A Eutanásia em Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Eutanásia em Portugal"

Transcrição

1 [Escrever texto] [Escrever texto] [Escrever texto] A Eutanásia em Portugal [Escrever texto] Página 1

2 Índice Introdução... 3 A Eutanásia na nossa sociedade... 4 Primeiro estudo feito em Portugal sobre a Eutanásia... 5 O que é a Eutanásia... 6 Em que grupos se desenvolve a Eutanásia... 6 Qual é a diferença entre Eutanásia e suicídio assistido... 6 Quais os factores que contribuem para a Eutanásia ser ilegal em Portugal?... 7 Primeiros países a legalizar a Eutanásia... 7 Código Deontológico do Médico que proíbe a Eutanásia no nosso país... 8 Conclusão... 9 Bibliografia

3 Introdução Ao longo deste trabalho vou abordar o tema da Eutanásia, no qual se englobam temas como a Eutanásia na nossa sociedade, o primeiro estudo feito em Portugal sobre este tema, o que é, porque é que não e legal no nosso país, quem administra o medicamento fatal, em que grupos se desenvolve, quais os principais factores que contribuem para que a Eutanásia seja ilegal em Portugal, quais os primeiros países a legalizar e por fim na conclusão a minha opinião. possível. Neste trabalho vou tentar abordar deste tema da melhor maneira 3

4 A Eutanásia na nossa sociedade Na nossa sociedade, falar sobre a morte e o auxílio á morte, ou seja Eutanásia, mesmo que seja só em algumas circunstâncias, torna-se incómodo, desagradável e até chocante aos olhos de muitas pessoas. No entanto hoje à muitas situações reais, quotidianas da nossa vida, que nos levam a falar sobre este tema dificil, dados os problemas que suscita aos médicos, paramédicos, psicólogos, sociólogos e juristas. Nos dias de hoje, face ao extraordinário avanço da medicina e das tecnologias de prolongamento artificial da vida humana, morre-se cada vez mais tarde e quase sempre nos hospitais, o que coloca, um conjunto de problemas ético-jurídicos de difícil solução. De certo que não é natural um doente tirar ou pedir que lhe tirem a própria vida, mas será mais natural viver ligado a uma máquina, ou em sofrimento e agonia apenas porque a sua vida foi prolongada pela enorme capacidade da ciência médica contemporânea? Será que se deve assistir um doente que, em função do seu sofrimento, não deseja continuar a viver? Em tal caso, que critérios deverão ser utilizados? Visto que não existem dois casos iguais, por isso pode-se compreender a complicação das decisões que se adoptam ou podem adoptarse junto do leito de cada doente. Nesta trabalho abordo o regime jurídico da Eutanásia em Portugal, procurando contribuir para o debate e resolução de alguns problemas que o progresso da ciência médica tem indirectamente criado. 4

5 Primeiro estudo feito em Portugal sobre a Eutanásia O primeiro grande estudo feito em Portugal sobre a eutanásia e o suicídio assistido mostra que 40 por cento dos médicos oncológicos que assistem doentes terminais são favoráveis à legalização desta forma antecipada de morte em doentes incuráveis, embora apenas 20 por cento admitam recorrer a essa prática, caso a eutanásia venha a ser legalizada. Este estudo é anónimo e evidencia também que dos 450 médicos que participaram no trabalho, 5 por cento já receberam pedidos para praticar suicídio assistido. Ao contrário da eutanásia, o papel do médico no suicídio assistido fica-se apenas pela prescrição do medicamento fatal. Este estudo foi realizado pelo Serviço de Bioética e Ética Médica da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, o estudo, foi desenvolvido em todos os hospitais e unidades de saúde que tratam doentes oncológicos de norte a sul do país e prolongou-se por quatro anos. 5

6 O que é a Eutanásia A Eutanásia é a possibilidade de um ser humano poder decidir/escolher se quer morrer, com assistência médica, devido a uma doença incurável e por se encontrar num estado de grande sofrimento, em que a morte será um acto de misericórdia e liberdade. Em que grupos se desenvolve a Eutanásia A Eutanásia situa-se no grupo da Eutanásia Activa, que consiste na morte com assistência médica. Depois existe a Eutanásia Passiva, que é a ausência assistida da prescrição médica, ou seja o doente deixa de tomar a medicação, até que acaba por morrer, isto acontece em situações extremas de qualidade de vida e sofrimento para o doente. Qual é a diferença entre Eutanásia e suicídio assistido A Eutanásia é assistida por um técnico especializado ou por um médico, tem que utilizar o método escolhido e mais próprio para provocar a morte ao paciente. No suicídio assistido, o médico ou técnico faz chegar ao paciente o meio para a morte e é o paciente que administra. 6

7 Quais os factores que contribuem para a Eutanásia ser ilegal em Portugal? Os factores que fazem com que a Eutanásia seja ilegal em Portugal são vários, um deles é de aspecto religioso, porque Só Deus tem o direito de tirar a vida, outro é o Código Deontológico dos Médicos, que quando tiram o curso fazem o juramento de Hipócrates, ou seja defendem sempre a vida. Outro dos motivos tem a ver com as nossas tradições antepassadas, ou seja morrer é a última etapa da vida de um ser e por último temos a Constituição da Republica, que diz que é ilegal. Primeiros países a legalizar a Eutanásia A Holanda foi o primeiro país a legalizar a Eutanásia a 1 de Abril de 2002 e a Bélgica foi o segundo país a legalizar a Eutanásia em Setembro de

8 Código Deontológico do Médico que proíbe a Eutanásia no nosso país PROBLEMAS RESPEITANTES À VIDA E À MORTE ARTIGO 47.º (Princípio Geral) 1. O Médico deve guardar respeito pela vida humana desde o seu inicio. 2. Constituem falta deontológica grave quer a prática do aborto quer a prática da eutanásia. 3. Não é considerado Aborto, para efeitos do presente artigo, uma terapêutica imposta pela situação clinica da doente como único meio capaz de salvaguardar a sua vida e que possa ter como consequência a interrupção da gravidez, devendo sujeitar-se ao disposto no artigo seguinte. 4. Não é também considerada Eutanásia, para efeitos do presente artigo, a abstenção de qualquer terapêutica não iniciada, quando tal resulte de opção livre e consciente do doente ou do seu representante legal, salvo o disposto no artigo 37.º, n.º 1. 8

9 Conclusão Com este trabalho posso concluir que por um lado sou a favor da Eutanásia, porque acho que é muito injusto sofrer de uma doença que mais tarde ou mais cedo, a pessoa sabe que vai morrer porque não tem cura possível e por outro lado sou contra porque acho que o papel dos médicos é salvar a vida às pessoas e não tirá-la. Este tema é muito complexo pois causa um grande impacto no nosso país, porque há muitas pessoas que são a favor para evitar o sofrimento de quem mais gostam. A Eutanásia é problema que envolve a ética, a moral e a deontologia em todos os aspectos, por isso é um problema que causa muita polémica. 9

10 Bibliografia Para realizar este trabalho foi necessário realizar várias pesquisas, que me ajudaram bastante. Pesquisa feita a filosofia_trabalhos/eutanasia.htm 10

Texto argumentativo sobre a Eutanásia

Texto argumentativo sobre a Eutanásia Texto argumentativo sobre a Eutanásia Trabalho elaborado por: Patrícia da Conceição Formadores. Rita Camões e Fernando Guita 23 11-2010 Como todos nós sabemos o tema da eutanásia causa muita polémica na

Leia mais

Eutanásia Proposta de redação: Eutanásia Toda a vida é um preparatio mortis e é por isso que a última palavra e o último gesto são um direito que ninguém lhe pode roubar. (Maria de Fátima Freire de Sá)

Leia mais

ÉTICA BIOMÉDICA - CONCLUSÃO

ÉTICA BIOMÉDICA - CONCLUSÃO ÉTICA BIOMÉDICA - CONCLUSÃO 18 DE MARÇO DE 2013 (12ª aula) Sumário da Aula Anterior: A investigação com células estaminais: problemas éticos e legislação vigente. O Projecto do Genoma Humano: implicações

Leia mais

Anexo 1: Excertos II

Anexo 1: Excertos II 10. Anexos I Anexo 1: Excertos II Excerto 1: 1 7 D E M A R Ç O D E 2 0 0 8 J U S T I Ç A F R A N C E S A N E G A P E D I D O D E E U T A N Á S I A E R E A C E N D E D I S C U S S Ã O S O B R E O T E M

Leia mais

Farmacêutico Paliativista. Silvia Coimbra 06 Dez 2014

Farmacêutico Paliativista. Silvia Coimbra 06 Dez 2014 Farmacêutico Paliativista Silvia Coimbra 06 Dez 2014 A vida curta dos nossos antepassados Não eram muitos os que passavam dos trinta. A velhice era privilégio das pedras e das árvores. A infância durava

Leia mais

A EUTANÁSIA NO DIREITO BRASILEIRO

A EUTANÁSIA NO DIREITO BRASILEIRO A EUTANÁSIA NO DIREITO BRASILEIRO Caroline Consatti 1 ; Cláudia T. S. Cagliari 2 ; Eliana Tolfo Consatti 1 ; Francieli Cristiane Macedo 1 ; Gabriela D. Chiamolera 1 ; Simone Neckel 1 Palavras-Chave: Direito,

Leia mais

Professor Carlos Eduardo Foganholo

Professor Carlos Eduardo Foganholo Professor Carlos Eduardo Foganholo A bioética é a ética aplicada a vida e, abrange temas que vão desde uma simples relação interpessoal até fatores que interferem na sobrevivência do próprio planeta. O

Leia mais

ORTOTANÁSIA: A AUTONOMIA DA VONTADE DO PACIENTE E A OBJEÇÃO DE CONSCIÊNCIA DO MÉDICO

ORTOTANÁSIA: A AUTONOMIA DA VONTADE DO PACIENTE E A OBJEÇÃO DE CONSCIÊNCIA DO MÉDICO ORTOTANÁSIA: A AUTONOMIA DA VONTADE DO PACIENTE E A OBJEÇÃO DE CONSCIÊNCIA DO MÉDICO Carlos Vital Tavares Correa Lima Presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM) O FUTURO UM MUNDO MELHOR AUTONOMIA

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Assunto: Consentimento livre e esclarecido em Diagnóstico Pré-Natal Circular Normativa N.º 16/DSMIA Data: 05/12/2001 Para: A todos os estabelecimentos de saúde

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

EUTANÁSIA. Conceitos de ética, doutrina, deontologia e moral Mega expansão Ana Martins. [Escrever texto] [Escrever texto]

EUTANÁSIA. Conceitos de ética, doutrina, deontologia e moral Mega expansão Ana Martins. [Escrever texto] [Escrever texto] EUTANÁSIA Conceitos de ética, doutrina, deontologia e moral 23-09-2010 Mega expansão Ana Martins [Escrever texto] [Escrever texto] [Escrever texto] 2 A eutanásia é um dos assuntos mais apaixonantes da

Leia mais

3º EXPO FARMA, DE OUTUBRO

3º EXPO FARMA, DE OUTUBRO 2º SEMANA DA FARMÁCIA ANGOLANA 3º EXPO FARMA,15 6-7 DE OUTUBRO ÉTICA E DEONTÓLOGIA FARMACÊUTICA APRESENTADOR: Fernando B. Cassenda Fernando Msc INTRODUÇÃO O O homem é um ser social. Qualquer sociedade

Leia mais

DECRETO N.º 112 /X EXCLUSÃO DA ILICITUDE NOS CASOS DE INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ. Artigo 1.º (Alteração do Código Penal) Artigo 142.

DECRETO N.º 112 /X EXCLUSÃO DA ILICITUDE NOS CASOS DE INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ. Artigo 1.º (Alteração do Código Penal) Artigo 142. DECRETO N.º 112 /X EXCLUSÃO DA ILICITUDE NOS CASOS DE INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º

Leia mais

A filosofia dos cuidados

A filosofia dos cuidados A filosofia dos cuidados paliativos: problemas éticos Dr Fiona Randall O meu percurso profissional Estagiei no St Christopher s Hospice em Londres, Fundado pela Dame Cicely Saunders, que ainda coordenava

Leia mais

Cuidados Paliativos e Decisões no Paciente Oncológico Terminal

Cuidados Paliativos e Decisões no Paciente Oncológico Terminal Cuidados Paliativos e Decisões no Paciente Oncológico Terminal Curso de atualização 2013 Ilka Lopes Santoro Disciplina de Pneumologia Unifesp - EPM Objetivos Definições e Princípios Ações Controle da dor

Leia mais

SABER MAIS SOBRE ALERGIA OCULAR

SABER MAIS SOBRE ALERGIA OCULAR SABER MAIS SOBRE ALERGIA OCULAR FICHA TÉCNICA EDIÇÃO Clínicas Leite, Lda Ver. 01 / Jan 2016 REDAÇÃO/DOCUMENTAÇÃO Mariana Coimbra (Marketing e Comunicação) 1 ALERGIA OCULAR O que é a alergia ocular? A alergia

Leia mais

Curso de Ética 2014 Lurdes Gonçalves

Curso de Ética 2014 Lurdes Gonçalves Curso de Ética 2014 Lurdes A Adolescência é uma etapa da vida marcada por profundas alterações quer fisiológicas e psicológicas quer intelectuais e sociais. Tarefas: - Aquisição de AUTONOMIA - Construção

Leia mais

Uso consciente do plano de saúde AMS. Papo de hoje: Cuidados com procedimentos de alta complexidade

Uso consciente do plano de saúde AMS. Papo de hoje: Cuidados com procedimentos de alta complexidade Uso consciente do plano de saúde AMS Papo de hoje: Cuidados com procedimentos de alta complexidade A Assistência Médica Supletiva (AMS) contempla plano médico, hospitalar, odontológico e de farmácia, de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: eutanásia;influência religiosa; meios de comunicação de massa.

PALAVRAS-CHAVE: eutanásia;influência religiosa; meios de comunicação de massa. EUTANÁSIA, ORTOTANÁSIA E SUICÍDIO ASSISTIDO: aspectos jurídicos, religiosos e éticos. 1 Mariana Morais Soares AMORIM 2 Aline Cristina de SOUSA 3 Bruno Ribeiro e MELO 4 Gilnez ALCÂNTARA 5 Jaqueline MORELO

Leia mais

Atenção farmacêutica especializada. Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica. Para poder... Objetivos dos tratamentos

Atenção farmacêutica especializada. Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica. Para poder... Objetivos dos tratamentos Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica William Rotea Junior Atenção farmacêutica especializada Objetiva atender a todas as necessidades relativas aos dos pacientes, com foco nas especificidades da doença

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA NACIONAL PARA ESTUDANTES DE MEDICINA

CÓDIGO DE ÉTICA NACIONAL PARA ESTUDANTES DE MEDICINA CÓDIGO DE ÉTICA NACIONAL PARA ESTUDANTES DE MEDICINA PREÂMBULO Enquanto Estudantes de Medicina e, essencialmente, com o início da prática clínica, somos confrontados com a vida humana e obrigados a saber

Leia mais

O testamento vital no Brasil Realidade e prática notarial

O testamento vital no Brasil Realidade e prática notarial O testamento vital no Brasil Realidade e prática notarial Paulo Roberto Gaiger Ferreira I Simposio Notarial Mineiro Belo Horizonte, 2012 Morte Demência Ausência Ferramentas jurídicas Testamento Ausência

Leia mais

Convenção do Conselho da Europa para a Proteção das Crianças contra a Exploração

Convenção do Conselho da Europa para a Proteção das Crianças contra a Exploração REPÚBLICA PORTUGUESA EDUCAÇÃO CADERNO DIGITAL Convenção do Conselho da Europa para a Proteção das Crianças contra a Exploração Sexual e os Abusos Sexuais (CONVENÇÃO DE LANZAROTE 25.10.2007) VERSÃO AMIGÁVEL

Leia mais

Grupo de Reflexão Ética APCP

Grupo de Reflexão Ética APCP Grupo de Reflexão Ética APCP Processo de tomada de decisão Problema Decisão/ Deliberação Ato: Intervenção profissional Diagnóstico Deliberação Intervenções Diagnóstico Deliberação: Qual o plano terapêutico

Leia mais

SOMOS LIVRES AO DECIDIR

SOMOS LIVRES AO DECIDIR FILOSOFIA 2º ano Partindo do principio de que liberdade é LIBERDADE DE ESCOLHER Afinal, até onde alcança o poder da nossa liberdade? Nossas escolhas estão ligadas aos princípios morais da nossa sociedade;

Leia mais

ÉTICA BIOMÉDICA - INTRODUÇÃO

ÉTICA BIOMÉDICA - INTRODUÇÃO ÉTICA BIOMÉDICA - INTRODUÇÃO 27 DE FEVEREIRO & 1 DE MARÇO DE 2013 (7ª aula) Sumário da Aula Anterior: O Contrato Social: definição, pontos fortes e fragilidades. Ética das Virtudes. Conceito de virtude

Leia mais

A ética médica e a terminalidade de vida*

A ética médica e a terminalidade de vida* 120 A ética médica e a terminalidade de vida* Reinaldo Ayer de Oliveira E ntre todos os que de alguma forma preocupam-se ou dedicam-se aos cuidados de saúde de seres humanos, há uma grande dificuldade

Leia mais

sabe o que é a DPOC?

sabe o que é a DPOC? sabe o que é a DPOC? Doença quer dizer mal estar Pulmonar quer dizer que se localiza nos pulmões Obstrutiva quer dizer brônquios parcialmente danificados Crónica quer dizer que é para sempre DPOC o que

Leia mais

A Educação Médica entre o Tecnicismo e o Humanismo

A Educação Médica entre o Tecnicismo e o Humanismo A Educação Médica entre o Tecnicismo e o Humanismo Abram Eksterman A. Einstein Nem tudo que conta pode ser contado; e nem tudo que pode ser contado, conta. A. Einstein Educação é o que permanece depois

Leia mais

Decorrido este período parece-nos oportuna uma reflexão aprofundada sobre a referida temática.

Decorrido este período parece-nos oportuna uma reflexão aprofundada sobre a referida temática. Exmºs. Senhores O Colóquio que ontem e hoje teve lugar, subordinado ao tema Procriação Medicamente Assistida: Presente e Futuro assume a maior importância e pertinência, na medida em que permite abordar

Leia mais

INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MORAL

INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MORAL INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MORAL 13 & 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (3ª aula) Sumário da Aula Anterior: Definições de Ética. Teorias consequencialistas e teorias deontológicas. Definições de Bioética. A Bioética

Leia mais

Durante quanto tempo tenho de tomar metotrexato antes de este ter efeito?

Durante quanto tempo tenho de tomar metotrexato antes de este ter efeito? METOTREXATO Quais são os objetivos deste folheto? Este folheto foi elaborado para o(a) ajudar a compreender melhor o metotrexato e para o informar sobre o que é, como funciona, como é utilizado para tratar

Leia mais

Eutanásia e Luto. dos responsáveis em Oncologia Veterinária. Profa. Dra. Renata A Sobral

Eutanásia e Luto. dos responsáveis em Oncologia Veterinária. Profa. Dra. Renata A Sobral Eutanásia e Luto dos responsáveis em Oncologia Veterinária Profa. Dra. Renata A Sobral Oncologia Relação direta! Cancêr : Morte O medo. A apreensão. Veterinário oncologista - ponto de vista particular!

Leia mais

ALGUNS DADOS DO BRASIL:

ALGUNS DADOS DO BRASIL: MARIA GORETTI MACIEL Conselho Consultivo da ANCP Diretora do Serviço de Cuidados Paliativos do HSPE Coordenadora do Programa de CP do Hospital Samaritano Câmara Técnica sobre Terminalidade da Vida e CP

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO 2.º Ano Turma A. Frequência (Coincidências)

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO 2.º Ano Turma A. Frequência (Coincidências) FACULDADE DE DIREITO DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO 2.º Ano Turma A Frequência (Coincidências) Regente: Prof. Doutor Carlos Blanco de Morais I Responda sucintamente a apenas duas das seguintes

Leia mais

Código Deontológico. SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural. Artigo 1.º Princípios gerais

Código Deontológico. SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural. Artigo 1.º Princípios gerais Código Deontológico SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural Artigo 1.º Princípios gerais 1 - As intervenções de Medicina Natural são realizadas com a preocupação da defesa da liberdade

Leia mais

Mara Nogueira nº150/03 Sandra Simões nº 080/05

Mara Nogueira nº150/03 Sandra Simões nº 080/05 Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de Tecnologia Licenciatura Informática para a Saúde Aplicação Informática de Registo e Monitorização do Processo Clínico da Unidade de Cuidados Paliativos

Leia mais

Viver com Saúde vantagens e benefícios

Viver com Saúde vantagens e benefícios ÍNDICE 1. Seja bem-vindo! 2. Planos de Saúde MEDICARE 3. Plano de Saúde MEDICARE Platinium 4. Plano de Saúde MEDICARE Sénior 5. Características dos Planos de Saúde MEDICARE 6. Rede Médica MEDICARE 7. Como

Leia mais

Exposição de Motivos

Exposição de Motivos PL /2016 2016.07. Exposição de Motivos O XXI Governo Constitucional, no seu programa para a saúde, estabelece como prioridades aperfeiçoar a gestão dos recursos humanos e a motivação dos profissionais

Leia mais

PSICOLOGIA HOSPITALAR E EUTANÁSIA

PSICOLOGIA HOSPITALAR E EUTANÁSIA PSICOLOGIA HOSPITALAR E EUTANÁSIA Taisa Ferraz da Silva Cruz RESUMO O presente artigo traz reflexões acerca de um tema considerado polêmico: a eutanásia. Para tanto, discute algumas leis acerca do mesmo,

Leia mais

Sobre Kant. Kant nasceu em Konigsberg, no ano de 1724 e morreu em 1804 sem nunca ter saído da sua cidade natal.

Sobre Kant. Kant nasceu em Konigsberg, no ano de 1724 e morreu em 1804 sem nunca ter saído da sua cidade natal. Sobre Kant Kant nasceu em Konigsberg, no ano de 1724 e morreu em 1804 sem nunca ter saído da sua cidade natal. Foi um dos últimos europeus a dominar toda a ciência do seu tempo, incluindo a física, a geografia,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA Nome da Disciplina: Psicologia Aplicada à Farmácia Curso: Farmácia Termo: 6º Carga Horária Semanal (h/a): 2 Carga Horária Semestral (h/a): 30 Teórica: 2 Prática: Total:

Leia mais

3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente

3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente Páginas para pais: Problemas na criança e no adolescente 3.8 Tristeza e depressão na criança e no adolescente Introdução Os sentimentos de tristeza, desapontamento, desvalorização e culpa, surgem pontualmente

Leia mais

CFM informa sobre os direitos dos pacientes no SUS.

CFM informa sobre os direitos dos pacientes no SUS. CFM informa sobre os direitos dos pacientes no SUS. O Sistema Único de Saúde (SUS) é a forma como o Governo deve prestar saúde pública e gratuita a todo o cidadão. A ideia é ter um sistema público de

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 005 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 005 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 005 / 2011 Assunto: Prescrição de medicamentos homeopáticos pelo Enfermeiro. 1. Do fato Solicitado parecer por enfermeira sobre a prescrição de medicamentos homeopáticos por Enfermeiro.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:TÉCNICO

Leia mais

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A número 08 - agosto/2015 DECISÃO FINAL RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal - Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal - Lei nº 5.905/73 Homologado na 401ª ROP, de 18/02/2016 CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Câmara Técnica de Saúde e Atenção Básica Câmara Técnica de Urgência e Emergência PARECER TÉCNICO Nº 05/2016 Análise

Leia mais

Lei nº 7.649, de 05 de julho de 2004.

Lei nº 7.649, de 05 de julho de 2004. Lei nº 7.649, de 05 de julho de 2004. Dispõe sobre a Prestação de Assistência Terapêutica Integral ao Paciente na Rede Municipal de Saúde, com conseqüente Instituição, no Quadro de Pessoal da Prefeitura

Leia mais

HC UFPR COMITÊ DE INFLUENZA SUÍNA

HC UFPR COMITÊ DE INFLUENZA SUÍNA HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HC UFPR COMITÊ DE INFLUENZA SUÍNA 27 de abril DIREÇÃO DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA INFECTOLOGIA CLÍNICA - ADULTO E PEDIÁTRICA SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

Leia mais

Isotretinoína Aurovitas

Isotretinoína Aurovitas Isotretinoína 10 mg e 20 mg cápsulas moles Plano de Prevenção da Gravidez Guia do doente para a utilização de isotretinoína Guia do doente para a utilização de isotretinoína 10 mg e 20 mg cápsulas moles

Leia mais

Fui à biblioteca tentar escolher. Um bom livro para ler. Mas era difícil descobrir. Aquele que me ia surpreender! Desisti da ideia de procurar

Fui à biblioteca tentar escolher. Um bom livro para ler. Mas era difícil descobrir. Aquele que me ia surpreender! Desisti da ideia de procurar Fui à biblioteca tentar escolher Um bom livro para ler Mas era difícil descobrir Aquele que me ia surpreender! Desisti da ideia de procurar E vim cá para fora brincar. Os meus amigos riam-se de mim E eu

Leia mais

Grupo Administração da Saúde

Grupo Administração da Saúde Grupo Administração da Saúde Pesquisa realizada pelo CRA-SP Total de 909 instituições no Estado de São Paulo Total de respostas: 10,80% DIMENSIONAMENTO DA INSTITUIÇÃO QUANTIDADE DE LEITOS 20,20% 3,40%

Leia mais

Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo CREMESP rayer@usp.br

Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo CREMESP rayer@usp.br Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo CREMESP rayer@usp.br Podemos pensar em duas éticas: a ética do próprio indivíduo e a ética do outro. Das diferenças e semelhanças entre elas é que surgirá

Leia mais

Como elaborar um relatório

Como elaborar um relatório Francisco Carrapiço, 2001 Biologia Celular Como elaborar um relatório 1. O que é um relatório? Um relatório de uma actividade prática, é uma exposição escrita de um determinado trabalho ou experiência

Leia mais

O CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA DE 1988 E A SUA REVISÃO

O CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA DE 1988 E A SUA REVISÃO O CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA DE 1988 E A SUA REVISÃO Cavalcante * Cons.Antonio de Padua Introdução Nos últimos meses o Conselho Federal de Medicina resolveu estabelecer a revisão do atual Código de Ética Médica,

Leia mais

Marco Referencial da PUCRS

Marco Referencial da PUCRS Tríplice compromisso dos membros da PUCRS: com a verdade, a fraternidade e a transcendência Emílio H. Moriguchi Nos próximos parágrafos, gostaríamos de realizar uma breve reflexão sobre os aspectos éticos

Leia mais

ÉTICA NA PRÁTICA CLÍNICA

ÉTICA NA PRÁTICA CLÍNICA BIOÉTICA E ÉTICA MÉDICA Da bioética à ética médica: princípios, fundamentos e normativas Ética e deontologia A RELAÇÃO TERAPÊUTICA O DOENTE O doente e a tomada de decisão Consentimento informado Privacidade

Leia mais

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A número 22 - maio/2016 DECISÃO FINAL RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS CROSSLINKING PARA O TRATAMENTO DO CERATOCONE RELATÓRIO

Leia mais

A JUDICIALIZAÇÃO EM DETRIMENTO AOS PRINCÍPIOS DO SUS

A JUDICIALIZAÇÃO EM DETRIMENTO AOS PRINCÍPIOS DO SUS A JUDICIALIZAÇÃO EM DETRIMENTO AOS PRINCÍPIOS DO SUS III Seminário de Articulação Interfederativa - COAP Valéria Lacerda Maria Lacerda Rocha Juíza Auxiliar do 3º Juizado da Fazenda Pública Coordenadora

Leia mais

FIM DAS DOENÇAS E ESCOLHA GENÉTICA DOS FILHOS?

FIM DAS DOENÇAS E ESCOLHA GENÉTICA DOS FILHOS? FIM DAS DOENÇAS E ESCOLHA GENÉTICA DOS FILHOS? Makele Galio NASCIMENTO 1 Cláudio SANCHEZ 2 RESUMO: Os benefícios e malefícios da manipulação genética, o mapeamento do genoma humano e os riscos e benefícios

Leia mais

Regras de Utilização da Marca Centro de Referência-Portugal. Unidades Prestadoras de Cuidados do Sistema de Saúde

Regras de Utilização da Marca Centro de Referência-Portugal. Unidades Prestadoras de Cuidados do Sistema de Saúde NÚMERO: 005/2016 DATA: 11/03/2016 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Regras de Utilização da Marca Centro de Referência-Portugal Centro de Referência Unidades Prestadoras de Cuidados do Sistema

Leia mais

Resultados dos Encontros Paulistas de Professores de Deontologia. Prof. Dr. Patrícia de Carvalho Mastroianni FCFAr-UNESP

Resultados dos Encontros Paulistas de Professores de Deontologia. Prof. Dr. Patrícia de Carvalho Mastroianni FCFAr-UNESP Resultados dos Encontros Paulistas de Professores de Deontologia Prof. Dr. Patrícia de Carvalho Mastroianni FCFAr-UNESP - I Encontro de Professores de Deontologia Farmacêutica - 7 de outubro de 2006, na

Leia mais

CONFLITO DE INTERESSES

CONFLITO DE INTERESSES CONFLITO DE INTERESSES Sócia da Ometto Advogados Associados, desde 1993. Consultoria em Direito Médico e Hospitalar. Defesa de clínicas médicas. Defesa de interesses de médicos (éticas e civis). Assessora

Leia mais

RECRUTAMENTO EM ADVOCACIA NÃO ESTAGNOU CONTRATAÇÃO DE ADVOGAFOS DA EMPRESA CRESCE EM 2011

RECRUTAMENTO EM ADVOCACIA NÃO ESTAGNOU CONTRATAÇÃO DE ADVOGAFOS DA EMPRESA CRESCE EM 2011 No âmbito do dia do Advogado, celebrado a 19 de Maio, a Michael Page Portugal faz levantamento de informação e revela dados sobre o sector da Advocacia em Portugal. RECRUTAMENTO EM ADVOCACIA NÃO ESTAGNOU

Leia mais

A CURA PELA NATUREZA

A CURA PELA NATUREZA A CURA PELA NATUREZA Jean Aikhenbaum e Piotr Daszkiewicz A CURA PEla Natureza ENCIClOPéDIA FAMILIAR DOS REMéDIOS NATURAIS EDITORIAL ESTAmPA Aviso: Esta obra não tem a pretensão de substituir o seu médico.

Leia mais

coleção Conversas #12 - SETEMBRO é no Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #12 - SETEMBRO é no Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. a s coleção Conversas #12 - SETEMBRO 2014 - Eu sinto a I tr s ç o ã o por c é no r r m ia a nç a l? s. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Sociedade Brasileira de Geriatria e Geronotologia - SBGG

Sociedade Brasileira de Geriatria e Geronotologia - SBGG Sociedade Brasileira de Geriatria e Geronotologia - SBGG Marco Polo Dias Freitas Presidente da SBGG-DF Doutor em Saúde Coletiva/Epidemiologia Mestre em Clínica Médica Membro do Comitê Assessor da Coordanação

Leia mais

Nota Pastoral do Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa sobre a eutanásia

Nota Pastoral do Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa sobre a eutanásia Nota Pastoral do Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa sobre a eutanásia 1. As questões ligadas à legalização da eutanásia e do suicídio assistido estão em discussão na Assembleia da

Leia mais

Questionário: Saúde oral na gravidez: Conhecer para optimizar!

Questionário: Saúde oral na gravidez: Conhecer para optimizar! ANEXO I UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Faculdade Ciências da Saúde Licenciatura em Medicina Dentária Questionário: Saúde oral na gravidez: Conhecer para optimizar! Pesquisador: Rafael Cardoso de Andrade

Leia mais

ABORTO Proposta de redação: O direito à privacidade, garantido na Constituição Federal, é amplo o suficiente para dar à mulher a prerrogativa de interromper (ou não) a gravidez? A descriminalização do

Leia mais

Aula2 BIOÉTICA E O DIREITO À VIDA. Marta Cristina Vieira Farias

Aula2 BIOÉTICA E O DIREITO À VIDA. Marta Cristina Vieira Farias Aula2 BIOÉTICA E O DIREITO À VIDA META Apresentar ao aluno a compreensão dos questionamentos bioéticos relacionados as questões de vida e de morte. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: ter o

Leia mais

Terminalidade da vida & bioética. Jussara Loch - PUCRS

Terminalidade da vida & bioética. Jussara Loch - PUCRS Terminalidade da vida & bioética Jussara Loch - PUCRS Paciente terminal paciente cujas condições clínicas são irreversíveis, independentemente de serem tratadas ou não, e que apresenta alta probabilidade

Leia mais

Requisitos para um bom Testamento vital *

Requisitos para um bom Testamento vital * Requisitos para um bom Testamento vital * DANIEL SERRÃO Professor Convidado do Instituto de Bioética da UCP 1. Sem qualquer fundamento, sou considerado como um opositor a que haja uma lei que regule as

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE ÉTICA NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE ÉTICA NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE ÉTICA NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM PROFESSORA: Adriana de Souza Medeiros Batista 1. EMENTA: Antecedentes teóricos, históricos, perspectiva contemporânea da bioética. Ética

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Srs. Dr. Talmir e Miguel Martini) Dispõe sobre cuidados devidos a pacientes que se encontrem em fase terminal de enfermidade. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Todo paciente,

Leia mais

GUIA DO FORMANDO OS DILEMAS NA PRÁTICA: O QUE FAZER? EDIÇÃO PCS_DPB1L ÁREA: PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE

GUIA DO FORMANDO OS DILEMAS NA PRÁTICA: O QUE FAZER? EDIÇÃO PCS_DPB1L ÁREA: PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE GUIA DO FORMANDO OS DILEMAS NA PRÁTICA: O QUE FAZER? EDIÇÃO PCS_DPB1L ÁREA: PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE Índice ENQUADRAMENTO DESCRIÇÃO DESTINATÁRIOS OBJETIVOS ESTRUTURA E DURAÇÃO AUTOR METODOLOGIA PEDAGÓGICA

Leia mais

Projeto de Lei nº 131/XII. (Texto de substituição da versão inicial, apresentado pelo Grupo Parlamentar Proponente)

Projeto de Lei nº 131/XII. (Texto de substituição da versão inicial, apresentado pelo Grupo Parlamentar Proponente) Projeto de Lei nº 131/XII (Texto de substituição da versão inicial, apresentado pelo Grupo Parlamentar Proponente) Procede à segunda alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho, que regula a utilização

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 106/2014 APRAZ NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA. Ilma Dra Valéria S. Sousa

RESPOSTA RÁPIDA 106/2014 APRAZ NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA. Ilma Dra Valéria S. Sousa RESPOSTA RÁPIDA 106/2014 APRAZ NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA SOLICITANTE Ilma Dra Valéria S. Sousa NÚMERO DO PROCESSO 0112.13.005931-7 DATA 07/03/2014 SOLICITAÇÃO Trata-se de Ação de Obrigação de Fazer

Leia mais

Orientação Vocacional e Coaching Carlos Gomes

Orientação Vocacional e Coaching Carlos Gomes Índice Introdução... 2 Método Orienta... 3 Técnica das frases para completar... 6 Realização do Teste Vocacional... 8 Autoavaliação do Teste Vocacional... 9 Exploração de Valores... 10 Autoconhecimento...

Leia mais

Assistência de Enfermagem no processo de morte. Semiologia e Semiotécnica aplicada a II Prof Giselle

Assistência de Enfermagem no processo de morte. Semiologia e Semiotécnica aplicada a II Prof Giselle Assistência de Enfermagem no processo de morte Semiologia e Semiotécnica aplicada a II Prof Giselle A Enfermagem é uma arte; e para realizá-la como arte, requer uma devoção tão exclusiva, um preparo tão

Leia mais

Exame Farmacoterapia Época normal 2012

Exame Farmacoterapia Época normal 2012 Exame Farmacoterapia Época normal 2012 1. Sindrome metabólico explicar a diabetes, fármacos na terapêutica. 2. 4 antibióticos, num individuo com infecção urinaria resistente aos beta-lactamicos qual o

Leia mais

Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva

Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva VI Simpósio Internacional de Enfermagem (SIEN) Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva Daniela Benevides Ortega Enfermeira da UTI

Leia mais

Sérgio Moreira dos Santos, TRABALHO SOBRE EUTANÁSIA

Sérgio Moreira dos Santos, TRABALHO SOBRE EUTANÁSIA - 1 - TRABALHO SOBRE EUTANÁSIA Matéria: Direito Civil Professor: Drº Aluno: Sérgio Moreira dos Santos, RA: 304395781. º do Curso de Direito, período noturno. UNIBAN Data: 20/02/2003. - 2 - EUTANÁSIA Eutanásia

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES EM ESPÉCIE

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES EM ESPÉCIE GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES EM ESPÉCIE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional Prestações em Espécie (N27 v4.07) PROPRIEDADE

Leia mais

A FORMAÇÃO EM SAÚDE SOB A ÓTICA DO PARADIGMA VITALISTA: VIA DE ENTRADA EM UM MUNDO NOVO. Maria Inês Nogueira

A FORMAÇÃO EM SAÚDE SOB A ÓTICA DO PARADIGMA VITALISTA: VIA DE ENTRADA EM UM MUNDO NOVO. Maria Inês Nogueira UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE SAÚDE DA COMUNIDADE A FORMAÇÃO EM SAÚDE SOB A ÓTICA DO PARADIGMA VITALISTA: VIA DE ENTRADA EM UM MUNDO NOVO Maria Inês Nogueira A educação como instância modeladora

Leia mais

Portugais. Todo mundo pode estar interessado

Portugais. Todo mundo pode estar interessado Portugais Todo mundo pode estar interessado As hepatites B e C......e Nós Por que farlar das hepatites B e C? Porque são doenças Que não se vêem................. p. 4 Que são freqüentes............. p.

Leia mais

A Farmácia no Sistema de Saúde

A Farmácia no Sistema de Saúde A Farmácia no Sistema de Saúde João Silveira 24 de Abril de 2008 A Farmácia O Farmacêutico O Medicamento O Doente Farmacêuticos - Competências 1. I&D, fabrico, qualidade, registo, distribuição e dispensa

Leia mais

6º ANO BRASIL. 3º Horário: Ed. Física Conteúdo: Treinamentos para os jogos. Atividade: *** Tarefa: ***

6º ANO BRASIL. 3º Horário: Ed. Física Conteúdo: Treinamentos para os jogos. Atividade: *** Tarefa: *** 6º ANO BRASIL 1º Horário: Português Conteúdo: Pronomes pessoais. Pronomes possessivos, demonstrativos, indefinidos. Atividade: Correção coletiva da atividade das páginas 169 171. Aula expositiva Tarefa:

Leia mais

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz

DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz DESAFIO PELA BUSCA DA EXCELÊNCIA MODELO ASSISTENCIAL Hospital Alemão Oswaldo Cruz Perfil O Hospital Alemão Oswaldo Cruz é uma associação civil de direito privado, sem fins econômicos ou lucrativos de caráter

Leia mais

i dos pais O jovem adulto

i dos pais O jovem adulto i dos pais O jovem adulto O desenvolvimento humano é um processo de mudanças emocionais, comportamentais, cognitivas, físicas e psíquicas. Através do processo, cada ser humano desenvolve atitudes e comportamentos

Leia mais

REQUISITOS OBRIGATÓRIOS QUE DEVEM CONSTAR NA PETIÇÃO PARA O JUIZ AUTORIZAR O ABORTO. Thaís Eliza Dalos 1 Gilmara Pesquero Fernandes Mohr FUNES 2

REQUISITOS OBRIGATÓRIOS QUE DEVEM CONSTAR NA PETIÇÃO PARA O JUIZ AUTORIZAR O ABORTO. Thaís Eliza Dalos 1 Gilmara Pesquero Fernandes Mohr FUNES 2 REQUISITOS OBRIGATÓRIOS QUE DEVEM CONSTAR NA PETIÇÃO PARA O JUIZ AUTORIZAR O ABORTO. Thaís Eliza Dalos 1 Gilmara Pesquero Fernandes Mohr FUNES 2 RESUMO: Algumas das espécies de aborto podem ser realizadas.

Leia mais

Dr. Lourenço Stelio Rega Dr. Lourenço Stelio Rega rega@etica.pro.br www.etica.pro.br O que é ética? Ética e a razão da vida Perguntas essenciais da vida: por que nasci? para que nasci? p/ que estou aqui?

Leia mais

UNIDADE 3. Ensino/aprendizagem e Novas tecnologias. Educação à distância: conceitos básicos. Olá turma! Bem-vindos de volta.

UNIDADE 3. Ensino/aprendizagem e Novas tecnologias. Educação à distância: conceitos básicos. Olá turma! Bem-vindos de volta. Olá turma! Bem-vindos de volta. UNIDADE 3 Educação à distância: conceitos básicos Ensino/aprendizagem e Novas tecnologias Você sabe o que são NTICs? Como elas poderiam auxiliar no seu processo de aprendizagem?

Leia mais

de Estudos em Saúde Coletiva, Mestrado profissional em Saúde Coletiva. Palavras-chave: Reações adversas, antidepressivos, idosos.

de Estudos em Saúde Coletiva, Mestrado profissional em Saúde Coletiva. Palavras-chave: Reações adversas, antidepressivos, idosos. ANÁLISE DAS REAÇÕES ADVERSAS OCORRIDAS DEVIDO AO USO DE ANTIDEPRESSIVOS EM IDOSOS DO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ATENÇÃO À SAÚDE DA PESSOA IDOSA CRASPI DE GOIÂNIA Gislaine Rosa de SOUZA 1 ; Ana Elisa Bauer

Leia mais

SOCIEDADE TECNOLÓGICA GLOBALIZAÇÃO

SOCIEDADE TECNOLÓGICA GLOBALIZAÇÃO SOCIEDADE TECNOLÓGICA GLOBALIZAÇÃO Maravilhas da tecnologia x horrores da miséria absoluta - sondas, naves espaciais, telescópios, velocidades incríveis, transplantes expectativa aumento tempo de vida...

Leia mais