ABNT/CEE-85 2º PROJETO 00: /4 MAIO/2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABNT/CEE-85 2º PROJETO 00:001.85-006/4 MAIO/2009"

Transcrição

1 Televisã digital terrestre Cdificaçã de dads e especificações de transmissã para radidifusã digital Parte 4: Ginga-J Ambiente para a execuçã de aplicações prcedurais APRESENTAÇÃO 1) Este 2º Prjet fi elabrad pela Cmissã de Estud Especial de Televisã Digital (ABNT/CEE-85), nas reuniões de: ) Nã tem valr nrmativ; 3) Aqueles que tiverem cnheciment de qualquer direit de patente devem apresentar esta infrmaçã em seus cmentáris, cm dcumentaçã cmprbatória; 4) Tmaram parte na elabraçã deste Prjet: Participante AOC CCE CESAR CESAR CESAR CESAR CESAR CESAR CPQD Representante Aguinald Silva Walter Iervlin Andrin Sares de Suza Celh Carls André Guimarães Ferraz Marc Aureli Mren Santiag Mári Fried Paul Abadie Guedes Marja Daniel Mutinh Pataca

2 CPQD CPQD FUNTEC/AM FUCAPI HIRIX INMETRO INMETRO LAVID/UFPB LAVID/UFPB LAVID/UFPB LAVID/UFPB LAVID/UFPB LAVID/UFPB LAVID/UFPB LAVID/UFPB LINEAR LG Electrnics LG Electrnics LG Electrnics LG Electrnics LSI/USP MACKENZIE MOPA EMBEDDED SYSTEMS MOPA EMBEDDED SYSTEMS MOPA EMBEDDED SYSTEMS MOPA EMBEDDED SYSTEMS PANASONIC PANASONIC POSITIVO POSITIVO PUC-Ri PUC-Ri Hug Cesar Crhare Lavalle Nilsa Tyk Azana Wilkens de Figueired Humbert Zalkind Lincln Ewertn Madruga Luiz da Silva Mell Carls Eduard Celh Freire Batista Derzu Omaia Giulian Maia Lins de Castr Guid Lems de Suza Filh Lincln David Nery e Silva Pierre de Arauj Cabral Rani Kulesza Tiag Dias Carvalh d Nasciment Vanessa Lima Gilbert A. R. Sacrament Alyssn Brit Brun Carvalh Sandr Chagas Laisa C. P. Csta Gunnar Bedicks Luiz Eduard Cunha Leite Gilbert Farias de Susa Filh Rafael Rssi de Mell Brandã Sindlf Miranda Filh Fabi Campanhã Masu Kan Jean Felipe Denis Hyplit Luiz Fernand G. Sares Marci Ferreira Mren

3 REDE RECORD REDE RECORD RF TELAVO SAMSUNG SAMSUNG SBT SBT SEMPTOSHIBA SET SONY SONY SONY SUN MICROSYSTEMS SUN MICROSYSTEMS TQTVD TQTVD TQTVD TQTVD TV BANDEIRANTES TV GLOBO TV GLOBO TV GLOBO TV GLOBO TV GLOBO UNICAMP UNICAMP/RCASft UNICAMP/RCASft Antni Marci Pena Fabi Eduard Angeli Mari Rtndar Dmings Stavridis Kiriaks Luis Gustav Pacla Alves Luana Brav Amaury Silva Marc Tanaka Olímpi J. Franc Alexandre Keller Edsn Nakamura Yutaka Obara Dimas Oliveira Paul Riskalla Aguinald Bquimpani David Campel Marci Alves Hernan Perrne Jã Vandrs Ana Eliza Faria e Silva Carls Fini Eduard Giantt Cleveland Albuquerquer Paul Henrique C. V de Castr Luis Gerald Melni Rdrig Cascã Arauj Marcs César Manente

4 Televisã digital terrestre Cdificaçã de dads e especificações de transmissã para radidifusã digital Parte 4: Ginga-J Ambiente para a execuçã de aplicações prcedurais Digital terrestrial televisin Data cding and transmissin specificatin fr digital bradcasting Part 4: Ginga-J - The envirnment fr the executin f prcedural applicatins Palavras-chave: Televisã digital terrestre. Middleware. Aplicações prcedurais. Descriptrs: Digital terrestrial televisin. Middleware. Prcedural applicatins. Sumári Intrduçã 8 1 Escp 8 2 Referências nrmativas 8 3 Terms e definições 9 4 Abreviaturas 10 5 Arquitetura d middleware Ginga Visã geral da arquitetura Ginga Arquitetura Ginga-J Cntext Arquitetura 13 6 Frmat d cnteúd 13 7 Mdel de aplicaçã Ginga-J Mdel de aplicaçã Cicl de vida Inicializaçã de aplicações Finalizaçã de aplicações Suprte a múltiplas aplicações Cmpartilhament de recurss entre aplicações Cntrland aplicações Cmunicaçã entre aplicações Prpriedades d ambiente Códigs de cntrle de aplicaçã Armazenament e caching de aplicações Mdels de armazenament Questões de armazenament Caching prativ Transmissã de aplicações Regras de sinalizaçã Empactament de aplicações Autenticaçã de aplicaçã Sinalizand a mesma aplicaçã em diverss serviçs Permissões de aplicaçã Dwnlad de aplicações através d canal interativ 20

5 8 Platafrma Ginga-J Platafrma Java Cnsiderações básicas da platafrma Ambiente de execuçã Hierarquia de pactes e classes Ntificaçã de events Cdificaçã de text Cicl de vida das aplicações Infra-estrutura cmum Apresentaçã gráfica e tratament de events LWUIT, LightWeight user interface tlkit Interface gráfica de usuári Tratament de events d usuári Infrmaçã e seleçã de serviçs Cnsiderações gerais Integraçã cm API independente de prtcl Apresentaçã e execuçã de mídias Acess a dads Cnsiderações gerais Acess a arquivs Prtcl de transprte pr radidifusã Armazenament persistente Acess a prpriedades d sistema Suprte a IP sbre canal de interatividade Filtragem de seçã MPEG Gerenciament de aplicações Sintnizaçã Pnte NCL Permissões Cnfigurações e plíticas de permissões Aplicações nã-assinadas Aplicações assinadas Referência de cnteúds Segurança Regras brigatórias Segurança n canal de interatividade Prpriedades da platafrma Prpriedades de sistema Prpriedades de usuári Integraçã de dispsitivs Canal de interatividade Lista cmpleta de pactes d Ginga-J Pactes da platafrma Java Pactes da especificaçã JavaTV Pactes da especificaçã JavaDTV Pactes da especificaçã JMF Pactes da especificaçã JSSE

6 Pactes da especificaçã JCE Pactes da especificaçã SATSA Pactes específics Ginga-J 40 Anex A (nrmativ) Especificaçã Java DTV API A.1 Cnsiderações gerais 41 A.2 API Java DTV 41 A.2.1 Pacte cm.sun.dtv.bradcast 41 A.2.2 Pacte cm.sun.dtv.smartcard 41 A.2.3 Pacte cm.sun.dtv.lwuit.events 42 A.2.4 Pacte cm.sun.dtv.filtering 42 A.2.5 Pacte cm.sun.dtv.ui.event 43 A.2.6 Pacte cm.sun.dtv.lwuit.plaf 44 A.2.7 Pacte cm.sun.dtv.media.timeline 45 A.2.8 Pacte cm.sun.dtv.media.language 45 A.2.9 Pacte cm.sun.dtv.applicatin 46 A.2.10 Pacte cm.sun.dtv.media.audi 46 A.2.11 Pacte cm.sun.dtv.test 47 A.2.12 Pacte cm.sun.dtv.tuner 47 A.2.13 Pacte cm.sun.dtv.lwuit.layuts 47 A.2.14 Pacte cm.sun.dtv.bradcast.event 48 A.2.15 Pacte cm.sun.dtv.lwuit.list 48 A.2.16 Pacte cm.sun.dtv.ui 49 A.2.17 Pacte cm.sun.dtv.media.cntrl 51 A.2.18 Pacte cm.sun.dtv.media.dripfeed 51 A.2.19 Pacte cm.sun.dtv.security 51 A.2.20 Pacte cm.sun.dtv.lwuit.painter 52 A.2.21 Pacte cm.sun.dtv.lcatr 52 A.2.22 Pacte cm.sun.dtv.resurces 53 A.2.23 Pacte cm.sun.dtv.net 53 A.2.24 Pacte cm.sun.dtv.media.text 54 A.2.25 Pacte cm.sun.dtv.media.frmat 54 A.2.26 Pacte cm.sun.dtv.platfrm 55 A.2.27 Pacte cm.sun.dtv.i 55 A.2.28 Pacte cm.sun.dtv.lwuit.animatins 55 A.2.29 Pacte cm.sun.dtv.service 56 A.2.30 Pacte cm.sun.dtv.media 56 A.2.31 Pacte cm.sun.dtv.transprt 57 A.2.32 Pacte cm.sun.dtv.lwuit.util 57 A.2.33 Pacte cm.sun.dtv.lwuit 58 A.2.34 Pacte cm.sun.dtv.lwuit.gem 59 Anex B (nrmativ) Especificaçã da API de infrmações de serviç dependente de prtcl 61 B.1 Cnsiderações gerais 61 B.2 API infrmaçã de serviç dependente de prtcl 61 B.2.1 Pacte br.rg.sbtvd.net 61 B.2.2 Pacte br.rg.sbtvd.si 62

7 Anex C (nrmativ) Especificaçã API de extensã para sintnia Pacte br.rg.sbtvd.net.tuning 80 C.1 Pacte br.rg.sbtvd.net.tuning 80 C.1.1 Classe ChannelManager 80 C.1.2 Classe Channel 80 Anex D (nrmativ) Especificaçã API de pnte NCL 1 D.1 Cnsiderações gerais 1 D.2 API de pnte NCL 1 D.2.1 Pacte br.rg.sbtvd.net.bridge 1 D.2.2 Pacte br.rg.sbtvd.net.bridge.ncl 6 Anex E (nrmativ) Especificaçã API de integraçã de dispsitivs 8 E.1 Cnsiderações gerais 8 E.2 API de extensã para sintnia - Pacte br.rg.sbtvd.interactindevices 8 E.2.1 Classe GRemteDeviceManager 8 E.2.2 Classe GRemteDevice 8 E.2.3 Interface GRemteDeviceActinListener 10 E.2.4 Classe GRemteEvent 10 E.2.5 Classe GRemteKeyEvent 11 Anex F (nrmativ) Especificaçã API canal de interatividade Pacte br.rg.sbtvd.net.rc 13 F.1 Interface ReturnChannel 13! F.2! Classe ReturnChannelManager 13! F.3! Interface CnnectinReturnChannel extends ReturnChannel 14! F.4! Classe CnnectinRCCntrller 14! F.5! Classe CnnectinParameters 15! F.6! Interface CnnectinListener 15! F.7! Classe CnectinRCEvent extends java.util.eventobject 15! F.8! Classe CnnectinEstablishedEvent extends CnnectinRCEvent 16! F.9! Classe CnnectinFailedEvent extends CnnectinRCEvent 16! F.10! Classe CnnectinTerminatedEvent extends CnnectinRCEvent 16! F.11! Classe ReturnChannelExceptin extends java.lang.exceptin 16! F.12! Classe IncmpleteTargetExceptin extends ReturnChannelExceptin 16! F.13! Classe NFreeInterfaceExceptin extends ReturnChannelExceptin 16! F.14! Classe NtOwnerExceptin extends ReturnChannelExceptin 17! F.15! Classe RCMessage 17! F.16! Classe RCAsynchrnus 17! F.17! Classe AsynchrnusMessageTable 17! Anex G (nrmativ) Especificaçã API de suprte a plans gráfics Pacte br.rg.sbtvd.ui 19! G.1! Classe ClrCding 19! G.2! Classe StillPicture 19! G.3! Classe SwitchArea 19! Bibligrafia 21!

8 Prefáci A Assciaçã Brasileira de Nrmas Técnicas (ABNT) é Fr Nacinal de Nrmalizaçã. As Nrmas Brasileiras, cuj cnteúd é de respnsabilidade ds Cmitês Brasileirs (ABNT/CB), ds Organisms de Nrmalizaçã Setrial (ABNT/ONS) e das Cmissões de Estud Especiais (ABNT/CEE), sã elabradas pr Cmissões de Estud (CE), frmadas pr representantes ds setres envlvids, delas fazend parte: prdutres, cnsumidres e neutrs (universidades, labratóris e utrs). Os Prjets de Nrma Brasileira, elabrads n âmbit ds ABNT/CB e ABNT/ONS, circulam para Cnsulta Nacinal entre s assciads da ABNT e demais interessads. O Escp desta Nrma Brasileira em inglês é seguinte: Scpe This part f ABNT NBR specifies the requirements fr the prcedural part f the middleware fr the Brazilian digital terrestrial televisn system (SBTVD). Intrduçã A definiçã Ginga-J é cmpsta pr um cnjunt de API (Applicatin Prgramming Interface, Interfaces de Prgramaçã de Aplicativs) prjetadas para suprir tdas as funcinalidades necessárias para a implementaçã de aplicativs para televisã digital, desde a manipulaçã de dads multimídia até prtcls de acess. A especificaçã Ginga se aplica as receptres para sistemas de transmissã terrestre de televisã (ver-the-air). Ginga é destinad a cbrir uma série cmpleta de implementações incluind s receptres-decdificadres integrads (IRD), aparelhs de televisã integrads, cmputadres multimídia e clusters lcais de aparelhs cnectads via redes dmésticas (Hme Area Netwrks, HAN). Esta parte da ABNT NBR é destinada as desenvlvedres de receptres cmpatíveis cm sistema brasileir de televisã digital terrestre (SBTVD) e as desenvlvedres de aplicativs que utilizam a funcinalidade e API Ginga. Esta parte da ABNT NBR tem cm bjetiv garantir a interperabilidade ds aplicativs Ginga e diferentes implementações Ginga. Esta parte da ABNT NBR é harmnizada cm especificações internacinais, cnfrme detalhad n Anex A. 1 Escp Esta parte da ABNT NBR especifica s requisits para a parte prcedural d middleware para sistema brasileir de televisã digital terrestre (SBTVD). 2 Referências nrmativas Os dcuments relacinads a seguir sã indispensáveis à aplicaçã deste dcument. Para referências datadas, aplicam-se smente as edições citadas. Para referências nã datadas, aplicam-se as edições mais recentes d referid dcument (incluind emendas). ABNT NBR 15601:2007, Televisã digital terrestre Sistema de transmissã ABNT NBR 15603:2007 (tdas as partes), Televisã digital terrestre Multiplexaçã e serviçs de infrmaçã (SI) Parte 1: SI d sistema de radidifusã

9 ABNT NBR 15604:2007, Televisã digital terrestre Receptres ABNT NBR , Televisã digital terrestre - Cdificaçã de dads e especificações de transmissã para radidifusã digital Parte 1: Cdificaçã de dads. ABNT NBR :2007, Televisã digital terrestre Cdificaçã de dads e especificações de transmissã para radidifusã digital Parte 2: Ginga-NCL para receptres fixs e móveis Linguagem de aplicaçã XML para cdificaçã de aplicações. ABNT NBR :2007, Televisã digital terrestre - Cdificaçã de dads e especificações de transmissã para radidifusã digital Parte 3: Especificaçã de transmissã de dads. ISO/IEC :1998, Infrmatin technlgy - 8-bit single-byte cded graphic character sets - Part 1: Latin alphabet N 1 ARIB STD-B10:2008, Service infrmatin fr digital bradcasting system ARIB STD-B23:2006, Applicatin executin engine platfrm fr digital bradcasting ARIB STD-B31:2007 Transmissin Cding Standard CDC 1.1:2008, Cnnected Device Cnfiguratin 1.1 (JSR 218), dispnível em FP 1.1:2008, Fundatin Prfile 1.1 (JSR 219), dispnível em ISO 639-2, Cdes fr the representatin f names f languages-- Part 2: alpha-3 cde. ISO/IEC , Infrmatin technlgy -- Generic cding f mving pictures and assciated audi infrmatin: Systems JAR:2009, Sun Micrsystems. JAR File Specificatin. 2009, dispnível em LWUIT 1.1:2008, LightWeight User Interface Tlkit, Sun Micrsystems. JAVADTV1.1:2009, Java DTV Specificatin, Sun Micrsystems. JAVATV1.1:2008, Java TV Specificatin 1.1 (JSR 927), Sun Micrsystems. JVM:1997, Java(TM) Virtual Machine Specificatin, The (2nd Editin), T Lindhlm, F Yellin Addisn- Wesley IETF 2560:1999, X.509 Internet Public Key Infrastructure - Online Certificate Status Prtcl - OCSP IETF RFC 5246:2008, The TLS Prtcl Versin 1.2 PBP 1.1:2008, Persnal Basis Prfile 1.1 (JSR 217), dispnível em 3 Terms e definições Para s efeits desta parte da ABNT NBR 15606, aplicam-se s seguintes terms e definições. 3.1 bytecde frma intermediária de códig interpretada pela JVM

10 3.2 cntext de serviç ambiente n qual serviç é apresentad n receptr digital 3.3 Máquina Virtual Java Java Virtual Machine JVM prcess que carrega e executa s aplicativs Java 3.4 serviç cnjunt de infrmações, que cntém áudi, víde e/u dads, para apresentaçã em um receptr digital NOTA Nrmalmente serviç é referenciad pels telespectadres cm canal de televisã. 3.5 zapper aplicaçã residente, tipicamente desenvlvida pel fabricante d receptr a qual usuári pde ativar a qualquer mment NOTA O zapper pde ser usad para selecinar serviçs e aplicações para psterir execuçã. 4 Abreviaturas Para s efeits desta parte da ABNT NBR 15606, aplicam-se as seguintes abreviaturas. API CA CDC CSS ECMA EDT EPG HAN IRD JPEG MIDP MPEG NCL PBP PDA PNG SBTVD TOT TS UTF XHTML Applicatin Prgramming Interface Cnditinal Access Cnnected Device Cnfiguratin Cascading Style Sheets Eurpean Cmputer Manufacturers Assciatin Event Electrnic Prgram Guide Hme Area Netwrk Integrated Receiver Decder Jint Phtgraphic Expert Grup Móbile Infrmatin Devide Prfile Mving Picture Expert Grup Nested Cntext Language Persnal Basis Prfile Persnal Digital Assistant Prtable Netwrk Graphics Sistema Brasileir de Televisã Digital Terrestre Time Offset Table Transprt Stream Unicde Transfrmatin Frmat extensible Hypertext Markup Language 5 Arquitetura d middleware Ginga 5.1 Visã geral da arquitetura Ginga O univers das aplicações para televisã digital pde ser particinad em dis cnjunts: das aplicações declarativas e das aplicações prcedurais. Uma aplicaçã declarativa é aquela em que sua entidade inicial é

11 d tip cnteúd declarativ. Analgamente, uma aplicaçã prcedural é aquela em que sua entidade inicial é d tip cnteúd prcedural. Um cnteúd declarativ deve ser basead em uma linguagem declarativa, ist é, em uma linguagem que enfatiza a descriçã declarativa d prblema, a invés da sua decmpsiçã em uma implementaçã algrítmica. Um cnteúd prcedural deve ser basead em uma linguagem nã declarativa. Linguagens nã declarativas pdem seguir diferentes paradigmas. Tem-se assim, as linguagens baseadas em móduls, rientadas a bjets etc. A literatura sbre televisã digital, n entant, utiliza term prcedural para representar tdas as linguagens que nã sã declarativas. Numa prgramaçã prcedural, cmputadr deve brigatriamente ser infrmad sbre cada pass a ser executad. Pde-se afirmar que, em linguagens prcedurais, prgramadr pssui um mair pder sbre códig, send capaz de estabelecer td flux de cntrle e execuçã de seu prgrama - cm existem mais recurss dispníveis grau de cmplexidade é mair. A linguagem mais usual encntrada ns ambientes prcedurais de um sistema de TV digital é Java. O Ginga-NCL (u Máquina de Apresentaçã) é um subsistema lógic d Sistema Ginga que prcessa dcuments NCL. Um cmpnente-chave d Ginga-NCL é mecanism de decdificaçã d cnteúd infrmativ (NCL frmatter). Outrs móduls imprtantes sã usuári basead em XHTML, que inclui uma linguagem de estil (CSS) e intérprete ECMAScript, e mecanism LUA, que é respnsável pela interpretaçã ds scripts LUA. O Ginga-J (u Máquina de Execuçã) é um subsistema lógic d Sistema Ginga que prcessa aplicações prcedurais (Xlets Java). Um cmpnente-chave d ambiente d aplicativ prcedural é mecanism de execuçã d cnteúd prcedural, que tem pr base uma Máquina Virtual Java. Decdificadres cmuns de cnteúd devem servir para as necessidades de aplicativs tant prcedurais quant infrmativs de decdificaçã e apresentaçã de cnteúds cmuns d tip PNG, JPEG, MPEG e utrs frmats. O Ginga-Cre é cmpst pr decdificadres e prcediments cmuns de cnteúd para bter cnteúds transprtads em fluxs de transprte MPEG-2 (TS) e através de um canal de retrn. O Ginga-Cre também deve suprtar mdel de exibiçã cnceitual descrit em ABNT NBR A arquitetura (ver Figura 1) e as facilidades da especificaçã Ginga devem ser destinadas à aplicaçã em sistemas e receptres de transmissã para transmissã terrestre (ver-the-air). Além diss, a mesma arquitetura, e facilidades, pdem ser aplicadas a utrs sistemas de transprte (cm sistemas de televisã via satélite u cab). Figura 1 - Arquitetura em alt nível d middleware Ginga

12 5.2 Arquitetura Ginga-J Cntext A Figura 2 apresenta cntext em que a pilha d sftware Ginga-J é executada. O Ginga-J é uma especificaçã de middleware distribuíd, que reside em um dispsitiv Ginga (dispsitiv que embarque middleware Ginga um receptr de televisã digital), cm pssibilidade de pssuir cmpnentes de sftware ns dispsitivs de interaçã (celulares, PDA etc.). Figura 2 - Cntext d Ginga-J O dispsitiv Ginga deve ter acess a fluxs de víde, áudi, dads e utrs recurss de mídia, que devem ser transmitids através d ar, cab, satélite u através de redes IP. As infrmações recebidas devem ser prcessadas e apresentadas as telespectadres. O telespectadr pde interagir cm dispsitiv Ginga através de dispsitivs de interaçã que pdem cnter cmpnentes de sftware Ginga de frma que dispsitiv de interaçã pssa enviar infrmações para dispsitiv Ginga utilizand as funcinalidades prvidas na especificaçã Ginga. Iss significa que estes cmpnentes de sftware, que pdem ser instalads ns dispsitivs de interaçã, permitem que as funcinalidades ds mesms sejam explradas, utilizand funcinalidades da API Ginga-J, pr aplicações ns dispsitivs Ginga (receptres de televisã digital). Para que um dispsitiv de interaçã pssa ser utilizad, ele deve estar registrad cm dispsitiv Ginga, e durante esse prcess dispsitiv de interaçã pde receber cmpnente de sftware necessári para viabilizar a cmunicaçã cm dispsitiv Ginga. Cm respsta à infrmaçã enviada pel telespectadr, dispsitiv Ginga deve apresentar a saída de víde e áudi utilizand seu própri mnitr e aut-falantes u s ds dispsitivs de interaçã. Um únic dispsitiv pde ter capacidade de entrada e saída simultâneas. EXEMPLO Um dispsitiv de interaçã pde ser um PDA cnectad à platafrma Ginga através de uma rede sem fi. Utilizand tal dispsitiv de interaçã, um telespectadr pde enviar cmands (events de usuári) à platafrma através d teclad PDA e s aplicativs da platafrma pdem enviar cnteúd visual para ser apresentad na tela d PDA. Um dispsitiv de interaçã pde ter capacidades de captura e reprduçã de sm, de frma que telespectadr pssa enviar fluxs de áudi e víde para dispsitiv Ginga, utilizand s dispsitivs de interaçã que dêem suprte a essa funcinalidade. Váris telespectadres pdem interagir cm a platafrma Ginga simultaneamente. Nesse cas, cada telespectadr pde ter um dispsitiv de interaçã e a platafrma deve distinguir s cmands enviads pr e para cada dispsitiv. O dispsitiv Ginga pde também enviar infrmações para s transmissres de cnteúd quand da existência de um canal de retrn (cnexã cm a Internet, pr exempl).

13 5.2.2 Arquitetura O mdel Ginga-J distingue entre as entidades e recurss de hardware, sftware d sistema e aplicativs cnfrme descrit na Figura 3. As aplicações residentes pdem ser implementadas usand funções nã padrnizadas, frnecidas pel Sistema Operacinal d dispsitiv de Ginga, u pr uma implementaçã particular d Ginga. Os aplicativs residentes também pdem incrprar funcinalidades prvidas pelas API padrnizadas Ginga-J. Aplicativs transmitids (Xlets) sempre devem utilizar API padrnizadas frnecidas pel Ginga-J. Figura 3 - Arquitetura Ginga-J e ambiente de execuçã Em geral, Ginga é alhei a quaisquer aplicativs residentes. Estas aplicações residentes incluem, mas nã limitam-se a: clsed captin, mensagens d sistema de acess cndicinal (Cnditinal Access CA), menus d receptr e guias de prgramaçã eletrônica (Eletrnic Prgram Guide EPG) residente. Os aplicativs residentes pdem ter priridade sbre s aplicativs Ginga. Cm exempl, clsed captin e mensagem de emergência devem ter priridade n Sistema Ginga. 6 Frmat d cnteúd O frmat d cnteúd para sistema brasileir de televisã digital terrestre deve estar de acrd cm ABNT NBR Mdel de aplicaçã Ginga-J 7.1 Mdel de aplicaçã Cicl de vida O mdel de aplicaçã Ginga-J deve estar de acrd cm mdel de aplicaçã definid em JAVADTV 1.1:2008. Desta frma, aplicações Ginga-J devem cnter uma classe implementand a interface javax.micreditin.xlet.xlet (ver PBP 1.1:2008), que deve ser referenciada de acrd cm as definições de sinalizaçã de aplicaçã (ver ABNT NBR :2007, 12.16). D cntrári, a classe (e a instância da aplicaçã) pdem ser ignradas. Aplicações Ginga-J devem ser executadas em um ambiente rientad a serviçs e mantidas pr um gerenciadr de aplicações glbal d sistema. Td serviç é apresentad em um cntext de serviç, que pderia ser definid

14 cm seu ambiente de execuçã. Para aplicações Ginga-J, cntext de serviç é representad pr uma instância da classe javax.micreditin.xlet.servicecntext. Além diss, aplicações Ginga-J pdem ser cntrladas tant pr um zapper, pela emissra (ver ABNT NBR :2007, 12.16), pr utra aplicaçã Ginga-J usand a API "Applicatin Management and LifeCycle Cntrl" (ver JAVADTV 1.1:2009) u ainda pr dcuments Ginga-NCL. Cnsiderand que a aplicaçã prvidencia uma classe que implementa a interface javax.micreditin.xlet.xlet, esta classe cntém a mens quatr métds que sã chamads pela platafrma para infrmar à aplicaçã de mudanças de cicl de vida iminentes. Um diagrama exibind cicl de vida de aplicações Ginga-J é mstrad na Figura 4. Figura 4 - Diagrama cm estads d cicl de vida de um Xlet Inicialmente, após s dads da aplicaçã serem btids, bjet que implementa javax.micreditin.xlet.xlet é criad usand seu cnstrutr. Se cnstrutr padrã retrnar sem disparar uma exceçã, a instância da aplicaçã será cnsiderada cm n estad "Laded", senã a instância da aplicaçã será cnsiderada cm n estad "Destryed" e descartada. NOTA A inicializaçã ds recurss utilizads pela aplicaçã é feita n métd initxlet() e nã n cnstrutr da classe. A chamada a cnstrutr é dependente de implementaçã. Para inicializar a aplicaçã métd initxlet é chamad um bjet instância de javax.micreditin.xlet.xletcntext, que pssui infrmaçã d cntext de execuçã para a aplicaçã incluind prpriedades e mecanisms para ntificaçã de mudanças de estads iniciadas pela aplicaçã. Assim que a instância da aplicaçã huver sid carregada e instanciada cm sucess, gerente de aplicações pde mudar estad da instância de aplicaçã para "Paused". NOTA É pssível que métd initxlet seja chamad assincrnamente. O métd startxlet pde entã ser chamad para infrmar à aplicaçã que ela será cnvertida para estad "Active", iniciand sua execuçã. O métd pausexlet pde ser chamad para infrmar à aplicaçã que ela deve mver-se para estad "Paused" e que ela deve minimizar seu cnsum de recurss. A aplicaçã pde mver-se de vlta para estad "Active" após uma nva chamada a métd startxlet. Uma instância de aplicaçã n estad "Paused" deve reduzir seu cnsum de recurss se ela tem a intençã de maximizar sua prbabilidade de sbrevivência. Ist nã implica que ela nã pde manter quaisquer recurss, mas que, cas mantenha, ela deve ter uma priridade menr a acess de recurss d que se estivesse n estad "Active". O métd destryxlet pde ser chamad em qualquer estad e é usad para avisar à aplicaçã que ela está prestes a ter sua execuçã terminada. A aplicaçã deve salvar infrmaçã de seu estad (se pssível e

15 necessári) e liberar recurss previamente utilizads mais rápid pssível. Este métd pssui um parâmetr blean que indica se é incndicinal que esta aplicaçã deve ser parada. Cas a aplicaçã esteja send parada devid a uma peraçã de seleçã de serviç, a finalizaçã da aplicaçã será incndicinal (ver seçã 7.1.3). NOTA Uma instância de aplicaçã pde entrar neste estad apenas uma vez. Se um métd na interface Xlet disparar javax.micreditin.xlet.xletstatechangeexceptin (ver PBP 1.1:2008), pr padrã Xlet permanece n estad em que estava imediatamente antes da chamada que disparu a exceçã. A única exceçã a esta regra é métd destryxlet quand parâmetr blean incndicinal fr passad cm valr verdadeir, nde disparar XletStateChangeExceptin nã deve ter efeit e Xlet deve ser destruíd. O métd initxlet deve ser chamad apenas uma vez. Além diss, gerente de aplicações pde esclher mver Xlet para estad "Destryed" (sem chamar destryxlet) algum temp específic da implementaçã depis cas seja disparada uma XletStateChangeExceptin. Aplicações n estad "Destryed" nã pdem ser iniciadas usand a API "Applicatin Management and LifeCycle Cntrl " (ver JAVADTV 1.1:2009) u qualquer utr mecanism dispnível na platafrma Inicializaçã de aplicações Quand um nv serviç é selecinad para exibiçã gerenciadr de aplicações glbal d sistema deve verificar as aplicações dispníveis de acrd cm a ABNT NBR :2007, Em particular, este gerenciadr também identifica aplicações que devem ser iniciadas imediatamente após a seleçã d serviç em questã. Se já existe uma aplicaçã em execuçã n mment em que crre a de-seleçã de serviç que a cntém, esta pde cntinuar em execuçã cas seja sinalizada cm uma aplicaçã válida para nv serviç selecinad. Após a seleçã de um serviç é pssível que aplicações alternativas sinalizadas sejam iniciadas pel usuári, pel zapper u pr quaisquer utras aplicações usand a API "Applicatin Management and LifeCycle Cntrl" (ver JAVADTV 1.1:2009). Ist é, usuári pde iniciar uma aplicaçã após receber uma ferta de aplicações através de alguma interface de usuári. Já que tal interface é dependente de implementaçã, serviçs sinalizads devem indicar explicitamente cas necessitem que a aplicaçã seja iniciada autmaticamente (ver ABNT NBR :2007, 12.16) Finalizaçã de aplicações Aplicações Ginga-J pdem vluntariamente terminar sua execuçã usand a API Xlet (ver PBP 1.1:2008) u pdem ser finalizadas pel gerenciadr de aplicações glbal d sistema.!"#$% &'(()*% +$,%,-"'.,/0)% &121% 314% (+,% 151.+/0)% '63144)$-'&,% '6.)6&'.')6,"$1631% (1$-41% 7+1% +$,% &,(% (18+'631(%.)6&'/91(%,.) $:%,% 3,;1",%!<=% >214% ABNT NBR 34).,&,% 1% 61(3,% 6)2,% 214(0)% 60)%.)6(3,% 3,;1",%!<=% >214% ABNT NBR 15603:2007?% 60)% #% $,'(% 6,% 3,;1",% DE=% >214% ABNT NBR 15603:2007?%&)%(142'/)%(16&)%15';'&)F% Quand uma instância de aplicaçã é eleita para ter sua execuçã terminada, gerenciadr de aplicações deve chamar seu métd destryxlet. Cnfrme descrit em 7.1.1, cas esta instância esteja send parada devid a uma peraçã de seleçã de serviç, sua finalizaçã deve ser incndicinal.

16 7.1.4 Suprte a múltiplas aplicações Aplicações Ginga-J devem ser executadas em um ambiente multitarefa rientad a events de mídia sinalizads pr difusã e entradas de events d usuári. O mdel de aplicaçã fi prjetad para ser extensível. É pssível suprtar múltiplas aplicações cncrrentes que estã cperand (prjetadas para se cmunicar entre si e cmpartilhar recurss) u nã (independentes e cmpetind pr recurss). O mdel de suprte a múltiplas aplicações d Ginga-J deve estar de acrd cm mdel de aplicaçã definid em JAVADTV 1.1:2009. Desse md, uma aplicaçã nã pde ser iniciada cas uma instância desta aplicaçã já esteja ativa n serviç selecinad para exibiçã. Para s cass em que mais de um Xlet está em execuçã, nã sã permitidas quaisquer ações que pssam afetar estad glbal da platafrma (ver 7.1.1). Cnsidera-se cada instância de aplicaçã cm se estivesse executand em sua própria instância de máquina virtual. Nã bstante, é respnsabilidade da emissra garantir que aplicações executadas simultaneamente em um dad serviç sejam cmpreensíveis a usuári e nã causem prblemas perceptíveis pr interferência mútua Cmpartilhament de recurss entre aplicações Permitir a execuçã simultânea de múltiplas aplicações implica que algumas regras devem ser definidas para que essas aplicações cmpartilhem recurss dispníveis n sistema. Em particular, aplicações em execuçã devem cmpartilhar "Input Fcus" e "Output Fcus". Uma aplicaçã pssui "Input Fcus" se e smente se java.awt.cmpnent u cm.sun.dtv.lwuit.cmpnent pssuind "Input Fcus" pertence à árvre de cmpnentes daquela aplicaçã. "Input Fcus" pde ser requisitad pr aplicações chamand métd requestfcus em uma das classes supracitadas, dependend d tip de cmpnente gráfic utilizad. A aplicaçã que pssui "Input Fcus" é em princípi capaz de receber events de entrada de usuári. Outras aplicações que nã pssuem "Input Fcus" pdem requisitar a recepçã de um subcnjunt ds events de entrada de usuári através da API "TV Specific UI functinality Event" (ver JAVADTV 1.1:2009) Cntrland aplicações É pssível cntrlar cicl de vida de uma aplicaçã através da API "Applicatin Management and LifeCycle Cntrl" (JAVADTV 1.1:2009), que prvê meis para permitir aplicações a requisitar a Applicatin Manager iniciar, parar, pausar e retmar utras aplicações Cmunicaçã entre aplicações O mdel de cmunicaçã entre aplicações d Ginga-J deve estar de acrd cm mdel de aplicaçã definid em JAVADTV 1.1:2009. Aplicações devem usar s mecanisms definids na API Inter-Xlet Cmmunicatin (ver PBP 1.1:2008) para tal. A cmunicaçã entre uma aplicaçã e utra é estabelecida pela ligaçã entre um bjet a um nme n javax.micreditin.xlet.ixc.ixcregistry (ver PBP 1.1:2008) e utra aplicaçã buscand este nme e invncand s métds d bjet. Os pssíveis "namespaces" para registr devem estar de acrd cm as definições estabelecidas pela interface de cmunicaçã entre aplicações de JAVADTV 1.1: Prpriedades d ambiente Além das prpriedades já definidas pel mdel Ginga-NCL (ver ABNT NBR :2007, 7.2.4), mdel de aplicaçã Ginga-J deve prver cada aplicaçã cm um javax.micreditin.xlet.xletcntext (ver PBP 1.1:2008) incluind um cnjunt de prpriedades específicas já definidas em JAVADTV 1.1:2009, as quais sã mstradas na Tabela 1.

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Clabradres Tutrial Atualizad cm a versã 3.9 Cpyright 2009 pr JExperts Tecnlgia Ltda. tds direits reservads. É pribida a reprduçã deste manual sem autrizaçã prévia e pr escrit da JExperts Tecnlgia

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

Administração de Redes Servidores de Aplicação

Administração de Redes Servidores de Aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Servidres de Aplicaçã

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection)

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection) Prjet de Sexta-feira: Prfessra Lucélia 1º Pass Criar banc de dads u selecinar banc de dads. Ntas: Camps nas tabelas nã pdem cnter caracteres acentuads, especiais e exclusivs de línguas latinas. Nã há necessidade

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO ÍNDICE QUE VALORES [MASTERSAF DFE] TRAZEM PARA VOCÊ? 1. VISÃO GERAL E REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 2 1.1. AMBIENTE... 2 1.2. BANCO DE DADOS... 4 2. BAIXANDO OS INSTALADORES DO DFE MASTERSAF... 5 3. INICIANDO

Leia mais

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras FKcrreisg2_cp1 - Cmplement Transprtadras Instalaçã d módul Faça dwnlad d arquiv FKcrreisg2_cp1.zip, salvand- em uma pasta em seu cmputadr. Entre na área administrativa de sua lja: Entre n menu Móduls/Móduls.

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

Manual de Configuração

Manual de Configuração Manual de Cnfiguraçã Pnt de Venda (PDV) Versã: 1.1 Índice 1 EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.1 INSTALANDO O TERMINAL EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.2 CAPTURANDO O NÚMERO DE SÉRIE E O GT DO

Leia mais

Processo TCar Balanço Móbile

Processo TCar Balanço Móbile Prcess TCar Balanç Móbile Tecinc Infrmática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centr Cascavel PR 1 Sumári Intrduçã... 3 Funcinalidade... 3 1 Exprtaçã Arquiv Cletr de Dads (Sistema TCar)... 4 1.1 Funcinalidade...

Leia mais

1 Criando uma conta no EndNote

1 Criando uma conta no EndNote O EndNte Basic (anterirmente cnhecid pr EndNte Web), é um sftware gerenciadr de referências desenvlvid pela Editra Thmsn Reuters. Permite rganizar referências bibligráficas para citaçã em artigs, mngrafias,

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aprximadamente 84 hras - aulas de 2 hras Primeira Parte Lógica de Prgramaçã 5 aulas 10 hras AULA 1 OBJETIVO 1. Cnceits básics: Algritm, Tips de Variáveis, Tips e Expressões

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã SIDC-Sistema Infrmaçã Descentralizad Cntabilidade Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema de Infrmaçã Descentralizad

Leia mais

IBOConsole Recuperação do Banco de Dados. Ferramenta de manutenção para recuperação de banco de dados.

IBOConsole Recuperação do Banco de Dados. Ferramenta de manutenção para recuperação de banco de dados. IBOCnsle Recuperaçã d Banc de Dads Ferramenta de manutençã para recuperaçã de banc de dads. 2 IBOCnsle ÍNDICE MAINTENANCE... 3 VALIDATION... 4 BACKUP/RESTORE... 6 BACKUP... 7 RESTORE... 10 3 IBOCnsle MAINTENANCE

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público Ntas de Aplicaçã Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm cntrladres HI HI Tecnlgia Dcument de acess públic ENA.00034 Versã 1.00 setembr-2010 HI Tecnlgia Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica de Medicaments Revisã 2 Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Prescriçã Eletrónica de Medicaments

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Roteiro de Implantação Estoque

Roteiro de Implantação Estoque Rteir de Implantaçã Estque Revisã: 23/07/2004 Abrangência Versã 7.10 Cadastrs Básics Dicas: Explique a necessidade d preenchiment ds brigatóris (camps na cr azul). Verifique se cliente necessita que mais

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação Definições Relacinadas à Plítica de Segurança da Infrmaçã Área respnsável Versã Data de emissã Data de revisã Data de vigência Infrmática Crprativa - Segurança 1.2 20/08/2009 30/10/2013 01/02/2014 Objetiv

Leia mais

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário CRC-MG Central de Registr Civil de Minas Gerais Certidã Online - Serventia Manual d usuári Prefáci Data: 30/01/2015 Versã dcument: 1.0 1. COMO ACESSAR O MÓDULO DA CERTIDÃO ONLINE... 04 2. OPÇÕES DE PEDIDOS

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE

MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE DAVID CHAPPELL OUTUBRO DE 2010 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION SUMÁRIO Pr que criar um nv mdel de prgramaçã?... 3 Três regras d mdel de prgramaçã d Windws

Leia mais

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS Manual d Usuári Elabrad pela W3 Autmaçã e Sistemas Infrmaçã de Prpriedade d Grup Jmóveis Este dcument, cm tdas as infrmações nele cntidas, é cnfidencial e de prpriedade d Grup Jmóveis,

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOGRAFIAS/IMAGENS

Leia mais

RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D

RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D ULTRASSONOGRAFIA OBSTÉTRICA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA FETAL ANEXO 1 TUTORIAL PARA EXPORTAÇÃO

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente As Clientes ds Sistemas de Química ADVIA. Referente: Ntificaçã Urgente de Segurança em Camp CHSW 13 03 10816443 Rev. A Data Nvembr / 2013 E-mail assunts.regulatris.br@siemens.cm Internet www.siemens.cm

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS Etapa 3 Cadastr d Prcess Seletiv O Presidente da CRM cadastra s dads d prcess n sistema. O prcess seletiv é a espinha drsal d sistema, vist que pr mei dele regem-se tdas as demais

Leia mais

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7 Mdel de Cmunicaçã Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica.

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

API de Integração E-Zoop Documentação de uso

API de Integração E-Zoop Documentação de uso API de Integraçã E-Zp Dcumentaçã de us Data de Atualizaçã: 10/06/2015 Índice 1. Intrduçã... 1 2. Características... 2 Cadastr de características... 2 Exclusã de características... 4 Listagem de características...

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos Capítul V Técnicas de Análise de Circuits 5.1 Intrduçã Analisar um circuit é bter um cnjunt de equações u valres que demnstram as características de funcinament d circuit. A análise é fundamental para

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Orientação Módulo: Consulta e Resposta à Notificação

Orientação Módulo: Consulta e Resposta à Notificação Ministéri d Trabalh e Previdência Scial Secretaria de Plíticas de Previdência Scial Departament ds Regimes de Previdência n Serviç Públic Crdenaçã-Geral de Atuária Cntabilidade e Investiments Orientaçã

Leia mais

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows Sftware Develpment Kit (SDK) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licenciament cnstituem um cntrat entre a Micrsft Crpratin (u dependend d país em que reside uma das respetivas empresas afiliadas)

Leia mais

UMG 100. User Media Gateway to E1 and VoIP. Transcoding nos 30 canais. Cancelamento de eco. Suporte SNMP. CDR personalizável

UMG 100. User Media Gateway to E1 and VoIP. Transcoding nos 30 canais. Cancelamento de eco. Suporte SNMP. CDR personalizável UMG 100 User Media Gateway t E1 and VIP Transcding ns 30 canais Cancelament de ec Suprte SNMP CDR persnalizável Design Clean e facilidade de instalaçã O UMG 100 é um user gateway da linha de Media Gateways

Leia mais

Ginga e a TV Digital Interativa no Brasil

Ginga e a TV Digital Interativa no Brasil Ginga e a TV Digital Interativa no Brasil Bruno Ghisi Engenheiro de Software weblogs.java.net/brunogh Alexandre Lemos Engenheiro de Software Objetivo Introduzir o conceito do cenário brasileiro de TV Digital,

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho Dcumentaçã de Versã Prjet Saúde e Segurança d Trabalh DATA: tt/3/yy Pág 1 de 6 ÍNDICE ALTERAÇÕES IMPLEMENTADAS NA VERSÃO 2.1 DO SST... 2 ITENS DE MENU CRIADOS PARA A VERSÃO 2.1... 2 PRESTADOR... 2 CLIENTE...

Leia mais

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo,

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo, AVISO NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCESSOS EM FORMATO DIGITAL A Câmara Municipal de Viseu vai iniciar, n próxim dia 5 de Janeir de 2015, a implementaçã da tramitaçã eletrónica ds prcesss de licenciament/admissã

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

IBOConsole Instalação e Configuração. Ferramenta para gerenciamento do banco de dados.

IBOConsole Instalação e Configuração. Ferramenta para gerenciamento do banco de dados. IBOCnsle Instalaçã e Cnfiguraçã Ferramenta para gerenciament d banc de dads. 2 IBOCnsle ÍNDICE INSTALAÇÃO IBOCONSOLE... 3 CONFIGURAÇÃO IBOCONSOLE... 6 Menu Cnsle... 6 Menu View... 8 Menu Server... 8 Menu

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares Prjet e Implementaçã de um Sftware para auxili n Ensin de Linguagens Regulares Jsé Rbsn de Assis 1, Marln Oliveira da Silva 1. Faculdade de Ciências Exatas e Cmunicaçã (FACEC) Universidade Presidente Antôni

Leia mais