O ENSINO PÚBLICO NO BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XIX. César Augusto Castro 1 Kênia Gomes Lopes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ENSINO PÚBLICO NO BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XIX. César Augusto Castro 1 Kênia Gomes Lopes"

Transcrição

1 1 O ENSINO PÚBLICO NO BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XIX César Augusto Castro 1 Kênia Gomes Lopes O percurso histórico educacional brasileiro, notadamente marcado pelo descompasso entre a demanda social de educação e a qualidade do ensino desenvolvido no âmbito escolar, expressa o nível de descontinuidade administrativa tradicional, num país que culturalmente tem sua história marcada por interesses conservadores e, consequentemente, por um modelo educacional elitista e excludente. A discussão pela qualidade educacional constitui-se questão premente num contexto caracterizado pela globalização econômica, com níveis elevados de pobreza e de introdução acelerada de novas tecnologias e materiais no processo produtivo; tais fenômenos, ainda que diferenciados, influenciam de forma determinante a conjuntura de todos os países do mundo. A situação configura a supremacia dos interesses do mercado e do capital sobre os interesses humanos, gerando valores pouco construtivos, o que coloca e, pauta questões éticas complexas, por outro lado, transformações científicas e tecnológicas que ocorrem aceleradamente exigem dos indivíduos novas aprendizagens. A realidade brasileira. complexa e heterogênea não permite a compreensão da estruturação do modelo escolar como processo linear, simples e único, mas somente poderá ser entendido a partir dos condicionantes históricos que o circustancializa. Este trabalho objetiva analisar o discurso presente na obra O ENSINO PÚBLICO, de autoria de A. de Almeida Oliveira, publicada em 1874, em São Luís do Maranhão, com a finalidade de mostras o estado em que se encontrava a instrução pública no Brasil e as reformas necessárias. A escolha desta obra deu-se em função do período de sua publicação, que caracteriza as mudanças ocorridas no Brasil, a partir do último quartel do século XIX, 1 Professor do Programa de Pós_graduação em Educação e do Departamento de Biblioteconomia da UFMA. Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo. E--mail: Professora do Departamento de Filosofia e Educação da Universidade Estadual do Maranhão. Mestre em Ciências da Educação- IPLAC/CUBA.

2 2 implicando para a história educacional brasileira, os indícios da ruptura com o modelo monárquico, alterando a concepção educacional vigentes uma vez que o Brasil passa a estabelecer relações econômicas com a Inglaterra e (re) significa o binômio educação e trabalho (RIBEIRO, 1989). Adotou-se como categorias de análise: cultura, instrução pública, gênero, trabalho docente, demanda educacional, estrutura de poder e desenvolvimento. Categorias que são tratadas pelo autor no decorrer das noves partes que integram este trabalho, onde crítica o sistema educacional do período, as formas de organização escolar, da infantil à superior, a gratuidade e a liberdade de ensino. Aborda de maneira ampla a formação e o papel do professor, os métodos e os materiais de ensino e a educação de mulheres, sendo esta responsável pela instrução infantil uma vez que Se o ensino é dado pelo hábito e não pelo raciocínio, professora e mãe tem iguaes meios de preencher aquella tarefa (OLIVIERA, 1874,p.446). Oliveira acredita que a melhoria quantitativa e qualitativa da instrução pública no Brasil estaria relacionada [...] às necessidades de ensino, escholas normaes, museus, bibliothecas, comissários, conselheiros remunerados (1874, p.384). No final do texto, em anexo, apresenta extenso material sobre receita e despesas das províncias com a instrução primária e secundária, bem como descrição do número de alunos matriculados, em estabelecimentos públicos e particulares em toso o país e, nas escolas noturnas para adultos. Assim, a obra de Almeida Oliveira constitui-se em uma excelente à história da educação brasileira no final do século XIX. O ENSINO NO BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XIX O Brasil, no período em que O Ensino Público foi editado, encontrava-se fortemente influenciado pelas idéias republicanas e por amplos questionamentos acerca do poder central sobre as provínciais. Esta centralização política e financeira interferia significativamente no campo educacional. A instrução tinha o papel de estabelecer o domínio da classe dominante ociosa que acumulava riquezas a partir do trabalho escravo ( ROMANELLI,1991,p.37).

3 3 Aliava-se a estes fatos o atraso industrial do país, os grandes latifúndios, o privilegio da educação superior em relação aos demais níveis de ensino. Neste sentido, afirma Azevedo (1976,p.76) que A educação teria de arrastar-se através de todo o século XIX, inorganizada, anárquica, incessantemente desagregada. Entre o ensino primário e o secundário não há pontes de articulações: são dois mundos que se orientam, cada um na sua direção. Portanto as camadas populares encontravam-se à margem de todo e qualquer processo social, educacional, cultural e econômico. Para Oliveira, todos os males do país, inclusive o educacional, centravam-se no poder monárquico, cuja reversão se daria através do poder republicano. A monarchia tem sido funesta no Brasil. À ella é que devemos todos os nossos males a centralisação que nos atrophia, os disperdicios que nos arruinam, a ignorancia que nos deprime, a politica de oppresão que nos esmaga, a corrupção, de que ella e seu governo precisam para sustentar-se. Conseguintemente nada de esperanças na corôa: nada de reformas com ella. Ou a morte com ella ou a salvação com a república( 1874,p.19). Com a República, acreditava o autor que a educação assumiria o foco central de suas ações, notadamente aquelas dedicadas à educação infantil, por considerar a base para a formação de jovens capazes de contribuir com o desenvolvimento da nação, o fortalecimento da democracia e, principalmente, para dirimir as desigualdades sociais, dentre elas a escravidão. Todavia ao iniciar-se o período republicano, a situação da instrução popular não era das mais alentadas. Com uma população de 14 milhões de habitantes no último ano do Império, contávamos com uma freqüência de alunos em nossas escolas primárias e o crescimento quantitativo das escolas e matrículas se fazia muito lentamente [...] Quanto aos índices de analfabetismo, a situação do conjunto do país no final do século XIX e primeiras décadas do século XX era assustadora [...]. Verificamos, portanto, que em termos de realizações concretas pouco se fez pelo ensino elementar nas primeiras décadas republicanas, embora em outras áreas como no ensino secundário e superior, e sobretudo no ensino pedagógico, técnico e profissional - tenha se observado um ligeiro desenvolvimento ( PAIVA, 1987, p.83-85). Essa descrição contraria as expectativas do autor do livro aqui analisado. Ele acreditava que uma das soluções mais importantes para a melhoria da educação brasileira seria a oferta da instrução pública fortemente apoiada pelo Estado e oferecida às camadas populares. Acreditava, também, na ampliação das escolas privadas, dedicadas àqueles que

4 detinham capital econômico, nas escolas profissionalizantes para formar mão-de-obra qualificada e na ampliação do ensino superior, objetivando o desenvolvimento da ciência. Acreditava, ainda, na educação feminina, sendo esta uma medida capaz de avaliar a ignorância de um povo, posto que, Dos 4890 estabelecimentos de instrucção primária, que temos, apenas 1752 pertencem ao sexo feminino, sendo 1339 públicas e 413 particulares, uns e outros freqüentados por alumnos (OLIVEIRA, 1874, p.39). Isso ocorria pelo grau de subordinação da mulher, sendo a sua maioria analfabeta. Um número reduzido era preparado pelos país ou perceptores, processo limitado às primeiras letras e ao aprendizado dos afazeres domésticos (RIBEIRO, 2000,p.67). Este quadro agravava-se pela carência e baixos salários dos professores e pelas condições físicas e materiais dos estabelecimentos de ensino, localizados principalmente nos centros urbanos. Um fator criticado por Oliveira era a descontextualização do ensino, que dificultava a compreensão entre os saberes, as práticas e a realidade nacional e local. Em vez de aprenderem a ter medo de almas do outro mundo, de sortilegios, de demonios e mysterios os meninos seriam iniciados nos principios da verdadeira religião, que consite simplesmente amar a Deus e aos homens. Em vez de se entreterem com façanhas bellicosas e practicas methaphysicas, theologicas ou idolotras seriam educados segundo as vistas das civilizações modernas ou afeitos desde a eschola a pensar nas instituições e nos costumes de que mais precisa o seu paiz (OLIVEIRA, 1874, p.17). Uma das formas de modificar o quadro caótico do ensino brasileiro seria torná-lo obrigatório Para tanto, Oliveira compara o papel do Estado com a responsabilidade dos pais com os cuidados dos filhos, na medida em que a ambos caberia o papel de formar homens probos, virtuosos e cumpridores de seus direitos e deveres, pois Na ignorância e na falta de educação é que reside a fonte da miséria e da desordem, dos crimes e dos vícios de toda sorte, como é nestes malles que estam os principaes causas dos perigos e despesas sociaes ( OLIVEIRA, 1874,p.75). Uma das alternativas para minimizar este quadro seriam as Escolas Noturnas para atender àqueles que não tinham condições de freqüentá-la no turno diurno, alteração do horário das aulas com o objetivo de atender às necessidades dos meninos que precisavam trabalhar e o povoamento do meio rural com escolas ambulantes. Com as escholas ambulantes mandará o Estado que os professores percorram annualmente taes e taes pontos de cada comarca, demorando-se certo tempo em cada um delles (OLIVEIRA, 1874, P.81), 4

5 5 com a finalidade de ensinarem as primeiras letras aos (as) meninos(as). Entende este autor que o custo com este tipo de ensino seria oneroso para o Estado, mas julgava que não existe sacrifícios financeiros quando os benefícios são com a educação. A fim de controlar este nível de ensino e os demais, o autor d`o Ensino Público sugere a criação em todas as províncias e municípios de uma milícia militar que garantia que todos os pais, situados nos mais distantes pontos, quando da oferta do ensino ambulante, entregassem seus(as) filhos(as) aos cuidados dos(as) professores(as). A educação obrigatória deveria preencher quatro requisitos essenciais: Primeiro estabelecer a idade escolar e determinar o perímetro das escolas. Segundo possibilitar ao executor (supervisor militar) todos os meios de verificar se há na localidade crianças que deixaram de aprender. Terceiro solicitar ao Estado ajuda aos pais que, por sua pobreza, não puderem mandar os filhos à escola, sendo a estes fornecidos roupas e todo o material prévio para o ensino. Quarto estatuir e aplicar penalidades aos pais que deixaram de dar instrução aos seus filhos. Desse modo, esta modalidade de ensino deveria ser gratuita. Todavia, Oliveira defende com veemência o ensino privado oferecido por instituições que possuem condições de ofertá-la em qualidade, sob supervisão rigorosa do Estado, sendo que a mesma deveria reservar um percentual do total de alunos inscritos para as camadas populares. Essa seria uma forma de eliminar o [...] contraste entre quase a ausência de educação popular e o desenvolvimento da formação de elites, tinha de forçosamente estabelecer, como estabeleceu, uma enorme desigualdade entre a cultura da classe dirigida, de nível extremamente baixo, e a da classe dirigente, elevado sobre a grande massa de analfabetos (AZEVEDO, 1996, p.560). Ao mesmo tempo em que a educação deveria ser gratuita para as camadas populares deveria também predominar a liberdade de ensino, tanto nas escolas públicas quanto nas escolas privadas. Por liberdade de ensino [...] não se comprehende só a liberdade de abrir escholas, mas também a liberdade scientifica, ou o direito de exprimir o professor livremente as suas idéias[...](oliveira,1874,p.101). Idéia que se consubstanciou em 1879 com a reforma Leôncio de Carvalho, para quem muito deveria ser

6 feito para imprimir um impulso à educação. Entre as medidas necessárias, estava a liberdade de ensino, isto é, a possibilidade de todos que se sentissem capacitados esporem suas idéias segundo o método que lhes parecesse mais adequado. Em sendo as escolas privadas menos atrelada ao Estado, caberia propagar as doutrinas que este deixava de anunciar, emendar ou corrigir as falhas que os professores das escolas públicas cometessem e de obrigarem aos alunos a serem mais estudiosos e os docentes mais dedicados ao magistério. Quanto ao ensino superior, deveria centrar-se no livre pensamento, na medida em que esse voltasse para formar intelectuais e cientistas. Essa liberdade constituía-se de fundamental importância pela natureza da universidade. Crítica e reveladora da realidade não poderia cercear-se pelas legislações pensadas e criadas por indivíduos que desconheciam os benefícios desse nível de educação. Isto porque, a liberdade de ensino não existe sem secularização, na medida em que, [...] a eschola não é uma dependência do templo e o professor um auxiliar do sacerdote (OLIVEIRA,1874, p.116). A defesa da separação da Igreja do Estado seria uma forma de eliminar a imposição daqueles que professam outra fé religiosa que não fosse a católica, pois segundo Oliveira, esta hostilizava e negava os princípios da civilização moderna, centrados nos modelos liberais e positivistas de sociedade e de educação. Portanto, a obritoriedade religiosa constituía-se na inimiga da [...] da razão e da sciencia, os perseguidores de Lamenais e de Lutero, os algozes de J. Huss, de Galilei e de Vezale, procuram entorpecer essas faculdades por meio de doutrinas ultramontanas, ou forcejam por afundal-as num oceano de erros e calumnias, superstições e terrores (OLIVEIRA,1874, p.129) Nesse sentido, afirma Ribeiro (2000,p.65) Liberais e cientificistas (positivistas) estabelecem pontos comuns em seus programas de ação: abolição dos privilégios aristocráticos, separação da Igreja do Estado[...] abolição da escravidão, libertação da mulher para, através da instrução, desempenhar seu papel de esposa e mãe, e a crença na educação, chave dos problemas fundamentais do país. Enquanto a igreja deveria separar-se do Estado igualmente deveriam deixar de existir escolas para meninos e escolas para meninas. Essa separação contribuiria para aumentar o nível de analfabetismo nas localidades rurais e nas cidades distantes. A junção 6

7 7 de meninos e meninas na mesma escola contribuiria para diminuir as despesas com a construção e manutenção de escolas distintas para ambos os sexos. Em uma outra perspectiva, esta co-educação seria salutar pois estimularia a disputa por notas e boa conduta, eliminaria a idéia de que a aproximação de meninos e meninas seja um perigo misterioso e inaceitável. Em salas mistas, os alunos tornar-se-iam mais atenciosos e polidos e as meninas alargariam o currículo de suas idéias e aprenderiam a conhecer os homens. Deste modo, o processo de ensino seria único, não haveria distinção entre os saberes próprios para meninos e saberes adequados às meninas, as quais, por sua vez, deveriam aprender os inerentes ao seu sexo (bordar, coser, cozinhar, etc.) e ampliá-los com os saberes próprios do sexo oposto. Igualmente não deveria haver distinção entre professores para meninos e professoras para meninas, no ensino primário e no ensino secundário. Nesse nível de ensino, o secundário, deveria, de acordo com Oliveira, ser mais prático, principalmente para os alunos que não tinham condições e não almejassem o ensino superior. Questiona este autor: Para que serviria o estudo do latim, do inglês, do alemão da filosofia, da retórica e dos clássicos para estes alunos? Em contrapartida, escolas secundárias de caráter profissional no Brasil eram em número insignificante em comparação às que objetivam formar candidatos ao ensino superior e restritos ao sexo masculino, a exemplo das escolas de agricultura, mecânica e industriais. Em sendo o nível de ensino dividido em três estágios -primário, secundário (profissional e clássico) e superior, as matérias se complementariam no decorrer do processo de escolarização. No primeiro nível, as matérias seriam: leitura, escrita, cálculo, desenho, geografia, lições das coisas. No segundo, em continuidade ao anterior, aprenderiam: escrita, caligrafia, gramática, definições, etimologias, estudos das raízes, aritmética, escrituração mercantil, geometria, trigonometria, álgebra, levantamento de plantas, desenho de arquitetura, astronomia, física, química, análises, higiene, história

8 8 natural nos seus diversos ramos, música vocal, lição das coisas *, e línguas latina, francesa e alemã. No último nível, aprenderiam os conteúdos do secundário, de modo de mais científico e completo. Nas escolas profissionais, as disciplinas seriam divididas entre aquelas de caráter geral e as conhecimento específico, centradas no tipo de formação e deveriam abordar a teoria e a prática, sendo esta desenvolvida em laboratório e atividade de campo. Esse ensino deveria ser ministrado por meio de explicações simples e freqüentes, voltados para o cotidiano presente na vida do aluno e do meio onde se insere, através de anedotas, contos e exemplos. Para tanto, os professores seriam ajudados por seus adjuntos e monitores. Esse tipo de ensino contribuiria para desaparecer... essa espécie de fanatismo, que até hoje tem havido pelos estudos literários, médicos e de direito (OLIVEIRA, 1874,p. 205). O ensino deveria ser de responsabilidade do Estado, das províncias e dos Municípios,. sendo que a educação inferior deveria ser atribuição dos municípios, o ensino superior, das províncias mediante as suas necessidades. Ao Estado caberia o controle de todos os níveis, sendo que a administração escolar deveria ficar a cargo dos Conselhos Escolares, compostos pelos professores e representantes dos pais. Os Conselhos das Universidades seriam compostos pelos diretores das faculdades e pelos professores catedráticos. Estes Conselhos seriam aglutinados e orientados por um Conselho Central, que deveria manter um periódico com a finalidade de publicar todas as idéias que possam interessar à instrução pública, isto é: Estatística Escolar, livros clássicos, relatórios da instrucção, estado das escolas, conferencias pedagógicas, methodos de ensino (OLIVEIRA, 1874, p. 218). Essas responsabilidades deveriam priorizar o ensino noturno para atender à parcela da população adulta que não cumpriu sua escolaridade ou nunca freqüentou uma escola. Em 1874, havia em todo país 136 escolas noturnas, sendo 83 públicas e 53 particulares, todas para atender ao sexo masculino. Parece que já isto não é tão pouco para uma instituição que apenas remota a Em 1868 (1º de julho) foi que se abriu a * Conteúdos trabalhados com exemplo prático e selecionados ao dia a dia do discente; a exemplo do funcionamento de um relógio, as partes das plantas, como fazer sapatos, os materiais, tempo gasto e o valor, etc.

9 9 primeira eschola nocturna que teve o Brasil, depois do Lyceu de Artes e Officcios da Côrte a do professor Cruz de São Bento, nesta província (OLIVEIRA,1874,p226). Se havia preocupação com a escola noturna, havia igual interesse com escolas para atender crianças desvalidas, tanto do sexo masculino como do feminino. No Maranhão, com esta finalidade existia desde 1841 a casa dos educandos artífices ( FERNANDES, 1929,p.279). É evidente que em todos os níveis de ensino, independente da clientela a atender, o professor ocuparia papel fundamental, na medida em que ele era o agente ativo do processo, cuja característica é apresentada na forma de poema pelo Autor do texto analisado. Puro nos costumes, no dever exacto Modesto, polido, cheio de bondade. Paciente, pio firme no caracter. Zeloso, ativo e tão prudente Em punir como em louvor: Agente sem ambições, apostolo Em que a infância se modela. Espelho em que o mundo se reflete. Mytho de sacerdote, juiz e pai. Eis o mestre, eis o professor (OLIVEIRA, p.258) Observamos que o professor para Oliveira é um misto de pai e orientador espiritual, por um lado; por outro, um profissional que faria de sua prática um sacerdócio, um apostolado. Tais características são adequadas à mulher professora, pelo seu espírito maternal; sua doçura a torna educadora, por excelência, de crianças. Entretanto, Oliveira alerta contra o preconceito existente na época, em que a professora por estas características poderia afeminar os meninos. Professores e professoras deveriam ser formados pela escolas normais, surgidas em Minas Gerais, em Em 1847, havia 4 (quatro) escolas em todo o país, todavia, muitas desapareceram em anos posteriores, por falta de estrutura, reformas mal conduzidas e baixa remuneração dos professores, que faziam do magistério apêndice, com o objetivo de apenas melhorarem seus rendimentos mensais. As escolas procuravam trabalhar com os mais modernos métodos de ensino,.que, segundo Oliveira, surgem a partir das últimas décadas do século XVII e consolidam-se no

10 10 século XVIII. Centravam-se em quatro distintas teorias educacionais: Escola Pia, Escola Humanista, Escola Filantrópica e Escola Eclética. A primeira, fundada por Francke, na Alemanha, defendia a idéia de que a educação deveria centrar no vivo conhecimento de Deus. A segunda sustentava que os estudos das humanidades deveriam ser o centro de todo processo da educação. A terceira centrava-se em Comenius, Rousseau e Locke. Defendia a idéia de que a educação deveria dirigir-se de conformidade com as leis da natureza e centrava-se nas diversidades do caráter, força e vocação dos meninos; nada ensinar-lhes que eles não pudessem compreender e, sobretudo, deveria tornar o ensino o mais agradável e simples possível. A escola eclética era um conjunto dos pontos positivos dos demais, sendo Pestalozzi o principal representante. O Método Pestalozzi serviu de orientação para a produção de várias textos básicos de orientação à educação infantil, a exemplo de Livros de Leitura de Abílio Cezar Borges, Augusto Freire de Silva e Antônio Pinheiro de Aguiar; Novo Methodo de Ensinar a Ler e Escrever de autoria de Freire da Silva e Bacadafá, de Pinheiro de Aguiar. Oliveira defende a idéia de que a aplicação adequada de qualquer método de ensino dependeria dos modos de ensino, dos materiais de ensino e das condições estruturais das escolas, sendo este o requisito mais importante. As escolas deveriam ser localizadas, preferencialmente, no centro das cidades, com a frente voltada para o nascente ou para o norte, porque desses pontos tornam-se mais arejadas, com pátios arborizados, amplas salas de aula e de estudo, bibliotecas e mobílias adequadas tanto para professores como para os alunos. Para o professor, uma mesa, um estrado, uma cadeira, uma campainha e um tinteiro [...] Para a biblioteca, vários livros de cada uma das matérias do ensino, alguns cursos de pedagogia, o Código criminal, a Constituição do paiz, as Leis e Regulamentos da instrução pública, alguns exemplares dos livros mais apropriados à leitura, um atlas geral, outro especial do Brazil [...] Para os alunos uma escrivaninha, uma ardósia, um tinteiro, uma cadeira, e um quadro de translados (OLIVEIRA, 1874, p ). Essa estrutura, juntamente com outras condições necessárias ao processo de ensinoaprendizagem, demandariam recursos provenientes do Município Neutro e das Províncias. Entretanto cada escola deveria responsabilizar-se com toda ou parte de suas despesas móveis e imóveis, através de arrecadação de multas, expedição de certificados, diplomas,

11 11 atestados, inscrições, cursos de férias, doações, locação de seu espaço físico para festas comemorativas da comunidade onde se insere etc. Ao concluir sua obra, Oliveira chama atenção para o fato de que a mesma seja um meio importante de esclarecimento e conscientização para quem deseja a reforma da instrução pública no Brasil. Nesta perspectiva, convida o leitor para um triplo trabalho Trabalho em ver o que convem e o que cumpre fazer, trabalho em combater os indiffetentes ou hostis a instrucção, trabalho em colligir forças para a acção e encaminhal-as devidamente, Trabalhai, pois, desenvolvei toda a vossa actividade, e ficai certo de que o dia do trimpho há de chegar. Se estais sosinho hoje tereis conpanheiros amanhan. E se estes forem poucos à principio serão muitos mais tarde ( OLIVEIRA, 1874,p.470). REFERÊNCIAS AZEVEDO, Fernando de. A transmissão da cultura. 5.ed. São Paulo: Melhoramentos, FERNANDES, Henrique Costa. Administradores maranhenses. São Luís: Imprensa Oficial,1929. NAGLE, Jorge. Educação e Sociedade. São Paulo: EPU,1976. OLIVEIRA, A de Almeida. O Ensino público. São Luís: [s.n],1874. PAIVA, Vanilda. Educação popular e educação de adultos. São Paulo: Loyola, RIBEIRO, Maria Luisa Santos. História da educação brasileira: a organização escolar. 16 ed. Campinas: Autores Associados, ROMANELLI, Otaíza. História da educação brasileira. 14 ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

Educação Matemática. Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2

Educação Matemática. Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2 Educação Matemática Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2 UNIDADE I: EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO Escolas da Antiguidade Geometria Aritmética Música Elementos de Euclides (300 a.c.) Geometria

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Avaliação da Educação Básica no Brasil. Avaliação Educacional no Brasil Década de 90. Questões Básicas

Avaliação da Educação Básica no Brasil. Avaliação Educacional no Brasil Década de 90. Questões Básicas Avaliação da Educação Básica no Brasil Maria Inês Fini Slide 1 Avaliação Educacional no Brasil Década de 90 Estruturação e Desenvolvimento dos Sistemas de Avaliação e de Informação da Educação Básica e

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Cap 1 A teoria e a prática da Educação. Ramiro Marques

Cap 1 A teoria e a prática da Educação. Ramiro Marques Cap 1 A teoria e a prática da Educação Ramiro Marques Aristóteles dedica um espaço importante de A Política ao tema da educação, preocupando-se com a discussão de vários assuntos: fim pacífico da Educação,

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES 1 CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A discussão que vem sendo proposta por variados atores sociais na contemporaneidade

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE I Educação Matemática e Ensino Vozes isoladas alertam sobre os perigos da neglicência aos conhecimentos matemáticos. Fala do franciscano Roger Bacon

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNAMBUCANO DIREÇÃO DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR 1. Perfil do Curso CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO A INFORMAÇÃO DE DISCIPLINAS NO CENSO ESCOLAR

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO A INFORMAÇÃO DE DISCIPLINAS NO CENSO ESCOLAR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 Regulamenta o exercício da profissão de Supervisor Educacional, e dá outras providências. Autor: Deputado ADEMIR CAMILO Relator: Deputado ARTUR BRUNO

Leia mais

A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO

A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO Com um registro único para programas sociais é possível saber quem são as pessoas mais vulneráveis, suas necessidades e onde elas moram. É possível

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line do Livro: RATKE, Wolfgang. Escritos sobre A Nova Arte de Ensinar de Wolfgang Ratke (1571-1635): textos escolhidos. Apresentação, tradução e notas de Sandino Hoff. Campinas: Autores Associados, 2008. 233p.

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES Karem Nacostielle EUFRÁSIO Campus Jataí karemnacostielle@gmail.com Sílvio Ribeiro DA SILVA

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010 O Diretor das Faculdades Integradas Campo Grandenses, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão dos Conselhos Superior, de Ensino, Pesquisa, Pós Graduação e Extensão e de Coordenadores, em reunião

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

Aula 1 - Avaliação Econômica de Projetos Sociais Aspectos Gerais

Aula 1 - Avaliação Econômica de Projetos Sociais Aspectos Gerais Aula 1 - Avaliação Econômica de Projetos Sociais Aspectos Gerais Plano de Aula Introdução à avaliação econômica de projetos sociais Avaliação de impacto Retorno econômico Marco Lógico O Curso Trabalho

Leia mais

Lei n.º 46/1986 de 14 de Outubro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 115/1997 de 19 de Setembro.

Lei n.º 46/1986 de 14 de Outubro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 115/1997 de 19 de Setembro. Lei de Bases do Sistema Educativo Lei n.º 49/2005 de 30 de Agosto Lei n.º 46/1986 de 14 de Outubro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 115/1997 de 19 de Setembro. Funções da Escola (efeitos intencionais

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. 1 de 5 A educação que movimenta o desenvolvimento Natalino Salgado Filho O ano de 2011 encerra com uma notícia que, aparentemente, parece muito alvissareira para o Brasil. O país ultrapassou a Grã Bretanha

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

ESL/BILINGUE. Full Year Courses:

ESL/BILINGUE. Full Year Courses: ESL/BILINGUE MA101C MA101C SC 111C SC201C SS314C SS314C EN191C ES211C ES231C ES251C MA211C ES271C EN281C SS201C SS201C MA001C MA001C EN211C SS311C SS191C SS191C Full Year Courses: Algebra I (Português

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI SENADO FEDERAL COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE AUDIÊNCIA PÚBLICA: IDÉIAS E PROPOSTAS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SESI

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Constituição Federal

Constituição Federal Constituição Federal CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 1988 COM A INCORPORAÇÃO DA EMENDA 14 Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT.

RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT. RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT. Estabelece Diretrizes para a organização e a realização de Estágio de alunos da Educação Profissional de Nível Técnico e do Ensino Médio, inclusive nas modalidades de Educação

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

Perspectivas e Desafios da Educação a Distância no Ensino Superior

Perspectivas e Desafios da Educação a Distância no Ensino Superior Perspectivas e Desafios da Educação a Distância no Ensino Superior Professora Drª Nara Maria Pimentel Universidade de Brasília UnB Faculdade de Educação FE Departamento de Planejamento e Administração

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Programa Ler e Escrever. Apresentação

Programa Ler e Escrever. Apresentação Programa Ler e Escrever Apresentação Mais do que um programa de formação, o Ler e Escrever é um conjunto de linhas de ação articuladas que inclui formação, acompanhamento, elaboração e distribuição de

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO Elizabeth da Silva Guedes UNESA Laélia Portela Moreira UNESA Resumo A evasão no Ensino Superior (ES) vem chamando

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Dispõe sobre a Educação Infantil no âmbito do Sistema de Ensino do Ceará.

Dispõe sobre a Educação Infantil no âmbito do Sistema de Ensino do Ceará. RESOLUÇÃO N.º 361/2000 Dispõe sobre a Educação Infantil no âmbito do Sistema de Ensino do Ceará. O Conselho de Educação do Ceará (CEC), no uso de suas atribuições e tendo em vista a necessidade de regulamentar

Leia mais

O desafio da educação nas prisões

O desafio da educação nas prisões Fotos: Christian Montagna O desafio da educação nas prisões A educação prisional, mais do que um instrumento de reintegração social, é um direito conferido aos presos pela igualdade sacramentada na Declaração

Leia mais

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL:

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: A Primeira Etapa da Educação Básica CÉLIA REGINA B. SERRÃO EXERCÍCIO UM OLHAR UMA DADA COMPREENSÃO lócus específico trajetória profissional

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP Alunos apontam melhorias na graduação Aumenta grau de formação dos professores e estudantes mostram que cursos possibilitam

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE Como Associação que abarca as instituições de educação superior públicas tendo como finalidade o desenvolvimento da educação a distância, a UniRede apresenta abaixo as considerações relativas aos três

Leia mais

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3;

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3; COMO ESTUDAR SE NÃO TENHO COM QUEM DEIXAR MEUS FILHOS? UM ESTUDO SOBRE AS SALAS DE ACOLHIMENTO DO PROJOVEM URBANO Rosilaine Gonçalves da Fonseca Ferreira UNIRIO Direcionado ao atendimento de parcela significativa

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO Seção I Da Educação Art. 208. O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E POBREZA: UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE LAVRAS - MINAS GERAIS DIEGO CÉSAR TERRA DE ANDRADE 1 ; ELIAS RODRIGUES DE OLIVEIRA 2 ; MICHELLE FONSECA JACOME 3 ; CATARINA FURTADO DOS

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA Alini, CAVICHIOLI, e-mail¹: alini.cavichioli@edu.sc.senai.br Fernando Luiz Freitas FILHO, e-mail²: fernando.freitas@sociesc.org.br Wallace Nóbrega,

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA 178 REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA FEBA, Berta Lúcia Tagliari 1... ler é solidarizar-se pela reflexão, pelo diálogo com o outro, a quem altera e que o altera (YUNES, 2002,

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Membro do Conselho

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Tendências Pedagógicas. Formação de Professores. Contextualização. Tendências Não Críticas

Tendências Pedagógicas. Formação de Professores. Contextualização. Tendências Não Críticas Formação de Professores Teleaula 2 Prof.ª Dra. Joana Paulin Romanowski tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Críticas Não críticas Pedagogia Formação de Professores (SAVIANI, 2002) Contextualização Aprender

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais