Física Experimental III GFB025 Prof. Raul F. Cuevas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Física Experimental III GFB025 Prof. Raul F. Cuevas"

Transcrição

1 Curvas Equipotencias e Campo Elétrico Objetivos: Estudar a distribuição das curvas equipotenciais em uma regiao onde existe um campo elétrico definido por uma configuração especifica de eletrodos. Constroir as linhas de campo eletrico para diferentes configurações dos eletrodos. Introdução: O objetivo deste experimento é estudar o potencial, as curvas equipotenciais e os campos elétricos produzidos por diferentes distribuições de carga eletrostática. No entanto, note que as condições neste experimento não são verdadeiramente eletrostáticas. Distribuições de carga eletrostática são difíceis de configurar e controlar. Portanto, simularemos distribuições de carga eletrostática usando uma pequena corrente que flui através de um papel condutor e com cuidado desenharemos a forma dos eletrodos que representam a distribuição de carga em um condutor. Os potenciais resultantes, curvas equipotenciais e campos elétricos serão idênticos ao caso eletrostático. Considere dois eletrodos (condutores) de forma arbitrária separados por certa distância portando cargas opostas em igual numero; então, existirá uma diferença de potencial entre esses eletrodos. Suponha que essa diferença potencial é de 10V. Se o eletrodo com carga negativa é arbitrariamente assumido como o potencial zero, o eletrodo com a carga positiva estará em um potencial de +10V. No espaço circundante entre esses eletrodos não existirão pontos com este mesmo potencial. Poderá haver alguns pontos nos quais o potencial é de +7V, outros pontos para os quais o potencial é +9 V e assim por diante. Em um espaço tridimensional, todos os pontos com o mesmo potencial formam uma superfície e haverá uma superfície diferente para cada valor do potencial entre 0-10V. Na verdade, existe um número infinito de tais superfícies, porque a diferença de potencial 10V poderia ser divida em um número infinito de superfícies. Cada superfícies com o mesmo valor de potencial é chamada de "superfície equipotencial." Além das superfícies equipotenciais que existem na região em torno dos eletrodos carregados, existe também um campo elétrico. Por definição, o campo elétrico é um campo vetorial, que pode ser representado por linhas que se iniciam no eletrodo de carga positiva e terminam no eletrodo de carga negativa. As linhas do campo elétrico devem ser sempre perpendiculares às superfícies equipotenciais. Isto pode ser deduzido do fato de que não se faz trabalho quando se move uma carga elétrica sobre uma mesma superfície equipotencial, porque ao longo da superfície, V = 0. Se o trabalho é zero, então o campo elétrico ao longo da superfície equipotencial deve ser zero. Equipamento: Superfície de cortiça Molde plástico (linhas e círculos) Caneta de tinta condutora Cabo teste, vermelho Cabo teste, preto Bandeja de plástico Fonte CC Eletrômetro Papel condutor, simples, 45 x 30 cm (sem grade) Papel condutor, preto, 23 x 30 cm (com grade) Alfinetes de metal para fixar o papel condutor Molde em forma de disco para carga pontual Fio para conexão e teste vermelho, Multímetro digital Potenciômetro 1K

2 Procedimento: Configuração e desenho do sistema de eletrodos (condutores) 1. Planeje e esboce a configuração (tamanho, formato e espaçamento relativo) dos eletrodos a serem estudados sobre um papel de rascunho. Esses eletrodos podem ser de qualquer forma tais como, linhas retas ou curvas, círculos, pontos, quadrados, etc. (Fig. 1). Fig. 1. Eletrodos com diferentes configurações 2. Apos seu planejamento, desenhe os eletrodos sobre o papel condutor preto com grade. a) Coloque o papel condutor preto com a grade impressa voltada para cima sobre uma superfície dura e lisa. Não desenhe os eletrodos quando o papel condutor estiver sobre a superfície de cortiça. b) Sem tirar a tampa, agite vigorosamente a caneta de tinta condutora por 10 ou 20 segundos para dispersar as partículas suspensas na tinta. c) Retire a tampa e teste o traço da caneta em um papel de rascunho; para isto pressione levemente para baixo a ponta enquanto aperta com firmeza o corpo da caneta. Isso faz a tinta fluir. Desloque lentamente a caneta sobre o papel para desenhar uma linha sólida. A velocidade com que desloca a caneta e a pressão exercida sobre o papel determina a largura da linha. d) Desenhe os eletrodos sobre a grade impressa no papel condutor preto. Se a linha torna-se fina ou irregular desenhe sobre ela novamente. Uma linha sólida e continua é essencial para obter boas medidas. A tinta secará em 3 ou 5 minutos a temperatura ambiente. No entanto, o meio atingirá a condutividade máxima depois de 20 minutos do tempo de secagem. Para melhores resultados, planeje o tempo para realizar as experiências. e) Para facilitar o desenho dos eletrodos você pode usar o molde de plástico para desenhar círculos e linhas. Coloque o molde sobre o papel condutor preto e desenhe os círculos com a caneta de tinta condutora. 3. Fixe o papel condutor preto com sobre a superfície de cortiça usando um dos alfinetes de metal em cada canto. Conexão dos elétrodos à fonte DC 1 Ajuste a fonte de tensão para que alimente o sistema com uma diferença de potencial de 10V e uma corrente de 25 ma. Para isto conecte o potenciômetro em serie com a fonte e um amperímetro e faca os ajustes necessários. 2. Retire o multímetro e fixe os cabos de conexão da fonte potenciômetro aos eletrodos no papel condutor sobre a superfície de cortiça com um alfinete de metal. Certifique-se que o alfinete prenda firmemente os cabos aos eletrodos (Fig. 2). Verifique que os contatos com o eletrodo estejam secos e limpos. 3. Para verificar a condutividade dos eletrodos conecte um dos terminais de um voltímetro ao alfinete de metal sobre um dos eletrodos. Toque com o segundo terminal do voltímetro outros

3 pontos no mesmo eletrodo. Se o eletrodo estiver devidamente conectado, o potencial máximo entre esses pontos não deve ser maior do que 1% do potencial aplicado entre os dois eletrodos. Fig. 2 Conexão dos eletrodos NOTA: O teste de condutividade só pode ser feito se a fonte estiver conectada aos dois eletrodos. Se a tensão sobre o mesmo eletrodo é maior do que 1% da tensão aplicada entre os dois eletrodos retire o papel condutor do painel de cortiça e repasse a tinta condutora sobre os eletrodos por segunda vez. a) Qual é a leitura da diferença de potencial no eletrodo conectado ao terminal negativo da fonte? b) Qual é a leitura da diferença de potencial no eletrodo conectado ao terminal positivo da fonte? Anote e discuta seus resultados. ATIVIDADES I: Curvas Equipotenciais 1. Para identificar as curvas equipotenciais conecte o terminal negativo do voltímetro ao eletrodo conectado ao terminal terra da fonte (terminal negativo). Este eletrodo agora se torna a referência (x = 0). O outro terminal do voltímetro é conectado ao cabo teste para medir o potencial em qualquer outro ponto simplesmente tocando a ponta de teste com o papel. 2. Movimente a ponta teste até que o potencial desejado seja indicado no voltímetro. Inicie seu experimento identificando a curva potencial de 1V. 3. Retire as coordenadas associadas à posição desse ponto e marque-o sobre o papel com fotocopia de seu sistema de eletrodos. 4. Continue deslocando a ponta de teste, de modo que no voltímetro se mantenha sempre a mesma leitura. Faca 7 leituras para cada curva. Marque cada um desses pontos e transfira suas coordenadas a fotocopia. 5. Na fotocopia una os pontos de igual potencial com um lápis colorido ou caneta. Desenhe uma linha suave que una esses pontos para produzir a curva equipotencial. Não una os pontos com linhas retas! Nas regiões próximas aos eletrodos, as curvas equipotenciais seguem aproximadamente a forma dos eletrodos. Etiquete esta curva com o valor do potencial que a identifica. 6. Repita os passos 2-5 em incrementos de 2,0 V até 10,0 V (ou próximo deste valor). Certifique-se de fazer o numero suficiente de medidas para mapear sobre todo o papel as curvas equipotenciais associadas ao sistema de eletrodos em estudo. 7. Medida direta da diferença de potencial entre duas curvas equipotenciais. No mapa de curvas equipotenciais obtido no item anterior: a) procure e defina a menor distância entre duas curvas equipotenciais próximas. Meça e anote a diferença de potencial entre esses pontos b) procure e defina a maior distância entre duas curvas equipotenciais próximas. Meça e anote a diferença de potencial entre esses pontos

4 c) Meça e anote a diferença de potencial entre 5 pares de pontos diferentes de duas curvas equipotenciais. d) A diferença de potencial depende da posição dos pontos sobre as curvas equipotenciais? Discuta seus resultados. ATIVIDADES II: Campo elétrico A direção das linhas do campo elétrico são determinadas pela configuração dos eletrodos; elas saem do eletrodo positivo e entram no eletrodo negativo e são sempre perpendiculares as curvas equipotenciais. 1) Com base a esta informação e levando em conta os resultados da atividade I, com uma caneta ou lápis de cor diferente da utilizada para as curvas equipotenciais, faça um esboço de como você imagina que seriam as linhas de campo para sua configuração de eletrodos. Desenhe no mínimo 5 linhas de campo para produzir um mapa do campo elétrico. 2) Determine experimentalmente as linhas de campo; para isto nenhum dos terminais do voltímetro (eletrômetro) deve ser conectado aos eletrodos sobre o papel condutor. Para encontrar a trajetória das linhas de campo (linhas de forças) você deve colocar os dois terminais do voltímetro (eletrômetro), lado a lado, separados por uma distância fixa sobre o papel condutor. (um centímetro é uma distância apropriada para se usar). Una com uma fita as duas pontas (Fig. 3). Fig. 3 Preparação dos terminias para medir as linhas do campo NOTA: Não faça medidas sobre as marcas da grade no papel condutor preto. Toque com os terminais do voltímetro (eletrômetro) apenas as áreas sólidas em preto sobre o papel. Pode ser necessário usar a maior sensibilidade do voltímetro para esta medida; se necessário mude o fundo de escala do voltímetro. 3) Determine experimentalmente pelo menos 3 linhas de campo de acordo com as seguintes instruções: 3.1. Para traçar as linhas do campo sobre o papel condutor, aproxime o terminal negativo do voltímetro (eletrômetro) a um dos eletrodos e assegure-se de que o outro terminal do voltímetro este tocando o papel condutor. Observe e anote a leitura no voltímetro 3.2. A seguir, levante levemente o terminal positivo e gire-o a várias novas posições mantendo fixo o terminal negativo (Fig. 4). Observe as leituras no voltímetro (eletrômetro) a cada nova posição sobre o papel Registre a direção onde o potencial é maior desenhando uma seta desde o terminal negativo para o outro terminal (Fig. 4). A seguir, reposicione o terminal negativo sobre a ponta (cabeça) da seta e repita a ação de Fig. 4 Procedimento para encontrar a direção das linhas do campo

5 girar o terminal livre a várias novas posições até que a leitura do potencial em uma determinada direção seja maior (Fig. 5). Desenhe uma nova seta Repita a ação de colocar o terminal negativo na ponta (cabeça) de cada nova seta e encontre a direção na qual a diferença de potencial é maior. As setas desenhadas deste modo formarão uma linha de campo Quando este próximo do eletrodo oposto, retorne ao eletrodo inicial e selecione um novo ponto para colocar o terminal negativo do voltímetro. Mais uma vez, teste com o outro terminal até encontrar a direção de maior diferença de potencial. Repita os passos Continue selecionando novos pontos e linhas de campo em torno ao dipolo original (Fig. 6). Em resuma a técnica consiste em usar os terminais do voltímetro para encontrar a direção que segue a trajetória de maior diferença de potencial de ponto a ponto desde as proximidades de um dos eletrodos até o outro eletrodo no lado oposto. Fig. 5 Procedimento para construir linhas do campo Fig. 6 Linhas do campo elétrico determinadas experimentalmente 4) Compare a forma do campo elétrico obtida experimentalmente com aquela que você previu no item 1 e responda: a) As linhas do campo que você previu coincidem com as que você realmente observou? Explique. b) Em quais as regiões de seu mapa de linhas de campo você diria que existe um forte campo elétrico? Em Quais regiões teria um campo elétrico fraco? Explique. c) A partir de seu desenho, onde estão as regiões em que as mudanças de campo elétrico ocorrem rapidamente? Onde estão as regiões em que as mudanças de campo elétrico ocorrem lentamente? Sua resposta coincide com as deduções que se podem fazer das linhas de campo que você previu no item 1?. Explique. 5) Escolha uma linha de campo que você obteve experimentalmente, e determine magnitude (valor médio da intensidade) e a direção o do campo elétrico em cada interseção que a linha de campo faz com as curvas equipotenciais usando a equação: Anote e indique estes valores no seu desenho.

E03 - CAMPO ELÉTRICO E MAPEAMENTO DE EQUIPOTENCIAIS. Figura 1: Materiais necessários para a realização desta experiência.

E03 - CAMPO ELÉTRICO E MAPEAMENTO DE EQUIPOTENCIAIS. Figura 1: Materiais necessários para a realização desta experiência. E03 - CAMPO ELÉTRICO E MAPEAMENTO DE EQUIPOTENCIAIS 1- OBJETIVOS Traçar as equipotenciais de um campo elétrico, em uma cuba eletrolítica. Determinar o campo elétrico, em módulo, direção e sentido, devido

Leia mais

ELETRICIDADE: Cuba Eletrolítica Mapeando Campos Elétricos

ELETRICIDADE: Cuba Eletrolítica Mapeando Campos Elétricos FÍSICA 8 ELETRICIDADE: Cuba Eletrolítica Mapeando Campos Elétricos NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA OBJETIVOS Obter superfícies equipotenciais em uma cuba eletrolítica. Mapear o campo elétrico a partir

Leia mais

Física Experimental II

Física Experimental II Universidade Federal Fluminense - PUVR Física Experimental II 1 Objetivos Experiência: Superfícies Equipotenciais 1. Traçar as linhas equipotenciais do campo elétrico de dois condutores a partir de medidas

Leia mais

Laboratório de Física

Laboratório de Física SUPERFÍCIES EQUIPOTENCIAIS I Laboratório de Física OBJETIVOS Identificar e descrever linhas de força a partir de superfícies euipotenciais. Medir a diferença de potencial elétrico entre dois pontos. Comparar

Leia mais

OBJETIVO Traçar linhas de campos elétricos, a partir da determinação de superfícies eqüipotenciais.

OBJETIVO Traçar linhas de campos elétricos, a partir da determinação de superfícies eqüipotenciais. 1 T r a b a l h o P r á t i c o M a p e a m e n t o d e C a m p o s E l é t r i c o s OBJETIVO Traçar linhas de campos elétricos, a partir da determinação de superfícies eqüipotenciais. INTRODUÇÃO O Campo

Leia mais

EXPERIMENTO 2: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E A LEI DE OHM

EXPERIMENTO 2: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E A LEI DE OHM EXPERIMENTO 2: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E A LEI DE OHM 2.1 OBJETIVOS Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Medir as resistências equivalentes das associações Verificar o comportamento

Leia mais

Associação de resistores em série e em paralelo

Associação de resistores em série e em paralelo Aula Prática: Associação de resistores em série e em paralelo Introdução Suponha que você possua duas lâmpadas, cujas resistências elétricas sejam R 1 e R 2, e uma bateria cuja FEM (Força Eletro Motriz,

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE E MAGNETISMO

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE E MAGNETISMO 1 LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE E MAGNETISMO (Laboratório criado pelo prof. Dr. Ivanor Nunes de Oliveira e desenvolvido sob sua orientação) Foto 1. Laboratório de Eletricidade e Magnetismo 2 Trabalho de

Leia mais

Terceira Lista - Potencial Elétrico

Terceira Lista - Potencial Elétrico Terceira Lista - Potencial Elétrico FGE211 - Física III Sumário Uma força F é conservativa se a integral de linha da força através de um caminho fechado é nula: F d r = 0 A mudança em energia potencial

Leia mais

GUIA DE EXPERIMENTOS

GUIA DE EXPERIMENTOS ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI - EPUSP PSI 3212 LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS GUIA DE EXPERIMENTOS EXPERIÊNCIA 1: INSTRUMENTAÇÃO

Leia mais

OBJETIVOS MÉTODO EXPERIMENTAL

OBJETIVOS MÉTODO EXPERIMENTAL OBJETIVOS Mostrar que há dois tipos de carga elétrica. Estudar qualitativamente as forças que atuam entre corpos carregados. Mostrar que as forças entre corpos carregados podem ser entendidas em termos

Leia mais

EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA 3.1 OBJETIVOS Verificar experimentalmente as Leis de Kirchhoff 3.2 INTRODUÇÃO Para a resolução de um circuito de corrente contínua (cc), com várias malhas,

Leia mais

Aula Prática 3: Determinação da Resistência elétrica em resistores

Aula Prática 3: Determinação da Resistência elétrica em resistores Aula Prática 3: Determinação da Resistência elétrica em resistores Introdução Resistores são componentes eletrônicos que oferecem certa dificuldade à passagem de corrente elétrica em um circuito. Devido

Leia mais

CARGA E DESCARGA DE CAPACITORES

CARGA E DESCARGA DE CAPACITORES CARGA E DESCARGA DE CAPACITORES Introdução O capacitor é um componente eletrônico constituído de duas placas condutoras de corrente elétrica separadas por um material isolante denominado de dielétrico

Leia mais

4ª LISTA DE EXERCÍCIOS POTENCIAL ELÉTRICO

4ª LISTA DE EXERCÍCIOS POTENCIAL ELÉTRICO 4ª LISTA DE EXERCÍCIOS POTENCIAL ELÉTRICO 1. As condições típicas relativas a um relâmpago são aproximadamente as seguintes: (a) Diferença de potencial entre os pontos de descarga igual a 10 9 V; (b) Carga

Leia mais

Apêndice Efeito Fotoelétrico, Laboratório de Estrutura da Matéria Fis101.

Apêndice Efeito Fotoelétrico, Laboratório de Estrutura da Matéria Fis101. Apêndice Efeito Fotoelétrico, Laboratório de Estrutura da Matéria Fis101. Sobre o aparato instrumental: O kit experimental para estudos do efeito fotoelétrico é composto por um compartimento com uma lâmpada

Leia mais

ASSOCIAÇÕES DE CAPACITORES

ASSOCIAÇÕES DE CAPACITORES UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA LABORATÓRIO DE FÍSICA - ELETROMAGNETISMO ASSOCIAÇÕES DE CAPACITORES Material Utilizado: - Um capacitor

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL III

FÍSICA EXPERIMENTAL III FÍSICA EXPERIMENTAL III EXPERIÊNCIA 4 DIODOS 1. OBJETIVOS 1.1. Objetivo Geral Familiarizar os acadêmicos com diodos semicondutores. 1.2. Objetivos Específicos a) Apresentar aos acadêmicos circuitos elétricos

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 1 TANQUE ELECTROLÍTICO

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 1 TANQUE ELECTROLÍTICO GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 1 TANQUE ELECTROLÍTICO 1. RESUMO Estudo do campo eléctrico estático entre superfícies equipotenciais. Determinação experimental das linhas equipotenciais e do campo eléctrico.

Leia mais

Nome do Aluno: Nº Ensino Médio 2º ano.

Nome do Aluno: Nº Ensino Médio 2º ano. Valor do trabalho: 10 pontos NOTA: Nome do Aluno: Nº Ensino Médio 2º ano. Trabalho de recuperação paralela de Física Setor A Prof. Douglas Rizzi Data: / / INSTRUÇÕES GERAIS: Responda os testes com atenção

Leia mais

2.2 Segunda Lei de Newton

2.2 Segunda Lei de Newton 50 CAPÍTULO 2. SÉRIE A 2.2 Segunda Lei de Newton 2.2.1 Material Necessário 01 trilho de ar 120 cm com polia no fim do curso; 01 carrinho para trilho de ar; 01 pino para carrinho para interrupção de sensor;

Leia mais

CAMPO ELÉCTRICO E POTENCIAL

CAMPO ELÉCTRICO E POTENCIAL TRALHO PRÁTICO Nº 5 CAMPO ELÉCTRICO E POTENCIAL Objectivo - O objectivo deste trabalho é ilustrar a forma do campo eléctrico criado por algumas distribuições de carga. Experimentalmente determinam-se linhas

Leia mais

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 1

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 1 Experimento 2 A emissão da luz por diferentes fontes Objetivo: Construir um modelo para a emissão de luz por uma fonte não puntiforme. Material utilizado! caixa escura! máscaras! fonte de luz 1 com lâmpadas

Leia mais

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS 1.1 OBJETIVOS Familiarização com instrumentos de medidas e circuitos elétricos. Utilização do voltímetro, amperímetro e do multímetro na função ohmímetro. Avaliação dos

Leia mais

Primeira Prova 2º. semestre de /01/2016 ALUNO TURMA PROF.

Primeira Prova 2º. semestre de /01/2016 ALUNO TURMA PROF. Física Teórica II Primeira Prova 2º. semestre de 2015 09/01/2016 ALUNO TURMA PROF. ATENÇÃO LEIA ANTES DE FAZER A PROVA 1 Assine a prova antes de começar. 2 - Os professores não poderão responder a nenhuma

Leia mais

Experimento Prático N o 4

Experimento Prático N o 4 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Engenharia Área de Eletricidade Experimento Prático N o Eletricidade para Engenharia Lei de Ohm e Potência Elétrica L A B O R A T Ó R I O D E E L E T R I

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO:

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA 2016 3ª FASE 08 DE OUTUBRO DE 2016 PROVA EXPERIMENTAL NÍVEL I Ensino Fundamental 8 o e 9 o anos LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 01 - Esta prova destina-se exclusivamente

Leia mais

Lista de Exercícios 3 Corrente elétrica e campo magnético

Lista de Exercícios 3 Corrente elétrica e campo magnético Lista de Exercícios 3 Corrente elétrica e campo magnético Exercícios Sugeridos (16/04/2007) A numeração corresponde ao Livros Textos A e B. A22.5 Um próton desloca-se com velocidade v = (2i 4j + k) m/s

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ELETRICIDADE

FUNDAMENTOS DE ELETRICIDADE FUNDAMENTOS DE ELETRICIDADE Laboratório 1 MEDIÇÃO DE PARÂMETROS ELÉTRICOS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE INTERIORES MEDIÇÃO DE PARÂMETROS ELÉTRICOS OBJETIVO: Medir parâmetros elétricos de tensão, corrente, potência,

Leia mais

EXPERIMENTO 10: MEDIDAS DA COMPONENTE HORIZONTAL DO CAMPO MAGNÉTICO TERRESTRE

EXPERIMENTO 10: MEDIDAS DA COMPONENTE HORIZONTAL DO CAMPO MAGNÉTICO TERRESTRE EXPERIMENTO 10: MEDIDAS DA COMPONENTE HORIZONTAL DO CAMPO MAGNÉTICO TERRESTRE 10.1 OBJETIVOS Determinar o valor da componente horizontal da indução magnética terrestre local. 10.2 INTRODUÇÃO Num dado lugar

Leia mais

LISTA ELETROSTÁTICA. Prof: Werlley toledo

LISTA ELETROSTÁTICA. Prof: Werlley toledo LISTA ELETROSTÁTICA Prof: Werlley toledo 01 - (UEPG PR) Uma pequena esfera com carga q é colocada em uma região do espaço onde há um campo elétrico. Sobre esse evento físico, assinale o que for correto.

Leia mais

Experiment Portugues BR (Brazil) Condutividade elétrica em duas dimensões (10 pontos)

Experiment Portugues BR (Brazil) Condutividade elétrica em duas dimensões (10 pontos) Q1-1 Condutividade elétrica em duas dimensões (10 pontos) Por favor, leia as instruções gerais no envelope separado antes de iniciar este problema. Introdução Com o objetivo de produzir a próxima geração

Leia mais

Primeira Prova 2. semestre de /10/2013 TURMA PROF.

Primeira Prova 2. semestre de /10/2013 TURMA PROF. D Física Teórica II Primeira Prova 2. semestre de 2013 19/10/2013 ALUNO TURMA PROF. ATENÇÃO LEIA ANTES DE FAZER A PROVA 1 Assine todas as folhas das questões antes de começar a prova. 2 - Os professores

Leia mais

MULTITESTE. Objetivo. Conhecer o funcionamento do multiteste (multímetro) básico. 8.1 Introdução

MULTITESTE. Objetivo. Conhecer o funcionamento do multiteste (multímetro) básico. 8.1 Introdução 8aula Multiteste 43 8aula MULTITESTE Objetivo Conhecer o funcionamento do multiteste (multímetro) básico. 8.1 Introdução O Multímetro básico permite fazer medidas de resistência elétrica, diferença de

Leia mais

Mapeamento de Campos Eléctricos

Mapeamento de Campos Eléctricos defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Mapeamento de Campos Eléctricos Instituto Superior de Engenharia do Porto- Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOÃO XXIII A Escola que a gente quer é a Escola que a gente faz!

ESCOLA ESTADUAL JOÃO XXIII A Escola que a gente quer é a Escola que a gente faz! ESCOLA ESTADUAL JOÃO XXIII A Escola que a gente quer é a Escola que a gente faz! NATUREZA DA ATIVIDADE: EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO - ELETROSTÁTICA DISCIPLINA: FÍSICA ASSUNTO: CAMPO ELÉTRICO, POTENCIAL ELÉTRICO,

Leia mais

INDUÇÃO MAGNÉTICA (2)

INDUÇÃO MAGNÉTICA (2) INDUÇÃO MAGNÉTICA Material Utilizado: - uma bobina de campo (l = 750 mm, n = 485 espiras / mm) (PHYWE 11006.00) - um conjunto de bobinas de indução com número de espiras N e diâmetro D diversos (N = 300

Leia mais

CAMPO ELÉCTRICO E POTENCIAL

CAMPO ELÉCTRICO E POTENCIAL TRALHO PRÁTICO Nº 5 CAMPO ELÉCTRICO E POTENCIAL Objectivo - O objectivo deste trabalho é estudar a forma do campo eléctrico criado por algumas distribuições de carga. Experimentalmente determinam-se linhas

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON

SEGUNDA LEI DE NEWTON Experimento 2 SEGUNDA LEI DE NEWTON Objetivo Introdução Verificar a Segunda Lei de Newton a partir da análise do movimento de translação de um corpo sobre um plano horizontal variando-se a força resultante,

Leia mais

2 Campos Elétricos. 2-2 Campos elétricos. Me. Leandro B. Holanda,

2 Campos Elétricos. 2-2 Campos elétricos. Me. Leandro B. Holanda, 2 Campos Elétricos No capítulo anterior vimos como determinar a força elétrica exercida sobre uma partícula 1 de carga +q 1 quando a partícula é colocada nas proximidades de uma partícula 2 de carga +q

Leia mais

Experimento 4 Forças Centrais

Experimento 4 Forças Centrais Experimento 4 Forças Centrais Neste experimento, mediremos a energia mecânica e o momento angular de um corpo em movimento, no qual age uma força central elástica. O objetivo do experimento é interpretar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Laboratório de Física Moderna I Efeito Fotoelétrico Medida da Relação Corrente-Voltagem Característica das linhas Espectrais

Leia mais

FORÇA ELECTROMOTRIZ INDUZIDA

FORÇA ELECTROMOTRIZ INDUZIDA Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Electromagnetismo A 2009/2010 FORÇA ELECTROMOTRIZ INDUZIDA Neste trabalho é induzida uma força electromotriz num circuito condutor

Leia mais

ROTEIRO DE MONTAGEM DE UMA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA EXPERIMENTAL

ROTEIRO DE MONTAGEM DE UMA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA EXPERIMENTAL ROTEIRO DE MONTAGEM DE UMA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA EXPERIMENTAL Instrumento de marcação de tempo Relógio, telefone celular ou outro instrumento que indique o horário com precisão. As coletas de dados devem

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001 FÍSICA EXPERIMENTAL 3 EXPERIÊNCIA 9 BOBINAS DE HELMHOLTZ. OBJETIVOS.. Objetivo Geral Familiarizar os acadêmicos com o dispositivo conhecido como sonda Hall (sensor de campo magnético que funciona baseado

Leia mais

C. -20 nc, e o da direita, com +20 nc., no ponto equidistante aos dois anéis? exercida sobre uma carga de 1,0 nc colocada no ponto equidistante?

C. -20 nc, e o da direita, com +20 nc., no ponto equidistante aos dois anéis? exercida sobre uma carga de 1,0 nc colocada no ponto equidistante? Profa. Dra. Ignez Caracelli (DF) 30 de outubro de 2016 LISTA DE EXERCÍCIOS 2: ASSUNTOS: FORÇA DE COULOMB, CAMPO ELÉTRICO, CAMPO ELÉTRICO PRODUZIDO POR CARGA PONTUAL - DISTRIBUIÇÃO DISCRETA DE CARGAS, CAMPO

Leia mais

Prof. Fábio de Oliveira Borges

Prof. Fábio de Oliveira Borges O campo elétrico Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil http://cursos.if.uff.br/fisica2-2015/ Campo elétrico

Leia mais

Aula Prática 4 Caracterização de Dispositivos Eletrônicos

Aula Prática 4 Caracterização de Dispositivos Eletrônicos Aula Prática 4 Caracterização de Dispositivos Eletrônicos Disciplinas: Física III (DQF 06034) Fundamentos de Física III (DQF 10079) Física Experimental II ( DQF 10441) Depto Química e Física CCA/UFES Estratégia:

Leia mais

Karen Jennings Wilson. Tecido branco com flocos de neve. Tecido de algodão na cor azul claro

Karen Jennings Wilson. Tecido branco com flocos de neve. Tecido de algodão na cor azul claro projetos Pássaro de Inverno Karen Jennings Wilson Esta bolsinha "Pássaro de Inverno" 13cm x 18cm (5" x 7") com zíper manterá você alegre e organizada durante o inverno! Tem espaço suficiente para celular

Leia mais

Prof. Fábio de Oliveira Borges

Prof. Fábio de Oliveira Borges O campo elétrico Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil https://cursos.if.uff.br/!fisica2-0117/doku.php Campo

Leia mais

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES E ESPAÇOS PARA RESPOSTAS. VERIFIQUE SE ESTÁ COMPLETO. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES E ESPAÇOS PARA RESPOSTAS. VERIFIQUE SE ESTÁ COMPLETO. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES E ESPAÇOS PARA RESPOSTAS. VERIFIQUE SE ESTÁ COMPLETO. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS VERIFIQUE TAMBÉM SE NO ESPAÇO DESTINADO ÀS RESPOSTAS DAS QUESTÕES 02,

Leia mais

Objetivo: Determinar a eficiência de um transformador didático. 1. Procedimento Experimental e Materiais Utilizados

Objetivo: Determinar a eficiência de um transformador didático. 1. Procedimento Experimental e Materiais Utilizados Eficiência de Transformadores Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Curitiba Departamento Acadêmico de Física Física Experimental Eletricidade Prof. Ricardo Canute Kamikawachi Objetivo: Determinar

Leia mais

Identificação do Valor Nominal do Resistor

Identificação do Valor Nominal do Resistor Conteúdo complementar 1: Identificação do Valor Nominal do Resistor Os resistores são identificados por um código de cores ou por um carimbo de identificação impresso no seu corpo. O código de cores consiste

Leia mais

Roteiro 26 - Ressonância em tubos sonoros fechados e abertos

Roteiro 26 - Ressonância em tubos sonoros fechados e abertos Roteiro 26 - Ressonância em tubos sonoros fechados e abertos 1 INTRODUÇÃO Denomina-se tubo sonoro a toda massa de ar, geralmente limitada por uma superfície cilíndrica fechada que, quando posta a vibrar,

Leia mais

DISCIPLINA: Física II - PDF PROFESSOR(A): Eduardo R Emmerick Curso: E.M. TURMA: 2101 / 2102 DATA:

DISCIPLINA: Física II - PDF PROFESSOR(A): Eduardo R Emmerick Curso: E.M. TURMA: 2101 / 2102 DATA: Lista de exercícios 1º Bimestre DISCIPLINA: Física II - PDF PROFESSOR(A): Eduardo R Emmerick Curso: E.M. TURMA: 2101 / 2102 DATA: NOME: Nº.: 01) (UFF) Três esferas condutoras idênticas I, II e II têm,

Leia mais

Objetivo Gerâl. 1. Metâs Específicâs. 2. Introduçâ o Teo ricâ. 3. Previsâ o AL 1.2- ATRITO ESTÁTICO E ATRITO CINÉTICO.

Objetivo Gerâl. 1. Metâs Específicâs. 2. Introduçâ o Teo ricâ. 3. Previsâ o AL 1.2- ATRITO ESTÁTICO E ATRITO CINÉTICO. AL 1.2- ATRITO ESTÁTICO E ATRITO CINÉTICO Autora : Fernanda Neri TI-Nspire Objetivo Gerâl Concluir que as forças de atrito entre sólidos dependem dos materiais das superfícies em contacto, mas não da área

Leia mais

CAMPO MAGNÉTICO EM CONDUTORES

CAMPO MAGNÉTICO EM CONDUTORES CAMPO MAGNÉTICO EM CONDUTORES Introdução A existência do magnetismo foi observada há cerca de 2500 anos quando certo tipo de pedra (magnetita) atraía fragmentos de ferro, que são conhecidos como ímãs permanentes.

Leia mais

Sensor de Nível por Radar

Sensor de Nível por Radar INSTRUMENTAÇÃO II Engenharia de Automação, Controlo e Instrumentação 2006/07 Trabalho de Laboratório nº 5 Sensor de Nível por Radar Realizado por Gustavo Silva e Mário Alves 28 de Outubro de 2004 Revisto

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo EXPERIMENTO 12

Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo EXPERIMENTO 12 Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo Roteiro para prática experimental EXPERIMENTO 12 Princípio de Conservação do Momento Linear e Colisões Disciplina: Física Experimental GRUPO DE TRABALHO:

Leia mais

Lista5: Força e Movimento

Lista5: Força e Movimento Lista 5: Força e Movimento Lista revisada pelo prof. Hisataki Ano: 2_2015 Importante: i. Ler com muita atenção o enunciado duas ou mais vezes. ii. Colocar em um diagrama o enunciado da questão. Essa é

Leia mais

Letras em Negrito representam vetores e as letras i, j, k são vetores unitários.

Letras em Negrito representam vetores e as letras i, j, k são vetores unitários. Lista de exercícios 4 Potencial Elétrico Letras em Negrito representam vetores e as letras i, j, k são vetores unitários. 1. Boa parte do material dos anéis de Saturno está na forma de pequenos grãos de

Leia mais

PSI LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS GUIA DE EXPERIMENTOS. EXPERIÊNCIA 2 - Medição de Grandezas Elétricas: Valor Eficaz e Potência

PSI LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS GUIA DE EXPERIMENTOS. EXPERIÊNCIA 2 - Medição de Grandezas Elétricas: Valor Eficaz e Potência ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI - EPUSP PSI 3212 - LABORATÓRIO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS 1º Semestre de 2016 GUIA DE EXPERIMENTOS EXPERIÊNCIA

Leia mais

Cap. 24. Potencial Elétrico. Prof. Oscar Rodrigues dos Santos Potencial elétrico 1

Cap. 24. Potencial Elétrico. Prof. Oscar Rodrigues dos Santos Potencial elétrico 1 Cap. 24 Potencial Elétrico Prof. Oscar Rodrigues dos Santos oscarsantos@utfpr.edu.br Potencial elétrico 1 Energia Potencial Elétrica... O U x x f i F( x) dx F(x) x i x x f x Na Mecânica, nós definimos

Leia mais

- Carga elétrica - Força elétrica -Campo elétrico - Potencial elétrico - Corrente elétrica - Campo magnético -Força magnetica

- Carga elétrica - Força elétrica -Campo elétrico - Potencial elétrico - Corrente elétrica - Campo magnético -Força magnetica GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: Jonas Tavares DISCIPLINA: Física SÉRIE: 3º ALUNO(a): Trabalho Recuperação 1º semestre No Anhanguera você é + Enem RELAÇÃO DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO - Carga elétrica - Força

Leia mais

AULA 03 O FLUXO ELÉTRICO. Eletromagnetismo - Instituto de Pesquisas Científicas

AULA 03 O FLUXO ELÉTRICO. Eletromagnetismo - Instituto de Pesquisas Científicas ELETROMAGNETISMO AULA 03 O FLUXO ELÉTRICO Vamos supor que exista certa superfície inserida em uma campo elétrico. Essa superfície possui uma área total A. Definimos o fluxo elétrico dφ através de um elemento

Leia mais

Curso: E.M. TURMA: 2101 e 2102 DATA:

Curso: E.M. TURMA: 2101 e 2102 DATA: EXERCÍCIOS ON LINE 2º Bimestre DISCIPLINA: Física II PROFESSOR(A): Eduardo R Emmerick Curso: E.M. TURMA: 2101 e 2102 DATA: NOME: Nº.: 01) Vamos supor que temos uma partícula carregada com carga q = 4 μc

Leia mais

PROCESSOS DE ELETRIZAÇÃO

PROCESSOS DE ELETRIZAÇÃO 7aula Processos de Eletrização 35 7aula PROCESSOS DE ELETRIZAÇÃO Objetivo Estudar os processos de eletrização por atrito, indução e contato. 7.1 Introdução A primeira observação da eletrização 1 de objetos

Leia mais

Ondas Estacionárias em uma Corda

Ondas Estacionárias em uma Corda Ondas Estacionárias em uma Corda INTRODUÇÃO Ondas estacionárias em uma corda finita Em uma corda uniforme de densidade linear de massa, submetida a uma tensão T, a velocidade de propagação v de um pulso

Leia mais

POLARIZAÇÃO DA LUZ. Figura 1 - Representação dos campos elétrico E e magnético B de uma onda eletromagnética que se propaga na direção x.

POLARIZAÇÃO DA LUZ. Figura 1 - Representação dos campos elétrico E e magnético B de uma onda eletromagnética que se propaga na direção x. POLARIZAÇÃO DA LUZ INTRODUÇÃO Uma onda eletromagnética é formada por campos elétricos e magnéticos que variam no tempo e no espaço, perpendicularmente um ao outro, como representado na Fig. 1. A direção

Leia mais

7. Potencial eletrostático

7. Potencial eletrostático 7. Potencial eletrostático Em 1989 Wolfgang Paul recebeu o prémio Nobel da física pela sua invenção da armadilha de iões que permite isolar um ião. Com essa invenção tornou-se possível estudar um átomo

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos

Laboratório de Circuitos Elétricos Laboratório de Circuitos Elétricos 3ª série Mesa Laboratório de Física Prof. Reinaldo / Monaliza Data / / Objetivos Observar o funcionamento dos circuitos elétricos em série e em paralelo, fazendo medidas

Leia mais

Eletricidade e Magnetismo. Fluxo Elétrico Lei De Gauss

Eletricidade e Magnetismo. Fluxo Elétrico Lei De Gauss Eletricidade e Magnetismo Fluxo Elétrico Lei De Gauss 1. A figura seguinte mostra uma seção de uma barra cilíndrica de plástico infinitamente longo, com uma densidade linear de carga positiva uniforme.

Leia mais

= 3,0m/s. Em certo momento, lança-se, horizontalmente, sobre ele um bloco de massa m 2. = 2,0kg, com velocidade inicial v 20

= 3,0m/s. Em certo momento, lança-se, horizontalmente, sobre ele um bloco de massa m 2. = 2,0kg, com velocidade inicial v 20 Física QUESTÕES de 01 a 06 LEIA CUIDADOSAMENTE O ENUNCIADO DE CADA QUESTÃO, FORMULE SUAS RESPOSTAS COM OBJETIVIDADE E CORREÇÃO DE LINGUAGEM E, EM SEGUIDA, TRANSCREVA COMPLETAMENTE CADA UMA NA FOLHA DE

Leia mais

Física Experimental B ( )

Física Experimental B ( ) Física Experimental B (4320303) ELEMENTOS RESISTIVOS LINEARES E NÃO LINEARES 1 Guia de trabalho Turma: Data: / / Nome do(a) Professor(a): Equipe: Número USP nota ATENÇÃO. Você usará um multímetro para

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE FÍSICA DFIS

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE FÍSICA DFIS UNESDADE DO ESTADO DE SANTA CATANA - UDESC CENTO DE CÊNCAS TECNOLÓGCAS CCT DEPATAMENTO DE FÍSCA DFS FÍSCA EXPEMENTAL EXPEÊNCA 0 MEDDAS ELÉTCAS OBJETOS Utilizar corretamente o ohmímetro, o voltímetro e

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO:

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA 2016 3ª FASE 08 DE OUTUBRO DE 2016 PROVA EXPERIMENTAL NÍVEL II Ensino Médio 1ª e 2ª série. LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 01 - Esta prova destina-se exclusivamente

Leia mais

Experimento 1: Colisões

Experimento 1: Colisões Experimento 1: Colisões Objetivo Verificar a Conservação Quantidade de Movimento Linear e a Conservação da Energia Cinética. a) A conservação do momento linear e da energia cinética numa colisão unidimensional.

Leia mais

Princípios de Eletricidade Magnetismo

Princípios de Eletricidade Magnetismo Princípios de Eletricidade Magnetismo Corrente Elétrica e Circuitos de Corrente Contínua Professor: Cristiano Faria Corrente e Movimento de Cargas Elétricas Embora uma corrente seja um movimento de partícula

Leia mais

Letras em Negrito representam vetores e as letras i, j, k são vetores unitários.

Letras em Negrito representam vetores e as letras i, j, k são vetores unitários. Lista de exercício 3 - Fluxo elétrico e Lei de Gauss Letras em Negrito representam vetores e as letras i, j, k são vetores unitários. 1. A superfície quadrada da Figura tem 3,2 mm de lado e está imersa

Leia mais

O CIRCUITO RC. Objetivo do Experimento: Investigar o processo de carga e de descarga de um capacitor.

O CIRCUITO RC. Objetivo do Experimento: Investigar o processo de carga e de descarga de um capacitor. O CIRCUITO RC Material utilizado: - Uma fonte de f.e.m. CC variável (0 30 V) - Um capacímetro (0 2 mf) - Um voltímetro (0 50 V, impedância de entrada de 1 MΩ) - Um ohmímetro (0 1 MΩ) - Uma chave Morse

Leia mais

Eletrostática. (Ufmg 2005) Em uma aula, o Prof. Antônio apresenta uma montagem com dois anéis dependurados, como representado na figura.

Eletrostática. (Ufmg 2005) Em uma aula, o Prof. Antônio apresenta uma montagem com dois anéis dependurados, como representado na figura. Eletrostática Prof: Diler Lanza TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufmg 2005) Em uma aula, o Prof. Antônio apresenta uma montagem com dois anéis dependurados, como representado na figura. Um dos anéis é de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO 4.º Teste Sumativo de Física 15. março. 2016

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO 4.º Teste Sumativo de Física 15. março. 2016 ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO 4.º Teste Sumativo de Física 15. março. 2016 12.º Ano Turma A e B Maria do Anjo Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído

Leia mais

INSTRUMENTOS DE MEDIDAS ELÉTRICAS

INSTRUMENTOS DE MEDIDAS ELÉTRICAS INSTRUMENTOS DE MEDIDAS ELÉTRICAS Introdução Durante todo o curso de Laboratório de Física B, o aluno manuseará instrumentos de medidas elétricas e fontes de tensão elétrica. O instrumento de medida elétrica

Leia mais

PROGRAD / COSEAC Padrão de Respostas Física Grupos 05 e 20

PROGRAD / COSEAC Padrão de Respostas Física Grupos 05 e 20 1 a QUESTÃO: Dois blocos estão em contato sobre uma mesa horizontal. Não há atrito entre os blocos e a mesa. Uma força horizontal é aplicada a um dos blocos, como mostra a figura. a) Qual é a aceleração

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001 FÍSICA EXPERIMENTAL 300 EXPERIÊNCIA 6 TRANSFERÊNCIA DE POTÊNCIA. OBJETIVOS.. Objetivo Geral Familiarizar os acadêmicos com fontes de tensão (baterias) na condição de máxima transferência de potência para

Leia mais

Experiment Portugues BR (Brazil) Esferas saltitantes Um modelo para transição de fase e instabilidades.

Experiment Portugues BR (Brazil) Esferas saltitantes Um modelo para transição de fase e instabilidades. Q2-1 Esferas saltitantes Um modelo para transição de fase e instabilidades. (10 pontos) Por favor, leia as instruções gerais no envelope separado antes de iniciar este problema. Introdução Transições de

Leia mais

Campo criado por uma carga puntiforme

Campo criado por uma carga puntiforme Campo criado por uma carga puntiforme 1 Fig.35.1 35.1. A Fig. 35.1 representa uma carga Q e um ponto P do seu campo elétrico onde é colocada uma carga q. Analise as afirmativas abaixo, observando se elas

Leia mais

INTERFERÊNCIA E DIFRAÇÃO DA LUZ

INTERFERÊNCIA E DIFRAÇÃO DA LUZ INTERFERÊNCIA E DIFRAÇÃO DA LUZ INTRODUÇÃO A luz é uma onda eletromagnética; portanto é constituída por campos elétrico e magnético que oscilam, periodicamente, no tempo e no espaço, perpendiculares entre

Leia mais

APROFUNDAMENTO DO PRIMEIRO CAPÍTULO Extensivo Prof. Adson Filizzola

APROFUNDAMENTO DO PRIMEIRO CAPÍTULO Extensivo Prof. Adson Filizzola APROFUNDAMENTO DO PRIMEIRO CAPÍTULO Extensivo 2016 - Prof. Adson Filizzola 01. A figura ilustra dois pêndulos elétricos feitos com esferas condutoras de mesmo raio. Elas foram eletrizadas por contato com

Leia mais

Multímetro digital portátil Agilent U1251A e U1252A Guia de início rápido

Multímetro digital portátil Agilent U1251A e U1252A Guia de início rápido Multímetro digital portátil Agilent U1251A e U1252A Guia de início rápido Os itens a seguir acompanham o multímetro: Kit de fios de teste padrão (cabos de teste, garras jacarés, garras SMT, pontas de prova

Leia mais

PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES

PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES NTRODUÇÃO Força de impulsão RNCÍO DE ARQUMEDES O desenho da Figura 1a mostra um corpo de densidade ρ, submerso num de densidade ρ. As setas representam as forças que actuam nas diferentes partes do corpo;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA CFM TESTE DE SELEÇÃO PARA MESTRADO E DOUTORADO 10/02/2004

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA CFM TESTE DE SELEÇÃO PARA MESTRADO E DOUTORADO 10/02/2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA CFM TESTE DE SELEÇÃO PARA MESTRADO E DOUTORADO 10/02/2004 Nome do Candidato: ATENÇÃO: Escolha apenas 10 questões, sendo que necessariamente

Leia mais

Linha expression Divirta-se fazendo um caminho de mesa com círculos passo a passo. Comprimento aproximado de 60 X 220 cm (24 X 85 )

Linha expression Divirta-se fazendo um caminho de mesa com círculos passo a passo. Comprimento aproximado de 60 X 220 cm (24 X 85 ) Linha expression Divirta-se fazendo um caminho de mesa com círculos passo a passo. Comprimento aproximado de 60 X 220 cm (24 X 85 ) Materiais necessários: PFAFF quilt expression 4.2 Sapatilha PFAFF de

Leia mais

Lei de Gauss. O produto escalar entre dois vetores a e b, escrito como a. b, é definido como

Lei de Gauss. O produto escalar entre dois vetores a e b, escrito como a. b, é definido como Lei de Gauss REVISÃO DE PRODUTO ESCALAR Antes de iniciarmos o estudo do nosso próximo assunto (lei de Gauss), consideramos importante uma revisão sobre o produto escalar entre dois vetores. O produto escalar

Leia mais

INTRODUÇÃO - LEIA TODO MANUAL DE INSTRUÇÕES ANTES DA MONTAGEM

INTRODUÇÃO - LEIA TODO MANUAL DE INSTRUÇÕES ANTES DA MONTAGEM INSTRUÇÕES DE MONTAGEM ELOS ACESSÓRIOS PARA CABO REDE SUBTERRÂNEA PÁG. 1 / 7 EMCF 36kV TAM. 3 Edição: JUN 14 DESCRIÇÃO: A EMENDA ELOS COMPACTA FRIA é um acessório de cabo de média tensão isolado com EPR

Leia mais

Experimento 4. Resistência interna

Experimento 4. Resistência interna Experimento 4 Resistência interna Objetivos a - Determinar a resistência interna de uma fonte de tensão. b - Obter a curva característica para a fonte de tensão. c - Determinar a resistência da carga para

Leia mais

Laboratório de Física

Laboratório de Física Laboratório de Física Experimento 04: Capacitor de Placas Paralelas Disciplina: Laboratório de Física Experimental II Professor: Turma: Data: / /20 Alunos (nomes completos e em ordem alfabética): 1: 2:

Leia mais

Trânsito Forças e Movimento : Lei fundamental da dinâmica NOME: Nº TURMA: DATA: / /2009

Trânsito Forças e Movimento : Lei fundamental da dinâmica NOME: Nº TURMA: DATA: / /2009 Objectivo O objectivo desta actividade é verificar o que acontece com a aceleração de um corpo quando a resultante da força aplicada no corpo permanece constante, mas a massa do sistema é alterado. Questões

Leia mais

Atividade Experimental - Aula 13 Óptica: Espelhos Planos e Esféricos

Atividade Experimental - Aula 13 Óptica: Espelhos Planos e Esféricos Nome: RA: NOTA: Engenharia Professor Dr. Alysson Cristiano Beneti FAESO Ourinhos - SP º Semestre / 20 Data: / /20 Disciplina: Física Teórica Experimental II Avaliação: Relatório Aula 13 Atividade Experimental

Leia mais