O impacto da informação assimétrica na concessão de crédito: Uma aplicação de modelos mistos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O impacto da informação assimétrica na concessão de crédito: Uma aplicação de modelos mistos."

Transcrição

1 O IMPACTO DA INFORMAÇÃO ASSIMÉTRICA NA CONCESSÃO DE CRÉDITO: UMA APLICAÇÃO DE MODELOS MISTOS. APRESENTACAO ORAL-Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnoogia AMANDA AIRES VIEIRA. UFPE, RECIFE - PE - BRASIL. O impacto da informação assimétrica na concessão de crédito: Uma apicação de modeos mistos. Resumo Esse trabao visa a apresentar modeos teóricos que anaisam a reação confitante entre o intermediário financeiro e o empreendedor. Para tanto, foi utiizada a teoria e principaagente. Três modeos foram eaborados a fim de apresentar os contratos mais eficientes a ser ofertados peo intermediário financeiro dado o tipo de agente e o níve de esforço exercido por esse. O primeiro modeo trata do probema de informação assimétrica face à seeção adversa do agente. Posteriormente, é apresentado o modeo que considera o risco mora. Por fim, um modeo que integra essas duas situações é apresentado com o objetivo de simuar o comportamento do intermediário financeiro. Como resutado, a soução ótima encontrada peo intermediário financeiro no modeo misto que integra a seeção adversa seguida peo risco mora considera apenas os aspectos igados ao primeiro probema. Paavras-cave: Intermediação Financeira, Principa agente, crédito. Abstract Tis artice aims to present teoretica modes tat anayse te confict reation between te financia intermediary and te enterpreteur. In order to do tis, we utiized te principaagent teory. Tree modes were eaborated to present te more efficient contracts to be offered by te financia intermediary considering te type of te agent and te eve of effort. Te first mode treats te probem of asymmetric information face adverse seection of te agent. Afterwards, it is presented te mode tat considers mora azard. At ast, a mode wic integrates tese two situations is presented wit te objective of simuate te beavior of te intermediary. As a resut, te optima soution acieved in te mixed mode considers ony asymmetric seection aspects Kewords: Financia Intermediation, Principa Agent, Credit.. Introdução O entendimento teórico da estruturação do setor financeiro, assim como suas impicações sobre o crescimento econômico, tem pape fundamenta na criação de poíticas governamentais eficientes. Todavia, a anáise da importância desse setor no crescimento Campo Grande, 25 a 28 de juo de 200, Sociedade Brasieira de Economia, Administração e Socioogia Rura

2 não é uniforme para todas as escoas do pensamento econômico. Controversos pontos de vista a respeito de qua o impacto do setor financeiro no crescimento ou até se o mesmo existe têm sido construídos. Três correntes pautam essa discussão. A primeira, defendida peo premio Nobe Robert Lucas (988), apresenta o setor financeiro como fator não importante do crescimento. A segunda ina de pensamento, defendida por Joan Robinson (952), trabaa a idéia de que o setor financeiro apenas responde às mudanças na demanda do setor rea da economia. Um terceiro ponto de vista é construído peo também prêmio Nobe Merton Mier (998) e prega que a importância do setor financeiro é cara, não avendo motivos para o dispêndio de tempo na discussão do seu pape. Para muitos autores, os intermediários financeiros podem meorar a adoção de novas tecnoogias, incrementando a taxa de inovação tecnoógica e a criação de novos bens assim como processos produtivos. [King e Levine (993), Gaetovic (996), Backburn e Hung(998), Moraes (2003), Acemogu, Agion e Ziibotti (2003)] Todos esses pontos de vista convergem com o núceo da teoria Sumpeteriana sobre finanças no processo de desenvovimento econômico: Reguação e custos de transação produzem meores oportunidades de emprego. Na eaboração de sua abordagem para o desenvovimento econômico, Josep Scumpeter ( ) postuou que, para que um país possa acançar desenvovimento, é necessário que esse desenvova três aicerces fundamentais: a tecnoogia, o empreendedorismo e o sistema de crédito bancário. Segundo ee, não cabia ao empreendedor financiar projetos de investimento com seus próprios recursos. Scumpeter afirmava que esses deveriam originar-se do capitaista, que receberia os juros do empréstimo. O cana de crédito potenciaiza ainda os efeitos da poítica monetária. Segundo Stigitz e Greenwad (2004), esse cana é um dos meios peo qua variáveis nominais afetam a atividade e o equiíbrio econômico no curto prazo. Contudo, nem sempre esse meio é bem desenvovido, devido, entre muitos outros fatores, à assimetria de informação entre concedente e tomador de crédito. Como a informação é privada, surge um confito entre os agentes econômicos no mercado de crédito. Essa situação de interesses divergentes pode ser tratada, na teoria econômica, peos modeos de Principa-Agente. O intermediário financeiro deseja investir parte de seus ativos em um projeto contudo, não poderá reaizar isso sozino: deegará ao empreendedor a execução dessa tarefa. Segundo Urs Bircer: Deegation is not ony a form of division of abor, and tus a source of iger productivity, as Adam Smit pointed out, but aso a source of a specia kind of probem (Bircer, 2007) Segundo Tanja (2006), existem três casses de modeos de Principa-Agente. A primeira consiste no modeo de informação assimétrica ex-post. Neste caso, o agente recebe informação priviegiada após a execução do contrato entre esse e o principa. Essa situação Campo Grande, 25 a 28 de juo de 200, Sociedade Brasieira de Economia, Administração e Socioogia Rura 2

3 é conecida como de risco mora. O segundo modeo considera o caso da informação assimétrica ex-ante, conecido como modeos de seeção adversa: nesse contexto, o agente possui informação assimétrica antes da assinatura do contrato com o principa. Por fim, a terceira casse de modeos de principa-agente aborda os modeos de sinaização. Nessa circunstância, os agentes podem revear a informação assimétrica através de sinais enviados para o principa. Frascaroi (2008) afirma que os probemas de risco mora e seeção adversa surgem pea incapacidade dos intermediários financeiros, seja operaciona ou peos custos eevados, de monitorarem as ações dos agentes antes e após o ofertarem o contrato de concessão de crédito. Desta forma, apresentação de modeos que visem a reduzir os probemas inerentes à assimetria de informação é de grande importância para o mercado de crédito. Seja via aumento do número de projetos financiados, seja peos investimentos em projetos de maior rentabiidade, assim, o presente trabao busca modear contratos que busquem dar maior eficiência ao mercado de crédito. Esse artigo é dividido em quatro partes, incuindo a presente introdução. A segunda seção apresenta a importância do cana de crédito na potenciaização da poítica monetária. Em seguida, são apresentados três modeos que anaisam os probemas de seeção adversa e risco mora. Por fim, são tecidos os útimos comentários à guisa das concusões. 2. A poítica monetária e o cana de crédito Entre as poíticas de curto prazo utiizadas peos governos para aumentar a demanda agregada e, assim, o níve de bem estar da sociedade, destaca-se a poítica monetária. Através ea, o governo aumenta a oferta monetária visando a reduzir a taxa de juros corrente, aumentando, assim, o produto. Esse mecanismo intensifica a atividade econômica oca. A figura apresenta o funcionamento dessa poítica. Campo Grande, 25 a 28 de juo de 200, Sociedade Brasieira de Economia, Administração e Socioogia Rura 3

4 Figura : Mecanismos de Transição da Poítica Monetária: A importância do cana de crédito Fonte: Eaboração própria baseada em informações de Cavacanti, Entre os canais que potenciaizam o poder da poítica monetária, o cana de crédito merece destaque. Por ee, muitos projetos de são viabiizados através de financiamentos a empreendedores, gerando emprego e renda. Todavia, esse meio de transmissão não é totamente desenvovido em todos os ugares. Países mais desenvovidos, como, por exempo, a Suíça e os Estados Unidos, possuem canais de crédito mais poderosos na propagação de poíticas econômicas. No Brasi, esse cana ainda se mostra em estágio bastante embrionário, mesmo para padrões de outros Campo Grande, 25 a 28 de juo de 200, Sociedade Brasieira de Economia, Administração e Socioogia Rura 4

5 países em desenvovimento, com estrutura financeira semeante. A figura apresenta a evoução percentua da reação crédito/pib no Brasi entre o primeiro trimestre de 994 e o primeiro trimestre de Figura : Razão percentua entre crédito e PIB no Brasi. Fonte: Fucidji, Um dos fatores igados ao atrofiamento do cana de crédito está igado aos atos custos da intermediação financeira. Segundo Cavacanti (2005), esses custos refetem taxas impícitas e expícitas do setor financeiro (taxas sobre transações financeiras, ucros do intermediário, infação, etc), reguamentação bancária (reservas bancárias) e fatores institucionais (corrupção, subornos). Dentre os fatores não objetivos considerados peos intermediários financeiros na constituição de seus spreads, a fata de informação sobre o tomador de crédito infaciona os juros cobrados por essas instituições quando financiam projetos. Entre as causas desse não desenvovimento do cana de crédito está a seeção adversa e o risco mora do empreendedor. Essa assimetria de informação gera um amento nos custos de intermediação financeira. Esses, por sua vez, desviam recursos do uso produtivo, diminuindo o estoque de capita e reduzindo o produto da economia, o que gera, por fim, um menor bem-estar socia. Segundo Cavacanti (2005), em países com atos custos de intermediação financeira, como o Brasi, onde a taxa média de spread bancário foi em torno de 40% entre 995 e 2003, o Campo Grande, 25 a 28 de juo de 200, Sociedade Brasieira de Economia, Administração e Socioogia Rura 5

6 desenvovimento do sistema de intermediação pode aumentar o bem estar dos indivíduos de renda menor, via redução dos custos de intermediação. A fim de meor desenvover o cana de crédito, muitos estudos têm sido desenvovidos com o objetivo dar meores subsídios para que o intermediário financeiro possa ofertar contratos mais eficientes. O presente trabao apresenta três modeos que estabeecem a meor forma de financiar projetos, dados os probemas de seeção adversa e risco mora. 3. Modeos de informação assimétrica Esta seção é subdividida em três partes. Na primeira, considera-se a situação em que o agente possui informação assimétrica sobre a produtividade do projeto a ser financiado peo principa (modeo principa-agente com seeção adversa). Em seguida, é apresentado um modeo que anaisa o probema enfrentado peo principa face ao risco mora do agente. Por fim, um modeo misto é examinado a fim de expicar como esses dois probemas interagem. Nos modeos desenvovidos a seguir, supõe-se que o empreendedor (agente) deseja tomar crédito em um intermediário financeiro (principa), a fim de iniciar um projeto. Assume-se ainda que o projeto a ser financiado é suficientemente arriscado para que o empreendedor não deseje financia-o apenas com sua própria riqueza. Assim, o empreendedor desejará obter financiamentos de um intermediário financeiro para () cobrir os custos igados à impementação do projeto e (2) diversificar o risco associado ao projeto. É importante ressatar ainda que tanto o banco quanto o empreendedor adotam um comportamento raciona e maximizam suas utiidades individuais. 3.. Seeção Adversa O probema de seeção adversa surge da fata de conecimento do principa sobre o tipo do agente. No caso em tea, essa situação se caracteriza pea assimetria de informação entre o intermediário financeiro (principa), que deseja tornar aguns projetos ucrativos com o investimento de seus ativos, e o empreendedor, que possui tota conecimento sobre a produtividade dos projetos, parâmetro de otimização no probema. Assume-se que a produtividade do projeto de investimento do agente não é observáve, mas é conecimento comum que ea pertence ao conjunto Θ={ θ, θ }. Existem dois tipos de empreendedores que gostariam de ter os seus projetos financiados, um cujo projeto é de Para o desenvovimento dos dois primeiros modeos apresentados a seguir, foram utiizados estudos de caso do ivro Te Teory of Incentives (ver referências bibiográficas). Ees serão necessários para dar embasamento teórico ao modeo misto, útimo a ser apresentado. Campo Grande, 25 a 28 de juo de 200, Sociedade Brasieira de Economia, Administração e Socioogia Rura 6

7 ata produtividade (θ ) e outro cujo projeto é de baixa produtividade (θ ). Suas respectivas distribuições de probabiidade são de v e v respectivamente, em que 0 v. O intermediário financeiro deseja maximizar sua função ucro dada por: V = t Rk Onde: t = transferência paga peo empreendedor ao intermediário financeiro quando o projeto é executado; R = taxa de juros ivre de riscos; k = níve de capita emprestado peo intermediário financeiro ao empreendedor. O empreendedor possui a seguinte função ucro: u ( k,θ ) = θ f( k ) t com probabiidade v ou u ( k, θ ) = θ f( k ) t com probabiidade -v Observa-se que f(.) segue a ei dos retornos decrescentes. O tempo de execução do contrato é expicado na figura 2: t=0 t= t=2 t=3 tempo A descobre seu tipo θ P oferece o contrato A aceita ou recusa o contrato O contrato é executado Figura 2: Tempo de execução do contrato sob seeção adversa Segundo Laffont (2002), no deseno do ucro ótimo, o intermediário financeiro se move iniciamente como um íder no oigopóio de Stackeberg sob informação assimétrica, antecipando o comportamento subseqüente do empreendedor e otimizando de acordo com o conjunto de contratos disponíveis. O intermediário financeiro desejará maximizar seus ucros sujeitos às restrições de participação (o empreendedor deverá acar o contrato vantajoso restrições 3 e 4) e de compatibiidade de incentivos (o empreendedor reveará o tipo de produtividade de seu projeto corretamente restrições e 2). O probema é sintetizado abaixo: Campo Grande, 25 a 28 de juo de 200, Sociedade Brasieira de Economia, Administração e Socioogia Rura 7

8 Probema do intermediário financeiro: max {( u, k ),( u, k )} v[ θ f Rk] + ( v)[ θ f Rk] [ vu + ( v) u] Sujeito a u u θf (k) () u u + θf (k) (2) u 0 (3) u 0 (4) Observa-se que apenas as restrições (2) e (4) estão ativas. Na soução ótima (obtida peo método de otimização de Kun-Tucker), tem-se que, para o empreendedor cujo projeto é mais produtivo, o retorno do capita será igua à taxa de juros ivre de risco θ f '( k*) = R, isso impicará que em ausência de restrições na concessão do crédito ( k SB = k * ). No caso do empreendedor cujo projeto é menos produtivo, observa-se, no entanto, que esse sofrerá restrições na tomada de financiamento, tendo em vista que o retorno do capita para esse v SB tipo de projeto diminuirá devido à seeção adversa R = θ θ f '( k ) θ f '( k*), v ou seja, k SB k * Risco Mora Segundo Tanja (2006), o modeo de principa-agente com risco mora é caracterizado pea ipótese que a escoa do agente sobre o seu níve de esforço é não observáve peo principa. Conforme assinaa Urs Bircer: Te principa is unabe to see weter te agent invests extra ours, engages in researc, or is focused on te important aspects of te job. Te agent, being on a ong eas, often finds sufficient room to pursue some private goas (Bircer, 2007, p. 370) No caso do probema enfrentado peo intermediário financeiro na existência do risco mora do empreendedor, é possíve observar que agora, contrariamente ao caso de seeção adversa, o principa pode observar o tipo do agente. A assimetria de informação será caracterizada peo desconecimento do principa sobre o níve de esforço exercido peo empreendedor para que o projeto acance ucros máximos. O tempo de execução do contrato é apresentado na figura 3: t=0 t= t=2 t=3 t=4 Campo Grande, 25 a 28 de juo de 200, Sociedade Brasieira de Economia, Administração e Socioogia Rura 8

9 tempo P oferece o contrato {( t, t )} A aceita ou recusa o contrato A exerce esforço ou não O produto q é reaizado O contrato é executado Figura 3: Tempo de execução do contrato sob risco mora Na anáise do probema concessão de crédito sob risco mora, assume-se que os retornos do projeto de investimento do empreendedor são observáveis, podendo ser f (k) ou f (k) com probabiidades de (e) ou - (e), respectivamente. A variáve e se refere ao esforço exercido peo empreendedor e pode apresentar dois vaores, que são, por conveniência normaizados em níve zero de esforço ou níve positivo de esforço: e {0,}. Exercer esforço e impicará em uma desutiidade de ψ (e) para o agente (considera-se que ψ ( 0) ψ = 0 e ψ ( ) ψ = ψ ). O contrato financeiro é desenado de forma que o = o = pagamento a ser reaizado peo empreendedor será de {( t, t)} o qua dependerá do sucesso ou não do projeto. O intermediário financeiro deseja maximizar sua função ucro dada por: SB t + ( ) t k C Onde: t = transferência paga peo empreendedor ao intermediário financeiro quando o projeto é executado com sucesso; t = transferência paga peo empreendedor ao intermediário financeiro quando o projeto é executado sem sucesso; = probabiidade que o projeto seja reaizado com esforço peo agente. k = níve de capita emprestado peo intermediário financeiro ao empreendedor. C SB = custo necessário para induzir um níve positivo de esforço do empreendedor. Assim como no probema de principa-agente sob seeção adversa, o intermediário financeiro desejará maximizar seus ucros sujeitos às restrições de participação (o empreendedor deverá acar o contrato vantajoso) e de compatibiidade de incentivos (o empreendedor exercerá esforço na execução do projeto). O probema de otimização é apresentado abaixo: Probema do principa: Campo Grande, 25 a 28 de juo de 200, Sociedade Brasieira de Economia, Administração e Socioogia Rura 9

10 SB max [ f u] + ( )[ f u] k C (Em que u = f k) t {( u, u)} ( e u = f t ) Sujeito a u + ) u ψ u + ( ) u (restrição de compatibiidade de incentivos) ( 0 0 u + ) u ψ 0 (restrição de participação) ( É possíve observar que as duas restrições são atendidas na iguadade e que as condições de Kun-Tucker são necessárias e suficientes para resover o probema. Vae ainda ressatar que a mudança das variáveis reaizada na função objetivo mostra que a concavidade do programa é assegurada. Com a impementação do custo de segundo meor (C SB ), o ucro esperado do principa será dado por: E f u] = [ f u] + ( )[ f u] C SB k. A [ parametrização dos projetos de acordo com o voume de capita resutará em: SB SB k < k = f u] + ( )[ f u] C. Desta forma, o desconecimento sobre o [ esforço exercido peo empreendedor no projeto reduzirá os ganos do intermediário financeiro (via aumento nos custos) o que exigirá desse principa um maior voume de capita a ser emprestado em cada projeto. Esse fenômeno retrairá o número tota de projetos financiados. Segundo J. Laffont: Mora azard impies tat some projects are financied under compete information but no onger under mora azard (Laffont, p. 79) Modeos Mistos: Seeção Adversa seguida de Risco Mora A presente seção examina como os contratos de financiamento podem ser desenados a fim de resover probemas reacionados à seeção adversa seguida peo risco mora. Neste útimo modeo, verifica-se que, contrariamente ao probema examinado na seção 4.. em que o banco pôde observar o tipo de agente peas suas ações, a ocorrência do risco mora torna essa observação não mais possíve: agumas ações se tornam, por definição, informação apenas para o empreendedor. Considerando-se, desta forma, que o empreendedor pode saber a média do retorno do seu projeto antes de exercer ação e dividir os ucros resutantes com o intermediário financeiro, o modeo desenvovido anaisa a situação em que o risco mora afeta o retorno esperado do principa quando esse desena o contrato com cada tipo de agente. O tempo de execução dos contratos no modeo misto é apresentado na figura 4: t=0 t= t=2 t=3 t=4 Campo Grande, 25 a 28 de juo de 200, Sociedade Brasieira de Economia, Administração e Socioogia Rura 0

11 tempo A descobre seu tipo θ P oferece um contrato estocástico {( t ( ~ k, )} para A A aceita ou recusa o contrato A exerce um esforço e e escoe um níve de retorno f (k) Figura 4: Tempo de execução do contrato sob seeção adversa seguida por risco mora Para desenvover o presente modeo, assume-se que o principa poderá obter os retornos de t (k) ou de t (k) com probabiidades de (e) e ( e), respectivamente. Uma forma de ponderar o níve de esforço empregado peo empreendedor no projeto será considerar a quaidade do produto vendido peo empreendedor. Assim, como no caso simpes de risco mora, o exercício de esforço peo empreendedor custa a esse um níve de desutiidade de ψ (e). A normaização usua impicará que ψ ( 0) ψ = 0 e ψ ( ) ψ = ψ. Assume-se ainda que, assim como no modeo de seeção adversa pura, existem dois tipos de empreendedores que gostariam de ter os seus projetos financiados, um com ata produtividade (θ ) e outro com baixa produtividade (θ ), com probabiidades de, respectivamente, v e v. No modeo misto anaisado abaixo, o intermediário financeiro possui duas formas de anaisar a eficiência do projeto de cada empreendedor: a quaidade do produto ou serviço vendido peo empreendedor e o voume produzido desse produto ou serviço. Desta forma, como mostrado na figura 4, o contrato oferecido ao empreendedor peo intermediário financeiro é estocástico. A transferência fina dependerá das características e do voume do bem fina produzido. É importante ressatar que o principa sempre desejará induzir esforço do agente. = o A restrição de seeção adversa para o projeto mais produtivo é dada por: () U = [ θ f u ] + ( )[ θ f u ] ψ max ( e)[ θ f u ] + ( ( e))[ θ f u ] ψ ( e) e {0,} De forma semeante, a restrição pra o projeto menos produtivo é: (2) A quaidade do produto ou serviço vendido peo empreendedor é observada e o empreendedor transfere t para o principa = U = [ θ f u ] + ( )[ f u ] ψ max ( e)[ θ f u ] + ( ( e))[ f u ] ψ ( e) e {0,} Campo Grande, 25 a 28 de juo de 200, Sociedade Brasieira de Economia, Administração e Socioogia Rura

12 As restrições de compatibiidade de incentivo sob risco mora para os agentes atamente produtivo e de produtividade reduzida são dadas por, respectivamente: ψ f u ] [ f u ] (3) ψ f u ] [ f u ] (4) [ [ Como o contrato é executado antes do útimo período, as restrições de participação dos agentes de maior e de menor produtividade são dadas por: U 0 (5) U 0 (6) Finamente, as restrições de responsabiidade imitada dos agentes são: Para o projeto produtivo: u u = θ f (7) t = θ f (8) t Para o projeto menos produtivo: u u = θ f (9) t = θ f (0) t Utiizando-se das desiguadades das restrições (3) e (4) e adicionando às restrições () e (2), temos que: U U = U + θf (k) () = U θf (k) (2) Por fim, o probema de otimização do intermediário financeiro é dado por: max v{ [ θ f u ] + ( )[ θ f u ]} + ( v){ [ θ f u ] + ( )[ θ f {( k, u),( k, u)} Vae observar que apenas as restrições (0) e () estão ativas. Nesse modeo, a soução ótima para os níveis de utiidade de cada agente (obtida peo método de otimização de Kun-Tucker), mostra resutados idênticos aos obtidos no modeo de seeção adversa (seção 3.) adicionadas as rendas de informação assimétrica do modeo de risco mora. Desta forma, temos que: u ]} Campo Grande, 25 a 28 de juo de 200, Sociedade Brasieira de Economia, Administração e Socioogia Rura 2

13 0ψ U = θf (k) + e U = 0 No caso dos contratos ótimos a ser oferecidos peo principa aos agentes, tem-se que, para o empreendedor do projeto mais produtivo, não averá distorções no contrato, ou seja, o retorno do projeto será idêntico à produtividade do mesmo, desta forma: [ f ' ( k*) u *] + ( )[ f ' ( k*) u *] = θ. Vae saientar que o vaor esperado do retorno será não determinístico, sendo aeatório de acordo com a quaidade do produto. O empreendedor com projeto menos eficiente, todavia, sofrerá restrição de crédito devido ao v menor retorno do projeto: [ f ' ( k*) u *] + ( )[ f ' ( k*) u *] = θ + θ. v 4. Considerações finais A importância crescente do mercado de crédito nos útimos meses tem despertado o interesse de diversos estudiosos que buscam dar maior atenção às interações dos agentes econômicos dentro desse mercado. Entre os muitos impactos causados peo cana de crédito na economia, um efeito que mereceu destaque foi o exercido pea poítica monetária através dessa via na demanda agregada. Com o objetivo de desobstruir o cana de crédito a fim de potenciaizar os efeitos da poítica monetária, esse artigo objetivou estruturar modeos de contatos a ser ofertados peo intermediário financeiro aos empreendedores observando os probemas de seeção adversa e risco mora. Três artigos foram construídos. Como resutado, pôde-se observar nos dois primeiros modeos que a presença de seeção adversa e risco mora geram probemas na concessão de crédito. No caso da seeção adversa, projetos de menor produtividade sofreriam restrição, quando comparados com a soução de primeiro meor. Para o modeo que considerou risco mora, foi possíve notar que a não observância do níve de esforço a ser exercido peo empreendedor no projeto, gera uma restrição de crédito: menos projetos seriam financiados devido aos custos para incentivar esforços do agente. O resutado do útimo modeo apresenta uma informação consideravemente reevante: quando face ao probema de seeção adversa seguido do risco mora, o intermediário financeiro eabora os seus contratos para empreendedores neutros ao risco e protegidos pea restrição de responsabiidades considerando apenas os probemas oriundos da seeção adversa. Vae saientar que, segundo Laffont (2002), esse resutado é obtido apenas a estratégia de sutdown para o projeto menos produtivos não for eficiente. Campo Grande, 25 a 28 de juo de 200, Sociedade Brasieira de Economia, Administração e Socioogia Rura 3

14 Através da anáise dos três modeos teóricos desenvovidos, pode-se concuir que o meor desempeno do sistema financeiro está associado a uma meora na quaidade da informação entre principa e agente. A persistência de ta assimetria na informação continuará a causar probemas no acesso ao crédito produtivo. Acredita-se, desta forma, que um estudo econométrico que considere a teoria aqui desenvovida poderá ajudar na eaboração de contratos mais eficientes. 5. Referências Bibiográficas ACEMOGLU, D., P. AGHION, F.ZILIBOTTI. Distance to frontier, seection, and economic growt. Working Paper No Nationa Bureau of Economic Growt. BEANDRY, P.; M. POITEVIN. Competitive Screening in Financia Markets wen borrowers can recontract. Review of Economic Studies, 62, , 995. BIRCHLER, U.; M. BÜTLER. Information Economics. Routedge Press, 2007 CAVALCANTI, T.; A. VILLAMIL. On te wefare and distributiona impications of intermediation costs Anais do X Encontro Regiona de Economia do Nordeste, Fortaeza, BLACKBURN, K.; Y. HUNG. A teory of growt, financia deveopment and trade. Econômica 65, 04-24, 998. DEMIRGÜÇ-KUNT, A., L. LEAVEN; R. Levine. Reguations, market structure, institutions, and te cost of financia intermediation. Journa of Money, Credit and Banking 36(3), , 2004 DURLAUF, S.; P. AGHION. Handbook of Economic Growt. Voume A. Esevier Nort-Hoand Press, FRASCAROLI, B.; F. RAMOS; N. PAES. A indústria brasieira e o racionamento de crédito: Uma anáise do comportamento dos bancos sob informações assimétricas. Anais do XIII Encontro Regiona de Economia do Nordeste, Fortaeza, FUCIDJI, J.; D. MENDONÇA. Determinantes do Crédito Bancário: uma anáise com dados em paine para as maiores instituições. Anais do XII Encontro Regiona de Economia do Nordeste, Fortaeza, GALETOVIC, A. Speciaization, intermediation and growt. Journa of Monetary Economics 38, , 996 JANDA, K. Lender and Borrower as Principa and Agent. IES Working Paper 24/2006, IES FSV. Cares University Campo Grande, 25 a 28 de juo de 200, Sociedade Brasieira de Economia, Administração e Socioogia Rura 4

15 KING, R.; R. LEVINE. Finance and growt: Scumpeter migt be rigt. Journa of Monetary Economics 08, , 993. LAFFONT, J.; D. MARTIMORT. Te Teory of Incentives Te Principa-Agent Mode, Princeton University Press, MAS-COLELL, A.; M. WHINSTON, J. GREEN. Microeconomic Teory. Oxford Press, 995. MORALES, F. Financia intermediation in a mode of growt troug creative destruction. Macroeconomics Dynamics 7, , SCHUMPETER, J.; Die Teorie der Wirscafticen Entwickung, 9 STIGLITZ, J.; B. GREENWALD. Rumo a um novo paradigma em economia monetária. Tradução por Laura Knapp e Cecíia Camargo Bartaotti. Tradução de: Towards a new paradigm in monetary economics. Ed. Francis, São Pauo SP, Te teory of incentives Campo Grande, 25 a 28 de juo de 200, Sociedade Brasieira de Economia, Administração e Socioogia Rura 5

Nesta aula, vamos estudar a urbanização

Nesta aula, vamos estudar a urbanização Condomínios e faveas: a urbanização desigua A UU L AL A Nesta aua, vamos estudar a urbanização brasieira, que se caracteriza pea rapidez e intensidade de seu ritmo. Vamos comprender como o crescimento

Leia mais

Administração das Reservas Internacionais

Administração das Reservas Internacionais Administração das Reservas Internacionais Banco Centra do Brasi Depin Depin 2 Objetivos das Reservas em Moeda Estrangeira Dar apoio à poítica monetária e cambia; Dar confiança ao mercado com reação à capacidade

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 01

Princípios da Engenharia de Software Aula 01 Princípios da Engenharia de Software Aua 01 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes honorato.nunes@bonfim.ifbaiano.edu.br Materia cedido por: Frankin M. Correia frankin.correia@bonfim.ifbaiano.edu.br Objetivo

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 branca A P R E S E N TA Ç Ã O Construindo um novo futuro Para tornar-se íder goba em souções de transporte

Leia mais

Cursos Profissionalizantes

Cursos Profissionalizantes Cursos Profissionaizantes O Teecurso Profissionaizante foi feito para você que está à procura de profissionaização; para você que está desempregado e precisa aprender uma profissão; para você que já estuda

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação Comissão Própria de Avaiação Apresentação dos Resutados da Avaiação Gera da UCPe peos Aunos A tabuação abaixo foi feita a partir dos questionários sócio-econômicos do ENADE, dos anos de 01. Estado Civi?

Leia mais

Exame Nacional de 2005 1. a chamada

Exame Nacional de 2005 1. a chamada Exame Naciona de 200 1. a chamada 1. Na escoa da Rita, fez-se um estudo sobre o gosto dos aunos pea eitura. Um inquérito reaizado incuía a questão seguinte. «Quantos ivros este desde o início do ano ectivo?»

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso

Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso 153 ISSN 1679-0472 Abri, 2009 Dourados, MS Foto: Niton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Miho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Su e Mato Grosso Aceu Richetti Gessi Ceccon 1 2 Ao panejar

Leia mais

A primeira fase da normalização

A primeira fase da normalização U L A A primeira fase da normaização A partir do momento em que o homem entra na era industria e inicia a produção em massa, isto é, a fabricação de um mesmo produto em grande quantidade, surge uma grande

Leia mais

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS

MINHA VISÃO DO CAP 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS 16 REOLOGIA DOS SISTEMAS COLOIDAIS Os processos de ateração da estabiidade à agregação dos sistemas cooidais evam, em aguns casos, à separação em macro fases, isto é, contatos de fase ou coaescência e,

Leia mais

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento Desenvovimento e Design de Sistemas Web Probemas comuns Web Sites ma definidos e projetados Necessidade de atuaização constante das informações: eternamente em construção Evoução extremamente rápida da

Leia mais

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Universidade Federa do Rio de Janeiro Escoa Poitécnica Departamento de Engenharia Eétrica NOTAS DE AULA Anáise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Prof. Carmen Lucia Tancredo Borges, D.Sc Juiana

Leia mais

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

Leandro Lima Rasmussen

Leandro Lima Rasmussen Resoução da ista de eercícios de Resistência dos Materiais Eercício 1) Leandro Lima Rasmussen No intuito de soucionar o probema, deve ser feita a superposição de casos: Um, considerando a chapa BC como

Leia mais

Leiaute ou arranjo físico

Leiaute ou arranjo físico Leiaute ou arranjo físico A UU L AL A Quaquer posto de trabaho, incusive o nosso, está igado aos demais postos de trabaho, num oca quaquer de uma empresa. Esse oca pode ser uma área grande ou pequena.

Leia mais

Informações sobre os Cursos. Gestão do Comércio e Negócios. Gestão Estratégica de Pessoas. com Ênfase em BI (Business Intelligence)

Informações sobre os Cursos. Gestão do Comércio e Negócios. Gestão Estratégica de Pessoas. com Ênfase em BI (Business Intelligence) Rua Eucides da Cunha, 377 Centro de Osasco 0800 771 77 44 www.fipen.edu.br Centra de Informações Gestão Estratégica de Pessoas Gestão da Produção e Logística Gestão do Comércio e Negócios Gestão de Serviços

Leia mais

UM MODELO DE OTIMIZAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DE INSUMOS NA OPERAÇÃO DE CALDEIRAS INDUSTRIAIS

UM MODELO DE OTIMIZAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DE INSUMOS NA OPERAÇÃO DE CALDEIRAS INDUSTRIAIS XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. UM MODELO DE OTIMIZAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DE INSUMOS NA OPERAÇÃO DE CALDEIRAS INDUSTRIAIS Ceber Damião Rocco (DEP/UFSCar) cdrocco@dep.ufscar.br Reinado

Leia mais

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo A UU L AL A Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo, pra baixo todo santo ajuda, pra cima é um Deus nos acuda... Essas são frases conhecidas, ditos popuares

Leia mais

Plano de Benefícios I NORDESTE em liquidação extrajudicial. (Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65)

Plano de Benefícios I NORDESTE em liquidação extrajudicial. (Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65) Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 2010. Pano de Benefícios I NORDESTE em iquidação extrajudicia. (Cadastro Naciona de Pano de Benefícios - CNPB: 20.020.026-65) - CNPJ: 27.901.719/0001-50 NOTAS EXPLICATIVAS

Leia mais

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico Boletim Econômico Edição nº 87 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico 1 O papel dos bancos

Leia mais

Migração e Seleção no Brasil: Evidências para o Decênio 1993-2003

Migração e Seleção no Brasil: Evidências para o Decênio 1993-2003 Migração e Seeção no Brasi: Evidências para o Decênio 1993-2003 Autores: Tatiana de Fátima Bruce da Siva Graduação em Ciências Econômicas Universidade Federa de Pernambuco UFPE Rau da Mota Siveira Neto

Leia mais

Os aplicativos e sua utilização

Os aplicativos e sua utilização Os apicativos e sua utiização Baixando, Instaando e usando o Avast A B C D Os Apicativos Tipos de Apicativos Baixando e Instaando Usando o apicativo Tipos de Apicativos/Programas Os apicativos são programas

Leia mais

Nesta aula, veremos por que o Nordeste é a

Nesta aula, veremos por que o Nordeste é a Nordeste: o domínio agrário-mercanti A UU L AL A Nesta aua, veremos por que o Nordeste é a região que apresenta maiores desiguadades sociais, com um marcante níve de pobreza e um ato níve de destruição

Leia mais

TÉCNICAS DA PESQUISA OPERACIONAL NO PROBLEMA DE HORÁRIOS DE ATENDENTES EM CENTRAIS TELEFÔNICAS

TÉCNICAS DA PESQUISA OPERACIONAL NO PROBLEMA DE HORÁRIOS DE ATENDENTES EM CENTRAIS TELEFÔNICAS TÉCNICAS DA PESQUISA OPERACIONAL NO PROBLEMA DE HORÁRIOS DE ATENDENTES EM CENTRAIS TELEFÔNICAS Angea Oandoski Barboza Departamento de Matemática, Centro Federa de Educação Tecnoógica do Paraná, Av. 7 de

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 02/2013 RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 2/213 A Presidente do Conseho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições, consoante o deiberado na 99ª Reunião Ordinária, reaizada no dia 1 de dezembro

Leia mais

Coaching, treinamentos e palestras

Coaching, treinamentos e palestras Coaching, treinamentos e paestras Somos Couto Nós acreditamos que o potencia humano é o fator determinante do sucesso nas organizações e na sociedade. Dessa forma, nossa missão e visão nos inspiram em

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira Intervalar: Análise Intervalar de Investimentos

Introdução à Matemática Financeira Intervalar: Análise Intervalar de Investimentos Introdução à Matemática Financeira Intervaar: náise Intervaar de Investimentos Gabriea do Carmo Pantoa Duarte Depto de Informática e Matemática picada, CCET, UFRN 5907-970, Nata, RN E-mai: gabrieapantoa@yahoo.com.br

Leia mais

ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO DO DER-SP

ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO DO DER-SP ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA 27 ANÁLISE DAS CONSEQÜÊNCIAS DO TRÁFEGO DE COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS DE CARGA (CVCs) SOBRE AS PONTES DA REDE VIÁRIA SOB JURISDIÇÃO

Leia mais

DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS. *E-mail: elpidio@unisc.

DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS. *E-mail: elpidio@unisc. DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS Epídio O. B. Nara 1 *, Leirson Eckert 2, Jaqueine de Moraes 3 1 SPI - Sistemas de Processos

Leia mais

Política do grupo para HIV/AIDS

Política do grupo para HIV/AIDS Poítica do grupo para HIV/AIDS A Ango American pc reconhece a tragédia humana causada pea epidemia de HIV/AIDS, particuarmente na África sub-saariana. Estamos preocupados com a gravidade e as impicações

Leia mais

l J ~ppro~e,oc_rirs Marc~996 ) 1 CARLOS AT.ÂlOE GAJ~CIP{/... Submitted to USAID April 11, 1996 USA WP 1TC1B 1-g

l J ~ppro~e,oc_rirs Marc~996 ) 1 CARLOS AT.ÂlOE GAJ~CIP{/... Submitted to USAID April 11, 1996 USA WP 1TC1B 1-g 2200 Carendon Bouevard Suite 900 Arington, Virgínia 2220 USA Lontract no: 2.i-ou2 I-C--:0X- Project no: PIO/T 657-002-~-2005 Contractor: LABAT-ANDERSON ncorporatcà USAID Projcct Officc: USAID;Bissau

Leia mais

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação

do trabalho Neste módulo, você vai estudar algumas Apresentação Organização do trabaho Neste móduo, você vai estudar agumas noções básicas de organização do trabaho. Na primeira aua é anaisada a importância do trabaho para o bem de cada um, da sociedade e da nação.

Leia mais

FATORES MACROECONÔMICOS QUE AFETARAM O SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL APÓS O PLANO REAL. Resumo

FATORES MACROECONÔMICOS QUE AFETARAM O SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL APÓS O PLANO REAL. Resumo FATORES MACROECONÔMICOS QUE AFETARAM O SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL APÓS O PLANO REAL Luciano Rodrigues Lara* Resumo No Brasil, a partir da implantação do Plano Real, houve uma acentuada queda no spread bancário,

Leia mais

11 Sistemas resolvem problemas

11 Sistemas resolvem problemas A UA UL LA Sistemas resovem probemas Introdução Na aua anterior, mostramos como resover sistemas de duas equações de 1º grau com duas incógnitas. Agora vamos usar essa importante ferramenta da matemática

Leia mais

Estruturas de Betão Armado II

Estruturas de Betão Armado II Estruturas de Betão Armado II A. P. Ramos Set. 006 ANÁLISE ELÁSTICA DOS ESFORÇOS Métodos de anáise eástica dos esforços: Métodos anaíticos Séries de Fourier Métodos numéricos: - Diferenças Finitas - Eementos

Leia mais

REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO NO CONTEXTO DO PROJETO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO

REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO NO CONTEXTO DO PROJETO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO... 69 REVESTIMENTOS TÉRMICOS EM PERFIS DE AÇO FORMADOS A FRIO NO CONTEXTO DO PROJETO ESTRUTURAL EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO Cristiane Lopes Mendes Jorge

Leia mais

NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1

NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA CURSO de ECONOMIA 2004-2005 NºAULAS PONTO PROGRAMA Cap. 35 1 1 INTRODUÇÃO 1 Porquê estudar mercados financeiros? Porquê estudar os bancos e as outras instituições financeiras?

Leia mais

METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas de Minas Gerais. Introdução

METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas de Minas Gerais. Introdução GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA SOCIAL SUPERINTENDÊNCIA DE PREVENÇÃO À CRIMINALIDADE DIRETORIA DE REINTEGRAÇÃO SOCIAL METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Centra de Apoio e Acompanhamento

Leia mais

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022 2.7 Financiamento Por que Financiamento? O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema

Leia mais

Relação entre setores

Relação entre setores Reação entre setores Na empresa existem outros tipos de trabaho aém daquees que produzem bens, como automóveis, geadeiras etc. Esses trabahos precisam de pessoas especiaizadas para que toda a empresa possa

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Púbico de Ingresso no Magistério Púbico Estadua EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Educação Física 11) Segundo

Leia mais

NEUROCONTROLADOR INVERSO DIRETO APLICADO A UM ATUADOR HIDRÁULICO

NEUROCONTROLADOR INVERSO DIRETO APLICADO A UM ATUADOR HIDRÁULICO NEUROCONTROLADOR INVERSO DIRETO APLICADO A UM ATUADOR HIDRÁULICO JOSÉ A. RIUL, UFPB - DTM - CT - Campus I - E-mai:riu@ct.ufpb.br JOSÉ H. F. CAVALCANTI, UFPB-DEE - CCT - Campus II - E-mai:homero@dsc.ufpb.br

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado A certificação de terceira-parte de sistemas de gestão é, com frequência, um requisito especificado para atuação

Leia mais

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros ANEXOS Processo de definição da taxa de juros A taxa de juros constitui-se no mais importante instrumento de política monetária à disposição do Banco Central. Através dela, a autoridade monetária afeta

Leia mais

4. SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS

4. SOLUÇÕES FUNDAMENTAIS 4. SOLUÇÕES FUNDAMENAIS Como visto no Capítuo (Seção.), os métodos de anáise de estruturas têm como metodoogia a superposição de casos básicos. No Método das Forças os casos básicos são souções estaticamente

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

Panorama da Inclusão Financeira no Brasil. Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico Sebrae Nacional

Panorama da Inclusão Financeira no Brasil. Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico Sebrae Nacional Panorama da Inclusão Financeira no Brasil Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico Sebrae Nacional Panorama da Inclusão Financeira no Brasil Agenda 1. Inclusão financeira: a construção de uma estratégia

Leia mais

AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ

AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ DIREITOS DA CRIANÇA CATARINA ALBUQUERQUE Técnica Superior no Gabinete de Documentação e Direito Comparado da Procuradoria-Gera da Repúbica AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ Documentação e Direito

Leia mais

MARE. A Reforma do Aparelho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns. Cadernos MARE da Reforma do Estado

MARE. A Reforma do Aparelho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns. Cadernos MARE da Reforma do Estado Cadernos MARE da Reforma do Estado A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns MARE Ministério da Administração Federa e Reforma do Estado MARE

Leia mais

MANKIW, N.G ECONOMIA DA INFORMAÇÃO 3/3/2009 PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO [UFRGS] 1 O MODELO DE MANKIW (1986) ECONOMIA DA INFORMAÇÃO

MANKIW, N.G ECONOMIA DA INFORMAÇÃO 3/3/2009 PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO [UFRGS] 1 O MODELO DE MANKIW (1986) ECONOMIA DA INFORMAÇÃO ECONOMIA DA INFORMAÇÃO PPGE/UFRGS SELEÇÃO ADVERSA E O COLAPSO DO MERCADO DE CRÉDITO O MODELO DE MANKIW (1986) O MODELO DE MANKIW (1986) Bibliografia: MANKIW, N.G. (1986). The Allocation of Credit and Financial

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO Índice Componentes do custo do crédito Taxa de juro Comissões Despesas Seguros Medidas agregadas do custo do crédito: TAE e TAEG Taxas máximas no crédito

Leia mais

Competências de Professores: um Fator Competitivo Darcy Mitiko Mori Hanashiro Doutora em Administração pea FEA-USP; Mestre em Administração pea Universidade Federa do Rio Grande do Su; Professora do Programa

Leia mais

Elaborado em parceria com a AMPA e IMAmt ANO 02 EDIÇÃO 13. mai/10. mar/10. abr/10

Elaborado em parceria com a AMPA e IMAmt ANO 02 EDIÇÃO 13. mai/10. mar/10. abr/10 JUNHO DE 2010 Lenta negociação de fertiizantes para a safra 2010/11 As negociações de fertiizantes para o cutivo da safra de verão 2010/11 parecem ainda não ter encontrado o momento de decoagem em diversas

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 0 a Fase Profa. Maria Antônia Gouveia. QUESTÃO 0 Considere o conjunto de todos os números de cinco agarismos distintos, formados com os agarismos,, 5, 8 e 9. Escoendo,

Leia mais

Teoria dos ciclos de investimento

Teoria dos ciclos de investimento Teoria dos ciclos de investimento elaborada por Kalecki KALECKI, Michal. Teoria da dinâmica econômica. São Paulo, Abril Cultural, 1976. (original de 1954). COSTA (2000), Lição 6.3: 241-245. http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Dentro dos programas dos diversos cursos de matemática

1. INTRODUÇÃO. Dentro dos programas dos diversos cursos de matemática 1. Introdução; 2. Conceito e classificação das taxas de juros; 3. Taxas equivalentes e proporcionais; 4. Juros pagos antecipadamente; 5. Conclusão. 1. INTRODUÇÃO No mercado financeiro brasileiro, mesmo

Leia mais

Triângulos especiais

Triângulos especiais A UA UL LA Triânguos especiais Introdução Nesta aua, estudaremos o caso de dois triânguos muito especiais - o equiátero e o retânguo - seus ados, seus ânguos e suas razões trigonométricas. Antes, vamos

Leia mais

PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM BARRAMENTO CAN PARA SUPORTE AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PARA MÁQUINAS AGRÍCOLAS

PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM BARRAMENTO CAN PARA SUPORTE AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PARA MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM BARRAMENTO PARA SUPORTE... 1 PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM BARRAMENTO PARA SUPORTE AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PARA MÁQUINAS AGRÍCOLAS Ricardo Y. Inamasu Embrapa

Leia mais

Atuais objetivos da normalização

Atuais objetivos da normalização A U L A Atuais objetivos da normaização Você agora vai estudar a útima parte deste assunto: os atuais objetivos da normaização. Pode-se dizer que a primeira fase da normaização, por vota de 1900 até os

Leia mais

MESA 3: Monitoramento e Avaliação 25/Agosto/2015

MESA 3: Monitoramento e Avaliação 25/Agosto/2015 MESA 3: Monitoramento e Avaliação 25/Agosto/2015 Raquel Oliveira, Pesquisadora do Departamento de Pesquisas do Banco Central do Brasil Poupança: por quê? Para quê? Nível micro: Poupança ajuda as famílias

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Como se pode proteger o ferro?

Como se pode proteger o ferro? Como se pode proteger o ferro? A UUL AL A Todos os componentes de uma bicieta recebem proteção contra ferrugem. A proteção do aço. Gavanização,cromação, zincagem e estanhagem A importância dos óxidos na

Leia mais

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Papel das Centrais de Informações Comerciais Os objetivos das centrais de informação de crédito são: Apoio à gestão de risco de crédito para

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE DO TRANSPORTE MARÍTIMO DE CONTÊINERES POR CABOTAGEM NA COSTA BRASILEIRA

ESTUDO DE VIABILIDADE DO TRANSPORTE MARÍTIMO DE CONTÊINERES POR CABOTAGEM NA COSTA BRASILEIRA RICARDO TERUMICHI ONO ESTUDO DE VIABILIDADE DO TRANSPORTE MARÍTIMO DE CONTÊINERES POR CABOTAGEM NA COSTA BRASILEIRA Dissertação apresentada à Escoa Poitécnica da Universidade de São Pauo para obtenção

Leia mais

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo!

O que você vai aprender. Seria bom já saber. Isto lhe interessa. entendia nada! Tinha que decorar tudo! A UA UL LA Eu Química O que você vai aprender Ciência Química Matéria Substância Progresso tecnoógico Novos materiais Como faz o cientista Seria bom já saber Para inicar o seu curso de Química, procure

Leia mais

Por que o cobre não precisa de proteção?

Por que o cobre não precisa de proteção? Por que o cobre não precisa de proteção? AUUL AL A Sobre o atão A recicagem do cobre Os usos do cobre metáico Decapagem do cobre metáico Especificação de um produto Souções diuídas e concentradas O que

Leia mais

Análise de Correspondência entre Clínicas Médicas e Indicadores Hospitalares: O Caso do Hospital Universitário de Santa Maria

Análise de Correspondência entre Clínicas Médicas e Indicadores Hospitalares: O Caso do Hospital Universitário de Santa Maria Anáise de Correspondência entre Cínicas Médicas e Indicadores Hospitaares: O Caso do Hospita Universitário de Santa Maria Fábio Mariano Bayer (UFSM) fabiobayer@mai.ufsm.br Adriano Mendonça Souza (UFSM)

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: MARKETING

ÁREA TEMÁTICA: MARKETING RBGN REVISTA BRASILEIRA DE GESTÃO DE NEGÓCIOS ISSN 1806-4892 FECAP ÁREA TEMÁTICA: MARKETING Marketing Verde: responsabiidade socia e ambienta integradas na envovente de marketing Green Marketing: integrated

Leia mais

Médias e Pequenas Empresas: Desafios e Oportunidades para os Bancos de Varejo. Carlos Alberto dos Santos

Médias e Pequenas Empresas: Desafios e Oportunidades para os Bancos de Varejo. Carlos Alberto dos Santos Médias e Pequenas Empresas: Desafios e Oportunidades para os Bancos de Varejo Carlos Alberto dos Santos Agenda 1) Um pouco ( só um pouco) de teoria. 2) Que mercado é este? 3) Desafios e oportunidades

Leia mais

Mercado de Crédito Consignado. Agosto 2014

Mercado de Crédito Consignado. Agosto 2014 Mercado de Crédito Consignado Agosto 2014 EMPRÉSTIMO CONSIGNADO EM FOLHA DE PAGAMENTO O empréstimo consignado é o melhor produto financeiro de crédito do país e seu desenvolvimento só foi possível por

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Procura de Codificadores BGU para utilização em Códigos com Concatenação Serial

Procura de Codificadores BGU para utilização em Códigos com Concatenação Serial Procura de Codificadores BGU para utiização em Códigos com Concatenação Seria Manish Sharma e Jaime Portugheis Resumo Este artigo apresenta um método para a procura de codificadores a serem utiizados em

Leia mais

Nesta aula, vamos identificar a Revolução

Nesta aula, vamos identificar a Revolução A energia vita: os recursos naturais são inesgotáveis? A UU L AL A Nesta aua, vamos identificar a Revoução Industria como responsáve pea grande mudança na utiização dos recursos naturais. Vamos avaiar

Leia mais

Banco de Portugal. Fevereiro/Março de 1999 NOVA APRESENTAÇÃO DAS ESTATÍSTICAS DA BALANÇA DE PAGAMENTOS. Departamento de Estatística

Banco de Portugal. Fevereiro/Março de 1999 NOVA APRESENTAÇÃO DAS ESTATÍSTICAS DA BALANÇA DE PAGAMENTOS. Departamento de Estatística Nova Apresentação das Estatísticas da Baança de Pagamentos Banco de Portuga Supemento ao Boetim Estatístico Fevereiro/Março de 1999 NOVA APRESENTAÇÃO DAS ESTATÍSTICAS DA BALANÇA DE PAGAMENTOS I - SUMÁRIO...

Leia mais

Guia de operação para 4334

Guia de operação para 4334 MO1211-PA Prefácio Congratuações por sua escoha deste reógio CASIO. Para obter o máximo de sua compra, certifique-se de er atentamente este manua. Advertência! As funções de medição incorporadas neste

Leia mais

ANÁLISE DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NA INDÚSTRIA DE COMPUTADORES

ANÁLISE DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NA INDÚSTRIA DE COMPUTADORES ANÁLISE DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NA INDÚSTRIA DE COMPUTADORES Pauo H. Parra Sívio R. I. Pires Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção UNIMEP, Via Santa Bárbara Iracemápois, km 1,

Leia mais

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Atividade Financeira

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Atividade Financeira II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010 Atividade Financeira Coordenação de Contas Nacionais/IBGE (São Paulo, 19 de junho de 2013) 1 Setor Institucional Empresas Financeiras Unidades institucionais

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Calculando a rpm e o gpm a partir da

Calculando a rpm e o gpm a partir da Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Cacuando a rpm e o gpm a partir da veocidade de corte A UU L AL A Para que uma ferramenta corte um materia, é necessário que um se movimente em reação ao outro a uma

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

Princípios e Procedimentos: Desafios Tributários

Princípios e Procedimentos: Desafios Tributários Princípios e Procedimentos: Desafios Tributários Marcos de Barros Lisboa Vice Presidente do Insper ODiagnóstico Oficial Desde 2008, a retomada do Nacional Desenvolvimentismo. Crescimento decorreria do

Leia mais

Calculando engrenagens cilíndricas

Calculando engrenagens cilíndricas Cacuando engrenagens ciíndricas A UU L AL A Em uma empresa, o setor de manutenção mecânica desenvove um importante pape na continuidade do fuxo da produção. Após o diagnóstico do defeito, reaizam-se a

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 137/12 Proc. nº T2-EOF-2012/344

E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 137/12 Proc. nº T2-EOF-2012/344 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA REGIÃO UASG 09008 i o n a F e d e r a ibuna Re gi on a Federa E D I T A L PREGÃO ELETRÔNICO Nº 137/1 Proc. nº T-EOF-01/344 O ibuna Regiona Federa da Região, por seu Pregoeiro,

Leia mais

l 2 l + l após a mundança l l 01 - Marque a alternativa verdadeira. Ano de 2005 Número possível de ações: 20 p 2 p 1 a) Se p +, p *, então x [ ] 1 1 1

l 2 l + l após a mundança l l 01 - Marque a alternativa verdadeira. Ano de 2005 Número possível de ações: 20 p 2 p 1 a) Se p +, p *, então x [ ] 1 1 1 EA CPCAR EXAME DE ADMISSÃO AO 1 o ANO DO CPCAR 009 MATEMÁTICA VERSÃO A 01 - Marque a aternativa verdadeira. Ano de 005 a) Se p 0 x = p p 1 + + +, p *, então x [ ] 1 1 1 + + 10 0 0 b) O vaor de y = é ta

Leia mais

As substâncias que formam o nosso planeta

As substâncias que formam o nosso planeta As substâncias que formam o nosso paneta Observe com bastante atenção esta iustração de uma casa, com seus diversos componentes e as substâncias ŒŒ utiizadas para fabricá-os. Œ Œ Œ Œ Œ Œ Ž Œ Œ A UU L AL

Leia mais

CONCURSO DE DESIGN FEDESIGN

CONCURSO DE DESIGN FEDESIGN CONCURSO DE DESIGN A Fábrica do Empresário é um projeto promovido pea Associação de Desenvovimento Empresaria da Benedita ADEB, que pretende assumirse como a oportunidade de promover o tecido empresaria

Leia mais

Desfibrilhação Automática Externa

Desfibrilhação Automática Externa Programa Naciona de Desfibrihação Automática Externa Versão 2/2012 Programa Naciona de Desfibrihação Automática Externa Programa Naciona de Desfibrihação Automática Externa Este programa poderá ser revisto

Leia mais

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Perigo Moral.

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Perigo Moral. Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Perigo Moral. (abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista, 1. Interlúdio Teórico Corridas bancárias sempre foram, desde o

Leia mais

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este artigo tem por objetivo analisar as taxas de aversão ao risco em alguns ramos do mercado

Leia mais

1 Introdução. futuras, que são as relevantes para descontar os fluxos de caixa.

1 Introdução. futuras, que são as relevantes para descontar os fluxos de caixa. 1 Introdução A grande maioria dos bancos centrais tem como principal ferramenta de política monetária a determinação da taxa básica de juros. Essa taxa serve como balizamento para o custo de financiamento

Leia mais

Cartilha da Política Nacional de Resíduos Sólidos. ara crianças

Cartilha da Política Nacional de Resíduos Sólidos. ara crianças Cartiha da Poítica Naciona de Resíduos Sóidos ara crianças 1 Presidente da ABES-SP Aceu Guérios Bittencourt Presidente do SELUR Ariovado Caodagio Coordenação Roseane Maria Garcia Lopes de Souza Equipe

Leia mais

Incentivos e financiamiento

Incentivos e financiamiento Incentivos e financiamiento Regime Fisca Vigente O sistema fisca espanho é moderno e competitivo. A carga fisca existente na Espanha (medido com a porcentagem dos impostos e os encargos sociais em reação

Leia mais

Estimativa da Probabilidade de Bloqueio em Redes Ópticas WDM com Topologia em Anel e com Encaminhamento no Comprimento de Onda

Estimativa da Probabilidade de Bloqueio em Redes Ópticas WDM com Topologia em Anel e com Encaminhamento no Comprimento de Onda Estimativa da Probabiidade de Boqueio em Redes Ópticas WDM com Topoogia em Ane e com Encaminhamento no Comprimento de Onda Mário M. Freire,3 e Ávaro M. F. de Carvaho 2,3 Departamento de Matemática e Informática,

Leia mais

ECV 5220 - ANÁLISE ESTRUTURAL II

ECV 5220 - ANÁLISE ESTRUTURAL II UNIVERSIDDE FEDERL DE SNT CTRIN CENTRO TECNOLÓGICO DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL ECV 5 - NÁLISE ESTRUTURL II Prof a Henriette Lebre La Rovere, Ph.D. Prof a Poiana Dias de Moraes, Dr Forianópois, fevereiro

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO E DOUTORADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO E DOUTORADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO E DOUTORADO Disciplina: ECN/899 - Microeconomia II Carga Horária:/Créditos: 60/04 Período: 2º semestre de 2009 Profas.: Mônica Viegas (Primeira e Segunda

Leia mais

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 I. Histórico O Clube Internacional de Financiamento ao Desenvolvimento (IDFC) é um grupo de 19 instituições de financiamento ao desenvolvimento

Leia mais