O ENSINO PÚBLICO NO BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XIX. César Augusto Castro 1 Kênia Gomes Lopes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ENSINO PÚBLICO NO BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XIX. César Augusto Castro 1 Kênia Gomes Lopes"

Transcrição

1 1 O ENSINO PÚBLICO NO BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XIX César Augusto Castro 1 Kênia Gomes Lopes O percurso histórico educacional brasileiro, notadamente marcado pelo descompasso entre a demanda social de educação e a qualidade do ensino desenvolvido no âmbito escolar, expressa o nível de descontinuidade administrativa tradicional, num país que culturalmente tem sua história marcada por interesses conservadores e, consequentemente, por um modelo educacional elitista e excludente. A discussão pela qualidade educacional constitui-se questão premente num contexto caracterizado pela globalização econômica, com níveis elevados de pobreza e de introdução acelerada de novas tecnologias e materiais no processo produtivo; tais fenômenos, ainda que diferenciados, influenciam de forma determinante a conjuntura de todos os países do mundo. A situação configura a supremacia dos interesses do mercado e do capital sobre os interesses humanos, gerando valores pouco construtivos, o que coloca e, pauta questões éticas complexas, por outro lado, transformações científicas e tecnológicas que ocorrem aceleradamente exigem dos indivíduos novas aprendizagens. A realidade brasileira. complexa e heterogênea não permite a compreensão da estruturação do modelo escolar como processo linear, simples e único, mas somente poderá ser entendido a partir dos condicionantes históricos que o circustancializa. Este trabalho objetiva analisar o discurso presente na obra O ENSINO PÚBLICO, de autoria de A. de Almeida Oliveira, publicada em 1874, em São Luís do Maranhão, com a finalidade de mostras o estado em que se encontrava a instrução pública no Brasil e as reformas necessárias. A escolha desta obra deu-se em função do período de sua publicação, que caracteriza as mudanças ocorridas no Brasil, a partir do último quartel do século XIX, 1 Professor do Programa de Pós_graduação em Educação e do Departamento de Biblioteconomia da UFMA. Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo. E--mail: Professora do Departamento de Filosofia e Educação da Universidade Estadual do Maranhão. Mestre em Ciências da Educação- IPLAC/CUBA.

2 2 implicando para a história educacional brasileira, os indícios da ruptura com o modelo monárquico, alterando a concepção educacional vigentes uma vez que o Brasil passa a estabelecer relações econômicas com a Inglaterra e (re) significa o binômio educação e trabalho (RIBEIRO, 1989). Adotou-se como categorias de análise: cultura, instrução pública, gênero, trabalho docente, demanda educacional, estrutura de poder e desenvolvimento. Categorias que são tratadas pelo autor no decorrer das noves partes que integram este trabalho, onde crítica o sistema educacional do período, as formas de organização escolar, da infantil à superior, a gratuidade e a liberdade de ensino. Aborda de maneira ampla a formação e o papel do professor, os métodos e os materiais de ensino e a educação de mulheres, sendo esta responsável pela instrução infantil uma vez que Se o ensino é dado pelo hábito e não pelo raciocínio, professora e mãe tem iguaes meios de preencher aquella tarefa (OLIVIERA, 1874,p.446). Oliveira acredita que a melhoria quantitativa e qualitativa da instrução pública no Brasil estaria relacionada [...] às necessidades de ensino, escholas normaes, museus, bibliothecas, comissários, conselheiros remunerados (1874, p.384). No final do texto, em anexo, apresenta extenso material sobre receita e despesas das províncias com a instrução primária e secundária, bem como descrição do número de alunos matriculados, em estabelecimentos públicos e particulares em toso o país e, nas escolas noturnas para adultos. Assim, a obra de Almeida Oliveira constitui-se em uma excelente à história da educação brasileira no final do século XIX. O ENSINO NO BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XIX O Brasil, no período em que O Ensino Público foi editado, encontrava-se fortemente influenciado pelas idéias republicanas e por amplos questionamentos acerca do poder central sobre as provínciais. Esta centralização política e financeira interferia significativamente no campo educacional. A instrução tinha o papel de estabelecer o domínio da classe dominante ociosa que acumulava riquezas a partir do trabalho escravo ( ROMANELLI,1991,p.37).

3 3 Aliava-se a estes fatos o atraso industrial do país, os grandes latifúndios, o privilegio da educação superior em relação aos demais níveis de ensino. Neste sentido, afirma Azevedo (1976,p.76) que A educação teria de arrastar-se através de todo o século XIX, inorganizada, anárquica, incessantemente desagregada. Entre o ensino primário e o secundário não há pontes de articulações: são dois mundos que se orientam, cada um na sua direção. Portanto as camadas populares encontravam-se à margem de todo e qualquer processo social, educacional, cultural e econômico. Para Oliveira, todos os males do país, inclusive o educacional, centravam-se no poder monárquico, cuja reversão se daria através do poder republicano. A monarchia tem sido funesta no Brasil. À ella é que devemos todos os nossos males a centralisação que nos atrophia, os disperdicios que nos arruinam, a ignorancia que nos deprime, a politica de oppresão que nos esmaga, a corrupção, de que ella e seu governo precisam para sustentar-se. Conseguintemente nada de esperanças na corôa: nada de reformas com ella. Ou a morte com ella ou a salvação com a república( 1874,p.19). Com a República, acreditava o autor que a educação assumiria o foco central de suas ações, notadamente aquelas dedicadas à educação infantil, por considerar a base para a formação de jovens capazes de contribuir com o desenvolvimento da nação, o fortalecimento da democracia e, principalmente, para dirimir as desigualdades sociais, dentre elas a escravidão. Todavia ao iniciar-se o período republicano, a situação da instrução popular não era das mais alentadas. Com uma população de 14 milhões de habitantes no último ano do Império, contávamos com uma freqüência de alunos em nossas escolas primárias e o crescimento quantitativo das escolas e matrículas se fazia muito lentamente [...] Quanto aos índices de analfabetismo, a situação do conjunto do país no final do século XIX e primeiras décadas do século XX era assustadora [...]. Verificamos, portanto, que em termos de realizações concretas pouco se fez pelo ensino elementar nas primeiras décadas republicanas, embora em outras áreas como no ensino secundário e superior, e sobretudo no ensino pedagógico, técnico e profissional - tenha se observado um ligeiro desenvolvimento ( PAIVA, 1987, p.83-85). Essa descrição contraria as expectativas do autor do livro aqui analisado. Ele acreditava que uma das soluções mais importantes para a melhoria da educação brasileira seria a oferta da instrução pública fortemente apoiada pelo Estado e oferecida às camadas populares. Acreditava, também, na ampliação das escolas privadas, dedicadas àqueles que

4 detinham capital econômico, nas escolas profissionalizantes para formar mão-de-obra qualificada e na ampliação do ensino superior, objetivando o desenvolvimento da ciência. Acreditava, ainda, na educação feminina, sendo esta uma medida capaz de avaliar a ignorância de um povo, posto que, Dos 4890 estabelecimentos de instrucção primária, que temos, apenas 1752 pertencem ao sexo feminino, sendo 1339 públicas e 413 particulares, uns e outros freqüentados por alumnos (OLIVEIRA, 1874, p.39). Isso ocorria pelo grau de subordinação da mulher, sendo a sua maioria analfabeta. Um número reduzido era preparado pelos país ou perceptores, processo limitado às primeiras letras e ao aprendizado dos afazeres domésticos (RIBEIRO, 2000,p.67). Este quadro agravava-se pela carência e baixos salários dos professores e pelas condições físicas e materiais dos estabelecimentos de ensino, localizados principalmente nos centros urbanos. Um fator criticado por Oliveira era a descontextualização do ensino, que dificultava a compreensão entre os saberes, as práticas e a realidade nacional e local. Em vez de aprenderem a ter medo de almas do outro mundo, de sortilegios, de demonios e mysterios os meninos seriam iniciados nos principios da verdadeira religião, que consite simplesmente amar a Deus e aos homens. Em vez de se entreterem com façanhas bellicosas e practicas methaphysicas, theologicas ou idolotras seriam educados segundo as vistas das civilizações modernas ou afeitos desde a eschola a pensar nas instituições e nos costumes de que mais precisa o seu paiz (OLIVEIRA, 1874, p.17). Uma das formas de modificar o quadro caótico do ensino brasileiro seria torná-lo obrigatório Para tanto, Oliveira compara o papel do Estado com a responsabilidade dos pais com os cuidados dos filhos, na medida em que a ambos caberia o papel de formar homens probos, virtuosos e cumpridores de seus direitos e deveres, pois Na ignorância e na falta de educação é que reside a fonte da miséria e da desordem, dos crimes e dos vícios de toda sorte, como é nestes malles que estam os principaes causas dos perigos e despesas sociaes ( OLIVEIRA, 1874,p.75). Uma das alternativas para minimizar este quadro seriam as Escolas Noturnas para atender àqueles que não tinham condições de freqüentá-la no turno diurno, alteração do horário das aulas com o objetivo de atender às necessidades dos meninos que precisavam trabalhar e o povoamento do meio rural com escolas ambulantes. Com as escholas ambulantes mandará o Estado que os professores percorram annualmente taes e taes pontos de cada comarca, demorando-se certo tempo em cada um delles (OLIVEIRA, 1874, P.81), 4

5 5 com a finalidade de ensinarem as primeiras letras aos (as) meninos(as). Entende este autor que o custo com este tipo de ensino seria oneroso para o Estado, mas julgava que não existe sacrifícios financeiros quando os benefícios são com a educação. A fim de controlar este nível de ensino e os demais, o autor d`o Ensino Público sugere a criação em todas as províncias e municípios de uma milícia militar que garantia que todos os pais, situados nos mais distantes pontos, quando da oferta do ensino ambulante, entregassem seus(as) filhos(as) aos cuidados dos(as) professores(as). A educação obrigatória deveria preencher quatro requisitos essenciais: Primeiro estabelecer a idade escolar e determinar o perímetro das escolas. Segundo possibilitar ao executor (supervisor militar) todos os meios de verificar se há na localidade crianças que deixaram de aprender. Terceiro solicitar ao Estado ajuda aos pais que, por sua pobreza, não puderem mandar os filhos à escola, sendo a estes fornecidos roupas e todo o material prévio para o ensino. Quarto estatuir e aplicar penalidades aos pais que deixaram de dar instrução aos seus filhos. Desse modo, esta modalidade de ensino deveria ser gratuita. Todavia, Oliveira defende com veemência o ensino privado oferecido por instituições que possuem condições de ofertá-la em qualidade, sob supervisão rigorosa do Estado, sendo que a mesma deveria reservar um percentual do total de alunos inscritos para as camadas populares. Essa seria uma forma de eliminar o [...] contraste entre quase a ausência de educação popular e o desenvolvimento da formação de elites, tinha de forçosamente estabelecer, como estabeleceu, uma enorme desigualdade entre a cultura da classe dirigida, de nível extremamente baixo, e a da classe dirigente, elevado sobre a grande massa de analfabetos (AZEVEDO, 1996, p.560). Ao mesmo tempo em que a educação deveria ser gratuita para as camadas populares deveria também predominar a liberdade de ensino, tanto nas escolas públicas quanto nas escolas privadas. Por liberdade de ensino [...] não se comprehende só a liberdade de abrir escholas, mas também a liberdade scientifica, ou o direito de exprimir o professor livremente as suas idéias[...](oliveira,1874,p.101). Idéia que se consubstanciou em 1879 com a reforma Leôncio de Carvalho, para quem muito deveria ser

6 feito para imprimir um impulso à educação. Entre as medidas necessárias, estava a liberdade de ensino, isto é, a possibilidade de todos que se sentissem capacitados esporem suas idéias segundo o método que lhes parecesse mais adequado. Em sendo as escolas privadas menos atrelada ao Estado, caberia propagar as doutrinas que este deixava de anunciar, emendar ou corrigir as falhas que os professores das escolas públicas cometessem e de obrigarem aos alunos a serem mais estudiosos e os docentes mais dedicados ao magistério. Quanto ao ensino superior, deveria centrar-se no livre pensamento, na medida em que esse voltasse para formar intelectuais e cientistas. Essa liberdade constituía-se de fundamental importância pela natureza da universidade. Crítica e reveladora da realidade não poderia cercear-se pelas legislações pensadas e criadas por indivíduos que desconheciam os benefícios desse nível de educação. Isto porque, a liberdade de ensino não existe sem secularização, na medida em que, [...] a eschola não é uma dependência do templo e o professor um auxiliar do sacerdote (OLIVEIRA,1874, p.116). A defesa da separação da Igreja do Estado seria uma forma de eliminar a imposição daqueles que professam outra fé religiosa que não fosse a católica, pois segundo Oliveira, esta hostilizava e negava os princípios da civilização moderna, centrados nos modelos liberais e positivistas de sociedade e de educação. Portanto, a obritoriedade religiosa constituía-se na inimiga da [...] da razão e da sciencia, os perseguidores de Lamenais e de Lutero, os algozes de J. Huss, de Galilei e de Vezale, procuram entorpecer essas faculdades por meio de doutrinas ultramontanas, ou forcejam por afundal-as num oceano de erros e calumnias, superstições e terrores (OLIVEIRA,1874, p.129) Nesse sentido, afirma Ribeiro (2000,p.65) Liberais e cientificistas (positivistas) estabelecem pontos comuns em seus programas de ação: abolição dos privilégios aristocráticos, separação da Igreja do Estado[...] abolição da escravidão, libertação da mulher para, através da instrução, desempenhar seu papel de esposa e mãe, e a crença na educação, chave dos problemas fundamentais do país. Enquanto a igreja deveria separar-se do Estado igualmente deveriam deixar de existir escolas para meninos e escolas para meninas. Essa separação contribuiria para aumentar o nível de analfabetismo nas localidades rurais e nas cidades distantes. A junção 6

7 7 de meninos e meninas na mesma escola contribuiria para diminuir as despesas com a construção e manutenção de escolas distintas para ambos os sexos. Em uma outra perspectiva, esta co-educação seria salutar pois estimularia a disputa por notas e boa conduta, eliminaria a idéia de que a aproximação de meninos e meninas seja um perigo misterioso e inaceitável. Em salas mistas, os alunos tornar-se-iam mais atenciosos e polidos e as meninas alargariam o currículo de suas idéias e aprenderiam a conhecer os homens. Deste modo, o processo de ensino seria único, não haveria distinção entre os saberes próprios para meninos e saberes adequados às meninas, as quais, por sua vez, deveriam aprender os inerentes ao seu sexo (bordar, coser, cozinhar, etc.) e ampliá-los com os saberes próprios do sexo oposto. Igualmente não deveria haver distinção entre professores para meninos e professoras para meninas, no ensino primário e no ensino secundário. Nesse nível de ensino, o secundário, deveria, de acordo com Oliveira, ser mais prático, principalmente para os alunos que não tinham condições e não almejassem o ensino superior. Questiona este autor: Para que serviria o estudo do latim, do inglês, do alemão da filosofia, da retórica e dos clássicos para estes alunos? Em contrapartida, escolas secundárias de caráter profissional no Brasil eram em número insignificante em comparação às que objetivam formar candidatos ao ensino superior e restritos ao sexo masculino, a exemplo das escolas de agricultura, mecânica e industriais. Em sendo o nível de ensino dividido em três estágios -primário, secundário (profissional e clássico) e superior, as matérias se complementariam no decorrer do processo de escolarização. No primeiro nível, as matérias seriam: leitura, escrita, cálculo, desenho, geografia, lições das coisas. No segundo, em continuidade ao anterior, aprenderiam: escrita, caligrafia, gramática, definições, etimologias, estudos das raízes, aritmética, escrituração mercantil, geometria, trigonometria, álgebra, levantamento de plantas, desenho de arquitetura, astronomia, física, química, análises, higiene, história

8 8 natural nos seus diversos ramos, música vocal, lição das coisas *, e línguas latina, francesa e alemã. No último nível, aprenderiam os conteúdos do secundário, de modo de mais científico e completo. Nas escolas profissionais, as disciplinas seriam divididas entre aquelas de caráter geral e as conhecimento específico, centradas no tipo de formação e deveriam abordar a teoria e a prática, sendo esta desenvolvida em laboratório e atividade de campo. Esse ensino deveria ser ministrado por meio de explicações simples e freqüentes, voltados para o cotidiano presente na vida do aluno e do meio onde se insere, através de anedotas, contos e exemplos. Para tanto, os professores seriam ajudados por seus adjuntos e monitores. Esse tipo de ensino contribuiria para desaparecer... essa espécie de fanatismo, que até hoje tem havido pelos estudos literários, médicos e de direito (OLIVEIRA, 1874,p. 205). O ensino deveria ser de responsabilidade do Estado, das províncias e dos Municípios,. sendo que a educação inferior deveria ser atribuição dos municípios, o ensino superior, das províncias mediante as suas necessidades. Ao Estado caberia o controle de todos os níveis, sendo que a administração escolar deveria ficar a cargo dos Conselhos Escolares, compostos pelos professores e representantes dos pais. Os Conselhos das Universidades seriam compostos pelos diretores das faculdades e pelos professores catedráticos. Estes Conselhos seriam aglutinados e orientados por um Conselho Central, que deveria manter um periódico com a finalidade de publicar todas as idéias que possam interessar à instrução pública, isto é: Estatística Escolar, livros clássicos, relatórios da instrucção, estado das escolas, conferencias pedagógicas, methodos de ensino (OLIVEIRA, 1874, p. 218). Essas responsabilidades deveriam priorizar o ensino noturno para atender à parcela da população adulta que não cumpriu sua escolaridade ou nunca freqüentou uma escola. Em 1874, havia em todo país 136 escolas noturnas, sendo 83 públicas e 53 particulares, todas para atender ao sexo masculino. Parece que já isto não é tão pouco para uma instituição que apenas remota a Em 1868 (1º de julho) foi que se abriu a * Conteúdos trabalhados com exemplo prático e selecionados ao dia a dia do discente; a exemplo do funcionamento de um relógio, as partes das plantas, como fazer sapatos, os materiais, tempo gasto e o valor, etc.

9 9 primeira eschola nocturna que teve o Brasil, depois do Lyceu de Artes e Officcios da Côrte a do professor Cruz de São Bento, nesta província (OLIVEIRA,1874,p226). Se havia preocupação com a escola noturna, havia igual interesse com escolas para atender crianças desvalidas, tanto do sexo masculino como do feminino. No Maranhão, com esta finalidade existia desde 1841 a casa dos educandos artífices ( FERNANDES, 1929,p.279). É evidente que em todos os níveis de ensino, independente da clientela a atender, o professor ocuparia papel fundamental, na medida em que ele era o agente ativo do processo, cuja característica é apresentada na forma de poema pelo Autor do texto analisado. Puro nos costumes, no dever exacto Modesto, polido, cheio de bondade. Paciente, pio firme no caracter. Zeloso, ativo e tão prudente Em punir como em louvor: Agente sem ambições, apostolo Em que a infância se modela. Espelho em que o mundo se reflete. Mytho de sacerdote, juiz e pai. Eis o mestre, eis o professor (OLIVEIRA, p.258) Observamos que o professor para Oliveira é um misto de pai e orientador espiritual, por um lado; por outro, um profissional que faria de sua prática um sacerdócio, um apostolado. Tais características são adequadas à mulher professora, pelo seu espírito maternal; sua doçura a torna educadora, por excelência, de crianças. Entretanto, Oliveira alerta contra o preconceito existente na época, em que a professora por estas características poderia afeminar os meninos. Professores e professoras deveriam ser formados pela escolas normais, surgidas em Minas Gerais, em Em 1847, havia 4 (quatro) escolas em todo o país, todavia, muitas desapareceram em anos posteriores, por falta de estrutura, reformas mal conduzidas e baixa remuneração dos professores, que faziam do magistério apêndice, com o objetivo de apenas melhorarem seus rendimentos mensais. As escolas procuravam trabalhar com os mais modernos métodos de ensino,.que, segundo Oliveira, surgem a partir das últimas décadas do século XVII e consolidam-se no

10 10 século XVIII. Centravam-se em quatro distintas teorias educacionais: Escola Pia, Escola Humanista, Escola Filantrópica e Escola Eclética. A primeira, fundada por Francke, na Alemanha, defendia a idéia de que a educação deveria centrar no vivo conhecimento de Deus. A segunda sustentava que os estudos das humanidades deveriam ser o centro de todo processo da educação. A terceira centrava-se em Comenius, Rousseau e Locke. Defendia a idéia de que a educação deveria dirigir-se de conformidade com as leis da natureza e centrava-se nas diversidades do caráter, força e vocação dos meninos; nada ensinar-lhes que eles não pudessem compreender e, sobretudo, deveria tornar o ensino o mais agradável e simples possível. A escola eclética era um conjunto dos pontos positivos dos demais, sendo Pestalozzi o principal representante. O Método Pestalozzi serviu de orientação para a produção de várias textos básicos de orientação à educação infantil, a exemplo de Livros de Leitura de Abílio Cezar Borges, Augusto Freire de Silva e Antônio Pinheiro de Aguiar; Novo Methodo de Ensinar a Ler e Escrever de autoria de Freire da Silva e Bacadafá, de Pinheiro de Aguiar. Oliveira defende a idéia de que a aplicação adequada de qualquer método de ensino dependeria dos modos de ensino, dos materiais de ensino e das condições estruturais das escolas, sendo este o requisito mais importante. As escolas deveriam ser localizadas, preferencialmente, no centro das cidades, com a frente voltada para o nascente ou para o norte, porque desses pontos tornam-se mais arejadas, com pátios arborizados, amplas salas de aula e de estudo, bibliotecas e mobílias adequadas tanto para professores como para os alunos. Para o professor, uma mesa, um estrado, uma cadeira, uma campainha e um tinteiro [...] Para a biblioteca, vários livros de cada uma das matérias do ensino, alguns cursos de pedagogia, o Código criminal, a Constituição do paiz, as Leis e Regulamentos da instrução pública, alguns exemplares dos livros mais apropriados à leitura, um atlas geral, outro especial do Brazil [...] Para os alunos uma escrivaninha, uma ardósia, um tinteiro, uma cadeira, e um quadro de translados (OLIVEIRA, 1874, p ). Essa estrutura, juntamente com outras condições necessárias ao processo de ensinoaprendizagem, demandariam recursos provenientes do Município Neutro e das Províncias. Entretanto cada escola deveria responsabilizar-se com toda ou parte de suas despesas móveis e imóveis, através de arrecadação de multas, expedição de certificados, diplomas,

11 11 atestados, inscrições, cursos de férias, doações, locação de seu espaço físico para festas comemorativas da comunidade onde se insere etc. Ao concluir sua obra, Oliveira chama atenção para o fato de que a mesma seja um meio importante de esclarecimento e conscientização para quem deseja a reforma da instrução pública no Brasil. Nesta perspectiva, convida o leitor para um triplo trabalho Trabalho em ver o que convem e o que cumpre fazer, trabalho em combater os indiffetentes ou hostis a instrucção, trabalho em colligir forças para a acção e encaminhal-as devidamente, Trabalhai, pois, desenvolvei toda a vossa actividade, e ficai certo de que o dia do trimpho há de chegar. Se estais sosinho hoje tereis conpanheiros amanhan. E se estes forem poucos à principio serão muitos mais tarde ( OLIVEIRA, 1874,p.470). REFERÊNCIAS AZEVEDO, Fernando de. A transmissão da cultura. 5.ed. São Paulo: Melhoramentos, FERNANDES, Henrique Costa. Administradores maranhenses. São Luís: Imprensa Oficial,1929. NAGLE, Jorge. Educação e Sociedade. São Paulo: EPU,1976. OLIVEIRA, A de Almeida. O Ensino público. São Luís: [s.n],1874. PAIVA, Vanilda. Educação popular e educação de adultos. São Paulo: Loyola, RIBEIRO, Maria Luisa Santos. História da educação brasileira: a organização escolar. 16 ed. Campinas: Autores Associados, ROMANELLI, Otaíza. História da educação brasileira. 14 ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

SER PROFESSOR NO BRASIL DO SÉCULO XIX. André Paulo Castanha * - PPG-UFSCar/UNIOESTE

SER PROFESSOR NO BRASIL DO SÉCULO XIX. André Paulo Castanha * - PPG-UFSCar/UNIOESTE SER PROFESSOR NO BRASIL DO SÉCULO XIX André Paulo Castanha * - PPG-UFSCar/UNIOESTE Puro nos costumes, no dever exato Modesto, polido, cheio de bondade, Paciente, pio, firme no caráter, Zeloso, ativo e

Leia mais

TRÔPEGOS PASSOS : A instrução no Piauí dos Oitocentos

TRÔPEGOS PASSOS : A instrução no Piauí dos Oitocentos TRÔPEGOS PASSOS : A instrução no Piauí dos Oitocentos Priscila de Moura Souza 1 Teresinha de Jesus Mesquita Queiroz 2 Introdução O presente texto busca analisar os primeiros processos de ensino aprendizagem,

Leia mais

Grade Curricular - Física Licenciatura (Física Licenciatura - diurno)

Grade Curricular - Física Licenciatura (Física Licenciatura - diurno) Grade Curricular - Física Licenciatura (Física Licenciatura - diurno) SEMESTRE 1 - Obrigatórias FAP0151 Fundamentos de Mecânica FAP0152 Introdução às Medidas em Física FEP0151 Fundamentos de Mecanica FEP0152

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A lei de 15 de outubro de 1827 Vicente Martins O Decreto Federal nº 52.682, em 1963, criou, oficialmente, o Dia do Professor. O dia 15 de outubro não foi escolhido à toa. A data

Leia mais

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2.1 ASPECTOS FUNDAMENTAIS ATÉ A PRIMEIRA METADE DO SÉCULO 20 Os analistas da educação brasileira afirmam que somente no final do Império e começo da República

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE

FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE Camila Emanuella Pereira Neves IE/UFMT- camilaemanuella@hotmail.com Orientador: Prof. Dr. Edson Caetano IE/UFMT caetanoedson@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Educação popular, democracia e qualidade de ensino

Educação popular, democracia e qualidade de ensino Educação popular, democracia e qualidade de ensino Maria Ornélia Marques 1 Como se poderia traduzir, hoje, o direito de todas as crianças e jovens não somente de terem acesso à escola de oito anos, mas

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE I Educação Matemática e Ensino Vozes isoladas alertam sobre os perigos da neglicência aos conhecimentos matemáticos. Fala do franciscano Roger Bacon

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO Irene Domenes Zapparoli - UEL/ PUC/SP/ehps zapparoli@onda.com.br INTRODUÇÃO Jorge Nagle com o livro Educação e Sociedade na Primeira República consagrou-se

Leia mais

Educação Matemática. Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2

Educação Matemática. Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2 Educação Matemática Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2 UNIDADE I: EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO Escolas da Antiguidade Geometria Aritmética Música Elementos de Euclides (300 a.c.) Geometria

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características:

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características: 14. HISTÓRIA DAS UNIVERSIDADES Um universitário de hoje talvez imagine que a ciência sempre foi parte integrante dessas instituições, mas a ciência chega relativamente tarde à comunidade universitária,

Leia mais

AUniversidade terá um papel fundamental PARA MUDAR O BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MUDAR A EDUCAÇÃO. Eleições 98

AUniversidade terá um papel fundamental PARA MUDAR O BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MUDAR A EDUCAÇÃO. Eleições 98 Eleições 98 LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MUDAR A EDUCAÇÃO PARA MUDAR O BRASIL Divulgação AUniversidade terá um papel fundamental na discussão, elaboração e implementação de um novo projeto nacional de desenvolvimento.

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. 1 de 5 A educação que movimenta o desenvolvimento Natalino Salgado Filho O ano de 2011 encerra com uma notícia que, aparentemente, parece muito alvissareira para o Brasil. O país ultrapassou a Grã Bretanha

Leia mais

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano.

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano. Trabalho realizado por: Luís Bernardo nº 100 8ºC Gonçalo Baptista nº 275 8ºC Luís Guilherme nº 358 8ºC Miguel Joaquim nº 436 8ºC Índice; Introdução; As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império

Leia mais

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte)

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) Saiba quais são as Recomendações das Conferências Internacionais na emancipação política das mulheres, as quais já foram assinadas pelo governo brasileiro

Leia mais

O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA

O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA Neiva Gallina Mazzuco/UNIOESTE 1 Guaraciaba Aparecida Tullio/UEM 2 Defende-se, no presente artigo, que as propostas de educação

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS.

ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS. ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS. COLLING, Janete 1 ; ZIEGLER, Mariani 1 ; KRUM, Myrian 2. Centro Universitário franciscano - UNIFRA E-mails: janetecolling@hotmail.com;

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

3º período -1,5 horas. Ementa

3º período -1,5 horas. Ementa Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil 3º período -1,5 horas Ementa Organização da escola de educação infantil. Planejamento, registro e avaliação da educação infantil. Fundamentos e métodos

Leia mais

Ações e Projetos Sociais

Ações e Projetos Sociais Ações e Projetos Sociais 1º - TROTE SOLIDÁRIO O Trote Solidário tem como objetivo principal atender às necessidades das Instituições beneficentes carentes da região de Barretos através da arrecadação e

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade Cria o Sistema Municipal de Ensino e estabelece normas gerais para a sua adequada implantação. Proc. n.º 5193/02 PAULO DE SOUZA, Vice-Prefeito no exercício do cargo de Prefeito do Município de São Vicente,

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

REDES PÚBLICAS DE ENSINO

REDES PÚBLICAS DE ENSINO REDES PÚBLICAS DE ENSINO Na atualidade, a expressão redes públicas de ensino é polêmica, pois o termo público, que as qualifica, teve suas fronteiras diluídas. Por sua vez, o termo redes remete à apreensão

Leia mais

LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA

LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA Marlete dos Anjos Silva Schaffrath 13 Maria Elisabeth Blanck Miguel 14 Faculdade de Artes do Paraná Área: História

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: UMA PERSPECTIVA DE CONVIVÊNCIA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO

EDUCAÇÃO ESCOLAR: UMA PERSPECTIVA DE CONVIVÊNCIA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO EDUCAÇÃO ESCOLAR: UMA PERSPECTIVA DE CONVIVÊNCIA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO Marla Edimara Moreira da Silva ¹ ¹ Aluna do Curso de Pedagogia do CFP/UFCG e Voluntária na EMEIEF Antonio de Souza Dias RESUMO Este

Leia mais

A educação básica na China 1

A educação básica na China 1 A educação básica na China 1 Alana Kercia Barros Andrea Jerônimo Jeannette Filomeno Pouchain Ramos 2 Introdução Como parte de uma iniciativa maior, que se propõe a lançar um olhar sobre aspectos da educação

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL Aula ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL META Apresentar as razões da expansão da pedagogia (ensino) jesuítica no Brasil-colônia e, posteriormente, a sua expulsão motivada pela reforma da

Leia mais

Ensino Médio em Questão. José Fernandes de Lima Conselho Nacional de Educação

Ensino Médio em Questão. José Fernandes de Lima Conselho Nacional de Educação Ensino Médio em Questão José Fernandes de Lima Conselho Nacional de Educação Introdução O ensino médio tem sido debatido em todos os países Trata com adolescente e jovens que estão decidindo seus destinos.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

A EDUCAÇÃO NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS

A EDUCAÇÃO NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS A EDUCAÇÃO NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS Luiz Claudio Araújo Coelho 1 RESUMO: O presente estudo versa sobre o direito fundamental à educação nas constituições brasileiras. Tem como objetivo promover a

Leia mais

De acordo com o art. 35 da LDBEN, o ensino médio tem como objetivos:

De acordo com o art. 35 da LDBEN, o ensino médio tem como objetivos: 10. ENSINO MÉDIO 10.1 ORGANIZAÇÃO GERAL DO ENSINO MÉDIO O ensino médio, no Brasil, é a etapa final da educação básica e integraliza a formação que todo brasileiro deve ter para enfrentar com melhores condições

Leia mais

Projeto A Vez do Mestre. Mudanças no Ensino Médio

Projeto A Vez do Mestre. Mudanças no Ensino Médio UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS Projeto A Vez do Mestre Mudanças no Ensino Médio Marcus dos Santos Moreira RIO DE JANEIRO, JULHO

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNAMBUCANO DIREÇÃO DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR 1. Perfil do Curso CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Cumprimentos Sobre a importância do tempo Desejos HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Introdução História reconstituição do passado, por meio de fatos relevantes, ordenados cronologicamente. A história

Leia mais

Um mundo melhor começa aqui

Um mundo melhor começa aqui Um mundo melhor começa aqui h, 12 de junho de 2009 O Dia mundial contra o trabalho infantil vai ser celebrado a 12 de Junho de 2009. Este ano, o Dia mundial marca o décimo aniversário da adopção da importante

Leia mais

Rua da Educação. Municipalino:

Rua da Educação. Municipalino: Todas as crianças e adolescentes tem direito à educação e devem freqüentar a escola. As diretrizes para a área da educação são dadas pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) Lei 9394 de

Leia mais

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Este ponto é aqui. É a nossa casa. Somos nós, numa imagem tirada a partir de 6 mil milhões de quilómetros da Terra pela sonda Voyager

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

PROEJA: UMA POSSIBILIDADE DE DIMINUIÇÃO DAS DIFERENÇAS EDUCACIONAIS PARA SUJEITOS COM DISTORÇÃO IDADE/ESCOLARIDADE

PROEJA: UMA POSSIBILIDADE DE DIMINUIÇÃO DAS DIFERENÇAS EDUCACIONAIS PARA SUJEITOS COM DISTORÇÃO IDADE/ESCOLARIDADE PROEJA: UMA POSSIBILIDADE DE DIMINUIÇÃO DAS DIFERENÇAS EDUCACIONAIS PARA SUJEITOS COM DISTORÇÃO IDADE/ESCOLARIDADE Mércia Maria de Santi Estácio 1 Moísés Alberto Calle Aguirre 2 Maria do Livramento M.

Leia mais

Informações Gerais. Candidatos Inscritos: 13.641. Candidatos Aprovados: 1.518. Demanda Geral (Inscritos/Vagas): 8,99

Informações Gerais. Candidatos Inscritos: 13.641. Candidatos Aprovados: 1.518. Demanda Geral (Inscritos/Vagas): 8,99 Informações Gerais Candidatos Inscritos: 13.641 Candidatos s: 1.518 Demanda Geral (Inscritos/Vagas): 8,99 Taxa de Matrícula (Matriculados/Inscritos): 11,13% 1. 1. Sexo / 41. 37. Situacao 41. 37. Situacao

Leia mais

Constituição Federal

Constituição Federal Constituição Federal CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 1988 COM A INCORPORAÇÃO DA EMENDA 14 Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO N. o 30 10 de Fevereiro de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 1095 ANEXO IV (a que se refere o n. o 7 do anexo II) No quadro das iniciativas destinadas a alcançar tal desiderato, e em paralelo com a revisão

Leia mais

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999.

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. Ana Paula Pupo Correia* O livro de Anne-Marie Châtelet, 1 O nascimento

Leia mais

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL CARLOS ALBERTO TAVARES Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife, Pernambuco. A história da educação agrícola no meio rural tem sido analisada por diversos

Leia mais

Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI

Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI 1 Com muita honra e responsabilidade, falo uma vez mais em nome da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO AS PERSPECTIVAS POLÍTICAS PARA UM CURRÍCULO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Professor Doutor Carlos Henrique Carvalho Faculdade

Leia mais

I RELATÓRIO: 8021/2011, de 15/12/2011 PARECER CEE/PE Nº 162/2011-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 07/11/2011

I RELATÓRIO: 8021/2011, de 15/12/2011 PARECER CEE/PE Nº 162/2011-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 07/11/2011 INTERESSADA: EFORTE ESCOLA DE FORMAÇÃO TÉCNICA E EMPRESARIAL RECIFE/PE ASSUNTO: CREDENCIAMENTO DA INSTITUIÇÃO PARA A OFERTA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E AUTORIZAÇÃO DOS CURSOS: TÉCNICO

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

SINOPSE ESTATÍSTICA EDUCAÇÃO BÁSICA

SINOPSE ESTATÍSTICA EDUCAÇÃO BÁSICA SINOPSE ESTATÍSTICA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR 2006 Presidente da República Federativa do Brasil Luís Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário Executivo José Henrique Paim

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA

MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA ANEXO II - EDITAL Nº. 16/2011 PERÍODO: 2012/01 INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES - ICHLA MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA VAGAS DIA CARGA História da Educação 01

Leia mais

LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA

LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA Resumo Marlete dos Anjos Silva Schaffrath FAP/PR marlete.schaffrath@pucpr.br Maria Elisabeth Blanck Miguel (Orientadora)

Leia mais

ENSINO PRIMÁRIO NO MARANHÃO: ARITMÉTICA NAS PRESCRIÇÕES DOS CURRÍCULOS E PROGRAMAS DE ENSINO (1889-1930)

ENSINO PRIMÁRIO NO MARANHÃO: ARITMÉTICA NAS PRESCRIÇÕES DOS CURRÍCULOS E PROGRAMAS DE ENSINO (1889-1930) 1 ENSINO PRIMÁRIO NO MARANHÃO: ARITMÉTICA NAS PRESCRIÇÕES DOS CURRÍCULOS E PROGRAMAS DE ENSINO (1889-1930) Educação e Produção do Conhecimento nos Processos Educativos Marylucia Cavalcante Silva 1 Introdução

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO FACULDADE 7 DE SETEMBRO PROCESSO SELETIVO 2010.1 EDITAL Nº. 14/2009 A Faculdade 7 de Setembro (FA7), com base no seu Regimento Interno e nas disposições da legislação em vigor, torna pública, para conhecimento

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. FÉ DE SOUZA FREITAS. (ESCOLA MUNICIPAL SÃO JOÃO.). Resumo O presente trabalho tem como objeto de pesquisa analisar e refletir a respeito dos processos

Leia mais

PROJETO NORMATIZADOR DE PESQUISA E EXTENSÃO DA FACULDADE INTEGRADA DE SOBRAL - FIS

PROJETO NORMATIZADOR DE PESQUISA E EXTENSÃO DA FACULDADE INTEGRADA DE SOBRAL - FIS PROJETO NORMATIZADOR DE PESQUISA E EXTENSÃO DA FACULDADE INTEGRADA DE SOBRAL - FIS SOBRAL CE 2015 FACULDADE INTEGRADA DE SOBRAL - FIS Diretoria Geral Rogeane Morais Ribeiro Diretoria Adjunta Tiago Damasceno

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO A INFORMAÇÃO DE DISCIPLINAS NO CENSO ESCOLAR

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO A INFORMAÇÃO DE DISCIPLINAS NO CENSO ESCOLAR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996.

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. Doe, EOOCAC'~ 1-fJ~ Tõ~-5. - " ~ 9qr;, ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. EDUCAÇÃO PARA TODOS: ATINGINDO O OBJETIVO

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE:

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE: EDUCAÇÃO INFANTIL I - META 1 DO PNE: Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta de educação infantil em creches

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

POLÍTICA E ORGANIZAÇÃO DA

POLÍTICA E ORGANIZAÇÃO DA Unidade II POLÍTICA E ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA Profa. Maria Ephigênia A. C. Nogueira Objetivos Políticas públicas de ontem: Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova. Políticas públicas e sua evolução

Leia mais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a partir da análise de textos oficiais Maria Cecília do Nascimento Bevilaqua (UERJ) Apresentação Quem não se lembra da ênfase dada

Leia mais

Pré-Escola, Horas-Aula, Ensino Médio e Avaliação

Pré-Escola, Horas-Aula, Ensino Médio e Avaliação 10 Pré-Escola, Horas-Aula, Ensino Médio e Avaliação Naercio Aquino Menezes Filho 1 INTRODUÇÃO Por muito tempo a educação básica foi esquecida pelos formuladores de políticas públicas no Brasil. Durante

Leia mais

Prof. Ms. Gleidson Salheb

Prof. Ms. Gleidson Salheb Prof. Ms. Gleidson Salheb Objetivo Geral Proporcionar conhecimentos teóricos e práticos sobre as situações didáticas, de maneira que os alunos compreendam de forma reflexiva, crítica e socialmente contextualizada

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O Despacho Normativo n.º 24/2000, de 11 de maio, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 36/2002, de 4 de junho, estabelece as regras orientadoras para a organização

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

:: Organização Pedagógica ::

:: Organização Pedagógica :: 1. DA GESTÃO DA ESCOLA :: Organização Pedagógica :: A gestão da escola é desenvolvida de modo coletivo com a participação de todos os segmentos nas decisões e encaminhamentos, oportunizando alternância

Leia mais

Perfil dos estudantes do curso de especialização em Proeja do IFBA, Campus Barreiras

Perfil dos estudantes do curso de especialização em Proeja do IFBA, Campus Barreiras www.revistapindorama.ifba.edu.br Perfil dos estudantes do curso de especialização em Proeja do IFBA, Campus Barreiras Franco Porto dos Santos 1 RESUMO Este estudo teve o objetivo de conhecer o perfil social

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades Unidade As desigualdades sociais instalaram se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda

Leia mais

ESL/BILINGUE. Full Year Courses:

ESL/BILINGUE. Full Year Courses: ESL/BILINGUE MA101C MA101C SC 111C SC201C SS314C SS314C EN191C ES211C ES231C ES251C MA211C ES271C EN281C SS201C SS201C MA001C MA001C EN211C SS311C SS191C SS191C Full Year Courses: Algebra I (Português

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Data: 08.11.2009 Duração: 05 horas Conhecimentos Específicos: Matemática: 01 a 05 Redação História: 06 a 10 Coloque,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Estudos filosóficos em educação I - JP0003 PROFESSOR: Dr. Lúcio Jorge Hammes I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60 (4 créditos) II EMENTA Aborda os pressupostos

Leia mais

RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica

RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica Fixa normas preliminares visando à adaptação da legislação educacional do Sistema Estadual de Ensino às disposições da Lei

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER

SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER SOCIOLOGIA CLÁSSICA A CONTRIBUIÇÃO DO PENSAMETO DE MAX WEBER Introdução França e Inglaterra desenvolveram o pensamento social sob a influência do desenvolvimento industrial e urbano, que tornou esses países

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CONCURSO PÚBLICO PROVAS OBJETIVAS PEDAGOGIA DOCENTE Leia atentamente as INSTRUÇÕES: 1. Confira seus dados no cartão resposta: nome, número

Leia mais

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades.

Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. Educação no trânsito e transformação social: limites e possibilidades. III Seminário DENATRAN de Educação e Segurança no Trânsito Brasília 24/11 Vale a pena ser ensinado tudo o que une e tudo o que liberta.

Leia mais

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 ANEXO III - METAS E PRIORIDADES OBJETIVO ESTRATÉGICO

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 ANEXO III - METAS E PRIORIDADES OBJETIVO ESTRATÉGICO LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - ANEXO III - METAS E PRIORIDADES OBJETIVO ESTRATÉGICO : Gerenciamento da Secretaria de Educação PROGRAMA: 005 - ADMINISTRAÇÃO DO SISTEMA EDUCACIONAL JUSTIFICATIVA: Manutenção

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BANANAL ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE BANANAL ESTADO DE SÃO PAULO PRIMEIRA RETIFICAÇÃO AO EDITAL DE ABERTURA PROCESSO SELETIVO CLASSIFICATÓRIO N 001/2014 A Prefeitura do Município de Bananal/SP, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o disposto no artigo

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 27 de julho de 2015. Série. Número 135

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 27 de julho de 2015. Série. Número 135 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 27 de julho de 2015 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO Despacho n.º 352/2015 Determina que no ano letivo 2015/2016 fique suspensa a componente

Leia mais

Tendências Pedagógicas. Formação de Professores. Contextualização. Tendências Não Críticas

Tendências Pedagógicas. Formação de Professores. Contextualização. Tendências Não Críticas Formação de Professores Teleaula 2 Prof.ª Dra. Joana Paulin Romanowski tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Críticas Não críticas Pedagogia Formação de Professores (SAVIANI, 2002) Contextualização Aprender

Leia mais