainda há uma resistência à formação de uma rede. Aponta também a falta de apoio formal da prefeitura, bem como a falta de dados oficiais sobre as empresas, o que se espera obter a partir da oficialização de um pólo regional. Conforme noticiado pelo jornal Folha da Manhã (14/08/08), representantes de oito cidades do Sul de Minas, do ramo confeccionista, assinaram um termo de acordo para a criação de um pólo regional confeccionista: Jacutinga, Juruaia, Inconfidentes, Monte Sião, Borda da Mata, Ouro Fino, São Sebastião do Paraíso e Passos. Segundo o presidente da APICON, entrevistado pelo jornal, cada cidade tem um produto diferente e, portanto, não serão concorrentes diretos. Entre as propostas de ações coletivas, está a criação de uma agenda unificada de eventos. Os participantes do grupo estimam que a somatória de investimentos em eventos nestes municípios é de R$ 2 milhões e acreditam que juntos conquistarão mais força para a organização e divulgação dos eventos, além de reduzir os custos para isso. A publicidade conjunta em sites e participação nas feiras do setor, em São Paulo, são outras ações conjuntas, além de busca de qualificação para a mão-de-obra, que foi apontada como a maior dificuldade para os participantes. Também conforme o presidente da APICON, juntas estas cidades possuem 2500 fábricas de roupas, com geração de 40 mil vagas de empregos diretos e indiretos e faturamento anual de R$ 1,2 bilhão, o que aponta para a possibilidade de busca de recursos governamentais. A entrevistada da APICON e SINDIVEST-MG informou que após a assinatura do termo de cooperação entre as oito cidades, representantes do grupo se reuniram com membros da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e aguardam uma audiência com o governador do Estado, sinalizando boas perspectivas de conquista de verbas para o desenvolvimento do pólo. Na visão da entrevistada, a formação de uma rede possibilita a compra de maquinários, a participação em eventos e feiras de negócios, o intercâmbio para a divulgação, enfim, gera um grande poder de compra e de venda. Ela acredita que o empresário disposto a cooperar com outras empresas está em busca de crescimento, de aprender com a experiência alheia e de conseguir parcerias para os eventos. Através do contato com esta entrevistada, tomou-se conhecimento da produção de um informativo bimensal dirigido aos empresários participantes da APICON e do SINDIVEST- MG, contendo agenda de ações das entidades e outras informações úteis, além de um catálogo impresso das fábricas da região, distribuído a fornecedores e clientes durante a FENIT

9 Ao contrário do que foi citado inicialmente pela representante do SINDIVEST-MG, o catálogo possui o apoio oficial da Prefeitura de Passos. No espaço do editorial, o informativo traz uma espécie de lema das entidades: o ruim não é ser pequeno, o ruim é ser sozinho. A entrevistada informou também sobre a implantação do site idéia que surgiu durante as reuniões do grupo Cultura da Cooperação. Trata-se de uma loja virtual de peças de vários fabricantes de Passos, com venda a varejo e atacado, que está sendo divulgada em Minas e São Paulo através de anúncios em revistas e outdoors. Na ocasião da entrevista, o site de vendas tinha três meses de funcionamento. Na visão desta entrevistada, as empresas estão engatinhando, mas o potencial é grande. Ela prevê como conquistas futuras o apoio governamental para a oficialização de um circuito sulmineiro de compras de confecções, e em curto e médio prazo, a abertura de campos de estágio para alunos do curso de graduação de Moda e Design de Passos, com vistas a melhorar a qualificação da mão-de-obra e a gestão das fábricas de confecção. A terceira entrevistada foi a diretora da Faculdade de Moda e Design de Passos, unidade da Fundação de Ensino Superior de Passos (FESP), campus agregado à Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG). A FESP oferece 22 cursos de graduação e atende a cerca de estudantes vindos, principalmente, de municípios distantes num raio de 100 km da cidade de Passos. A diretora da faculdade, que também é empresária de moda, não considera que as empresas de Passos possam ser chamadas de pólo. Ela conta que a movimentação de produção de roupas na cidade começou em 1978, época em que os estados de Minas e Rio de Janeiro eram os ditadores de moda no Brasil. Para a entrevistada, existe um aglomerado, que atrai um determinado grau de investimento, porém necessita de profissionalização. Ela vê o curso superior de Moda e Design como fundamental no papel de aprimoramento das empresas locais e cita a possibilidade de criação de uma cooperativa para compras conjuntas, a fim de reduzir custos. Sobre as ações feitas coletivamente pelos empresários, ela aponta as excursões organizadas para trazer os sacoleiros (pessoas físicas que compram roupas para revender de porta em porta), e os eventos de venda como Pró-Moda e Saldão da Moda. Conforme verificado neste estudo, em recorte do jornal Folha da Manhã (29/06/08), o evento Pró-Moda atingiu sua 17ª edição. Com duração de uma semana, tem o objetivo de promover as vendas de roupas, através de preços e condições especiais de pagamento. As lojas participantes ostentam na vitrine um adesivo da promoção, ou como foi o caso do evento em 2008, montam estandes em local específico para a feira. Para atrair consumidores, em 2008 o evento sorteou brindes diariamente e premiou o melhor vendedor com uma viagem para Porto Seguro (BA). Além dos consumidores locais, o evento atrai moradores de cidades vizinhas e até do estado de São Paulo, configurando-se em uma estratégia de turismo de compras. Na visão da diretora da faculdade, os eventos realizados na cidade são interessantes, porém é lá fora que as empresas devem mostrar seus produtos, como nas rodas de negócios realizadas na Fashion Rio e Fashion Week de São Paulo. Ainda sobre ações conjuntas já realizadas na cidade, esta entrevistada cita os cursos profissionalizantes de mão-de-obra e a divulgação conjunta como a realizada na edição especial da Revista Foco, produzida por uma editora local. 9

10 Perguntada sobre os principais problemas enfrentados pelo setor, a diretora do curso enumera a escassez de mão-de-obra, de modelistas e costureiras, passando por gerente de produção, até vendedores de balcão; a baixa profissionalização da gestão, embora já se presencie a contratação de profissionais especializados, principalmente pelos empresários mais novos ou filhos que assumiram os comandos das empresas; a concorrência de produtos da Ásia que, segundo ela, são bons e baratos; a compra de tecidos, já que a própria indústria têxtil nacional também sofre com as importações asiáticas. A entrevistada também sente falta de uma agência local de publicidade especializada em moda, que possa produzir os catálogos e os eventos. Quanto à interação entre a faculdade e os agentes do setor produtivo e de apoio à moda, a entrevistada afirma que existem ações conjuntas, como os convites das empresas aos professores e alunos do curso para realizar produções de moda, vitrines e desfiles. Uma idéia futura do curso é criar um bureau de moda, com venda de catálogos de tendências e outros serviços. Em sua opinião os empresários não têm pleno conhecimento do que os alunos de Moda podem realizar, ou seja, desconhecem as capacitações oferecidas pelo curso de Moda e Design. Ainda no que tange à integração entre faculdade e outros atores do setor, a diretora afirma ter desconhecimento das reuniões do grupo Cultura da Cooperação e também não participou até o momento de nenhuma reunião de planejamento da APICON e SINDIVEST- MG. 7. Considerações Finais Com a pesquisa feita sobre o aglomerado de empresas confeccionistas em Passos (MG), a fim de verificar seu grau de organização e identificar as ações coletivas realizadas e previstas, verifica-se que o aglomerado surgiu de forma espontânea, conforme a classificação usada por Mytelka e Farinelli (2005). Trata-se de uma aglomeração espontânea organizada, tendo ultrapassado o estágio informal, porém ainda distante de ser considerada uma aglomeração inovadora. Em consonância com a literatura sobre os benefícios conquistados via atuação coletiva de empresas, os empresários de Passos vêm compartilhando conhecimentos em busca de melhoria de produtividade, realizam treinamentos coletivos de mão-de-obra e somam esforços para divulgação dos produtos. As compras conjuntas de insumos e maquinários são citadas como possibilidades pelos agentes, porém ainda não efetuadas. A possibilidade de juntos conquistarem verbas governamentais para crescimento do pólo está saindo do papel. Nas falas dos entrevistados, pode-se interpretar, ainda, que a reunião de empresários em torno de uma associação a APICON, mais que buscar a redução de custos e ganhos de competitividade, tem o intuito de valorizar o setor perante a sociedade. Além da busca de somar recursos, empresas também se unem com o objetivo de se legitimarem (GRANDORI; SODA, 1995, citados por HELAL; CAMARGOS, 2007). Também se verificam em Passos, conforme Santos e Guarnieri (2000), os benefícios do arranjo para instituições técnicas e de ensino, como são os casos do Sebrae-MG e do curso de Moda da FESP. Apesar de não explicitado nas entrevistas ou nos materiais escritos coletados, as autoras têm conhecimento prévio do benefício do arranjo para as empresas-âncora, que são as empresas de porte médio que subcontratam os trabalhos das facções e serviços de bordados e lavanderias existentes no município. 10

11 Embora as entrevistas deste estudo tenham se limitado a três agentes do setor confeccionista da cidade, foi possível perceber a deficiência de comunicação dentro do aglomerado e motivar futuros estudos sobre o pólo. Informações relevantes como a criação de um site de vendas da cidade (que eram de conhecimento de apenas uma entrevistada) e a ausência de participação da representante do curso de Moda nas reuniões oficiais do setor, demonstram isso. Seja por mero desconhecimento da importância de fazer a informação fluir, seja por barreiras culturais e comportamentais, intui-se que o arranjo de confecções de Passos poderia obter mais eficácia na sua somatória de esforços. Conforme Helal e Camargos (2007, p. 183): [...] torna-se tarefa relevante conhecer e analisar o modo como as informações fluem no ambiente organizacional, permitindo que as organizações entrem em contato, com o propósito de se relacionarem e consolidarem as alianças. Ferreira (2006) detectou um contexto semelhante, no que tange às barreiras na troca de informações, no pólo confeccionista de Divinópolis, município do Centro-Oeste de Minas Gerais. Embora aquele aglomerado apresentasse características marcantes de um cluster, tal como a concentração geográfica de muitas empresas do mesmo setor, intensa disputa que leva à melhoria contínua, qualidade no suprimento de componentes e equipamentos especializados, entre outras, ainda se observavam deficiências na cooperação entre os agentes, na individualidade dos canais de venda e na falta de integração com as faculdades locais. Este estudo apresentou, enfim, os resultados de uma pesquisa exploratória sobre o aglomerado de confecções em Passos-MG, indicando seu grau de organização e os benefícios coletivos já conquistados e previstos para o futuro. Embora o aglomerado já se beneficie de algumas ações cooperativas, esta investigação indica - em conformidade com a literatura - que para se caracterizar como um legítimo APL necessita de mais profunda articulação e interação entre todos os agentes. Este trabalho pode servir de ponto de partida para novas pesquisas que quantifiquem e qualifiquem os agentes participantes deste arranjo, ou que busquem as causas das barreiras ao crescimento do pólo, visto que de aproximadamente 300 negócios formais e informais ligados à produção de roupas, apenas 25 empresas participam efetivamente da associação de classe em Passos, bem como, contribuir para a reflexão e estudo de outras regiões e segmentos. Referências ABRAVEST. Associação Brasileira do Vestuário. Disponível em <http://www.abravest.org.br>. Acesso em: 30 jan BARBOSA, J. P. P. A indústria de confecção de Passos/MG e a capacitação de sua mão-de-obra Dissertação (Mestrado em Administração) Faculdade de Ciências Econômicas de Franca, Franca CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura. 8. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005, v. 1. cap. 3, p FERREIRA, M. F. G. A formação de um Cluster: uma perspectiva para o pólo confeccionista de Divinópolis. Dissertação (Mestrado em Administração) Faculdades Integradas Pedro Leopoldo, Pedro Leopoldo, Disponível em <http:// Acesso em: 28 abr FLEURY, A. & FLEURY, M. T. L. Aprendizagem e Inovação Organizacional: as experiências de Japão, Coréia e Brasil. 2. ed. São Paulo: Atlas, FOLHA DA MANHÃ. Passos: Empresa Jornalística Santa Marta. 29 jun. 2008, p

12 .. 14 ago. 2008, p. 4. GUIMARÃES, A. T. R. et al. Conceituando Entidades de Gestão Supra-Empresariais: Clusters e Redes de Negócios. Disponível em <http://www.ead.fea.usp.br/semead/10semead/sistema/resultado/trabalhospdf/342.pdf>. Acesso em: 10 dez HELAL, D. H. & CAMARGOS, M. A. Formação e Consolidação de Alianças Estratégicas: o Papel do Capital Social nos Relacionamentos Interorganizacionais. In: GARCIA, F. C.; HONÓRIO, L. C. (Org.). Administração, Metodologia, Organizações, Estratégia. 2. ed. Curitiba: Juruá Editora, KOTLER, P.; JAIN, D. C. & MAESINCEE, S. Marketing em Ação: uma nova abordagem para lucrar, crescer e renovar. Rio de Janeiro: Campus, KOTLER, P. & KELLER, K. L. Administração de Marketing. 12. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, LEITE, R. S.; LOPES, H. E. G. & SILVA, S. A. D.. Benefícios Percebidos, Cooperação e Competição: uma análise dos relacionamentos no arranjo produtivo calçadista de Nova Serrana. Disponível em <http:// Acesso em: 28 abr MILANEZE, K. L. N. & BATALHA, M. O. Análise da competitividade do setor calçadista do estado de São Paulo. In: Revista de Administração, USP, São Paulo, v. 43, n.2, p , abr/maio/jun MYTELKA, L. & FARINELLI, F. De Aglomerados Locais a Sistemas de Inovação. In: LASTRES; CASSIOLATO; ARROIO (Org.). Conhecimento, Sistemas de Inovação e Desenvolvimento. Rio de Janeiro: UFRJ, SANTOS, A. M. M. M. & GUARNIERI, L.S. Características Gerais do Apoio a Arranjos Produtivos Locais. In: BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 12, p , set Disponível em: <http://www.bndes.gov.br/conhecimento/bnset/set1210.pdf>. Acesso em: 10 dez SCHMID, E. Marketing de varejo de moda: uma ênfase em médias empresas. Rio de Janeiro: Qualitymark, SCHMITZ, H. Aglomerações Produtivas Locais e Cadeias de Valor: Como a Organização das Relações entre Empresas Influencia o Aprimoramento Produtivo. In: LASTRES; CASSIOLATO & ARROIO (Org.). Conhecimento, Sistemas de Inovação e Desenvolvimento. Rio de Janeiro: UFRJ,

$55$1-26/2&$,6 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri*

$55$1-26/2&$,6 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri* CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri* * Respectivamente, gerente setorial de Indústria Automobilística e Comércio e Serviços

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

O CENÁRIO DO PÓLO DE CONFECÇÕES DO AGRESTE DE PERNAMBUCO

O CENÁRIO DO PÓLO DE CONFECÇÕES DO AGRESTE DE PERNAMBUCO O CENÁRIO DO PÓLO DE CONFECÇÕES DO AGRESTE DE PERNAMBUCO Autora: IZABELLE SOUSA BARROS Resumo Este artigo propõe uma reflexão sobre o atual cenário do Arranjo Produtivo Local de Confecções do Agreste Pernambucano

Leia mais

Introdução de Práticas de Inovação Contínua nas Micro e Pequenas Empresas do Arranjo Produtivo Local do Vestuário de Maringá: um Estudo de Caso

Introdução de Práticas de Inovação Contínua nas Micro e Pequenas Empresas do Arranjo Produtivo Local do Vestuário de Maringá: um Estudo de Caso Introdução de Práticas de Inovação Contínua nas Micro e Pequenas Empresas do Arranjo Produtivo Local do Vestuário de Maringá: um Estudo de Caso Cleina Yayoe Okoshi, Francisco Rodrigues Lima Junior, Leandro

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA

O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA VAREJO Julho - 2012 O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA Fonte imagem: Disponível em:< http://4.bp.blogspot.com/_caqa6tpillu/tjevn_ah_ei/ AAAAAAAAAAM/3dTp5VPhJ9E/s1600/69589_Papel-de-Parede-Todos-juntos_1280x800.

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL DRS. AVELAR, João Marcos Borges (TIDE), UNESPAR/FECILCAM, jmavelar@yaho.com.br

DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL DRS. AVELAR, João Marcos Borges (TIDE), UNESPAR/FECILCAM, jmavelar@yaho.com.br DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL DRS AVELAR, João Marcos Borges (TIDE), UNESPAR/FECILCAM, jmavelar@yaho.com.br RESUMO: O presente trabalho relata as atividades desenvolvidas pela Unespar/Fecilcam nos

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas As diretrizes estratégicas dão foco ao negócio Perspectivas Simplificar e agilizar a utilização

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

Comunidades preparadas e comprometidas com a superação de seus desafios.

Comunidades preparadas e comprometidas com a superação de seus desafios. Apresentação O Instituto Camargo Corrêa, criado em dezembro de 2000 para orientar o investimento social privado das empresas do Grupo Camargo Corrêa, é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Bambuí/MG - 2008 O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Júlio César Benfenatti FERREIRA (1); Antônio Carlos SANTOS(2)*

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ XXVIENANGRAD A INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS DE CURITIBA, LONDRINA E MARINGÁ (PR): UMA ABORDAGEM À LUZ DO DEBATE SOBRE AGLOMERAÇÕES PRODUTIVAS ESPECIALIZADAS Miguel Faria

Leia mais

Pesquisa de Opinião do Comércio Varejista de Belo Horizonte. Polo de Moda

Pesquisa de Opinião do Comércio Varejista de Belo Horizonte. Polo de Moda Pesquisa de Opinião do Comércio Varejista de Belo Horizonte 2013 Apresentação Belo Horizonte também é conhecida por abrigar, entre suas montanhas, tradicionais polos da moda. Os bairros de Lourdes, Prado,

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO BOLSAS E ACESSÓRIOS

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO BOLSAS E ACESSÓRIOS OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO BOLSAS E ACESSÓRIOS 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

Promoção de APLs para o Desenvolvimento Regional. Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2009

Promoção de APLs para o Desenvolvimento Regional. Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2009 Promoção de APLs para o Desenvolvimento Regional Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2009 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. DIRETRIZES GERAIS Missão Programas Estratégias 2. ESTUDO DE CASO 3. VÍDEO: PROMOÇÃO DE

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Grupo 1. Oportunidades

Grupo 1. Oportunidades Grupo Todos nós, de forma direta ou indireta, possuímos relação com atividades, fornecendo produtos e/ou serviços a elas Aumento da carteira de clientes; Possibilidade de oferecer novos serviços/produtos

Leia mais

Inovação na cadeia produtiva

Inovação na cadeia produtiva CRI Minas BH, 21 Mar 2013 Inovação na cadeia produtiva Renato Garcia Poli/USP renato.garcia@poli.usp.br Novo paradigma tecnológico Reestruturação das grandes empresas Especialização nas competências centrais

Leia mais

TERRITÓRIOS DA MODA A INDÚSTRIA DA MODA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

TERRITÓRIOS DA MODA A INDÚSTRIA DA MODA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO TERRITÓRIOS DA MODA A INDÚSTRIA DA MODA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO RELATÓRIO DA PESQUISA ETAPA QUANTITATIVA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO / SEBRAE CENTRO DE TECNOLOGIA E SOCIEDADE DIREITO RIO

Leia mais

Convênio FIESP/SEBRAE. APL de Jóias de São José do Rio Preto

Convênio FIESP/SEBRAE. APL de Jóias de São José do Rio Preto Convênio FIESP/SEBRAE APL de Jóias de São José do Rio Preto Rio de Janeiro - Outubro, 2004 1 Metodologia FIESP 2 Objetivos: Micros e Pequenas Empresas Aumentar a Competitividade Criar Processos de Auto-Sustentação

Leia mais

2. As Empresas. Conteúdo

2. As Empresas. Conteúdo 2. As Empresas Conteúdo 1. Empresas 2. Características das Empresas 3. Rápida História das Organizações 4. Categoria de Empresas 5. Empresas Como Sistema Abertos 6. O Alinhamento Organizacional 7. Os Recursos

Leia mais

II Concurso de Artigos de Agentes de Desenvolvimento, 2014

II Concurso de Artigos de Agentes de Desenvolvimento, 2014 II Concurso de Artigos de Agentes de Desenvolvimento, 2014 FORTALECIMENTO DOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS NA CIDADE DE MONTES CLAROS ATRAVÉS DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E AÇÕES

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Centro Tecnológico do Couro, Calçados e Afins

Centro Tecnológico do Couro, Calçados e Afins Centro Tecnológico do Couro, Calçados e Afins O CTCCA - Centro Tecnológico do Couro, Calçados e Afins é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, localizada na cidade de Novo Hamburgo/RS, que

Leia mais

Projeto Franca São Paulo, 28 de outubro de 2004

Projeto Franca São Paulo, 28 de outubro de 2004 Projeto Franca São Paulo, 28 de outubro de 2004 Conteúdo AMOSTRA FONTES DE INFORMAÇÕES MARKETING FINANÇAS EXPORTAÇÃO PRODUÇÃO QUALIDADE COMPETÊNCIAS PÓLO APL AÇÕES CONJUNTAS AMEAÇAS E OPORTUNIDADES QUESTÃO

Leia mais

APL como Estratégia de Desenvolvimento

APL como Estratégia de Desenvolvimento APL como Estratégia de Desenvolvimento Marco Crocco Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional 3a Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais 1 A Difusão da Perspectiva de APL Um balanço

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda.

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda. Campus Cabo Frio Trabalho de Microeconomia Prof.: Marco Antônio T 316 / ADM Grupo: Luiz Carlos Mattos de Azevedo - 032270070 Arildo Júnior - 032270186 Angélica Maurício - 032270410 Elias Sawan - 032270194

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

EVENTO COM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DIRECIONADAS PARA EMPREENDEDORES

EVENTO COM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DIRECIONADAS PARA EMPREENDEDORES EVENTO COM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DIRECIONADAS PARA EMPREENDEDORES A Feira do Empreendedor é promovida pelo Sebrae desde 1992 em todos os estados do país. É considerado o maior evento presencial de

Leia mais

Serviços produtivos e redes de cooperação público-privada

Serviços produtivos e redes de cooperação público-privada Serviços produtivos e redes de cooperação público-privada Maria Lucrécia Calandro * O acelerado desenvolvimento do setor serviços e a intensificação da cooperação entre empresas estão associados às transformações

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

O Setor de Bioenergia

O Setor de Bioenergia Sertãozinho - SP O Setor de Bioenergia SISTEMA (CADEIA) AGROINDUSTRIAL SUCROENERGÉTICO PIB em 2008: USD 28.153,10 milhões Antes das Fazendas USD 9.252,42 mm Fertilizantes USD 2.259,09 milhões Defensivos

Leia mais

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: "PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Sobre o evento ACELERA SP

Sobre o evento ACELERA SP Sobre o evento ACELERA SP Articulado pelo parlamentar da região, o município de Guararema receberá a oitava edição do encontro, que tem como objetivo apresentar os projetos da pasta e discutir possíveis

Leia mais

Graduação. Avaliação de Egressos. Alunos formados entre jan/2010 e dez/2011

Graduação. Avaliação de Egressos. Alunos formados entre jan/2010 e dez/2011 Graduação Avaliação de Egressos Alunos formados entre jan/2010 e dez/2011 Abril/2013 FICHA TÉCNICA Período de aplicação De 14 de janeiro a 28 de fevereiro de 2013. Formato Avaliação realizada, via e-mail,

Leia mais

ENCONTROS DE NEGÓCIOS ORIENTAÇÃO EMPRESARIAL PALESTRAS EXPOSIÇÃO DE EMPRESAS

ENCONTROS DE NEGÓCIOS ORIENTAÇÃO EMPRESARIAL PALESTRAS EXPOSIÇÃO DE EMPRESAS ENCONTROS DE NEGÓCIOS ORIENTAÇÃO EMPRESARIAL PALESTRAS EXPOSIÇÃO DE EMPRESAS SEMANA DE NEGÓCIOS 2014 O EVENTO A Semana de Negócios Metalmecânica do Médio Paraíba Fluminense de 2014 acontece entre os dias

Leia mais

Legenda da priorização das propostas:

Legenda da priorização das propostas: Ações que já foram iniciadas, devemos MONITORAR o andamento. Articular para 2013 o inicio da execução das Propostas. Sem prazo definido. Articular o inicio a medida do possível. Legenda da priorização

Leia mais

Organização da produção - Renato Garcia, setembro de 2005. renato.garcia @poli.usp.br

Organização da produção - Renato Garcia, setembro de 2005. renato.garcia @poli.usp.br Mesa - Organização da Produção Caracterização da estrutura produtiva em Sistemas Locais de Produção (APLs) proposições e implicações de políticas Renato Garcia, POLI-USP renato.garcia@poli.usp.br Apresentação

Leia mais

PROGRAMA CAIXA APL. SERGIO NETTO AMANDIO GERENCIA NACIONAL DE APLICAÇÃO MPE Out/2009

PROGRAMA CAIXA APL. SERGIO NETTO AMANDIO GERENCIA NACIONAL DE APLICAÇÃO MPE Out/2009 PROGRAMA CAIXA APL SERGIO NETTO AMANDIO GERENCIA NACIONAL DE APLICAÇÃO MPE Out/2009 ATENDIMENTOS 436 milhões em Agências 921 milhões em terminais de Auto-Atendimento QUANTIDADE DE CLIENTES - EM MILHÕES

Leia mais

A SER PREENCHIDO PELO MUNICÍPIO Nome do responsável: A SER PREENCHIDO PELO MUNICÍPIO A SER PREENCHIDO PELO MUNICÍPIO

A SER PREENCHIDO PELO MUNICÍPIO Nome do responsável: A SER PREENCHIDO PELO MUNICÍPIO A SER PREENCHIDO PELO MUNICÍPIO PLANO DE AÇÃO ESTRUTURA BÁSICA DADOS DO PROPONENTE: Município/Estado: UF (do Município): A SER PREENCHIDO PELO MUNICÍPIO A SER PREENCHIDO PELO MUNICÍPIO Nome do responsável: A SER PREENCHIDO PELO MUNICÍPIO

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS Eunápolis, Julho/2013 1. CONTEXTUALIZAÇÃO Eunápolis possui a terceira maior população do Extremo Sul da Bahia estimada em 102 mil habitantes, sendo

Leia mais

CENTRO DE NEGÓCIOS DA MODA

CENTRO DE NEGÓCIOS DA MODA PROGRAMA MODATECA: CENTRO DE NEGÓCIOS DA MODA Área temática: Tecnologia e Produção Izabele Barros Universidade de Pernambuco (UPE) Izabele Barros[1]; Hannah Miranda Morais[2]; Ana Rita Valverde Peroba[3];

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

A INTERNET AUXILIANDO O FORTALECIMENTO DA MODATECA NO INTERIOR PERNAMBUCANO CARLOS MÁGNO, CÉSAR HENRIQUE LEITE DE ALBUQUERQUE, DANILO MONTEIRO RIBEIRO

A INTERNET AUXILIANDO O FORTALECIMENTO DA MODATECA NO INTERIOR PERNAMBUCANO CARLOS MÁGNO, CÉSAR HENRIQUE LEITE DE ALBUQUERQUE, DANILO MONTEIRO RIBEIRO 1 A INTERNET AUXILIANDO O FORTALECIMENTO DA MODATECA NO INTERIOR PERNAMBUCANO CARLOS MÁGNO, CÉSAR HENRIQUE LEITE DE ALBUQUERQUE, DANILO MONTEIRO RIBEIRO INTRODUÇÃO Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação.

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação. 1 A Feira do Empreendedor é um evento de sucesso promovido pelo SEBRAE-SP, com o objetivo de oferecer informação, conhecimento e oportunidade para empresários e futuros empreendedores. A Feira do Empreendedor

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior.

A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior. A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior. Ainda articula ações específicas na estruturação de cadeia produtivas

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA LINHAS DE FINANCIAMENTO E ACESSO AO CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO 13 / 4 / 09 ACESSO AO CRÉDITO PARA AS MICROS E

Leia mais

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR Situação Atual do Setor Têxtil e de Confecção Aguinaldo Diniz Filho Presidente da Abit Brasília, 19 de junho de 2013 PERFIL DO SETOR ESTRUTURA DA CADEIA TEXTIL E DE CONFECÇÃO

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

NOVA AGENDA PARA PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO EM APLs

NOVA AGENDA PARA PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO EM APLs NOVA AGENDA PARA PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO EM APLs 3ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais (APLs) Mansueto Almeida -IPEA 1. Principais desafios Vários APLs estão localizados em cidades

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva Sandely Fernandes de Araújo (UFRN) sandely.araujo@pep.ufrn.br Anatália Saraiva Martins Ramos (UFRN) anatalia@pep.ufrn.br Resumo

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB. Incubadora

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB. Incubadora Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Incubadora 7. INCUBADORA 7.1 INCUBEM: desenvolvendo empresas de sucesso A Incubadora de Empresas do Sudoeste Baiano INCUBEM é uma instituição que tem por

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE FOMENTO AOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROGRAMA ESTADUAL DE FOMENTO AOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA ESTADUAL DE FOMENTO AOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO Juliana Arnaut de Santana 1 Dalton Siqueira Pitta Marques 2 1 INTRODUÇÃO Com a finalidade de normatizar a atuação do estado

Leia mais

Estudo Econômico do APL de Confecções do Agreste Pernambucano 2012

Estudo Econômico do APL de Confecções do Agreste Pernambucano 2012 Estudo Econômico do APL de Confecções do Agreste Pernambucano 2012 Objetivos Principais Descrever quantitativamente o Polo de Confecções do Agreste Analisar a dinâmica econômica do Polo, apontando as suas

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

Gestão de Pequenas e Medias Empresas

Gestão de Pequenas e Medias Empresas Gestão de Pequenas e Medias Empresas Os pequenos negócios são definidos por critérios variados ao redor do mundo. Para o Sebrae, eles podem ser divididos em quatro segmentos por faixa de faturamento, com

Leia mais

ARRANJOS PRODUTIVOS. w w w. b r d e. c o m. b r. Fonte: Site SEBRAE

ARRANJOS PRODUTIVOS. w w w. b r d e. c o m. b r. Fonte: Site SEBRAE ARRANJOS PRODUTIVOS Arranjos produtivos são aglomerações de empresas localizadas em um mesmo território, que apresentam especialização produtiva e mantém algum vinculo de articulação, interação, cooperação

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO LIMPEZA, MANUTENÇÃO E POLIMENTO DE PISOS E PEDRAS

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO LIMPEZA, MANUTENÇÃO E POLIMENTO DE PISOS E PEDRAS OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO LIMPEZA, MANUTENÇÃO E POLIMENTO DE PISOS E PEDRAS 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

Sua empresa mais competitiva! Projeto de Patrocínio EXPEN 2014

Sua empresa mais competitiva! Projeto de Patrocínio EXPEN 2014 Sua empresa mais competitiva! Projeto de Patrocínio EXPEN 2014 1ª FEIRA DO SUL DO BRASIL COM SOLUÇÕES COMPLETAS DE GESTÃO, SERVIÇOS E TECNOLOGIA PARA A SUA EMPRESA Na EXPEN 2014, você encontrará tecnologia,

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

2ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA: Visão de Futuro. Reforço da Competitividade do APL de Moda Íntima de Juruaia

2ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA: Visão de Futuro. Reforço da Competitividade do APL de Moda Íntima de Juruaia 2ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA: Visão de Futuro Reforço da Competitividade do APL de Moda Íntima de Juruaia Juruaia, 16/09/2010 SEDE Secretária de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais Reforço da Competitividade

Leia mais

Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação

Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação slide 1 3.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como o modelo das cinco forças competitivas

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais