APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RESÍDUOS NO BRASIL E A GERAÇÃO DE CRÉDITOS DE CARBONO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RESÍDUOS NO BRASIL E A GERAÇÃO DE CRÉDITOS DE CARBONO"

Transcrição

1 APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RESÍDUOS NO BRASIL E A GERAÇÃO DE CRÉDITOS DE CARBONO ALICE DE MORAES FALLEIRO Universidade Federal de Santa Maria MARTA TOCCHETTO Universidade Federal de Santa Maria

2 APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RESÍDUOS NO BRASIL E A GERAÇÃO DE CRÉDITOS DE CARBONO RESUMO Entre os projetos elegíveis, no âmbito do MDL, aptos a comercializar créditos de carbono estão aqueles que utilizam a queima de resíduos com a finalidade de converter o metano (CH 4 ) em dióxido de carbono (CO 2 ) e os que utilizam a queima de resíduos para gerar energia. O metano apresenta potencial de aquecimento global 21 vezes maior do que o CO 2. Este artigo tem como objetivo identificar esses projetos, a sua localização e a quantidade de créditos de carbono. Apontar esses projetos é de suma importância, na medida em que eles podem ser uma alternativa para diminuir as emissões de GEE e, ao mesmo tempo, incentivar a destinação correta dos resíduos, uma vez que para a obtenção de registro esses projetos devem comprovar a sua contribuição para o alcance da sustentabilidade. Dentre os projetos de energia renovável aptos a operar, no âmbito do MDL, no Brasil estão os que usam biomassa para geração de energia a partir da casca de arroz e de resíduos de madeira e, também os que utilizam os resíduos dispostos em aterro sanitário, entre outros. A redução da geração de resíduos é considerada uma medida de longo prazo, em contrapartida, os projetos de MDL podem ser uma alternativa de curto prazo. Palavras-chave: Gases de Efeito Estufa, Geração de Energia, Protocolo de Quioto, Mecanismos de Desenvolvimento Limpo. ENERGY UTILIZATION OF WASTE IN BRAZIL AND THE GENERATION OF CARBON CREDITS ABSTRACT Eligible projects under the CDM are able to trade carbon credits, are Those Who use the burning of waste in order to convert methane (CH 4 ) into carbon dioxide (CO 2 ) and using the burning of waste to generate energy. Methane has a potential 21-fold higher than the CO2 global warming. This article AIMS to identify these projects, their location and the amount of carbon credits. Pointing these projects is critical, in that they can be an alternative to reduce GHG emissions and at the same team, Encourage the proper disposal of waste, since record for obtaining these projects must prove Their Contribution to the achievement of sustainability. Among the renewable energy projects suitable to operate under the CDM in Brazil are those that use biomass for energy generation from rice husk and wood waste and Also Those using the waste disposed in landfill, between others. The reduction of waste generation is considered the measure in the long run, However These CDM projects can be an alternative short term. Keywords: Greenhouses, Generation of Energy, Kyoto Protocol, Clean Development Mechanism. 1

3 1. INTRODUÇÃO A ciência indica que a mudança do clima é um fenômeno inequívoco e muitas das mudanças observadas são sem precedentes em uma escala de décadas a milênios. A causa do fenômeno é o acúmulo na atmosfera de gases de efeito estufa (dióxido de carbono, metano e óxido nitroso, entre outros) desde o início do período industrial (1750), principalmente originados da queima de combustíveis fósseis. Segundo o Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC), a influência humana no sistema climático é evidente. É extremamente provável que seja essa a causa dominante das mudanças observadas. Diante dessa realidade, o regime internacional para o combate à mudança do clima tem como instrumentos fundamentais a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) e o Protocolo de Quioto assinado em 1997 e, em vigor desde o ano de O primeiro período do referido acordo teve seu término no ano de 2012 sendo prorrogado até O Protocolo apresenta três mecanismos de flexibilização, dentre eles, se destaca no presente contexto, o mecanismo de desenvolvimento limpo (MDL). Tais mecanismos foram desenvolvidos com o intuito de viabilizar a redução dos gases de efeito estufa (GEE). Estão em andamento negociações para um novo acordo sob a Convenção, cuja previsão é serem finalizadas em 2015, para entrada em vigor a partir de A UNFCCC reconhece que as responsabilidades pelo aumento da temperatura global, decorrente do acúmulo de emissões ao longo do tempo são comuns, porém diferenciadas. Reconhece, ainda, as respectivas capacidades financeiras e tecnológicas de cada país. Isso fundamenta a diferenciação das obrigações de países desenvolvidos, listados no Anexo I (países desenvolvidos com metas obrigatórias de redução de emissão de GEE) da UNFCCC, e de países em desenvolvimento (sem metas obrigatórias). As negociações do novo acordo sob a Convenção oferecem oportunidade para inaugurar nova fase do regime internacional de mudança do clima. Mesmo na ausência de uma obrigação jurídica internacional de reduzir emissões, o Brasil assumiu, por meio da Política Nacional sobre Mudança do Clima - Lei n /2009, o compromisso voluntário de reduzir emissões de gases de efeito estufa entre 36,1% e 38,9%, em relação às emissões projetadas até Dentro desse contexto, o Brasil está entre os três países com maior número de projetos de MDL registrados na UNFCCC (United Nations Framework Conventionon Climate Change). Entre esses projetos estão aqueles que utilizam resíduos para gerar créditos de carbono. Diante deste cenário, o presente estudo identificou quarenta e sete (47) projetos desse tipo. Tais projetos são potenciais geradores de créditos de carbono em virtude do alto potencial de aquecimento global do metano, principal gás resultante da decomposição da matéria orgânica. Para realização do estudo foram utilizados dados disponíveis nos sites da UNFCCC, entidade responsável pelo registro dos projetos, além de pesquisas em teses, dissertações e artigos que tratam do referido tema. Logo, o presente artigo tem como objetivo identificar esses projetos, a sua localização e a quantidade de créditos de carbono gerada. 2. DESENVOLVIMENTO Em dezembro de 1997, no Japão, foi elaborado o Protocolo de Quioto, estabelecendo compromissos de redução das emissões antrópicas de gases de efeito estufa (GEE) para os países industrializados listados no Anexo I da Convenção. O acordo não estabelece compromissos adicionais para os países em desenvolvimento. A grande inovação do referido Protocolo consiste 2

4 na possibilidade de utilização de mecanismos de mercado para que os países do Anexo I possam atingir os objetivos de redução de gases de efeito estufa. Os mecanismos, sejam eles, a Implementação Conjunta (art. 6), o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (art.12) e o Comércio de Emissões (art. 17) pretendem possibilitar que os objetivos de redução sejam atingidos. No âmbito interno, o Decreto Presidencial de 07 de julho de 1999 criou a Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima (CIMGC) com o objetivo de formalizar instrumentos, dentro do governo, que pudessem direcionar o potencial do MDL para as prioridades de desenvolvimento nacional. A apreciação e aprovação das atividades de projeto no âmbito do MDL é atribuição da CIMGC, que é a Autoridade Nacional Designada (AND) para efeitos do MDL. O MDL é também uma oportunidade para a promoção do desenvolvimento sustentável em países como o Brasil. Estabelecido pelo Plano Plurianual (PPA) , o programa Mudanças Climáticas está sob a responsabilidade dos Ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Ministério do Meio Ambiente (MMA). Além dos dois ministérios, também recebe recursos do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (Fundo Clima), que tem por finalidade financiar projetos, estudos e empreendimentos que visem a redução dos impactos da mudança do clima e a adaptação aos seus efeitos. No conjunto das ações do programa Mudanças Climáticas incluindo o apoio à Rede Clima, a operacionalização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), a atualização do inventário nacional de emissões de gases que provocam o efeito estufa e a implantação e operacionalização do Sistema Nacional de Observações Ambientais dos Impactos das Mudanças Climáticas soma-se R$ 3,9 milhões de investimentos para o ano de Outra iniciativa relevante é a Estímulo ao Uso Sustentável de Fontes Alternativas de Energia, que pretende ampliar o uso de fontes alternativas de energia da matriz energética do país, contribuindo desta forma, para o alcance das metas voluntárias de redução das emissões dos gases de efeito estufa do setor de energia, estabelecidas pela Lei de 2009, entre 6,1% e 7,7%. Ainda a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), Lei de 2010, reúne um conjunto de princípios, objetivos, instrumentos, diretrizes, metas e ações adotadas pelo Governo Federal, isoladamente ou em regime de cooperação com Estados, Distrito Federal, Municípios ou particulares, com vistas à gestão integrada e ao gerenciamento ambientalmente adequado dos resíduos sólidos. Uma das inovações trazidas pela PNRS está associada à possibilidade de recuperação energética, contemplada em seu 1º, art. 9º, na gestão e gerenciamento de resíduos sólidos, deve ser observada a seguinte ordem de prioridade: não geração, redução, reutilização, reciclagem, tratamento dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos. O referido parágrafo determina que poderão ser utilizadas tecnologias visando à recuperação energética dos resíduos sólidos urbanos, desde que tenha sido comprovada sua viabilidade técnica e ambiental e com a implantação de programa de monitoramento de emissão de gases tóxicos aprovado pelo órgão ambiental. Em outras palavras, a PNRS permite a transformação do resíduo em energia com a utilização de tecnologia aplicável ao MDL, possibilitando a obtenção de Créditos de Carbono. Ainda, no artigo 8 inciso IV consta como medidas indutoras, o apoio à elaboração de projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo ou quaisquer outros mecanismos decorrentes da Convenção Quadro de Mudança do Clima das Nações Unidas. Ou seja, os projetos de MDL podem gerar ganhos financeiros a partir da venda da energia ao sistema elétrico nacional e, também pelo recebimento dos créditos de carbono decorrentes de sua contribuição para a redução das emissões de gás metano para a atmosfera. O crescente volume e complexidade dos resíduos associado ao crescimento econômico estão impondo sérios riscos aos ecossistemas e à saúde humana. Todos os anos no mundo estima-se que são coletadas cerca de 11,2 bilhões de toneladas de resíduo sólido e que a decomposição da parte 3

5 orgânica contribui para cerca de 5% das emissões de Gases de Efeito Estufa (GREEN ECONOMY, PNUMA, 2011, pg.316). Ao mesmo tempo o crescimento do mercado de resíduos, o aumento da escassez de recursos e a disponibilidade de novas tecnologias estão oferecendo oportunidades para o esverdeamento do setor de resíduos. Nesse contexto, o setor está enfrentando três conjuntos de desafios: 1) aumento do crescimento na quantidade e complexidade dos fluxos de resíduos associados ao aumento das rendas e ao crescimento econômico; 2) risco crescente de danos à saúde humana e aos ecossistemas e 3) a contribuição do setor para a mudança climática (GREEN ECONOMY, PNUMA, 2011, pg.316). O resíduo de biomassa inclui resíduos agrícolas e florestais. Estima-se que, mundialmente, 140 bilhões de toneladas de resíduos agrícolas são gerados todos os anos (NAKAMURA, 2009). Nos países em desenvolvimento, devido a uma coleta ineficiente ou inapropriada, deficiência no tratamento do lixo e na infraestrutura de descarte, recursos financeiros limitados e deficitária execução da lei, os depósitos de lixo a céu aberto, não controlados e sem segurança são os método mais comumente utilizado para gestão de resíduos. (GREEN ECONOMY, PNUMA, 2011, pg. 326). A figura 1 apresenta a hierarquia da gestão de resíduos, na qual se observa que o descarte, em termos de gestão é a alternativa de menor preferência. No entanto, em países em desenvolvimento a pirâmide se mostra invertida devido às razões apresentadas. Figura 1 - A hierarquia da gestão de resíduos Fonte: Green Economy, PNUMA (2011) De acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPPC), as emissões de GEE geradas por resíduos pós-consumo foram equivalentes a aproximadamente MtCOe em 2005(BOGNER et al. 2007). No setor de resíduos, o metano dos aterros é a maior fonte das emissões de GEE, causadas pela degradação anaeróbica de matéria orgânica nos aterros e nos lixões não monitorados. As emissões provenientes dos aterros dependem das características do lixo (composição, densidade, tamanho das partículas) e das condições (umidade, nutrientes, micróbios, temperatura e ph). A composição do gás dos aterros (LFG) é de cerca de 50-60% de metano com CO 2 restante e traços de compostos orgânicos voláteis exceto metano, também compostos orgânicos halogenados e 4

6 outros. (GREEN ECONOMY, PNUMA, 2011, pg.338). Recuperar energia e outros subprodutos úteis a partir de resíduos tem sido possível devido aos consideráveis avanços tecnológicos, que levaram à implementação de projetos de WtE. Na maioria dos casos, esses projetos fornecem oportunidades para a geração e distribuição de energia de modo descentralizado onde a rede elétrica não pode ser disponibilizada. Com as tecnologias avançadas, o resíduo propriamente dito pode ser transformado em produtos energéticos úteis (GREEN ECONOMY, PNUMA, 2011, pg.338). Questões técnicas, como os altos níveis de chorume inibindo a extração de gás e outros problemas no monitoramento e verificação são grandes barreiras nos países em desenvolvimento. A abordagem de tais barreiras permitirá aos países em desenvolvimento utilizarem as receitas de MDL para o esverdear o setor de resíduos (GREEN ECONOMY, PNUMA, 2011, pg.345) 3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A presente seção se refere aos procedimentos metodológicos usados para análise e investigação do fenômeno em estudo. Assim, é descrito os procedimentos utilizados que foram norteadores deste trabalho e que, portanto possibilitaram o desenvolvimento em etapas do estudo, a análise dos dados coletados bem como as considerações e conclusões. A primeira etapa constou da pesquisa sobre os temas que norteiam o estudo, na qual foram realizadas análise bibliográfica e documental, de caráter exploratório, em livros, teses, dissertações, artigos, relatórios técnicos e bases de dados nacionais e internacionais. Na segunda etapa foi realizada análise do conteúdo dos Project Document Design (PDD) de cada projeto registrado na UNFCCC que utiliza resíduos para a geração de energia, até o presente momento, ou seja, julho de A delimitação do estudo se justifica pela importância de diagnosticar projetos de MDL que utilizem resíduos para gerar energia, em virtude da alta capacidade desse tipo de atividade de gerar créditos de carbono, devido a não emissão de CH 4 e ainda da possibilidade de geração de energia dos mesmos. Assim, foram mapeados todos os 48 projetos registrados com essas características localizados no Brasil até o presente momento. Após a segunda etapa foram analisadas as características dos mesmos, bem como a quantidade de créditos de carbono estimada dos mesmos. Acredita-se que é por meio do conhecimento sobre esses projetos pode se aperfeiçoar iniciativas como essa, que além de contribuir para a diminuição das emissões de GEE ainda contribui para a sustentabilidade, uma vez que tais resíduos, caso não existisse os projetos de MDL, provavelmente seriam dispostos em aterros sanitários, tornando-se um passivo ambiental. Estudos como este se justificam pela importância de conhecer e, portanto reconhecer as características desses projetos e sua importância na busca para minimizar as emissões de GEE em âmbito não somente nacional, mas principalmente internacional, uma vez que os mesmos ajudam os países desenvolvidos signatários do Protocolo de Quioto a alcançar suas metas de emissão de GEE diante de um futuro ainda incerto para os mesmos no que diz respeito a políticas de governo e exigências de abrangência internacional que possam vir a surgir, o que já começa a ser observado atualmente. 4. ANÁLISE DOS RESULTADOS A partir dos procedimentos metodológicos adotados foram obtidos os resultados descritos no que se refere ao tipo de resíduo utilizado, a escala dos projetos, bem como o tipo de período de crédito adotado pelos mesmos. Ainda, foi possível identificar em qual período de créditos, os 5

7 projetos se encontram, ou seja, se eles renovaram seu registro após ter sido findado o primeiro período de venda de CERs (certificados de emissões reduzidas ou créditos de carbono). Isso é um forte indicador do comportamento desse mercado, uma vez esses projetos tem a possibilidade de vender seus créditos por um período de 10 anos (para períodos fixos) ou 21 anos (para períodos renováveis), mas não são obrigados a fazê-lo. A localização geográfica também foi analisada e foi possível verificar a quantidade estimada de créditos de carbono dos projetos. Também foi identificada a participação de outros países, seja como financiadores, investidores, desenvolvedores ou proponentes dos mesmos. O conhecimento da quantidade de projetos que utilizam resíduos para gerar energia limpa e renovável, bem como suas características permitem identificar a participação dos mesmos no total de projetos de MDL registrados localizados no Brasil e, portanto sua contribuição para a redução de emissões de GEE. A tabela 1 mostra a participação desses projetos. Tabela 1 - Projetos de energia renovável registrados no âmbito do MDL Primeiro período Segundo período Projetos registrados/ano Até Total Total Resíduos Porcentagem (%) Fonte: Elaborado pelos autores a partir dos dados da UNFCCC (2014). A tabela demonstra que o Brasil obteve o registro na UNFCCC, até o presente momento, de 201 projetos de energia renovável. Desses, 48 projetos utilizam resíduos para gerar energia, ou seja, 24 %. Observa-se que até 2012, quando se encerrou o primeiro período do Protocolo de Quioto, os projetos envolvendo geração de energia a partir de resíduos representavam 25% do total de projetos. No inicio do segundo período tem-se uma queda no número de registros de projetos em geral, isso ocorreu em virtude das incertezas que pairaram sob um novo acordo climático global, o que afetou diretamente o investimento em projetos desse tipo. A expressiva quantidade de projetos envolvendo resíduos nos projetos de MDL localizados no Brasil apresenta diversificação no que diz respeito ao tipo de matéria prima utilizada. A tabela 2 apresenta os tipos de resíduo utilizados para geração de energia nesses projetos. Tabela 2 - Tipo de resíduos utilizados para geração de energia nos projetos de MDL Tipo de resíduos Quantidade de projetos Casca de arroz 3 Restos de madeira 9 Resíduo em aterro sanitário 8 Bagaço cana de açúcar 27 Total 47 Fonte: Elaborado pelos autores a partir dos dados da UNFCCC (2014). 6

8 Observa-se que os projetos de utilizam o bagaço da cana são a maioria, seguidos dos que utilizam restos de madeira e resíduos provenientes de aterros sanitários. Os três projetos identificados que utilizam casca de arroz como fonte de energia se localizam no RS. Com relação ao tamanho, os projetos podem ser de pequena (até 15 MWh de potência instalada), larga escala ou ambos. A tabela 3 apresenta o tipo de escala dos projetos. Observa-se que a maioria dos projetos é de larga escala. Tabela 3 - Tipo de escala dos projetos Tipo de escala Quantidade de projetos Pequena 14 Larga 33 Total 47 Fonte: Elaborado pelos autores a partir dos dados da UNFCCC (2014). Referente ao período de créditos dos projetos, eles podem ser fixos (10 anos) ou renováveis (07 anos podendo ser renovado por mais dois períodos de 07 anos, totalizando 21 anos de venda de créditos de carbono). A tabela 4 apresenta a quantidade de projetos de acordo com o tipo de período de venda de créditos. Tabela 4 - Tipo de período de venda de créditos de carbono dos projetos Período de venda de créditos de carbono Quantidade de projetos Fixo 5 Renovável 42 Total 47 Fonte: Elaborado pelos autores a partir dos dados da UNFCCC (2014). A maioria dos projetos apresenta período de venda de crédito renovável (89%) e somente 11% apresenta período de venda de crédito fixo. No entanto, muitos projetos que já finalizaram os sete primeiros anos de venda não solicitaram renovação. A tabela 5 apresenta o período de crédito em que os projetos se encontram. Tabela 5 - Período de crédito em que se encontram os projetos Período de crédito Quantidade de projetos Primeiro 31 Segundo 11 Total 42 Fonte: Elaborado pelos autores a partir dos dados da UNFCCC (2014). A maioria dos projetos (31) se encontra no primeiro período (até sete anos de atividade) e onze projetos estão no segundo período. A figura 2 mostra a localização dos projetos por região geográfica. 7

9 Figura 2 - Localização dos projetos por região geográfica Fonte: Elaborado pelos autores a partir de dados da UNFCCC (2014) Mais da metade dos projetos está localizado na região sudeste, seguida da região Sul e Nordeste. A figura 3 mostra a distribuição dos projetos por estado. Figura 3 - Localização dos projetos por Estado Fonte: Elaborado pelos autores a partir de dados da UNFCCC (2014) Os projetos estão localizados em 14 estados brasileiros com predominância do estado de São Paulo que detém mais de 50% dos projetos. Observa-se que no Rio Grande do Sul estão 11% dos mesmos. A maioria dos projetos conta com a participação de outros países, são eles: Japão, Suíça, Suécia, Canadá, Alemanha, Reino Unido (Grã Bretanha e Irlanda do Norte), França, Noruega, Finlândia e Holanda. O Reino Unido e a Suíça são os países que mais participam (24 projetos). Observa-se também que em 21 projetos esses países estão envolvidos de alguma forma nesse processo. 8

10 Os 48 projetos de energia renovável em conjunto que utilizam resíduos para geração de energia estimam reduzir 2.887, 581 tco 2 por ano durante o período que estão aptos a comercializar créditos de carbono. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os projetos de energia renovável no âmbito do MDL que utilizam como matéria-prima resíduos apresentam participação expressiva, considerando o número total registrado no Brasil. A afirmação considera tanto em quantidade, 25% do total quanto em redução de emissão de GEE, uma vez que evitam a emissão de metano (CH 4 ), o qual apresenta potencial de aquecimento global 21 vezes maior do que o CO 2. Conseqüência disso está no incremento da produção de energia limpa. Logo, o aproveitamento de resíduos para geração de energia e a venda de créditos de carbono propiciam benefícios econômicos, ambientais e sociais que vão desde, a economia de recursos naturais até a criação de novos empreendimentos e postos de trabalho. Este artigo constatou que a integração entre destinação final correta de resíduos e a venda de créditos de carbono, a partir do aproveitamento energético dos mesmos, apresenta-se como uma importante ferramenta para redução das emissões de GEE e, portanto para contribuir com os esforços para mitigar os efeitos das mudanças climáticas. Uma vez que a redução da geração de resíduos é considerada uma medida de longo prazo, em contrapartida esses projetos de MDL pode ser uma alternativa de curto prazo. Logo, a importância em desenvolver e incentivar projetos representa um desafio para encontrar soluções que reduzam os resíduos destinados para aterro sanitário. Os projetos que geram energia a partir do resíduo disposto, também são importantes, uma vez que servem de medida mitigadora para o que não foi possível reduzir, reaproveitar e ou reciclar, além disso evitam o crescimento de áreas com passivos ambientais.assim, é preciso reconhecer e identificar os projetos que usam resíduos que seriam destinados ao aterros, e, ao contrário passam a serem utilizados como fonte de energia, como: restos de madeira, casca de arroz e bagaço de cana de açúcar. Mesmo diante dos aspectos positivos apresentados, constatou-se uma queda significativa no número de registros dos projetos de MDL nos últimos anos, o que sinaliza recuo de investimentos nesse setor. Isso ocorreu, principalmente, em virtude de: Incertezas com relação a um futuro acordo climático global; Queda na participação de outros países nos projetos. Verificou-se que nos últimos anos os projetos registrados não contaram com participação de outras nações; Queda nos preços dos créditos de carbono; Falta de integração entre poder público e privado; Inexistência de legislação que envolva de maneira direta demanda interna para os créditos de carbono gerados por esses projetos; A falta de competitividade do etanol, advindo da cana de açúcar, comparado com a gasolina fizeram com que esse setor também recuasse em investimentos. Reflexo disso é que muitos projetos de MDL que utilizavam o bagaço da cana-de-açúcar para gerar energia, os quais são a maioria não renovaram seu período de crédito. O recuo de incentivos e os avanços nesse mercado são consequências das dúvidas que permeiam o mesmo e nos levam a considerar de fato, a extinção de novos projetos desse tipo. REFERÊNCIAS 9

11 BRASIL. Lei , de 29 de dezembro de Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC e dá outras providências. Brasília, D.F, Disponível em < Acesso em: 30 maio BRASIL. Lei nº , de 2 de agosto de Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei n o 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2010/lei/l12305.htm>. Acesso em: 30 de jul BRASIL. Lei nº , de 18 de janeiro de Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a Disponível em < Acesso em: 5 ago CRUZ, S,R,F; PAULINO, S,R. Indicadores de avaliaçãoparaprojetos de Mecanismo de DesenvolvimentoLimpo (MDL) ematerrossanitários. VI Encontro Nacional da Anppas. Belém. PA. 18 a 21 de setembro de Decreto nº 7.404, de 23 de dezembro de Regulamenta a Lei no , de 2 de agosto de 2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, cria o Comitê Interministerial da Política Nacional de Resíduos Sólidos e o Comitê Orientador para a Implantação dos Sistemas de Logística Reversa, e dá outras providências. Disponível em Acesso em: 8 de jul Decreto nº 7.390, de 9 de dezembro de Regulamenta os arts. 6º, 11 e 12 da Lei , de 29 de dezembro de 2009, que institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima PNMC, e da outras providências. Disponível em < ccivil_03/_ato /2010/decreto/d7390.htm>. Acesso em: 10 jul Decreto de 7 de julho de Cria a Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima, com a finalidade de articular as ações de governo nessa área. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/dnn/anterior%20a%202000/dnn htm>. Acesso em 07 de ago Intergovernmental Panel on Climate Change.IPCC.The physical Science Basis Disponívelem Acessoem: 28 de Jul MICHAELOWA, A.; BUEN, J.The Clean Development Mechanism Gold Rush. In: Michaelowa, A. Carbon markets or climate finance? Low carbon and adaptation Investment choices for the developing world. Routledge, London, pp Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação (MCTI). Protocolo de Quioto Disponível em: <http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/17331/protocolo_de_quioto.html>. Acesso em: 30 maio PNUMA. Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável e a Erradicação da 10

12 Pobreza Síntese para Tomadores de Decisão Disponível em < /www.pnuma.org.br/admin/publicacoes/texto/1101-greeneconomysynthesis_pt_online.pdf>. Acesso em: 05 jul UNEP. Towards a Green Economy: Pathways to Sustainable Development and Poverty Eradication.ISBN: Disponívelem<http://www.unep.org/ greeneconomy>. Acessoem: maio de United Nations FrameworkConventiononClimateChange. UNFCCC. CDM Project. Disponível em < Acesso em: 4 jul de

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas 1) O que é Mudança do Clima? A Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudança do Clima (em inglês: United Nations Framework Convention on Climate Change UNFCCC),

Leia mais

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo 1º Período de compromisso do Protocolo de Quioto (2008-2012) (Data final de coleta de dados: 12/02/2014) O

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS IV FORUM DA TERRA POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL / IIDEL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Demanda de Consumo de

Leia mais

COPA 2014 e projetos de MDL - Parceria entre o setor público e privado

COPA 2014 e projetos de MDL - Parceria entre o setor público e privado COPA 2014 e projetos de MDL - Parceria entre o setor público e privado ALICE DE MORAES FALLEIRO Universidade Federal de Santa Maria alice.falleiro@gmail.com MARIA DO CARMO CAUDURO GASTALDINI Universidade

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono.

Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono. Fundado em 2003, o Instituto Totum conta com profissionais com grande experiência e altamente qualificados em projetos de créditos de carbono. Os serviços envolvem uma ampla faixa de consultoria, desde

Leia mais

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia Luís Fernão Souto As alterações climáticas são uma evidência Os 10 anos mais quentes desde sempre ocorreram após o ano de 1990! O dióxido

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO

O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO UNESP-S.J do Rio Preto RAFAEL AZEREDO DE OLIVEIRA Mudanças Climáticas e Aquecimento Global FORMAÇÃO DO IPCC Criado pela ONU Organização

Leia mais

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 UNIDADE DE NEGÓCIO CARBONO - UNICAR Efluentes e Resíduos Inventários

Leia mais

Econergy International PLC. Projetos de MDL

Econergy International PLC. Projetos de MDL Econergy International PLC. Projetos de MDL São Paulo, 18 de agosto de 2006 Econergy Escritórios rios Ireland Boulder (CO) Washington D.C. Monterrey São Paulo Buenos Aires Nossa Missão é Agregar Valor

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

Estudo do potencial da geração de energia renovável proveniente dos "aterros sanitários" nas regiões metropolitanas e grandes cidades do Brasil 1

Estudo do potencial da geração de energia renovável proveniente dos aterros sanitários nas regiões metropolitanas e grandes cidades do Brasil 1 Estudo do potencial da geração de energia renovável proveniente dos "aterros sanitários" nas regiões metropolitanas e grandes cidades do Brasil 1 Resumo Convênio FEALQ - Ministério do Meio Ambiente (Início

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Temas abordados 1. Quem somos 2. Efeito estufa e aquecimento global 3. Marco regulatório 4. O inventário de emissões

Leia mais

Articles about fuel switch portfolio Brazil

Articles about fuel switch portfolio Brazil Articles about fuel switch portfolio Brazil DIÁRIO DE CUIABÁ : Empresa holandesa vai financiar projetos de energia alternativa. O financiamento se dará com a venda de créditos de carbono a partir do aproveitamento

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO)

CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO) CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO) ILÍDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional JANEIRO/2001

Leia mais

Padrões de produção e consumo

Padrões de produção e consumo INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 113 Padrões de produção e consumo Recicloteca da COMLURB - Gávea 114 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ÁGUA ATMOSFERA SOLO BIODIVERSIDADE

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

Mesa Redonda Avançando ando com os projetos de gás g s de aterros

Mesa Redonda Avançando ando com os projetos de gás g s de aterros Mesa Redonda Avançando ando com os projetos de gás g s de aterros USEPA e M2M, CETESB, e Prefeitura de Ribeirão Preto 17 de setembro de 2010 Tema IV Processos de MDL Potencial de MDL para projetos de Destruição

Leia mais

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010)

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) Sumário Executivo De acordo com a Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), adotada em 1992, as mudanças

Leia mais

Normatização e legislação aplicada: diretrizes e parâmetros de licenciamento e controle no estado de São Paulo

Normatização e legislação aplicada: diretrizes e parâmetros de licenciamento e controle no estado de São Paulo Normatização e legislação aplicada: diretrizes e parâmetros de licenciamento e controle no estado de São Paulo João Wagner Silva Alves Assessor da Presidência da CETESB SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Normatização

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Fabíola Ortiz - 28/02/13 Potencial de produção de energia vinda dos aterros pode dobrar em 20 anos, se a lei de resíduos sólidos for cumprida.

Leia mais

Título: Perspectivas da Suinocultura Brasileira na Captura de Carbono no Tratamento de Dejetos Suínos através s de Biodigestores em

Título: Perspectivas da Suinocultura Brasileira na Captura de Carbono no Tratamento de Dejetos Suínos através s de Biodigestores em Título: Perspectivas da Suinocultura Brasileira na Captura de Carbono no Tratamento de Dejetos Suínos através s de Biodigestores em Projetos de MDL. Fernando Rodrigues Marques (Business School São Paulo

Leia mais

Protocolo de Quioto e MDL: Breve Introdução Histórico-Jurídica ao tema

Protocolo de Quioto e MDL: Breve Introdução Histórico-Jurídica ao tema De Rosa, Siqueira, Almeida, Mello, Barros Barreto e Advogados Associados Protocolo de Quioto e MDL: Breve Introdução Histórico-Jurídica ao tema EMBRAPA - Jaguariúna, 18.08.2003 1 Background... (Conferência

Leia mais

CONSULTORIA DO BIOGÁS NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ATERROS SANITÁRIOS - ETE S - VINHAÇAS DE DESTILARIAS

CONSULTORIA DO BIOGÁS NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ATERROS SANITÁRIOS - ETE S - VINHAÇAS DE DESTILARIAS Soluções Ambientais Soluções Ambientais CONSULTORIA DO BIOGÁS NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ATERROS SANITÁRIOS - ETE S - VINHAÇAS DE DESTILARIAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA Solução Ambiental, Energética

Leia mais

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO III SISCA 21 e 22 de agosto de 2013 Felipe Jané Bottini Green Domus Desenvolvimento Sustentável felipe@greendomus.com.br +55 (11) 5093 4854 http://storymaps.esri.com//globalfootprint/

Leia mais

Eduardo Giesen Coordenação Latino-americana GAIA www.no-burn.org

Eduardo Giesen Coordenação Latino-americana GAIA www.no-burn.org Taller do Sociedade Civil sobre MDL & Florestas e o mercado de carbono Incineração e mercados de carbono: Falsas soluções para um grande e REAL problema Eduardo Giesen Coordenação Latino-americana GAIA

Leia mais

Apresentação Grupo Solví

Apresentação Grupo Solví Apresentação Grupo Solví Mesa redonda Mercado de Metano Experiência Brasileira do Grupo Solvi com Gás G s Metano O Grupo Solví Resíduos Valorização Energética Saneamento O Grupo Solví Grupo Solví Valorização

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

Direito e Mudanças Climáticas. Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS

Direito e Mudanças Climáticas. Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS Direito e Mudanças Climáticas Vanêsca Buzelato Prestes, procuradora do município de Porto Alegre, mestre em Direito PUC/RS MUDANÇAS CLIMÁTICAS: o que o Direito tem a ver com isso? Mudanças Climáticas Alterações

Leia mais

(material embargado até 19.11.2015 às 10hs)

(material embargado até 19.11.2015 às 10hs) (material embargado até 19.11.2015 às 10hs) SEEG 3.0 Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estuda Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa no Brasil 1970-2014 DESTAQUES: Emissões

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PROTOCOLO DE QUIOTO: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA E APLICABILIDADE DOS MECANISMOS DE DESENVOLVIMENTO LIMPO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PROTOCOLO DE QUIOTO: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA E APLICABILIDADE DOS MECANISMOS DE DESENVOLVIMENTO LIMPO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PROTOCOLO DE QUIOTO: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA E APLICABILIDADE DOS MECANISMOS DE DESENVOLVIMENTO LIMPO Letícia Hoppe Ms. Economia do Desenvolvimento Síntese do Mini curso

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 2011 Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. A GREEN CO 2.... 3 2.1. VISÃO.... 3 2.2. MISSÃO.... 3 2.3. OBJETIVOS.... 3 2.4. VALORES....

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria

Confederação Nacional da Indústria Confederação Nacional da Indústria Brasília, novembro de 2010 mudança do clima COP 16: A Contribuição da Indústria Brasileira As Principais Mensagens Os esforços da indústria brasileira são uma importante

Leia mais

ESTUDO CRÉDITOS DE CARBONO

ESTUDO CRÉDITOS DE CARBONO ESTUDO CRÉDITOS DE CARBONO Ilidia da Ascenção Garrido Martins Juras Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial e Desenvolvimento Urbano e Regional ESTUDO

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados. Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br

Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados. Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br Mercado de Carbono Somente projetos estruturados com base nos mecanismos de flexibilização

Leia mais

OS PROJETOS FLORESTAIS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO / FORESTRY PROJECTS IN THE CLEAN DEVELOPMENT MECHANISM

OS PROJETOS FLORESTAIS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO / FORESTRY PROJECTS IN THE CLEAN DEVELOPMENT MECHANISM Artigos 9 ARTIGOS TÉCNICOS / ARTICLES OS PROJETOS FLORESTAIS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO / FORESTRY PROJECTS IN THE CLEAN DEVELOPMENT MECHANISM MARCELO THEOTO ROCHA Engenheiro Agrônomo Doutor

Leia mais

Projeto para Aplicação de MDL na Redução de Emissões em Aterros de Resíduos Sólidos

Projeto para Aplicação de MDL na Redução de Emissões em Aterros de Resíduos Sólidos MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria de Qualidade Ambiental nos Assentamento Humanos MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Projeto para Aplicação de MDL na Redução de Emissões

Leia mais

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs:

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs: Institucional A Unidade de Recuperação Energética (URE) Barueri é um empreendimento da Foxx Haztec, empresa líder em serviços ambientais no Brasil com atuação nas áreas de resíduos sólidos, consultoria

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Seção 1: Solicitação de Registro

Seção 1: Solicitação de Registro Formulário de Registro e Validação de Atividade de Projeto de MDL (Ao submeter este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade de MDL proposta atende a todos os requisitos de

Leia mais

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima HISTÓRICO UNFCCC IPCC Comunicação Nacional do Brasil Política Nacional sobre

Leia mais

Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais

Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais Nota Técnica Nº 1/2013 GEMUC/DPED/FEAM Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais Maio 2013 Carolina

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Ato de administrar o ambiente natural ou antrópico (PHILIPPI Jr e BRUNA, 2004). Gestão Ambiental

Leia mais

Disciplina Construção de Edifícios - Engenharia Civil - UFJF. Prof. Pedro Kopschitz Xavier Bastos

Disciplina Construção de Edifícios - Engenharia Civil - UFJF. Prof. Pedro Kopschitz Xavier Bastos Disciplina Construção de Edifícios - Engenharia Civil - UFJF Prof. Pedro Kopschitz Xavier Bastos Uso irresponsável dos recursos naturais: Erosão do solo Contaminação de lençóis de água Extinção de espécies

Leia mais

O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima

O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima Dr. Osvaldo Moraes Diretor DEPPT/MCTI Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima Protocolo de Quioto O regime diferencia obrigações de países

Leia mais

Mais clima para todos

Mais clima para todos Mais clima para todos 1 Mais clima para todos Na União Europeia, entre 1990 e 2011, o setor dos resíduos representou 2,9% das emissões de gases com efeito de estufa (GEE), e foi o 4º setor que mais contribuiu

Leia mais

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS Inventários de Emissões O QUE É UM INVENTÁRIO? Um inventário corporativo de emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa é a

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO

ANÁLISE DE ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO ISSN 1984-9354 ANÁLISE DE ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO Raphael Talayer da Silva Lages (UFF) Sergio Luiz Braga França (UFF) Resumo Este artigo tem como

Leia mais

Resumo expandido ANPPAS 2010

Resumo expandido ANPPAS 2010 Resumo expandido ANPPAS 2010 Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) em aterros sanitários e a gestão de resíduos sólidos na cidade de São Paulo Tema Mercado de carbono e inovação em serviços

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 17 de

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 20 - Biomassa Sorocaba, Maio de 2015. ATLAS de Energia Elétrica do Brasil. Agência Nacional de Elétrica

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas Seminário FIESP Política Estadual de Mudanças Climáticas Coordenadoria de Planejamento Ambiental SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Casemiro Tércio Carvalho São Paulo, 4 de maio de 2010 Novo Paradigma Princípios,

Leia mais

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Carlos Rittl Secretário Executivo São Paulo, 10 de agosto de 2015 SBDIMA Sociedade Brasileira de Direito Internacional do Meio Ambiente Eventos climáticos extremos Desastres

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das de Gases de Efeito Estufa SADIA S/A 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 01/04/2010 Preparador

Leia mais

Mercado de Carbono Atividade de Suporte ao MDL

Mercado de Carbono Atividade de Suporte ao MDL Mercado de Carbono Atividade de Suporte ao MDL Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A Setembro 2008 Índice O Protocolo de Quioto e as emissões dos GEE Os Mecanismos O ciclo e a estrutura de aprovação do

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD 1 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE CGD S.A. 2014 2 CGD Relatório de Compensação de Emissões de GEE - CGD S.A. 2014 1.1 Introdução O Programa de Baixo Carbono, pioneiro no setor da banca

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

O lixo como fonte de energia

O lixo como fonte de energia Transformando um Passivo Ambiental em um Recurso Energético: O lixo como fonte de energia Workshop Internacional Aproveitamento Energético do Biogás de Aterros Sanitários e do Tratamento de Efluentes Belo

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

2 Documento de Referência CarbonOk

2 Documento de Referência CarbonOk 2 Documento de Referência CarbonOk SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 PROGRAMA CARBONOK... 6 2.1 Missão... 6 2.2 Objetivos... 6 2.3 Valores... 7 2.4 Metodologia... 7 2.5 Atuação... 8 2.6 Responsável... 9 3

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS Luiz Felipe de Camargo Kastrup Faculdade de Saúde Pública USP Paulo Bernardi Junior Instituto de Pesquisas Energéticas e

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

O Manejo de Residuos, a Gestão Ambiental e a Sustentabilidade

O Manejo de Residuos, a Gestão Ambiental e a Sustentabilidade O Manejo de Residuos, a Gestão Ambiental e a Sustentabilidade Profa. Dra. Anelise Leal Vieira Cubas Unisul Universidade do Sul de Santa Catarina Unisul Virtual RESÍDUOS Resíduo: Qualquer material ou substância

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 XIV Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas (SINAOP) Centro de Eventos do Pantanal - Cuiabá 1 Novembro 2011 Nome do Evento: XIV SINAOP 2011 Cuiabá

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

estufa para setores agropecuários

estufa para setores agropecuários Simpósio de Mercado de Carbono pós COP15 e Código Florestal para o Sistema Cooperativista Inventário de gases de efeito fi estufa para setores agropecuários Inventário de gases de efeito estufa para setores

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Brasília, 12 de maio de 2011 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Eduardo Delgado Assad Secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Emissões de GEE Média Anual das Emissões

Leia mais

Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões

Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzinifreire.com.br Mercado de Carbono no Brasil

Leia mais

PROCESSOS NECESSÁRIOS PARA REALIZAR UM PROJETO DE MDL E GERAR CRÉDITOS DE CARBONO 1

PROCESSOS NECESSÁRIOS PARA REALIZAR UM PROJETO DE MDL E GERAR CRÉDITOS DE CARBONO 1 PROCESSOS NECESSÁRIOS PARA REALIZAR UM PROJETO DE MDL E GERAR CRÉDITOS DE CARBONO 1 BASSO, R. L. 2 ; BERTAGNOLLI, D. D. de O. 3 ; LONDERO, P. R. 2 ; OLIVEIRA, L. A. de 2 ; SCHUMACHER, L. I. 3 1 Trabalho

Leia mais

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL BRITCHAM SP 18/08/06 São Paulo samuel barbosa 3 DET NORSKE VERITAS Introdução FUNDAÇÃO - Fundação independente estabelecida na Noruega em 1864. OBJETIVO

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES O Projeto de Cooperação Internacional do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), BRA/07/002 Modernização Institucional para Fortalecimento

Leia mais

Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília. 08 e 09 de Junho 2010

Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília. 08 e 09 de Junho 2010 Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília 08 e 09 de Junho 2010 No Programa de Governo Gestão 2009-2012 está previsto o Programa Biocidade e neste o Plano

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

O desenvolvimento de recursos energéticos renováveis e alternativos: o papel do comissário Jeff Davis Comissário Comissão de Serviços Públicos do Missouri 1 Recursos energéticos renováveis e alternativos:

Leia mais

Parágrafo único. Os programas e ações do Governo Federal que integram o Plano Plurianual deverão observar o previsto no caput.

Parágrafo único. Os programas e ações do Governo Federal que integram o Plano Plurianual deverão observar o previsto no caput. DECRETO Nº 7.390, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2010. Regulamenta os arts. 6o, 11 e 12 da Lei no 12.187, de 29 de dezembro de 2009, que institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC, e dá outras providências.

Leia mais

DECRETO Nº 27.343 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013

DECRETO Nº 27.343 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013 DECRETO Nº 27.343 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013 Ementa: Institui o Comitê de Sustentabilidade e Mudanças Climáticas do Recife - COMCLIMA e o Grupo de Sustentabilidade e Mudanças Climáticas - GECLIMA e dá outras

Leia mais