Controle populacional de Microcystis panniformis. (Cyanobacteria) através de radiação ionizante

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Controle populacional de Microcystis panniformis. (Cyanobacteria) através de radiação ionizante"

Transcrição

1 Controle populacional de Microcystis panniformis (Cyanobacteria) através de radiação ionizante Erika Cavalcante-Silva a*, Maria do Carmo Bittencourt-Oliveira b, João Dias de Toledo Arruda-Neto a,c a - Instituto de Física, Universidade de São Paulo (USP), Rua do Matão, Travessa R, 187, São Paulo-Brasil. b - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ), Rua Pádua Dias, 11, São Paulo-Brasil c- Faculdade de Engenharia São Paulo (FESP), São Paulo-Brasil * Autor de correspondencia: Tel PALAVRAS CHAVE: radiação gama; radiossensibilidade; cianobactéria. ABSTRACT Microcystis panniformis Komárek et al. (Cynobacteria) is common specie in tropical aquatic environment systems, which are often related with blooms and toxins production. The use of ionizing radiation is considered a promising process for population control in water reservoirs for public supply.the gamma radiation is a very penetrating one, giving thus rise to deleterious effects, particularly when absorbed by molecules playing an important role in many cell metabolical processes like e.g. enzymes and the DNA. This 1

2 work aimed at the radiosensitivity investigation of the axenic strain Microcystis panniformis when submitted to gamma radiation doses of 4, 5 and 6 kgy, by means of its survival curves. In this sense, Microcystis panniformis samples from cultivation in tubes were irradiated throughout. Survival curves, and growth curves of the control samples, were obtained by cell counting with a conventional optical microscope. The counting were performed in samples after elapsed times of 24 h (first day), 48 h (second day) and120 h (Fifh day), since the end of the irradiations. The survival curves were analyzed after subtracting from each point an estimate of the number of cells which aroused by reproduction after the observation times. In the case of cell populations irradiated with 4 kgy the following daily cell death rates were obtained: 9.92%, 20.27% and 76.40%, for the 1 st, 2 nd e 5 th observation days, respectively. It was observed in samples irradiated with 5 kgy a decrease in the cell population size between the 1 st and the 2 nd days of 22.3% to 67%, respectively. For irradiations with 6 kgy, on the other hand, cell death was considerably higher, namely, 88.14% of the initial population in the 1 st day, while in the 2 nd day nearly the whole population have died (99.94%), and in the 5 th day not a single cell was counted. All these results undoubtedly demonstrate that Microcystis panniformis is a very radioresistant microorganism, nearly ranking with Deinoccocus radiodurans which requires from 8 to 10 kgy to completely deplete its population (mentioned in the Guinness Book of Records as the most resistant living organism in the planet). It is now quite understandable why populations of Microcystis panniformis require such high doses, since doses as high as 4 and 5 kgy were not sufficient to kill more than 80% of the initial population after 24 hours. 2

3 RESUMO Microcystis panniformis Komárek et al. (Cyanobacteria) é uma espécie comum em ecossistemas aquáticos tropicais que freqüentemente está relacionada às florações e produção de toxinas. O uso de radiação ionizante é visto como um processo promissor no seu controle populacional em mananciais utilizados para abastecimento de água. A radiação gama é muito penetrante, produzindo efeitos deletérios quando absorvida por moléculas que são importantes nos diversos metabolismos das células. Entre essas estão as enzimas e o DNA. O objetivo deste trabalho foi o de investigar o comportamento da curva de sobrevivência de uma linhagem de Microcystis panniformis quando submetida a doses de 4, 5 e 6 kgy de radiação gama. O experimento consistiu das irradiações de M. panniformis cultivada em tubos de ensaios. As curvas de crescimento (do controle) e de sobrevivência foram obtidas por contagem de células via microscopia óptica convencional. Nesses casos as contagens foram realizadas nos tempos de 24 h (1 o dia), 48 h (2 o dia) e 120 h (5 o dia), cronometrados a partir do final das irradiações. As curvas de sobrevivência foram analisadas subtraindo-se das contagens uma estimativa do número de células que teriam sido geradas no transcorrer dos tempos de observação. No caso da população irradiada com 4 kgy obtivemos para o 1 o, 2 o e 5 o dias as seguintes taxas diárias de morte celular: 9,92%, 20,27% e 76,40%, respectivamente. Os cultivos irradiados com 5 kgy tiveram uma queda no número de células de 22,3% e 67% para o 1 o, 2 o dia, respectivamente. Para a população irradiada com 6 kgy as taxas diárias de morte celular foram muito maiores por exemplo, no 1 o dia morreu cerca de 88,14% da população inicial, enquanto que no 2 o dia a população estava reduzida a menos de 99,94% da inicial. No 5 o dia, já não havia mais células. Esses resultados mostram que a Microcystis panniformis é uma cianobactéria radioresistente. O controle populacional de M. panniformis requer altas doses de radiação ionizante, uma vez 3

4 que doses consideradas altas como 4 e 5 kgy não foram suficientes para matar mais de 80% da população em 24 h. INTRODUÇÃO Durante a Era Proterozóica o fluxo de radiação ultravioleta na superfície da Terra foi provavelmente alto e de diferente composição espectral. A razão foi a ausência da camada de ozônio durante o Arqueano e provavelmente durante a maior parte do proterozóico (Rothschild, 1999). A alta exposição dos organismos fotoautotróficos à radiação ultravioleta e à luz visível deu origem a uma seleção de cianobactérias que desenvolveram um excelente mecanismo de reparo para os danos causados pela radiação ultravioleta no DNA (Sinha, 2008). Segundo Rothschild (1999), um papel importante da radiação ultravioleta na evolução foi a indução de efeitos mutagênicos. Há uma diferença entre danos no DNA e mutação. Danos no DNA refere-se por exemplo a quebras nos cromossomo, produção de fotoprodutos, etc., levando a um conformação não natural dessa molécula. Mutação refere-se a mudanças nas seqüências do DNA, incluindo rearranjos, substituições e deleções de bases. Em outras palavras, mutação é hereditário, enquanto que danos no DNA não. Estudos têm mostrado que algumas cianobactérias são bastante resistentes a altas e baixas doses de radiação gama (Kraus, 1969; Asato, 1971; Billi, 2000; Hereman et al., 2007; arruda et al., 2009). Radiação gama é uma radiação eletromagnética como os raios-x ou luz natural, mas com freqüência e energia bem mais elevada. Trata-se, portanto de uma radiação bastante penetrante, com inúmeras aplicações em diferentes segmentos que demandam Ciência e Tecnologia (Farooq et al., 1993; Thompson and Blatchley, 2000; Sommer et al., 2001; Imamura et al. 2002). A radiação ionizante causa danos diretos e 4

5 indiretos na molécula de DNA. Os efeitos diretos ocorrem quando o DNA é ionizado pela incidência da radiação, enquanto que nos efeitos indiretos o DNA é ionizado por radicais livres produzidos pela radiólise da água no citosol (Jones et al., 1994; Agarwal, 2008). O organismo escolhido para este estudo foi Microcystis panniformis Komárek et al. (Cyanobacteria, Chroococcales) que é geralmente encontrada na superfície de corpos de água eutrofizados. Por tratar-se de um organismo gram-negativo, fotoautotrófico e procarioto constitui excelente objeto de estudo para radioresistência. O objetivo deste trabalho é investigar a radioresistência de uma linhagem de Microcystis panniformis quando submetida a altas doses de radiação gama, pela observação do comportamento da curva de sobrevivência. MATERIAIS E MÉTODOS Foi coletada uma amostra de água do reservatório de Barra Bonita, situado no estado de São Paulo (22 o 32' 34,5" S, 48 o 29' 26,4 W), que possui florações de Microcystis panniformis. A coleta foi feita através de um arrasto horizontal na camada sub-superficial do reservatório, utilizando-se uma rede de plâncton de 25 µm de abertura de malha. Uma colônia de M. panniformis foi isolada em tubos de 10 ml contendo o meio BG-11 (Rippka et al., 1979), modificado por Bittencourt-Oliveira (Bittencourt-Oliveira, 2000), e utilizando técnicas de micromanipulação com um microscópio (Nikon E200, Melville, NY, USA). A linhagem clonal, não axênica e tóxica de Microcystis panniformis Komárek et al. BCCUSP100 pertence a Brazilian Cyanobacteria Collection- University of São Paulo (BCCUSP100). A linhagem cresceu em meio BG-11, sob condições controladas de cultivo em uma câmara climática com: (22 ± 1) o C de temperatura, fotoperíodo 14:10 claro:escuro e 5

6 intensidade luminosa de (30± 1,0) µmol.photons.m -2.s -1 (fotômetro LI-COR, mod. LI-250, com sensor esférico subaquático). O inóculo foi cultivado em erlenmeyers e ao atingir a fase exponencial de crescimento, 40 ml foram deslocados para tubos de ensaios um dia antes de cada tratamento. Após a transferência de recipientes, os cultivos foram submetidos, em triplicata, aos seguintes tratamentos: a) irradiação com dose de 4 kgy; b) irradiação com dose de 5 kgy; e c) irradiação com dose de 6 kgy. Todas as irradiações foram realizadas na fonte de Cobalto ( 60 Co) modelo Gamma-cell 220, MDS Nordion, Otawa, Canadá. Amostras foram coletadas periodicamente nos tempos 0 (equivale a coleta de amostra 1 hora antes do tratamento), 1º, 2º e 5º dia. Foram preservadas em solução de lugol acético 4%. A densidade celular utilizada nas curvas de crescimento e sobrevivência foi estimada a partir de contagens em hemocitômetro Fuchs Rosenthal com auxílio de um microscópio binocular Olympus. Esses resultados foram expressos como número de células por ml. Foi estabelecido um número mínimo de 400 células contadas de forma a se obter um erro de aproximadamente 10% para um nível de confiança de 95% (Guillard, 1973). RESULTADOS Todos os resultados referentes a número de células por ml foram normalizados (N C ), isto é, foram divididos pelos valores obtidos em t = 0, dia em que se coletaram as amostras sem a aplicação dos tratamentos (irradiações). Desta forma, os gráficos apresentam para t = 0 o valor N C = 1. Na Figura 1 apresentamos uma curva de crescimento típica de M. panniformis em ausência de estresses, ou seja, dose zero (D=0) e temperatura de 22 o C (T = 22 o C). 6

7 1,5 1,4 1,3 N C 1,2 1,1 1,0 0, t(d) Figura 1 - Curva de crescimento típica de M.panniformis na ausência de estres (D=0). As curvas de crescimento obtidas sob a ação de um ou mais estresses foram denominadas curvas de sobrevivência. Os resultados estão nas Figuras 2 e 3, observandose que o tempo t = 0 (medido em dias) corresponde ao instante em que a amostra foi transferida para os tubos de ensaio, sendo que neste momento não houve exposição à radiação gama. Os tratamentos foram aplicados um dia após a transferência e as contagens de células foram realizadas nos dias subseqüentes (t = 1, 2 e 5). Foram realizados 3 tipos de tratamentos, sendo adotada a seguinte nomenclatura para os tubos: A Cultivos irradiados com 4 kgy; B Cultivos irradiados com 5 kgy; C Cultivos irradiados com 6 kgy. 7

8 A escolha das doses iguais ou superiores a 4 kgy deveu-se ao fato de que já existiam resultados obtidos com 3 kgy com esta mesma linhagem de Microcystis panniformis, BCCUSP100. Observou-se também que para doses inferiores a 3 kgy o número de mortes celulares não é significativo (Arruda-Neto et al., 2009). A Tabela 1 exibe o número de sobreviventes dos 3 experimentos realizados neste ensaio. Tratamento Dia 1 Dia 2 Dia 5 Irradiação 4 kgy Irradiação 5 kgy Irradiação 6 kgy , , Controle Tabela 1 Número de células por ml dos experimentos com 4, 5 y 6 kgy. A Figura 2 mostra o comportamento dos cultivos após três tipos de tratamentos com radiação gama. Vinte quatro horas (t=1) após a aplicação do tratamento A ocorreram cerca de 10% de mortes, enquanto nos tratamentos B e C esta quantidade foi superior, 22.9% e 88.1%, respectivamente. Este número aumentou 48 h após a aplicação do tratamento (t=2), ocorrendo 20.3%, 67.3% e 99.9% de mortes para as doses de 4 kgy, 5 kgy e 6 kgy, respectivamente. A quantidade de mortes aumentou com o passar do tempo. No 5º dia o tratamento com 4 kgy apresentou um índice de morte de 76.40%, chegando a 99.81% no 15ºdia (dado não informado). Já no 5 o do tratamento com 6 kgy o número de mortes foi de 99.99%, e no 15º dia não havia evidências de células vivas. Os cultivos relativos ao experimento com 5 kgy continuaram a exibir mortes celulares após o 2º dia. 8

9 N C 1,1 1,0 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 0,0-0,1 4 kgy 5 kgy 6 kgy t (d) Figura 2 Curva de sobrevivência média dos grupos irradiados com doses de 4 kgy, 5 kgy e 6 kgy. 1,0 Fração de sobrevivência 0,8 0,6 0,4 0,2 0,0 24h 48h 4,0 4,5 5,0 5,5 6,0 Dose (KGy) Figura 3 - Curva de sobrevivência à radiação com gama com doses 4, 5 e 6 kgy. 9

10 DISCUSSÃO A Microcystis panniformis apresenta uma alta radioresistência em comparação a outras bactérias e cianobactérias. De fato, Kraus (1969) observou resistência à radiação de algumas espécies de bactérias e cianobactérias, propondo a definição de três categorias quanto à LD 90 : Sensíveis, Moderadamente Resistentes e Altamente Resistentes. Na categoria Sensíveis, que são as espécies que morreram com doses menores ou iguais a 4 kgy, encontra-se a Microcystis aeruginosa. Este resultado contrasta com o resultado obtido neste trabalho com a Microcystis panniformis, pois o número de mortes atingindo a LD 90 foi obtido a partir da dose de 6 kgy, 24 horas após a aplicação da radiação gama. Segundo a classificação de Kraus (1969) a cianobactéria aqui estudada está inserida na categoria Moderadamente Resistente, onde a LD 90 varia entre 4 kgy a 12 kgy. O ombro de reparo observado na Figura 3, referente à 24 h após tratamento com 4 kgy, indica que essa cianobactéria possui um mecanismo de reparo eficaz. Os eficientes mecanismos de reparo das cianobactérias são esperados, visto que seus antecessores evoluíram numa atmosfera de radiação-uv irrestrita pela ausência de camada de ozônio durante a Era Pré- Cambriana (Asato, 1972). O aumento de mortes celulares 48 h após a aplicação da radiação gama nos 3 cultivos nos leva a acreditar que a difusão passiva dos radicais livres, devido à hidrólise da água ocasionada pela radiação (Alpen, 1991), poderia ser um dos grandes responsáveis pela ocorrência de mais danos celulares e, conseqüentemente, a continuidade de mortes depois dos tratamentos. Doses utilizadas para matar cianobactérias são consideradas altas quando comparadas com outros organismos procariotos. Por exemplo, em uma determinada linhagem de E. coli, 10

11 a dose necessária para obter inativação desta bactéria é de 80 Gy, quando se tratar de células vegetativas, e de 250 Gy quando forem células esporuladas (Taghipuor, 2004). Estas doses foram testadas anteriormente (Cavalcante-Silva, 2006) na nossa linhagem de Microcystis panniformis e não apresentou interferência na curva de crescimento desta cianobactéria. Em conclusão, estas doses são consideradas baixas para matar o microrganismo aqui estudado. Porém, outro estudo mostrou que a bactéria Gram-positiva Deinococcus radiodurans resiste extraordinariamente a altas doses de irradiação ionizante, 17 kgy, sem sofrer qualquer tipo de mutação (Daly, 1994). CONCLUSÕES 1- A Microcystis panniformis é uma cianobactéria radioresistente. Mais especificamente, esse microrganismo resiste bem e com rápida recuperação a doses de até 4 kgy. 2- Essa alta resistência à radiação ionizante sugere que mecanismos de proteção contra danos causados pela radiação foram desenvolvidos devido a ausência de proteção pela camada de ozônio durante a Era Pré-Cambriana. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Agarwal R, Rane SS, Sainis JK Effects of 60 Co γ Radiation on thylakoid membrane functions in Anacystis nidulan. Journal of Photochemistry and Photobiology, 91: 9-19 Alpen EL Radiation Biophysics. Prentice-hall, New Jersey, United States Arruda-Neto JDT, Bittencourt-Oliveira MC, Friedberg EC, Cavalcante-Silva E, Schenberg ACG, Oliveira MCC, Hereman TC, Mesa J, Rodrigues TE, Shtejer K, Garcia F, Louvison M, Paula, CR, Garcia C Static electric fields interfere in the viability of cells exposed to ionizing radiation. International Journal of Radiation Biology, 85: Asato Y Photorecovery of gamma irradiated cultures of blue-green alga, Anacystis nidulans. Radiation Botany 11:

12 Asato, Y Isolation and characterization of ultraviolet light-sensitive mutants of the blue-green alga Anacystis nidulans. Journal of Bacteriology, 110: Billi D, Fridmann EI, Hofer KG, Caiola MG, Ocampo-Friedmann R Ionisingradiation resistence in the desiccation-tolerant cyanobacterium chroococcidiopsis. Apllied and Environmental Microbioogy, 66: Bittencourt-Oliveira MC Development of Microcystis aeruginosa (Kutzing) Kutzing (Cyanophyceae/Cyanobacteria) under cultivation and its taxonomic implications. Algology Study, 99: Cavalcante-Silva E Controle populacional de Microcystis Panniformis (Cyanobacteria) utilizando radiações ionizantes e outros agentes físicos exógenos. Dissertação de Mestrado (Biotecnologia) do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo. São Paulo, Brasil: 62 p Daly MJ, Ouyang L, Fuchs P, Minton KW In vivo damage and rec a dependent repair of plasmid and chromosomal DNA in the radiation-resistent bacterium Deinococcus radiodurans. Journal Bacteriology, 176: Farooq S, Kuruckz CN, Waite DW, Cooper W Desinfection of waste water: high energy electron vs gamma irradiation. Water Research, 27: Guillard RRL Division rates. in: Stein, JR Handbook of phycological methods: culture methods and growth measurements. Cambridge University Press, London, England: p Hereman TC, Arruda-Neto JDT, Cavalcante-Silva E, Rodrigues TE, Buch B, Arthur V, Bittencourt-Oliveira MC Survival of the toxic cyanobacterium Microcystis panniformis Komárek et al. following treatments with gamma radiation and heating. Biotecnology, 4: Imamura M, Sawada S, Kasahara-Imamura M, Harima K, Harada K Synergistic cellkilling effect of a combination of hyperthermia and heavy ion beam irradiation: In expectation of a breakthrough in the treatment of refractory cancers. International Journal Molecular Medicine, 9: Jones GDD, Boswell TV, Lee J, Milligan JR, Ward J F, Weinfeld MA Comparison of DNA damages produced under conditions of direct and indirect action of radiation. International Journal Radiation Biology, 66: Kraus M Resistence of blue-green algae to 60 CO gamma radiation. Radiation Botany, 9: Rippka R, Deruelles J, Waterbury JB, Herdman M, Stanier RY Generic Assigments, strain sistories and properties of pure cultures of cyanobacteria. Journal Genetic Microbiology, 111:

13 Rothschild LJ The influence of radiation on protistan evolution. Journal Eukaryotic Microbiology, 46: Sinha RP and Hader DP UV-protectants in cyanobacteria. Planet Science, 174: Sommer R, Pribil W, Appelt S, Gehringer P, Eschweiler H, Leth H, Cabaj A, Haider T Inativation of bacteriophages in water by means of non-ionizing (UV-253-7nm) and ionizing (gamma) radiation: a comparative approach. Water Research, 35: Taghipour F Ultraviolet and ionizing radiation for microorganism inactivation. Water Research, 38: Thompson JA, Blatchley ER Gamma irradiation for inactivation of C. parvum, E. coli, and Coliphage MS-2. Journal Environmental Engineering, 126: AGRADECIMENTOS Este trabalho foi apoiado por bolsas da FAPESP e CNPq. 13

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA RAIOS-X + MATÉRIA CONSEQUÊNCIAS BIOLÓGICAS EFEITOS DAZS RADIAÇÕES NA H2O A molécula da água é a mais abundante em um organismo biológico, a água participa praticamente

Leia mais

ESTUDO DO CRESCIMENTO DE GOTÍCULAS E GOTAS NO CCNC-DSCC. PARTE ΙI: TEMPO DE CRESCIMENTO

ESTUDO DO CRESCIMENTO DE GOTÍCULAS E GOTAS NO CCNC-DSCC. PARTE ΙI: TEMPO DE CRESCIMENTO ESTUDO DO CRESCIMENTO DE GOTÍCULAS E GOTAS NO CCNC-DSCC. PARTE ΙI: TEMPO DE CRESCIMENTO Ednardo Moreira Rodrigues 1, Carlos Jacinto de Oliveira 2, Francisco Geraldo de Melo Pinheiro 2, Jonathan Alencar

Leia mais

BIOFÍSICA DAS RADIAÇÕES IONIZANTES

BIOFÍSICA DAS RADIAÇÕES IONIZANTES BIOFÍSICA DAS RADIAÇÕES IONIZANTES DANOS RADIOINDUZIDOS NA MOLÉCULA DE DNA Por ser responsável pela codificação da estrutura molecular de todas as enzimas da células, o DNA passa a ser a molécula chave

Leia mais

USO DA FOTÓLISE NA DESINFECCÃO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS

USO DA FOTÓLISE NA DESINFECCÃO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS USO DA FOTÓLISE NA DESINFECCÃO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS José Tavares de Sousa (1) Mestre em Engenharia Civil, UFPB (1986), Doutor em Hidráulica e Saneamento, USP (1996). Professor do Departamento de Química

Leia mais

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA CT CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE PETRÓLEO - PPGCEP DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-MN12 DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO

Leia mais

Questão 1 Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta

Questão 1 Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta Questão 1 Questão 2 O esquema abaixo representa as principais relações alimentares entre espécies que vivem num lago de uma região equatorial. a) O câncer é uma doença genética, mas na grande maioria dos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL DALILA DE SOUZA SANTOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL DALILA DE SOUZA SANTOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL DALILA DE SOUZA SANTOS CARACTERIZAÇÃO DO LODO OBTIDO EM MANTA E LEITO DO REATOR

Leia mais

Grupo de Protecção e Segurança Radiológica Octávia Monteiro Gil

Grupo de Protecção e Segurança Radiológica Octávia Monteiro Gil Grupo de Protecção e Segurança Radiológica 1st Workshop for Stakeholders - 6 de Dezembro de 2013 Radioactividade A radioactividade existe desde a formação do Universo, e os seres humanos viveram sempre

Leia mais

Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis. de Radiação. V. Vivolo, L.V.E. Caldas

Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis. de Radiação. V. Vivolo, L.V.E. Caldas Aplicação de Metodologia de Testes de Desempenho de Monitores Portáteis de Radiação V. Vivolo, L.V.E. Caldas Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, Comissão Nacional de Energia Nuclear, P.O. Box

Leia mais

Análise da Prova - Perito Criminal Federal (Biomédico/Biólogo)

Análise da Prova - Perito Criminal Federal (Biomédico/Biólogo) Questão Tema(s) predominante(s) Itens do Edital 51 Diferenças entre as metodologias de RFLP e PCR 5.4.2 Regiões repetitivas e polimorfismos. 6.2 Técnica de PCR. 6.3 Técnicas de identificação usando o DNA.

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DE DADOS HORÁRIOS DE TEMPERATURA EM CURITIBA

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DE DADOS HORÁRIOS DE TEMPERATURA EM CURITIBA ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DE DADOS HORÁRIOS DE TEMPERATURA EM CURITIBA Miriam Pittigliani Instituto Tecnológico Simepar Centro Politécnico da UFPR Cx. Postal 19.1, Curitiba-PR, 81.531-99 e-mail:

Leia mais

EFEITO DA RADIAÇÃO GAMA EM PROSTAGLANDINA

EFEITO DA RADIAÇÃO GAMA EM PROSTAGLANDINA 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 EFEITO DA RADIAÇÃO GAMA

Leia mais

Tecnologia do DNA Recombinante-TDR

Tecnologia do DNA Recombinante-TDR Tecnologia do DNA Recombinante-TDR (clonagem de DNA) CONSTRUINDO A MOLÉCULA DE DNA RECOMBINANTE, BIOTECNOLOGIA:Engenharia genética. A utilização de microorganismos, plantas e animais para a produção de

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN Carlos Magno de Souza Barbosa 1, Arthur Mattos & Antônio Marozzi Righetto 3 RESUMO - O presente trabalho teve como objetivo a determinação

Leia mais

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente Cristiane Tedesco 1, Drª Luciane Maria Colla 2, Dr Marcelo Hemkemeier ³

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente Cristiane Tedesco 1, Drª Luciane Maria Colla 2, Dr Marcelo Hemkemeier ³ Remoção de Cromo VI Pela Microalga Spirulina platensis 3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente Cristiane Tedesco 1, Drª Luciane Maria Colla 2, Dr Marcelo Hemkemeier ³ 1 Faculdade

Leia mais

O USO DA ONICOABRASÃO COMO MÉTODO DE AUXÍLIO NA OBTENÇÃO DE AMOSTRAS PARA O DIAGNÓSTICO DA ONICOMICOSE

O USO DA ONICOABRASÃO COMO MÉTODO DE AUXÍLIO NA OBTENÇÃO DE AMOSTRAS PARA O DIAGNÓSTICO DA ONICOMICOSE HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL DE SÃO PAULO O USO DA ONICOABRASÃO COMO MÉTODO DE AUXÍLIO NA OBTENÇÃO DE AMOSTRAS PARA O DIAGNÓSTICO DA ONICOMICOSE ANA FLÁVIA NOGUEIRA SALIBA São Paulo 2012 ANA

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CHARACTERIZATION OF ENERGY FLUX IN TROPICAL FOREST, TRANSITION

Leia mais

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Microbial Biomass In Lettuce Culture Under Different Organic Fertilizers And Management Of Green Manure

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA COMPOSIÇÃO E DA DOSE DE RADIAÇÃO NA DESIDRATAÇÃO DE HIDROGÉIS À BASE DE POLIVINILPIRROLIDONA RESUMO

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA COMPOSIÇÃO E DA DOSE DE RADIAÇÃO NA DESIDRATAÇÃO DE HIDROGÉIS À BASE DE POLIVINILPIRROLIDONA RESUMO ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA COMPOSIÇÃO E DA DOSE DE RADIAÇÃO NA DESIDRATAÇÃO DE HIDROGÉIS À BASE DE POLIVINILPIRROLIDONA Luci D. Brocardo Machado, Leila F. Miranda, Luciana C. Penteado, Ademar B. Lugão, Leonardo

Leia mais

EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU

EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARACATU RÔMULA F. DA SILVA 1 ; ELOY L. DE MELLO 2 ; FLÁVIO B. JUSTINO 3 ; FERNANDO F. PRUSKI 4; FÁBIO MARCELINO DE

Leia mais

Radio 2011 Análise do Espectro de Energias de Radiações X de Referência Ajustadas para a mesma Camada Semirredutora

Radio 2011 Análise do Espectro de Energias de Radiações X de Referência Ajustadas para a mesma Camada Semirredutora Radio 2011 Análise do Espectro de Energias de Radiações X de Referência Ajustadas para a mesma Camada Semirredutora Marcus Tadeu Tanuri de Figueiredo 1,Annibal Theotonio Baptista Neto 2,Paulo Marcio Campos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TOXICIDADE DO EXTRATO METANÓLICO DE Caesalpinia Pyramidalis, SUBMETIDO À RADIAÇÃO GAMA, FRENTE À ARTEMIAS SALINAS.

AVALIAÇÃO DA TOXICIDADE DO EXTRATO METANÓLICO DE Caesalpinia Pyramidalis, SUBMETIDO À RADIAÇÃO GAMA, FRENTE À ARTEMIAS SALINAS. 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 AVALIAÇÃO DA TOXICIDADE DO EXTRATO

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO. 2. O Dogma Central da Biologia Molecular

PROGRAMA TEÓRICO. 2. O Dogma Central da Biologia Molecular PROGRAMA TEÓRICO 1. As moléculas da Biologia Molecular: DNA, RNA e proteínas Aspectos particulares da composição e estrutura do DNA, RNA e proteínas. EG- Características bioquímicas dos ácidos nucleicos,

Leia mais

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DE JI-PARANÁ DEFIJI 1 SEMESTRE 2013-2 ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA Prof. Robinson

Leia mais

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS DOMINGOS SÁRVIO MAGALHÃES VALENTE 1 CRISTIANO MÁRCIO ALVES DE SOUZA 2 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ 3 RESUMO - Um programa computacional para simular

Leia mais

Mesa redonda CIANOBACTÉRIAS

Mesa redonda CIANOBACTÉRIAS Mesa redonda CIANOBACTÉRIAS Tema Gestão na implantação da Identificação e Contagem de Cianobactérias na URCQA/PE 18 a 22 de março de 2013 Belo Horizonte BH Disponibilidade hídrica no Brasil 12% da água

Leia mais

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético.

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético. Universidade Federal do Piauí Núcleo de Estudos em Genética e Melhoramento (GEM) CNPJ: 12.597.925/0001-40 Rua Dirce de Oliveira,3597- Socopo/Teresina-PI Mutação MARIANE DE MORAES COSTA Teresina, 01 de

Leia mais

RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, SALDO DE RADIAÇÃO E FLUXO DE CALOR NO SOLO EM CULTIVO CONSORCIADO CAFÉ/COQUEIRO-ANÃO VERDE 1

RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, SALDO DE RADIAÇÃO E FLUXO DE CALOR NO SOLO EM CULTIVO CONSORCIADO CAFÉ/COQUEIRO-ANÃO VERDE 1 RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, SALDO DE RADIAÇÃO E FLUXO DE CALOR NO SOLO EM CULTIVO CONSORCIADO CAFÉ/COQUEIRO-ANÃO VERDE 1 PEZZOPANE, J.R.M. 2 ; GALLO, P.B. 3 ; PEDRO JÚNIOR, M.J. 4 1 Trabalho parcialmente financiado

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE ISOLANTES TÉRMICOS PARA COBERTURAS DO TIPO MANTA DE ALUMÍNIO E TELHADO VERDE (GREENROOF)

COMPARATIVO ENTRE ISOLANTES TÉRMICOS PARA COBERTURAS DO TIPO MANTA DE ALUMÍNIO E TELHADO VERDE (GREENROOF) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA COMPARATIVO ENTRE ISOLANTES TÉRMICOS PARA COBERTURAS DO TIPO MANTA DE ALUMÍNIO E TELHADO VERDE (GREENROOF)

Leia mais

Módulo 06 - VISCOSÍMETRO DE STOKES

Módulo 06 - VISCOSÍMETRO DE STOKES Módulo 06 - VISCOSÍMETRO DE STOKES Viscosímetros são instrumentos utilizados para medir a viscosidade de líquidos. Eles podem ser classificados em dois grupos: primário e secundário. No grupo primário

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação microbiológica do pirarucu (Arapaima gigas) salgado seco comercializado em feiras da Cidade de Manaus e Fonte Boa, Amazonas Euclides Luis

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA SOBRE A POTÊNCIA DE SAÍDA DE UM PAINEL DE SILÍCIO POLICRISTALINO NA REGIÃO OESTE PARANAENSE

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA SOBRE A POTÊNCIA DE SAÍDA DE UM PAINEL DE SILÍCIO POLICRISTALINO NA REGIÃO OESTE PARANAENSE INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA SOBRE A POTÊNCIA DE SAÍDA DE UM PAINEL DE SILÍCIO POLICRISTALINO NA REGIÃO OESTE PARANAENSE ROGER NABEYAMA MICHELS JOSÉ AIRTON AZEVEDO DOS SANTOS ESTOR GNOATTO EDWARD KAWANAGH

Leia mais

SOFTWARE PARA ESTIMATIVA DO POTENCIAL DE ENERGIA SOLAR À SUPERFÍCIE

SOFTWARE PARA ESTIMATIVA DO POTENCIAL DE ENERGIA SOLAR À SUPERFÍCIE RESUMO SOFTWARE PARA ESTIMATIVA DO POTENCIAL DE ENERGIA SOLAR À SUPERFÍCIE Marlos Wander Grigoleto CEFET/UNIOESTE/ Rua Paraguai,2121. Medianeira-PR grigoleto@ar-net.com.br Reinaldo Prandini Ricieri MESAGRI

Leia mais

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE José Ivaldo Barbosa de Brito (1); Ioneide Alves de Souza; José Oribe Rocha Aragão (1) Departamento de Ciências

Leia mais

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (INFRAERO), dbsantos@infraero.gov.br

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (INFRAERO), dbsantos@infraero.gov.br ANÁLISE ESTATÍSTICA DA PREVISIBILIDADE DOS ÍNDICES TERMODINÂMICOS NO PERÍODO CHUVOSO DE 2009, PARA AEROPORTO INTERNACIONAL DE SALVADOR/BA Deydila Michele Bonfim dos Santos 1 Carlos Alberto Ferreira Gisler

Leia mais

CAPÍTULO 5.1 Otimização de técnica de descontaminação seletiva para isolamento de micobactérias a partir de amostras de cama de suínos

CAPÍTULO 5.1 Otimização de técnica de descontaminação seletiva para isolamento de micobactérias a partir de amostras de cama de suínos CAPÍTULO 5.1 Otimização de técnica de descontaminação seletiva para isolamento de micobactérias a partir de amostras de cama de suínos Virgínia Santiago Silva Beatris Kramer Arlei Coldebella 83 Introdução

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA Andressa Garcia Lima 1, Dra. Maria Aurora Santos da Mota 2 1 Graduada em Meteorologia- UFPA, Belém-PA, Bra. andressinhagl@yahoo.com.br.

Leia mais

CRESCIMENTO DE Plectranthus grandis SOB ESTRESSE SALINO E CONDIÇÕES DE LUMINOSIDADE

CRESCIMENTO DE Plectranthus grandis SOB ESTRESSE SALINO E CONDIÇÕES DE LUMINOSIDADE CRESCIMENTO DE Plectranthus grandis SOB ESTRESSE SALINO E CONDIÇÕES DE LUMINOSIDADE M. A. C. Freitas 1 ; M. S. Pereira 2 ; J. A. Silva 3 ; R. C. Feitosa 4 ; M. A. E. Bezerra 5 ; C. F. Lacerda 6 RESUMO:

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

Patogenesia de Rhus toxicodendron na água

Patogenesia de Rhus toxicodendron na água V Fórum Regional de Agroecologia e VIII Semana do Meio Ambiente Pensar Globalmente, Agir localmente e utilizar ecologicamente 08 a 10 de novembro de 2012 Patogenesia de Rhus toxicodendron na água MARIANE

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 Daniel Favalessa, Edésio Anunciação Santos Filho, Gilberto Prevital, Heriberto Guisso, João Paulo

Leia mais

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel.

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Lauralice de C. F. Canale 1 George Edward Totten 2 João Carmo Vendramim 3 Leandro Correa dos

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

Detectores de Radiação Ionizante

Detectores de Radiação Ionizante Detectores de Radiação Ionizante As radiações ionizantes por si só não podem ser medida diretamente, a detecção é realizada pelo resultado produzido da interação da radiação com um meio sensível (detector).

Leia mais

ESTABLISHMENT OF 3D CELL CULTURES UNDER DYNAMIC CONDITIONS USING A MULTI-COMPARTMENT HOLDER FOR SPINNER FLASK

ESTABLISHMENT OF 3D CELL CULTURES UNDER DYNAMIC CONDITIONS USING A MULTI-COMPARTMENT HOLDER FOR SPINNER FLASK ESTABLISHMENT OF 3D CELL CULTURES UNDER DYNAMIC CONDITIONS USING A MULTI-COMPARTMENT HOLDER FOR SPINNER FLASK Thesis presented to Escola Superior de Biotecnologia of the Universidade Católica Portuguesa

Leia mais

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira.

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Ingrid Monteiro Peixoto de Souza 1, Antonio Carlos Lôla da Costa 1, João de Athaydes Silva

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP)

Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP) Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP) Diogo Aparecido Lopes Silva¹, Diego Rodrigues Iritani¹ Paulo Grael¹ e Aldo Roberto Ometto¹ 1- Universidade de São Paulo, Escola

Leia mais

EFEITO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS NA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DO SUBMÉDIO DO VALE SÃO FRANCISCO

EFEITO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS NA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DO SUBMÉDIO DO VALE SÃO FRANCISCO EFEITO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS NA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DO SUBMÉDIO DO VALE SÃO FRANCISCO Thieres G. F. da SILVA 1,4, José Edson F. de MORAIS 1, Wellington J. da S. DINIZ 1, Jannaylton E.

Leia mais

Palavras-chave: Simulação, Climatização, Ar condicionado, Edificações, Energia.

Palavras-chave: Simulação, Climatização, Ar condicionado, Edificações, Energia. ANÁLISE COMPARATIVA DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO TIPO VOLUME DE AR CONSTANTE (CAV) E VOLUME DE AR VARIÁVEL (VAV) MULTIZONAS OPERANDO EM CLIMA QUENTE E ÚMIDO César Augusto Gomes dos Santos Jorge Emanuel

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2006 2ª fase www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2006 2ª fase www.planetabio.com 1-O esquema abaixo representa as principais relações alimentares entre espécies que vivem num lago de uma região equatorial. Com relação a esse ambiente: a) Indique os consumidores primários. b) Dentre

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE DOIS MODELOS DE GOTEJADORES QUANTO A OCORRÊNCIA DE HISTERESE

CARACTERIZAÇÃO DE DOIS MODELOS DE GOTEJADORES QUANTO A OCORRÊNCIA DE HISTERESE CARACTERIZAÇÃO DE DOIS MODELOS DE GOTEJADORES QUANTO A OCORRÊNCIA DE HISTERESE F. N. Cunha 1 ; N. F. da Silva 1 ; A. C. Ferreira 1 ; R. C. de Oliveira 1 ; M. B. Teixeira 2 ; F. A. L. Soares 2 RESUMO: O

Leia mais

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo)

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo) Os métodos de estimativa da evapotranspiração estão divididos em métodos diretos, por meio do balanço de água no solo e pelos métodos indiretos, por meio do uso de dados meteorológicos. Os métodos diretos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM REATORES ANAERÓBIOS NO TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS EM DIFERENTES ÉPOCAS DO ANO

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM REATORES ANAERÓBIOS NO TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS EM DIFERENTES ÉPOCAS DO ANO AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM REATORES ANAERÓBIOS NO TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS EM DIFERENTES ÉPOCAS DO ANO Dal Mago, A.* 1 ; Gusmão, M.C. 2 ; Belli Filho, P. 3 ; Oliveira, P.A.V. 4 ; Gosmann,

Leia mais

LEA - População, Recursos e Ambiente 1º Ano / 1º Semestre - 2006-07 Aulas Práticas. Pegada Ecológica. 26 de Novembro de 2007

LEA - População, Recursos e Ambiente 1º Ano / 1º Semestre - 2006-07 Aulas Práticas. Pegada Ecológica. 26 de Novembro de 2007 LEA - População, Recursos e Ambiente 1º Ano / 1º Semestre - 2006-07 Aulas Práticas Pegada Ecológica Bernardo Augusto bra@civil.ist.utl.pt 26 de Novembro de 2007 Conceito de Capital Natural; Definição de

Leia mais

Ciências do Ambiente- MÓDULO 1 Professora: Andréa Rodrigues ECOLOGIA GERAL

Ciências do Ambiente- MÓDULO 1 Professora: Andréa Rodrigues ECOLOGIA GERAL Ciências do Ambiente- MÓDULO 1 Professora: Andréa Rodrigues ECOLOGIA GERAL O que é Ecologia? Algumas definições: 1.Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e o meio ambiente (Haeckel, 1866).

Leia mais

CAMPOS ELÉTRICOS E MAGNÉTICOS ASSOCIADOS AO USO DE ELETRICIDADE

CAMPOS ELÉTRICOS E MAGNÉTICOS ASSOCIADOS AO USO DE ELETRICIDADE CAMPOS ELÉTRICOS E MAGNÉTICOS ASSOCIADOS AO USO DE ELETRICIDADE Al. Guatás, 477 Planalto Paulista CEP 04053-041 São Paulo - SP tel.: (11) 5071.4433 abricem@abricem.com.br www.abricem.com.br Rua 25 de Janeiro,

Leia mais

Armazenamento de energia

Armazenamento de energia Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica 3 º. trimestre, 2015 A energia solar é uma fonte de energia dependente do tempo. As necessidades de energia

Leia mais

Fábio da Silva Abrate

Fábio da Silva Abrate Fábio da Silva Abrate Elaboração de um Questionário para Avaliar as Variáveis Determinantes do Endividamento de Estudantes Universitários no Cartão de Crédito: Um Estudo Piloto Adaptado para o Mercado

Leia mais

O NÚMERO DE BACTÉRIAS

O NÚMERO DE BACTÉRIAS O NÚMERO DE BACTÉRIAS A CONTAGEM EM PLACAS A contagem em placas é um dos métodos mais utilizados para determinar qual o número de microrganismos viáveis em um meio líquido. Quando a concentração é baixa,

Leia mais

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ART458-07 - CD - 6-07 - ÁG.: 1 ANÁLISE E DETERMINAÇÃO DAS ERDAS NO FERRO DO ESTATOR EM MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS João Roberto Cogo*, Ângelo Stano Júnior* Evandro Santos onzetto** Artigo publicado na

Leia mais

Temperatura & lei zero

Temperatura & lei zero Temperatura & lei zero Termodinâmica : estudo da energia térmica ( energia interna ) dos sistemas Conceito central: temperatura Temperatura é um conceito de uso cotidiano e portanto seu entendimento é

Leia mais

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores F 609A Tópicos de Ensino de Física Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores Aluno: Bruno Gomes Ribeiro RA: 059341 onurbrj@hotmail.com Orientador: Professor Doutor Flavio

Leia mais

A água de boa qualidade é como a saúde ou a liberdade. Só tem valor quando acaba. Guimarães Rosa

A água de boa qualidade é como a saúde ou a liberdade. Só tem valor quando acaba. Guimarães Rosa A água de boa qualidade é como a saúde ou a liberdade. Só tem valor quando acaba. Guimarães Rosa Agradecimentos Ao Professor Doutor Raul Barros, pelo apoio, disponibilidade, compreensão, tolerância, motivação

Leia mais

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC Autores Monica Carvalho E-mail: meinfo@ig.com.br Jorim Sousa das Virgens Filho E-mail: sousalima@almix.com.br

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E ÁREA COLHIDA NO RIO GRANDE DO NORTE E PARAÍBA

RELAÇÃO ENTRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E ÁREA COLHIDA NO RIO GRANDE DO NORTE E PARAÍBA RELAÇÃO ENTRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E ÁREA COLHIDA NO RIO GRANDE DO NORTE E PARAÍBA 1 Carlos Antônio Costa dos Santos; 2 José Ivaldo Barbosa de Brito RESUMO O objetivo deste trabalho é estimar e verificar

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DA IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, MÉDIA MENSAL, SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL, EM VIÇOSA, MG 1 M. J. H. DE SOUZA 2, A. R.

DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DA IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, MÉDIA MENSAL, SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL, EM VIÇOSA, MG 1 M. J. H. DE SOUZA 2, A. R. DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DA IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, MÉDIA MENSAL, SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL, EM VIÇOSA, MG 1 M. J. H. DE SOUZA 2, A. R. ALVES 3 RESUMO: O conhecimento da distribuição horária da irradiância

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

Prémio Melhor Comunicação

Prémio Melhor Comunicação One to one amino acid base pair contacts of AraR, a regulator of sugar utilization in Bacillus subtilis Isabel Correia 1, Irina Franco 1, Isabel Sá-Nogueira 1,2 1 Instituto Tecnologia Química e Biológica,

Leia mais

Na figura, a seta indica o I. Essa estrutura mantém-se ativa durante a gravidez, pois produz II, que III.

Na figura, a seta indica o I. Essa estrutura mantém-se ativa durante a gravidez, pois produz II, que III. 21 d Assinale a alternativa correta a respeito da origem da vida. a) Ao simular as características da atmosfera primitiva em seu aparelho, Miller contribuiu para a confirmação da teoria de abiogênese.

Leia mais

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e Tecnologia do DNA recombinante DNA recombinante molécula de DNA contendo sequências derivadas de mais de uma fonte. As primeiras moléculas de DNA recombinante 1972 Paul Berg : vírus SV40 + plasmídeo 1973:

Leia mais

POROSIMETRIA AO MERCÚRIO

POROSIMETRIA AO MERCÚRIO 1 POROSIMETRIA AO MERCÚRIO 1 - INTRODUÇÃO A característica que determina a utilização em engenharia de muitos materiais é a sua porosidade. A forma, o tamanho e o volume de poros que um material apresenta

Leia mais

Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás

Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás 5 Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás Nos últimos anos a investigação da estrutura eletrônica de nanotubos de carbono têm atraído crescente interesse, e recentemente a síntese de nanotubos

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 questão 01. O que é Astrofísica? questão 02. O que são constelações? questão 03. Como era o calendário Lunar? questão 04. Qual era diferença

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ

ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ Carolina Coelho da Rosa carolinarosa@ufpa.br Debora Dias Costa Moreira deborinhadias@hotmail.com Géssica Katalyne Bilcati ge_katalyne87@hotmail.com UFPA,

Leia mais

CRIOPRESERVAÇÃO DE FUNGOS LIGNOCELULÓSICOS E OTIMIZAÇÃO DE SUBSTRATOS A PARTIR DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS

CRIOPRESERVAÇÃO DE FUNGOS LIGNOCELULÓSICOS E OTIMIZAÇÃO DE SUBSTRATOS A PARTIR DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS UNIVERSIDADE PARANAENSE MESTRADO EM BIOTECNOLOGIA APLICADA À AGRICULTURA CRIOPRESERVAÇÃO DE FUNGOS LIGNOCELULÓSICOS E OTIMIZAÇÃO DE SUBSTRATOS A PARTIR DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS TALITA RAFAELE D AGOSTINI

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Bibliografia: Lehninger Principles of Biochemistry Taiz Plant Physiology

Fisiologia Vegetal. Bibliografia: Lehninger Principles of Biochemistry Taiz Plant Physiology Fisiologia Vegetal Objetivos da aula: Fotossíntese: absorção de luz pigmentos fotossintéticos fotossistemas fluxo de elétrons acíclico fotofosforilação fluxo de elétrons cíclico Bibliografia: Lehninger

Leia mais

Avaliação da Coleção de Germoplasma de Melancia da Embrapa Hortaliças Para Tolerância à Viroses.

Avaliação da Coleção de Germoplasma de Melancia da Embrapa Hortaliças Para Tolerância à Viroses. Avaliação da Coleção de Germoplasma de Melancia da Embrapa Hortaliças Para Tolerância à Viroses. Jairo V. Vieira 1 ; Antonio C. de Ávila 1 ; Marcelo N. Pinto 2 ; Beatriz M. da Silva 2 ; Cristiane L. Borges

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS DOSES SUPERFíCIE E PROFUNDA COM FOTODIODO BPW 34. por KHOURY,HJ; LOPES,FJ; MELO,FA

DETERMINAÇÃO DAS DOSES SUPERFíCIE E PROFUNDA COM FOTODIODO BPW 34. por KHOURY,HJ; LOPES,FJ; MELO,FA RBE. VOL. 7 N. 11990 DETERMINAÇÃO DAS DOSES SUPERFíCIE E PROFUNDA COM FOTODIODO BPW 34 por KHOURY,HJ; LOPES,FJ; MELO,FA RESUMO - A utilização de dosimetros semicondutores em dosimetria das radiações ionizantes

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX G. S. Machado 1, M. L. N. M. Melo 1, C. A. Rodrigues 1. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá gustavosouza_unifei@yahoo.com.br

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

Efeitos da radiação cósmica. câmeras imageadoras. Opto Eletrônica S.A. Departamento P&D. Leandro A. L. Azeka, Msc Outubro/2009

Efeitos da radiação cósmica. câmeras imageadoras. Opto Eletrônica S.A. Departamento P&D. Leandro A. L. Azeka, Msc Outubro/2009 II Workshop sobre Efeitos das Radiações Ionizantes em Componentes s Eletrônicos e Fotônicos de Uso Aeroespacial Efeitos da radiação cósmica câmeras imageadoras Opto Eletrônica S.A. Departamento P&D Leandro

Leia mais

Palavras-chave: Queima de carbono, Coeficiente de difusão, Mecanismos de controle da combustão

Palavras-chave: Queima de carbono, Coeficiente de difusão, Mecanismos de controle da combustão MÉTODO ALTERNATIVO PARA DETERMINAR O COEFICIENTE DE DIFUSÃO DE E O SEU USO PARA DETERMINAR O MECANISMO DE CONTROLE DA QUEIMA DE CARBONO Francisco José dos Santos UNESP-IGCE-Departamento de Física Cx.P.178-135-

Leia mais

Interacção da Radiação com a Matéria

Interacção da Radiação com a Matéria Interacção da Radiação com a Matéria Já sabemos que: As radiações eletromagnéticas têm comportamento ondulatório e corpuscular. Cada radiação apresenta as suas características individuais; Os corpúsculos

Leia mais

Efeito da pulsação do ar durante a fluidização de partículas de amido de milho Prof. Dr. Gustavo Cesar Dacanal

Efeito da pulsação do ar durante a fluidização de partículas de amido de milho Prof. Dr. Gustavo Cesar Dacanal Efeito da pulsação do ar durante a fluidização de partículas de amido de milho Prof. Dr. Gustavo Cesar Dacanal M. G. Thomazi, R. Ribeiro, G. C. Dacanal Universidade de São Paulo, Pirassununga, SP, Brasil

Leia mais

Prof. Eduardo Loureiro, DSc.

Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Transmissão de Calor é a disciplina que estuda a transferência de energia entre dois corpos materiais que ocorre devido a uma diferença de temperatura. Quanta energia é transferida

Leia mais

Soluções em Automação Industrial Selecionando o cabeamento adequado. Ricardo Avena Technical Sales Manager. Maio 2015

Soluções em Automação Industrial Selecionando o cabeamento adequado. Ricardo Avena Technical Sales Manager. Maio 2015 Soluções em Automação Industrial Selecionando o cabeamento adequado Ricardo Avena Technical Sales Manager Maio 2015 2013 Belden Inc. belden.com @BeldenInc Porque o cabo é importante? Uma infraestrutura

Leia mais

01 Processos Químicos. Prof. Dr. Sergio Pilling Aluno: Will Robson Monteiro Rocha

01 Processos Químicos. Prof. Dr. Sergio Pilling Aluno: Will Robson Monteiro Rocha Física e a Química do Meio Interestelar Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia Livro texto: Physics and chemistry of the interestellar medium A. G. G. M. Tielens (2004) Prof. Dr. Sergio Pilling Aluno:

Leia mais

Palavras-chave: Beterraba, Betalaínas, Atividade antioxidante.

Palavras-chave: Beterraba, Betalaínas, Atividade antioxidante. Cultivando o Saber 195 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 Avaliação do potencial antioxidante do extrato obtido a partir da beterraba

Leia mais

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco.

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Campos, L. E. P. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, ledmundo@ufba.br Fonseca, E. C. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, evan@ufba.br

Leia mais

ÁNALISE DAS OCORRÊNCIAS DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DE RIO LARGO, ALAGOAS

ÁNALISE DAS OCORRÊNCIAS DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DE RIO LARGO, ALAGOAS ÁNALISE DAS OCORRÊNCIAS DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DE RIO LARGO, ALAGOAS André Luiz de Carvalho 1 José Leonaldo de Souza 2, Mônica Weber Tavares 3 1 Doutorando em Tecnologias Energéticas

Leia mais

E QUANDO OS ANTIBIÓTICOS NÃO FUNCIONAM? ACTIVIDADES COMPLEMENTARES

E QUANDO OS ANTIBIÓTICOS NÃO FUNCIONAM? ACTIVIDADES COMPLEMENTARES E QUANDO OS ANTIBIÓTICOS NÃO FUNCIONAM? ACTIVIDADES COMPLEMENTARES 1 MATERIAL & MÉTODOS Para a realização das actividades suplementares deverá ser utilizada a Escherichia coli B fornecida. O restante material

Leia mais

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS Gandhi Giordano Engenheiro Químico pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Especialização em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UERJ, Mestrando

Leia mais

MUTAÇÃO E REPARO DO DNA

MUTAÇÃO E REPARO DO DNA MUTAÇÃO E REPARO DO DNA MUTAÇÃO E REPARO DO DNA Danos ao DNA (tipos, locais e frequência) Dano ao DNA -> mutação -> doença Mutação em regiões controladoras e codificantes Mecanismos de Reparo Fita simples

Leia mais

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ Francisco José Lopes de Lima 1,2, Fernando Ramos Martins 1, Jerfferson Souza, 1 Enio Bueno Pereira 1 1 Instituto Nacional

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE SOLAR POR MEIO DE UM CALORÍMETRO COM GELO

DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE SOLAR POR MEIO DE UM CALORÍMETRO COM GELO DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE SOLAR POR MEIO DE UM CALORÍMETRO COM GELO Cláudio A. Perottoni Janete E. Zorzi Departamento Física e Química Caxias do Sul RS UCS Resumo Este artigo descreve um arranjo experimental

Leia mais