UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ FÁBIO DE OLIVEIRA ROZZANTI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ FÁBIO DE OLIVEIRA ROZZANTI"

Transcrição

1 UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ FÁBIO DE OLIVEIRA ROZZANTI ESTUDO DE UMA PONTE ROLANTE COMERCIAL NO TRANSPORTE DE BOBINA DE AÇO DE 12 TONELADAS Guaratinguetá 2013

2 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ FÁBIO DE OLIVEIRA ROZZANTI ESTUDO DE UMA PONTE ROLANTE COMERCIAL NO TRANSPORTE DE BOBINA DE AÇO DE 12 TONELADAS Trabalho de Graduação apresentado ao Conselho de Curso de Graduação em Engenharia Mecânica da Faculdade de Engenharia do Campus de Guaratinguetá, Universidade Estadual Paulista, como parte dos requisitos para obtenção do diploma de Graduação em Engenharia Mecânica. Orientador: Prof. Dr. José Elias Tomazini Guaratinguetá 2013

3 R893e Rozzanti, Fabio de Oliveira Estudo de uma ponte rolante comercial no transporte de bobina de aço de 12 toneladas / Fabio de Oliveira Rozzanti. - Guaratinguetá: [s.n.], f.: il. Bibliografia: f. 29 Trabalho de Graduação em Engenharia Mecânica Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá, 2013 Orientador: Prof. Dr. José Elias Tomazini 1. Tensões residuais 2. Métodos de elementos finitos I. Título CDU

4 FÁBIO DE OLIVEIRA ROZZANTI Dezembro 2013

5 de modo especial ao meu pai Divanir Rozzanti meu melhor amigo e professor, onde você estiver sempre estará no meu coração.

6 AGRADECIMENTOS A toda minha família em especial minha mãe e meu irmão que me apoiaram todos esses anos nos bons e maus momentos da graduação. A todos os amigos, professores e funcionários da faculdade que me ajudaram em diversos momentos. Ao meu professor orientador Professor José Elias Tomazini que me apoiou neste trabalho de graduação.

7 ROZZANTI, F. O. Estudo de uma Ponte Rolante comercial no transporte de bobina de aço de 12 toneladas f. Trabalho de Graduação (Graduação em Engenharia Mecânica) Faculdade de Engenharia do Campus de Guaratinguetá, Universidade Estadual Paulista, Guaratinguetá, RESUMO Este trabalho tem como objetivo determinar as tensões atuantes na viga principal de uma ponte rolante para o transporte de bobinas de aço de até doze toneladas. Para determinar as tensões fez-se uma revisão nos conhecimentos de resistência dos materiais para o cálculo do método analítico. Em sequência, foi realizada uma revisão do método dos elementos finitos, para compreensão do mesmo. Para finalizar o trabalho foi utilizado o software comercial ANSYS para determinar as tensões pelo método dos elementos finitos, o programa fornece imagens que ajudam a melhor compreensão dos resultados obtidos. Com os resultados obtidos fez-se uma comparação dos valores das tensões entre os dois métodos (analítico e por elementos finitos). Para auxiliar nos cálculos foi utilizada a Norma NBR 8400 de 1984 (Calculo de Equipamentos de levantamento de Cargas). PALAVRAS-CHAVES: Pontes Rolantes, Tensões, Elementos Finitos, ANSYS, Norma NBR 8400;

8 ROZZANTI, F. O. Study of a Commercial Overhead Crane in transporting steel coil 12 tons f. Graduate Work (Graduate Mechanical Engineering) Faculdade de Engenharia do Campus de Guaratinguetá, Universidade Estadual Paulista, Guaratinguetá, ABSTRACT This work aims to determine the stresses acting on the main beam of a crane to transport steel coils of up to twelve tons. To determine the stress it was made a revision of the knowledge of the mechanics of materials to apply the analytical method. Following a review of the finite element method is made to understand the same. To complete the study it was used the commercial software ANSYS to determine the stresses by finite element method, the program provides images that help to better understand the results obtained. With the results a comparison of the values of the tensions between the two methods (analytical and finite element) was made. To assist in the calculations it was used the NBR 8400, 1984 (Calculation of Lifting Equipment Load). KEYWORDS: Cranes, Stress, Finite Element ANSYS, NBR 8400;

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Mono Viga Figura 2 Viga Dupla Figura 3 Elementos Ponte Rolante Figura 4 Perfil de alma cheia Figura 5 Perfil de alma aberta Figura 6 Bobina de aço Figura 7 Diagrama Momento Fletor carga aplicada x = 2m Figura 8 Diagrama Momento Fletor carga aplicada x = 4m Figura 9 Diagrama Momento Fletor carga aplicada x = 6m Figura 10 Diagrama Momento Fletor carga aplicada x = 8m Figura 11 Diagrama Momento Fletor carga aplicada x = 10m Figura 12 Diagrama de Força Cortante carga aplicada x = 6,67m Figura 13 Diagrama Momento Fletor carga aplicada x = 6,67m Figura 14 Diagrama de Força Cortante corrigido Figura 15 Diagrama Momento Fletor corrigido Figura 16 Geometria da Viga Principal da Ponte Rolante Figura 17 Deformação na direção y Figura 18 Tensões von-mises Figura 19 Resultados Tensões von-mises... 27

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Resumo das Recomendações da Norma Tabela 2 Propriedades Mecânicas Aço ASTM A Tabela 3 Propriedades do perfil selecionado Tabela 4 Resultados Comparativos entre os dois métodos... 27

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO E JUSTIFICATIVA DO TRABALHO CONSIDERAÇÕES GERAIS FUNDAMENTOS TEÓRICOS PONTES ROLANTES MÉTODO ANALÍTICO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS MATERIAIS E MÉTODO CONSIDERAÇÕES DE PROJETO CÁLCULO ANALÍTICO SIMULAÇÃO PELO SOFTWARE COMERCIAL ANSYS RESULTADOS E DISCUSSÃO RESULTADOS MÉTODO ANALÍTICO RESULTADOS MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS UTILIZANDO O SOFTWARE ANSYS COMPARAÇÃO DOS RESULTADOS CONCLUSÃO E COMENTÁRIOS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A APÊNDICE B... 35

12 10 1 INTRODUÇÃO Neste trabalho serão calculadas as tensões na viga principal de uma ponte rolante que irá transportar bobinas de aço de até 12 toneladas. A ponte irá trabalhar em um galpão fechado, sendo que o tamanho requerido do comprimento da viga é de 20m. Os cálculos de tensões serão feitos por dois procedimentos, um pelo método tradicional utilizando as equações de resistências dos materiais, outro pelo método dos elementos finitos e fazer um comparativo entre os dois métodos. A utilização do método dos elementos finitos será feito com auxílio do software comercial ANSYS, para isso foi realizado uma revisão teórica sobre o assunto e suas aplicações. Para auxiliar nos cálculos foram utilizadas as recomendações da Norma NBR 8400 de A norma NBR 8400 de 1984 é utilizada para o cálculo de equipamento para levantamento e movimentação de cargas, ela mostra diversos tipos de situações e aplicações de levantamento de carga com suas respectivas recomendações. 1.1 OBJETIVO E JUSTIFICATIVA DO TRABALHO Este trabalho tem como objetivo determinar as tensões atuantes na viga principal de uma ponte rolante para o transporte de bobinas de aço de até doze toneladas. Para os cálculos das tensões serão utilizados às equações de resistência dos materiais. Para determinar as tensões pelo método dos elementos finitos será utilizado o software comercial ANSYS. Com os resultados obtidos serão feitos uma comparação dos valores das tensões entre os dois métodos. Para auxiliar nos cálculos foi utilizada a Norma NBR 8400 de 1984 (Calculo de Equipamentos de levantamento de Cargas). 1.2 CONSIDERAÇÕES GERAIS O cálculo das tensões em equipamentos é de extrema importância para situações reais, visto que a falha em equipamentos muitas vezes causam acidentes, assim tendo perdas em todos os sentidos, como material e algumas vezes com acidentes fatais prejudicando as pessoas ou partes envolvidas.

13 11 2 FUNDAMENTOS TEÓRICOS Neste capítulo serão apresentados os fundamentos teóricos sobre pontes rolantes e suas aplicações. Será também discutido o método analítico para os cálculos de tensões e um breve comentário sobre o método dos elementos finitos. 2.1 PONTES ROLANTES Pontes Rolantes são amplamente utilizadas na indústria, para o transporte de cargas ou equipamentos em geral, que ficam inviáveis por via terrestre, utilizados tanto em galpões fechados ou em áreas abertas. Algumas aplicações de Pontes Rolantes e Pórticos são listadas a seguir (NBR 8400, 1984). Pontes, semipórticos e pórticos para pátio de sucata com ou sem eletroímã; Pontes, semipórticos e pórticos com ou sem guia para manuseio de chapas, tarugos, trefilados, bobinas, barras e perfis; Pontes com gancho para transporte de lingoteiras; Pontes com caçamba para sucata do forno elétrico; Pontes de viga giratória; Pontes para carregamento de sucata na aciaria; e Pontes para carregamento de forno. Existem diversos modelos e fabricantes para construção de Pontes Rolantes, basicamente existem dois modelos que são mais utilizados (CATÁLOGO ABUS CRANE SYSTEM, 2013). O modelo de uma viga conhecido de mono viga ou uni viga conforme a Figura 1, e o modelo de duas vigas conhecido como viga dupla (figura 2). Figura 1 Mono Viga Fonte: (CATÁLOGO ABUS CRANE SYSTEM, 2013).

14 12 Figura 2 Viga Dupla. Fonte: (CATÁLOGO ABUS CRANE SYSTEM, 2013). Os componentes de uma ponte rolante são: Viga principal; Junções que podem ser soldadas ou parafusadas; Truques (Rodas motorizadas); e Equipamentos para levantamento e locomoção da carga;. A Figura 3 mostra os elementos de uma ponte rolante. Figura 3 Elementos de uma ponte rolante. Fonte: Adaptado do (CATÁLOGO ABUS CRANE SYSTEM, 2013). Os perfis da alma para viga principal da ponte rolante mais utilizado são dois segundo a NBR 8400 (1984), perfil de alma cheia (figura 4), e perfil de alma aberta (figura 5). Figura 4 Perfil de alma cheia. Fonte: Próprio autor.

15 13 Figura 5 Perfil de alma aberta. Fonte: Próprio autor. 2.2 MÉTODO ANALÍTICO Com o conhecimento Resistência dos Materiais pode-se calcular as reações e os momentos na viga. Os cálculos são feitos na pior situação onde a carga é aplicada, segundo a recomendação da NBR 8400 (1984), com esses dados é possível construir os diagramas de força cortante e momento fletor. As equações para a construção do diagrama estão disponíveis no Apêndice A. Os diagramas contribuem para a verificação do maior momento e força, esses valores são necessários para os cálculos de tensões. As equações para os cálculos das tensões estão disponíveis no Apêndice B. 2.3 MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS O método dos elementos finitos vem ganhando cada vez mais espaço no setor industrial pela sua facilidade de aplicação e boa precisão nas soluções de problemas em diversas áreas da engenharia, esse feito só ocorreu devido ao grande avanço computacional. O método elementos finitos consiste em uma solução numérica, podendo resolver problemas uni, bi e tri dimensionais (MOAVENI, 1999). Esse método é aplicado em diversos problemas físicos como: análise estrutural, transferência de calor, mecânica dos fluídos, eletromagnestimo entre outros (COOK, 1995). O método consiste em dividir uma estrutura complexa em pequenos elementos com geometria simples (MOAVENI, 1999). Cada elemento é acompanhado por nós, assim gerando uma malha. Para a análise estrutural são equações diferenciais parciais que estão por trás da solução do problema (COOK, 1995). Para a solução dessas equações são utilizadas funções aproximadas, os métodos mais utilizados para a solução dos problemas de análise estrutural são os métodos de Galerkin (MOAVENI, 1999, p. 40) e Rayleigh-Ritz (COOK, 1995, p. 86).

16 14 Alguns cuidados ao utilizar o método dos elementos finitos para ter a confiabilidade do valor calculado estão relacionados diretamente ao número de elementos e as condições de contorno. O número de elementos na análise de uma estrutura não deve ser muito pequeno, assim necessitando de grande tempo de processamento computacional para solução do problema em questão. Em contra partida ao aumentar o número de elementos chega-se a um ponto que mesmo aumentando os elementos, os resultados não serão alterados de forma significativa, tornando o resultado constante muito próximo do valor exato (COOK, 1995, p.10). Neste trabalho não será desenvolvido um método para o cálculo dos elementos finitos, será utilizado para simulação do método o software comercial de elementos finitos ANSYS.

17 15 3 MATERIAIS E MÉTODO 3.1 CONSIDERAÇÕES DE PROJETO As condições iniciais de projeto para os cálculos das tensões na viga principal da ponte rolante devem conter os seguintes itens: Qual tipo de aplicação do equipamento Local (ambiente aberto ou fechado) Comprimento da viga Carga aplicada Tipos de apoio Esses itens devem ser aplicados em conjunto com as recomendações da NBR 8400 (1984). A ponte rolante terá aplicação em um galpão fechado, onde será feito o transporte de bobinas de aço de até 12 toneladas. O comprimento da viga será de 20 metros e uma altura de trabalho de 5 metros de altura. A Figura 6 mostra uma bobina de aço sendo içada por uma ponte rolante. Figura 6 Bobina de aço. Fonte: (COPERFIL, <www.coperfil.com.br>. 2013). A primeira proposta para viga principal será uma mono viga de perfil laminado em formato de I, desse modo evitando cálculos de solda nas junções entre alma e aba do perfil. Como não há redução de área na viga ou concentradores de tensão não serão feitos os cálculos de fadiga. A massa dos equipamentos para o levantamento de carga com todos seus acessórios é aproximadamente de 1000 kg. O apoio da viga está na condição de bi engastado. Como

18 16 aplicação da ponte será em um galpão fechado não terá influência do vento. Fazendo as recomendações da Norma, o resumo dos valores está na Tabela 1. Tabela 1 Resumo das Recomendações da Norma. Recomendação Valor Coeficiente de Majoração M x 1,2 Coeficiente Dinâmico Ψ 1, CÁLCULO ANALÍTICO Para determinar a pior situação da carga aplicada na viga principal foi aplicada a carga em diversas posições ao longo da viga. Para fazer essa simulação a carga foi aplicada a cada dois metros até atingir o centro da viga. Para efeito ilustrativo os diagramas de momento fletor e força cortante foram plotados com o auxílio da planilha do software Excel. Verificando a posição em que apresentou o momento máximo é calculado o menor Módulo de Resistência (S) pela equação (1) para selecionar a viga. Sendo ; ; Para selecionar a viga é necessário calcular a tensão admissível segundo a NBR 8400 (1984) é dada pela equação (2): Sendo ; De acordo com a norma esta condição só pode ser utilizada se: Sendo ;

19 17 A norma também recomenda que a tensão de cisalhamento admissível seja calculada pela equação (3). Sendo ; 3.3 SIMULAÇÃO PELO SOFTWARE COMERCIAL ANSYS Procedimento para utilização do ANSYS segue os seguintes passos: Passo 1 Geometria. Desenhar a geometria do perfil da viga selecionada. Passo 2 Gerar a malha. O programa gera uma pré-malha para a geometria a qual vai ser analisada, mas esse item pode ser modificado definindo o tamanho do elemento ou mesmo refinar a malha em uma determinada região. Passo 3 Condições de Contorno. Suportes fixos nas extremidades e aplicar a carga no ponto de pior situação. Passo 4 Selecionar o tipo de análise. Selecionar tensões de equivalente de Von-mises e deslocamento na direção y. Passo 5 Solução. Selecionar Resolver. Após fazer esse passo a passo o software irá fornecer de forma ilustrativa os resultados calculados, mas deve-se tomar cuidado com os valores, como a solução é aproximada regiões onde os valores não estão conforme o esperado deve-se verificar se as condições de contorno (passo 3) estão corretas ou mesmo fazer um refinamento da malha (passo 2) na região onde quer ser estudada.

20 18 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO Neste capitulo são apresentados os resultados obtidos pelo método analítico e pelo software de elementos finitos e também é realizada a comparação entre os resultados obtidos. 4.1 RESULTADOS MÉTODO ANALÍTICO O material utilizado é aço estrutural ASTM A36 e suas propriedades mecânicas estão na Tabela 2 (GERE, 2010). Tabela 2 Propriedades Mecânicas Aço ASTM A36. Tensão de Escoamento 250 [MPa] Tensão de Ruptura 400 [MPa] Módulo de Elasticidade 200 [GPa] Densidade 7,85 [t/m 3 ] Coeficiente de Poission 0,30 Condição para utilização desse material: Portanto pode-se fazer a utilização do aço ASTM A36. Com as propriedades desse material e utilizando a equação (2) para tensão admissível: A tensão de cisalhamento admissível pela equação (3): A simulação para a verificação da pior situação da carga aplicada nas posições x = 2m (figura 7), x = 4m (figura 8), x = 6m (figura 9), x = 8m (figura 10), x = 10m (figura 11). Os diagramas de Momento Fletor foram plotados com o auxílio da planilha do software Excel.

21 19 Figura 7 Diagrama Momento Fletor carga aplicada x = 2m. Fonte: Próprio autor. Figura 8 Diagrama Momento Fletor carga aplicada x = 4m. Fonte: Próprio autor.

22 20 Figura 9 Diagrama Momento Fletor carga aplicada x = 6m. Fonte: Próprio autor. Figura 10 Diagrama Momento Fletor carga aplicada x = 8m. Fonte: Próprio autor.

23 21 Figura 11 Diagrama Momento Fletor carga aplicada x = 10m. Fonte: Próprio autor. Pode-se observar que os valores dos momentos máximos encontram-se em torno da posição x = 6m e x = 8m, fez-se uma interpolação entre esses pontos, a pior situação da carga aplicada está localizada na posição x = 6,67m, resultando em um momento máximo de M max = - 521,456 kn.m e reação máxima V max = 130 kn no ponto x = 0. Isso pode ser observado pelos diagramas de força cortante na Figura 12 e momento Fletor na Figura 13. Figura 12 Diagrama de Força Cortante carga aplicada x = 6,67m.. Fonte: Próprio autor.

24 22 Figura 13 Diagrama Momento Fletor carga aplicada x = 6,67m. Fonte: Próprio autor.. Da Equação (1) tem-se o seguinte módulo de resistência: Com esse valor será selecionado a viga apropriada. Utilizando o catálogo de perfil (CATÁLOGO PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU), foi selecionado o perfil W610x174 suas dimensões estão na Tabela 3: Tabela 3 Propriedades do perfil selecionado. Viga W610x174 Dimensões Valor Área [mm 2 ] Altura h 616 [mm] t w alma 14 [mm] b aba 325 [mm] t b aba 21,6 [mm] I x-x ,54 [mm 4 ] S x-x ,2 [mm 3 ] Agora com os dados do perfil da viga os diagramas de força cortante e momento fletor corrigidos ficam conforme mostram as Figuras 14 e 15 respectivamente.

25 23 Figura 14 Diagrama de Força Cortante corrigido. Fonte: Planilha (EXCEL, 2013). Figura 15 Diagrama Momento Fletor corrigido. Fonte: Planilha (EXCEL, 2013). Pelos diagramas e utilizando as equações do apêndice B para o cálculo das tensões, temse: Tensão de Flexão:

26 24 Tensão de cisalhamento: Fazendo os cálculos na junção da viga (entre a alma e aba do perfil) temos: Tensão de flexão na junção: Tensão de cisalhamento na junção: Tensão principal 1: Tensão principal 2: Tensão de cisalhamento máximo: Tensão de von-mises: Tensão de comparação segundo a norma: Todas as tensões foram menores que a tensão admissível assim aprovando o perfil selecionado da viga principal da ponte rolante. 4.2 RESULTADOS DO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS UTILIZANDO O SOFTWARE ANSYS. Com os dados do perfil da viga W610x174 e com o comprimento da viga principal de 20 metros fez-se o desenho no software ANSYS. Na região onde será aplicada a força fez-se um pequeno bloco. Na face superior da viga desenhou-se um pequeno bloco na posição x = 6,67m, esta posição foi considerada com origem do desenho, com altura de 20mm, largura de 325mm e comprimento de 200mm e raio de arredondamento entre a viga e o bloco de 5mm. A geometria da viga principal está mostrada na Figura 16.

27 25 Figura 16 Geometria da Viga Principal da Ponte Rolante. Fonte: Software (ANSYS, 2013). Para gerar a malha na viga foi definido como tamanho de elemento mínimo o valor de 10mm, resultando em elementos e nós. Aplicando as condições de contorno com suporte fixo nas extremidades para simular a condição de bi engastada, e com a força aplicada na posição x = 6,67m. Para a análise foi selecionada a tensão de von-mises e a deformação na direção y. A análise da deformação na direção y foi de modo ilustrativo para informar que o software possui outros tipos de análises, porém esse dado é importante para o percurso da talha ao longo da ponte. A deformação máxima calculada pelo programa foi 20,2 mm, porém a análise desse valor deve ser feita por módulo, menos tem o significado que a deformação está no sentido negativo do eixo y. Figura 17 mostra a localização dessa deformação. A tensão máxima calculada pelo software foi de 161,7 MPa, conforme mostra a Figura 18.

28 26 Figura 17 Deformação na direção y. Fonte: Software (ANSYS, 2013). Figura 18 Tensões de von-mises.

29 27 Fonte: Software (ANSYS, 2013). 4.3 COMPARAÇÃO DOS RESULTADOS Para fazer o comparativo entre os dois métodos foi escolhida a tensão de von- Mises. Os resultados estão disponíveis na Tabela 4. Tabela 4 Resultados Comparativos entre os dois métodos Método Tensão de von-mises [MPa] Tensão de von-mises na junção [MPa] Analítico ANSYS Os valores das tensões foram muitos próximos entre os dois métodos na mesma posição, porém no método dos elementos finitos gerado pelo software encontrou um valor máximo de tensão de 161,7 MPa na extremidade da viga (posição x = 0). Esse valor está associado a um concentrador de tensão na ponta da viga e também pelo fato de que o software faz uma solução tri dimensional, não considerada no modelo analítico, mas de forma geral, na mesma posição os valores foram bem próximos aprovando os dois métodos em questão. A Figura 19 mostra a localização das tensões na parte superior da viga e na junção. Figura 19 Resultados das tensões de von-mises. Fonte: Software (ANSYS, 2013).

30 28 5 CONCLUSÃO E COMENTÁRIOS Pontes Rolantes são muito utilizadas no setor industrial para transporte de cargas, o projeto de seus componentes e acessórios é de extrema importância para a segurança da mesma. A Norma NBR 8400 (1984) vem como auxílio para o dimensionamento desses equipamentos com suas recomendações segundo onde será submetido a sua aplicação. Neste trabalho o projeto foi limitado para dimensionamento da viga principal da ponte rolante, as equações exatas pelo conhecimento Resistência dos Materiais foram úteis para o cálculo das reações e momentos, esses dados foram necessários para seleção da viga. Para seleção da viga foi necessário conhecer a tensão admissível de projeto, esse dado só foi possível com auxílio das recomendações da norma. Outro item importante para os cálculos é a escolha do ponto de pior situação onde a carga é aplicada, além de considerar efeitos dinâmicos e do coeficiente majoração, estes coeficientes estão associados diretamente na segurança dos cálculos. Como o método dos elementos finitos vem ganhando espaço nos últimos tempos no setor industrial pela sua facilidade e agilidade de solução de problemas, a utilização do software comercial ANSYS foi escolhida para fazer o comparativo entre o método exato e a método dos elementos finitos. Os resultados encontrados em ambos os métodos foram muitos próximos, isso pode ser observado pela tensão de von-mises, este foi o parâmetro escolhido para essa comparação. Os resultados demonstram e confirmam segundo a literatura, quando há necessidade analisar geometrias irregulares. O método dos elementos finitos, sendo uma solução numérica, é uma ótima forma de resolver esses tipos de problemas. Neste trabalho não foram considerados efeitos dinâmicos na viga nem os efeitos de fadiga, este por sua vez é recomendado o cálculo pela norma para junções soldadas ou aparafusadas, ou situações onde ocorrem reduções de área ou concentradores de tensão. Fica de recomendação para trabalhos futuros o dimensionamento dos outros acessórios da ponte rolante como truques, junções ou mesmo simulações com outros tipos de perfil como o perfil de alma fechada (formato tipo caixão) ou mesmo a utilização de viga dupla.

31 29 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR 8400 mar Cálculo de equipamento para levantamento e movimentação de cargas. COOK, Robert. D.; Finite Element Modeling for Stress Analysis. JOHN WILEY & SONS, INC, p. MOAVENI, S.; Finite element analysis: Theory and Application ANSYS. PRENTICE HALL, Upper Saddle River, New Jersey 07458, p. BEER, Ferdinand Pierre; JOHNSTON JUNIOR, E. Russel; CLAUSEN, William E. Mecânica Vetorial para Engenheiros: Dinâmica. 7ª Rio de Janeiro: Mcgraw-hill, GERE, James M.; GODNO, Barry J.; Mecânica dos Materiais. Tradução da 7ª edição norte-americana: Cengage Learning, 2010, 858p. HIBBELER, R. C. (Russell Charles).; Resistências dos Materiais. Tradução de Fernando Ribeiro da Silva.- Rio de Janeiro: LTC, 2000, 701p. JUNIOR, Alfonso P; MARTINS, Antonio R. (Coord); Cargas Móveis: CE2 Estabilidade de construção II. Faculdade de Engenharia São Paulo FESP, Engenharia Civil, São Paulo p. Disponível em: <http://sesp.edu.br/sesp_2010/ wpcontent/uploads/downloads/2011/09/ce2_cargas_moveis.pdf>. Acesso em 21/05/2013. VAZ, J. C. C.; Desenvolvimento de uma ferramenta computacional em Excel para automatizar o projeto estrutural de pórticos rolantes. Dissertação (Mestrado em Engenharia Mecânica) Faculdade de Engenharia do Campus de Guaratinguetá, Universidade Estadual Paulista f. CATÁLOGO GPM; Pontes Rolantes GPM. Disponível em: <www.gmppontesrolantes.com.br>. Acesso em 20/05/2013.

32 30 CATÁLOGO ABUS CRANE SYSTEM; TecPonte tecnologia de elevação. Disponível em:<www.logismarket.pt/ic/tecponte-catalogo-geral-de-produtos-tecponte pdf>. Acesso em 10/08/2013. CATÁLOGO PERFIS ESTRUTURAIS GERDAU; Tabela de bitolas. Disponível em: <www.comercialgerdau.com.br/produtos/download/16_perfil_estrutural_tabela_de_bitola s.pdf>. Acesso em 18/08/2013. FERREIRA, Jorge L.; Determinação dos esforços de cisalhamento, momentos fletores e deformação nos modelos de estruturas planas mais comuns. Disponível em: <www.guesteng.com.br/admin/arquivos/download/estruturas%20formularios.pdf>. Acesso em 05/09/2013. COPERFIL; Produtos siderúrgicos, soluções em corte e dobra, corte a laser de metais. Disponível em: <www.coperfil.com.br>. Acesso em 20/11/2013.

33 31 APÊNDICE A Neste apêndice irão ser demonstradas as equações para construções dos Diagramas de Força Cortante e Momento Fletor para uma viga bi engastada (FERRERA). Para uma força aplicada em uma posição qualquer na viga conforme a Figura 19. Figura 19 Carga aplicada estrutura bi engastada. Fonte: Formulário (FERREIRA, 2013). Reações: (4) (5) (6) Momento: (7) (8) Para construção dos diagramas de força cortante e momento fletor. Trecho 0< x< a Força Cortante Momento Fletor (9) (10) Trecho a< x< L Força Cortante

34 32 Momento Fletor (11) (12) Para uma carga distribuída aplicada na viga conforme a Figura 20. Figura 20 Carga distribuída para estrutura bi engastada: Fonte: Formulário (FERREIRA, 2013). Reações: (13) (14) Momento: (15) (16) Para construção dos diagramas de força cortante e momento fletor. Trecho 0< x< L Força Cortante Momento Fletor (17) (18) Pelo método da superposição conforme a Figura 21.

35 33 Figura 21 Método da superposição Fonte: Adaptado do Formulário (FERREIRA, 2013). Reações: (19) (20) (21) Momento: (22) (23) Para construção do diagrama de força cortante e momento fletor. Trecho 0< x< a Força Cortante Momento Fletor (24) (25) Trecho a< x< L Força Cortante Momento Fletor (26) (27) Recomendações da NBR 8400 (1984) para os cálculos das cargas aplica. Ela considera uma carga de serviço S l, que é soma da carga ao quer ser içada juntamente com seus

36 34 equipamentos (cabos, talhas) multiplicados pelo coeficiente dinâmico Ψ e pelo coeficiente de Majoração que depende do tipo de aplicação ao qual a viga irá ser submetida. A norma também considera que a carga distribuída S g também é multiplicada pelo coeficiente de Majoração M x. Com esses dados temos: (28) (29)

37 35 APÊNDICE B Neste apêndice serão demonstradas as equações para cálculos de tensões segundo o método de Resistência dos Materiais (GERE, 2010) e as recomendações da NBR 8400 (1984). Tensão de Flexão (30) Sendo M = Momento; c = Distância do centro da linha neutra; I = Momento de Inércia; Tensão de cisalhamento (31) Sendo V = Força Cortante; Q = Primeiro Momento; t w = espessura da alma da viga; Tensão Principal 1 [ ] (32) Tensão Principal 2 [ ] (33) Tensão de Cisalhamento Máximo [ ] (34)

38 36 Tensão de von-mises Tensão de Comparação segundo a Norma (35) (36)

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro:

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS

COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS COMPARAÇÃO DE CÁLCULOS ANALÍTICOS COM ELEMENTOS FINITOS DE VIGAS COMPOSTAS Benedito Rabelo de Moura Junior 1, Denis da Silva Ponzo 2, Júlio César Moraes 3, Leandro Aparecido dos Santos 4, Vagner Luiz Silva

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T Hevânio D. de Almeida a b, Rafael A. Guillou a,, Cleilson F. Bernardino

Leia mais

Resistência. dos Materiais II

Resistência. dos Materiais II Resistência Prof. MSc Eng Halley Dias dos Materiais II Material elaborado pelo Prof. MSc Eng Halley Dias Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Aplicado ao Curso Técnico de

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES 1 INDICE CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO... 1 1 INTRODUÇÃO... 1 2 CONCEITOS GERAIS... 1 2.1 Comportamento da seção transversal

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

Lajes de Edifícios de Concreto Armado

Lajes de Edifícios de Concreto Armado Lajes de Edifícios de Concreto Armado 1 - Introdução As lajes são elementos planos horizontais que suportam as cargas verticais atuantes no pavimento. Elas podem ser maciças, nervuradas, mistas ou pré-moldadas.

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DE TENSÕES EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS NO PROCESSO DE ENSINO NA ENGENHARIA MECÂNICA

DEMONSTRAÇÃO DO EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DE TENSÕES EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS NO PROCESSO DE ENSINO NA ENGENHARIA MECÂNICA DEMONSTRAÇÃO DO EFEITO DA CONCENTRAÇÃO DE TENSÕES EMPREGANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS NO PROCESSO DE ENSINO NA ENGENHARIA MECÂNICA Daniel Benítez Barrios danielbb@mackenzie.com.br Universidade Presbiteriana

Leia mais

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo

Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.22, p.25-32, Outubro, 2013 Estudo numérico experimental para avaliação de uma ligação parafusada viga-coluna com chapa de topo Numerical and experimental evaluation

Leia mais

COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS

COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS 5ª Edição 01 Flávio D Alambert Coordenação Técnica:

Leia mais

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro;

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; Critérios de falha - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; - compreensão clara do(s) mecanismo(s) de falha (modos de falha); -aspectos

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

Capítulo 8 Dimensionamento de vigas

Capítulo 8 Dimensionamento de vigas Capítulo 8 Dimensionamento de vigas 8.1 Vigas prismáticas Nossa principal discussão será a de projetar vigas. Como escolher o material e as dimensões da seção transversal de uma dada viga, de modo que

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO RESUMO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Diego de Medeiros Machado (1), Marcio Vito (2); UNESC

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares

Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Engenharia Civil Gisele S. Novo Possato et al. Análise teórico-experimental de placas de base de colunas metálicas tubulares Gisele S. Novo Possato Engenheira, M.Sc., Doutoranda, Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo.

Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo. 47 8. CISALHAMENTO Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo. A tensão de cisalhamento ( ) é obtida

Leia mais

Tensões Admissíveis e Tensões Últimas; Coeficiente de Segurança

Tensões Admissíveis e Tensões Últimas; Coeficiente de Segurança - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Tensões Admissíveis e Tensões

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ESTRUTURAL DE CAIXAS DE ARMAZENAMENTO DE ÁGUA. Thiago Pereira Mohallem IC E-mail: tpmohallem@hotmail.com João Carlos Menezes PQ

OTIMIZAÇÃO ESTRUTURAL DE CAIXAS DE ARMAZENAMENTO DE ÁGUA. Thiago Pereira Mohallem IC E-mail: tpmohallem@hotmail.com João Carlos Menezes PQ OTIMIZAÇÃO ESTRUTURAL DE CAIXAS DE ARMAZENAMENTO DE ÁGUA Thiago Pereira Mohallem IC E-mail: tpmohallem@hotmail.com João Carlos Menezes PQ Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica

Leia mais

TABELA DE VÃOS E CARGAS

TABELA DE VÃOS E CARGAS TABELA DE VÃOS E CARGAS Revisado de acordo com a norma brasileira ABNT NBR 88:28 COLETÂNEA DO USO DO AÇO TABELA DE VÃOS E CARGAS 3ª Edição 212 Flávio D Alambert Ivan Lippi Coordenação Técnica: Celio de

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE:

MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE: MEMORIAL DE CÁLCULO DO ELEVADOR DE CREMALHEIRA (LM 1.5) CAPACIDADE DE 1.500 KGF. CLIENTE: MEMORIAL DE CÁLCULO REFERÊNCIAS: 1 ASTM A193:2003 2 V. Dobrovolsk- Elementos de Máquinas, Ed. MIR, Moscou 7 Joseph

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT);

Leia mais

6.9 - Exercícios... 49 7 - CISALHAMENTO... 50 7.1 - Introdução... 50 7.2 - Tensão de Cisalhamento... 50 7.3 - Tensões de Esmagamento... 53 7.

6.9 - Exercícios... 49 7 - CISALHAMENTO... 50 7.1 - Introdução... 50 7.2 - Tensão de Cisalhamento... 50 7.3 - Tensões de Esmagamento... 53 7. APRESENTAÇÃO RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Comumente observamos que eixos empenam, pinos são esmagados e cortados, vigas deformam, rolamentos se desgastam, chavetas quebram, etc. Mas por que isso acontece?

Leia mais

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA COMPUTER SIMULATION OF ONE-DIMENSIONAL BEAM BY SOFTWARE CATIA

SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA COMPUTER SIMULATION OF ONE-DIMENSIONAL BEAM BY SOFTWARE CATIA SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE VIGA UNIDIMENSIONAL VIA SOFTWARE CATIA Edgar Della Giustina (1) (edgar.giustina@pr.senai.br), Luis Carlos Machado (2) (luis.machado@pr.senai.br) (1) Faculdade de Tecnologia

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0 PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 FABRICANTE: Metalúrgica Rodolfo Glaus Ltda ENDEREÇO: Av. Torquato Severo, 262 Bairro Anchieta 90200 210

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS METÁLICAS: ROTINA COMPUTACIONAL PARA SELEÇÃO DE PERFIS METÁLICOS

DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS METÁLICAS: ROTINA COMPUTACIONAL PARA SELEÇÃO DE PERFIS METÁLICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Matheus Kerkhoff Guanabara DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS METÁLICAS: ROTINA COMPUTACIONAL PARA SELEÇÃO DE

Leia mais

CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED

CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO. Cliente: INFRARED CEMEF ENGENHARIA S/C LTDA. RELATÓRIO RT2142-15 ANALISE ESTRUTURAL DE JANELA DE INSPEÇÃO Cliente: INFRARED Data: 06 de maio de 2015 REVISÃO: 00 DATA: 06 de maio de 2015 Identificação DESCRIÇÃO: Esta análise

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Sistemas Estruturais em Concreto Armado Disciplina: Sistemas Estruturais em Concreto Armado Assunto: Dimensionamento de

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE ROLAMENTO DE AÇO DE ACORDO COM A NBR 8800:2008

ANÁLISE ESTRUTURAL E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE ROLAMENTO DE AÇO DE ACORDO COM A NBR 8800:2008 ANÁLISE ESTRUTURAL E DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE ROLAMENTO DE AÇO DE ACORDO COM A NBR 8800:2008 Rafael de Amorim Salgado Profa. Dra. Adenilcia Fernanda Grobério Calenzani Prof. Dr. Walnório Graça Ferreira

Leia mais

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Rodrigues da Silva, Amilton; Drumond, Fabiana Paula Desenvolvimento de um software para análise estrutural de sistemas reticulados

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO

AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO AVALIAÇÃO TEÓRICA-EXPERIMENTAL DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO Eduardo M. Batista (1) ; Elaine G. Vazquez (2) ; Elaine Souza dos Santos (3) (1) Programa de Engenharia Civil, COPPE,

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS ANÁLISE ESTRUTURAL DE CHASSIS DE VEÍCULOS PESADOS COM BASE NO EMPREGO DO PROGRAMA ANSYS José Guilherme Santos da Silva, Francisco José da Cunha Pires Soeiro, Gustavo Severo Trigueiro, Marcello Augustus

Leia mais

Resistência dos Materiais I

Resistência dos Materiais I Resistência dos Materiais I Profa. Patrícia Habib Hallak Prof Afonso Lemonge 3º. Período de 2012 Aspectos gerais do curso Objetivos Gerais Fornecer ao aluno conhecimentos básicos das propriedades mecânicas

Leia mais

ASPECTOS TECNOLÓGICOS DOS AÇOS ESTRUTURAIS

ASPECTOS TECNOLÓGICOS DOS AÇOS ESTRUTURAIS Estruturas de aço. Aspectos tecnológicos e de concepção. Prof. Edson Lubas Silva Agradecimento ao Prof. Dr. Valdir Pignatta pelo material cedido ASPECTOS TECNOLÓGICOS DOS AÇOS ESTRUTURAIS 1 O que é o aço?

Leia mais

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.

Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão. Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode. Disciplina: Resistência dos Materiais Unidade I - Tensão Professor: Marcelino Vieira Lopes, Me.Eng. http://profmarcelino.webnode.com/blog/ Referência Bibliográfica Hibbeler, R. C. Resistência de materiais.

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR ELEMENTOS FINITOS

DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR ELEMENTOS FINITOS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 DIMENSIONAMENTO DE UMA BIELA DE COMPRESSOR HERMÉTICO QUANTO À FADIGA ATRAVÉS DE ANÁLISE POR

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

Análise de tensões em eixos ferroviários usinados, utilizando o método de elementos finitos

Análise de tensões em eixos ferroviários usinados, utilizando o método de elementos finitos Análise de tensões em eixos ferroviários usinados, utilizando o método de elementos finitos 1º Raidam Pereira Fernandes¹*, 2º Bruno Teixeira Barros², 3º Emanuel Amorim Da Silva², 4º Leandro Prates Ferreira

Leia mais

Elementos Finitos. Professor: Evandro Parente Jr. Período: 2009/1

Elementos Finitos. Professor: Evandro Parente Jr. Período: 2009/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ESTRUTURAL E CONSTRUÇÃO CIVIL MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL: ESTRUTURAS E CONSTRUÇÃO CIVIL Elementos Finitos Professor: Evandro

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2).

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)thiago.guolo@outlook.com (2)marciovito@unesc.net

Leia mais

PROJETO DE GRADUAÇÃO II

PROJETO DE GRADUAÇÃO II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TCE - Escola de Engenharia TEM - Departamento de Engenharia Mecânica PROJETO DE GRADUAÇÃO II Título do Projeto: Pórtico Dupla Viga com Duplo Balanço Autores: LUCAS DE MOURA

Leia mais

Conceito de tensão Tensões normais e tensões de corte

Conceito de tensão Tensões normais e tensões de corte Escola Superior Nautica Infante D. Henrique CET Manutenção Mecânica Naval Fundamentos de Resistência de Materiais Conceito de tensão Tensões normais e tensões de corte Tradução: V. Franco Ref.: Mechanics

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO FERRAMENTA NA DEFINIÇÃO DO PERFIL PARA TREM DE POUSO POLIMÉRICO

UTILIZAÇÃO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO FERRAMENTA NA DEFINIÇÃO DO PERFIL PARA TREM DE POUSO POLIMÉRICO UTILIZAÇÃO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO FERRAMENTA NA DEFINIÇÃO DO PERFIL PARA TREM DE POUSO POLIMÉRICO Leonardo José Lottermann (FAHOR) ll001211@fahor.com.br Djone Rafael Viana (FAHOR) dv001140@fahor.com.br

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Ao usar a ampla linha de Barras e Perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

Caso (2) X 2 isolado no SP

Caso (2) X 2 isolado no SP Luiz Fernando artha étodo das Forças 6 5.5. Exemplos de solução pelo étodo das Forças Exemplo Determine pelo étodo das Forças o diagrama de momentos fletores do quadro hiperestático ao lado. Somente considere

Leia mais

Palavras-chave Concreto Armado; Análise e Dimensionamento Estrutural; Vigas; Aplicativo Android.

Palavras-chave Concreto Armado; Análise e Dimensionamento Estrutural; Vigas; Aplicativo Android. Desenvolvimento de um Aplicativo Android de Auxílio no Dimensionamento de Vigas de Concreto Armado Jonathas Iohanathan Felipe de Oliveira 1, Eric Mateus Fernandes Bezerra 2, Raimundo Gomes de Amorim Neto

Leia mais

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny

Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Estudo Comparativo de Cálculo de Lajes Analogia de grelha x Tabela de Czerny Junior, Byl F.R.C. (1), Lima, Eder C. (1), Oliveira,Janes C.A.O. (2), 1 Acadêmicos de Engenharia Civil, Universidade Católica

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

ESTUDO DE TRELIÇAS METÁLICAS PARA COBERTURAS EM DUAS ÁGUAS ATRAVÉS DE OTIMIZAÇÃO TOPOLÓGICA

ESTUDO DE TRELIÇAS METÁLICAS PARA COBERTURAS EM DUAS ÁGUAS ATRAVÉS DE OTIMIZAÇÃO TOPOLÓGICA CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 ESTUDO DE TRELIÇAS METÁLICAS PARA COBERTURAS EM DUAS ÁGUAS ATRAVÉS DE OTIMIZAÇÃO TOPOLÓGICA

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS COMPUTACIONAIS DE SIMULAÇÃO E ANÁLISE DE FLAMBAGEM NO PROJETO MECÂNICO DE UMA UNIDADE DE MOVIMENTAÇÃO LINEAR

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS COMPUTACIONAIS DE SIMULAÇÃO E ANÁLISE DE FLAMBAGEM NO PROJETO MECÂNICO DE UMA UNIDADE DE MOVIMENTAÇÃO LINEAR ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS COMPUTACIONAIS DE SIMULAÇÃO E ANÁLISE DE FLAMBAGEM NO PROJETO MECÂNICO DE UMA UNIDADE DE MOVIMENTAÇÃO LINEAR Vitor Pinto da Cunha, Bolsista CNPq/PIBITI bls_vitor@hotmail.com

Leia mais

1. Definição dos Elementos Estruturais

1. Definição dos Elementos Estruturais A Engenharia e a Arquitetura não devem ser vistas como duas profissões distintas, separadas, independentes uma da outra. Na verdade elas devem trabalhar como uma coisa única. Um Sistema Estrutural definido

Leia mais

ANÁLISE DE TENSÕES ELASTO-PLÁSTICA DE UMA DEFORMAÇÃO PERMANENTE (MOSSA) EM UM DUTO. Fátima Maria Nogueira de Souza SOFTEC Software Technology Ltda

ANÁLISE DE TENSÕES ELASTO-PLÁSTICA DE UMA DEFORMAÇÃO PERMANENTE (MOSSA) EM UM DUTO. Fátima Maria Nogueira de Souza SOFTEC Software Technology Ltda ANÁLISE DE TENSÕES ELASTO-PLÁSTICA DE UMA DEFORMAÇÃO PERMANENTE (MOSSA) EM UM DUTO Fátima Maria Nogueira de Souza SOFTEC Software Technology Ltda Marcello Augustus Ramos Roberto SOFTEC Software Technology

Leia mais

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO 1. Uma mola, com comprimento de repouso (inicial) igual a 30 mm, foi submetida a um ensaio de compressão. Sabe-se

Leia mais

CRITÉRIO PARA CLASSIFICAÇÃO DE NÃO CONFORMIDADES

CRITÉRIO PARA CLASSIFICAÇÃO DE NÃO CONFORMIDADES R. Sebastião Fabiano Dias, nº 210 sl 1201 Belvedere BH MG PROJETO E CÁLCULO DE PONTES ROLANTES BREVE DESCRIÇÃO A análise de Pontes Rolantes visa o aumento de capacidade, repotenciação/modernização, análise

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição Introdução Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Tópicos Especiais em Estruturas (Chapa Dobrada) Professor: Luciano Rodrigues

Leia mais

GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS

GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS COLETÂNEA DO USO DO AÇO GALPÕES EM PÓRTICOS COM PERFIS ESTRUTURAIS LAMINADOS 3ª Edição 2005 Volume 3 Flávio D Alambert Coordenação Técnica: Rosângela C. Bastos Martins Colaboração: Christiane Mirian Haddad

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO Curso de Engenharia Civil Universidade Estadual de Maringá Centro de ecnologia Departamento de Engenharia Civil CPÍULO 6: ORÇÃO Revisão de Momento orçor Convenção de Sinais: : Revisão de Momento orçor

Leia mais

CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA: APLICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES NORMATIVAS

CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA: APLICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES NORMATIVAS CÁLCULO DE LIGAÇÕES EM ESTRUTURA METÁLICA: APLICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES NORMATIVAS Emmyle Marcon Eng. Civil Setor de Eng. METASA S/A emmylemarcon@hotmail.com Zacarias M. Chamberlain Pravia D. Sc., Professor

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

INDICE 3.CÁLCULO PELO MÉTODO SIMPLIFICADO X CÁLCULO COMO PLACAS ISOLADAS...5

INDICE 3.CÁLCULO PELO MÉTODO SIMPLIFICADO X CÁLCULO COMO PLACAS ISOLADAS...5 INDICE 1.INTRODUÇÃO 3 2.OBJETIVO 4 3.CÁLCULO PELO MÉTODO SIMPLIFICADO X CÁLCULO COMO PLACAS ISOLADAS...5 3.1 Caixa d`água Vazia...... 6 3.1.1 Parede XZ (Par 1 e Par 3)... 7 3.1.2. Parede YZ (Par 4 e Par

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO ANALISANDO A RIGIDEZ DO ENGASTAMENTO ENTRE VIGAS E PILARES E UTILIZANDO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO PARA A ANÁLISE DAS TENSÕES ATUANTES NAS LÂMINAS DE UM FEIXE DE MOLAS SEMI-ELÍPTICAS.

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO PARA A ANÁLISE DAS TENSÕES ATUANTES NAS LÂMINAS DE UM FEIXE DE MOLAS SEMI-ELÍPTICAS. DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO PARA A ANÁLISE DAS TENSÕES ATUANTES NAS LÂMINAS DE UM FEIXE DE MOLAS SEMI-ELÍPTICAS. Luiz Daré Neto Odison Coimbra Fernandes Eduardo Carlos Bianchi Rodrigo Daun Monici Universidade

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA AUTOMATIZAÇÃO DE VERIFICAÇÃO ESTRUTURAL DE UMA TORRE METÁLICA DE TELECOMUNICAÇÕES

PROCEDIMENTO PARA AUTOMATIZAÇÃO DE VERIFICAÇÃO ESTRUTURAL DE UMA TORRE METÁLICA DE TELECOMUNICAÇÕES PROCEDIMENTO PARA AUTOMATIZAÇÃO DE VERIFICAÇÃO ESTRUTURAL DE UMA TORRE METÁLICA DE TELECOMUNICAÇÕES Glauco José de Oliveira Rodrigues Coordenação de Pós Graduação e Pesquisa / Engenharia Civil UNISUAM

Leia mais

Vigas Pré-moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 36 metros de vão. Bernardo Zurli Barreira 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2

Vigas Pré-moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 36 metros de vão. Bernardo Zurli Barreira 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2 Vigas Pré-moldadas Protendidas de Pontes Ferroviárias com 36 metros de vão Bernardo Zurli Barreira 1 Fernando Celso Uchôa Cavalcanti 2 1 Beton Stahl Engenharia Ltda / bernardo@betonstahl.com.br 2 Escola

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS

ESTRUTURAS METÁLICAS ESTRUTURAS METÁLICAS Disciplina: Projeto e dimensionamento de estruturas de aço em perfis soldados e laminados. Curso: Especialização em Engenharia de Estruturas Professor: Carlos Eduardo Javaroni Mini

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE MATERIAL COMPOSTO EM EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS

UTILIZAÇÃO DE MATERIAL COMPOSTO EM EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS UTILIZAÇÃO DE MATERIAL COMPOSTO EM EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS Eder Ferreira Broca *, Glauber Dias Martins *, Vanessa Mitchell Ferrari ** Resumo O presente trabalho verificou a possibilidade de utilização

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

PROGRAMA AUTOTRUSS 2.0

PROGRAMA AUTOTRUSS 2.0 PROGRAMA AUTOTRUSS 2.0 Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Departamento de Estruturas LabMeC Autores: Prof. Dr. João Alberto Venegas Requena requena@fec.unicamp.br

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS B. C. S. Lopes 1, R. K. Q. Souza, T. R. Ferreira 3, R. G. Delalibera 4 Engenharia Civil Campus Catalão 1. bcs_90@hotmail.com;. rhuankarlo_@hotmail.com;

Leia mais

VIGA MISTA DE AÇO E CONCRETO CONSTITUÍDA POR PERFIL FORMADO A FRIO PREENCHIDO

VIGA MISTA DE AÇO E CONCRETO CONSTITUÍDA POR PERFIL FORMADO A FRIO PREENCHIDO VIGA MISTA DE AÇO E CONCRETO CONSTITUÍDA POR PERFIL FORMADO... 151 VIGA MISTA DE AÇO E CONCRETO CONSTITUÍDA POR PERFIL FORMADO A FRIO PREENCHIDO Igor Avelar Chaves Maximiliano Malite Departamento de Engenharia

Leia mais

GUILHERME ABREU TOMAZINI. Diretrizes básicas para projetos de vasos de pressão segundo a ASME

GUILHERME ABREU TOMAZINI. Diretrizes básicas para projetos de vasos de pressão segundo a ASME GUILHERME ABREU TOMAZINI Diretrizes básicas para projetos de vasos de pressão segundo a ASME Guaratinguetá 2015 GUILHERME ABREU TOMAZINI DIRETRIZES BÁSICAS PARA PROJETOS DE VASOS DE PRESSÃO SEGUNDO A ASME

Leia mais

4 Estudo Paramétrico. 4.1.Descrição do estudo

4 Estudo Paramétrico. 4.1.Descrição do estudo 76 4 Estudo Paramétrico 4.1.Descrição do estudo Neste capítulo é desenvolvido estudo paramétrico dos galpões industriais considerados, com os objetivos de avaliar a consideração ou não dos efeitos de segunda

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

DETALHAMENTO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO PELO MÉTODO DAS BIELAS E DOS TIRANTES

DETALHAMENTO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO PELO MÉTODO DAS BIELAS E DOS TIRANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL CADERNO DE ENGENHARIA DETALHAMENTO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO PELO MÉTODO DAS BIELAS E DOS TIRANTES

Leia mais

Estruturas Mistas de Aço e Concreto

Estruturas Mistas de Aço e Concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas Mistas de Aço e Concreto Prof. Fernanda Calenzani Programa Detalhado Estruturas Mistas Aço e Concreto 1. Informações Básicas 1.1 Materiais 1.2 Propriedades

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE TEÓRICA-COMPUTACIONAL DE LAJES LISAS DE CONCRETO ARMADO COM PILARES RETANGULARES Liana de Lucca Jardim Borges,1,2 1 Pesquisadora 2 Curso de Engenharia Civil, Unidade Universitária de Ciências Exatas

Leia mais

Estruturas Metálicas Uniderp Estruturas de Aço 2016-1. Prof. Willian de Araujo Rosa, M.Sc.

Estruturas Metálicas Uniderp Estruturas de Aço 2016-1. Prof. Willian de Araujo Rosa, M.Sc. Estruturas Metálicas Uniderp Estruturas de Aço 2016-1 Prof. Willian de Araujo Rosa, M.Sc. Willian de Araujo Rosa Engenheiro Civil UFMS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul Mestre em Engenharia Civil

Leia mais

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections

Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Study of structural behavior of a low height precast concrete building, considering the continuity of beam-column connections Universidade Federal de Viçosa - Av. P.H. Rolfs s/n - Viçosa MG - 36.570-000

Leia mais

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE CÁLCULO ANALÍTICOS E APROXIMADOS DE LAJES BI-DIMENSIONAIS

COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE CÁLCULO ANALÍTICOS E APROXIMADOS DE LAJES BI-DIMENSIONAIS UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ CENTRO TECNOLÓGICO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE CÁLCULO ANALÍTICOS E APROXIMADOS DE LAJES BI-DIMENSIONAIS Paulo Roberto Simon Chapecó

Leia mais

AMBIENTE PEDAGÓGICO INTERATIVO SOBRE O COMPORTAMENTO E O DIMENSIONAMENTO DE VIGAS MISTAS AÇO CONCRETO

AMBIENTE PEDAGÓGICO INTERATIVO SOBRE O COMPORTAMENTO E O DIMENSIONAMENTO DE VIGAS MISTAS AÇO CONCRETO Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 AMBIENTE PEDAGÓGICO INTERATIVO SOBRE O COMPORTAMENTO E O DIMENSIONAMENTO DE VIGAS MISTAS AÇO CONCRETO

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA

RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO DA RESISTÊNCIA DIRETA CONSTRUMETAL CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA São Paulo Brasil 31 de agosto a 02 de setembro 2010 RESISTÊNCIA DE PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO: A NORMA BRASILEIRA NBR 14762 E O MÉTODO

Leia mais

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL 1 I. ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL Conforme já foi visto, a tensão representa o efeito de um esforço sobre uma área. Até aqui tratamos de peças submetidas a esforços normais a seção

Leia mais

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas.

ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço. Maior limpeza de obra: Devido à ausência de entulhos, como escoramento e fôrmas. ESTRUTURA METÁLICA Vantagens da Construção em Aço Menor tempo de execução: A estrutura metálica é projetada para fabricação industrial e seriada, de preferência, levando a um menor tempo de fabricação

Leia mais

3.1.1. Influência do Trabalho a Frio nas Propriedades Mecânicas do Aço

3.1.1. Influência do Trabalho a Frio nas Propriedades Mecânicas do Aço 3 Projeto do Peril 3.1. ntrodução Este capítulo descreve o processo de avaliação da resistência estrutural de seções compostas por chapas de aço dobradas a rio, considerando as características apresentadas

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo IV. Colunas

Estruturas Metálicas. Módulo IV. Colunas Estruturas Metálicas Módulo IV Colunas COLUNAS Definição São elementos estruturais cuja finalidade é levar às fundações as cargas originais das outras partes. Sob o ponto de vista estrutural, as colunas

Leia mais

Gustavo Sobue. Modelagem Paramétrica de Pórticos Rolantes: Estabilidade Estrutural e Otimização

Gustavo Sobue. Modelagem Paramétrica de Pórticos Rolantes: Estabilidade Estrutural e Otimização Gustavo Sobue Modelagem Paramétrica de Pórticos Rolantes: Estabilidade Estrutural e Otimização Dissertação apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para obtenção do título de Mestre

Leia mais

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO CURSO PRÁTICO DE DIAGNOSTICO, REPARO, PROTEÇÃO E REFORÇO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO PROF. FERNANDO JOSÉ RELVAS frelvas@exataweb.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas PROJETO DE ESTRUTURAS COM GRANDES VARANDAS EDUARDO VIEIRA DA COSTA Projeto

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Quando você usa a ampla linha de barras e perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais