Como tirar brevê e quanto isso vai custar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como tirar brevê e quanto isso vai custar"

Transcrição

1 Do paraserpiloto.com Como tirar brevê e quanto isso vai custar Um guia prático, completo e atualizado sobre a formação aeronáutica básica no Brasil Raul Marinho Edição zero Versão

2 (Verso da capa interna) 2

3 3 Aviso de direitos autorais: O inteiro conteúdo desta publicação encontrase depositado na Fundação Biblioteca Nacional, e os respectivos direitos autorais pertencem exclusivamente ao seu autor. Caso haja interesse em reproduzir total ou parcialmente o seu conteúdo, é necessária a autorização expressa do autor. Para entrar em contato, utilize o

4 (Verso do aviso de direitos autorais) 4

5 5 Sumário Introdução à edição zero... 9 Como tudo começou... 9 O blog Para Ser Piloto O livro Para Ser Piloto O e-book/apostila Como tirar brevê - e quanto isso vai custar Edição zero A quem interessará esta publicação Como esta publicação está organizada Páginas de apoio a esta publicação no blog Para Ser Piloto Capítulo 1 Como tirar brevê : O caminho da formação aeronáutica básica para pilotos de avião e de helicóptero no Brasil Inspeções de Saúde: como funcionam os CMAs Tirar o CMA em Hospitais da Aeronáutica ou em clínicas particulares: qual a melhor opção? O que é investigado numa inspeção de saúde para obtenção de CMA Os cursos teóricos e a banca on-line na formação aeronáutica Curso teórico de PP Curso teórico de PC (e um pouco sobre o CCT de PLA) A licença de AP-Aluno Piloto: a autorização para começar a aprender a pilotar A licença de PPA-Piloto Privado de Avião Requisitos de experiência de voo para PPA Avião convencional ou triciclo: qual a melhor opção para o PP? Ground School : uma instrução teórica sobre a prática Fase I: PS-Pré Solo Fase II: AP-Aperfeiçoamento Fase III: NV-Navegação Fase IV: NT-Voos Noturnos O cheque de PPA... 42

6 6 O PP de aeroclube e o PP de luxo A licença de PCA-IFRA/MLTE Requisitos de experiência para a carteira de PCA-IFRA/MNTE Fase I: Horas como PIC diurnas Fase II: Horas como PIC noturnas Fase III: Instrução em duplo-comando IFRA O cheque de PCA Formação de PC-VFR/MNTE: uma opção interessante para casos específicos O que muda, na prática, na formação para obter a carteira de PC-VFR/MNTE 56 Formação de PCA-IFRA/MLTE: a mais completa O treinamento MLTE na prática Instrução prática realizada em aeronave particular (fora do âmbito de aeroclubes/escolas de aviação) Instrução de PPA em avião particular Instrução de PCA (com e sem as habilitações IFRA e MLTE) em avião particular Instrução de MLTE e IFRA em avião particular para PCAs previamente checados em cursos homologados Formação aeronáutica de pilotos de helicóptero A licença de PPH poucas diferenças em relação à licença de PPA A licença de PCH menos horas, e não superposição de outras habilitações em comparação à licença para avião A licença de PLA-Piloto de Linha Aérea (Avião e Helicóptero) Avião X Helicóptero Capítulo 2 Quanto custa tirar brevê : Como estimar os custos da formação aeronáutica básica para pilotos de avião e helicóptero no Brasil Formação de Piloto Comercial de Avião Formação de Piloto Comercial de Helicóptero A lógica dos números e dos cálculos para estimar os custos de formação aeronáutica Os exames médicos... 81

7 7 Parte teórica Parte prática PPA/PCA Parte prática PPH/PCH Exemplos de orçamentos de formação aeronáutica e respectivos fluxos de caixa Exemplo #1: Formação de PCA-IFRA/MLTE Orçamento global da obtenção das carteiras de PPA e PCA-IFRA/MLTE: Formação de PCH Financiamento da formação aeronáutica Construindo fluxos de caixa para a formação aeronáutica Alternativas de financiamentos genéricos para serem utilizados na formação aeronáutica Os amigos que se juntam para comprar um avião de instrução

8 (Verso do índice) 8

9 9 Introdução à edição zero Como tudo começou Eu iniciei minha formação de piloto de avião em 2008, aos 40 anos. Na verdade, ser piloto ( piloto de caça, de preferência) havia sido meu objetivo profissional na infância/adolescência, precocemente interrompido quando fui reprovado no exame oftalmológico da inspeção de saúde para ingressar na EPCAr-Escola Preparatória de Cadetes do Ar (a escola que dá acesso à AFA- Academia da Força Aérea, que forma oficiais aviadores da Aeronáutica), lá nos idos de Mal orientado naquela época, eu entendi que a aviação (civil, inclusive) estaria fora do meu alcance devido aos meus problemas de visão (hipermetropia e astigmatismo). Quando descobri que poderia tornar-me piloto mesmo usando óculos, já estava formado administrador de empresas (eu me graduei na FEA-USP, em 1990), e trabalhando no mercado financeiro (inicialmente no Citibank, onde fui trainee e gerente na área corporate): ganhava bem, estava focado na carreira, e naquele momento eu era muito velho (tinha uns 23 anos) para recomeçar uma carreira do zero. Mas, como dizem os poetas, leva-se muito tempo para a gente se tornar jovem 1, e só aos 40 anos é que eu estava jovem o suficiente para retomar meu sonho de infância, e tornar-me piloto, recomeçando em uma nova carreira. Naquele momento, além do meu trabalho na área financeira (agora, como consultor), eu já atuava há quase dez anos como escritor/colunista (tinha dois livros publicados 2 e escrevia para revistas e sites da área de negócios), e palestrante sobre os temas de negociação & estratégia profissional. Isso (o meu trabalho como consultor e escritor/palestrante) me dava uma elevada flexibilidade de tempo para poder, por exemplo, ir para o Campo de Marte voar numa 4ª feira à tarde, se não tivesse nenhum compromisso agendado. E assim, foi possível começar minha formação aeronáutica, na mesma época em que mantinha um blog pessoal cujo foco era os assuntos dos meus livros, o Toca Raul!!! 3. 1 A frase, atribuída ao pintor espanhol Pablo Picasso, originalmente seria Lleva tiempo llegar a ser joven". 2 O meu primeiro livro é Prática na Teoria Aplicações da Teoria dos Jogos e da Evolução aos Negócios, publicado pela Editora Saraiva, com a 1ª edição em 2005, e a 2ª (revista em ampliada) em 2011; e o segundo é Teoria dos Jogos Aplicada aos Relacionamentos, um audiobook publicado pela Universidade Falada (Editora Alyá) em O blog Toca Raul!!! ainda está ativo (embora com pouquíssimas atualizações de 2011 para cá).

10 10 E foi nesse blog pessoal que, em outubro de 2009, eu publiquei meu primeiro artigo sobre formação aeronáutica, o Para ser piloto (como tirar brevê ) 4. Depois, eu publiquei mais uma meia-dúzia de posts sobre aviação ainda no Toca Raul!!!, até que em 2011, a quantidade de acessos e comentários aos meus artigos sobre formação aeronáutica (só o post original obteve quase 500 comentários!) estava muito superior aos textos sobre os demais assuntos do blog (que, supostamente, eram os principais): negociação, estratégia, Economia, etc. Foi quando eu resolvi iniciar um novo blog, exclusivo sobre formação aeronáutica: o Para Ser Piloto, que começou em março de O blog Para Ser Piloto No início de 2011, na época em que eu comecei com o Para Ser Piloto, eu estava terminando o meu curso de PCA-Piloto Comercial de Avião na modalidade visual e monomotor (depois eu me habilitei para voar por instrumentos e multimotores em aeronave particular) numa escola de aviação próxima a São Paulo, e estava me debatendo com a questão do cheque de PCA com 140h de voo (o normal seria checar com 150h de voo). Pela minha interpretação do RBHA (que vigia à época), eu poderia checar minha licença com 140h de voo se tivesse mais de 10h de experiência em simulador homologado, mas a escola onde eu voava teimava em afirmar que isto não seria aprovado pela ANAC. Procurei ajuda em todo lugar e não encontrei, até que resolvi arriscar: chequei com 140h de experiência, fui aprovado no cheque, enviei a documentação para a ANAC, e... Minha licença foi deferida! Poxa, que legal! Mas quanta gente também estaria vivendo situação semelhante e não tinha a quem recorrer? Foi então que eu publiquei um artigo explicando porque seria viável checar o PCA com menos de 150h, em que condições isso seria possível, e mostrar minha própria experiência com o assunto 6. Foi a partir daí que eu posicionei o meu blog como uma ferramenta de coaching de formação aeronáutica : o objetivo do blog passou a ser o de tentar ajudar pessoas que não tinham a quem recorrer em casos como o do cheque de PCA com 140h de experiência de voo ou que passaram pelo que eu passei na EPCAr, quase 30 anos antes! Com isso, o blog foi crescendo, e ganhando mais e mais leitores, já que a demanda reprimida por este tipo de informação era enorme. Então, eu comecei a incorporar elementos da minha formação original (fora da aviação) ao blog, principalmente sobre estratégia e posicionamento profissionais, e a resposta foi 4 Este post está reproduzido como uma página do blog Para Ser Piloto. 5 O RBHA-61 foi o regulamento sobre concessão de licenças e habilitações que precedeu o RBAC- 61, hoje em vigor. 6 Trata-se do post Cheque de PC com 140h.

11 11 muito positiva. Na aviação, existe uma forte influência do fator QI ( Quem Indica ) nas contratações de pilotos, principalmente na aviação executiva, e isto é um tema que está no foco dos meus livros publicados anteriormente, que eu trouxe para o blog com ótimos resultados. Posteriormente, eu também comecei a me preocupar com outros assuntos relacionados à formação aeronáutica, como a instrução no exterior, os cursos superiores de aviação, etc., com o mesmo espírito de prestar um serviço de coaching de formação aeronáutica, com boa resposta junto aos leitores. Finalmente, eu incorporei o assunto segurança de voo ao blog, com uma parceria com o SERIPA-IV para a publicação de informações sobre segurança aeronáutica. Isso fechou o trio de assuntos de que o blog trata atualmente: Formação aeronáutica + Mercado de trabalho para pilotos + Segurança de voo. Mas eis que chega o fatídico dia 22 de junho de 2012, quando o novo regulamento sobre a emissão de licenças e habilitações foi publicado pela ANAC (o RBAC-61), e do dia para a noite, a maioria dos posts sobre formação aeronáutica do blog ficou obsoleta. Foi então que eu decidi escrever um livro sobre os temas do blog, de modo a incorporar todas as novidades do novo regulamento num único lugar, ao mesmo tempo em que mantinha o blog com uma linha mais editorial/opinativa sobre as questões que ele se propõe a abordar. Basicamente, a ideia inicial do livro era atualizar os posts de formação aeronáutica à luz do novo RBAC-61, incluir alguns textos sobre mercado de trabalho e segurança de voo, e pronto: seria coisa de algumas semanas para que o livro estivesse pronto. O livro Para Ser Piloto O livro Para Ser Piloto, conforme seu formato atual (provavelmente, muito próximo do definitivo), está estruturado em torno de uma parte central (a Parte II), que trata do processo de formação aeronáutica de pilotos de avião e de helicóptero, com os seguintes capítulos: 1) Como tirar brevê, que é o post original lá do Toca Raul!!!, só que muito mais amplo, e atualizado para o RBAC-61; 2) Quanto custa tirar brevê, que é um dos artigos mais populares do blog Para Ser Piloto, também ampliado e atualizado; 3) Formação aeronáutica complementar, que trata do Jet Training, do certificado de proficiência em inglês ICAO, das habilitações de Instrutor de Voo e de Piloto Agrícola, etc.; 4) Cursos superiores de aviação, que explora as faculdades de Ciências Aeronáuticas, de Aviação Civil, e de Tecnólogo em Pilotagem Profissional de Aeronaves;

12 12 5) Formação aeronáutica no exterior, para explicar como funciona a instrução aeronáutica fora do Brasil (principalmente nos EUA); e 6) LPTM-Licença de Piloto de Tripulação Múltipla, que aborda a nova possibilidade de licença publicada no RBAC-61. Além desta Parte II central, existem ainda: A Parte I, que trata das informações prévias sobre ser piloto, com os seguintes capítulos: 1) O que é ser piloto profissional, com as principais possibilidades de trabalho na aviação comercial e geral; 2) O universo da formação aeronáutica, com a explicação sobre o funcionamento dos aeroclubes e das escolas de aviação, além de considerações sobre a atuação das autoridades aeronáuticas (especialmente a ANAC) no processo de formação de pilotos; e 3) Sobre a decisão de se tornar piloto profissional, que é uma orientação prática para ajudar a pessoa interessada em seguir a carreira de piloto na sua decisão profissional; A Parte III, que é específico sobre o mercado de trabalho para pilotos, com os seguintes capítulos: 1) Como funciona o mercado de trabalho para pilotos, com a explicação sobre as diferenças entre a aviação geral e comercial, e seu interrelacionamento em termos de mercado de trabalho; 2) QI & Relacionamentos, que visa desmistificar o principal mecanismo de contratação da aviação, e ajudar o leitor a construir estratégias eficientes para sua empregabilidade; e 3) Aplicações de altruísmo recíproco para pilotos, que é um resumo adaptado do meu livro Prática na Teoria para o contexto da aviação; A Parte IV, sobre coaching de formação aeronáutica, dividida entre os seguintes capítulos: 1) Como escolher o seu aeroclube/escola, específico sobre esta que é uma das primeiras decisões importantes no processo de formação aeronáutica; 2) Coaching para quem possui recursos escassos, que explora as melhores estratégias para serem usadas por quem tem condições financeiras restritas para efetuar a formação aeronáutica; e

13 13 3) Casos reais de coaching de formação aeronáutica, que reproduzirá alguns dos casos mais interessantes que foram abordados no blog; A Parte V, que trata de outros assuntos de interesse para pilotos, nos seguintes capítulos: 1) Segurança de voo, com muita informação sobre o tema, obtida na parceria do blog com o SERIPA-IV, principalmente; 2) Bolsas de estudo e programas de formação de pilotos, em que exploraremos em especial o Programa ASA de formação de pilotos, da Azul Linhas Aéreas; e 3) Acessórios para pilotos, em que falaremos sobre os gadgets mais populares entre os pilotos e estudantes de aviação, com especial destaque para o uso dos tablets na atividade aeronáutica; O Epílogo, no final do livro, com o tema mais importante da aviação em geral e da instrução aeronáutica em particular, que é a Ética na aviação ; A Introdução, em seu início, com informações Sobre o autor e uma Apresentação do livro ; e, finalmente O Prefácio, que ficará a cargo do Cmte Mauro Silva, um ultra-experiente piloto de avião e de helicóptero da aviação geral. Como se vê, o livro ficou muito mais amplo do que eu imaginava quando decidi escrevê-lo, e as poucas semanas que esperava levar para concluí-lo não chegaram nem perto do necessário. O fato é que, cerca de seis meses depois de iniciado, o livro ainda estava, segundo a minha percepção, em cerca de 50% de seu formato final. O chato disso tudo é que, com este atraso, o blog permanecia desatualizado, com alguns posts ainda baseados no antigo RBHA-61, revogado em 22/julho/2012 posts estes que eu pretendia eliminar com a publicação do livro. Foi então que eu decidi antecipar a publicação dos capítulos 1 e 2 da Parte II Como tirar brevê e Quanto custa tirar brevê para o mais cedo possível, de modo a poder eliminar imediatamente a informação obsoleta que o blog carregava. É por isto que eu decidi lançar esta publicação antes do livro que, refletindo depois, achei uma ideia tão interessante que resolvi que vou mantê-la mesmo quando o livro ficar pronto, uma vez que grande parte das pessoas quer somente se informar sobre como funciona o processo básico de formação aeronáutica e quanto ele vai custar. Eu não quero obrigar ninguém a comprar um livro inteiro só para ler dois de seus capítulos, e acho que seria muito mais justo disponibilizar somente a informação que o leitor precisa. Mesmo porque, se a pessoa realmente quiser prosseguir com sua formação

14 14 aeronáutica, ela certamente vai querer conhecer o restante da informação que o livro contém. O e-book/apostila 7 Como tirar brevê - e quanto isso vai custar Edição zero. Esta publicação, portanto, é a antecipação de dois capítulos do futuro livro Para Ser Piloto, de modo a permitir a aposentadoria dos posts que ficaram obsoletos no blog Para Ser Piloto depois da publicação do RBAC-61. E o fato de esta ser a edição zero é para permitir que, depois que o livro for publicado, o e-book/apostila e o livro tenham os números de suas respectivas edições sincronizados. Assim, haverá a 1ª edição do livro e a 1ª edição do e- book/apostila lançadas simultaneamente, a 2ª edição do livro e a 2ª do e- book/apostila, e assim por diante: sempre que houver justificativa para o lançamento de novas edições, estas ocorrerão ao mesmo tempo, tanto no livro quanto no e-book/apostila. Na verdade, já está previsto haver a necessidade de uma nova edição desta publicação para breve (talvez até antes de o livro ser lançado), quando entrarem em vigor os novos RBACs 140 e 141, que tratam dos aeroclubes e das escolas de aviação (o que inclui as novas versões dos manuais dos cursos de pilotos), que estão em fase de consulta pública na ANAC. Quando isso acontecer, quem tiver adquirido esta publicação receberá a nova edição, no formato e-book, sem custo adicional e, antes disto, as alterações já estarão disponíveis assim que ocorrerem nas respectivas páginas de apoio no blog Para Ser Piloto. Além disso, quem quiser adquirir o livro Para Ser Piloto (quando ele ficar pronto, evidentemente) obterá um desconto equivalente ao dobro do preço deste e-book no caso da apostila, infelizmente não será possível manter a mesma regra, uma vez que a maior parte de seu custo se refere às despesas de impressão/encadernação e frete, e o desconto será idêntico ao concedido para quem adquirir o e-book. O valor do livro ainda não está definido, mas supondo que ele venha a custar R$100,00, quem adquiriu este e-book por R$9,90 terá R$19,80 de desconto na compra do livro (mesmo desconto concedido a quem tiver adquirido a apostila), ou seja: ele custará somente R$80,20 para você.esta é uma promoção exclusiva para esta edição zero, que não se repetirá nas edições subsequentes que ainda irão gerar descontos para quem adquirir o livro posteriormente, mas no mesmo valor que o que foi pago pelo e-book. 7 Inicialmente, a intenção era editar somente o e-book, já que esta deveria ser uma publicação provisória, para durar somente até o livro ficar pronto. Mas coma a editora que eu escolhi permite que se publique também na modalidade apostila (impressa em gráfica e enviada ao leitor pelo correio), que pode ser interessante para quem não gosta do formato digital, eu resolvi disponibilizar o texto também neste formato.

15 15 A quem interessará esta publicação Esta publicação tem por objetivo atender às necessidades de informações sobre formação aeronáutica dos seguintes públicos: I) Quem está avaliando a possibilidade de iniciar sua formação aeronáutica; e II) Quem já está em processo de formação aeronáutica, em qualquer estágio. O texto que está nesta publicação foi escrito da maneira mais ampla possível dentro do que ocorre na prática. Isso significa que ela engloba as formações de Piloto Privado e de Piloto Comercial, de avião e de helicóptero e, no caso de avião, oferece as opções de ter ou não as habilitações de Voo por Instrumentos (IFR) e de condução de aeronaves da classe dos multimotores terrestres (MLTE). Refira-se ao sumário desta edição para ter uma ideia mais precisa dos assuntos que esta publicação cobre. Como esta publicação está organizada Além desta introdução, esta publicação possui, conforme já citado, dois capítulos, que serão comentados em seguida. Como estes capítulos foram extraídos do futuro livro Para Ser Piloto, neles há referências para outros capítulos do livro que não estarão presentes nesta publicação. Mas, fora isso, estes capítulos são completamente autônomos, e funcionam perfeitamente de maneira independente só não dá para entender o capítulo 2 sem ter lido o capítulo 1 anteriormente (logo veremos por que). Capítulo 1: Como tirar brevê Neste capítulo, a formação aeronáutica de pilotos de avião e de helicópteros é explorada em suas três dimensões principais: as inspeções de saúde, os cursos teóricos, e o treinamento prático. Mesmo estando apoiado nos manuais de cursos de pilotos da ANAC e nos regulamentos aeronáuticos RBAC- 61 e RBAC-67, a preocupação é mostrar como a formação aeronáutica acontece no dia-a-dia da instrução aeronáutica brasileira. E, apesar de o foco estar na formação realizada em aeroclube/escola de aviação até a obtenção da licença de Piloto Comercial, também são abordadas as opções de formação em aeronave particular, e o caso dos PPs de luxo (ou PPs de aeroclube ) quem não pretende se profissionalizar na aviação, mas pode querer agregar habilitações à sua carteira de PP-Piloto Privado). Não é preciso que se leia todo o capítulo: o leitor pode se concentrar somente nas opções que lhe interessam. Por exemplo: quem quer ser piloto de avião em curso homologado não precisa ler a parte que trata dos pilotos de helicóptero, ou dos PPs de luxo. Entretanto, para entender como se tornar piloto de helicóptero, é importante conhecer como se tornar piloto de avião

16 16 primeiro, pois no texto explicativo sobre a formação em asa rotativa só é explicado o que muda em relação à asa fixa. E a parte sobre inspeções de saúde e cursos teóricos abrange todas as opções de formação descritas no capítulo. Ao final, existe um artigo Avião X Helicóptero que foi um dos mais lidos no blog, e que é muito interessante para compreender as diferenças entre as carreiras nas duas diferentes categorias de aeronaves. Além disso, este artigo começa a entrar no assunto dos custos da formação aeronáutica, que é o tema do capítulo seguinte. Capítulo 2: Quanto custa tirar brevê Conforme já alertado, para entender este capítulo é necessário ter lido o capítulo anterior, pois todos os custos se relacionam à mecânica de funcionamento da formação aeronáutica nele explicada. Inicialmente, são apresentadas algumas receitas para que se obtenha um valor aproximado dos custos de formação aeronáutica, que deverão ser suficientes para quem somente está avaliando a possibilidade de se tornar piloto. Entretanto, para quem já se decidiu por iniciar sua formação de piloto, ou já está no meio dela, é essencial que se passe para os cálculos mais precisos explicados em seguida, mesmo porque esta é uma excelente maneira de se compreender com maior profundidade como funciona todo o processo de formação aeronáutica. Para facilitar os cálculos, há planilhas eletrônicas disponíveis para serem baixadas na página de links do e-book (vide descrição abaixo). Neste capítulo, além dos custos da formação aeronáutica, também são abordados os respectivos fluxos de caixa uma inovação que não consta em nenhum texto do blog. Isto, na prática, é tão importante quanto saber os valores a serem gastos, pois sem saber quando se tem que gastar, a informação de quanto se vai gastar fica meio sem sentido. E, no caso da formação aeronáutica, o fluxo de caixa é muito peculiar, com períodos em que a concentração de despesas é muito maior que em outros daí a importância de se conhecer o fluxo de caixa da formação aeronáutica. Outra relevância de se conhecer estes fluxos de caixa é permitir que se tome melhores decisões no caso de ser necessário financiar parte da instrução. E, ao final deste capítulo, eu reproduzo um artigo que publiquei no blog Canal Piloto, sobre o caso dos amigos que querem se associar na compra de uma aeronave de instrução objeto de acaloradas discussões nos intervalos dos cursos teóricos nos aeroclubes/escolas de aviação Brasil afora. Páginas de apoio a esta publicação no blog Para Ser Piloto No blog Para Ser Piloto, existem três páginas de apoio a esta publicação, a seguir descritas. Nelas, somente haverá referências ao e-book (embora elas sejam igualmente aplicáveis à apostila) por uma questão de simplicidade. É muito importante que o leitor desta publicação conheça estas páginas, tanto para complementar as informações daqui, quanto para se relacionar com o

17 17 autor e com os outros leitores na solução de dúvidas ou questões específicas, assim como para ajudar a tornar esta publicação melhor no futuro. Página Dúvidas & Comentários Esta página é exclusiva para a postagem de dúvidas e comentários sobre esta publicação, por parte de seus leitores. Página Errata & Atualizações Nesta página, estarão descritas (e corrigidas, é claro!) todas as informações incorretas que forem sendo detectadas e/ou erros de ortografia ou gramática percebidos; assim como as atualizações sobre assuntos tratados nesta publicação que já contem com novidades sobre o tema. Os leitores podem denunciar os erros e sugerir atualizações pela seção de comentários da página. Página Links do e-book Aqui, estão concentrados todos os links citados nesta publicação (com o símbolo ), apresentados na ordem em que eles aparecem no texto. Na seção de comentários, os leitores podem sugerir outros links que possam interessar aos demais. Agradeço pela sua aquisição, e espero poder corresponder às suas expectativas. Um grande abraço, Raul Marinho

18 18

19 19 Capítulo 1 Como tirar brevê : O caminho da formação aeronáutica básica para pilotos de avião e de helicóptero no Brasil Existem vários caminhos possíveis para se tornar piloto profissional (isto é: obter a licença de PC-Piloto Comercial, que é a primeira que possibilita pilotar profissionalmente), e diversas possibilidades de habilitações a serem incorporadas a esta licença, necessárias para poder pilotar diferentes aeronaves 8 em diversas condições de voo 9, ou para realizar atividades específicas na aviação, como dar instrução de voo, lançar paraquedistas, pilotar aeronaves agrícolas, e assim por diante 10. Além disso, a formação de um piloto pode ser feita no Brasil ou no exterior 11 ; voando em aeronaves particulares, ou em cursos práticos homologados dos aeroclubes e das escolas de aviação; obtendo a instrução teórica nestes mesmos aeroclubes/escolas, ou em faculdades de Ciências Aeronáuticas, Aviação Civil, ou de Tecnologia em Pilotagem Profissional de Aeronaves 12 ; sem contar que a formação pode ser orientada para pilotar aviões, helicópteros ou outras categorias de aeronaves 13, o que amplia ainda mais as possibilidades a serem consideradas numa análise ampla do tema como tirar brevê. Entretanto, vamos nos concentrar em somente três aspectos neste capítulo: 8 Por poder pilotar diferentes aeronaves, entende-se obter as habilitações de CLASSE mono e multimotor terrestre ou anfíbia, e as aeronaves leves desportivas; além das habilitações de TIPO, para pilotar aviões mais sofisticados (turboélices e jatos) ou helicópteros. 9 Principalmente a habilitação IFR, que permite pilotar por instrumentos em condições meteorológicas desfavoráveis ao voo visual. 10 As outras habilitações possíveis, de acordo com o RBAC-61 são: rebocador de planador, e piloto de acrobacia. Além destas, há ainda a autorização para atuar como piloto de ensaios em voo, de acordo com a IS No Capítulo 5 desta mesma parte, iremos explorar a questão da formação aeronáutica realizada no exterior, em comparação com a formação no Brasil. 12 No Capítulo 4, também desta parte, será abordada a questão dos cursos superiores da aviação. 13 Além de avião e de helicóptero, são categorias de aeronaves: o planador, o balão livre, o dirigível, e a recentemente incorporada à legislação aeronave de sustentação por potência (que, na prática, ainda não existe no Brasil).

20 20 1) A formação realizada no Brasil, em cursos teóricos e práticos homologados dos aeroclubes e das escolas de aviação, ou quando a instrução prática é realizada em aeronaves particulares; 2) A incorporação ou não somente das habilitações de IFRA, de voo pelas regras de instrumentos para avião, e de MLTE, de condução de aviões multimotores terrestres (para o caso de pilotos de avião); e, adicionalmente: 3) As possibilidades de formação para pilotar avião ou helicóptero (neste último caso, sem considerar a habilitação IFRH, de voo por instrumentos em helicóptero 14 ). Inicialmente, nosso foco neste capítulo será a formação de pilotos de aviões, realizada integralmente em aeroclube/escola, e com o objetivo de obter a carteira de PCA-IFRA/MNTE que significa a licença de Piloto Comercial de Avião com as habilitações para voar por instrumentos, e para pilotar aviões da CLASSE dos monomotores terrestres. Entendida esta formação básica, em seguida nós vamos compreender as variações nas habilitações de IFRA e de MNTE (incluindo a habilitação de MLTE, para pilotar aviões da classe de multimotor terrestre ), e abordar as possibilidades de formação prática fora de aeroclube/escola de aviação (total ou parcialmente). E, finalmente, realizaremos as principais adaptações para explicar as diferenças existentes para a formação de pilotos de helicópteros. Na formação aeronáutica tradicional em contraposição à formação alternativa, que é a nova licença de PTM-Piloto de Tripulação Múltipla 15, para alcançar a licença de PC, é necessária a prévia obtenção da licença de PP-Piloto Privado, que não permite trabalhar na aviação (apesar de que, se a intenção não for profissionalizar-se na aviação, é possível ficar só com a licença de PP indefinidamente, e ir agregando habilitações a ela, caso necessário). E da mesma forma com que a licença de PP é indispensável para obter a licença de PC; posteriormente, a licença de PC será necessária para alcançar a licença de PLA- Piloto de Linha Aérea, que também é utilizada para pilotar profissionalmente, porém com mais prerrogativas para o seu detentor, principalmente a de poder comandar aeronaves de linha aérea, pois o PC só pode comandar aeronaves da aviação geral (táxis aéreos e aviões executivos, principalmente) ou ser copiloto 14 A habilitação IFRH, que é considerada uma formação complementar, será explorada no capítulo 3 desta parte, sobre formação aeronáutica complementar, uma vez que este capítulo é dedicado à formação básica. 15 No capítulo 6 desta parte, iremos explorar detalhadamente a licença de PTM-Piloto de Tripulação Múltipla, que foi recentemente incorporada à regulamentação, e ainda não possui nenhum caso concreto no Brasil.

Como tirar brevê e quanto isso vai custar

Como tirar brevê e quanto isso vai custar Do paraserpiloto.com Como tirar brevê e quanto isso vai custar Um guia prático, completo e atualizado sobre a formação aeronáutica básica no Brasil Raul Marinho Edição zero Versão 0.02 (Inclui as alterações

Leia mais

LICENÇAS, HABILITAÇÕES E CERTIFICADOS PARA PILOTOS. Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010.

LICENÇAS, HABILITAÇÕES E CERTIFICADOS PARA PILOTOS. Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 61 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: LICENÇAS, HABILITAÇÕES E CERTIFICADOS PARA PILOTOS. Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. Origem: SSO SUMÁRIO

Leia mais

RBHA 61 RBHA 61 REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E INS- TRUTORES DE VÔO

RBHA 61 RBHA 61 REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E INS- TRUTORES DE VÔO RBHA 61 REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E INS- TRUTORES DE VÔO ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 61, APROVADO PELA RESOLUÇÃO N 5, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2006, PUBLICADA NO DOU Nº 239,

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS N o 61-001 Aprovação: Assunto: Portaria n o 2.363/SSO, de 1 de dezembro de 2011, publicada no Diário Oficial da União nº 231, S/1, pág. 2, de 2 de dezembro de 2011. Procedimentos

Leia mais

RBHA 61 - REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E DE INS- TRUTORES DE VÔO

RBHA 61 - REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E DE INS- TRUTORES DE VÔO RBHA 61 - REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E DE INS- TRUTORES DE VÔO Este arquivo contém o texto do RBHA 61 no formato gráfico de uma coluna. Incorpora as alterações introduzidas até a

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 61 EMENDA nº 04

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 61 EMENDA nº 04 Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 61 EMENDA nº 04 LICENÇAS, HABILITAÇÕES E CERTIFICADOS PARA PILOTOS. Aprovação: Resolução ANAC nº 237, de 5 de junho de 2012. Origem: SPO SUMÁRIO

Leia mais

PROGRAMA LÍDER DE FORMAÇÃO DE PILOTOS

PROGRAMA LÍDER DE FORMAÇÃO DE PILOTOS PROGRAMA LÍDER DE FORMAÇÃO DE PILOTOS Conheça as principais vantagens sobre o programa, informações sobre o mercado de trabalho, esclareça as suas dúvidas com as perguntas frequentes e confira o Edital.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MPR-060-001/SSO Revisão 00 Assunto: PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DE NORMAS E CRITÉRIOS TÉCNICO-PEDAGÓGICOS CONCERNENTES À OPERACIONALIZAÇÃO DOS EXAMES TEÓRICOS DE PROFICIÊNCIA

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS Nº 67-003 Aprovação: Portaria nº 1775/SPO, de 8 de julho de 2015. Assunto: Procedimentos para preenchimento online dos dados do Certificado Médico Aeronáutico no Sistema de

Leia mais

PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO JUSTIFICATIVA

PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO JUSTIFICATIVA PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO 1. APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA 1.1 A presente Justificativa expõe as razões

Leia mais

Proposta de alteração do RBAC 135 (Minuta de proposta de alteração do RBAC 135)

Proposta de alteração do RBAC 135 (Minuta de proposta de alteração do RBAC 135) RBAC 135 EMD 03 RBAC 135 EMD 04 para consulta pública SUBPARTE A SUBPARTE A GERAL GERAL 135.1 Aplicabilidade 135.1 Aplicabilidade (a) Este regulamento estabelece regras que regem: (a) Este regulamento

Leia mais

ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização)

ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização) ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização) MANUAL DE INSTRUÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA ESCOLA DE AVIAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (OASP) SÃO PAULO 2014

Leia mais

Projeto Bolsa Piloto FAQ destinado aos Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil

Projeto Bolsa Piloto FAQ destinado aos Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Projeto Bolsa Piloto FAQ destinado aos Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Como faço para concorrer a uma bolsa? O processo seletivo de alunos está sendo realizado pela Secretaria de Aviação Civil SAC/PR.

Leia mais

AEROCLUBE DE SÃO PAULO

AEROCLUBE DE SÃO PAULO _ Síntese da programação e atividades de instrução O Curso de Formação de Piloto Privado de Avião e Helicóptero tem como finalidade preparar o aluno para exercer a atividade nas aeronaves brasileiras,

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43 012 Aprovação: Portaria Nº 786/SAR, de 25 de março de 2013, publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2013, Seção 1, pág. 2, republicada no Diário Oficial

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: SALTOS DE PARAQUEDAS Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. Origem: SSO/GPNO SUMÁRIO SUBPARTE A - GERAL 105.1

Leia mais

Informativo. Piloto Privado

Informativo. Piloto Privado Informativo Piloto Privado PP Este curso é o primeiro passo para quem deseja se tornar um piloto de helicóptero ou avião. O detentor de uma licença de piloto privado atuará como piloto em comando, ou como

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 141 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 141 EMENDA nº 00 Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 141 EMENDA nº 00 CENTROS DE INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL, DESTINADOS À FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE TRIPULANTES DE VOO, TRIPULANTES DE CABINE E DESPACHANTES

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. Define e torna pública a qualificação dos instrutores dos cursos de PPA, PPH, PCA, PCH, PLA-A, PLA-H, INVA, IFR, PAGA, PAGH, CMV, -CEL, -GMP, -AVI e

Leia mais

O DCERTA como Ferramenta de Gerenciamento de Risco para Operadores Aéreos de Baixa Complexidade

O DCERTA como Ferramenta de Gerenciamento de Risco para Operadores Aéreos de Baixa Complexidade O DCERTA como Ferramenta de Gerenciamento de Risco para Operadores Aéreos de Baixa Complexidade CARLOS MONTINO DE OLIVEIRA Especialista em Regulação da Aviação Civil Gerência de Controle de Riscos Aeronáuticos

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS NORMA GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS DA PUCRS A D E Q U A Ç Ã O O Diretor da Faculdade de Ciências Aeronáuticas (FACA) da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande

Leia mais

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas?

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? 2 Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? É SOBRE ISSO QUE VOU FALAR NESTE TEXTO. A maioria das empresas e profissionais

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. Institui o Regulamento Brasileiro da Aviação Civil RBAC e a Instrução Suplementar IS, estabelece critérios para a elaboração

Leia mais

O Curso Piloto Privado Avião - PPA

O Curso Piloto Privado Avião - PPA O Curso Piloto Privado Avião - PPA Esta coleção de slides foi preparada por Paulo Dirceu Dias, de Sorocaba, SP, com a finalidade de oferecer informações básicas aos possíveis interessados nas atividades

Leia mais

Boletim de Aeronavegabilidade

Boletim de Aeronavegabilidade Edição Campo Grande/MS Número 004/2014 Em outubro de 2014, a Superintendência de Aeronavegabilidade SAR, por intermédio da Gerência Técnica de Aeronavegabilidade de Brasília (GTAR/DF) realizou a Ação de

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO PRÁTICO DE PILOTO PRIVADO - AVIÃO.

REGULAMENTO DO CURSO PRÁTICO DE PILOTO PRIVADO - AVIÃO. ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL DE POUSO ALEGRE EAPA REGULAMENTO DO CURSO PRÁTICO DE PILOTO PRIVADO - AVIÃO. Esta publicação deve ser distribuída aos alunos no ato da inscrição / matrícula e ficará em local de

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 173/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-ANF C-170A 22SET2012 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I - Das Disposições Preliminares

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I - Das Disposições Preliminares O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: LEI N o 7.183, DE 5 DE ABRIL DE 1984. Regula o exercício da Profissão de Aeronauta, e dá outras providências. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL Secretaria de Navegação Aérea Civil

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL Secretaria de Navegação Aérea Civil x PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL Secretaria de Navegação Aérea Civil EDITAL Nº 02/2015 SENAV/SAC-PR PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS PARA FORMAÇÃO DE PILOTOS PARA A AVIAÇÃO

Leia mais

O Curso Piloto Privado Avião - PPA

O Curso Piloto Privado Avião - PPA O Curso Piloto Privado Avião - PPA Esta coleção de slides foi preparada por Paulo Dirceu Dias, de Sorocaba, SP, com a finalidade de oferecer informações básicas aos possíveis interessados nas atividades

Leia mais

Relatório de análise das contribuições referentes à audiência pública n o 10/2014, do REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL n o 61 - RBAC n o 61

Relatório de análise das contribuições referentes à audiência pública n o 10/2014, do REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL n o 61 - RBAC n o 61 , do REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL n o 61 - RBAC n o 61 Setembro 2014 221 contribuições Contribuição n o 1 Colaborador: Thatiane Cardoso Favero Instituição: Trike Ícaros Ind. Aeronáutica Ltda

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA INSTRUTOR DE VOO PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA Este é um manual de apoio ao programa de instrução adotado pelo Aeroclube de Piracicaba, para qualquer dúvida além desse manual consultar o MMA 58-16 através

Leia mais

AEROCLUBE DE SÃO PAULO

AEROCLUBE DE SÃO PAULO _ Síntese da programação e atividades de instrução O Curso de Formação de Piloto Comercial (IFR) tem como finalidade preparar o aluno para exercer a atividade profissional nas diversas empresas aéreas

Leia mais

PLANO DE AULA PARA O CURSO TEÓRICO DE PILOTO PRIVADO DE PLANADOR (PPL)

PLANO DE AULA PARA O CURSO TEÓRICO DE PILOTO PRIVADO DE PLANADOR (PPL) PLANO DE AULA PARA O CURSO TEÓRICO DE PILOTO PRIVADO DE PLANADOR (PPL) PLANO DE AULA CURSO TEÓRICO PPL Sumário INTRODUÇÃO... 2 DOS CURSOS TEÓRICOS:... 2 DOS CURSOS PARA PILOTO:... 3 DOS EXAMES TEÓRICOS

Leia mais

Minuta IS IFR Prático (Avião)

Minuta IS IFR Prático (Avião) Minuta IS IFR Prático (Avião) Ronaldo Wajnberg Gamermann Especialista em Regulação de Aviação Civil Gerência Geral de Ação Fiscal GGAF / NURAC POA Gerência Técnica de Organizações de Formação GTOF Gerência

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Tanara Caleffi. São José dos Campos. Março de 2012

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Tanara Caleffi. São José dos Campos. Março de 2012 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Tanara Caleffi São José dos Campos Março de 2012 Apresentação e Formação Acadêmica Meu nome é Tanara Caleffi, eu tenho quarenta e seis anos e nasci em Porto Alegre

Leia mais

"Manual de Acesso ao Moodle - Discente" 2014

Manual de Acesso ao Moodle - Discente 2014 "Manual de Acesso ao Moodle - Discente" 2014 Para acessar a plataforma, acesse: http://www.fem.com.br/moodle. A página inicial da plataforma é a que segue abaixo: Para fazer o login, clique no link Acesso

Leia mais

Regulamentação da Profissão de Aeronauta

Regulamentação da Profissão de Aeronauta Regulamentação da Profissão de Aeronauta Elisangela Gomes Soares de Castilho 1 Maria Bernadete Miranda 2 Resumo Regulamentação da Profissão de Aeronauta diz respeito ao estudo dos principais meios de regulamentação

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO OPERACIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO OPERACIONAL RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO OPERACIONAL AERONAVE EA500 (ECLIPSE AEROSPACE INC., ICAO EA50) RIO DE JANEIRO, BRASIL ORIGINAL OUTUBRO, 2012 ANAC, Rio de Janeiro, Brasil 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 2. RESUMO DESCRITIVO

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 057/CENIPA/2012 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-GSX EMB-201 A 14NOV2002 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 14 Qualificações do Pessoal Aeronáutico Página 1/29 Índice Parte A: Generalidades..4 14.001 Aplicabilidade 4 14.003

Leia mais

ITIL V3 Expert: escolhas são sempre os primeiros passos.

ITIL V3 Expert: escolhas são sempre os primeiros passos. ITIL V3 Expert: escolhas são sempre os primeiros passos. Este será um post meio longo, e eu não medirei esforços pra fazer os interessados entenderem o processo de certificação ITIL Expert, e por quem

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Qualificações do Pessoal Aeronáutico

Qualificações do Pessoal Aeronáutico Normativo Técnico 14 Qualificações do Pessoal Aeronáutico PARTE A: GENERALIDADES... 4 14.001 APLICABILIDADE... 4 14.003 DEFINIÇÕES... 4 14.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 4 PARTE B: QUALIFICAÇÕES DO PESSOAL AERONÁUTICO...

Leia mais

O QUE QUEREMOS DA AVIAÇÃO BRASILEIRA SE NÃO TEMOS SEQUER UM PROJETO DE ENSINO AERONÁUTICO?

O QUE QUEREMOS DA AVIAÇÃO BRASILEIRA SE NÃO TEMOS SEQUER UM PROJETO DE ENSINO AERONÁUTICO? O QUE QUEREMOS DA AVIAÇÃO BRASILEIRA SE NÃO TEMOS SEQUER UM PROJETO DE ENSINO AERONÁUTICO? NÃO HÁ SETOR ECONÔMICO O COMPETITIVO QUE QUEREMOS NO MUNDO DA AVIAÇÃO QUE BRASILEIRA NÃO CONTE QUANDO COM ENSINO

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 00-003 Aprovação: Portaria nº 1014/SPO, de 29 de abril de 2015. Assunto: Exames de conhecimentos teóricos para concessão de licenças, habilitações e certificados. Origem:

Leia mais

PAYBACK - CALCULANDO O TEMPO NECESSÁRIO PARA RECUPERAR O INVESTIMENTO

PAYBACK - CALCULANDO O TEMPO NECESSÁRIO PARA RECUPERAR O INVESTIMENTO PAYBACK - CALCULANDO O TEMPO NECESSÁRIO PARA RECUPERAR O INVESTIMENTO Cálculo e interpretação do Payback Desvantagens do Payback Vantagens do Payback Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador

Leia mais

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Marketing Digital de resultado para Médias e Pequenas Empresas Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados

Leia mais

EDITAL. Processo Seletivo para Concessão de Bolsas para Piloto Privado de Avião e Piloto Comercial de Avião

EDITAL. Processo Seletivo para Concessão de Bolsas para Piloto Privado de Avião e Piloto Comercial de Avião EDITAL Processo Seletivo para Concessão de Bolsas para Piloto Privado de Avião e Piloto Comercial de Avião O Aeroclube de Bento Gonçalves - Termo de Convênio nº 00006/2007; Aeroclube de Carazinho - Termo

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A.

Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A. Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A. Este RBHA-E deve ser colocado junto ao RBHA 121 e revoga o RBHA-E 92 Este arquivo contém o texto do RBHA-E 92A no formato

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS Departamento de Treinamento de Voo

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS Departamento de Treinamento de Voo NORMA GERAL DAS PRÁTICAS DE VOO DO CURSO DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS DA PUCRS O Diretor da Faculdade de Ciências Aeronáuticas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), no uso de suas

Leia mais

ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE. Por: Alexandre Maldonado

ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE. Por: Alexandre Maldonado ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE Por: Alexandre Maldonado Autor do site Marketing para E- commerce www.marketingparaecommerce.com.br TERMOS DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

REPRESENTANTE. Tudo que você precisa saber para organizar seu dia a dia. www.meuspedidos.com.br

REPRESENTANTE. Tudo que você precisa saber para organizar seu dia a dia. www.meuspedidos.com.br REPRESENTANTE COMERCIAL Tudo que você precisa saber para organizar seu dia a dia www.meuspedidos.com.br QUANTO VALE SEU TEMPO? Você já parou para pensar quanto vale seu tempo? Vou mostrar um breve cálculo

Leia mais

http://emailsgratis.net

http://emailsgratis.net E-book GRATUITO Brinde aos visitantes do site Copyright 2014 Daniel Neves Todos os Direitos Reservados REVENDA PROIBIDA Conteúdo Introdução... 3 Pronto pra aprender o método que aplicará a sua lista de

Leia mais

Licenciamento do Pessoal Aeronáutico

Licenciamento do Pessoal Aeronáutico Normativo Técnico 7 Licenciamento do Pessoal Aeronáutico PARTE A: Generalidades... 10 7.001 Aplicabilidade 10 7.003 Definições 10 7.005 Siglas/Acrónimos 12 PARTE B: Licenças, Qualificações e Autorizações...

Leia mais

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul O segredo do sucesso da sua empresa é conhecer e entender o que entra e o que sai do caixa durante um dia, um mês ou um ano. 1 Fluxo de caixa: organize

Leia mais

Table of Contents DIREITOS AUTORAIS PESQUISA DA VIABILIDADE FINANCEIRA DO SEU NICHO... DESENVOLVA SUA Habilidade!

Table of Contents DIREITOS AUTORAIS PESQUISA DA VIABILIDADE FINANCEIRA DO SEU NICHO... DESENVOLVA SUA Habilidade! Table of Contents DIREITOS AUTORAIS PESQUISA DA VIABILIDADE FINANCEIRA DO SEU NICHO... DESENVOLVA SUA Habilidade! 3 4 7 2 DIREITOS AUTORAIS Autora RITA PEREIRA Primeira edição: Abril de 2015 O conteúdo

Leia mais

A grande verdade é que a maioria das empresas está perdendo muito dinheiro tentando criar um negócio online.

A grande verdade é que a maioria das empresas está perdendo muito dinheiro tentando criar um negócio online. Você gostaria de aprender o que os negócios campeões em vendas online fazem? Como eles criam empresas sólidas na internet, que dão lucros por vários e vários anos? A grande verdade é que a maioria das

Leia mais

Faturamento. Lista de Tickets

Faturamento. Lista de Tickets Faturamento A gestão do seu Faturamento no sistema FLOWww divide-se em várias funcionalidades para que você possa organizar-se melhor e ter tudo a mão em um único click. Lista de Tickets A lista de tickets

Leia mais

OFICIAIS PILOTO DE AVIAÇÃO COMERCIAL (M/F)

OFICIAIS PILOTO DE AVIAÇÃO COMERCIAL (M/F) REFª 0310/TA/OV OFICIAIS PILOTO DE AVIAÇÃO COMERCIAL (M/F) REQUISITOS MÍNIMOS DE CANDIDATURA: - Idade mínima de 21 anos máxima de 40 anos (inclusive); - Licença de Piloto Comercial de Avião, com qualificações

Leia mais

Aeroclube de São Paulo. Regulamento do Curso Prático de Instrutor de Voo INVA

Aeroclube de São Paulo. Regulamento do Curso Prático de Instrutor de Voo INVA Regulamento do Curso Prático de Instrutor de Voo INVA São Paulo Junho de 2015 1 Sumário 1. Identificação da Escola... 3 2. Considerações Iniciais... 4 3. Finalidade deste Regulamento... 5 4. Identificação

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS TEÓRICOS DE PPA PPH PCA PCH IFR (na modalidade EAD)

REGULAMENTO DOS CURSOS TEÓRICOS DE PPA PPH PCA PCH IFR (na modalidade EAD) 1 ESCLARECIMENTO Definição de EaD EaD Educação a Distância, por definição, é um processo educativo em que a aprendizagem é realizada com a separação física geográfica e/ou temporal entre participante (aluno)

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 032/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-OID 310R 26FEV2010 ADVERTÊNCIA Conforme

Leia mais

Copyright 2013 Academia NED. Todos os Direitos Reservados. AcademiaNED.com.br

Copyright 2013 Academia NED. Todos os Direitos Reservados. AcademiaNED.com.br Copyright 2013 Academia NED Todos os Direitos Reservados AcademiaNED.com.br CONTEÚDO Introdução... 4 1 - Certifique-se de que sua FanPage é atraente... 5 a. Foto de Capa... 5 b. Foto de Perfil... 5 c.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

Um vitorioso Projeto Cultural e de Capacitação Profissional

Um vitorioso Projeto Cultural e de Capacitação Profissional Um vitorioso Projeto Cultural e de Capacitação Profissional Treinaseg Comércio, Consultoria e Treinamento em Seguros Ltda Alameda Glete, 52 1º andar Campos Elíseos. São Paulo SP CEP 01215-000 Tel: (11)

Leia mais

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery 12 Razões Para Usar Lightroom André Nery André Nery é fotógrafo em Porto Alegre. Arquitetura e fotografia outdoor, como natureza, esportes e viagens, são sua área de atuação. Há dez anos começou a ministrar

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

'(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2.,1752'8d 2

'(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2.,1752'8d 2 0,1,67e5,2'$$(521È87,&$ '(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2 6Ë0%2/2 '$7$ &$7(*25,$ ',675,%8,d 2,$& (;3(',d 2 ()(7,9$d 2 3130-121-1296 12/Dez/96 31/Dez/96 NOSER D - ET - X 7Ë78/2 352&(',0(1726

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS nº 00-002 REVISÃO A

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS nº 00-002 REVISÃO A INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS nº 00-002 Aprovação: Portaria n o 2.177/SSO, 9 de novembro de 2011, republicada no Diário Oficial da União, N o 231, Seção 1, página 2, de 2 de dezembro de 2011. Assunto:

Leia mais

Gestão de Pessoas - 4w

Gestão de Pessoas - 4w P á g i n a 1 Gestão de Pessoas - 4w Modulo Administração de Pessoal (Rubi) Processo: Férias P á g i n a 2 Sumário 1 Conceito... 3 1.1 Parametrizações no Sistema... 3 1.1.1 - Sindicato... 3 1.1.2 - Situações...

Leia mais

2011/2012 - Kit Piloto Automático => http://www.kitpilotoautomatico.com

2011/2012 - Kit Piloto Automático => http://www.kitpilotoautomatico.com 1 1 2 APRESENTAÇÃO Olá, Como vai, tudo bem? Meu nome é Devair F Morais, 35 anos, sou Empresário Individual, Programador de Sistemas PHP/MySQL e Web Marketing há aproximadamente 9 anos, moro em São Sebastião

Leia mais

Política de Afiliados

Política de Afiliados Política de Afiliados Obrigações do Produtor 1- Pagamento de R$1.000 a cada venda do Programa Expert Milionário que será gerenciada pela plataforma POST AFILIATE da produtora 2- Caso o afiliado venda mais

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

Sumário. O que fazemos 3. Conversão para ebooks 5. Criação de ebooks 8. Transforme em ebook ou revista 11. Serviços de editoração 14

Sumário. O que fazemos 3. Conversão para ebooks 5. Criação de ebooks 8. Transforme em ebook ou revista 11. Serviços de editoração 14 Produção de ebooks Produção de ebooks Sumário O que fazemos 3 Conversão para ebooks 5 Criação de ebooks 8 Transforme em ebook ou revista 11 Serviços de editoração 14 Serviços de marketing e distribuição

Leia mais

ez Flow Guia do Usuário versão 1.0 experts em Gestão de Conteúdo

ez Flow Guia do Usuário versão 1.0 experts em Gestão de Conteúdo ez Flow Guia do Usuário versão 1.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2 1.1 Público alvo... 3 1.2 Convenções... 3 1.3 Mais recursos... 3 1.4. Entrando em contato com a ez... 4 1.5. Direitos autorais e marcas

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS Departamento de Treinamento de Voo

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS Departamento de Treinamento de Voo NORMA GERAL DAS PRÁTICAS DE VOO DO CURSO DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS DA PUCRS O Diretor da Faculdade de Ciências Aeronáuticas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), no uso de suas

Leia mais

RBAC Nº 65 (versão para audiência pública)

RBAC Nº 65 (versão para audiência pública) NPR: RBAC Nº 65 - LICENÇAS, HABILITAÇÕES E REGRAS GERAIS PARA DESPACHANTE OPERACIONAL DE VOO E MECÂNICO DE MANUTENÇÃO AERONÁUTICA RBHA 65 (Nota: Os requisitos desta coluna estão fora da ordem para que

Leia mais

Módulo NF-e. Manual de Utilização

Módulo NF-e. Manual de Utilização Módulo NF-e Manual de Utilização 1 Conteúdo Passo-a-passo para emissão de NF-e... 3 1. Obtendo seu Certificado Digital... 3 2. Registrando-se na Secretaria da Fazenda para Homologação (testes)... 4 3.

Leia mais

Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral

Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral Objetivo da Nossa Aliança: Criar um Programa exclusivamente dedicado à Aviação Geral, em especial aos Proprietários e Pilotos

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL MARCAS DE IDENTIFICAÇÃO, DE NACIONALIDADE E DE MATRÍCULA. Aprovação: Resolução ANAC nº 220, de 20 de março de 2012, publicada no Diário Oficial da União

Leia mais

Como funciona o site treinamento técnico ON-LINE?

Como funciona o site treinamento técnico ON-LINE? Manual do Usuário INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO TREINAMENTO ON LINE A ATIC Tecnologia do Brasil Ltda. com o objetivo de atender aos seus diversos clientes, oferece treinamentos EAD - Educação a Distância

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Revisão B

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Revisão B s INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Aprovação: Portaria nº 7, de 2 de janeiro de 2014, publicada no Diário Oficial da União de 3 de janeiro de 2014, Seção 1, página 2. Assunto: Programa de Manutenção

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 Título: OPERAÇÃO DE AERONAVES DE ASAS ROTATIVAS COM CARGAS EXTERNAS Aprovação: Resolução ANAC nº 174, de 9 de novembro de 2010, publicada

Leia mais

MINISTÉRIO DA AERONÁÚTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO SÍMBOLO DATA CATEGORIA DISTRIBUIÇÃO EFETIVAÇÃO 09.11.

MINISTÉRIO DA AERONÁÚTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO SÍMBOLO DATA CATEGORIA DISTRIBUIÇÃO EFETIVAÇÃO 09.11. MINISTÉRIO DA AERONÁÚTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO SÍMBOLO DATA CATEGORIA DISTRIBUIÇÃO IAC -3135-137-1095 EXPEDIÇÃO 20.10.95 09.11.95 NOSER D-HC-GV-SE-SR-IN-X TITULO: VÔO AGRÍCOLA

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R 8 DICAS ESSENCIAIS PARA ESCOLHER SUA CORRETORA W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R Aviso Importante O autor não tem nenhum vínculo com as pessoas, instituições financeiras e produtos, citados, utilizando-os

Leia mais

Manual do Professor versão 2.0. FTD Sistema de Ensino

Manual do Professor versão 2.0. FTD Sistema de Ensino Manual do Professor versão 2.0 FTD Sistema de Ensino Plataforma Digital do FTD Sistema de Ensino Concepção Fernando Moraes Fonseca Jr Arquitetura e coordenação de desenvolvimento Rodrigo Orellana Arquitetura,

Leia mais

Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional Subfunção: 128 - Formação de Recursos Humanos UO: 52201 - Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC

Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional Subfunção: 128 - Formação de Recursos Humanos UO: 52201 - Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC Programa 0630 Desenvolvimento da Aviação Civil Numero de Ações 14 Ações Orçamentárias 0B09 Apoio a Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Produto: Entidade apoiada Esfera: 10 Função: 05 - Defesa Nacional

Leia mais

Nota: As informações apresentadas abaixo têm caráter meramente informativo, não devendo ser utilizadas como instrumento legal.

Nota: As informações apresentadas abaixo têm caráter meramente informativo, não devendo ser utilizadas como instrumento legal. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL ANAC GERÊNCIA GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS AERONÁUTICOS GGCP PROCESSOS DE HOMOLOGAÇÃO SUPLEMENTAR DE TIPO (HST) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES Nota: As informações apresentadas

Leia mais

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER ÍNDICE Por que utilizar Business Intelligence no call center? Introdução Business Intelligence na área de saúde Por que usar Business Intelligence

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de. REGULAMENTO (CE) n.º.../.. DA COMISSÃO. relativo a requisitos de pessoal

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de. REGULAMENTO (CE) n.º.../.. DA COMISSÃO. relativo a requisitos de pessoal PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas C Projecto de REGULAMENTO (CE) n.º.../.. DA COMISSÃO de [ ] relativo a requisitos de pessoal (Texto relevante para efeitos do EEE) PT PT Projecto de

Leia mais

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 Página: 1 de 12 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 7. ADMINISTRAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO

Leia mais

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 218423502 / Fax:

Leia mais

MISSÃO DA AFA http://www.afa.aer.mil.br/afa/

MISSÃO DA AFA http://www.afa.aer.mil.br/afa/ MISSÃO DA AFA http://www.afa.aer.mil.br/afa/ Formar os Oficiais de carreira da Aeronáutica dos Quadros de Oficiais Aviadores (CFOAv), Intendentes (CFOInt) e de Infantaria da Aeronáutica (CFOInf), desenvolvendo,

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 097/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-LPZ C500 18MAI2013 ADVERTÊNCIA Conforme

Leia mais