Monitores. Conceito Sistemas Operacionais II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monitores. Conceito Sistemas Operacionais II"

Transcrição

1 Monitores Conceito Sistemas Operacionais II

2 Monitores Autores Daniel Artur Seelig Fábio Lutz Local Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática Sistemas Operacionais II Professor Cláudio Geyer Versão: v12, setembro 2011

3 Índice Visão Geral... Conceito... Idéia Geral... Variáveis de Condição... Exemplo de Monitor... Esquema de um Monitor... Exercício... Conclusão... Bibliografia...

4 Motivação Mecanismo mais elegante que semáforos Propiciar programação mais correta Visão Geral Um monitor pode ser visto como um bloco que contém internamente dados locais e procedimentos para manipular estes dados que são acessíveis apenas aos procedimentos do próprio monitor

5 Visão Geral (continuação) Os procedimentos são executados de forma mutuamente exclusiva quando chamados pelos processos (tarefas) Dessa forma, um monitor garante exclusão mútua na manipulação de seus dados. 2 monitores são independentes, isto é: Podem ser chamados (usados) concorrentemente por 2 tarefas

6 Conceito de Monitor São mecanismos utilizados por muitas linguagens de programação (tais como Pascal Concorrente, Modula, Euclid Concorrente, etc) que permitem a sincronização de processos. Até o surgimento de Java, de modo geral as linguagens que aplicavam o conceito de monitores eram linguagens acadêmicas ou restritas a uma comunidade específica (empresas,...). C# (criada pela MS após Java) também faz uso do conceito de monitores

7 Conceito de Monitor (continuação) São mecanismos de alto nível (de fácil utilização) para sincronização e intercomunicação de processos e que impõem uma boa estruturação aos programas concorrentes que os utilizam.

8 Idéia Geral Monitores são, na realidade, estruturas de dados abstratas com facilidades para sincronização de processos. São semelhantes aos objetos da programação orientada a objetos Em alguns aspectos

9 Sinalização Tendo resolvido o problema de exclusão mútua no acesso a dados compartilhados Como combinar monitores com sinalização? Semáforos? Primitivas block e wakeup?

10 Variáveis de Condição Além dos tipos de dados usuais, pode-se usar um tipo de dados especial: CONDITION. São variáveis que só podem ser declaradas internamente a monitores e são acessíveis apenas através de operações especiais: WAIT e SIGNAL.

11 As operações WAIT e SIGNAL colocam os processos à espera (WAIT) de condições que serão sinalizadas (SIGNAL) por outros processos, ou seja um processo aguarda devido estado do monitor estar em situação de exceção Por exemplo, buffer cheio até que outro sinalize através de uma variável CONDITION a possibilidade de continuar sua execução Devido estado do monitor ter sido alterado Por exemplo, um espaço foi liberado no buffer

12 Um SIGNAL sobre uma variável CONDITION vazia (nenhum processo bloqueado) Efeito nulo Sinalização perdida Similar às primitivas block e wakeup de baixo nível (SO) Ou às vars de condição de Posix threads Diferente da sinalização por semáforos Alteram valor do semáforo

13 Questões de sincronização no wait/signal A) Após WAIT, qual o estado da exclusão mútua? É liberada para que outro processo possa entrar no monitor e executar o SIGNAL Entrar ou continuar: ver mais adiante em SIGNAL B) quem é acordado pelo SIGNAL? Preferência por uma fila FIFO na variável CONDITION De qq. modo, somente algum processo que tenha feito WAIT na mesma CONDITION

14 Questões de sincronização no wait/signal C) quem fica com a seção crítica (lock da exclusão mútua) após o SIGNAL? Solução C1: O processo que executa o SIGNAL Evita troca de contexto, mais eficiente Acordado (pode) recebe monitor quando o sinalizador sair Solução C2: O processo acordado Garante um acesso imediato aos dados do monitor, os quais devem estar em um bom estado para o acordado Propiciaria programas mais corretos Sinalizador (pode) recebe monitor quando acordado sair

15 Questões de sincronização no wait/signal C) quem fica com a seção crítica (lock da exclusão mútua) após o SIGNAL? Solução C3: Chamada do SIGNAL deve ser o último comando da procedure Quem faz SIGNAL logo sai do monitor liberando a exclusão mútua Solução mista» não há troca de contexto forçada» Acordado executa imediatamente

16 Questões de sincronização no wait/signal C) quem fica com a seção crítica (lock da exclusão mútua) após o SIGNAL? Geral: Observar que, qualquer que seja a solução, pode haver vários processos não bloqueados por wait esperando a seção crítica» Na fila de entrada do monitor» Dentro do monitor após diversos SIGNAL Quando um processo sai e libera o monitor, o monitor deve escolher um desses Filas FIFO? Prioridade à fila de entrada ou à interna?

17 Monitores Exemplo Abstrato Exemplo de Monitor (esquema, caso abstrato) Monitor <nome> Integer X, Y Condition C, D Procedure P(arg1,..., argp)... Wait(D)... End Procedure Q(arg1,..., argp)... Wait(C)... End

18 Monitores Exemplo Abstrato Procedure R(arg1,..., argp)... Signal(C)... End % Inicialização dos dados do monitor. X:=0 Y:=0 end <nome>;

19 Monitores - Esquema Esquema de um Monitor

20 Monitores técnicas Técnicas de programação Antes de um WAIT ou um SIGNAL Manter as variáveis do monitor em um estado consistente Devido eventual perda do lock do monitor Outra tarefa passa a usar o monitor

21 Monitores técnicas Técnicas de programação Evitar bloqueios perpétuos Obs.: tópico de SOII adiante Por exemplo: Dois processos e dois monitores Processo 1 entra no monitor A Processo 2 entra no monitor B Processo 1 tenta entrar no monitor B e bloqueia Processo 2 tenta entrar no monitor A e bloqueia

22 Monitores técnicas Técnicas de programação Exclusão mútua forte implícita Independe do comportamento dos procedimentos Por exemplo, procedimentos somente de leitura aos dados também bloqueiam outros processos leitores Procedimento que somente lê uma constante: bloqueia e é bloqueado pelos outros procedimentos

23 Monitores leitores e escritores Exemplo com leitores e escritores Um arquivo é compartilhado por diversos processos. Como fazer para controlar o acesso dos processos a esse arquivo sem que sejam executadas escritas e leituras simultâneas? Escreva um monitor para resolver esse problema.

24 Monitores - Exercício Solução Dicas Leituras e escritas propriamente ditas: fora do monitor Procedures do monitor são usadas para permitir condicionalmente a escrita ou a leitura Obs.: solução a seguir exige uma função sobre variável de condição Saber se a fila está vazia ou não

25 Exemplo pseudo-código Monitor Readers_and_writers Integer #_readers initial 0 Boolean active_writer initial false Condition OK_to_read, OK_to_write Procedure Start_Read if active_writer or not empty(ok_to_write) then wait(ok_to_read) #_readers:=#_readers+1 signal(ok_to_read) End

26 Exemplo pseudo-código (continuação) Procedure End_Read #_readers:=#_readers-1 if #_readers=0 then signal(ok_to_write) End Procedure Start_Write if #_readers>0 or active_writer then wait(ok_to_write) active_writer:=true End

27 Exemplo pseudo-código (continuação) Procedure End_Write active_writer:=false if not empty(ok_to_read) then signal(ok_to_read) else signal(ok_to_write) End End Readers_and_Writers

28 Monitores - Conclusão Conclusão Monitores são muito úteis na implementação de programação concorrente Oferecem exclusão mútua e sinalização Exclusão mútua Padrão, sem opções Sinalização Por variáveis de condição e wait/signal Os procedimentos do monitor são reentráveis São considerados de mais alto nível que semáforos

29 Monitores - Conclusão Conclusão Evitam certos tipos de erros básicos pelos programadores como: Valor inicial errado Esquecer de usar o semáforo... Mas não evitam todos os erros como: Usar monitor errado Usar instância errada em caso de OO Usar variável de sinalização errada Esquecer de sinalizar

30 Monitores - Conclusão Conclusão Menos flexíveis que semáforos e locks Por exemplo Não é possível alterar ordem no uso das primitivas lock/unlock (ou P e V) Isto pode ser útil em caso de várias seções críticas

31 Conclusão A reentrância é necessária: visto que apesar de nunca se ter mais de um processo simultaneamente em execução no monitor, pode-se ter os procedimentos sendo executados de forma parcial e intercalada por vários processos Devido à semântica do wait/signal Liberam lock do monitor

32 Conclusão Há diversos estudos sobre as possibilidades de uso dos diferentes mecanismos de sincronização Prova da correção Soluções de problemas similares...

33 Bibliografia Introdução aos Sistemas Operacionais, Simão Sirineo Toscani, Instituto de Informática, UFRGS, 1996 Livros sobre PC do Andrews Em geral, todos os livros de SO onde PC é um tópico importante Tanenbaum, Silberschatz,...

34 Revisão Revisão Qual a relação entre dados e procedimentos nos monitores? Como os monitores resolvem o problema da exclusão mútua? Como os monitores resolvem o problema de sinalização?

35 Revisão Revisão Quem deve ser acordado? Quem fica com a seção crítica ( running no monitor) após a) Um WAIT? B)um SIGNAL? Duas alternativas em SIGNAL: prós e contras? Qual o efeito de um SIGNAL se a fila de bloqueados está vazia? Qual cuidado se deve ter ao fazer um BLOCK ou um SIGNAL?

36

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais AULA 09 Sincronização de Processos - II Monitores Conforme comentamos, o uso equivocado dos semáforos pode levar a uma situação de deadlock, por isso devemos tomar cuidado ao programar utilizando este

Leia mais

Monitores. Setembro de 2009. Monitores

Monitores. Setembro de 2009. Monitores Setembro de 2009 mecanismo de sincronização clássico referência influência de conceitos de programação estruturada C. A. R. Hoare, Monitors: an operating system structuring concept, Communications of the

Leia mais

Sincronização de Processos (4) Monitores

Sincronização de Processos (4) Monitores Sincronização de Processos (4) Monitores Monitores (1) Sugeridos por Dijkstra (1971) e desenvolvidos por Hoare (1974) e Brinch Hansen (1975), são estruturas de sincronização de alto nível, que têm por

Leia mais

Revisão Ultima aula [1/2]

Revisão Ultima aula [1/2] SOP - TADS Comunicação Interprocessos - 2 IPC Prof. Ricardo José Pfitscher dcc2rjp@joinville.udesc.br Material cedido por: Prof. Rafael Rodrigues Obelheiro Prof. Maurício Aronne Pillon Revisão Ultima aula

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução Processo cooperativo é aquele que pode afetar outros processos em execução no sistema Ou ser por eles afetado Processos

Leia mais

Programação Concorrente na Linguagem Vale 4

Programação Concorrente na Linguagem Vale 4 Programação Concorrente na Linguagem Vale 4 por Simão Sirineo Toscani VII Simpósio Brasileiro de Linguagens de Programação SBLP 2003 Ouro Preto,, MG, Brasil Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande

Leia mais

Remote Procedure Call. Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1

Remote Procedure Call. Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1 Remote Procedure Call Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1 Autoria Autores C. Geyer Local II-UFRGS Versão V11.4 2014-2 Disciplinas SOII Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC

Leia mais

Computação Concorrente (MAB-117) Monitores

Computação Concorrente (MAB-117) Monitores Computação Concorrente (MAB-117) Monitores Prof. Silvana Rossetto 1 Departamento de Ciência da Computação (DCC) Instituto de Matemática (IM) Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Maio de 2012 1.

Leia mais

Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1

Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1 Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 1 Autores C. Geyer Local II-UFRGS Versão v6 2008-2 Disciplinas SOII Programação distribuída e paralela (C. Geyer) RPC 2 Bibliografia base original dos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 11 Sincronização de Processos Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Sincronização. Cooperação entre Processos

Sincronização. Cooperação entre Processos Sincronização Parte II Programação Concorrente Cooperação entre Processos Vários processos executam em conjunto uma ou mais tarefas, nas quais Competem por recursos Indicam uns aos outros a: Ausência/existência

Leia mais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Monitores Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Embora os semáforos sejam uma boa solução para o problema da exclusão mútua, sua utilização não é trivial. O programador é obrigado a

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Threads

Programação Orientada a Objetos Threads Threads Prof. Edwar Saliba Júnior Janeiro de 2013 1 Introdução Multithreading: fornece múltiplas threads de execução para a aplicação; permite que programas realizem tarefas concorrentemente; às vezes

Leia mais

Sistemas Operacionais. Capítulo 7 Sincronização e Comunicação entre Processos

Sistemas Operacionais. Capítulo 7 Sincronização e Comunicação entre Processos Sistemas Operacionais Capítulo 7 Sincronização e Comunicação entre Processos Baseado no Livro e Material de Apoio de Arquitetura de Sistemas Operacionais 3ª edição - LTC - 2004 Francis Berenger Machado

Leia mais

Sincronização e Comunicação entre Processos. Adão de Melo Neto

Sincronização e Comunicação entre Processos. Adão de Melo Neto Sincronização e Comunicação entre Processos Adão de Melo Neto 1 INTRODUÇÃO Em um sistema multitarefa os processos alternam sua execução segundo critérios de escalonamento estabelecidos pelo sistema operacional.

Leia mais

9 - Sincronização e Comunicação entre Processos

9 - Sincronização e Comunicação entre Processos 1 9 - Sincronização e Comunicação entre Processos 91 Introdução Em um sistema multitarefa, seja com um único processador ou com mais de um processador ou ainda com vários núcleos por processador, os processos

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Sincronização entre Processos Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Sincronização Freqüentemente, os processos precisam se comunicar com outros processos. Isto ocorre quando

Leia mais

BC1518-Sistemas Operacionais. Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br

BC1518-Sistemas Operacionais. Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br BC1518-Sistemas Operacionais Sincronização de Processos (aula 5 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br Roteiro Semáforos Monitores Passagem de Mensagem Exemplos em S.O.

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 08: Sincronização de Processos. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 08: Sincronização de Processos. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 08: Sincronização de Processos Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Objetivos Introduzir o problema da seção crítica, cujas soluções podem ser usadas

Leia mais

Sistemas Operacionais Sincronização e Comunicação entre Processos

Sistemas Operacionais Sincronização e Comunicação entre Processos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Sincronização e Comunicação entre Processos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com

Leia mais

Threads em Java. Sistemas Operacionais - Laboratório Professor Machado

Threads em Java. Sistemas Operacionais - Laboratório Professor Machado Threads em Java Sistemas Operacionais - Laboratório Professor Machado 1 Conceitos de Programação Concorrente Uma unidade concorrente é um componente de um programa que não exige a execução seqüencial,

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Programação Concorrente

Programação Concorrente Programação Concorrente Monitores e Troca de Mensagens Monitores Considere que, no projeto da solução do produtor-consumidor com semáforos, os 2 downs tenham sido trocados Se o buffer estiver cheio deadlock

Leia mais

Sincronização de Processos (1) Mecanismos de busy wait

Sincronização de Processos (1) Mecanismos de busy wait Sincronização de Processos (1) Mecanismos de busy wait Condições de Corrida Exemplo: Fila de impressão. Qualquer processo que queira imprimir precisa colocar o seu documento na fila de impressão (compartilhada).

Leia mais

Fundamentos. Módulo 6: Sincronização de Processos. Bounded-Buffer (Cont.) Bounded-Buffer

Fundamentos. Módulo 6: Sincronização de Processos. Bounded-Buffer (Cont.) Bounded-Buffer Módulo 6: Sincronização de Processos Fundamentos Fundamentos O problema das regiões críticas Hardware de Sincronização Semáforos Problemas Clássicos de Sincronização Regiões Críticas Monitores Sincronização

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SINCRONIZAÇÃO E COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 07, PÁGINA 101 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional sistemas multiprogramáveis Os sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Evitando conflitos em aplicações multi-thread no Delphi/Kylix

Evitando conflitos em aplicações multi-thread no Delphi/Kylix LABORATÓRIO DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS - OOLAB Evitando conflitos em aplicações multi-thread no Delphi/Kylix Edmilson dos Santos de Jesus Salvador, março de 2002. ÍNDICE Agradecimentos............ 2 Aplicações

Leia mais

Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0

Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0 Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia de Viseu Engenharia de Sistemas e Informática Sistemas Operativos - 2005/2006 Trabalho Prático v1.0 Introdução O presente trabalho prático visa

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Controle e descrição de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Representação e controle de processos pelo SO Estrutura

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos e Threads Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que são Processos? Uma abstração de um programa em execução. Mantêm a capacidade de operações (pseudo)concorrentes,

Leia mais

Udesc/Ceplan Bacharelado em Sistemas de Informação Sistemas Operacionais. Prof. Alexandre Veloso alexandre.matos@udesc.br

Udesc/Ceplan Bacharelado em Sistemas de Informação Sistemas Operacionais. Prof. Alexandre Veloso alexandre.matos@udesc.br Programação Concorrente [Parte 2] Udesc/Ceplan Bacharelado em Sistemas de Informação Sistemas Operacionais Prof. Alexandre Veloso alexandre.matos@udesc.br Condição de Corrida Uma forma de um processo comunicar-se

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

Monitores. Paulo Sérgio Almeida. Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho

Monitores. Paulo Sérgio Almeida. Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho Monitores Paulo Sérgio Almeida Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho c 2006 2008 Paulo Sérgio Almeida Monitores 1 Problemas com semáforos Semáforo é uma primitiva

Leia mais

Fundamentos de Programaçã. ção Concorrente

Fundamentos de Programaçã. ção Concorrente Java 2 Standard Edition Fundamentos de Programaçã ção Concorrente Helder da Rocha www.argonavis.com.br 1 Programação concorrente O objetivo deste módulo é oferecer uma introdução a Threads que permita

Leia mais

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008 Tabela de Símbolos Análise Semântica A Tabela de Símbolos Fabiano Baldo Após a árvore de derivação, a tabela de símbolos é o principal atributo herdado em um compilador. É possível, mas não necessário,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

MC504 - Sistemas Operacionais

MC504 - Sistemas Operacionais MC504 - Sistemas Operacionais Algoritmo da Padaria Problema dos Produtores e Consumidores Primitivas de Sincronização Islene Calciolari Garcia Primeiro Semestre de 2014 Sumário 1 Algoritmo da Padaria 2

Leia mais

Filas. A ordem de saída corresponde diretamente à ordem de entrada dos elementos. Fila de caixa bancário

Filas. A ordem de saída corresponde diretamente à ordem de entrada dos elementos. Fila de caixa bancário Filas Fila é um tipo de lista linear onde as inserções são realizadas num extremo (final da Fila) e as remoções restritas ao outro (começo da Fila). O primeiro a entrar é o primeiro a sair e último a entrar

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 3. FILA DINÂMICA

PROGRAMAÇÃO II 3. FILA DINÂMICA 3. FILA DINÂMICA PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma fila é um tipo especial de lista na qual todas as inserções são feitas sempre depois do fim e as deleções no início. Por isso também recebe

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Arquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado / Luiz Paulo Maia Processo Profº Antonio Carlos dos S. Souza Estrutura do Processo Contexto de Software Contexto de Hardware Programa Espaço

Leia mais

Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela

Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Cálculo Aproximado do número PI utilizando Programação Paralela Grupo 17 Raphael Ferras Renan Pagaiane Yule Vaz SSC-0143 Programação

Leia mais

Problemas Clássicos de Sincronização

Problemas Clássicos de Sincronização Problemas Clássicos de Sincronização Filósofos Jantando Filósofo i: Solução Óbvia O problema dos filósofos jantando foi introduzido e solucionado por Dijkstra em 1965. Neste problema, 5 filósofos estão

Leia mais

Conceito de processo como uma unidade de trabalho em um sistema moderno de tempo compartilhado. Estados de um processo.

Conceito de processo como uma unidade de trabalho em um sistema moderno de tempo compartilhado. Estados de um processo. gerenciamento de processos Objetivo Compreender a maneira como o sistema operacional controla o gerenciamento dos programas em execução por meio do gerenciamento de processos no qual cada processo representa

Leia mais

O texto desta seção foi publicado em http://msdn.microsoft.com/ptbr/library/ms177433.aspx. o http://msdn.microsoft.com/pt-br/library/ms178104.

O texto desta seção foi publicado em http://msdn.microsoft.com/ptbr/library/ms177433.aspx. o http://msdn.microsoft.com/pt-br/library/ms178104. AULA 12 - Deadlocks Em alguns casos pode ocorrer a seguinte situação: um processo solicita um determinado recurso e este não está disponível no momento. Quando isso ocontece o processo entra para o estado

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC. Prof. Almeida Jr

ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC. Prof. Almeida Jr ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC Prof. Almeida Jr Processos Conceitos Básicos Nomes Tipos Batch: jobs CPU-bound T.Sharing: Tarefas/Processos

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 04 - Concorrência. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 04 - Concorrência. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 04 - Concorrência Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC, 2007. Mono x Multiprogramação

Leia mais

Métodos de Sincronização do Kernel

Métodos de Sincronização do Kernel Métodos de Sincronização do Kernel Linux Kernel Development Second Edition By Robert Love Tiago Souza Azevedo Operações Atômicas Operações atômicas são instruções que executam atomicamente sem interrupção.

Leia mais

1.6. Tratamento de Exceções

1.6. Tratamento de Exceções Paradigmas de Linguagens I 1 1.6. Tratamento de Exceções Uma exceção denota um comportamento anormal, indesejado, que ocorre raramente e requer alguma ação imediata em uma parte do programa [GHE 97, DER

Leia mais

Exclusão Mútua Distribuída

Exclusão Mútua Distribuída Exclusão Mútua Distribuída Raimundo Macêdo Laboratório de Sistemas Distribuídos - LaSiD Universidade Federal da Bahia Propriedades de um programa distribuído (Lamport, 1977) Exemplo 2: sistema controlando

Leia mais

Programação Estruturada. Programação Estruturada. Idéias Básicas da Programação Estruturada

Programação Estruturada. Programação Estruturada. Idéias Básicas da Programação Estruturada Programação Estruturada Programação Estruturada Paradigmas de Linguagens de Programação As linguagens desse paradigma são muitas vezes chamadas de linguagens convencionais, procedurais ou imperativas.

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Processos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 02-002 Processos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Processos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 02-002 Processos Processos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Processos Programa em execução: processos do próprio sistema (SYSTEM no gerenciador de tarefas); processos do usuário; Sistemas multiprogramáveis: muitos

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Renovação de Reconhecimento pela Portaria n 123 de 09/07/12 DOU de 10/07/12 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Renovação de Reconhecimento pela Portaria n 123 de 09/07/12 DOU de 10/07/12 PLANO DE CURSO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Renovação de Reconhecimento pela Portaria n 123 de 09/07/12 DOU de 10/07/12 Componente Curricular: Sistemas Concorrentes e Distribuídos Código: ENG - 436 Pré-requisito:

Leia mais

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Estrutura de Dados Introdução a Ponteiros Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Sumário è Explicação da importância do planejamento de ensino; è Métodos e técnicas que iremos trabalhar durante o semestre;

Leia mais

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO 1. Conceitos de Orientação a Objetos Introdução O paradigma da POO Classes

Leia mais

Estrutura de Dados Pilha (Stack)

Estrutura de Dados Pilha (Stack) Estrutura de Dados Pilha (Stack) Estrutura de Dados que corresponde a uma lista sequencial com a propriedade seguinte: LIFO O primeiro elemento a entrar é o último a sair ( Last in First Out ) Operações

Leia mais

void echo(); { chin = getchar(); chout = chin; putchar(chout); }

void echo(); { chin = getchar(); chout = chin; putchar(chout); } Sincronização Processos (Aula de 10) Concorrência Dificuldades: Profa. Patrícia Ação Compartilhamento Gerência Localização D. Proteger Promover de alocação de recursos. globais. CostaLPRM/DI/UFES programas).

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos I: Threads, virtualização e comunicação via protocolos Prof. MSc. Hugo Souza Nesta primeira parte sobre os Processos Distribuídos iremos abordar: Processos e a comunicação

Leia mais

processo internamente dadospara serem

processo internamente dadospara serem Aula 14 Monitores Sincronização e Troca de de Processos Mensagens (5) Monitores Sugeridos Profa. Patrícia Motivação: (1974) sincronização (forçar) concorrentes. (1) por Dijkstra(1971) e desenvolvidos por

Leia mais

Guia de Modelagem de Casos de Uso

Guia de Modelagem de Casos de Uso Guia de Modelagem de Casos de Uso Sistema de e-commerce de Ações Versão 1.1 1 Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor 13 de Setembro de 2008 1.0 Criação do documento Antonio Marques 28 de Setembro

Leia mais

Disciplina de Sistemas Distribuídos. Sincronização em SD. Prof. M.Sc. Alessandro Kraemer kraemer@utfpr.edu.br. Kraemer

Disciplina de Sistemas Distribuídos. Sincronização em SD. Prof. M.Sc. Alessandro Kraemer kraemer@utfpr.edu.br. Kraemer Disciplina de Sistemas Distribuídos Sincronização em SD Prof. M.Sc. Alessandro kraemer@utfpr.edu.br Cronograma Contextualização Tipos de sincronização Mecanismos para sincronização da região crítica Exclusão

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Terminologia Básica Utilizada em de Sistemas Terminologia Básica Uma série de termos

Leia mais

7 Processos. 7.1 Introdução

7 Processos. 7.1 Introdução 1 7 Processos 7.1 Introdução O conceito de processo é a base para a implementação de um sistema multiprogramável. O processador é projetado apenas para executar instruções, não se importando com qual programa

Leia mais

(Aula 17) Threads em Java

(Aula 17) Threads em Java (Aula 17) Threads em Java Difícil As Threads thread threads de emjava classificar sãogerenciadaspelajvm. podemser com user criadasdas thread ou kernel Profa. Patrícia A seguintesmaneiras: Fazendo extend

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 08 Processos Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Introdução Conceitos já vistos em aulas anteriores: Definição de Sistemas Operacionais Funções: máquina virtual

Leia mais

Gerência de Processador

Gerência de Processador Gerência de Processador mbientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Multiprogramação Torna mais eficiente o aproveitamento dos recursos computacionais

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Fila / Alocação Estática Pag.: 1 - UNIVERSIAE O VALE O RIO OS SINOS IÊNIAS EXATAS E TENOLÓGIAS urso: Informática / iência da omputação Programação II isciplina: Linguagem de

Leia mais

Carlos Eduardo Batista Centro de Informática - UFPB bidu@ci.ufpb.br

Carlos Eduardo Batista Centro de Informática - UFPB bidu@ci.ufpb.br Carlos Eduardo Batista Centro de Informática - UFPB bidu@ci.ufpb.br Principais problemas programação concorrente Deadlocks (impasses) Starvation (inanição) Condições de corrida Erros de consistência na

Leia mais

Capítulo 4 Gerência do Processador. O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano. Isaac Newton

Capítulo 4 Gerência do Processador. O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano. Isaac Newton Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Instituto de Engenharia de Sistemas e Tecnologias da Informação IESTI CCO 004 Sistemas Operacionais Prof. Edmilson Marmo Moreira 4.1 Introdução Capítulo 4 Gerência

Leia mais

Introdução a Threads Java

Introdução a Threads Java Introdução a Threads Java Prof. Gerson Geraldo Homrich Cavalheiro Universidade Federal de Pelotas Departamento de Informática Instituto de Física e Matemática Pelotas RS Brasil http://gersonc.anahy.org

Leia mais

da Disciplina Sumário BC1518 - Sistemas Operacionais Prof. Marcelo Z. do Nascimento Motivação Apresentação

da Disciplina Sumário BC1518 - Sistemas Operacionais Prof. Marcelo Z. do Nascimento Motivação Apresentação BC1518 - Sistemas Operacionais Apresentação da Disciplina Plano de trabalho 2 Quadrimestre de 2010 Prof. Marcelo Z. do Nascimento Email: marcelo.nascimento@ufabc.edu.br Sumário Motivação Apresentação Programa

Leia mais

Todos os arquivos.c e.h criados (exigido código muito bem documentado!). O makefile.

Todos os arquivos.c e.h criados (exigido código muito bem documentado!). O makefile. Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Informática Estruturas de Dados I (INF09292) 1o Trabalho Prático Período: 2014/2 Profa Patrícia Dockhorn Costa Email: pdcosta@inf.ufes.br Data de

Leia mais

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas slide 1 Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas Material adaptado de: TANENBAUM, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos. 3ª edição. Disponível em: http://www.prenhall.com/tanenbaum_br slide

Leia mais

Curso Adonai QUESTÕES Disciplina Linguagem JAVA

Curso Adonai QUESTÕES Disciplina Linguagem JAVA 1) Qual será o valor da string c, caso o programa rode com a seguinte linha de comando? > java Teste um dois tres public class Teste { public static void main(string[] args) { String a = args[0]; String

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.1 Introdução

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.1 Introdução Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.1 Introdução Tipos de Sistemas Operacionais Sistemas Monoprogramáveis / Monotarefa Voltados tipicamente para a execução de um único programa.

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Prof. André Dutton

SISTEMAS OPERACIONAIS. Prof. André Dutton 1 SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. André Dutton O OS esta ligado diretamente com o Hardware do Computador no qual ele é executado. CPU MEMORIA CONTROLAD OR DE VIDEO CONTROLAD OR DE TECLADO CONTROLAD OR DE DISCO

Leia mais

Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos.

Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos. Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos. Construtor: método executado por uma CLASSE (e não por um objeto, instância da classe)

Leia mais

3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation

3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation 29 3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation A participação na competição Agent Reputation Trust (ART) Testbed [10] motivou o estudo do domínio

Leia mais

EMENTA DO CURSO. Tópicos:

EMENTA DO CURSO. Tópicos: EMENTA DO CURSO O Curso Preparatório para a Certificação Oracle Certified Professional, Java SE 6 Programmer (Java Básico) será dividido em 2 módulos e deverá ter os seguintes objetivos e conter os seguintes

Leia mais

Sistemas Operacionais Processos e Threads

Sistemas Operacionais Processos e Threads Sistemas Operacionais Processos e Threads Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Estrutura de um Sistema Operacional 2 GERÊNCIA DE PROCESSOS Um processo

Leia mais

Curso : Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas - AEMS

Curso : Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas - AEMS Curso : Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas - AEMS Série : 3 º Período - 1 º Semestre de 2011 Professora : Elzi Ap. Gil 3. LISTAS LINEARES PARTE - III Disciplina - Estrutura de Dados Segundo Pereira(2002),

Leia mais

Roteiro. Motivação. Apresentação. Programa e Cronograma. Critérios de avaliação. Referência bibliográfica. Projetos e Seminario

Roteiro. Motivação. Apresentação. Programa e Cronograma. Critérios de avaliação. Referência bibliográfica. Projetos e Seminario BC1518 - Sistemas Operacionais Apresentação da Disciplina Plano de trabalho 3 Quadrimestre de 2010 Prof. Marcelo Z. do Nascimento Email: marcelo.nascimento@ufabc.edu.br Roteiro Motivação Apresentação Programa

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Aula 08 Programação em pascal Pascal Pascal

Leia mais

Guia de Fatores de Qualidade de OO e Java

Guia de Fatores de Qualidade de OO e Java Qualiti Software Processes Guia de Fatores de Qualidade de OO e Java Versã o 1.0 Este documento só pode ser utilizado para fins educacionais, no Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco.

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

Treinamento. DBA Oracle 11g. Duração: 120 horas

Treinamento. DBA Oracle 11g. Duração: 120 horas Treinamento DBA Oracle 11g Duração: 120 horas Neste curso no primeiro módulo (Introdução ao Oracle 11g SQL e PL_SQL) é oferecido um curso introdutório à tecnologia do banco de dados Oracle 11g. Também

Leia mais

Sistemas Operacionais Conceitos Básicos

Sistemas Operacionais Conceitos Básicos 1. Sistema Computacional: HARDWARE + SOFTWARE. Sistemas Operacionais Conceitos Básicos Hardware: Principais elementos de hardware de um Sistema Computacional: Processador Memória principal Dispositivos

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais