Relatório de Projecto de Final de Curso Ano Lectivo 2005/2006. Exploração, filtragem e análise de dados laboratoriais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Projecto de Final de Curso Ano Lectivo 2005/2006. Exploração, filtragem e análise de dados laboratoriais"

Transcrição

1 Universidade de Aveiro Departamento de Electrónica, Telecomunicações e Informática Licenciatura em Engenharia Electrónica e Telecomunicações Relatório de Projecto de Final de Curso Ano Lectivo 2005/2006 Exploração, filtragem e análise de dados laboratoriais Orientadores: Prof. José Luís Oliveira Eng. Joel Arrais Autores: Francisco Castro Lopes nº mec Hugo Luís de Melo Pais nº mec Universidade de Aveiro, DETI/IEETA, Aveiro, Portugal Julho 2006

2 Índice: 1. Introdução Contextualização do trabalho realizado Objectivos Actividades previstas Resumo Conceitos de Biologia e Tecnologia Microarray Biologia Molecular O Ácido Desoxirribonucleico (ADN) Síntese Proteica o processo de formação de proteínas Reacção em cadeia por polimerase (PCR Polymerase chain reaction) Tecnologia Microarray Como se fabrica e como funciona um Microarray Microarrays o princípio de funcionamento Construção do microarray Desafios para a tecnologia Microarray Desafios para a Bioinformática Controlo de qualidade e análise de dados Fases do ciclo experimental biológico Controlo de qualidade Técnicas para redução de efeitos indesejados (fontes de ruído) Métodos usados para correcção de background e normalização Análise de dados experimentais Análise baseada em modelos e considerações sobre o design experimental Sistema de Gestão de Informação Laboratorial (LIMS) da Universidade de Aveiro, MIND Microarray Information Database O que é um LIMS? O que é o Mind? O que é um LIMS? Normas e Ontologias na base do sistema MIND Arquitectura do MIND Levantamento de Packages em R, Identificação de ferramentas e funcionalidades para análise de dados de experiências de Microarrays Identificação e Levantamento de packages R, ferramentas Web e pacotes comerciais SAM (Significance Analysis of Microarrays) versão SMA (Statistics for Microarray Analysis) versão (2003/08/15) GeneTS (Gene Transcription) versão (2005/08/15) LIMMA (Linear Models for Microarray Data) versão (2006/01/03) YASMA (Yet Another Statistical Microarray Analysis) v BIOCONDUCTOR SNOMAD ( Standardization and NOrmalization of MicroArray Data ) Cap-Web (Cgh Array analysis Platform on the WEB) GeneSpring gx GeneSight v J-Express Pro Rosetta Resolver Spotfire DecisionSite System v S+ArrayAnalyzer...44 Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 2

3 8. Grafcreator Objectivos Ferramentas utilizadas Tecnologia de desenvolvimento Linguagem estatística utilizada Interligação Java R Sistema implementado Diagrama de blocos Diagrama de fluxo da aplicação Diagrama de fluxo para o utilizador Conversão dos ficheiros Mind Controlo de qualidade e análise de dados Objectivos Análise ao sistema base (MIND) Tecnologia de desenvolvimento Modelo de dados Formato dos ficheiros Sistema Implementado Diagrama de blocos RLinker Design Experimental WorkFlow para o utilizador WorkFlow Global Funcionalidades...66 Conclusões...77 Bibliografia:...78 Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 3

4 1. Introdução Com a realização deste relatório pretende-se fazer uma descrição o mais detalhada possível do trabalho realizado pelos autores, no projecto final do curso da Licenciatura em Engenharia Electrónica e Telecomunicações da Universidade de Aveiro durante o ano lectivo de 2005/ Contextualização do trabalho realizado Da aliança das duas ciências que mais evoluíram nos últimos anos, a biologia molecular e a informática, nasceu um novo campo do conhecimento: a Bioinformática. Na realidade, devido a avanços da ciência, a principal ferramenta deste novo biólogo deixou de ser o microscópio para passar a ser o computador o que gerou uma demanda de aplicações informáticas capazes de satisfazerem as suas necessidades. Na universidade de Aveiro, no laboratório de biologia molecular já se encontra em funcionamento com uma base de dados que tem vindo a acumular dados de experiências com relevante valor. No entanto, sem o auxílio de ferramentas informáticas que possibilitem o estudo dos dados existentes não é possível uma plena valorização dos mesmos. Como a quantidade de dados gerados numa experiência biológica, neste caso de microarrays, é enorme, não sendo possível de um modo empírico e simples fazer uma análise válida tanto da qualidade de dados armazenados com análise de interpretação dos mesmos, ou seja, os métodos tradicionais de análise não se adequam a tão grande escala, deste modo, surge a necessidade de desenvolver ferramentas que permitam efectuar análise de dados em colaboração com os sistemas desenvolvidos e em desenvolvimento nesta academia. Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 4

5 2. Objectivos O objectivo deste projecto é o de desenvolver uma aplicação Web, que em colaboração com os sistemas existentes, e de acordo com um workflow pré-definido, permita uma correcta exploração filtragem e análise de dados provenientes de experiências biológicas. Para o desenvolvimento deste projecto é necessário fazer uso das tecnologias de desenvolvimento Web, de tecnologias de base de dados, assim como de ferramentas que permitam geração de gráficos Actividades previstas o Estudo da arquitectura do sistema actual assim como o enquadramento do projecto (http://bioinformatics.ieeta.pt/mind); o Definição do workflow assim como do conjunto de ferramentas a desenvolver; o Desenvolvimento e teste das ferramentas de análise; o Desenvolvimento de uma aplicação Web que faça uso do workflow definido e que incorpore as ferramentas anteriormente desenvolvidas; o Integração do sistema desenvolvido no conjunto de sistemas já existentes; Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 5

6 3. Resumo Este documento tem como objectivo documentar o trabalho realizado durante a elaboração do Projecto Exploração, filtragem e análise de dados laboratoriais de forma a criar a uma ferramenta interligada com o sistema já existente que permita o controlo de qualidade e a análise de dados de uma experiência de microarrays. O trabalho desenvolvido segundo os seguintes pontos: I. Conceitos de Biologia Molecular e tecnologia Microarrays; II. Controlo de Qualidade e Análise de Dados; III. Estudo do Sistema existente Mind; IV. Levantamento ferramentas existentes úteis no desenvolvimento do projecto; V. GrafCreator Sistema Independente para Controlo de Qualidade de experiências de microarrays; VI. Mind Interligação de ferramentas de Controlo de Qualidade e Análise de Dados; VII. Conclusões. Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 6

7 4. Conceitos de Biologia e Tecnologia Microarray 4.1. Biologia Molecular O universo biológico apresenta-se aos olhos de um biólogo com uma espantosa diversidade, pois é constituído por plantas, animais e até criaturas microscópicas tais como as bactérias. Mas observando mais atentamente no fundo de toda esta biodiversidade existe uma poderosa constância, pois todos os sistemas biológicos ao mais baixo nível são compostos pelos mesmos tipos de moléculas químicas [7] usando princípios similares de organização celular. As células são a unidade estrutural e funcional de todos Figura 1 Cultura celular os organismos vivos, sendo por vezes chamado o bloco de construção da vida, a estrutura de todas as células é muito semelhante, mas a organização das células é o que distingue os seres vivos em dois grupos de organismos: eucariotas e procariotas. As células procariotas são distinguidas das células eucariotas na base da sua organização nuclear, especialmente devido a ausência da sua membrana nuclear. As procariotas também se caracterizam pela ausência da maioria das organelas intercelulares e estruturas que são características das células eucariotas (uma importante Figura 3 célula procariota excepção são os ribossomas que se encontram presentes tanto nas células procariotas como nas eucariotas). As funções das organelas, tais como a mitocôndria, cloroplastas e o aparato golgi, são substituídas pela membrana de plasma do procariota. A estrutura das células procariotas encontra-se dividida em três regiões arquitecturais: apêndices chamados flagella e pili que são proteínas ligadas á superfície da célula, a envolvente da célula que é constituída pela parede celular e a membrana de plasma e uma ultima região que é a região citoplásmica que Figura 2 célula contem o genóma da célula (DNA) os ribossomas e vários tipos de inclusões. As células eucariotas são tipicamente 10 vezes maiores do que o Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 7

8 tamanho de uma célula típica procariota, mas podem chegar a ter 1000 vezes o volume de uma célula procariota. A maior diferença entre os dois tipos de células consiste na existência de compartimentos circundados por uma membrana nas eucariotas, compartimentos estes onde ocorrem actividades metabólicas específicas. O mais importante destes compartimentos é o núcleo celular, que é um compartimento delimitado por uma membrana e que contem o DNA [7,8] da célula eucariota, este núcleo e o que da o nome a célula pois eucariota quer dizer núcleo verdadeiro. Figura 4 Árvore da vida filogenética As células procariotas dividem-se em dois subgrupos, as Archea e as Bactérias, por sua vez as eucariotas formam um grupo único que é constituído por todos os seres vivos restantes tais como todos os animais, plantas e fungos. Existem dois tipos de material genético o ADN (Ácido Desoxirribonucleico) e o RNA (Ácido Ribonucleico), a maioria dos organismos usam o ADN para armazenar a informação a longo prazo, mas alguns vírus (exemplo: retrovirus) têm RNA na sua informação genética. A informação biológica contida num organismo é codificada nas suas sequencias de ADN ou RNA. O RNA é também usado para transportar informação (exemplo: mrna) e para funções enzimáticas (exemplo: RNA ribosomal) em organismos que usam ADN para código genético em si. Figura 5-Primeiro esboço de Francis Crick s do padrão de dupla espiral do ácido desoxirribonucleico ADN Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 8

9 De modo a ser descodificada toda a informação genética para perceber o funcionamento de qualquer organismo é necessário compreender e estudar a sua Expressão Genética [7,8] O Ácido Desoxirribonucleico (ADN) O ADN é um ácido nucleíco, usualmente na forma de uma dupla espiral que contem instruções genéticas especificando o desenvolvimento biológico de todas as formas de vida celulares e alguns vírus. Este é um polímero de nucleótidos (um polinucleótido) e codifica a sequência de resíduos de aminoácidos em proteínas usando um código genético, um código de tripletos de nucleótidos. Cada elipse é uma cadeia de nucleótidos ligados quimicamente, em que cada um deles consiste de um açúcar (desoxirribose) [7], um fosfato e um de quatro tipos de bases. Porque as espirais de ADN são compostas por estas subunidades de nucleótidos, elas são chamadas de polímeros. A existência de uma diversidade de bases significa que existem quatro tipos de nucleótidos que normalmente são referenciados pelo primeiro carácter do nome que identifica as suas bases são estes: Adenina (A), Timina (T), Citosina (C) e a Guanina (G). A ordem ou sequência das bases ao longo da cadeia do ADN é variável existe um efeito que se denomina de Complementaridade [9], ou seja, cada Timina opõe-se sempre a uma Adenina e cada Guanina opõe-se sempre a uma Citosina. Figura 6 Estrutura geral de uma secção de ADN Figura 7 Complementaridade de bases azotadas Citando Watson e Crick na sua descrição do modelo de ADN, O modelo de ADN não é mais que uma longa sequência de nucleótidos, que estão emparelhados formando Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 9

10 uma longa cadeia dupla enrolada em espiral. Ou seja, cada molécula de ADN enrola-se em proteínas, formando estruturas chamadas cromossomas, em que cada porção determinada de ADN forma um gene, sendo os genes considerados como unidades indivisíveis dos cromossomas onde estão situados. Como unidade funcional do material genético os genes são unidades fundamentais de hereditariedade, contêm o código para a produção de proteínas, muitas das quais são enzimas químicas que possibilitam e controlam as reacções químicas das células Síntese Proteica o processo de formação de proteínas O processo de produção de proteínas denominado de síntese proteica ocorre em duas fases denominadas de tradução e transcrição. Durante o processo de transcrição [10] a hélice de ADN desenrola-se e as suas cadeias separam-se com uma das cadeias a servir de molde, produz-se uma molécula de mrna (RNA mensageiro) a partir dos nucleótidos livres, existentes no nucleoplasma, os quais se ligarão á cadeia molde segundo o principio da complementaridade de bases. No RNA é que ter em atenção que não existe a base azotada Timina, pois esta é substituída pela base Urucilo (U), ou seja a pentose de RNA é a ribose A cadeia de mrna anteriormente formada, desloca-se do núcleo da célula para Citoplasma da mesma, onde ocorre a tradução da informação genética. Figura 8 Esquema de transcrição do ADN. Legenda: X-ADN Y-mRNA O processo de Tradução [10] é um fenómeno que ocorre pela intervenção de um organito celular, o ribossoma, que se ligará à cadeia de mrna. Nesta cadeia, o conjunto de três bases azotadas é conhecido como codão e este especifica um aminoácido. O processo de tradução inicia-se pelo codão AUG (codão de iniciação), que traduz o aminoácido metionina. Cada um dos codões do mrna e os respectivos aminoácidos são incapazes de se reconhecerem directamente havendo então necessidade de existir um adaptador que faculte esse reconhecimento. A função de adaptador é efectuada pelo trna (RNA de transferência), ou seja, o trna é uma ponte entre os aminoácidos Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 10

11 e o mrna, para assim ser efectuada a tradução da informação codificada no mrna em proteína. Quando é atingido um codão de terminação, o ribossoma solta-se e a cadeia de aminoácidos é libertada, enrolando-se de modo a formar uma proteína completa, e o gene assim e traduzido numa proteína Reacção em cadeia por polimerase (PCR Polymerase chain reaction) A técnica PCR é uma técnica muito utilizada em investigação medica e biológica para uma variedade de funções, tais como a detecção de doenças hereditárias, identificação de impressões digitais genéticas, no diagnostico de doenças infecciosas, na clonagem de genes, testes de paternidade e computação de ADN e microarrays. A PCR é uma técnica da biologia molecular inventada por Kary B. Mullis, para replicar ADN enzimaticamente sem usar um organismo vivo, tais como E. coli. Esta técnica permite que uma pequena quantidade de ADN seja amplificada exponencialmente, todavia devido ao facto de ser uma técnica in vitro ela pode ser efectuada sem restrições na forma do ADN e pode ser extensivamente modificada de modo a fornecer uma grande quantidade de manipulações genéticas. Para ser executada a técnica PCR é necessário um conhecimento prévio da sequência do ácido nucleico que se deseja amplificar, ou seja ter-se conhecimento da sequência alvo. Partindo da sequência alvo, são desenhados dois iniciadores, também denominados de primers para se dar inicio ao processo numa área específica da sequência. O primer é uma pequena sequência de nucleotídos que híbrida no início de uma sequência alvo que se quer amplificar e da qual é complementar. Ao identificar o primer a polimerase sintetiza uma cópia complementar, respeitando a informação contida na sequência de ADN a ser sintetizado esta técnica precisa ainda de deoxinucleosideos trifosfatados (datp, dttp, dgtp, dctp) que são quatro componentes químicos que actuam como tijolos na construção da molécula de ADN. Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 11

12 4.2. Tecnologia Microarray A tecnologia de microarrays é uma tecnologia muito recente e actualmente apresentase como uma das tecnologias com maior potencial na produção de problemas e soluções para a Biologia no ramo da Genómica, tendo como grande vantagem um grande ritmo de obtenção de dados experimentais. A tecnologia utiliza arrays microscópicos (microarrays) de moléculas imobilizadas em superfícies sólidas para análise bioquímica, actualmente os microarrays podem ser usados para distintos tipos de análise como por exemplo análise de expressão genética, detecção de polimorfismos, re-sequenciação genética, genotipagem e escalagem genómica [1]. As técnicas habitualmente utilizadas para construir, analisar e processar dados são a fotolitografia, micro-spotting e impressão por jacto (tecnologia semelhante á utilizada nas impressoras de jacto de tinta), combinadas com técnicas sofisticadas de detecção por fluorescência, sendo a análise estatística e a bioinformática (elementos chave devido à quantidade de informação produzida) Como se fabrica e como funciona um Microarray Na actualidade existem várias técnicas, para a realização de microarrays sendo elas: - Ilumina bead array (www.illumina.com); - Serial Analisys of Gene Expression (www.sagenet.org); - Nylon Membrane (www.schleicher-schuell.com); - Agilent: Long oligo Ink Jet (www.home.agilent.com) - GeneChip Affymetrix (www.affymetrix.com) - cdna microarrays; - Microarrays de proteínas e Oligo Microarrays; Apesar da existência de arrays de expressão genética em variados formatos, são usados com mais regularidade duas categorias, os microarrays de cdna compostos por cdna ou oligonucletotidos e também arrays de grande densidade produzidos comercialmente que contêm oligonucleotidos sintetizados [2]. O princípio pelo qual todos os arrays se regem é o da capacidade de uma sequência presa de nucleótidos se colar ou hibridar há sua sequência complementar e formar uma sequência dupla de ADN. Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 12

13 Microarrays o princípio de funcionamento Preparação das células Cultura de células Tratada Controlo Centrifugação Extracção de mrna Visualização do array cdna Braço robótico Marcação do cdna Misturar o cdna marcado Hibridação Impressão do array Figura 9 Esquema exemplificando a análise de expressão genética usando tecnologia de microarrays ( spoted microarrays ) Observando a (Figura 9), verifica-se que a produção de um microarray naquele caso específico é a seguinte, após colhidas as células do elemento que pretendemos analisar, são criadas culturas de células Normais/Controlos e Tratadas/células anormais (com alguma mutação) essas células em seguida serão transferidas para tubos de centrifugação. Então o RNA mensageiro mrna de cada tipo de célula é usado para gerar cdna marcado com um marcador fluorescente. O mrna de cada tipo de célula é marcado com um diferente tipo de fluoroforo de modo a poder haver comparação. Os dois cdna são então misturados e hibridados com um microarray de DNA preparado com métodos de spotting (ex. micro-spotting robótico ou jacto de tinta). No final os níveis de expressão genética são monitorizados através da medição da intensidade de luz usando ferramentas de visualização e programas computacionais. Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 13

14 Em maior detalhe, uma experiência com uma array de cdna tem cinco passos básicos: o O cdna é impresso num substrato sólido como por exemplo vidro ou plástico; o A amostra de RNA é isolada; o O cdna é sintetizado e marcado para posterior detecção o A sonda de cdna é hibridada de modo a aderir ao cdna no substrato, ou seja, quando uma amostra de DNA ou RNA é aplicada array qualquer sequência na amostra que encontre um o seu complementar irá ligar-se a um determinado spot do array; o Finalmente os resultados da hibridação são transformados numa imagem e analisados produzindo um ficheiro com as intensidades de luz dos spots quando expostos a determinados comprimentos de onda; Construção do microarray Como já referido anteriormente, apesar de várias técnicas para construção de microarrays existirem na actualidade, têm-se destacado especialmente duas. No método mais utilizado estes são construídos agregando fisicamente fragmentos de DNA tais como uma livraria de clones ou reacção em cadeia por polymerase PCR (polymerase chain reaction). Ao usar um construtor de arrays robótico (Figura 10) e o princípio da capilaridade podem ser impressos arrays com tamanho até fragmentos de genes impressos numa lamela de microscópio. Figura 10 Spoter robótico, para impressão de microarrays Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 14

15 No outro método os arrays são construídos sintetizando uma camada única de oligonucleotidos in situ esta técnica usa técnicas de litografia [4] (Figura 11) esta técnica tem vantagens relativamente hás anteriormente apresentadas em que facilmente e de uma forma económica e flexível se construía um microarray com grande densidade, no caso da técnica de litografia a densidade é superior (>280000/ 1.28x1.28cm) [3] e elimina a necessidade de recolher e armazenar o DNA clonado ou os produtos resultantes da PCR (polymerase chain reaction). Figura 11 Spoter litográfico para impressão de microarrays; No caso de microarrays personalizados, que são muito comuns nos laboratórios de genómica, são construídos seleccionando os genes a serem impressos de bases de dados públicas (repositórios públicos) ou fontes institucionais, obtendo-se assim um desenho de um microarray adequado ao processo experimental em causa. Existem até empresas que efectuam a produção e desenho de experiências de microarrays como é o caso da Agilent Technologies (http://www.chem.agilent.com/). A preparação para a impressão de chips de cdna de grande densidade é apoiada normalmente em sistemas robóticos que cumprem o processo de produção de milhares de reacções PCR necessárias a elaboração dos microarrays. Após obtidos os produtos das reacções, estes são depositados em spots para um chip por um robot, que deposita aproximadamente um nano-litro de produto PCR para uma matriz numa ordem definida pelo design do mesmo array. A aderência do DNA ao slide é melhorada através de um tratamento com polylysine ou outras camadas químicas de químicos de crosslinking Desafios para a tecnologia Microarray No seu estado inicial, a tecnologia Microarray era limitada a empresas de biotecnologia com grandes recursos orçamentais. Mas com o passar do tempo a tecnologia começou a amadurecer, e esta começou a tornar-se mais acessível a Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 15

16 laboratórios académicos e a utilizadores comerciais, este processo tornou possível a instituições como a Universidade de Aveiro, e centros tecnológicos como BioCant a utilização de tal tecnologia para investigação em áreas de genómica e sequenciação. Contudo a tecnologia ainda tem as suas limitações [3], como a sua dificuldade técnica, especificidade e fiabilidade. O sucesso da tecnologia de microarrays gera também situações adversas que têm de ser resolvidas, acabando por gerar também desafios estruturantes a diferentes ramos de investigação, como a Bioinformática e a Estatística. Neste momento ainda não existem processos perfeitos de gestão e manuseamento de grandes quantidades conjuntos de dados complexos, pois o grande desafio neste momento não aparenta ser o modelo de produção de arrays, mas sim a manipulação e análise das matrizes de dados, sendo outro dos grandes problemas a ausência de um protocolo estandardizado para manuseamento de dados, embora este problema caminhe a passos largos para a sua resolução com a criação de grupos de trabalho como o MGED (Microarray Gene Expression Data Society - MGED Society) que procuram criar um processo de uniformização de manipulação e armazenamento de dados de expressão genética Desafios para a Bioinformática Os desafios que mais directamente se apresentam á Bioinformática neste momento são criar bibliotecas com anotações sobre os genes mais relevantes, de modo a facilitar a análise de estatística, através de clustering, etc. Ou seja os desafios futuros consistem de base de dados e algoritmos para análise de grandes quantidades de dados e métodos de visualização [5]. Sendo que os cientistas do Instituto Europeu de Bioinformática identificaram como tendência e caminho a seguir a criação de serviços presentes na World Wide Web, que cumpram os standards criados pelo MGED e forneçam dados em um ficheiro baseado em XML [6]. Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 16

17 5. Controlo de qualidade e análise de dados 5.1. Fases do ciclo experimental biológico As experiências biológicas neste caso de microarrays são divididas em vários estágios fundamentais para obtenção de resultados como se pode observar pelo diagrama funcional apresentado na figura seguinte. Questão Biológica Design Experimental Falhou Experiência Microarrays Controlo de Qualidade Passou Análise da Imagem Normalização Pré-processamento Análise Estimação Teste Clustering Descriminação Verificação Biológica e interpretação Figura 12 Ciclo de vida experimental de uma experiência biológica [11] O processo aparentemente, é muito linear e simples, pois após surgir uma questão biológica, parte-se para o desenho experimental e para a experiência de microarrays, mas a partir deste momento começam a surgir os desafios tanto em termos biológicos, estatísticos e informáticos. Na fase de pré-processamento surge uma questão fundamental em qualquer procedimento experimental que é o da qualidade dos dados gerados pela mesma, devido a esses problemas surge a necessidade de implementar uma metodologia que permita estabelecer parâmetros de filtragem dos dados. Após a fase do controlo de qualidade terão que existir procedimentos de normalização de dados de modo a tornar possível a eliminação ou pelo menos reduzir o efeito das fontes de ruído presentes em qualquer experiência, só após o cumprimento destes passos Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 17

18 se torna possível partir para uma a Análise experimental onde serão implementadas diversas técnicas, sendo escolhidas pelo investigador as que se apresentam como mais indicadas para a sua experiência. Cumprida esta fase poderá então o biólogo debruçar-se sobre a verificação biologia e interpretação dos resultados correndo o risco de o processo se ter que repetir sistematicamente até que seja respondida a questão biológica em causa. Olhando para o ciclo de vida biológico do ponto de vista de um informático, a necessidade de intervenção deste aparenta ser reduzida mas esse ponto é uma aparente ilusão pois este irá ter que intervir nos processos de controlo de qualidade e normalização e análise, através do desenvolvimento de aplicações que permitam a realização de uma forma sistemática e simples por forma a acelerar o processo experimental Controlo de qualidade O controlo de qualidade surge com questão pertinente, pois é necessário ter a capacidade de diferenciar os bons dos maus dados. No caso dos microarrays isto deve-se a quatro questões fundamentais [11]: o Dados de expressão genética em microarrays têm uma grande gama dinâmica (exemplo: [ ]) figura ; o Existem múltiplas fontes de ruído: Correlacionadas, Sistemáticas e dependentes de factores experimentais; o Não existem unidades absolutas, apenas relativas, pois a calibração é em tudo diferente de array para array e muito diferente para diferentes setup s experimentais; o Grande variação espacial e temporal. Figura 13 Exemplo da variação de gama dinâmica de dados de microarrays Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 18

19 Técnicas para redução de efeitos indesejados (fontes de ruído) As fontes de ruído mais comuns numa experiência de microarrays são : Contaminação de amostras; o Degradação do RNA; o Eficiência da Amplificação; o Eficiência da transcrição reversa; o Eficiência e especificidade da Hibridação; o Eficiência de Spotting; o Quantificação do sinal; o Segmentação da Imagem; o Outros problemas relacionados com o fabrico dos arrays. Para reduzir a influência de tais fontes de ruído usualmente são utilizadas métodos de correcção de background (ajuste de sinal) e normalização. As técnicas de correcção de background têm entre outras funções, a importância de corrigir o ruído de background e efeitos de processamento dos arrays, como falhas de circularidade (Figura 14) nos spots, e nuvens de ruído biológico (Figura 15) resultantes de falhas no processo laboratorial, como por exemplo uma má eliminação de materiais residuais durante a lavagem do microarray. a) b) Figura 15 Exemplo de spot s: a) Estado ideal b) Estado experimental Figura 14 exemplo de array com mau background Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 19

20 De uma forma muito resumida a função da correcção de background é ajustar as ligações não específicas e ajustar os valores de expressão de modo a estarem dentro de uma gama apropriada. A outra técnica de correcção de redução da influência das fontes de ruído nos dados experimentais é a normalização pois Factores não biológicos podem contribuir para a variabilidade dos dados De modo a poder comparar dados de múltiplos arrays as diferenças de origem não biológica devem ser minimizadas 1. A razão fundamental para a utilização de tal técnica é a existência de factores experimentais que têm efeitos sistemáticos e não conseguem ser controlados com a tecnologia existente e prática laboratorial, pois embora a experiência possa ser realizada pelo mesmo investigador os resultados podem ser diferentes em diferentes execuções do mesmo protocolo experimental. Em suma a normalização vai reduzir a variação indesejada tanto dentro como entre arrays, podendo ser usada a informação de vários arrays em simultâneo Métodos usados para correcção de background e normalização Os métodos mais usados para a correcção de background são [13]: o Subtract; o Norm Exp; o Moving Gmin. Embora existam muitos outros. O método Subtract é recomendado para situações em que é pretendida uma análise simples dos dados, o que é efectuado por esta técnica é uma subtracção simples dos valores de foreground aos valores de background. Quanto ao método Norm Exp, é preferível quando é necessária uma análise de expressão diferencial, pois o que este método realiza é um ajuste da adaptabilidade do foreground para as intensidades de background, resultando disso apenas valores positivos e ajustados da intensidade, i.e., são evitados resultados nulos ou negativos de intensidade. O método Moving Gmin, o background estimado é substituído pelo background mínimo dos spots vizinhos, i. e., o background é substituido através da movimentação de uma matriz 3X3 á volta de cada spot determinando o mínimo valor da vizinhança. Francisco Castro Lopes (nº 21741) Hugo Luís de Melo Pais (nº 21053) 20

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com O NÚCLEO E A SÍNTESE PROTEÍCA O núcleo celular, descoberto em 1833 pelo pesquisador escocês Robert Brown, é uma estrutura

Leia mais

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009)

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) Nome do Candidato Classificação Leia as seguintes informações com atenção. 1. O exame é constituído

Leia mais

DO GENE À PROTEÍNA ALGUNS CONCEITOS BASICOS COMO SE ORGANIZAM OS NUCLEÓTIDOS PARA FORMAR O DNA?

DO GENE À PROTEÍNA ALGUNS CONCEITOS BASICOS COMO SE ORGANIZAM OS NUCLEÓTIDOS PARA FORMAR O DNA? DO GENE À PROTEÍNA O processo de formação das proteínas no ser humano pode ser difícil de compreender e inclui palavras e conceitos que possivelmente nos são desconhecidos. Assim, vamos tentar explicar

Leia mais

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe!

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Aula: 2 Temática: Ácidos Nucléicos Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Introdução: Os ácidos nucléicos são as moléculas com a função de armazenamento e expressão da informação

Leia mais

Bioinformática Aula 01

Bioinformática Aula 01 Bioinformática Aula 01 Prof. Ricardo Martins Ramos * * Doutorando em Genética e Toxicologia Aplicada CEFET-PI/ULBRA-RS Linha de Pesquisa Bioinformática Estrutural E-mail: ricardo@cefetpi.br Visão Holística

Leia mais

DNA E SÍNTESE PROTEICA

DNA E SÍNTESE PROTEICA Genética Animal DNA e síntese proteica 1 DNA E SÍNTESE PROTEICA Estrutura do DNA: -Molécula polimérica, cujos monômeros denominam-se nucleotídeos. -Constituição dos nucleotídeos: açúcar pentose (5 -desoxirribose)

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Eucarioto: núcleo delimitado por membrana nuclear (carioteca) Portador dos fatores hereditários e controlador

Leia mais

Painéis Do Organismo ao Genoma

Painéis Do Organismo ao Genoma Painéis Do Organismo ao Genoma A série de 5 painéis do organismo ao genoma tem por objetivo mostrar que os organismos vivos são formados por células que funcionam de acordo com instruções contidas no DNA,

Leia mais

Replicação Quais as funções do DNA?

Replicação Quais as funções do DNA? Replicação Quais as funções do DNA? Aula nº 4 22/Set/08 Prof. Ana Reis Replicação O DNA é a molécula que contém a informação para todas as actividades da célula. Uma vez que as células se dividem, é necessário

Leia mais

Equipe de Biologia. Biologia

Equipe de Biologia. Biologia Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Ácidos nucléicos Os ácidos nucléicos são moléculas gigantes (macromoléculas), formadas por unidades monoméricas menores

Leia mais

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas GENERALIDADES Todo ser vivo consiste de células, nas quais está situado o material hereditário. O número de células de um organismo pode variar de uma a muitos milhões. Estas células podem apresentar-se

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA

COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA Andréia Cristina Hypólito José 11075810 Fernando Caldas Oliveira 11085410 Giovana Zaninelli 11017210 Renato Fernandes Sartori 11061110 Rodrigo de Mello

Leia mais

Princípios moleculares dos processos fisiológicos

Princípios moleculares dos processos fisiológicos 2012-04-30 UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aula 5: Princípios moleculares dos processos fisiológicos (Fisiologia Vegetal, Ano

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ==============================================================================================

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== PROFESSOR: Leonardo Mariscal BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Ácidos Nucleicos 01- Os

Leia mais

DNA E SÍNTESE PROTEICA

DNA E SÍNTESE PROTEICA 1- As acetabularias (fotografia à esquerda) são algas verdes marinhas, com 2 a 3 cm de altura, constituídas por uma base ou pé, onde está o núcleo, e um caulículo, na extremidade do qual se diferencia

Leia mais

Bases Moleculares da Hereditariedade

Bases Moleculares da Hereditariedade UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROG. DE PÓS GRAD. EM GENET. E MELHORAMENTO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GENET. E MELHORAMENTO Bases Moleculares da Hereditariedade Ministrante: João Paulo

Leia mais

1. (Unesp) A ilustração apresenta o resultado de um teste de paternidade obtido pelo método do DNA-Fingerprint, ou "impressão digital de DNA".

1. (Unesp) A ilustração apresenta o resultado de um teste de paternidade obtido pelo método do DNA-Fingerprint, ou impressão digital de DNA. Ácidos Nuclêicos 1. (Unesp) A ilustração apresenta o resultado de um teste de paternidade obtido pelo método do DNA-Fingerprint, ou "impressão digital de DNA". a) Segundo o resultado acima, qual dos homens,

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

- Ácido ribonucléico (ARN ou RNA): participa do processo de síntese de proteínas.

- Ácido ribonucléico (ARN ou RNA): participa do processo de síntese de proteínas. 1- TIPOS DE ÁCIDO NUCLÉICO: DNA E RNA Existem dois tipos de ácidos nucléicos: - Ácido desoxirribonucléico (ADN ou DNA): é o principal constituinte dos cromossomos, estrutura na qual encontramos os genes,

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com ÁCIDOS NUCLEICOS ÁCIDOS NUCLÉICOS: são substâncias formadoras de genes, constituídas por um grande

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz MEDICINA VETERINÁRIA Disciplina: Genética Animal Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz TRANSCRIÇÃO DNA A transcrição é o processo de formação de uma molécula de RNA a partir de uma molécula molde

Leia mais

Análise de expressão gênica

Análise de expressão gênica Universidade Federal do Espírito Santo Laboratório de Biotecnologia Aplicado ao Agronegócio Análise de expressão gênica Fernanda Bravim EXPRESSÃO GÊNICA Processo pelo qual a informação contida em um gene

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dr. José Luis da C. Silva BIOLOGIA MOLECULAR Prof. Dr. José Luis da C. Silva BIOLOGIA MOLECULAR A Biologia Molecular é o estudo da Biologia em nível molecular, com especial foco no estudo da estrutura e função do material genético

Leia mais

OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA

OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA Duração da prova: 2 horas Teste Modelo Nas folhas de respostas preencha o cabeçalho com os seus dados e os da escola que representa. O teste tem a duração de 2 horas no total,

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz MEDICINA VETERINÁRIA Disciplina: Genética Animal Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz Gene, é a unidade fundamental da hereditariedade. Cada gene é formado por uma sequência específica de ácidos nucléicos

Leia mais

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Procariontes Eucariontes Localização Organização Forma Disperso no citoplasma

Leia mais

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

Miguel Rocha Dep. Informática - Universidade do Minho. BIOINFORMÁTICA: passado, presente e futuro!!

Miguel Rocha Dep. Informática - Universidade do Minho. BIOINFORMÁTICA: passado, presente e futuro!! Miguel Rocha Dep. Informática - Universidade do Minho BIOINFORMÁTICA: passado, presente e futuro!! Bragança, 11 de Maio de 2006 Porquê a Bioinformática?! Novas tecnologias experimentais da Biologia Molecular

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR. Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas

BIOLOGIA MOLECULAR. Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas BIOLOGIA MOLECULAR Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas Nucleotídeos São moléculas formadas pela união de um açúcar ou pentose, uma base nitrogenada e um grupo fosfato. Os Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)

Leia mais

> ESTUDO DO RNA. (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes.

> ESTUDO DO RNA. (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes. Biologia > Citologia > Sintese Protéica > Alunos Prof. Zell (biologia) (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes. > ESTUDO

Leia mais

SÍNTESES NUCLEARES. O DNA éo suporte da informação genética. Parte 1 Replicação

SÍNTESES NUCLEARES. O DNA éo suporte da informação genética. Parte 1 Replicação SÍNTESES NUCLEARES O DNA éo suporte da informação genética Parte 1 Replicação Estrutura do DNA Replicação do DNA Nucleótidos A informação genética das células é armazenada sob a forma de 2 moléculas similares:

Leia mais

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada ÁCIDOS NUCLÉICOS Ácidos nucléicos São polímeros compostos por nucleotídeos Açúcar - pentose Nucleotídeo Grupo fosfato Base nitrogenada Composição dos Ácidos nucléicos pentoses: numeração da pentose: pentose

Leia mais

Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano

Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano Teste de avaliação Nome ----------------------------------------------------------------------- Numero -------------------------------

Leia mais

Sequenciamento de genomas

Sequenciamento de genomas Sequenciamento de genomas 1 o genoma completo vírus OX174 5.000 nt (Sanger et al. 1977) em 1977 1000 pb sequenciados por ano neste ritmo genoma E. coli K-12 4.6-Mbp levaria mais de 1000 anos para ser completo

Leia mais

Biologia Molecular de Corinebactérias Produtoras de Aminoácidos: Análise do Genoma de Brevibacterium lactofermentum ATCC 13869

Biologia Molecular de Corinebactérias Produtoras de Aminoácidos: Análise do Genoma de Brevibacterium lactofermentum ATCC 13869 Biologia Molecular de Corinebactérias Produtoras de Aminoácidos: Análise do Genoma de Brevibacterium lactofermentum ATCC 13869 António Carlos Matias Correia Dissertação apresentada à Universidade de Aveiro

Leia mais

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE QUÍMICA DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA QBQ0313 Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos Flavia Carla Meotti Os Ácidos Nucléicos Função: armazenamento e transmissão da informação

Leia mais

Bioinformática. Licenciaturas em Biologia, Bioquímica, Biotecnologia, Ciências Biomédicas, Engenharia Biológica. João Varela jvarela@ualg.

Bioinformática. Licenciaturas em Biologia, Bioquímica, Biotecnologia, Ciências Biomédicas, Engenharia Biológica. João Varela jvarela@ualg. Bioinformática Licenciaturas em Biologia, Bioquímica, Biotecnologia, Ciências Biomédicas, Engenharia Biológica João Varela jvarela@ualg.pt Docentes Paulo Martel (alinhamentos, pesquisas de sequências em

Leia mais

GENOMA HUMANO ATAXIA DE FRIEDREICH

GENOMA HUMANO ATAXIA DE FRIEDREICH GENOMA HUMANO ATAXIA DE FRIEDREICH Num determinado momento, uma força da qual ainda não podemos fazer qualquer ideia despertou na matéria inanimada as propriedades da vida. S. Freud, 1920 Pretendemos sugerir

Leia mais

PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs)

PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs) Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Curso de Licenciatura em Biologia Marinha e Pescas PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs)

Leia mais

Química do material genético

Química do material genético 1 O NÚCLEO No núcleo estão os cromossomos, onde estão "armazenadas" as informações genéticas de cada espécie. Os seguintes componentes constituem o núcleo celular: Membrana Nuclear: também chamada de carioteca

Leia mais

Ficha de Exercícios A Célula (VERSÃO CORRIGIDA) Ano lectivo: 10º ano Turma: Data:

Ficha de Exercícios A Célula (VERSÃO CORRIGIDA) Ano lectivo: 10º ano Turma: Data: Ficha de Exercícios A Célula (VERSÃO CORRIGIDA) Ano lectivo: 10º ano Turma: Data: 1- A célula é uma importante estrutura do mundo vivo. Todos os seres vivos começam por existir sob a forma de célula. Alguns

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO. 2. O Dogma Central da Biologia Molecular

PROGRAMA TEÓRICO. 2. O Dogma Central da Biologia Molecular PROGRAMA TEÓRICO 1. As moléculas da Biologia Molecular: DNA, RNA e proteínas Aspectos particulares da composição e estrutura do DNA, RNA e proteínas. EG- Características bioquímicas dos ácidos nucleicos,

Leia mais

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA Os biólogos supunham que apenas as proteínas regulassem os genes dos seres humanos e dos

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA E GEOLOGIA 11.º

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA E GEOLOGIA 11.º DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA E GEOLOGIA 11.º Avisos 1.EstedocumentoapenasservecomoapoioparcialàsaulasdeBiologiaeGeologia11.ºano Unidade5 lecionadas na Escola Secundária Morgado Mateus(Vila Real)

Leia mais

O fluxo da informação é unidirecional

O fluxo da informação é unidirecional Curso - Psicologia Disciplina: Genética Humana e Evolução Resumo Aula 3- Transcrição e Tradução Dogma central TRANSCRIÇÃO DO DNA O fluxo da informação é unidirecional Processo pelo qual uma molécula de

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

Ficha Informativa nº11 Fundamentos de Engª.Genética

Ficha Informativa nº11 Fundamentos de Engª.Genética FICHA INFORMATIVA Nº11 FUNDAMENTOS DE ENGª.GENÉTICA Ficha Informativa nº11 Fundamentos de Engª.Genética Durante 25 anos, desde 1950 a 1957, a molécula de DNA foi considerada intocável. A partir da década

Leia mais

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva Estrutura e função dos ácidos nucléicos Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva > Polímeros de nucleotídeos Funções: DNA (ácido desoxirribonucléico) : > Armazenar as informações necessárias para a construção

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

Técnicas de análise de proteínas. Estrutura secundária da enzima COMT

Técnicas de análise de proteínas. Estrutura secundária da enzima COMT Técnicas de análise de proteínas Estrutura secundária da enzima COMT Fundamento e aplicação das técnicas de análise de proteínas Electroforese em gel de poliacrilamida (SDS-PAGE) Hibridação Western Electroforese

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA Fixação 1) (UNICAMP) Considere um fragmento de DNA com a seguinte sequência de bases: GTA GCC TAG E responda: a) Qual será a sequência

Leia mais

Antes da descoberta dos sirnas oligonucleotídeos antisenso (ASO) eram usados para silenciar genes

Antes da descoberta dos sirnas oligonucleotídeos antisenso (ASO) eram usados para silenciar genes Antes da descoberta dos sirnas oligonucleotídeos antisenso (ASO) eram usados para silenciar genes Zamecnik PC and Stephenson ML, 1978: oligonucleotídeos como agentes antisenso para inibir replicação viral.

Leia mais

ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA

ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA ÁCIDOS NUCLEÍCOS RIBOSSOMO E SÍNTESE PROTEÍCA ÁCIDOS NUCLÉICOS: Moléculas orgânicas complexas, formadas polimerização de nucleotídeos (DNA e RNA) pela Contêm a informação que determina a seqüência de aminoácidos

Leia mais

16/04/2015 ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA DNA E RNA DNA E RNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA DO DNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA DO DNA

16/04/2015 ÁCIDOS NUCLEICOS DNA E RNA DNA E RNA DNA E RNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA DO DNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA DO DNA ÁCIDOS NUCLEICOS E RNA E RNA Plano de Aula -Componentes básicos de e RNA -Características estruturais e funcionais -Tipos de RNA Profª Dra. Juliana Schmidt Medicina 2014 E RNA BREVE HISTÓRICO DA DESCOBERTA

Leia mais

GABARITO BIOLOGIA REVISÃO 01 3 ANO A/B ENSINO MÉDIO

GABARITO BIOLOGIA REVISÃO 01 3 ANO A/B ENSINO MÉDIO GABARITO BIOLOGIA REVISÃO 01 3 ANO A/B ENSINO MÉDIO Resolução: 01. B 02. E 03. No alantóide da ave há uma rede de capilares sangüíneos onde ocorre a respiração. O principal excreta nitrogenado da ave é

Leia mais

Genes. Menor porção do DNA capaz de produzir um efeito que pode ser detectado no organismo. Região do DNA que pode ser transcrita em moléculas de RNA.

Genes. Menor porção do DNA capaz de produzir um efeito que pode ser detectado no organismo. Região do DNA que pode ser transcrita em moléculas de RNA. Genes Menor porção do DNA capaz de produzir um efeito que pode ser detectado no organismo. Região do DNA que pode ser transcrita em moléculas de RNA. Ácidos nucleicos Os ácidos nucléicos são macromoléculas

Leia mais

Biotecnologia: principais me todos moleculares

Biotecnologia: principais me todos moleculares Biotecnologia: principais me todos moleculares Raphael Bessa Parmigiani, PhD Centro de Oncologia Molecular Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa Curso de Introdução à Biologia Molecular Goiânia,

Leia mais

CÓDIGO GENÉTICO E SÍNTESE PROTEICA

CÓDIGO GENÉTICO E SÍNTESE PROTEICA CÓDIGO GENÉTICO E SÍNTESE PROTEICA Juliana Mara Stormovski de Andrade As proteínas são as moléculas mais abundantes e funcionalmente diversas nos sistema biológicos. Praticamente todos os processos vitais

Leia mais

Exame de 1ª Época Engenharia Genética 16 de Janeiro de 2009 Duração: 2h30min

Exame de 1ª Época Engenharia Genética 16 de Janeiro de 2009 Duração: 2h30min Nome: Curso: Nº Exame de 1ª Época Engenharia Genética 16 de Janeiro de 2009 Duração: 2h30min As bactérias Gram-negativas como Salmonella typhi têm de se adaptar a uma variedade de stresses ambientais extremos

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br São macromoléculas gigantescas, com massa molecular maior que 100 milhões. Os ácidos nucléicos foram isolados pela primeira vez a partir do núcleo

Leia mais

A natureza química do material genético Miescher nucleínas. ácidos nucleicos. ácido desoxirribonucleico ácido ribonucleico Avery MacLeod McCarty

A natureza química do material genético Miescher nucleínas. ácidos nucleicos. ácido desoxirribonucleico ácido ribonucleico Avery MacLeod McCarty UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL COLÉGIO DE APLICAÇÃO Departamento de Ciências Exatas e da Natureza Disciplina: Biologia Professora: Lauren Valentim A natureza química do material genético A natureza

Leia mais

TRANSCRICAO E PROCESSAMENTO DE RNA

TRANSCRICAO E PROCESSAMENTO DE RNA TRANSCRICAO E PROCESSAMENTO DE RNA Número de genes para RNA RNA ribossômico - rrna Os rrnas correspondem a 85 % do RNA total da célula, e são encontrados nos ribossomos (local onde ocorre a síntese proteíca).

Leia mais

Aula 4 Estrutura do RNA

Aula 4 Estrutura do RNA Biologia Molecular Básica Módulo I Básico Aula 4 Estrutura do RNA O RNA é uma molécula intermediária na síntese de proteínas. Ela faz a intermediação entre o DNA e as proteínas. As principais diferenças

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos Rio de Janeiro, 21-25 setembro de 2009 Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ Construções Mais Comuns

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR) Uma das dificuldades dos pesquisadores frente à análise baseada no DNA é a escassez deste. Na medicina forense pode-se ter

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 2: Breve revisão estrutura do DNA Prof. Carlos Castilho de Barros Prof. Augusto Schneider Quando se estuda metabolismo você certamente vai se deparar com termos de genéyca!

Leia mais

Bioinformática. Conceitos Fundamentais de Biologia Molecular. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br

Bioinformática. Conceitos Fundamentais de Biologia Molecular. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br Bioinformática Conceitos Fundamentais de Biologia Molecular Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 24 de agosto de 2015 Paulo H. R. Gabriel

Leia mais

O processo fisiológico que está representado no gráfico é

O processo fisiológico que está representado no gráfico é Questão 01) Analise o gráfico a seguir. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2014. O processo fisiológico que está representado no gráfico é a) o efeito do aumento

Leia mais

Resumo de Biologia. No caso das células procarióticas o material genético encontra-se espalhado no citoplasma da célula, denominando-se nucleóide.

Resumo de Biologia. No caso das células procarióticas o material genético encontra-se espalhado no citoplasma da célula, denominando-se nucleóide. Resumo de Biologia Crescimento e renovação celular As células são unidades estruturais e funcionais dos organismos. Utilizando o seu programa genético, produzem moléculas específicos que permitem o crescimento

Leia mais

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs João Meidanis Scylla Bioinformática e UNICAMP III Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Gramado, RS Maio 2005 MINI-CURSO - AGENDA 1. Primeiro Dia

Leia mais

Análise de Dados de Expressão Gênica

Análise de Dados de Expressão Gênica Análise de Dados de Expressão Gênica Ivan G. Costa Filho igcf@cin.ufpe.br Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Tópicos O que e expressão gênica? Como medir expressão gênica? Aspectos

Leia mais

DNA: Passado, Presente e Futuro

DNA: Passado, Presente e Futuro DNA: Passado, Presente e Futuro O passado O modelo do DNA que hoje nos é tão familiar foi divulgado em abril de 1953 na revista científica Nature pelos cientistas James Watson e Francis Crick. Eles afirmaram

Leia mais

ÁCIDOS NUCLEICOS DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO RNA - ÁCIDO RIBONUCLEICO

ÁCIDOS NUCLEICOS DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO RNA - ÁCIDO RIBONUCLEICO ÁCIDOS NUCLEICOS DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO RNA - ÁCIDO RIBONUCLEICO 1 Funções dos ácidos nucleicos Armazenar e expressar a informação genética Replicação Cópia da mensagem contida no DNA, que será

Leia mais

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu PCR tempo real PCR quantitativo 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu Aspectos Básicos um dos métodos atuais de aferir o nível de expressão de genes mas não é o único: Northern blotting (quantificação

Leia mais

NÚCLEO e DIVISÃO CELULAR

NÚCLEO e DIVISÃO CELULAR NÚCLEO e DIVISÃO CELULAR CÉLULA EUCARIONTE Cláudia Minazaki NÚCLEO Único; Normalmente: central Formato: acompanha a forma da célula Tamanho: varia com o funcionamento da célula Ciclo de vida da célula

Leia mais

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler Tópicos (1) Estratégias gerais de estudo de sequências de DNA específicas em populações de DNA complexas Requisitos da reacção de polimerização em cadeia

Leia mais

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia Computacional e Sistemas. Seleção de Mestrado 2012-B

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia Computacional e Sistemas. Seleção de Mestrado 2012-B Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia Computacional e Sistemas Seleção de Mestrado 2012-B INSTRUÇÕES (LEIA ATENTAMENTE ANTES DE PREENCHER A PROVA): a. Identifique sua prova unicamente com

Leia mais

DNA polimerases dependentes de "template"

DNA polimerases dependentes de template DNA polimerases dependentes de "template" - Adicionam deoxiribonucleótidos à extremidade 3' de cadeias duplas de DNA com um local de "priming" - A síntese ocorre exclusivamente na direcção 5'-3' da nova

Leia mais

Análise de técnicas de selecção de atributos em Bioinformática

Análise de técnicas de selecção de atributos em Bioinformática Análise de técnicas de selecção de atributos em Bioinformática Rui Mendes 100378011 Bioinformática 10/11 DCC Artigo Base Yvan Saeys, Inaki Inza and Pedro Larranaga. A review of feature selection techniques

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

Problemas de Engenharia Genética

Problemas de Engenharia Genética Engenharia Genética Secção de Genética e Dinâmica de Populações Departamento de Biologia Vegetal Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Problemas de Engenharia Genética 2. Técnicas de análise

Leia mais

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS PIOS Cristiane Kioko Shimabukuro Dias Pós-doutorado - FAPESP E-mail: crisdias@ibb.unesp.br Laboratório de Biologia e Genética de Peixes - Departamento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO 3º Teste Sumativo DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turmas A e B TEMA: Regulação e alteração do material genético Versão A 31 de janeiro de 2013 90 minutos Nome: Nº

Leia mais

Bioinformática Histórico e conceitos básicos

Bioinformática Histórico e conceitos básicos Bioinformática Histórico e conceitos básicos Raimundo Lima da S. Júnior M.Sc. Departamento de Biologia Núcleo de Pesquisas Replicon PUC-GO Silva Jr., RL Casamento entre a ciência da computação e a biologia

Leia mais

Ficha de Apoio Teórico: Replicação do DNA

Ficha de Apoio Teórico: Replicação do DNA Escola Secundária c/ 3º Ciclo João Gonçalves Zarco Ano Lectivo 2008/2009 Biologia/Geologia (ano 2) Ficha de Apoio Teórico: Replicação do DNA Introdução Uma das características mais pertinentes de todos

Leia mais

Genética Molecular. Fundamentos Aplicações científicas Biotecnologia

Genética Molecular. Fundamentos Aplicações científicas Biotecnologia Genética Molecular Fundamentos Aplicações científicas Biotecnologia Genética Molecular DNA RNA Proteínas Universo Celular Ciclo celular Ciclo Celular: Mitose Célula animal Núcleo Celular: Cromossomas Cromossoma:

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

GENÉTICA VII APLICAÇÕES DO CONHECIMENTO GENÉTICO

GENÉTICA VII APLICAÇÕES DO CONHECIMENTO GENÉTICO GENÉTICA VII APLICAÇÕES DO CONHECIMENTO GENÉTICO Prof. Jose Amaral/2012/2013 Metabolismo de controle O metabolismo é controlado pelos ácidos nucléicos, compostos que coordenam uma série de reações em que

Leia mais

Bioinformática. Trabalho prático enunciado complementar. Notas complementares ao 1º enunciado

Bioinformática. Trabalho prático enunciado complementar. Notas complementares ao 1º enunciado Bioinformática Trabalho prático enunciado complementar Neste texto, enunciam- se algumas considerações adicionais ao 1º enunciado e uma lista de possíveis tarefas que complementam o enunciado original

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS

Leia mais

objetivos Complexidade dos genomas II AULA Pré-requisitos

objetivos Complexidade dos genomas II AULA Pré-requisitos Complexidade dos genomas II AULA 31 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Explicar os fatores envolvidos com a complexidade dos genomas de eucariotos. Descrever as principais características

Leia mais

A Estrutura da molécula de DNA. Identificação dos ácidos nucléicos e da molécula certa inaugura a genética molecular

A Estrutura da molécula de DNA. Identificação dos ácidos nucléicos e da molécula certa inaugura a genética molecular Page 1 of 5 A Estrutura da molécula de DNA Identificação dos ácidos nucléicos e da molécula certa inaugura a genética molecular Em 1869, o bioquímico suíço Friedtich Mieschner aventou pela primeira vez

Leia mais

Como a vida funciona? O processo de Transcrição. Prof. Dr. Francisco Prosdocimi

Como a vida funciona? O processo de Transcrição. Prof. Dr. Francisco Prosdocimi Como a vida funciona? O processo de Transcrição Prof. Dr. Francisco Prosdocimi Dogma central O fluxo da informação é unidirecional Refutação definitiva da herança dos caracteres adquiridos Transcrição

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

II AS OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA

II AS OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA II AS OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA Duração da prova: 120 minutos 2007 1ª ELIMINATÓRIA Na folha de respostas preencha o cabeçalho com os seus dados e os da escola que representa. O teste tem a duração de

Leia mais

QUESTÕES ENVOLVENDO ASPECTOS GERAIS DA CITOLOGIA COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DAS MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARA O MUNDO VIVO. Prof.

QUESTÕES ENVOLVENDO ASPECTOS GERAIS DA CITOLOGIA COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DAS MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARA O MUNDO VIVO. Prof. Questão 01 QUESTÕES ENVOLVENDO ASPECTOS GERAIS DA CITOLOGIA COM ÊNFASE NA IMPORTÂNCIA DAS MEMBRANAS BIOLÓGICAS PARA O MUNDO VIVO Prof. Cláudio Góes O mundo vivo é construído de tal forma que podemos estabelecer

Leia mais

Sequenciamento de DNA

Sequenciamento de DNA Sequenciamento de DNA Figure 8-50a Molecular Biology of the Cell ( Garland Science 2008) Método de Sanger Reação de síntese de DNA por uma DNA polimerase A incorporação de um dideoxinucleotídeo interrompe

Leia mais