ESCOLA SECUNDÁRIA C/3º CICLO DE SANTA MARIA DA FEIRA ECONOMIA A 11º ANO, TURMA A/NOCTURNO MÓDULO: CINCO (TESTE FORMATIVO Nº UM): 30/01/2008 GRUPO I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA SECUNDÁRIA C/3º CICLO DE SANTA MARIA DA FEIRA ECONOMIA A 11º ANO, TURMA A/NOCTURNO MÓDULO: CINCO (TESTE FORMATIVO Nº UM): 30/01/2008 GRUPO I"

Transcrição

1 ESCOLA SECUNDÁIA C/3º CICLO DE SANTA MAIA DA FEIA ECONOMIA A 11º ANO, TUMA A/NOCTUNO MÓDULO: CINCO (TESTE FOMATIVO Nº UM): 30/01/2008 GUPO I 1. Identifique as várias relações que dêem lugar a fluxos reais e monetários entre países. As relações que dão lugar a fluxos reais e monetários entre países são, principalmente, as trocas de produtos, serviços e transferência de capitais. 2. Em que documentos são registados os diversos fluxos económicos? Os fluxos económicos internacionais são registados em Contas ou Balanças relacionadas com os respectivos movimentos e que fazem parte da Balança de Pagamentos. 3. Faça a distinção dos movimentos que são registados a Débito dos que são registados a Crédito. Todas as operações que dêem origem a pagamentos ao exterior são registadas a Débito (há saída de valores/dinheiro). Todas as operações que dêem origem a recebimentos do exterior são registadas a Crédito (há entrada de valores/dinheiro). 4. Que movimentos se verificam quando se faz uma Exportação e uma Importação, respectivamente? Quando um país compra mercadorias a outro, está a efectuar uma Importação (entrada de bens), a que corresponde, em termos monetários, uma saída de moeda da sua economia, que é registada a débito. O registo a crédito verifica-se quando o país vende mercadorias ao exterior, o que corresponde a uma entrada de moeda, designando-se este movimento por Exportação (saída de bens). 5. Como se obtém o Saldo de uma Balança? Quando se diz que ele é Superavitário, Deficitário ou Nulo? O Saldo de uma Balança obtém-se calculando a diferença entre o valor a Crédito e o do Débito. Por exemplo, o saldo da Balança de Mercadorias encontra-se da seguinte maneira: Balança de Mercadorias Valor das Exportações Valor das Importações Se o valor obtido for positivo ( > 0 ) diz-se que o Saldo dessa Balança é Superavitário ou Favorável; Se o valor obtido for negativo ( < 0 ) diz-se que o Saldo dessa Balança é Deficitário ou Desfavorável; Se o valor obtido for igual a zero ( 0 ) diz-se que o Saldo dessa Balança é Equilibrado ou Nulo. 6. Quais são as Balanças componentes da Balança de Pagamentos? A Balança de Pagamentos é constituída pela Balança Corrente, pela Balança de Capital e pela Balança Financeira. 7. A Balança Corrente por sua vez divide-se em outras Balanças. Quais são? A Balança Corrente é constituída pela Balança de Mercadorias, pela Balança de Serviços, pela Balança de endimentos e pela Balança de Transferências Correntes. 8. Diferencie os diversos movimentos que são registados na Balança Corrente. Como ficou dito na resposta à questão anterior os movimentos registados na Balança Corrente podem ser de vária ordem sendo registados em Balanças próprias consoante a sua natureza. Por isso teremos: Luís Paulo 1

2 Balança de Mercadorias faz-se o registo das exportações de Bens () e de Importações de Bens (-) e depois calcula-se o respectivo SALDO. Balança de Serviços Turismo, transportes, seguros Balança Corrente Balança de endimentos endimentos de trabalho e de investimento (lucros, juros e dividendos). Balança de Transferências Correntes/Unilaterais remessas de Emigrantes (); remessas de Imigrantes (-); transferências correntes com a União Europeia; fluxos financeiros entre países (cooperação dádivas); recebimento de pensões (com carácter periódico, regular) de migrantes quando regressam definitivamente. NOTA: são movimentos de um só sentido, não há uma contrapartida. 9. Que movimentos internacionais podem ser objecto de registo na Balança de Capital? A Balança de Capital é constituída por duas componentes principais que são: As Transferências de Capital, constituídas por transferências do mesmo tipo das consideradas na Balança de Transferências Correntes, isto é, são fluxos monetários sem contrapartida, mas que, desta vez, resultam de operações não correntes, ao contrário do que acontecia anteriormente. Dentro desta rubrica destacam-se, pela sua importância, as transferências provenientes da União Europeia para financiamento de infra-estruturas. É considerado, ainda, o património que os emigrantes trazem quando regressam definitivamente bem como o perdão de dívidas entre países. Aquisição ou Cedência de Activos Não Produzidos Não Financeiros que, por sua vez, abrange dois tipos de transacções: sobre activos intangíveis (patentes, licenças, marcas, franchising, contratos de transferência de jogadores ); sobre activos tangíveis (compra de terrenos por embaixadas). Vejamos alguns exemplos de operações que são registadas na Balança de Capital: o uma empresa portuguesa que compra o franchise de uma marca conhecida, isto é, compra o direito de abrir um estabelecimento idêntico ao da casa-mãe; o uma fábrica que adquire uma patente num país estrangeiro para poder produzir determinado produto em Portugal. 10. Que movimentos internacionais podem ser objecto de registo na Balança Financeira? Na Balança Financeira podem ser registados os seguintes movimentos internacionais: Transacções sobre activos e passivos financeiros: Investimento Directo, Investimento de Cortesia (acções e obrigações); movimentos financeiros feitos pelo Banco Central. Variações nos activos e passivos financeiros da economia: concessão por um Banco residente de um empréstimo a um não residente; constituição de um depósito num Banco estrangeiro. Por categorias funcionais a Balança Financeira apresenta as seguintes rubricas: o Investimento directo inclui as transacções de empresas efectuadas entre residentes e não residentes; Luís Paulo 2

3 o o o Investimento de Carteira compreende as transacções de títulos (obrigações, por exemplo), entre residentes e não residentes; Outro Investimento engloba os depósitos e os empréstimos realizados entre agentes económicos de diferentes economias; Derivados Financeiros fazem parte desta rubrica as transacções, entre residentes e não residentes, deste tipo de produtos financeiros dos quais se destacam as opções. A opção é um título que apresenta o direito de comprar ou vender (conforme a opção for de compra ou de venda) outros títulos (por exemplo, acções) ao fim de um determinado período de tempo; o Activos de reserva integra as transacções de moeda estrangeira efectuadas pelas Autoridades Monetárias e que, em virtude disso, fazem variar as suas reservas. De todas as componentes mencionadas destaca-se, pela sua importância para a economia nacional, o Investimento Directo (ID), e dentro deste, o Investimento Directo Estrangeiro (IDE), pela contribuição que pode dar para a criação de riqueza e de emprego em Portugal. 11. Faça o registo a Débito ou Crédito nas respectivas Balanças que compõem a Balança Corrente e calcule o respectivo Saldo dos seguintes movimentos internacionais: Exportação de cortiça de 1500, Importação de petróleo de 4000, portugueses gastaram em turismo no estrangeiro 1500, os turistas deixaram em Portugal 3000, importação de máquinas de 1000, exportação de Vinho do Porto de 1100, transportes feitos por portugueses de 800, transportes feitos a Portugal de 300, rendimentos de capitais devidos a portugueses de 300, rendimentos pagos a estrangeiros de 400, emigrantes das Américas enviaram 1500 e da Europa enviaram 1000, imigrantes enviaram para os seus países 600 e Portugal deu ajudas humanitárias no valor de 400. Exportação de cortiça (B.M.) 1500 Importação de petróleo (B.M.) Portugueses gastaram em turismo no estrangeiro (B.S.) Os turistas deixaram em Portugal (B.S.) 3000 Importação de máquinas (B.M.) Exportação de Vinho do Porto (B.M.) 1100 Transportes feitos por portugueses (B.S.) 800 Transportes feitos a Portugal (B.S.) -300 endimentos de capitais devidos a portugueses (B..) 300 endimentos pagos a estrangeiros (B..) -400 Emigrantes das Américas enviaram p/portugal (B.T.C.) 1500 Emigrantes da Europa enviaram para Portugal (B.T.C.) 1000 Imigrantes enviaram para os seus países (B.T.C.) -600 Balança Corrente 1000 Balança de Mercadorias Balança de Serviços Balança de endimentos Balança de Transferências Correntes Portugal deu ajudas humanitárias (B.T.C.) -400 Pela análise dos quadros supra, concluímos o seguinte: o A Balança de Mercadorias apresenta um saldo negativo de -2400, logo é Deficitário; o A Balança de Serviços apresenta um saldo positivo de 2000, logo é Superavitário; o A Balança de endimentos apresenta um saldo negativo de -100, logo é Deficitário; o A Balança de Transferências Correntes apresenta um saldo positivo de 1500, logo é Superavitário; No geral, a Balança Corrente, apresenta um saldo positivo de 1000, logo é Superavitário. Luís Paulo 3

4 12. Faça o registo a Débito ou Crédito na Balança de Capitais e calcule o respectivo Saldo: Fundos Comunitários para o aeroporto de Alcochete de 5000, Portugal perdoou dívidas a países pobres de África de 2000 e uma empresa de medicamentos portuguesa comprou nos E.U.A. a patente para o fabrico de um medicamento por Fundos Comunitários para o aeroporto de Alcochete 5000 Portugal perdoou dívidas a países pobres de África 2000 Balança de Capital 2000 Uma empresa de medicamentos portuguesa comprou nos E.U.A. a patente para o fabrico de um medicamento 1000 Transferências de Capital Aquisição/Cedência de Activos não Prod. não Fin A Balança de Capital apresenta um Saldo Global positivo de 2000, logo é um Saldo Superavitário ou Favorável, apesar de apresentar um Saldo Deficitário de na rubrica Aquisição/Cedência de Activos não Produzidos não Financeiros. 13. Faça o registo a Débito ou Crédito na Balança Financeira e calcule o respectivo Saldo: a PT investiu na Vivo (Brasil) 5000, a Galp investiu na Petrobrás (Brasil) 2000, uma empresa chinesa vai (está?) a investir em Beja 3000 e um Banco estrangeiro comprou acções na Bolsa Portuguesa de A PT investiu na Vivo (Brasil) 5000 A Galp investiu na Petrobrás (Brasil) 2000 Uma empresa chinesa vai (está?) a investir em Beja 3000 Um Banco estrangeiro comprou acções na Bolsa Portuguesa 2000 Balança Financeira Investimento Directo Investimento de Carteira A Balança Financeira apresenta um Saldo Global negativo de -2000, logo é um Saldo Deficitário ou Desfavorável. 14. A partir dos valores das perguntas nº 11, 12 e 13, calcule o Saldo da Balança de Pagamentos e como o classifica. Balança de Pagamentos Balança Corrente 1000 Balança de Mercadorias Balança de Serviços Balança de endimentos Balança de Transferências Correntes Balança de Capital Balança Financeira Erros e Omissões Luís Paulo 4

5 O Saldo da Balança de Pagamentos é positivo de 1000, logo é um Saldo Superavitário ou Favorável. No entanto é necessário introduzir uma rubrica nova designada Erros e Omissões destinada a corrigir desvios à elevada volatilidade dos capitais financeiros e serve exactamente para saldar a Balança de Pagamentos. Isto acontece porque a Balança de Pagamentos tem que estar saldada. Por definição, a soma dos Saldos da Balança Corrente com as Balanças de Capital, Financeira e com a rubrica residual Erros e Omissões terá que ser igual a 0 (zero). 15. O que é a Taxa de Câmbio e quantos escudos foram necessários para dar um EUO? Taxa de Câmbio é a relação de troca que se estabelece entre duas moedas ou, por outras palavras, é o preço pelo qual se compra, em moeda nacional, uma unidade monetária estrangeira. Para comprar um Euro foram necessários Escudos 200$482 ( Escudos). 16. Se fizer compras em Itália que moeda usa, e que moeda usa se fizer compras na Suiça? Se fizer Compras em Itália utilizo o Euro (EU) pois este país aderiu à Zona Euro ou Eurolândia ao passo que se fizer compras na Suiça tenho necessidade de cambiar Euros (EU) por Franco Suíço (CHF) que é a moeda oficial daquele país. 17. Considerando que para comprar um EUO são necessários 1, 48 dólares americanos, quantos EUOS são necessários para comprar 50 Dólares? São necessários 33,784 EUOS para comprar 50 Dólares. 18. Em 1999 foram fixadas as taxas de câmbio das diversas moedas que aderiram ao EUO e o seu valor mantémse inalterado. Como se designa esta taxa de câmbio? Esta Taxa de Câmbio designa-se de Taxa Fixa. 19. Diferencie a Taxa de Câmbio Flexível (ou Flutuante) da Taxa de Câmbio de Flutuação Controlada. A Taxa de Câmbio Flexível (ou Flutuante) deixa ao mercado, isto é, ao mecanismo da oferta e da procura, a definição do valor da moeda. A Taxa de Câmbio de Flutuação Controlada é aquela que é fixada, em princípio, pelo mercado, tal como nos câmbios flexíveis. Só que o Estado, quando não gosta do sentido em que a taxa está a evoluir, pode interferir no mercado, comprando ou vendendo, utilizando para tal as suas reservas de divisas. Este novo sistema de Taxa de Câmbio de Flutuação Controlada tem sido adoptado pela eserva Federal dos EUA e pelo Banco Central Europeu. 20. Faça a distinção de Divisas-Chave de simplesmente Divisas. Divisa é uma Moeda com aceitação internacional que, por essa razão, é utilizada como forma de pagamento nas trocas internacionais. Em geral uma divisa é uma Moeda emitida por um Banco Central de um país estrangeiro. Divisas-Chave são aquelas que são dotadas de poder deliberatório à escala internacional como tem sido o caso do Dólar americano, o EUO, a Libra inglesa e o Iene japonês. 21. Que influência tem, respectivamente, a valorização ou a desvalorização de uma moeda no comércio internacional? Quando a moeda de um país desvaloriza isso tem como consequência que os produtos por ele exportados se tornem mais baratos em moeda estrangeira, logo o valor das exportações desse país têm tendência a aumentar (aumentam as Exportações porque ficam mais facilitadas); Simultaneamente, os produtos importados tornam-se mais caros em moeda nacional, logo a tendência será para que o valor das importações diminua (diminuem as Importações porque ficam mais dificultadas). A conjugação destes dois efeitos contribui para a melhoria do saldo da Balança de Mercadorias. Luís Paulo 5

6 Quando a moeda de um país sofre uma apreciação (ou valorização) os efeitos são contrários, isto é, diminui o valor das exportações porque os produtos ficam mais caros em moeda estrangeira e aumenta o valor das importações uma vez que, com a moeda nacional mais forte, estas ficam mais acessíveis e facilitadas. Logicamente o saldo da Balança de Mercadorias sofre um agravamento, com a conjugação destes dois efeitos. 22. Supondo que as exportações foram de 5 000, as importações de e o PIB pm de : a) Calcule o saldo da Balança Comercial, a taxa de cobertura e explique-a. Balança Corrente Balança de Mercadorias Importações Exportações O Saldo da Balança Comercial é negativo de , logo é um Saldo Deficitário ou Desfavorável. Quanto à Taxa de Cobertura será encontrada recorrendo à fórmula seguinte: Taxa de Cobertura Taxa de Cobertura Exportações Importações E então teremos: Taxa de Cobertura 0,7143 Taxa de Cobertura 71,43% A taxa de Cobertura é de 71,43% o mesmo será dizer que o valor realizado pelas exportações apenas permite cobrir (ou pagar) 71,43% do valor gasto em importações. b) Calcule o Peso do Comércio Externo e que conclusões tira? O peso do Comércio Externo calcula-se pela fórmula seguinte: Peso do Comércio Externo Peso do Comércio Externo Peso do Comércio Externo Importações Exportações PIB pm Assim, temos: Peso do Comércio Externo 0,24 Luís Paulo 6

7 Peso do Comércio Externo 24% Concluímos que o peso do Comércio Externo é de 24% pelo que se trata de uma economia aberta (superior a 5%). 23. Diferencie Livre-Cambismo de Proteccionismo. Livre-Cambismo e Proteccionismo são conceitos opostos, em termos económicos. Assim: Livre-Cambismo é a Teoria que preconiza a livre concorrência entre os diferentes países, defendendo, para isso, o derrube de todas as barreiras à liberdade de circulação dos produtos. Proteccionismo é a Teoria que defende o isolamento, em termos comerciais, de um país, nomeadamente reduzindo ao máximo as suas importações. 24. No que consiste a Contingentação e quais são os reflexos para o país que a adopte? A Contingentação é um Instrumento de Política Comercial Externa que consiste na fixação de limites máximos, em volume ou valor monetário, à importação de determinado(s) tipo(s) de Produto(s). A Contingentação constitui uma medida proteccionista que visa privilegiar a produção e o consumo dos produtos nacionais impondo limites à importação desses mesmos produtos ao mesmo tempo que impede eventuais concorrências desiguais. Estas medidas eram adoptadas numa época em que às importações correspondia a saída de metais preciosos e estes eram a riqueza das nações. 25. Que reflexos pode ter para o comércio internacional a atribuição de subsídios à Exportação e a atribuição de Subvenções aos produtos nacionais. Segundo os Países em Vias de Desenvolvimento (PVD) como o Brasil, Índia e China a atribuição de subvenções aos produtos nacionais e subsídios à Exportação pelos Países ricos desvirtua e perturba o comércio mundial uma vez que esses países dão bastantes ajudas aos seus agricultores, estes vendem mais barato que o preço de custo e, por isso, vai tornar os produtos mais baratos do que os dos países menos desenvolvidos. A isto ainda se acrescenta as taxas aduaneiras aos produtos do exterior. 26. Em que medida o Dumping Comercial e a Contrafacção podem contribuir para desvirtuar o comércio internacional. O Dumping Económico consiste na venda de produtos ao estrangeiro a preço inferior ao do custo de produção ou inferior ao preço praticado em território nacional que é uma forma de concorrência desleal e que leva à falência dos mais pequenos e depois a(s) empresa(s) dominante(s) determina(m) o preço(s). A Contrafacção consiste na comercialização de produtos falsos (como seja usar nomes/marcas de outros; não pagar direitos de autor, etc. Ex.: vestuário e calçado com nomes de marcas famosas, discos/dvd/filmes piratas). A venda de produtos contrafeitos leva a que as marcas genuínas não recebam os direitos e lucros a que têm direito já que os falsos são vendidos mais baratos e por pessoas que não têm autorização para tal. 27. Como é que a ONU viu o comércio internacional em 1945/1946 e que medidas tomou para dinamizá-lo? A ONU defendia que a liberalização das trocas internacionais seria vantajosa para a economia mundial, nomeadamente ao nível da produção e do emprego, daí que tenha promovido, em 1946, uma Conferência Mundial sobre o Comércio e Emprego que deu origem ao Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio normalmente referido por GATT (General Agreement on Tariffs and Trade). 28. Quais são os objectivos da Organização Mundial do Comércio (O.M.C.)? O G.A.T.T. teve várias reuniões ou ciclos negociais, alguns dos quais duraram anos, e que eram conhecidos por ounds (numa alusão ao boxe devido à enorme dificuldade de obtenção de consenso). O último decorreu de 1986 a 1993 tendo ficado conhecido pelo UUGUAI OUND. Finalmente, pelo tratado de Marraquexe (Marrocos) em 1994, foi transformado em Organização Mundial do Comércio (OMC) em inglês WTO Worl Trade Organization entrando em vigor a partir de 1 de Janeiro de Luís Paulo 7

8 Ao contrário do GATT a OMC funciona ininterruptamente, mas o principal objectivo continua a ser a liberalização do Comércio Mundial. Outros objectivos da OMC são: Aumentar as trocas internacionais, fazendo com que os países adiram e respeitem as suas normas para que o comércio internacional seja mais intenso; Estimular o Crescimento económico e a criação de emprego partindo do princípio de que favorecem todos o que nem sempre é possível prevenindo a inflação e tendo em conta o desenvolvimento sustentável; Promover a participação dos países menos desenvolvidos no Comércio Internacional. 29. Até à Conferência de Cancun em 2003 quem dominava em 2003 e na prática o que é que acontecia? Até 2003 quem dominada eram os Países ricos e verifica-se uma contradição nos seus objectivos que se definiam nos acordos, na teoria, portanto, e o que era aplicado na prática donde resulta um conflito de interesses ente os países ricos, os países em desenvolvimento e os países pobres, já que o que interessa aos ricos nem sempre é do agrado dos outros. Há uma desigualdade em termos de troca. Os ricos pretendem vender aos outros produtos acabados e ir comprar-lhes matérias-primas (que têm pouco valor acrescentado). 30. A partir da Conferência de Cancun (2003), que grupos de países se constituem. A partir da Conferência de Cancun (2003) constituem-se grupos de países consoante o seu nível de desenvolvimento económico: Os Países icos donde se destacam os E.U.A., o Canadá, o Japão, e a U.E. em geral; e os Países em Vias de Desenvolvimento (PVD) entre os quais o Brasil, a Índia e a China. 31. Que grupo de países defendeu o desmantelamento das subvenções europeias e americanas à agricultura e porquê? O grupo de países que defendeu o desmantelamento das subvenções europeias e americanas à agricultura foi o grupo de PVD já que acusavam estas práticas de desvirtuar e perturbar o comércio mundial uma vez que esses países dão bastantes ajudas aos seus agricultores, estes vendem mais barato que o preço de custo e, por isso, vai tornar os produtos mais baratos do que os dos países menos desenvolvidos. A isto ainda se acrescenta as taxas aduaneiras aos produtos do exterior. 32. Para além da Agricultura, quais os grandes temas em debate no âmbito da O.M.C.? Para além da Agricultura, os grandes temas em debate no âmbito da O.M.C. são, actualmente, os seguintes: edução dos direitos alfandegários para os produtos industriais; No domínio dos Serviços (mais do interesse dos países ricos) facilitar o seu intercâmbio, por exemplo na Banca, Seguros, Transportes, etc; Investimentos, Concorrência e Mercados Públicos (são mais do interesse dos países ricos); Medicamentos os países em vias de desenvolvimento lutaram por poderem adquirir e/ou fabricar os Genéricos, a baixo preço, para tratamento de grandes epidemias, como a sida e a malária. Os EUA impuseram restrições para evitar a pirataria e defender a indústria farmacêutica; Ambiente e Medidas Sociais combate da poluição e do trabalho infantil (embora não seja do interesse dos países pobres porque é uma forma de ocupação dos jovens e, simultaneamente, a possibilidade de obter mais rendimentos para as respectivas famílias e no geral para o país). 33. Como é visto o Ambiente e as Medidas Sociais pelos dois grupos da O.M.C. O item Ambiente e Medidas Sociais é defendido de modo antagónico pelos dois grupos de países da O.M.C. Os Países icos, por um lado, defendem acerrimamente a introdução de condições mínimas, como a proibição do trabalho infantil, por outro lado, os países pobres combatem essas medidas alegando que Luís Paulo 8

9 elas constituem uma forma encapotada de reforçar o proteccionismo dos países ricos. Para os países pobres o trabalho infantil é, simultaneamente, uma forma de ocupação dos jovens e a possibilidade de obter mais rendimentos para as respectivas famílias e no geral para o país. 34. Diferencie Dumping Comercial, do Social e do Ambiental. O Dumping Comercial, como já se viu na resposta à questão nº26, consiste na venda de produtos ao estrangeiro a preço inferior ao do custo de produção ou inferior ao preço praticado em território nacional e a redução dos preços é conseguida à custa da atribuição de subvenções e/ou subsídios à exportação; O Dumping Social ocorre quando os baixos preços dos produtos resultam do facto de no país de onde são originários esses produtos não serem respeitados os direitos dos trabalhadores ou se recorrer a trabalho infantil. O Dumping Ambiental ocorre quando os baixos preços dos produtos resultam do facto de no país de origem desses produtos não haver investimentos na qualidade e protecção ambiental nem internalização dos custos ambientais. 35. Será que o Comércio Livre é um Comércio Justo? Justifique. Os países ricos defendem que o Comércio Livre é um Comércio Justo. No entanto a prática suscita algumas dúvidas uma vez que os países ricos pretendem ir buscar aos países em vias de desenvolvimento muitos recursos naturais e, depois de transformados, voltarem a vende-los a eles. Os menos desenvolvidos produzem produtos agrícolas, minerais, madeiras, etc., muitas vezes sem acabamento final e que depois vão ser completados nos países ricos voltando, uma vez mais, à origem com muito mais valor acrescentado. Ex.: Os países pobres vendem petróleo bruto e depois compram gasolina, gasóleo, gás, etc. ou vendem cacau em bruto e depois compram o chocolate, etc. 36. Porque é que a troca de produtos entre países ricos é considerada uma troca desigual? A Troca desigual é a troca de produtos com forte intensidade de capital (salários e lucros elevados) contra produtos com fraca intensidade de capital (salários e lucros baixos). Em sentido estrito, refere-se à troca de mercadorias de países com altos salários (países ricos) contra mercadorias de países com baixos salários (países menos ricos). 37. Para que país ou países ou grupo de países se realiza o comércio externo de Portugal? Portugal privilegia as relações comerciais com os países da UE e, dentro desta, os principais parceiros são a Espanha, a Alemanha, França e eino Unido. À cabeça das relações com o esto do Mundo estão os EUA e os PALOP. Além dos países acima referidos, onde se verifica um certo equilibro da Balança de Mercadorias, destacase, ao nível das Importações, as relações de Portugal com os países da OPEP onde se verifica um forte desequilíbrio da mesma Balança. Em suma, as importações de Portugal face à OPEP são bastante expressivas enquanto que as exportações de Portugal para os países dessa organização são pouco expressivas ou quase nulas. 38. Quais são as principais exportações portuguesas. (Cortiça, Calçado, Vinho do Porto, ) 39. Quais são as principais importações portuguesas? (Petróleo, Gás Natural, Máquinas, ) Para uma melhor análise e compreensão desta matéria consultar as páginas 84 a 96 do manual (Economia - A 11º Ano, de Lucinda Sobral Henriques e Manuela Leandro Porto Editora) 40. Explique o que significa que Portugal vai comprar Licenças de Emissão de Dióxido de Carbono? E se não o fizer? Significa que Portugal atingiu os limites de Emissão de Dióxido de Carbono que lhe estão atribuídos pelo Protocolo de Quioto e para evitar sanções recorre a uma técnica de contornar a lei que é comprar quotas a outros países ou empresas que não atinjam as suas quotas. Segundo o Protocolo de Quioto cada país tem uma determinada quota de poluição e caso a ultrapasse terá que adquirir a países que têm direitos de emissão a mais para vender, ou desenvolver projectos "verdes" em países em desenvolvimento para conseguirem poupar e descontar no próprio país. Luís Paulo 9

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Comércio Internacional/Externo: Todas as transações efetuadas entre um país e os restantes países, isto é, entre unidades residentes e unidades não residentes

Leia mais

2.3. Balança de Pagamentos

2.3. Balança de Pagamentos Balança de Pagamentos (BP): Registo contabilístico (sistemático e equilibrado) dos valores das transações económicas entre agentes residentes e não residentes ocorridas durante um determinado período de

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/13 Págs. Duração

Leia mais

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 7 (Relações Económicas Internacionais)

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 7 (Relações Económicas Internacionais) 7.1. Considere a seguinte informação, relativa às componentes da Balança Corrente Portuguesa em 2002, em milhões de euros: Débito Mercadorias 29.028,1 41.607,4 Serviços, dos quais: 10.299,8 7.137,3 - viagens

Leia mais

Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2010. Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos

Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2010. Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 3 Anos Candidatura de 010 Exame de Economia Tempo para realização da prova: horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: O examinando apenas pode

Leia mais

Aula 01. Balanço de Pagamentos

Aula 01. Balanço de Pagamentos 1. Conceito Aula 01 Balanço de Pagamentos O Balanço de Pagamentos (BP) é um registro sistemático das transações comerciais e financeiras de um país com Exterior, entre residentes e não residentes de um

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo BALANÇO DE PAGAMENTOS: É o registro sistemático das transações entre residentes e não-residentes de um país durante determinado período

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 CAP. 2 A MEDIÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA --- EXERCÍCIOS 1. EXERCÍCIOS DAS AULAS 1.1. Contas Nacionais Considere o Quadro 1, com os principais agregados

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

6 - Balanço de Pagamentos

6 - Balanço de Pagamentos Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Departamento de Ciências Econômicas ECO-2215 - Contabilidade Social Balanço de Pagamentos Estrutura da apresentação 1) Definição

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5).

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). 1 BALANÇO DE PAGAMENTOS Alexandre César Cunha Leite 1 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). INTRODUÇÃO O estudo

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Sumário. Logo WTO. Estados Unidos. 37 Argentina. Holanda. 3 Alemanha. 14 México. 2 Japão. 7 Itália. Outros. Valores de 2000

Sumário. Logo WTO. Estados Unidos. 37 Argentina. Holanda. 3 Alemanha. 14 México. 2 Japão. 7 Itália. Outros. Valores de 2000 Economia Carlos Nemer 3ª Ed. Capítulo 17: O Setor Externo Logo WTO Poli-UFRJ Copyright 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-7-Slide 1 de 47/2005.1 Sumário 1. Introdução; 1.

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 1 1G203 - ECONOMIA INTERNACIONAL A regulação das trocas internacionais: do GATT à OMC 1.3 OMC: Objectivos e princípios. Perspectiva histórica da liberalização

Leia mais

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão.

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão. Faculdade de Economia Lista 08 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento Presencial: Quartas, 16h às 18h, Sala 21.

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL Índice 1. Política Cambial...3 1.1. Taxa de câmbio fixa... 3 1.2. Taxa de câmbio flutuante... 3 1.3. Padrão currency board... 3 2. Política de

Leia mais

Finanças Internacionais

Finanças Internacionais Universidade dos Açores Departamento de Economia e Gestão Mestrado em Ciências Empresariais Finanças Internacionais Ponta Delgada, Abril de 2009 Fernando José Rangel da Silva Melo Sumário 1 Gestão Financeira

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

VI. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES CÓDIGOS. Movimento de regularização contabilística de descobertos em contas externas

VI. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES CÓDIGOS. Movimento de regularização contabilística de descobertos em contas externas Anexo à Instrução nº 1/96 VI. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES CÓDIGOS 0. CÓDIGOS ESPECIAIS CÓDIGOS Operação desconhecida abaixo do limiar Movimento de regularização contabilística de descobertos em contas externas

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/13 Págs. Duração

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE. Cursos Profissionais. Ano Lectivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA

GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE. Cursos Profissionais. Ano Lectivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Profissionais Ano Lectivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA (2º ano de formação) Página 1 de 6 Competências Gerais Usar os conceitos

Leia mais

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação:

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação: 1. A aplicação do princípio da prudência está exclusivamente relacionada com o registo de perdas de imparidade em activos e provisões : a) Verdadeira; b) Falsa 2. Regra geral, o IVA não dedutível deve

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos?

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos? Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas Depto. de Economia, Sociologia e Tecnologia e Balança de Pagamentos Economia e Administração 3 º sem./medicina Veterinária Núria R. G. Quintana

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

VIII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÍNDICE TEMÁTICO

VIII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÍNDICE TEMÁTICO Anexo à Instrução nº 1/96 VIII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÍNDICE TEMÁTICO A Abatimentos e devoluções - Mercadorias Acções, compra/venda de (ver em Investimento) Aceitação/entrega de notas com movimentação

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

CAPITULO 10. Relações económicas com o resto do mundo

CAPITULO 10. Relações económicas com o resto do mundo CAPITULO 10 Relações económicas com o resto do mundo A necessidade e a diversidade das relações com o resto do mundo O registo das alterações com o resto do mundo As politicas comerciais e a organização

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Balança de Pagamentos

Balança de Pagamentos Balança de Pagamentos Conceitos e Rubricas Definições Registo sistemático que se destina a medir as transacções económicas que se estabelecem entre os residentes (sectores internos) e os não residentes

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO 78 BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 Guilherme Fernandes de Souza RESUMO Com o objetivo de conhecer o desempenho brasileiro no que se refere ao Balanço de Pagamentos, esse artigo analisa

Leia mais

ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011

ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011 ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011 Alguns factos históricos 1487 Bartolomeu Dias chega ao Cabo da Boa Esperança 1652 Holandeses, ao serviço da Dutch East India Company, instalam-se no Cabo. Colónia

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Alicia Ruiz Olalde Balanço de Pagamentos No balanço de pagamentos, são registradas todas as transações econômicas que o país realiza com o resto do mundo, num determinado período de tempo. O Balanço de

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014 Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014 ASSUNTO: OPERAÇÕES DE CAPITAIS - Importação de capitais associados ao investimento privado externo A Lei n.º 20/11

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Maio 2005 geral@economia-internacional.org. Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços - GATS

Maio 2005 geral@economia-internacional.org. Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços - GATS Maio 2005 geral@economia-internacional.org Acordo Geral sobre o Comércio - GATS de Serviços I. Enquadramento (histórico) O GATS entrou em vigor em 01/01/1995; juntamente com o GATT e o TRIPS, completam

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Tunísia Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Tunísia Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Tunísia Condições Legais de Acesso ao Mercado Fevereiro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO J. Silva Lopes IDEEF, 28 Setembro 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I As perspectivas económicas para os tempos mais próximos II Políticas de estímulo à recuperação

Leia mais

MERCADO CAMBIAL BRASILEIRO RESUMO

MERCADO CAMBIAL BRASILEIRO RESUMO MERCADO CAMBIAL BRASILEIRO Jonas Bordim 1 Luiz Antônio Gazola 2 Wagner Augusto Rodrigues 3 Marcos Rogério Rodrigues 4 RESUMO No mercado cambial brasileiro, as empresas que nele participam devem conhecer

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

- Reforma do Tesouro Público

- Reforma do Tesouro Público - Reforma do Tesouro Público Em Novembro de 1997 foram definidas as opções estratégicas do Ministério das Finanças para a adopção da moeda Única ao nível da Administração Financeira do Estado. Estas opções,

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

MASTER EM DIRECÇÃO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DE MARKETING OBJECTIVOS DO PROGRAMA A Escola de Negócios EUDEM apresenta o seu programa MCIM - Master em Direcção de Comércio Internacional e de Marketing,

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis:

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: Uma Mesa-Redonda Sector Público-Privado 7/10/2011 Centro de Políticas e Estratégias, Palácio do Governo, Praia. A crise na Zona

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Setembro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

O processo de concentração e centralização do capital

O processo de concentração e centralização do capital O processo de concentração e centralização do capital Pedro Carvalho* «Algumas dezenas de milhares de grandes empresas são tudo, os milhões de pequenas empresas não são nada», afirmava Lénine no seu livro

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

School of Economics and Management

School of Economics and Management School of Economics and Management TECHNICAL UNIVERSITY OF LISBON Department of Economics Carlos Pestana Barros & Nicolas Peypoch Pedro Leão Consequências A Comparative Analysis de desequilíbrios of Productivity

Leia mais

preta. Não telemóveis

preta. Não telemóveis Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2012 Exame de Economia Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: O examinando apenas pode

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA

INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA Empresas INOVAÇÃO PRODUTOS DIMENSÃO MERCADO PRODUÇÃO MARKETING GESTÃO LIDERANÇA FINANCIAMENTO RH COMPETÊNCIAS Empreendedorismo VISÃO ESTRUTURADA

Leia mais

A Taxa de Câmbio no Longo Prazo

A Taxa de Câmbio no Longo Prazo A Taxa de Câmbio no Longo Prazo Organização do Capítulo Introdução A Lei do Preço Único Paridade do Poder de Compra Modelo da Taxa de Câmbio de Longo Prazo Baseado na PPC A PPC e a Lei do Preço Único na

Leia mais

ESCOLA SECUNDARIA C/ 3 CICLO DE SANTA MARIA DA FEIRA ECONOMIA A 10º ANO TURMA A NOCTURNO MÓDULO TRÊS (TESTE FORMATIVO) EM 26/06/2007

ESCOLA SECUNDARIA C/ 3 CICLO DE SANTA MARIA DA FEIRA ECONOMIA A 10º ANO TURMA A NOCTURNO MÓDULO TRÊS (TESTE FORMATIVO) EM 26/06/2007 ESCOLA SECUNDARIA C/ 3 CICLO DE SANTA MARIA DA FEIRA ECONOMIA A 10º ANO TURMA A NOCTURNO MÓDULO TRÊS (TESTE FORMATIVO) EM 26/06/2007 7. POUPANÇA E INVESTIMENTO 1 Os rendimentos formados na produção são

Leia mais

X X X X X X X X X X X X X X

X X X X X X X X X X X X X X MATRIZ DE OBJECTIVOS/CONTEÚDOS CURSO: Técnico de Comércio ANO(S): 11.º DISCIPLINA : Economia Ensino Profissional MÓDULO: Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais. FIO CONDUTOR: Usar os conceitos

Leia mais