Mudanças climáticas e o risco de extinção: um futuro nebuloso?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mudanças climáticas e o risco de extinção: um futuro nebuloso?"

Transcrição

1 Mudanças climáticas e o risco de extinção: um futuro nebuloso? Alrenice Cunha de Castro a,b,c*, Joseph Harari b,c, João Dias de Toledo Arruda-Neto a,d a - Instituto de Física (IFUSP), Universidade de São Paulo (USP), Rua do Matão, Travessa R, 187, São Paulo-Brasil. b - Instituto Oceanográfico (IOUSP), Universidade de São Paulo, Praça do Oceanográfico, 191, São Paulo, Brasil. c - Interunidades em Ciência Ambeintal (PROCAM), Av. Prof. Luciano Gualberto, 1289, São Paulo, Brasil. d - Faculdade de Engenharia São Paulo (FESP), Av. Nove de Julho, 5520, São Paulo- Brasil. * Autor de correspondencia: Tel PALAVRAS CHAVE: biodiversidade, aquecimento, potência. ABSTRACT A recent model based on the Watson s power law for the species-area relationship predicts that full global warming, projected to the year 2050, could cause the disappearance of about one-quarter of the existing species. Here we work out the combination of two of the few unanimities in ecology: Taylor s and Watson s power laws, where the former relates species variability with their mean abundance and the later deals with the necessary area to survive. Using this approach we investigate how severe global warming would affect not 1

2 only the number but also the diversity of the surviving species, besides giving indications about how the post-disaster fate of the remaining species (extinction or recovery) would depend on the rate of speciation. RESUMO Um modelo recente, baseado na lei de potência de Watson para a relação espécie-área, prevê que a fase mais crítica do aquecimento global, projetada para o ano 2050, poderá provocar o desaparecimento de cerca de um quarto das espécies existentes no ecossistema. Neste trabalho visamos apresentar a fundamentação teórica do modelo onde combinamos duas das poucas leis exatas em ecologia: as leis de potência de Taylor e Watson, em que a primeira relaciona a variabilidade de espécies com sua abundância média. Utilizando uma abordagem computacional, procura-se investigar o modo como o aquecimento global afetaria não só o número, mas a diversidade das espécies sobreviventes, além de dar indicações sobre a forma como as espécies restantes num cenário pós-fase crítica do aquecimento global (extinção ou recuperação) irá depender da taxa de especiação. INTRODUÇÃO Dentre os muitos problemas ecológicos atuais podemos destacar a manutenção da biodiversidade no planeta, a viabilidade de uma população, a diversidade de espécies e estabilidade, bem como sua adaptabilidade às mudanças globais, etc. O estudo dessas questões entretanto, exige uma profunda compreensão da relação entre a variabilidade da população, sua abundância média e a área dos habitats considerados como climaticamente adequados. 2

3 Ecossistemas são em geral bastante complexos e isso gera um obstáculo para uma descrição precisa das interações que ocorrem entre seus fatores bióticos e abióticos. A observação de limitações na descrição dos padrões presentes neste tipo de sistema natural motivou o desenvolvimento de novos modelos matemáticos e aproximações numéricas (simulações que utilizam programas de computador); e, consequentemente, geraram uma gama de estudos acerca destas interações. A complexidade refletida nas diversas escalas de espaço-tempo que estes sistemas exibem é analisada sob o ponto de vista da chamada ciência não-linear. Isso representa uma ruptura no tratamento e no desenvolvimento de ferramentas para o estudo dos sistemas naturais (A. Rapisarda, 2007). Um exemplo da manifestação desta não-linearidade está nos padrões observados nas relações espécie-área. Portanto, compreender os fatores que controlam a diversidade num habitat é uma das principais preocupações para ecologistas e ambientalistas na atualidade. Para tanto, se faz necessário entender como estes fatores operam em suas diferentes escalas (Kilpatrick et al. 2003). Desde meados do século passado, a taxa de extinção de espécies tem sido fortemente acelerada por diversas atividades humanas. As atuais taxas de extinção são estimadas como sendo de cem a mil vezes superiores às taxas anteriores a essas atividades (Pimm et al., 1995); ademais, se considera que de 5% a 20% (pecentuais) das espécies, em muitos grupos de organismos, já desapareceram (Lawton e maioand May, 1995). Além das espécies já extintas, devemos estar preocupados também com aquelas à beira da extinção: as chamadas espécies raras. De fato, a estimativa da proporção de espécies raras em determinados habitats é um grande problema para os ecologistas na atualidade. Recentemente, o painel intergovernamental de mudanças climáticas, durante sua avaliação de grupo (IPCC, 2007) divulgou alguns resultados referentes aos diversos 3

4 cenários climáticos ligados ao fenômeno do aquecimento global. Modelos matemáticos de simulação sugerem que o clima do planeta poderá ser alterado de forma significativa neste século, caso as emissões dos gases do efeito estufa continuem a crescer. Grande parte das espécies que formam a biodiversidade está vulnerável às mudanças climáticas, e muitas possuem menores possibilidades de adaptação. Um dos principais problemas relativos à dinâmica do aquecimento global é como a adaptabilidade destas espécies será afetada por este fenômeno. Hoje, porém, a preocupação devido ao aquecimento global torna a temperatura um fator proeminente, que pode ser operado em quase todas as escalas de interação (Thomas et al. 2004). O desaparecimento de espécies a partir da destruição dos habitats parece ser um problema que se perpetua e cada vez mais se agrava, sendo atualmente o foco de preocupação de muitos ecologistas. Além disso, o aquecimento global pode mudar a distribuição e a abundância de espécies vegetais e animais, interferindo na produção primária da cadeia alimentar. Mas existem ainda controvérsias se este fenômeno poderá sofrer algum tipo de controle. Como salientado em alguns estudos, ainda é pouco claro o modo e a dinâmica de como se processa essa grande ameaça à biodiversidade (Pounds e Puschendorf 2004). No entanto, um recente estudo de modelagem trouxe alguns resultados alarmantes: o aquecimento global pleno, projetado para o ano 2050, poderia provocar o desaparecimento de cerca de um quarto das espécies existentes (Thomas et al. 2004). MATERIAIS E MÉTODOS Neste trabalho, propomos um caminho alternativo ao estudo de alguns cenários relativos a um pós-desastre ecológico, através do fornecimento de uma interpretação entrelaçada entre duas das poucas leis exatas em ecologia: 4

5 a)lei de potência de Taylor (espécie-abundância), b)de potência de Watson (espécie-área). Dentro desta abordagem (Thomas et al. 2004), pode-se estimar a diversidade de espécies sobreviventes num hipotético cenário de desastre ecológico previsto para o ano 2050 (onde se prevê a fase mais crítica do fenômeno). Aqui não consideramos um mecanismo específico de extinção; entretanto, seja qual for o mecanismo, o fato é que a variabilidade de uma espécie pode conduzir sua população mais ou menos rapidamente em direção à extinção ou à recuperação após uma catástrofe ecológica. Neste sentido, construímos um conjunto de possibilidades, chamado de espaço de fase, que pode ser variável de acordo com as informações fornecidas ao modelo matemático. Assim, dadas as coordenadas (área e espécie) é possível inferir as chances e possibilidades mais prováveis de um ecossistema dentro de um cenário pós-fase crítica do aquecimento global. Lei de potência de Taylor Há vinte e cinco anos, Taylor e colaboradores (Taylor et al. 1978, Taylor e Woiwod 1980, 1982) propuseram a chamada lei de potência de Taylor, com base na análise de 156 conjuntos de dados colhidos numa ampla gama de espécies, com amostras nas mais diversas escalas e habitats (de invertebrados sobre a superfície de uma montanha até a população humana nos Estados Unidos). O modelo matemático utilizado assumiu que a variância espacial (V) é proporcional a uma potência da densidade populacional média (µ): V=αµ β (1) onde α é um parâmetro de proporcionalidade e β foi considerado como um "índice de agregação", que tem um valor característico entre 1 e 2 para cada espécie, que reflete o 5

6 equilíbrio entre as tendências opostas comportamentais de avancar no sentido de distanciarse dos centros de densidade populacional. Desde então, a relação entre V e µtem sido estabelecida para mais de 400 espécies em diversos grupos taxonômicos, que vão desde protistas até vertebrados. A chamada variabilidade per capita (p) é uma quantidade muito mais informativa, definida como, p = dv/dµ = αβµ β-1. (2) Isto é mostrado na função p = p(µ) para ß = 1.2, 1.5 e 2 (Figura 1). Fig.1 A variabilidade per capita p (Eq. 2) como função da abundância média µ, para alguns valores de β. Note-se que para β = 2 (quando existem interações competitivas entre as espécies) p é uma função linear de µ. Lei de potência de Watson 6

7 H.C.Watson demonstrou a relação espécie-área (que atualmente é uma lei de potência empírica bem estabelecida), em 1859, para a flora vascular britânica (Maynard- Smith, J. 1978). Trata-se de uma relação que descreve a forma como o número de espécies (N) está relacionado com a área (A); N = aa b, (3) onde a e b são constantes. A partir da lei de potência de Watson, podemos calcular a quantidade de espécies que desaparecem ou ficam ameaçadas quando o espaço disponível para elas é reduzido pela destruição dos habitats (Brooks et al. 1997, 1999). Extinções decorrentes da área, como previsto pela eq.3, aplicam-se independentemente do fato que causa a perda da distribuição, seja pela destruição dos habitats ou por instabilidades climáticas (Thomas et al. 2004). Uma quantidade útil, dentro do enfoque deste estudo, é o número de espécies por unidade de área, ou, a densidade de espécies (SD), definida como: SD = dn/da = aba b-1. (4) Adotando b = 0,25 como proposto no estudo de Thomas et al. (2004) obteremos SD ~ A- 0,75. Este resultado é bastante revelador, uma vez que indica que a densidade das espécies diminui abruptamente com o aumento da área, um resultado que reflete a elevada nãolinearidade da lei de potência de Watson. Em uma hipotética comunidade linear (Figura 2), temos b = 1 e, consequentemente, uma DP = (constante). Destruição de habitat, no entanto pode interferir, por exemplo, alterando a gama de interações positivas e negativas entre as espécies, resultando em diferentes relações (predador-presa, mutualismo, etc) Na verdade, sistemas vivos têm capacidade de regular uma gama de interações entre os seus elementos em resposta a estímulos ambientais (fatores abióticos e bióticos) (Ridley 1996). 7

8 4 Watson's law rate SD ( species / mi 2 ) b=1 b=0.5 b= A ( mi 2 ) Fig.2 A densidade das espécies diminui abruptamente com o aumento da área, resultado da elevada não-linearidade da lei de potência de Watson. Assume-se b = 0,25 como proposto no estudo de Thomas et al. (2004). Kilpatrick e Ives (2003) usaram modelos analíticos e de simulação estocástica, e demonstraram como interações negativas entre as espécies numa comunidade poderiam produzir declínios para interações positivas, ou seja, quanto maior o número de interações entre espécies numa mesma área, sua abundância média pode aumentar ou diminuir em função do número de relações que estas estabelecem entre si. Por conseguinte, a dinâmica das populações de espécies só pode ser entendida em termos de interações destas espécies dentro da uma mesma comunidade ecológica. Com base neste modelo, especulamos como populações periféricas, com número amplo de espécies, poderiam ser mais variáveis do que um único núcleo de populações, pois as interações negativas são mais prováveis de ocorrer na última em relação à anterior. O modelo elaborado por Thomas et al. (2004) está fortemente baseado na relação espécies- 8

9 área de Watson (eq. 3), quando usado b = 0,25, dado o seu sucesso na previsão das proporções de espécies ameaçadas. A lógica deste modelo é que a abordagem das alterações climáticas induzidas pelo aumento de temperatura são diretamente responsáveis pela redução de áreas nos habitats; em consequência, tem-se uma redução no número de espécies. Entretanto, salienta-se que a redução das áreas (habitat) não só leva à extinção das espécies, mas é também o processo que conduz às alterações na diversidade de espécies sobreviventes. RESULTADOS A modelagem matemática da dinâmica populacional de um ecossistema é utilizada quando se visa principalmente a identificação das seguintes categorias de interação (Maynard-Smith 1978): aquelas que ocorrem entre os componentes do sistema e a sua dinâmica interna. Entre o sistema como um todo e o meio externo. Neste último caso, a interação realizada foi através da interface (condições de fronteira). O processo gradual de aumento da temperatura é detectado, inicialmente, através da interface (fronteira) do sistema e, em seguida, se estabeleceu um gradiente de temperatura em todo o sistema de área, interferindo, por último, na dinâmica interna. Na primeira categoria, os seguintes processos poderão estar presentes: (a)taxas de reprodução e morte impulsionada por peculiaridades do habitat; (b)processos regulamentares, responsáveis pela coordenação das atividades das populações que vivem dentro de uma mesma área. 9

10 (c)processos de concorrência, especialmente quando a quantidade de alimentos disponíveis é limitada; (d)processos de comunicação. Exceto para o processo de reprodução e morte, a destruição do habitat pode interferir nos demais processos. A figura abaixo representa estrutura do modelo matemático. Fig.3 Bloco esquemático que mostra a sequencia de eventos discutidos neste trabalho, que se inicia com o aumento da temperatura e torna complexo o modo e a dinâmica da relação entre área-espécies. O tamanho da área do habitat é crucial na manutenção da espécie e na intensidade e extensão do processo de extinção, sendo que a quantificação desta circunstância é fornecida pela relação espécie-área de Watson (eq. 3). Na verdade, a análise das curvas espécie-área tem produzido claras evidências de que, se temos uma amostra de maior (menor) área, 10

11 encontraremos mais (menos) espécies (Rosenzweig 1995). A lei de Watson lida com o número total de espécies que vivem em uma determinada área do habitat (Figura 4). Se, por qualquer razão, a área do habitat é reduzida, as espécies poderão enfrentar um processo de extinção. Assim, as espécies sobreviventes devem adaptar-se a uma área menor. Enfatizamos também que enquanto a lei de Watson gera um prognóstico do montante das espécies marcadas para morrer (extintas), a lei de Taylor diz como os sobreviventes serão adaptados a novas condições. 0,8 V i * >V i (2) s i 0,6 0,4 0,2 FULL GLOBAL DISASTER b b (1) a a (3) V i * <V i m n (a.u.) 0,0 0,0 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 r t > t 2 t 2 c c t 1 Fig.4 Quantificação das relações espécie-área das leis de Taylor e Watson. Cada curva ajusta-se dentro de um espaço de fase onde os índices indicam o maior (com menor) risco para adaptabilidade e/ou extinção. É importante ressaltar que uma área de habitat variável é também importante na promoção da diversidade, uma vez que a variabilidade das espécies é uma função de sua abundância média. Por isso, a área habitat é um ingrediente-chave em ambas as leis. 11

12 Emerson e Kolm (2005), analisando dados de plantas e artrópodes do arquipélago vulcânico das Ilhas Canárias, encontraram uma relação positiva entre diversidade de espécies e taxa de diversificação. Eles demonstraram que mesmo após o controle de várias características físicas importantes da ilha, a diversificação está fortemente relacionada com o número de espécies. Tudo isto indica, portanto, que num ecossistema em regime de crescente especiação (que pode ser promovido pela alteração de um fator abiótico) a recuperação de um menor número de espécies é acrescida de uma taxa de diversificação (Tokeshi 1999). Fig.5 Um ecossistema em regime de crescente especiação (que pode ser promovido pela alteração de um fator abiótico) e sua recuperação para um menor número de espécies quando é acrescida de uma taxa de diversificação. A diversidade só é possível quando existe a conservação efetiva de ambas taxas, resiliência e interconexão. DISCUSSÃO 12

13 Portanto, concluí-se que inconvenientes associados à diminuição da diversificação, nos fazem recordar que a crescente diversidade de espécies leva a comunidade a uma maior complexidade estrutural, o que tem sido apontado como uma possível força motriz evolutiva que conduz à especiação, tornando evidente que só com a diversidade seria possível conseguir a conservação efetiva de ambas, resiliência e interconexão (Figura 5). Recentes trabalhos teóricos sugerem que o risco de extinções secundárias, por exemplo, diminui com o aumento da biodiversidade (medido como sendo a média do número de espécies por grupo funcional) no modelo de cadeias (ou teias) alimentares (Borrvall et al. 2000; ver também Pimm 1979,1980). Há experiências que sugerem que o aumento do número de espécies nos diferentes grupos funcionais aumenta também a confiabilidade funcional da comunidade (Tilman et al. 1996, 1997). CONCLUSÕES 1- A dinâmica entre espécies num mesmo habitat produz um conjunto de possibilidades adptativas quando há maior diversidade entre as espécies. 2- O risco de extincão deve ser levado em conta quando as relacões entre fatores bióticos e abióticos atingem seu ponto crítico. Entretanto, ressaltamos que é possível estimar que, num grupo de espécies, quais terão maiores chances de adaptabilidade quando inseridas num contexto crítico. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Borrvall, C., Ebenman, R. and Jonsson, T Biodiversity lessens risk of cascading extinction in model food webs. - Ecology Letters 3:

14 2. Brooks, T. M., Pimm, S. L. and Collar, N. J Deforestation predicts the number of threatened birds in insular Southeast Asia. - Conservation Biology 11: Brooks, T. M., Pimm, S. L. and Oyugi, J. O Time lag between deforestation and bird extinction in tropical forest fragments. - Conservation Biology 13: Emerson, B. C. and Kolm, N Species diversity can drive speciation. - Nature 434: Kilpatrick, A. M. and Ives, A. R Species interactions can explain Taylor s power law for ecological time series. - Nature 422: Lawton, J.H. and May, R.M Extinction rates. - Oxford University Press. 7. Maynard-Smith, J Models in ecology. - Cambridge University Press. 8. Pimm, S.L Complexity and stability: another look at MacArthur s original hypothesis. - Oikos 33: Pounds, J. A. and Puschendorf, R Clouded futures. - Nature 427: Rapisarda, A In Mini-curso de mecânica estatística não-extensiva, CBPF, Rio de Janeiro, Ridley, M The origins of virtue. Penguin Books Ltd., London. 12. Rosenzweig, M. L Species Diversity in Space and Time - Cambridge Univ. Press. 13. Taylor, L. R., Woiwod, I.P. and Perry, J.N The density dependence of spatial behavior and the rarity of randomness. - Journal of Animal Ecology 47: Taylor, L. R. and Woiwod, I.P Temporal stability as a density-dependent species characteristic. - Journal of Animal Ecology 49:

15 15. Taylor, L. R. and Woiwod, I.P Comparative synoptic dynamics: relationships between interspecific and intraspecific spatial and temporal variance-mean population parameters. - Journal of Animal Ecology 51: Thomas, C. D. et al Extinction risk from climate change. - Nature 427: Tilman, D., Wedin, D. and Knops, J Productivity and sustainability influenced by biodiversity in grassland ecosystems. - Nature 379: Tilman, D., Knops, J., Wedin, D., Reich, P., Ritchie, M. And Siemann, E The influence of functional diversity and composition on ecosystems processes. - Science 277: Tokeshi, M Coexistence: Ecological and Evolutionary Perspectives. Blackwell Science, Oxford. AGRADECIMENTOS Este trabalho foi apoiado por bolsa da CAPES. 15

O que é biodiversidade?

O que é biodiversidade? O que é biodiversidade? A diversidade se expressa nos mais diversos níveis de organização biológica. É a soma de toda a variabilidade biológica desde os genes até os ecossistemas Por que nos preocuparamos

Leia mais

Mudanças climáticas globais e recursos hídricos com enfoque para as bacias hidrográficas

Mudanças climáticas globais e recursos hídricos com enfoque para as bacias hidrográficas Mudanças climáticas globais e recursos hídricos com enfoque para as bacias hidrográficas Emília Hamada Pesquisador, Embrapa Meio Ambiente, Jaguariúna - SP A mudança climática global começou a ser discutida

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 7, No. 1 (2006), 91-100. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos

Leia mais

2 - MATERIAIS E MÉTODOS

2 - MATERIAIS E MÉTODOS Reflexões sobre as mudanças climáticas e a dinâmica da malária na Amazônia Marly Satimi Shimada 1,Angela Imakawa 2 1 Aluna do curso de Especialização em Saúde Ambiental Centro de Pesquisa Leônidas e Maria

Leia mais

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática Odete Rocha Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos O que sabemos e o que devemos fazer?" O funcionamento dos ecossistemas aquáticos

Leia mais

Veja algumas das principais observações

Veja algumas das principais observações MUDANÇAS CLIMÁTICAS ANTÁRTICAS E O MEIO AMBIENTE Principais conclusões do Grupo de Especialistas do Scientific Committee on Antarctic Research (versão completa da publicação em http://www.scar.org/publications/occasionals/acce_25_nov_2009.pdf)

Leia mais

Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO

Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Departamento de Botânica, Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas,

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

ESTUDO DA DINÂMICA POPULACIONAL DE UM VÍRUS COMPUTACIONAL

ESTUDO DA DINÂMICA POPULACIONAL DE UM VÍRUS COMPUTACIONAL ESTUDO DA DINÂMICA POPULACIONAL DE UM VÍRUS COMPUTACIONAL Aluno: João Henrique Carneiro Orientador: Carlos Frederico Palmeira Introdução Foi feito um estudo sobre dinâmica populacional a fim de buscar

Leia mais

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas Uma questão estratégica Ética Ambiental ÉTICA. Do grego ETHOS, que significa modo de ser, caráter. Forma de agir do Homem em seu meio social. O comportamento

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

VARIABILIDADE, ANOMALIA E MUDANÇA CLIMÁTICA

VARIABILIDADE, ANOMALIA E MUDANÇA CLIMÁTICA VARIABILIDADE, ANOMALIA E MUDANÇA CLIMÁTICA 1. INTRODUÇÃO Profs. Luiz Roberto Angelocci e Paulo César Sentelhas Material didático da disciplina LCE306 -Meteorologia Agrícola - Turmas 1,4,5 e 6 Departamento.

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA 1. Contexto 1.1 Mudança do Clima A mudança do clima pode ser considerada como um dos principais fenômenos globais a serem prevenidos nesse e nos próximos séculos. Para responder

Leia mais

Pesquisador Cien.fico Dr. LUIS ALBERTO AMBRÓSIO

Pesquisador Cien.fico Dr. LUIS ALBERTO AMBRÓSIO Centro de Análise e Pesquisa Tecnológica do Agronegócio Bovinos de Leite Instituto de Zootecnia Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo Pesquisador Cien.fico Dr. LUIS ALBERTO AMBRÓSIO

Leia mais

Diversidade Biológica: Definição e Valor. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida

Diversidade Biológica: Definição e Valor. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida Diversidade Biológica: Definição e Valor Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida O QUE É DIVERSIDADE BIOLÓGICA? A biodiversidade ou diversidade biológica

Leia mais

VARIABILIDADE DE ÍNDICES DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA NA AMAZÔNIA OCIDENTAL

VARIABILIDADE DE ÍNDICES DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA NA AMAZÔNIA OCIDENTAL VARIABILIDADE DE ÍNDICES DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA NA AMAZÔNIA OCIDENTAL Santos, D.C. (1) ; Medeiros, R.M. (1) ; Correia, D. S. () ; Oliveira, V.G. (3) ; Brito, J.I.B. () dariscorreia@gmail.com (1)

Leia mais

Crescimento Econômico e Mudanças Climáticas. Eliezer M. Diniz FEARP-USP - Brasil

Crescimento Econômico e Mudanças Climáticas. Eliezer M. Diniz FEARP-USP - Brasil Crescimento Econômico e Mudanças Climáticas Eliezer M. Diniz FEARP-USP - Brasil Resumo Introdução Modelos de Crescimento Econômico Curva Ambiental de Kuznets (CAK) Modelos de Nordhaus Conclusões 2 Introdução

Leia mais

INSTITUIÇÕES AMBIENTAIS DA AMAZÔNIA LEGAL BRASILEIRA: UM ESTUDO DAS DIFERENÇAS EM NÍVEL MUNICIPAL

INSTITUIÇÕES AMBIENTAIS DA AMAZÔNIA LEGAL BRASILEIRA: UM ESTUDO DAS DIFERENÇAS EM NÍVEL MUNICIPAL INSTITUIÇÕES AMBIENTAIS DA AMAZÔNIA LEGAL BRASILEIRA: UM ESTUDO DAS DIFERENÇAS EM NÍVEL MUNICIPAL AUTORES: Paulo Thadeu Melo Araújo¹ e Andrea Sales Soares De Azevedo Melo². FORMAÇAO ACADÊMICA/PROFISSIONAL:

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

Ecologia Produtividade dos Ecossistemas

Ecologia Produtividade dos Ecossistemas Produção primária Produção primária Produção primária Variação da produção primária com o tempo Produção secundária Produção secundária Produção secundária dependência de factores abióticos Produção secundária

Leia mais

A INCERTEZA CIENTÍFICA E A OPINIÃO PÚBLICA NA BALANÇA DAS NEGOCIAÇÕES SOBRE MUDANÇA DE CLIMA

A INCERTEZA CIENTÍFICA E A OPINIÃO PÚBLICA NA BALANÇA DAS NEGOCIAÇÕES SOBRE MUDANÇA DE CLIMA http:///br/artigos.asp?ed=5&cod_artigo=87 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

Biologia LIVRO 3 Unidade 3 Avaliação capítulos 12, 13, 14, 15 e 16 Ecologia

Biologia LIVRO 3 Unidade 3 Avaliação capítulos 12, 13, 14, 15 e 16 Ecologia 1. Durante uma aula de campo, a professora informou que naquela área existiam diversas espécies de formigas, seres que estabelecem uma relação intraespecífica harmônica conhecida como sociedade. Informou

Leia mais

4º Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica, FURG, Rio Grande/RS, novembro / 2010

4º Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica, FURG, Rio Grande/RS, novembro / 2010 Alterações na tensão de cisalhamento de fundo e na mistura da coluna de água da plataforma continental interna do sul do Brasil devido à interação onda-corrente Pablo D. Silva 1 ; Wilian C. Marques 2 ;

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central

Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central Maria I. G. Braz, Daniel P. Munari, Paulo S.D. da Silva, Thaíse

Leia mais

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA.

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. 1. CARREIRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARGO DE PESQUISADOR

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E ÁREA COLHIDA NO RIO GRANDE DO NORTE E PARAÍBA

RELAÇÃO ENTRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E ÁREA COLHIDA NO RIO GRANDE DO NORTE E PARAÍBA RELAÇÃO ENTRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E ÁREA COLHIDA NO RIO GRANDE DO NORTE E PARAÍBA 1 Carlos Antônio Costa dos Santos; 2 José Ivaldo Barbosa de Brito RESUMO O objetivo deste trabalho é estimar e verificar

Leia mais

Organismos, fatores limitantes e nicho ecológico

Organismos, fatores limitantes e nicho ecológico Texto Base: Aula 25 Organismos, fatores limitantes e nicho ecológico Autor: Ana Lúcia Brandimarte Ecologia: significado e escopo As aulas finais de Biologia Geral serão dedicadas ao estudo da Ecologia,

Leia mais

O aquecimento global e a extinção de espécies

O aquecimento global e a extinção de espécies Maiara Cecchin O aquecimento global e a extinção de espécies Resumo: Nas últimas décadas houve a aceleração do processo de aquecimento global, ligado fortemente às atividades antropogênicas insustentáveis,

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE NEVES, Daniela 1 TEIXEIRA, Flávia 2 RESUMO: O Meio Ambiente está sendo destruído, o que acabou ocasionando o aquecimento global que tem sido provocado pela destruição de

Leia mais

A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1

A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1 A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1 A IMPORTÂNCIA DA MATEMÁTICA O desenvolvimento das sociedades tem sido também materializado por um progresso acentuado no plano científico e nos diversos domínios

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

Figura 1. Distribuição dos 25 hotsposts (ou pontos quentes, áreas em vermelho no mapa). Extraído de Myers 2000.

Figura 1. Distribuição dos 25 hotsposts (ou pontos quentes, áreas em vermelho no mapa). Extraído de Myers 2000. Plantas invasoras nos trópicos: esperando a atenção mundial? Daniela Petenon 1 e Vânia Regina Pivello 2 INTRODUÇÃO Hotsposts - ou áreas quentes - são áreas que apresentam alta concentração de espécies

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Centro de Ciências Biológicas Departamento de Botânica Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal - PPGBV Disciplina Seminários Integrados 1) Informações Gerais Aluno:

Leia mais

Como as alterações climáticas podem afetar as cidades, as organizações e as empresas

Como as alterações climáticas podem afetar as cidades, as organizações e as empresas Como as alterações climáticas podem afetar as cidades, as organizações e as empresas Thelma Krug Pesquisadora, INPE Membro do Conselho do IPCC Congresso Internacional de Sustentabilidade São José dos Campos,

Leia mais

Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa

Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa Sérgio Rodrigo Quadros dos Santos 1, Maria Isabel Vitorino² e Ana Y. Harada 3 Aluno de graduação em Meteorologia

Leia mais

Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional)

Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional) Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional) A dinâmica populacional crescimento e regulação do tamanho populacional Quando se menciona um aumento do tamanho populacional,

Leia mais

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD I. O PROBLEMA DE DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS IMEDIATOS ENFOCADOS A conversão da floresta primária na Amazônia ameaça a biodiversidade e libera estoques

Leia mais

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário 1 Metras Curriculares Estratégias Tempo Avaliação TERRA UM PLANETA COM VIDA Sistema Terra: da

Leia mais

HISTÓRICO DA ECOLOGIA

HISTÓRICO DA ECOLOGIA HISTÓRICO DA ECOLOGIA Durante muito tempo desconhecida do grande público e relegada a segundo plano por muitos cientistas, a ecologia passou a ter destaque já no século XX como um dos mais populares aspectos

Leia mais

Resumo Auditoria e Pericia Ambiental

Resumo Auditoria e Pericia Ambiental Resumo Auditoria e Pericia Ambiental Inspirada na Auditoria Contábil, elemento integrante dos sistemas de gestão empresarial, a Auditoria Ambiental surgiu na década de 70 nos Estados Unidos visando à redução

Leia mais

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS Perceber e utilizar os códigos intrínsecos da Biologia. Relacionar o conhecimento das diversas disciplinas para o entendimento

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

Módulo 13. Regulação em reprodutores contínuos: a eq. logística

Módulo 13. Regulação em reprodutores contínuos: a eq. logística Módulo 13. Regulação em reprodutores contínuos: a eq. logística Objectivos Suponhamos que se dispõe de observações da densidade populacional ( 1, 2, 3,...) duma população de reprodutores contínuos, na

Leia mais

Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza.

Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza. Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza. Fernanda Ribeiro Silva, fernandaenge@yahoo.com.br, Graduanda em Engenharia Florestal na Universidade Federal de Lavras UFLA, Autora; Danusa

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA Como pode cair no enem (ENEM) Várias estratégias estão sendo consideradas para a recuperação da diversidade biológica de um ambiente degradado, dentre elas, a criação

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES

PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES PROJECTO DE RESOLUÇÃO SOBRE O CLIMA E A QUALIDADE DO AR NOS AÇORES Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Exma. Sras. Deputadas e Srs. Deputados Exma. Sra. e Srs. Membros do Governo Desde os anos oitenta que

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae)

Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae) III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 189 Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae) R. A. Ferreira 1 ;

Leia mais

Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC

Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC ILIDIA DA ASCENÇÃO GARRIDO MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

Mudanças de clima, e projeções de extremos de chuva no Estado de São Paulo derivados do modelo regional ETA CPTEC ate finais do Século XXI

Mudanças de clima, e projeções de extremos de chuva no Estado de São Paulo derivados do modelo regional ETA CPTEC ate finais do Século XXI Mudanças de clima, e projeções de extremos de chuva no Estado de São Paulo derivados do modelo regional ETA CPTEC ate finais do Século XXI Jose A. Marengo, Carlos A. Nobre CCST/INPE São Paulo, Brasil Problemática

Leia mais

Palavras chave: Priorização dinâmica; modelagem de distribuição de espécies; análise de incerteza; uso do solo. Introdução

Palavras chave: Priorização dinâmica; modelagem de distribuição de espécies; análise de incerteza; uso do solo. Introdução Prioridades de Conservação de Mamíferos do Cerrado Frente às Mudanças Climáticas e Expansão Agrícola Frederico Augusto M. V. FALEIRO*; Dr. Rafael Dias LOYOLA Instituto de Ciências Biológicas (ICB) *fvfaleiro@gmail.com

Leia mais

O clima está diferente. O que muda na nossa vida?

O clima está diferente. O que muda na nossa vida? O clima está diferente. O que muda na nossa vida? 06/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Serviços Ambientais em Sistemas Agrícolas e Florestais do Bioma Mata Atlântica

Serviços Ambientais em Sistemas Agrícolas e Florestais do Bioma Mata Atlântica Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Florestas Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Serviços Ambientais em Sistemas Agrícolas e Florestais do Bioma Mata Atlântica Lucilia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS COMUNIDADES LOCAIS DO PANTANAL MATO- GROSSENSE PARA A CONSERVAÇÃO DA AVIFAUNA LOCAL

A IMPORTÂNCIA DAS COMUNIDADES LOCAIS DO PANTANAL MATO- GROSSENSE PARA A CONSERVAÇÃO DA AVIFAUNA LOCAL 468 A IMPORTÂNCIA DAS COMUNIDADES LOCAIS DO PANTANAL MATO- GROSSENSE PARA A CONSERVAÇÃO DA AVIFAUNA LOCAL Samuel Borges de Oliveira Júnior¹ & Michèle Sato² 1 Biólogo, Doutorando em Ecologia e Recursos

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Respostas da fauna às mudanças climáticas IUCN e espécies ameaçadas

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Respostas da fauna às mudanças climáticas IUCN e espécies ameaçadas Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Respostas da fauna às mudanças climáticas IUCN e espécies ameaçadas AQUECIMENTO GLOBAL Respostas da fauna às mudanças climáticas O exemplo dos anfíbios. Em princípio,

Leia mais

Data de recebimento: 03/10/03. Data de aceite para publicação: 26/01/04. 1

Data de recebimento: 03/10/03. Data de aceite para publicação: 26/01/04. 1 Revista Varia Scientia v. 04, n. 07, p.179-184 ARTIGOS & ENSAIOS Elizabete Koehler 1 Reginaldo Aparecido Zara 2 ALGORITMO PARA CÁLCULO DE DISTÂNCIAS MÍNIMAS EM REDES DE ESCALA LIVRE RESUMO: Muitos sistemas

Leia mais

Desmatamento Amazônico e Mudanças as Climáticas

Desmatamento Amazônico e Mudanças as Climáticas Desmatamento Amazônico e Mudanças as Climáticas Ciclone Catarina: evidência de mudança a do clima? Evidência do Aquecimento Global Emissões Globais 70-75% 75% das Emissões de GEE Queima de Combustíveis

Leia mais

'LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU *OREDOGR(VWDGRGR56

'LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU *OREDOGR(VWDGRGR56 LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU OREDOGR(VWDGRGR56 6X]DQH5DQ]DQ 6LPRQH0&HUH]HU&ODRGRPLU$0DUWLQD]]R Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Departamento de

Leia mais

8º Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC 2014 12 a 14 de agosto de 2014 Campinas, São Paulo

8º Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC 2014 12 a 14 de agosto de 2014 Campinas, São Paulo SISTEMA DE CONSULTA E VISUALIZAÇÃO DAS PROJEÇÕES DOS MODELOS CLIMÁTICOS GLOBAIS DO IPCC AR4 PARA O BRASIL Renan Geraldo¹; Agriton Silva Cunha2; Elias Gomes de Almeida³; José Tadeu de Oliveira Lana4; Emília

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE CIÊNCIAS 6 ano 1 volume CONTEÚDOS OBJETIVOS 1.Astronomia: estudando o céu Estrelas e constelações Sistema Solar e exploração do Universo - Movimentos da - Terra e da Lua Reconhecer

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio da Água, o ar, as rochas e o solo - materiais terrestres, o aluno deve ser capaz de: Compreender a Terra como um planeta especial

Leia mais

Conhecimento dos bacharelandos em Ciências Biológicas (UFPE) sobre animais ameaçados de extinção do Nordeste do Brasil

Conhecimento dos bacharelandos em Ciências Biológicas (UFPE) sobre animais ameaçados de extinção do Nordeste do Brasil ABR. MAI. JUN. 2006 ANO XII, Nº 45 125-130 INTEGRAÇÃO 125 Conhecimento dos bacharelandos em Ciências Biológicas (UFPE) sobre animais ameaçados de extinção do Nordeste do Brasil TACYANA P. R. DE OLIVEIRA*,

Leia mais

Quinto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (RA5): Implicações

Quinto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (RA5): Implicações O clima é da conta de todos Quinto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (RA5): Implicações Gelo marinho do Ártico no verão para o mundo empresarial

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE CIÊNCIAS

PLANEJAMENTO ANUAL DE CIÊNCIAS COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE CIÊNCIAS 7º ANO PROFESSORA: LUCIANA PERES

Leia mais

DINÂMICA DA BIOMASSA NA FLORESTA AMAZÔNICA PARA OS ANOS DE 1981 A 2001. 1Luciana C. S. Vieira,2Britaldo S.S.Filho,

DINÂMICA DA BIOMASSA NA FLORESTA AMAZÔNICA PARA OS ANOS DE 1981 A 2001. 1Luciana C. S. Vieira,2Britaldo S.S.Filho, DINÂMICA DA BIOMASSA NA FLORESTA AMAZÔNICA PARA OS ANOS DE 1981 A 2001. 1Luciana C. S. Vieira,2Britaldo S.S.Filho, 1Mestranda em Meteorologia Agrícola - Universidade Federal de Viçosa UFV email: luciana.sousa@ufv.br;

Leia mais

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ Francisco José Lopes de Lima 1,2, Fernando Ramos Martins 1, Jerfferson Souza, 1 Enio Bueno Pereira 1 1 Instituto Nacional

Leia mais

Climate Change, Energy and Food Security 13 de novembro de 2008 Rio de Janeiro

Climate Change, Energy and Food Security 13 de novembro de 2008 Rio de Janeiro Climate Change, Energy and Food Security Rio de Janeiro Mudanças Climáticas Amazônia, Problemas Ambientais e Proteção da Biomassa Israel Klabin F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V

Leia mais

Secas Extremas e Mudanças Climáticas: Mudanças Climáticas e os Impactos na Região Sudeste do Brasil

Secas Extremas e Mudanças Climáticas: Mudanças Climáticas e os Impactos na Região Sudeste do Brasil Secas Extremas e Mudanças Climáticas: Mudanças Climáticas e os Impactos na Região Sudeste do Brasil Jose A. Marengo CEMADEN jose.marengo@cemaden.gov.br IPCC WG1, Chapter 3 (2013) Mudancas observadas na

Leia mais

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina *MELO JÚNIOR, A. S a.; GATTI, L b.; SEVEGNANI, F c.; SATIE,I. d ; IZIDRO, J. e ; IANNUZZI, A. f a.universidade

Leia mais

Carlos A Nobre Centro de Ciência do Sistema Terrestre, INPE. Foto: David McGrath. Senado Federal

Carlos A Nobre Centro de Ciência do Sistema Terrestre, INPE. Foto: David McGrath. Senado Federal MUDANÇAS AS CLIMÁTICAS E O BRASIL Carlos A Nobre Centro de Ciência do Sistema Terrestre, INPE Foto: David McGrath Senado Federal Brasília, 29 de Outubro de 2008 Vulnerabilidade do Brasil às Mudanças Climáticas

Leia mais

O PROJETO SIMCAFE. Simulação dos Impactos das Mudanças Climáticas globais sobre os setores de Agropecuária, Floresta e Energia

O PROJETO SIMCAFE. Simulação dos Impactos das Mudanças Climáticas globais sobre os setores de Agropecuária, Floresta e Energia Simulação dos Impactos das Mudanças Climáticas globais sobre os setores de Agropecuária, Floresta e Energia O PROJETO SIMCAFE Projeto Financiado pela: Financiadora de Estudos e Projetos Instituição Proponente:

Leia mais

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero Fausto Brito José Alberto Magno de Carvalho Cássio Maldonato Turra Bernardo Lanza Queiroz Nas três primeiras décadas da segunda metade do século

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor da prova: 2.0 Nota: Data: / /2015 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 9º 3º bimestre Trabalho de Recuperação de Geografia Orientações: - Leia atentamente

Leia mais

Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil

Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III: Aquecimento Global e Impactos sobre o Seguro Rural Subsídios Complementares para o Debate Campinas, 25 de junho de 2008 Lauro T. G.

Leia mais

Corte seletivo e fogo fazem Floresta Amazônica perder 54 milhões de toneladas de carbono por ano

Corte seletivo e fogo fazem Floresta Amazônica perder 54 milhões de toneladas de carbono por ano Corte seletivo e fogo fazem Floresta Amazônica perder 54 milhões de toneladas de carbono por ano Perda equivale a 40% da produzida pelo desmatamento total. Pesquisa cruzou dados de satélites e de pesquisas

Leia mais

VARIABILIDADE ANUAL DA TEMPERATURA MÉDIA EM SÃO LUIS

VARIABILIDADE ANUAL DA TEMPERATURA MÉDIA EM SÃO LUIS VARIABILIDADE ANUAL DA TEMPERATURA MÉDIA EM SÃO LUIS Carlos Márcio de Aquino Eloi 1, Barbaro Moya 2, Sandra Oliveira Sá 3,7, Ewaldo Eder Carvalho Santana 4, Jucivan Ribeiro Lopes 5, Gunter de Azevedo Reschke

Leia mais

Não é tarde demais para combater as mudanças climáticas O sumário do IPCC diz:

Não é tarde demais para combater as mudanças climáticas O sumário do IPCC diz: Sumário dos resultados-chave do Quarto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, Grupo de Trabalho III de Mitigação de Mudanças Climáticas Bangkok, Maio de 2007 Não é

Leia mais

RESENHA CRÍTICA DO LIVRO COMO TORNAR SUA EMPRESA ECOLOGICAMENTE RESPONSÁVEL

RESENHA CRÍTICA DO LIVRO COMO TORNAR SUA EMPRESA ECOLOGICAMENTE RESPONSÁVEL RESENHA CRÍTICA DO LIVRO COMO TORNAR SUA EMPRESA ECOLOGICAMENTE RESPONSÁVEL Carmem Lucia Castro da Cruz Introdução Nick Dallas, no livro Como tornar sua empresa ecologicamente responsável, discorre de

Leia mais

A vingança de Gaia. O cientista inglês que considera a Terra um organismo vivo diz que só a energia nuclear pode adiar o desastre

A vingança de Gaia. O cientista inglês que considera a Terra um organismo vivo diz que só a energia nuclear pode adiar o desastre Página 1 de 5 ' nmlkji nmlkj ok Edição 1979. 25 de outubro de 2006 Entrevista: James Lovelock A vingança de Gaia < O cientista inglês que considera a Terra um organismo vivo diz que só a energia nuclear

Leia mais

José Eduardo do Couto Barbosa. Biólogo e Mestrando em Ecologia pela UFJF

José Eduardo do Couto Barbosa. Biólogo e Mestrando em Ecologia pela UFJF José Eduardo do Couto Barbosa Biólogo e Mestrando em Ecologia pela UFJF CONCEITO DE BIODIVERSIDADE Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades

Leia mais

Biologia da Conservação

Biologia da Conservação Biologia da Conservação Prof. Alexandre R. T. Palma Conservação de espécies Introdução Conservação in-situ Conservação ex-situ Biologia da Conservação Prof. Alexandre R. T. Palma Conservação de espécies

Leia mais

População e mudança climática: Dimensões humanas das mudanças ambientais globais*

População e mudança climática: Dimensões humanas das mudanças ambientais globais* RESENHA/BOOK REVIEW População e mudança climática: Dimensões humanas das mudanças ambientais globais* Rafael D Almeida Martins 1 As mudanças climáticas passaram em curto espaço de tempo para o centro do

Leia mais

Mudanças Climáticas O clima está diferente. O que muda na nossa vida

Mudanças Climáticas O clima está diferente. O que muda na nossa vida 1 Mudanças Climáticas O clima está diferente. O que muda na nossa vida 2 Se você tem menos de 15 anos, praticamente já nasceu ouvindo falar de temas até então raros, como aquecimento global, mudanças climáticas,

Leia mais

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Metzger é um biólogo que adora o Código Florestal e constrói hipóteses apenas para provar aquilo que ele quer que seja provado

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo I Informações Gerais Impactos das Mudanças Climáticas As mudanças climáticas impõem

Leia mais

José Eustáquio Diniz Alves 1

José Eustáquio Diniz Alves 1 China e Índia: população, economia e desenvolvimento humano José Eustáquio Diniz Alves 1 A Chína e a Índia são os dois países mais populosos do mundo e que também já foram, antes de 182, os dois países

Leia mais

Conceitos em Ecologia: o estudo de Populações, Comunidades e Ecossistemas. Prof. Francisco Soares Santos Filho, D.Sc. UESPI

Conceitos em Ecologia: o estudo de Populações, Comunidades e Ecossistemas. Prof. Francisco Soares Santos Filho, D.Sc. UESPI Conceitos em Ecologia: o estudo de Populações, Comunidades e Ecossistemas. Prof. Francisco Soares Santos Filho, D.Sc. UESPI População é o conjunto de seres da mesma espécie que vivem na mesma área geográfica,

Leia mais

Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina.

Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina. Correlação de Miconia albicans e concentração de alumínio no solo em um fragmento de cerrado denso, Itirapina. ARILDO DE S. DIAS 1, CLÁUDIA DE M. MARTINELLI 2, LARISSA G. VEIGA 1, RICARDO GABRIEL MATTOS

Leia mais

A WaterAid e as mudanças climáticas

A WaterAid e as mudanças climáticas A WaterAid e as mudanças climáticas Kajal Gautam, 16 anos, e a prima, Khushboo Gautam, 16 anos, regressando a casa depois de irem buscar água em Nihura Basti, Kanpur, na Índia. WaterAid/ Poulomi Basu Louise

Leia mais

Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis

Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis ESTIMAÇÃO DE POPULAÇÕES HUMANAS VIA IMAGENS DE SATÉLITE: COMPARANDO ABORDAGENS E MODELOS Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis Laboratório de Estatística Espacial (LESTE) Departamento de Estatística

Leia mais

Sessão de Enceramento do Atelier As Mudanças Climáticas e as Vulnerabilidades de Cabo Verde como Pequeno Estado Insular: O Presente e o Futuro,

Sessão de Enceramento do Atelier As Mudanças Climáticas e as Vulnerabilidades de Cabo Verde como Pequeno Estado Insular: O Presente e o Futuro, Sessão de Enceramento do Atelier As Mudanças Climáticas e as Vulnerabilidades de Cabo Verde como Pequeno Estado Insular: O Presente e o Futuro, São Vicente, 3 de Julho de 2014 Senhor Primeiro Ministro,

Leia mais

Unidade I: Fundamentos

Unidade I: Fundamentos Curso: Ciências do Ambiente Unidade I: Fundamentos Profª Manuella Villar Amado A crise ambiental Miller (1985) A Terra pode ser comparada a uma astronave deslocando-se a 100.000 km/h pelo espaço sideral

Leia mais

Instituto de Educação infantil e juvenil Inverno, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total:

Instituto de Educação infantil e juvenil Inverno, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total: Instituto de Educação infantil e juvenil Inverno, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total: Edição XVIII MMXIII Extra 6º ao 9º anos MUDANÇAS CLIMÁTICAS Hoje, tivemos a presença das pesquisadoras

Leia mais

Núcleo Regional Amapá

Núcleo Regional Amapá Núcleo Regional Amapá I Simpósio CENBAM/PPBio Amazônia Ocidental Coordenação: Dr. Alan C. Cunha Gestão: Msc. Graciliano Galdino A. dos Santos Banco de Dados: Helimara Baia Histórico do Núcleo Amapá Antes

Leia mais