Balanço Geral 1999 a 2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Balanço Geral 1999 a 2007"

Transcrição

1 Balanço Geral 1999 a

2 I N D I C E I. Introdução II- Programa de Promoção Sócio-Económica da Mulher Sub programa de micro-crédito... pg. 5 Sub programa de formação... pg. 11 Programa De Desenvolvimento Sócio Comunitário... pg. 17 Programa De Saude Sexual E Reprodutiva... pg. 22 Programa De Desenvolvimento Institucional... pg. 31 Conclusões... pg. 32 2

3 INTRODUÇÃO Constitui uma das principais preocupações da MORABI, como Associação de Apoio à Auto promoção da Mulher, o aumento da capacidade de intervenção da mulher na sociedade, e a sua participação no processo de desenvolvimento económico, social e cultural do país, assim como, propiciar a igualdade de oportunidades entre os géneros na sociedade. Por esta razão as actividades implementadas pela MORABI têm como características comuns apoiar a mulher na melhoria das suas condições de vida, na educação para mudança de atitude e comportamento, enfim, a promoção de uma lógica de co-responsabilização na resolução dos seus problemas a nível familiar e comunitário. Neste quadro, as acções tiveram como finalidade não só apoiar a promoção das actividades geradoras de emprego e rendimento, como também para o aumento do nível de instrução, informação e qualificação profissional da mulher. Com a pandemia mundial do HIV-SIDA, o programa de saúde sexual e reprodutiva passou a dar uma atenção especial ao combate às IST, em particular VIH-SIDA, na prevenção, assistência psicossocial e económica as famílias afectadas e infectadas. Isso se acrescenta a evolutiva redução da taxa de fecundidade, em que de 7 filhos por mulher em 1992 passou para 4, atingindo, em 2006 a cifra de 2 filhos por mulher. Tendo sido traçada para 2001 a estratégia de autonomização dos serviços de micro-crédito e formação, foi dada atenção especial a esses dois subprogramas, conforme mais abaixo indicaremos nos detalhes da evolução dos sectores. Entretanto, a partir de 2002 verifica-se a sustentabilidade operacional do serviço de micro-crédito, obrigando a uma gestão rígida e criteriosa desses fundos, sem qualquer comparticipação noutras áreas de intervenção da MORABI, como forma de não só não descapitalizar o sector como também responder às exigências dos próprios financiadores. Paralelamente, foi-se assistindo a uma redução considerável dos financiamentos, como, por exemplo é o caso da retirada do IPPF, passando assim, a partir de 2002, a Direcção da MORABI a adoptar a estratégia de participação em concursos como forma de executar as actividades e suportar as despesas de funcionamento. 3

4 È de realçar que, com o projecto Cluster, financiamento da Cooperação Austríaca, cujo término foi em Dezembro de 2001, a MORABI ficou com a capacidade institucional, a nível da formação melhorada e reforçada em relação a três aspectos: Capacidade Técnica Consolidada; Produtos de Formação identificados e Implementados; Processos Procedimentos do Serviço de Formação; É assim que, no ano de 2003 a equipa da MORABI participa em concursos de assistência técnica a outras instituições e é manifesta a preferência pelo nosso trabalho de consultoria, tanto na elaboração de manuais como a implementação da própria formação. Ainda, no âmbito dos concursos, nesse mesmo ano, foram ganhos concursos no domínio de elaboração de diagnósticos participativos com parceiros Japoneses, em localidades de futuras intervenções na área de água e saneamento. Procede-se, entretanto, à separação física do serviço de micro crédito dos restantes programas. Essa separação contribuiu grandemente para a melhoria das condições do serviço tanto do pessoal afecto ao serviço de micro-crédito como dos restantes programas. Ao longo deste período os recursos financeiros e materiais constituíram, em grande parte, um estrangulamento para a concretização cabal das actividades programadas, excepto no sector do crédito. 4

5 ESTRUTURA FUNCIONAL A MORABI, na sua política de reorganização dos serviços, definiu estratégias que estabelecem como áreas funcionais de intervenção, as seguintes: Micro-Credito; Formação; Desenvolvimento Comunitário; Saúde Sexual e Reprodutiva; Ainda, no âmbito desse processo de reestruturação optou pela criação de um sistema de gestão autónoma dos serviços de micro-crédito e outro de formação. A partir de 2002, o serviço de micro-crédito foi-se estruturando e atingiu a sua auto-sustentabilidade operacional, alcançando, em 2004, uma taxa de cobertura dos custos de 162,52%, o que pressupõe a montagem de um serviço com autonomia financeira e dotado de recursos humanos próprios. A partir dessa data até hoje, a estrutura funcional da MORABI é a seguinte: Uma equipa permanente na sede constituída pelos seguintes elementos: 1 Directora Executiva 1 Coordenadora de programas 1 Contabilista 1 Administrativo financeiro 1 Recepcionista 1 Ajudante serviços gerais 1 Condutor O quadro do pessoal é composto por 28 pessoas: Uma Gestora do Programa Uma contabilista; Uma Auxiliar de Contabilidade Uma Coordenadora de Agentes de Crédito; 5

6 Uma Tesoureira; Um Operador de Banco de Dados; Uma Jurista; Uma Recepcionista; Um condutor; 19 Agentes de crédito: 4 na sede, 6 na ilha de Santiago, 2 em S.Vicente, 2 em Santo Antão e 1 por cada uma das restantes ilhas em que opera; No entanto a mobilidade do pessoal vem acarretando custos enormes no processo de substituição, sobre tudo quando se trata de uma substituição numa ilha. E em regime part-time/voluntariado a MORABI tem a colaboração de técnicos especializados nomeadamente: Economistas, Engenheiros Agrónomos e Civis, Juristas Médica(o)s, Sociólogo, psicóloga, Enfermeira; Animadores Sociais Activistas locais,. Outros Nas delegações e representações funciona com uma agente de crédito, em regime permanente, e representantes em regime voluntariado. 6

7 II PROGRAMA DE PROMOÇÃO SOCIO ECONÓMICA De acordo com a estratégia definida em 1998, Visão MORABI 2001, foi definida como prioridade a criação de condições para a autonomia dos subprogramas de crédito e o de formação. Para o efeito foram negociados dois projectos de Reforço Institucional, designadamente um com o ADF - African Development Foundation, para o Micro-crédito e outro com a Cooperação Austríaca, para o sector da formação. Entretanto, o ano de 2000 constituiu um marco na história do micro-crédito, tendo ficado marcada pela criação de condições para a autosustentabilidade operacional do serviço de micro-crédito e pela assinatura de dois grandes contratos de financiamento para o efeito, sendo a primeira com o ADF no valor de ECV e o segundo com a ACDI/VOCA no valor de 5000 contos À semelhança do crédito, o ano de 2001 ficou marcado com o término do projecto Cluster, em que MORABI, a nível da formação, ficou com a capacidade institucional melhorada e reforçada. Em 2002, a MORABI lança-se, com sucesso, na participação em concursos para ministrar formações de curta duração. 7

8 2.1. CREDITO Introdução O ano de 2000 constitui um marco na história do Micro-crédito, como sendo o ano em que se reconfirma a determinação na criação de condições para a auto-sustentabilidade operacional do serviço de Micro- Crédito, dando continuidade ao trabalho de base iniciado em Cumprido o programa de reforço institucional definido no projecto da ADF, assinado em 1997, com a elaborado do Guia Pratico de Micro-Crédito e a contratação de pessoal para esse serviço, entrou-se na segunda fase do projecto ou seja a elaboração de uma Proposta de financiamento de um Programa Alargado e Auto-Sustentável de Micro-Crédito. O referido programa foi validado em Janeiro de 2000 por um consultor internacional recrutado para o efeito e submetido a ADF para financiamento. O ano de 2000 ficou, ainda, marcado pela assinatura de dois grandes contratos de financiamento para o efeito, sendo a primeira com a ACDI/VOCA no valor de 5000 contos e o segundo com a ADF no valor de ECV Todos esses contratos de financiamento visavam a auto-sustentabilidade operacional do serviço de crédito. Esse resultado foi conseguido com sucesso em 2002, após os desembolsos dos fundos da ADF em 2001 que permitiu a Morabi aumentar o seu nº de créditos concedidos em 2000 de 287 para 984 em 2001 e 1324 e Para além disso esse financiamento permitiu a Morabi fazer a contratação do pessoal para trabalhar exclusivamente no serviço de crédito. Contrato com ACDI/VOCA A MORABI assinou no dia 06 de Junho 2000 um contrato de financiamento com ACDI/VOCA no valor de de Escudos Cabo-verdianos, e foi desembolsado em três tranche. Esse contrato de financiamento tinha como meta o reforço da capacidade da Morabi para atingir a auto-sustentabilidade, como um programa financeiro independente, através da concessão de empréstimos a pequenos comerciantes e micro-empresários da Cidade da Praia. Esse financiamento permitiu a contratação de duas Agentes de Crédito a tempo inteiro que anteriormente trabalhavam em regime partime. 8

9 Para além desse contrato de financiamento a MORABI também assinou com ACDI/VOCA no mesmo dia um Carta de Entendimento para dar assistência técnica no âmbito do Programa BAD/AMINA. A ACDI/VOCA também ofereceu gratuitamente a MORABI o seu o programa informático de banco de dados e de contabilidade. Esse programa foi instalado no mês de Junho e assistido pelo técnico da ACDI/VOCA. Para utilização desse programa a Gestora de Crédito e Contabilista receberam formação da ACDI/VOCA. Após a instalação e formação do pessoal sobre a utilização do referido software, foram lançados todos os créditos de 2000 financiados através do fundo de Crédito e da ACDI/VOCA e o Serviço de Crédito passou a utilizar um único sistema de informação. Em 2001 a ACDI/VOCA realizou um ciclo de formação durante uma semana destinado ao staff de crédito (Gestora, Contabilista e Agentes de Crédito) e conselho directivo da Morabi. Atendendo o resultado positivo do primeiro Contrato de financiamento, a ACDI/VOCA assinou um segundo contrato de financiamento com a Morabi em 2004 no valor de 5000 contos, sendo contos destinados a reforço de fundo para concessão de empréstimo as rabidantes da cidade da Praia e contos para introdução do sistema de irrigação gota-gota nas zonas de intervenção da ACDI/VOCA na ilha de Santiago (Tarrafal, órgãos e Santa Cruz ). 9

10 Esses financiamentos foram desembolsados da seguinte forma: Ano Montante desembolsado obs: valores em contos FINANCIAMENTO ACDI ( ) 30% 50% 20% Com esses financiamentos a Morabi beneficiou 2694 clientes num montante total de $00. O gráfico a seguir ilustra a evolução do nº de clientes e montantes concedidos por ano de 2000 a

11 Quadro I: RESUMO DA DISTRIBUIÇÃO DE CRÉDITOS -Nº BENEFICIÁRIOS POR ANO ANO T o tal Beneficiários Evolução de nº Beneficiários de 1994 à Dezembro 2005 Nº Beneficiários Beneficiários Ano Quadro III: R ESUMO DA DISTR IB UIÇÃO DE C R ÉDITOS - MONTANTES P OR ANO ANO T o tal M ontantes , , , , , , , ,00 Montantes em Contos Evolução dos Montantes concedidos de 2000 à Dezembro , , , , , , , , ,00 0, Ano Montantes Podemos constatar que a rotação desse fundo é grande o que permitiu a Morabi com esses contos conceder em termos acumulados $00 de crédito durante esses 6 anos. 11

12 O segundo contrato de financiamento permitiu a Morabi aumentar o seu quadro de pessoal através da contratação de mais dois Agentes de crédito, uma Operadora de Banco de Dados e uma Ajudante dos serviços gerais. Fundo Crédito da Morabi O Fundo de crédito da Morabi foi constituído a partir de reembolso dos créditos concedidos desde 1994 e também com assinatura de novos contrato-programa com diversos parceiros nomeadamente: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA No âmbito do Projecto de Apoio ao Desenvolvimento de Actividades Geradoras de Rendimentos nos Concelhos de Santa Cruz, Santa Catarina e Calheta, foi assinado em 2000 um contrato programa com o Ministério da Agricultura para desenvolvimento das actividades nos concelhos de Santa Cruz (Salina, Achada Fátima e Achada Fazenda), Calheta (Gongon e Calheta) e Santa Catarina (Fundura e Serra Malagueta). Foram beneficiados um total de 85 de família que viviam da apanha de areia ou de lenha. Foram constituídos um total de 21 grupos solidários de 3 ou 5 mulheres cada para receberem crédito. O montante total de crédito concedido nesse período foi de (um milhão setecentos e oitenta mil escudos). Esses créditos foram destinados às actividades de comercialização do pescado, produtos hortícolas, produtos diversos e criação de gados. Projecto FAO No âmbito do Protocolo de acordo assinado em 2000, entre a Morabi e o Projecto GCP/CVI/033/NET da FAO, o referido projecto disponibilizou um fundo de contos para concessão de crédito no sector das pescas (comercialização do pescado e aquisição de motor de 15HP), realização de formações nos concelhos de Porto Novo, Maio, S. Domingos e Santa Catarina. Foram financiados 4 projectos no sector da pesca, sendo 3 destinado a comercialização do pescado e aquisição de motor de 15HP. 12

13 As formações realizadas foram nas áreas de Gestão de Crédito, Contabilidade e Criação de Grupos Solidários, nas localidades de Vila do Maio, Rincão e Porto Novo. Os créditos foram cedidos nas localidades de Vila do Maio, Praia Baixo e Rincão. Foram beneficiárias desse projecto 23 mulheres chefes de família, no montante total de $00 (quinhentos e trinta sete mil duzentos e cinquenta sete escudos). FUNDO DA AJUDA ALIMENTAR DA COOPERAÇÃO SUIÇA No quadro do Contrato Programa, o FUNDO DA AJUDA ALIMENTAR DA COOPERAÇÃO SUIÇA, financiou a Morabi em 2000 o Projecto de Apoio ao Desenvolvimento de Micro-Projectos em 10 Comunidades dos 3 Concelhos de Santiago. O desembolso desse projecto aconteceu por fase sendo em 2000 e De acordo com os objectivos deste projecto as actividades estavam previstas para serem implementados nas localidades, Praia Baixo, Salineiro, Vale da Custa e Castelão, no entanto outras localidades foram contempladas pelo projecto, tais como, S. Tomé, Matão, Orgãos, Ponta Belém. Foram concedidos 13 micro-projectos beneficiando 44 mulheres chefes de família, no montante total de $00 (um milhão seiscentos e sessenta três mil e trezentos escudos). SHELL No âmbito da cooperação com a SHELL de Cabo Verde a MORABI recebeu um financiamento no valor de $00 (trezentos mil escudos), para implementação de actividades geradoras de rendimento. Esse montante foi concedido a crédito ao grupo solidário II de Paria Baixo para construção de um posto de venda de pescado e verduras. Esse projecto beneficiou um grupo de 3 mulheres chefes de família. FUNDO DE CRÉDITO DA MORABI Com o reembolso dos créditos concedidos, financiados pelos doadores acima mencionados e os reembolsos dos créditos financiados pela ADF a Morabi constitui uma conta denominada fundo de crédito. A partir dessa conta é se paga o grosso das despesas de funcionamento do serviço de crédito(aluguer do espaço, comunicação, manutenção da viatura, transporte, salário, etc.) 13

14 As informações sobre o custo de funcionamento encontram detalhadas no relatório financeiro. Em termos de estrutura física a Morabi dispõe de delegação em Santo Antão, S.Vicente, Boavista, Sal e Tarrafal de Santiago. O escritório da Ribeira Grande e da sede na Praia é propriedade da Morabi, o de S.Vicente é alugado e os de Boavista, Tarrafal e Sal são espaços cedidos pelas respectivas Câmaras Municipais. Nas restantes ilhas e concelhos os Agentes trabalham em suas casas. Os créditos concedidos nesses concelhos foram destinados para as actividades comercialização de, vestuário e afins, pescado, produtos hortícolas, pesca artesanal, agricultura, pecuária, panificação, restauração, cabeleireira, jardim infantil e produtos diversos, etc. O gráfico a seguir mostra como tem sido a evolução dos créditos ao longo desses 7 anos. 14

15 Quadro I: RESUMO DA DISTRIBUIÇÃO DE CRÉDITOS -Nº BENEFICIÁRIOS POR ANO ANO Total Beneficiários Nº Beneficiários Evolução de nº Beneficiários de 1994 à Dezembro Ano Beneficiários Quadro III: RESUMO DA DISTRIBUIÇÃO DE CRÉDITOS -MONTANTES POR ANO ANO Total M ontantes , , , , , , , ,00 Montantes em Contos Evolução dos Montantes concedidos de 2000 à Dezembro , , , , , , , , ,00 0, Ano Montantes 15

16 Contrato com ADF A MORABI assinou no dia 29 de Setembro de 2000 um contrato de financiamento com ADF no valor de ECV para a realização do Projecto Consolidação e Expansão da Unidade de Crédito da MORABI, durante cinco anos. Progressos no Desempenho de Indicadores Qualitativos De acordo com o plano de implementação apresentado no projecto, foram realizadas as seguintes actividades: a) Encontros com os membros da MORABI para esclarecimento do conteúdo do Projecto, designadamente com os Membros do Conselho Directivo, Conselho Fiscal e Gestora do Programa de Crédito, para esclarecimento do conteúdo do Projecto. Após o esclarecimento do Projecto foi criado um Comité de Seguimento e Avaliação do Projecto. d) Selecção e assinatura do contrato com TA Foi seleccionada e contratada uma consultora para dar Assistência Técnica ao Departamento de Crédito na área de Contabilidade e Formação dos Agentes de Crédito. e) Formação dos beneficiários de crédito Formações aos seus clientes em áreas diversas. Foram formados num total de 3871 clientes. f) Desembolso de Fundos e emendas de contrato de financiamento Apesar do contrato de financiamento ter sido assinado em 2000 o desembolso dos fundos só vieram a acontecer a partir de 2001 conforme o quadro a seguir: 16

17 Ano Mont Desembols , , , , ,40 Total ,57 obs: valores em contos , , , , , , , , , ,00 0,00 FINANCIAMENTO ADF ( ) 9.169, , , ,40 84, Ano S érie1 g) Concessão de Crédito No âmbito desse financiamento foram concedidos empréstimos nas ilhas de Santiago, Santo Antão, Maio, S. Nicolau e Sal, num montante total de $00. 17

18 Quadro I: RESUMO DA DISTRIBUIÇÃO DE CRÉDITOS -Nº BENEFICIÁRIOS POR ANO ANO Total Beneficiários Evolução de nº Beneficiários de 2002 à Dezembro 2005 Nº Beneficiários Beneficiários Ano Quadro III: RESUMO DA DISTRIBUIÇÃO DE CRÉDITOS -MONTANTES POR ANO ANO Total Montantes , ,00 0,00 0, , , ,00 Evolução dos Montantes concedidos de 2002 à Dezembro , , , , , , ,00 0, Ano Montantes 18

19 Linha de Crédito do BAD Depois de varias negociações com os técnicos do BAD e da UCP/PNLP, a Morabi consegui assinar com o PNLP em 2002, um contrato de financiamento em forma de empréstimo sem juro no valor de contos, para concessão de créditos nas ilhas de Santiago, S. Vicente e Santo Antão. Esse financiamento para além de reforçar as actividades de microcrédito da Morabi nos concelhos de interior de Santiago e Santo Antão, permitiu a Morabi fazer a abertura da sua delegação em S.Vicente. O segundo contrato de financiamento aconteceu em 2004 no valor de contos e o ultimo contrato foi assinado em 2006 no valor de contos. O quadro a seguir ilustra o quadro de desembolso do PNLP obs: valores em contos 19

20 Quadro I: RESUMO DA DISTRIBUIÇÃO DE CRÉDITOS -Nº BENEFICIÁRIOS POR ANO ANO Total Beneficiários Evolução de nº Beneficiários de 2002 à Dezembro 2005 Nº Beneficiários Ano Beneficiários Quadro III: RESUMO DA DISTRIBUIÇÃO DE CRÉDITOS -MONTANTES POR ANO ANO Total Montantes , , , , , ,00 Montantes em Contos Evolução dos Montantes concedidos de 2002 à Dezembro , , , , , , , , , ,00 0, Ano Montantes O valor total desse financiamento é de contos e a Morabi já reembolsou o valor de contos ao PNLP. O valor das prestações mensais é de 500 contos. 20

21 Convenção de Financiamento do Programa de Micro-Crédito com o Município da Boavista. Devido a alguns constrangimentos, foi só em Novembro de 2003 que a MORABI conseguiu contratar uma Agente de crédito, para se iniciar, as actividades a ilha da Boavista, conforme a Convenção de financiamento assinado entre as partes. Durante este período foram formados candidatos a crédito sobre sistema de funcionamento de crédito da MORABI. O desembolso aconteceu em duas tranches sendo cada uma no valor de 50%, conforme o quadro a seguir: Ano Montante Desembolsado obs: valores em contos FINANCIAMENTO CMBV 50% 50% Esse financiamento permitiu a Morabi a contratação de um Agente de Crédito e abertura de uma delegação do serviço de crédito naquela ilha. De 2003 a 2006 a Morabi já concedeu um total de $ beneficiando a 151 clientes. 21

22 Quadro I: RESUMO DA DISTRIBUIÇÃO DE CRÉDITOS -Nº BENEFICIÁRIOS POR ANO ANO Total Beneficiários Evolução de nº Beneficiários de 2002 à Dezembro 2005 Nº Beneficiários Beneficiários Ano Quadro III: RESUMO DA DISTRIBUIÇÃO DE CRÉDITOS -MONTANTES POR ANO ANO Total Montantes , , , , ,00 Nº de Benef iciarios Evolução dos M ontante s conce didos de 2002 à ,00 Dezembro , , , , , ,00 0, Ano Montantes Contrato de Financiamento IEFP 22

23 A Morabi assinou em Julho de 2004 com Contrato de Financiamento no valor de contos para a constituição de um Fundo de Crédito destinado aos Micro-Empresarios de S.Vicente e Santo Antão. Para além das actividades da selecção dos proponentes, concessão de crédito e formação das beneficiárias sobre os Procedimentos de crédito, procedeu-se a contratação de mais uma Agente de Crédito em S.Vicente, para reforçar as actividades de Micro-Crédito naquela ilha e dar uma atenção especial a classe do Micro-empresáriado. De 2004 a 2006 foram concedidos um total de $00 beneficiando a 105 clientes, conforme o quadro a seguir: 23

24 Quadro I: RESUMO DA DISTRIBUIÇÃO DE CRÉDITOS -Nº BENEFICIÁRIOS POR ANO ANO Total Beneficiários Evolução de nº Beneficiários de 2002 à Dezembro 2005 Nº Beneficiários Ano Beneficiários Quadro III: RESUMO DA DISTRIBUIÇÃO DE CRÉDITOS -MONTANTES POR ANO ANO Total Montantes , , , ,00 Evolução dos Montantes concedidos de 2002 à Dezembro , , , , , ,00 0, Ano Montantes 24

25 Convenção de Financiamento AFRICA 70 No âmbito da Convenção de Financiamento do Programa CABOPRO Micro-Crédito no Município do Sal a Morabi assinou em Agosto de 2005 um contrato de financiamento com a AFRICA 70 e a Câmara Municipal do Sal no valor de $00, sendo $00, para o financiamento de actividades geradoras de rendimento na ilha do Sal e $00 como contribuição para pagamento das despesas de funcionamento naquela ilha de acordo com o quadro a seguir: Ano Montante obs: valores em contos FINACIAMENTO AFRICA 70 Valor em contos Ano S érie1 Para além desse financiamento a Câmara Municipal do Sal cedeu a Morabi um espaço para a instalação do seu serviço de Crédito naquela ilha. Esse financiamento permitiu a Morabi conceder 22 empréstimos no valor de $00 conforme o quadro a seguir: 25

26 Quadro I: RESUMO DA DISTRIBUIÇÃO DE CRÉDITOS -Nº BENEFICIÁRIOS POR ANO ANO Total Beneficiários Nº Beneficiários Evolução de nº Beneficiários de 2005 à Dezembro Ano Beneficiários Quadro III: RESUMO DA DISTRIBUIÇÃO DE CRÉDITOS -MONTANTES POR ANO ANO TOTAL Montantes , , ,00 Evolução dos M ontante s conce didos de 2005 à Dezembro , , , , , , , , ,00 0, Ano M ontantes 26

27 RESULTADOS GLOBAIS Em 2003 foram definidas metas no Plano Estratégico denominado Consolidação e Expansão da Unidade de Crédito da MORABI para 5 anos com os seguintes objectivos e indicadores de desempenho: 1 entidade autónoma Formação AT a 10 membros staff Expandir 8 Concelhos e 4 Ilhas Dispensar 450 empréstimo no ano 1 e 2500 no fim de 5 anos de operação Proporcionar formação 1350 beneficiárias de crédito em contabilidade e Gestão de Micro-Crédito. Dos objectivos propostos foram conseguidos e ultrapassados, sendo os resultados: 1 entidade de crédito autónoma Formação AT a 39 membros staff de crédito Expansão para 16 Concelhos e 8 Ilhas Concessão de 8647 empréstimo de 2000 a 2006 Formação de 4735 beneficiárias de crédito em Procedimentos de crédito 27

28 Quadro I: RESUMO DA DISTRIBUIÇÃO DE CRÉDITOS -Nº BENEFICIÁRIOS POR ANO ANO Total Beneficiários Evolução de nº Beneficiários de 2000 a Dezembro 2006 Nº Beneficiários Total Ano Beneficiários Quadro III: RESUMO DA DISTRIBUIÇÃO DE CRÉDITOS -MONTANTES POR ANO ANO Ano 2000 Ano 2001 Ano 2002Ano 2003Ano 2004Ano 2005Ano 2006 Total Montantes 10131, , , , , , , ,4 Montantes em Contos Evolução dos Montantes concedidos de 2000 a Dezembro Ano 2000 Ano 2001 Ano 2002 Ano 2003 Ano Ano 2004 Ano 2005 Ano 2006 Total Montantes 28

29 Sectores de Actividades Abrangidas Em termos de Sectores de actividades, para a uniformização dos relatórios dos diversos financiadores foram enquadradas as actividades em sectores de Agricultura, Pecuária, Comercio e Outros (construção civil, artesanato, carpintaria, salão cabeleireiro, restauração, etc ). O sector do comércio, ocupa 71% das actividades financiadas. De salientar que dentro do sector do comércio existem algumas áreas que contribuem de uma forma muito significativa para desenvolvimento de outros sectores. Esses créditos podem ser agrupadas nas seguintes áreas de actividades: => Comercialização de Géneros Alimentícios; => Comercialização de Produtos Diversos; => Comercialização de vestuário; => Comercialização do Pescado; => Carpintaria; => Agricultura; => Artesanato; => Salão Cabeleireira; => Panificação; => Pastelaria; => Mercearia. Cabe salientar que os créditos têm concentrado no Pequeno comércio (71%), a Produção (9,8%) e Serviços (19,2%). ABRANGÊNCIA GEOGRAFICA Em termos de Abrangência geográfica, as actividades de micro-crédito concentram-se nas Ilhas de Santiago, Stº Antão, Maio, S. Nicolau, S. Vicente, Boa Vista e Sal. Formação dos Agentes de Crédito A Morabi desde 2000 vem apostando na capacitação do seu staff em especial na capacitação dos Agentes de crédito. Essa capacitação vem acontecendo no quadro dos diversos contratos de financiamento, nomeadamente com ACDI/VOCA, ADF e PNLP. Foram formados um total de 39 Agentes e candidatos a Agente de crédito, dos Concelhos de Santa Cruz, Santa Catarina, S. Domingos, Tarrafal, Calheta S. Miguel, R. Grande, S.Vicente, Boavista e Praia. 29

30 Estrutura do Departamento de Crédito Desde 2003 o serviço de crédito passou a ter a sua própria estrutura em termos de instalação, mobiliários/equipamentos, viatura e o seu próprio quadro de pessoal espalhado pelos diversos concelhos do país. Convém realçar que em 2006 o Serviço de Crédito adquiriu a crédito um espaço para escritório em Santo Antão e vem fazendo a sua amortização mensal com o seu próprio recurso. Ainda adquiriu com seu fundo próprio uma máquina fotocopiadora, 3 computadores e alguns mobiliários. VI. Actividades realizadas a nível do Comité de Pilotagem/FAM-F A Morabi esteve desde início no processo da dinamização da criação do Comité de Pilotagem que culminou com a sua transformação numa Federação em Março de A nível de Comité de Pilotagem foram realizados dois estudos: 1. Situação Actual de Micro-Finanças em Cabo verde em Estudo de Impacto do Micro-Crédito na vida dos Clientes Em Março de 2004 esse mesmo Comité de Pilotagem transformou-se na FAM-F Federação das Associações Cabo-verdianas que operam na Área das Micro-Finanças, com o objectivo de criar uma melhor articulação entre as organizações que a compõem. Neste momento com Apoio do PNUD através do ICIEG está sendo elaborado um Plano Estratégico de Negócio da FAM-F para os próximos 5 anos. 30

31 Conclusões/Recomendações Para garantir a perenidade do sistema de Micro-crédito é necessário Fazer uma gestão criteriosa de todos os recursos (financeiros, humanos, materiais) afecto a esse serviço, Criar incentivos para os funcionários e os melhores clientes, para garantir a fidelização dos mesmos e atracção de novos clientes; Fazer o diagnóstico do programa de micro-crédito; Elaborar um plano estratégico; Definir um novo Programa de Micro-Crédito com autonomia no verdadeiro sentido (estatuto, desenvolvimento de recursos humanos, estrutura organizativa, novos produtos, etc.) Reforço das actividades de seguimento das delegações nas ilhas e concelhos. Criar condições para realização de auditorias internas Criar oportunidades á troca de experiência a todos os funcionários na área de micro-credito, a nível nacional e internacional; Criar condições de segurança aos agentes que frequentemente visitam os clientes; Investir na capacitação e aumento de conhecimento dos funcionários, promovendo formações e possibilidades de carreira; Ampliar o espaço de trabalho; Criar um espaço de trabalho próprio e com condições de trabalho para os funcionários do interior e das ilhas; Melhoria das condições de trabalho, através da informatização das informações recolhidas dos clientes (ficha de candidatura), adquirindo novos equipamentos informáticos e mobiliários (secretarias e cadeiras) próprios para escritório. Aumento de salários para garantir o poder de compra dos funcionários, face aos aumentos sucessivos de preços; Quadro Geral de Entrada de financiamento por financiador 31

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL PROGRAMA NACIONAL DE LUTA CONTRA A POBREZA (PNLP) PROGRAMA DE LUTA CONTRA A POBREZA NO MEIO RURAL(PLPR) C.P. 236, Praia, Tel.: 238/61-36-50,

Leia mais

Emprego e Formação Profissional

Emprego e Formação Profissional (%) Emprego e Formação Profissional Panorama: Maio 2010 Emprego: taxa de desemprego a 13,1% em 2010 O Instituto Nacional de Estatística, INE, apresentou os resultados da primeira fase do Inquérito ao Emprego

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DA MORABI 2010

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DA MORABI 2010 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DA MORABI 2010 Estrutura dos Programas da MORABI MICRO-FINANÇAS FORMAÇÃO MOBILIZAÇÃO SOCIAL SAUDE REPRODUTIVA DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO Programa de Micro Finanças Assinatura

Leia mais

Designação Projecto Integrado de Desenvolvimento Sociocomunitário em Cabo Verde (PIDS CV)

Designação Projecto Integrado de Desenvolvimento Sociocomunitário em Cabo Verde (PIDS CV) Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Projecto Integrado de Desenvolvimento Sociocomunitário em Cabo Verde (PIDS CV) Subprojecto 2.1 Desenvolvimento Sociocomunitário em Cabo Verde Ilha de Santiago

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

Apoio a crianças e jovens em situação de risco

Apoio a crianças e jovens em situação de risco Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Parceria Acordo de Parceiros de 20.12.05 Gabinete para a Cooperação do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal Gabinete do Ministro do Trabalho,

Leia mais

REGULAMENTO PROJECTO EMPREGO JOVEM E COESÃO SOCIAL

REGULAMENTO PROJECTO EMPREGO JOVEM E COESÃO SOCIAL REGULAMENTO PROJECTO EMPREGO JOVEM E COESÃO SOCIAL Página 1 de 7 CAPITULO I Enquadramento O Projecto Emprego Jovem e Coesão Social enquadra-se no Programa Regional para a Coesão Social e o Emprego Jovem,

Leia mais

REPÚBLICA DE CABO VERDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E ENSINO SUPERIOR. Centro de Comunicação e Imagem

REPÚBLICA DE CABO VERDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E ENSINO SUPERIOR. Centro de Comunicação e Imagem No seu Programa para a VII Legislatura, o Governo considera a Educação para o desenvolvimento como sendo um Desígnio Nacional. Com este entendimento orientador, o Ministério da Educação e Ensino Superior

Leia mais

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Apoio ao Investimento Empresarial, adiante designado

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO FAMÍLIA E SOLIDARIEDADE - Gabinete do Ministro - Nota Justificativa

MINISTÉRIO DO TRABALHO FAMÍLIA E SOLIDARIEDADE - Gabinete do Ministro - Nota Justificativa MINISTÉRIO DO TRABALHO FAMÍLIA E SOLIDARIEDADE - Gabinete do Ministro - Nota Justificativa O Ministério do Trabalho, Família e Solidariedade, integrado na estrutura orgânica do Governo, é o departamento

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

Regulamento. Sorriso Solidário

Regulamento. Sorriso Solidário Regulamento Sorriso Solidário 0 Introdução A Santa Casa da Misericórdia de Mirandela, tem desenvolvido ao longo dos tempos, diversas iniciativas no sentido de criar condições que favoreçam o bem-estar

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA FORMADOR EM CONTABILIDADE, GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

Leia mais

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia)

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia) PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Incentivo às Micro-empresas, adiante designado por PRIME, é gerido pela Câmara Municipal de Vidigueira

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Loja Social de Paredes de Coura Regulamento Preâmbulo A pobreza e a exclusão social têm fortes efeitos no desenvolvimento da comunidade local e implicam o empobrecimento de

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union. AFRICAN UNION UNION AFRICAINE PRIMEIRO PROJECTO DO CONVITE PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS SOBRE O TEMA: EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Ao abrigo das Decisões da Conferência da União Africana Assembly/AU/Dec.277(XVI)

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TECNICA PARA FORMADOR/A EM COMUNICAÇÃO E VISIBILIDADE DAS ORGANIZAÇÕES UE-PAANE

Leia mais

Concurso de Ideias e Planos de Negócio «Start-Up Universitário!»

Concurso de Ideias e Planos de Negócio «Start-Up Universitário!» Concurso de Ideias e Planos de Negócio «Start-Up Universitário!» REGULAMENTO Preâmbulo A capacitação da força laboral com formação avançada e a criação de um sector privado forte, adequando-os aos desafios

Leia mais

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial COMPETIR + O Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional,

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

I.INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTO E JUSTIFICAÇÃO

I.INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTO E JUSTIFICAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA RECRUTAMENTO DE UM CONSULTOR INDIVIDUAL A CARGO DE REALIZAÇÃO DO PERFIL DE GÉNERO EM AGRICULTURA DAS ZONAS DE INTERVENÇÃO DO PRIASA I.INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTO E JUSTIFICAÇÃO O Projeto

Leia mais

ADEI Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação PROJECTO

ADEI Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação PROJECTO MINISTÉRIO DA ECONOMIA, CRESCIMENTO E COMPETITIVIDADE Edificação / Reforço do Sector Privado ADEI Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação PROJECTO Conteúdo: 1. Enquadramento 2. Objectivos

Leia mais

DESAFIOS E RECOMENDAÇÕES PARA A DINAMIZAÇÃO DA BOLSA DE QUALIFICAÇÃO E EMPREGO

DESAFIOS E RECOMENDAÇÕES PARA A DINAMIZAÇÃO DA BOLSA DE QUALIFICAÇÃO E EMPREGO DESAFIOS E RECOMENDAÇÕES PARA A DINAMIZAÇÃO DA BOLSA DE QUALIFICAÇÃO E EMPREGO Caracterização da Procura e oferta de emprego e de formação no âmbito da Bolsa de Qualificação e Emprego (BQE) A Bolsa de

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Concurso 2015 CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA PROJECTO APRESENTADO PARA EFEITO DE APRECIAÇÃO E RESPECTIVO

Leia mais

EDITAL Nº5/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

EDITAL Nº5/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EDITAL Nº5/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Para os efeitos convenientes torna-se público que se encontra aberto, a partir do

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

MANUAL PROCEDIMENTOS PARA O ACESSO À LINHA DE FINANCIAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO NEGÓCIO

MANUAL PROCEDIMENTOS PARA O ACESSO À LINHA DE FINANCIAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO NEGÓCIO MANUAL PROCEDIMENTOS PARA O ACESSO À LINHA DE FINANCIAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO NEGÓCIO Praia, Junho de 2013 I Índice Enquadramento... 3 I. Objectivo... 4 II. Beneficiários... 4 III. Desenvolvimento dos

Leia mais

Norma de Procedimentos

Norma de Procedimentos FEADER A Europa investe nas zonas rurais Governo dos Açores Norma de Procedimentos Acção 3.2.1 Serviços Básicos para a Economia e Populações Rurais 2011 A CONSULTA DESTA NORMA NÃO DISPENSA A CONSULTA DA

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de Julho, que aprovou o PPCE - Programa

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO ESPAÇO RESERVADO AO TI: PROPOSTA Nº DATA DA ENTRADA: / / RECEBIDO POR: I. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR NOME: Nº DE SÓCIO: MORADA: CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE: CONCELHO: TELEFONE:

Leia mais

Prólogo REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL

Prólogo REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL Prólogo O CLDS SERPE EnReDe, consiste numa estratégia de desenvolvimento social integrado visando a criação de respostas sociais inovadoras e sustentáveis que atendem às

Leia mais

ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Enquadramento

ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Enquadramento ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO Enquadramento 1. O programa de Apoio às Actividades Tradicionais, adiante designado PRATA, é gerido pela Câmara Municipal de Moura em parceria com a Caixa de Crédito

Leia mais

EDITAL Nº1/2014 MEDIDA I - INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

EDITAL Nº1/2014 MEDIDA I - INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EDITAL Nº1/2014 MEDIDA I - INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Para os efeitos convenientes torna-se público que se encontra aberto, a partir do dia 10 de Março até ao dia

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2013

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2013 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2013 INSTITUIÇÃO O FPEF Fundo de Promoção do Emprego e da Formação foi criado através da Resolução nº 05/2012 de 25 de Janeiro, tendo os seus Estatutos sido publicados no BO

Leia mais

V I D A A T I V A. Emprego Qualificado. Desempregados. APOIO ÀS Start-Up`s

V I D A A T I V A. Emprego Qualificado. Desempregados. APOIO ÀS Start-Up`s V I D A A T I V A Formar e I n t e g r a r Emprego Qualificado Desempregados APOIO ÀS Start-Up`s APOIO AO EMPREENDEDORISMO Apresentar os elementos centrais da intervenção do IEFP no apoio ao Empreendedorismo:

Leia mais

«Conta-nos: Voluntariado pelos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio»

«Conta-nos: Voluntariado pelos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio» Regulamento «Conta-nos: Voluntariado pelos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio» 1. Promotor O Projecto de apoio a implementação do Programa Nacional de Voluntariado de Cabo Verde (PNV), executado

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira O presente documento pretende fazer um resumo do Decreto Legislativo Regional n.º 21/2/M de 21 de Agosto

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO

PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO CONSIDERANDO: A Portaria n^ 985/2009, de 4 de Setembro, criou o Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE),

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014 Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027 Portaria n.º 151/2014 de 30 de julho O Governo tem vindo a desenvolver uma estratégia nacional de combate ao desemprego jovem assente numa

Leia mais

Trajectória de Actividades do Instituto das Comunidades

Trajectória de Actividades do Instituto das Comunidades INTRODUÇÃO O IC, criado pela Resolução do Conselho de Ministros nº 64/2001, de 3 de Setembro, é um serviço personalizado do Estado, encarregue de promover e executar a política governamental relacionada

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA I- CONTEXTO 1- A assistência social é uma abordagem que visa proteger os grupos mais vulneráveis tendo em conta critérios rigorosos para uma pessoa se habilitar a

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro

Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro Regula a concessão de apoios a projectos que dêm lugar à criação de novas entidades que originam a criação liquida de postos de trabalho Na apresentação do respectivo

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão dos Orçamentos 2004 PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003 PROJECTO DE PARECER da Comissão dos Orçamentos destinado à Comissão da Indústria, do Comércio Externo,

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UM ESTUDO DE MERCADO PARA IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE POSSÍVEIS ACTIVIDADES GERADORAS DE RENDIMENTO NOS MUNICIPIOS DE KUITO E ANDULO, PROVINCIA DE BIÉ, ANGOLA

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2003

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2003 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2003 1. DESPESAS Acção Social O Plano de Actividades e respectivo Orçamento (Anexo I) para o ano de 2003, que ora propomos, apresenta um conjunto de acções com o objectivo

Leia mais

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL FORMAÇÃO 01/013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL INFORMAÇÕES FUNDAÇÂO MINERVA Cultura - Ensino e Investigação Científica Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão Largo Tinoco de Sousa 760. 108

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

DOS SISTEMAS MUNICIPAIS PARA A CRIAÇÃO DE UMA EMPRESA INTERMUNICIPAL DE ÁGUA E SANEAMENTO NA ILHA DE SANTIAGO

DOS SISTEMAS MUNICIPAIS PARA A CRIAÇÃO DE UMA EMPRESA INTERMUNICIPAL DE ÁGUA E SANEAMENTO NA ILHA DE SANTIAGO CÂMARA MUNICIPAL DA PRAIA DOS SISTEMAS MUNICIPAIS PARA A CRIAÇÃO DE UMA EMPRESA INTERMUNICIPAL DE ÁGUA E SANEAMENTO NA ILHA DE SANTIAGO - A reforma em curso e as necessidades em investimentos imediatos

Leia mais

ESPECIAL DIVULGAÇÃO DO PROJECTO. O projecto foi dividido em 3 componentes, nomeadamente: Portugal França Holanda Luxemburgo BOLETIM SEMANAL MDC

ESPECIAL DIVULGAÇÃO DO PROJECTO. O projecto foi dividido em 3 componentes, nomeadamente: Portugal França Holanda Luxemburgo BOLETIM SEMANAL MDC BOLETIM SEMANAL MDC ESPECIAL 19 Fev. 2015 Nº 2 DIVULGAÇÃO DO PROJECTO O projecto foi dividido em 3 componentes, nomeadamente: O Projecto RCCVGM, que teve como propósito o apoio à reintegração económica

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

Programa de Apoio ao Autoemprego

Programa de Apoio ao Autoemprego Programa de Apoio ao Autoemprego Relatório do Programa Operacional Agosto 2013 Promotor: Coordenação da Execução: Introdução Objectivo e enquadramento Este relatório foi redigido com base no estudo As

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Inclusão Social e Emprego Eixo 5 - Emprego e Valorização Económica dos Recursos Endógenos Objectivo Temático 8 - Promoção da sustentabilidade e qualidade

Leia mais

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo Plano de Acção Conselho Local de Acção Social de CLAS 2014-2015 2 EIXO 1 - PROMOVER A EMPREGABILIDADE E QUALIFICAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL E INTEGRAÇÃO DE GRUPOS SOCIAIS (PRÉ-) DESFAVORECIDOS Combate

Leia mais

Consultoria de Gestão. Projectos de Investimento. Formação Profissional

Consultoria de Gestão. Projectos de Investimento. Formação Profissional Consultoria de Gestão Projectos de Investimento Formação Profissional - 2009 - Candidaturas de 22 de Janeiro a 11 de Março O Objectivo Modernizar e revitalizar a actividade comercial, em especial, em centros

Leia mais

COMPETIR CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO. www.competiracores.com. Formação e Serviços, S.A. Design www.craveirodesign.

COMPETIR CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO. www.competiracores.com. Formação e Serviços, S.A. Design www.craveirodesign. Design www.craveirodesign.com COMPETIR Formação e Serviços, S.A. www.competiracores.com CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO Quem Somos A Competir-Açores está integrada no Grupo COMPETIR e estamos

Leia mais

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho da Nazaré no âmbito do Programa FINICIA Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo)

Leia mais

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS NOTA INFORMATIVA A. Plano Nacional de Formação de Quadros, Instrumento de Execução da Estratégia Nacional de Formação de Quadros 1. Por Despacho de 16 de Novembro

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

EDITAL Nº2/2014 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

EDITAL Nº2/2014 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EDITAL Nº2/2014 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Para os efeitos convenientes torna-se público que se encontra aberto, a partir do

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIRECÇÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CONSULTORIA SOBRE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DOS RECURSOS HUMANOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA TERMOS DE REFERÊNCIA FEVEREIRO de 2014 INDICE 1.TITULO... 3 2. CONTEXTO.3

Leia mais

A investigação participada de base comunitária na construção da saúde PROCAPS Resultados de um estudo exploratório

A investigação participada de base comunitária na construção da saúde PROCAPS Resultados de um estudo exploratório A investigação participada de base comunitária na construção da saúde PROCAPS Resultados de um estudo exploratório Carta de Ottawa Promoção da saúde: Carta de Ottawa (1986) Processo que visa criar condições

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

ESTUDO SOBRE A CONTRIBUIÇÃO DOS ANE NA ÁFRICA OCIDENTAL QUESTIONÁRIO PARA OS ACTORES NÃO ESTATAIS

ESTUDO SOBRE A CONTRIBUIÇÃO DOS ANE NA ÁFRICA OCIDENTAL QUESTIONÁRIO PARA OS ACTORES NÃO ESTATAIS ESTUDO SOBRE A CONTRIBUIÇÃO DOS ANE NA ÁFRICA OCIDENTAL Ele diz respeito aos Actores Não Estatais (ANE): ONG, centros de pesquisa, sindicatos, Câmaras de Comércio, organizações do sector privado,... O

Leia mais

Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Assembleia Nacional Lei n.º 1/06 de 18 de Janeiro A inserção na vida activa da população desempregada, sobretudo, os jovens à procura do

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

Projecto Integrado de Formação e Emprego na Ilha do Maio

Projecto Integrado de Formação e Emprego na Ilha do Maio Projecto Integrado de Formação e Emprego na Ilha do Maio Cabo Verde OUTUBRO de 2013 Proponente: Escola Secundária do Maio Ficha resumo Título do Projecto Proponente Parceiros País /Região Sector de intervenção

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA Convénio 10-CO1-005: Fortalecimento dos serviços públicos de saúde nas zonas de intervenção

Leia mais

Empreendedorismo: Experiências de Angola

Empreendedorismo: Experiências de Angola Empreendedorismo: Experiências de Angola Globalização Resulta Redução do emprego formal Esbarra Visão Empreendedora Exige Necessidade de mudança Mecanismos de Incentivo ao Empreendedorismo Programas do

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO As Empresas de Trabalho

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

( DR N.º 172, Série I 4 Setembro 2009 4 Setembro 2009 )

( DR N.º 172, Série I 4 Setembro 2009 4 Setembro 2009 ) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 985/2009, de 4 de Setembro, Aprova a criação do Programa de Apoio ao Empreendimento e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE), a promover e executar pelo Instituto do Emprego e Formação

Leia mais

Universidade de Cabo Verde

Universidade de Cabo Verde Autora: Elisângela Aurora da Circuncisão da Rosa Brito Orientador: Mestre Ângelo Correia Praia, 21 de Setembro de 2010 Índice Introdução... 1 Designação do Projecto... 2 Justificação do Projecto... 2 Contexto

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro Direcção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projecto com Futuro um Projecto com Futuro (LVT) 4.878 projetos aprovados Investimento

Leia mais

FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL

FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL A realidade do concelho de Resende e as carências reais das suas populações mais desfavorecidas impõem que a Câmara Municipal, seu órgão representativo democraticamente eleito,

Leia mais